FAMÍLIA, UM DIREITO DE TODA CRIANÇA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FAMÍLIA, UM DIREITO DE TODA CRIANÇA"

Transcrição

1 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA FAMÍLIA, UM DIREITO DE TODA CRIANÇA BREUS, Andressa Bisetto 1 BISETTO, Thaís 2 RESUMO O presente artigo tem por finalidade abordar não só a realidade de Ponta Grossa Paraná, como também a realidade brasileira no que diz respeito à adoção de crianças e adolescentes, em conjunto com o direito a convivência familiar e comunitária. Percebe-se que a maioria das crianças acabam ficando sem um lar e permanecendo em abrigos, como o resultado de uma sociedade cheia de preconceitos, principalmente quando trata-se de crianças e adolescentes com irmãos, de idade avançada, com problemas de deficiência física ou mental, entre outros aspectos mencionados. Definiu-se o conceito de adoção conforme entendimento de Caio Mário e José Dias e ainda a diferença entre família natural e família substituta, mostrando a importância da família no desenvolvimento e formação da criança e do adolescente. Foram demonstrados levantamentos realizados no âmbito municipal e nacional com relação à adoção, sendo que em ambos a maior número de pessoas interessadas em adotar do que crianças e adolescente aptos para serem adotados. É importante que a sociedade, em geral, resguarde os direitos elencados no ordenamento jurídico brasileiro, estabelecendo princípios para que todas as crianças possam constituir uma família digna, que lhes proporcione segurança, amor, e além de tudo a esperança por um futuro melhor. PALAVRAS CHAVE Adoção. Preconceito. Realidade. 1 Acadêmica do 3 ano do Curso de Bacharel em Direito, participante do Projeto de Extensão ECA, conheça, usufrua seus direitos e exercite seus deveres,coordenado pela Professora Rosangela Fátima Penteado Brandão, 2 Acadêmica do 3 ano do Curso de Bacharel em Direito, participante do Projeto de Extensão ECA: conheça, usufrua seus direitos e exercite seus deveres, coordenando pela Professora Rosangela Fátima Penteado Brandão,

2 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 2 1 Introdução O presente trabalho é resultado de pesquisas bibliográficas realizadas na fase inicial do Projeto ECA: conheça, usufrua seus direitos e exercite seus deveres, subprojeto do NEDIJ (Núcleo de Estudos e Defesa de Direitos da Infância e da Juventude), momento em que foram desenvolvidos estudos relacionados à criança e ao adolescente, abordando desde seus direitos fundamentais até seus deveres perante a sociedade. As pesquisas foram indispensáveis para que fossem adquiridas noções gerais sobre o âmbito de aplicação do ECA e seus dispositivos. O tema principal do trabalho é o direito à convivência familiar, um dos direitos fundamentais da criança e do adolescente, que possui direitos fundamentais inerentes a qualquer ser humano, mas devido à sua condição de pessoa em desenvolvimento, possui alguns direitos especiais. 2 Objetivos 2.1 Gerais O projeto tem como principal objetivo levar a informação às crianças e adolescentes pertencentes à rede de ensino fundamental e médio de Ponta Grossa sobre os direitos e deveres contidos no Estatuto da Criança e do Adolescente. 2.2 Específicos Os objetivos específicos envolvem a capacitação e treinamento dos discentes envolvidos no projeto; levantamento de dados acerca do quê as crianças e adolescentes conhecem sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente; realizar buscas junto aos professores das escolas, quais informações relevantes, contidas no Estatuto da Criança e do Adolescente que eles gostariam que se dê ênfase nas palestras, e por fim, a divulgação em eventos os resultados obtidos com o projeto. 3 Metodologia São realizados estudos e pesquisas sobre os direitos da criança e do adolescente, para capacitação dos acadêmicos atuantes no projeto; reuniões com a equipe executora do projeto; promoção de palestras e seminários; realização de oficinas temáticas acerca do Estatuto da Criança e do Adolescente. 4 Resultados 4.1 Do direito à convivência familiar e comunitária e disposição legal O direito à convivência familiar e comunitária é garantido pelos artigos 19 ao 52 do Estatuto da Criança e do Adolescente. Envolve o direito à compreensão e ao amor, que está previsto no artigo 6 da Carta Internacional da Criança, citada por Albergaria (1991, p.41), senão vejamos: A criança, para o harmonioso desenvolvimento de sua personalidade, tem necessidade de amor e de compreensão. Deve crescer sob salvaguarda e responsabilidade dos pais, numa atmosfera de afeição e segurança, material e moral; a criança de tenra idade, salvo circunstância excepcional, não deve ser separada da mãe. A sociedade e o Estado têm dever de tomar particular cuidado dos

3 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 3 crianças sem família ou das que não têm meios de existência suficientes. É desejável que sejam concedidas às famílias numerosas subsídios do Estado ou outros para a manutenção das crianças. (grifo nosso) A carência de cuidados maternos, de afeto e de amor, pode modificar o caráter da criança e do adolescente, sendo essencial para a sua saúde mental. Sociologicamente, o menor abandonado é o menor socialmente marginalizado. Ou seja, toda criança e adolescente tem o direito de ser educado e criado no seio de sua família nuclear, assegurando a convivência familiar e comunitária, livre de qualquer ambiente que lhe possa ser prejudicial ou nocivo. Além disso é dever do Estado de assegurar a assistência à família, criando mecanismos que para coibir a violência no âmbito de suas relações. A família é o primeiro agente de socialização do ser humano, sendo a carência de cuidados maternos perturba o desenvolvimento físico e psíquico do menor, podendo inclusive, modificar seu caráter. Ou seja, o cuidado materno na infância é essencial para a saúde mental. O ECA (BRASIL, 1990) dispõe acerca do poder familiar, expressão utilizada hoje para substituir poder pátrio, usado no Código Civil de 16. Poder familiar consiste em um conjunto de obrigações e direitos que os pais tem em relação ao filho e aos bens dele tendo em vista sua proteção quando este não puder cuidar sozinho de si, ou seja, quando for absolutamente ou relativamente incapaz, sendo que os artigos 21 e 23 dispõem que ele será igualmente exercido pelo pai e pela mãe, de modo que nos casos de divergência deverão recorrer à autoridade judiciária. Além disso, não será motivo suficiente para a suspensão do poder familiar a falta ou a carência de recursos materiais. Todavia, os casos de perda ou suspensão do poder familiar serão decretados judicialmente. Além disso, menciona o artigo 22 do ECA (BRASIL, 1990) que aos pais incumbe o dever de sustento, guarda e educação dos filhos menores, cabendo-lhes ainda, no interesse destes, a obrigação de cumprir e fazer cumprir as determinações judiciais. Nos casos de adoção, os filhos havidos da relação do casamento ou por adoção terão os mesmo direitos e qualificações, de modo que o adotado terá os mesmos direitos e deveres, inclusive o direito sucessório. Por isso, os efeitos da adoção são irrevogáveis, rompendo completamente o vínculo entre o adotado e sua família natural ou biológica. 4.2 Família natural e família substituta Diante disto, cumpre fazer uma distinção entre família natural e família substituta. Dezem; Aguirre e Fuller (2009, p. 33) estabelecem que a família natural é a comunidade formada pelos pais ou qualquer deles e seus descendentes [...]. Assim, a regra é que a criança e o adolescente permaneçam em suas famílias naturais, havendo algumas situações em que possam ser colocados na família substituta, como por exemplo, nas hipóteses em que os membros da família natural do menor são desconhecidos ou não existam, ou ainda quando o ambiente da família nuclear mostra-se altamente prejudicial aos interesses do menor, podendo colocar em risco o desenvolvimento de sua personalidade. (DEZEM; AGUIRRE e FULLER, 2009, p. 25)

4 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 4 Com isso, pode-se conceituar a família substituta como sendo a família que acolhe o menor, dando afeto, carinho, amor e respeito, gerando com a criança um vínculo afetivo. A adoção é uma modalidade de família substituta. 4.3 Adoção Com relação à adoção, Caio Mário (apud, SILVA FILHO, 2009, p. 72) a define a como o ato jurídico pelo qual uma pessoa recebe outra como filho, independentemente de existir entre elas qualquer relação de parentesco consangüíneo ou afim. Já Dias M. B. (2010, p. 476) defende que através deste ato jurídico que é a adoção, se estabelece um vínculo, ainda que fictício, de paternidade-maternidade-filiação entre pessoas estranhas, mas que é semelhante ao vínculo de origem biológica. Desta forma, fica estabelecido um parentesco que foi resultado exclusivamente de um ato de vontade. Destaca-se que o artigo 50 do ECA (BRASIL, 1990) dispõe que a autoridade judiciária manterá, em cada comarca ou foro regional, um registro de crianças e adolescentes em condições de serem adotados e outro de pessoas interessadas na adoção. Em Ponta Grossa, a juíza da Vara da Infância e da Juventude, Noeli Reback (DIÁRIO ), comenta que a maior dificuldade é encaminhar para a adoção as crianças maiores ou que possuem irmãos, de modo que ao todo são 23 crianças e adolescentes aptos para receber uma nova família e 120 pessoas ou famílias esperando uma criança adotiva, a maioria quer crianças pequenas e sem irmãos. Mas essa não é a realidade apenas de Ponta Grossa, o Conselho Nacional de Justiça (CONSELHO ) divulgou um levantamento realizado pelo Cadastro Nacional de Adoção que constatou que é quase seis vezes maior o número de pessoas interessadas em adotar no Brasil em vista do número de crianças e adolescentes disponíveis. Pela pesquisa, o número de pretendentes atualmente chega a em todo o Brasil, enquanto que o de jovens, aptos a serem adotados, chega a Ou seja, falta conscientização e sensibilidade da população, pois a maioria dos adotantes querem bebês brancos, os quais são minoria, o que acaba gerando demora no processo de adoção impedindo que essas crianças e adolescentes ingressem em uma nova família, que lhe dará afeto, amor e carinho. 5 Conclusão Dessa forma, sendo o Brasil um país com uma mistura muito diversa de etnias, culturas, realidades sociais, em que a maioria dos adotantes buscam crianças brancas ainda bebês, as quais são a minoria, conforme mencionado pela psicóloga da Vara da Infância e da Juventude de São Bernardo do Campo, Marta W. Yamaoka (apud DIAS D., 2007), conclui-se que é necessária a conscientização de toda a população diante dessa diversidade, com o intuito de agilizar o processo de adoção, bem como proporcionar às crianças e adolescentes aptos para a adoção um lar, afeto e carinho, sendo resguardado, portanto, o direito à convivência familiar.

5 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 5 Após uma década de vigência do Estatuto da Criança e do Adolescente, a adoção permanece marcada pelo preconceito no Brasil. As pessoas idealizam a adoção como algo lindo e maravilho ou então que o adotado será certamente problemático. Assim, tendo em vista a grande desinformação da população, não é surpreendente o fato de que inúmeros casais estão inscritos há anos no cadastro de adoção sem terem conseguido alcançar esse objetivo. Ora, a demora no processo de adoção não é causada apenas pelas questões burocráticas, posto que o ECA simplificou o sistema de adoção, todavia os abrigos continuam lotados. A adoção deve ser exercida de maneira responsável, onde amor deve imperar sempre. Não é surpreendente saber que a maior parte das crianças portadoras de deficiência física ou mental, são adotadas por casais estrangeiros. Os casais brasileiros interessados em adotar, exigem um perfil formado por crianças recém nascidas e brancas. Um preconceito sem tamanho. Amor devido à cor de pele ou necessidade de apresentação da criança como filho biológico não merece esse nome, salienta Elizabete Rosa. (A NOTÍCIA ) O preconceito é o principal responsável pela privação de um lar a milhares de crianças, mas é importante lembrar que a sociedade brasileira tem dificuldades em compreender a responsabilidade necessária para que se adote uma criança. Os interessados em adotar, geralmente, requerem um sistema rápido e reclamam de etapas importantes do trâmite do processo de adoção, como o período de convivência, por exemplo. Muitos casais acabam apelando para adoção informal, chamada adoção "à brasileira". Sem cobertura jurídica e nem mesmo o acompanhamento de assistentes sociais, tal procedimento facilita o fracasso nas adoções. É preciso que a sociedade se informe, conscientize-se da importância da adoção. Além de um enorme ato de amor, a adoção proporciona a esperança de um futuro melhor às nossas crianças. É claro que a adoção não resolve todos os problemas e nem mesmo acabará com o surgimento de crianças abandonadas todos os dias no País. Cabe à sociedade incentivá-la. Será muito mais fácil se não houver preconceito. REFERÊNCIAS A NOTÍCIA. O preconceito na adoção. Disponível em <http://www1.an.com.br/2000/jul/10/0opi.htm>. Acesso em: 21. abr ALBERGARIA, Jasan. Comentários ao estatuto da criança e adolescente. 1. ed. Rio de Janeiro: Aide Ed., BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei n de 13 de julho de Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 27 set Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm>. Acesso em: 17 abr CONSELHO Nacional de Justiça. Número de pretendentes supera em quase seis vezes o de crianças aptas a serem adotadas. Disponível em <

6 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 6 -supera-em-quase-seis-vezes-o-de-criancas-aptas-a-serem-adotadas&catid=223:cnj&itemid=583>. Acesso em: 10. abr DEZEM. Guilherme Madeira; AGUIRRE, João Ricardo Brandão; FULLER, Paulo Henrique Aranda. Estatuto da Criança e do Adolescente: elementos do direito. volume ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, DIÁRIO dos Campos. Ponta Grossa tem 150 crianças em abrigos temporários. Disponível em <http://www.diariodoscampos.com.br/cidades/noticias/41906/?noticia=ponta-grossa-tem-150- criancas-em-abrigos-temporarios>. Acesso em: 01 mai DIAS, Daniela. A adoção no Brasil: dados mostram a diferença entre a realidade e a idealização. Disponível em <http://www.alobebe.com.br/site/revista/reportagem.asp?texto=429>. Acesso em: 20. abr DIAS, Maria Berenice. Manual de direito de família. 6. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, SILVA FILHO, Artur Marques da. Adoção: regime jurídico, requisitos, efeitos, inexistência, anulação. 2. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2009

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

110 CONEX A Família Substituta como meio de garantir os Direitos Fundamentais da Criança e do Adolescente. ÁREA TEMÁTICA:

110 CONEX A Família Substituta como meio de garantir os Direitos Fundamentais da Criança e do Adolescente. ÁREA TEMÁTICA: 110 CONEX A Família Substituta como meio de garantir os Direitos Fundamentais da Criança e ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( )

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ATUAÇÃO DO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Família. Criança e Adolescente. ECA. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Família. Criança e Adolescente. ECA. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC)

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) DO CONCEITO A ADOÇÃO É UM ATO JURÍDICO EM SENTIDO ESTRITO, CUJA EFICACIA É DEPENDENTE DA AUTORIZAÇÃO JUDICIAL. NESSE CASO, CRIA UM VÍNCULO FICTÍCIO DE PATERNIDADE-

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. ADOÇÃO PELO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (lei nº 8069, de 13/07/1990) E PELO CÓDIGO CIVIL (lei nº 10406, de 10/01/2002).

PROJETO DE PESQUISA. ADOÇÃO PELO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (lei nº 8069, de 13/07/1990) E PELO CÓDIGO CIVIL (lei nº 10406, de 10/01/2002). PROJETO DE PESQUISA ADOÇÃO PELO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (lei nº 8069, de 13/07/1990) E PELO CÓDIGO CIVIL (lei nº 10406, de 10/01/2002). Polyana da Silva Siqueira Rosana Rangel Silva Campos

Leia mais

ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil

ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil 1 ADOÇÃO: o processo adotivo no Brasil Ana Flávia Oliva Machado Carvalho 1 RESUMO Este estudo objetivou destrinchar todo o procedimento da adoção. Inicialmente buscamos discorrer sob sua evolução histórica.

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL.

ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. ACOLHIMENTO FAMILIAR: UMA ALTERNATIVA AO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Sergio Luiz Kreuz Mestre em Direito das Relações Sociais (UFPR), Juiz de Direito da Vara da Infância e da Juventude de Cascavel PR e

Leia mais

PROCESSO DE ADOÇÃO. 1. Desenvolvimento

PROCESSO DE ADOÇÃO. 1. Desenvolvimento PROCESSO DE ADOÇÃO * Ricardo Peixoto Teixeira ** Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho 1 Resumo A adoção é tradicionalmente considerada como instituto de direito de família, que tem por finalidades

Leia mais

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012.

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PROGRAMA FAMÍLIA ACOLHEDORA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACRUZ, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS,

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Uma análise preliminar do perfil demográfico das crianças e adolescentes cadastrados para adoção no município de São Paulo

Uma análise preliminar do perfil demográfico das crianças e adolescentes cadastrados para adoção no município de São Paulo Uma análise preliminar do perfil demográfico das crianças e adolescentes cadastrados para adoção no município de São Paulo Paulo José Pereira 1 Maria Coleta Ferreira Albino de Oliveira 2 Introdução Pesquisar

Leia mais

LEI Nº. 1917 LEI. Art. 2º. O Programa será vinculado ao Departamento Municipal de Ação Social e tem por objetivos:

LEI Nº. 1917 LEI. Art. 2º. O Programa será vinculado ao Departamento Municipal de Ação Social e tem por objetivos: LEI Nº. 1917 SÚMULA: Institui o Programa de Guarda Subsidiada de Crianças e Adolescentes, denominado "Programa Família Acolhedora e dá outras providências. A Câmara Municipal de Palmas, Estado do Paraná,

Leia mais

Projeto de Lei Municipal dispondo sobre programa de guarda subsidiada

Projeto de Lei Municipal dispondo sobre programa de guarda subsidiada Projeto de Lei Municipal dispondo sobre programa de guarda subsidiada LEI Nº..., DE... DE... DE... 1. Dispõe sobre Programa de Guarda Subsidiada para Crianças e Adolescentes em situação de risco social

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR A Responsabilidade Civil dos Pais por Abandono Afetivo dos Filhos A paternidade responsável e o projeto de lei n 4294/08. CRISLAINE MARIA SILVA DE ALMEIDA 1. FERNANDA DURÃES NORONHA 2 Introdrução A família

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE COMO CAMPO DE ESTÁGIO PARA O SERVIÇO SOCIAL

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE COMO CAMPO DE ESTÁGIO PARA O SERVIÇO SOCIAL VIII Jornada de Estágio de Serviço Social VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE COMO CAMPO DE ESTÁGIO PARA O SERVIÇO SOCIAL ALMEIDA, Mayara Rodrigues 1 ARAÚJO, Sâmela Keren de Carvalho 2 CARVALHO, Sherryl Cristina

Leia mais

O DIREITO A SAÚDE DESAFIOS PARA SUA EFETIVAÇÃO EM FACE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

O DIREITO A SAÚDE DESAFIOS PARA SUA EFETIVAÇÃO EM FACE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Acompanhamento Psicossocial de Gestantes e Genitoras que Manifestam a Intenção de Entregar um Filho em Adoção Márcia Maria Coutinho de Lima 1

Acompanhamento Psicossocial de Gestantes e Genitoras que Manifestam a Intenção de Entregar um Filho em Adoção Márcia Maria Coutinho de Lima 1 1 Acompanhamento Psicossocial de Gestantes e Genitoras que Manifestam a Intenção de Entregar um Filho em Adoção Márcia Maria Coutinho de Lima 1 As gestantes e genitoras que entregam um filho em adoção

Leia mais

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006 CARLOS CABRAL CABRERA Membro do Ministério Público do Estado de São Paulo. Professor de Direito Constitucional da Faculdade de Direito da Universidade Paulista UNIP. ROBERTO MENDES DE FREITAS JUNIOR Membro

Leia mais

Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21

Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21 Sumário Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21 Capítulo I LIÇÕES PRELIMINARES... 23 1. Introdução... 23 2. Proteção

Leia mais

Aspectos psicológicos presentes na avaliação da adoção de crianças M S P A TR ÍC IA D E LB O U X R O D R IG U E S

Aspectos psicológicos presentes na avaliação da adoção de crianças M S P A TR ÍC IA D E LB O U X R O D R IG U E S Aspectos psicológicos presentes na avaliação da adoção de crianças M S P A TR ÍC IA D E LB O U X R O D R IG U E S Sumário Especificidades do trabalho do psicólogo na área jurídica. Avaliação do cadastro

Leia mais

Serviço que organiza o acolhimento, em residências de famílias acolhedoras cadastradas, de crianças e adolescentes afastados do convívio familiar por

Serviço que organiza o acolhimento, em residências de famílias acolhedoras cadastradas, de crianças e adolescentes afastados do convívio familiar por Serviço que organiza o acolhimento, em residências de famílias acolhedoras cadastradas, de crianças e adolescentes afastados do convívio familiar por meio de medida protetiva (ECA, Art. 101), em função

Leia mais

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo.

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo. Conforme o Estatuto da Criança e do Adolesecente Art. 98. As medidas de proteção à criança e ao adolescente são aplicáveis sempre que os direitos reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou violados: I -

Leia mais

Projeto Padrinho. sua ajuda faz parte da nossa justiça GUIA DE INFORMAÇÕES

Projeto Padrinho. sua ajuda faz parte da nossa justiça GUIA DE INFORMAÇÕES sua ajuda faz parte da nossa justiça GUIA DE INFORMAÇÕES mas alguém para menos calçados, cobertores, brinquedos, alimentos, caridade... passear, abraçar, brincar, dividir, acreditar... sua ajuda faz parte

Leia mais

COPEIJ COMISSÃO PERMANENTE DA INFÂNCIA E JUVENTUDE

COPEIJ COMISSÃO PERMANENTE DA INFÂNCIA E JUVENTUDE COPEIJ COMISSÃO PERMANENTE DA INFÂNCIA E JUVENTUDE A Comissão Permanente da Infância e da Juventude - COPEIJ, integrante do Grupo Nacional de Direitos Humanos - GNDH, vinculado ao Conselho Nacional dos

Leia mais

1) Adoção Um gesto de amor e de responsabilidade

1) Adoção Um gesto de amor e de responsabilidade - A ADOÇÃO POR CASAL HOMOAFETIVO Autora: Cristine Borges da Costa Araújo 1) Adoção Um gesto de amor e de responsabilidade A adoção deve ser observada sob dois aspectos legais, que formam a base desse direito

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO PELA PROTEÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE TRABALHO INFANTIL ARTÍSTICO

CARTA DE SÃO PAULO PELA PROTEÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE TRABALHO INFANTIL ARTÍSTICO CARTA DE SÃO PAULO PELA PROTEÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE TRABALHO INFANTIL ARTÍSTICO A. PREÂMBULO I CONSIDERANDO que o Brasil é signatário da Declaração dos Direitos da Criança,

Leia mais

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO CONTEXTO SÓCIO-JURÍDICO: O PAPEL DOS IDOSOS GUARDIÕES FERREIRA, M.F.J.A. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo TJSP - BRASIL A perspectiva deste trabalho consiste em

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

(Apensos os Projetos de Lei nsº 1.917, de 2011 e 6.736, de 2013 )

(Apensos os Projetos de Lei nsº 1.917, de 2011 e 6.736, de 2013 ) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 1.212, DE 2011 (Apensos os Projetos de Lei nsº 1.917, de 2011 e 6.736, de 2013 ) Acrescenta dispositivo à Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990,

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR Mantendo um abrigo legal O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR Segundo o art. 19, da Lei n. 8069/90, do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA): Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e educado

Leia mais

A.2 Vargas, Marlizete Maldonado. Adoção tardia; de família sonhada à família possível São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998.

A.2 Vargas, Marlizete Maldonado. Adoção tardia; de família sonhada à família possível São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998. A.1 Freire, Fernando. Abandono e adoção; contribuição para uma cultura de adoção. Curitiba: Terre des Hommes, 1991. O livro aborda a questão da adoção que não pode ser entendida dissociada do abandono.

Leia mais

APROVEITO PARA INFORMAR QUE EM BREVE LANÇAREI PELA EDITORA FERREIRA - O LIVRO ESTATUTO DO IDOSO COMENTADO.

APROVEITO PARA INFORMAR QUE EM BREVE LANÇAREI PELA EDITORA FERREIRA - O LIVRO ESTATUTO DO IDOSO COMENTADO. PREZADO(A)S CANDIDATO(A)S, PRIMEIRAMENTE GOSTARIA DE PARABENIZAR A TODOS OS GUERREIROS E GUERREIRAS QUE PARTICIPARAM DO TÃO ESPERADO E CONCORRIDO CONCURSO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

Leia mais

OFICINEIRAS: Eliana Bayer Knopman e Catia Regina da Silva Aguiar

OFICINEIRAS: Eliana Bayer Knopman e Catia Regina da Silva Aguiar OFICINA: BUSCA ATIVA DATA: 09 de junho de 2013 OFICINEIRAS: Eliana Bayer Knopman e Catia Regina da Silva Aguiar RESUMO Está na Constituição Federal de 1988 e no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 O ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL E O DIREITO À CONVIVÊNCIA COM A FAMÍLIA Graciele Benisch 1 Deise Josene Stein 2 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 ASPÉCTOS HISTÓRICOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE. 3 MEDIDAS DE ACOLHIMENTO

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA. Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário

O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA. Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário PROTEÇÃO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE O COTIDIANO DAS VARAS DA INFÂNCIA E JUVENTUDE Maria Isabel Strong Assistente Social Judiciário Medidas Protetivas Lei 12.010 de 03/08/2009 Lei Nacional de Adoção Altera

Leia mais

A PROTEÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EM FACE DO PODER FAMILIAR 1. Keith Diana da Silva

A PROTEÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EM FACE DO PODER FAMILIAR 1. Keith Diana da Silva A PROTEÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EM FACE DO PODER FAMILIAR 1 Keith Diana da Silva keith.diana@hotmail.com FAC São Roque NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar Introdução É dever dos pais, no exercício

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

Adoção: compromisso do Tribunal de Justiça de Pernambuco

Adoção: compromisso do Tribunal de Justiça de Pernambuco INFÂNCIA E JUVENTUDE Adoção: compromisso do Tribunal de Justiça de Pernambuco O trabalho do Poder Judiciário pernambucano no tocante à adoção, que vem garantido a convivência familiar e comunitária à criança

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL. Art. 227, CF/88 RAFAEL FERNANDEZ

DIREITO CONSTITUCIONAL. Art. 227, CF/88 RAFAEL FERNANDEZ DIREITO CONSTITUCIONAL Art. 227, CF/88 RAFAEL FERNANDEZ É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde,

Leia mais

CRIANÇAS EM ABRIGO E PEDAGOGIA SOCIAL: DISCUSSÕES SOBRE A NECESSIDADE DE EDUCAÇÃO E PROTEÇÃO SOCIAL

CRIANÇAS EM ABRIGO E PEDAGOGIA SOCIAL: DISCUSSÕES SOBRE A NECESSIDADE DE EDUCAÇÃO E PROTEÇÃO SOCIAL CRIANÇAS EM ABRIGO E PEDAGOGIA SOCIAL: DISCUSSÕES SOBRE A NECESSIDADE DE EDUCAÇÃO E PROTEÇÃO SOCIAL Resumo COSTA, Valéria Mariano - CESCAGE valmarianoc@yahoo.com.br Eixo Temático: Políticas Públicas e

Leia mais

Núcleo de Apoio Profissional ao Serviço Social e de Psicologia. Programa Família Acolhedora no Município de São Paulo -Projeto Piloto

Núcleo de Apoio Profissional ao Serviço Social e de Psicologia. Programa Família Acolhedora no Município de São Paulo -Projeto Piloto Introdução Programa Família Acolhedora no Município de São Paulo -Projeto Piloto O projeto se propôs a realizar mais uma ação para a efetivação da Política de Proteção as Crianças e Adolescentes em situação

Leia mais

EMBARGOS INFRINGENTES. ECA. ADOÇÃO.

EMBARGOS INFRINGENTES. ECA. ADOÇÃO. Acórdãos ADOÇÃO Processo 599313269 Quarto Grupo de Câmaras Cíveis Relator: Des. Alzir Felippe Shmitz Consentimento 70001166131 Relatora: Desa. Maria Berenice Dias Consentimento 599024858 2ª Câmara de Férias

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 ASPECTOS PRELIMINARES ACERCA DA ADOÇÃO Gabriela Dalinghaus Chiamolera 1 Júlia Bagatini 2 Maycon Nascimento 3 Sherydan Lara 4 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 ASPECTOS GERAIS DA ADOÇÃO. 2.1 CONCEITO. 2.2 OS ATORES

Leia mais

como Política Pública de Estado

como Política Pública de Estado como Política Pública de Estado Brasil 27 estados 5.565 municipios 190 milhoes ha 60 milhoes de 0 a 18 anos. Constituicao Federal de 1988 Art. 227. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar

Leia mais

Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso do Sul Corregedoria-Geral de Justiça

Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso do Sul Corregedoria-Geral de Justiça Autos n.º 126.152.0025/2007 PARECER N.º 091/2007 PEDIDO DE PROVIDÊNCIA EXTENSÃO DO PROJETO MEU PAI NO PAPEL A OUTRAS COMARCAS PRÁTICA ADOTADA INICIALMENTE COMARCA DE CASSILÂNDIA OBJETIVO REDUZIR O ÍNDICE

Leia mais

UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015

UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015 UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015 RESUMO Este projeto visa a atender crianças e adolescentes em situação de rua, abandonados ou que necessitam ser

Leia mais

PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA

PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA PROPOSTA DE RECOMENDAÇÃO PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA A Recomendação ora apresentada se faz necessária para que o Ministério

Leia mais

Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC

Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC Serviço de Família acolhedora definição Serviço que organiza o acolhimento de crianças

Leia mais

CMAS Conselho Municipal de Assistência Social CMDDCA Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente

CMAS Conselho Municipal de Assistência Social CMDDCA Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Resolução Conjunta 002/2013 CMAS/ de 12/06/2013 Dispõe sobre os parâmetros para o funcionamento das Entidades de acolhimento institucional e familiar da Criança e do Adolescente do município de Divinópolis

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08 Por Leonardo Rodrigues Rezende 1 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária Os casos encaminhados à modalidade

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHOS FUNDAMENTOS LEGAIS DÚVIDAS FREQUENTES

HISTÓRIA EM QUADRINHOS FUNDAMENTOS LEGAIS DÚVIDAS FREQUENTES C a r t i l h a E d u c a t i v a HISTÓRIA EM QUADRINHOS FUNDAMENTOS LEGAIS DÚVIDAS FREQUENTES Apresentação Com base no perfil constitucional de 1988, o Ministério Público age também como defensor dos

Leia mais

10. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido

10. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AS DROGAS E SEUS EFEITOS NA JUVENTUDE

Leia mais

FAMÍLIAS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO

FAMÍLIAS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO 171 FAMÍLIAS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO Denise Jesuína Faria (UNESP Franca) 1 Neide Aparecida de Souza Lehfeld (UNESP Franca) 2 Vanessa de Oliveira

Leia mais

EDITAL No. 01/ 2014- NEDDIJ Programa UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS Subprograma INCUBADORA DOS DIREITOS SOCIAIS

EDITAL No. 01/ 2014- NEDDIJ Programa UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS Subprograma INCUBADORA DOS DIREITOS SOCIAIS EDITAL No. 01/ 2014- NEDDIJ Programa UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS Subprograma INCUBADORA DOS DIREITOS SOCIAIS A Coordenadora do NÚCLEO DE ESTUDOS E DEFESA DE DIREITOS DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE vinculado

Leia mais

COMPOSIÇÃO DA CEJA/MT - BIÊNIO 2011-2013. Des. MÁRCIO VIDAL Presidente da CEJA - MT. Des. ORLANDO DE ALMEIDA PERRI Vice-Presidente da CEJA - MT

COMPOSIÇÃO DA CEJA/MT - BIÊNIO 2011-2013. Des. MÁRCIO VIDAL Presidente da CEJA - MT. Des. ORLANDO DE ALMEIDA PERRI Vice-Presidente da CEJA - MT TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA COMISSÃO ESTADUAL JUDICIARIA DE ADOÇÃO COMPOSIÇÃO DA CEJA/MT - BIÊNIO 2011-2013 M E M B R O S Des. MÁRCIO VIDAL Presidente da

Leia mais

REVISTA SABER ACADÊMICO N 15 / ISSN 1980-5950 SQUIZATTO, E. P. S. 2013. ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL E O SERVIÇO SOCIAL

REVISTA SABER ACADÊMICO N 15 / ISSN 1980-5950 SQUIZATTO, E. P. S. 2013. ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL E O SERVIÇO SOCIAL 80 Artigo original ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL E O SERVIÇO SOCIAL SQUIZATTO, E. P. S. 1 Nome Completo: Ediléia Paula dos Santos Squizatto Artigo submetido em: 26/03/2013 Aceito em: 10/05/2013 Correio eletrônico:

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO MANUAL DO JUIZ E AUXILIAR DE JUIZ Versão 1.0 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 USUÁRIOS...4 1. ACESSO AO SISTEMA...5 2. TELA DE LOGIN DO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO:...7 3. TELA INICIAL

Leia mais

ADOÇÃO DE CRIANÇAS MAIORES

ADOÇÃO DE CRIANÇAS MAIORES 1 ADOÇÃO DE CRIANÇAS MAIORES Ana Paula DELLAGNESI 1 Wélida de Souza GOMES 2 Juliene Aglio de OLIVEIRA 3 Faustina Dellagnesi SANTOS 4 RESUMO: O presente artigo refere-se a problemática da adoção de crianças

Leia mais

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/SC. RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/107847 COLABORADOR EducaPsico

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/SC. RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/107847 COLABORADOR EducaPsico RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA FGV TJ/SC RAFAEL TREVIZOLI NEVES PSICÓLOGO CRP 06/107847 COLABORADOR EducaPsico Janeiro/2015 RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROVA - FGV Tribunal de Justiça de Santa Catarina Psicólogo

Leia mais

As alterações da Lei n.12.010/09 ao Estatuto da. Criança e Adolescente.

As alterações da Lei n.12.010/09 ao Estatuto da. Criança e Adolescente. As alterações da Lei n.12.010/09 ao Estatuto da Criança e Adolescente. Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito da Infância Juventude e Idoso Publicação no semestre

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

ABANDONO MORAL Simone Ramalho Novaes Juíza de Direito

ABANDONO MORAL Simone Ramalho Novaes Juíza de Direito ABANDONO MORAL Simone Ramalho Novaes Juíza de Direito A questão do abanono moral ainda é bastante polêmica e demanda prudência e cautela na análise do caso concreto. As regras de experiência comum ensinam

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

PROGRAMA RETORNO AO LAR. Desafios e Possibilidades de um Programa de Reinserção Familiar

PROGRAMA RETORNO AO LAR. Desafios e Possibilidades de um Programa de Reinserção Familiar PROGRAMA RETORNO AO LAR Desafios e Possibilidades de um Programa de Reinserção Familiar Agosto 2005 1 O Direito à Convivência Familiar e Comunitária Artigo 19 ECA toda criança ou adolescente tem direito

Leia mais

Regras Mínimas das Nações Unidas para a Administração da Justiça da Infância e da Juventude. Regras de Beijing. *

Regras Mínimas das Nações Unidas para a Administração da Justiça da Infância e da Juventude. Regras de Beijing. * Regras Mínimas das Nações Unidas para a Administração da Justiça da Infância e da Juventude. Regras de Beijing. * PRIMEIRA PARTE. PRINCÍPIOS GERAIS 1. Orientações fundamentais 1.1. Os Estados Membros procurarão,

Leia mais

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho.

A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO. Palavras-chave: Inclusão. Pessoas com deficiência. Mercado de trabalho. 1 A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO Marlene das Graças de Resende 1 RESUMO Este artigo científico de revisão objetiva analisar importância do trabalho na vida das pessoas portadoras

Leia mais

Cartilha da CRianca e do adolescente

Cartilha da CRianca e do adolescente Cartilha da CRianca e do adolescente Mais um dia vivido pela familia Brasilino Oi, pessoal, cheguei! Oi, filho, tudo bem? Hum... que cheiro bom! Tô morrendo de fome! Vou lá dentro lavar as mãos, guardar

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO AMAZONAS COORDENADORIA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO AMAZONAS COORDENADORIA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO AMAZONAS COORDENADORIA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE APRESENTAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO: Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas TJ/AM UNIDADE: Coordenadoria da Infância e

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Padrinhos Acolhedores

Mostra de Projetos 2011. Padrinhos Acolhedores Mostra de Projetos 2011 Padrinhos Acolhedores Mostra Local de: Dois Vizinhos Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal de

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 Disciplina a Política Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

Associação Lar do Neném

Associação Lar do Neném Criança Esperança 80 Associação Lar do Neném Recife-PE Marília Lordsleem de Mendonça Abraço solidário Todas as crianças são de todos : esse é o lema do Lar do Neném, uma instituição criada há 26 anos em

Leia mais

RECONSTRUINDO VÍNCULOS

RECONSTRUINDO VÍNCULOS RECONSTRUINDO VÍNCULOS U M P R O J E T O D O I N S T I T U T O B E R Ç O D A C I D A D A N I A S O B O P A T R O C Í N I O D O P R O G R A M A D E D E S E N V O L V I M E N T O S O C I A L D A P E T R

Leia mais

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO A IDOSOS: DIREITO OU VIOLAÇÃO DE DIREITOS?

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO A IDOSOS: DIREITO OU VIOLAÇÃO DE DIREITOS? EMPRÉSTIMO CONSIGNADO A IDOSOS: DIREITO OU VIOLAÇÃO DE DIREITOS? ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA Andressa Pacenko Malucelli (andressapmalucelli@gmail.com) Maria Iolanda De Oliveira (maria2672@uol.com.br)

Leia mais

ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA

ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA FACULDADES INTEGRADAS FAFIBE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS PROJETO DE PESQUISA MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA Projeto de pesquisa em atendimento à disciplina Monografia

Leia mais

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011 DJe de 29/09/2011 (cópia sem assinatura digital) DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011 Esclarece quanto ao procedimento de ajuizamento da ação de adoção, diretamente pelos requerentes

Leia mais

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO MANUAL DE SERVIDORES DE CORREGEDORIA Versão 1.2 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 4 USUÁRIOS... 5 1. ACESSO AO SISTEMA... 6 2. TELA DE LOGIN DO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO:... 8 2.0

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PLANO DE ENSINO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PLANO DE ENSINO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PLANO DE ENSINO Disciplina: DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Curso: DIREITO Turma B01-1 Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito

Leia mais

ORIENTAÇÃO LEGAL ' GOMES, João Novaes 1 ; NOVAES, Valcemia Gonçalves de Sousa 2. Palavras-chave: diretos, criança, trabalhador, consumidor.

ORIENTAÇÃO LEGAL ' GOMES, João Novaes 1 ; NOVAES, Valcemia Gonçalves de Sousa 2. Palavras-chave: diretos, criança, trabalhador, consumidor. ORIENTAÇÃO LEGAL ' GOMES, João Novaes 1 ; NOVAES, Valcemia Gonçalves de Sousa 2. Palavras-chave: diretos, criança, trabalhador, consumidor. Introdução A cidade de Palmeiras de Goiás vem apresentando hodiernamente

Leia mais

REGRAS MÍNIMAS DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA, DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE (REGRAS DE BEIJING)

REGRAS MÍNIMAS DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA, DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE (REGRAS DE BEIJING) REGRAS MÍNIMAS DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A ADMINISTRAÇÃO DA JUSTIÇA, DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE (REGRAS DE BEIJING) PRIMEIRA PARTE - PRINCÍPlOS GERAIS 1. Orientações fundamentais 1.1 Os Estados Membros procurarão,

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0000.00.300188-0/000 Númeração 3001880- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Nilson Reis Des.(a) Nilson Reis 06/05/2003 18/06/2003 EMENTA: A gravo de

Leia mais

Guia do Usuário. Guia do Usuário

Guia do Usuário. Guia do Usuário Guia do Usuário APRESENTAÇÃO...1 I ESCLARECIMENTOS PRELIMINARES...2 Do Cadastro Nacional de Adoção CNA...2 Do Acesso e utilização do Cadastro Nacional de Adoção CNA...2 II. ESPECIFICAÇÕES GERAIS DO CNA

Leia mais

APRESENTAÇÃO. NOME DO TRABALHO: Reconhecimento Voluntário de Paternidade nas Unidades Prisionais

APRESENTAÇÃO. NOME DO TRABALHO: Reconhecimento Voluntário de Paternidade nas Unidades Prisionais APRESENTAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO: Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas/TJAM e-mail para contato ou envio de informações: gildoalves@tjamjusbr NOME DO TRABALHO: Reconhecimento Voluntário de Paternidade

Leia mais

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes.

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA Daiani

Leia mais

PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO. da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais.

PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO. da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais. PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO Nome do projeto Nome da Instituição Proponente Construindo Pontes Garantia da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais.

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013

BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013 INFORMATIVO num Editorial - 10ª Edição Prezado leitor, Nesta edição do Informativo Mensal do Escritório Ribeiro da Luz

Leia mais

Estatuto da Criança e do adolescente

Estatuto da Criança e do adolescente Luiz Octávio O. Saboia Ribeiro Juiz Auxiliar da CGJ Estatuto da Criança e do adolescente PROTEÇÃO INTEGRAL Os espinhos que me ferem são frutos dos arbustos que plantei. (Lord Byron) Art. 227. É dever da

Leia mais

VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE COMARCA DE JUIZ DE FORA - MG

VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE COMARCA DE JUIZ DE FORA - MG VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE COMARCA DE JUIZ DE FORA - MG Preparação Psicossocial e Jurídica de Pessoas Interessadas em Adoção ADOÇÃO A prática da adoção é bastante antiga > prática social, atravessada

Leia mais

Ref. Isonomia de jornada de trabalho entre Psicólogos e Assistentes Sociais Judiciários.

Ref. Isonomia de jornada de trabalho entre Psicólogos e Assistentes Sociais Judiciários. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Ref. Isonomia de jornada de trabalho entre Psicólogos e Assistentes Sociais Judiciários. AASPTJ-SP - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

PROJETO PADRINHO/ MADRINHA

PROJETO PADRINHO/ MADRINHA PROJETO PADRINHO/ MADRINHA É Dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do Poder Público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação,

Leia mais

2. CRITÉRIOS ADOTADOS NA ORGANIZAÇÃO DOS DADOS TABELAS E GRÁFICOS DO CENSO

2. CRITÉRIOS ADOTADOS NA ORGANIZAÇÃO DOS DADOS TABELAS E GRÁFICOS DO CENSO 2. CRITÉRIOS ADOTADOS NA ORGANIZAÇÃO DOS DADOS TABELAS E GRÁFICOS DO CENSO Para a perfeita compreensão das informações reproduzidas nas tabelas e gráficos que compõem o presente diagnóstico é fundamental

Leia mais