UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ TAMIRES MONIQUE MOREIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ TAMIRES MONIQUE MOREIRA"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ TAMIRES MONIQUE MOREIRA QUALIDADE NO ATENDIMENTO : Estudo de caso em um Supermercado em Bombinhas SC. Balneário Camboriú 2008

2 2 TAMIRES MONIQUE MOREIRA QUALIDADE NO ATENDIMENTO: Estudo de caso em um Supermercado em Bombinhas SC. Monografia apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Administração Ênfase em Recursos Humanos, na Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Educação Balneário Camboriú. Orientador: Prof. Msc. Laércio Antônio Braggio Balneário Camboriú 2008

3 15 1 INTRODUÇÃO A competitividade das organizações esta cada vez mais acirrada. Com o objetivo de ser sempre melhor que o outro para manterem-se no mercado atual, as organizações estão percebendo que o cliente esta buscando novos caminhos para satisfazer novas necessidades, por isso novas perspectivas devem ser analisadas, para que as estratégias utilizadas sejam realmente eficazes e eficientes. Como o grande foco das organizações são os clientes, a satisfação e a qualidade no atendimento é o grande foco para organização, pois para ter uma boa qualidade, primeiro é preciso satisfazer o cliente de varias formas, com serviços prestados, preço, produto, qualidade e entre outros fatores relevantes. Sendo assim, esses fatores podem analisar quais são os clientes fieis; se a organização tem seu diferencial no mercado competitivo, o que ela tem de melhor para oferecer. O marketing é voltado para o cliente, pois sem ele a organização não existiria por isso as empresas precisam compreender o que necessitam, identificar o que eles pensam, o que sentem e como compram e usam produtos e serviços. Para isso acontecer deve-se ter um relacionamento direto com seu cliente, conhecendo-o pelo nome para poder se comunicar diretamente com ele, para que atendam melhores seus clientes assim criando valores para a empresa aumentando seus lucros (CHURCHILL, PETER, 2003). O serviço de qualidade não só é uma eficiente ferramenta de venda, mas também uma vantagem competitiva no longo do prazo, vivemos em uma época em que a única diferença visível para o cliente, entre vários produtos e serviços, muitas vezes não é mais do que uma distinta diferença na qualidade do serviço. Aquela diferença vantagem manifesta-se numa sensação amigável e moderada de aprovação para uma organização ou para seus produtos ou serviços. (TSCHOLL, FRANZMEIER, 1996, p.4). O bom atendimento ao cliente é o resultado final desejado de absolutamente todas as atividades de negócios, por isso para manter-se no mercado competitivo é necessário um bom atendimento, pois a qualidade não se faz por fazer mais sim para sobreviver. No entanto a qualidade tem de ser vista com o foco no cliente aplicar técnicas como ouvir o cliente e a partir daí, agregar valor ao serviço e oferecer serviços que ele quer receber (RIBEIRO, 2005). Entender seu cliente, saber o que ele procura, seus diferenciais, são pontos chaves para um bom atendimento, saber segmentar de forma correta seus clientes e seus diversos tipos de atendimento conseguindo assim mais vantagens competitivas

4 16 a fim de agregar valor ao produto e principalmente aos serviços. Portando, é preciso ser claro no que a empresa quer para seu presente e seu futuro, será que a empresa quer só o cliente agora ou para a vida toda? Esse também é um dos fatores que a organização busca clientes fiéis e satisfeitos. É possível implementar estratégias para uma boa segmentação, ela se concentra em um mercado ou produto em particular, outra maneira também é segmentar mercados organizacionais por tipo de cliente, algumas empresas estão adotando uma perspectiva de terceira geração para a segmentação categorizando de acordo com as necessidades de cada cliente (BROWN, 2001). 1.1 Tema Em plena era da qualidade, em tudo que vem sendo dito a respeito da qualidade de produtos e serviços, pouca atenção tem sido dada ao ser humano. Conseqüentemente a obtenção da qualidade total fica prejudicada, pois ninguém da aquilo que não tem (NOBRE, 1999, p.15). O mundo esta cada vez mais globalizado, deste modo exige que as empresas tenham mudanças ágeis e observações para adequação ao cenário que se inserem. Os consumidores estão cada vez mais exigentes no que diz respeito à conceituação do que seja qualidade e este fato deve ser tratado com muita atenção, pois as empresas devem promover constantes modificações para moldarem-se a estas necessidades, deve-se saber onde quer chegar e caminhar firme nessa direção com todas as pessoas envolvidas comprometidas com os objetivos estabelecidos, um desses fatores é que a liderança deve conduzir toda a estrutura em busca da excelência da qualidade (RIBEIRO, 2005). Os clientes são a alma de todas as organizações. As organizações estão dispostas a atender estas necessidades de seus clientes, seja em qualidade, eficiência ou pessoal de serviços. Para isso acontecer os gerentes precisa reconhecer que a melhoria na qualidade do atendimento para seus clientes não é uma questão de escolha, mas sim de saúde para a organização, pois a empresa necessita disso para sobreviver (WALKER, 1991).

5 17 O ato de prestar atendimento está relacionado com atitudes e hábitos que se desenvolvem para proporcionar, ou não, a satisfação do cliente. Hábitos e atitudes fazem parte do comportamento humano. Conseqüentemente, os aspectos psicológicos do atendimento nada mais são, do que o comportamento assumido quando se atende alguém. Os tipos de comportamentos podem ser classificados em positivos, neutros e negativos (NOBRE, 1999, p. 59). De acordo com Nobre (1999) a qualidade dos produtos e serviços são requisitos básicos na vida da organização, pois o que as pessoas estão procurando é qualidade no serviço e se as organizações não atenderem para isso e preocuparem-se em oferecer aquilo que o cliente quer, comprometerá a vida das empresas. Segundo Goldbarg (1995) A qualidade está firmemente apoiada no conceito de satisfação. A única forma de manter a satisfação ao longo tempo é aperfeiçoar o que é ofertado dentro de um novo paradigma: Qualidade não custa mais caro, custa muito mais barato. Qualidade não é luxo é necessidade. Qualidade é sinônimo de satisfação. Obter qualidade é uma responsabilidade de todos. A qualidade do serviço começa a acontecer quando as necessidades básicas do individuo estão, pelo menos, no nível de relativamente satisfeitas. Se a situação do status do funcionário é de insatisfação total no atendimento das suas necessidades (fome, frio, segurança etc.) é completamente impossível fazê-lo compreender e preocupar-se com qualidade (NOBRE, 1999, p.43). 1.2 Problema Quais as percepções dos clientes sobre o atendimento no Supermercado e Panificadora Junior? 1.3 Objetivos Objetivo Geral Identificar a percepção dos clientes em relação ao atendimento do Supermercado e Panificadora Junior.

6 18 Objetivos Específicos Conhecer o perfil dos clientes. Identificar o grau de satisfação dos clientes. Identificar os possíveis motivos que possam levar a insatisfação dos clientes. Verificar a freqüência de compra dos clientes. 1.4 Justificativa As empresas estão buscando a excelência no trabalho e no serviço prestado, por isso, o que se vem notando que a melhor ferramenta para a excelência é um bom atendimento, pois é um dos fatores crucias de toda a empresa, atender bem seus clientes e colaboradores para que juntos eles consigam ter sua contribuições, um ajudando o outro, dando da melhor forma o que a empresa tem a oferecer, para que seus clientes voltem a mesma. Para que possa ter uma boa qualidade pode-se ressaltar a importância da comunicação no atendimento para que não ocorram equívocos que venham a prejudicar a saúde do cliente e a imagem da empresa. Para que isso ocorra à comunicação é um referencial de cultura. Quando mais informações possuir, e quanto maior nossa habilidade em correlacioná-la, melhor será o nosso desempenho. Se não tiver conhecimento de algo, não se pode comunicar alguma coisa sobre isto. A comunicação pressupõe conhecimento (ELTZ, 1994, pg.31). Assim, tornou-se significativo o tema qualidade no atendimento, ao mesmo tempo em que o estudo nesta área é aumentar e aperfeiçoar o atendimento e juntamente a fidelização. É de grande interesse e importância para as empresas em geral que buscam a aprendizagem contínua e a garantia de vantagem e excelência em serviços que satisfazem os clientes. A empresa que mantém seus clientes felizes é virtualmente imbatível. Seus clientes são mais leais. Eles compram mais, com mais freqüência. Eles estão até dispostos há pagar um pouco mais por produtos e serviços da empresa e a permanecer vinculados a ela através de períodos difíceis, dando-lhe tempo para se adaptar a mudanças (BARROS, 1999).

7 19 Esta pesquisa busca mensurar a qualidade no atendimento no ramo de Panificação, pois para manter-se no mercado é necessário possuir um diferencial para que possa conquistar o cliente onde se deve valorizar o ser humano aquele que quer sempre a atenção para satisfazer suas necessidades, pois uma das preocupações de todas as empresas é saber se o cliente esta sendo bem atendido para que ele volte todas as vezes que necessário, a qualidade no atendimento é um requisito fundamental para manter-se no mercado atual. O objetivo desta pesquisa é analisar os índices de qualidade no atendimento, observar o grau de satisfação dos clientes avaliando em geral os serviços prestados pela a empresa Supermercado e Panificadora Junior. 1.5 Contexto do ambiente de estágio: Em 1984, Rubens César Moreira, trabalhava junto com o seu irmão José Carlos Moreira na Panificadora Vulcão na cidade de Porto Belo. Ali então começou o seu aprendizado e com isso decidiu mudar e abrir sua própria empresa, então foi morar no bairro de Canto Grande, pois não existia mercado neste local. A empresa foi aberta no dia 10 de março de 1986, como seu capital de giro era pouco ele alugou uma sala comercial cujo nome fantasia era Mini Mercado Junior. No final dos anos 90, a precariedade era tamanha que um forte movimento de emancipação surgiu, culminando na separação em O Supermercado e Panificadora Junior passou a pertencer a recém criada cidade de Bombinhas. Como o acesso era difícil naquela época para entrada de caminhões todo o dia Rubens César Moreira, saia de carro para comprar leite, carne e outros derivados de distribuidores de Tijucas para vender em seu comercio, assim seu negócio foi crescendo, e se estabeleceu como um ponto de referencia no município ao longo dos anos, sempre com a premicia de que o bom atendimento e satisfação de seus clientes e colaboradores, pois o lema da empresa é Servir bem para servir sempre.

8 20 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste item será apresentada a revisão bibliográfica com a abordagem dos seguintes temas: Administração de Marketing, Marketing de Relacionamento, Motivação, Comunicação, Fidelização, Qualidade no atendimento. 2.1 Administração de Marketing O conceito de marketing é baseado em três princípios fundamentais, com a orientação voltada para o cliente. Esses três princípios são baseados, na organização para identificar e satisfazer as necessidades dos seus clientes, o desejo das necessidades dos clientes é alcançado através de um esforço integrado de toda a organização e o enfoque organizacional deveria ser sobre o sucesso em longo prazo como em curto prazo (DICKSON, 2001). O processo de planejar e executar a concepção, estabelecimento de preços, promoção e distribuição de idéias, bens e serviços a fim de criar trocas que satisfaçam metas organizacionais (CHURCHILL; PETER, 2003, p.14). Há dois tipos de clientes, aqui vimos que o consumidor é o cliente que compra bens e serviços para satisfazer suas necessidades de seu próximo, isso quer dizer que são as coisas necessárias para a sua sobrevivência ou para satisfazer seu desejo. Para Churchill e Peter (2003) a administração de marketing busca realiza estratégias e planejar ou desenvolver planos de marketing onde são analisados clientes e mercados para que a empresa atinja seus objetivos. Os compostos de marketing são usados para criar valores para os clientes e alcançar metas organizacionais, com que plano de marketing desenvolve previsões de vendas e lucros, com isso faz com que avalie o sucesso ou fracasso da organização. O marketing voltado para o valor enfatiza a importância de compreender clientes e mercados. Para isso, os profissionais de marketing precisam pesquisar os clientes, dividi-los em segmentos e selecionar os grupos que serão atendidos. Os grupos selecionados são chamados de mercado-alvo. As ferramentas estratégicas que uma empresa utiliza para criar valor para os clientes, e alcançar os objetivos organizacionais (CHURCHILL; PETER, 2003, p.20).

9 21 O planejamento da empresa é a relação de objetivos e estratégias de marketing esse é um processo fundamental, a mais importante e mais difícil de todas. Se não estiver de acordo ou adequadamente tudo o que se seguir terá pouco valor, é dos seus mercados onde a empresa determina cumprir as metas financeiras de longo prazo com sua atual faixa de produto do mercado. Um objetivo é aquilo que você quer alcançar, tais como objetivos de propaganda, preço e assim por diante, o objetivo principal é cuidar exclusivamente com produto e mercado (BAKER, 2005). Segundo Baker (2005, p.67) a estratégia de marketing é os meios pelos quais os objetivos de marketing serão alcançados geralmente referem-se ao quatro Ps. Produto: extensão, modificações, adições, design, embalagem e etc. Preço: políticas que devem ser seguidos por grupos de produtos em segmento de mercado. Praça: canais de distribuição e níveis de serviços aos clientes. Promoção: comunicação com clientes sob os títulos relevantes, isto é, propaganda, força de vendas, relações publicas, exposições, mala direta etc (BAKER, 2005, p.67). A qualidade do produto, juntamente com a qualidade de serviços ao cliente, está assumindo importância crescente como ferramentas competitivas, muitas empresas estabelecem departamentos de serviços aos clientes, para onde estes possam endereçar suas necessidades ou reclamações (SANDHUNSEN, 2000, p.313). O marketing é acima de tudo um departamento, a empresa pode ter o melhor departamento de marketing e vendas de seu setor e ainda assim fracassar no mercado. Qualquer departamento pode tratar bem ou mal os clientes, o produto solicitado pode chegar às mãos do cliente danificado por falhas na embalagem, o produto pode ser entregue por faltas de informação do estoque, todos esses contratempos podem acontecer quando os outros departamentos não se dedicam a satisfazer o cliente, o dever do marketing é produzir e satisfazer clientes enquanto os demais cuidam de seus afazeres (KOTHER, 1999). A segmentação de mercado fundamentava-se na idéia de que todo mercado consiste de grupos segmentos de clientes com necessidades e anseios diferentes, existe várias formas de segmentos: A segmentação por benefícios: aquele que procura preço baixo, a alta qualidade no produto e aqueles que desejam excelência no atendimento. A segmentação demográfica: de alto poder aquisitivo e de baixo poder aquisitivo.

10 22 A segmentação por ocasião: significa agrupar pessoas pelo seu desejo e pela utilização do produto. A segmentação por estilo de vida: relaciona-se a característica de um ser, satisfação pessoal (KOTLER, 1999). No entanto Dias (1999) ressalta que a segmentação é um auxilio para o executivo de marketing, que é necessárias três estratégias de segmentação, a saber: Primeiramente a concentração onde a empresa escolhe em segmento usando todos os seus esforços, para obtenção de um plano de marketing especifico para esse segmento geográfico abdicando exploração, pretende ter um baixo grau de penetração e alto grau de ocupação. Segundo a diferenciação onde se usa um termo de marketing diferenciado, respeitando a diferença de subcultura, ela se adapta a um fator considerado relevante, decide-se por produzir mais de um plano de marketing e a terceira, a não diferenciação em que a empresa explora todos os segmentos de mercado de uma mesma forma, com apenas um plano de marketing destinado ao mercado como um todo. Segundo Kotler (1999, p.43) o marketing de segmento único oferece três vantagens: A empresa pode identificar mais facilmente cada comprador do segmento, conhecê-lo efetuar pesquisas em profundidade. A empresa se defrontará com um numero menor de concorrentes em um segmento bem definido. A empresa terá uma boa probabilidade de se tornar o fornecedor preferido do segmento e conseguir as maiores participações na margem de lucro. Como vem sendo observada a segmentação é um dos fatores que a organização deve-se levar em conta, para poder ter um diferencial precisa-se identificar planejar e desenvolver estratégia de marketing, qual o segmento a empresa quer utilizar diante das necessidades do cliente, a segmentação é a essência do marketing (KOTHER, 1999) Serviço de qualidade Serviço é o resultado de pelo menos uma atividade desempenhada, necessariamente, na interface do fornecedor com o cliente. É geralmente intangível.

11 23 Todas as empresas estão de olho no consumidor como um cliente àquela que esta comprometida a assumir e predisposta a atender as necessidades do cliente (HARGREAVES, 2001, pg.10) Os elementos da pratica de prestação de bons serviços, explorando a relação entre os aspectos materiais e pessoais dos serviços, mostrando o que os serviços são em grande escala, uma experiência emocional baseada em muitos fatores, mas influenciada particularmente pela interação com os funcionários da linha de frente (WALKER, 1991). Todos os aspectos de nossa vida os serviços se encontram entrelaçados, conseqüentemente, a necessidade de conhecimento sobre o marketing de serviços é maior hoje do que antes. A diferença entre bens e serviços muitas vezes não é clara, porém o serviço varia de acordo com a sua tangibilidade. A característica de tangibilidade é um envolvimento de serviço, ajudam os clientes a avaliar o serviço prestado pela organização, deste modo quando um cliente compra um serviço, ele compra uma experiência (HOFFMAN; BATESON, 2003). Para Walker (1991) a qualidade dos serviços depende do fato de que as pessoas estão procurando sentirem-se bem em relação a si mesma. Tendo em mente que a imagem e a reputação são criadas ou arruinadas, com freqüência, pelo desempenho de nossos funcionários que lidam diretamente com o cliente, é importante adiar o pessoal que presta os serviços de forma tão objetiva completa como fazemos com os itens materiais. A qualidade na prestação de serviço depende de uma boa infra-estrutura da empresa e também do desempenho de cada funcionário consciente do papel que tem a cumprir e o comprometimento com o sucesso dos negócios. O grande desafio das empresas é atrair clientes pela qualidade dos serviços prestados, ao mesmo tempo, produzir lucro. Essa composição de fatores traz resultados positivos para a sociedade (HARGREAVES, 2001). A qualidade só começa a acontecer quando as necessidades básicas do individuo estão, pelo menos no nível de relativamente satisfeitas. Se a situação do status que do funcionário é de insatisfação total no atendimento das suas necessidades (fome, frio, segurança etc.) é completamente difícil fazê-lo compreender e preocupar-se com qualidade (BARROS, 1999, pg.43.). A prestação de serviço é relevante dentro da organização facilita a empresa possuir um diferencial, se a empresa tomar a decisão correta onde deixa os

12 24 funcionários terem o poder para negociar e tomar todas as decisões relativas à venda de produtos e serviços que a empresa tem a oferecer será um beneficio para a organização (LAS CASAS, 2001). Serson (2006) apud Kotler (1992) redefine os serviços como qualquer ato ou desempenho essencialmente intangível que uma parte pode oferecer a outra e que não tem como resultado a propriedade de algo. Refere-se que o serviço é uma atividade, benefícios e indicações, incluídos no setor de seguros. Os serviços estão em todos os lugares para onde olhamos, incluem uma grande gama de negócios que abrangem os de serviços que visam lucros, ou sem fins lucrativos. Os serviços podem ser definidos como ato, esforço ou desempenho, existe diferença entre bens e serviços, bens podem ser definidos como objetos aparelhos ou coisas. O serviço pode ser visto como o critério de avaliação mais importante do ponto de vista do cliente como ele próprio, é muito importante receber serviços de qualidade na compra de produtos ou serviços. O cliente deve ter acesso fácil à assistência, se houver problemas relacionados ao uso do produto. Se o produto precisar de concertos, esse deve ser feito rapidamente para minimizar a inconveniência para o cliente. Além de o cliente sentir-se bem tratados por uma equipe centrada no serviço e amigável, trará um beneficio para a organização (BROWN, 2001). Na visão de Hoffman (2001, p.276) para comercializar serviços eficientemente, os gerentes de marketing necessitam entender os processos de pensamento usados pelos clientes para avaliar a sua satisfação com os serviços fornecidos. Assim sendo, o levantamento de informação sobre a satisfação do cliente pode ser relevante em pesquisa de marketing. O marketing de serviços é de grande importância, ele possui uma grande participação no setor de serviços, e uma contribuição cada vez maior no setor da economia, sendo assim, permanece uma vantagem diferencial nos serviços (HOFFMAN, 2001). Depois de identificar a venda de bens e serviços, os profissionais de marketing precisam coletar e interpretar informações sobre o que os compradores potenciais valorizam. A seguir, devem criar um composto de marketing destinado a criar valor para um grupo de clientes (CHURCHILL; PETER, 2003).

13 25 Características Serviços Bens Relação com os clientes Perecibilidade Geralmente envolvem uma relação continua com os clientes. Serviços só podem ser usados no momento em que são oferecidos. Geralmente envolvem uma relação impessoal e breve, embora a força e a durações estejam crescendo. Bens podem ser colocados em estoque e usados num momento posterior. Intangibilidade Inseparabilidade O cliente possui apenas lembranças ou resultados, como um cabelo bem cortado ou um maior conhecimento. Serviços geralmente não podem ser separados da pessoa que os fornece O cliente possui objetos que podem ser usados, revendidos ou dados para outros. Bens normalmente são produzidos por determinadas pessoas e vendidos por outras. Esforço do cliente O cliente pode estar a par da produção dos serviços. O envolvimento do cliente pode ser limitado a comprar o produto final e usá-lo. Uniformidade Devido à inseparabilidade e ao alto envolvimento, cada serviço pode ser único, com uma possível variação de qualidade Quadro 01: Características que distinguem serviços e bens. Fonte: CHURCHILL; PETER, 2003, p.293. As variações na qualidade e as diferenças em relação a padrões podem ser corrigidas antes que os clientes comprem os produtos. Para adquirir um bom desempenho do serviço, pode-se dizer que à necessidade de decidir a atividade desempenhada, a utilização dos quatros Ps dos serviços: perfil que se refere ao estabelecimento em que acontecerá a prestação de serviços, portanto, ao praticar marketing de serviços, um administrador deverá decidir que tipo de perfil deverá ter o local para sua ação, seu desempenho. O processo que a empresa também deve pensar como administrar o processo de prestação de serviços onde se deve desempenhar um fluxograma e pensar nas etapas da prestação de serviços, objetivando satisfazer seus clientes de forma racional e lucrativa, o outro quatro Ps é o procedimento que se refere ao atendimento, ou ao momento da verdade, é nesse momento que se realiza tudo aquilo que foi ensinado e praticado no treinamento, no planejamento, os últimos são as pessoa onde tornam-se a parte fundamental de toda empresa, pois o pessoal de uma organização é muito importante para a qualidade da prestação de serviço, sendo bem treinados eles acabam gerando qualidade em atender bem seus clientes (LAS CASAS, 2002). No ambiente da organização o desenvolvimento de serviços, proporciona serviços de qualidade, precisa adequá-los às necessidades e desejos de clientes

14 26 específicos e criar valor. Para saber se estão criando valor para os clientes por satisfazer padrões de qualidade. A inovação pode ser a chave para o sucesso de uma empresa, por isso os profissionais de marketing de serviços devem inovar e melhorar continuamente (CHURCHILL; PETER, 2003). (...) Portanto, é preciso pesquisar necessidade e desejos dos consumidores e buscar soluções inovadoras que a concorrência não possa ter de imediato. Cada serviço oferecido ao mercado deve combinar aspectos tangíveis, perfeitamente identificados e valorizados pelos consumidores, com aspectos intangíveis, que as pessoas não vêem, mas que tenham uma vasta quantidade de prêmios, visando agregar aos seus serviços um atendimento que encante os clientes levando-os, se possível, ao deslumbramento (COBRA, 2001). Dentro da organização sempre tem algo que deixamos de fazer, e por isso nem todos os clientes são satisfeitos, há momentos em que você deve contornar problemas causados por um serviço mal-executado ou um mau produto vendido. Serviços de reparo são atitudes que mostram ao cliente que você está atento aos problemas dele. A evolução é algo que você oferece aos clientes para compensá-los pelo inconveniente causado. Você deve agradecer qualquer situação que envolva correção de serviços e devoluções (GERSON, 2001). Certamente, os conceitos de satisfação do cliente e a qualidade dos serviços estão entrelaçados. Especialistas definem que a satisfação do cliente é uma medida de curto prazo e a qualidade do serviço é um desempenho formado em geral de longo prazo (HOFFMAN, 2001). Estrategicamente, a empresa de serviços pode definir suas operações como o componente-chave da sua estratégia competitiva, por isso não se pode minimizar a importância da satisfação do cliente. Sem clientes, a empresa de serviços não tem razão de existir. Todas as empresas de serviços precisam definir e medir a satisfação do cliente. Para poder medir a satisfação dos clientes a empresa resulta em medição direta e indireta. As medições diretas da satisfação são obtidas em geral por meio de pesquisas. E as indiretas da satisfação do cliente consistem em rastrear e monitorar os recordes de vendas, lucros e reclamações dos mesmos (HOFFMAN; BATESON, 2003). A qualidade dos serviços proporciona uma maneira de alcançar o sucesso entre os serviços concorrentes. Particularmente, quando um numera pequeno de empresas que oferecem serviços quase idênticos está competindo em uma área pequena, como pode ocorrer com os bancos,

15 27 estabelecer a qualidade dos serviços pode ser a única maneira de se diferenciar (HOFFMAN, 2001, p.281). Os serviços oferecidos por uma empresa devem ser cuidadosamente planejados e acima de tudo, oferecido com qualidade. No entanto para gerar satisfação ao cliente a qualidade em serviços tende estar ligada a satisfação, pois um cliente satisfeito com o prestador de serviços estará percebendo um serviço como de qualidade, e isso acontece em qualquer situação em que possa ocorrer essa satisfação, como a solução de um problema, o atendimento de uma necessidade ou qualquer outra expectativa (LAS CASAS, 2002). Para identificar o que tem valor para o cliente a empresa de serviços deve investir em conhecimento. Por meio de pesquisas é possível determinar o que o cliente quer e o que ele espera receber. A empresa deve construir um modelo de valor, conhecendo que tipo de melhoria o serviço deve apresentar para o cliente, buscando com isso obter vantagens competitivas (COBRA, 2001). A voz do cliente é o fator crucia de qualquer organização a empresa tem de saber escutar seus clientes, ouvir a voz do cliente em serviços é tão importante quanto estabelecer novos critérios estratégicos para a empresa. Ouvindo o cliente, a empresa pode adequar melhor os seus serviços. E isso significa que, em cada fase do processo de entrega de um serviço, o cliente deve ser ouvido e as respostas devem ser rápidas para atender aos anseios do mercado (COBRA, 2001). Em algum momento na organização podem acontecer conflitos interclientes surgem porque em muitos sistemas de serviços alguns clientes influenciam as experiências dos demais. Como clientes diferentes eles provavelmente têm necessidades diversas, tendem a ter intrigas completamente diferentes para si mesmos, para o pessoal de contato e para outros clientes. Nos conflitos interclientes, normalmente o pessoal de elos-de-ligação é solicitado a intervir na confrontação. O funcionário mediante essas intrigas devem resolver os conflitos prontamente com maior eficácia possivel (HOFFMAN; BATESON, 2003). O sistema de satisfação com o serviço tem como meta conseguir um cliente satisfeito em todas as experiências de serviços, para acontecer este sistema às medidas de satisfação dos clientes é obtido por medidas diretas e indiretas. Medidas indiretas de satisfação dos clientes incluem rastrear e monitorar registros de vendas, lucros e reclamações de clientes, e as diretas coletas de dados, escalas de cinco a 100 pontos na abordagem muito insatisfeito, muito satisfeito é apresentado pelas

16 28 empresas como uma escala de cinco pontos, que tipicamente utiliza o seguinte formato: muito insatisfeito, um pouco insatisfeito, neutro, um pouco satisfeito, muito satisfeito isso é feito saber o índice de satisfação do cliente (HOFFMAN; BATESON, 2001). Não só o cliente insatisfeito ou muito insatisfeito tende principalmente em situações competitivas, a trocar de fornecedores, interrompendo o ciclo virtuoso da fidelidade e do serviço prestado. O grau de satisfação do cliente, portanto, por estar diretamente ligado à fidelidade e retenção, por conseguinte à lucratividade da organização, tem papel essencial na gestão de serviços, o modelo mais presente é o que relaciona o grau de satisfação do cliente a uma comparação entre a expectativa que ele tem, antes de passar pela experiência do serviço, e a percepção que tem do que foi a experiência do serviço (CORRÊA; CAON, 2002). A maioria das empresas se encolhe ao pensar em clientes que reclamam, enquanto outras consideram reclamações um mal necessário. Na verdade, toda empresa deveria encorajar clientes a reclamar, por que só assim a empresa vai descobrir que existe algum problema operacional e gerencial que precisam ser corrigidos (HOFFMAN; BATESON, 2001). De acordo com Corrêa e Caon (2002, p.115) um cliente insatisfeito que saia do ciclo de serviço sem que tenha sido recuperado (ou, em outras palavras, sem que algo tenha sido feito pela operação de serviço para remediar e possivelmente recompensá-lo) é (ou deveria ser) extremamente preocupante para o gestor de serviços. Quando um cliente compra um serviço complexo, muitas vezes não sabe identificar se está recebendo um bom serviço, exatamente por desconhecê-lo. Quando há desconhecimento por sua parte, a insatisfação é garantida (LAS CASAS, 2002). A importância da satisfação do cliente não pode ser exagerada. Sem os clientes, a empresa de serviços não tem razão de existir. Todo negócio de serviços necessita definir e medir pró - ativamente e satisfação do cliente (HOFFMAN, 2001, p.278). Depois que o cliente solicitou um serviço especifico, monitorar o processo de prestação do mesmo deveria ser uma tática-chave nos esforços de retenção do cliente. E para manter uma estratégia bem qualificada de retenção do cliente é garantia de serviço prestado pela organização, e essas garantias parecem facilitar

17 29 três metas valiosas: reforçar a lealdade do cliente, desenvolver a participação de mercado e forçar a empresa que oferece a garantia a melhorar a qualidade geral do seu serviço (HOFFMAN, 2001). De acordo com Bateson e Hoffman (2001, p.239) A relação entre espera pelo serviço e avaliações de serviços é intuitivamente direto: quando mais se tem de esperar, pior a avaliação do serviço. Os conflitos entre clientes podem ser evitados se eles forem relativamente homogêneos em suas expectativas. Por causa da inseparabilidade dos serviços, muitas vezes os cliente compartilham suas experiências de serviços com outros clientes (HOFFMAN; BATESON, 2003). A prestação de serviços inicia com o fechamento do pedido ou assinatura de um contrato. Nesse momento é que todas as promessas começarem a ser cumpridas. Se as expectativas do cliente não forem atingidas, haverá insatisfação e perda de credibilidade (LAS CASAS, 2002, p.212). Para Bateson e Hoffman (2001, p.363) a qualidade de serviços proporciona uma maneira de obter sucesso entre serviços concorrentes. Principalmente quando várias empresas que fornecem serviços quase idênticos concorrem em uma área pequena, como acontece com bancos, estabelece qualidade de serviços pode ser a única maneira de se diferenciar. Pra poder manter um grau de satisfação dos clientes, também deve-se ter uma política correta dos preços dos produtos, o supremo desafio na determinação de preços enfrentado pela maioria das empresas é estabelecer um preço que venda os serviços e ao mesmo tempo ofereça um retorno lucrativo. Ao determinar o preço de serviços no varejo, muitos dos mesmos fatores considerados para os preços de bens e serviços (HOFFMAN; BATESON, 2003). A cadeia de valores é o primeiro passo para fornecer serviços de valores agregados. Isso significa dar aos clientes mais do que eles esperam. Em algumas ocasiões, você pode cobrar um valor mais alto por serviços de valor agregado, simplesmente porque os clientes pagarão o valor adicional só para receber um serviço de qualidade (GERSON, 2001).

18 Marketing voltado para o cliente Todos nos queremos bom atendimento, por isso o marketing esta de olho nesta dimensão oferecendo a boa qualidade no produto e no serviço, pois para atender as expectativas dos clientes irá apenas satisfazer sua necessidades e se excedê-las irá encantá-los. O atendimento se desdobra em uma lista de atributos: velocidade, cordialidade, conhecimento, solução de problemas e assim por diante. Cada pessoa atribui diferentes pesos a esse atributo de atendimento em diferentes momentos, dizer que oferece um bom atendimento não é o bastante, pois num gesto ou numa comunicação os clientes podem se zangar e não voltarem mais e, além disso, falam mal da empresa (KOTLER, 1999). Para identificar as necessidades dos clientes, os fornecedores precisam estar familiarizados com seus clientes e com o que eles desejam e necessitam deste modo gera uma grande vantagem competitiva. O pequeno número de compradores organizacionais torna possível aprender muito sobre eles e sobre quais produtos e serviços específicos irão satisfazê-los. O valor direcionado para o cliente, faz com que não só os vendedores, como outros funcionários de toda a empresa direcionam para o valor potenciais dos compradores atuais (CHURCHILL; PETER, 2003). Na visão de Furlong (1994, p.63) os clientes criam uma serie de expectativas sobre o que a sua organização pode fazer por eles se compram essas expectativas que você fornece zona de tolerância do cliente, é a diferença entre o desejado e o percebido como adequado. De acordo com Dickson (2001) a voz do cliente é a expressão das preferências, opiniões e motivações do cliente que precisam ser escutadas pelos gerentes, sendo assim os membros da equipe de pesquisa devem visitar os clientes tornando assim uma das atividades do mercado, mais importante que uma organização pode adotar, portanto o marketing tem a visão focada no cliente em satisfazê-lo. As empresas que são capazes de implantar estratégias de marketing para sobreviver nos negócios, planejando mais tempo para inovar, tendo capacidade de tomada de decisão têm uma vantagem competitiva estratégica sobre suas rivais, portanto o marketing ele visa uma diferenciação diretamente com o cliente. De acordo com Furlong (1994) o quadro abaixo representa a área de tolerância onde é desejado o que o cliente necessita o serviço que seu cliente espera receber:

19 31 Expectativas Quando no Nível dos Serviços Área de Tolerância Adequada Desejada Baixa Área de Tolerância Alta Figura 02: A área de tolerância. Fonte: FURLONG, 1994, p.63. Portanto os clientes desenvolvem expectativas sobre o que à organização pode fazer por eles, compram tais expectativas, que a sua necessidade fornece a organização. Uma diferença muito grande em expectativa e a realidade, os levaram a procura de satisfação em outro lugar, pois se a empresa não se adequar em fazer a expectativa do cliente e fazer em produto para oferecê-lo, quem satisfará este é a empresa bem definida em sua meta. As empresas enfrentam mudanças, dificuldades em relacionar-se com seus clientes por isso o marketing definem as questões que a maioria das empresas enfrenta, de acordo com Kotler (1999, p.23): Os clientes estão ficando mais sofisticados e mais sensíveis ao preço. Dispõem de pouco tempo e querem mais conveniência. Vê maior equiparação entre os fornecedores. Estão menos sensíveis a marca do fornecedor e mais abertos a marcas de revendedores. São mais fiéis aos fornecedores. Qualidade vem sendo falada com clareza e profundidade em qualquer atividade: fácil de falar, mas difícil de fazer, exigindo comprometimento da empresa como uma organização bem detalhada e definida, com seus objetivos e missão clara para saber aonde a empresa quer chegar, com direcionamento focado ao atendimento das expectativas dos clientes. As pessoas são contidas neste processo,

20 32 o capital mais importante, e a importância que lhes é conferida, aumento da criatividade e da produtividade para corresponder às necessidades e expectativas dos clientes. O cliente deve ser atendido com boa vontade cortesia, lembrando das expectativas que ele espera receber o produto no prazo certo, no local certo e na quantidade certa. Para poder gerar um bom atendimento, em toda organização necessita de um líder para poder agir de forma que a empresa quer conduzir, é o tipo de pessoa que acredita e investe nas outras, estimulando a formação e a utilização de equipes com liberdade para agir em prol da excelência no atendimento aos clientes. O líder é aquele que é capaz de gerar clientes satisfeitos onde promove a visão de sua organização, tem a capacidade de ouvir seus clientes internos e externos, e transformar reclamações em vantagens competitivas (PIZZINATTO, RIBEIRO 2005). O cliente interno numa organização é as pessoas a quem se repassa o trabalho concluído, para desempenhar a próxima função na direção de servir os clientes finais. A satisfação com o trabalho refere-se à avaliação geral que um empregado faz de sua função. De fato, a relação existente entre a satisfação do funcionário e o desempenho na busca da qualidade, tanto na produtividade quanto no marketing, exige o envolvimento e comprometimento dos funcionários, os clientes internos precisam construir uma nova base cultural dentro da organização (GAVÃO, 2006 apud GUILIANI, 2003). O cliente externo é fundamental para a empresa, ele sofre impacto dos produtos e serviços oferecidos por nós se fazer parte da organização. É geralmente, aquele que paga pelos produtos e serviços se participar do processo de produção e realização do mesmo, por isso é importante descobrir quem são seus clientes, conceber formas de atrair o maior número deles e de aumentar sua fidelidade (BOGMANN, 2002). Na concepção de Serson (2006) existe alguma falha, que prejudica a qualidade de serviços, uma delas é a expectativa do cliente versos a percepção gerencial, que diz que os gerentes ou responsáveis são capazes de identificar as expectativas reais dos clientes, sobre um serviço de qualidade. Geralmente os gerentes podem pensar que sua qualidade reside no bom preço associado a uma grande variedade de itens para escolha, o caso de um supermercado, mas para alguns clientes a expectativa é fator primordial que ele

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Obtendo resultados reais através do CRM

Obtendo resultados reais através do CRM Porque investir em CRM? Aresposta é simples: Seus clientes consideram o foco da empresa no consumidor como prérequisito, não como diferencial. Eles esperam poder negociar com você quando, onde e como quiserem.

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

- Propaganda. Desenvolver um programa integrado de Marketing que proporcione valor superior. - Conceber produtos, serviços e marcas

- Propaganda. Desenvolver um programa integrado de Marketing que proporcione valor superior. - Conceber produtos, serviços e marcas Introdução e Noções de Mercados Compreendendo o processo de Marketing ADMINISTRAÇÃO - Produtos - Serviços - Mercados - Processos MARKETING COMUNICAÇÃO - Propaganda Marketing é uma filosofia de negócio

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

Sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM)

Sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM) CRM Definição De um modo muito resumido, pode definir-se CRM como sendo uma estratégia de negócio que visa identificar, fazer crescer, e manter um relacionamento lucrativo e de longo prazo com os clientes.

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Processo de Decisão INFLUÊNCIA DO AMBIENTE Cultura Classes Sociais Valores Étnicos Família Situação DIFERÊNÇAS INDIVIDUAIS Recursos do cliente Auto conceito Problema

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

Introdução Ao Marketing

Introdução Ao Marketing Introdução Ao Marketing O que é Marketing? Isso não é Marketing Muitas pessoas pensam em marketing apenas como vendas e propaganda e isso não causa nenhuma surpresa; Entretanto, vendas e propaganda constituem

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE

ATENDIMENTO AO CLIENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE Tópicos a serem apresentados: O que é? Para que serve? Objetivos do Curso. Conteúdo Programático. Empresa As Pessoas O Produto O serviço Atendimento Competitividade Tipos de Clientes

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo Objetivos Definir ; Conhecer as diferenças básicas entre Produtos (Bens e Serviços); Analisar uma visão geral do Setor de Serviços; Conhecer o processo de Prestação

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações Jean C. de Lara (Faculdade SECAL) jean@smagon.com.br Maria Elisa Camargo (Faculdade SECAL) elisa@aguiaflorestal.com.br Enir

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Plano de Marketing. Produto (Posicionamento) Preço. Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing. josedornelas.com.br

Plano de Marketing. Produto (Posicionamento) Preço. Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing. josedornelas.com.br Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing Plano de Marketing Para traçar o plano de marketing do plano de negócios, deve-se atentar à estratégia que será seguida pela empresa. A estratégia pode ser definida

Leia mais

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT O resultado prático para as empresas que adotam esse conceito de software, baseado no uso da tecnologia é conseguir tirar proveito dos dados de que dispõem para conquistar

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Design Estratégico Vamos ver neste final de semana... Criatividade e inovação, design e sociedade contemporânea.

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA 1 TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA Alan Nogueira de Carvalho 1 Sônia Sousa Almeida Rodrigues 2 Resumo Diversas entidades possuem necessidades e interesses de negociações em vendas, e através desses

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Objetivos da aula: Esta aula proporcionará ao aluno da disciplina de Marketing em Administração de Call Center compreender o sentido e a importância

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Mensagem do presidente

Mensagem do presidente Mensagem do presidente A giroflex-forma está em um novo momento. Renovada, focada em resultados e nas pessoas, ágil e mais competitiva no mercado de assentos e de mobiliário corporativo. Representando

Leia mais

a) SEGMENTAÇÃO (1) Introdução

a) SEGMENTAÇÃO (1) Introdução a) SEGMENTAÇÃO (1) Introdução Segmentação de mercado é o processo de dividir mercados em grupos de consumidores potenciais com necessidades e/ou características semelhantes e que provavelmente exibirão

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

FIDELIZAÇÃO: DICAS PARA SEUS CLIENTES VOLTAREM E COMPRAREM MAIS

FIDELIZAÇÃO: DICAS PARA SEUS CLIENTES VOLTAREM E COMPRAREM MAIS Como conquistar e manter clientes Marketing de Relacionamento Visa a orientar como utilizar as ferramentas do marketing de relacionamento para aumentar as vendas e fidelizar clientes. Público-alvo: empresários

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais