Monitoramento e Prevenção da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Monitoramento e Prevenção da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde"

Transcrição

1 Monitoramento e Prevenção da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Projeto a ser desenvolvido no âmbito do Termo de Cooperação 37 (TC 37) entre a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) Termo de Cooperação: ANVISA / OPAS Parceria: Coordenação Geral de Laboratórios de Saúde Pública CGLAB / SVS / MS Brasília, abril de

2 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1. Título do Projeto Monitoramento e Prevenção da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Duração Janeiro/2006 a Dezembro / 2007 (2 anos) 24 meses 1.3. Custo Estimado Valor para o período de 02 anos Total de recursos executados ou em execução do TC37 R$ ,00 Total de recursos em execução da Anvisa R$ ,00 Total de recursos em execução da CGLAB R$ ,00 Total de recursos a serem executados provenientes do TC 37 R$ ,00 Total de recursos a serem executados provenientes da Anvisa R$ ,00 Total de recursos a serem executados provenientes da OPAS R$ ,00 Total Geral R$ , Área(s) Responsável (is) e participante (s) Responsável (is): Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES Titular: Flávia Freitas de Paula Lopes Cargo: Gerente Geral Gerência de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos - GIPEA Titular: Adélia Aparecida Marçal dos Santos Cargo: Gerente Endereço: SEPN 515, Bloco B, 3º andar sala: 05 - Edifício Ômega - Unidade 1 Brasília (DF) Tel.: +55 (61) / 1499 Fax: +55 (61) Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde Endereço: Setor de Embaixada Norte, Lote 19 Asa Norte - Brasília (DF) CEP: Tel.: +55(61) / / Fax: +55 (61) Consultores: James Fitzgerald Gerente de Unidade de Medicamentos e Tecnologia Valeska de Andrade Stempliuk - Consultor Nacional da Unidade de Controle e Prevenção de Doenças 2

3 Demais áreas participantes: Gerência de Vigilância em Serviços Sentinela GVISS / NUVIG Titular: Clarice Alegre Petramale Cargo: Gerente Endereço: SEPN 515, Bloco B, 3º andar sala: 05 - Edifício Ômega - Unidade 1 Brasília (DF) Tel.: +55 (61) Fax: +55 (61) Coordenação Geral dos Laboratórios de Saúde Pública - CGLAB Titular: Maria Candida de Souza Dantas Cargo: Gerente Geral Endereço: SHS Quadra 6 conjunto A Bloco C sala 719, Edificio Business Center Tower, Asa Sul CEP: Brasília/DF Tel.: / FA: Equipe de elaboração do projeto Adélia Aparecida Marçal dos Santos - GIPEA/GGTES/ANVISA Cristiana Maria Toscano - OPAS/OMS Flávia Freitas de Paula Lopes - GGTES/ANVISA Silvia Figueiredo Costa - OPAS/OMS Valeska de Andrade Stempliuk - OPAS/OMS Equipe de apoio à elaboração e acompanhamento Adriana Mitsue Ivama - Gadip/Dicol Carla Leal - Único/GGREL/Anvisa Cíntia Faiçal Parenti GIPEA/GGTES/Anvisa Heiko Thereza Santana GIPEA/GGTES/Anvisa James Fitzgerald - OPAS/OMS Janaína Sallas - CGLAB/SVS/MS Leandro Queiroz Santi - GIPEA/GGTES/Anvisa Maria Dolores Gamarski - GIPEA/GGTES/Anvisa Renata Carvalho - UNICO/GGREL/Anvisa Yaskara Leonora de Mattos Lima - NAEST/Anvisa 3

4 2. INTRODUÇÃO 2.1. Antecedentes O desenvolvimento extraordinário da tecnologia médica, com aumento da expectativa de vida, proporcionou expressiva elevação na sobrevida humana e conseqüentemente no número de pessoas mantidas em atendimento sob condições críticas, assim como recém nascidos prematuros, idosos e pacientes com doenças crônico-degenerativas. Com pessoas mais susceptíveis expostas a procedimentos cada vez mais invasivos, as infecções hospitalares foram tornando-se cada vez mais freqüentes, com incidência em novas topografias e aumento nas taxas de ataque como um todo (1-3). Agravando esta situação, a resistência dos microrganismos ao tratamento com antimicrobianos vem aumentando rapidamente em todo o mundo, com grande impacto na efetividade da assistência à saúde, principalmente no âmbito hospitalar. Neste contexto, o uso indiscriminado dos antimicrobianos é um fator de risco importante para aparecimento e disseminação dessa resistência. Nas últimas décadas a resistência microbiana vem aumentando rapidamente em todo o mundo, particularmente no ambiente hospitalar. Dados da literatura internacional mostram que as unidades de terapia intensiva são propícias ao aparecimento e disseminação da resistência microbiana. Pacientes internados em unidades de terapia intensiva são mais graves, submetidos a vários procedimentos invasivos e geralmente utilizam antibióticos de amplo espectro de ação (4 8). No Brasil, a magnitude do problema resistência microbiana não é completamente conhecida, mas diversos pesquisadores brasileiros têm evidenciado o grande impacto das infecções causadas por estes patógenos no sistema hospitalar do país (8-33). O monitoramento da resistência propicia uma melhoria da regulação e vigilância sanitária de serviços de saúde. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), por meio da Gerência de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos (GIPEA), coordena o Programa Nacional de Controle de Infecção Hospitalar (PCIH), cujas atividades foram delineadas pela Lei nº 9431, de 6 de janeiro de Esta lei dispõe sobre a obrigatoriedade dos hospitais manterem um Programa de Infecção Hospitalar e criarem uma Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH). As diretrizes e normas que viabilizaram o planejamento do Programa foram definidas pela Portaria GM nº 2616, de 12 de maio de De acordo com esta Portaria, as Comissões de Controle de Infecção Hospitalar coordenam as ações de vigilância epidemiológica das infecções hospitalares, supervisionam normas e rotinas técnico-operacionais relacionadas à prevenção e controle das infecções, capacitam o quadro de funcionários e profissionais da instituição, desenvolvem ações para o uso racional de antimicrobianos, saneantes e materiais médico-hospitalares e realizam investigação epidemiológica de casos e surtos, implementando medidas imediatas de controle, dentre outras atividades. O monitoramento da resistência microbiana em serviços de saúde é imprescindível para o desenvolvimento de ações de controle e prevenção a nível local relacionadas 4

5 principalmente ao uso racional de antimicrobianos. Para o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, será um instrumento fundamental na definição de políticas prioritárias para a redução da resistência microbiana, tais como, capacitação de profissionais de laboratórios de microbiologia; treinamento de prescritores em uso racional de antimicrobianos; atualização da legislação sobre controle de infecção em serviços de saúde; definição de critérios para registro de novos medicamentos antimicrobianos; proibição da comercialização de produtos com associações de dois ou mais antimicrobianos com outras classes de medicamentos, quando não existe comprovação científica de benefício; controle rigoroso sobre a publicidade e promoção de medicamentos contendo antimicrobianos; dentre outros Justificativa Estudos sobre o aumento da mortalidade e da morbidade dos pacientes relacionadas às infecções por germes multirresistentes, em hospitais universitários e outros de referência regional, têm sido publicados, mensurando custos diretos e impactos sociais diversos, como aqueles decorrentes do sofrimento de pacientes e familiares. Pacientes com infecções causadas por microrganismos resistentes apresentam aumento expressivo na morbidade e na mortalidade, com maior custo no tratamento e necessidade de internação prolongada. Apesar da importância destes fatos, dados nacionais sobre resistência microbiana, assim como sobre o uso de antimicrobianos, ainda são escassos, com acurácia comprometida, principalmente devido à deficiência de padronização de métodos laboratoriais. Além disso, os estudos brasileiros são direcionados, na maioria das vezes, a um único patógeno, como S. pneumoniae e H. influenza, ou inseridos dentro de estudos multicêntricos como SENTRY e MYSTIC. Os estudos multicêntricos incluíram poucos centros brasileiros e um número pequeno de amostras aquém da realidade de um país continental. Em vista de tal complexidade, impõe-se a implementação coordenada de medidas que objetivem limitar a emergência e a disseminação da resistência microbiana, por meio da padronização de método para sua identificação e seu monitoramento e do uso prudente de antimicrobianos. O conjunto de ações apresentadas neste projeto objetiva qualificar a regulação e a atuação do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária no que se refere aos serviços de saúde junto à população, profissionais de saúde e componentes do Sistema Único de Saúde (SUS), para atuação conjunta na prevenção e controle deste importante problema de saúde pública Eixo de integração e resultado esperado do TC 37 O projeto está inserido no eixo 03 - Risco Sanitário e contribui para o resultado esperado de melhoria da regulação e vigilância sanitária de serviços de saúde. 5

6 2.4. Descrição do projeto As medidas que visam o uso prudente de antimicrobianos devem ser dirigidas aos diversos grupos de pessoas ou áreas de atividade que sofram maior impacto com o uso destes: pacientes e comunidade em geral; responsáveis pela prescrição e dispensação de antibióticos e quimioterápicos; serviços de saúde; uso de antimicrobianos em medicina veterinária e agricultura; órgãos reguladores de todos os níveis de governo. O projeto formará uma rede de informação sobre resistência microbiana dos serviços de saúde sendo realizado em oito etapas. Nas primeiras etapas ocorrerá a realização de cursos para capacitação de profissionais de laboratório de microbiologia dos Hospitais Sentinela e Laboratórios Centrais de Saúde Pública dos estados. Posteriormente teremos: a implementação de um programa periódico de controle interno e externo de garantia da qualidade laboratorial; um programa de educação permanente com intuito de mudar a prática de prescrição de antimicrobiano, melhorando a efetividade dos tratamentos nos serviços de saúde para dar suporte à rede e reduzindo a resistência dos microrganismos aos antimicrobianos; realização de eventos de divulgação e capacitação voltados a serviços de saúde e a sociedade e uma avaliação periódica do projeto. Em vista de tal complexidade, impõe-se a implementação coordenada de medidas que objetivem limitar a disseminação da resistência microbiana, por meio de seu monitoramento e do uso prudente de antimicrobianos. 6

7 3. OBJETIVOS, RESULTADOS E ATIVIDADES 3.1. Objetivo Geral Aumentar a efetividade da assistência à saúde, por meio do uso racional de antimicrobianos e da detecção tempestiva, prevenção e controle da emergência e disseminação da resistência microbiana em serviços de saúde no país Objetivo(s) Específico(s) 1. Avaliar a capacidade de laboratórios de microbiologia de identificar o perfil de sensibilidade de microrganismos e a capacidade das CCIHs de hospitais brasileiros de informar dados epidemiológicos sobre a resistência microbiana local. 2. Padronizar método para uso em laboratórios de microbiologia que garanta acurácia e reprodutibilidade de análises microbiológicas no âmbito nacional e melhoria da qualidade desses dados. 3. Capacitar laboratórios de saúde pública e de Hospitais Sentinela participantes do projeto RM para atuarem em rede na identificação e confirmação da resistência microbiana. 4. Capacitar as Comissões de Controle de Infecção do DF, estados, municípios e hospitais do projeto RM, para atuarem em rede, provendo dados epidemiológicos das infecções. 5. Implantar sistema de notificação e retorno de informação sobre detecção, prevenção e controle da disseminação da resistência microbiana. 6. Monitorar perfil de patógenos prioritários para realização de estudos epidemiológicos. 7. Identificar e estimular a adoção de estratégias específicas de prevenção e controle para os patógenos estudados. 8. Estabelecer diretrizes e estratégias de atuação para vigilância, prevenção e controle da disseminação da resistência microbiana hospitalar e comunitária. 9. Analisar o impacto da implantação da rede RM e da adoção das recomendações adotadas. 7

8 10. Servir de base para programa permanente para monitoramento do perfil de sensibilidade e controle da resistência microbiana hospitalar no Brasil Resultados Resultados preliminares foram obtidos com as ações realizadas de 2004 a 2005 no âmbito do TC 18 entre a OPAS/OMS e a Anvisa: a. Inquérito sobre a situação dos laboratórios de microbiologia. b. Aquisição dos direitos autorais, do manual do Clinical and Laboratory Standards Institute - CLSI (antigo NCCLS) na Língua Portuguesa. c. Disponibilização do manual do Clinical and Laboratory Standards Institute - CLSI (antigo NCCLS), gratuitamente em português no site da Anvisa. d. Início de estruturação da rede com adesão de 120 hospitais no projeto de Implantação da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana Rede RM. e. Elaboração e padronização de material didático em mídia eletrônica e impressa para capacitação dos laboratórios componentes da Rede RM f. Capacitação de 66 laboratórios (clínicos e de saúde pública) para implantação da Rede RM Atividades do Projeto - Conhecer e monitorar o perfil de resistência microbiana hospitalar no Brasil, possibilitando a melhoria da regulação e vigilância sanitária de serviços de saúde Capacitação de profissionais de laboratório das instituições hospitalares e dos Laboratórios Centrais de Saúde Pública - LACEN componentes da rede. O curso de capacitação será realizado com aulas teórico-práticas com carga horária de 40 (quarenta) horas, durante 5 (cinco) dias, para 20 (vinte) participantes por turma, abordando os seguintes pontos: identificação, realização de teste de sensibilidade através do método de disco difusão e E-TEST, discussão das limitações de cada metodologia assim como da utilização de métodos automatizados por grupos de microrganismos:gram positivos; Gram negativos e Leveduras Realização de capacitação para notificação da resistência e analise de informação - " Curso de Gerenciamento de Informação sobre Resistência Microbiana". O curso será realizado em duas etapas (Sul e Sudeste / Norte, Nordeste e Centro-Oeste), com participação de aproximadamente 150 profissionais em cada etapa. Serão treinados coordenadores do projeto na instituição, representante do laboratório de microbiologia e representante da CCIH, além de técnicos e diretores dos LACEN s, coordenadores de VISA s estaduais e gestores do SINAIS nos estados. 8

9 Realização de curso básico de uso racional de antimicrobianos e medidas de prevenção e controle da disseminação de resistência microbiana. Curso a distância para profissionais de saúde das áreas de CCIH, Enfermagem e Farmácia. Análise das informações da resistência produzida pela rede de monitoramento (coordenações) Análise das planilhas dos perfis de resistência e dos questionários de adesão às recomendações geradas pela rede de monitoramento. Contrato por produtos de um grupo de especialistas com experiência em banco de dados e controle de infecção hospitalar Apoio aos eventos científicos das áreas relacionadas ao tema. Apoio a reuniões de sociedades cientificas organizadas que estudam ou tenham interesse no tema da resistência microbiana e possam contribuir para adesão dos profissionais de saúde ao projeto de monitoramento e contenção da resistência microbiana. Avaliação do projeto (coordenação). Reunião para avaliação das atividades desenvolvidas no projeto. - Dados microbiológicos com qualidade Desenvolvimento e implementação de programa periódico de controle/garantia de qualidade laboratorial, envolvendo padronização do controle interno e externo. Elaboração de protocolos de controle interno e externo da qualidade, reuniões para discussão dos protocolos com especialistas nacionais e internacionais e distribuição dos microorganismos de referência para a realização dos controles de qualidade. Impressão de módulos manual de microbiologia e CLSI. Estabelecimento da rede de referência laboratorial para o diagnóstico e monitoramento de resistência microbiana de organismos prioritários em serviços de saúde. - Estabelecer parceria com a rede de referência dos laboratórios de Saúde Pública (LACENS - SVS/MS) Fornecimento de cepas de referência Estabelecer parceria com instituição para fornecimento e distribuição das cepas ATCC para os laboratórios de referência da Rede. Aquisição e atualização dos manuais de do Clinical and Laboratory Standarts Institute Compra dos direitos autorais, tradução para o português e publicação das recomendações. - Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Criação de mecanismos para a troca de informações entre os componentes da rede. Implantação e gerenciamento técnico de um portal sobre o Tema Resistência Microbiana. Ampliação da rede de monitoramento. Adesão de hospitais e laboratórios a rede de monitoramento de Resistência. Realização de curso de capacitação para laboratórios, dos novos componentes da rede. Cooperação Internacional com a Rede de Monitoramento da Resistência da OPAS e da OMS.- Inclusão da Rede RM na rede de monitoramento da OPA/OMS e ao programa de controle externo da qualidade. Realização de seminários semestrais de gerenciamento da Rede de Resistência Microbiana. - Seminário para avaliar as ações desenvolvidas no projeto e a tomada de decisão sobre os seus encaminhamentos. 9

10 Retro-alimentação de informações para notificantes, para outras áreas da ANVISA e para outras instituições governamentais e não governamentais de saúde no país publicações periódicas trimestrais dos resultados da rede. Elaboração e distribuição de informes sobre os dados de resistência microbiana em boletins eletrônicos destinados aos notificantes da rede. Publicação dos dados de resistência para as demais áreas da ANVISA e outras instituições governamentais e não governamentais de saúde do país. Boletim de divulgação sobre uso racional de antimicrobianos e controle da resistência microbiana. Boletim de divulgação das atividades e resultados obtidos na área de uso racional e controle da resistência. Gestão técnica do conteúdo do Portal do Comitê Técnico Assessor para o Uso Racional de Antimicrobianos e Resistência Microbiana na Comunidade Virtual com a Rede RM e Análise de informações em tempo real. Contrato por produto para gestão do conteúdo do portal. - Sistema de notificação para prevenção e controle da disseminação da resistência microbiana. Criação de instrumentos padrão e definição dos microrganismos passíveis de notificação. Definição dos microorganismos prioritários para notificação com base em estudos nacionais e internacionais. Elaboração de planilhas eletrônicas e fichas de notificação destes microorganismos. Interpretação de resultados microbiológicos para auxiliar na prescrição racional de antimicrobianos. Curso de capacitação profissionais do serviço de saúde sobre prescrição de antimicrobianos e curso avançado para profissionais de serviço de saúde voltados às áreas assistenciais de maior densidade de prescrição de antimicrobianos (terapia intensiva, pediatria, pneumologia e oncologia) - curso à distancia modular: básico e avançado destinados a prescritores. Publicação de manual técnico. - elaboração por especialistas de manual técnico sobre interpretação de resultados de exames microbiológicos e prescrição de antimicrobianos. Profissionais dos serviços de saúde capacitados para o uso racional de antimicrobianos Realização de seminários nacionais com periodicidade para discussão da emergência e controle da disseminação da resistência microbiana no país - Seminários para apresentação dos dados de Rede de monitoramento, discussão da emergência e medidas de controle da disseminação da resistência. Publicação de manual técnico. - elaboração por especialistas de manual técnico sobre uso racional de antimicrobianos Normas técnicas e padrões de identificação microbiana, com determinação do perfil de sensibilidade e utilização de antimicrobianos direcionada para a realidade brasileira. 10

11 Realização de encontros periódicos com especialistas para elaboração das normas técnicas. Estudos e pesquisas que subsidiem a implementação de estratégias de prevenção e controle específicos. Realizar pesquisa por meio de parcerias com instituições de ensino. - realizar pesquisas que identifiquem fatores de risco para o desenvolvimento de resistência, medidas de contenção custo-efetivo, novos mecanismos de resistência e novas metodologias de detecção da resistência microbiana. 11

12 4. MATRIZ LÓGICA Objetivo geral: Aumentar a efetividade da assistência à saúde, por meio do uso racional de antimicrobianos e da detecção tempestiva, prevenção e controle da emergência e disseminação da resistência microbiana em serviços de saúde no país. Objetivo específico (1): Conhecer e monitorar o perfil de resistência microbiana hospitalar no Brasil, possibilitando a melhoria da regulação e vigilância sanitária de serviços de saúde. Resultado 1.1: Informações sobre o perfil de resistência microbiana hospitalar no Brasil Capacitação dos profissionais de laboratório das instituições hospitalares componentes da rede. INDICADORES Taxa de sensibilidade e resistência de bactérias do serviço de saúde no Brasil. Percentual das instituições ao menos com 1 técnico capacitado. MEIOS DE VERIFICAÇÃO Coleta de Informações Lista de Presença PRESSUPOSTOS Implementação da metodologia nos laboratórios. Disponibilidade das instituições de referência para realizar capacitação A - Realização de curso básico de uso racional de antimicrobianos, análise de informação e medidas de prevenção de controle e disseminação de resistência microbiana (CCIH, farmacêutico, enfermagem) instituições com no mínimo 2 profissionais capacitados Lista de Presença Disponibilização das instituições para realizar a capacitação B - Curso de capacitação para uso racional de antimicrobianos, medidas de prevenção e controle da resistência instituições com no mínimo 2 profissionais capacitados Lista de Participação Disponibilização das instituições para realizar a capacitação Análise das informações da resistência produzida pela rede de monitoramento (coordenações) Número de relatórios/ano Divulgação dos boletins e relatórios Definição pela Anvisa Apoio aos eventos científicos das áreas relacionadas ao tema solicitações de eventos de relevância atendidas Definição pela Anvisa e aprovação da colegiada Avaliação do projeto Número de relatórios/ano Divulgação da avaliação Definição pela Anvisa Objetivo específico (2): Elaborar mecanismos para melhoria da qualidade dos dados e da emissão de laudos microbiológicos Resultado 2.1: Dados microbiológicos com qualidade INDICADORES acurácia obtida pelos laboratórios e verificada pelo programa externo de qualidade. MEIOS DE VERIFICAÇÃO Informações provenientes do controle interno e externo de qualidade PRESSUPOSTOS Implementação do programa de qualidade externo 12

13 2.1.1 Desenvolvimento e implementação de programa periódico de controle/garantia de qualidade laboratorial, envolvendo padronização do controle interno e externo. Impressão de módulos manual de microbiologia e CLSI instituições realizando controle interno e externo de qualidade. Avaliação periódica de desempenho. Disponibilidade das Cepas ATCC Estabelecimento da rede de referência laboratorial para o diagnóstico e monitoramento de resistência microbiana de organismos prioritários em serviços de saúde. organismos prioritários com referência definida. Grade de referência Articulação com a CGLAB Fornecimento de cepas ATCC participantes da rede que receberam as cepas controle Verificação do envio das cepas para as instituições participantes e laboratórios de referência. Definição pela ANVISA e articulação com a CGLAB Aquisição e atualização dos manuais de do Clinical and Laboratory Standarts Institute Número de exemplares distribuídos Notificação de recebimento dos manuais Aquisição dos manuais do CLSI Objetivo específico (3): Implementar Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Resultado 3.1: Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Criação de mecanismos para a troca de informações entre os componentes da rede. INDICADORES Percentual das instituições notificando os microrganismos prioritários. laboratórios participando da Comunidade Virtual MEIOS DE VERIFICAÇÃO Coleta de Informações Estatísticas de uso do site PRESSUPOSTOS Implementação da metodologia nos laboratórios. Necessidade de acesso à internet pelos componentes da rede Ampliação da rede de monitoramento. crescimento da rede Termo de adesão dos hospitais Cooperação Internacional com a Rede de Monitoramento da Resistência da OPAS e da OMS. Número de visitas técnicas/ano Definição pela ANVISA Realização de seminários semestrais de gerenciamento da Rede de Resistência Microbiana. Número de seminários/ano Definição pela Anvisa e aprovação da colegiada Retro-alimentação de informações para notificantes, para outras áreas da ANVISA e para outras instituições governamentais e não governamentais de saúde no país publicações periódicas trimestrais dos resultados da rede. Número de relatórios produzidos com os resultados da rede Divulgação das informações Definição pela ANVISA Boletim de divulgação sobre uso racional de antimicrobianos e controle de resistência microbiana. Número de boletim/ano Divulgação das informações Definição pela ANVISA Gestão técnica do conteúdo do Portal do Comitê Técnico Assessor para o Uso Racional de Antimicrobianos e Resistência Microbiana na Comunidade Virtual com a Rede RM e Análise de informações em tempo real. Número de acessos/ano Relatório Divulgação pela ANVISA 13

14 Objetivo específico (4): Implantar sistema de notificação da emergência de microrganismos resistentes. Resultado 4.1: Identificação da emergência de microrganismos resistentes. INDICADORES Percentual das instituições notificando com microrganismos prioritários MEIOS DE VERIFICAÇÃO Coleta de informações PRESSUPOSTOS Implementação da metodologia nos laboratórios Criação de instrumentos padrão e definição dos microrganismos passíveis de notificação. microrganismos prioritários notificados via SINAIS Análise dos dados do SINAIS Implementação da metodologia nos laboratórios Implementação da notificação 14

15 Objetivo específico (5): Melhorar a solicitação, interpretação dos resultados dos exames microbiológicos e prescrição de antimicrobianos. Resultado 5.1: Interpretação de resultados microbiológicos para auxiliar na prescrição racional de antimicrobianos INDICADORES Quantidade e qualidade dos antimicrobianos prescritos após capacitação de prescritores MEIOS DE VERIFICAÇÃO Coleta de Informações PRESSUPOSTOS 5.1.1: Capacitação do profissional do serviço de saúde voltada para a qualidade da prescrição de antimicrobianos e curso avançado para profissionais de serviço de saúde voltados às áreas assistenciais de maior densidade de prescrição de antimicrobianos (terapia intensiva, pediatria, pneumologia e oncologia) Número de profissionais prescritores capacitados. Lista de Participação Sensibilização do diretor da instituição para capacitação dos profissionais prescritores Publicação de manual técnico Número de manuais distribuídos Publicação do manual Divulgação da ANVISA. Objetivo específico (6): Melhorar a efetividade do uso de antimicrobianos na assistência à saúde. Resultado 6.1: Profissionais dos serviços de saúde capacitados para o uso racional de antimicrobianos INDICADORES instituições notificando o uso de antimicrobianos MEIOS DE VERIFICAÇÃO Coleta de Informações PRESSUPOSTOS Implementação da metodologia nos laboratórios e capacitação dos prescritores Realização de seminários nacionais com periodicidade para discussão da emergência e controle da disseminação da resistência microbiana no país. Número das instituições participando em Congressos Definição pela ANVISA e aprovação da colegiada Publicação de manual técnico Número de manuais distribuídos Publicação do manual Divulgação da Anvisa 15

16 Objetivo específico (7): Contribuir para elaboração de normas técnicas e padrões de identificação microbiana, direcionada para a realidade brasileira. Resultado 7.1: Normas técnicas e manuais de padrão de identificação microbiana, determinação do perfil de sensibilidade e utilização de antimicrobianos direcionada para a realidade brasileira Realização de encontros periódicos com especialistas para elaboração das normas técnicas. Objetivo específico (8): INDICADORES resoluções publicadas de temas afins, e manuais considerando as informações da resistência / número de grupos Número de grupos mantidos na elaboração das normas técnicas MEIOS DE VERIFICAÇÃO Publicação no site da Anvisa Divulgação dos boletins e relatórios PRESSUPOSTOS Aprovação da Colegiada Fomentar o desenvolvimento de estudos e pesquisas que subsidiem a implementação de estratégias de prevenção e controle específicos. Resultado 8.1: Estudos e pesquisas que subsidiem a implementação de estratégias de prevenção e controle específicos Realizar estudos por meio de parcerias com as instituições. INDICADORES Número de estudos e pesquisas produzidas pelos componentes da rede pesquisas concluídas. MEIOS DE VERIFICAÇÃO Publicação Publicação PRESSUPOSTOS Aprovação da ANVISA Aprovação da ANVISA 16

17 5. Cronograma de execução RESULTADOS E ATIVIDADES Ano/Trimestre 2006 e Resultado 1.1: Informações sobre o perfil de resistência microbiana hospitalar no Brasil Capacitação dos profissionais de laboratório das instituições hospitalares componentes da rede A - Realização de capacitação para notificação da resistência e analise de informação - " Curso de Gerenciamento de Informação sobre Resistência Microbiana B - Curso de capacitação para uso racional de antimicrobianos, medidas de prevenção e controle da resistência Análise das informações da resistência produzida pela rede de monitoramento (coordenações) Apoio aos eventos científicos das áreas relacionadas ao tema Avaliação do projeto Resultado 2.1: Dados microbiológicos com qualidade Atividade Desenvolvimento e implementação de programa periódico de controle/garantia da qualidade laboratorial, envolvendo padronização do controle interno e externo. Impressão de módulos manual de microbiologia e CLSI Estabelecimento e atualização da rede de referência laboratorial para o diagnóstico e monitoramento de resistência microbiana de organismos prioritários em serviços de saúde Fornecimento de cepas de referência Aquisição e atualização dos manuais de do Clinical and Laboratory Standarts Institute CLSI. 17

18 Resultado 3.1: Rede de monitoramento da resistência microbiana em serviços de saúde Criação de mecanismos para a troca de informações entre os componentes da rede Ampliação da rede de monitoramento Cooperação Internacional com a Rede de Monitoramento da Resistência da OPAS e da OMS Realização de seminários semestrais de gerenciamento da Rede de Resistência Microbiana Retro-alimentação de informações para notificantes, para outras áreas da ANVISA e para outras instituições governamentais e não governamentais de saúde no país publicações periódicas trimestrais dos resultados da rede Boletim de divulgação sobre uso racional de antimicrobianos e controle de resistência microbiana Gestão técnica do conteúdo do Portal do Comitê Técnico Assessor para o Uso Racional de Antimicrobianos e Resistência Microbiana na Comunidade Virtual com a Rede RM e análise de informações em tempo real 18

19 Resultado 4.1: Identificação da emergência de microrganismos resistentes. Atividade Criação de instrumentos padrão e definição dos microrganismos passíveis de notificação. Resultado 5.1: Interpretação de resultados microbiológicos para auxiliar na prescrição racional de antimicrobianos Atividade Capacitação do profissional do serviço de saúde voltada para a qualidade da prescrição de antimicrobianos Publicação de manual técnico Resultado 6.1: Profissionais dos serviços de saúde capacitados para o uso racional de antimicrobianos Realização de seminários nacionais com periodicidade para discussão da emergência e controle da disseminação da resistência microbiana no país Publicação de manual técnico Resultado 7.1: Normas técnicas e padrões de identificação microbiana, determinação do perfil de sensibilidade e utilização de antimicrobianos direcionada para a realidade brasileira Realizar encontros periódicos com especialistas para elaboração das normas técnicas Resultado 8.1: Estudos e pesquisas que subsidiem a implementação de estratégias de prevenção e controle específicos Realizar estudos por meio de parcerias com as instituições. 6. AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO Deverão ser realizados relatórios técnicos parciais de desenvolvimento do projeto a cada seis meses e um relatório final, que serão disponibilizados na Intravisa, juntamente com o resumo do projeto e os produtos disponíveis. 19

20 7. Referências Bibliográficas 1. CDC NNIS System. National nosocomial infections surveillance (NNIS) system report, data summary from January 1992 through June 2003, issued August Am J Infect Control 2003;31: Garner JS; Jarvis WR; Emori YG. CDC definitions for nosocomial infections. Am J Infect Control 1988;16: Murray, P. R., E. J. Baron, J. H. Jorgensen, M. A. Pfaller, and R. H. Yolken, (eds) Manual of Clinical Microbiology, 8th ed. pp ASM Press, Washington, DC. 4. Chang MR, Carvalho NC, Oliveira AL, Moncada PM, Moraes BA, Asensi MD. Surveillance of pediatric infections in a teaching hospital in Mato Grosso do Sul, Brazil. Braz J Infect Dis Apr;7(2): Dantas SR, Moretti-Branchini ML. Impact of antibiotic-resistant pathogens colonizing the respiratory secretions of patients in an extended-care area of the emergency department. Infect Control Hosp Epidemiol May;24(5): Moraes BA, Cravo CA, Loureiro MM, Solari CA, Asensi MD.Epidemiological analysis of bacterial strains involved in hospital infection in a university hospital from Brazil. Rev Inst Med Trop Sao Paulo Jul-Aug;42(4): Cassettari VC, Strabelli T, Medeiros EA.Staphylococcus aureus bacteremia: what is the impact of oxacillin resistance on mortality? Braz J Infect Dis Feb;9(1):70-6. Epub 2005 Jun 6 8. Dalla-Costa LM, Coelho JM, Souza HA, Castro ME, Stier CJ, Bragagnolo KL, Rea-Neto A, Penteado-Filho SR, Livermore DM, Woodford N. Outbreak of carbapenem-resistant Acinetobacter baumannii producing the OA-23 enzyme in Curitiba, Brazil. J Clin Microbiol Jul;41(7): Gales AC, Tognim MC, Reis AO, Jones RN, Sader HS. Emergence of an IMP-like metallo-enzyme in an Acinetobacter baumannii clinical strain from a Brazilian teaching hospital. Diagn Microbiol Infect Dis Jan;45(1): Gales AC, Sader HS, Mendes RE, Jones RN. Salmonella spp. isolates causing bloodstream infections in Latin America: report of antimicrobial activity from the SENTRY Antimicrobial Surveillance Program ( ). Diagn Microbiol Infect Dis Nov;44(3): Jones ME, Blosser-Middleton RS, Critchley IA, Thornsberry C, Sahm DF, Yamakita J, Akasaki M, Karlowsky JA. The activity of levofloxacin and comparator agents against clinical isolates of Streptococcus pneumoniae collected worldwide during 1999 and 2000.Chemotherapy Dec;48(5): Casagrande ST, Landgraf IM, Kobata AM, Zanella RC, Bokermann S. Antimicrobial resistance among invasive Haemophilus influenzae strains: results of a Brazilian study carried out from 1996 through Braz J Med Biol Res Nov;35(11): Gamboa L, Camou T, Hortal M, Castaneda E; Sireva-Vigia Working Group. Dissemination of Streptococcus pneumoniae clone Colombia(5)-19 in Latin America. J Clin Microbiol Nov;40(11):

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTENCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTENCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTENCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE Termo de Cooperação ANVISA/OPAS Parceria Coordenação Geral de Laboratórios de Saúde Pública CGLAB/

Leia mais

Relatório do I Seminário Semestral de Gerenciamento da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Rede RM

Relatório do I Seminário Semestral de Gerenciamento da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Rede RM Relatório do I Seminário Semestral de Gerenciamento da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Rede RM Data: 12 de dezembro de 2006 Local: OPAS - Brasília Participantes

Leia mais

Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde

Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde I - RESUMO EXECUTIVO Responsáveis: - Adélia Aparecida Marçal dos Santos Gerência de

Leia mais

REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO

REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO Atribuições dos participantes da Rede RM 1) Gestor dos Hospitais Colaboradores da Rede RM Indicar

Leia mais

Relatório Final II Seminário Semestral de Gerenciamento da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Rede RM

Relatório Final II Seminário Semestral de Gerenciamento da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Rede RM Relatório Final II Seminário Semestral de Gerenciamento da Rede Nacional de Monitoramento da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Rede RM Data: 28 de agosto de 2007 Local: OPAS - Brasília I - PARTICIPANTES

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE O CADASTRAMENTO DAS COORDENAÇÕES MUNICIPAIS DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - CMCIH 2010/2012

RELATÓRIO SOBRE O CADASTRAMENTO DAS COORDENAÇÕES MUNICIPAIS DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - CMCIH 2010/2012 RELATÓRIO SOBRE O CADASTRAMENTO DAS COORDENAÇÕES MUNICIPAIS DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR - CMCIH 200/202 Brasília, Maio de 202 Diretores: Dirceu Brás Aparecido Barbano Diretor-Presidente Jaime Cesar

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL

II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL 1 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 3 II - NOTIFICAÇÃO... 3 1. Vigilância / Requerimentos...

Leia mais

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle *

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, dezembro de 2010. Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * Embora o controle

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa COMEMORAÇÃO DOS 29 ANOS DO ICICT/FIOCRUZ Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa O papel da COSAPI no incentivo de experiências exitosas de

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

Monitoramento e Prevenção da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde

Monitoramento e Prevenção da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Monitoramento e Prevenção da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Relatório Anual 2008 Termo de Cooperação 37 (TC 37) entre a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS) e a Agência Nacional de

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo? 10 a Jornada de Controle de Infecção Hospitalar CCIH Hospital de Câncer de Barretos da Maternidade Sinhá Junqueira Ribeirão Preto, 29 e 30 de julho de 2005 Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Leia mais

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Aspectos a serem abordados: Reflexões sobre: O contexto da Aliança Mundial para Segurança do Paciente. Panorama da Regulamentação

Leia mais

Mesa - redonda. Programas Nacionais. Programa Nacional da Prevenção das Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde

Mesa - redonda. Programas Nacionais. Programa Nacional da Prevenção das Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde Mesa - redonda Programas Nacionais Programa Nacional da Prevenção das Infecções Associadas Cuidados de Saúde Cristina Costa Programa Nacional de Prevenção das Resistências antimicrobianos Ana Leça Moderadora

Leia mais

Consulta Pública n.º 09/2013

Consulta Pública n.º 09/2013 Consulta Pública n.º 09/2013 Diretor Relator: Dirceu Barbano Regime de tramitação: comum Publicação: 02/04/2013 Prazo para contribuição: 30 dias 09/04 à 08/05 Agenda Regulatória: não Área Técnica: GGTES

Leia mais

Controle da infecção hospitalar no Estado de São Paulo. Cilmara Polido Garcia

Controle da infecção hospitalar no Estado de São Paulo. Cilmara Polido Garcia Controle da infecção hospitalar no Estado de São Paulo Cilmara Polido Garcia Períodos de 1855 N. de soldados admitidos no hospital N. (%) de soldados que morreram Janeiro a março 10.283 3354 (33) Abril

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PCIH. Orientações

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PCIH. Orientações PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PCIH Orientações O que é o PCIH Considera-se Programa de Controle de Infecção Hospitalar o conjunto de ações desenvolvidas deliberada e sistematicamente, com

Leia mais

COMUNICADO DE RISCO N 001/2014 - GVIMS/GGTES/SSNVS/ANVISA

COMUNICADO DE RISCO N 001/2014 - GVIMS/GGTES/SSNVS/ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária COMUNICADO DE RISCO N 001/2014 - GVIMS/GGTES/SSNVS/ANVISA Orientações para os serviços de saúde em virtude da suspensão do uso em todo o território nacional de

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 Enfermeira, 01 Farmacêutica e 01 Medico Infectologista e consultores-representantes

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR CONTEUDISTA (MESTRE) PARA O CURSO DE QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA, COM UTILIZAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DA

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.031, DE 23 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre a organização do Sistema Nacional de Laboratórios de Saúde Pública. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no

Leia mais

Formação e Estrutura do Programa Nacional de Segurança do Paciente

Formação e Estrutura do Programa Nacional de Segurança do Paciente Formação e Estrutura do Programa Nacional de Segurança do Paciente 29 de julho de 2015 Capacitação em segurança do paciente para a vigilância sanitária SESA-PR Rosângela Gomes Benevides Coordenadora de

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de SP Curso de Graduação em Enfermagem Autorização em 04/12/00 Parecer No. 1115/00

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de SP Curso de Graduação em Enfermagem Autorização em 04/12/00 Parecer No. 1115/00 PROGRAMA DA DISCIPLINA DE MICROBIOLOGIA Plano de Ensino Ano Letivo 2012 1º Semestre CHEFE DA DISCIPLINA: Profª Dra. Lycia Mara Jenné Mímica COORDENADOR DO CURSO: CORPO DOCENTE: Profª. Alessandra Navarini

Leia mais

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL 1. Conceito Por Aramis Cardoso A Vigilância em Saúde Ambiental é definida como o conjunto de ações que proporcionam o conhecimento e a detecção de qualquer

Leia mais

Estabelecimentos de Saúde/Infec

Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Ana Luiza Rammé Ana Carolina Kraemer Roberta

Leia mais

Programa de Pesquisas Hospitalares Em Busca de Excelência: Fortalecendo o Desempenho Hospitalar em Brasil

Programa de Pesquisas Hospitalares Em Busca de Excelência: Fortalecendo o Desempenho Hospitalar em Brasil Banco Mundial Programa de Pesquisas Hospitalares Em Busca de Excelência: Fortalecendo o Desempenho Hospitalar em Brasil DIAGNÓSTICO DO CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR NO BRASIL Adélia Aparecida Marçal

Leia mais

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 OBJETIVO: ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Este Roteiro estabelece a sistemática para a avaliação do cumprimento das ações do Programa de Controle de Infecção

Leia mais

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino 54 55 Ensino Principais realizações Início da primeira etapa do Projeto de Diagnóstico de Recursos Humanos em Oncologia no país. Implementação da inscrição informatizada. Início do Projeto de Educação

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

Boletim informativo Segurança do Paciente e Qualidade Assistencial em Serviços de Saúde

Boletim informativo Segurança do Paciente e Qualidade Assistencial em Serviços de Saúde VOLUME 1 NÚMERO 2 Boletim informativo Segurança do Paciente e Qualidade Assistencial em Serviços de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Brasília, Jan-Jul de 2011. Prevenção e controle das

Leia mais

Mapeamento de Processos

Mapeamento de Processos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Mapeamento de Processos Projeto a ser desenvolvido no âmbito da Gerência de Sistemas/GGTIN Brasília, agosto de 2006. 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1. Título do

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE-SPAIS Goiânia Agosto/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE - SPAIS 6. GERÊNCIA DE

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS Novembro de 2009 PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS ÍNDICE Pág. I. INTRODUÇÃO... 2 II. ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Tópicos 1. CCIH no Brasil 2. CCIH e a Segurança do Paciente: Qual

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS - CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA "PROF. ALEXANDRE VRANJAC" DIVISÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br Psicologia Intensiva uma especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br PSICOLOGIA INTENSIVA O intensivismo é uma especialidade que apresenta um caráter interdisciplinar voltado

Leia mais

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP Complexo Hospitalar - Hospital Filantrópico - Área 69.000 m² - 10 prédios - 1.143 leitos - 101 leitos de UTI NHE (VEH / GRSH / CCIH) COMISSÕES

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS RESULTADOS 2009. Brasília, 30 de março de 2010

SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS RESULTADOS 2009. Brasília, 30 de março de 2010 SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados RESULTADOS 2009 Brasília, 30 de março de 2010 SNGPC Ferramenta informatizada para captura

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1.Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e implementação das atividades dos Projetos de Fortalecimento da Assistência Farmacêutica (Termo de Cooperação

Leia mais

Projeto Hospitais Sentinela: A experiência da Anvisa e da Rede Sentinela no Controle de EA em Hospitais

Projeto Hospitais Sentinela: A experiência da Anvisa e da Rede Sentinela no Controle de EA em Hospitais Projeto Hospitais Sentinela: A experiência da Anvisa e da Rede Sentinela no Controle de EA em Hospitais Anvisa: : Agência Nacional de Vigilância Sanitária Clarice Alegre Petramale EPI 2008 Um pouco de

Leia mais

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar Enfª. Viviane Silvestre O que é Home Care? Metas Internacionais de Segurança do Paciente Metas Internacionais

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR SÊNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Rede Sentinela Desde 2011, 192 hospitais da Rede Sentinela monitoram

Leia mais

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL JUSTIFICATIVA A experiência na implementação da primeira versão do Programa Contabilizando o Sucesso

Leia mais

Nacional sobre Propaganda e Uso Racional de Medicamentos

Nacional sobre Propaganda e Uso Racional de Medicamentos Seminário Nacional sobre Propaganda e Uso Racional de Medicamentos Brasília 31 de agosto,, 1 e 2 de setembro de 2006 Promoção do Uso Racional de Medicamentos Informação aos Prescritores e Dispensadores

Leia mais

Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário: os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente

Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário: os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário: os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente Eduardo Hage Carmo Superintendente de Fiscalização, Controle e Monitoramento 15 Encontro da

Leia mais

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Medicamentos e Produtos Gerência de Investigação

Leia mais

Seminário de Doenças Crônicas

Seminário de Doenças Crônicas Seminário de Doenças Crônicas LINHA DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gabinete SMS Diadema Linha de cuidado de HAS e DM Experiência

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS

PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS.ª ANA MARIA SILVEIRA MACHADO DE MORAES EMENTA: Assinatura

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO 13/04/2009 Levantamento inédito sobre a situação do controle da infecção hospitalar realizado pelo Conselho Regional

Leia mais

Modelo de Plano de Ação

Modelo de Plano de Ação Modelo de Plano de Ação Para a implementação da Estratégia Multimodal da OMS para a Melhoria da Higiene das Mãos Introdução O Modelo de Plano de Ação é proposto para ajudar os representantes de estabelecimentos

Leia mais

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS N o 152 Abril/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

REDE SENTINELA - Uma Visão Geral

REDE SENTINELA - Uma Visão Geral REDE SENTINELA - Uma Visão Geral Patricia Fernanda Toledo Barbosa Coordenação de Vigilância em Serviços Sentinela Campinas SP, 10 de maio de 2011. VISA PRODUÇÃO CONSUMO AVALIAÇÃO, ANÁLISE e GERENCIAMENTO

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH Código: PCIH. SCIH. 001 Versão: 1.0 Revisão: 00 Página: 1de 9 PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH 2013 Código: PCIH. SCIH. 001 Versão: 1.0 Revisão: 00 Página: 2de 9 Programa de Atividades

Leia mais

Estratégias para a implantação do T&V

Estratégias para a implantação do T&V 64 Embrapa Soja, Documentos, 288 Estratégias para a implantação do T&V Lineu Alberto Domit 1 A estratégia de ação proposta está baseada na experiência acumulada na implantação do sistema T&V no estado

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE

Leia mais

Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014

Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014 Dengue: situação epidemiológica e estratégias de preparação para 2014 Secretaria de Vigilância em Saúde Jarbas Barbosa 11 de novembro de 2013 Casos Prováveis e internações por dengue/fhd Brasil, 1986-2013*

Leia mais

qualidade do cuidado em saúde A segurança

qualidade do cuidado em saúde A segurança A Segurança nos serviços de saúde é um problema tão grande e as causas tão diversas e complexas que não é mais possível não separar as práticas da Qualidade e as práticas da Segurança. A qualidade do cuidado

Leia mais

Capacitação dos gestores do serviço público em qualidade e segurança do paciente (com o uso da simulação realística)

Capacitação dos gestores do serviço público em qualidade e segurança do paciente (com o uso da simulação realística) Capacitação dos gestores do serviço público em qualidade e segurança do paciente (com o uso da simulação realística) Parceria da ANVISA com o Centro de Simulação Realística do Hospital Israelita Albert

Leia mais

Carta da Região Sudeste

Carta da Região Sudeste I FÓRUM ESTADUAL DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES I SEMINÁRIO SUDESTE DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES Carta da Região Sudeste Gestores da Saúde, Servidores da Saúde, Representantes de

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL HEMOCENTRO DE BELO HORIZONTE 2015 TRANFUSÃO SANGUÍNEA BREVE RELATO Atualmente a transfusão de sangue é parte importante da assistência à saúde. A terapia transfusional

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

PARTICIPANTES ALCINÉIA MEIGIKOS A. SANTOS - FUNDACENTRO ARMAND F

PARTICIPANTES ALCINÉIA MEIGIKOS A. SANTOS - FUNDACENTRO ARMAND F 1 RESULTADO DA REUNIÃO REALIZADA NO ESCRITÓRIO DA OIT EM BRASÍLIA, NO DIA 26 DE MARÇO, PARA DEFINIR OS NOMES DOS ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELA IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE EXECUÇÃO DO PNES, QUE, A SEU TURNO,

Leia mais

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR

PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR Cecília Santana Bala Pereira Discente do Curso de Farmácia da Universidade Severino Sombra, Vassouras/RJ,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011

TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 TERMO DE REFERÊNCIA SE-001/2011 Objeto da contratação Consultor sênior Título do Projeto Projeto BRA 07/010 Designação funcional Duração do contrato Consultoria por produto 04 meses Data limite para envio

Leia mais

PROJETO DE FORMAÇÃO E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE SAUDE QUALISUS-REDE

PROJETO DE FORMAÇÃO E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE SAUDE QUALISUS-REDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2015 Consultor Conteudista para elaboração do Curso EAD voltado à Implantação de Serviço de Clínica Farmacêutica Intervenção Sistêmica Gestão da Assistência Farmacêutica : Implantação

Leia mais

Estruturação dos Projetos COMUNICAÇÃO NOVA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO

Estruturação dos Projetos COMUNICAÇÃO NOVA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Organização de um plano de comunicação com os associados e com a mídia, relativos a imagem da Sociedade, e do médico anestesista, agregando valor à Sociedade e ao médico anestesista. Ações balizadas por

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

"Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES

Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade? Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES "Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES AGENDA Programação do Evento - Histórico do Centro Integrado de Atenção a

Leia mais

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade de Vigilância das Doenças de Transmissão

Leia mais

Msc. Luiz Henrique Costa Coordenador Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos Estratégicos/SCTIE/MS

Msc. Luiz Henrique Costa Coordenador Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos Estratégicos/SCTIE/MS Msc. Luiz Henrique Costa Coordenador Geral de Assistência Farmacêutica e Medicamentos Estratégicos/SCTIE/MS Assistência Farmacêutica Histórico 1990: Criação da lei Orgânica do SUS Equidade Universalidade

Leia mais

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE*

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* Janaína Verônica Lahm 1 Elizabeth Maria Lazzarotto INTRODUÇÃO: A preocupação com o meio ambiente começou somente no final do século passado,

Leia mais

Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro

Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro PARECER CFM nº 4/13 INTERESSADO: CRM-PE ASSUNTO: Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro EMENTA: Em obediência

Leia mais

Rede Nacional de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Rede RM

Rede Nacional de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Rede RM Simpósio Brasil - Argentina de Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Rede Nacional de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Rede RM 1 PROJETO MONITORAMENTO E PREVENÇÃO

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil COVER/CGDT/ DEVEP/SVS/MS São Paulo,, setembro de 2007 Classificações das Pneumonias Local de aquisição Tempo de evolução Tipo do comprometimento Comunitária

Leia mais

Segurança do paciente nas Américas. Heiko T. Santana GVIMS/GGTES/ANVISA 23/09/2015

Segurança do paciente nas Américas. Heiko T. Santana GVIMS/GGTES/ANVISA 23/09/2015 Segurança do paciente nas Américas Heiko T. Santana GVIMS/GGTES/ANVISA 23/09/2015 SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE SEGURANÇA DO PACIENTE E QUALIDADE EM SERVIÇOS DE SAÚDE Qualidade

Leia mais

Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas

Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência

Leia mais

I Seminário Assistência Farmacêutica da Bahia II Fórum de Educação Farmacêutica da Bahia

I Seminário Assistência Farmacêutica da Bahia II Fórum de Educação Farmacêutica da Bahia I Seminário Assistência Farmacêutica da Bahia II Fórum de Educação Farmacêutica da Bahia Salvador - Bahia 12 a 13 de agosto de 2011 Realização Apoio 1 Relatório do evento científico Título: I SEMINÁRIO

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EXPERIÊNCIAS DE ORGANIZAÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE Abordagem integrada na atenção as pessoas com HAS, DM

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

Programa Estadual de Controle da Tuberculose. Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder

Programa Estadual de Controle da Tuberculose. Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder SANTA CATARINA Programa Estadual de Controle da Tuberculose Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder tuberculose@saude.sc.gov.br SECRETARIA

Leia mais

Edital do Concurso Público SOBRAGEN 2015

Edital do Concurso Público SOBRAGEN 2015 Titulação de Especialista em Gerenciamento em Enfermagem INSCRIÇÕES até 15/09/2015 Normas do Concurso Público para obtenção do Título de Especialista em Gerenciamento em Enfermagem PREFÁCIO A Sociedade

Leia mais

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello Coordenador: Liliane Espinosa de Mello SAÚDE Visão: Que Santa Maria seja o principal Polo na Área de Saúde do interior do Rio Grande do Sul, contribuindo para a melhor qualidade de vida da população da

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais