CONTRIBUIÇÕES E DESAFIOS DA METODOLOGIA DE AMBIENTES VIRTUAIS PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO BACHAREL EM DIREITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRIBUIÇÕES E DESAFIOS DA METODOLOGIA DE AMBIENTES VIRTUAIS PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO BACHAREL EM DIREITO"

Transcrição

1 CONTRIBUIÇÕES E DESAFIOS DA METODOLOGIA DE AMBIENTES VIRTUAIS PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO BACHAREL EM DIREITO Luciana Cristina de Souza Maria de Lourdes Massara Faculdade de Direito Milton Campos RESUMO: O alunado que os cursos de Direito têm recebido hoje é caracterizado por ser uma geração cujo modelo padrão de aprendizagem é intensamente orientado para o uso de tecnologias de acesso digital e de compartilhamento de informações por redes sociais. Assim, sendo, torna-se desafiador para o professor de curso jurídico, em geral habituado ao ensino técnico da lei em sala de aula, adaptar-se a essa nova forma de aprendizagem, principalmente porque ela não significa apenas a digitalização dos textos legais, mas representa, sim, uma nova e interativa forma de construir o pensamento. Este artigo tem por objetivo, portanto, analisar a atual relação entre o uso de ambientes virtuais para a formação discente em Direito e as dificuldades enfrentadas pelas faculdades para propiciá-la adequadamente e não apenas virtualizando o material didático tomando por marco teórico as análises de Pierre Levy sobre a cibercultura e o livro de Juan-Ramón Capella, A aprendizagem da aprendizagem: uma introdução ao estudo do direito, que critica a forma mnemônica predominante na educação jurídica de nível superior, visando, principalmente, atender aos anseios dos alunos de aprovação em concursos públicos. A obra de Levy serve como referência para o estudo aprofundado do modo como o pensar se desenvolve com o advento da sociedade informacional, guiada pelos conteúdos disponibilizados via internet e gerados por meio de processos de elaboração colaborativos, a chamada inteligência coletiva. Capella, por sua vez, reflete criticamente sobre o papel negativo que alguns professores exercem em relação aos alunos, passando-lhes o que o autor chama de sua própria cola para decorarem para as provas, assim como ressalta a

2 importância, e responsabilidade muito séria, do papel exercido pelos alunos uns em reciprocidade aos outros como coeducadores, o que exige do discente a atenção a quem escolhe como colegas de estudo e ao modo como escolhe interagir com eles podemos dizer, por exemplo, passar o tempo navegando na web via celular ou trocando mensagens sem relação com a aula (nova forma de conversa em sala). Para conhecer melhor essa realidade educacional, utilizar-se-á a metodologia de estudo de caso, realizando-se uma pesquisa de opinião junto a uma amostra do corpo discente e docente da Faculdade de Direito Milton Campos, que possui 1924 alunos e 83 professores entre mestres e doutores neste primeiro semestre de A partir da escolha de professores e alunos como variáveis categóricas, objetiva-se aferir quantitativamente quais são os principais meios tecnológicos relacionados às mídias digitais atualmente preferidos por ambos os públicos-alvos, tipos de serviços mais consultados nestes meios e quais as demandas de serviços acadêmicos poderiam ser incorporadas a esta forma de atendimento; qualitativamente, de que modo a relação professor e aluno no processo de aprendizagem poderia ser enriquecida e dinamizada pelo uso de ferramentas digitais. Ao final, as informações serão tabuladas para poderem compor o gráfico de análise da situação atual do uso destas novas tecnologias na instituição de ensino. PALAVRAS-CHAVE: Direito; Educação; Tecnologia 1. UMA NOVA E INTERATIVA FORMA DE CONSTRUIR O PENSAMENTO Tem sido desafiador promover a relação de ensino-aprendizagem nos cursos de Direito nos últimos anos devido ao caráter mais tradicional e mnemônico dos bacharelados jurídicos, o que faz com que a relação entre professor e alunos seja pautada em princípios como hierarquia de autoridade por experiência na prática profissional, domínio teórico de conteúdos, memorização de textos doutrinários e legais, assimilação da postura defendida pelo professor como critério de aprovação. Embora existam debates, o modelo avaliativo ainda consiste em verificar a habilidade do aluno em reproduzir este sistema de aprendizagem, havendo, portanto, quase nenhum espaço para reflexões críticas. Esta é a forte herança que o ensino jurídico recebeu do positivismo científico que moldou as escolas no século XIX e que ao longo do século XX sofreu modificações, todavia

3 mais exitosas em outras áreas do que no ramo do Direito, em geral, mais fechado às transformações em sua estrutura educacional. Um dos graves problemas desta rigidez é a dificuldade de assumir a incerteza e o muito que escapa ao controle das ciências (GUSTIN, 2012, p. 15). Segundo Juan Ramón Capella, os docentes que lecionam em cursos jurídicos têm à sua frente o desafio de promoverem sua autocrítica e se abrirem à colaboração dos seus alunos neste rico processo de ensino-aprendizagem que a faculdade deve propiciar. Infelizmente, o que se presencia muitas vezes é a existência de uma relação unilateral entre os sujeitos na sala de aula, ao invés do modelo colaborativo, o qual é mais favorável para estimular o crescimento pessoal dos alunos e sua intersubjetividade (CAPELLA, 2009, Passim). Capella afirma que os alunos são coeducadores, pois parte essencial de sua aprendizagem advém exatamente da sua interação uns com os outros, dinâmica esta que é obstaculizada pelo modelo educacional jurídico padrão que é hierárquico e unilateral, centrado na figura do professor como provedor de conhecimento. Em tempos de tecnologia digital de acesso amplo à informação, há provedores mais rápidos e com maior capacidade de memória. E, principalmente, o papel do docente jurídico em sala não é jamais o de competir com serviços de busca como o Google ou o Bing. Mas em um processo de aprendizagem mnemônica, acaba por aproximar-se disto, o que causa a impressão de derrota, já que muitos alunos acompanham as aulas com tablets e celulares, os quais utilizam para pesquisar enquanto o professor fala e também para fazerem perguntas. Em um modelo educacional colaborativo, isto não é visto como problema, pois dinamiza a sala de aula. O docente pode estimular os alunos a realizarem a pesquisa, a serem curiosos e trazerem para o grupo novos tópicos para reflexão. Com isto, ele próprio poderá aprender também. Esta parceria em sala é positiva e auxilia muito em um mundo no qual a velocidade das mudanças é cada vez maior e onde o volume de informações é medido em terabytes por enquanto, sendo portanto de vital importância manter-se atualizado, mas impossível fazê-lo sozinho como outrora, quando havia poucos tribunais e as informações doutrinárias e jurisprudenciais podiam ser acompanhadas apenas pela consulta aos repositórios impressos publicados. Eugênio Trivinho explica bem sobre o fenômeno da dromocracia, que é a cultura da velocidade que hoje vivemos. Tudo o que não se realiza de modo quase imediato é visto como inadequado. Os sistemas de hardware e software são atualizados em tempo real via

4 internet E não possuí-los ou deixar de atualizá-los pode significar uma espécie de morte digital nos dias atuais, uma verdadeira forma de exclusão (TRIVINHO, 2005, p. 73). Assim, por mais desafiador que seja lidar com a relação educacional mediada pelas novas tecnologias como tablets e celulares, ou com a interatividade por meio de redes sociais, esta é a realidade que se apresenta àqueles ou àquelas que decidirem se dedicar à docência como profissão. Não se pode ser professor para preencher o tempo ocioso ou apenas pelo status social do título. Segundo pesquisa de 2012 feita pelo professor da Fundação Getúlio Vargas, Frederico Almeida, há um significativo número de profissionais do direito que buscam a docência como carreira secundária ou como uma atividade pós-aposentadoria, caso de alguns magistrados segundo o autor, os quais se concentram notadamente em faculdades privadas (ALMEIDA, 2012, p. 49), mais flexíveis quanto à titulação dos professores do que as instituições de ensino públicas. Por não ser esta a sua carreira principal, a maioria deixa de buscar qualificação profissional como docente, ou também por acreditarem que basta a experiência técnica para interagir com o alunado em sala de aula. Embora muito rica e importante, a experiência profissional técnica essencial à justiça não capacita didaticamente para ensinar. A docência é profissão com requisitos de habilitação e competência próprios e deve haver um verdadeiro compromisso com ela no que tange aos aspectos didático-pedagógicos não se pode determinar aos alunos que escutem as aulas, sem qualquer direito de participação, como se estivessem, por exemplo, em uma audiência judicial. É também ilusório pensar-se que os alunos abandonarão seus equipamentos tecnológicos e se adaptarão a um modelo tradicional de ensino tão somente porque é o único que o professor sabe exercer. Isso não vai ocorrer e haverá uma tensão no relacionamento dentro de sala de aula que é completamente desnecessária e possível de ser evitada, mesmo porque, o próprio Poder Judiciário tem se dedicado ativamente à informatização, o que já é uma realidade, devendo as faculdades de Direito preparar seus alunos para ela. Em poucos anos, não haverá mais alunos da geração analógica nas faculdades, salvo aqueles que procuram já com mais idade o curso superior para terem uma promoção ao final de outra carreira profissional ou realizar o sonho de cursar Direito. Pela pesquisa feita junto ao alunado da Faculdade de Direito Milton Campos, ficou evidenciado que os alunos que hoje estão na instituição acessam espaços virtuais para obter informações (77,6%), são usuários de redes sociais (em relação aos alunos mais jovens este número ultrapassa 60%), principalmente via celular (quase 70%). Foi interessante constatar na

5 análise por faixa etária, que alunos com mais idade preferem computadores a celulares e participam menos de redes sociais. Quanto maior a faixa etária, menores estes números. A maioria dos professores está nas faixas etárias acima de 35 anos, o que explica os constantes desabafos sobre a dificuldade de lidar com os celulares e tablets dos alunos em sala de aula. Muitos têm optado por proibir o uso, o que não é a solução mais adequada, porém é fato que revela a necessidade de a instituição auxiliar o professor em sua adaptação tecnológica. Na verdade, deve-se estimular os alunos a aproveitarem e absorverem toda a riqueza que a experiência de vida profissional do professor pode trazer para enriquecê-los em conhecimento. E isto pode ser feito utilizando os novos meios tecnológicos na didática de ensino em uma interação conjunta instituição-profesor-alunos. É claro, sem exageros e com respeito ao ritmo de adaptação de que precisam os professores, em geral membros de uma geração analógica, para aprenderem o uso de novas ferramentas de trabalho, como sala de aula virtual, apresentações com slides dinâmicos, fóruns on line para debate com os alunos, etc. A mudança é necessária, mas não pode também ser uma forma de violência hightech (TRIVINHO, 2005, p. 73). E encontrar o adequado ponto de equilíbrio entre as demandas dos alunos e o processo de capacitação dos professores é o principal ponto a ser enfrentado pelas instituições de ensino, que devem investir tanto em plataformas digitais de fácil utilização por todos, quanto oferecer cursos e treinamento aos seus docentes. O equilíbrio é fundamental porque, de um lado há professores resistentes que acreditam na aceitação passiva do alunado às suas imposições pedagógicas, o que é um equívoco; por outro, os alunos tendem a crer em tudo o que está disponível virtualmente, sem o bom senso imprescindível à análise de textos on line, caso em que o auxílio do educador para orientá-los sobre como fazer um bom uso dos recursos acessíveis na internet, por exemplo, como sites de busca e leitura de textos, é o grande diferencial deste tipo de aprendizagem. O elemento humano é primordial e indispensável mesmo em realidades tecnológicas. Contudo, para orientar, o professor precisa conhecer. 2. A GERAÇÃO DA CIBERCULTURA Um dos desafios desta geração nova é a forma como constroem o pensamento. Os recursos digitais provêem tudo com muita facilidade, embora nem sempre com o devido

6 critério. Mas há uma grande vantagem na sua utilização: a possibilidade de compartilhar. Segundo Pierre Lévy, na cibercultura há o emprego da inteligência coletiva, a qual é distribuída em várias partes e coordenada em tempo real pelos sujeitos colaboradores deste universo virtual de conhecimento (LÉVY, 2004, Passim). Um exemplo atual utilizado pelos alunos para realizarem trabalhos em grupo, por exemplo, é o Google Docs, um drive virtual em que você pode habilitar a interação com outras pessoas pela ferramenta Share, inserindo seus s e determinado o nível de autorização que elas terão para inserir informações novas e modificar os documentos partilhados. O grupo do trabalho pode, então, complementar a discussão por meio do Skype e fazer uma reunião virtual, o que facilita muito quando as pessoas estão distantes ou precisam vencer desafios para sua locomoção como tráfego intenso, durante a qual os membros podem conversar, inserir modificações no arquivo do Google Docs, tudo isso em tempo real e visível on line para todos. O que um escrever no texto, aparecerá imediatamente modificado no arquivo de todos os demais. É claro, isto suscita questões éticas acerca de direitos autorais, tais como, quais são os limites para reapropriação e recombinação de informações na interatividade, especialmente naqueles casos em que as informações obtidas e recombinadas estão em diferentes espaços virtuais, os quais o usuário da internet tem acesso ao clicar em seus hiperlinks, ato que Pierre Lévy define como a possibilidade de interromper uma sequência de informações e de reorientar com precisão o fluxo informacional em tempo real (LÉVY, 1999, p ). Logo, quando se trata de propor um novo modelo de ensino-aprendizagem que substitua o processo mnemônico unilateral e hierárquico tradicionalmente empregado nos cursos de Direito, sabe-se que a transição para o modelo digital de ensino, especialmente com a interação em ambientes virtuais, exigirá reflexões constantes sobre seus limites éticos e a adequabilidade de seu uso como instrumento didático-pedagógico, de modo a evitar-se substituir um padrão insuficiente de ensino por outro, apenas diferente em sua aparência. Se a interatividade propiciada pelos meios virtuais contribui para o ensino democrático e colaborativo, também pode favorecer o plágio, por exemplo. Ou, se por um lado oferece acesso antes inimaginável a informações do mundo todo com rapidez, ela também permite que na internet existam muitas páginas sem qualquer utilidade acadêmica, devendo haver uma orientação séria e profissional do docente junto ao aluno sobre a forma de obter conhecimento neste ambiente educacional específico. Uma de suas maiores vantagens é superar o método

7 tradicional de memorização. Mas aqui é preciso cuidado, pois a virtualização de aulas e a digitalização de livros sem a devida dedicação à leitura reflexiva, apenas mudará o locus da busca da informação padronizada e acrítica. De nada adiantará se o professor colocar on line seus textos para download e mantiver a mesma metodologia, com slides de apresentação cansativos e aulas expositivas. As novas tecnologias possibilitam muito mais. Há recursos didáticos excelentes que podem ser incorporados à sala de aula. Imagine poder acessar rapidamente em sala um texto jurídico, ao mesmo tempo em que se abre outra janela no aplicativo de seu equipamento para consultar a legislação a ele referente, enquanto se acompanha ao vivo com os alunos o julgamento pelo Supremo Tribunal Federal de um caso semelhante, comentando-o. A geração que chega hoje aos cursos superiores é multitarefa. Motivo pelo qual os alunos possuem dificuldade com as aulas tradicionais, monológicas, e que deles requerem muito pouco durante as aulas, apenas que fiquem sentados escutando. Não há participação. Como já estão habituados com a cibercultura e a vida de janelas abertas, a eles não parece errado fazerem duas tarefas simultaneamente: ouvir e consultar mensagens no celular, por exemplo. Para que a atenção se concentre, é preciso envolver os recursos tecnológicos nas atividades da aula, sem exageros, mas o suficiente para orientá-los sobre o bom senso sobre quando e como utilizá-los: pedir-lhes que verifiquem o artigo da lei é uma forma, que ainda tem a vantagem de substituir os pesados códigos na rotina diária da sala de aula. No momento de uma avaliação, o professor agirá conforme sua postura pessoal de avaliador provas com ou sem consulta e a que tipo de materiais considerando seus objetivos pedagógicos. 3. ANÁLISE DOS DADOS ENCONTRADOS COM A PESQUISA A pesquisa realizada permitiu a visão mais nítida da realidade hoje encontrada na Faculdade de Direito Milton Campos, de modo que fosse feita uma avaliação dos desafios que se tem à frente para que a metodologia de ambientes virtuais possa ser implantada com qualidade, pois não basta digitalizar apostilas que possam ser lidas em tablets e celulares, ou transmitir vídeos se não há qualquer forma real de interatividade. É a interação de múltiplios em tempo real que define a cibercultura. O restante consiste na cultura tradicional travestida em roupas novas, mas com a mesma essência no seu método de ensino-aprendizagem.

8 3.1. Metodologia da pesquisa Para conhecer melhor a realidade institucional foi realizada uma pesquisa de opinião pública com uma amostra de alunos e professores. Foram distribuídos formulários para um quarto da comunidade acadêmica, selecionando-se uma amostra bem diversificada, tendo sido escolhida entre alunos dos 10 períodos (manhã e noite) e professores. A pesquisa foi realizada em um único dia, sendo que o próximo passo, após a análise das informações, é o seu encaminhamento à mantenedora por meio da Comissão Própria de Avaliação (CPA). A intenção é retornar com a pesquisa após parecer deste órgão e da mantenedora, focando nos pontos que possam ser levantados por eles, além de reforçar quesitos do formulário que foram indicados como sendo importantes pelos respondentes ao final em seus comentários. As perguntas objetivas, com apenas três alternativas, foram feitas de modo que em algumas delas pudesse haver mais de uma resposta. O intuito foi verificar não somente o uso de tecnologias digitais, mas também a simultaneidade entre os meios. Um formulário mais elaborado será reaplicado a partir deste modelo inicial, mais simplificado. MÚLTIPLAS RESPOSTAS PERMITIDAS Em sua opinião, o uso de tecnologias digitais na relação de aprendizagem é: Sempre recomendável como metodologia de ensino Auxiliar aos demais recursos didáticos Não interfere no processo de aprendizagem Não responderam O meio digital de comunicação mais utilizado / consultado por você é: Rede social Blogs e páginas de sites Não responderam / Não utilizam Qual a sua plataforma de acesso à internet mais utilizada? Celular Tablet / computador pessoal Computador da faculdade Não responderam / Não utilizam O que você mais procura nos meios digitais é: Obter informação e notícias

9 Acessar fotos e vídeos pessoais e de amigos Outros (indique quais) Não responderam / Não utilizam Com que frequência você utiliza acervos digitais (artigos / livros)? Alta Média Baixa Não responderam / Não utilizam Foram colocados no formulário três espaços para respostas espontâneas: 6 Sua principal rede social é: 7 Qual(is) serviço(s) acadêmico(s) você gostaria de utilizar digitalmente? 8 Comentários 3.2. Análise dos dados Após a coleta dos dados, os mesmos foram organizados por sexo e faixa etária. Na separação por sexo destacaram-se os seguintes pontos de diferença (nos demais aspectos aferidos os números foram aproximados, não havendo distinção significativa entre homens e mulheres): a) o Instagram é a rede social utilizada mais por mulheres (21,4%) do que por homens (7,3%), não havendo distinção significativa quanto ao WhatsApp; b) os homens preferem o Facebook como rede social (56,5%) em relação às demais, enquanto entre as mulheres o número é menor (44,3%); c) para os homens houve empate técnico entre o uso de celular e de tablet/computador como meio de acesso à internet (na faixa de 48%), enquanto 67,8% das mulheres preferem usar o celular, enquanto apenas 28,2% delas optaram pela resposta tablet/computador cerca de 4% dos usuários de ambos os sexos utilizam os dois meios. Tantos mulheres quanto homens indicaram em seus comentários alguns serviços institucionais que consideram importantes (porcentagem de cerca de 70% em relação aos demais comentários; cálculo feito sobre o total de respostas espontâneas dos itens 7 e 8 do formulário, totalizando 392 comentários em um universo de 515 respondentes). Destacam-se:

10 a) Acesso a acervo "on line" de livros, periódicos e TCC (26,79%); b) Aulas e conteúdos "on line" / Vídeoaula/ Vídeoconferência (15,31%); c) Serviços da Secretaria / Requerimentos (14,54%); d) Melhoria da rede wireless / infraestrutura de informática na faculdade (13,01%). A demanda por acervo on line, em parte, decorre da inexperiência do aluno em saber que já existem importantes repositórios jurídicos digitais e de livre consulta à sua disposição. Infelizmente, a maioria ainda tem Wikipédia como principal referência de estudo, o que traz inconveniências devido à falta de cientificidade desta enciclopédia livre. Como primeira leitura, de quem nada sabe a respeito de um tema, é uma ajuda que contribui, mas não para a pesquisa científica, visto que é possível encontrar erros em seus textos e que falta-lhe autoridade enquanto base de consulta acadêmica. Verificou-se que a Faculdade de Direito Milton Campos possui acesso livre aos alunos junto aos seguintes repositórios: Heinonline; Periódicos CAPES; SCOPUS; e Direct. Há funcionários disponíveis para auxiliar os discentes e a professora de Metodologia já havia comunicado sobre a existência destas bases de dados, mas há a preferência dos alunos fenômeno típico desta geração de encontrar tudo facilitado, razão pela qual a indicação de que o acervo digital fosse disponibilizado pela faculdade. Isto já é feito, porém em razão da natureza da assinatura da maioria das revistas acadêmicas, o acesso deve ser feito a partir do computador da própria Biblioteca, norma que não pode ser modificada pela instituição. O acesso a conteúdos digitais relativos às aulas, bem como a possibilidade de vídeoaulas e videoconferência com os professores depende de cada profissional docente. Esta é uma demanda que envolve direito à imagem do professor, bem como sobre os conteúdos que este produz. As memórias de aula, todavia, poderiam ser disponibilizadas para que o discente que tenha tido necessidade de se ausentar possa acessá-las na página do aluno e inteirar-se sobre os tópicos abordados em aula pelo professor e, assim, adiantar os seus estudos para a próxima. As duas últimas demandas, requerimentos on line e melhoria da rede wireless, estão em andamento, pois já haviam sido diagnosticadas antes que esta pesquisa fosse realizada pela Comissão Própria de Avaliação (CPA), que se reuniu com a Diretoria para solicitá-las.

11 3.3. Mudança do perfil da comunidade acadêmica Quanto aos dados relativos aos professores, optou-se por não efetuar a sua tabulação em separado devido ao número insuficiente de formulários respondidos, o que inviabilizaria uma análise significativa e de qualidade da informação relativa a esta amostra. Estes dados foram organizados também por faixa etária, somados aos dos alunos com idade igual ou superior a 30 anos. As faixas etárias foram organizadas da seguinte maneira: 17-23, fase comum para realização do curso de Direito; anos; anos; anos; e acima de 50. Os professores, juntamente com os alunos mais velhos, representam um valor dentro da amostra de 15,5%. Mas foi possível delinear-se a mudança de perfil do público acadêmico da Faculdade Milton Campos pela comparação entre as duas primeiras faixas etárias e os respondentes com 30 anos ou mais. Veja a seguir, a título de contraste, a indicação clara na mudança de perfil dentro da comunidade acadêmica a partir da escolha do meio principal de comunicação digital dos grupos abaixo: PERGUNTA O meio digital de comunicação mais utilizado / consultado por você é: Gráfico 1 Faixa etária anos

12 Gráfico 2 Faixa etária anos Gráfico 3 Faixa etária 30-acima de 50 anos 4. CONCLUSÃO Conclui-se que é necessário prosseguir a pesquisa para delinear melhor as formas de interação virtual compatíveis com o perfil de alunos e professores da Faculdade Milton Campos, uma vez que as respostas fornecidas pelo alunado, em particular, comprovam a ideia

13 inicial de que é preciso investir mais na capacitação docente para as formas de aprendizagem pautadas na interatividade em meio digital. Não significa que o docente precise ter um perfil de Facebook, ou passar seu dia postando fotos no Instagram, consiste, porém, em ter-se a clara noção de que impor uma cultura tradicional jurídica quando nem mesmo os órgãos jurisdicionais a mantêm nos dias de hoje é um empecilho a práticas educativas mais colaborativas, reflexivas e motivadoras. É importante atuar junto aos professores de cursos jurídicos para mostrar-lhes que a prática técnica depende do conhecimento pedagógico, assim, a prática docente poderá ser melhor realizada. O mundo atual substituiu a vida linear pelo hiperlink, pela forma múltipla e fragmentada de se pensar, construída em parcerias por meio do compartilhamento de saberes, de trocas entre sujeitos (MORIN apud LÜCK, 2006, p. 40). Voltando à proposta de Capella, é preciso saber fazer do aluno um coeducador que participe do seu próprio processo de aprendizagem. Se até no processo jurídico há, atualmente, uma forte tendência às formas dialogais de resolução de conflito como a mediação, maior ainda é a responsabilidade das faculdades e dos profissionais docentes em tornarem o espaço acadêmico um ambiente virtual de aprendizagem desta nova postura que o bacharel deverá ter diante de sua sociedade, atendendo às novas demandas, com qualidade e reflexão crítica. Talvez não tenhamos conseguido fazer o melhor, mas lutamos para que o melhor fosse feito. Não somos o que deveríamos ser, não somos o que iremos ser, mas, graças a Deus, não somos o que éramos. (Martin Luther King apud LÜCK, 2006, prefácio) REFERÊNCIAS ALMEIDA, Frederico. Do profissional-docente ao docente-profissional: a valorização simbólica dos títulos acadêmicos e da experiência docente no campo jurídico brasileiro. In: CARVALHO, Evandro Menezes de et al. (Orgs.). Representações do Professor de Direito. Curitiba: ABEDI: CONPEDI: CRV, CAPELLA, Juan-Ramón. A aprendizagem da aprendizagem: uma introdução ao estudo do direito. Tradução: Miracy Barbosa de Sousa Gustin e Maria Tereza Fonseca Dias. Belo Horizonte: Forum, GUSTIN, Miracy Barbosa de Sousa; PEREIRA, Aline Rose Barbosa. (Re)Pensando uma pedagogia da inclusão em cursos de Direito. In: CARVALHO, Evandro Menezes de et al.

14 (Orgs.). Representações do Professor de Direito. Curitiba: ABEDI: CONPEDI: CRV, p LÉVY, Pierre. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, LÉVY, Pierre. Inteligencia Colectiva: por una antropología del ciberespacio. Traducción del francés por Felino Martínez Álvarez. BIREME OMS, Março de Disponível em: <http://inteligenciacolectiva.bvsalud.org/>. Acesso em 05 de novembro de LÜCK, Heloísa. Gestão educacional: uma questão paradigmática. 2ed. Petropólis: Vozes, TRIVINHO, Eugênio. Introdução à dromocracia cibercultural: contextualização sociodromológicada violência invisível da técnica e da civilização mediática avançada. FAMECOS, Porto Alegre, n. 28, p , dez TRIVINHO, Eugênio. Cibercultura, sociossemiose e morte: sobrevivência em tempos de terror dromocrático. Fronteiras: estudos midiáticos-revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Unisinos/RS, São Leopoldo, vol. 5, n. 2, p , dez

NORMAS PARA FORMATAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

NORMAS PARA FORMATAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Faculdades Milton Campos (FMC) NORMAS PARA FORMATAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Texto organizado a partir das normas vigentes da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) Emilce Maria Diniz Bibliotecária

Leia mais

FAQ Estude Sem Dúvidas

FAQ Estude Sem Dúvidas FAQ Estude Sem Dúvidas Núcleo de Educação a Distância Faculdade Flamingo São Paulo Atualizado em: Outubro/2015 2 Estude sem dúvidas FAQ para os alunos de Pedagogia Presencial Caros alunos e alunas do curso

Leia mais

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Sumário Apresentação O papel do Aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Dúvidas 3 5 6 9 10 11 14

Leia mais

Sistema de Gestão de Aulas

Sistema de Gestão de Aulas Sistema de Gestão de Aulas criando cultura para o Ensino a Distância e melhorando o processo ensino-aprendizagem pela internet RICARDO CREPALDE* RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a experiência

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

Manual do aluno online

Manual do aluno online Manual do aluno online Os 10 mandamentos do aluno de educação online 1 1. Acesso à Internet: ter endereço eletrônico, um provedor e um equipamento adequado é prérequisito para a participação nos cursos

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade

Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade José Walter Fagundes de Souza Filho RESUMO Conhecer e analisar fatores que interferem de forma positiva

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO RESUMO Arlam Dielcio Pontes da Silva UFRPE/UAG Gerciane

Leia mais

ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO

ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO COLÉGIO MILITAR DO RIO DE JANEIRO GUIA BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DA REDE COLABORATIVA Construçãoo de Saberes no Ensino Médio ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO CMRJ - 2010 2 LISTA DE FIGURAS Figura 01: Exemplo de

Leia mais

OS MIGRANTES DIGITAIS E SUA APRENDIZAGEM NOS CURSOS A DISTÂNCIA Verônica Danieli de Lima 1 José Alexandre Barbosa Pinto 2

OS MIGRANTES DIGITAIS E SUA APRENDIZAGEM NOS CURSOS A DISTÂNCIA Verônica Danieli de Lima 1 José Alexandre Barbosa Pinto 2 OS MIGRANTES DIGITAIS E SUA APRENDIZAGEM NOS CURSOS A DISTÂNCIA Verônica Danieli de Lima 1 José Alexandre Barbosa Pinto 2 Resumo: Este trabalho tem como objetivo geral analisar o desempenho de migrantes

Leia mais

Bem Vindo... 4. A Disciplina de Dependência Interativa... 5. A Organização da Disciplina... 7. O Processo de Ensino e Aprendizagem...

Bem Vindo... 4. A Disciplina de Dependência Interativa... 5. A Organização da Disciplina... 7. O Processo de Ensino e Aprendizagem... 1 2 Sumário Bem Vindo... 4 A Disciplina de Dependência Interativa... 5 A Organização da Disciplina... 7 O Processo de Ensino e Aprendizagem... 10 Sua Semana no Curso... 11 O apoio local ao Ensino Semipresencial...

Leia mais

CURSO ONLINE DE ESPANHOL PARA A EJA

CURSO ONLINE DE ESPANHOL PARA A EJA CURSO ONLINE DE ESPANHOL PARA A EJA Porto Alegre - RS - Maio 2012 Jozelina Silva da Silva UFRGS/ UAB SESI jozelinasilvadasilva@gmail.com Categoria: C Setor Educacional: 1 Classificação das Áreas de Pesquisa

Leia mais

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES

A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES 1 A CULTURA UNIVERSIDADE E OS CURSOS SEMIPRESENCIAIS: TENDÊNCIAS E TRANSFORMAÇÕES São Paulo SP 04/2015. Juliana Moraes Marques Giordano USP julianagiordano@usp.br 2.1.1. Classe: Investigação Científica

Leia mais

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte...

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte... ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3 Acervo... 3 Meus Livros... 4 Livros em destaque... 7 Fórum... 7 Notícias... 8 Ajuda... 9 Suporte... 9 POR QUE USAR... 10 EQUIPE RESPONSÁVEL... 12 CONTATO... 13 O

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

Manual do. Aluno. Brasília Empreendimentos Educacionais

Manual do. Aluno. Brasília Empreendimentos Educacionais Brasília Empreendimentos Educacionais 3 Apresentação 4 A BEE 5 A Educação a Distância EaD 6 O curso 7 O Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA 10 Como estudar na modalidade a distância 2 Apresentação Este

Leia mais

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO GUIA DO ALUNO Prezado(a) Aluno(a), O Guia do Aluno é um instrumento normativo que descreve os padrões de qualidade dos processos acadêmicos e administrativos necessários ao desenvolvimento dos cursos de

Leia mais

PIBID DE FÍSICA MODALIDADE EAD- FUNCIONAMENTO, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Patricia Martins Guarda Regina Lelis de Sousa

PIBID DE FÍSICA MODALIDADE EAD- FUNCIONAMENTO, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Patricia Martins Guarda Regina Lelis de Sousa PIBID DE FÍSICA MODALIDADE EAD- FUNCIONAMENTO, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Patricia Martins Guarda Regina Lelis de Sousa Resumo Este trabalho consiste no relato de experiência de coordenadores de área do Programa

Leia mais

ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO 1 ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MAIO 2008 Ericksson Rocha e Almendra - Escola Politécnica

Leia mais

PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Curitiba PR Maio 2010 Roberto F. Bentes SISTEMA FIEP SENAI roberto.bentes@fiepr.org.br Silvana Martinski SISTEMA FIEP

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais

Avaliação Ergonômica da Usabilidade da Navegação Estrutural

Avaliação Ergonômica da Usabilidade da Navegação Estrutural Felipe Ferraz Pereira Memoria Avaliação Ergonômica da Usabilidade da Navegação Estrutural Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo Programa

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL

ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL ENSINO PROFISSIONALIZANTE A DISTÂNCIA E AS PERPECTIVAS DE INCLUSÃO DIGITAL E SOCIAL Resumo Cláudia Luíza Marques 1 - IFB Grupo de Trabalho - Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com

Leia mais

LISTA ICONOGRÁFICA - (Lista de ícones do Ambiente Virtual)

LISTA ICONOGRÁFICA - (Lista de ícones do Ambiente Virtual) 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 04 Geração de Login e Senha... 05 Guia de Percurso... 07 Manual Acadêmico... 09 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 11 Edição do Perfil... 13 Ambiente Colaborar e

Leia mais

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 07 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 09 Edição do Perfil... 12 Acessando as Atividades... 14 Iniciando o Semestre...

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

RESISTÊNCIA X ACEITAÇÃO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE UMA FACULDADE TECNOLÓGICA EM FORTALEZA-CE

RESISTÊNCIA X ACEITAÇÃO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE UMA FACULDADE TECNOLÓGICA EM FORTALEZA-CE 1 RESISTÊNCIA X ACEITAÇÃO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE UMA FACULDADE TECNOLÓGICA EM FORTALEZA-CE Fortaleza CE, 01 de maio de 2014 Luciana Rodrigues Ramos Duarte Faculdade Ateneu

Leia mais

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

E-LEARNING NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA

E-LEARNING NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA E-LEARNING NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA Maio / 2005 154-TC-C3 Ilene Figueiredo Pessoa UVA - Universidade Veiga de Almeida ilene@uva.br Denise Paiva D Ávila Melo UVA - Universidade

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades Rodolfo Fortunato de Oliveira Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP rodolfo_fdeoliveira@hotmail.com

Leia mais

O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem...

O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem... O Funcionamento dos Cursos... 02 Geração de Login e Senha... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 06 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 08 Edição do Perfil... 10 Ambiente Colaborar... 11 Iniciando

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR HOJE: a cultura tecnológica no espaço escolar

GESTÃO ESCOLAR HOJE: a cultura tecnológica no espaço escolar 1 GESTÃO ESCOLAR HOJE: a cultura tecnológica no espaço escolar Maio/2008 Fabíola da Conceição Lima Universidade Estadual do Maranhão / Núcleo de Educação a Distância fabiolalima27@hotmail.com Categoria

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015

ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 NOVA ANDRADINA MS MARÇO DE 2015 ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 Plano de ação a ser desenvolvido no ano letivo de 2015, pelo

Leia mais

INTERATIVIDADE E TECNOLOGIA NO PROCESSO DE TUTORIA DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNISUAM TCC3064

INTERATIVIDADE E TECNOLOGIA NO PROCESSO DE TUTORIA DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNISUAM TCC3064 INTERATIVIDADE E TECNOLOGIA NO PROCESSO DE TUTORIA DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNISUAM TCC3064 Fevereiro / 2006 Rita de Cássia Borges de Magalhães Amaral CENTRO UNIVERSITÁRIO AUGUSTO MOTTA CEAD-

Leia mais

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino.

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino. A TERCEIRA EDIÇÃO DA CAMPUS PARTY BRASIL, REALIZADA EM SÃO PAULO ENTRE OS DIAS 25 E 31 DE JANEIRO DE 2010, REUNIU QUASE 100 MIL PARTICIPANTES PARA DISCUTIR AS TENDÊNCIAS DA INTERNET E DAS MÍDIAS DIGITAIS.

Leia mais

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu Ambientação ao Moodle João Vicente Cegato Bertomeu AMBIENTAÇÃO A O MOODLE E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M SAUDE da FAMILIA Sumário Ambientação ao Moodle 21 1. Introdução 25 2. Histórico da EaD 25 3. Utilizando

Leia mais

tudo o que você precisa saber

tudo o que você precisa saber tudo o que você precisa saber Introdução 03 Qual a diferença do marketing tradicional para o digital 07 Por que sua clínica precisa de Marketing Digital 10 O que pode ou não ser feito no Marketing Médico

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

Apoio tecnológico para treinamento vocacional. Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online. Artigo

Apoio tecnológico para treinamento vocacional. Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online. Artigo Artigo Apoio tecnológico para treinamento vocacional Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online Rodrigo Laiola Guimarães*, Andrea Britto Mattos**, Victor Martinêz***, Flávio

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E O OLHAR PARA OS ESPAÇOS ESCOLARES VARGAS, Simara 1 ROTHER, Janice 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E O OLHAR PARA OS ESPAÇOS ESCOLARES VARGAS, Simara 1 ROTHER, Janice 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 1 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E O OLHAR PARA OS ESPAÇOS ESCOLARES VARGAS, Simara 1 ROTHER, Janice 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras-chave: Gestão democrática; espaços escolares; organizações. 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD!

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! MANUAL DO ALUNO MANUAL DO ALUNO Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! 1. APRESENTAÇÃO Preparado pela equipe da Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância (CEAD) da Universidade

Leia mais

Programa EAD-EJEF. Manual do Estudante

Programa EAD-EJEF. Manual do Estudante Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais - TJMG Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes - EJEF Programa de Educação a Distância do TJMG EAD-EJEF Programa EAD-EJEF Manual do Estudante Versão

Leia mais

GUIA DO ALUNO EAD EAD DO GUIA ALUNO

GUIA DO ALUNO EAD EAD DO GUIA ALUNO GUIA DO ALUNO EAD GUIA DO ALUNO EAD Guia do Aluno Seja bem-vindo(a) às disciplinas EAD! Agora que você já está matriculado na disciplina online, chegou o momento de ficar por dentro de informações muito

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto 1333 USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto Discente do curso de Ciências Contábeis da UNOESTE.

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

OS NATIVOS DIGITAIS E A UNIVERSIDADE ANALÓGICA

OS NATIVOS DIGITAIS E A UNIVERSIDADE ANALÓGICA OS NATIVOS DIGITAIS E A UNIVERSIDADE ANALÓGICA Miguel Damasco contato@profdamasco.site.br.com Associação Educacional Dom Bosco Carlos Santos csantos@aedb.br Associação Educacional Dom Bosco RESUMO Este

Leia mais

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL ELIANE ROSA DO ORIÊNTE FABIANA DA SILVA BEZERRA FANÇA JEISEBEL MARQUES COUTINHO JÉSSICA MEIRE DE ALMEIDA GOMES JÚLIA DA SILVA MELIS OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

O futuro da educação já começou

O futuro da educação já começou O futuro da educação já começou Sua conexão com o futuro A 10 Escola Digital é uma solução inovadora para transformar a sua escola. A LeYa traz para a sua escola o que há de mais moderno em educação, a

Leia mais

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO Luciano Bernardo Ramo; Maria Betania Hermenegildo dos Santos Universidade Federal da Paraíba. luciano_bernardo95@hotmail.com

Leia mais

Projeto Blogs! Paraná. Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar).

Projeto Blogs! Paraná. Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar). Projeto Blogs! Paraná Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar). Introdução Enquanto a tecnologia avança vertiginosamente, o problema da exclusão digital persiste

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb. MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.br SANTOS, Selma dos Universidade Regional de Blumenau - selmasantos@senai-sc.ind.br

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIREÇÃO ACADÊMICA CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE SÃO LUIS MA 2009 DIRETORIA ACADÊMICA Diretor

Leia mais

A sala virtual de aprendizagem

A sala virtual de aprendizagem A sala virtual de aprendizagem Os módulos dos cursos a distância da Faculdade Integrada da Grande Fortaleza decorrem em sala virtual de aprendizagem que utiliza o ambiente de suporte para ensino-aprendizagem

Leia mais

Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Serviço Federal de Processamento de Dados SERPRO Universidade Corporativa Ministério da Fazenda Responsável: Margareth Alves de Almeida - Chefe

Leia mais

Sem medo do futuro Com os jovens liderando uma revolução tecnológica, instituições precisam se adaptar a um novo perfil de universitários.

Sem medo do futuro Com os jovens liderando uma revolução tecnológica, instituições precisam se adaptar a um novo perfil de universitários. Sem medo do futuro Com os jovens liderando uma revolução tecnológica, instituições precisam se adaptar a um novo perfil de universitários. Filipe Jahn A revolução das novas tecnologias nos dias de hoje

Leia mais

EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA: DESAFIOS, LIMITES E POSSIBILIDADES

EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA: DESAFIOS, LIMITES E POSSIBILIDADES EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA: DESAFIOS, LIMITES E POSSIBILIDADES Porto Alegre, 05/2015 Rosangela Silveira Garcia - Universidade Federal do Rio Grand do Sul UFRGS - prof.rosegarcia@gmail.com Investigação Científica

Leia mais

TUTORIAL DE ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA

TUTORIAL DE ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA TUTORIAL DE ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA 1 O acesso a plataforma educacional do colégio kadima deverá ser feito através do endereço: http://edunote.com.br/kadima/ 2 Na tela que segue,

Leia mais

Educação a Distância: Limites e Possibilidades

Educação a Distância: Limites e Possibilidades Educação a Distância: Limites e Possibilidades Bernardo de Azevedo Ramos Brillian Aquino Fernandes Lucas Fernandes Barbosa Rafael Castro e Abrantes RESUMO: O trabalho tem como meta avaliar a Educação a

Leia mais

Educação EAD: Sem fronteiras (?)

Educação EAD: Sem fronteiras (?) Educação EAD: Sem fronteiras (?) Laila Maria Oliveira Silva Luiza Carolina Lucchesi Barbosa Mariana Damasceno Rocha F de Albuquerque Resumo: A modalidade EAD (Educação a Distância) surgiu com a intenção

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA E INCLUSÃO DIGITAL NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB

FORMAÇÃO CONTINUADA E INCLUSÃO DIGITAL NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB FORMAÇÃO CONTINUADA E INCLUSÃO DIGITAL NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB Telma Cristina Gomes da Silva (PROLING/UFPB) telmapedist@hotmail.com Introdução A Cultura Digital impõe novos desafios pedagógicos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

O emprego da lousa digital no processo de aprendizagem de alunos de licenciatura e do ensino médio

O emprego da lousa digital no processo de aprendizagem de alunos de licenciatura e do ensino médio O emprego da lousa digital no processo de aprendizagem de alunos de licenciatura e do ensino médio Filipe Cesar da Silva Discente da Universidade do Sagrado Coração (USC) felipe_mirc@hotmail.com Melissa

Leia mais

AS REDES SOCIAIS COMO AUXÍLIO NA COMUNICAÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO MUNICÍPIO DE ITAPERUNA- RJ

AS REDES SOCIAIS COMO AUXÍLIO NA COMUNICAÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO MUNICÍPIO DE ITAPERUNA- RJ 1 AS REDES SOCIAIS COMO AUXÍLIO NA COMUNICAÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO MUNICÍPIO DE ITAPERUNA- RJ Autor(es) e instituição: Prof. Ms. Érica Pereira Neto Prof. Ms. Márcio Cabral da Silva

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR: ESTUDO NA UNICAMP

A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR: ESTUDO NA UNICAMP 1 A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR: ESTUDO NA UNICAMP Campinas, S.P. - Maio 2014 Gilberto Oliani - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) gilberto.oliani@gmail.com Investigação Científica

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO 2006 GUIA DIDÁTICO. PARA DISCIPLINAS EM REGIME DE DEPENDÊNCIA Modalidade a Distância

CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO 2006 GUIA DIDÁTICO. PARA DISCIPLINAS EM REGIME DE DEPENDÊNCIA Modalidade a Distância CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO 2006 GUIA DIDÁTICO PARA DISCIPLINAS EM REGIME DE DEPENDÊNCIA Modalidade a Distância SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVOS DAS DISCIPLINAS OFERECIDAS A DISTÂNCIA...4

Leia mais

Diretor Executivo Walter Teixeira dos Santos Jr. Diretor Acadêmico Júlio César Alvim. Coordenadora do NEaD Luciana Ulhoa

Diretor Executivo Walter Teixeira dos Santos Jr. Diretor Acadêmico Júlio César Alvim. Coordenadora do NEaD Luciana Ulhoa FACULDADE ÚNICA Diretor Executivo Walter Teixeira dos Santos Jr Diretor Acadêmico Júlio César Alvim Coordenadora do NEaD Luciana Ulhoa FACULDADE ÚNICA Caro aluno, Seja bem-vindo às Disciplinas Semipresenciais

Leia mais

MANUAL DO PROFESSOR MODERNO: 15 FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS PARA MELHORAR A SUA PRODUTIVIDADE

MANUAL DO PROFESSOR MODERNO: 15 FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS PARA MELHORAR A SUA PRODUTIVIDADE MANUAL DO PROFESSOR MODERNO: 15 FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS PARA MELHORAR A SUA PRODUTIVIDADE SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> Não confie em sua memória: agendas e calendários online estão a seu favor... 5 >>

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Tonini José Luiz Padilha Damilano Vera Lucia Marostega Universidade Federal de Santa Maria RS RESUMO A UFSM vem ofertando Cursos de Formação

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

Um Modelo de Gestão Participativa Processos de Interação e Comunicação da Equipe Multidisciplinar com Foco na Melhoria do Ensino-Aprendizado

Um Modelo de Gestão Participativa Processos de Interação e Comunicação da Equipe Multidisciplinar com Foco na Melhoria do Ensino-Aprendizado 1 Um Modelo de Gestão Participativa Processos de Interação e Comunicação da Equipe Multidisciplinar com Foco na Melhoria do Ensino-Aprendizado Vitória ES - 04/2013 Vanessa Battestin Nunes, Dra Instituto

Leia mais

CURSO DE PORTUGUÊS AVANÇADO COM ÊNFASE EM LINGUAGEM JURÍDICA

CURSO DE PORTUGUÊS AVANÇADO COM ÊNFASE EM LINGUAGEM JURÍDICA CURSO DE PORTUGUÊS AVANÇADO COM ÊNFASE EM LINGUAGEM JURÍDICA 1 JUSTIFICATIVA O Curso de Português Avançado com Ênfase em Linguagem Jurídica, na modalidade a distância, tem por finalidade atender a necessidade

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA E PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO JURÍDICO

SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA E PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO JURÍDICO LUCIANA CRISTINA DE SOUZA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA E PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO JURÍDICO Projeto de Pesquisa apresentado ao Núcleo de Pesquisa e Extensão da Faculdade de Direito Milton Campos, para desenvolvimento

Leia mais

definição, conceitos e passo a passo

definição, conceitos e passo a passo Sites e blogs: definição, conceitos e passo a passo Ana Paula Bossler Pedro Zany Caldeira Diego Venturelli Introdução O suporte de comunicação mais utilizado em todo o mundo é a Internet, um repositório

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: DESAFIOS ATUAIS PARA A PRÁTICA DOCENTE

AS NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: DESAFIOS ATUAIS PARA A PRÁTICA DOCENTE AS NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: DESAFIOS ATUAIS PARA A PRÁTICA DOCENTE Renival Vieira de Freitas Faculdade São Luiz de França. E-mail: renofreitas@hotmail.com Magneide S. Santos Lima Universidade Lusófona

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa 1. Apresentação 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social A conexão Digital para o Desenvolvimento Social é uma iniciativa que abrange uma série de atividades desenvolvidas por ONGs em colaboração

Leia mais

1 Noções de software musical Conteúdo

1 Noções de software musical Conteúdo Introdução Conceitos básicos de software educacional e informática na educação O software musical como auxílio aos professores de música Software para acompanhamento Software para edição de partituras

Leia mais

O Monitoramento e a Tutoria como Promotor da Aprendizagem

O Monitoramento e a Tutoria como Promotor da Aprendizagem O Monitoramento e a Tutoria como Promotor da Aprendizagem Dr. Rubem Mário F. Vargas - engenharia- rvargas@pucrs.br Dra Marilú F.Medeiros - educação- marilu@pucrs.br Dra Maria Bernadette P.Herrlein - educação-

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais