Maria Cecília Marques Rodrigues MODELAÇÃO DE UM SISTEMA DE ALARME SÍSMICO PARA A PENÍNSULA IBÉRICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Maria Cecília Marques Rodrigues MODELAÇÃO DE UM SISTEMA DE ALARME SÍSMICO PARA A PENÍNSULA IBÉRICA"

Transcrição

1 Maria Cecília Marques Rodrigues MODELAÇÃO DE UM SISTEMA DE ALARME SÍSMICO PARA A PENÍNSULA IBÉRICA Lisboa 1998

2 copyright

3 Maria Cecília Marques Rodrigues MODELAÇÃO DE UM SISTEMA DE ALARME SÍSMICO PARA A PENÍNSULA IBÉRICA Dissertação apresentada para a obtenção do Grau de Doutor em Matemática - Investigação Operacional pela Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências e Tecnologia. Lisboa 1998

4 A todos os meus Amigos i

5 ii

6 iii Agradecimentos Ao Professor Doutor Ruy Costa, agradeço a orientação, críticas e sugestões que enriqueceram esta Dissertação, bem como todo o encorajamento essencial à realização deste trabalho. Agradeço também ao Professor Doutor Carlos Sousa Oliveira (IST) por ter cedido os dados que constituem o Catálogo Sísmico utilizado neste trabalho, e pelas sugestões que enriqueceram este trabalho. Ao Departamento de Matemática da Faculdade de Ciências e Tecnologia agradeço a dispensa de serviço docente que me foi concedida durante três anos, indispensável à execução desta Dissertação. Agradeço ao Centro de Matemática e Aplicações o acesso a material informático e bibliográfico, bem como o apoio prestado na minha participação em encontros científicos. Ao CESUR e ao IST agradeço o acesso à biblioteca. Agradeço ainda a todo o pessoal do Departamento de Matemática, aos meus familiares e amigos, que me encorajaram e mostraram interesse por este trabalho.

7 iv

8 v Sumário Modelou-se um Sistema de Alarme Sísmico para a Península Ibérica que, em função da situação sísmica dada, permite determinar o Grau de Alarme Sísmico, para uma região, durante um determinado horizonte temporal. Utilizaram-se dois precursores sísmicos: as condições iniciais do modelo de simulação utilizado para gerar o processo de ocorrências sísmicas na Península Ibérica, que corresponde ao passado sísmico recente; a Sismicidade Local, ou seja o número de ocorrências sísmicas de qualquer magnitude, registadas na região em estudo, durante um período de tempo. Com base na Teoria dos Conjuntos Vagos, determinou-se o grau de alarme relativo a cada um dos precursores utilizados. A média pesada dos valores de grau de alarme origina o Grau de Alarme Sísmico. Os pesos envolvidos nessa média foram obtidos com recurso à metodologia AHP, tomando como critérios, as percentagens de sismos previstos (ou de falhas), falsos alarmes e tempo de alarme. O Sistema desenvolvido foi calibrado com base em 12 situações sísmicas reais ocorridas na Península Ibérica.

9 vi

10 vii Abstract A Seismic Alarm System for the Iberian Peninsula was proposed. Given the seismic situation of one zone, the seismic state, for that zone and one time-window is computed. Two precursors were considered: Initial conditions of the simulation model used to generate the process of occurrences on the Iberian Peninsula, describe the recent seismic past; Local seismicity - number of occurrences of any magnitude - for a given zone and time-window. Fuzzy Set Theory was used to assess the alarm state of each precursor. A weighted average of the alarm state of each of precursor is used to computed the global alarm state. The weights involved were computed using the AHP methodology - the percentages of predicted occurrences (or missed), false alarms and alarm life time were the criteria. Twelve real seismic sets of data were used to calibrate the system.

11 viii

12 ix ÍNDICE DE MATÉRIAS 1- INTRODUÇÃO pag Introdução Sistemas de Alarme Sísmico - Uma Panorâmica Métodos Físicos de Previsão Sísmica Variações das quantidades de Radão dissolvido na água dos 5 poços profundos Variações na relação vp/vs Variações da resistividade eléctrica da crosta terrestre Técnicas Geodésicas Modelo de difusão por dilatância Outros Métodos Físicos Métodos Numéricos de Previsão Sísmica Estrutura da Dissertação METODOLOGIA Métodos utilizados Geração de valores pseudo-aleatórios Geração do processo de ocorrências sísmicas AHP -The Analytic Hierarchy Process Teoria dos Conjuntos Vagos Dados disponíveis Metodologia proposta para um Sistema de Alarme Sísmico Conclusão 34

13 x 3 - ANÁLISE DO PRECURSOR CONDIÇÕES INICIAIS pag Introdução Estudo comparativo de condições iniciais arbitradas Experiências efectuadas Análise de resultados Conclusões Estudo da influência de condições iniciais geradas aleatoriamente Experiências efectuadas Análise de resultados Conclusões Conclusão ANÁLISE DO PRECURSOR SISMICIDADE LOCAL 4.1 Introdução Sismicidade Local Experiências efectuadas Análise de resultados Conclusão GRAU DE ALARME DO PRECURSOR CONDIÇÕES INICIAIS Introdução Grau de alarme do precursor Condições Iniciais Experiências efectuadas Experiências com Condições Iniciais reais Experiências com Condições Iniciais fictícias Caracterização de cenários sísmicos fictícios Análise de resultados Conclusão 127

14 xi 6 - GRAU DE ALARME DO PRECURSOR SISMICIDADE LOCAL pag Introdução Grau de alarme associado ao precursor Sismicidade Local Experiências efectuadas Análise de resultados Conclusão MEDIDAS DE DESEMPENHO DOS PRECURSORES SÍSMICOS Introdução Medidas de desempenho do precursor Condições Iniciais Experiências efectuadas Análise de resultados Medidas de desempenho do precursor Sismicidade Local Experiências efectuadas Análise de resultados Conclusão GRAU DE ALARME SÍSMICO Introdução Determinação do Grau de Alarme Total Experiências efectuadas Análise de resultados Análise de Sensibilidade Conclusão 180

15 xii 9 - CONCLUSÃO pag Introdução Limitações Potencialidades Desenvolvimentos 185 ANEXO A 189 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 217

16 xiii ÍNDICE DE FIGURAS pag Representação de um Sistema de Alarme Sísmico Zonas sísmicas da Península Ibérica Fluxograma representativo da simulação do processo de ocorrências sísmicas na Península Ibérica Amplitude do intervalo de confiança a 95% para o valor médio do número de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região de Lisboa, para um período de tempo de 7 dias, em função do número de simulações Amplitude do intervalo de confiança a 95% para o valor médio do número de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região de Lisboa, para um período de tempo de 15 dias, em função do número de simulações Coeficiente de variação do número de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, para a região de Lisboa, em função do número de simulações Amplitude do intervalo de confiança a 95% para o valor médio do número de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região da Andaluzia, para um período de tempo de 7 dias, em função do número de simulações Amplitude do intervalo de confiança a 95% para o valor médio do número de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região da Andaluzia, para um período de tempo de 15 dias, em função do número de simulações Coeficiente de variação do número de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, para a região da Andaluzia, em função do número de simulações Exemplo de hierarquia linear Representação do Sistema de Alarme Sísmico proposto 32

17 xiv pag Vectores de prioridades para a Região de Lisboa, para sismos de magnitude 53 4 G< Vectores de prioridades para a Região de Lisboa, para sismos de magnitude G Vectores de prioridades para a Região da Andaluzia, para sismos de 54 magnitude 4 G< Vectores de prioridades para a Região da Andaluzia, para sismos de 54 magnitude G Intervalo de confiança para a proporção de sismos com magnitude 4 G < Intervalo de confiança para a proporção de sismos com magnitude G Intervalo de confiança para a proporção de sismos com magnitude 4 G < Intervalo de confiança para a proporção de sismos com magnitude G Intervalo de confiança a 95% para o número médio de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região de Lisboa, durante um período de tempo de 7 dias Intervalo de confiança a 95% para o número médio de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região de Andaluzia, durante um período de tempo de 7 dias Intervalo de confiança a 95% para o número médio de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região de Lisboa, durante um período de tempo de 15 dias 70

18 xv pag Intervalo de confiança a 95% para o número médio de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região de Andaluzia, durante um período de tempo de 15 dias Intervalo de confiança a 95% para o número médio de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região de Lisboa, durante um período de tempo de 30 dias Intervalo de confiança a 95% para o número médio de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região de Andaluzia, durante um período de tempo de 30 dias Intervalo de confiança a 95% para o número médio de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região de Lisboa, durante um período de tempo de 90 dias Intervalo de confiança a 95% para o número médio de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região de Andaluzia, durante um período de tempo de 90 dias Vectores de prioridades para a Região de Lisboa, para sismos de magnitude G Vectores de prioridades para a Região da Andaluzia, para sismos de 73 magnitude G Vectores de prioridades para a Região de Lisboa, para sismos de magnitude 76 4 G< Vectores de prioridades para a Região de Lisboa, para sismos de magnitude 76 G Vectores de prioridades para a Região da Andaluzia, para sismos de 77 magnitude 4 G<5

19 xvi pag Vectores de prioridades para a Região da Andaluzia, para sismos de 77 magnitude G Número de ocorrências sísmicas em períodos de 5 anos na região de Lisboa Número de ocorrências sísmicas em períodos de 5 anos na região da Andaluzia Representação esquemática do processo de ocorrências sísmicas numa determinada zona Histograma de frequências relativas de Dtr, para a região de Lisboa Histograma de frequências relativas de Dtr, para a região da Andaluzia Valor médio de Dtr durante os períodos de tempo T0 que precederam sismos de média e forte magnitude, na região de Lisboa Valor médio de Dtr durante os períodos de tempo T0 que precederam sismos de média e forte magnitude, na região da Andaluzia Domínio de variação provável de s Exemplo de representação gráfica da função pertença de um conjunto vago Representação gráfica da função pertença dos conjuntos vagos associados a ga CI Conjunto vago de saída Representação esquemática do Sistema de Controlo Vago para as condições iniciais 111

20 xvii pag Representação gráfica da função pertença dos conjuntos vagos associados às condições iniciais para a região de Lisboa, para horizontes temporais de 7 e 15 dias Relação de s com ga CI Domínio de variação provável da Sismicidade Local Representação gráfica da função pertença dos conjuntos vagos associados à Sismicidade Local Representação gráfica da função pertença dos conjuntos vagos associados a 133 ga SL Representação esquemática do Sistema de Controlo Vago para o precursor Sismicidade Local Representação gráfica da função pertença dos conjuntos vagos associados à Sismicidade Local, para as regiões de Lisboa e Andaluzia e horizontes temporais de 7, 15 e 30 dias Subdivisão de Dt, G e E, com vista à avaliação da proximidade de um cenário a uma condição inicial Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região de Lisboa, T0 = 7 dias Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região de Lisboa, T0 = 15 dias Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região de Lisboa, T0 = 30 dias 149

21 xviii pag Valores de q para a região de Lisboa Valores de U para a região de Lisboa Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região da Andaluzia, T0 = 30 dias Valores de q para a região da Andaluzia Valores de U para a região da Andaluzia Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região de Lisboa, T0 = 7 dias Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região de Lisboa, T0 = 15 dias Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região de Lisboa, T0 = 30 dias Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região da Andaluzia, T0 = 30 dias 157

22 xix pag Valores de q, para a região de Lisboa Valores de U, para a região de Lisboa Valores de q, para a região da Andaluzia Valores de U, para a região da Andaluzia Hierarquia representativa da atribuição das factores de ponderação do grau de alarme relativo a cada precursor Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região de Lisboa, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de falhas Representação global do Sistema de Alarme Sísmico, com referência às metodologias utilizadas 182 A.1- Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região de Lisboa, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de falsos alarmes 191 A.2 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região de Lisboa, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de tempo de alarme 192 A.3 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região de Lisboa, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de falhas 193 A.4 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região de Lisboa, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de falsos alarmes 194

23 xx pag. A.5 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região de Lisboa, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de tempo de alarme 195 A.6 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 1, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de falhas 196 A.7 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 1, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de falsos alarmes 197 A.8 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 1, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de tempo de alarme 198 A.9 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 1, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de falhas 199 A.10 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 1, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem falsos alarmes 200 A.11 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 1, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de tempo de alarme 201 A.12 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de falhas 202 A.13 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de falsos alarmes 203

24 xxi pag. A.14 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de tempo de alarme 204 A.15 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de falhas 205 A.16 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de falsos alarmes 206 A.17 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de tempo de alarme 207 A.18 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 4, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de falhas 208 A.19 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 4, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de falsos alarmes 209 A.20 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 4, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de tempo de alarme 210 A.21 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 4, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de falhas 211 A.22 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 4, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de falsos alarmes 212

25 xxii pag. A.23 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 4, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de tempo de alarme 213 A.24 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 6, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de falhas 214 A.25 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 6, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de falsos alarmes 215 A.26 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 6, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de tempo de alarme 216

26 xxiii ÍNDICE DE QUADROS pag Escala de comparações utilizada na teoria AHP Algumas características dos registos posteriores a Número de registos posteriores a 1900, com informação relativa às duas últimas ocorrências Estatísticas de ocorrências sísmicas, na Península Ibérica e nas duas regiões estudadas Possibilidades de combinações de parâmetros Estatísticas de Dt e G Primeiro conjunto de condições iniciais utilizado para a região de Lisboa Segundo conjunto de condições iniciais utilizado para a região de Lisboa Terceiro conjunto de condições iniciais utilizado para a região de Lisboa Primeiro conjunto de condições iniciais utilizado para a região da Andaluzia Segundo conjunto de condições iniciais utilizado para a região da Andaluzia Terceiro conjunto de condições iniciais utilizado para a região da Andaluzia Vectores de prioridades para a Região de Lisboa Vectores de prioridades para a Região da Andaluzia Representação esquemática das componentes dos vectores de prioridades 56 para sismos de média magnitude na Região de Lisboa Representação esquemática das componentes dos vectores de prioridades 56 para sismos de média magnitude na Região da Andaluzia

27 xxiv pag Representação esquemática das componentes dos vectores de prioridades 57 para sismos de forte magnitude na região de Lisboa Representação esquemática das componentes dos vectores de prioridades 57 para sismos de forte magnitude na Região da Andaluzia Probabilidade de ocorrência de um sismo forte na região de Lisboa (em %) Resultados do ajustamento linear efectuado para a região de Lisboa Probabilidade de ocorrência de um sismo forte na região da Andaluzia (em %) Resultados do ajustamento linear efectuado para a região da Andaluzia Representação esquemática das condições iniciais comparadas Valor médio, desvio padrão e intervalo de confiança a 95% para a média de ocorrências de magnitude superior ou igual a 4, durante um período de tempo de 7 dias, para as regiões de Lisboa e da Andaluzia Valor médio, desvio padrão e intervalo de confiança a 95% para a média de ocorrências de magnitude superior ou igual a 4, durante um período de tempo de 15 dias, para as regiões de Lisboa e da Andaluzia Valor médio, desvio padrão e intervalo de confiança a 95% para a média de de magnitude superior ou igual a 4, durante um período de tempo de 30 dias, para as regiões de Lisboa e da Andaluzia Valor médio, desvio padrão e intervalo de confiança a 95% para a média de ocorrências de magnitude superior ou igual a 4, durante um período de tempo de 90 dias, para as regiões de Lisboa e da Andaluzia Valor médio do número de ocorrências de média e forte magnitude, durante um período de tempo de 7 dias, para as regiões de Lisboa e da Andaluzia 74

28 xxv pag Valor médio do número de ocorrências de média e forte magnitude, durante um período de tempo de 15 dias, para as regiões de Lisboa e da Andaluzia Valor médio do número de ocorrências de média e forte magnitude, durante um período de tempo de 30 dias, para as regiões de Lisboa e da Andaluzia Valor médio do número de ocorrências de média e forte magnitude, durante um período de tempo de 90 dias, para as regiões de Lisboa e da Andaluzia Vectores de prioridades para a Região de Lisboa Vectores de prioridades para a Região da Andaluzia Representação esquemática das componentes dos vectores de prioridades 78 para a Região de Lisboa Representação esquemática das componentes dos vectores de prioridades 79 para a Região da Andaluzia Valores de s para a região de Lisboa Valores de s para a região da Andaluzia Resultados do ajustamento linear efectuado para a região de Lisboa Resultados do ajustamento linear efectuado para a região da Andaluzia Síntese das experiências efectuadas no estudo das condições iniciais Estatísticas de Dtr, para as regiões de Lisboa e Andaluzia Valor médio de Dtr durante o período de tempo T0 que precedeu sismos de média e forte magnitude, nas regiões de Lisboa e Andaluzia Valores mínimo e máximo de Dt (em anos) e G (mag. Richter) observados na Península Ibérica 99

29 xxvi pag Valor médio do número de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4.0, para períodos de 7 dias, em função de E i-1, para as situações A e B Valor médio do número de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4.0, para períodos de 15 dias, em função de E i-1, para as situações A e B Condições iniciais correspondentes a s min e s max Valores médios e desvios padrões, correspondentes às situações A e B Determinação do intervalo [Li, Ls] para as regiões de Lisboa e Andaluzia, para horizontes temporais de 7 e 15 dias Condições iniciais reais experimentadas para a região de Lisboa Condições iniciais reais experimentadas para a região da Andaluzia Resultados obtidos para as condições iniciais reais experimentadas para a região de Lisboa e da Andaluzia, para T0 = 7 dias Resultados obtidos para as condições iniciais reais experimentadas para a região de Lisboa e da Andaluzia, para T0 = 15 dias Valores obtidos de s e s norm Sistema de pontuação utilizado para a calibração da variável centro, para o precursor Condições Iniciais Valores de ga CI para os três valores do centro experimentados, para T0 = 7 dias 116

30 xxvii pag Valores de pontuação para os três valores do centro experimentados, para T0 = 7 dias Valores de ga CI para os três valores do centro experimentados, para T0 = 15 dias Valores de pontuação para os três valores do centro experimentados, para T0 = 15 dias Grau de alarme para as condições iniciais reais experimentadas para a região de Lisboa, para períodos de 7 e 15 dias, bem como o grau de activação (em %) de cada uma das regras R1, R2 e R Grau de alarme para as condições iniciais reais experimentadas para a região da Andaluzia, para períodos de 7 e 15 dias, bem como o grau de activação (em %) de cada uma das regras R1, R2 e R Número de ocorrências em cada zona sísmica da Península Ibérica Cenários sísmicos estudados Resultados obtidos para as condições iniciais geradas aleatoriamente, para T0 = 7 dias Resultados obtidos para as condições iniciais geradas aleatoriamente, para T0 = 15 dias Grau de alarme para as condições iniciais arbitradas para a região de Lisboa, para períodos de 7 e 15 dias, bem como o grau de activação (em %) de cada uma das regras R1, R2 e R Grau de alarme para as condições iniciais arbitradas para a região da Andaluzia, para períodos de 7 e 15 dias, bem como o grau de activação (em %) de cada uma das regras R1, R2 e R3 124

31 xxviii pag Situações que ocorreram nos 10 cenários sísmicos estudados Estatísticas no número de ocorrências de qualquer magnitude durante períodos de 7, 15 e 30 dias para as regiões de Lisboa e Andaluzia Sistema de pontuação utilizado para a calibração da variável centro, para o precursor Sismicidade Local Número de ocorrências de qualquer magnitude verificadas no período de tempo T0 que precedeu as 12 ocorrências estudadas Grau de alarme associado à Sismicidade Local e pontuação de resultados, para a região da Andaluzia Total da pontuação obtida para cada valor de centro Grau de alarme associado à Sismicidade Local, para a região de Lisboa e da Andaluzia Representação das situações possíveis associadas ao precursor Condições Iniciais Medidas de desempenho para o precursor Condições Iniciais, na região de Lisboa Medidas de desempenho para o precursor Condições Iniciais, na região da Andaluzia Representação das situações possíveis associadas ao precursor Sismicidade Local 154

32 xxix pag Medidas de desempenho do precursor Sismicidade Local, para a região de Lisboa Medidas de desempenho do precursor Sismicidade Local, para a região da Andaluzia Situações sísmicas reais experimentadas para a região de Lisboa Situações sísmicas reais experimentadas para a região da Andaluzia Grau de alarme e medidas de desempenho dos precursores, para as situações sísmicas reais estudadas na região de Lisboa Grau de alarme e medidas de desempenho dos precursores, para as situações sísmicas reais estudadas na região da Andaluzia Grau de Alarme Total para as situações reais estudadas na região de Lisboa Grau de Alarme Total para as situações reais estudadas na região da Andaluzia Síntese de resultados obtidos na Análise de Sensibilidade efectuada 179

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pesquisa Operacional Tópico 4 Simulação Rosana Cavalcante de Oliveira, Msc rosanacavalcante@gmail.com

Leia mais

EXERCÍCIO A TERRA TREME

EXERCÍCIO A TERRA TREME EXERCÍCIO A TERRA TREME Q&A A. A TERRA TREME EXERCÍCIO PÚBLICO DE PREPARAÇÃO PARA O RISCO SÍSMICO 1. Porquê lançar uma iniciativa como esta? As catástrofes sísmicas parecem-nos sempre um fenómeno distante.

Leia mais

Geração de Números Aleatórios e Simulação

Geração de Números Aleatórios e Simulação Departamento de Informática Geração de Números Aleatórios e imulação Métodos Quantitativos LEI 26/27 usana Nascimento (snt@di.fct.unl.pt) Advertência Autores João Moura Pires (jmp@di.fct.unl.pt) usana

Leia mais

ActivALEA. active e actualize a sua literacia

ActivALEA. active e actualize a sua literacia ActivALEA active e actualize a sua literacia N.º 25 HIISTOGRAMA Por: Maria Eugénia Graça Martins Departamento de Estatística e Investigação Operacional da FCUL memartins@fc.ul.pt Emília Oliveira Escola

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Departamento de Engenharia Electrotécnica PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1º ano 2º semestre Trabalho Final Reservas de viagens

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1. Enquadramento geral O termo job shop é utilizado para designar o tipo de processo onde é produzido um elevado número de artigos diferentes, normalmente em pequenas quantidades

Leia mais

CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático

CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático Neste capítulo, será feita a demonstração da aplicação do modelo num programa de cálculo automático, desenvolvido em linguagem de programação

Leia mais

CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO

CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO 1.1. Definições do Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM) Metrologia: Ciência das medições [VIM 2.2]. Medição: Conjunto de operações que têm por objectivo

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL Regulamento EMAS (EC Nº. 761/2001) A organização deve estabelecer e manter um ou mais procedimento para identificar os aspectos ambientais das suas actividades, produtos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE ÉVORA

UNIVERSIDADE DE ÉVORA UNIVERSIDADE DE ÉVORA Análise da entropia como medida de incerteza e valor ordinal da informação no mercado bolsista de acções português. Dissertação apresentada como requisito parcial para a obtenção

Leia mais

CONVERSÃO DOS PREÇOS DE ESCUDOS PARA EUROS: ESTIMATIVA QUANTITATIVA DO SEU EFEITO SOBRE O IPC*

CONVERSÃO DOS PREÇOS DE ESCUDOS PARA EUROS: ESTIMATIVA QUANTITATIVA DO SEU EFEITO SOBRE O IPC* CONVERSÃO DOS PREÇOS DE ESCUDOS PARA EUROS: ESTIMATIVA QUANTITATIVA DO SEU EFEITO SOBRE O IPC* Daniel Santos**, Rui Evangelista**, Teresa Nascimento*** e Carlos Coimbra*** 1. INTRODUÇÃO * As opiniões expressas

Leia mais

5. Esquema do processo de candidatura

5. Esquema do processo de candidatura Projecto e colecção de perguntas e respostas sobre o Exame Unificado de Acesso (disciplinas de Língua e Matemática) das quatro instituições do ensino superiorde Macau I Contexto Cada instituição do ensino

Leia mais

Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores

Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores Por Jim Spitaels Aplicação técnica nº 43 Revisão 2 Sumário executivo Os requisitos de alimentação dos centros de dados

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

3. Características amostrais. Medidas de localização e dispersão

3. Características amostrais. Medidas de localização e dispersão Estatística Descritiva com Excel Complementos. 77 3. Características amostrais. Medidas de localização e dispersão 3.1- Introdução No módulo de Estatística foram apresentadas as medidas ou estatísticas

Leia mais

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase O QUE É? A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase atmosférica do ciclo hidrológico. Compreende estações udométricas, onde se mede apenas o hidrometeoro

Leia mais

PREVISÃO E DETECÇÃO DE TORNADOS: PROBLEMAS INERENTES Paulo Pinto Instituto de Meteorologia, I.P. MONITORIZAMOS CONTRIBUÍMOS

PREVISÃO E DETECÇÃO DE TORNADOS: PROBLEMAS INERENTES Paulo Pinto Instituto de Meteorologia, I.P. MONITORIZAMOS CONTRIBUÍMOS PREVISÃO E DETECÇÃO DE TORNADOS: PROBLEMAS INERENTES Paulo Pinto Instituto de Meteorologia, I.P. MONITORIZAMOS O TEMPO O CLIMA A ACTIVIDADE SÍSMICA CONTRIBUÍMOS V Encontro Nacional de Riscos Auditório

Leia mais

'LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU *OREDOGR(VWDGRGR56

'LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU *OREDOGR(VWDGRGR56 LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU OREDOGR(VWDGRGR56 6X]DQH5DQ]DQ 6LPRQH0&HUH]HU&ODRGRPLU$0DUWLQD]]R Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Departamento de

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS...

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... SIGLÁRIO. XI XIV XVII 1. INTRODUÇÃO 1 1.1. Problemática de Investigação... 4 1.1.1. Problema.. 6 1.1.2. Natureza do Estudo... 9 1.1.3. Variáveis 10

Leia mais

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal 10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal Cecília Costa Departamento de Matemática da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Pedro Tadeu ESTIG Instituto Politécnico de

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos Maria João Valente Rosa* Análise Social, vol. xxxiii (145), 1998 (1. ), 183-188 Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos O número de nascimentos em Portugal tem

Leia mais

2º Relatório Intercalar CLIMAAT Carlos Miguel Canhoto Franco Antunes

2º Relatório Intercalar CLIMAAT Carlos Miguel Canhoto Franco Antunes INTRODUÇÃO 2º Relatório Intercalar CLIMAAT Carlos Miguel Canhoto Franco Antunes Este trabalho, que está inserido no projecto CLIMAAT, Programa INTERREG IIIB, servirá também como tese de mestrado. Neste

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Comunicação sem fios Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Mestrado em Fisica 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Introdução Nos sistemas de comunicações

Leia mais

Construção continua em queda

Construção continua em queda Construção: Obras licenciadas e concluídas 2º Trimestre de 2012 - Dados preliminares 13 de setembro de 2012 Construção continua em queda O licenciamento de obras acentuou a sua trajetória descendente,

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES Caros concurseiros, Como havia prometido, seguem comentários sobre a prova de estatística do ICMS RS. Em cada questão vou fazer breves comentários, bem como indicar eventual possibilidade de recurso. Não

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

RESUMO. José Rocha. Capítulo 2: Geotecnologias aplicadas à análise e gestão de riscos

RESUMO. José Rocha. Capítulo 2: Geotecnologias aplicadas à análise e gestão de riscos Cartografia Municipal de risco com recurso ao MODEL BUILDER José Rocha Departamento de Geografia, Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho jmanuelfrocha@sapo.pt RESUMO A cartografia municipal

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO 1. O que é um relatório? Um relatório de uma actividade prática, é uma exposição escrita de um determinado trabalho ou experiência laboratorial. Não é apenas uma descrição

Leia mais

RELATÓRIO I. Erupção Vulcânica de 2014

RELATÓRIO I. Erupção Vulcânica de 2014 1 RELATÓRIO I Erupção Vulcânica de 2014 A Universidade de Cabo Verde em estreita colaboração com Instituto Tecnológico de Energias Renováveis de Tenerife (ITER) e de outras instituições científicas nacionais

Leia mais

Representação Binária de Números

Representação Binária de Números Departamento de Informática Notas de estudo Alberto José Proença 01-Mar-04 Dep. Informática, Universidade do Minho Parte A: Sistemas de numeração e representação de inteiros A.1 Sistemas de numeração

Leia mais

Teorias da luz. Experiências

Teorias da luz. Experiências Teorias da luz. Experiências Jaime E. Villate Departamento de Física Faculdade de Engenharia Universidade do Porto Exposição na Biblioteca da FEUP 21 de Abril a 13 de Junho de 2005 1 A luz é um fenómeno

Leia mais

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria - IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL 2006 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ÍNDICE Introdução Pág. 2 1 Sumário executivo Pág. 5 2 Análise dos resultados 2.1 Situação

Leia mais

Índice. Relatório da Avaliação de Desempenho SIADAP 2 e 3 2012 0

Índice. Relatório da Avaliação de Desempenho SIADAP 2 e 3 2012 0 Índice I Nota Introdutória ----------------------------------------------------------------------------------------------------- 1 II Processo de Avaliação -----------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais

Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais Leandro Callegari Coelho (UFSC) leandroah@hotmail.com Robert Wayne Samohyl (UFSC) samohyl@yahoo.com Resumo: A importância do controle estatístico

Leia mais

Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego

Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro de Estudos Aplicados Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego Versão Final Manuel Leite Monteiro Lisboa 2006 Universidade

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA N.º 8/2010 Projecto de Orientação Técnica relativa ao desenvolvimento dos sistemas de gestão de riscos e de controlo interno das entidades gestoras de fundos de pensões 31

Leia mais

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2,

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Estratégias de Manutenção em Fachadas de Edifícios Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica de Lisboa Av. Rovisco Pais, 1049-001 Lisboa, Portugal RESUMO Uma política

Leia mais

TOPEX/POSEIDON Jason 1

TOPEX/POSEIDON Jason 1 SISMOLOGIA Um dos primeiros terremotos a ser analisado cientificamente foi o terremoto de Lisboa, em novembro de 1755. Esse terremoto, que foi seguido de um tsunami, praticamente destruiu a cidade de Lisboa.

Leia mais

RELATÓRIO DA QUALIDADE DE SERVIÇO ANO GÁS 2011-2012

RELATÓRIO DA QUALIDADE DE SERVIÇO ANO GÁS 2011-2012 RELATÓRIO DA QUALIDADE DE SERVIÇO ANO GÁS 2011-2012 Novembro 2012 Índice SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 INTRODUÇÃO... 4 CONTINUIDADE DE SERVIÇO E INCIDENTES MAIS SIGNIFICATIVOS... 5 CARACTERÍSTICAS DO GÁS NATURAL...

Leia mais

Vulcanismo e Tectónica de Placas

Vulcanismo e Tectónica de Placas Vulcanismo e Tectónica de Placas Fig. 1 Sistema de reciclagem da crosta e vulcanismo nas fronteiras tectónicas. Margens convergentes e divergentes A superfície da Terra é constituída por placas diferenciadas

Leia mais

Motores eléctricos em sistemas de controlo

Motores eléctricos em sistemas de controlo Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores SISEL - Sistemas Electromecânicos Exercícios de 26 1. Considere

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO-

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO- PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO- Tema / Capítulos Competências/Objectivos Estratégias / Actividades Recursos/Materiais Avaliação Aulas previstas (45 min) Articulação Tema I TERRA NO ESPAÇO Capítulo

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

Sistemas automáticos de detecção de intrusão

Sistemas automáticos de detecção de intrusão EB 2,3 Ciclos de Gondomar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GONDOMAR Sistemas automáticos de detecção de intrusão A instalação de sistemas automáticos de detecção de intrusão é, hoje em dia, um facto generalizado

Leia mais

O QUE É A ESCALA RICHTER? (OU COMO SE MEDE UM TERREMOTO)

O QUE É A ESCALA RICHTER? (OU COMO SE MEDE UM TERREMOTO) 1 O QUE É A ESCALA RICHTER? (OU COMO SE MEDE UM TERREMOTO) Ilydio Pereira de Sá Atualmente, com o crescimento da tecnologia e da informação, tem sido muito comum o noticiário sobre catástrofes, principalmente

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos)

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) http://www.dges.mcies.pt/bolonha/ ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) A razão de um novo sistema de créditos académicos Um dos aspectos mais relevantes

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues Introdução aos mercados acionistas DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues O Mercado Financeiro O Mercado Monetário Interbancário (MMI) é um mercado organizado, onde as instituições participantes trocam entre

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

2 Independência e dependência das taxas de juro

2 Independência e dependência das taxas de juro 1 Incerteza e juro aleatório Considere-se o intervalo [0, n], o tempo medido em anos, e a partição [0, 1], (1, 2],..., (n 1, 1] e suponha-se que no início do ano t são aplicadas C t unidades de capital,

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

BPstat. manual do utilizador. Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24

BPstat. manual do utilizador. Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24 BPstat manual do utilizador Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24 BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Estatística

Leia mais

Índice de Gráficos. vii

Índice de Gráficos. vii Índice de figuras Figura 1 Figura 2 Figura 3 Figura 4 Figura 5 Figura 6 Modelo de raciocínio e acção pedagógica (adaptado de Shulman e Marcelo por Tavares, 1997) Modelo reflexivo de desenvolvimento / formação

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 212 Divulgação dos Quadros do Setor das empresas não financeiras da Central de Balanços dados de 211 O Banco de Portugal divulga hoje no BPStat Estatísticas

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

29082012_WF_reporting_bro_PT. www.tomtom.com/telematics

29082012_WF_reporting_bro_PT. www.tomtom.com/telematics 29082012_WF_reporting_bro_PT www.tomtom.com/telematics T E L E M AT I C S Relatórios WEBFLEET Let s drive business Relatórios WEBFLEET As decisões de trabalho mais difíceis ficam muito mais simples com

Leia mais

Propagação de distribuições pelo método de Monte Carlo

Propagação de distribuições pelo método de Monte Carlo Sumário Propagação de distribuições pelo método de Monte Carlo João Alves e Sousa Avaliação de incertezas pelo GUM Propagação de distribuições O método de Monte Carlo Aplicação a modelos de medição por

Leia mais

V Inscrições 1. No acto da inscrição o participante deverá entregar toda a documentação solicitada e devidamente preenchida.

V Inscrições 1. No acto da inscrição o participante deverá entregar toda a documentação solicitada e devidamente preenchida. I Entidade Organizadora AFUM Associação de Funcionários da Universidade do Minho (AFUM), Campus de Gualtar, 4710-057 Braga, Contribuinte n.º 503595772, número de registo 65/DRN. II Objectivo e caracterização

Leia mais

Portaria n.º 361/87 de 30 de Abril

Portaria n.º 361/87 de 30 de Abril Portaria n.º 361/87 de 30 de Abril O Decreto-Lei n.º 165/85, de 16 de Maio, instituiu o novo regime de formação profissional em cooperação entre o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) e

Leia mais

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção AS DIFERENTES TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Nesta secção apresentam-se as diferentes tecnologias usadas nos sistemas eólicos, nomeadamente, na exploração

Leia mais

A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1

A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1 A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1 A IMPORTÂNCIA DA MATEMÁTICA O desenvolvimento das sociedades tem sido também materializado por um progresso acentuado no plano científico e nos diversos domínios

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS De forma a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26.º do Decreto-lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de julho, o Conselho Pedagógico do Instituto Superior

Leia mais

ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso

ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso O ruído tem vindo a assumir um lugar de destaque no conjunto de preocupações dos cidadãos em matéria ambiental. De acordo com informação

Leia mais

CRM e Prospecção de Dados

CRM e Prospecção de Dados CRM e Prospecção de Dados Marília Antunes aula de 11 de Maio 09 6 Modelos de regressão 6.1 Introdução No capítulo anterior foram apresentados alguns modelos preditivos em que a variável resposta (a variável

Leia mais

Aula 1: Medidas Físicas

Aula 1: Medidas Físicas Aula 1: Medidas Físicas 1 Introdução A Física é uma ciência cujo objeto de estudo é a Natureza. Assim, ocupa-se das ações fundamentais entre os constituíntes elementares da matéria, ou seja, entre os átomos

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes Programa de Pós-Graduação em Estatística e Modelagem Quantitativa CCNE UFSM, Santa Maria RS

Leia mais

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º).

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). 3. EDUCAÇÃO Quadro legal O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de

Leia mais

PE-MEEC 1S 09/10 118. Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e. 4.1 Variáveis. densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado,

PE-MEEC 1S 09/10 118. Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e. 4.1 Variáveis. densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado, Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e distribuições contínuas 4.1 Variáveis aleatórias contínuas. Função densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado, variância e algumas das suas propriedades. Moda e quantis

Leia mais

Estudo psicométrico do PMA(*)

Estudo psicométrico do PMA(*) Análise Psicológica (1989), 123 (Vil): 209213 Estudo psicométrico do PMA(*) RUI BÁRTOLO RIBEIRO (* *) CARLOS ALVES MARQUES (**), O estudo das aptidões mentais primárias foi inicialmente desenvolvido por

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA. Luís RIBEIRO 1

PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA. Luís RIBEIRO 1 PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA Luís RIBEIRO 1 RESUMO Nos problemas de poluição de águas subterrâneas, interessa mais a detecção dos valores anormais e o estudo da sua conectividade

Leia mais

O trabalho desenvolvido enquadra-se nos desenvolvimentos da teoria da

O trabalho desenvolvido enquadra-se nos desenvolvimentos da teoria da Conclusão O trabalho desenvolvido enquadra-se nos desenvolvimentos da teoria da empresa. As condições decorrentes da teoria da dualidade, entre produção e custos, permitiram a opção pela abordagem centrada

Leia mais

Introdução a Avaliação de Desempenho

Introdução a Avaliação de Desempenho Introdução a Avaliação de Desempenho Avaliar é pronunciar-se sobre as características de um certo sistema. Dado um sistema real qualquer, uma avaliação deste sistema pode ser caracterizada por toda e qualquer

Leia mais

Método de Monte Carlo e ISO

Método de Monte Carlo e ISO Método de Monte Carlo e ISO GUM para cálculo l de incerteza Prof. Dr. Antonio Piratelli Filho Universidade de Brasilia (UnB) Faculdade de Tecnologia Depto. Engenharia Mecânica 1 Introdução: Erro x incerteza

Leia mais

Níveis e tendências da desigualdade económica e do desenvolvimento humano em Moçambique: 1996-2006

Níveis e tendências da desigualdade económica e do desenvolvimento humano em Moçambique: 1996-2006 Níveis e tendências da desigualdade económica e do desenvolvimento humano em Moçambique: 1996-2006 Rosimina Samusser Ali Conference Paper Nº2 II Conferência IESE Dinâmicas da Pobreza e Padrões de Acumulação

Leia mais

TIC Unidade 2 Base de Dados. Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado.

TIC Unidade 2 Base de Dados. Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado. Conceitos relativos à Informação 1. Informação O que á a informação? Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado. 2. Dados Em informática designa-se

Leia mais

PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001

PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001 PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001 O projecto Bragg teve como objectivo principal o desenvolvimento de cablagens avançadas

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2015 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2014 A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro Em 2014, o Índice de

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL Marcelo Maciel Monteiro Universidade Federal Fluminense, Engenharia de Produção Rua Martins Torres 296, Santa Rosa, Niterói, RJ, Cep 24240-700

Leia mais

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura).

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura). NCRF 18 Inventários Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 2 - Inventários, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014

Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014 Relatório Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014 Introdução O presente documento pretende explicar o mais exato possível as condições meteorológicas que afetaram as soltas no dia 19ABR14.

Leia mais

PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO RESUMO

PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO RESUMO PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO Riberte Dias de Souza riberte.souza@arcelormittal.com ArcelorMittal Tubarão Edílson Jose Machado Correia edilson.correia@arcelormittal.com

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

O papel fundamental da Matemática

O papel fundamental da Matemática O papel fundamental da Matemática Miguel Abreu Departamento de Matemática Instituto Superior Técnico e Sociedade Portuguesa de Matemática O papel fundamental da Matemática Sumário O papel formativo da

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Pereira, Amaral e Castro, Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Pereira, Amaral e Castro, Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal, Computerworld, 2011 1 Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal João Varajão 1, Cidália Pereira 2, Luís Amaral 3, Sandra Castro 2 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias,

Leia mais

Prova Escrita de Geografia A

Prova Escrita de Geografia A Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de Março Prova Escrita de Geografia A 0.º e.º Anos de Escolaridade Prova 79/.ª Fase 0 Páginas Duração da Prova: 0 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Enunciado do 2º Trabalho de Laboratório CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS MODELAÇÃO E SIMULAÇÃO DE CIRCUITOS DE CONVERSÃO ANALÓGICO-DIGITAL E DIGITAL-ANALÓGICO

Leia mais