ANEXO XI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA SEMIAUTOMAÇÃO DAS USINAS MCH-JOSÉ TOGNI (BORTOLAN) E PCH- ENG. UBIRAJARA MACHADO DE MORAES (VÉU DAS NOIVAS)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO XI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA SEMIAUTOMAÇÃO DAS USINAS MCH-JOSÉ TOGNI (BORTOLAN) E PCH- ENG. UBIRAJARA MACHADO DE MORAES (VÉU DAS NOIVAS)"

Transcrição

1 ANEXO XI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA SEMIAUTOMAÇÃO DAS USINAS MCH-JOSÉ TOGNI (BORTOLAN) E PCH- ENG. UBIRAJARA MACHADO DE MORAES (VÉU DAS NOIVAS) Página 1 de 37

2 1) OBJETO As presentes Especificações Técnicas fixam os requisitos básicos necessários para apresentação de proposta, projeto, fabricação, instalação, comissionamento e garantias para a semiautomação das usinas Minicentral Hidrelétrica José Togni e Pequena Central Hidrelétrica Eng. Ubirajara Machado de Moraes e demais condições que serão exigidas pela DME Distribuição S/A DMED. As usinas MCH-José Togni (Bortolan) e PCH-Eng. Ubirajara Machado de Moraes (Véu das Noivas), hoje operadas com presença de operadores, deverão ser completamente desassistidas, ficando seus sistemas de operação e controle instalados na UHE Eng. Pedro Affonso Junqueira (Antas I). O proponente deverá fornecer todos os equipamentos necessários para o perfeito funcionamento da semiautomação, não se limitando à extensão dos equipamentos descritos nestas especificações. O proponente poderá apresentar alternativas técnicas devendo, no entanto, oferecer todas as informações, justificativas e arrazoados técnicos que permitam a análise comparativa entre propostas. Para a MCH-José Togni (Bortolan), deverá ser previsto acionamento e controle remoto para as válvulas borboleta do conduto forçado e dispersora de controle de vazão à jusante da barragem. Deverá também ser previsto controle do nível da barragem e controle de nível das caixas de água de selo de vedação do eixo. Os sensores de níveis das barragens da MCH-José Togni (Bortolan) e PCH-Eng. Ubirajara Machado de Moraes (Véu das Noivas) deverão ser conectados aos sistemas de controle através de cabos óticos, ligando as barragens às respectivas casas de força. A operação manual das usinas deverá ser preservada, pela atuação direta dos operadores, através de chave local/remoto a ser instalada no painel de comando existente na unidade geradora de cada usina. 2) CONDIÇÕES GERAIS 2.1) QUALIDADE E NORMAS TÉCNICAS Página 2 de 37

3 Todos e quaisquer equipamentos utilizados na semiautomação das usinas José Togni e Eng. Ubirajara Machado de Moraes deverão ser novos, de primeira qualidade, livres de defeitos e imperfeições, cujos fabricantes deverão ser aprovados pela DMED. 2.2) CONDIÇÕES BÁSICAS DE FORNECIMENTO PARA AS USINAS JOSÉ TOGNI E ENG. UBIRAJARA MACHADO DE MORAES Conforme condições básicas aqui descritas, entretanto sem se limitar a elas, o proponente poderá optar por instalar IHM/Supervisório nas casas de força das respectivas usinas. O Controlador Lógico Programático deverá seguir o padrão IEC preferencialmente, e Velocidade de Processamento menor que 0,1 ms/kbyte de Instrução. Os módulos de entradas e saídas digitais e analógicas poderão ser configurados livremente em número e posições, considerando como mínimo de 10% de pontos reservas. Os módulos de entradas e saídas do Controlador Lógico Programável deverão atender as Normas EN , EN para impulso e compatibilidade eletromagnética e EN , EN para vibração e resistência a choques mecânicos. Com o intuito de futura integração entre os sistemas de automação de usinas, deverá ser fornecido com protocolo de comunicação DNP3.0. Para o Notebook, considerar a especificação mínima abaixo: Processador Intel (Core2 Duo ou superior). Display mínimo 17 Widescreen. Memória maior ou igual a 2 GB. Driver maior ou igual a 500 GB. Resolução do display no mínimo 1440 x 900. Velocidade do processador maior ou igual a 2,0 GHz. Velocidade do barramento maior ou igual a 800 MHz. Tipo de memória igual ou superior a DDR2 SDRAM. Capacidade de memória de no mínimo 4 GB. Página 3 de 37

4 Conectividade Wireless a/b/g/DRAFT-N. Conectividade Ethernet 10/100/1000 Mbps. Modem 56 K V.92. Webcam e teclado numérico. Leitor de cartão de memória incluso. Sistema operacional Windows XP com licenciamento. Acessórios, fontes, cabos e maletas inclusos. Garantia de 24 meses. Especificação para o Desktop do sistema supervisório: Processador Intel (Core2 Duo ou superior). Display mínimo de 22 Widescreen. Memória maior ou igual a 2 GB. Driver maior ou igual a 500 GB. Resolução do display e no mínimo 1024 x 768. Velocidade do processador maior ou igual a 2,2 GHz. Velocidade do barramento maior ou igual a 800 MHz. Tipo de memória igual ou superior ao DDR2SDRAM. Capacidade de memória de no mínimo 4 GB. Conectividade Ethernet 10/100/1000 Mbps. Conectividade 4 USB 2.0 ou superior traseira e 2 USB ou superior dianteira. 1 Porta Ethernet RJ45 (ONBOARD) 2 Portas Ethernet RJ45 (OFFBOARD) Página 4 de 37

5 1 VGA 15 Pinos D-SUB/Saída de áudio Placa de vídeo dedicada com no mínimo 256 MB. Garantia de no mínimo 12 (doze) meses. Áudio Placa OFFBOARD Driver ótico DVD±RW/DVD-RAM/DVD+R Double Layer ou superior Sistema operacional Windows XP original e licenciado Acessórios, cabos de conectividade multimídia (teclado padrão ABNT 2), caixas de som, mouse ótico, mouse pad. Impressora laser ou jato de tinta com conexão via rede. O sistema ainda deverá permitir expansão de placas, bem como a própria motherboard deverá fornecer expansão para pelo menos 3 dispositivos, fora os já solicitados. Todos os periféricos deverão ter a mesma garantia de 12 (doze) meses. Para a Usina José Togni (Bortolan), o quadro de interfaceamento com os quadros das válvulas dispersora e borboleta do conduto deverão ser remotamente acionados via cabo de fibra ótica, partindo do quadro de comando e controle da unidade geradora. Os comandos locais desses quadros deverão permanecer ativos. Para a Usina Eng. Ubirajara Machado de Moraes (Véu das Noivas), apenas o controle de nível de barragem deverá utilizar cabo de fibra ótica. 2.3) SISTEMA SUPERVISÓRIO O software SCADA deverá executar em ambiente Windows, ser próprio para aplicações em concessionárias de energia e utilizar arquitetura cliente servidor. Servidor/IHM SCADA: responsáveis pela comunicação com o processo (sítio da DMED), lendo dados que representam o estado do processo e enviando ordens Página 5 de 37

6 para alterar o estado de dispositivos controlados. Os servidores SCADA deverão funcionar em modo HOT-STANDBY nativo, de modo a permitir que em caso de falha de um dos servidores, o outro possa assumir a operação sem perda de dados e de modo completamente automático. Os servidores deverão ser lotados como nível de operação 2 dentro da própria estação. Os dados históricos do sistema devem ser armazenados em SQL Server. Pelo menos um dos servidores deve permitir a atualização, correção e melhorias em todo o sistema monitorado pelo conjunto. Os recursos de parametrização de telas do software SCADA deverão permitir a implementação dos padrões estabelecidos pela DMED e já implantados em alguns sítios. Assim, a DMED estabeleceu e implantou um padrão na parametrização de telas e relatórios da subestações e na máquina sete da UHE Antas I. Este padrão deverá ser rigorosamente mantido. Assim, o padrão de cores, símbolos de representação de equipamentos, janelas de comando, níveis de prioridade, símbolos de impedimento, sons e etc. deverão ser os mesmos usados na automação destes sítios. Todas as variáveis analógicas deverão suportar limites de alarmes operacional e emergencial. Os limites preferencialmente deverão trocar automaticamente em função da carga do sistema: leve, média e pesada. O software SCADA deverá suportar a criação de biblioteca de objetos de maneira que, por exemplo, em uma subestação e/ou usina são criados alguns poucos objetos que são: vão de linha, transformador, alimentador, banco de capacitor, etc. A partir destes objetos são feitas derivações criando-se assim, por exemplo, dez alimentadores idênticos aos da biblioteca podendo ser adequado a necessidade da DMED. Complementado o conceito de biblioteca de objetos, o software SCADA deverá suportar multiplexação/tela de grupo de telas, onde se cria uma única tela e associa-se a um grupo de objetos. O software SCADA deverá possuir uma ferramenta para criação de scripts orientada a eventos e objetos, permitindo operações matemáticas, lógicas e manipulação de estruturas, além de possuir interface amigável com diversos tipos de fontes e cores diferentes para Página 6 de 37

7 palavras-chave. A linguagem de SCRIPTS deverá ser aberta e baseada em algum padrão de mercado, como VB Script. Ações do Operador deverão ser apresentadas em uma tela funcional. Os operadores, engenheiros, supervisores de operação, etc. deverão ser cadastrados no SCADA e a eles atribuídos perfis de acesso que habilitarão ou não funcionalidades dos consoles de operação. Todas as funcionalidades do SCADA deverão ou não ser habilitadas em função deste perfil. O usuário ao iniciar sua sessão fornecerá seu código e senha e, em função de seu perfil de acesso, terá ou não permissão para executar funcionalidades. Através do perfil de acesso poder-se-á operar o sistema por ilhas. O perfil de acesso deverá, no mínimo, implementar as seguintes restrições: Habilitar ou não o comando de equipamentos de um determinado vão. Habilitar ou não o reconhecimento de alarmes de um determinado vão; Habilitar ou não o alarme sonoro em função do vão onde ocorreu o alarme; Habilitar ou não a visualização de telas; Habilitar ou não a alteração de parâmetros de tags de um determinado vão; A tela de log de operação deverá ter as mesmas informações e funcionalidades estabelecidas pela DMED. Eventos do sistema deverão ser apresentados em uma tela funcional, sendo que o conceito de evento corresponde a: Todos os alarmes de variáveis digitais e analógicas ocorridos; Todas as mudanças de estado de variáveis digitais; Variáveis inibidas e habilitadas pelo operador; Falhas de comunicação com equipamentos; pela DMED. A tela de eventos deverá ter as mesmas informações e funcionalidades estabelecidas Página 7 de 37

8 Devera (ão) existir tela(s) com gráficos de tendência em tempo real de variáveis analógicas do sistema apresentando gráficos de grupos de variáveis selecionadas com as seguintes características mínimas: O grupo de variáveis deve permitir no mínimo, a seleção de três variáveis; Cada variável deve ter uma pena (linha) com cor distinta; Deve ser possível selecionar uma área do gráfico e fazer zoom; Deve ser possível clicar em um ponto do gráfico e ver o valor preciso da variável naquele ponto; Deve ser possível tanto ter janelas genéricas onde as variáveis são selecionadas em cada console de operação em função da demanda atual quantas telas prontas com variáveis pré-selecionadas; A janela de tempo do gráfico deve ser selecionada pelo operador podendo ser de alguns minutos a várias horas. A(s) tela(s) de tendência em tempo real deverão ter as mesmas informações e funcionalidades estabelecidas pela DMED. Deverá (ão) existir tela(s) com gráficos de tendência histórica de variáveis com características idênticas ao gráfico de tempo real exceto que referente a um período passado. Deve ser possível ver o gráfico de variáveis históricas no formato de planilha com os valores medidos em cada intervalo assim como deve ser possível exportar esta tabela para Excel. A(s) tela(s) de tendência histórica deverão ter as mesmas informações e funcionalidades estabelecidas pela DMED. Deverá existir uma tela funcional que lista o sumário de um conjunto de variáveis selecionadas contendo os principais atributos de configuração das mesmas, assim como seu valor em tempo real. Página 8 de 37

9 Deverá possuir ferramenta de desenvolvimento de relatórios, com acesso nativo ao SQL Server, de forma a permitir a impressão de valores on-line do sistema e consultas em Bancos de Dados, em formato tabular, com possibilidade de efetuar cálculos, inserir grupos, subrelatórios, gráficos e códigos de barras; Além disso, deve haver a possibilidade de exportar os dados para arquivos no formato Acrobat (PDF), Microsoft Excel (XLS), Texto (TXT) e Gráficos (GIF); Deverá existir uma tela funcional de consulta a eventos históricos que a partir de filtros lista eventos históricos ocorridos no sistema. Os filtros de consulta devem ser o mais amplo possível, permitindo consultas do tipo E, OU e E NÃO. Deverá ser padronizado a sigla das estações conforme modelo utilizado atualmente pela DMED, sendo que na criação das TAG s deve-se ser respeitado e mantido o padrão atual bem como a descrição dos textos de alarmes e eventos conforme exemplo abaixo: > nome da estação_nivel de tensão_relé e/ou Vão Descrição do Evento. > Todos os eventos devem vir com timestamp para o SOE de operação do Sistema. > Não deverá haver falhas de comandos devido a arquitetura construtiva do sistema digital, ou seja, concentradores de pontos, reles, plc s, uac e etc. em hot/standby, hot/hot e/ou outra configuração disponível para coleta dos dados de campo. O sistema supervisório de controle e proteção para a semiautomação das usinas Bortolan e Véu da Noivas deverá possuir Sistema GPS para sincronização das IHM com a proteção de linhas e geradores. A configuração de hardware do Sistema Supervisório deverá ser composta por 5 microcomputadores, destinados para a funcionalidade de estação de operação ou Interface Homem Máquina (IHM). Uma das estações de operação será localizada na Sala de Controle da UHE- Antas I (COG) e as outras estarão localizadas na Sala de Controle da MCH-José Togni e PCH-Eng. Ubirajara Machado de Moraes. A monitoração da planta será realizada em ambas as máquinas de forma independente. O comando/intervenção da planta, via supervisório, deve respeitar a seleção de prioridade feita pelo operador localizado na IHM da UHE Antas I (COG). Desta forma, a IHM da Página 9 de 37

10 UHE Antas I (COG) possui prioridade sobre a IHM das demais usinas para comandos/intervenções da planta. O conjunto mestre/escravo lotado na estação (Nível 2) deve-se comunicar com concentradores de pontos em estrutura hot/standby através de rede ethernet sob o protocolo tcp/ip e para o trafego das mensagens deve-se obrigatoriamente utilizar o protocolo DNP3.0. Os concentradores devem possuir plataforma Windows XP embebed, permitir acesso via Conexão Area de Trabalho Remota e periféricos (Teclado/Mouse/Video), deve permitir o gerenciamento dos pontos vindo dos equipamentos de comando e controle da planta e possuir no mínimo três conexões ethernet sendo duas em fibra óticas e uma porta metálica via RJ45. Os servidores/ihm s locais de nível 2 devem trafegar dos dados através de switchs gerenciáveis sendo que os mesmos também devem trabalhar em redundância e permitir a integração dos sistemas através de porta de fibra ótica e porta metálica com possibilidade de expansão para pelo menos mais duas conexões em cada tipo de porta. Somente a IHM local fará a aquisição de dados vindos dos Relés Microprocessados. Em caso de falha desta IHM a estação de operação (COG) assume a função de aquisição de dados dos relés. As três Estações de Operação são responsáveis pela interface processo/ operador, permitindo através das telas customizadas, monitorar e disponibilizar os recursos necessários para que o operador possa atuar de forma prática e eficiente no processo. As telas deverão ser agrupadas no mínimo em sete tipos principais (arquitetura, unifilares, processo, tendências, históricos, alarmes e eventos) que permitem aos usuários localizados neste subsistema visualizar, controlar e telecomandar a planta. O acesso para iniciar, finalizar e ativar/desativar as funções do Sistema Supervisório será condicionado à validação de senhas de acesso. As senhas de acesso serão definidas em três níveis de privilégios: administrador, operador e visitante: - administrador: a este usuário é permitido comandar, modificar parâmetros de operação, acessar o sistema operacional e visualizar o processo. - operador: a este usuário é permitido comandar, modificar parâmetros de operação e visualizar o processo. Página 10 de 37

11 - visitante: a este usuário é permitido comandar, modificar parâmetros de operação e visualizar o processo. I - Padronização de Desenvolvimento das Telas Sinóticas Layout das Telas As telas gerais do Sistema são apresentadas conforme layout mostrado a seguir: Cabeçalho Processo Rodapé Layout das telas do sistema Cabeçalho: Nesta área será apresentada ao operador uma barra fixa onde estão disponíveis, em todas as telas, funcionalidades e sinalizações essenciais a todo o projeto, Página 11 de 37

12 como por exemplo: Link de Telas Principais, Macro Alarmes, sinalização de status de comunicação com as UCs (Unidade de Controle), Parada de Emergência, nome do Usuário logado, nome da Estação, data e hora do sistema. Deverão conter botões de link direto para permitir um acesso rápido às telas mais prioritárias do processo, sendo elas: Tela de Log On, Tela de Eventos, Tela de Históricos, Tela de Unifilar Geral, Tela de Arquitetura Geral, Tela Geral do Processo, Tela de Tendência e Tela de Alarmes. Os botões de macro alarmes sinalizam a ocorrência de um alarme em determinada área específica. No cabeçalho deverá estar disponível o comando de Parada de Emergência de cada Unidade e Parada de Emergência Central. Após clicar no botão irá aparecer uma janela para confirmação ou cancelamento do comando. Rodapé: Nesta área será apresentada ao operador uma barra fixa onde estará disponível, em todas as telas do projeto, um resumo dos últimos 4 alarmes do sistema. Sempre que surgirem novos alarmes, estes serão visualizados no rodapé. Também devem fazer parte do rodapé botões de Link rápido para a Página de Alarmes, comando de silenciar a Sirene, Reconhecer alarme selecionado e Reconhecer todos os alarmes. Processo: Nesta área o operador deverá monitorar e controlar toda a Planta do Sistema. Todas as telas operacionais e de funcionalidades do sistema serão apresentadas de forma clara e objetiva, de forma a permitir ao operador atuar de forma mais rápida e segura no processo. II- Animação de Estados A animação de estados de equipamentos e processos constitui ferramenta que deve propiciar operar a planta, fornecendo ao operador recursos padronizados para a rápida interpretação do estado atual das PCHs. Página 12 de 37

13 Cores: As sinalizações de atributos de cor e textos indicativos do status dos equipamentos de Manobra, Proteção, Operação e Controle da planta seguem a seguintes definições: Estado Posição fechado Posição aberto Posição extraído Defeito Disjuntor Cor Vermelho Verde Sem animação Piscando Amarelo Válvula / Seccionadora / Comporta Estado Cor Posição aberta Vermelho Posição fechada Verde Em movimento abrindo Vermelho Piscando Em movimento fechando Verde Piscando Defeito Piscando Amarelo Estado Posição aplicado Posição desaplicado Defeito Sistema de Freios Cor Vermelho Verde Piscando Amarelo Estado Estado Ligado Estado desligado Defeito Bombas / Equipamentos diversos Cor Vermelho Verde Piscando Amarelo Estado Máquina Rodando Máquina Parada Máquina em Giro Mecânico Máquinas Cor Vermelho Verde Vermelho+ Texto Giro Mecânico Página 13 de 37

14 Máquina em Sincronizada Defeito Vermelho + Texto Sincronizada Piscando Amarelo Estado Distribuidor aberto Distribuidor fechado Turbina Cor Vermelho Verde Regulador de Tensão Regulação cos θ Texto Regulação cos θ Regulação tensão Texto Regulação tensão Corrente de excitação Texto Valor da corrente Tensão de excitação Texto Valor da tensão Regulador de Velocidade Operação Interligada Texto Interligada Operação Isolada Texto Isolada Posição do Distribuidor Texto porcentagem de abertura Velocidade da Máquina Texto <40%, <45%, >90%, >98% Estado Presença de fluxo Ausência de fluxo Defeito Chave de Fluxo Cor Vermelho Cinza Piscando Amarelo Circuitos Elétricos Circuito Cor Circuito de 69 KV Azul Circuito de 6,9 KV Laranja Circuito de Vca (Baixa Tensão) Branca Circuito de Vcc Verde Circuito Circuitos Mecânicos Cor Página 14 de 37

15 Água Ar Óleo / Graxa Verde escuro Azul Marrom Estado de Comunicação Estado Cor Dispositivo em Comunicação Vermelho Dispositivo fora de Comunicação Amarelo piscando Seleção de Modo de Operação Modo de Seleção Local Texto Local Modo de Seleção Remoto Ausência de texto Operação Interligada Texto Interligada Operação Isolada Texto Isolada III - Alarmes Alarmes Discretos Os alarmes gerados pelo sistema de monitoração serão visualizados na tela específica de alarmes e no rodapé das demais telas. Os alarmes são atualizados automaticamente e apresentados em ordem cronológica de cima para baixo. Ao ocorrer um alarme será gerado um aviso sonoro, utilizando os recursos da placa de som da IHM. O operador deverá selecionar o botão para silenciar o alarme. O estado dos alarmes será sinalizado através de atributos de cor, conforme tabela abaixo: Estado do Alarme Atuado não Reconhecido Atuado Reconhecido Normalizado não Reconhecido Normalizado Reconhecido Cor Vermelho Verde Preto Ausência de alarme Obs : Se o alarme foi reconhecido, ele desaparece da tela ao ser normalizado. Página 15 de 37

16 Alarmes Analógicos Para os alarmes analógicos, é possível gerar quatro níveis distintos de alarmes: Muito Baixo, Baixo, Alto e Muito Alto; sendo que eles são gerados conforme valor de setpoint definido pelo operador na Tela de Configuração de Alarmes Analógicos. As cores para apresentação dos alarmes analógicos são apresentadas na tabela a seguir: Nível de Alarme Estado Cor da Letra Muito Baixo Atuado não Reconhecido Vermelho Baixo Atuado Reconhecido Verde Alto Normalizado não Reconhecido Preto Muito Alto Normalizado Reconhecido Ausência de alarme IV - Janela de Operação de Equipamentos A janela de operação de equipamento é um recurso que permitirá ao operador comandar os equipamentos das PCHs, bem como inserir comentários. As Janelas de Operação de equipamentos devem possuir os seguintes comandos: Comandos - (Abrir, Fechar, Ligar, Parar, Parada Direta, Partida Passo a Passo, etc.). Os botões de comandos destas janelas de operação, ao serem atuados, realizam a ativação da Janela de Comando, onde serão disponibilizadas as precondições de comando. Dentro da Janela de Comando serão disponibilizados os botões de confirmação e cancelamento. O botão Confirma realizará ação imediata no equipamento. Haverá ainda nesta janela um Timeout que faz com que a janela desapareça da tela, caso o operador não tome nenhuma ação. Comentário Permitirá ao operador escrever observações para determinado equipamento, que serão armazenadas na tela. Os comentários associados ao equipamento serão colocados através de uma interface que é habilitada ao atuar o botão Comentário. Esta interface disponibilizará uma entrada de texto, sendo esta limitada em 50 caracteres. Página 16 de 37

17 A Janela de operação deverá conter informações sobre as precondições para que o comando seja executado, sinalizadas através de textos coloridos: Vermelho indica condição negada e Verde condição permitida para execução do comando. V - Telas do Sistema Tela de Alarmes Nesta tela os alarmes deverão ser mostrados cronologicamente de forma que o alarme mais atual fique posicionado na primeira linha disponível no topo da tela. Na parte inferior da tela deverão se localizar os botões Reconhecer Alarme Selecionado e Reconhecer Todos os Alarmes. Para reconhecer um alarme será necessário selecioná-lo anteriormente. Os atributos de cor adotados para os alarmes são os mencionados anteriormente. Esta tela específica de alarmes será exibida ao clicarmos o link Alarmes na barra de links ou no botão específico do cabeçalho. O tag é formado com no máximo 25 caracteres e a descrição é formada com no máximo de 64 caracteres. A tela específica de eventos será exibida ao clicarmos no link Eventos, distribuído na barra de links ou no botão específico do cabeçalho. Esta tela apresentará os 200 últimos eventos em ordem cronológica, gerados pelos Relés Microprocessados. Os eventos serão gerados pelo sistema no formato Data, Hora, Equipamento e Descrição. Os eventos serão datados com a informação de data/hora dos relés. Os relés e as IHMs deverão ser são sincronizados via pulso enviado por GPS adequado à aplicação, fornecido e instalado pela proponente. Tela de Tendência (Real/Histórica) Esta tela deverá permitir ao usuário visualizar, de forma gráfica, a evolução de grandezas analógicas em função do tempo. A tela deve oferecer o recurso de ampliação (zoom) de uma região específica do gráfico, para uma melhor visualização de detalhes das curvas. Página 17 de 37

18 Nesta tela será possível a verificação de no mínimo 3 grandezas paralelamente, disponibilizando a opção de visualização das variáveis em tempo real ou histórico. Em modo histórico deverá ser permitida a visualização das variáveis armazenadas nos últimos 30 dias. As grandezas elétricas deverão ser armazenadas em intervalos parametrizáveis de no mínimo 2 segundos; as grandezas físicas de temperatura são armazenadas em intervalos mínimos de 15 segundos. Tela de Histórico A tela de Histórico deverá ser exibida ao clicarmos no link Históricos, distribuído na barra de links ou no botão específico do cabeçalho. Será exibida uma tela contendo os históricos de alarmes e filtros para exibição: Tela de Configuração de Set Point s Esta tela é acessada via Barra de Links e permitirá aos usuários visualizar/configurar possíveis níveis de alarme para as grandezas analógicas adquiridas pelo sistema supervisório. 3. Tela de Log On Essa é a Tela deverá ser apresentada na Inicialização do Sistema ou na solicitação de troca de operador, onde apresentará dois campos iniciais, um para inserção do nome do usuário e o outro para sua senha. É através dessa tela inicial que o usuário/operador terá acesso ou não aos diversos recursos do sistema, sendo que esse recurso será definido através de um prévio cadastro dos usuários com seus respectivos privilégios, conforme descrito a seguir: - Visitante: Para este nível de privilégio, o usuário não terá acesso às janelas de comando e de referências, apenas será permitida a monitoração/navegação no sistema. - Operador: Este nível habilita a monitoração e controle de todo o Sistema, habilitando as janelas de comando e de referências de setpoint. Página 18 de 37

19 - Administrador: Este nível habilita o usuário a executar todas as funções do nível operador e permite também efetuar a manutenção e gerência do sistema através das ferramentas disponíveis no mesmo. 4. Tela de Arquitetura Geral Esta tela será apresenta aos usuários a organização do conjunto com a representação de todos os equipamentos utilizados e os seus estados. Ela apresenta também todos os estados atuais das comunicações entre os diversos sistemas, subsistemas e dispositivos de campo. Telas Unifilares da Planta Devido à integração de 2 PCHs, torna-se necessário no mínimo duas telas para cada usina, podendo ainda ser subdivididas em Tela Unifilar Geral e Tela Unifilar de Serviços Auxiliares CA/CC. Cada tela indica o estado atual dos equipamentos, os valores de tensão, corrente, potência ativa, reativa e aparente da parte observada pelo unifilar considerado. Na Tela Unifilar Geral, caso o operador clique em cima da Máquina, o sistema irá chamar a Tela de Sequência de Partida (com Máquina desligada) ou a Tela de Sequência de Parada (com Máquina ligada). 6. Tela Geral do Processo Nesta tela deverá estar disponível a representação geral do Sistema de Geração de Energia, desde a barragem até as unidades geradoras. Nela está representado o nível da Barragem, o status das comportas (aberta/fechada/defeito) e das máquinas (ligada/desligada/defeito). Página 19 de 37

20 Desta tela é possível navegar para a tela de Câmara de Carga, da Barragem e para as telas individuais das máquinas. Para tanto, basta clicar sobre a unidade desejada que o Sistema abrirá a respectiva tela. 7. Tela do Sistema de Esgotamento de Água Esta tela apresenta também o Sistema de Esgotamento de Água, com indicação de níveis e indicação de estado das bombas de drenagem. 8. Tela da Barragem Tomada D Água Nesta tela estará representada a Barragem, com indicação de níveis e indicação de estado da unidade hidráulica das Comportas e Válvula Dispersora. 9. Tela da Unidade Geradora Da tela de Sequência de Partida da Unidade será possível realizar o acesso direto para a tela de Condições de Partida, onde serão apresentadas todas as condições necessárias para realizar o procedimento de partida da unidade. 10. Tela de Condições de Partida da Unidade Geradora Esta tela apresentará as etapas principais de uma determinada sequência de partida ou parada. A cada etapa será associado um campo para sinalização de etapa completa. Desta tela poderá se ter um diagnóstico das causas de uma eventual falha, impossibilitando a finalização da seqüência no tempo previsto. Esta tela também apresentará todas as precondições que permitem a partida ou parada da unidade. A cada condição será associada uma cor de sinalização de condição satisfeita. Seu acesso pode ser via Link de telas ou através da tela específica da unidade, ao se clicar sobre o desenho da máquina. Página 20 de 37

21 VI - Relatório Os relatórios que serão gerados pelo Sistema são os seguintes: - Relatório Diário do Gerador da PCH-José Togni; - Relatório Diário do Gerador da PCH-Ubirajara Machado de Moraes; - Relatório de Valores de Níveis. O Relatório Diário Gerador deverá possui os seguintes dados armazenados: Tensão, Excitação, Corrente de Excitação, Corrente Fase A, Corrente Fase B, Corrente Fase C, Carga Frequência, Potência Ativa, Potência Reativa, Cos φ, Posição do Distribuidor, Horas Trabalhada, Tensão do Gerador, Temperatura Mancal Turbina LNA, Temperatura Mancal Turbina LA, Temperatura Mancal Gerador LA, Temperatura Mancal Gerador LNA, Temperatura Enrolamento Gerador Máxima, Energia Ativa e Energia Reativa. Os dados são armazenados a cada hora e inseridos no relatório. Os dados serão alocados no computador durante o período de 365 dias. Após o 365º dia, o sistema irá eliminar o dia mais antigo pelo atual. Os dados serão lidos do PLC a cada hora cheia. A Tensão de Excitação será medida em volts(v) e será mostrada com no máximo 2 números inteiros e 2 casas decimais. A Corrente de Excitação será medida em ampères(a) e será mostrada com no máximo 2 números inteiros e 2 casas decimais. A Corrente Fase A, B e C será medida em ampères(a) e será mostrada com no máximo 3 números inteiros. A Carga de Frequência será medida em porcentagem(%) e será mostrada com no máximo 3 números inteiros. A Potência Ativa será medida em quilowatts (KW) e será mostrada com no máximo 4 números inteiros. A Potência Reativa será medida em quilovatt (kvar) e será mostrada com no máximo 4 números inteiros. Página 21 de 37

ANEXO X. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA SEMIAUTOMAÇÃO DA USINA UHE Walther Rossi ( Antas II) ANEXO X - Especificações Técnicas Página 1 de 29

ANEXO X. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA SEMIAUTOMAÇÃO DA USINA UHE Walther Rossi ( Antas II) ANEXO X - Especificações Técnicas Página 1 de 29 ANEXO X ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA SEMIAUTOMAÇÃO DA USINA UHE Walther Rossi ( Antas II) Página 1 de 29 1) OBJETO 1.1. As presentes Especificações Técnicas fixam os requisitos básicos necessários para

Leia mais

ANEXO X. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA SEMIAUTOMAÇÃO DA USINA UHE Walther Rossi ( Antas II)

ANEXO X. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA SEMIAUTOMAÇÃO DA USINA UHE Walther Rossi ( Antas II) ANEXO X ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA SEMIAUTOMAÇÃO DA USINA UHE Walther Rossi ( Antas II) Página 1 de 29 1) OBJETO 1.1. As presentes Especificações Técnicas fixam os requisitos básicos necessários para

Leia mais

AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER

AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER Este case apresenta a aplicação da solução Elipse Power para controlar a subestação da Usina Termelétrica de Linhares,

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control MANUAL DO USUÁRIO Software de Gerenciamento Controlador de Fator de Potência Self Control ÍNDICE 1.0 INTRODUÇÃO 4 1.1 Aplicações 4 2.0 CARACTERÍSTICAS 4 2.1 Compatibilidade 4 3.0 INSTALAÇÃO 4 4.0 INICIALIZAÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO FOLHAS DE DADOS Todas as folhas de dados para os equipamentos mencionados deverão ser devidamente preenchidas conforme determinado a seguir. Deverá ser preenchida uma folha de dados para cada tipo de equipamento

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

ELIPSE E3 AGILIZA A DETECÇÃO DE OCORRÊNCIAS QUE VENHAM A ATINGIR A LINHA 4 DO METRÔ DE SÃO PAULO

ELIPSE E3 AGILIZA A DETECÇÃO DE OCORRÊNCIAS QUE VENHAM A ATINGIR A LINHA 4 DO METRÔ DE SÃO PAULO ELIPSE E3 AGILIZA A DETECÇÃO DE OCORRÊNCIAS QUE VENHAM A ATINGIR A LINHA 4 DO METRÔ DE SÃO PAULO Este case apresenta a aplicação do E3 para monitorar e executar comandos junto aos mais diferentes setores,

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 03

ESCLARECIMENTO Nº 03 PE.GCM.A.00130.2013 1/30 ESCLARECIMENTO Nº 03 FURNAS Centrais Elétricas S.A. comunica resposta ao pedido de esclarecimento sobre o Edital, efetuado por empresa interessada: 1. GERAL Entendemos que os Relés

Leia mais

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local SUBESTAÇÕES Comando de controle e Scada local COMANDO DE CONTROLE E SCADA LOCAL A solução fornecida pela Sécheron para o controle local e para o monitoramento das subestações de tração é um passo importante

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Requisito Descrição 6.1 - Produtos de Hardware 6.1.1. GRUPO 1 - IMPRESSORA TIPO I (MONOCROMÁTICA 20PPM - A4) 6.1.1.1. TECNOLOGIA DE IMPRESSÃO 6.1.1.1.1.

Leia mais

Centro de Operação Integrado da Queiroz Galvão Energias Renováveis

Centro de Operação Integrado da Queiroz Galvão Energias Renováveis Centro de Operação Integrado da Queiroz Galvão Energias Renováveis Resumo A Spin Engenharia participou da implantação do Centro de Operações Integrado (COI) da Queiroz Galvão Energias Renováveis (QGER).

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA Este case apresenta a aplicação do Elipse E3 para controlar

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

SOFTWARE ELIPSE E3 AUTOMATIZA AS USINAS TERMELÉTRICAS TERMOMANAUS E PAU FERRO I

SOFTWARE ELIPSE E3 AUTOMATIZA AS USINAS TERMELÉTRICAS TERMOMANAUS E PAU FERRO I SOFTWARE ELIPSE E3 AUTOMATIZA AS USINAS TERMELÉTRICAS TERMOMANAUS E PAU FERRO I Este case apresenta a aplicação da solução Elipse E3 para automatizar os equipamentos e processos envolvidos na geração de

Leia mais

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Manual do equipamento Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. +55 41 3661-0100 Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis - Pinhais/PR - Brasil CEP: 83322-010 CNPJ: 01.245.055/0001-24 Inscrição

Leia mais

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI Manual de Utilização Família MI ÍNDICE 1.0 COMO LIGAR O MÓDULO... pág 03 e 04 2.0 OBJETIVO... pág 05 3.0 COMO CONFIGURAR O MÓDULO MI... pág 06, 07, 08 e 09 4.0 COMO TESTAR A REDE... pág 10 5.0 COMO CONFIGURAR

Leia mais

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM...

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM... 1 de 30 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 3.1. ONDE SE DEVE INSTALAR O SERVIDOR BAM?... 4 3.2. ONDE SE DEVE INSTALAR O PROGRAMADOR REMOTO BAM?... 4 3.3. COMO FAZER

Leia mais

Manual. Rev 2 - junho/07

Manual. Rev 2 - junho/07 Manual 1.Desbloquear o software ------------------------------------------------------------------02 2.Botões do programa- --------------------------------------------------------------------- 02 3. Configurações

Leia mais

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/7 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MASTERTEMP foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Automação Industrial Porto Alegre, Outubro de 2014 Revisão: B Conhecer os principais conceitos e aplicações de um Software Supervisório; Conhecer

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

Acabamento em aço inox (Tampa superior embutida, proporcionando um melhor acabamento);

Acabamento em aço inox (Tampa superior embutida, proporcionando um melhor acabamento); Características Fabricada em aço-carbono com pintura em epóxi preto; Tratamento anti-corrosivo; Acabamento em aço inox (Tampa superior embutida, proporcionando um melhor acabamento); Fechadura para acesso

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DOP TERMO DE REFERÊNCIA 011/2010 - DOP PROJETO DE AUTOMAÇÃO DAS SUBESTAÇÕES ARIQUEMES, JARU, JI-PARNÁ I, CACOAL, PIMENTA BUENO, ESPIGÃO

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

Eagle Rastreamento Veicular

Eagle Rastreamento Veicular Softech Software Brasil Ltda. Eagle Rastreamento Veicular Softech Tecnologia em Software Versão 1.4.0.0 13 2 Introdução Objetivo do manual de instruções O presente manual foi elaborado com o objetivo de

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO Profª Danielle Casillo Utilizar os mesmos processos do trabalho anterior (Ladder já existente). Implementar este sistema

Leia mais

V O C Ê N O C O N T R O L E.

V O C Ê N O C O N T R O L E. VOCÊ NO CONTROLE. VOCÊ NO CONTROLE. O que é o Frota Fácil? A Iveco sempre coloca o desejo de seus clientes à frente quando oferece ao mercado novas soluções em transportes. Pensando nisso, foi desenvolvido

Leia mais

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução Autor Público Alvo Rodrigo Cristiano dos Santos Suporte Técnico, Consultoria e Desenvolvimento. Histórico Data 13/06/2012 Autor Rodrigo Cristiano Descrição

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 42BEspecificação Técnica LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 3 / 6 / 8 / 10 / 12 / 15 / 20 kva 38BEngetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: Hwww.engetron.com.br

Leia mais

EDITAL DE PREGÃO N.º 50/15 RETIFICADO EM 07/12/2015

EDITAL DE PREGÃO N.º 50/15 RETIFICADO EM 07/12/2015 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO - SAAE CNPJ: 21.260.443/0001-91 - Inscrição Estadual: isento Rua Nonô Ventura, 394, CEP 35680-205, Bairro Lourdes - Itaúna/MG EDITAL DE PREGÃO N.º 50/15 RETIFICADO EM

Leia mais

Monitor de Temperatura MONITEMP

Monitor de Temperatura MONITEMP ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp foi desenvolvido para supervisionar até 3 (três) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

ANEXO 3 FOLHA DE DADOS

ANEXO 3 FOLHA DE DADOS PROJETO BÁSICO DOF 001 / 2010 ANEXO 3 FOLHA DE DADOS EQUIPAMENTO: Medidores de Faturamento SE ABUNÃ - FOLHA DE DADOS Quantidade: 8 (oito) Fabricante Modelo FUNCIONAIS Compatibilidade com IEC 687 Classe

Leia mais

EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº

EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 006/2015 PROJETO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA ALTEAMENTO DO NIVEL NOMAL DO RESERVATÓRIO DO CIPÓ E AMPLIAÇÃO DAS USINAS BORTOLAN E VÉU DAS NOIVAS 1 - INTRODUÇÃO Esta

Leia mais

Regulador Digital de Tensão DIGUREG

Regulador Digital de Tensão DIGUREG Regulador Digital de Tensão DIGUREG Totalmente digital. Software para parametrização e diagnósticos extremamente amigável. Operação simples e confiável. Ideal para máquinas de pequena a média potência.

Leia mais

GUIA DE USUÁRIO - GU-

GUIA DE USUÁRIO - GU- 1/22 Revisão 00 de 20//12 1. OBJETIVO Orientar o usuário para a pesquisa e visualização detalhada de todas as ordens de compra emitidas, emitir confirmações de aceite, submeter solicitação de alteração,

Leia mais

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 DESCRITIVO TÉCNICO OCUPAÇÃO 19 Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina, de acordo com as normas

Leia mais

ODG Auto Acessórios Ltda www.odginstruments.com.br Versão 2.0 FEVEREIRO 2009

ODG Auto Acessórios Ltda www.odginstruments.com.br Versão 2.0 FEVEREIRO 2009 ODG Auto Acessórios Ltda www.odginstruments.com.br Versão 2.0 FEVEREIRO 2009 1 INDICE 1. Instalação do Software...3 2. Tela Inicial...3 3. Criando arquivo de configurações (Alt + C + C)...4 3.1 Sensores

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S. A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE DE MOTORES CA - MANUAL DO PROFESSOR CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC KIT CONTROLE DE VELOCIDADE

Leia mais

Acionamento através de senha*, cartão de proximidade ou biometria. Compatível com fechaduras magnéticas, eletroímãs e cancelas.

Acionamento através de senha*, cartão de proximidade ou biometria. Compatível com fechaduras magnéticas, eletroímãs e cancelas. 1/8 SISTEMA ZIGLOCK TCP Visão Geral: Instalação e configuração simplificada. Alta capacidade de armazenamento de registros e usuários. Acionamento através de senha*, cartão de proximidade ou biometria.

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Manual do Aplicativo de Configurações

Manual do Aplicativo de Configurações Registrador Eletrônico de Ponto Manual do Aplicativo de Configurações Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis Código Postal 83.322-010 Pinhais - Paraná

Leia mais

Manual de uso do Gerente

Manual de uso do Gerente Manual de uso do Gerente Manual do Hypnobox: www.hypnobox.com.br/manual Índice Acessar o Hypnobox Endereço o www Login e Senha Tela Principal Perfil de acesso Editar Dados pessoais Fila de corretores Gerenciar

Leia mais

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 CATÁLOGO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Relé de Proteção de Motores RPM foi desenvolvido para supervisionar até 2 (dois) grupos ventiladores/motores simultaneamente, é utilizado

Leia mais

Action RU - Modulo Run-Time SE Santos Brasil Manual de Operação do Sistema

Action RU - Modulo Run-Time SE Santos Brasil Manual de Operação do Sistema Action RU - Modulo Run-Time SE Santos Brasil Manual de Operação do Sistema SPIN Engenharia de Automação Ltda. Versão 7.5 Abril de 2009 SPIN Engenharia de Automação Ltda. SCLN-Quadra 212 Bloco D - Sala

Leia mais

Ambiente de Programação dos Painéis de Operação. Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP

Ambiente de Programação dos Painéis de Operação. Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP Ambiente de Programação dos Painéis de Operação Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP Índice 1)Introdução...2 2)Instalação do Oppe...3 3)Descrição do OPPE...4 3.1 Selecionar

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Nível de Óleo para Transformadores e reatores MNO, é um equipamento microprocessado de alta precisão que indica o nível de óleo em escala

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13 1-13 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Sistemas Supervisórios

Sistemas Supervisórios Sistemas Supervisórios Prof a. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Sistemas Supervisórios Objetivos: Apresentação e posicionamento da utilização de sistemas supervisórios em plantas industriais;

Leia mais

Manual de funcionamento Esteira transportadora

Manual de funcionamento Esteira transportadora Manual de funcionamento Esteira transportadora Sumário 1. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 2 2. ITENS DO SISTEMA... 3 2.1. PLACA DE COMANDO... 3 2.1.1. Sinalizador... 3 2.1.2. Botão pulsador... 3 2.1.3. Chave comutadora...

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

Manual Operacional SAT TS-1000

Manual Operacional SAT TS-1000 Manual Operacional SAT TS-1000 APRESENTAÇÃO O TS-1000 é o equipamento SAT da Tanca destinado a emissão de Cupons Fiscais Eletrônicos. Equipado com o que há de mais moderno em Tecnologia de Processamento

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O

PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O 2 PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O CÓDIGO DO CARGO/VAGA: V0013 1) Considere um transformador

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com. Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.br 1-15 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior,

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...9 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 Moto é um rastreador exclusivo para Motos desenvolvido com os mais rígidos

Leia mais

SECTEC / COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO

SECTEC / COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO Macaé, Outubro de 2010 SECTEC / COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO Página 1 de 38 Controle de Revisões Data Comentário Responsável 01/10/2010 Revisão e correção de texto Marcos Lemos 01/10/2010 Correção

Leia mais

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada!

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada! Electron do Brasil Tecnologia Digital Qualidade Comprovada! Ensaios de Tipo Realizados Tecnologia ao seu alcance Catálogo Monitemp - rev3 Produtos Certificados! www.electrondobrasil.com O Monitor de Temperatura

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 (opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 (opcional); Características Fabricada em aço-carbono, com pintura em epóxi preto; Tratamento anticorrosivo; Acabamento em aço inox; Fechadura para acesso aos componentes eletrônicos; Iluminação frontal, com chave

Leia mais

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas CLIMATIZAÇÃO O exemplo apresentado aqui controla um sistema que envolve bombas, torres, chillers e fan-coils para climatização ambiente para conforto térmico. Pode-se montar controles para sistemas dos

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs - COACH JOSE LUIZ BOZZETTO,FLAVIO C. BIANCHI BCM ENGENHARIA

SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs - COACH JOSE LUIZ BOZZETTO,FLAVIO C. BIANCHI BCM ENGENHARIA SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs - COACH JOSE LUIZ BOZZETTO,FLAVIO C. BIANCHI BCM ENGENHARIA Este trabalho descreve em linhas gerais o sistema integrado para o controle, automação e integração

Leia mais

www.lojatotalseg.com.br

www.lojatotalseg.com.br Manual do Aplicativo de Configurações J INTRODUÇÃO Este manual visa explicar a utilização do software embarcado do equipamento Prisma. De fácil utilização e com suporte a navegadores de internet de todos

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica

Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica Flexibilidade, confiabilidade e segurança na detecção de incêndios. Sistemas Endereçáveis Analógicos Módulos e Cartões de Comunicação Dispositivo de Análise de Laço

Leia mais

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev P27070 - Rev. 0 1. RESTRIÇÕES DE FUNCIONAMENTO RECEPTOR IP ÍNDICE 1. Restrições de Funcionamento... 03 2. Receptor IP... 03 3. Inicialização do Software... 03 4. Aba Eventos... 04 4.1. Botão Contas...

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

No item 2.10 é mencionada a ferramenta de controle de acesso. Qual o nível de integração requerido e quais os métodos disponíveis nesta ferramenta?

No item 2.10 é mencionada a ferramenta de controle de acesso. Qual o nível de integração requerido e quais os métodos disponíveis nesta ferramenta? Perguntas: 1. 2. 3. Entendemos que o processo de mudança será realizado através do CMDB atual e que esta mudança deverá ser refletida na solução de DCIM. Além deste processo haverá alguma outra forma de

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL SMART Versão 1.1

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL SMART Versão 1.1 MANUAL DO USUÁRIO PORTAL SMART Versão 1.1 1- OBJETIVO Apresentar ao cliente o procedimento de como utilizar o Portal SMART e realizar gestão de ocorrências apresentadas durante o monitoramento. 2- ACESSANDO

Leia mais

Comunicação via interface SNMP

Comunicação via interface SNMP Comunicação via interface SNMP 1 - FUNCIONAMENTO: Os No-breaks PROTEC possuem 3 interfaces de comunicação: Interface RS232, interface USB e interface SNMP. Todas elas permitem o controle e o monitoramento

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Processador 02 5.2. Memória 03 5.3. Periféricos Inclusos 03 5.4. Unidades

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

Multimedidor Portátil MPK

Multimedidor Portátil MPK [1] Introdução O Multimedidor Portátil é um instrumento que facilita a análise de instalações elétricas em campo com alta flexibilidade. A solução é composta de: Multimedidor: Instrumento digital microprocessado,

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET Especificação Técnica 1. Objeto Aquisição de 1 (um) NOBREAK DE POTÊNCIA 5 kva Obs.: Os atributos técnicos abaixo relacionados são de atendimento obrigatório. A nomenclatura

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE UNIDADES REMOTAS PARA CONEXÃO COM SISTEMA SUPERVISÓRIO

TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE UNIDADES REMOTAS PARA CONEXÃO COM SISTEMA SUPERVISÓRIO 1 OBJETIVO... 2 2 REMOTA... 2 2.1 DESCRIÇÃO GERAL... 2 2.2 ALIMENTAÇÃO... 2 2.3 RELÓGIO INTERNO... 2 2.4 ENTRADA DE PULSOS... 2 2.5 ENTRADA DIGITAL AUXILIAR... 2 2.6 REGISTRO DA CONTAGEM DE PULSOS (LOG)

Leia mais

PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO RESUMO

PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO RESUMO PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO Riberte Dias de Souza riberte.souza@arcelormittal.com ArcelorMittal Tubarão Edílson Jose Machado Correia edilson.correia@arcelormittal.com

Leia mais

FieldLogger. Apresentação

FieldLogger. Apresentação Solução Completa Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um módulo de leitura e registro de variáveis analógicas,

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

NFO HERM SOFTWARE DE REGISTRO

NFO HERM SOFTWARE DE REGISTRO INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO AUTOMAÇÃO E PROJETOS LTDA Tel: () 64-0440 Fax: () 64-044 E-mail: therma@therma.com.br Website: www.therma.com.br R. Bragança Paulista, 0 - Santo Amaro CEP: 0477-00 - São Paulo -

Leia mais

RETIFICADOR INDUSTRIAL TRIFÁSICO RIT-MP

RETIFICADOR INDUSTRIAL TRIFÁSICO RIT-MP RETIFICADOR INDUSTRIAL TRIFÁSICO RIT-MP Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento Rua da Várzea 379 CEP 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469 engenharia@cp.com.br 1.

Leia mais

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância Monitoramento de Transformadores de Potência Gerenciamento de Dados para o Monitoramento e Avaliação da Condição Operativa de Transformadores Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Leia mais

Ler e interpretar simbologias elétricas. Elaborar diagramas elétricos em planta baixa. Ler e interpretar Planta Baixa.

Ler e interpretar simbologias elétricas. Elaborar diagramas elétricos em planta baixa. Ler e interpretar Planta Baixa. : Técnico em Informática Descrição do Perfil Profissional: O profissional com habilitação Técnica em Microinformática, certificado pelo SENAI-MG, deverá ser capaz de: preparar ambientes para a instalação

Leia mais