(*) Rua Real Grandeza, 219 Bloco E sala 306 Botafogo Rio de Janeiro CEP: Telefone: 0XX Fax: 0XX

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(*) Rua Real Grandeza, 219 Bloco E sala 306 Botafogo Rio de Janeiro CEP: 22283-900 Telefone: 0XX21-5284344 Fax: 0XX21-5285804"

Transcrição

1 GOP/ a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO IX ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS DO NOVO SISTEMA INTEGRADO DE SUPERVISÃO E CONTROLE DE FURNAS Alberto de Oliveira Bayma Carlos Alberto Ferrara Carlos Alberto Silva Francisco Javier Illarri Sanz José Henrique Clapauch FURNAS Centrais Elétricas S. A. José Mauro Moraes Silva Luiz Mauro Gomes Silveira Mario Edison Mendes de Oliveira Ronaldo Leite de Almeida Pitta (*) Sergio Luiz Rohenkoln Teresa Cristina P. Nicolau FURNAS Centrais Elétricas S. A. RESUMO Este trabalho aborda os aspectos tecnológicos inovadores do novo Sistema Integrado de Supervisão e Controle da Operação de Sistemas Elétricos, desenvolvido por FURNAS para implantação nos seus Centros de Operação e no Centro Regional de Operação Sudeste (COSR-SE) do Operador Nacional do Sistema (ONS). O artigo descreve a arquitetura de hardware e software do sistema, e enfoca as principais características técnicas das áreas de Banco de Dados, Comunicação de Dados, Interface Homem-Máquina (IHM),e Acionamentos e Supervisão Local. As principais diferenças em relação aos demais sistemas deste tipo são realçados. PALAVRAS-CHAVE: Sistemas de Supervisão e Controle, Centros de Operação, Operação de Sistemas Elétricos, Banco de Dados, Interface Homem-Máquina Estrutura operacional do sistema elétrico de FURNAS A operação do sistema elétrico de FURNAS é feita através de uma estrutura hierárquica em que o Centro de Operação do Sistema é responsável pela análise e supervisão global da operação do seu sistema elétrico e os Centros Regionais de Operação são os responsáveis pela supervisão local e pelas ordens de manobras para as usinas e subestações. Com o início da operação do ONS, este incorporou o Centro de Operação do Sistema de FURNAS, que passou a ser denominado Centro Regional de Operação Sudeste (COSR-SE). Considerando as novas responsabilidades de FURNAS quanto ao desempenho de suas instalações e equipamentos elétricos, a empresa criou um Centro de Operação da Transmissão (COT) para atuar em conjunto com seus Centros Regionais de Operação (COR), de forma a garantir o cumprimento dos contratos de prestação de serviços de transmissão e de fornecimento de energia para as empresas de energia elétrica e grandes consumidores INTRODUÇÃO (*) Rua Real Grandeza, 219 Bloco E sala 306 Botafogo Rio de Janeiro CEP: Telefone: 0XX Fax: 0XX

2 Tanto o COT, como os 4 COR de FURNAS (Rio, Minas, Goiás e São Paulo), estão equipados com um Sistema de Supervisão e Controle (SSC). Os COR recebem as informações coletadas em tempo real por unidades terminais remotas (UTR) instaladas em cada usina e subestação de sua área de atuação. Estas informações são retransmitidas tanto para o COT quanto para o COSR-SE. A FIGURA 1 ilustra a interligação dos Centros Atualização tecnológica dos Centros de Operação Os Sistemas de Supervisão e Controle de FURNAS que estão sendo substituídos foram projetados na década de 80 e entraram em operação comercial no segundo semestre de Os SSC dos COR utilizavam tecnologia distinta do SSC do Centro de Operação do Sistema de FURNAS. A decisão de desenvolver novos sistemas para seus Centros de Operação permitiu a FURNAS adotar uma única tecnologia, tanto para os COR como para o COT. Fixou-se como premissa básica que a substituição teria que ser feita sem interrupção da disponibilidade dos SSC nos Centros de Operação da empresa. Assim sendo, optou-se por uma solução que permitisse uma eficiente interligação entre os SSC novos e antigos, para garantir que na fase final de desenvolvimento e testes dos novos sistemas, estes operassem em paralelo com os antigos. Desta forma seria possível a substituição progressiva de cada um deles pelo novo SSC, sem qualquer descontinuidade operativa ou dificuldade para os operadores de sistema elétrico. O sistema que substituirá o atual COSR-SE será semelhante ao adotado para o COT, com exceção de aplicações para atender às necessidades específicas de cada centro, tais como o Controle Automático de Geração e as funções de Análise de Redes CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO NOVO SISTEMA DE SUPERVISÃO E CONTROLE Introdução Os novos SSC tiveram sua arquitetura de hardware e software projetadas de tal forma que todas as especificações funcionais e de desempenho exigidas do SSC antigo fossem não só atendidas, como superadas pela adoção de soluções técnicas modernas, baseadas nos novos conceitos de redes de comunicação de dados, Banco de Dados relacionais, e nas facilidades de processamento gráfico disponíveis nos microcomputadores de última geração. Foi adotado o modelo cliente-servidor com hardware e sistemas operacionais distintos e mais adequados às funcionalidades de cada camada. Para os servidores, optou-se por máquinas ALPHA da COMPAQ e sistema operacional OpenVMS, por suas características já amplamente comprovadas de robustez, desempenho e adequação a sistemas de tempo real. Para os clientes, que constituem as consoles de operação, foram utilizados microcomputadores com Windows NT, por sua adequação ao desenvolvimento de interface gráfica. A seguir, são descritas as arquiteturas de hardware e de software adotadas, sendo que esta última está subdividida em quatro subsistemas: Banco de Dados, Comunicação de Dados, Acionamentos e Supervisão Local, e Interface Homem-Máquina Arquitetura de Hardware Após a avaliação de diversas configurações de hardware chegou-se a uma configuração composta por servidores ALPHA e sistema operacional OpenVMS, formecidos pela COMPAQ. Estes servidores operam em cluster, com dois controladores de discos e um conjunto de discos magnéticos dispostos em um disk array configurado com espelhamento.

3 Cada servidor ALPHA é dotado de uma placa dual de comunicação, para interligação a um anel de fibra ótica (FDDI), operando à velocidade de 100 Mbps. Para garantir a continuidade operacional do anel de fibra ótica, foram inseridos no mesmo dois concentradores de comunicação, através dos quais são conectados microcomputadores. Cada micro é conectado por uma placa dual de comunicação aos dois concentradores, garantindo que o anel continuará operacional mesmo se os micros forem desligados. Dois hubs, conectados através de fibra ótica ao anel FDDI, são utilizados para a interligação da LAN do SSC aos demais sistemas de supervisão e controle e à rede corporativa de FURNAS. Cada hub possui: uma switch responsável pela interligação das diversas redes; um roteador de oito canais responsável pelo roteamento de mensagens através de canais de microondas usados para a comunicação entre os SSC; um servidor de terminais com 32 portas seriais RS232, usado para a interligação de cada UTR ao seu COR. Todas as redes locais usam os protocolos TCP/IP, NETBEUI, IPX e DECNET. Os roteadores usam os protocolos TCP/IP e DECNET. A duplicação dos hubs e seus componentes garante elevados índices de confiabilidade e disponibilidade para a WAN que interliga as diversas LAN dos SSC dos centros de microcomputadores e sistema operacional Windows NT. Cada micro pode ter um ou dois monitores de vídeo de 21 com resolução de 1024X768 pixels, e se conecta aos concentradores através de um cartão de interface dual de rede de fibra ótica. Clientes adicionais, fora da sala de controle, podem se conectar à rede LAN dos SSC através de cartão de interface de rede Ethernet. Clientes remotos também podem ser conectados à LAN do SSC através de um modem ligado a uma porta serial do Servidor de Terminais instalado nos hubs. O protocolo de rede empregado para a ligação de um cliente à LAN é o TCP/IP, embora também estejam disponíveis nos clientes os protocolos DECNET, NETBEUI e IPX Arquitetura de Software Subsistema de Banco de Dados Ao analisar possíveis alternativas de um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) para o projeto do novo Sistema de Supervisão e Controle, optou-se pela adoção do ORACLE, um SGBD comercial de uso geral e consagrado no mercado. Esta solução, tradicionalmente considerada inviável para utilização em tempo real, revelou-se adequada para este fim nos extensivos testes de avaliação efetuados. Este SGBD mostrou-se adequado, do FIGURA 2 operação da empresa. A FIGURA 2 apresenta um esquema simplificado da configuração básica de hardware dos novos SSC de FURNAS. ponto de vista de performance e confiabilidade, para ser adotado como solução única, tanto para dados cadastrais e históricos, quanto para tempo real. As Consoles de Operação são constituídas por 2

4 Outro aspecto considerado decisivo na adoção do ORACLE foi a disponibilidade da opção Parallel Server, que permite que vários servidores em cluster compartilhem o mesmo banco de dados. A opção Parallel Server permite um alto grau de disponibilidade do sistema, admitindo a perda de um ou mais servidores. Além disso, aumenta quase linearmente, por número de servidores, o desempenho global do sistema em termos de velocidade de acesso ao banco de dados. A possibilidade de usar pré-compiladores para linguagens de terceira geração, como o Pro*C e o Pro*Fortran, permitiu que os aplicativos pudessem ser desenvolvidos nestas linguagens, mais adequadas para este tipo de sistema. Através desses pré-compiladores, os comandos SQL (Structured Query Language) de acesso ao banco de dados são incorporados aos aplicativos de forma natural e eficiente. O ajuste individual da performance de cada comando SQL usado pelas aplicativos deve ser obtido através da simulação das diversas alternativas possíveis disponíveis em uma linguagem SQL e é fundamental para um bom desempenho. O ORACLE permitiu também que a maior parte do trabalho de consistência e relacionamento de dados, tradicionalmente feita pelos aplicativos, pudesse ser transferida para o SGBD, proporcionando maior agilidade no desenvolvimento do sistema. Foi também necessário um criterioso ajuste da performance do Banco de Dados. Fundamental para viabilizar a utilização do ORACLE para tempo real foi o ajuste do tamanho do cache de memória (SGA), para minimizar o acesso a dados armazenados em disco. O projeto cuidadoso da base de dados, algumas vezes não seguindo todas as formas recomendadas de normalização de dados em prol do melhor desempenho, a utilização criteriosa de comandos SQL otimizados nos programas, e o ajuste global constante do Banco de Dados foram sem dúvida decisivos para o sucesso desta alternativa. Outros benefícios importantes a destacar, viabilizados por um SGBD comercial do porte do ORACLE, são a existência de ferramentas para backup e restabelecimento de bancos de dados, bem como para acesso e gerência remota dos bancos de dados dos diversos sistemas Subsistema de Comunicação de dados O Sistema de Comunicação de Dados (COD) é responsável pela aquisição de dados de tempo real e sua distribuição aos SSC local e remotos. Permite também que seja acionado o comando de controle supervisório de um dispositivo do sistema elétrico, a partir de qualquer SSC que supervisione esse ponto. Além disso recebe e armazena sequências de eventos e gera resultados estatísticos de desempenho de remotas. A arquitetura do COD permite que qualquer dado de tempo real disponível em um SSC (nele aquisitado ou não) seja enviado a qualquer outro SSC, através de mera configuração no Banco de Dados dos SSC envolvidos. Esta característica torna o SSC extremamente flexível quanto ao aspecto de inclusão ou alteração de dados supervisionados, e se adequa às necessidades do novo modelo de operação do sistema elétrico brasileiro. Outra característica importante diz respeito à aquisição de dados de qualquer tipo de remota ou dispositivo semelhante. Embora a quase totalidade das remotas dos SSC de FURNAS utilize o protocolo REDAC, da Westinghouse, qualquer outro tipo de remota pode ser incluído no sistema, bastando para isso desenvolver-se um driver de interface entre a nova remota e o processo de gerência da comunicação e distribuição de dados (GCDD). Os dados de tempo real, desde sua aquisição pela UTR até sua atualização no banco de dados de um SSC de destino, são tratados em sequência por três processos executados nos servidores ALPHA. O processo de Aquisição de Dados (driver de interface com a UTR) é responsável pela obtenção dos dados enviados pela UTR de acordo com o protocolo de comunicação adotado, e sua disponibilização para o processo GCDD local. O processo de Gerência da Comunicação e Distribuição de Dados (GCDD) é responsável pela gerência de todos os processos de aquisição de dados (criação, eliminação e reinicio), pelo recebimento e verificação de integridade dos dados desses processos, pela conexão e envio dos dados selecionados aos destinos preestabelecidos (processador de dados de tempo real local e processos GCDD de sistemas remotos) e pelo envio do conjunto completo de dados para verificação de integridade. O Processador de Dados de Tempo Real (PDTR) recebe todos os dados enviados pelos processos GCDD do mesmo SSC. É responsável pela conversão de medidas analógicas para unidades de engenharia, pela emissão de alarmes e pela atualização dos dados de tempo real e seus atributos no Banco de Dados. Sempre que um dado é entrado manualmente, retirado ou recolocado em varredura através das Consoles de Operação, o PDTR é notificado pelo software de IHM e sinaliza ao GCDD local correspondente para que envie o valor manual ou o novo atributo do dado aos SSC de nível superior que supervisionam este dado. O PDTR se comunica também com aplicativos para notificá-los da variação de dados que necessitem ou para receber pedidos de verificação de mudança da região de operação de grandezas elétricas, para eventual emissão de alarmes Subsistema de Acionamentos e Supervisão

5 Local Este subsistema suporta várias funções do SSC, tais como: acionamento do painel mímico, acionamento dos mostradores digitais, controle do sincronismo horário, acionamento dos registradores gráficos digitais, envio de pulsos para o Controle Automático de Geração (CAG) e supervisão da temperatura da sala de equipamentos. O painel mímico exibe, além da topologia do sistema elétrico, macro-informações com as quais é possível monitorar linhas de transmissão e transformadores em sobrecarga ou fora de serviço, usinas e subestações com alarmes não reconhecidos ou com grandezas fora dos limites estabelecidos, e informações sobre UTRs em falha. Nos mostradores digitais é possível exibir quaisquer grandezas selecionadas a partir das Consoles de Operação. Em futuro próximo este painel será substituído por um sistema de retro-projeção de imagens de alta definição. O Sistema MultiVídeo, composto por um conjunto de registradores gráficos digitais, exibe e grava em disco o gráfico de tendência de quaisquer grandezas elétricas selecionadas através das Consoles de Operação. Os servidores ALPHA são sincronizados através de um GPS que corrige periodicamente o horário dos servidores e das Consoles de Operação. Os servidores mantém um serviço de hora certa com o qual é possível ajustar o horário de qualquer microcomputador ligado à LAN do SSC. O processo que controla o GPS também é responsável pela reprogramação automática da hora do sistema em função do horário de verão. O CAG aquisita informações de intercâmbio e freqüência através de um conversor digital de telemedição e utiliza um controlador lógico programável (CLP) específico para enviar pulsos de raise/lower ao sistema de controle das usinas. A temperatura da sala de equipamentos e outras informações de infra-estrutura, tais como alimentação do prédio (UPS), podem ser monitoradas diretamente nas Consoles de Operação, sendo a aquisição de dados realizada através de CLPs conectados ao sistema Subsistema de Interface Homem-Máquina As consoles de operação localizadas na sala de controle do COT e dos COR são clientes do ORACLE instalado nos servidores ALPHA. A tecnologia empregada nos microcomputadores clientes das Consoles de Operação é a ACTIVE-X. O programa SOL é um EXESERVER instalado em cada microcomputador cliente, e é o principal componente da IHM. O SOL é responsável pela conexão (LOGIN) com os servidores ALPHA; pela distribuição de dados oriundos dos servidores ALPHA para todos os programas executáveis no micro cliente; pela ativação e controle da exibição dos displays utilizados por todas as funções e aplicativos implementados no SSC; pela ativação de outro EXESERVER de comunicação entre processos residentes nos servidores ALPHA e nos micros clientes; pelo ativação de um programa responsável pelo tratamento de alarmes sonoros; e pelo atendimento de várias outras funções da IHM descritas mais adiante. Através do SOL, após entrar sua identificação, senha e modo de operação, o usuário pode conectar sua Console de Operação aos servidores ALPHA do SSC local, ou a qualquer servidor ALPHA de um SSC remoto, através da WAN que interliga todos os SSC de FURNAS. Estão disponíveis diversos modos de operação, caracterizados por subconjuntos de displays e direitos diferenciados. As Consoles de Operação se conectam ao Banco de Dados de acordo com uma lista preferencial, configurada localmente, de servidores ALPHA. Caso o servidor preferencial, a qualquer instante, não esteja disponível, o cliente é automaticamente conectado ao primeiro servidor disponível, de acordo com a lista configurada para aquela Console. Os displays são programas executáveis que rodam nas Consoles de Operação. São gerados a partir do Visual Basic 6.0, incorporando uma série de objetos do tipo COM (Component Object Model), alguns desenvolvidos especificamente para este projeto, e outros disponíveis no mercado. Os arquivos correspondentes aos displays residem primariamente nos servidores ALPHA. Uma cópia automática para a console é disparada quando o display é solicitado, e for detetado que a cópia do cliente está desatualizada ou inexiste. A chamada de displays pode ser feita por nome, por menu de grupos funcionais, por menu de displays preferidos, por menu de últimos displays exibidos, por um árvore de displays, por sequência de encadeamento circular de displays ou por pokepoints. Podem ser exibidos simultaneamente até quatro displays em uma Console, cada um em uma janela própria,. Atributos de zoom, pan, posição, tamanho de janela e nível de detalhe podem ser definidos para cada janela. Um display chamado em uma janela anteriormente utilizada por outro display herda as características deste último. Qualquer janela pode ser impressa, bastando para isso que a janela seja a janela ativa no momento do pedido de impressão. O intervalo de atualização dos dados mostrados em um display pode ser definido para cada objeto. O intervalo típico adotado é de 5 segundos. Os atributos dos pontos de tempo real (medidas e estados digitais) podem ser facilmente visualizados ou modificados, bastando para isso clicar o mouse sobre o ponto selecionado e atuar sobre um menu

6 de contexto que é prontamente exibido ao lado do ponto. Através deste menu é possível efetuar comando supervisório, alterar o estado/valor de tempo real (entrada manual), retirar/recolocar em varredura, habilitar/desabilitar alarme, e visualizar um quadro com todos os atributos do ponto naquele momento. Para a permitir a rápida confecção de displays, foi desenvolvido um Editor de Diagramas Unifilares (EDU), que agrega objetos usados em diagramas elétricos. O desenvolvimento de novos objetos para uso no EDU pode ser feito de maneira simples e prática, permitindo assim utilizá-lo para preparar outros tipos de displays, como, por exemplo, para supervisão do próprio sistema computacional. O processamento de Alarmes do novo SSC é parte integrante do IHM, e compreende três processos: o Definidor de Alarmes, o Exibidor de Alarmes e o Servidor de Alarmes. A anunciação de alarmes se faz através dos alto-falantes dos micros de cada Console de Operação e do piscamento e mudança de cor de siglas de macro-alarmes exibidas na barra de comandos do SOL. A anunciação sonora de alarmes pode ser habilitada/desabilitada em cada Console. O processo Definidor de Alarmes tem por objetivo prover os meios necessários para a definição dos alarmes do SSC de FURNAS, de maneira simples e amigável. Toda ação de Adicionar, Remover e Aplicar uma definição de alarme é efetuada através de recursos do SOL nas Consoles de Operação. O processo Exibidor de Alarmes é acionado pelo SOL quando é exibido o display ALARMES nas Consoles de Operação. Através do Exibidor de Alarmes é possível a visualização da Lista Geral de Alarmes; a seleção de Filtros de Alarmes, que permitem a criação de sub-listas de alarmes (subconjuntos da Lista Geral) e a execução das funções de Reconhecimento e Eliminação de Alarmes. Todas as ações de reconhecimento e eliminação de alarmes executadas através das Console de Operação são transmitidas ao Servidor de Alarmes. supervisório somente é efetuada por meio de senha. Se for feita qualquer troca de display, ou tenha decorrido um período de três minutos sem execução de um comando, o modo comando supervisório é automaticamente desativado CONCLUSÕES A adoção do ORACLE como solução única de Banco de Dados foi um sucesso do ponto de vista de performance, confiabilidade, disponibilidade e funcionalidade. Este sucesso deveu-se tanto aos recursos do SGBD adotado, como à sua criteriosa utilização em todas as etapas do desenvolvimento do sistema. A decisão de usar o Windows NT como sistema operacional das Consoles de Operação proporcionou uma enorme facilidade de integração e acesso a todas as aplicações comumente usadas em microcomputadores. O desenvolvimento de interfaces padrão Windows consolidou a Interface Homem-Máquina de tal forma que o usuário não tem a menor dificuldade em usar o SOL.. A utilização de micros nas consoles de operação proporcionou o acesso à rede corporativa da empresa e aos seus aplicativos. Da mesma forma, é possível instalar o SOL em qualquer micro (com Windows NT ou Windows 9x), que esteja conectado à rede corporativa da empresa, e fazer dele uma Console de Operação remota de qualquer Centro de Operação de FURNAS. O novo SSC, inteiramente desenvolvido por equipe própria de FURNAS, já se encontra em operação no COT e nos COR de FURNAS, apresentando um excelente desempenho. Além disso, encontra-se em fase final de desenvolvimento e instalação no COSR-SE, do ONS. 4.0 BIBLIOGRAFIA (1) SANZ, F.J.I. e outros. Novo Sistema Integrado de Supervisão e Controle de FURNAS; IV SIMPASE. Brasil. O terceiro processo, Servidor de Alarmes (ALARMESERV), é executado nos servidores ALPHA, e trata todos os alarmes gerados pelos subsistemas e aplicativos do SSC, sejam eles alarmes decorrentes de condições do sistema elétrico ou de qualquer outro evento supervisionado pelo SSC. O ALARMESERV é o executor de todas as ações de inserção, reconhecimento e eliminação de alarmes. O Comando Supervisório pode ser ativado a partir do SOL, e possibilita abrir e fechar chaves/disjuntores, tirar e recolocar remotas de/em serviço, efetuar controles do Link de Corrente Contínua e ativar/desativar set points de síncronos. Para garantir um alto nível de segurança, a ativação do modo de comando

AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER

AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER Este case apresenta a aplicação da solução Elipse Power para controlar a subestação da Usina Termelétrica de Linhares,

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-35 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002.

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-35 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002. COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250 Recomendações Iniciais SOFTWARE HCS 2005 - VERSÃO 4.2 (Compatível com Guarita Vr4.03 e Vr4.04) Para

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM...

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM... 1 de 30 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 3.1. ONDE SE DEVE INSTALAR O SERVIDOR BAM?... 4 3.2. ONDE SE DEVE INSTALAR O PROGRAMADOR REMOTO BAM?... 4 3.3. COMO FAZER

Leia mais

Vid8 Servidor. Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR;

Vid8 Servidor. Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR; Vid8 Servidor Versão 8.13.0411 Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Versão 8.12.0311 Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR; Versão 8.11.0311 Correção

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil José Monteiro Lysandro Junior Light Serviços de Eletricidade S/A jose.monteiro@light.com.br

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Sistema de Disaster Recovery do Centro de Operação da Enersul

Sistema de Disaster Recovery do Centro de Operação da Enersul Sistema de Disaster Recovery do Centro de Operação da Enersul Aluísio de Barros Leite Empresa Energética do Mato Grosso do Sul - ENERSUL Brasil Gustavo Castilho Merighi Empresa Energética do Mato Grosso

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8

CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8 CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8 1) No sistema operacional Microsoft Windows 8, uma forma rápida de acessar o botão liga/desliga é através do atalho: a) Windows + A. b) ALT + C. c) Windows + I. d) CTRL +

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

Manual Software CMS. Introdução:

Manual Software CMS. Introdução: Introdução: O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa eletrônico

Leia mais

V O C Ê N O C O N T R O L E.

V O C Ê N O C O N T R O L E. VOCÊ NO CONTROLE. VOCÊ NO CONTROLE. O que é o Frota Fácil? A Iveco sempre coloca o desejo de seus clientes à frente quando oferece ao mercado novas soluções em transportes. Pensando nisso, foi desenvolvido

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

SERVICE DESK MANAGER SDM. Manual do Sistema - DPOI

SERVICE DESK MANAGER SDM. Manual do Sistema - DPOI SERVICE DESK MANAGER SDM Manual do Sistema - DPOI Conteúdo SERVICE DESK MANAGER SDM... 1 Manual do Sistema - DPOI... 1 INTRODUÇÃO... 4 ACESSO AO SISTEMA... 5 OPÇÕES DO SISTEMA... 6 SISTEMA... 7 Pesquisar

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 02

ESCLARECIMENTO Nº 02 ESCLARECIMENTO Nº 02 Segue abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Solicitamos todas as distâncias entre as salas

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control MANUAL DO USUÁRIO Software de Gerenciamento Controlador de Fator de Potência Self Control ÍNDICE 1.0 INTRODUÇÃO 4 1.1 Aplicações 4 2.0 CARACTERÍSTICAS 4 2.1 Compatibilidade 4 3.0 INSTALAÇÃO 4 4.0 INICIALIZAÇÃO

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

GUIA PARA HABILITAÇÃO DAS BIOMETRIAS LINEAR (SÉRIE LN) NO SOFTWARE HCS 2010 V9.0 (BETA 3) 11/06/2014

GUIA PARA HABILITAÇÃO DAS BIOMETRIAS LINEAR (SÉRIE LN) NO SOFTWARE HCS 2010 V9.0 (BETA 3) 11/06/2014 GUIA PARA HABILITAÇÃO DAS BIOMETRIAS LINEAR (SÉRIE LN) NO SOFTWARE HCS 2010 V9.0 (BETA 3) 11/06/2014 A partir da versão 9.0 (BETA 3) do Software HCS 2010 é possível monitorar e gerenciar as biometrias

Leia mais

SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG

SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG GPC / 02 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO V TEMA 2 SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG Gomes, N.S.(*) Andrade, S.R.C. Costa, C.A.B. Coutinho, C. E. B. CEMIG

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL SMART Versão 1.1

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL SMART Versão 1.1 MANUAL DO USUÁRIO PORTAL SMART Versão 1.1 1- OBJETIVO Apresentar ao cliente o procedimento de como utilizar o Portal SMART e realizar gestão de ocorrências apresentadas durante o monitoramento. 2- ACESSANDO

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

SIMULADO Windows 7 Parte V

SIMULADO Windows 7 Parte V SIMULADO Windows 7 Parte V 1. O espaço reservado para a Lixeira do Windows pode ser aumentado ou diminuído clicando: a) Duplamente no ícone lixeira e selecionando Editar propriedades b) Duplamente no ícone

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

Funcionalidades do Sistema de Negociação de Créditos de Carbono. Anexo VIII

Funcionalidades do Sistema de Negociação de Créditos de Carbono. Anexo VIII Anexo VIII Este Manual do Usuário possui caráter informativo e complementar ao Edital do Leilão de Venda de Reduções Certificadas de Emissão nº 001/2012, promovido pela Prefeitura da Cidade de São Paulo

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 1 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 1 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 1 www.marcelomachado.com Conceito, características e classificação das Redes de Computadores; Topologias; Meios físicos de transmissão; Equipamentos de Rede; Segurança;

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SIMULADOR

Leia mais

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões.

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões. CAMERA IP SERIE AV O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

Manual. ID REP Config Versão 1.0

Manual. ID REP Config Versão 1.0 Manual ID REP Config Versão 1.0 Sumário 1. Introdução... 3 2. Pré-Requisitos... 3 3. Instalação do ID REP Config... 4 4. Visão Geral do Programa... 8 4.1. Tela Principal... 8 4.2. Tela de Pesquisa... 12

Leia mais

Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun

Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf ABB Automação Hartmann & Braun Índice 1. IBIS_BE_CNF - DEFINIÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1. PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 3

Leia mais

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft.

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Introdução ao Microsoft Windows 7 O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Visualmente o Windows 7 possui uma interface muito intuitiva, facilitando a experiência individual do

Leia mais

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE)

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) Possuir capacidade instalada, livre para uso, de pelo menos 5.2 (cinco ponto dois) TB líquidos em discos SAS/FC de no máximo 600GB 15.000RPM utilizando RAID 5 (com no

Leia mais

SolarWinds Kiwi Syslog Server

SolarWinds Kiwi Syslog Server SolarWinds Kiwi Syslog Server Monitoramento de syslog fácil de usar e econômico O Kiwi Syslog Server oferece aos administradores de TI o software de gerenciamento mais econômico do setor. Fácil de instalar

Leia mais

*HUPRQGR±0DQXDOGR8VXiULR

*HUPRQGR±0DQXDOGR8VXiULR 1 of 23 *HUPRQGR±0DQXDOGR8VXiULR O manual do usuário tem como objetivo, detalhar o funcionamento do Sistema de Gerenciamento e Monitoramento On-Line de Obras, de forma clara para seus usuários. Clique

Leia mais

Product Architecture. Product Architecture. Aranda 360 ENDPOINT SECURITY. Conteúdos STANDARD & ENTERPRISE EDITION

Product Architecture. Product Architecture. Aranda 360 ENDPOINT SECURITY. Conteúdos STANDARD & ENTERPRISE EDITION Conteúdos Product Architecture Product Architecture Introdução Ambiente RedesdeTrabalho Configurações Políticas Servidores Componentes Agente Servidor Base de Dados Console Comunicação Console Servidor

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

Manual. ID REP Config Versão 1.0

Manual. ID REP Config Versão 1.0 Manual ID REP Config Versão 1.0 Sumário 1. Introdução... 3 2. Pré-Requisitos... 3 2.1. Atualização... 3 3. Instalação do ID REP Config... 4 4. Visão Geral do Programa... 6 4.1. Tela Principal... 6 4.2.

Leia mais

GDE4000. Controlador de Demanda

GDE4000. Controlador de Demanda Controlador de Demanda Funções avançadas de controle de demanda e fator de potência Seleção de cargas por prioridade e por potências Flexibilidade na programação de demandas sazonais Simulação de fatura

Leia mais

MANUAL CFTV DIGITAL - LINHA LIGHT 16 CANAIS 120 FPS / VID 120-LI CONFIGURAÇÃO DO COMPUTADOR 16 Canais - 120 FPS Processador Dual Core 2.0GHZ ou superior; Placa Mãe Intel ou Gigabyte com chipset Intel;

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 FileMaker Pro 14 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 2007-2015 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Motorola Phone Tools. Início Rápido

Motorola Phone Tools. Início Rápido Motorola Phone Tools Início Rápido Conteúdo Requisitos mínimos... 2 Antes da instalação Motorola Phone Tools... 3 Instalar Motorola Phone Tools... 4 Instalação e configuração do dispositivo móvel... 5

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na rede

Leia mais

COMPONENTES DE REDES. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

COMPONENTES DE REDES. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br COMPONENTES DE REDES Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Componentes de rede Placas de interface Transceptores Repetidores HUBs Pontes Switches Roteadores Gateways Servidores

Leia mais

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke Ninguém melhor que os OptiView Solução de Análise de Rede Total integração Total controle Total Network SuperVision Engenheiros de Rede e a Fluke Networks para saber o valor de uma solução integrada. Nossa

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

Acionamento através de senha*, cartão de proximidade ou biometria. Compatível com fechaduras magnéticas, eletroímãs e cancelas.

Acionamento através de senha*, cartão de proximidade ou biometria. Compatível com fechaduras magnéticas, eletroímãs e cancelas. 1/8 SISTEMA ZIGLOCK TCP Visão Geral: Instalação e configuração simplificada. Alta capacidade de armazenamento de registros e usuários. Acionamento através de senha*, cartão de proximidade ou biometria.

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

GDE4000. Gerenciador de Energia

GDE4000. Gerenciador de Energia Gerenciador de Energia Funções avançadas de controle de demanda e fator de potência Seleção de cargas por prioridade e por potências Flexibilidade na programação de demandas sazonais Simulação de fatura

Leia mais

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores SISTEMA SICES Rewind e SI.ces MO.nitoring NE.twork (SI.MO.NE.) Sistema de monitoramento remoto REWIND Rewind é um módulo microprocessado

Leia mais

Software de Tarifação para centrais PABX e ambiente Windows

Software de Tarifação para centrais PABX e ambiente Windows Software de Tarifação para centrais PABX e ambiente Windows Um tarifador fácil de usar e poderoso. Com o tarifador STI Windows Atenas você poderá controlar os gastos com telefone, reduzir custos e otimizar

Leia mais

Painel de Controle e Configurações

Painel de Controle e Configurações Painel de Controle e Configurações Painel de Controle FERRAMENTAS DO PAINEL DE CONTROLE: - Adicionar Hardware: Você pode usar Adicionar hardware para detectar e configurar dispositivos conectados ao seu

Leia mais

Software de monitoramento Módulo CONDOR CFTV V1 R1

Software de monitoramento Módulo CONDOR CFTV V1 R1 Software de monitoramento Módulo CONDOR CFTV V1 R1 Versão 30/06/2014 FOR Segurança Eletrônica Rua dos Lírios, 75 - Chácara Primavera Campinas, SP (19) 3256-0768 1 de 12 Conteúdo A cópia total ou parcial

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO NextCall Gravador Telefônico Digital

MANUAL DO USUÁRIO NextCall Gravador Telefônico Digital MANUAL DO USUÁRIO NextCall Gravador Telefônico Digital DEZEMBRO / 2010 NEXTCALL GRAVADOR TELEFÔNICO DIGITAL Obrigado por adquirir o NextCall. Este produto foi desenvolvido com o que há de mais atual em

Leia mais

RICS. Remote Integrated Control System Release 2.76. Apresentação do Produto

RICS. Remote Integrated Control System Release 2.76. Apresentação do Produto RICS Remote Integrated Control System Release 2.76 Apresentação do Produto Índice Informações Principais Instalação do RICS Configuração do RICS Introdução Capítulo I Requisitos dos Instrumentos Requisitos

Leia mais

TREINAMENTO. Novo processo de emissão de certificados via applet.

TREINAMENTO. Novo processo de emissão de certificados via applet. TREINAMENTO Novo processo de emissão de certificados via applet. Introdução SUMÁRIO Objetivo A quem se destina Autoridades Certificadoras Impactadas Produtos Impactados Pré-requisitos para utilização da

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13 1-13 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática Aula 06 Redes de Computadores francielsamorim@yahoo.com.br 1- Introdução As redes de computadores atualmente constituem uma infraestrutura de comunicação indispensável. Estão

Leia mais

Décimo Segundo Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007

Décimo Segundo Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007 SISTEMA DE CHAVEAMENTO AUTOMÁTICO PARA RÁPIDA ENERGIZAÇÃO DE FASE RESERVA EM BANCOS DE TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS Fernando G. A. de Amorim* Nelson P. Ram os** * Treetech Sistem as Digitais Ltda. ** Furnas

Leia mais

Revisão: Introdução. - Integração com o AutoManager; 1 Atualização de versão do banco de dados PostgreSQL

Revisão: Introdução. - Integração com o AutoManager; 1 Atualização de versão do banco de dados PostgreSQL Urano Indústria de Balanças e Equipamentos Eletrônicos Ltda. Rua Irmão Pedro 709 Vila Rosa Canoas RS Fone: (51) 3462.8700 Fax: (51) 3477.4441 Características do Software Urano Integra 2.2 Data: 12/05/2014

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Informática. Informática. Valdir

Informática. Informática. Valdir Informática Informática Valdir Questão 21 A opção de alterar as configurações e aparência do Windows, inclusive a cor da área de trabalho e das janelas, instalação e configuração de hardware, software

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 ÍNDICE Capítulo 1: Iniciando em redes Redes domésticas...3 Redes corporativas...5 Servidor...5 Cliente...6 Estação de

Leia mais

Guia de Início Rápido SystemTweaker

Guia de Início Rápido SystemTweaker Guia de Início Rápido SystemTweaker O SystemTweaker é uma ferramenta segura e fácil de usar para personalizar o Windows de acordo com as suas preferências. Este guia de início rápido irá ajudar você a

Leia mais

DataQuest. Soluções para Controle de Acesso. DataMini. Manual Técnico Software Ver. 1.0

DataQuest. Soluções para Controle de Acesso. DataMini. Manual Técnico Software Ver. 1.0 DataQuest Soluções para Controle de Acesso DataMini Manual Técnico Software Ver. 1.0 DataQuest DataQuest Comércio e Consultoria Ltda. Av. Dr. Guilherme Dumont Villares, n 1050 Sala 11 Vila Suzana - São

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES Professor Carlos Muniz Atualizar um driver de hardware que não está funcionando adequadamente Caso tenha um dispositivo de hardware que não esteja funcionando corretamente

Leia mais

Eagle Rastreamento Veicular

Eagle Rastreamento Veicular Softech Software Brasil Ltda. Eagle Rastreamento Veicular Softech Tecnologia em Software Versão 1.4.0.0 13 2 Introdução Objetivo do manual de instruções O presente manual foi elaborado com o objetivo de

Leia mais

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40 Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40 SOLUÇÕES PARA GERENCIAMENTO TÉRMICO WWW.THERMAL.PENTAIR.COM DIGITRACE NGC-40 O NGC-40 é um avançado sistema modular

Leia mais