São Paulo, 8 a 12 de setembro de 2014.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "São Paulo, 8 a 12 de setembro de 2014."

Transcrição

1 A GESTÃO DE ÁREAS DE RISCO A DESLIZAMENTOS E ESTRATÉGIAS DE RESPOSTA A DESASTRES: UM ESTUDO SOBRE A PERCEPÇÃO DE RISCO DA POPULAÇÃO LOCAL ATRAVÉS DO SISTEMA DE ALERTA E ALARME Nathalia Lacerda de Carvalho Mestranda em Geografia na Universidade Federal do Rio de Janeiro Ana Luiza Coelho Netto Profª. Titular do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Rio de Janeiro e Coordenadora do Laboratório de Geo-Hidroecologia (GEOHECO/UFRJ) INTRODUÇÃO Os eventos extremos são, em si, um fenômeno característico da dinâmica geomorfológica e fazem parte da evolução do modelado do relevo. Já os termos desastre e risco estão diretamente associados aos elementos em exposição, ao potencial de perdas. Os desastres, no caso dos riscos ambientais, são conseqüências de fenômenos associados à dinâmica do meio físico com rebate na organização da sociedade e, por isso, também condicionados por ela. A exposição de elementos em risco configura o potencial de danos e perdas frente aos eventos extremos de chuvas e deslizamentos, sendo geralmente mais acentuados nos centros urbanos, onde se concentra maior parte da população. Dessa forma, fenômenos de natureza geodinâmica atingem a categoria de desastres. No Brasil, país inserido no capitalismo semiperiférico, os riscos estão na esteira de uma dinâmica sócio-espacial conflituosa pelo uso e ocupação da terra, com expressiva sobreposição cumulativa (Acselrad, 2009; Marques & Torres, 2001) dos riscos ambientais e tecnológicos. O direito constitucional à habitação é negligenciado, envolvendo precariedade e segregação residencial, de modo que não podemos excluir estes elementos da pauta do risco ambiental. 979

2 É nesse contexto que se propõe analisar as áreas de risco a deslizamentos como um risco ambiental socialmente construído -mediado por valores culturais, sociológicos e psicológicos- podendo ser estudado à luz da percepção como categoria de mediação com a realidade. Desse modo, pretende-se compreender como se dá o comportamento da população residente em uma área de risco que dispõe do sistema de alerta e alarme, a fim de que esses elementos tragam subsídios para problematizar a política pública no setor dos desastres e a gestão das áreas de risco deslizamentos. OBJETIVOS O presente trabalho tem como objetivo construir, com base em roteiro de entrevista elaborado: Análise da percepção de risco dos moradores do bairro Córrego Dantas; Avaliação do posicionamento atual da população com relação ao sistema de alerta e alarme; CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO A região sudeste brasileira se apresenta como uma das principais áreas de ocorrência de deslizamentos, enxurradas e inundações associadas aos eventos extremos de chuvas. Estudos de AVELAR et al. (2011) evidenciaram o predomínio de três tipos de movimentos de massa no evento extremo de janeiro de 2011 na Região Serrana do Rio de Janeiro, sendo: a) deslizamentos do tipo translacional, que predominaram nas encostas íngremes e de solos rasos; b) fluxos detríticos ricos em blocos de rochas e resíduos florestais, que avançaram pelos fundos de vales; c) quedas de blocos. A proposta formulada pelo DRM/RJ para a Região Serrana do Protocolo de Acionamento e Desacionamento do Sistema de Alerta e Alarme leva em conta os resultados de pesquisas que apontam para a necessária superposição de 04 índices pluviométricos para a deflagração de escorregamentos esparsos na Serra Fluminense 30mm/h; 100mm/24h; 110mm/96h; 270mm/mês. (Fonte: DRM/RJ) Estudos de COELHO NETTO et al. (2011), com dados de 47 estações pluviométricas, mostram que Nova Friburgo foi o município com maior intensidade de chuva (acima de 200mm em 9h) no evento de janeiro de 2011, que resultaram em 3622 cicatrizes de deslizamentos em uma área de 400km². Nota-se que as rupturas detonaram a partir de 140 mm/9h (~15,5mm/h), porém há uma expressiva variabilidade espacial na distribuição e 980

3 intensidade da precipitação ao longo destas 9 horas, assim como na correlação entre chuva e escorregamentos. Sendo assim, COELHO NETTO et al. (2011) não detectaram uma relação direta entre a intensidade da chuva e a detonação de deslizamentos- o que ressalta a importância da investigação de umidade do solo e comportamento mecânico dos materiais, associado ao conhecimento das condições potenciais de terreno e avanço nos modelos de chuvas críticas indutoras de deslizamentos. Os dados acima permitem ponderar as dificuldades em elaborar modelos consistentes de correlação chuva x escorregamento, uma vez que há grande variabilidade espacial da chuva. Somado a inoperância de instrumentar equipamentos de monitoramento que atinjam raios suficientes para que os dados de chuva sejam representativos da área de abrangência. Diante dessas informações é possível considerar que, atualmente, o sistema de alerta e alarme funciona com uma base técnica insuficiente, o que corrobora com a ideia de que essa não é a única via que precisa ser considerada, incorporada e aprimorada. Tal limitação nos põe diante do desafio de desenvolver, concomitantemente, outras medidas para prevenção e resposta a desastres. A bacia do Córrego Dantas (~53km²) vem sendo considerada como área piloto pela equipe do GEOHECO/UFRJ por concentrar inúmeros deslizamentos do evento extremo de O bairro de Córrego Dantas está inserido nesta bacia. Para o mapa de suscetibilidade, o recorte de bacia de drenagem é mais adequado, por permitir analisar a dinâmica hidro-erosiva com sua totalidade. Porém, para o estudo de percepção o recorte bairro se mostrou mais pertinente, pois está relacionado ao espaço vivido dotado de significado, em relação ao qual se nutre um topofilia (TUAN, 1983). Diferentes tipos de intervenção podem gerar distintas interferências nos sentimentos de pertencimento e identidade sócio-espacial. De modo que é preciso considerar, ao instalar um sistema de alerta, este senso de pertencimento que orienta as práticas espaciais. 981

4 Fonte: Coutinho et al. (inédito) REFERENCIAL TEÓRICO-CONCEITUAL A finalidade das pesquisas sobre risco, quando pensadas de modo mais amplo, é a sociedade. Ulrich Beck propôs o termo sociedade do risco (1986) para retratar o atual estágio da sociedade na modernidade e o caráter reflexivo desta modernidade (a modernização reflexiva), que consiste no próprio processo de modernização e nas práticas sociais modernas como fontes de risco (Beck, 1986; Beck et al., 1994; Giddens, 1991). Para Beck, o risco é o principal conceito estruturador das sociedades modernas, ou seja, as relações sociais pautam-se pela dinâmica dos riscos e das tentativas de assegurar a segurança. Logo, para o autor o risco é a linha tênue entre segurança e acidente. O conceito de sistemas peritos, de Anthony Giddens (1991) é definido como sistemas de excelência técnica ou competência profissional que organizam grandes áreas do mundo social e material de hoje. O autor ressalta que há possibilidades de falhas de sistemas peritos em geral, assim como a dificuldade que os peritos têm em identificá-las. Com isso, o conceito de sistemas peritos não exclui as possíveis falhas técnicas e, desse modo, podemos entender que os riscos são um componente intrínseco e dinâmico de todo e qualquer sistema organizador da vida moderna. Ao encontro dessa discussão, Veyret (2007) sublinha que os trabalhos atuais assumem que o risco zero não existe e que é preciso, portanto, gerenciar o risco. Segundo Veyret (2007), o estudo dos riscos interessa à geografia pelas relações 982

5 sociais e suas traduções espaciais, pois o risco está inscrito, ancorado no território, sendo este um espaço político, apropriado, onde exerce-se um poder e em que incide uma série de normais institucionais. O risco, objeto social, define-se como a percepção do perigo, da catástrofe possível. Ele existe apenas em relação a um indivíduo e a um grupo social [...], uma sociedade que o apreende por meio de representações mentais e com ele convive por meio de práticas específicas. Não há risco sem uma população ou indivíduo que o perceba e que poderia sofrer seus efeitos. Correm-se riscos que são assumidos, recusados, estimados, avaliados, calculados. O risco é a tradução de uma ameaça, de um perigo para aquele que está sujeito a ele e o percebe como tal. (VEYRET, 2007, P.11) Partindo de outra matriz teórico-metodológica (quantitative risk assessment), Fell et al. (2008) propõem que o risco (R) é visto como uma medida da probabilidade e da severidade de um efeito adverso para a saúde, propriedade e para o ambiente. É o produto da probabilidade de um fenômeno de uma certa magnitude vir a ocorrer vezes as conseqüências materializadas ou não. R = (f) susceptibilidade do terreno x ocorrências x conseqüências (sócio-econômicas e ambientais). Veyret (2007) afirma que a análise histórica permite compreender melhor as percepções do risco, os diversos modos de aceitação pelos diferentes atores e os mecanismos da memória do risco e das catástrofes, uma vez que a memória coletiva não é neutra. Apontam a importância de analisar como essas memórias se perpetuam, são esquecidas ou funcionam como acontecimentos aglutinadores, através da formação de uma espécie de identidade social. De acordo com Wejnert (2002), três aspectos da realidade atuam como mediadores entre a percepção do risco e o comportamento as características individuais e socioculturais e as características das práticas. A percepção do risco, enquanto fenômeno culturalmente construído e interpretado revela-se permeada por crenças/representações que constituem o eixo organizador das reações e comportamentos. Slovic (2000) adota a perspectiva de que a percepção do risco, as idéias sobre prevenção e as ações empreendidas são considerados fenômenos culturalmente construídos e interpretados. Estabelece uma distinção entre a probabilidade de risco e a percepção do risco, partindo do ponto de vista de que risco real e risco percebido são duas dimensões diferentes. Esse autor reconhece que a equação risco/resposta ao risco é 983

6 mediada por valores, tornando claro que outros fatores, além de uma avaliação técnica do risco, são nitidamente importantes para a compreensão de como as pessoas percebem e respondem aos riscos. Kobyama (2004) sugere que, num contexto local, sejam criados grupos compostos por vizinhos capacitados para agir durante as fases de pré-evento, durante e depois do evento, auxiliando os órgãos municipais de defesa civil. Aponta que num terremoto ocorrido no município de Kobe, no Japão, em 1995, o número de mortos foi menor onde havia um grupo voluntário de apoio composto por vizinhos. Nesse sentido, em localidades onde o vínculo comunitário entre vizinhança e grupos de apoio se estabelece- o que o autor nomeia como grupos de autodefesa- a gestão de risco de torna mais efetiva. A respeito do risco como componente intrínseco à modernidade e seu caráter global (globalização do risco) trabalhado por Beck e Giddens, Acselrad (2002) elabora contrapontos, sobretudo com relação à distribuição desigual dos danos. A Sociedade de Risco estabelece que o risco é dado pelas técnicas, não incorpora as lutas simbólicas e desconsidera as categorias capital e classe social. De fato, os riscos são distribuídos desigualmente no território e estão imbricados à dinâmica sócio-espacial. Com relação ao caráter híbrido dos riscos, como processo histórico e territorial, Swyngedouw (2001) evidencia o papel da circulação da água para o metabolismo da sociedade. Os metabolismos são estruturados e relacionados via relações de poder, dominação/subordinação, acesso/exclusão. Observando mais de perto, contudo, a cidade e o processo urbano são uma rede de processos entrelaçados a um só tempo humanos e naturais, reais e ficcionais, mecânicos e orgânicos. [...] A urbanização baseia-se na organização, controle e domínio da circulação socionatural da água; a produção socionatural da cidade baseia-se em alguma forma de água corrente. (SWYNGEDOUW, 2001, P.98-9) Nogueira (2002) define que gerenciamento envolve o conjunto de medidas de organização e operação institucional para o tratamento de situações de risco existentes, no âmbito da competência e atribuição do órgão público que o executa. A gestão dos riscos urbanos, mais abrangente, é parte da gestão do ambiente urbano e compreende, além do gerenciamento de riscos, políticas públicas de habitação e desenvolvimento urbano, de inclusão social e mecanismos de regulação e aplicação dessas políticas. Cardona (1996 apud Nogueira 2002) apresenta um roteiro do processo institucional de gerenciamento de riscos e preparativos para desastres. Inclui aí um amplo 984

7 espectro de atividades relacionadas à prevenção, mitigação, resposta e recuperação. Essas atividades, muito além dos aspectos relativos à assistência em situações de emergência, também se vinculam com a educação, a pesquisa, a tecnologia e o planejamento em todas as suas modalidades. Para o autor, a seqüência de tarefas administrativas levadas a cabo no gerenciamento de riscos corresponde ao esforço para prevenir a ocorrência, mitigar as possibilidades de perdas, preparar para as conseqüências, alertar sobre a presença, responder à emergência e recuperar-se dos efeitos dos desastres. Essas tarefas são executadas em três momentos: antes, durante e depois do evento. Veyret (2007) sintetiza: A gestão dos riscos sejam eles ambientais, industriais, econômicos (na verdade, sociais), traduz as escolhas políticas e as decisões finais de organização dos territórios. [...] A crise ou a catástrofe deve ser gerenciada na urgência pelos serviços de socorro, no contexto de planos às vezes definidos de antemão, ao passo que o risco exige ser integrado às escolhas de gestão, às políticas de organização dos territórios, às práticas econômicas. [...] As interações espaciais entre os riscos de qualquer natureza e outros fatos ou agentes estruturadores do território, tais como os transportes e a organização administrativa, são fonte de uma grande complexidade. (VEYRET, 2007, p. 12) Fell et al. (2008), definem suscetibilidade como: avaliação quantitativa e/ou qualitativa dos tipos, volume ou área de deslizamentos que existem, ou potencialmente podem ocorrer num determinado local ou região. A vulnerabilidade refere-se ao grau de perda de um certo elemento ou conjunto de elementos dentro de uma área afetada por deslizamentos. Pode ser expressa na escala de 0 (sem perda) a um (perda total) no caso de propriedades, a perda pode ser avaliada pelo valor do dano em relação ao valor da propriedade; no caso de pessoas, será a probabilidade de perda de uma vida particular ou numero de pessoas afetadas pelo deslizamentos. Como contraponto a essa perspectiva, Veyret (2007) afirma que a vulnerabilidade não pode ser definida como simples índices e que deve ser considerado como esta pode ser compartilhada por um grupo social (probabilidade anual de um conjunto de indivíduos ser morto em razão do mesmo acontecimento), e as expressões espaciais decorrentes da distribuição da população em torno de locais de risco. Para Hewitt (1997), a vulnerabilidade é relacionada a desvantagens estruturais que possuem relação com a dinâmica de poder que funda os territórios, como a pobreza, a 985

8 dependência e direitos civis desrespeitados. Segundo Marques e Torres (2001), o estudo de áreas de risco ambiental pode ter um sentido estratégico, pois evidencia, de modo dramático em alguns casos, a sobreposição cumulativa de riscos ambientais às diversas formas de desigualdade social e residencial. HEWITT (1996) critica a interpretação de desastres como resultados de forças externas ou aberrações dentro da ordem social, conduzindo ao manejo de desastres restrito ao controle dos danos e à restauração da normalidade. Esta é uma posição sempre relevante, pois há clara necessidade de desnaturalizar o argumento de que os desastres são promovidos por forças da natureza, por uma tragédia que altera a normalidade. Quando, na realidade, eventos geodinâmicos estes expressam espacialmente o produto das relações de poder entre diferentes segmentos/agentes sociais. METODOLOGIA E OPERACIONALIZAÇÃO DA PESQUISA O atual quadro regulatório das políticas públicas na área de desastres naturais Como citado anteriormente, a Lei /2012 instituiu a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil, através da elaboração de mapas de risco nos municípios e instalação de sistema de alerta em áreas prioritárias, definidas pelo Cadastro Nacional de Municípios suscetíveis a deslizamentos e outros processos associados indutores de desastres. No que concerne aos órgãos públicos, foi criado em 2005 o Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (CENAD) - instituído pelo Decreto Nº 5.376/2005 como parte do Ministério da Integração Nacional e coordenado pela Secretaria Nacional de Defesa Civil (Fonte: Ministério da Integração Nacional). Porém, este órgão não apresentava operacionalidade até que, em 2012, houve o primeiro concurso para formação de quadro profissional. O Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN), criado institucional e efetivamente em 2011, trabalha na previsão de ocorrência de desastres naturais em áreas suscetíveis de todo o Brasil. Sua proposta é mais ligada à aquisição e manutenção de equipamentos, e as informações obtidas com o monitoramento (na chamada sala de situação) são enviadas ao CENAD. Este formato de centro de gerenciamento é de caráter centralizado, as informações são obtidas através de equipamentos e então transmitidas às defesas civis municipais. Este modelo enfrenta alguns problemas, sendo um dos principais a carência de informações básicas (como imagens de detalhe, mapas temáticos, série hidrológica, etc.). 986

9 Estão sendo adquiridas estações pluviométricas automáticas, por exemplo, mas o ritmo de aquisições/demandas ainda é aquém, o que significa que estes órgãos operam sem base de dados suficientes. Diante do quadro atual de regulamentação e órgãos públicos, surgem questões acerca dos limites deste modelo institucional com pretensão de monitoramento em escala nacional. Os alertas e as medidas voltadas para redução dos riscos devem ser citados como fundamentais, assim como os sistemas de monitoramento de chuvas e dos mecanismos de instabilidade das encostas, que visam fundamentalmente nortear os procedimentos para emissão de alarmes através de sistemas de alerta para a população. Porém, será que somente o aprimoramento técnico é suficiente (ou um fim em si mesmo) para a construção de uma estratégia de enfrentamento real do problema? Neste sentido, a percepção de risco como categoria de análise busca preencher lacunas encontradas em trabalhos anteriores (LACERDA,2013) e pesquisas de campo acerca do descompasso entre as políticas públicas recém efetivadas (através da Lei /2012) e seu rebate na realidade dos moradores destas áreas. Tem se mostrado evidente a necessidade de ampliar investigações que considerem a visão e comportamento dos moradores e o papel das organizações comunitárias como meio de redução dos desastres relacionados às chuvas intensas. Operacionalização Foram aplicados 60 roteiros de entrevista com os moradores do bairro do Córrego Dantas. O objetivo foi construir, a partir deste instrumento, uma avaliação da percepção de risco e do posicionamento atual da população, especialmente ao toque real dos alarmes. RESULTADOS E DISCUSSÕES A partir dos 60 questionários aplicados, as informações foram passadas para uma tabela no programa Excel e gerados gráficos com os percentuais correspondentes para melhor visualização das informações. Através das respostas obtidas, percebemos que a maioria dos moradores têm conhecimento de que habitam uma área de risco, como visto no gráfico 1, porém boa parte ainda resiste em reconhecer tal fato. Os moradores sabem que existe o sistema de alerta (98%- gráfico 2), conhecem a localização da sirene de alarme (90%gráfico 3) e 50% tiveram suas casas atingidas (gráfico 4). 987

10 Em contrapartida, poucos participaram de qualquer evento de simulação do plano de emergência (gráfico 7), boa parte alegando falta de interesse (gráfico 8). O desinteresse com relação aos procedimentos de simulação é bastante evidente, e pode ser interpretado como uma resposta à forma como o sistema de alerta foi efetivado dentro do bairro. O bairro do Córrego Dantas possui uma associação de moradores bastante organizada, mas que não foi devidamente inserida na gestão do sistema de alerta ou na escolha da localização dos pontos de apoio. 988

11 Apesar do relativo desinteresse, ainda assim os moradores são favoráveis à existência das sirenes e dos abrigos temporários (gráfico 10). Os pontos de apoio são muito importantes para o êxito do plano de emergência e da mitigação dos riscos, porém a atenção quanto à sua localização e infra-estrutura não foi devidamente posta em pauta pela Prefeitura de Nova Friburgo e pela Defesa Civil Municipal. Foi possível observar em campo a precariedade dos pontos de apoio, sendo escolhida uma creche muito próxima ao canal (Córrego Dantas) e uma escola na base da escarpa rochosa onde ocorreu um fluxo detrítico no evento de Janeiro de 2011, com muitos blocos transportados. 989

12 O gráfico 12 mostra que 61% dos entrevistados não concordam com a localização dos pontos de apoio. Muitos reconhecem a área como insegura e utilizam tal fato para justificar a permanência nas residências quando a sirene é acionada. Com relação à instruções do procedimento de emergência e funcionamento das sirenes, 55% acham que está correto (gráfico 13) e que as instruções são de fácil entendimento (65%- gráfico 14). Porém, a autora pode perceber que os moradores mais instruídos reconhecem que boa parte da população são saberia como agir caso ocorresse um novo desastre. 990

13 A reação negativa dos moradores se torna evidente quando questionamos se eles acham que a própria casa está em risco, visto que 60% não admite tal realidade (gráfico 15). O problema se agrava em circunstâncias de alerta com chuvas intensas. Quando perguntamos a respeito da disposição em deixar a residência caso a sirene tocasse (gráfico16), 54% afirmaram que não sairiam, alegando que se sentem seguros em casa, que os pontos de apoio são mais inseguros que suas moradorias e que quando a chuva é muito intensa, o melhor é evitar os deslocamentos (gráfico 17). Esta resposta da população evidencia que não há ainda uma cultura de segurança suficientemente difundida para evitar perdas e danos no caso de um evento extremo. 991

14 Com relação às remoções, ainda há muitas incertezas, mas foi percebida uma tendência ao acordo quando a troca se dá em dinheiro. No gráfico 18 podemos ver que 37% aceitariam ser removidos caso a Prefeitura oferecesse dinheiro para compra em outro local. Quando questionamos acerca da disposição em ser removidos para uma casa já construída (gráfico 19), ao estilo dos conjuntos habitacionais, 38% negariam o acordo. 992

15 Podemos discutir, então, como seria uma proposta de gestão das áreas de risco coerente com as demandas locais. Não há como homogeneizar os processos de remoção ou de instalação de sirenes e pontos de apoio. Cada local pode responder de uma forma, assim como as bacias hidrográficas em que os bairros estão inseridos, sendo limites distintos, também acenam para a necessidade de uma nova visão de gestão de desastres naturais. Não é suficiente apenas considerar o recorte dos bairros, pois estes são delimitações político-administrativas que não correspondem com a dinâmica hidro-erosiva das bacias hidrográficas. Porém, tampouco é garantido o êxito ao planejar a gestão dessas áreas 993

16 limitando-se somente à unidade de planejamento bacia hidrográfica. A autora pontua essa questão porque foi possível perceber que a difusão de informações através da organização comunitária é um ponto crucial para o êxito dos planos de emergência e mitigação de riscos, o que vai ao encontro de Kobyama (2004). Nesse sentido, é preciso construir uma estratégia que integre a bacia de drenagem e os mapas de risco - para pensar a alocação das sirenes e dos pontos de apoio - com o recorte dos bairros. Essa integração entre bacia de drenagem e bairro é necessária porque, por um lado, o sistema de alerta monitora um fenômeno que é geodinâmico. Por outro, as pessoas moram nos bairros, espaços vividos dotados de significado, e esta dimensão do cotidiano dos moradores não deve ser ignorada, se pensarmos que é sobre os comportamentos que está calcada a percepção e que a unidade de vizinhança pode ser frutífera na redução de danos em casos de eventos extremos. Ao analisar os gráficos 21 e 22, vemos que ainda não há um comportamento reativo da população quando houve um caso real de acionamento da sirene de alerta, que colocou o bairro em estado de alerta. 994

17 Tendo em vista que as pessoas sabem porque os alarmes são acionados (gráfico 23) e permanecem em suas casas correndo risco de vida, fica a pergunta: e por que as pessoas não saem? Dentro das limitações deste trabalho, foi possível perceber que a percepção de risco da população é um tanto incipiente, visto que eles reconhecem que habitam uma área de risco, mas não resistentes ao reconhecer que sua própria casa pode sofrer danos e que suas vidas estão efetivamente em risco. Além disso, a situação deficitária dos pontos de apoio contribui para que os moradores não se mobilizem em torno de um plano de evacuação em caso de emergência. Quando questionados sobre a responsabilidade sobre o sistema de alerta (gráfico 24), somente 18% acham que deve ficar à carga exclusivamente da prefeitura. A parceria com a associação de moradores foi proposta por 30%, sendo otimistas quando à eficácia de uma gestão compartilhada. 995

18 A autora entrevistou o vice-presidente da Associação de Moradores do Córrego Dantas, que se mostrou favorável à parceria com a prefeitura, porém salientando que a Associação não tem estrutura de pessoal para manter o sistema de alerta sem o apoio efetivo da prefeitura. Com relação ao risco de deslizamentos e inundações associadas que estão expostas a população, 53% acham que não há como lidar com o problema sem a existência de um sistema de alerta (gráfico 25), sendo a avaliação positiva (gráfico 26) por parte da maioria (51%), em contrapartida, 37% ainda acham ruim ou muito ruim. 996

19 Quando questionados acerca das melhorias possíveis (gráfico 27), as principais sugestões envolvem os pontos de apoio. Para autora, esta é uma das discussões fundamentais para que o sistema de alerta e alarme seja efetivo ao reduzir perdas e danos. Sem pontos de apoio seguros, estruturados e capazes de abrigar toda a população do raio de influência, não haverá plano de emergência, visto que a população não vai deixar suas casas para se dirigir a um local sob risco, insalubre ou mesmo com tamanho insuficiente para receber as pessoas. 997

20 CONCLUSÕES Foi possível detectar algumas tendências de comportamento da população frente ao sistema de alerta já implementado, tais como: A população reconhece estar em área de risco, mas, ao mesmo tempo, não admite que sua casa possa estar em risco; Em geral, a população tem conhecimento da existência de sirenes de alarme e da localização dos pontos de apoio, porém durante os eventos de chuvas em que as sirenes foram acionadas permaneceram dentro de casa; A população não confia na estrutura dos pontos de apoio para abrigá-los em caso de emergência. A população não acredita que a existência de um plano de evacuação acionado por sirenes impossibilitará as perdas e danos tal como ocorreu em janeiro de REFERÊNCIAS ACSELRAD, H. O que é Justiça Ambiental. Rio de Janeiro, Garamond: p. armar. Colección de piezas rompecabezas social. 1996, cap.9. ACSELRAD, H. Justiça ambiental e construção social do risco. In: Desenvolvimento e Meio Ambiente. nº5, jan/jun pp. de un COELHO NETTO, A. L., SATO, A. M., AVELAR, A. S., Vianna, L. G., ARAÚJO, I., FERREIRA, D. L. C. LIMA, P. H., SILVA, A. P. A. & SILVA, R. P. (2011) January 2011: the extreme landslide disaster in Brazil. Proceedings of the Second World Landslide Forum, 3-7, Rome, Italy. ADAMS, J. Risco. Editora Senasc. São Paulo AVELAR, A.S.; COELHO NETTO, A.L.; LACERDA, W.A.; BECKER, L.B.; MENDONÇA, M.B. Mechanisms oh the recent catastrophic landslides in the mountainous range of Rio de Janeiro, Brazil. In: Proceeding of the Second World Landslide Forum. October 2011, Rome. DRM Relatório Técnico Correlação Chuvas x Escorregamentos Disponível em: udo?article-id= FELL, R., COROMINAS, J., BONNARD, C., CASCINI, L. LEROI, E., SAVAGE, W. Guidelines for landslides susceptibility, hazard and risk zoning for land use planning. Engineering Geology, 102: 8384pp. (2008) BECK, U.; GIDDENS, A.; LASH, S. (Org). Reflexive Modernization: politics, traditions aesthetics in the modern social order. Cambrigde Press BECK, U. Risikogesellschaft. Auf dem Weg in eine andere Moderne. Frankfurt. Shurkamp Verlag KG Ed. Traduzida: Inglês, 1992 GIDDENS, A. As conseqüências da modernidade. São Paulo. Edusp. 177p HEWITT, K Regions of Risk. A Geografical Introduction to Disasters. Essex. Longman. 389p. CARDONA, O.D. El manejo de riesgos y los preparativos para desastres: compromiso institucional para mejorar la calidad de vida. In: MASKREY, A. (Ed.) Desastres: modelo para KOBYAMA, M.; CECCHIA, T.; SILVA, R.V.; SCHRÖDER, 998

21 P.H.; GRANDO, A.; REGINATTO, G.M.; Papel das comunidades e da universidade no gerenciamento de desastres naturais. In: Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais, 1. Florianópolis. P SMITH, K. Environmental hazards: assessing risks and reducing disaster. 2.ed. London: Routledge, 380p. (1996). SWYNGENDOUW, E. A cidade como um híbrido : natureza, sociedade e "urbanização-cyborg". In: ACSELRAD, H. (Org.) A duração das cidades: sustentabilidade e risco nas políticas urbanas. P LACERDA, N. Sistema de alerta a deslizamentos e percepção de risco: Bacia do Córrego Dantas, Nova Friburgo-RJ. Monografia de Graduação. (2013) TUAN, YI-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: DIFEL, (1983). MARQUES, E.; TORRES, H. Reflexões sobre a hiperperiferia: novas e velhas faces da pobreza no entorno metropolitano. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, n.4, (2001). WEJNERT, B. Integrating models of diffusion of innovation: a conceptual framework. Annual Review of Sociology, (2002) NOGUEIRA, F.R. Políticas Públicas Municipais para Gerenciamento de Riscos Ambientais Associados a Escorregamentos em Áreas de Ocupação Subnormal. Rio Claro (Tese de Doutorado). Universidade Estadual Paulista. Instituto de Geociências e Ciências Exatas. 253p. (2002) SLOVIC, P. The perception of risk. Earthscan Publications Ltd; (2000). VEYRET, Y. Introdução. In: VEYRET, Y. (Org.) Os Riscos. O homem como agressor e vítima da meio ambiente.são Paulo. Contexto. PP VEYRET, Y. e RICHEMOND, N. M. O risco, os riscos. In: VEYRET, Y. (Org.) Os Riscos. O homem como agressor e vítima da meio ambiente.são Paulo. Contexto. PP London: 999

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

O trabalho compreende a análise de três TCC - Trabalho de Conclusão de Curso.

O trabalho compreende a análise de três TCC - Trabalho de Conclusão de Curso. III Congresso Internacional III Congresso Internacional, I Simpósio Ibero-Americano e VIII Encontro Nacional de Riscos Guimarães RISCO AMBIENTAL E VULNERABILIDADE: DISCUSSÃO CONCEITUAL A PARTIR DE TRABALHOS

Leia mais

Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos

Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos Deslizamentos catastróficos no Brasil: eventos geológico-geomorfológicos associados a eventos pluviométricos extremos Geóg. Maria Carolina Villaça Gomes Mestranda em Geografia Física - USP Os desastres

Leia mais

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 Prevenção de Catástrofes...da previsão ao controle Margareth Alheiros UFPE 22/02/2011 O que a sociedade sabe sobre Desastres? O que circula na imprensa: imagens com

Leia mais

A Prática da Psicologia em Emergências e Desastres: Perspectivas Sociais e Preventivas

A Prática da Psicologia em Emergências e Desastres: Perspectivas Sociais e Preventivas A Prática da Psicologia em Emergências e Desastres: Perspectivas Sociais e Preventivas Angela Elizabeth Lapa Coêlho Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ Segundo Wilches-Chaux (1993), devemos despojar

Leia mais

Gestão de Riscos no Brasil

Gestão de Riscos no Brasil Gestão de Riscos no Brasil Eduardo Soares de Macedo Géologo PROCESSOS CAUSADORES DE RISCOS NATURAIS Classificação COBRADE SEDEC-MI CATEGORIA GRUPO SUBGRUPO 1. Terremoto 1. GEOLÓGICO 2. Emanação vulcânica

Leia mais

Técnicos municipais envolvidos com o tema

Técnicos municipais envolvidos com o tema Curso de Capacitação de Técnicos Municipais para Prevenção e Gerenciamento de Riscos de Desastres Naturais SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM PÚBLICO-ALVO Técnicos municipais envolvidos com o tema 1 OBJETIVO

Leia mais

Mapeamentos e dados gerais no Brasil sobre escorregamentos

Mapeamentos e dados gerais no Brasil sobre escorregamentos Mapeamentos e dados gerais no Brasil sobre escorregamentos BOCAINA CURSOS & ESTUDOS AMBIENTAIS-URBANOS Fernando Nogueira Consultor VEYRET, Yvette (org.). Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais 2012 2014 Novos Investimentos R$ 18,8 bilhões Socorro, assistência e reconstrução Prevenção Obras estruturantes Resposta Mapeamento Monitoramento

Leia mais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais SECRETARIA NACIONAL DE ACESSIBILIDADE E PROGRAMAS URBANOS Departamento de Políticas de Acessibilidade e Planejamento Urbano Cooperação Técnica Internacional BRASIL-JAPÃO GIDES Fortalecimento da Estratégia

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil IV SESSÃO DA PLATAFORMA REGIONAL PARA A REDUÇÃO DO RISCO DE DESASTRES NAS AMÉRICAS (PR14) Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil Guayaquil, Maio

Leia mais

Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI

Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI Seminário Estadual Sobre Emergência Ambiental Belo Horizonte, 02 e 03 de

Leia mais

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 2. Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

PERCEPÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS: A INFLUÊNCIA DA GLOBALIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO.

PERCEPÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS: A INFLUÊNCIA DA GLOBALIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO. PERCEPÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS: A INFLUÊNCIA DA GLOBALIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO. Autores: Silva, Luis Paulo B. 1 ; Silva, Fellipe F. 1 ; Loureiro, Hugo A. S. 1 1 Graduandos do departamento de Geografia da Universidade

Leia mais

Água, risco e vulnerabilidade: os conceitos de Risco Hídrico e de Vulnerabilidade Hidrossocial

Água, risco e vulnerabilidade: os conceitos de Risco Hídrico e de Vulnerabilidade Hidrossocial Água, risco e vulnerabilidade: os conceitos de Risco Hídrico e de Vulnerabilidade Hidrossocial Alexander Josef Sá Tobias da Costa UERJ / Instituto de Geografia - ajcostageo@gmail.com Estágio da pesquisa:

Leia mais

Seminário Internacional sobre Prevenção de Desastres Naturais Rio de Janeiro, 28 de agosto de 2013.

Seminário Internacional sobre Prevenção de Desastres Naturais Rio de Janeiro, 28 de agosto de 2013. A Atuação Secretaria Nacional de Defesa Civil - SEDEC na Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais e o Projeto Mapeamento de Áreas de Risco Rafael Schadeck Diretor Cenad/Sedec/MI Seminário Internacional

Leia mais

CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais

CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Workshop Complexo do CEMADEN São José dos Campos, SP, 14 de janeiro de 2014 Decreto

Leia mais

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino CEX Seca no Semiárido Nordestino CEMADEN-MCTI Brasília, 28 de Maio de 2015 2 Operação do CEMADEN EM FUNCIONAMENTO

Leia mais

Plano Municipal de Redução de Risco de Florianópolis

Plano Municipal de Redução de Risco de Florianópolis Plano Municipal de Redução de Risco de Florianópolis Curso de Capacitação em Mapeamento e Gestão de Riscos RISCO AMBIENTAL URBANO condição potencial da ocorrência de um acidente que possa causar perda

Leia mais

Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS

Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS OBJETIVOS: Atualização do mapeamento de riscos associados a escorregamentos de encostas; Indicação de tipologias de intervenções

Leia mais

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DEFESA CIVIL INTRODUÇÃO 1. O presente Termo

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADE DE CORUMBÁ - MS

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADE DE CORUMBÁ - MS DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADE DE CORUMBÁ - MS Nayane Cristina Costa Silva *, Graciela Gonçalves de Almeida, Joelson Gonçalves Pereira

Leia mais

EVENTOS CLIMÁTICOS E A GESTÃO DO RISCO EM CIDADES BRASILEIRAS: CONSIDERAÇÕES SOBRE OS DESASTRES OCORRIDOS NO RIO DE JANEIRO, PERNAMBUCO E ALAGOAS

EVENTOS CLIMÁTICOS E A GESTÃO DO RISCO EM CIDADES BRASILEIRAS: CONSIDERAÇÕES SOBRE OS DESASTRES OCORRIDOS NO RIO DE JANEIRO, PERNAMBUCO E ALAGOAS EVENTOS CLIMÁTICOS E A GESTÃO DO RISCO EM CIDADES BRASILEIRAS: CONSIDERAÇÕES SOBRE OS DESASTRES OCORRIDOS NO RIO DE JANEIRO, PERNAMBUCO E ALAGOAS Aline Pascoalino 1, Lutiane Queiroz de Almeida 2 1 Doutoranda

Leia mais

Recife (Pernambuco), Brazil

Recife (Pernambuco), Brazil Recife (Pernambuco), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Geraldo Julio de Melo Filho Nome do ponto focal: Adalberto Freitas Ferreira

Leia mais

LEVANTAMENTO DA CONCEPÇÃO DE RISCO AMBIENTAL E ÁREAS DE RISCO NA ESCOLA BÁSICA EM SÃO JOÃO DEL REI BRASIL: RESULTADO PRELIMINAR

LEVANTAMENTO DA CONCEPÇÃO DE RISCO AMBIENTAL E ÁREAS DE RISCO NA ESCOLA BÁSICA EM SÃO JOÃO DEL REI BRASIL: RESULTADO PRELIMINAR LEVANTAMENTO DA CONCEPÇÃO DE RISCO AMBIENTAL E ÁREAS DE RISCO NA ESCOLA BÁSICA EM SÃO JOÃO DEL REI BRASIL: RESULTADO PRELIMINAR André Barbosa Ribeiro Ferreira Departamento de Geografia, Universidade Federal

Leia mais

RECONHECIMENTO DAS FEIÇÕES DIAGNÓSTICAS EM SETORES DE RISCO DE MOVIMENTO DE MASSA: ESTUDO DE CASO DE ITAMARAJU-BA

RECONHECIMENTO DAS FEIÇÕES DIAGNÓSTICAS EM SETORES DE RISCO DE MOVIMENTO DE MASSA: ESTUDO DE CASO DE ITAMARAJU-BA RECONHECIMENTO DAS FEIÇÕES DIAGNÓSTICAS EM SETORES DE RISCO DE MOVIMENTO DE MASSA: ESTUDO DE CASO DE ITAMARAJU-BA Leandro Galvanese Kuhlmann¹; Victor Augusto Hilquias Silva Alves². Resumo A CPRM Serviço

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E OS PROBLEMAS AMBIENTAIS OCASIONADOS POR INUNDAÇÕES URBANAS NO RIO MARANGUAPINHO: O BAIRRO HENRIQUE JORGE, FORTALEZA- CE.

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E OS PROBLEMAS AMBIENTAIS OCASIONADOS POR INUNDAÇÕES URBANAS NO RIO MARANGUAPINHO: O BAIRRO HENRIQUE JORGE, FORTALEZA- CE. A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E OS PROBLEMAS AMBIENTAIS OCASIONADOS POR INUNDAÇÕES URBANAS NO RIO MARANGUAPINHO: O BAIRRO HENRIQUE JORGE, FORTALEZA- CE. Karinne Wendy Santos de Menezes Universidade Estadual do

Leia mais

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready!

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready! Parceiros: Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil Tel. +351 21 434 90 15 Tel. +351 21 494 86 38 Telm. +351 96 834 04 68 Fax. +351 21 494 64 51 www.cm-amadora.pt www.facebook.com/amadora.resiliente

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D.4.6. Gestão, Avaliação e Revisão do PPA (20h) (Caso 3: Gestão de Riscos e Resposta a Desastres) Professora: Cristiane Collet Battiston

Leia mais

II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos

II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos GABINETE DO GOVERNADOR CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL II Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos Dezembro / 2007 POLÍTICA E PROGRAMAS PARA A DEFESA CIVIL DO ESTADO

Leia mais

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Prefeito - Julio Cesar Gomes Nome do ponto focal: Maricleia Leati Organização:

Leia mais

A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo

A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo 1. Introdução O intenso processo de urbanização vivido no País desde os anos 80, a falta

Leia mais

a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil

a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil b) Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.5 Sistema de Planejamento Federal (32h) (Palestra 3: Programa Gestão de Riscos e e Resposta a Desastres - GRRD) Professora: Cristiane

Leia mais

ANÁLISE QUALITATIVA DE EVENTOS DE PRECIPITAÇÃO INTENSA NA BACIA DO GREGÓRIO, SÃO CARLOS - SP

ANÁLISE QUALITATIVA DE EVENTOS DE PRECIPITAÇÃO INTENSA NA BACIA DO GREGÓRIO, SÃO CARLOS - SP ANÁLISE QUALITATIVA DE EVENTOS DE PRECIPITAÇÃO INTENSA NA BACIA DO GREGÓRIO, SÃO CARLOS - SP Anaí Floriano Vasconcelos, Juliana Pontes Machado de Andrade 2, Eduardo Mario Mendiondo ³ Escola de Engenharia

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM UNDERSTANDING RISK SEÇÃO: CRESCIMENTO URBANO SEM RISCOS DE DESLIZAMENTOS Conhecimento, Prevenção, Preparação, Resposta e Mudança de Hábitos Belo Horizonte, novembro de

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de valores ético-ambientais para o exercício da cidadania

EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de valores ético-ambientais para o exercício da cidadania EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de valores ético-ambientais para o exercício da cidadania 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...3 2 OBJETIVOS DO PROJETO:...5 3 METAS PARA A SUSTENTABILIDADE...6 4 JUSTIFICATIVAS...6 4.1-

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL TRANSFORMAR ASSENTAMENTOS IRREGULARES EM BAIRROS Autor(es): Gabriel Carvalho Soares de Souza, Alexandre Klüppel, Bruno Michel, Irisa Parada e Rodrigo Scorcelli Ao considerar a Favela como um fenômeno que

Leia mais

Ibirarema (São Paulo), Brazil

Ibirarema (São Paulo), Brazil Ibirarema (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: THIAGO ANTONIO BRIGANÓ Nome do ponto focal: ALLAN TÁCITO Organização: Prefeitura

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DE RISCO COMO FERRAMENTA DE PREVENÇÃO DE DESASTRES

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DE RISCO COMO FERRAMENTA DE PREVENÇÃO DE DESASTRES A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DE RISCO COMO FERRAMENTA DE PREVENÇÃO DE DESASTRES Flaviano de Souza Alves Doutorando em Engenharia Civil COPPE/UFRJ. flavianoeng@hotmail.com Claudio Fernando Mahler Prof. D. Sc.

Leia mais

A TRAGÉDIA DAS CHUVAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, CATASTROFES NA CIDADE COM ENFANSE NOS ANOS DE 1966/67, 1988 E 2010.

A TRAGÉDIA DAS CHUVAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, CATASTROFES NA CIDADE COM ENFANSE NOS ANOS DE 1966/67, 1988 E 2010. A TRAGÉDIA DAS CHUVAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, CATASTROFES NA CIDADE COM ENFANSE NOS ANOS DE 1966/67, 1988 E 2010. E OS RISCOS E DESASTRES QUE PERMANECEM NA ATUALIDADE. Aluno: Sergio Floriano Siqueira

Leia mais

Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada de Riscos de Desastres Naturais

Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada de Riscos de Desastres Naturais SECRETARIA NACIONAL DE ACESSIBILIDADE E PROGRAMAS URBANOS Departamento de Políticas de Acessibilidade e Planejamento Urbano Cooperação Técnica Internacional BRASIL-JAPÃO Fortalecimento da Estratégia Nacional

Leia mais

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Carla Juscélia de Oliveira Souza Departamento de Geociências, Curso de Geografia, Universidade Federal

Leia mais

CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC

CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED Universidade Federal de Santa Catarina UFSC As características do CEPED Visão multidisciplinar; Interação com os problemas

Leia mais

Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas. Sul e Sudeste

Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas. Sul e Sudeste Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas Sul e Sudeste Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas Sul e Sudeste 1. Prognóstico Climático 2. Municípios Monitorados 3. Preparação

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: VALBER LUIZ MARCELO DE CARVALHO Nome do

Leia mais

Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima

Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima 8ª Semana de Integração Tecnológica - EMBRAPA 26/05/2015 Plano de Energia e Mudanças Climáticas Energia Cooperação internacional Processo Participativo Agricultura,

Leia mais

COMPREENSÕES E AÇÕES FRENTE AOS PADRÕES ESPACIAS E TEMPORAIS DE RISCOS E DESASTRES

COMPREENSÕES E AÇÕES FRENTE AOS PADRÕES ESPACIAS E TEMPORAIS DE RISCOS E DESASTRES COMPREENSÕES E AÇÕES FRENTE AOS PADRÕES ESPACIAS E TEMPORAIS DE RISCOS E DESASTRES Lucí Hidalgo Nunes luci@ige.unicamp.br Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Instituto de Geociências Departamento

Leia mais

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: VALBER LUIZ MARCELO DE CARVALHO Nome do ponto focal: Alexander Anthony

Leia mais

6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010

6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010 6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010 Tema: Mudanças Climáticas Palestrante: Érika Pires Ramos Resumo. O presente ensaio pretende ser uma

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO COMUNITÁRIA ADAPTAÇÃO AOS RISCOS DE DESASTRES NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

PROGRAMA DE PROTEÇÃO COMUNITÁRIA ADAPTAÇÃO AOS RISCOS DE DESASTRES NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PROGRAMA DE PROTEÇÃO COMUNITÁRIA ADAPTAÇÃO AOS RISCOS DE DESASTRES NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE CONSERVAÇÃO E SERVIÇOS PÚBLICOS SUBSECRETARIA

Leia mais

Bairros Cota na Serra do

Bairros Cota na Serra do Geotecnia Ambiental Bairros Cota na Serra do Mar em Cubatão riscos em ebulição e planos de ação em andamento Os bairros localizados nas encostas da Serra do Mar, na cidade de Cubatão, passam por um processo

Leia mais

DESASTRE MARÇO/13 DE ESCORREGAMENTOS EM PETRÓPOLIS

DESASTRE MARÇO/13 DE ESCORREGAMENTOS EM PETRÓPOLIS 1 DESASTRE MARÇO/13 DE ESCORREGAMENTOS EM PETRÓPOLIS 1. Introdução Mais de 100 escorregamentos ocorreram nas encostas de Petrópolis na noite do dia 17 para o dia 18 de Março de 2013, provocando 33 mortes.

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL Vanessa da Silva Brum Bastos vsbrumb@gmail.com Graduanda do 4º ano do bacharelado em Geografia-

Leia mais

ÁREAS SUSCETÍVEIS A RISCOS GEOMORFOLÓGICOS NO CONTEXTO DAS ENCOSTAS URBANAS: O CASO DAS ENCOSTAS DE UM BAIRRO DE MACEIÓ (AL).

ÁREAS SUSCETÍVEIS A RISCOS GEOMORFOLÓGICOS NO CONTEXTO DAS ENCOSTAS URBANAS: O CASO DAS ENCOSTAS DE UM BAIRRO DE MACEIÓ (AL). ÁREAS SUSCETÍVEIS A RISCOS GEOMORFOLÓGICOS NO CONTEXTO DAS ENCOSTAS URBANAS: O CASO DAS ENCOSTAS DE UM BAIRRO DE MACEIÓ (AL). James Rafael Ulisses dos Santos Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

Leia mais

Diadema (São Paulo), Brazil

Diadema (São Paulo), Brazil Diadema (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Lauro Michels Sobrinho Nome do ponto focal: José Peres dos Santos Organização:

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 Ações de Inclusão Produtiva segundo Censo SUAS 2013: uma análise sob diversos recortes territoriais. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADEDE CORUMBÁ MS

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADEDE CORUMBÁ MS DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL COMO SUBSÍDIO À GESTÃO DAS ÁREAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL DA CIDADEDE CORUMBÁ MS Nayane Cristina Costa Silva 1 ; Graciela Gonçalves de Almeida 1 ; Joelson Gonçalves Pereira

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM Avaliação dos desastres naturais em Minas Gerais Dezembro 2013 Janeiro 2014 Objetivo O presente relatório tem por finalidade avaliar os desastres naturais ocorridos no

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

TERRITÓRIO E LUGAR - ESPAÇOS DA COMPLEXIDADE

TERRITÓRIO E LUGAR - ESPAÇOS DA COMPLEXIDADE TERRITÓRIO E LUGAR - ESPAÇOS DA COMPLEXIDADE Renata Pekelman 1 Alexandre André dos Santos 2 Resumo: O artigo pretende trabalhar com conceitos de território e lugar, a complexidade intrínseca a esses conceitos,

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Fundação GEORIO. Marcio Machado Presidente

PLANO DE GESTÃO DE RISCO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Fundação GEORIO. Marcio Machado Presidente Fundação GEORIO Marcio Machado Presidente PROPOSTA DO PLANO Eliminar as áreas de ALTO RISCO nas encostas mapeadas. CIDADE DO 3. Diagnóstico RIO DE JANEIRO 2. Prevenção 4. Intervenção 1.Conhecimento Plano

Leia mais

Mudanças Climáticas e Desastres Naturais no Brasil - Desafios ao Desenvolvimento Urbano Resiliente

Mudanças Climáticas e Desastres Naturais no Brasil - Desafios ao Desenvolvimento Urbano Resiliente Mudanças Climáticas e Desastres Naturais no Brasil - Desafios ao Desenvolvimento Urbano Resiliente São Paulo, 12 de mao de 2016 Estrutura da Apresentação Panorama Geral - Mudanças Climáticas - Desastres

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais

Page 1 of 6. Capítulo III Educação e Sustentabilidade MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA. Pedro Jacobi\USP 1

Page 1 of 6. Capítulo III Educação e Sustentabilidade MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA. Pedro Jacobi\USP 1 Page 1 of 6 Capítulo III Educação e Sustentabilidade Para ler o PDF instale o programa leitor, clique aqui. Versão para Impressão em PDF, clique aqui. MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA

Leia mais

Serra Negra (São Paulo), Brazil

Serra Negra (São Paulo), Brazil Serra Negra (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Antônio Luigi Ítalo Franchi Nome do ponto

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

1 Pesquisador orientador 2 Bolsista PBIC/UEG 3 Curso de Geografia Unidade Universitária de Iporá - UEG

1 Pesquisador orientador 2 Bolsista PBIC/UEG 3 Curso de Geografia Unidade Universitária de Iporá - UEG 1 IMPLANTAÇÃO DE REDE DE COLETA DE DADOS CLIMÁTICOS COMO SUBSÍDIO À PESQUISA GEOAMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE IPORÁ-GO 1º FASE. Valdir Specian 1, 3 ; Leidiane Aparecida de Andrade 2, 3 1 Pesquisador orientador

Leia mais

Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade

Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade SANEPAR Curitiba (PR) Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade Categoria Controle da Poluição 1. Sobre a organização participante: Razão social: - 76484013000145 Nome fantasia: - SANEPAR Setor

Leia mais

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Caracterização do Município e Descrição do Problema O Município do Rio de Janeiro

Leia mais

GIRH como Instrumento de Adaptação às Mudanças Climáticas. Instrumentos e Medidas de Adaptação

GIRH como Instrumento de Adaptação às Mudanças Climáticas. Instrumentos e Medidas de Adaptação GIRH como Instrumento de Adaptação às Mudanças Climáticas Instrumentos e Medidas de Adaptação Objetivos desta sessão Ao fim desta sessão, os participantes poderão: Compreender o conceito de adaptação às

Leia mais

Louveira ( São Paulo), Brazil

Louveira ( São Paulo), Brazil Louveira ( São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nicolau Finamore Junior Nome do ponto focal:

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal do Vale do São Francisco

Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal do Vale do São Francisco 349 PERCEPÇÃO DOS ESTUDANTES SOBRE INFRAESTRUTURA DOS CURSOS DE PSICOLOGIA: CONSIDERAÇÕES A PARTIR DO ENADE-2006 Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal

Leia mais

Critérios Sociais de Elegibilidade e Avaliação de Projetos (Plano de Sustentabilidade Socioambiental)

Critérios Sociais de Elegibilidade e Avaliação de Projetos (Plano de Sustentabilidade Socioambiental) Critérios Sociais de Elegibilidade e Avaliação de Projetos (Plano de Sustentabilidade Socioambiental) Este Anexo tem por objetivo orientar a preparação dos trabalhos sociais do programa representado no

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL

ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL 1 ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL Profa. Dra. Carla C. R. G. de Sena * carla@ourinhos.unesp.br MsC. Waldirene R. do Carmo ** walcarmo@usp.br Resumo: Este trabalho apresenta

Leia mais

Introdução Metodológica + Conceitos de Política Ambiental e Instrumentos de Gestão + Implementação

Introdução Metodológica + Conceitos de Política Ambiental e Instrumentos de Gestão + Implementação Introdução Metodológica + Conceitos de Política Ambiental e Instrumentos de Gestão + Implementação Sequencia Tendências Conceitos de Política Ambiental Instrumentos Caso Brasileiro Implementação Caso Gestor

Leia mais

GESTÃO MUNICIPAL DE RISCOS AMBIENTAIS URBANOS EM SÃO BERNARDO DO CAMPO-SP

GESTÃO MUNICIPAL DE RISCOS AMBIENTAIS URBANOS EM SÃO BERNARDO DO CAMPO-SP GESTÃO MUNICIPAL DE RISCOS AMBIENTAIS URBANOS EM SÃO BERNARDO DO CAMPO-SP Luiz Antonio Bongiovanni 1 ; Luiz Antonio Neves Costa 2 ; Marina Midori Fukumoto 3 RESUMO Este trabalho apresenta a experiência

Leia mais

Diadema (São Paulo), Brazil

Diadema (São Paulo), Brazil Diadema (São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Lauro Michels Sobrinho Nome do ponto focal:

Leia mais

V Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação

V Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação 520 V Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação Política de Atendimento à Primeira Infância: formação e desempenho do Visitador no Programa Primeira Infância Melhor Carolina de Vasconcellos Drügg, Marta Luz

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação cynaracarvalho@yahoo.com.br

Leia mais

INFRAESTRUTURA, MEIO FÍSICO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: NOVOS DESAFIOS AO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

INFRAESTRUTURA, MEIO FÍSICO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: NOVOS DESAFIOS AO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO INFRAESTRUTURA, MEIO FÍSICO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: NOVOS DESAFIOS AO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Omar Yazbek BITAR* As perspectivas associadas à exploração da bacia geológica de Santos (Bacia de Santos),

Leia mais

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro Aluno: Gabriel Ferreira de Carvalho gabriel_fc.90@hotmail.com Orientador: Dr. Augusto César Pinheiro da Silva augustoc@puc-rio.br

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Atuação do COEP frente às mudanças climáticas Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Mudanças Climáticas e pobreza As populações mais pobres tendem a ficar mais vulneráveis diante

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental CARTAS GEOTÉCNICAS DE APTIDÃO À URBANIZAÇÃO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE RISCOS E PREVENÇÃO DE DESASTRES NATURAIS: EXEMPLO DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Gerenciamento de Risco

Gerenciamento de Risco CAPÍTULO 17 Gerenciamento de Risco Organização da Defesa Civil 17. 1 Procedimentos para a gestão do risco 17. 2 Ações permanentes de Defesa Civil em áreas de morros 17. 3 Plano Preventivo de Defesa Civil

Leia mais