PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2009 2013"

Transcrição

1 SATC - ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DA INDÚSTRIA CARBONÍFERA DE SANTA CATARINA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI CRICIÚMA SC

2 APRESENTAÇÃO Na busca por melhorias na organização administrativa das Instituições de Ensino Superior observa-se com clareza a necessidade de um processo de planejamento, acompanhamento e avaliação coerentes com seus objetivos. Um Plano de Desenvolvimento Institucional PDI deve, por definição, congregar os interesses, necessidades, demandas, objetivos, diretrizes e ações de uma Instituição de Ensino Superior IES. Ele aponta os grandes rumos a serem seguidos pela Instituição, suas trajetórias e decisões, seus limites e possibilidades de ação. Ao propor seu novo PDI, a Faculdade SATC tem em vista a reafirmação dos valores que pautam sua ação e o estabelecimento de metas que venham a contribuir para a melhoria da sua qualidade. A construção do PDI é um momento especial, e em tal circunstância, é imprescindível que tenhamos uma visibilidade mais plena sobre o que estamos fazendo e que venhamos a dispor de uma maior capacidade decisória sobre os caminhos a percorrer e os obstáculos a evitar. O PDI da Faculdade SATC teve um processo de elaboração participativo, tendo por objetivo o desenvolvimento de um plano capaz de orientar as ações da Instituição em consonância com as Diretrizes Nacionais da Educação, a Legislação Brasileira do Ensino Superior, a missão institucional e as aspirações da comunidade regional na qual está inserida. Trata-se de um planejamento estabelecido para o quinquênio com ênfase nos objetivos e metas a serem alcançadas e as suas ações em todas as dimensões da Instituição, assegurando-lhe a necessária flexibilidade. Assim, além de demarcar a atuação futura da Faculdade SATC, espera-se que este documento seja um instrumento útil e capaz de prover todos integrantes da IES de informações que possam integrar pensamentos em torno de metas e objetivos instituídos e que resultem em desenvolvimento do conhecimento e melhoria da qualidade de vida de toda a coletividade regional. 1

3 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...1 FIGURAS...6 TABELAS PERFIL INSTITUCIONAL Missão da SATC Breve Histórico da SATC Histórico da Faculdade SATC Áreas de atuação Acadêmica Finalidades Objetivos e Metas da Instituição PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Caracterização da Inserção Regional Princípios Filosóficos e Teórico-Metodológicos Gerais que Norteiam as Práticas Acadêmicas da Instituição Organização didático-pedagógica da Instituição Políticas de Ensino Ações Políticas de Pesquisa Ações Políticas de Extensão Ações Políticas de Gestão Ações

4 2.7 Responsabilidade Social da Instituição. Enfatizando a contribuição à inclusão social e ao desenvolvimento econômico e social da região IMPLEMENTAÇÕES DA INSTITUIÇÃO E ORGANIZAÇÃO ACADÊMICA Plano Para Atendimento às Diretrizes Pedagógicas Perfil do Egresso Seleção de Conteúdos Princípios Metodológicos Processo de Avaliação da Aprendizagem Da Avaliação e do Rendimento Acadêmico Atividade Prática Profissional, Complementares e de Estágios Atividades Complementares Inovações Consideradas Significativas, Especialmente Quanto à Flexibilidade dos Componentes Curriculares Oportunidades Diferenciadas de Integralização dos Cursos...38 O programa de disciplina, sob a forma de plano de ensino, é elaborado pelo respectivo professor, sendo aprovado e acompanhado pelo coordenador de curso e pela coordenação pedagógica da Faculdade. É obrigatório o cumprimento integral do conteúdo e carga horária estabelecidos no plano de ensino de cada disciplina Avanços Tecnológicos CORPO DOCENTE Requisitos de Titulação Experiência no Magistério Superior e Experiência Profissional não Acadêmica Os critérios de Seleção e Contratação Políticas de Qualificação, Plano de Carreira e Regime de Trabalho Políticas de Qualificação Plano de Carreira Regime de Trabalho Procedimentos para Substituição Eventual dos Professores do Quadro 44 3

5 5 CORPO TÉCNICOADMINISTRATIVO Os critérios de Seleção e Contratação Políticas de Qualificação, Plano de Carreira e Regime de Trabalho Políticas de Qualificação Plano de Carreira Regime de Trabalho CORPO DISCENTE Formas de Acesso Programas de Apoio Pedagógico e Financeiro Estímulos à Permanência (programa de nivelamento, atendimento psicopedagógico) Organização Estudantil (espaço para participação e convivência estudantil) Acompanhamento dos Egressos ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Estrutura Organizacional com as Instâncias de Decisão Estrutura Organizacional Instâncias de Decisão Organograma Institucional e Acadêmico Organograma da SATC Organograma da Faculdade SATC Órgãos Colegiados: Competências e Composição Órgãos de Apoio às Atividades Acadêmicas Autonomia da IES em Relação à Mantenedora Relações e Parcerias com a Comunidade, Instituições e Empresas Extensão SATC CRM Centro de Relacionamento com o Mercado AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

6 8.1 Metodologia, Dimensões e Instrumentos a Serem Utilizados no Processo de Autoavaliação Formas de Participação da Comunidade Acadêmica, Técnica e Administrativa, Incluindo a Atuação da Comissão Própria de Avaliação CPA, em Conformidade com o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Formas de Utilização dos Resultados das Avaliações INFRAESTRUTURA FÍSICA E INSTALAÇÕES ACADÊMICAS Infraestrutura Física Infraestrutura Acadêmica Laboratórios de Informática Laboratórios Específicos Relação Equipamento/Aluno/Curso Inovações Tecnológicas Significativas Biblioteca Acervo por Área de Conhecimento Formas de Atualização e Expansão do Acervo Horário de Funcionamento Serviços Oferecidos ATENDIMENTO ÀS PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS OU COM MOBILIDADE REDUZIDA Plano de Promoção de Acessibilidade e Atendimento Prioritário, Imediato e Diferenciado para a Utilização, com Segurança e Autonomia, Total ou Assistida, dos Espaços, Mobiliários e Equipamentos Urbanos, das Edificações, Dos Serviços De Transporte, Dos Dispositivos, Sistemas E Meios De Comunicação E Informação, Serviços De Tradutor E Intérprete Da Língua Brasileira De Sinais LIBRAS DEMONSTRATIVO DE CAPACIDADE E SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA79 5

7 FIGURAS Figura 01 Organograma Geral da SATC...55 Figura 02 Organograma da Faculdade SATC...56 Figura 03 Infográfico da SATC em TABELAS Tabela 01 Municípios do Sul do Estado de Santa Catarina...15 Tabela 02 Evolução do perfil do corpo docente da Faculdade SATC...41 Tabela 03 Cronograma de expansão da Infraestrutura física...69 Tabela 04 Cronograma de expansão dos laboratórios de informática...70 Tabela 05 Cronograma de expansão dos laboratórios específicos...72 Tabela 06 Cronograma de expansão do Acervo por área do conhecimento

8 1 PERFIL INSTITUCIONAL 1.1 Missão da SATC Oportunizar a mobilidade social por meio de da educação e da tecnologia, contribuindo para a formação de cidadãos e do desenvolvimento sustentável do país. 1.2 Breve Histórico da SATC Na década de 50, Criciúma, cidade tipicamente operária, sofria com o angustiante problema político social. A situação era grave, principalmente nos meios operários das minas de carvão, pois faltava conscientização e mão-de-obra qualificada, o que comprometia a qualidade de vida e bem estar das pessoas da região. As empresas produtoras de carvão, sem o necessário apoio do governo que se limitava a fixar cotas de produção e mercado consumidor, sentiam-se impotentes, podendo oferecer pouco no sentido de evitar ou ao menos contornar os graves problemas sociais advindos da instabilidade. Preocupados com essa situação, os produtores de carvão realizaram um esforço mútuo para amenizar a realidade atual e criaram um espaço para melhor preparar a mão-de-obra da região, acreditavam que assim provocariam mudanças significativas no quadro social do momento. Assim, no dia 02 de maio de 1959, por iniciativa da Indústria Carbonífera de Santa Catarina, foi criada a SATC, Sociedade de Assistência aos Trabalhadores do Carvão, focada na preparação de mão-de-obra qualificada e especializada, bem como na assistência social. Em 10 de abril de 1963 inaugurava a Escola Industrial, em parceria com o Senai, iniciando com cursos de aprendizagem industrial. Após cinco anos, iniciaram-se os cursos técnicos, que até hoje suprem às necessidades do mercado regional e nacional por profissionais qualificados. Nos dias atuais, a SATC, agora chamada de Associação Beneficente da Indústria Carbonífera de Santa Catarina, entidade sem fins lucrativos, filantrópica e pertencente ao segmento comunitário, é um braço social da atividade carbonífera, 7

9 pois o campus de educação e tecnologia da Instituição é mantido via contribuição de aproximadamente um por cento do faturamento das empresas carboníferas da região (3,3 milhões de reais em 2008), além das mensalidades pagas pelos alunos. Tem por finalidade prestar assistência técnica, educacional, entre outras, para a comunidade em geral. Paralelamente, a SATC presta assistência técnica e educacional a entidades carentes, reforçando seu caráter de assistência social. Desde 1959, a Instituição já passou por várias revitalizações. Em 2008, atendendo a uma solicitação de mercado, constituiu um novo organograma que contempla duas grandes áreas principais: A SATCEDU e a SATCTEC. Fazem parte da SATCEDU: - Escola Educacional Técnica SATC EDUTEC: que oferece educação básica do ensino fundamental ao médio e educação profissional técnica de nível médio e pós-técnico, por meio dos cursos de Informática Industrial, Eletromecânica, Eletrotécnica, Meio Ambiente, Secretariado, Design, Cerâmica Artística Artesanal, Eletrônica, Mineração, Mecânica, Projetos Mecânicos, Plástico, Metalurgia e Gestão Empreendedora, Segurança do Trabalho, Química, Automobilística e pós-técnico em Usinagem. Mais de quatro mil alunos fazem parte da Edutec. - Extensão SATC: contempla Educação Executiva, que tem como objetivo promover estratégias e ações de educação empresarial e corporativas voltadas para o aumento da competitividade do setor empresarial; Capacitação Empresarial que auxilia as empresas no sentido de aprimorar a qualificação técnica e humana de seus colaboradores, bem como da comunidade, por meio de cursos de qualificação profissional de nível básico nas áreas de Mecânica, Elétrica, Informática, Eletrônica, Gestão Empresarial, Meio Ambiente, Educacional, Comunicação e Expressão, Segurança no Trabalho, Gestão de Pessoas, entre outros; Educação a Distância atendendo, via internet, os mais diversos públicos, oferecendo assim flexibilidade no horário de estudos e autonomia e ritmo próprio de aprendizado; Desenvolvimento de Ações Comunitárias, como o projeto SATC para Todos, que desde 2005 promove cursos gratuitos em comunidades com vulnerabilidade social da região carbonífera. - Faculdade SATC: atua no ensino superior com cursos de Graduação e Pós- Graduação, tem seu principal enfoque nas áreas tecnológicas. Busca promover uma formação que contemple sintonia entre as questões técnicas e humanas, contribuindo de forma significativa para o cumprimento da missão da SATC por meio do ensino e da pesquisa. São cerca de mil e duzentos acadêmicos que recebem 8

10 uma formação completa nos cursos de graduação em Tecnologia em Sistemas de Telecomunicações, Tecnologia em Manutenção Industrial, Tecnologia em Automação Industrial, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Jornalismo e Design Gráfico, além dos cursos de Pós-Graduação. Fazem parte da SATCTEC: - Laec, Laqua e Lametro: São laboratórios que possuem a certificação NBR e oferecem acompanhamento técnico às empresas e instituições. O Laboratório de Metrologia (Lametro) realiza trabalhos de calibração, o Laboratório de Análises e Ensaios de Carvão (Laec) análises e ensaios de carvão e o Laboratório de Análises Químicas e Ambientais (Laqua) análises de águas e efluentes. - Centro Tecnológico de Carvão Limpo (CTCL): O CTCL tem por objetivo atuar na condução do desenvolvimento de pesquisa em tecnologias de utilização sustentável do carvão mineral. Dentro desta ideia, o principal foco é o desenvolvimento de tecnologias limpas para a utilização do carvão mineral na geração de energia, visando à atenuação da emissão de gases causadores do chamado efeito estufa. Este centro conta, ainda, com as áreas de mineração, geologia e meio ambiente especialmente suportando o Programa de Recuperação Ambiental da Bacia Carbonífera do Sul de Santa Catarina. O CTCL se propõe a desenvolver e utilizar tecnologias que possibilitem a sustentabilidade do meio no qual está inserido e nas áreas em que atua, incluindo a captura e o armazenamento geológico de carbono, que é estratégico para o desenvolvimento do setor carbonífero. A área inicial do CTCL será de 220 mil m², com 12 mil m² de área, num investimento de cerca de 25 milhões de reais. Sua estrutura física começou a ser construída em O Centro Tecnológico contará com o CEDRIC Centro de Documentação e Rede de Informação do Carvão. Trata-se de um centro de referência em publicações, cujo acervo trará as mais variadas informações sobre os aspectos da atividade carbonífera. O CEDRIC é uma biblioteca que trabalha com três meios de suportes: virtual, digital e físico. Além disso, dispõe de um serviço de resposta técnica, sanando as dúvidas do público em geral. O CTCL será o centro de inteligência de pesquisa e desenvolvimento do setor carbonífero nacional. 9

11 - Incubadora: A Pré-Incubadora de Base Tecnológica da SATC (PRINTEC- SATC) deve prover ferramentas de apoio institucional a propostas e ideias promissoras e com viabilidade mercadológica desde que possam evoluir para futuros negócios e empreendimentos (a serem abrigados em incubadoras de empresas). Tem como objetivo apoiar os empreendedores que têm uma ideia, sabem como viabilizá-la, mas ainda não detêm as condições necessárias para o início imediato do seu empreendimento e necessitam de treinamento e orientação para a elaboração de seu Plano de Negócios. Setores produtivos do plástico, metalmecânico, elétrico, cerâmico, mineração especificamente de carvão, vestuário, tecnologia de informação, mobiliário e de serviços são as áreas preferenciais de atuação. Buscando cumprir sua missão, a SATC, atuando como entidade comprometida socialmente, se mantém atenta a todas as transformações e inovações no campo da educação. Busca acompanhar eficientemente o processo cultural e tecnológico, valorizando o ser humano. Prova disso são as mais de seis mil matrículas que ocorrem a cada ano, comprovando a excelência do ensino oferecido pela SATC. Os alunos carentes, matriculados nos diversos cursos oferecidos, recebem bolsas de estudos e outros auxílios. A entidade oferece ainda atendimento odontológico, técnico de enfermagem, profissional de psicologia e assistência social para todos os alunos e colaboradores. É importante ressaltar que esta Instituição não mede esforços na busca por alternativas para se manter. O campus possui uma área total de m 2, sendo m 2 de área construída. Oferece para colaboradores, alunos e pais uma Unidade de Idiomas (UDISATC), proporcionando o ensino da língua inglesa, espanhola e italiana a baixo custo, complementando a qualificação dos alunos e colaboradores e sendo um diferencial para a empregabilidade. Todas as ações, principalmente as pedagógicas, visam conscientizar os estudantes da importância do compromisso social com a comunidade, compromisso este que a indústria carbonífera assumiu quando criou a SATC. Muitos projetos e iniciativas fazem com que os alunos reflitam sobre valores como comprometimento, ética, cidadania e respeito à natureza. A Instituição também possui um setor de Meio Ambiente, vinculado diretamente à direção executiva, voltado para a preservação 10

12 ambiental da região carbonífera de Santa Catarina. Colabora, por meio de ações, para a melhoria da qualidade de vida das populações, atua no desenvolvimento de tecnologias e processos na área ambiental, produção, distribuição e difusão de produtos de educação ambiental e desenvolvimento de processos e treinamento na área ambiental e de gestão. Por meio de um Sistema de Gestão Ambiental, a Instituição adotou uma política ambiental e criou ações para controle e gestão dos impactos ambientais, como implantação do Sistema de Tratamento de Efluentes, programa de coleta seletiva e programa de conservação de energia. Diante disso, a SATC recebeu em 2008 a recomendação para a certificação a ISO 14001, tornando-se a primeira Instituição de ensino de Santa Catarina e a quarta no país a receber essa qualificação. Em qualquer país, a SATC será conhecida como uma Instituição que possui credibilidade ambiental, e pode ter acesso facilitado a recursos, seguros e financiamentos Histórico da Faculdade SATC No dia 02 de maio de 1959, por iniciativa da Indústria Carbonífera de Santa Catarina, foi criada a SATC, Sociedade de Assistência aos Trabalhadores do Carvão, focada na preparação de mão-de-obra qualificada e especializada, bem como na assistência social. Em 10 de abril de 1963 inaugurava a Escola Industrial, em parceria com o SENAI, iniciando com cursos de aprendizagem industrial. Após cinco anos, iniciaram-se os cursos técnicos que até hoje suprem as necessidades do mercado por qualificados profissionais, em todo Estado de Santa Catarina e também no país. No ano de 1999 iniciaram os cursos Superiores de Tecnologia em Automação Industrial e Tecnologia em Eletromecânica que faziam parte do núcleo técnico da Escola Técnica da SATC, em parceria com a Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC. Também em 1999 foi elaborado o projeto para o curso Superior de Tecnologia em Moda e Estilo, que teve início no ano seguinte. Ainda em 2000, ocorreu a elaboração do projeto dos cursos Superior de Tecnologia em Telecomunicações e Tecnologia em Polímeros, criados em

13 No mesmo ano, por ocasião do convênio com o PROEP/MEC, houve a separação da Educação Básica dos Cursos Profissionalizantes, passando os cursos de nível superior para o Centro Superior de Tecnologia, atualmente Faculdade SATC. A Faculdade SATC foi criada com a missão de educar para a sociedade contemporânea, a qual convive com a tecnologia. Possuindo todo um aparato educacional e tecnológico, a Faculdade SATC pretende formar profissionais qualificados, sedo esta a maior exigência e procura das empresas. Além disso, o objetivo final é oferecer ao mercado de trabalho verdadeiros agentes de transformação da sociedade atual. O credenciamento da Faculdade SATC deu-se com a Portaria Ministerial nº , publicado no Diário Oficial da União em 28 de novembro de Atualmente, são cerca de mil e duzentos acadêmicos que recebem uma formação completa nos cursos de graduação em Tecnologia em Sistemas de Telecomunicações, Tecnologia em Manutenção Industrial, Tecnologia em Automação Industrial, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Jornalismo e Design Gráfico, além dos cursos de Pós-Graduação. 1.3 Áreas de atuação Acadêmica A Faculdade SATC desenvolve programas e projetos de ensino, nos níveis de Graduação e de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, sob a forma de atividades presenciais e tem seu principal enfoque nas áreas tecnológicas. Busca promover uma formação que contemple sintonia entre as questões técnicas e humanas, contribuindo de forma significativa para o cumprimento da missão da SATC por meio do ensino, da pesquisa e da extensão. Além da formação no Ensino Superior, a SATC também oferta Educação Básica e Educação Profissional, compondo um locus de produção teórica e metodológica sobre questões referentes a esses níveis de ensino, inclusive de propostas de integração entre os mesmos. Todas as ações, principalmente as pedagógicas, visam contribuir para a conscientização dos estudantes da importância do compromisso social com a comunidade, compromisso este que a indústria carbonífera assumiu quando criou a 12

14 SATC. Muitos projetos e iniciativas fazem com que os alunos reflitam sobre valores como comprometimento, ética, cidadania e respeito a natureza. 1.4 Finalidades A Faculdade SATC, nos termos de seu Regimento como Instituição educacional e tecnológica, destina-se a promover a educação superior, sob formas de graduação, pós-graduação, pesquisa e extensão, tendo por finalidade: - Promover a criação cultural e o desenvolvimento do pensamento científico e crítico; - Formar acadêmicos nas diferentes profissões, em consonância com o PDI da Faculdade SATC, aptos para a inserção em setores diferenciados no âmbito mercadológico, com efetiva participação no desenvolvimento da sociedade brasileira; - Garantir o trabalho de pesquisa e investigação científica, visando ao desenvolvimento da ciência, da tecnologia e da criação e difusão da cultura, e, desse modo, desenvolver o entendimento do homem e do meio em que vive; - Promover a divulgação de conhecimentos culturais, científicos e técnicos que constituem patrimônio da humanidade, além de comunicar o saber por meio do ensino, da publicação ou de outras formas de comunicação; - Provocar o desejo permanente de aperfeiçoamento cultural e profissional, e possibilitar a correspondente concretização, integrando os conhecimentos que vão sendo adquiridos numa estrutura intelectual sistematizadora do conhecimento de cada geração; - Problematizar o mundo presente, em particular os cenários nacionais e regionais, prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade; - Promover a extensão, aberta à participação da população, visando à difusão das conquistas e benefícios resultantes da criação cultural e da pesquisa científica e tecnológica geradas na Instituição. 13

15 1.5 Objetivos e Metas da Instituição O planejamento institucional é a base para que uma Instituição de ensino consiga traçar metas e alcançar seus objetivos. Os objetivos e metas a seguir especificados devem orientar a atuação da Faculdade SATC no próximo quinquênio. Esses objetivos não excluem outros advindos da decisão de seu conselho superior e das Diretrizes Nacionais para a educação Superior. Com essa visão, a Faculdade SATC tem realizado reuniões em diferentes instâncias para colher opiniões e sugestões para que a sistematização das propostas contidas no PDI sejam cada vez mais horizontais. A partir das reflexões em grupo, do caminhar institucional nos últimos anos e do replanejamento baseado nos resultados da autoavaliação institucional foi possível delinear o caminho a ser percorrido nos próximos anos, conforme explanado nos próximos itens. 14

16 2 PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL 2.1 Caracterização da Inserção Regional Compreendendo que a educação superior cumpre uma função estratégica no desenvolvimento sustentável do país, a SATC proporciona formas efetivas de integração entre os diversos níveis de ensino, pesquisa e extensão, em que se busca privilegiar projetos e programas de maior relevância acadêmica e social, com repercussão de caráter local, regional, nacional e internacional. A SATC está localizada em Criciúma - SC, que é o maior município do Sul Catarinense, possuindo habitantes (est. IBGE/2007). Eqüidistante das maiores capitais da América do Sul e grandes centros consumidores do MERCOSUL (São Paulo e Buenos Aires), Criciúma também está localizada às margens da Rodovia Federal BR 101, em fase de duplicação. Tendo um potencial carboenergético incontestável, o maior parque cerâmico da América, a indústria de confecção, a liderança no país na produção de materiais plásticos descartáveis, além de vários setores que colocam seus produtos no competitivo mercado internacional, Criciúma é pólo regional e nacional de referência. A Faculdade SATC atende acadêmicos de praticamente todos os 43 municípios do Sul do Estado de Santa Catarina que possui uma população estimada em 900 mil habitantes, com cerca de 500 mil em áreas urbanas, tendo anualmente mais de 12 mil alunos egressos do ensino médio. O Sul do Estado de Santa Catarina divide-se em três microrregiões: Araranguá Balneário Arroio do Silva Balneário Gaivota Ermo Jacinto Machado Maracajá Meleiro Morro Grande Passo de Torres Praia Grande Santa Rosa do Sul São João do Sul Sombrio Timbé do Sul Turvo Fonte: AMESC AMUREL AMREC Armazém Braço do Norte Capivari de Baixo Grão Pará Gravatal Imaruí Imbituba Jaguaruna Laguna Pedras Grandes Rio Fortuna Sangão Santa Rosa de Lima São Ludgero São Martinho Treze de Maio Tubarão Tabela 01 Municípios do Sul do Estado de Santa Catarina Cocal do Sul Criciúma Forquilhinha Içara Lauro Muller Morro da Fumaça Nova Veneza Orleans Siderópolis Treviso Urussanga 15

17 Além de receber acadêmicos oriundos dos municípios citados acima, a Faculdade SATC recebe acadêmicos de outros estados, principalmente do Rio Grande do Sul. Além de ofertar cursos do interesse da comunidade regional, outro fator fundamental para a grande demanda de inscritos nos cursos da Faculdade SATC, deve-se ao fato de os mesmos não serem ofertados por outras IES na região. 2.2 Princípios Filosóficos e Teórico-Metodológicos Gerais que Norteiam as Práticas Acadêmicas da Instituição A velocidade das transformações em todo o mundo e a expansão do conhecimento nas últimas décadas vêm impondo às instituições de ensino o desafio de preparar as novas gerações para atuarem numa sociedade globalizada e em constante processo de mudanças. Nesse contexto, novos desafios se colocam frente às instituições de ensino e para se adaptarem a esse futuro, as instituições precisam permanentemente atualizar seus currículos, conciliando o melhor de sua experiência com inovações fundamentadas nas exigências das oportunidades do mercado de trabalho. Tal realidade exige a construção de conhecimento e profissionais competentes, teorizados, criativos e críticos para fazer frente ao impacto do avanço tecnológico, da mudança de postura social, das reestruturações e das relações proporcionadas pela globalização. A pedagogia na SATC caracteriza-se por uma abordagem social e seu projeto pedagógico quer empreender cada vez mais nas práxis uma visão de mundo e de homem dialógicos, humanizados e humanizadores; sujeitos reflexivos, autônomos, pesquisadores da realidade e, por isso, críticos, comunicativos, proativos, criativos e comprometidos com os processos de inserção social. A pedagogia social de conteúdo constitui-se por um projeto de transformação social, política, de pessoas melhores, aprendentes de um mundo de direitos, civilizatório, de disciplina intelectual, de disciplina que requer valores para que o processo de ensino-aprendizagem ocorra com base em um pensar rigoroso e afetivo, amoroso e atencioso, onde a tomada de consciência (a metacognição) nos impulsione a sermos e praticarmos uma pedagogia humanizada. Nesse processo, 16

18 somos todos educadores, cada qual em sua dimensão, em seu nível de participação frente à apropriação do saber e do ser exemplo, testemunho, modelo que devemos ser como educadores, gestores. O foco de uma pedagogia social é a libertação, a autonomia; as pessoas compreendem a liberdade como social e passam a respeitar o espaço público que exige limites em prol do bem comum. Tal processo pedagógico na SATC pretende concretizar-se enquanto ações reflexivas e educativas nos seus diversos níveis, com sujeitos comprometidos com o Ensino, a Pesquisa e a Extensão, tendo como foco decisivo o processo de democratização do saber. Nesse sentido, a filosofia da SATC está voltada para a cidadania, onde toda comunidade acadêmica pode sentir-se inserida e respeitada em suas práticas. A atualidade da história da educação superior se traduz em tarefa de alto grau de complexidade, em formulação de um Projeto Pedagógico Institucional que contemple o pensar global para agir localmente, que proporcione conhecimentos básicos, tecnológicos e significativos que garantam a presença dos valores humanísticos, das relações inter-pessoais e possibilite desenvolver os preceitos do empreendedorismo. Os princípios humanos também devem estar presentes nas instituições não apenas no sentido de incluir condições para formar profissionais que busquem o desenvolvimento de uma sociedade mais igualitária, ética e justa, mas também de permitir o estabelecimento de relações institucionais entre os diferentes agentes envolvidos no processo ensino-aprendizagem (gestores, docentes, discentes e equipe técnico-administrativa), pautados nesses mesmos princípios. Assim, o PPI da Faculdade SATC, visando uma proposição de práxis com vistas à melhoria na qualidade do processo ensino-aprendizagem, procurou se basear em uma concepção filosófica de aprendizagem que se fundamenta no método e princípios teórico-dialéticos, possibilitando a formação de um profissional capaz de construir ao longo de sua vida conhecimentos que proporcionem mudanças significativas em relação ao mundo. O PPI é o documento-chave para o estabelecimento das diretrizes pedagógicas da Faculdade SATC, sendo indutor, parte constituinte e indissociável do seu Plano de Desenvolvimento Institucional PDI, diretrizes administrativas, sendo que estas diretrizes necessitam estar articuladas no cotidiano das práticas. 17

19 Como todo projeto, as políticas aqui propostas devem ser avaliadas e revistas ao longo de todo o processo de implantação e execução do mesmo. Espera-se, no entanto, por meio deste trabalho, formalizar tais políticas enquanto eixo norteador de todas as ações pedagógicas realizadas na Instituição, contribuindo para a melhoria do trabalho de reconhecida qualidade e importância que vem sendo realizado pela SATC, ao longo destes anos Organização didático-pedagógica da Instituição O ato de aprender tem sentido somente se estiver contextualizado socialmente, assim aprender exige níveis cada vez mais aprofundados, abstrativos (que compõe o processo de pensar), requer contexto dos conteúdos/conceitos a serem problematizados, visão ampliada para interrelacionar o que se pensa com o que ainda não se pensa bem, relação, ou mais precisamente: processo. Na SATC, o processo social de aprender nos remete ao contexto em que estamos inseridos. A leitura desta realidade e o seu diagnóstico, em contextos específicos (móveis/dialéticos), nos inspiram nos projetos e atividades a serem desenvolvidas nos variados níveis da SATC, sobretudo, na Faculdade. Os acadêmicos (foco do nosso educar) nascem em um ambiente de luta por cidadania, vêem as ações que geram vida e que a promovem e, desta forma, lidam diariamente com os direitos e deveres a eles garantidos e/ou espoliados. Por isso, o ideal pedagógico da Instituição é o de viver a cidadania. A educação para a cidadania concorda com o que nos alerta Paulo Freire (1997, p. 144): O discurso da globalização que fala da ética esconde, porém, que a sua ética, é a ética do mercado e não a ética universal do ser humano [...]. O discurso ideológico da globalização procura disfarçar que ela vem robustecendo a riqueza de uns poucos e verticalizando a pobreza e a miséria de milhões de milhões. Compreender-se como um ser social e como sujeito, significa compreenderse como ser político. O social, nesse sentido, contribui para resgatar a identidade de pessoas, de localidades que, se assumindo, projetam organizações comunitárias e de aprendizagens que participam de projetos coletivos e apropriam-se de seus próprios projetos individuais, transformando-os e transformando-se. 18

20 Os espaços-temporais, de um território repleto de desafios, influenciam e interagem na visão das pessoas e de seus contextos. O social, enquanto eixo de problematizações para a construção de ações que possam no cotidiano gerarem mais vida inclusiva com qualidade, não visa à ética estabelecida pelo mundo globalizado: ser humano igualado à mercadoria, bens de consumo e consumistas, pelo contrário, objetiva uma ética de justiça social, conforme missão da SATC. A realidade que nos circunda e que nos é fronteira, limite e ilimitada, objeto constante de nossos estudos para romper com o preestabelecido e vislumbrar a sua transcendência, impulsionando-nos a sonhar e, enquanto Instituição, a buscar constantemente a formação continuada para a práxis de uma pedagogia social de conteúdos. Lênin (apud MAAR 1994, p22) afirma: sonhar é preciso, desde que realizemos o sonho meticulosamente e o confrontemos passo a passo com a realidade. Sem a perspectiva de cidadania, não há compreensão política e do mundo, e assim a aprendizagem não gera autonomia e protagonismo. A Pedagogia SATC está comprometida com a denúncia (crítica) e o anúncio (possibilidades/projetos/sonhos) em constante relação com a realidade, que é norte diagnosticador de transformações possíveis e condições humanizadoras. 2.3 Políticas de Ensino A Faculdade SATC tem como uma das principais ferramentas para atingir os objetivos traçados em sua Missão Institucional, as atividades de ensino. Entende-se que o ensino é a articulação do conhecimento científico socializado, por meio do processo de ensino e aprendizagem. Um ensino pautado em uma perspectiva humanista, comprometido com o desenvolvimento que promova a qualidade de vida, que deva propiciar uma mudança intelectual e moral, preparando o indivíduo para a vida. Nesse sentido, a educação deve contribuir para a formação do ser humano em todos os seus aspectos. Para que a formação desse profissional aconteça de maneira íntegra, é necessário políticas de ensino. Na Faculdade SATC, essas políticas são: - Incentivar o trabalho interdisciplinar; 19

PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL SATC - ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DA INDÚSTRIA CARBONÍFERA DE SANTA CATARINA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL CRICIÚMA SC 2008 0 Projeto Pedagógico Institucional Aprovado pelo Conselho Superior em 11 de dezembro

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

SATC - ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DA INDÚSTRIA CARBONÍFERA DE SANTA CATARINA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014 2018

SATC - ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DA INDÚSTRIA CARBONÍFERA DE SANTA CATARINA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014 2018 SATC - ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DA INDÚSTRIA CARBONÍFERA DE SANTA CATARINA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014 2018 CRICIÚMA SC DEZEMBRO DE 2013 1 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional

Leia mais

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos:

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: Referência atual: Decreto 5.773, 9 de maio de 2006. Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: I-missão, objetivos e metas da instituição, em sua

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

Documento de Referência

Documento de Referência P r ó - R e i t o r i a d e D e s e n v o l v i m e n t o I n s t i t u c i o n a l - I F A M 1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO MARKETING

CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO MARKETING CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/01 CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO MARKETING CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS:

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA. Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES

Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA. Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Faculdade de Sorocaba AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Sorocaba Dezembro 2014 1 Faculdade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI ABRIL, 2005 Introdução A Universidade Federal da Bahia ao elaborar o seu Plano de Desenvolvimento Institucional PDI (2004-2008), incluiu

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL EIXO: ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E INOVAÇÃO Objetivos Específicos

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

INSTITUTO MARIA IMACULADA FACULDADES INTEGRADAS MARIA IMACULADA CENTRO DE MOGI GUAÇU/SP PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO TECNÓLOGO EM GESTÃO AMBIENTAL

INSTITUTO MARIA IMACULADA FACULDADES INTEGRADAS MARIA IMACULADA CENTRO DE MOGI GUAÇU/SP PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO TECNÓLOGO EM GESTÃO AMBIENTAL INSTITUTO MARIA IMACULADA FACULDADES INTEGRADAS MARIA IMACULADA CENTRO DE MOGI GUAÇU/SP PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO TECNÓLOGO EM GESTÃO AMBIENTAL Mogi Guaçu 2015 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 OBJETIVO...

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO A avaliação institucional tem sido objeto de discussões na Faculdade Educacional de Ponta Grossa - Faculdade União e sempre foi reconhecida como um instrumento

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL LONDRINA 2002 2 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

POLICIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL

POLICIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL 1 PROJETO CPA POLICIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL 2 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Com o propósito de integrar alunos, professores e a administração, cada turma elege um

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Consulta Pública para aprimoramento do. Instrumento de Acreditação das Escolas Médica

Consulta Pública para aprimoramento do. Instrumento de Acreditação das Escolas Médica Consulta Pública para aprimoramento do Instrumento de Acreditação das Escolas Médica Estamos disponibilizando para sugestões, avaliação e comentários o instrumento que será utilizado para a acreditação

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação da Educação Superior SISTEMA NACIONAL

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE

CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2013-2015 UNIFAE CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS - FAE Prof. Dr. Francisco de Assis

Leia mais

Al. dos Pamaris, 308 Moema São Paulo / SP - CEP: 04086-020 Fone: 11 5535-1397 Fax: 11 5531-5988 www.humus.com.br

Al. dos Pamaris, 308 Moema São Paulo / SP - CEP: 04086-020 Fone: 11 5535-1397 Fax: 11 5531-5988 www.humus.com.br PALESTRAS E CURSOS IN COMPANY PARA O ENSINO SUPERIOR ACADÊMICOS A Coordenação de Curso e sua Relevância no Processo de Competitividade e Excelência da IES Acessibilidade: requisito legal no processo de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE 1 FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO (Síntese dos resultados) COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior CONAES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017)

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Setembro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 5 3. OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

ÚNICA EDUCACIONAL LTDA FACULDADE ÚNICA DE IPATINGA PROJETO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

ÚNICA EDUCACIONAL LTDA FACULDADE ÚNICA DE IPATINGA PROJETO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ÚNICA EDUCACIONAL LTDA FACULDADE ÚNICA DE IPATINGA PROJETO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Março de 2015 SISTEMA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL A avaliação é entendida pela Faculdade Única de Ipatinga como um processo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Instrumentos de avaliação para credenciamento

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO COMUNICADO no 002/2012 ÁREA DE ZOOTECNIA E RECURSOS PESQUEIROS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Zootecnia e Recursos Pesqueiros PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO

Leia mais

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente documento tem por finalidade apresentar o PPI que é o Projeto Pedagógico Institucional do ENIAC, conjunto das melhores práticas pedagógicas, tecnológicas, administrativas e de gestão

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ALTA FLORESTA FACTFLOR 2010/2011 1 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACTFLOR DIRETOR DA FACTFLOR Prof. Dr. JOSÉ ANTÔNIO TOBIAS VICE-DIRETORA

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional Osvaldo Casares Pinto Pró-Reitor Des. Institucional José Eli S. Santos Diretor Dep. Planej. Estratégico junho de 2015 Plano de Desenvolvimento Institucional

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS Fevereiro 2011 PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS DA FEAMIG Introdução Desde o final do ano de 2007 e o início de 2008, a FEAMIG

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

RESULTADO DE ENQUETE APLICADA PELO PORTAL

RESULTADO DE ENQUETE APLICADA PELO PORTAL 01/11/2012 10:31:12 1 Código Nome da Enquete D. Inicio D. Fim 597 Outras Dimensões - 4º ano A 08/10/12 31/10/12 1-1. 1ª Dimensão Planejamento Institucional: Você acessa as normas institucionais (Regimento,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Escola de Enfermagem Nova Esperança Ltda. UF: PB ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade de Enfermagem Nova Esperança,

Leia mais

PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS. Comissão Própria de Avaliação

PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS. Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS Comissão Própria de Avaliação Porto Alegre, março de 2005. 1 Diretora Vera Lucia Dias Duarte Coordenador do Curso Dr. Dakir Lourenço Duarte

Leia mais

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense

Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Semana do Meio Ambiente: atividades educativas para conscientização da população Maringaense Mostra Local de: Maringá Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Vendas Integrado PROEJA Turma 1 DISCIPLINA: Educação Física

EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Vendas Integrado PROEJA Turma 1 DISCIPLINA: Educação Física MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

PLANO DE TRABALHO ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFAM (2014-2018)

PLANO DE TRABALHO ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFAM (2014-2018) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CAMPUS NOVA IGUAÇU INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E TURISMO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CAMPUS NOVA IGUAÇU INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E TURISMO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CAMPUS NOVA IGUAÇU INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E TURISMO PLANO DE GESTÃO 2013-2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PRINCÍPIOS...

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais