DOCÊNCIA SUPERIOR: FORMAÇÃO E COMPETÊNCIAS PARA O EXERCÍCIO DA PROFISSÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOCÊNCIA SUPERIOR: FORMAÇÃO E COMPETÊNCIAS PARA O EXERCÍCIO DA PROFISSÃO"

Transcrição

1 DOCÊNCIA SUPERIOR: FORMAÇÃO E COMPETÊNCIAS PARA O EXERCÍCIO DA PROFISSÃO José Marcelo Costa dos Santos Especialista em Educação SESPI/FAP Professor da SEDUC de Parnaíba-PI Maria Ozita de Araújo Albuquerque Doutoranda em Educação UFPI Professora Assistente I da UESPI RESUMO O presente artigo é resultado de uma pesquisa qualitativa, aliada a um estudo bibliográfico e empírico, sobre a prática educativa universitária no que tange ao processo de formação do professor e as competências pedagógicas que o atual mercado de trabalho exige deste profissional. A referida pesquisa teve como objetivo geral investigar a prática educativa universitária, no que diz respeito à formação e às competências para o exercício da profissão. Foram elencados como objetivos específicos: conhecer as competências que o profissional do Ensino Superior necessita desenvolver para realizar de forma satisfatória sua prática educativa; compreender a importância da formação continuada do professor universitário para o pleno desenvolvimento da ação docente; e refletir sobre o fazer docente do professor universitário frente às novas exigências do mercado de trabalho. Para coleta dos dados utilizamos o questionário aberto. Por meio de elucidações de teóricos como, Madeira (2010), Gil (2008), Rios (2008), Masseto (2003), dentre outros, o texto trata da formação necessária ao docente do Ensino Superior no âmbito da qualificação acadêmica, bem como da continuidade dos estudos. E ainda, trata dos requisitos necessários ao bom desempenho do professor e as competências que este deve desenvolver para realizar um trabalho de qualidade. A leitura do mesmo proporciona ao leitor a oportunidade de refletir sobre os principais aspectos norteadores da docência universitária. PALAVRAS-CHAVE: Docência. Formação. Competências pedagógicas INTRODUÇÃO A Educação Superior brasileira avançou significativamente nas últimas décadas. Novos investimentos, mais instituições de ensino proporcionaram uma demanda relevante de profissionais nas várias áreas do conhecimento humano. A formação universitária galga patamares significativos, logo, o número de professores atuando no Ensino Superior cresceu paulatinamente a estes avanços. No entanto, para atuar na prática educativa universitária são necessários ao professor muitos requisitos: 1

2 formação específica e continuada, requisitos pessoais de ordem física e mental, bem como as competências intrínsecas ao processo de ensino. É fato que conquistar a formação desejada e, ainda, desenvolver os requisitos e as competências necessárias à prática docente no Ensino Superior é uma tarefa árdua e muitos professores sentem dificuldade em construir o perfil profissional exigido pelo novo mercado. Neste sentido, percebemos a necessidade de desenvolvermos o presente estudo, o qual partiu de uma pesquisa empírica qualitativa e um estudo bibliográfico, ilustrada com nuances de nossa experiência em educação. A mesma foi desenvolvida mediante a aplicação de questionário aberto, o qual contemplou dois docentes que atuam no Ensino Superior. Nossa investigação buscou o entendimento do seguinte problema: Como o professor universitário pode realizar de forma satisfatória sua prática educativa? A referida pesquisa teve como objetivo geral: investigar a prática educativa universitária, no que diz respeito à formação e às competências para o exercício da profissão. Foram elencados como objetivos específicos: conhecer as competências que o profissional do Ensino Superior necessita desenvolver para realizar de forma satisfatória sua prática educativa; compreender a importância da formação continuada do professor universitário para o pleno desenvolvimento da ação docente; refletir sobre o fazer docente do professor universitário frente às novas exigências do mercado de trabalho. São abordados, por meio de variadas teorias, os principais elementos necessários ao professor que atua na educação superior, proporcionando ao leitor um breve aparato sobre fundamentos da docência universitária, de modo a proporcionar ricos momentos de leitura, descoberta, reflexão e crítica. 2 A formação do professor universitário No Brasil, de acordo com a Lei Nº 9.394/96 (art. 66), a qual trata das Diretrizes e Bases da Educação, a preparação do professor para atuar na docência universitária far-se-á em nível de pós-graduação, prioritariamente em programas de mestrado ou de doutorado, sendo permitida, na carência destes, como requisitos mínimos, a formação oriunda dos cursos de 2

3 pós-graduação lato sensu, as quais ofereçam título de especialização em determinada área. Contudo, existem casos em que esta especialização não compreende formação pedagógica, ou seja, encontramos nas instituições de ensino superior, professores que têm graduação e pósgraduação em áreas que não formam o profissional para a docência, o que ocasiona um grave problema: o docente universitário adentra a sala de aula, muitas vezes sem qualquer formação para a docência. Gil (2008) chama nossa atenção para este fato apontando a importância e a necessidade de que ocorra o contrário: que os docentes busquem a formação continuada, além do conhecimento intrínseco à sua formação acadêmica, e ainda, que busquem adquirir saberes variados, pois embora especializado em determinada área, o professor precisa possuir também cultura geral. Isto é importante porque todas as áreas do conhecimento se interrelacionam. (p. 20) Neste sentido, podemos conceber que o professor universitário não pode restringir-se ao campo de atuação para o qual foi formado, ao contrário, deve estar atento às várias manifestações do conhecimento humano, uma vez que é a diversidade deste conhecimento que encontramos nas salas de aula da universidade por meio da ação dos graduandos. Nesta perspectiva, a compreensão dos processos históricos da humanidade, da dinâmica da economia, dos conflitos e das conjunturas sociais e filosóficas da sociedade é importante na formação do professor. Para Nunes; Monteiro (2007), no atual mundo globalizado, o professor necessita qualificar-se de modo a corresponder às exigências do mercado profissional que exige formação contínua e permanente. Para isso é necessária uma formação consistente e que atenda realmente as necessidades do professorado, oferecendo-lhes qualificação e garantia de valorização do seu trabalho. Esta formação deve acontecer já na graduação, e posteriormente na especialização do profissional. O Ensino Superior, assim como as demais modalidades de ensino, requer um novo modelo de formação do professor. Neste bojo salienta Gadotti (2002, p.18): [...] a nova formação do professor deve estar centrada na escola sem ser unicamente escolar, [...] deve basear-se no diálogo e visar à redefinição de suas funções e papéis, 3

4 à redefinição do sistema de ensino e à construção continuada do projeto políticopedagógico da escola. O próprio professor precisa construir também o seu projeto político-pedagógico. Na concepção de Gadotti (2002), muito sofrimento poderia ser amenizado e muitos conflitos seriam solucionados se os profissionais do magistério percebessem que a formação para a docência não deve ser uma atividade pautada no individualismo, pelo contrário, a comunhão das ações no fazer docente é crucial no processo de crescimento de todos os envolvidos. Para Coutinho (2007), o docente deve buscar formação com o intuito de qualificar-se para se tornar apto a transformar sua prática de modo a oferecer a seus alunos um ensino de qualidade, e por meio deste uma aprendizagem significativa, pautados em valores morais e éticos que preparem os discentes para o exercício pleno da cidadania. Contudo, esta transformação só ocorrerá se houver uma mudança na maneira de pensar e agir do professor o qual deve conceber a formação como uma ferramenta que o possibilite pensar e refletir sobre seu trabalho, almejando o aperfeiçoamento do mesmo. De acordo com pesquisadora, o Ensino Superior é a engrenagem do desenvolvimento da sociedade e, ao mesmo tempo, um instrumento de transmissão científica e cultural, exigindo assim para sua prática, docentes qualificados para desempenhar com êxito seu papel (p.63). A autora nos diz, também, que devemos compartilhar nossa prática pedagógica, assumindo nossas fraquezas e reafirmando nossas habilidades e vitórias na dinâmica do magistério. Devemos nos libertar do individualismo e buscar parcerias para melhorar nosso trabalho. Segundo Coutinho (2007), à luz de Perrenoud, a formação docente deve se caracterizar mediante a inserção das seguintes habilidades: capacidade de autoformação, ética profissional, organização e divisão do trabalho, participação em associações profissionais, saber conviver com as situações complexas do cotidiano escolar, saber refletir. De posse destas habilidades o educador certamente desempenhará um trabalho de qualidade e a contento. 4

5 3 Competências do professor universitário O perfil profissional do professor que atua no ensino universitário compreende muitas implicações, uma vez que a docência, como já evidenciamos, é um grande desafio para todo professor e em qualquer modalidade. Sabemos que o sistema organizativo do Ensino Superior no Brasil, desde sua origem, privilegiou o domínio de conhecimento e experiências profissionais como únicos requisitos para a docência nos cursos superiores (MASSETO, 2003, p. 11). Entretanto, segundo este autor, embora a relutância de alguns professores que ainda não atentaram para a real necessidade da formação continuada é possível percebermos algumas mudanças, tendo em vista que os docentes universitários passaram a aderir à ideia de que necessitavam de capacitação complementar à sua formação específica para que pudessem acompanhar as mudanças da dinâmica educacional. Tais mudanças são refletidas nas instituições superiores, as quais priorizam o bom professor. De acordo com Madeira (2010), esse tipo de profissional tende a tornar-se disputado porque elevam o patamar de ensino e, consequentemente, da aprendizagem dos alunos. Sendo assim, todos ganham neste processo: o professor o qual passa a ter maior reconhecimento e com isso uma remuneração mais condizente com a sua função; a instituição que cresce e se desenvolve aos olhos da sociedade e do sistema do país; e os alunos os quais recebem a formação necessária para que se tornem igualmente competentes nas atividades que vierem a realizar por intermédio da educação que receberam na universidade. Sabemos, porém, que para que construamos o perfil de professor que a atual sociedade exige, é necessário que busquemos a renovação e/ou ampliação de nossas habilidades educativas, ou seja, as competências do educador, as quais, segundo Gil (2008), são as competência técnica e pedagógicas, aliadas aos requisitos pessoais para o fazer docente. 3.1 Competência técnica 5

6 Anteriormente falamos que a formação específica em uma determinada área de conhecimento não prepara, em sua totalidade, o professor para atuar no ensino universitário, porém, desconsiderar esta competência é fadar o ensino ao fracasso. Ter o preparo especializado para ministrar as disciplinas em um curso superior é fundamental. Como estamos lidando como um público que varia desde adolescentes a pessoas na melhor idade, a prática docente exercida para estas clientelas (a Andragogia 1 ) requer antes de tudo que o professor demonstre aos acadêmicos que têm domínio da cátedra que se propõe a ministrar. Gil (2008) considera que para uma disciplina ser ministrada com sucesso o professor precisa conhecê-la em sua amplitude, indo além do ementário proposto na mesma, uma vez que desta forma poderá ressaltar os seus aspectos fundamentais e esclarecer acerca de suas aplicações práticas. E também para solucionar eventuais problemas formulados pelos alunos ao longo do período letivo (p. 19). O professor que não tem domínio da disciplina que ministra, além de frustrar as expectativas da turma em relação ao conhecimento que deveria ser socializado, prejudica sua carreira e ainda, compromete a profissão. 3.2 Requisitos pessoais para o fazer docente O professor universitário, a exemplo dos demais profissionais da educação, enfrenta em seu cotidiano de trabalho uma diversidade de situações que requerem diferentes ações e atitudes. Somos levados ao ápice de nossa tolerância em relação a alguns fatos que ocorrem na sala de aula, tais como: indisciplina, evasão, conflitos de gênero e raça, etc. Dependendo da carga horária, na maioria das vezes passamos a maior parte de nosso tempo exercendo a docência ou nos preparando para seu exercício. Então, para que consigamos executar com eficiência nossa árdua tarefa de educar, devemos atentar para alguns requisitos principais, elencados por Gil (2008) sob as seguintes características: físicas e psicológicas, psicotemperamentais e intelectuais. 1 Andragogia é o termo atribuído por Malcom Knowles (1973) para designar a Arte e Ciência de orientar adultos a aprender. 6

7 Sobre as características físicas e psicológicas o teórico aponta que para exercermos a docência precisamos ser resistentes à fadiga, devemos contar com um sistema respiratório que facilite nossa dicção, bem como, necessitamos ter em pleno funcionamento a acuidade visual e auditiva. Estas características nos proporcionam a capacidade de entendermos e nos fazermos entendíveis perante nosso alunado. Como docentes nossa postura deve ser estável, exercendo o coerente controle diante de nossas emoções o que nos torna versáteis, professores com iniciativa, autoconfiança em nossas ações, profissionais disciplinados, pacientes, colaborativos com os quais os alunos possam contar e tenham segurança em solicitar. No âmbito do intelecto, necessitamos desenvolver inteligências variadas às quais compreendem desde o ato de conhecer, pesquisar, memorizar, abstrair, verbalizar as ações que envolvam a raciocínio rápido à associação de saberes e à sistematização. Deste modo, agiremos como sujeitos críticos, atentos ao processo e prontos a atuarmos na heterogeneidade do mesmo. 3.3 Competências pedagógicas Vimos que são de grande importância o domínio científico e o preparo físico, psicológico e intelectual para o exercício da docência, contudo, o sucesso de nosso trabalho depende da fusão destes caracteres às competências pedagógicas que devemos desenvolver. Gil (2008) enfatiza que o professor universitário deve gozar de saberes pedagógicos os quais, aliados à competência técnica e aos demais requisitos já mencionados, possibilitarão um ensino diferenciado e de sucesso. Na perspectiva das competências do professor podemos referenciar, também, Rios (2008) a qual, à luz de Perrenoud, concebe que as competências são capacidades que se apóiam em conhecimentos (p.78), isto é, o professor desenvolve competências ao passo em faz uso dos saberes adquiridos ao longo de sua formação para dinamizar sua prática, transformando-a em uma ferramenta eficaz de ensino e, consequentemente, de aprendizagem. 7

8 De acordo com a pesquisadora, a concepção de competência ou competências está intimamente ligada à noção de qualidade, uma vez que o ensino considerado competente é um ensino que apresenta relevante qualidade. Rios (2008), apud Perrenoud, elenca um grupo de dez competências voltadas à prática educativa do professor, às quais são: 1. Organizar e dirigir situações de aprendizagem. 2. Administrar a progressão das aprendizagens. 3. Conceber e fazer evoluir os dispositivos de diferenciação. 4. Envolver os alunos em suas aprendizagens e em seu trabalho. 5. Trabalhar em equipe. 6. Participar da administração da escola. 7. Informar e envolver os pais. 8. Utilizar novas tecnologias. 9. Enfrentar os deveres e dilemas éticos da profissão. 10. Administrar sua própria formação contínua. (p. 78) Corroboramos com a listagem acima, pois as competências referidas subsidiam a prática docente. Não podemos conceber o ensino eficiente sem a postura profissional e pedagógica que este requer, logo, as ações ilustradas configuram o fazer docente em sua forma mais completa, ou seja, um professor que desenvolve continuamente todas estas competências possivelmente será um educador de sucesso em seu trabalho. Vale ressaltar que a referida pesquisadora, à luz de Silva, aponta ainda, outras competências necessárias ao professor, como: a capacidade que este deve ter para se comunicar com seu público; a habilidade de relacionar-se com diferentes grupos; e o domínio das novas tecnologias da informação e comunicação. 4 Análise e Discussão dos Resultados da Pesquisa Desenvolvemos uma pesquisa qualitativa, que teve como instrumento de coleta de dados a aplicação de um questionário aberto. O questionário foi organizado em torno de questões referentes à formação dos professores pesquisados, ao campo de atuação dos mesmos, ao tempo de experiência no magistério superior, bem como, à formação do professor universitário e às competências que o docente necessita desenvolver para o pleno desempenho da profissão. Através da análise que se segue, apresentamos os resultados da pesquisa, expresso por meio das respostas dadas pelos professores investigados. Os mesmos serão identificados, 8

9 conforme indicação de cada um, sob os seguintes pseudônimos: Professora 2 e Professor do Curso de Direito 3. Quando perguntamos aos referidos educadores sobre quais suas concepções sobre o perfil do professor universitário, obtivemos as seguintes respostas: Professora: Sobretudo pesquisador, ele vai formar conhecimento científico e opiniões transformadoras. Deve ser comprometido com o seu profissionalismo e buscar sempre a competência e, em momento nenhum, relaxar nas relações interpessoais. Professor do Curso de Direito: Um agente facilitador do conhecimento, alguém que o aluno sinta confiança e segurança, a fim de ser um referencial para o futuro profissional. Percebemos nestas respostas um grau de proximidade no entendimento dos docentes no que se relaciona ao perfil do professor universitário, embora, cada um defenda itens distintos, ambos apontam como sendo perfil do professor universitário o profissional capacitado, o qual propicie um aprendizado seguro e eficaz. Nesta perspectiva lembramos Masseto (2003), o qual salienta que o profissional docente do Ensino Superior é um educador e por isso, deve ter compromisso com ação que executa. Para este autor o sucesso na aprendizagem depende o trabalho que o professor desenvolve e isso está intimamente ligado ao perfil profissional que o docente apresenta. Nossa próxima indagação aos professores foi a respeito da opinião dos mesmos sobre qual a formação mínima necessária para o exercício da docência superior. Na opinião dos docentes: Professora: Uma pós traz competência e maturação. Professor do Curso de Direito: Deve ter no mínimo um curso de mestrado. 2 Docente da Faculdade Piauiense e do Instituto de Educação Antonino freire. É graduada em Pedagogia e possui especialização em Fundamentos da Educação Especial, especialização em Ensino e Aprendizagem, e especialização em LIBRAS. Atua no magistério há vinte e cinco anos. 3 É docente da Faculdade Piauiense, bacharel em Direito e especialista em Direito Processual Civil e Tributário. Possui mestrado em Direito e, atualmente, é doutorando na mesma área. É professor em início de carreira. 9

10 Mediante a posição dos educadores podemos traçar o seguinte entendimento: a formação do professor universitário deve abranger os programas de pós-graduação. Ratificamos esta assertiva no início deste artigo, quando mencionamos a LDB. Consideramos como fator positivo o fato de o professor do Curso de Direito, mesmo sendo um profissional em início de carreira, haver galgado a formação acadêmica necessária e, de acordo com a legislação educacional (LDB, art. 66), já esteja apto à docência universitária, no que tange à titulação exigida. No caso da professora, percebemos que mesmo não tendo cursado programas de pós-graduação em nível de mestrado ou doutorado, concluiu várias especializações o que enriquece sua carga de saberes no campo em que atua. Isso mostra que os docentes em foco são conscientes da real necessidade da qualificação acadêmica. Ainda sobre a formação do professor do Ensino Superior, inquirimos aos docentes se costumam participar de cursos de formação continuada e com que frequência. Os participantes se posicionaram da seguinte maneira: Professora: Constantemente, é imprescindível, tendo em vista que esta formação faz a ponte entre docência/prática/teoria, desejo de conhecimento e aperfeiçoamento das práticas. Professor do Curso de Direito: Sim, a cada semestre, pois isso traz uma atualização constante dos métodos de ensino e conteúdo. Percebemos neste ensejo que os docentes buscam o aperfeiçoamento e a renovação de sua prática educativa, o que nos leva a corroborar com os postulados de Gil (2008), o qual defende a contínua formação do professor para a elevação da qualidade do ensino nas instituições do país. No entanto, notamos que a Professora demonstra maior disponibilidade em participar de cursos de aperfeiçoamento, o que é facilmente compreensível tendo em vista a formação inicial de cada um, ou seja, geralmente os profissionais licenciados dão maior ênfase à formação pedagógica continuada, em detrimento dos bacharéis, salvo as exceções, os quais visam mais os cursos de qualificação técnica na área em que atuam. 10

11 Como última indagação, perguntamos aos participantes da pesquisa sobre quais as competências que o professor do Ensino Superior necessita desenvolver para realizar de forma satisfatória sua prática pedagógica. Obtivemos as seguintes respostas: Professora: Atitude de pesquisador; relações intra e interpessoais em harmonia; trabalho em equipe; altruísmo. Professor do Curso de Direito: 1º - tem que oferecer e disponibilizar material didático e programático aos seus alunos; 2º - apresentar os conteúdos relacionandoos com a vida prática, mostrando sua aplicação e relevância. Diante destas concepções percebemos uma distinção de entendimentos: a professora considera como competências do professor aspectos relativos não somente ao ensino, mas à aprendizagem dos alunos. Concebe que as competências compreendem, além dos atos de construir saber, o envolvimento de todos os integrantes do processo educativo. Já o professor do Curso de Direito, embora possuindo maior titulação acadêmica, deu mais vazão à questão da competência técnica em detrimento da pedagógica. Gil (2008), explica que este fato ocorre em virtude da formação que os cursos de bacharelado oferecem. O autor salienta que, embora estes profissionais (os bacharéis) tenham a sapiência de sua profissão, o que lhes garante a formação técnica da área (essencial ao professor), desconhecem em muitos casos, o processo de aprendizagem que engloba facetas tais como: o entendimento de como verificar a evolução cognitiva do aluno universitário sem correr o risco de ser arbitrário e/ou injusto na análise dos critérios; as formas coesas de organizar, preparar e desenvolver uma aula para o público do universo acadêmico, sem o medo de se tornar enfadonho, prolixo ou ainda, inalcançável ; o senso de flexibilidade diante das situações de heterogeneidade das turmas universitárias; dentre outros. Diante deste quadro é imprescindível que o docente busque capacitação pedagógica, a qual pode ser encontrada em cursos de aperfeiçoamento em nível de especialização, como por exemplo, o curso de Docência do Ensino Superior o qual trata da preparação (capacitação no âmbito da pedagogia) do profissional que atua no campo universitário. 11

12 No entanto, seja bacharel ou licenciado, a docência é sempre um grande desafio. Por meio de nossa experiência como professores, percebemos e até podemos constatar a disparidade entre a teoria ensinada na universidade e a prática do campo em que estamos atuando, daí a necessidade de o profissional docente compreender a importância da formação continuada como ferramenta de melhoria da qualidade de sua prática educativa. CONCLUSÃO O estudo nos mostrou algumas das implicações da prática educativa universitária. Vimos que o sistema universitário brasileiro está mudando e estas mudanças requerem um novo tipo de professor. O profissional requisitado nesta nova perspectiva de ensino é aquele que busca continuamente a formação e a melhoria de suas atividades pedagógicas. Para isso comunga com a visão de que a formação que recebeu na universidade não o instrui totalmente para o exercício do magistério e por esta razão galga maior aperfeiçoamento. Mesmo com títulos de pós-graduação (em nível de especialização, de mestrado ou de doutorado) na área de formação em que atuemos é preciso buscar novos conhecimentos, variados saberes, isto é, os bacharéis que atuam no magistério devem buscar a formação pedagógica necessária à docência, e os profissionais licenciados não podem se contentar com a formação já recebida, pois o conhecimento é dinâmico e gradual, portanto, devemos buscar sempre a renovação de nossos conhecimentos. Por meio de nossa pesquisa: investigamos alguns aspectos da prática educativa universitária; conhecemos as competências que o profissional do Ensino Superior necessita desenvolver para realizar de forma satisfatória sua prática educativa; compreendemos a importância da formação continuada do professor universitário para o pleno desenvolvimento da ação docente; e refletimos sobre o fazer docente do professor universitário frente às novas exigências do mercado de trabalho. Mediante os conceitos abordados, bem como os resultados do estudo empírico, concebemos que para o professor universitário realizar de forma satisfatória sua prática educativa é necessário que busque o constante aperfeiçoamento de suas técnicas de trabalho 12

13 aliado às novas concepções pedagógicas, que reconheça a necessidade de mudar, quando necessário, seu estilo de docência e que compreenda que a Educação Superior não se constrói somente no prisma do ensino técnico eficiente, mas e principalmente, na condução da aprendizagem dos acadêmicos, considerando os aspectos sociais, cognitivos, políticos e éticos que tal processo suscita. Caso contrário, ficaremos à margem da evolução do Ensino Superior brasileiro e longe do perfil profissional solicitado pelas universidades do país. Esta pesquisa não encerra as discussões e reflexões sobre a temática abordada, ao contrário, fomenta a necessidade de estudos posteriores, os quais se fazem pertinentes, dada a relevância do assunto aqui exposto. REFERÊNCIAS COUTINHO, Regina Maria Teles. Pedagogia do Ensino Superior: formação inicial e continuada. Teresina: Halley, GADOTTI, Moacir. Boniteza de um sonho: ensinar-e-aprender com sentido. Novo Hamburgo: Feevale, GIL, Antonio Carlos. Metodologia do Ensino Superior. 4. ed. São Paulo: Atlas, LDB : Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional : lei no 9.394, de 20 de dezembro de ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação Edições Câmara, MADEIRA, Miguel Carlos. Sou Professor Universitário; e Agora?: manual de primeira leitura do professor. 2. ed. São Paulo: Sarvier, MASSETO, Marcos Tarciso. Competência Pedagógica do Professor Universitário. São Paulo: Summus, NUNES, Cely do Socorro Costa. MONTEIRO, Albêne Lis. Profissionalização e cultura docente: limites e possibilidades na formação de professores. In: ALCREDO, Luís Paulo Leopoldo. CAVALCANTE, Maria Auxiliadora da Silva (orgs.). Formação do Pesquisador em Educação: profissionalização docente, políticas públicas, trabalho e pesquisa. Maceió: ADUFM, p

14 RIOS, Terezinha Azerêdo. Compreender e Ensinar: por uma docência da melhor qualidade. 7. ed. São Paulo: Cortez, ABSTRACT The present work is a result of a qualitative research, in combination to a bibliographic and empirical study about the university educational practice with regard to the process of the teacher formation and the pedagogical competences that the present labor market requires from this kind of professional. The research aimed to investigate the university educational practice, in concerning to formation and competence to the practicing of the profession. As specific goals, it was highlighted the following ones: To know the competences that the professional of Higher Education needs to develop to do in a satisfactory way its educational practice; to understand the importance of the university professor continued education to the full development of the teacher s action, and to reflect about the to make a teacher of a university professor facing the new demands of the market labor. The data used for collecting was an open questionnaire. Through theorists elucidations such as: Madeira (2010), Gil (2008), Rios (2008), Masseto (2003), among others, the text is about the necessary formation to the teacher of Higher Education in the academic qualification, as well as the continuation of the studies. And it is also about the necessary requirements to the good performance of the teacher and the pedagogic competences that he or she should develop to do work of quality. The reading of this work also provides the student the opportunity to reflect about some of the main overriding themes of the college teaching. KEY-WORDS: Teaching. Formation. Pedagogical competences. 14

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

Introdução. Francini Sayonara Versiani Soares. Silva, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática francini.sayonara@ig.com.

Introdução. Francini Sayonara Versiani Soares. Silva, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática francini.sayonara@ig.com. A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: DESAFIOS EMERGENTES NA PRÁTICA E POSSIBILIDADES CONSTRUÍDAS NA PÓS-GRADUAÇÃO EM ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E LINGUAGEM MATEMÁTICA Francini Sayonara Versiani Soares.

Leia mais

Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão

Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão PELOZO, Rita de Cássia Borguetti Docente da FAHU/ACEG RESUMO: O presente trabalho procura evidenciar a importância

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Gilvan Charles Cerqueira de Araújo 1 INTRODUÇÃO Este

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Introdução à Pedagogia Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) A disciplina se constitui como

Leia mais

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB

ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB ANALISE DA METODOLOGIA DESENVOLVIDA NADISCIPLINA INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CIVIL DA UNEB Resumo Telma Dias Silva dos Anjos 1 - UNEB Tânia Regina Dias Silva Pereira 2 - UNEB Inaiá Brandão Pereira

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE KOGUT, Maria Cristina - PUCPR Cristina.k@pucpr.br SOUZA, Franciely Prudente de Oliveira - PUCPR franciely.oliveira@pucpr.br TREVISOL,

Leia mais

O USO DO SEMINÁRIO COMO PROCEDIMENTO AVALIATIVO NO ENSINO SUPERIOR PRIVADO

O USO DO SEMINÁRIO COMO PROCEDIMENTO AVALIATIVO NO ENSINO SUPERIOR PRIVADO O USO DO SEMINÁRIO COMO PROCEDIMENTO AVALIATIVO NO ENSINO SUPERIOR PRIVADO Maria Anastácia Ribeiro Maia Carbonesi Centro Universitário UDF Brasil anastaciamaia@hotmail.com RESUMO No ensino superior privado

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL: A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR SOCIAL NA CONSTRUÇÃO DE SABERES PARA A VIDA EM COLETIVIDADE

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL: A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR SOCIAL NA CONSTRUÇÃO DE SABERES PARA A VIDA EM COLETIVIDADE EDUCAÇÃO NÃO FORMAL: A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR SOCIAL NA CONSTRUÇÃO DE SABERES PARA A VIDA EM COLETIVIDADE Joselaine de Araujo 1, Caroline Kraus Luvizotto 2 1 Discente do Programa de Mestrado em Educação

Leia mais

O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR

O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR Resumo SANTOS, Gisele Mugnol - FACINTER 1 gisele@facinter.br ROSENAU, Luciana dos Santos - FACINTER

Leia mais

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são:

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são: PROVA DE CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS 1 Segundo Piaget toda criança passa por estágios do desenvolvimento. Assinale a alternativa que indica a qual estágio corresponde a idade em que o pensamento da criança

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

PROJETO CAPACITAÇÃO DOCENTE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO UNIFIA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO - ISE

PROJETO CAPACITAÇÃO DOCENTE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO UNIFIA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO - ISE PROJETO CAPACITAÇÃO DOCENTE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO UNIFIA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO - ISE AMPARO JUNHO/2010 CAPACITAÇÃO DOCENTE INTRODUÇÃO O caráter da busca incessante pelo conhecimento caracteriza

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DE CALOUROS: UMA NOVA FORMA DE INGRESSAR NO AMBIENTE UNIVERSITÁRIO

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DE CALOUROS: UMA NOVA FORMA DE INGRESSAR NO AMBIENTE UNIVERSITÁRIO PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DE CALOUROS: UMA NOVA FORMA DE INGRESSAR NO AMBIENTE UNIVERSITÁRIO Michelline Roberta Simões do Nascimento (UNIT/mrsnasci@ig.com.br) i Nanci Miyo Mitsumori (UNIT/ nanci_mitsumori@unit.br)

Leia mais

PEDAGOGIA: QUE CURSO É ESTE? A PERSPECTIVA DO ALUNO. Palavras-chave: Pedagogia. Formação. Prática Profissional.

PEDAGOGIA: QUE CURSO É ESTE? A PERSPECTIVA DO ALUNO. Palavras-chave: Pedagogia. Formação. Prática Profissional. PEDAGOGIA: QUE CURSO É ESTE? A PERSPECTIVA DO ALUNO. Ana Beatriz Mugnatto Pacheco * Marilane Santos ** Resumo Este trabalho procura analisar e pontuar os anseios dos alunos ingressantes no curso de pedagogia

Leia mais

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa CONCEPÇÕES DE FORMAÇÃO/DOCÊNCIA DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO *Hedioneia Maria Foletto Pivetta **Silvia Maria de Aguiar Isaia A educação superior vem passando

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Vendas Integrado PROEJA Turma 1 DISCIPLINA: Educação Física

EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Vendas Integrado PROEJA Turma 1 DISCIPLINA: Educação Física MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD 1 FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD Elisangela Lunas Soares UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar elisangela.soares@unicesumar.edu.br Alvaro Martins Fernandes Junior UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA

CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA CURSO DE MAGISTÉRIO E CURSO DE PEDAGOGIA: SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA Zoraia Aguiar Bittencourt Resumo Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara Frutuoso da Silva (UERN)

Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara Frutuoso da Silva (UERN) AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID-ESPANHOL PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE LÍNGUA ESPANHOLA: UMA EXPERIÊNCIA EM DUAS ESCOLAS DA CIDADE DE PAU DOS FERROS-RN Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL Edvard Luiz da Silva Filho, edvardluiz@folha.com.br - FMU, Brasil. RESUMO

Leia mais

Letras - Língua Portuguesa

Letras - Língua Portuguesa UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Letras - Língua Portuguesa 1. Perfil do Egresso: Em consonância

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO ARTIGO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO ARTIGO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO ARTIGO A RESILIÊNCIA NO AMBIENTE ESCOLAR E O PAPEL DO PROFESSOR ZÍPORA RAQUEL DE PAULA Resende RJ 2014.1

Leia mais

PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2

PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2 PROJETO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO INFANTIL 2014.2 APRESENTAÇÃO A Educação Infantil é a primeira etapa da Educação Básica e tem como finalidade o desenvolvimento integral

Leia mais

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados.

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados. 1- OFICINAS DE FEEDBACK Aprofundar a reflexão e abordagem de Feedback como processo, fluxo e ferramenta indispensável no desenvolvimento dos profissionais, bem como elementos fundamentais de comunicação

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

EDUCAR NA DIVERSIDADE E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAR NA DIVERSIDADE E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAR NA DIVERSIDADE E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES Autor (a): Cláudia Alves da Silva Graduanda de Pedagogia e Bolsista do PIBID/CAPES Coautor: Francisco Mateus Alexandre de Lima Graduando de Pedagogia e

Leia mais

CURSO EXCLUSIVO IBECO

CURSO EXCLUSIVO IBECO PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR EM ESTÉTICA CURSO EXCLUSIVO IBECO Destinado aos docentes que atuam ou que pretendem atuar no ensino superior e profissionalizante da área estética, o curso

Leia mais

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Amanda Pires Chaves Universidade de Sorocaba, Sorocaba/SP e-mail: amanda.pireschaves@gmail.com Maura Maria Morita Vasconcellos

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E O PROCESSO DE INTERAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E O PROCESSO DE INTERAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 13 A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E O PROCESSO DE INTERAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Marcia Maria Previato de Souza Professora do Centro Universitário de Maringá PR marciapreviato@cesumar.br João Luiz Gasparin

Leia mais

ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL: MUDANÇAS SIGNIFICATIVAS NA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL: MUDANÇAS SIGNIFICATIVAS NA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO PÚBLICA ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL: MUDANÇAS SIGNIFICATIVAS NA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO PÚBLICA Adelaide Freitas da Silva Filha Graduanda em Pedagogia CEAD - UFPI Orientadora: Georgina Quaresma Lustosa Professora da

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Resumo Maria Marly de Oliveira Coelho 1 Francinete Massulo Corrêa 2 O texto em pauta tem como foco reflexões,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: PERSPECTIVAS DE ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: PERSPECTIVAS DE ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: PERSPECTIVAS DE ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Mariana Serrano Pipa¹; Nádia Maria Pereira de Souza². Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, marispipa@gmail.com

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano XII Número 24 Julho de 2014 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano XII Número 24 Julho de 2014 Periódicos Semestral CURRÍCULO E CONHECIMENTO ESCOLAR: O USO DA TECNOLOGIA NA EDUCAÇAO INFANTIL Amanda Aparecida ALVES 1 Marta Fresneda TOMÉ 2 RESUMO Esta pesquisa investiga questões relacionadas ao currículo suas teorizações

Leia mais

INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO

INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO Adriana Recla Pós-graduada em Língua Inglesa e Língua Portuguesa Professora da Faculdade de Aracruz - UNIARACRUZ Professora

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Escola de Ciências e Tecnologia Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia (Rascunho) Introdução O Bacharelado em Ciências e Tecnologia (BCT), da Universidade

Leia mais

XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL XIII ENCONTRO ANUAL DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL TEMA: INOVAÇÕES E INVESTIMENTOS NO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL COMUNICAÇÃO SUBTEMA: QUESTÕES DIDÁTICO-PEDAGÓGICAS A MATEMÁTICA

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO COMPUTADOR EM ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DESENVOLVIDAS NO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DA ACEG FAHU: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

UTILIZAÇÃO DO COMPUTADOR EM ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DESENVOLVIDAS NO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DA ACEG FAHU: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: PROJETO DE EXTENSÃO PRÁTICA DE ENSINO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

RELATO DE EXPERIÊNCIA: PROJETO DE EXTENSÃO PRÁTICA DE ENSINO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES RELATO DE EXPERIÊNCIA: PROJETO DE EXTENSÃO PRÁTICA DE ENSINO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES Thais Tolentino 1 Valdeniza Maria Lopes da Barra 2 RESUMO: Este trabalho pretende mostrar os apontamentos

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NO ENSINO SUPERIOR: DA AULA UNIVERSITÁRIA AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NO ENSINO SUPERIOR: DA AULA UNIVERSITÁRIA AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NO ENSINO SUPERIOR: DA AULA UNIVERSITÁRIA AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Eugênia da Silva Pereira Pedagoga pela Universidade do Estado da Bahia UNEB CAMPUS XII

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais O Conselho Nacional de Educação baixou a Resolução nº 1, de 15 de maio de2006, publicada no Diário 0ficial da União de 16, instituindo as

Leia mais

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283 O PAPEL DO PROFESSOR E DO AUXILIAR DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL E DO ESTAGIÁRIO: Um diálogo necessário OLIVEIRA, Elisangela 1 SERAFIM, Lindineide 2 OLIVEIRA, Elizabete Gaspar de 3 RESUMO O presente estudo

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH Francielly Falcão da Silva¹, Samuel Carlos Romeiro Azevedo Souto², Mariel José Pimentel de Andrade³ e Alberto Einstein Pereira

Leia mais

Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I)

Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I) Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I) Prof. Júlio Wilson Ribeiro, Dr. (DC/UFC) Prof. Gilson Pereira do Carmo Filho, MSc. (DC/UFC) Prof. Hermínio

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: DESAFIOS ATUAIS PARA A PRÁTICA DOCENTE

AS NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: DESAFIOS ATUAIS PARA A PRÁTICA DOCENTE AS NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: DESAFIOS ATUAIS PARA A PRÁTICA DOCENTE Renival Vieira de Freitas Faculdade São Luiz de França. E-mail: renofreitas@hotmail.com Magneide S. Santos Lima Universidade Lusófona

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DOCENTE

AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DOCENTE AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DOCENTE RESUMO: Este artigo tem como objetivo apresentar as contribuições do PIBID Pedagogia do Campus Avançado de Patu CAP/UERN para a formação docente.

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

O TRABALHO DO PEDAGOGO NO DISCURSO DOS COORDENADORES DE CURSOS DE PEDAGOGIA: UMA VISÃO A PARTIR DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS

O TRABALHO DO PEDAGOGO NO DISCURSO DOS COORDENADORES DE CURSOS DE PEDAGOGIA: UMA VISÃO A PARTIR DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS O TRABALHO DO PEDAGOGO NO DISCURSO DOS COORDENADORES DE CURSOS DE PEDAGOGIA: UMA VISÃO A PARTIR DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS ALVES FIORIN, Bruna Pereira 1 ; FERREIRA, Liliana Soares 2 Resumo: Este estudo foi

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO SUPERIOR RESUMO

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO SUPERIOR RESUMO A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO SUPERIOR Amália Cardoso Alves 1 RESUMO Este artigo busca uma reflexão das características do professor do ensino superior, assim como o perfil que se formou com relação

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM CURSOS

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

Autorizado pela Portaria Ministerial nº 1734, D.O.U. de 06/08/2001.

Autorizado pela Portaria Ministerial nº 1734, D.O.U. de 06/08/2001. MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES No Curso de Licenciatura em Educação Física os alunos participam das atividades complementares de conteúdo curricular obrigatório como pré-requisito para obtenção do

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA E ESCOLA REGULAR: PONTOS E CONTRAPONTOS DA PROPOSTA

EDUCAÇÃO INCLUSIVA E ESCOLA REGULAR: PONTOS E CONTRAPONTOS DA PROPOSTA ARTIGO 1 EDUCAÇÃO INCLUSIVA E ESCOLA REGULAR: PONTOS E CONTRAPONTOS DA PROPOSTA 1 FERNANDES, Ivani Márcia da Costa. RESUMO: A educação inclusiva é pauta de pesquisas, projetos, documentos e debates variados

Leia mais

PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO 1

PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO 1 PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO 1 Maria Madalena Dullius madalena@univates.br Professora do Centro Universitário UNIVATES Doutora em Ensino de Ciências Lajeado/RS - Brasil Claus Haetinger chaet@univates.br

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

A FUNÇÃO DO PEDAGOGO NAS RELAÇÕES INTRA E INTERPESSOAIS PARA OS PROFISSIONAIS DAS INSTITUIÇÕES

A FUNÇÃO DO PEDAGOGO NAS RELAÇÕES INTRA E INTERPESSOAIS PARA OS PROFISSIONAIS DAS INSTITUIÇÕES A FUNÇÃO DO PEDAGOGO NAS RELAÇÕES INTRA E INTERPESSOAIS PARA OS PROFISSIONAIS DAS INSTITUIÇÕES Resumo Viviane Kalil Fadel Plombon Acadêmica do curso de Pedagogia PUCPR. vivianeplombon@hotmail.com Tania

Leia mais

DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA

DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA Everson Ferreira Fernandes Universidade Federal do Rio Grande do Norte eversonff@gmail.com Gislene de Araújo Alves

Leia mais

O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES

O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES O ENSINO DOS DIFERENTES SABERES Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão Educacional

Leia mais

COMO ACONTECE O PROCESSO DE ENSINO EM TREINAMENTOS E DESENVOLVIMENTOS OFERECIDOS PELAS ORGANIZAÇÕES AOS SEUS COLABORADORES.

COMO ACONTECE O PROCESSO DE ENSINO EM TREINAMENTOS E DESENVOLVIMENTOS OFERECIDOS PELAS ORGANIZAÇÕES AOS SEUS COLABORADORES. COMO ACONTECE O PROCESSO DE ENSINO EM TREINAMENTOS E DESENVOLVIMENTOS OFERECIDOS PELAS ORGANIZAÇÕES AOS SEUS COLABORADORES. Glauciene Izaltina Tassi 1 Edilaine Vangula 2 RESUMO Inúmeras são as mudanças

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO.. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM CONTINUAR APRENDENDO.. Piere Furter AVALIAR PARA CONHECER

Leia mais