O valor das empresas e o consumo das empresas brasileiras

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O valor das empresas e o consumo das empresas brasileiras"

Transcrição

1

2 Tópicos A queda dos preços dos produtos Concorrência e competitividade A Exploração do Mercado Brasileiro A chegada das empresas eficientes e seus impactos Valor agregado e diferencial O valor das empresas e o consumo das empresas brasileiras

3 A queda dos preços dos produtos Nos últimos cinco anos o preço médio dos produtos vêm consistentemente diminuindo. O ticket médio por cirurgia diminuiu algo em torno de 25 a 40%. (fonte: GlobalData/Mercado) Obrigando as empresas a trabalhar muito mais para manter ou aumentar o nível de faturamento. Custo Fixo Custo Variável Margem de Contribuição Considerando, inflação, variações cambiais a volta do PIS e COFINS, podemos estimar um impacto real de 38 a 56% à capacidade de faturamento das empresas do ramo.

4 A queda dos preços dos produtos Motivos: Mudanças no cenário econômico; Convênios; Concorrência e Competitividade. Mudanças no cenário econômico: Queda do Juro; Mercado de Capitais; Bolsa; Câmbio; Índices; Fundos; etc. Tudo isso gerou a busca por novas formas de investimento, proteção e remuneração do capital, com o objetivo claro de se obter melhores lucros. Fundos de Asset ou fundos de ativos.

5 A queda dos preços dos produtos Mudanças no cenário econômico Podemos observar isso de maneira clara no: Mercado de imóveis; Mercado de crédito; Mercado de ações antes da crise global; etc. Voltando ao nosso ponto de interesse isso aconteceu e está acontecendo no mercado dos convênios, tendo seu grande início no final de Os convênios passaram por um grande processo de fusões e aquisições. Financiados por fundos e grupos investidores, interessados em proteger e remunerar capital.

6 A queda dos preços dos produtos

7 A queda dos preços dos produtos Convênios Viabilização de margens. Impacto direto nos preços dos produtos. Taxa de administração dos hospitais. Comprometimento com metas impostas pelos novos acionistas. Implementação de novas estratégias e modelos de negócio, que determinem o sucesso das metas de orçamento e resultados pretendidos. Aquisições Aumentar a carteira de clientes e diminuir a concorrência. Organização O próprio processo de fusão e aquisição impõe esta mudança organizacional.

8 A queda dos preços dos produtos Convênios Governança Corporativa IBGC Profissionalização Planejamento Estratégico Indicadores de Desempenho Metas e Objetivos Sistemas de Gestão da Qualidade Compliance Meritocracia Inteligência Análise da Cadeia de Suprimentos MRP-II Atingimento das Metas

9 A queda dos preços dos produtos Convênios Há uma pressão muito grande da parte dos convênios em viabilizar suas margens e metas. Este movimento de diminuição dos preços advém da capacidade de pagamento dos convênios, que se organizaram e se organizam no sentido de buscar a eficiência e a eficácia do capital que está sendo empregado na manutenção do seu dia-a-dia. Esta capacidade de pagamento vêm de estratégias das mais variadas inclusive fusões, aquisições, propostas de exclusividade, organização e otimização de recursos, MRPII, etc. Como possuem uma carteira muito grande podem determinar os preços dos produtos. Os convênios passaram a estudar suas demandas de forma inteligente e começaram a determinar os preços das coisas que realmente impactavam seus resultados(lucratividade). - MRPII

10 A queda dos preços dos produtos Convênios A maioria dos distribuidores, pelo costume e mal uso da informação cederam e cederam cada vez mais, pensando em não perder faturamento, consumindo assim cada vez mais a margem de contribuição outrora existente no mercado. Resumindo o $$ começou a sumir do caixa. O pior é que os convênios passaram a notar que existia uma gordura muito grande nos preços e passaram a atacar cada vez mais os distribuidores. Que competindo entre si por faturamento acabaram destruindo grande parte do processo de geração de receita que existia no mercado. Dai o certo desânimo que pode ser observado no mercado. Aqui já estamos falando de concorrência e competitividade.

11 Concorrência e Competitividade A percepção desta gordura e a própria migração do capital investidor para o mercado, com a entrada de empresas com visão e organização diferentes do que acontecia tradicionalmente no mercado, contribuem ainda mais para a queda dos preços. Empresas com foco em resultado e não em faturamento. Da mesma maneira que os convênios, planeja e estuda constantemente suas demandas, margens e capacidade de pagamento/investimento. Sem achismo e amadorismo, estas empresas diminuem desperdícios e maximizam seu potencial de resultado, mantendo excelência e qualidade em altos patamares. Podem vender seus produtos pela metade do preço, mantendo o mesmo nível rentabilidade que uma empresa que opera tradicionalmente.

12 Concorrência e Competitividade Como que se conseguem estes resultados: Metodologia Ferramentas de Gestão Planejamento Profissionalização Governança Corporativa Informação Gestão Processos e Procedimentos Padronização Sistemas de Gestão da Qualidade Investimento Resultados

13 Concorrência e Competitividade Estas metodologias, vêm de empresas que trazem conceitos de fora, conceitos que estão disponíveis a qualquer pessoa com um computador e internet, porém, a diferença é que estas empresas trabalham e concorrem em níveis globais. Se estas metodologias estão ao alcance de todos, o que elas trazem de diferente é o que chamamos de know-how. Empresas que possuem processos, padronização, etc., enfim desperdício zero, eficiência. Algo previsto em 1997 com a ANVISA e a RDC.59. A ideia inicial do então presidente Fernando Henrique, com as agências nacionais era preparar as empresas brasileiras para este momento. Obrigando por força de lei à implementação de sistemas de qualidade, baseados no formato ISO e FDA (no caso das empresas de saúde).

14 Concorrência e Competitividade Contudo, na maioria dos casos isso produziu um erro, porque genericamente se entendeu a RDC apenas como uma obrigação legal. Na maioria dos casos as empresas não se beneficiam do sistema de gestão da qualidade, apenas mantém custos relativos à continuidade do sistema afim de atender os requisitos legais. Portanto, quando não há o benefício da melhoria continuada a redução do desperdício, sobram apenas os custos da implementação, temos: Custo Fixo Custo Variável Margem de Contribuição Quando deveríamos ter: Custo Fixo Custo Variável Margem de Contribuição

15 A Exploração do Mercado Brasileiro Não só os convênios, mas também os investidores e as empresas estrangeiras, já se aperceberam destas ineficiências. Quando em uma negociação afim de não perder venda, um fornecedor concede 20, 30% ou mais de desconto num produto, o comprador pensa e pensa muito sobre o que acabou de acontecer. Porque para se conceder este desconto tem que existir margem. Quando estas empresas de cultura global começaram a fazer seus Business Plans, além de descobrirem uma grande margem, frente aos preços praticados no mercado, descobriram que o mercado realmente não estava preparado para encarar a competição. Porque podem literalmente, vender produtos pela metade do preço que um distribuidor pratica, sem deixar de ter resultados ótimos com cada venda.

16 A Exploração do Mercado Brasileiro Não tem trambique, cambalacho ou concorrência desleal. São empresas eficientes com certificações, processos, padrão, informação (BI, BSC, etc.), metodologia de trabalho aplicada, governança, etc. e principalmente um processo claro de comunicação interna e externa alinhado a metas e objetivos de um planejamento estratégico. Portanto o fato do mercado não estar preparado demonstra uma excelente oportunidade para quem souber o que está fazendo. Ainda mais porque a maioria das empresas nacionais já tem uma cultura operacional que está mais do que enraizada no dia-a-dia e principalmente na forma como seus profissionais entendem este processo. Qualquer tentativa de mudança cultural será sumariamente sabotada, por pessoas que insistem em se manterem dentro de um mundo que está acabando.

17 A Exploração do Mercado Brasileiro Portanto as empresas que estão vindo de fora ainda tem como pano de fundo a inabilidade do mercado em gerir mudanças em função deste novo quadro. Isto só torna o mercado mais e mais atraente. A conclusão óbvia que grupos de investimento, fundos e empresas estrangeiras chegam é que este é o momento oportuno para realmente nadar de braçada e literalmente se estabelecerem no mercado. Isto já vêm acontecendo através da aquisição das empresas brasileiras e também pela instituição de novas empresas aqui. Enquanto este padrão de competitividade não se estabelecer definitivamente, estas empresas conseguirão gerar muito valor. Além do mais temos um cenário econômico muito favorável, que tem sobrevivido e bem a constantes problemas e crises de contexto global. Pensando como os grandes donos de capital, é preciso proteger este capital.

18 A Exploração do Mercado Brasileiro Protegendo o capital Que tal um mercado, parte dos BRICS, que ainda não sucumbiu ao momento atual, onde se observa o despreparo da concorrência em competir de maneira global, pela falta de know-how. Numa área que será uma das últimas dentro desta economia a ser impactada por qualquer tipo de crise, a área da saúde. Vamos ver a seguir alguns dados interessantes sobre estes fatos.

19 A Exploração do Mercado Brasileiro

20 A Exploração do Mercado Brasileiro

21 A Exploração do Mercado Brasileiro

22 A Exploração do Mercado Brasileiro

23 A Exploração do Mercado Brasileiro

24 A Exploração do Mercado Brasileiro

25 A Exploração do Mercado Brasileiro

26 A Exploração do Mercado Brasileiro

27 A Exploração do Mercado Brasileiro

28 A Exploração do Mercado Brasileiro

29 A Exploração do Mercado Brasileiro

30 A Exploração do Mercado Brasileiro

31 A chegada das empresas eficientes e seus impactos Portanto a chegada do capital estrangeiro a nosso mercado é um fato. Este capital chega aqui na forma de investimento, não no mercado de capitais, mas na obtenção de ativos de retorno em longo prazo que geram caixa, a aquisição e a construção de novos negócios no país. Capital que extremamente bem empregado. Desperdício zero. Frente a este quadro, quem não está preparado, realmente não tem como competir. Há uma distância conceitual muito grande entre a cultura deste capital e o tradicional modelo de geração de valor do mercado brasileiro de implantes.

32 A chegada das empresas eficientes e seus impactos Umas das grandes diferenças é: O pessoal do mercado atual é focado em FATURAMENTO Já o pessoal destas empresas é focado em RESULTADO Pessoas que não se esquecem da formula fundamental do capitalismo Compra por X Fornecedor Empresa Cliente Vende por X + Y

33 A chegada das empresas eficientes e seus impactos Como competir com estas empresas, vendem um produto de qualidade, pela metade do preço? Como manter a venda junto ao convênio neste cenário? Entregam muito melhor, no prazo, sem faltar material, prestando um serviço muito melhor. Percebemos que vários distribuidores se acostumaram com esta situação, mas até quando vão poder se manter assim? Realmente isso não pode durar muito, porque ainda existe muito capital em busca de investimento no Brasil. E pra se manter será preciso aumentar a capacidade competitiva das empresas. Agregar valor e buscar diferencial.

34 Valor Agregado e Diferencial Agregar valor Diferencial? Agregar valor, é o processo agregação de valor da empresa, investimentos em máquina, computador, pessoas, treinamento, implementação de sistemas de gestão da qualidade, sistemas informatizados, metodologias, novas linhas de produto, etc. Diferencial é quando cliente e mercado percebem estas mudanças, enxergam que de fato é melhor comprar da empresa X porque a qualidade do produto/serviço e o preço são melhores. Sem se esquecer: Compra por X Fornecedor Empresa Cliente Vende por X + Y

35 Valor Agregado e Diferencial r / $ Objetivo t

36 Valor Agregado e Diferencial 70% Valores/Comportamento Regra de Bourdichon & Darli 70/20/10 20% Organização Obstáculos Encontrados na Prática 10% Ferramentas/Métodos 10% Valores/Comportamento 20% Organização Esforço das Empresas 70% Ferramentas/Métodos

37 Valor Agregado e Diferencial Concluindo, agregação de valor é o processo da busca pelo diferencial e isto só acontece quando o mercado percebe reage ao diferencial. A agregação de valor tem que a todo momento manter foco no resultado, caso contrário não se trata mais de agregar de valor, mas sim de destruir de valor. Para que todo este esforço realmente aconteça dependemos fundamentalmente das pessoas. Pessoas com know-how, não adianta saber as ferramentas, é preciso saber como as ferramentas, não adianta ter a informação é preciso transformar a informação em ação. Isto está na atitude das pessoas, não no que está escrito no manual de procedimentos da empresa.

38 Valor Agregado e Diferencial Sobre esta questão também podemos observar que não só no mercado de implantes e produtos pra saúde, sofre com esta inabilidade competitiva. Através de um trabalho pioneiro de pesquisa de mercado, desenvolvida pelo PMI do Brasil, chamada de PM-SURVEY (www.pmsurvey.org) publicada em janeiro deste ano, podemos observar os seguintes indicadores para a seguinte questão: Como a cultura das organizações está adaptada ao mundo dos projetos e quanto apoio há para o seu desenvolvimento.

39 Valor Agregado e Diferencial Das organizações que não possuem tal cultura apenas 7% relataram sucesso em seus projetos, enquanto que aquelas que possuem a cultura implantada relataram um índice de sucesso de 45%. Nas organizações em que a alta administração não percebe benefícios provenientes do gerenciamento de projetos, 41% relataram um alto nível de resistência neste nível hierárquico, naquelas em que a alta administração reconhece os benefícios, apenas 12% entendem haver resistência no mais alto nível hierárquico. Dentre as organizações que não utilizam uma metodologia formal de gerenciamento de riscos, apenas 15% cumprem prazos, dentre as que possuem esta metodologia formal o índice chega a 30% Perto de 48% das organizações relataram desenvolver projetos não necessariamente alinhados à estratégia, apenas 1/3 das organizações afirmaram que os projetos estão plenamente alinhados à estratégia. Apenas 16% das organizações participantes relataram ter cumprido 100% do portfólio planejado para o ano de análise

40 O valor das empresas e o consumo das empresas brasileiras Face a estes fatos, o que vemos é que as empresas brasileiras tem muitas contingências, muitas ineficiências e que os próprios empresários brasileiros não se preocuparam em corrigir estas disfunções. O movimento que está acontecendo é que o capital, tanto nacional quanto estrangeiro está assediando as empresas brasileiras, afim de se estabelecer no mercado. Para que estes negócios ocorram, estas empresas passam pelos processos de duedilligence e valuation, estas ações irão determinar o valor da empresa, assim como também irão se certificar de que tais números são realmente verdadeiros, através de processos de auditoria externa, normalmente contratada pela parte interessada na compra. Estas contingências e ineficiências, como visto anteriormente, não geram valor, destroem valor.

41 O valor das empresas e o consumo das empresas brasileiras Portanto, como existe um espaço muito grande, este capital irá adquirir estes negócios com preços ainda mais oportunos. Em se tratando da área de implantes no Brasil, os donos de empresa demonstram muita suscetibilidade por um certo desapontamento ou cansaço com o atual quadro do mercado, baixas margens, dificuldades em manter/melhorar o faturamento, problemas de caixa, endividamento financeiro e fiscal, etc. Estas empresas que vêm de fora, já identificaram estas oportunidades e possuem o Know-How necessário para resolver definitivamente estas questões e recolocar estes business novamente em condições de competitividade, gerando cada vez mais e mais valor. A grande questão deste fórum é, o brasileiros realmente têm que ficar de fora desta ceara? Que ações precisam ser tomadas?

42

43 AppConsole AppConsole, é a nossa solução para gerenciamento e monitoramento do processo, índices, KPIs e atingimento de metas através de Balanced Score Card. Multi-Empresas, é capaz de monitorar e acompanhar em real-time, todos os sites de um grupo de empresas. Tratando-se do resumo de cubos e consultas desenvolvidas para expressar as visões necessárias ao gerenciamento do seu Business, através de indicadores, gráficos, etc.. Mesmo através destes formatos específicos de informação, é possível a realização de Drill-Down até os níveis mais baixos de dados, uma consulta de pedido ou o espelho de uma nota fiscal. Portanto, além de ser uma ferramenta de análise e compreensão de resultados é o tool mais fundamental a Gestão no sentido de manutenção e execução de planos estratégicos. Isto, sem observar a característica de apoio a decisão que este módulo tem.

44 AppConsole Estratégias e Modelos de Negócios da Ferramenta Apuração de Resultados Custo ABC (Atividade Baseada no Custo) Centro de Custo Budget (Orçamentos) BSC/APO/BPM (Balanced Scorecard, Administração por Objetivos, Gerenciamento de Performance de Negócios) Worst Case Scenarios (Estudo de cenários) ITIL (Information Technology Infrastructure Library) PMI/Catalysis (Project Management Institute, Desenvolvimento por Direcionamento de Negócios) SCM/MRP II (Gerenciamento de Cadeia de Suprimentos, Gerenciamento de recursos de produção) Sistemas de Gestão da Qualidade CRM (Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente) Orientado a negócios Controle e execução de planejamento estratégico Multi-Empresas Trigger de Eventos SMS/ s automáticos Acesso Remoto WEB

45 AppConsole Console de SMS: Console de controle, monitoramento e identificação de problemas, relativos ao serviço de envio de mensagens SMS para celulares. Console de Follow-ups do DB e Sistemas: Console de controle, monitoramento e identificação de problemas, relativos ao Banco de Dados/erros de sistema. Console do HelpDesk e Ssi s: Console de controle, monitoramento de requisições do helpdesk e solicitação feitas à Mirlink (somente implementado com a contratação de administração de T.I. baseado em ITIL). DashBoards Operacionais: Console de monitoramento de processos, relativos a itens e situações específicas, que um dado gestor queira monitorar dentro das etapas e tarefas realizadas no dia-a-dia da empresa. DashBoards Gerenciais: Console de monitoramento de informações gerenciais, relativos a itens e situações específicas, que um dado gestor/diretor ou sócio queira monitorar dentro das etapas, tarefas e resultados realizados no dia-a-dia da empresa. DashBoards Estratégicos: Console de monitoramento e follow-up de atingimento de metas e objetivos estabelecidos em plano estratégico(desde que materializado na forma de Budget), com acompanhamento de situações específicas, que um dado gestor/diretor/sócio ou conselho executivo queira acompanhar dentro dos resultados realizados no dia-a-dia da empresa. Regularory Affairs: Painel de acompanhamento e follow-up relativos a registros de produtos e demais processos na ANVISA.

46 AppConsole Indicadores Operacionais: Console de monitoramento de índices de performance(balanced Score Card), relativos a itens e situações específicas, que um dado gestor queira monitorar dentro das etapas e tarefas realizadas no dia-a-dia da empresa. Indicadores Gerenciais: Console de monitoramento de índices de performance(balanced Score Card), relativos a itens e situações específicas, que um dado gestor/diretor ou sócio queira monitorar dentro das etapas, tarefas e resultados realizados no dia-a-dia da empresa. Indicadores Estratégicos: Console de monitoramento de índices de performance(balanced Score Card) e follow-up de atingimento de KPIs estabelecidos em plano estratégico(desde que materializado na forma de Budget), com acompanhamento de situações específicas, que um dado gestor/diretor/sócio ou conselho executivo queira acompanhar dentro dos resultados realizados no dia-a-dia da empresa. Importações: Console de monitoramento e follow-up de processos de Importação. Distribuidores: Console de monitoramento e follow-up de processos de Importação/Abastecimento de distribuidores, históricos de negociação, etc.. Jurídico: Acompanhamento de processos cadastrados. CRM: Acompanhamento de índices gerados pelo módulo de Gestão do relacionamento com o cliente, em função de politica da qualidade, missão, visão, etc.. Supply-Chain: Acompanhamento de algumas variáveis geradas no processo da sugestão de compras(mrpii).

47 AppConsole

48 AppConsole

49 AppConsole

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS Branding Corporativo O que é Branding. O que é uma marca. História da Marcas. Naming. Arquitetura de Marcas. Tipos de Marcas. Brand Equity. Gestão de Marcas/Branding.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Fundamentos

Gerenciamento de Projetos Fundamentos Gerenciamento de Fundamentos MBA EM GESTÃO DE PROJETOS - EMENTAS Definição de Projeto. Contexto e Evolução do Gerenciamento de. Areas de conhecimento e os processos de gerenciamento do PMI - PMBoK. Ciclo

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços A empresa A FollowUp é uma empresa que presta serviços em Tecnologia da Informação (TI). O principal foco é o outsourcing de serviços de análise e desenvolvimento de sistemas computacionais.

Leia mais

Interact Solutions Apresentação do SA-Performance Manager. Por: Anderson Pereira Diretor de Negócios Unidade Excellence

Interact Solutions Apresentação do SA-Performance Manager. Por: Anderson Pereira Diretor de Negócios Unidade Excellence Interact Solutions Apresentação do SA-Performance Manager Por: Anderson Pereira Diretor de Negócios Unidade Excellence Interact Group Fundação: agosto / 1999 80 Colaboradores diretos 85 Colaboradores nas

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

3 Indicadores de Resultados da gestão comercial. Série Indicadores Essenciais Volume 3

3 Indicadores de Resultados da gestão comercial. Série Indicadores Essenciais Volume 3 3 Indicadores de Resultados da gestão comercial Série Indicadores Essenciais Volume 3 Gestão Comercial de Alta Performance Clique abaixo e saiba como podemos colaborar com o desenvolvimento de sua equipe.

Leia mais

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013 www.pwc.com Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Agenda Introdução Como abordar o problema Discussões Conclusão PwC 2 Introdução PwC 3 Introdução Visões do Marketing Marketing tem que fazer

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa Apresentação da Empresa Somos uma empresa especializada em desenvolver e implementar soluções de alto impacto na gestão e competitividade empresarial. Nossa missão é agregar valor aos negócios de nossos

Leia mais

Ambientação nos conceitos

Ambientação nos conceitos Ambientação em Gestão de Projetos Maria Lúcia Almeida Ambientação nos conceitos Gestão de áreas funcionais e gestão de projetos Qualquer um pode ser gerente de projetos? Qual a contribuição da gestão de

Leia mais

Orçamentos e outras ferramentas

Orçamentos e outras ferramentas Finanças na Advocacia Orçamentos e outras ferramentas AXIS Consult Gestão Jurídica Luiz Machado ESG CORP 26º COMITÊ DE DEPARTAMENTOS JURÍDICOS E ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA MERCADO Atividade > Advocacia Mercantilismo

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

Estimativas apontam que, no

Estimativas apontam que, no Estimativas apontam que, no Brasil, cerca de 90% das empresas que passam por auditorias de software utilizam mais programas do que foi adquirido, sinalizando a grande dificuldade das companhias em controlar

Leia mais

Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão

Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão Turmas de Agosto de 2014 Início das Aulas: 18/08/2014 Termino das Aulas: 31/08/2015 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

INTELIGÊNCIA DE RISCOS. SINDUSFARMA 13 de Novembro de 2013

INTELIGÊNCIA DE RISCOS. SINDUSFARMA 13 de Novembro de 2013 INTELIGÊNCIA DE RISCOS SINDUSFARMA 13 de Novembro de 2013 A IMC BRASIL é uma empresa especializada em gestão integrada de seguros e gerenciamento de riscos Nosso objetivo é proporcionar proteção e eficiência

Leia mais

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion Governança de TI Importância para as áreas de Auditoria e Compliance Maio de 2011 Page 1 É esperado de TI mais do que deixar o sistema no ar. Page 2 O que mudou o Papel de TI? Aumento de riscos e de expectativas

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR Suzano PROJETO INTEGRADOR 1. Introdução O mercado atual de trabalho exige dos profissionais a capacidade de aplicar os conhecimentos

Leia mais

Building, Construction & Real Estate

Building, Construction & Real Estate KPMG no Brasil Building, Construction & Real Estate FINANCIAL SERVICES kpmg.com/br Quem somos Constituída na Suíça e com sede em Amsterdã, a KPMG International Cooperative (KPMG International) é uma rede

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Março de 2010

João Telles Corrêa Filho Março de 2010 Administrar é medir. Esta frase dá bem a medida da importância de contarmos com bons indicadores. Mas, afinal, o que são e porque usar medidas de desempenho? Estas medidas, também chamadas de indicadores

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Soluções de Tecnologia da Informação

Soluções de Tecnologia da Informação Soluções de Tecnologia da Informação Software Corporativo ERP ProdelExpress Diante da nossa ampla experiência como fornecedor de tecnologia, a PRODEL TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO oferece aos seus clientes

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

Curso ITIL Foundation. Introdução a ITIL. ITIL Introduction. Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.

Curso ITIL Foundation. Introdução a ITIL. ITIL Introduction. Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot. Curso ITIL Foundation Introdução a ITIL ITIL Introduction Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.com Agenda Definição / Histórico Escopo Objetivos Benefícios e Problemas

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI Prof. Fernando Rodrigues Nas empresas atuais, a Tecnologia de Informação (TI) existe como uma ferramenta utilizada pelas organizações para atingirem seus objetivos.

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 GESTÃO DO ESTOQUE DE UNIDADES PRONTAS Eco, MBA R.E., Mestre em Eng. Civil, Alfredo Eduardo Abibi Filho Dir. Inc. Jal Empreendimentos

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 Gerenciamento de Serviços de TI Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 A Informática, ou Tecnologia da Informação, antigamente era vista como apenas mais um departamento, como um apoio à empresa. Hoje, qualquer

Leia mais

Diagnóstico Empresarial. Porque a saúde da sua empresa é muito importante.

Diagnóstico Empresarial. Porque a saúde da sua empresa é muito importante. Diagnóstico Empresarial Porque a saúde da sua empresa é muito importante. Introdução Nos últimos anos as empresas têm focado pesadamente em gestão por resultados, proporcionando a seus gestores e equipes

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONSULTORIA EMPRESARIAL

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONSULTORIA EMPRESARIAL Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONSULTORIA EMPRESARIAL Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: 14/08/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

APRENDA COMO GERENCIAR SEUS SERVIÇOS

APRENDA COMO GERENCIAR SEUS SERVIÇOS APRENDA COMO GERENCIAR SEUS SERVIÇOS Treinamento ISO 20000 Foundation Presencial ou EAD O Gerenciamento de Serviços de TI tem como foco o fornecimento eficiente e eficaz de serviços que assegura a satisfação

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

A ITIL e o Gerenciamento de Serviços de TI

A ITIL e o Gerenciamento de Serviços de TI A ITIL e o Gerenciamento de Serviços de TI A era da informação Informação, palavra derivada do verbo latim "informare", que significa "disciplinar", "ensinar", "instruir", juntamente com o seu significado

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Conselho de Família GOVERNANÇA SÓCIOS Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal

Leia mais

Governança de TI. Governanca de TI. Objetivos. Governanca de TI - ESR - Confluence. 1 de 5 12/04/2010 11:15

Governança de TI. Governanca de TI. Objetivos. Governanca de TI - ESR - Confluence. 1 de 5 12/04/2010 11:15 1 de 5 12/04/2010 11:15 Dashboard > ESR >... > Elaboracao de cursos > Governanca de TI ESR Governanca de TI View Edit Attachments (4) Info Welcome Leandro N. Ciuffo History Preferences Log Out Browse Space

Leia mais

E-BOOK GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES. Excellence Software (19) 2512-1411 Campinas-SP

E-BOOK GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES. Excellence Software (19) 2512-1411 Campinas-SP E-BOOK GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES Excellence Software (19) 2512-1411 Campinas-SP ÍNDICE Introdução Planejamento Financeiro Gestão do Fluxo de Caixa Gestão por Centros de Custo Otimizando o seu

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

ESCOPO DA APRESENTAÇÃO. Governança Modelos de nível de maturidade CobiT Balanced Scorecard Accountancy Scorecard SLM e SLA

ESCOPO DA APRESENTAÇÃO. Governança Modelos de nível de maturidade CobiT Balanced Scorecard Accountancy Scorecard SLM e SLA Governança Corporativa Utilizando Balanced Scorecard ESCOPO DA APRESENTAÇÃO Governança Modelos de nível de maturidade CobiT Balanced Scorecard Accountancy Scorecard SLM e SLA BIBLIOGRAFIA REFERENCIAL UTILIZADA

Leia mais

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP Como desenvolver uma abordagem eficaz de gerenciamento de capital e um processo interno de avaliação da adequação de capital (ICAAP) A crise financeira de

Leia mais

Gestão de Fornecedores

Gestão de Fornecedores Treinamento Presencial: Gestão de Fornecedores Data: 20 de Maio de 2015 Carga horária: 8 horas Local: São Paulo/ SP Procurement Business School Quem somos: Procurement Business School é a mais completa

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

REVIE Rede de Melhores Práticas para MKT e Vendas

REVIE Rede de Melhores Práticas para MKT e Vendas REVIE Rede de Melhores Práticas para MKT e Vendas Este artigo foi publicado originalmente em abril de 2009 por Daniela Ramos Teixeira no portal Meta Análise. Este é o 1º dos artigos da série que Daniela

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Unidade Ribeirão Preto -SP

Unidade Ribeirão Preto -SP Unidade Ribeirão Preto -SP Gestão Estratégica de Controladoria O papel da controladoria na gestão estratégica de uma empresa Curriculum Luís Valíni Neto Técnico Contábil Administrador de Empresas pela

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações CobIT Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações Eduardo Mayer Fagundes Copyright(c)2008 por Eduardo Mayer Fagundes 1 Agenda 1. Princípio de Gestão Empresarial

Leia mais

esags.edu.br Santo André > Av. Industrial, 1455 - Bairro Jardim (11) 4433-6161 Santos > Av. Conselheiro Nébias, 159 (13) 2127-0003

esags.edu.br Santo André > Av. Industrial, 1455 - Bairro Jardim (11) 4433-6161 Santos > Av. Conselheiro Nébias, 159 (13) 2127-0003 APRENDA A INVESTIR O SEU DINHEIRO APRESENTAÇÃO Aprenda os princípios e conceitos de finanças pessoais para se organizar e criar a disciplina para o investimento. Conheça as melhores alternativas de investimento

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Governança de TIC. CobiT 4.1

Governança de TIC. CobiT 4.1 Governança de TIC CobiT 4.1 Conceitos Governança: A expressão governar tem origem na expressão navegar... E o que quem navega faz? Ele faz um mapa, dá a direção, faz as regras de convivência. Tomáz de

Leia mais

Consultoria Estratégica. PMSolution Consultoria

Consultoria Estratégica. PMSolution Consultoria PMSolution Consultoria Nossa Atuação Cliente Governança Corporativa Governança de TI Áreas de Conhecimento Consultoria Estratégica Gerenciamento de Projetos e Portfólio Tecnologia Capacitação Confidencial

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios Governança de TI Parte 3 Modelo de Governança v2 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR Modelo de Governança de TI Modelo adaptação para qualquer tipo de organização Componentes do modelo construídos/adaptados

Leia mais

Gestão Estratégica, Inovação e Competitividade Carlos Gustavo Fortes Caixeta www.carlosgustavocaixeta.com.br

Gestão Estratégica, Inovação e Competitividade Carlos Gustavo Fortes Caixeta www.carlosgustavocaixeta.com.br Gestão Estratégica, Inovação e Competitividade Carlos Gustavo Fortes Caixeta www.carlosgustavocaixeta.com.br GESTÃO ESRATÉGICA POR QUE E PARA QUE?? Gestão VAMO INO... Market Driven Management TQM QFD ISO9000

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços Consultoria de resultados MOTIVAÇÃO EM GERAR Somos uma consultoria de resultados! Entregamos muito mais que relatórios. Entregamos melhorias na gestão, proporcionando aumento dos

Leia mais

dynam PROPOSTA OFICIAL PARA PPC (Links Patrocinados) publicidadeonline AGÊNCIA SEARCH ENGINE MARKETING Marketing de Busca

dynam PROPOSTA OFICIAL PARA PPC (Links Patrocinados) publicidadeonline AGÊNCIA SEARCH ENGINE MARKETING Marketing de Busca PROPOSTA OFICIAL PARA PPC (Links Patrocinados) dynam publicidadeonline AGÊNCIA SEARCH ENGINE MARKETING Marketing de Busca Av. Carlos Gomes 141 Suite 411 - Porto Alegre. RS Tel. +55(11) 3522-5950 / (51)

Leia mais

UnG. As cinco funções do administrador são: Planejar, Organizar, Comandar, Coordenar e Controlar.

UnG. As cinco funções do administrador são: Planejar, Organizar, Comandar, Coordenar e Controlar. Balanced Scorecard Estratégia Michael Porter difundiu a ideia de que estratégia ou posicionamento estratégico consiste em realizar um conjunto de atividades distinto da dos competidores, que signifique

Leia mais

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014 Tecnologia da Informac aõ como aliada PETRUS, Abril 2014 Evolução da TI 60 70 80 90 A Era do Processamento de Dados A Era dos Sistemas de Informações A Era da Inovação e Vantagem Competitiva A Era da Integração

Leia mais

Governança de TI. Renato Jesus

Governança de TI. Renato Jesus TI Governança Governança de TI Informações sobre o instrutor Formado em Matemática pela FAHUPE Pós-Graduado em Análise de Sistemas pelo IBAM MBA Executivo em Finanças pelo IBMEC Pós-Graduado em Comércio

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology C O B I T Control Objectives for Information and related Technology Goiânia, 05 de Janeiro de 2009. Agenda Evolução da TI Desafios da TI para o negócio O que é governança Escopo da governança Modelos de

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional A Empresa Atuamos como Gestores da Mudança Organizacional, introduzindo urgência e foco nas empresasde nossosclientes, lidandoprioritariamentecom a áreafinanceira, mas entendendo

Leia mais