JOSÉ LUIZ COSTA TABORDA RAUEN Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de Curitiba, com mestrado em Direito Privado pela UFPR.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JOSÉ LUIZ COSTA TABORDA RAUEN Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de Curitiba, com mestrado em Direito Privado pela UFPR."

Transcrição

1 JOSÉ LUIZ COSTA TABORDA RAUEN Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de Curitiba, com mestrado em Direito Privado pela UFPR. Coordenador da Comissão Mista de Autorregulação da Abrapp, Sindapp e ICSS e membro do Comitê Técnico Consultivo da Companhia de Saneamento do Paraná. Profissional recertificado pelo ICSS, é Diretor-Executivo do Sindapp com mandato no Triênio , respondendo pela área sindical.

2 ASPECTOS JURÍDICOS RELEVANTES SOBRE A AUTORREGULAÇÃO

3 Papel do Estado nas relações socioeconômicas Concepção liberaloitocentista lógica da oposição-exclusão ou Estado ou domínio econômico privado

4 Ação econômica do Estado Poder de polícia Ação de empresas estatais

5 Direito da Regulação Década de 1990 em diante Com função antes estrutural que circunstancial Grandes empresas dos setores bancário, energético, petrolífero, de telecomunicações, logística, transporte, etc.

6 OU - OU E - E Lógica da oposição dialética Lógica da oposiçãoexclusão Nova fórmula: Estado e iniciativa privada Indeterminação analítica de funções

7 Acepção de REGULAÇÃO, no âmbito que aqui importa tem a ver com o que é REGULAR e o que é IRREGULAR

8 A Ordem Econômica Constitucional Brasileira é capitalista - Direito de propriedade; - Respeito aos contratos; - Iniciativa privada; - Livre concorrência. (CF, arts. 1º, IV e 170)

9 Capitalismo funcionalizado à justiça social Exemplo: art. 174, CF Ação reguladora e planejadora do Estado na economia

10 Regulação, portanto, é a ação de fixar disciplina e instaurar normas Quais fatos, condutas ou situações são considerados regulares, legítimos e válidos; Quais desvios, a contrario sensu, são inadmitidos.

11 Autorregulação é contradictio in terminis

12 REGULAÇÃO: Técnicas Sujeitos Fontes Objeto Intensidade

13 TÉCNICAS REGULAMENTARES: Por gestão (endorregulação) mundo do ser - exemplo: empréstimos subsidiados com garantia em ações ou cotas = participação no empreendimento Normativa mundo do dever ser - edição ex-ante de normas

14 SUJEITOS REGULADORES: Pessoas de direito público (Previc, ANS) Heterorregulação Pessoas de direito privado (OAB, CFM, CONAR) Autorregulação

15 FONTES REGULATÓRIAS: C F Contratos Leis Códigos de Condutas e de Boas Práticas Regulamentos Administrativos

16 OBJETO DA REGULAÇÃO: Funcionamento da administração pública; Comportamento econômico das pessoas de direito privado; Comportamento ético das pessoas de direito privado e dos agentes públicos; Parâmetros técnicos a serem atendidos no exercício de determinadas atividades (regulação técnica ou regras sobre o estado da arte ).

17 INTENSIDADE REGULATÓRIA: Soft incentivos, estímulos ou sanção positiva (Norberto Bobbio); Hard regulation proibir e obrigar.

18 Não mais existe o monoteísmo regulatório, nem sua monotemática e respectiva monocultura Egon Bockmann Moreira

19 Autorregulação é contradictio in terminis? Não existe um único direito da regulação. Há diferentes níveis de especialização, dinamicidade, fragmentação, diversificação e fluidez.

20 Autorregulação é contradictio in terminis? Regular invoca terceiro: PAI REGULA FILHO FILHO MADURO SE EMANCIPA PATRÃO REGULA EMPREGADO EMPREGADO CONSCIENTE AGÊNCIAS REGULAM MERCADO MERCADO MADURO

21 DESVANTAGENS DA HETERORREGULAÇÃO ASSSIMETRIA DAS INFORMAÇÕES Tende a comportar-se de forma hard (ordens, proibições e sanções) Preocupa-se com o presente Não consegue projetar sustentabilidade e fomento

22 VANTAGENS DA AUTORREGULAÇÃO SUJEITOS QUE FAZEM PARTE DO MERCADO Tende a pensar no funcionamento adequado para as próximas gerações SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA FOMENTO

23 REGULAÇÃO da saúde em Portugal (palestra do Prof. Licínio Martins) Regulação de acesso (direito de acesso); Prevenção e punição de práticas anticoncorrenciais; Medição da qualidade do serviço e sanção de infratores (performance); Intervenção em casos extremos.

24 REGULAÇÃO da saúde em Portugal (palestra do Prof. Licínio Martins) O RESTO É AUTORREGULAÇÃO OU REGULAÇÃO CONTRATUAL

25 REGULAÇÃO da saúde em Portugal (palestra do Prof. Licínio Martins) Não há nenhum sistema: um, que subsista à sombra duma exclusividade do Estado; dois, à sombra duma regulação impositiva do Estado; e três, que não permita a autorregulação privada e social em saúde.

26 AUTORREGULAÇÃO condições sine qua non RESPONSABILIDADE MATURIDADE COMPROMETIMENTO SETOR SE EMANCIPA DO ESTADO

Autorregulação profissional oficial (O caso dos corretores de seguros no Brasil) Vital Moreira (Universidade de Coimbra)

Autorregulação profissional oficial (O caso dos corretores de seguros no Brasil) Vital Moreira (Universidade de Coimbra) Autorregulação profissional oficial (O caso dos corretores de seguros no Brasil) Vital Moreira (Universidade de Coimbra) I Autorregulação profissional em geral Autorregulação económica Regulação tem a

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2015

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2015 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2015 Planejamento Estratégico AIS Triênio 6 Diretrizes 30 Objetivos Estratégicos 155 Ações 2014 76 Ações 2015 55 Ações 2014-2015 1 Ação 2014-2016 21 Ações 2016 1 Ação Distribuição

Leia mais

EGON BOCKMANN MOREIRA

EGON BOCKMANN MOREIRA EGON BOCKMANN MOREIRA Advogado. Doutor em Direito. Prof. Faculdade de Direito UFPR Prof. Visitante da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Prof. Convidado da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

DEPARTAMENTO DE. Direito Médico. & Saúde Suplementar

DEPARTAMENTO DE. Direito Médico. & Saúde Suplementar DEPARTAMENTO DE Direito Médico & Saúde Suplementar Saúde Suplementar Em todos os anos da última década, o setor de planos de saúde ocupou o primeiro lugar no ranking de reclamações de consumidores. Esse

Leia mais

Se não tem respeito, não tem negócio

Se não tem respeito, não tem negócio Se não tem respeito, não tem negócio O que faz o CENP Centro Referencial de informações sobre as normas regentes das relações comerciais da publicidade brasileira AUTORREGULAÇÃO É prática de CIDADANIA

Leia mais

Ministério Público do Trabalho

Ministério Público do Trabalho Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região www.prt9.mpt.gov.br A realidade Fundamentos Jurídicos Declaração Universal dos Direitos do Homem, que diz que o reconhecimento

Leia mais

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor.

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. NOTA TÉCNICA n 3 Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. Alayde Avelar Freire Sant Anna Ouvidora/ANAC

Leia mais

Regulamentação e Aplicação da Lei Anticorrupção: uma visão do MPF

Regulamentação e Aplicação da Lei Anticorrupção: uma visão do MPF Regulamentação e Aplicação da Lei Anticorrupção: uma visão do MPF ANTONIO FONSECA Subprocurador Geral da República Coordenador da 3ª Câmara de Coordenação e Revisão - Consumidor e Ordem Econômica SEMINÁRIO

Leia mais

V JORNADAS DE CONTABILIDADE

V JORNADAS DE CONTABILIDADE V JORNADAS DE CONTABILIDADE Título da Comunicação: 1 AS RELAÇÕES ACCIONISTAS-GESTORES SEGUNDO OS TIPOS DE ORGANIZAÇÃO Autora: MARIA HÉLDER MARTINS COELHO (Mestre em Economia (FEP); Professora do ISCAP)

Leia mais

Princípios de Ética no Grupo DB

Princípios de Ética no Grupo DB Princípios de Ética no Grupo DB Código de conduta Objetivo do código de conduta Estipulamos com valor vinculativo os nossos padrões e as expectativas relativas aos nossos negócios diários. Para todos os

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Sobre o trabalho social O trabalho social nos programas de, exercido pelo (a) assistente

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

O financiamento de projetos no sector da água nos países de operação do BERD

O financiamento de projetos no sector da água nos países de operação do BERD O financiamento de projetos no sector da água nos países de operação do BERD Abel Mateus, Diretor por Portugal/Grécia no BERD Lisboa 23 de março de 2012 Informação geral sobre o Banco 12 10 8 6. 65 55

Leia mais

INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO

INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO O ESTADO VEIO TENDO, NO DECORRER DO SÉCULO XX, ACENTUADO PAPEL NO RELACIONAMENTO ENTRE DOMÍNIO JURÍDICO E O ECONÔMICO. HOJE, TAL RELAÇÃO JÁ SOFRERA PROFUNDAS

Leia mais

Directivas para o investimento dos fundos da seguranca social da AISS Curso sobre Seguro Social Maputo, Moçambique, de 9 a 13 de Novembro de 2009

Directivas para o investimento dos fundos da seguranca social da AISS Curso sobre Seguro Social Maputo, Moçambique, de 9 a 13 de Novembro de 2009 Directivas para o investimento dos fundos da seguranca social da AISS Curso sobre Seguro Social Maputo, Moçambique, de 9 a 13 de Novembro de 2009 Nuno Cunha Especialista en Proteção Social STEP Portugal

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função:

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS 1. Princípios do Direito do Trabalho 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: a) Função informativa/inspiradora: informam

Leia mais

Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015

Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015 Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015 Anatel Junho de 2015 Neutralidade de rede Consulta Pública Anatel

Leia mais

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora Gustavo Justino de Oliveira* Consoante documento 1 elaborado pela Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento,

Leia mais

O PAPEL DO SECRETARIADO NA IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SUSTENTÁVEIS. Cláudia Kniess e Maria do Carmo Todorov

O PAPEL DO SECRETARIADO NA IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SUSTENTÁVEIS. Cláudia Kniess e Maria do Carmo Todorov O PAPEL DO SECRETARIADO NA IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SUSTENTÁVEIS Cláudia Kniess e Maria do Carmo Todorov AGENDA INTRODUÇÃO Conceitos de Sustentabilidade x Desenvolvimento Sustentável Projetos Sustentáveis

Leia mais

1 (FCC/TRE-AC/Analista/2010) A respeito das entidades políticas e administrativas, considere:

1 (FCC/TRE-AC/Analista/2010) A respeito das entidades políticas e administrativas, considere: 1 (FCC/TRE-AC/Analista/2010) A respeito das entidades políticas e administrativas, considere: I. Pessoas jurídicas de Direito Público que integram a estrutura constitucional do Estado e têm poderes políticos

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC.

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC. POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC. a JUSTIFICATIVA: A Alcoa Inc. ( Alcoa ) e sua administração têm o compromisso de conduzir todas as suas operações em todo o mundo com ética e em conformidade com todas

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News kpmg Agosto 2005 SUSEP SETOR DE APOIO REGULAMENTAR (SAR) Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Destaque do mês Aplicação de recursos Resolução CMN 3.308, de 31.08.2005 Alteração A Resolução

Leia mais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A Lei nº 6.385/76 define os mandatos legais da CVM: Desenvolvimento do Mercado (art 4º. Incisos I e II); Eficiência e Funcionamento do Mercado (art. 4º,

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

Curitiba - Responsabilidades do Setor de Turismo de Curitiba na Prevenção à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

Curitiba - Responsabilidades do Setor de Turismo de Curitiba na Prevenção à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Curitiba - do Setor de Turismo de Curitiba na Prevenção Capacitar os profissionais dos meios de hospedagem (hotéis/motéis) com a temática do ESCA ABIH, AMOPAR, Associação dos Hostels, Sindotel, Secretaria

Leia mais

A CVM e o Mercado de Capitais no Brasil

A CVM e o Mercado de Capitais no Brasil A CVM e o Mercado de Capitais no Brasil Marcos Aurélio Florêncio da Silva Gerência de Acompanhamento de Empresas Superintendência de Relações com Empresas As opiniões e conclusões externadas nesta apresentação

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1) Ações educacionais que contemplam os temas responsabilidade socioambiental, desenvolvimento regional sustentável, ética, diversidade, acessibilidade,

Leia mais

Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito

Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito Marx e o Direito 1 Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito Bibliografia: DEFLEM, Mathiew. Sociology of Law. Cambridge: CUP, 2008. FERREIRA, Adriano de Assis. Questão

Leia mais

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA EVOLUÇÃO DO SEGMENTO DE PROMOÇÃO DE CRÉDITO: A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA Desenvolvendo Pessoas e Fortalecendo o Sistema Renato Martins Oliva Agenda O que é ABBC Missão e valores Bancos de pequena e média

Leia mais

Código de Ética. SPL Consultoria e Informática Ltda.

Código de Ética. SPL Consultoria e Informática Ltda. Código de Ética SPL Consultoria e Informática Ltda. Introdução Segundo o dicionário Aurélio ética é o estudo dos juízos de apreciação que se referem à conduta humana suscetível de qualificação do ponto

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DE AUTORREGULAÇÃO DA ANBIMA

A EXPERIÊNCIA DE AUTORREGULAÇÃO DA ANBIMA A EXPERIÊNCIA DE AUTORREGULAÇÃO DA ANBIMA O que é? A ANBIMA A ANBIMA Associação Brasileiras das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais é uma associação civil, sem finalidade econômica, resultado

Leia mais

1º Seminário Suitability. 27 de Abril de 2015 São Paulo SP

1º Seminário Suitability. 27 de Abril de 2015 São Paulo SP 1º Seminário Suitability 27 de Abril de 2015 São Paulo SP Suitability em Operações Bancárias 27.04.2015 Contexto Normativo Resolução CMN nº 4.283/2013 Alteração do texto do art. 1º da Resolução CMN nº

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013.

RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013. RESOLUÇÃO CRM-PR N.º 191/2013. Dispõe sobre a obrigatoriedade dos Contratos firmados entre as Operadoras de Planos de Saúde e os Médicos seguirem as Normativas da ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Leia mais

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO - EAESP FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV REGULAÇÃO E QUALIDADE NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E

Leia mais

Direito à informação ao consumo seguro. Entidades que supervisionam as empresas/instituições

Direito à informação ao consumo seguro. Entidades que supervisionam as empresas/instituições Direito à informação ao consumo seguro Entidades que supervisionam as empresas/instituições Escola B+S Ângelo Augusto da Silva Projeto de Educação Financeira Banco de Portugal Bancos O Banco de Portugal

Leia mais

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS (41) 3087-6666 www.licidata.com.br SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS PENALIDADES, PROCEDIMENTOS E ASPECTOS POLÊMICOS 11 e 12 de Dezembro de 2014 - Vitória - ES Apresentação: As hipóteses

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 UNIDAS Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 Saúde no Brasil Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado,

Leia mais

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais:

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais: 02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP Eventos Oficiais: 1 A Saúde Rompendo Paradigmas para o Crescimento Sustentável Saúde Suplementar : Modelo,Regulação e Intervenção Estatal Alceu Alves da

Leia mais

Desde 1997. MG Engenharia Civil e Gerenciamento de Projetos Ltda

Desde 1997. MG Engenharia Civil e Gerenciamento de Projetos Ltda Desde 1997 MG Engenharia Civil e Gerenciamento de Projetos Ltda UM POUCO DA HISTÓRIA MG Engenharia Civil e Gerenciamento de Projetos Londrina Paraná Fundada pelo Engenheiro Civil MARCELO LUIZ GALDINO,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

Melhores Práticas de Governança

Melhores Práticas de Governança Melhores Práticas de Governança Corporativa Eletros Novembro de 2011 Eliane Lustosa Objetivos Introdução Governança Corporativa (GC) Conceito e princípios básicos Sistema Importância e benefícios Principais

Leia mais

Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Processo n 0000166-10.2015.5.02.0007. 07ª Vara do Trabalho de São Paulo

Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Processo n 0000166-10.2015.5.02.0007. 07ª Vara do Trabalho de São Paulo Em 29 de abril de 2015,na sede da, com a presença da juíza Juliana Petenate Salles, realizou-se a audiência para julgamento da ação trabalhista ajuizada por JULIANA PUBLIO DONATO DE OLIVEIRA em face de

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 19 de novembro de 2014 Índice Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 1 Atividade regulatória

Leia mais

SUMÁRIO. Improbidade administrativa comoespéciede md gestãopública

SUMÁRIO. Improbidade administrativa comoespéciede md gestãopública SUMÁRIO PREFÁCIO - EduardoGarcíadeEnterría... 9 INTRODUÇÃO- Um problema de nosso tempo: o impacto da má gestão pública nas sociedades contemporãneas e a importância da ética de responsabilidade 1. Éticade

Leia mais

FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10

FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10 FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10 Gustavo Justino de Oliveira Pós Doutor em Direito Administrativo Universidade de Coimbra Professor de Direito

Leia mais

APLICAÇÃO DE SANÇÕES NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS E A RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS POR AÇÕES E OMISSÕES

APLICAÇÃO DE SANÇÕES NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS E A RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS POR AÇÕES E OMISSÕES APLICAÇÃO DE SANÇÕES NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS E A RESPONSABILIDADE DOS AGENTES PÚBLICOS POR AÇÕES E OMISSÕES As sanções aplicáveis e o passo a passo dos procedimentos As repercussões da Lei Anticorrupção

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos - Conceito São os meios ou instrumentos através dos quais a Administração Pública exerce a atividade administrativa na gestão dos

Leia mais

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Pelo presente instrumento, com fundamento nos termos que dispõe o art. 5º, 6º, da Lei 7.347/85, bem como no art. 5º e 6º do Decreto 2.181/97 e art. 5º da Lei Complementar

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN 1 Introdução A EVEN conduz seus negócios de acordo com os altos padrões éticos e morais estabelecidos em seu Código de Conduta, não tolerando qualquer forma de corrupção e suborno.

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Estágio das Ações 2014

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Estágio das Ações 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Estágio das Ações 2014 VICE PRESIDÊNCIA OBJETIVO ESTRATÉGICO 3.3 Valorizar o diálogo em todos os fóruns e junto aos poderes constituídos, orientando as ações para a defesa intransigente

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

1 Introdução... 2. 2 Definições... 3. 3 Compromisso e adesão... 5. 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6

1 Introdução... 2. 2 Definições... 3. 3 Compromisso e adesão... 5. 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6 Manual Anticorrupção Versão 1 Abr/2015 SUMÁRIO 1 Introdução... 2 2 Definições... 3 3 Compromisso e adesão... 5 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6 5 Violações e Sanções Aplicáveis... 6 6 Ações

Leia mais

Prof. Dr. Francisco Chaves

Prof. Dr. Francisco Chaves GESTÃO DE PROJETOS - 1 Escola de Engenharia de Lorena (Depto. Engenharia Química) Prof. Dr. Francisco Chaves chaves@dequi.eel.usp.br Características do Mundo Empresarial Velocidade das mudanças: Impacto

Leia mais

AMMPL (BME) Código de Conduta

AMMPL (BME) Código de Conduta AMMPL (BME) Código de Conduta 1 Código de Conduta da AMMPL (BME) I Introdução A Association Materials Management, Purchasing and Logistics (Associação de Gestão de Materiais, Compras e Logística, AMMPL

Leia mais

COMPLIANCE COMO BOA PRÁTICA DE GESTÃO NO ENSINO SUPERIOR PRIVADO

COMPLIANCE COMO BOA PRÁTICA DE GESTÃO NO ENSINO SUPERIOR PRIVADO Daniel Cavalcante Silva José Roberto Covac COMPLIANCE COMO BOA PRÁTICA DE GESTÃO NO ENSINO SUPERIOR PRIVADO A ORIGEM E OS PARCEIROS DA OBRA 1 A concepção e a ideia 2- A necessidade de inovar para novos

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13 O Conselho Federal de Contabilidade é uma autarquia especial de caráter corporativo, criado pelo Decreto-Lei n.º 9295/46, que tem por

Leia mais

SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO

SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E OFERTAS PÚBLICAS EM TEMPOS DE CRISE A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO SISTEMA FINANCEIRO

Leia mais

Direito Constitucional Econômico. Prof. Murillo Sapia Gutier

Direito Constitucional Econômico. Prof. Murillo Sapia Gutier Direito Constitucional Econômico Prof. Murillo Sapia Gutier Constitucionalização da ordem econômica: Meios de atuação estatal na ordem econômica Pode ser direta ou indireta: uma não exclui a outra; Atuação

Leia mais

Contrato de Aprendizagem

Contrato de Aprendizagem COORDENAÇÃO-GERAL DE NORMAS DE CONTABILIDADE APLICADAS À FEDERAÇÃO - CCONF GERÊNCIA DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE GESTÃO FISCAL - GENOP Contrato de Aprendizagem GRUPO TÉCNICO DE PADRONIZAÇÃO DE RELATÓRIOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO

TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO Por João Luiz Faria Netto A nova lei conta com normas principais e obrigatórias para a contratação de agências de publicidade

Leia mais

5º Seminário: Construindo caminhos para o Desenvolvimento Sustentável das Autogestões

5º Seminário: Construindo caminhos para o Desenvolvimento Sustentável das Autogestões 5º Seminário: Construindo caminhos para o Desenvolvimento Sustentável das Autogestões A crise do princípio da legalidade: a Lei nº 9.656/98 está vigindo? Os juízes podem deixar de observá-la, com fundamento

Leia mais

Consórcio Público. Administração Indireta

Consórcio Público. Administração Indireta Ordem Social Ordem Econômica Administração Direta Autarquia Fundação Publica Fundação Publica Empresa Pública Sociedade Economia Mista Subsidiária Consórcio Público Administração Indireta 1 Consórcio público

Leia mais

Declaração de Brasília Estratégia Nacional de Combate a Cartéis ENACC Combate a Cartéis: uma prioridade na política criminal e administrativa

Declaração de Brasília Estratégia Nacional de Combate a Cartéis ENACC Combate a Cartéis: uma prioridade na política criminal e administrativa Declaração de Brasília Estratégia Nacional de Combate a Cartéis ENACC Combate a Cartéis: uma prioridade na política criminal e administrativa Os representantes da Secretaria de Direito Econômico do Ministério

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental

Responsabilidade Socioambiental Fernando Tabet Responsabilidade Socioambiental Resíduos Sólidos Classificação (NBR 10.004:2004) Classe I - Perigosos Resíduos Classe II Não Perigosos Classe II-A - Não Inertes Classe II-B - Inertes Gerenciamento

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC)

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC) 1 A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR 2 CONCEITOS 3 SAÚDE SUPLEMENTAR: atividade que envolve a operação de planos privados de assistência à saúde sob regulação do Poder

Leia mais

Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu Lorena Dutra Gerência de Análise de Negócios (GMN)

Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015. Marcos Galileu Lorena Dutra Gerência de Análise de Negócios (GMN) Circuito Universitário Faculdade Sumaré 10 de março de 2015 Marcos Galileu Lorena Dutra Gerência de Análise de Negócios (GMN) As opiniões e conclusões externadas nesta apresentação são de inteira responsabilidade

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA - ITA Divisão de Ciências Fundamentais PLANO DE CURSO

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA - ITA Divisão de Ciências Fundamentais PLANO DE CURSO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA - ITA Divisão de Ciências Fundamentais NOME DA DISCIPLINA: NOÇÕES DE DIREITO (HUM-20) 3º Ano dos Cursos Profissionais de: Engenharia Aeronáutica (AER) Engenharia Civil-Aeronáutica

Leia mais

Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013

Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013 Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013 FEBRABAN Arthur Lemos Jr Promotor de Justiça Lavagem de Dinheiro e de Recuperação de Ativos Compliance A LEI PROVOCA

Leia mais

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os valores éticos como base da ação. Aidentidade de nosso Grupo assenta-se historicamente num conjunto de valores que foram ao longo dos anos visados e tutelados

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA ICF. Parte Um: Definição de Coaching. Seção 1: Definições. Parte Dois: Os Padrões ICF de Conduta Ética

CÓDIGO DE ÉTICA DA ICF. Parte Um: Definição de Coaching. Seção 1: Definições. Parte Dois: Os Padrões ICF de Conduta Ética CÓDIGO DE ÉTICA DA ICF Parte Um: Definição de Coaching Seção 1: Definições Coaching: Coaching é fazer uma parceria com os clientes em um processo estimulante e criativo que os inspira a maximizar o seu

Leia mais

Características das Autarquias

Características das Autarquias ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Almir Morgado Administração Indireta: As entidades Administrativas. Autarquias Define-se autarquia como o serviço autônomo criado por lei específica, com personalidade d

Leia mais

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos PROGRAMAÇÃO ETAPA BELÉM 18 DE SETEMBRO DE 2014 O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Raimundo Moraes Ministério Público do Pará CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES

Leia mais

Estado do Paraná Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Receita do Estado

Estado do Paraná Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Receita do Estado DECRETO Nº 7.291/2013 (Revogado pelo Decreto 11.468/2014) Publicado no DOE 8902 de 21.02.2013 Súmula: Cria o Programa Paraná Competitivo - SEDS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF Brasília, 10 de agosto de 2012. Assunto: Contribuição à Consulta Pública nº

Leia mais

Sumário. Proposta da Coleção Leis Especiais para Concursos... 15. Apresentação... 17

Sumário. Proposta da Coleção Leis Especiais para Concursos... 15. Apresentação... 17 Sumário Proposta da Coleção Leis Especiais para Concursos... 15 Apresentação... 17 Parte I Teoria Geral das Agências Reguladoras e seu regime de pessoal Capítulo I Teoria Geral das Agências Reguladoras...

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL EM SANEAMENTO - PEAMSS

PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL EM SANEAMENTO - PEAMSS PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL EM SANEAMENTO - PEAMSS Anja Meder Steinbach Bióloga Mestre em Desenvolvimento Regional Fundação Agência de água do Vale do Itajaí Camila Schreiber

Leia mais

Outsourcing e Terceirização

Outsourcing e Terceirização ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 4) Outsourcing e Terceirização Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Definições Processo de gestão pelo qual se

Leia mais

PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL

PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL INTRODUÇÃO... 2 1. ACESSO À INFORMAÇÃO... 3 1.1. Disposições gerais... 3 1.2. Cumprimento... 3 1.3. Supervisão...

Leia mais

BREVE ANÁLISE ACERCA DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS NA LEI N O 9.656, DE 03 DE JUNHO DE 1998, PELA LEI N O 13.003, DE 24 DE JUNHO DE 2014

BREVE ANÁLISE ACERCA DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS NA LEI N O 9.656, DE 03 DE JUNHO DE 1998, PELA LEI N O 13.003, DE 24 DE JUNHO DE 2014 BREVE ANÁLISE ACERCA DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS NA LEI N O 9.656, DE 03 DE JUNHO DE 1998, PELA LEI N O 13.003, DE 24 DE JUNHO DE 2014 Guilherme Portes Rio de Janeiro 08 de agosto de 2014 Advogado e Sócio

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais Deve ser delineado de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos pela empresa. É uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa. Conceito de

Leia mais

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs)

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs) Curso de Atualização de Direito Tributário 2010 Módulo II 21 de agosto de 2010 Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs) Ricardo Maitto ricardomaitto@gmail.com Visão geral Base Constitucional

Leia mais

PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 4/2015. ALTERAÇÃO PONTUAL AO CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM 23 de julho de 2015

PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 4/2015. ALTERAÇÃO PONTUAL AO CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM 23 de julho de 2015 PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 4/2015 ALTERAÇÃO PONTUAL AO CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM 23 de julho de 2015 1. OBJETO DA CONSULTA A CMVM tem um compromisso com o mercado de revisão

Leia mais

DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA

DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA DOU N 250, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014 SEÇÃO I, PÁG 23. SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 18, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2014 Estabelece orientações e procedimentos

Leia mais

Organização Administrativa Administração Direta, Indireta e Entes de Cooperação. Professora: Paloma Braga

Organização Administrativa Administração Direta, Indireta e Entes de Cooperação. Professora: Paloma Braga Organização Administrativa Administração Direta, Indireta e Entes de Cooperação Professora: Paloma Braga Introdução Através da função administrativa, o Estado cuida da gestão de todos os seus interesses

Leia mais

Novos Modelos Organizacionais dos Municípios. Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae)

Novos Modelos Organizacionais dos Municípios. Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae) Novos Modelos Organizacionais dos Municípios Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae) 2 Características do modelo Autarquia em regime especial; Autonomia e independência decisória e decisão

Leia mais

Garrastazu Advogados

Garrastazu Advogados PROGRAMA DE INTEGRIDADE CORPORATIVA Garrastazu Advogados Constituída a partir de uma história profissional de trinta e cinco anos de experiência na advocacia, a Garrastazu Advogados foi criada em 1999

Leia mais

Oficina de Planejamento Estratégico

Oficina de Planejamento Estratégico Oficina de Planejamento Estratégico Conselho Estadual de Saúde Secretaria Estadual da Saúde Paraná, agosto de 2012 Planejamento Estratégico Planejamento: atividade inerente ao ser humano Cada um de nós

Leia mais

Terceirização: o que é? terceirização

Terceirização: o que é? terceirização Terceirização: o que é? A terceirização é o processo pelo qual uma empresa deixa de executar uma ou mais atividades realizadas por trabalhadores diretamente contratados por ela, e as transfere para outra

Leia mais

Código de Ética da Psicopedagogia

Código de Ética da Psicopedagogia Código de Ética da Psicopedagogia O Código de Ética tem o propósito de estabelecer parâmetros e orientar os profissionais da Psicopedagogia brasileira quanto aos princípios, normas e valores ponderados

Leia mais

Financiamento no Âmbito do Programa de Incentivo à Implementação de Projetos de Interesse Social - PIPS (Lei nº 10.735, de 2003)

Financiamento no Âmbito do Programa de Incentivo à Implementação de Projetos de Interesse Social - PIPS (Lei nº 10.735, de 2003) Programa 0902 Operações Especiais: Financiamentos com Retorno Justificativa Operações Especiais: Financiamentos com Retorno Público Alvo Operações Especiais: Financiamentos com Retorno Ações Orçamentárias

Leia mais

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Disciplina EQW-010 INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Prof. Lídia Yokoyama (lidia@eq.ufrj.br) sala E-206 Tel:2562-7560 CONCEITOS - DEFINIÇÕES

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais