Maria Cecília Marques Rodrigues MODELAÇÃO DE UM SISTEMA DE ALARME SÍSMICO PARA A PENÍNSULA IBÉRICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Maria Cecília Marques Rodrigues MODELAÇÃO DE UM SISTEMA DE ALARME SÍSMICO PARA A PENÍNSULA IBÉRICA"

Transcrição

1 Maria Cecília Marques Rodrigues MODELAÇÃO DE UM SISTEMA DE ALARME SÍSMICO PARA A PENÍNSULA IBÉRICA Lisboa 1998

2 copyright

3 Maria Cecília Marques Rodrigues MODELAÇÃO DE UM SISTEMA DE ALARME SÍSMICO PARA A PENÍNSULA IBÉRICA Dissertação apresentada para a obtenção do Grau de Doutor em Matemática - Investigação Operacional pela Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências e Tecnologia. Lisboa 1998

4 A todos os meus Amigos i

5 ii

6 iii Agradecimentos Ao Professor Doutor Ruy Costa, agradeço a orientação, críticas e sugestões que enriqueceram esta Dissertação, bem como todo o encorajamento essencial à realização deste trabalho. Agradeço também ao Professor Doutor Carlos Sousa Oliveira (IST) por ter cedido os dados que constituem o Catálogo Sísmico utilizado neste trabalho, e pelas sugestões que enriqueceram este trabalho. Ao Departamento de Matemática da Faculdade de Ciências e Tecnologia agradeço a dispensa de serviço docente que me foi concedida durante três anos, indispensável à execução desta Dissertação. Agradeço ao Centro de Matemática e Aplicações o acesso a material informático e bibliográfico, bem como o apoio prestado na minha participação em encontros científicos. Ao CESUR e ao IST agradeço o acesso à biblioteca. Agradeço ainda a todo o pessoal do Departamento de Matemática, aos meus familiares e amigos, que me encorajaram e mostraram interesse por este trabalho.

7 iv

8 v Sumário Modelou-se um Sistema de Alarme Sísmico para a Península Ibérica que, em função da situação sísmica dada, permite determinar o Grau de Alarme Sísmico, para uma região, durante um determinado horizonte temporal. Utilizaram-se dois precursores sísmicos: as condições iniciais do modelo de simulação utilizado para gerar o processo de ocorrências sísmicas na Península Ibérica, que corresponde ao passado sísmico recente; a Sismicidade Local, ou seja o número de ocorrências sísmicas de qualquer magnitude, registadas na região em estudo, durante um período de tempo. Com base na Teoria dos Conjuntos Vagos, determinou-se o grau de alarme relativo a cada um dos precursores utilizados. A média pesada dos valores de grau de alarme origina o Grau de Alarme Sísmico. Os pesos envolvidos nessa média foram obtidos com recurso à metodologia AHP, tomando como critérios, as percentagens de sismos previstos (ou de falhas), falsos alarmes e tempo de alarme. O Sistema desenvolvido foi calibrado com base em 12 situações sísmicas reais ocorridas na Península Ibérica.

9 vi

10 vii Abstract A Seismic Alarm System for the Iberian Peninsula was proposed. Given the seismic situation of one zone, the seismic state, for that zone and one time-window is computed. Two precursors were considered: Initial conditions of the simulation model used to generate the process of occurrences on the Iberian Peninsula, describe the recent seismic past; Local seismicity - number of occurrences of any magnitude - for a given zone and time-window. Fuzzy Set Theory was used to assess the alarm state of each precursor. A weighted average of the alarm state of each of precursor is used to computed the global alarm state. The weights involved were computed using the AHP methodology - the percentages of predicted occurrences (or missed), false alarms and alarm life time were the criteria. Twelve real seismic sets of data were used to calibrate the system.

11 viii

12 ix ÍNDICE DE MATÉRIAS 1- INTRODUÇÃO pag Introdução Sistemas de Alarme Sísmico - Uma Panorâmica Métodos Físicos de Previsão Sísmica Variações das quantidades de Radão dissolvido na água dos 5 poços profundos Variações na relação vp/vs Variações da resistividade eléctrica da crosta terrestre Técnicas Geodésicas Modelo de difusão por dilatância Outros Métodos Físicos Métodos Numéricos de Previsão Sísmica Estrutura da Dissertação METODOLOGIA Métodos utilizados Geração de valores pseudo-aleatórios Geração do processo de ocorrências sísmicas AHP -The Analytic Hierarchy Process Teoria dos Conjuntos Vagos Dados disponíveis Metodologia proposta para um Sistema de Alarme Sísmico Conclusão 34

13 x 3 - ANÁLISE DO PRECURSOR CONDIÇÕES INICIAIS pag Introdução Estudo comparativo de condições iniciais arbitradas Experiências efectuadas Análise de resultados Conclusões Estudo da influência de condições iniciais geradas aleatoriamente Experiências efectuadas Análise de resultados Conclusões Conclusão ANÁLISE DO PRECURSOR SISMICIDADE LOCAL 4.1 Introdução Sismicidade Local Experiências efectuadas Análise de resultados Conclusão GRAU DE ALARME DO PRECURSOR CONDIÇÕES INICIAIS Introdução Grau de alarme do precursor Condições Iniciais Experiências efectuadas Experiências com Condições Iniciais reais Experiências com Condições Iniciais fictícias Caracterização de cenários sísmicos fictícios Análise de resultados Conclusão 127

14 xi 6 - GRAU DE ALARME DO PRECURSOR SISMICIDADE LOCAL pag Introdução Grau de alarme associado ao precursor Sismicidade Local Experiências efectuadas Análise de resultados Conclusão MEDIDAS DE DESEMPENHO DOS PRECURSORES SÍSMICOS Introdução Medidas de desempenho do precursor Condições Iniciais Experiências efectuadas Análise de resultados Medidas de desempenho do precursor Sismicidade Local Experiências efectuadas Análise de resultados Conclusão GRAU DE ALARME SÍSMICO Introdução Determinação do Grau de Alarme Total Experiências efectuadas Análise de resultados Análise de Sensibilidade Conclusão 180

15 xii 9 - CONCLUSÃO pag Introdução Limitações Potencialidades Desenvolvimentos 185 ANEXO A 189 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 217

16 xiii ÍNDICE DE FIGURAS pag Representação de um Sistema de Alarme Sísmico Zonas sísmicas da Península Ibérica Fluxograma representativo da simulação do processo de ocorrências sísmicas na Península Ibérica Amplitude do intervalo de confiança a 95% para o valor médio do número de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região de Lisboa, para um período de tempo de 7 dias, em função do número de simulações Amplitude do intervalo de confiança a 95% para o valor médio do número de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região de Lisboa, para um período de tempo de 15 dias, em função do número de simulações Coeficiente de variação do número de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, para a região de Lisboa, em função do número de simulações Amplitude do intervalo de confiança a 95% para o valor médio do número de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região da Andaluzia, para um período de tempo de 7 dias, em função do número de simulações Amplitude do intervalo de confiança a 95% para o valor médio do número de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região da Andaluzia, para um período de tempo de 15 dias, em função do número de simulações Coeficiente de variação do número de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, para a região da Andaluzia, em função do número de simulações Exemplo de hierarquia linear Representação do Sistema de Alarme Sísmico proposto 32

17 xiv pag Vectores de prioridades para a Região de Lisboa, para sismos de magnitude 53 4 G< Vectores de prioridades para a Região de Lisboa, para sismos de magnitude G Vectores de prioridades para a Região da Andaluzia, para sismos de 54 magnitude 4 G< Vectores de prioridades para a Região da Andaluzia, para sismos de 54 magnitude G Intervalo de confiança para a proporção de sismos com magnitude 4 G < Intervalo de confiança para a proporção de sismos com magnitude G Intervalo de confiança para a proporção de sismos com magnitude 4 G < Intervalo de confiança para a proporção de sismos com magnitude G Intervalo de confiança a 95% para o número médio de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região de Lisboa, durante um período de tempo de 7 dias Intervalo de confiança a 95% para o número médio de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região de Andaluzia, durante um período de tempo de 7 dias Intervalo de confiança a 95% para o número médio de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região de Lisboa, durante um período de tempo de 15 dias 70

18 xv pag Intervalo de confiança a 95% para o número médio de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região de Andaluzia, durante um período de tempo de 15 dias Intervalo de confiança a 95% para o número médio de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região de Lisboa, durante um período de tempo de 30 dias Intervalo de confiança a 95% para o número médio de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região de Andaluzia, durante um período de tempo de 30 dias Intervalo de confiança a 95% para o número médio de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região de Lisboa, durante um período de tempo de 90 dias Intervalo de confiança a 95% para o número médio de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4, na região de Andaluzia, durante um período de tempo de 90 dias Vectores de prioridades para a Região de Lisboa, para sismos de magnitude G Vectores de prioridades para a Região da Andaluzia, para sismos de 73 magnitude G Vectores de prioridades para a Região de Lisboa, para sismos de magnitude 76 4 G< Vectores de prioridades para a Região de Lisboa, para sismos de magnitude 76 G Vectores de prioridades para a Região da Andaluzia, para sismos de 77 magnitude 4 G<5

19 xvi pag Vectores de prioridades para a Região da Andaluzia, para sismos de 77 magnitude G Número de ocorrências sísmicas em períodos de 5 anos na região de Lisboa Número de ocorrências sísmicas em períodos de 5 anos na região da Andaluzia Representação esquemática do processo de ocorrências sísmicas numa determinada zona Histograma de frequências relativas de Dtr, para a região de Lisboa Histograma de frequências relativas de Dtr, para a região da Andaluzia Valor médio de Dtr durante os períodos de tempo T0 que precederam sismos de média e forte magnitude, na região de Lisboa Valor médio de Dtr durante os períodos de tempo T0 que precederam sismos de média e forte magnitude, na região da Andaluzia Domínio de variação provável de s Exemplo de representação gráfica da função pertença de um conjunto vago Representação gráfica da função pertença dos conjuntos vagos associados a ga CI Conjunto vago de saída Representação esquemática do Sistema de Controlo Vago para as condições iniciais 111

20 xvii pag Representação gráfica da função pertença dos conjuntos vagos associados às condições iniciais para a região de Lisboa, para horizontes temporais de 7 e 15 dias Relação de s com ga CI Domínio de variação provável da Sismicidade Local Representação gráfica da função pertença dos conjuntos vagos associados à Sismicidade Local Representação gráfica da função pertença dos conjuntos vagos associados a 133 ga SL Representação esquemática do Sistema de Controlo Vago para o precursor Sismicidade Local Representação gráfica da função pertença dos conjuntos vagos associados à Sismicidade Local, para as regiões de Lisboa e Andaluzia e horizontes temporais de 7, 15 e 30 dias Subdivisão de Dt, G e E, com vista à avaliação da proximidade de um cenário a uma condição inicial Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região de Lisboa, T0 = 7 dias Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região de Lisboa, T0 = 15 dias Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região de Lisboa, T0 = 30 dias 149

21 xviii pag Valores de q para a região de Lisboa Valores de U para a região de Lisboa Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região da Andaluzia, T0 = 30 dias Valores de q para a região da Andaluzia Valores de U para a região da Andaluzia Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região de Lisboa, T0 = 7 dias Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região de Lisboa, T0 = 15 dias Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região de Lisboa, T0 = 30 dias Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias Representação gráfica da percentagem de sismos previstos, falsos alarmes e tempo de alarme, para a região da Andaluzia, T0 = 30 dias 157

22 xix pag Valores de q, para a região de Lisboa Valores de U, para a região de Lisboa Valores de q, para a região da Andaluzia Valores de U, para a região da Andaluzia Hierarquia representativa da atribuição das factores de ponderação do grau de alarme relativo a cada precursor Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região de Lisboa, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de falhas Representação global do Sistema de Alarme Sísmico, com referência às metodologias utilizadas 182 A.1- Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região de Lisboa, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de falsos alarmes 191 A.2 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região de Lisboa, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de tempo de alarme 192 A.3 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região de Lisboa, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de falhas 193 A.4 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região de Lisboa, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de falsos alarmes 194

23 xx pag. A.5 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região de Lisboa, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de tempo de alarme 195 A.6 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 1, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de falhas 196 A.7 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 1, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de falsos alarmes 197 A.8 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 1, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de tempo de alarme 198 A.9 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 1, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de falhas 199 A.10 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 1, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem falsos alarmes 200 A.11 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 1, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de tempo de alarme 201 A.12 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de falhas 202 A.13 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de falsos alarmes 203

24 xxi pag. A.14 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de tempo de alarme 204 A.15 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de falhas 205 A.16 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de falsos alarmes 206 A.17 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 3, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de tempo de alarme 207 A.18 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 4, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de falhas 208 A.19 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 4, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de falsos alarmes 209 A.20 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 4, para a região da Andaluzia, T0 = 7 dias, para o critério percentagem de tempo de alarme 210 A.21 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 4, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de falhas 211 A.22 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 4, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de falsos alarmes 212

25 xxii pag. A.23 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 4, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de tempo de alarme 213 A.24 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 6, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de falhas 214 A.25 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 6, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de falsos alarmes 215 A.26 - Análise de Sensibilidade dos factores de ponderação dos precursores Condições Iniciais e Sismicidade local, da situação sísmica nº 6, para a região da Andaluzia, T0 = 15 dias, para o critério percentagem de tempo de alarme 216

26 xxiii ÍNDICE DE QUADROS pag Escala de comparações utilizada na teoria AHP Algumas características dos registos posteriores a Número de registos posteriores a 1900, com informação relativa às duas últimas ocorrências Estatísticas de ocorrências sísmicas, na Península Ibérica e nas duas regiões estudadas Possibilidades de combinações de parâmetros Estatísticas de Dt e G Primeiro conjunto de condições iniciais utilizado para a região de Lisboa Segundo conjunto de condições iniciais utilizado para a região de Lisboa Terceiro conjunto de condições iniciais utilizado para a região de Lisboa Primeiro conjunto de condições iniciais utilizado para a região da Andaluzia Segundo conjunto de condições iniciais utilizado para a região da Andaluzia Terceiro conjunto de condições iniciais utilizado para a região da Andaluzia Vectores de prioridades para a Região de Lisboa Vectores de prioridades para a Região da Andaluzia Representação esquemática das componentes dos vectores de prioridades 56 para sismos de média magnitude na Região de Lisboa Representação esquemática das componentes dos vectores de prioridades 56 para sismos de média magnitude na Região da Andaluzia

27 xxiv pag Representação esquemática das componentes dos vectores de prioridades 57 para sismos de forte magnitude na região de Lisboa Representação esquemática das componentes dos vectores de prioridades 57 para sismos de forte magnitude na Região da Andaluzia Probabilidade de ocorrência de um sismo forte na região de Lisboa (em %) Resultados do ajustamento linear efectuado para a região de Lisboa Probabilidade de ocorrência de um sismo forte na região da Andaluzia (em %) Resultados do ajustamento linear efectuado para a região da Andaluzia Representação esquemática das condições iniciais comparadas Valor médio, desvio padrão e intervalo de confiança a 95% para a média de ocorrências de magnitude superior ou igual a 4, durante um período de tempo de 7 dias, para as regiões de Lisboa e da Andaluzia Valor médio, desvio padrão e intervalo de confiança a 95% para a média de ocorrências de magnitude superior ou igual a 4, durante um período de tempo de 15 dias, para as regiões de Lisboa e da Andaluzia Valor médio, desvio padrão e intervalo de confiança a 95% para a média de de magnitude superior ou igual a 4, durante um período de tempo de 30 dias, para as regiões de Lisboa e da Andaluzia Valor médio, desvio padrão e intervalo de confiança a 95% para a média de ocorrências de magnitude superior ou igual a 4, durante um período de tempo de 90 dias, para as regiões de Lisboa e da Andaluzia Valor médio do número de ocorrências de média e forte magnitude, durante um período de tempo de 7 dias, para as regiões de Lisboa e da Andaluzia 74

28 xxv pag Valor médio do número de ocorrências de média e forte magnitude, durante um período de tempo de 15 dias, para as regiões de Lisboa e da Andaluzia Valor médio do número de ocorrências de média e forte magnitude, durante um período de tempo de 30 dias, para as regiões de Lisboa e da Andaluzia Valor médio do número de ocorrências de média e forte magnitude, durante um período de tempo de 90 dias, para as regiões de Lisboa e da Andaluzia Vectores de prioridades para a Região de Lisboa Vectores de prioridades para a Região da Andaluzia Representação esquemática das componentes dos vectores de prioridades 78 para a Região de Lisboa Representação esquemática das componentes dos vectores de prioridades 79 para a Região da Andaluzia Valores de s para a região de Lisboa Valores de s para a região da Andaluzia Resultados do ajustamento linear efectuado para a região de Lisboa Resultados do ajustamento linear efectuado para a região da Andaluzia Síntese das experiências efectuadas no estudo das condições iniciais Estatísticas de Dtr, para as regiões de Lisboa e Andaluzia Valor médio de Dtr durante o período de tempo T0 que precedeu sismos de média e forte magnitude, nas regiões de Lisboa e Andaluzia Valores mínimo e máximo de Dt (em anos) e G (mag. Richter) observados na Península Ibérica 99

29 xxvi pag Valor médio do número de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4.0, para períodos de 7 dias, em função de E i-1, para as situações A e B Valor médio do número de ocorrências de magnitude maior ou igual a 4.0, para períodos de 15 dias, em função de E i-1, para as situações A e B Condições iniciais correspondentes a s min e s max Valores médios e desvios padrões, correspondentes às situações A e B Determinação do intervalo [Li, Ls] para as regiões de Lisboa e Andaluzia, para horizontes temporais de 7 e 15 dias Condições iniciais reais experimentadas para a região de Lisboa Condições iniciais reais experimentadas para a região da Andaluzia Resultados obtidos para as condições iniciais reais experimentadas para a região de Lisboa e da Andaluzia, para T0 = 7 dias Resultados obtidos para as condições iniciais reais experimentadas para a região de Lisboa e da Andaluzia, para T0 = 15 dias Valores obtidos de s e s norm Sistema de pontuação utilizado para a calibração da variável centro, para o precursor Condições Iniciais Valores de ga CI para os três valores do centro experimentados, para T0 = 7 dias 116

30 xxvii pag Valores de pontuação para os três valores do centro experimentados, para T0 = 7 dias Valores de ga CI para os três valores do centro experimentados, para T0 = 15 dias Valores de pontuação para os três valores do centro experimentados, para T0 = 15 dias Grau de alarme para as condições iniciais reais experimentadas para a região de Lisboa, para períodos de 7 e 15 dias, bem como o grau de activação (em %) de cada uma das regras R1, R2 e R Grau de alarme para as condições iniciais reais experimentadas para a região da Andaluzia, para períodos de 7 e 15 dias, bem como o grau de activação (em %) de cada uma das regras R1, R2 e R Número de ocorrências em cada zona sísmica da Península Ibérica Cenários sísmicos estudados Resultados obtidos para as condições iniciais geradas aleatoriamente, para T0 = 7 dias Resultados obtidos para as condições iniciais geradas aleatoriamente, para T0 = 15 dias Grau de alarme para as condições iniciais arbitradas para a região de Lisboa, para períodos de 7 e 15 dias, bem como o grau de activação (em %) de cada uma das regras R1, R2 e R Grau de alarme para as condições iniciais arbitradas para a região da Andaluzia, para períodos de 7 e 15 dias, bem como o grau de activação (em %) de cada uma das regras R1, R2 e R3 124

31 xxviii pag Situações que ocorreram nos 10 cenários sísmicos estudados Estatísticas no número de ocorrências de qualquer magnitude durante períodos de 7, 15 e 30 dias para as regiões de Lisboa e Andaluzia Sistema de pontuação utilizado para a calibração da variável centro, para o precursor Sismicidade Local Número de ocorrências de qualquer magnitude verificadas no período de tempo T0 que precedeu as 12 ocorrências estudadas Grau de alarme associado à Sismicidade Local e pontuação de resultados, para a região da Andaluzia Total da pontuação obtida para cada valor de centro Grau de alarme associado à Sismicidade Local, para a região de Lisboa e da Andaluzia Representação das situações possíveis associadas ao precursor Condições Iniciais Medidas de desempenho para o precursor Condições Iniciais, na região de Lisboa Medidas de desempenho para o precursor Condições Iniciais, na região da Andaluzia Representação das situações possíveis associadas ao precursor Sismicidade Local 154

32 xxix pag Medidas de desempenho do precursor Sismicidade Local, para a região de Lisboa Medidas de desempenho do precursor Sismicidade Local, para a região da Andaluzia Situações sísmicas reais experimentadas para a região de Lisboa Situações sísmicas reais experimentadas para a região da Andaluzia Grau de alarme e medidas de desempenho dos precursores, para as situações sísmicas reais estudadas na região de Lisboa Grau de alarme e medidas de desempenho dos precursores, para as situações sísmicas reais estudadas na região da Andaluzia Grau de Alarme Total para as situações reais estudadas na região de Lisboa Grau de Alarme Total para as situações reais estudadas na região da Andaluzia Síntese de resultados obtidos na Análise de Sensibilidade efectuada 179

Geração de Números Aleatórios e Simulação

Geração de Números Aleatórios e Simulação Departamento de Informática Geração de Números Aleatórios e imulação Métodos Quantitativos LEI 26/27 usana Nascimento (snt@di.fct.unl.pt) Advertência Autores João Moura Pires (jmp@di.fct.unl.pt) usana

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

CONVERSÃO DOS PREÇOS DE ESCUDOS PARA EUROS: ESTIMATIVA QUANTITATIVA DO SEU EFEITO SOBRE O IPC*

CONVERSÃO DOS PREÇOS DE ESCUDOS PARA EUROS: ESTIMATIVA QUANTITATIVA DO SEU EFEITO SOBRE O IPC* CONVERSÃO DOS PREÇOS DE ESCUDOS PARA EUROS: ESTIMATIVA QUANTITATIVA DO SEU EFEITO SOBRE O IPC* Daniel Santos**, Rui Evangelista**, Teresa Nascimento*** e Carlos Coimbra*** 1. INTRODUÇÃO * As opiniões expressas

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pesquisa Operacional Tópico 4 Simulação Rosana Cavalcante de Oliveira, Msc rosanacavalcante@gmail.com

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais

Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais Uma proposta de gráfico de controle EWMA com dados sazonais Leandro Callegari Coelho (UFSC) leandroah@hotmail.com Robert Wayne Samohyl (UFSC) samohyl@yahoo.com Resumo: A importância do controle estatístico

Leia mais

UNIVERSIDADE DE ÉVORA

UNIVERSIDADE DE ÉVORA UNIVERSIDADE DE ÉVORA Análise da entropia como medida de incerteza e valor ordinal da informação no mercado bolsista de acções português. Dissertação apresentada como requisito parcial para a obtenção

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático

CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático Neste capítulo, será feita a demonstração da aplicação do modelo num programa de cálculo automático, desenvolvido em linguagem de programação

Leia mais

Imagem de Ressonância Magnética II

Imagem de Ressonância Magnética II Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica Imagem de Ressonância Magnética II Técnicas de Imagiologia Nuno Santos n.º 55746, dodgeps@hotmail.com

Leia mais

CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO

CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO 1.1. Definições do Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM) Metrologia: Ciência das medições [VIM 2.2]. Medição: Conjunto de operações que têm por objectivo

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores

Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores Por Jim Spitaels Aplicação técnica nº 43 Revisão 2 Sumário executivo Os requisitos de alimentação dos centros de dados

Leia mais

ActivALEA. active e actualize a sua literacia

ActivALEA. active e actualize a sua literacia ActivALEA active e actualize a sua literacia N.º 25 HIISTOGRAMA Por: Maria Eugénia Graça Martins Departamento de Estatística e Investigação Operacional da FCUL memartins@fc.ul.pt Emília Oliveira Escola

Leia mais

EXERCÍCIO A TERRA TREME

EXERCÍCIO A TERRA TREME EXERCÍCIO A TERRA TREME Q&A A. A TERRA TREME EXERCÍCIO PÚBLICO DE PREPARAÇÃO PARA O RISCO SÍSMICO 1. Porquê lançar uma iniciativa como esta? As catástrofes sísmicas parecem-nos sempre um fenómeno distante.

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos

Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos Avaliação de Desempenho de Sistemas Discretos Parte IV: Simulação Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@dsc.ufcg.edu.br Parte 4 Simulação P A R T E Etapas básicas em um estudo de simulação Geração de números

Leia mais

4 Gráficos de controle

4 Gráficos de controle 4 Gráficos de controle O gráfico de controle é uma ferramenta poderosa do Controle Estatístico de Processo (CEP) para examinar a variabilidade em dados orientados no tempo. O CEP é composto por um conjunto

Leia mais

COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO 1. O que é um relatório? Um relatório de uma actividade prática, é uma exposição escrita de um determinado trabalho ou experiência laboratorial. Não é apenas uma descrição

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

Vulcanismo e Tectónica de Placas

Vulcanismo e Tectónica de Placas Vulcanismo e Tectónica de Placas Fig. 1 Sistema de reciclagem da crosta e vulcanismo nas fronteiras tectónicas. Margens convergentes e divergentes A superfície da Terra é constituída por placas diferenciadas

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Departamento de Engenharia Electrotécnica PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1º ano 2º semestre Trabalho Final Reservas de viagens

Leia mais

3. Características amostrais. Medidas de localização e dispersão

3. Características amostrais. Medidas de localização e dispersão Estatística Descritiva com Excel Complementos. 77 3. Características amostrais. Medidas de localização e dispersão 3.1- Introdução No módulo de Estatística foram apresentadas as medidas ou estatísticas

Leia mais

CRM e Prospecção de Dados

CRM e Prospecção de Dados CRM e Prospecção de Dados Marília Antunes aula de 11 de Maio 09 6 Modelos de regressão 6.1 Introdução No capítulo anterior foram apresentados alguns modelos preditivos em que a variável resposta (a variável

Leia mais

'LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU *OREDOGR(VWDGRGR56

'LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU *OREDOGR(VWDGRGR56 LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU OREDOGR(VWDGRGR56 6X]DQH5DQ]DQ 6LPRQH0&HUH]HU&ODRGRPLU$0DUWLQD]]R Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Departamento de

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

Tomografia Computorizada

Tomografia Computorizada Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica Tomografia Computorizada Técnicas de Imagiologia Nuno Santos n.º 55746, dodgeps@hotmail.com Rúben Pereira

Leia mais

Capítulo 3. Sumário do Capítulo. Sumário do Capítulo. Desenho da Pesquisa

Capítulo 3. Sumário do Capítulo. Sumário do Capítulo. Desenho da Pesquisa Capítulo 3 Desenho da Pesquisa 3-1 Sumário do Capítulo 1) Introdução 2) Desenho da Pesquisa: Definição 3) Desenho da Pesquisa: Classificação 4) Pesquisa Exploratória 5) Pesquisa Descritiva i. Desenho Secção

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO

GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO Relatório 2009-2010 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no Ensino

Leia mais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 835/2.ª Fase 13 Páginas Duração

Leia mais

Processamento dos dados

Processamento dos dados Capítulo 9 Processamento dos dados 9.1 Propagação não estatística de erros Suponhamos que é possível estabelecer uma relação de proporcionalidade directa (ver secção3.2) entre duas variáveis. Por exemplo,

Leia mais

Não sei em que mês nasci!

Não sei em que mês nasci! Não sei em que mês nasci! Cristina Martins, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança Paula Maria Barros, Escola Superior do Instituto Politécnico de Educação de Bragança Introdução

Leia mais

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase O QUE É? A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase atmosférica do ciclo hidrológico. Compreende estações udométricas, onde se mede apenas o hidrometeoro

Leia mais

GEOLOGIA! Professor: Adilson Soares E- mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.tk

GEOLOGIA! Professor: Adilson Soares E- mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.tk GEOLOGIA! Professor: Adilson Soares E- mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.tk TERREMOTOS (Cap. 19) Earthquake Effects - Ground Shaking Northridge, CA 1994 Earthquake Effects Ground Shaking

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

RELATÓRIO I. Erupção Vulcânica de 2014

RELATÓRIO I. Erupção Vulcânica de 2014 1 RELATÓRIO I Erupção Vulcânica de 2014 A Universidade de Cabo Verde em estreita colaboração com Instituto Tecnológico de Energias Renováveis de Tenerife (ITER) e de outras instituições científicas nacionais

Leia mais

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL Regulamento EMAS (EC Nº. 761/2001) A organização deve estabelecer e manter um ou mais procedimento para identificar os aspectos ambientais das suas actividades, produtos

Leia mais

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Enunciado do 2º Trabalho de Laboratório CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS MODELAÇÃO E SIMULAÇÃO DE CIRCUITOS DE CONVERSÃO ANALÓGICO-DIGITAL E DIGITAL-ANALÓGICO

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação em vigor e do programa da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação em vigor e do programa da disciplina. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PINHEIRO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA INFORMAÇÃO- EXAME PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE FÍSICA ENSINO SECUNDÁRIO 12º ANO 2011/2012 1- INTRODUÇÃO O presente documento visa

Leia mais

PREVISÃO E DETECÇÃO DE TORNADOS: PROBLEMAS INERENTES Paulo Pinto Instituto de Meteorologia, I.P. MONITORIZAMOS CONTRIBUÍMOS

PREVISÃO E DETECÇÃO DE TORNADOS: PROBLEMAS INERENTES Paulo Pinto Instituto de Meteorologia, I.P. MONITORIZAMOS CONTRIBUÍMOS PREVISÃO E DETECÇÃO DE TORNADOS: PROBLEMAS INERENTES Paulo Pinto Instituto de Meteorologia, I.P. MONITORIZAMOS O TEMPO O CLIMA A ACTIVIDADE SÍSMICA CONTRIBUÍMOS V Encontro Nacional de Riscos Auditório

Leia mais

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários , Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários Cláudia Paixão A Ilha da Madeira apresenta um conjunto de riscos específicos entre os quais se destacam: Movimentação de Massas Cheias Rápidas

Leia mais

TOPEX/POSEIDON Jason 1

TOPEX/POSEIDON Jason 1 SISMOLOGIA Um dos primeiros terremotos a ser analisado cientificamente foi o terremoto de Lisboa, em novembro de 1755. Esse terremoto, que foi seguido de um tsunami, praticamente destruiu a cidade de Lisboa.

Leia mais

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder Comentário Geral: Prova muito difícil, muito fora dos padrões das provas do TCE administração e Economia, praticamente só caiu teoria. Existem três questões (4, 45 e 47) que devem ser anuladas, por tratarem

Leia mais

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS A CULPA É DO TEMPO? Porque o clima já não é o que era e os desastres naturais se sucedem com maior frequência e severidade, muitos deles agravados pela mão humana, a indústria de seguros e resseguros debate-se

Leia mais

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção AS DIFERENTES TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Nesta secção apresentam-se as diferentes tecnologias usadas nos sistemas eólicos, nomeadamente, na exploração

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

2º Relatório Intercalar CLIMAAT Carlos Miguel Canhoto Franco Antunes

2º Relatório Intercalar CLIMAAT Carlos Miguel Canhoto Franco Antunes INTRODUÇÃO 2º Relatório Intercalar CLIMAAT Carlos Miguel Canhoto Franco Antunes Este trabalho, que está inserido no projecto CLIMAAT, Programa INTERREG IIIB, servirá também como tese de mestrado. Neste

Leia mais

A. Síntese e apresentação do estudo

A. Síntese e apresentação do estudo A. Síntese e apresentação do estudo 1. OBJECTIVOS DO PRESENTE ESTUDO O objectivo do presente estudo é a avaliação ex post da política de promoção publicitária dos produtos agrícolas no período de 1994-2000

Leia mais

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria - IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL 2006 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ÍNDICE Introdução Pág. 2 1 Sumário executivo Pág. 5 2 Análise dos resultados 2.1 Situação

Leia mais

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas,

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, MODELAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS CINÉTICOS FILIPE GAMA FREIRE 1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, etc. a que chamaremos y

Leia mais

Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 701-706

Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 701-706 Edgar Rocha Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 71-76 Nota sobre a população activa agrícola do sexo feminino, segundo o Recenseamento e segundo o Inquérito Permanente ao Emprego : em busca de 3 mulheres

Leia mais

Imagiologia de raios X planar

Imagiologia de raios X planar Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Mestrado em Engenharia Biomédica Imagiologia de raios X planar Técnicas de Imagiologia Nuno Santos n.º 55746, dodgeps@hotmail.com Rúben Pereira

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1

A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1 A MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR POLICIAL 1 A IMPORTÂNCIA DA MATEMÁTICA O desenvolvimento das sociedades tem sido também materializado por um progresso acentuado no plano científico e nos diversos domínios

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES Caros concurseiros, Como havia prometido, seguem comentários sobre a prova de estatística do ICMS RS. Em cada questão vou fazer breves comentários, bem como indicar eventual possibilidade de recurso. Não

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues Introdução aos mercados acionistas DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues O Mercado Financeiro O Mercado Monetário Interbancário (MMI) é um mercado organizado, onde as instituições participantes trocam entre

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) /curriculum Julho de 2008 Versão 1.1 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador da Plataforma

Leia mais

O trabalho pioneiro nesta área remonta a Ulam, que o teria inventado em 1946 ao estudar as possibilidades de ganhar no jogo de cartas Solitário.

O trabalho pioneiro nesta área remonta a Ulam, que o teria inventado em 1946 ao estudar as possibilidades de ganhar no jogo de cartas Solitário. Prof. Lorí Viali, Dr. viali@mat.ufrgs.br http://www.ufrgs.br/~viali/ Números aleatórios (NA) são elementos básicos necessários na simulação de quase todos os sistemas discretos. Eles podem ser utilizados

Leia mais

PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA. Luís RIBEIRO 1

PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA. Luís RIBEIRO 1 PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA Luís RIBEIRO 1 RESUMO Nos problemas de poluição de águas subterrâneas, interessa mais a detecção dos valores anormais e o estudo da sua conectividade

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Comunicação sem fios Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Mestrado em Fisica 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Introdução Nos sistemas de comunicações

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10.º/11.º anos ou 11.º/12.º anos de Escolaridade Prova 835/1.ª Fase

Leia mais

Índice. Relatório da Avaliação de Desempenho SIADAP 2 e 3 2012 0

Índice. Relatório da Avaliação de Desempenho SIADAP 2 e 3 2012 0 Índice I Nota Introdutória ----------------------------------------------------------------------------------------------------- 1 II Processo de Avaliação -----------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CRM e Prospecção de Dados

CRM e Prospecção de Dados CRM e Prospecção de Dados Marília Antunes aula de 18 de Maio 09 6 Modelos de regressão (continuação) 6.1 Interpretação do modelo ajustado Os coeficientes do modelo de regressão múltipla podem ser interpretados

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS...

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... SIGLÁRIO. XI XIV XVII 1. INTRODUÇÃO 1 1.1. Problemática de Investigação... 4 1.1.1. Problema.. 6 1.1.2. Natureza do Estudo... 9 1.1.3. Variáveis 10

Leia mais

Como ocorre um Tsunami

Como ocorre um Tsunami Como ocorre um Tsunami O QUE É O tsunami é uma onda gigante gerada por distúrbios sísmicos, que possui alto poder destrutivo quando chega à região costeira. A palavra vem do japonês "tsu" (porto, ancoradouro)

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

Testes de Ajustamento (testes da bondade do ajustamento)

Testes de Ajustamento (testes da bondade do ajustamento) Testes de Ajustamento (testes da bondade do ajustamento) Os testes de ajustamento servem para testar a hipótese de que uma determinada amostra aleatória tenha sido extraída de uma população com distribuição

Leia mais

PROJECTO DE REMODELAÇÃO DA CENTRAL GEOTÉRMICA DO PICO VERMELHO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO

PROJECTO DE REMODELAÇÃO DA CENTRAL GEOTÉRMICA DO PICO VERMELHO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO PROJECTO DE REMODELAÇÃO DA CENTRAL GEOTÉRMICA DO PICO VERMELHO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO CENTRAL GEOTÉRMICA DO PICO VERMELHO VOLUME II - SUMÁRIO EXECUTIVO 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2,

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Estratégias de Manutenção em Fachadas de Edifícios Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica de Lisboa Av. Rovisco Pais, 1049-001 Lisboa, Portugal RESUMO Uma política

Leia mais

PE-MEEC 1S 09/10 118. Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e. 4.1 Variáveis. densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado,

PE-MEEC 1S 09/10 118. Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e. 4.1 Variáveis. densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado, Capítulo 4 - Variáveis aleatórias e distribuições contínuas 4.1 Variáveis aleatórias contínuas. Função densidade de probabilidade 4.2 Valor esperado, variância e algumas das suas propriedades. Moda e quantis

Leia mais

Tsunamis INTERNATIONAL CENTRE FOR COASTAL ECOHYDROLOGY. Oficina da Prevenção das Catástrofes Naturais Departamento Educacional do ICCE

Tsunamis INTERNATIONAL CENTRE FOR COASTAL ECOHYDROLOGY. Oficina da Prevenção das Catástrofes Naturais Departamento Educacional do ICCE Tsunamis Um tsunami caracteriza-se por uma série de ondas destruidoras e poderosas. Ocorrem após perturbações abruptas que deslocam verticalmente a coluna de água, tais como um sismo, atividade vulcânica,

Leia mais

Custos Sociais e Económicos da Violência Exercida Contra as Mulheres em Portugal: dinâmicas e processos socioculturais

Custos Sociais e Económicos da Violência Exercida Contra as Mulheres em Portugal: dinâmicas e processos socioculturais ÁREA TEMÁTICA: Família e Género Custos Sociais e Económicos da Violência Exercida Contra as Mulheres em Portugal: dinâmicas e processos socioculturais MANUEL, Manuel Doutorado, Liderança Inovação Género

Leia mais

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta.

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta. Escola Secundária Vitorino Nemésio Terceiro teste de avaliação de conhecimentos de Física e Química A Componente de Física 11º Ano de Escolaridade Turma C 13 de Fevereiro de 2008 Nome: Nº Classificação:

Leia mais

Estudo psicométrico do PMA(*)

Estudo psicométrico do PMA(*) Análise Psicológica (1989), 123 (Vil): 209213 Estudo psicométrico do PMA(*) RUI BÁRTOLO RIBEIRO (* *) CARLOS ALVES MARQUES (**), O estudo das aptidões mentais primárias foi inicialmente desenvolvido por

Leia mais

Aula 1: Medidas Físicas

Aula 1: Medidas Físicas Aula 1: Medidas Físicas 1 Introdução A Física é uma ciência cujo objeto de estudo é a Natureza. Assim, ocupa-se das ações fundamentais entre os constituíntes elementares da matéria, ou seja, entre os átomos

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes Programa de Pós-Graduação em Estatística e Modelagem Quantitativa CCNE UFSM, Santa Maria RS

Leia mais

Disciplina: TRANSPORTES. Sessão 8: O Modelo de 4 passos (1ª parte):

Disciplina: TRANSPORTES. Sessão 8: O Modelo de 4 passos (1ª parte): MESTRADO INTEGRADO DE ENGENHARIA CIVIL Disciplina: TRANSPORTES Prof. Responsável: José Manuel Viegas Sessão 8: O Modelo de 4 passos (1ª parte): Geração e 2010 / 2011 1/17 MODELOS GLOBAIS (I) Para além

Leia mais

Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego

Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro de Estudos Aplicados Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego Versão Final Manuel Leite Monteiro Lisboa 2006 Universidade

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

Aplicação do Regime de. Armazenagem, Distribuição e Comercialização de Produtos Petrolíferos. Marisa Silva

Aplicação do Regime de. Armazenagem, Distribuição e Comercialização de Produtos Petrolíferos. Marisa Silva Aplicação do Regime de Responsabilidade Ambiental Armazenagem, Distribuição e Comercialização de Produtos Petrolíferos Marisa Silva Lisboa, 11 de Outubro de 2011 Aplicação do Regime de Responsabilidade

Leia mais

Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas. Aula 04 Prof. Valner Brusamarello

Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas. Aula 04 Prof. Valner Brusamarello Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas Aula 04 Prof. Valner Brusamarello Incerteza - GUM O Guia para a Expressão da Incerteza de Medição (GUM) estabelece regras gerais para avaliar

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO-

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO- PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO- Tema / Capítulos Competências/Objectivos Estratégias / Actividades Recursos/Materiais Avaliação Aulas previstas (45 min) Articulação Tema I TERRA NO ESPAÇO Capítulo

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1. Enquadramento geral O termo job shop é utilizado para designar o tipo de processo onde é produzido um elevado número de artigos diferentes, normalmente em pequenas quantidades

Leia mais

Análise da mortalidade em Portugal.

Análise da mortalidade em Portugal. Análise da mortalidade em Portugal. Paulo Canas Rodrigues; João Tiago Mexia (E-mails: paulocanas@fct.unl.pt; jtm@fct.unl.pt) Resumo Neste trabalho apresentam-se tabelas de mortalidade para a população

Leia mais

Módulo 13. Regulação em reprodutores contínuos: a eq. logística

Módulo 13. Regulação em reprodutores contínuos: a eq. logística Módulo 13. Regulação em reprodutores contínuos: a eq. logística Objectivos Suponhamos que se dispõe de observações da densidade populacional ( 1, 2, 3,...) duma população de reprodutores contínuos, na

Leia mais

2 Independência e dependência das taxas de juro

2 Independência e dependência das taxas de juro 1 Incerteza e juro aleatório Considere-se o intervalo [0, n], o tempo medido em anos, e a partição [0, 1], (1, 2],..., (n 1, 1] e suponha-se que no início do ano t são aplicadas C t unidades de capital,

Leia mais

Propagação de distribuições pelo método de Monte Carlo

Propagação de distribuições pelo método de Monte Carlo Sumário Propagação de distribuições pelo método de Monte Carlo João Alves e Sousa Avaliação de incertezas pelo GUM Propagação de distribuições O método de Monte Carlo Aplicação a modelos de medição por

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

O desemprego dos diplomados da Universidade do Minho

O desemprego dos diplomados da Universidade do Minho O desemprego dos diplomados da Universidade do Minho Situação em junho de 2014 Trabalho realizado por: José Pedro Ferreira, Elisabete Pacheco e Isabel Santos Serviços para a Garantia da Qualidade Miguel

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001

PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001 PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001 O projecto Bragg teve como objectivo principal o desenvolvimento de cablagens avançadas

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL Marcelo Maciel Monteiro Universidade Federal Fluminense, Engenharia de Produção Rua Martins Torres 296, Santa Rosa, Niterói, RJ, Cep 24240-700

Leia mais

APÊNDICE I. Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos. Estabelecer um horário semanal de estudo

APÊNDICE I. Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos. Estabelecer um horário semanal de estudo APÊNDICE I Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos Actividades Outubro Estabelecer um horário semanal de estudo Fazer cumprir o horário semanal de estudo Verificar diariamente

Leia mais

O trabalho desenvolvido enquadra-se nos desenvolvimentos da teoria da

O trabalho desenvolvido enquadra-se nos desenvolvimentos da teoria da Conclusão O trabalho desenvolvido enquadra-se nos desenvolvimentos da teoria da empresa. As condições decorrentes da teoria da dualidade, entre produção e custos, permitiram a opção pela abordagem centrada

Leia mais

Avaliação de Desempenho

Avaliação de Desempenho Avaliação de Desempenho Aulas passadas Modelagem de sistemas via cadeias de Markov Aula de hoje Introdução à simulação Gerando números pseudo-aleatórios 1 O Ciclo de Modelagem Sistema real Criação do Modelo

Leia mais

Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014

Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014 Relatório Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014 Introdução O presente documento pretende explicar o mais exato possível as condições meteorológicas que afetaram as soltas no dia 19ABR14.

Leia mais

Método de Monte Carlo e ISO

Método de Monte Carlo e ISO Método de Monte Carlo e ISO GUM para cálculo l de incerteza Prof. Dr. Antonio Piratelli Filho Universidade de Brasilia (UnB) Faculdade de Tecnologia Depto. Engenharia Mecânica 1 Introdução: Erro x incerteza

Leia mais