SISTEMA DE DETECÇÃO, ALARME E APOIO AO COMBATE A INCÊNDIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE DETECÇÃO, ALARME E APOIO AO COMBATE A INCÊNDIO"

Transcrição

1 ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA PROJETO: LE-833 FOLHA: 1/27 SISTEMA DE DETECÇÃO, ALARME E APOIO AO COMBATE A INCÊNDIO OBJETIVO O Sistema de Detecção de Alarme de Incêndio (SDAI) deverá monitorar os diversos ambientes internos do estádio e emitir sinalização de alarme quando forem detectadas condições possíveis de possibilidade ou caracterização de incêndio. Deverá ainda apoiar a segurança e operação do estádio, sendo integrado ao sistema de sonorização e ao BMS, permitindo enviar mensagens eletrônicas ou sonoras individualizadas às diversas áreas do estádio, para público, atletas, funcionários, operadores e usuários com alto grau de inteligibilidade. O sistema deverá garantir detecção e informação, nas áreas por ele abrangidas, de forma que qualquer princípio de incêndio e/ou de anormalidade dos processos por ele monitorados seja detectado e informado às pessoas certas, no menor espaço de tempo possível, com orientações seguras do local afetado, do grau de abrangência e dos procedimentos a serem adotados, para sanar a anormalidade. O SDAI é responsável pela detecção de princípios de incêndios. Os circuitos de detecção deverão ser de classe A, com retorno para a central, em caminhamento diferenciado. O SDAI é um sistema que será integrado com o sistema supervisório (BMS). Para tanto todos os eventos de incêndio previstos serão informados ao BMS. INTRODUÇÃO A Detecção de Incêndio deverá ser do tipo analógico de endereços eletrônicos, também denominados "Detecção Inteligente". Os referidos endereços deverão ser individualizados para todos os seus dispositivos, sejam detectores, acionadores manuais, e todos os demais equipamentos interligados ao Sistema de Detecção. Todos os componentes do sistema de Detecção e Alarme de Incêndio deverão ser de um mesmo fabricante para possibilitar intercambialidade entre os mesmos e agilizar a manutenção. A Central de incêndio e todos os demais equipamentos de detecção e alarme de incêndio devem ser registrados, homologados e possuir certificação mínima UL, atendendo às prescrições da NFPA e NBR17240 em todos os seus requisitos.

2 ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA PROJETO: LE-833 FOLHA: 2/27 Este sistema deverá possuir interface com outros os sistemas como Ventilação Mecânica e Controle de Acesso e outros que se mostrem importantes, permitindo a elaboração das rotinas necessárias em caso de incêndio como: desligamento de ventilação, acionamento de dampers, liberação de portas e catracas, outros necessários. RECURSOS MÍNIMOS De uma maneira geral, o Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio deve ter os seguintes recursos mínimos: Capacidade de desativação manual dos alarmes sonoro e/ou visuais de incêndio; Identificação automática e confiável de contaminação ou sujeira em detectores ou outros dispositivos; Ajustes pré-configurados da sensibilidade dos detectores; Possibilidade de configuração dos detectores em função dos ambientes onde foram instalados; Endereçamento automático de todos os dispositivos; Identificação automática e imediata de qualquer curto circuito ou fiação partida; Fontes secundárias compostas por carregador e baterias, capazes de suprir alimentação elétrica para funcionamento de todo o SDAI, de acordo com os requisitos da norma NBR 17240; Operação segura mesmo no caso de curto circuito ou fiação partida ou em manutenção; Possibilidade de expansão do sistema, sem que a adição de novos detectores ou demais dispositivos possa interferir no funcionamento do restante do sistema; O Sistema deverá possuir ferramenta para comissionamento e/ou manutenção, que permita o levantamento da topologia dos laços endereçáveis e a distribuição dos dispositivos nos mesmos; Os dispositivos (detectores, acionadores manuais, módulos, outros necessários) devem possuir eletrônica embarcada que permita à central mapear o laço de dispositivos, fornecendo uma poderosa ferramenta à manutenção e operação do sistema. Cada dispositivo deve informar seu endereço, posição sequêncial no laço, estado de contaminação por impurezas; Monitoramento do sistema de ar-condicionado através de detectores instalados nos dutos de retorno e insuflamento de ar; Possibilidade de elaboração de algorítmos de controle dos áudio-visuais, permitindo a nãosimultaneidade entre sirene e strobo; O FORNECEDOR deverá instalar os módulos de isolamento no mínimo de acordo com as quantidades estabelecidas em norma.

3 ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA PROJETO: LE-833 FOLHA: 3/27 FUNÇÕES DE PROGRAMAÇÃO MÍNIMAS As funções de programação deverão: Ser acessíveis através de senhas; e Ter três níveis quanto aos acessos permitidos: supervisão, operação e programação. Funções permitidas para o nível de supervisão: Alteração do nível de sensibilidade dos sensores de fumaça; Ativação e desativação de detectores individualmente, por módulos e por zonas; Acerto de data e hora; Solicitação de diagnóstico do sistema; e Execução de todas as funções permitidas ao nível de operação. Funções permitidas para o nível de operação: Solicitação de informações sobre a configuração do sistema; Solicitação de informações sobre parâmetros associados a componentes do sistema, e Acesso a mensagens de alerta e de alarme e a qualquer mudança de estado ocorrida no sistema. Funções permitidas para o nível de programação: Definição dos endereços dos dispositivos endereçáveis do sistema; Definição do tipo de dispositivo (sensor de fumaça, acionador manual, outros necessários.) associado aos endereços designados; Definição das mensagens de alarme que serão apresentadas ao operador do sistema; Definição dos comandos automáticos que deverão ser executados quando um sensor ou grupo de sensores detectarem um início de incêndio; Definição das zonas de detecção onde o alarme só é acionado quando um determinado sensor detectar um início de incêndio; Definição do tempo de persistência de detecção de incêndio para sensores individuais ou grupos de sensores localizados em determinada zona de detecção; e Funções permitidas para o nível de supervisão.

4 ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA PROJETO: LE-833 FOLHA: 4/27 ARQUITETURA A arquitetura prevista neste documento é a que segue: Possuir painéis em rede de fibra óptica de detecção e alarme de incêndio, com anunciadores de rede, distribuídos conforme indicado em planta, com as funções de: monitorar os dispositivos de entrada (detectores, acionadores manuais, módulos de entrada, etc.); acionar os dispositivos de saída (módulos de saída, sinalizadores sonoros, visuais e/ou audiovisuais); e monitorar a ocorrência de anormalidades no sistema, ou nas instalações do sistema (avarias). Empregar tecnologia digital, ser totalmente programável, através de display e teclado alfanumérico, existentes no próprio painel; e/ou mediante o uso de um computador tipo PC, a ser conectado ao painel de detecção e alarme de incêndio, para a descarga do programa, local e/ou remotamente desenvolvido. Disponibilizar um endereço individualizado, para cada dispositivo de campo (detectores, acionadores manuais e módulos monitores e/ou de controle); e os detectores devem informar, ao painel, os dados analógicos das leituras que efetuarem em suas câmaras internas (sistema analógico endereçável). Indicar, automaticamente, qualquer princípio de incêndio no local protegido, seja pela detecção do aumento da temperatura, seja pela detecção da presença de fumaça, através de detectores específicos para cada tipo de aplicação. Possibilitar a utilização de detectores analógicos endereçáveis, conforme segue: térmicos; termovelocimétricos; de fumaça, por tecnologia de detecção iônica; de fumaça, por tecnologia de detecção óptica; de fumaça, por tecnologia de detecção a laser; de fumaça e temperatura (multisensor e/ou multicritério); de fumaça por feixe de luz ( beam detectors ), etc. Possibilitar a ativação manual do sistema, através dos acionadores manuais. Endereçar, em cada laço de detecção inteligente, no mínimo, 159 detectores e mais 159 módulos de entrada e/ou de saída (acionadores manuais, por exemplo); admitir que as ligações de um laço sejam nos estilos 4, 6 ou 7 da NFPA (classes A ou B da NBR 17240); e possibilitar a instalação de módulos isoladores de curto-circuito, onde e como normas exigirem, limitando-se a, no máximo, 20 dispositivos entre módulos. Permitir a detecção de princípios de incêndio, mesmo quando um ou mais trechos da instalação se encontrem inoperantes, quando utilizada uma instalação em estilo 6 ou 7 - NFPA, classe A - NBR 17240, com a utilização de módulos isoladores de curto-circuito. Permitir o teste da isolação da fiação: para isso as bases dos detectores não devem ter qualquer eletrônica (endereçamento no corpo do detector); e os sinalizadores visuais, sonoros e/ou audiovisuais devem ter base sem eletrônica. Permitir a definição, na programação de cada painel: dos limites de pré-alarme e alarme de cada detector, adaptando-os às condições do local de sua instalação; complementar a definição dos limites de pré-alarme e de alarme de cada detector, ajustando-os de acordo com o dia da semana e o horário do dia ( day/night ); atribuir ao painel a função de ajustar, automaticamente, os limites de pré-alarmes; compensar, automaticamente, o desvio da sensibilidade programada, ocasionado pela deposição de poeira no interior da câmara do detector ( drift compensation ); e estabelecer lógicas cooperativas de detecção (a detecção

5 ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA PROJETO: LE-833 FOLHA: 5/27 por dois ou mais detectores instalados proximamente um do outro provocará uma reação mais rápida do sistema). Prever a utilização de sistemas de detecção de alta sensibilidade em áreas críticas, tais como: PTA s, STA s, Storage, etc., que poderão ser do tipo pontual a laser ou por aspiração também a laser. Prever a utilização de detectores de fumaça específicos, com sistemas de filtros mecânicos/físicos, para a proteção de áreas úmidas ou com uma grande concentração de poeira em suspensão, invés de detectores de temperatura termovelocimétricos. O tempo de resposta a um evento deve ser inferior a 05 segundos, independentemente da quantidade de dispositivos de campo instalados no painel. Este tempo de resposta compreende desde o momento em que um evento é detectado, até o processamento no painel e envio de um sinal a um módulo de saída qualquer. Exibir no display frontal do painel, ou do anunciador de rede, os eventos do sistema, tais como: alarmes, pré-alarmes, segurança, supervisão e falhas, através de indicadores sonoros (bip) e visuais (LEDs), identificando-os e localizando-os, inequivocamente. Disponibilizar todas as informações, tais como mensagens de software, no display do painel ou do anunciador de rede, no idioma português. Possuir display e teclado com todas as inscrições em português. Permitir a programação de lógicas booleanas, através das quais serão geradas as reações do painel de detecção e alarme de incêndio a um ou a vários eventos. Prever, na configuração do sistema, a utilização de, no máximo, 60% dos endereços de cada laço de detecção de cada painel, garantindo a possibilidade de futuras ampliações, com o mínimo de interferências possível, na instalação executada. Facilitar o comissionamento e a colocação em funcionamento do sistema, através da função de auto-programação, onde cada painel, a partir de um comando do operador, faz uma varredura de todos os dispositivos a ele interligados, verificando sua funcionalidade, e garantindo a inexistência de endereços repetidos. Ter função walk test, permitindo testar remotamente o sistema, a partir do painel. Quando o endereço de um detector específico é exibido no display do painel, o LED desse detector pisca, indicando que o mesmo encontra-se em funcionamento. Armazenar, em memória não volátil, os últimos eventos, com indicação de data e horário da ocorrência, de forma a facilitar a análise dos acontecimentos. Possuir uma tecla de abandono geral, localizada no frontal do painel, que mediante comando do operador do sistema, em caso de uma emergência geral, acione os sinalizadores sonoros, visuais e audiovisuais das áreas protegidas. Admitir, opcionalmente, a instalação, local ou remota, de cartões específicos, que permitam a ativação manual de sinalizadores, de forma setorizada, podendo sobrepor-se à lógica definida na programação do painel. Possibilitar, opcionalmente, a desativação manual dos elementos sonoros, mantendo ativados apenas os elementos visuais dos sinalizadores audiovisuais; Prover interface com sistemas de sprinklers, de hidrantes, de climatização e outros, através de módulos de entrada ou de saída, para: monitoração de: chaves de fluxo, pressostatos e bombas; monitoração de damperes corta-fogo; monitoração e controle de damperes e exaustores de fumaça; monitoração e controle de pressurização de escadas; descida de elevadores, desligamento de sistemas de ventilação e ar condicionado, e desligamento de painéis elétricos, em caso de incêndio.

6 ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA PROJETO: LE-833 FOLHA: 6/27 Possibilitar a utilização de sinalizadores sonoros, visuais e/ou audiovisuais, para avisar a ocorrência de um sinistro, aos ocupantes das áreas protegidas. Admitir o uso de sinalizadores específicos de som direcional, complementarmente aos sinalizadores sonoros, visuais e/ou audiovisuais tradicionalmente utilizados, para facilitar o entendimento, direcionamento e abandono, por parte do pessoal presente nos ambientes protegidos, tanto em situações de perfeita visibilidade, quanto em uma condição de emergência, com a presença de grandes quantidades de fumaça no ar. Sirenes direcionais deverão ser estrategicamente posicionadas, nas áreas protegidas, por exemplo, nas rotas de fuga, e acima das saídas de emergência. Dispor uma porta RS-232, para a conexão de uma impressora matricial opcional. Prover uma porta RS-485, para conexão opcional de até 32 anunciadores remotos. Prover a setorização dos sinalizadores audiovisuais, de acordo com a necessidade do usuário do sistema, ou seja, uma condição de alarme não deve, automaticamente, causar a atuação de todos os sinalizadores, num primeiro momento, mas, sim, seguir as premissas do plano de segurança da área protegida. Essa setorização deverá ser feita através de saídas específicas supervisionadas, NACs, ou de módulos de controle. Em caso de módulos de painel que incluam mais de uma saída por placa eletrônica, cada uma de suas saídas deve ser isolada, sendo que um curto-circuito gerado em uma saída NAC não pode gerar problemas nas outras saídas NAC do mesmo módulo (atendendo às exigências da UL 864 9ª edição). Dispor de funções específicas de programação, aprovadas pelo UL e pelo FM, para a utilização e implementação de sistemas de supressão e/ou combate a incêndio. Dispor de carregador de baterias com fonte de alimentação principal, e eventuais fontes auxiliares, todos certificados UL, dimensionadas para atender, com reserva, a capacidade total de dispositivos do sistema (detectores, acionadores manuais, sinalizadores, etc.); e dispor, também, de fonte secundária (baterias), com capacidade de manter em operação o sistema todo, em estado normal, durante uma falta de energia comercial de 24 horas, e/ou manter o sistema todo em condição de alarme geral, com todos os dispositivos de notificação de alarme acionados, durante uma falta de energia comercial de15 minutos, atendendo às normas NBR e NFPA-72 (o concorrente deverá enviar memória de cálculo de fontes e baterias para comprovar). A fonte de alimentação principal deverá necessariamente ser desenhada para supervisionar os circuitos de carga de baterias (atendendo à UL 864 9ª edição). Caso a quantidade de dispositivos e periféricos a serem conectados ao sistema possuam um alto consumo de corrente, haverá a necessidade de utilização de fontes de alimentação auxiliares. As mesmas poderão ser instaladas dentro do gabinete do painel central, ao lado do painel central devidamente acondicionadas, ou remotamente, estrategicamente posicionadas próximo aos equipamentos que deverão ser alimentados pelas mesmas. Tais fontes deverão ser supervisionadas quanto a condições de falhas (falta de alimentação AC, falha para a terra, falha interna ou do circuito de carga de baterias), também quanto à atuação de saídas de circuitos de sinalização NAC. As fontes também deverão ser listadas UL e aprovadas FM. Possibilitar a interligação de até 102 painéis em rede, listada e certificada pelo UL, utilizando como meio físico: cabos de cobre, ou fibra óptica multimodo ou monomodo. Permitir o inter-relacionamento de entradas e saídas de painéis distintos, ligados na mesma rede; ou seja: poderá ser programado, em painéis da mesma rede, que um evento ocorrido em um dos painéis, gere a ativação de uma saída em outro painel.

7 ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA PROJETO: LE-833 FOLHA: 7/27 A visualização, através dos displays frontais de cada painel, bem como a operação, através de seus teclados, quando em rede, deverá ser flexível, isto é, em alguns locais específicos, será requerida a visualização e a operação em toda a rede de painéis; já em outros locais, requerir-se-á apenas a visualização e operação do painel no qual o display estiver instalado, e em outros locais, não serão usados displays e teclados. Prover, opcionalmente, interface do painel, ou da rede de painéis, em protocolo de comunicação aberto, como o BACnet TCP/IP, com sistemas de automação predial. Propiciar a implementação opcional de uma interface, que atue como um servidor HTML, de modo que se poderá visualizar, através da Internet ou Intranet, o histórico de eventos, tais como alarmes e falhas, armazenados num painel, esteja ele isolado ou fazendo parte de uma rede de painéis. Esta interface poderá, ainda, gerar s automaticamente, para um grupo pré-definido de usuários, onde serão enviadas informações de eventos do sistema, tais como: alarmes e falhas. Disponibilizar recursos opcionais de equipamento e de programação dedicados, que permitam inserir num painel de médio ou grande porte, ou na rede de painéis de detecção e alarme de incêndio, um subsistema de áudio-evacuação digital de comunicação, incluindo um gerador de mensagens pré-gravadas, amplificadores digitais e telefonia para comunicação local de emergência. Disponibilizar recursos opcionais de equipamento e de programação, que permitam apresentar, em tempo real, telas gráficas, com a localização dos eventos; seja em hardware dedicado, no próprio painel, seja em microcomputador PC compatível. Disponibilizar recursos opcionais de equipamento e de programação, que permitam a instalação de uma interface específica para apresentação de telas gráficas em uma tela touch screen para facilitar e agilizar a tomada de decisões de bombeiros e pessoal de brigada de incêndio em um evento de emergência. COMPONENTES O Sistema deverá ser constituído dos seguintes componentes com as características técnicas mínimas a seguir: CENTRAL DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO PAINEL DE CONTROLE DE 01 A 10 LAÇOS Características básicas do painel: Permitir a instalação de 01 a 10 laços de detecção isolados, admitindo os estilos 4, 6, ou 7 (com isoladores de curto-circuito) da NFPA 72. Endereçar um mínimo de 159 detectores e 159 módulos inteligentes nesse laço. Suportar, no mínimo, os seguintes dispositivos de campo: detectores térmicos; termovelocimétricos; de fumaça, por tecnologia de detecção iônica; de fumaça, por tecnologia de detecção óptica; de fumaça, por tecnologia de detecção a laser; de fumaça e temperatura (multisensor e/ou multicritério); de fumaça por feixe de luz ( beam detectors ),

8 ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA PROJETO: LE-833 FOLHA: 8/27 sensores analógicos padrão 4-20mA (por exemplo, detectores de gás), acionadores manuais, sinalizadores audiovisuais, etc. Testar, automática e periodicamente, a funcionalidade e a sensibilidade de cada um dos detectores, atendendo as exigências da norma NFPA 72. Possibilitar o ajuste manual de sensibilidade para os detectores de fumaça, em pelo menos 05 níveis distintos de alarme, e em 05 níveis distintos de pré-alarme. Compensar automaticamente o nível de empoeiramento de cada detector, na leitura da sua câmara interna, para evitar alarmes falsos drift compensation. Capacidade de auto-ajustar o nível de pré-alarme de cada detector de fumaça. Ter três tipos de aviso de manutenção de cada detector (alerta, aviso e avaria). Admitir programação de ajuste automático da sensibilidade de cada detector, conforme calendário interno (por hora do dia e por dia da semana). Possibilitar a classificação de eventos configuráveis como normal, falha, alarme de incêndio, supervisão, segurança, processo crítico e não alarme para sensores analógicos padrão 4-20mA. Para cada sensor deve ser possível configurar até 05 faixas de valores diferentes para gerar os eventos acima. Armazenar, em memória não volátil, eventos e mais alarmes. o A consulta ao arquivo histórico deve permitir filtrar a classificação dos eventos pelo tipo, hora, data e endereço no laço de controle. Ser capaz de operar em modo degradado, ou seja, na improvável falha da CPU, o painel deverá continuar a supervisão e, quando for o caso, gerar um alarme geral. Possuir zonas de software, programáveis. Ter funções para programação de: sensibilidade dia/noite, tempos de retardo, etc. Ter, no mínimo, 10 zonas de programação de supressão/combate automáticos. Lógicas de laço cruzado, aborto, tempo de retardo, sequências de aviso. Disponibilizar, como ferramenta de software, equações lógicas (matriz causa/efeito), para a execução de configurações mais complexas. Permitir a programação do sistema localmente ( display frontal do painel) ou através de uma estação de trabalho remota (computador). Verificar todos os dispositivos do laço de controle em menos de 2 segundos. Ativar todos os módulos de comando em até 3 segundos. Ter as seguintes opções de teclado e display LCD: o Display LCD com 640 caracteres (16 linhas com 40 caracteres uso local); o Display LCD com 640 caracteres (16 linhas com 40 caracteres uso local/rede); o Sem display opção apenas em caso de sistemas em rede. Disponibilizar todas as informações, tais como mensagens de software, no display do painel ou do anunciador de rede, no idioma português. Visualizar, no display frontal do painel, diversas situações distintas, a saber: o Alarmes; o Pré-Alarmes; o Falhas; o Supervisão (exemplos: estado de pressostatos, posição de válvulas); o Segurança (exemplos: portas e janelas onde haja combate automático por gás). O painel deverá ser fornecido montado em gabinete metálico apropriado, o qual deve ser mantido permanentemente trancado, sendo sua chave disponível apenas a operadores devidamente treinados, aos quais deverão ser fornecidas senhas, com níveis diferentes de liberação de acesso, à operação e à programação.

9 ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA PROJETO: LE-833 FOLHA: 9/27 Prover uma porta RS-232, para a conexão de uma impressora matricial opcional. Prover uma porta RS-485, para conexão opcional de até 32 anunciadores remotos. Possibilitar a interligação de até 102 painéis em rede, listada e certificada pelo UL, utilizando como meio físico: cabos de cobre, ou fibra óptica. Permitir o inter-relacionamento de entradas e saídas de painéis distintos, ligados na mesma rede; ou seja: poderá ser programado, em painéis da mesma rede, que um evento ocorrido em um dos painéis, gere a ativação de uma saída em outro. A visualização, através dos displays frontais de cada painel, bem como a operação, através de seus teclados, quando em rede, deverá ser flexível, isto é, em alguns locais específicos, será requerida a visualização e a operação em toda a rede de painéis; já em outros locais, requerir-se-á apenas a visualização e operação do painel no qual o display estiver instalado, e em outros locais, não serão usados displays e teclados. Prover, opcionalmente, interface do painel, ou da rede de painéis, em protocolo de comunicação aberto, como o BACnet TCP/IP, com sistemas de automação predial. Propiciar a implementação opcional de uma interface, que atue como um servidor HTML, de modo que se poderá visualizar, através da Internet ou Intranet, o histórico de eventos, tais como alarmes e falhas, armazenados num painel, esteja ele isolado ou fazendo parte de uma rede de painéis. Esta interface poderá, ainda, gerar s automaticamente, para um grupo pré-definido de usuários, onde serão enviadas informações de eventos do sistema, tais como: alarmes e falhas. Disponibilizar recursos opcionais de equipamento e de programação, que permitam inserir num painel, ou na rede de painéis de detecção e alarme de incêndio, um subsistema de áudio-evacuação digital de comunicação, incluindo um gerador de mensagens prégravadas, amplificadores digitais e telefonia para comunicação local de emergência. Disponibilizar recursos opcionais de equipamento e de programação, que permitam apresentar, em tempo real, telas gráficas, com a localização dos eventos; seja em hardware dedicado, no próprio painel, seja em microcomputador PC compatível. Definição das zonas de detecção onde o alarme só é acionado quando um determinado sensor detectar um início de incêndio. Definição do tempo de persistência de detecção de incêndio para sensores individuais ou grupos de sensores localizados em determinada zona de detecção. As funções de programação deverão: Ser acessíveis através de senhas; Dividir as senhas de acesso nos níveis: supervisão, operação e programação. Funções que deverão ser permitidas para o nível de operação: o Visualização da configuração do sistema; o Visualização dos parâmetros associados a componentes do sistema, e o Detalhamento de mensagens de alerta/alarme e mudanças de estado ocorridas. Funções que deverão ser permitidas para o nível de supervisão: o Alteração do nível de sensibilidade dos sensores de fumaça; o Ativação e desativação de detectores individualmente, por módulos e por zonas; o Acerto de data e hora; o Visualização de diagnóstico do sistema; e o Execução de todas as funções permitidas ao nível de operação.

10 ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA PROJETO: LE-833 FOLHA: 10/27 Funções que deverão ser permitidas para o nível de programação: Definição dos endereços dos dispositivos endereçáveis do sistema; Definição do dispositivo (detector de calor/fumaça) associado aos endereços; Definição das mensagens de alarme que serão apresentadas ao operador; Definição dos comandos a serem executados quando for detectado um incêndio; Definição das zonas de detecção, onde um alarme só será acionado quando um determinado dispositivo detectar um início de incêndio; o Definição do tempo de persistência de detecção de incêndio, para dispositivos individuais ou agrupados, situados em determinada zona de detecção; o Funções permitidas para o nível de supervisão. o o o o o A Central de detecção deverá possuir displays externos que informem aos operadores o tempo máximo que terá para identificação da origem de uma ocorrência de alarme, e o tempo máximo para que o operador registre a ação a ser tomada após a ocorrência do alarme. Estes 2 tempos devem ser mostrados em painéis distintos a serem instalados na sala de supervisão do BMS, conforme imagem a seguir: É recomendado um máximo de 2 minutos para identificação da origem da ocorrência e 6 minutos (ou 4 minutos após a identificação) para registro da ação necessária para solução da ocorrência. Estes registros deverão ser realizados por operadores habilitados que serão identificados por meio de senha de acesso ao sistema. Caso os procedimentos de identificação e registro da ação imediata não sejam tomados dentro dos tempos máximos previstos o BMS deverá comutar o empreendimento para modo de evacuação de emergência, atuando nos sistemas de sonorização com mensagens pré-gravadas, bloqueando acesso a dispositivos de transporte vertical (elevadores, escadas rolantes, etc..), liberando todos os portões de saída, desligando sistemas elétricos não emergenciais, restringindo funcionamento do sistema de ar condicionado e ventilação mecânica às condições para emergência e evacuação, emitindo mensagens gráficas nos displays (telas) internas e acionando a brigada de

11 ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA PROJETO: LE-833 FOLHA: 11/27 incêndio e Corpo de Bombeiros, que neste caso deverão assumir o controle da edificação. Possuir as seguintes opções de fonte de alimentação primária: o 110/120 Vac, 50/60 Hz, 4,5 A; OU o 240 Vac, 50/60 Hz, 2,5 A. Possuir Saída de Alimentações 24 Vcc 6,0 A (total), assim distribuídas: o 01 Saída 24 Vcc de 4,5 A para uso interno ao painel; o 01 Saída 24 Vcc de 1,0 A para uso interno ou externo ao painel; o Cada uma de suas saídas deve ser isolada, sendo que um curto-circuito gerado em uma saída NAC não pode gerar problemas nas outras saídas NAC do mesmo módulo (atendendo às exigências da UL 864 9ª edição). Possuir carregador para as seguintes baterias: 25 a 200 Ah. A fonte de alimentação principal deverá necessariamente ser desenhada para supervisionar os circuitos de carga de baterias (atendendo às exigências da UL 864 9ª edição) Poder operar na seguinte faixa de temperatura: de 0 a 49 ºC atender à NFPA (se possível controlar temperatura ambiente entre 15 e 27 ºC). Poder operar na seguinte umidade relativa máxima: 93% ± 2% (sem condensação) a 32 ºC ± 2 ºC. Deverá ser listado UL 864 9ª edição e aprovado FM. Referências: Honeywell XLS-3000 ou equivalente. ANUNCIADOR REMOTO ANUNCIADOR REMOTO PARA PAINÉIS EM REDE O anunciador remoto para controle de rede deverá ser um repetidor onde todas as informações pertinentes à rede de painéis de incêndio sejam visualizadas e controladas. Deverá possuir, no mínimo, as seguintes características técnicas: Capacidade de operar uma rede com até 102 painéis de detecção e alarme de incêndio a ele interligados. Supervisionar todo o sistema (entradas, saídas e a integridade da rede). Flexibilidade na configuração, para indicação de todos os painéis da rede, ou apenas parte deles, de acordo com a concepção do projeto de segurança. Display LCD de 16 linhas de 40 caracteres cada, com iluminação traseira. Teclas de controle para Reconhecimento, Silenciamento, Reset do Sistema, Teste de Lâmpadas e para Acionamento de Abandono Geral. LEDs de Alarme, Pré-alarme, Segurança, Supervisão, Falha e Outros Eventos. Teclado alfanumérico para possibilitar a operação local. Armazenar, em memória não volátil, eventos e mais alarmes. o A consulta ao arquivo histórico deve permitir filtrar a classificação dos eventos pelo tipo, hora, data e endereço no laço de controle. Capacidade de conexão de uma impressora matricial opcional, para impressão de relatórios de arquivo de eventos históricos. Possibilitar interligação à rede de painéis através de cartão de rede específico.

12 ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA PROJETO: LE-833 FOLHA: 12/27 Deverá ser prevista caixa para montagem em superfície, ou fornecê-lo no painel. Deverá ser prevista a necessária alimentação externa com back up de bateria. Poder operar na seguinte faixa de temperatura: de 0 a 49 ºC atender à NFPA (se possível controlar temperatura ambiente entre 15 e 27 ºC). Umidade relativa máxima: 93% ± 2% (sem condensação) a 32 ºC ± 2 ºC. Deverá ser listado UL 864 9ª edição e aprovado FM. Referências: Honeywell XLS-NCA-2 ou equivalente. CARTÃO PARA COMUNICAÇÃO DE PAINÉIS EM REDE Cartão eletrônico necessário para que os painéis de incêndio sejam interligados em rede. Deverá possuir, no mínimo, as seguintes características técnicas: Suportar cabo metálico ou fibra óptica como meio físico de comunicação entre cartões, mesmo que para isso sejam utilizados modelos diferentes de cartões. Possuir LEDs para facilitar a análise de possíveis falhas. Devem regenerar e amplificar o sinal de comunicação na saída de cada cartão. Entretanto, podem ser usados repetidores de sinal, para possibilitar o aumento de distâncias entre painéis, ou para mudar de fibra óptica para cabo ou vice-versa (RPT-F ou RPT-WF). Para opção de meio físico cabo metálico: o Deve aceitar par trançado; o Atender a distâncias de no mínimo 900 m entre painéis (nós). Para opção de meio físico - fibra óptica: o Usar fibra multimodo nas seguintes opções: 62,5/125 µm atenuação máxima de 8,0 db; 50/125 µm atenuação máxima de 4,2 db. o Utilizar fibra padrão de 850 nm. o Deverão ser previstos conectores estilo ST. o Taxa de transmissão deve ser de 312,5 Kbaud. Poder operar na seguinte faixa de temperatura: de 0 a 49 ºC atender à NFPA (se possível controlar temperatura ambiente entre 15 e 27 ºC). Poder operar na seguinte umidade relativa máxima: 93% ± 2% (sem condensação) a 32 ºC ± 2 ºC. Deve ser listado UL 864 9ª edição e aprovados FM. Referências: NCM-W/NCM-F Honeywell ou equivalente. CARTÃO PARA COMUNICAÇÃO DE PAINÉIS EM REDE DE ALTA VELOCIDADE Cartão eletrônico necessário para que os painéis de incêndio sejam interligados em rede. Deverá possuir, no mínimo, as seguintes características técnicas: Suportar cabo metálico, fibra óptica multimodo, fibra óptica monomodo ou uma combinação destes, como meio físico de comunicação entre cartões.

13 ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA PROJETO: LE-833 FOLHA: 13/27 Possuir LEDs para facilitar a análise de possíveis falhas. Possuir opção de conectores de múltipla interface, ou seja, cartões com RX e TX para meio físico cabo metálico, cartões com RX em cabo metálico e TX em fibra (mono ou multímodo, cartões com RX em fibra monomodo e TX em fibra multímodo. Devem regenerar e amplificar o sinal de comunicação na saída de cada cartão. Entretanto, podem ser usados repetidores de sinal, para possibilitar o aumento de distâncias entre painéis, ou para mudar de fibra óptica para cabo ou vice-versa. Para opção de meio físico cabo metálico: o Deve aceitar par trançado; o Atender a distâncias de no mínimo 900 m entre painéis (nós). o Taxa de transmissão deve ser de 12 Mbaud. Para opção de meio físico - fibra óptica: o Usar fibra com as seguintes especificações: Multimodo 62,5/125 µm atenuação máxima de 10,0 db; Multimodo 50/125 µm atenuação máxima de 6,5 db. Monomodo 9/125 µm atenuação máxima de 30 db. o Deverão ser previstos conectores estilo LC. o Taxa de transmissão mínima de 100 Mbaud. o Comprimento de onda: 1310 nm. Possuir duas portas de rede para permitir a conexão simultânea ao painel de controle de alarme de incêndio e ao computador de programação. Poder operar na seguinte faixa de temperatura: de 0 a 49 ºC atender à NFPA (se possível controlar temperatura ambiente entre 15 e 27 ºC). Poder operar na seguinte umidade relativa máxima: 93% ± 2% (sem condensação) a 32 ºC ± 2 ºC. Deve ser listado UL 864 9ª edição Referências: HS-NCM-W/MF/SF/WMF/WSF/MFSF Honeywell ou equivalente. CARTÃO DE INTERFACE BACNET Deverá fornecer uma interface entre um painel ou uma rede de painéis de detecção e alarme de incêndio e uma rede ethernet, usando o protocolo de comunicação BACnet/IP. Com essa interface, zonas de dispositivos de iniciação ligados aos laços de painéis de detecção e alarme de incêndio serão representados como objetos BACnet; dessa forma, serão visualizados, em um software supervisório, os eventos ocorridos. Essa interface deverá permitir conexão a um painel autônomo, com uma porta de rede disponível, ou a uma rede de painéis, via uma porta de rede, em qualquer cartão de comunicação de painéis em rede. Deverá monitorar até quinze painéis, com uma contagem combinada, máxima, de objetos (a contagem de objetos inclui todos os detectores, módulos de monitor, circuitos de equipamentos de notificação, etc., que se queira visualizar). Deverá aceitar programação através de um microcomputador PC, usando uma ferramenta específica de interface serial, com respectivos acessórios. Especificações:

14 ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA PROJETO: LE-833 FOLHA: 14/27 Deve ter conformidade com as normas: NFPA 72, UL864 (9ª edição) e BACnet para IP, Anexo J, objetos de dispositivo de suporte, objetos de saída binária, pontos/zonas de segurança de vidas e entradas multiestados. Prever alimentação: de 19 Vcc a 29 Vcc, Vcc. Poder operar na seguinte faixa de temperatura: de 0 a 49 ºC atender à NFPA (se possível controlar temperatura ambiente entre 15 e 27 ºC). Poder operar na seguinte umidade relativa máxima: 93% ± 2% (sem condensação) a 32 ºC ± 2 ºC. Deve haver supressor de surtos na rede IP, e possibilitar montagem interna em painel. Deverá ser listado UL 864 9ª edição. Referências: BACnet Gateway Honeywell ou equivalente. FONTE DE ALIMENTAÇÃO REMOTA As fontes de alimentação remotas (boosters) para os dispositivos de alarme deverão ser supervisionada pela Central de Detecção e Alarme de Incêndio, bem como apresentar os seguintes requerimentos mínimos: Tensão de operação: 220/127 VAC (FNT) - 60 Hz; Tensão de operação: 24 VDC; Corrente de operação: 6,5 ou 10 A; Carregador de baterias; Gabinete metálico com capacidade para abrigar as baterias; Monitoramento da carga das baterias; Saídas configuráveis para NAC (04 classe B ou 02 classe A) Baterias: 24 VDC 24 Ah; Supervisão de falhas com contato seco de saída para indicação na Central (deve ser previsto módulo monitor de alarme no laço de detecção); Certificado UL e FM. DETECTOR DE FUMAÇA Os detectores de fumaça tipo inteligente devem possuir as características mínimas abaixo: Detector tipo fotoelétrico; Microprocessado; Diagnóstico próprio; Memória não volátil;

15 ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA PROJETO: LE-833 FOLHA: 15/27 Histórico de manutenção; Compensação baseada nas características do ambiente; A base de montagem do Detector deverá possuir saída para conexão de LED indicador remoto; A base de montagem (com dispositivo próprio de isolamento de falhas para os pontos onde forem necessárias no laço de detecção); O conjunto base/detector deverá possuir proteção anti-roubo; Certificado UL e FM; Ajuste dos níveis de sensibilidade de alarme; O Detector deverá possuir dois LEDs para indicação do seu funcionamento: o Verde Normal; o Vermelho Alarme; DETECTOR DE FUMAÇA POR ASPIRAÇÃO O detector por aspiração é um dispositivo ativo. Ele aspira o ar do ambiente através de um pequeno exaustor conectado à rede dutos de PVC e/ou capilares flexíveis montados no ambiente monitorado. O ar aspirado passa por filtros que separam as impurezas da amostra. A amostra do ar é então levada para a câmara de análise do detector. Essa é uma câmara laser com auto limpeza das lentes. A detecção por Aspiração está sendo utilizada por sua alta sensibilidade e pela sua rápida resposta para proporcionar um alarme de detecção antecipando e geralmente substituindo um sistema de combate por gás inertes evitando riscos ao ambiente. Há que se considerar também a facilidade de manutenção em áreas fechadas, como em entre-forros, já que o filtro situa-se no equipamento, o qual é locado em uma sala próxima. Deve possuir uma rede constituída de dutos de PVC, colável ou rosqueável, distribuída conforme as premissas de projeto. A tubulação projetada é de ¾ de polegada mas deve ser reavaliada em função de possíveis adequações que possa sofrer durante a execução. Os furos para aspiração devem ser executados na forma e na quantidade especificadas pelo fabricante do equipamento. Os detectores de fumaça por aspiração tipo inteligente devem possuir as características mínimas abaixo:

16 ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA PROJETO: LE-833 FOLHA: 16/27 Detector de fumaça por aspiração, um ponto de entrada de ar, tecnologia laser, para área de até 250 m2, relés de saída de alarme - Detector de fumaça por aspiração, 04 pontos de entrada de ar identificáveis, tecnologia laser, para área de até 2000 m2, relés de saída de alarme. Os detectores de fumaça por aspiração deverão ser fornecidos com fonte de alimentação elétrica com características mínimas de potência e tensão necessárias para seu respectivo funcionamento. Características da fonte de alimentação do detector de aspiração: Voltagem: 24V DC Nominal (18-30 V DC) 24 VDC: 220 ma nominal, 295 ma em alarme. DETECTOR DE TEMPERATURA PONTUAL Os detectores de temperatura tipo inteligente devem possuir as características mínimas abaixo: Detector capaz de avaliar duas grandezas: temperatura fixa e variação de temperatura; Microprocessado; Diagnóstico próprio; Memória não volátil; Histórico de manutenção; Compensação baseada nas características do ambiente; A base de montagem do Detector deverá possuir saída para conexão de LED indicador remoto; A base de montagem; O conjunto base/detector deverá possuir proteção anti-roubo; Certificado UL e FM; Ajuste dos níveis de sensibilidade de alarme; Temperatura fixa de alarme: 57 C; Taxa de variação de alarme: acima de 9 C/min. O Detector deverá possuir dois LEDs para indicação do seu funcionamento: o Verde Normal; o Vermelho Alarme;

17 ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA PROJETO: LE-833 FOLHA: 17/27 DETECTOR DE TEMPERATURA LINEAR A detecção de temperatura linear trabalha com um cabo bimetálico distribuído pelo ambiente a ser monitorado ou fixado à estrutura que ser quer monitorar. Cada trecho de cabo é terminado em um módulo monitor do SDAI. A variação de temperatura ocasionada por um evento promoverá uma dilatação diferenciada nos condutores fazendo com que, naquele determinado ponto, ocorra o contato, que será interpretado pelo módulo monitor como o alarme de incêndio. Estes dispositivos deverão apresentar as seguintes características mínimas: Detector de temperatura (linear) com base endereçável. DETECTOR DE CHAMA Os Detectores de chama são pontuais, classificados pela visão do espectro de uma chama, que será analisada na sua evolução, podendo passar do ultravioleta (UV) para o visível e em seguida ao infravermelho (IR). Seu tempo de resposta não deverá ultrapassar os 5 (cinco) segundos. São indicados para trabalhar em áreas onde pode ocorrer a chama sem produção inicial de fumaça. Desta forma é útil em locais de armazenamento de líquidos inflamáveis. Deverão trabalhar com tecnologia UR-UV, e possuir características que minimizem os efeitos causados pela radiação da iluminação natural ou artificial. Estes dispositivos deverão apresentar as seguintes características mínimas: Detector de chama para radiação ultravioleta, saída de alarme a contato. DETECTOR GÁS Os Detectores de Gás são pontuais, classificados pelo tipo de gás a ser identificado. Sua localização também depende do tipo de gás monitorado, em função da densidade do mesmo. Estes dispositivos deverão apresentar as seguintes características mínimas: Detector de gases explosivos (GN ou GLP), saída de alarme a contato. DETECTOR MULTISENSOR Os detectores Multisensores tipo inteligente devem possuir as características mínimas abaixo:

18 ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA PROJETO: LE-833 FOLHA: 18/27 Detector com três tecnologias, com sensores que analisam separadamente: temperatura fixa, fotoelétrico de fumaça e iônico de fumaça; Microprocessado; Diagnóstico próprio; Memória não volátil; Histórico de manutenção; Compensação baseada nas características do ambiente; A base de montagem do Detector deverá possuir saída para conexão de LED indicador remoto; A base de montagem; O conjunto base/detector deverá possuir proteção anti-roubo; Certificado UL e FM; Ajuste dos níveis de sensibilidade de alarme; O Detector deverá possuir dois LEDs para indicação do seu funcionamento: o Verde Normal; o Vermelho Alarme; DETECTOR PARA DUTO Os detectores para duto devem possuir as características mínimas abaixo e serem do tipo Multisensor: Construção própria para instalação de detector fotoelétrico inteligente; Tubos de amostragem e descarga; Relé auxiliar; Saída para LED indicador remoto; LEDs indicadores de alimentação e alarme; Filtros de pó facilmente removíveis; Certificado UL e FM; ACIONADOR MANUAL DE ALARME Dispositivos que permitem aos ocupantes gerar um alarme através da observação de um incêndio. Serão instalados:

19 ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA PROJETO: LE-833 FOLHA: 19/27 - Preferencialmente próximos aos hidrantes; - Próximas às saídas das áreas com concentração de pessoas. O Sistema deverá possuir acionadores manuais de alarme endereçáveis, ligados ao laço, com as seguintes características mínimas: Endereçamento automático, igual ao dos detectores; O acionamento deverá ser do tipo dupla ação levante e puxe ; O dispositivo deverá possuir microprocessador integrado; Certificado UL e FM; O Detector deverá possuir LED para indicação do seu funcionamento: o Verde Normal; o Vermelho Alarme; Referências: Honeywell ou equivalente. AVISADORES VISUAIS Dispositivos que dão uma indicação visual com intensidade de luz suficiente, compatível com o ambiente instalado, durante um Alarme de Incêndio e/ou processo de abandono. Serão instalados: - Nas salas de máquinas dos equipamentos de ar-condicionado; - Áreas de circulação. Estes dispositivos deverão apresentar as seguintes características mínimas: Avisador visual com lâmpada estroboscópica, potência selecionável de 15 a 110 cd. ALARME SONORO VISUAL Os dispositivos de alarme sonoro e visual deverão ser convencionais e ligados ao Sistema através de módulos de comando. Estes dispositivos deverão apresentar as seguintes características mínimas: Tensão de operação: 20 a 31 VDC; Construção em plástico vermelho; Entradas distintas que permitam acionamento não simultâneo do alarme sonoro e visual;

20 ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA PROJETO: LE-833 FOLHA: 20/27 Ajuste de potência visual 15/74 Cd; Ajuste do som: 2 níveis (high e low); Nível sonoro: 94dB em low; Certificado UL e FM. MÓDULO MONITOR Os módulos monitores deverão ser endereçáveis e deverão supervisionar dispositivos tais como chaves de fluxo, status de bombas, ou seja, contatos secos em geral, como previsto em projeto, definindo os endereços dos dispositivos aos quais estão ligados. Características mínimas: Endereçamento automático, igual ao dos detectores inteligentes; Memória não volátil; Delay programável para supervisão de chaves de fluxo; O dispositivo deverá possuir 1 entrada para contato seco supervisionado; No caso de módulos que possuam tanto entrada quanto saída, as mesmas deverão ser independentes e a sua utilização deverá ser definida pelo usuário; Os módulos deverão possuir detecção de falta à terra; Certificado UL e FM. O módulo deverá possuir LED para indicação do seu funcionamento: o Verde Normal; o Vermelho Alarme; o MÓDULO DE RELÉ O Sistema deverá possuir módulos externos endereçáveis, interligados ao laço inteligente, que permitam o comando de dispositivos tais como exaustão, ventilação, dampers corta-fogo, outros necessários. Estes módulos deverão apresentar as seguintes características mínimas: Endereçamento automático, igual ao dos detectores inteligentes; Memória não volátil; Contato seco de saída reversível (0,5 A V) Os módulos deverão possuir detecção de falta à terra; Certificado UL e FM. O módulo deverá possuir LED para indicação do seu funcionamento:

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Definição da Norma NBR 9441/98 Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

CHANDER FIRE DO BRASIL. equipamentos de segurança

CHANDER FIRE DO BRASIL. equipamentos de segurança CHANDER FIRE DO BRASIL equipamentos de segurança www.chanderfiredobrasil.com.br SISTEMA ENDEREÇÁVEL CENTRAL ENDEREÇÁVEL DE 250 ENDEREÇOS Especificações Técnicas: - Alimentação primária: 110V ou 220V AC

Leia mais

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006 SOLUTION Painel Convencional de Alarme de Incêndio TABELA DE CONTEÚDO Capitulo 1: Descrição do Produto... 2 1.1: Características...2 1.2: Especificações...2 Capitulo 2: Lógica de Detecção e Alarme de Incêndios...

Leia mais

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO. Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO. Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos ANEXO I PROJETO EXECUTIVO Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos Ass: Escopo para Contratação de Empresa Qualificada. Tipo da contratação: Obra de Engenharia.

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA DE CAÇADOR - SC MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA DE CAÇADOR - SC MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA DE CAÇADOR - SC MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: SDAI Modelo: 3.000 m2 SETEMBRO 2011 SUMARIO 1. GENERALIDADES... 03 2. DOCUMENTOS APLICAVEIS... 05 3.

Leia mais

CHANDER FIRE DO BRASIL. Equipamentos de Segurança

CHANDER FIRE DO BRASIL. Equipamentos de Segurança CHANDER FIRE DO BRASIL Equipamentos de Segurança SISTEMA ENDEREÇÁVEL: Central Endereçável Especificações Técnicas: - CENTRAL ENDEREÇÁVEL DE 250 ENDEREÇOS - Alimentação primária: 110V ou 220V AC - 60Hz

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO DX Connexion Página 1 1 DEFINIÇÕES Esse documento tem por objetivo estabelecer as especificações técnicas, condições, padrões e critérios

Leia mais

Sistemas de Detecção e Alarme Detector de Fumaça de Alta Sensibilidade (HSSD)

Sistemas de Detecção e Alarme Detector de Fumaça de Alta Sensibilidade (HSSD) Sistemas de Detecção e Alarme Detector de Fumaça de Alta Sensibilidade (HSSD) Detector AnaLASER II com Display Opcional Detector AnaLASER II Características Detector de Fumaça por Amostragem de Ar para

Leia mais

CONTROLADOR CONDAR MP3000.

CONTROLADOR CONDAR MP3000. CONTROLADOR CONDAR MP3000. O equipamento CONDAR MP3000 é um Controlador Eletrônico Microprocessado desenvolvido especificamente para automação de até três Condicionadores de Ar instalados em um mesmo ambiente

Leia mais

Manual do usuário. Central de alarme de incêndio Slim

Manual do usuário. Central de alarme de incêndio Slim Manual do usuário Central de alarme de incêndio Slim Central de alarme de incêndio Slim Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul. Este manual é válido apenas para

Leia mais

GRUPO NOVO BRASIL LINHA DE PRODUTOS 01/2002-REV.00

GRUPO NOVO BRASIL LINHA DE PRODUTOS 01/2002-REV.00 UNID ABRIGOS PARA HIDRANTES E MANGUEIRAS DE INCENDIO Medidas Padrão: Caixa de embutir com moldura removível: 50 x 70 x 25 (cm); Predial / Industrial 75 x 45 x 17 (cm);. Predial / Industrial Caixa externa

Leia mais

Painel de Controle Linha DXc

Painel de Controle Linha DXc Painel de Controle Linha DXc Sistema Endereçável Analógico DX Connexion- 2 ou 4 Laços O painel Morley-IASDX Connexionfoi concebido para ser usado na proteção de projetos da área de construção civil, associando

Leia mais

Sistema de Alarme de Incêndio Endereçável

Sistema de Alarme de Incêndio Endereçável Sistema de Alarme de Incêndio Endereçável Certificação EN54-2/4 Até 4 laços 250 endereços por laço 40 símbolos para identificar dispositivos 96 zonas- cada zona com 40 símbolos para identificar dispositivos

Leia mais

Sistemas de Detecção e Alarme Central de Alarme Multi-Loop

Sistemas de Detecção e Alarme Central de Alarme Multi-Loop Sistemas de Detecção e Alarme Central de Alarme Multi-Loop Características Gerais Painel Inteligente de Detecção, Alarme e Supressão Lógica de Inteligência Distribuída Interligação de até 255 Dispositivos

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO CENTRAIS DE ALARMES O presente memorial tem por objetivo descrever as instalações do sistema de proteção

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO A EQUIPEL assegura ao proprietário deste aparelho garantia de 01 ano contra qualquer defeito de peça ou de fabricação desde que,

Leia mais

Simples. V-Series Sistemas Inteligentes de Segurança V I G I L A N T B R A N D F I R E & L I F E S A F E T Y F R O M E D W A R D S.

Simples. V-Series Sistemas Inteligentes de Segurança V I G I L A N T B R A N D F I R E & L I F E S A F E T Y F R O M E D W A R D S. Simples. V-Series Sistemas Inteligentes de Segurança S e e V I G I L A N T B R A N D F I R E & L I F E S A F E T Y F R O M E D W A R D S w h a t ' s p o s s i b l e n o w... Simplicidade e Elegância Configuração

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final)

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) 1 - INTRODUÇÃO: CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) Trata-se de uma sistema de alarme de incêndio para utilização onde há somente acionadores manuais e sirenes convencionais, não

Leia mais

CAE 80. Manual de Instruções. Revisão 4

CAE 80. Manual de Instruções. Revisão 4 CAE 80 Manual de Instruções Revisão 4 1. INTRODUÇÃO. Parabéns pela aquisição da central endereçável da ILUMAC, modelo CAE80, este equipamento será uma excelente ferramenta na proteção e prevenção contra

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Fumaça Óptico Endereçável 04 Níveis de Detecção Com Módulo Isolador - Código: AFS130IS. (Uso Conjunto às Centrais de Alarme da Série IRIS). O detector de fumaça código AFS130IS é um

Leia mais

Catálogo Telecom. information technology solutions

Catálogo Telecom. information technology solutions Catálogo Telecom information technology solutions information technology solutions information technology solutions Catálogo de Produtos Flexibilidade, confiabilidade e segurança na detecção de incêndios.

Leia mais

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E SIGMA Sistema Integrado de Combate a Incêndio CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E CABO BLINDADO (SHIELD) 4 VIAS 2X2,50 MM + 2X0,75 MM IHM Possibilidade de até 95 loops. LOOP LOOP LOOP CABO

Leia mais

Safira l-125. Manual do usuário

Safira l-125. Manual do usuário Safira l-125 Manual do usuário ÍNDICE Capitulo 1: Descrição do Produto... 3 1.1 Características... 4 1.2 Especificações... 5 1.3 Controles e Indicadores... 6 1.4 Componentes... 8 Capitulo 2: Instalação

Leia mais

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas CLIMATIZAÇÃO O exemplo apresentado aqui controla um sistema que envolve bombas, torres, chillers e fan-coils para climatização ambiente para conforto térmico. Pode-se montar controles para sistemas dos

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

Características. São Paulo: (11) 4063-5544 Campinas: (19) 4062-9211 Campo Grande: (67) 4062-7122 Cuiabá: (65) 4052-9722. MPEBrasil

Características. São Paulo: (11) 4063-5544 Campinas: (19) 4062-9211 Campo Grande: (67) 4062-7122 Cuiabá: (65) 4052-9722. MPEBrasil Características - Único com este conceito no mercado e com preços atraentes; Iluminação frontal, com chave liga/desliga, em quatro opções de cores (azul, verde, vermelho e amarelo); - Possui sistema de

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais: 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais (opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais: 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais (opcional); Características Possui estrutura com design moderno e LEDs que indicam a confirmação de registros; Os dados são gravados em um cartucho USB. Este modo de gravação oferece total proteção contra a perda

Leia mais

S i s t e m a s d e E n e r g i a

S i s t e m a s d e E n e r g i a S i s t e m a s d e E n e r g i a c a t á l o g o d e p r o d u t o s 2 0 1 0 A Analo oferece soluções completas, software e equipamentos para: Supervisão Telemedição Comunicação de dados Supervisão A

Leia mais

Aplicações: Em sistemas de prevenção de incêndio. Dispositivo destinado a transmitir sinais sonoros e sinais visuais.

Aplicações: Em sistemas de prevenção de incêndio. Dispositivo destinado a transmitir sinais sonoros e sinais visuais. SIRENE Aplicações: Dispositivo destinado a transmitir sinais sonoros e sinais visuais. SIRENE AUDIOVISUAL modelo: SRL-01 SIRENE AUDIOVISUAL modelo:srp-01 / SRV-01 Acionadores: Acionado automáticamente

Leia mais

2.5. Placas eletrônicas da central

2.5. Placas eletrônicas da central 2.5. Placas eletrônicas da central Placa eletrônica de laço Piezo Placa de laço Na placa eletrônica de laço podem ser ligados quatro laços de detecção, compostos por detectores de fumaça, detectores termovelocimétricos

Leia mais

DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO

DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO O analisador de CO para baixas concentrações (ppm - partes por milhão) no ar ambiente é um instrumento de alta sensibilidade, usado para monitorar

Leia mais

AUTOMAÇÃO PREDIAL INTRODUÇÃO

AUTOMAÇÃO PREDIAL INTRODUÇÃO AUTOMAÇÃO PREDIAL 1 INTRODUÇÃO A evolução da computação e dos sistemas digitais tem viabilizados aplicações, que se tornam presentes no cotidiano das pessoas, sendo hoje referenciais de conforto e praticidade

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais opcional); Características Possui estrutura com design moderno e LEDs que indicam a confirmação de registros; Exclusivo sistema de hibernação quando o equipamento encontra-se sem energia vinda da rede elétrica, o

Leia mais

PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO

PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO O que mudou em relação à antiga NBR? Por que o empresário e o síndico tem que estar atentos a essa nova NBR? Quais os riscos que os tomadores de decisão estão

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Gás Multigás (GLP / GN / Gás de Carvão / Álcool) + Módulo Endereçável Código: AFDG2-E O Detector de Gás, código AFDG2 é um equipamento que deve ser instalado na parede de cozinhas,

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Gás Multigás (GLP / GN / Gás de Carvão / Álcool) Com Saída Relé NA / NF Código: AFDG2 O Detector de Gás, código AFDG2 é um equipamento que deve ser instalado na parede de cozinhas,

Leia mais

Manual de Instruções Central de Alarme de Incêndio Convencional.

Manual de Instruções Central de Alarme de Incêndio Convencional. Manual de Instruções Central de Alarme de Incêndio Convencional. ICS 24 INTRODUÇÃO. Parabéns pela aquisição da central convencional digital da ILUMAC, modelo ICS 24, este equipamento será uma excelente

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PARA INSTALAÇÕES DE ALARME

ESPECIFICAÇÕES PARA INSTALAÇÕES DE ALARME ESPECIFICAÇÕES PARA INSTALAÇÕES DE ALARME ESPECIFICAÇÕES PARA INSTALAÇÕES DE ALARME - ARQUIVO 828 -M-AL1.doc Pagina 1 1. GENERALIDADES - Os serviços obedecerão as presentes especificações, a relação de

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Detector / Sensor de Fumaça Autônomo Rede AC e Bateria - Com Saída Rele NA/NF - Código: AFDFAR. O detector de Fumaça código AFDFAR é um equipamento que deve ser instalado no teto ou na parede das edificações

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO Página 1 de 27 1 INTRODUÇÃO Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais Esta Especificação Técnica abrange todos os equipamentos e materiais

Leia mais

SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK

SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK ONLINE DUPLA CONVERSÃO 3,2 a 20 kva INDICADO PARA CARGAS CRÍTICAS Expansão de autonomia Bivolt, Monovolt 220V e Tri-Mono zero 8 proteções para a carga contra problemas da

Leia mais

Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio

Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Com experiência de 20 anos no mercado de instrumentação e um amplo portfólio de produtos e serviços, a Contech lança linha de proteção contra incêndio. Um fornecedor completo para atender as necessidades

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Chama Convencional Tipo Ultravioleta Código: AFC9104. O detector de chama AFC9104 é um equipamento que deve ser instalado no teto ou na parede das edificações e tem como função enviar

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Central de Detecção e Alarme Contra Incêndio V260 Imagem Central V260 36 Laços Manual de Instalação Leia atentamente o manual antes do manuseio do equipamento ÍNDICE 1 COMANDOS E SINALIZAÇÕES DA CENTRAL

Leia mais

SINUS DOUBLE II BLACK

SINUS DOUBLE II BLACK SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK ONLINE DUPLA CONVERSÃO 3,2 a 20 kva INDICADO PARA CARGAS CRÍTICAS Expansão de autonomia Bivolt, Monovolt 220V e Tri-Mono zero 8 proteções para a carga contra problemas da

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 42BEspecificação Técnica LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 3 / 6 / 8 / 10 / 12 / 15 / 20 kva 38BEngetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: Hwww.engetron.com.br

Leia mais

FC721 Central de detecção de incêndio

FC721 Central de detecção de incêndio FC72 Central de detecção de incêndio Série FS720 (MP3.0) Cerberus PRO Central compacta de detecção de incêndio, prefabricada, controlada por microprocessador para a conexão de até 26 endereços A central

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Mini Sirene Eletrônica Audiovisual Um Toque Iluminação a LED - Para Pequenas e Médias Áreas - Código: AFMSF A sirene audiovisual de alarme código AFMSF é um equipamento que deve ser instalado no teto ou

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03 1 Introdução: Os indicadores possuem uma entrada analógica configurável por software, que permite a conexão de diverstos tipos de sensores de temperatura e outras grandezas elétricas sem a necessidade

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 (opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 (opcional); Características Fabricada em aço-carbono, com pintura em epóxi preto; Tratamento anticorrosivo; Acabamento em aço inox; Fechadura para acesso aos componentes eletrônicos; Iluminação frontal, com chave

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

SISTEMAS INTELIGENTES DE CONTROLE DE ALARME DE INCÊNDIO

SISTEMAS INTELIGENTES DE CONTROLE DE ALARME DE INCÊNDIO SISTEMAS INTELIGENTES DE CONTROLE DE ALARME DE INCÊNDIO NÃO É SEU PAINEL PADRÃO DE ALARME DE INCÊNDIO FLEXIBILIDADE, VELOCIDADE, INTELIGÊNCIA - CyberCat - O sistema digital de comunicação bi-direcional

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA E ROTA DE FUGA SEDE DA FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA E ROTA DE FUGA SEDE DA FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA E ROTA DE FUGA SEDE DA FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO.... 2- DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS A SEREM EXECUTADOS...

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964 1 CENTRALNGSG101.DOC CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101 Manual de Instalação e de Operação INDICE 1. Generalidades 2. Especificações técnicas 3. Estrutura e configuração 3.1 Aspecto exterior

Leia mais

ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 054/2014. Termo de Referencia

ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 054/2014. Termo de Referencia ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 054/2014 Termo de Referencia 1. OBJETO Aquisição de equipamentos de sistema de segurança (circuito fechado DVR), sendo DVR, Câmeras e Fontes 2. Descrição Quantidade Equipamento

Leia mais

Micro Controladores Programáveis

Micro Controladores Programáveis Micro Controladores Programáveis Transformando energia em soluções Compacto, fácil de programar e com excelente custo benefício, o ganha mais recursos de software e hardware, podendo assim atender a uma

Leia mais

Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V. Central. Fonte de Alimentação. 1. Apresentação 1/12

Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V. Central. Fonte de Alimentação. 1. Apresentação 1/12 Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V 1. Apresentação Parabéns, você acaba de adquirir mais um produto desenvolvido pela CS Comunicação e Segurança: Central de Alarme de Incêndio

Leia mais

TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA

TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA 3. CARACTERÍSTICAS 3.1 Central de alarme microprocessada com 4 setores expansível para 8 ou 12 setores; 3.2 Acompanha dois transmissores (mod. TSN); 3.3 Acionamento

Leia mais

RETIFICADOR INDUSTRIAL TRIFÁSICO RIT-MP

RETIFICADOR INDUSTRIAL TRIFÁSICO RIT-MP RETIFICADOR INDUSTRIAL TRIFÁSICO RIT-MP Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento Rua da Várzea 379 CEP 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469 engenharia@cp.com.br 1.

Leia mais

PRODUTOS SERIADOS. ME30 infobox

PRODUTOS SERIADOS. ME30 infobox PRODUTOS SERIADOS ME30 infobox SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE SINAIS Adquirir, processar e visualizar de 8 a 40 alarmes ou indicadores de estado Funções de alarme configuráveis Anunciadores com possibilidade

Leia mais

Controller. D e s c r i ç ã o G e r a l. C a r a c t e r í s t i c a s e B e n e f í c i o s

Controller. D e s c r i ç ã o G e r a l. C a r a c t e r í s t i c a s e B e n e f í c i o s Controller Vibraswitch Monitor Eletrônico VIBRASWITCH 563A D e s c r i ç ã o G e r a l O modelo Robertshaw 563A Vibraswitch Monitor Eletrônico é um microprocessador de sistema de controle baseado em supervisão

Leia mais

Detetores Analógicos

Detetores Analógicos Detetores Analógicos Certificado de qualidade Nº. 010 ISO 9001 Integridade do sistema confirmada Continuamente para operação segura Pré-alarme e verificação de níveis de alarme ajuda a reduzir falsos alarmes

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Acionador Manual de Alarme de Incêndio Convencional Á Prova de Tempo (IP67) Resetável Código: AFMCPEIP67. O acionador manual de alarme de incêndio AFMCPEIP67 é um equipamento que deve ser instalado na

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA CATÁLOGO DE PRODUTOS Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA 2 Deltafire Ltda. R. Pinheiro Machado, 3271 Caxias do Sul, RS Tel. 54 3204-4000 CEP 95020-172 www.deltafire.com.br Central

Leia mais

Relógio de Ponto Hexa - HENRY

Relógio de Ponto Hexa - HENRY Relógio de Ponto Hexa - HENRY Visão Geral Equipamento Homologado pelo Ministério do Trabalho e Certificado pelo Inmetro. Trabalha com vários tipos de comunicação, tornando-se um equipamento moldável e

Leia mais

BLOCKGAS. Sistema de Monitoração e Alarme de vazamento de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás SB330.

BLOCKGAS. Sistema de Monitoração e Alarme de vazamento de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás. É composto por um circuito inteligente (microcontrolado) que recebe o sinal gerado por um sensor eletrônico de gás, processa sua calibração

Leia mais

XC10 Painéis de controle para extinção de incêndio

XC10 Painéis de controle para extinção de incêndio XC10 Painéis de controle para extinção de incêndio Market package 2.1 Painéis de controle avançados para a detecção, alarme assim como ativação do processo de extinção de incêndio. Painel de controle para

Leia mais

Acabamento em aço inox (Tampa superior embutida, proporcionando um melhor acabamento);

Acabamento em aço inox (Tampa superior embutida, proporcionando um melhor acabamento); Características Fabricada em aço-carbono com pintura em epóxi preto; Tratamento anti-corrosivo; Acabamento em aço inox (Tampa superior embutida, proporcionando um melhor acabamento); Fechadura para acesso

Leia mais

FPA-1000 Painéis de Incêndio Endereçáveis Analógicos

FPA-1000 Painéis de Incêndio Endereçáveis Analógicos Sistemas de Alarmes de Incêndio FPA-000 Painéis de Incêndio Endereçáveis Analógicos FPA-000 Painéis de Incêndio Endereçáveis Analógicos www.bosch-sul.com.br u Suporte de até 508 pontos em dois loops endereçáveis

Leia mais

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FP4-4 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FP4-4 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC Modelo FP4-4 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO Introdução A FP4 é uma Central de Detecção de Incêndio Convencional, equipada com 4 zonas de detecção,

Leia mais

C3-200 Placa para Controle de Acesso

C3-200 Placa para Controle de Acesso C3-200 Placa para Controle de Acesso Manual de Referência e Instalação Apresentação Obrigado por adquirir um produto de qualidade CS Comunicação e Segurança. Conheça a nova placa para Controle de Acesso

Leia mais

100% electricidade. Relés de controle automático para grupo gerador

100% electricidade. Relés de controle automático para grupo gerador 100% electricidade Relés de controle automático para grupo gerador RGAM 10 Relé controle automático para g l Entradas VCA : concessionária L1-L2/N-L3, gerador L1-L2/N l 4 entradas digitais, 5 relés saída.

Leia mais

Características. Hexa Controle de ponto

Características. Hexa Controle de ponto Características Os modelos são: o HEXA A - BIOMETRIA/CÓDIGO DE BARRAS/PROXIMIDADE/MIFARE o HEXA B - BIOMETRIA/PROXIMIDADE o HEXA C - BIOMETRIA/CÓDIGO DE BARRAS o HEXA D - BIOMETRIA/MIFARE o HEXA E - CÓDIGO

Leia mais

Rev. Descrição Data Autor Coordenador Gerente. Área dosítio. Especialidade /Subespecialidade GERAL. Tipo/Especificação do documento.

Rev. Descrição Data Autor Coordenador Gerente. Área dosítio. Especialidade /Subespecialidade GERAL. Tipo/Especificação do documento. Rev. Descrição Data Autor Coordenador Gerente Especialidades Revisores do Documento CREA UF Assinatura 1-ELETRÔNICA RODRIGO ARAÚJO DE PAULA 118274/D MG Sítio AEROPORTO CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE- SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

Nobreak. 3,2 a 20 kva PERFIL PROTEÇÕES. senoidal on-line - dupla convers o

Nobreak. 3,2 a 20 kva PERFIL PROTEÇÕES. senoidal on-line - dupla convers o Nobreak senoidal on-line - dupla convers o modelos isolados e n o isolados com PFC opcional 3,2 a 20 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas PERFIL O nobreak inteligente

Leia mais

Sistemas de Proteção contra Incêndio em Sites de Telecom

Sistemas de Proteção contra Incêndio em Sites de Telecom Sistemas de Proteção contra Incêndio em Sites de Telecom Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Sistemas de Proteção contra Incêndio em Sites de Telecom. (Versão revista do tutorial original

Leia mais

Watchdog TM Elite Monitor de Risco para Elevadores de Caçamba e Transportadores de Correia

Watchdog TM Elite Monitor de Risco para Elevadores de Caçamba e Transportadores de Correia Watchdog TM Elite Monitor de Risco para Elevadores de Caçamba e Transportadores de Correia APLICAÇÃO Monitor combinado para alinhamento de correia, velocidade da correia, temperatura de rolamento contínua,

Leia mais

OH720, OP720, HI720, HI722

OH720, OP720, HI720, HI722 OH720, OP720, HI720, HI722 Cerberus PRO Detectores de incêndio automáticos Para o barramento endereçável automático de detector C-NET yo detector de fumaça ideal para todas as aplicações yprocessamento

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL Módulos para automação Características gerais - Processamento independente - Possui alerta sonoro e luminoso de falta de conexão - Não precisa ser configurado (Plug and

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO CENTRAL INTELBRÁS

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO CENTRAL INTELBRÁS Especificações técnicas GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO CENTRAL INTELBRÁS Características Alimentação AC 90 a 265 V Suporte a 2 chips (cartões SIM) de celular (somente AMT 2018 EG). Alimentação DC Bateria de

Leia mais

Guia de Seleção Rápida Periféricos dos sistemas de alarme de incêndio LSN

Guia de Seleção Rápida Periféricos dos sistemas de alarme de incêndio LSN Rede de Segurança Local Caracte- rística Cablagem de ligação fácil Capacidade de configuração automática (modo de auto-aprendizagem) Programação de todas as configurações do dispositivo a partir do painel

Leia mais

manual DE OPERAÇÃO SISTEMA DE ALARME DE INCÊNDIO ENDEREÇAVEL SOLARA125

manual DE OPERAÇÃO SISTEMA DE ALARME DE INCÊNDIO ENDEREÇAVEL SOLARA125 manual DE OPERAÇÃO SISTEMA DE ALARME DE INCÊNDIO ENDEREÇAVEL SOLARA125 INDICE 1 COMANDOS E SINALIZAÇÕES DA CENTRAL... 3 1.1 DISPOSITIVOS DE INDICAÇÃO... 4 1.2 NIVEIS DE ACESSO AO TECLADO... 5 1.3 TECLAS

Leia mais

MODELAGEM DE UM SISTEMA DE DETECÇÃO, ALARME E COMBATE A INCÊNDIO ATRAVÉS DE REDES DE PETRI

MODELAGEM DE UM SISTEMA DE DETECÇÃO, ALARME E COMBATE A INCÊNDIO ATRAVÉS DE REDES DE PETRI MODELAGEM DE UM SISTEMA DE DETECÇÃO, ALARME E COMBATE A INCÊNDIO ATRAVÉS DE REDES DE PETRI Angelo Rocha de Oliveira (CEFET ) angelorochaoliveira@yahoo.com.br Daniel Pinheiro Teixeira (CEFET ) daniell.pinheiro.eng@gmail.com

Leia mais

SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 6KVA - 10KVA -15KVA -20KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS

SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 6KVA - 10KVA -15KVA -20KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 6KVA - 10KVA -15KVA -20KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS HDS SISTEMAS DE ENERGIA ANTECIPANDO SOLUÇÕES, GERANDO RESULTADOS A HDS

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

CAE-R. Manual de Instruções. Revisão 2

CAE-R. Manual de Instruções. Revisão 2 CAE-R Manual de Instruções Revisão 2 1. INTRODUÇÃO. Parabéns pela aquisição da central endereçável da ILUMAC, linha CAE-R, este equipamento será uma excelente ferramenta na proteção e prevenção contra

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 16 MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Microeletrônica equipamentos microprocessados necessidade

Leia mais

Máx Unid Padrão. Mín 1 / 0.1 0/0 0/0 0/0 0/0 100 / 6.9 100 / 6.9 100 / 6.9 999 150.0 / 302 5.0/9 2 -50.0 / -58 0.1/1 1 / 0.

Máx Unid Padrão. Mín 1 / 0.1 0/0 0/0 0/0 0/0 100 / 6.9 100 / 6.9 100 / 6.9 999 150.0 / 302 5.0/9 2 -50.0 / -58 0.1/1 1 / 0. PCT6 plus CONTROLADOR DIGITAL DE PRESSÃO PARA CENTRAIS DE REFRIGERAÇÃO Ver. PCT6VT74. DESCRIÇÃO O PCT6 plus é um controlador de pressão para ser utilizado em centrais de refrigeração que necessitem de

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

O equipamento está homologado de acordo com a Portaria nº 1.510/2009 MTE, disponível em 7 modelos:

O equipamento está homologado de acordo com a Portaria nº 1.510/2009 MTE, disponível em 7 modelos: Características O equipamento está homologado de acordo com a Portaria nº 1.510/2009 MTE, disponível em 7 modelos: --Prisma E - Display alfa numérico (biometria + código de barras); --Prisma F - Display

Leia mais

NO-BREAK ON LINE SENOIDAL COM CONTROLE DIGITAL POR DSP

NO-BREAK ON LINE SENOIDAL COM CONTROLE DIGITAL POR DSP NO-BREAK ON LINE SENOIDAL COM CONTROLE DIGITAL POR DSP ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Modelos: MPS 10.000 DC TT, MPS15.000 DC Tti e MPS20.000DC Potência: 10 KVA, 15 KVA e 20 KVA respectivamente. 1. Características

Leia mais

CONTROLADOR DE TEMPERATURA TRES-S TS MANUAL DE INSTRUÇÕES TS01-TS03-TS05-TS08-TS12

CONTROLADOR DE TEMPERATURA TRES-S TS MANUAL DE INSTRUÇÕES TS01-TS03-TS05-TS08-TS12 CONTROLADOR DE TEMPERATURA TRES-S TS MANUAL DE INSTRUÇÕES TS01-TS03-TS05-TS08-TS12 INSTALAÇÃO DO CONTROLADOR DE TEMPERATURA Atenção: A Montagem e manutenção devem ser realizadas apenas por profissionais

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 012/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ALARME E DETECÇÃO DE INCÊNDIO

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 012/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ALARME E DETECÇÃO DE INCÊNDIO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 012/DAT/CBMSC)

Leia mais

RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA. Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios

RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA. Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios RASTREAMENTO VEICULAR SEGURANÇA & LOGÍSTICA Funcionalidade Gerenciamento Equipamentos Comunicação Benefícios Soluções ICS A ICS desenvolve soluções que utilizam hardware com tecnologia de ponta. Os softwares

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO. Central de Alarme de Incêndio WALMONOF CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO CONVENCIONAL STANDARD MICROPROCESSADA MODELOS

MANUAL DO PRODUTO. Central de Alarme de Incêndio WALMONOF CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO CONVENCIONAL STANDARD MICROPROCESSADA MODELOS Central de Alarme de Incêndio WALMONOF CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO CONVENCIONAL STANDARD MICROPROCESSADA MODELOS CMALCD 16/24 B 1 ÍNDICE FICHA TÉCNICA 3 FUNÇÕES DA PLACA 4 INSTALAÇÃO DA CENTRAL 5 ESQUEMA

Leia mais

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância Monitoramento de Transformadores de Potência Gerenciamento de Dados para o Monitoramento e Avaliação da Condição Operativa de Transformadores Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Leia mais

2Y Indústria Eletrônica Ltda.

2Y Indústria Eletrônica Ltda. SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO Orientações para Projetos e Instalações Conteúdo Sistemas de detecção e alarme de incêndio...3 Projeto do Sistema...3 Primeiro estágio: Definição...3 Segundo estágio:

Leia mais