MPF PR/RS MEMORIAL DESCRITIVO DOS SISTEMAS DE PREVENÇÃO A INCÊNDIO MPF - PROCURADORIA DA REPUBLICA NO RS PRAÇA RUI BARBOSA, 57 PORTO ALEGRE (RS)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MPF PR/RS MEMORIAL DESCRITIVO DOS SISTEMAS DE PREVENÇÃO A INCÊNDIO MPF - PROCURADORIA DA REPUBLICA NO RS PRAÇA RUI BARBOSA, 57 PORTO ALEGRE (RS)"

Transcrição

1 MPF PR/RS MEMORIAL DESCRITIVO DOS SISTEMAS DE PREVENÇÃO A INCÊNDIO MPF - PROCURADORIA DA REPUBLICA NO RS PRAÇA RUI BARBOSA, 57 PORTO ALEGRE (RS) ELABORAÇÃO:

2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS OBJETIVO A presente discriminação técnica objetiva fixar as condições para a execução das obras de Instalação dos Sistemas de Prevenção e Proteção contra Incêndios da Procuradoria da República no estado do RS Porto Alegre. EDIFICAÇÃO Trata-se de edificação com 16 (dezesseis) pavimentos e volume superior (casa de máquinas e reservatório superior), área total de 6.410,00m², altura de 45,84m, constituída de estrutura de concreto armado com fechamentos de alvenaria de tijolos para ocupação D-1 Repartições públicas. NORMAS E ESPECIFICAÇÕES Para o desenvolvimento das soluções apresentadas foram observadas as normas, códigos e recomendações das entidades a seguir relacionadas: LC 420 Código de Proteção Contra Incêndio de Porto Alegre NBR Instalações Elétricas de Baixa Tensão; NBR Saídas de Emergência em edifícios; NBR Sistema de Iluminação de Emergência; NBR Portas corta-fogo para isolamento de riscos em ambientes comerciais; NBR Porta corta-fogo para saída de emergência; NBR Sistema de proteção por extintores de incêndio; NBR Sistema de Hidrantes para combate a incêndio; NBR Sistemas de detecção e alarme de incêndio; Demais normas da ABNT específicas a cada unidade particular dos sistemas; RESPONSÁVEL TÉCNICO Autor: TOMAZ PANIZ CREA D Empresa: ELBRUS ENGENHARIA LTDA Endereço: Avenida Protásio Alves, 2959, sala 306 Porto Alegre/RS Telefone: (51) / SISTEMAS DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO 1.1 EXTINTORES DE INCÊNDIO

3 Placas de Identificação e Numeração Alguns extintores instalados não possuem placas de sinalização e identificação. Deverão ser providenciadas as placas faltantes, bem como verificação da conformidade da placa com o tipo de extintor. Os extintores devem possuir tanto no casco quanto na placa de sinalização um número que os identifique, conforme a numeração indicada no PPCI. Extintores inexistentes Não foi localizado durante a vistoria o extintor de nº 42, do tipo PQS BC 8Kg, para proteção do transformador. Deverá ser providenciada instalação de um extintor novo, no locai indicado pelo PPCI em planta. Os extintores devem seguir as seguintes exigências: - Os extintores são aparelhos portáteis destinados a combater o princípio de incêndio. Para tanto, são projetados de acordo com o risco a proteger e ficarão localizados em locais de fácil acesso e visibilidade, devidamente sinalizados. - Na parede, acima do local de instalação do extintor, deverá ser fixada sinalização apropriada, a qual deverá indicar o tipo de extintor, classe de atuação e a numeração do mesmo conforme anexo 3 da LC 420/98 - PMPA. - O acesso aos extintores deve permanecer desobstruído por uma linha imaginária de 1m² (1m x 1m). Tanto os suportes quanto os extintores deverão ser numerados conforme planilha de extintores do PPCI. 1.2 ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA E SINALIZAÇÃO DE SAÍDA SISTEMA CENTRALIZADO O Sistema de Iluminação de emergência é composto por duas centrais de iluminação distintas. Uma delas, instalada junto ao painel de medidores no subsolo, atende os pavimentos inferiores até o 5º andar. A outra, instalada na cobertura, atende os pavimentos superiores a partir do 6º andar. As duas centrais apresentaram problemas de funcionamento, mal contato nos botões de acionamento e não conseguiram atender a exigência de autonomia mínima de 01 hora. As centrais e baterias existentes são antigas e deverão ser substituídas (Engesul, Ascael, Ezalpha ou similar). As novas centrais deverão ter capacidade de 1000w cada, e atender às exigências da LC 420 e Norma brasileira pertinente. Os circuitos de alimentação das luminárias originados da central de iluminação de emergência localizada no subsolo não estão protegidos dentro de canalização metálica, no trecho até a sobreloja. Estes circuitos deverão ser tubulados em eletrodutos metálicos pintados na cor vermelha caso fiquem aparentes.

4 O ponto de iluminação de emergência localizado na sobreloja próximo ao extintor nº 34 deverá ser deslocado, de forma a iluminar os equipamentos de incêndio. Atualmente este ponto está obstruído por uma divisória leve. 1.3 SISTEMA DE ALARME DE INCÊNDIO A Central de Alarme de incêndio está em funcionamento, porém apresenta diversos defeitos, além de não atender à norma brasileira. O sistema deverá ser substituído, atendendo às exigências da LC 420 e Norma brasileira pertinente. - Deverá ser instalada central de alarme de incêndio (Bosch, Ezalpha, Engesul ou similar) de 24 Volts com duas baterias de 12V 7 a/h cada, que garantam autonomia mínima de 01 hora, permitindo o funcionamento de todos alertadores. - A central de alarme deverá possuir sinalização visual que indique qual alertador foi acionado e dispositivo que indique o funcionamento do sistema. - O sistema também alertará quando houver fluxo d água no sistema de hidrantes, independente de haver acionamento pelos alertadores manuais, e ainda quando o nível de água do reservatório de hidrantes estiver baixo, estando neste item incluídas as chaves de fluxo e demais adaptações e interligações necessárias. - Os acionadores/alertadores manuais serão do tipo sonoros bi-tonais e visuais, instalados nos locais e posições indicadas em projeto. - Os acionadores/alertadores manuais deverão dotados de dispositivos luminosos tipo led, que indiquem as condições de funcionamento e acionamento do sistema, em cores diferentes. O acionador de alarme existente na sobreloja deverá ser deslocado para o outro lado da parede onde está localizado, ao lado da caixa de hidrantes, a fim de facilitar o acesso e alerta em caso de sinistro. 1.4 SAÍDAS DE EMERGÊNCIA ANTIDERRAPANTE Os degraus da escada possuem sistema antiderrapante composto por fitas de carborundum autocolantes, fixadas aos degraus. Este sistema requer manutenção constante, apresenta alteração do padrão estético da escada, e sua instalação foi executada incorretamente. Recomenda-se substituição do antiderrapante de carborundum por antiderrapante definitivo, executado com a utilização de equipamento para desbaste mecânico superficial. São executados sulcos paralelos com profundidade de aproximadamente 1,2mm, em uma faixa com 50mm de largura, executada ao longo do comprimento de cada degrau. Esta faixa é afastada aproximadamente 20mm da borda externa de cada degrau. Após o desbaste, deverá ser aplicada resina acrílica para dar acabamento ao corte e impedir o acúmulo de sujeira.

5 50mm faixa de antiderrapante definitivo Fig. 01 detalhe de antiderrapante definitivo em piso de granitina. Fig. 02 Antiderrapante definitivo em escada com piso de granitina. Caso se opte pela manutenção do sistema de fitas antiderrapantes de carborundum, devem ser observados os seguintes critérios de instalação quando da substituição ou manutenção das fitas: Retirada das fitas antigas instaladas no local. Limpeza das superfícies: Lavar o piso com água e sabão, removendo o pó e gordura existente no local; após, nos locais onde serão instaladas as fitas, deve ser passado álcool de tal forma que sejam eliminados quaisquer revestimentos sobre a superfície, tais como cera, tintas, vernizes, etc; Aplicação do Primer: deve ser aplicado antes da colocação da fita antiderrapante a fim de deixar o piso em condições para recebê-la, auxiliando a sua aderência. Instalação da Fita Antiderrapante: Com Auxilio de uma fita Crepe, demarcar o local onde será colocada a fita. Aplicar o adesivo de contato especificado pelo fabricante, com um pincel na área exata onde a tira do antiderrapante deve ser colocada. Deixar secar. Arredondar as pontas das tiras. Descolar a extremidade da fita, ajustando-a na área demarcada. Colar o restante da fita, removendo gradativamente o Liner (papel protetor do adesivo), evitando contato com os dedos. Utilizar um martelo ou rolete de borracha para forçar bem a fixação do antiderrapante; Aplicação do Vedador de Bordas: Aplicar um filete de 4 mm de espessura, do vedador de borda, nas extremidades da fita antiderrapante. Após 2 horas, verificar se o vedador de bordas está completamente seco. Em caso positivo, a área pode ser liberada PORTAS CORTA FOGO EXISTENTES (PCF) As Portas Corta Fogo do térreo e dos acessos aos andares são antigas, pesadas, e requerem manutenção constante. A maioria das portas está desalinhada, por conta do sobrepeso, forçando as dobradiças e causando o desalinhamento do marco. Algumas fechaduras e maçanetas estão quebradas. Diversas portas são mantidas abertas por meio de calço, causando grande risco de comprometimento da rota de fuga e propagação de incêndio em caso de sinistro. As portas corta fogo antigas deverão ser substituídas por modelos PCF P60, mais leves, dotadas de dobradiças retas com molas reguláveis e fechadura de embutir. As PCF s deverão atender as exigências da LC 420/98, NBR e demais normas pertinentes. Como solução para a utilização constante das PCF s no prédio, e visando minimizar os custos com manutenção preventiva e corretiva das portas, recomenda-se a instalação de sistema de eletroímãs interligado ao sistema de alarme de incêndio do prédio. Este sistema de eletroímãs permite que se mantenha as portas

6 permanentemente abertas. Em caso de acionamento do alarme de incêndio, o sistema libera as portas, que fecham automaticamente, isolando a rota de fuga INTERLIGAÇÃO PRÉDIO ESTACIONAMENTO A abertura existente no primeiro pavimento, que comunica o prédio em análise com um prédio anexo, utilizado para depósito e estacionamento. Deverá ser instalada Porta Corta Fogo tipo P90, a fim de isolar as duas edificações. A PCF deverá atender aos requisitos da LC 420/98 e NBR FIAÇÃO ELÉTRICA EXPOSTA Entre o térreo e o primeiro pavimento, na caixa da escada, existe grande quantidade de fiação elétrica exposta. A fiação existente deverá ser isolada através de placas de fechamento da calha aérea existente AUDITÓRIO 14º PAVIMENTO Foi constatada a alteração de ocupação do 14º pavimento, com construção de um auditório (local para reunião de público). De acordo com o dimensionamento das saídas de emergência existentes, e considerando a população total do pavimento, este auditório deve receber uma POPULAÇÃO MÁXIMA DE 30 PESSOAS. A não observância deste limite compromete a capacidade de escoamento da população do pavimento, gerando grave risco à evacuação do local e por consequência, à vida dos usuários do prédio. Deverão ser afixadas placas indicativas na parede deste local, a fim de informar a capacidade máxima do auditório CORREDORES E ACESSOS Foi constatada a existência de vasos de plantas, pequenos móveis e prateleiras e objetos nos corredores e acessos às escadas, obstruindo a rota de fuga e causando risco em uma situação de incêndio ou pânico. Estes objetos devem ser removidos, e as áreas devem permanecer permanentemente desobstruídas. 1.5 SAÍDAS ALTERNATIVAS As saídas alternativas da edificação estão sinalizadas no PPCI por um triângulo vermelho. As saídas alternativas devem permanecer permanentemente desobstruídas. Foram encontradas diversas Saídas Alternativas obstruídas por móveis, equipamentos e objetos. Estes itens deverão ser removidos, de forma à liberar o acesso às Saídas Alternativas. Na Sobreloja, duas das Saídas alternativas possuem grades ou esquadrias fixas. Deverá ser providenciada adequação destas saídas. Existe ainda uma saída alternativa trancada com cadeado. A chave deste cadeado deverá ser colocada em local acessível e identificado, próximo à saída, para acesso em caso de necessidade.

7 As saídas alternativas deverão ser constituídas por abertura (janela ou porta) com pivotamento vertical (janelas não podem ser tipo maximar). A abertura deverá ter dimensões mínimas de 0,6 m de largura e 1,20 m de altura. A altura pode ser reduzida, caso se aumente a dimensão da largura, devendo possuir área mínima de 0,9 m² (0,9 m x 1,00 m por exemplo). O parapeito desta abertura deverá estar ano máximo a 1,2 m de altura do piso acabado. 1.6 INSTALAÇÕES DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) Devido à impossibilidade de execução de central GLP no prédio, é permitida a manutenção da instalação individual. A instalação GLP individual deverá possuir no máximo 03 botijões P13, incluindo os botijões em uso e de reserva. A instalação deverá permanecer em local ventilado (pátio aberto). A tubulação que leva até os aparelhos consumidores deverá ser executada em cobre, atendendo às exigências da LC 420/98 e norma brasileira. 1.7 INSTALAÇÕES DE HIDRANTE SISTEMA DE PRESSURIZAÇÃO (BOMBA) O quadro de comando da bomba não é metálico, e não atende à legislação quanto à proteção e desligamento. O atual sistema em funcionamento desliga automaticamente, o que não é permitido pela norma brasileira. A alimentação elétrica das bombas não está corretamente instalada. Deverão der realizadas as seguintes adequações: Substituição do quadro de comando existente por equipamento metálico, que abrigue os fusíveis, seccionadoras, contactoras de força e auxiliares, bornes e fiação de força, obedecendo integralmente aos critérios da NBR Automatização da bomba principal deve ser executada de maneira que, após a partida do motor, seu desligamento seja somente manual no seu próprio painel de comando, localizado na casa de bombas. A abertura de qualquer Hidrante deverá acionar o Alarme de Incêndio e dar partida na Bomba de Pressurização do Sistema. Na parte frontal do quadro serão colocados botões para comando manual ligadesliga e automático-manual, bem como lâmpadas sinalizadoras. O fornecimento de energia para a bomba de incêndio deverá ter derivação antes do disjuntor geral, junto à entrada de energia e devidamente sinalizada no quadro de entrada de energia com a inscrição ALIMENTAÇÃO DA BOMBA DE INCÊNDIO -

8 NÃO DESLIGUE. Atualmente esta derivação ocorre após o quadro de entrada de energia ABRIGOS (CAIXA DE HIDRANTE) A caixa de hidrante CMI 01 instalada na cobertura está obstruída por uma porta que dá acesso à cozinha. Esta porta deverá ser removida ou realocada de forma a desobstruir o acesso à caixa de hidrante. As caixas de hidrantes deverão possuir tampa de vidro e sinalização com a inscrição INCÊNDIO ; Os trincos existentes deverão ser substituídos por trincos que possibilitem a abertura das caixas sem a necessidade de dispositivo ou chave especial REGISTRO DE PASSEIO - A caixa de alvenaria do registro de passeio deverá ser ampliada, de forma que possua as dimensões de 60x40cm, equipada com tampa para hidrante de calçada em ferro fundido com a inscrição INCÊNDIO, com dobradiça no sentido oposto ao do meio fio, distanciadas no máximo 50 cm do meio fio. Esta tampa deverá ser pitada em cor vermelha. - O registro de passeio deverá ser dotado de adaptador e tampão com corrente de bronze Storz de 2.1/ TREINAMENTO E EXERCÍCIO DE EVACUAÇÃO ANUAL Deverá ser providenciado treinamento de prevenção e combate à incêndios para no mínimo 09 (nove) usuários do prédio, de forma que estes sejam capazes de identificar situações de risco e utilizar corretamente os sistemas de proteção contra incêndio (extintores, evacuação de prédio, hidrantes, alarme de incêndio, etc.), além de funcionar como multiplicadores do conhecimento aos demais usuários. Deverá ser realizado anualmente pelo menos um exercício de evacuação da edificação, orientando os usuários a como proceder em casos de sinistro. 2. CONCLUSÃO DAS INSTALAÇÕES 3. Para a entrega dos serviços, a empresa que realizar a instalação e adequação dos equipamentos deverá fornecer caderno de operação, manutenção e conservação dos equipamentos e sistemas os quais é responsável, inclusive com o uso de figuras ilustrativas, possibilitando compreensão por qualquer usuário sem treinamento específico. Também devem constar, neste caderno, os períodos de garantia e vida útil dos sistemas e seus componentes.

9 4. RELATÓRIO FOTOGRÁFICO Foto 01 Extintor e Caixa de Hidrante obstruídos Cobertura Foto 02 Equipamento obstruindo rota de fuga. Foto 03 Equipamento obstruindo rota de fuga e caixa de hidrante Foto 04 Vasos de planta obstruindo rota de fuga

10 Foto 05 Central de Iluminação com defeito Foto 06 Central de Alarme de Incêndio

11 Foto 07 Fiação exposta na caixa da escada Foto 08 Registro de Passeio com tampa quebrada e tamanho inadequado. Foto 09 PCF mantida aberta com calço Foto 10 PCF mantida aberta com calço

12 Foto 11 PCF pavimento térreo danificada Foto 12 Fita Antiderrapante

13 Foto 13 Saída Alternativa com esquadria fixa. Foto 14 Saída Alternativa obstruída e com grade Foto 15 Abertura entre edificações 1º pavimento Foto 16 Instalação GLP com recipientes acima do máx. permitido

14 Foto 17 Alimentação elétrica da bomba com derivação após disjuntor geral Foto 18 Quadro de comando e bomba de pressurização Eng. Tomaz Paniz CREA/RS D ELBRUS Engenharia (51) (51)

ANEXO C MEMORIAL DESCRITIVO DO PRÉDIO

ANEXO C MEMORIAL DESCRITIVO DO PRÉDIO ANEXO A Ao Ilmo Sr. Comandante do Corpo de Bombeiros Militar Cidade: SERTÃO - RS Data: 10/03/2014 Encaminhamos a V. S.ª, para ANÁLISE, o Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (PPCI). Nome: INSTITUTO

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES DE PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1. GENERALIDADES O sistema de proteção proposto busca satisfazer as condições mínimas de segurança preconizadas pela

Leia mais

FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES

FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DAS INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO EMPRESA RESPONSÁVEL: Senemig Engenharia LTDA RESPONSÁVEIS

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO LTDA.

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO LTDA. RELATÓRIO ACOMPANHAMENTO MENSAL SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO LTDA. Objetivo. Este relatório tem por objetivo avaliar e mitigar os riscos equivalentes desta edificação. Foram realizadas diversas vistorias

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

GRUPO NOVO BRASIL LINHA DE PRODUTOS 01/2002-REV.00

GRUPO NOVO BRASIL LINHA DE PRODUTOS 01/2002-REV.00 UNID ABRIGOS PARA HIDRANTES E MANGUEIRAS DE INCENDIO Medidas Padrão: Caixa de embutir com moldura removível: 50 x 70 x 25 (cm); Predial / Industrial 75 x 45 x 17 (cm);. Predial / Industrial Caixa externa

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 033 Cobertura de sapé, piaçava e similares CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

APÊNDICE "D" Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de

APÊNDICE D Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de APÊNDICE "D" Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de A INTRODUÇÃO Neste apêndice estão discriminados os Serviços de Adequação (PSA) de menor complexidade para atendimento da dinâmica funcional da ECT,

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente 2 110766_MEMPCI_REFORMA_SALA_MOTORISTAS_R00 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 27 CONSIDERANDO:

RESOLUÇÃO N.º 27 CONSIDERANDO: PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE COMISSÃO CONSULTIVA PARA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO RESOLUÇÃO N.º 27 Interpreta a aplicação dos artigos 103 e 104 da Lei Complementar 420/98 A Comissão Consultiva Para

Leia mais

Proprietário Página 1 de 6

Proprietário Página 1 de 6 MEMORIAL DESCRITIVO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO ACOPIARA PREFEITURA MUNICIPAL DE ACOPIARA(CE) DATA 10/11/2011 MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVOS DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A proteção da vida humana A proteção do patrimônio A continuidade do processo produtivo 2 O CÍRCULO DE PROTEÇÃO

Leia mais

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam.

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam. DODF Nº 237 de 14 de dezembro de 2000. CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 68/2002-CBMDF, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2002 Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO I - IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1. OBRA: Regularização e Ampliação de um Complexo Esportivo. 1.2. ENDEREÇO: Conjunto Manuel Julião, Rio

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02 RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE Julho 2011 Revisão 02 2 INTRODUÇÃO Os Centros de Saúde incluídos nesta categoria são unidades que foram construídas recentemente e que

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO INSTALAÇÃO DOS BATENTES A instalação dos batentes é simples porém, são necessários alguns cuidados básicos para obter uma porta em perfeitas condições: Para a fixação do batente, levantam-se as grapas

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA

CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA Rua São Luis nº 77 - Fone: (51) 3320.2100-90620 170 - Porto Alegre

Leia mais

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2010 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação, eletrônico

Leia mais

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO

FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO Rua Rishin Matsuda, 562 Vila Santa Catarina CEP 04371-000 São Paulo SP Tel. 11 5563-6477 Fax 11 5563-3107 www.elevadoreszenit.com.br FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO ORIENTAÇÃO ELEVADORES CARGAS

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

Memorial de Projeto. Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações. Prevenção e Combate à Incêndio

Memorial de Projeto. Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações. Prevenção e Combate à Incêndio Pág. 1 Memorial de Projeto Prevenção e Combate à Incêndio Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Ag. Hospital Regional de Paranoá Novas Instalações Código do Projeto: 1089/11 Pág. 2 Índice

Leia mais

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos Eng. Valdemir Romero Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Segurança

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 4: CAIXAS DE SAÍDA CONDIÇÕES As caixas de saída devem ser projetadas nas tubulações secundárias nas seguintes condições: a) Nas entradas e saídas de fios telefônicos nos eletrodutos; b) Para diminuir

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR- PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS A proteção contra incêndios é uma das Normas Regulamentadoras que disciplina sobre as regras complementares de segurança e saúde no trabalho

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DAS CONSTRUÇÕES BLOCO 01

MEMORIAL DESCRITIVO DAS CONSTRUÇÕES BLOCO 01 1. INSTALAÇÕES DE COMBATE A INCÊNDIOS CONDIÇÕES GERAIS O projeto de prevenção e combade a incêndios foi executado atendendo às exigências das seguintes normas e leis: NB; - 9077/93. NT - 15/2009 - CAT

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS RODRIGUES & AGUINAGA PROJETOS LTDA. Av. Francisco Talaia de Moura, 545 CEP: 91170-090 - Porto Alegre/RS. CNPJ: 09.077.763/0001-05 MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS 1 1.

Leia mais

Recomendações de Segurança do Trabalho

Recomendações de Segurança do Trabalho Recomendações de Segurança do Trabalho Localização e Sinalização dos Extintores Recomendações de Segurança do Trabalho Localização e Sinalização dos Extintores: Apresentação As recomendações aqui descritas

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E EXPLOSÕES II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PREVENÇÃO,

Leia mais

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 029 Comercialização, distribuição e utilização de gás natural CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares

Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 33/2004 Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIOS

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIOS INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CAMBORIÚ Obra CENTRO DE TREINAMENTO CÃO-GUIA - CANIL Local RUA JOAQUIM GARCIA S/Nº - CP Nº 2016 - CEP 88340-000 - CAMBORIÚ - SC Objetivo PROJETO PREVENTIVO Data 30/06/2011

Leia mais

PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO

PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO O que mudou em relação à antiga NBR? Por que o empresário e o síndico tem que estar atentos a essa nova NBR? Quais os riscos que os tomadores de decisão estão

Leia mais

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Apresentação do módulo Os sistemas de proteção contra incêndio e pânico são classificados em duas categorias distintas: proteção passiva

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS LOCAL: SETOR/ENDEREÇO: PERÍODO: RESPONSÁVEL PELAS INFORMAÇÕES: LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS PERÍODICIDADE SERVIÇOS PREVENTIVOS STATUS SEMANA 01 DIÁRIO Verificação

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS

ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS Regulamentação: ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS Em Cascavel a vistoria do Corpo de Bombeiros foi regulamentada, pelo convênio entre a Prefeitura Municipal de Cascavel e o Corpo de Bombeiros, através da Lei

Leia mais

PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE

PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE DOCUMENTO COMPLEMENTAR 05 PROJETO DE QUALIFICAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE DE BELO HORIZONTE RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTROS DE SAÚDE ÍNDICE A. INTRODUÇÃO...

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

CAPÍTULO XIII Iluminação de emergência

CAPÍTULO XIII Iluminação de emergência CAPÍTULO XIII Iluminação de emergência Art. 363 - É o conjunto de componentes e equipamentos que, em funcionamento, proporcionam a Iluminação suficiente e adequada para permitir a saída fácil e segura

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS Aprovada pela Portaria GM/MTB nº 3.214 - DOU 06/07/1978. 23.1 Todos os empregadores devem adotar medidas de prevenção de incêndios, em conformidade

Leia mais

EDIFÍCIO AFONSO PENA 2300

EDIFÍCIO AFONSO PENA 2300 EDIFÍCIO AFONSO PENA 2300 BELO HORIZONTE MG Apresentação: Condomínio Edifício Afonso Pena, 2.300 Endereço: Afonso Pena, 2.300 Bairro: Centro Esquina com Rio Grande do Norte Belo Horizonte BH Localização:

Leia mais

9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015

9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015 Instrução Técnica nº 18/2011 - Iluminação de emergência 449 9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS RODRIGUES & AGUINAGA PROJETOS LTDA. Av. Francisco Talaia de Moura, 545 CEP: 91170-090 - Porto Alegre/RS. CNPJ: 09.077.763/0001-05 MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS 1 1.

Leia mais

CAPÍTULO VI. Sistema Hidráulico Preventivo

CAPÍTULO VI. Sistema Hidráulico Preventivo CAPÍTULO VI Sistema Hidráulico Preventivo Art. 47 - O Sistema Hidráulico Preventivo sob comando ou Automatizado, deverá ser locado em planta baixa, apresentado em esquema vertical ou isométrico, com os

Leia mais

ANEXO I-B. Descrição dos Serviços Material Mão de Obra Quant. Unid. Unitário Total Unitário Total PAVIMENTO TÉRREO. Item. Total

ANEXO I-B. Descrição dos Serviços Material Mão de Obra Quant. Unid. Unitário Total Unitário Total PAVIMENTO TÉRREO. Item. Total ANEXO I-B PLANILHA DE PREÇOS, COM OS SERVIÇOS E MATERIAIS NECESSÁRIOS PARA A COMPLETA EXECUÇÃO DO OBJETO, DE ACORDO COM AS ESPECIFICAÇÕES DO MEMORIAL DESCRITIVO Item 1 Descrição dos Serviços Material Mão

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS ANEXO XVIII AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica visa a adequar o texto da norma NBR 10897, que dispõe sobre

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

SPAS MANUAL DE PRÉ-INSTALAÇÃO 51- E

SPAS MANUAL DE PRÉ-INSTALAÇÃO 51- E SPAS MANUAL DE PRÉ-INSTALAÇÃO 51- E 2 PARABÉNS!!!! Você adquiriu um SPA Jacuzzi Premium, feito na mais alta exigência de qualidade. Apenas com alguns cuidados, seu SPA pode proporcionar anos de alegria

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

1º ADITIVO A ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 018/2013

1º ADITIVO A ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 018/2013 1 1º ADITIVO A ATA DE REGISTRO DE PREÇOS 018/2013 EDITAL DE LICITAÇÃO N.º 034/2013 MODALIDADE DE PREGÃO PRESENCIAL PROCESSO 2012 0058 7049 VALIDADE: 12 (DOZE) MESES Aos 10 (dez) dias do mês de junho do

Leia mais

Código Símbolo Significado Forma e cor Aplicação. Cuidado, risco de incêndio. Cuidado, risco de explosão. Cuidado, risco de corrosão

Código Símbolo Significado Forma e cor Aplicação. Cuidado, risco de incêndio. Cuidado, risco de explosão. Cuidado, risco de corrosão I - Símbolos da sinalização básica ANEXO B SIMBOLOGIA PARA A SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Os símbolos adotados por esta norma para sinalização de emergência são apresentados a seguir, acompanhados de exemplos

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA DE CAÇADOR - SC MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA DE CAÇADOR - SC MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA DE CAÇADOR - SC MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: SDAI Modelo: 3.000 m2 SETEMBRO 2011 SUMARIO 1. GENERALIDADES... 03 2. DOCUMENTOS APLICAVEIS... 05 3.

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

PPCI (PLANO DE PROTEÇÃO DE COMBATE A INCÊNDIO) PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ

PPCI (PLANO DE PROTEÇÃO DE COMBATE A INCÊNDIO) PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ PPCI (PLANO DE PROTEÇÃO DE COMBATE A INCÊNDIO) PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ End.: Rua Mal. Floriano Peixoto, 426 Bairro: Centro São Sebastião do Caí RS Ocupação: Ginásio Poliu Esportivo

Leia mais

Edifícios Consolação I e II

Edifícios Consolação I e II Edifícios Consolação I e II Os edifícios Consolação I e II estão localizados na Rua da Consolação, 2.403/2.411/2387, na quadra delimitada Rua Bela Cintra e Antonio Carlos, Bela Vista - São Paulo, SP. Trata-se

Leia mais

ANEXO I TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO FORO DA JUSTIÇA DO TRABALHO EM CACHOEIRINHA / RS

ANEXO I TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO FORO DA JUSTIÇA DO TRABALHO EM CACHOEIRINHA / RS ANEXO I TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO FORO DA JUSTIÇA DO TRABALHO EM CACHOEIRINHA / RS REFORMA DAS INSTALAÇÕES DE PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO 1. APRESENTAÇÃO 1.1. GENERALIDADES 1.1.1. As presentes

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DO RESTAURANTE E VESTIÁRIOS Rev. 0: 09/01/13 1. INTRODUÇÃO Este memorial visa descrever os serviços e especificar os materiais do projeto

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos

Comando do Corpo de Bombeiros. Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos Comando do Corpo de Bombeiros Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 6 Central e Armazenamento de GLP Asp. Of. BM Ericka Ramos Central e Armazenamento de GLP Introdução Central de GLP Conceitos e Aplicações

Leia mais

PROJETO DE NORMA BRASILEIRA

PROJETO DE NORMA BRASILEIRA PROJETO DE NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 9050 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Acessibility to buildings, equipment and the urban environment Palavras-chave: Descriptors:

Leia mais

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores.

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT:2001 Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. Sede: Rio

Leia mais

End. Rua Gonçalves Dias, 1075 MEMORIAL DO EMPREENDIMENTO

End. Rua Gonçalves Dias, 1075 MEMORIAL DO EMPREENDIMENTO End. Rua Gonçalves Dias, 1075 MEMORIAL DO EMPREENDIMENTO INFORMAÇÕES GERAIS Endereço do Empreendimento Rua Gonçalves Dias, N 1075 Menino Deus - Porto Alegre RS Composição do Apartamento Tipo 03 Dormitórios

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.009 SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR) Acompanhante

Leia mais

GINÁSIO ESPORTIVO DA COMUNIDADE RIO BONITO ALTO - PONTÃO - RS

GINÁSIO ESPORTIVO DA COMUNIDADE RIO BONITO ALTO - PONTÃO - RS MEMORIAL DESCRITIVO Obra: GINÁSIO ESPORTIVO DA COMUNIDADE RIO BONITO ALTO - PONTÃO - RS Área: 488,50 m² Local: Comunidade de Rio Bonito Alto Bairro: Rio Bonito Alto Cidade: Pontão - RS Proprietário: Comunidade

Leia mais

Laudo Técnico de Vistoria Predial (Autovistoria)

Laudo Técnico de Vistoria Predial (Autovistoria) Laudo Técnico de Vistoria Predial (Autovistoria) LTVP nº: Nota: Este LTVP, numerado, se destina a atender ao disposto na LEI Nº 6400, DE 05 DE MARÇO DE 2013, cujo preenchimento é baseado no resultado das

Leia mais

Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 3 Exigências Estruturais e Arquitetônicas

Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 3 Exigências Estruturais e Arquitetônicas Comando do Corpo de Bombeiros Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 3 Exigências Estruturais e Arquitetônicas Cap. QOBM Amarildo Exigências Estruturais e Arquitetônicas SUMÁRIO Exigências Estruturais

Leia mais

Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V. Central. Fonte de Alimentação. 1. Apresentação 1/12

Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V. Central. Fonte de Alimentação. 1. Apresentação 1/12 Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V 1. Apresentação Parabéns, você acaba de adquirir mais um produto desenvolvido pela CS Comunicação e Segurança: Central de Alarme de Incêndio

Leia mais

PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL

PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL MEDIDAS PARA CONTER A PROPAGAÇÃO DO INCÊNDIO NOS EDIFÍCIOS Compartimentação horizontal Compartimentação vertical Controle da

Leia mais

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL Agosto/2011 CONDOMÍNIO VISION Engº Claudio Eduardo Alves da Silva CREA nº: 0682580395 F o n e / F a x : ( 1 1 ) 2 6 5 1-5918 R. C e l. B e n to J o s é d e C a r v a lh o,

Leia mais

Sistema de proteção por extintores de incêndio

Sistema de proteção por extintores de incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 021 Sistema de proteção por extintores de incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

Leia mais

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 004 Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 17 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS

NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS 23.1 Disposições gerais. 23.1.1 Todas as empresas deverão possuir: a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do

Leia mais

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul 1. O presente memorial tem por

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase Este Memorial Descritivo tem por finalidade especificar os materiais e serviços a serem executados na REFORMA DA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

CONJUNTO PORTA CORTA-FOGO

CONJUNTO PORTA CORTA-FOGO Conjunto Porta Corta-Fogo CONJUNTO PORTA CORTA-FOGO Constituído por batente, folha, 3 dobradiças de mola reguláveis e 1 fechadura de sobrepor com chave; fabricado conforme norma da ABNT (NBR 11.742) Saída

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DE MERITI MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DE MERITI MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DE MERITI MEMORIAL DESCRITIVO Objeto: Reforma e Adequação sem acréscimo de área construída do Posto de Saúde de Eden. End.: Rua Roberto Silveira s/n Éden - São João de

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822 LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA N O 21/2015 1. Informações gerais sobre o local da vistoria: Imóvel sito a rua Jornalista Irineu Marinho nº 441 Icaraí Niterói RJ Nome do Condomínio: Edifício Luanda CNPJ/MP:

Leia mais

ANEXO II PLANILHA ORÇAMENTÁRIA DISCRIMINADA

ANEXO II PLANILHA ORÇAMENTÁRIA DISCRIMINADA ANEXO II PLANILHA ORÇAMENTÁRIA DISCRIMINADA (MODELO DE PROPOSTA) SERVIÇOS E MATERIAIS NECESSÁRIOS PARA A COMPLETA EXECUÇÃO DO OBJETO, DE ACORDO COM O MEMORIAL DESCRITIVO Local: PROCURADORIA DA REPÚBLICA

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO A EQUIPEL assegura ao proprietário deste aparelho garantia de 01 ano contra qualquer defeito de peça ou de fabricação desde que,

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC Especificação para implantação de infra-estrutura Diretoria de Redes Gerência de Engenharia da Distribuição Coordenação de Engenharia SISTEMA DE MEDIÇÃO E

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Municipio de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Municipio de Venâncio Aires MEMORIAL DESCRITIVO Obra: OBRAS CIVIS, REFORMA E INSTALAÇÕES - PMAT PAVIMENTO TÉRREO E SUPERIOR DA PREFEITURA MUNICIPAL Local: Rua Osvaldo Aranha-nº 634 Venâncio Aires EXECUÇÃO E SERVIÇOS A execução dos

Leia mais

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO. Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO. Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos ANEXO I PROJETO EXECUTIVO Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos Ass: Escopo para Contratação de Empresa Qualificada. Tipo da contratação: Obra de Engenharia.

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Botoeira / Acionador Manual Resetável - Acionamento Direto de Gás, Controle de Acesso em Áreas Sujeitas a Presença de Gáses, Combate e Alarme de Gás Código: AFAM5 O Acionador Manual / Botoeira Convencional

Leia mais

NR 23 - Proteção Contra Incêndios (123.000-0) b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de incêndio;

NR 23 - Proteção Contra Incêndios (123.000-0) b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de incêndio; 3.1 Disposições gerais. 3.1.1 Todas as empresas deverão possuir: NR 3 - Proteção Contra Incêndios (13.000-0) a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço,

Leia mais

Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um

Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um Algumas noções sobre a umidade relativa do ar Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um ambiente. A capacidade do ar de reter vapor de água é tanto maior

Leia mais