ACADEMIAS DE DIREITO DE SÃO PAULO E OLINDA: UM OLHAR SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA NA SEGUNDA METADE DO SÉC. XIX.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACADEMIAS DE DIREITO DE SÃO PAULO E OLINDA: UM OLHAR SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA NA SEGUNDA METADE DO SÉC. XIX."

Transcrição

1 ACADEMIAS DE DIREITO DE SÃO PAULO E OLINDA: UM OLHAR SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA NA SEGUNDA METADE DO SÉC. XIX. Gustavo dos Santos 1 Tanize Feijão Monteiro 2 Ilka Miglio de Mesquita 3 Eixo Temático: GT2 Educação e Ciências Humanas e Socialmente Aplicáveis. RESUMO: Este artigo tem como objetivo, realizar uma incursão sobre a história da educação na segunda metade do período imperial através das academias de direito de São Paulo e Olinda analisando suas propostas de modernização, construção e formação do Estado-Nação. Para tanto, pretendese identificar os problemas existentes na ausência de uma analise histórica mais aprofundada da história da educação brasileira no período imperial. Para tanto, foi feito uma pesquisa bibliográfica com seleção de livros que retratam sobre o assunto, existente na biblioteca da Universidade Tiradentes e em site voltados para a educação. Utilizou-se de técnicas de fichamento pra facilitar a compreensão da obra estudada. Portando, percebe-se que as academias de Direito de São Paulo e Recife desempenharam um papel importante na construção dos projetos de modernidade para a educação brasileira do século XIX. Palavras-Chaves: Educação Brasileira, Modernidade, Estado-Nacional e Academia. ABSTRACT This article aims, conduct a raid on the history of education in the second half of the imperial period through the academies right to São Paulo and Olinda analyzing their proposals for modernization, construction and formation of the nation-state. Therefore, we intend to identify existing problems in the absence of a more thorough historical analysis of the history of Brazilian education in the imperial period. To that end, we made a selection of books that portray about it, existing in the library of the University Tiradentes and site focused on education. Was used BOOK REPORT techniques to facilitate the understanding of the work studied. Porting, one realizes that the academies of São Paulo Law Recife and played a major role in the construction of projects of modernity for Brazilian education nineteenth century. Key Words: Brazilian Education, Modernity, State and National Academy INTRODUÇÃO: O estudo da história da educação no século XIX através das academias de direito de São Paulo e Olinda, traz uma importância muito significativa para os modelos de educação implantados no período imperial brasileiro. Contudo, é necessário realizar essa analise através de métodos típicos da História particular do período estudado. 1 Mestrando em 2 Graduanda em 3 Professora Doutora/UNIT- 1

2 Logo, surgi um questionamento em vem sendo derrubado entre os historiadores da educação brasileira, que consiste em um novo interesse pela história da educação escolar no Império. História esta que trás um novo olhar acerca dos procedimentos e objetivos do ensino imperial, além da inserção de aspectos internos na analise do contexto sociopolítico e cultural da época. Também é necessário que se diga que houve um período de bibliografias enfocando o Império apenas sob um ângulo de abordagem liberal. Negando qualquer tipo de evolução educacional nesse período. Sendo assim, percebe-se que, nessa perspectiva estudar história da educação serviria para compreender o presente e intervir no futuro por meio do estudo do passado, não repetindo os erros já cometidos ( LOPES e GALVÃO, 2010, p.22) Entretendo,não se pode negar a existência de uma preocuparão com o novo processo que se instalava no Império, qual seja, a institucionalização da instrução pública pela monarquia constitucional brasileira e dos projetos e debates da assembléia constituinte e legislativa. Segundo Lopes e Galvão, o interesse dos historiadores em pesquisar sobre o séc. XIX está em esse interesse talvez se justifique pelo desafio de mostrar que, muitos mais do que um hiato, esse momento foi fundamental para a institucionalização da escola brasileira. (2010, p.38) Logo, buscaremos trazer nesse trabalho um olhar diferente acerca da história da educação no império brasileiro revelando novas perspectiva de analise pelos métodos da história, tendo consciência de que a história será sempre um conhecimento mutilado: só conta aquilo que foi possível saber, o passado, nunca é demais repetir, é uma realidade inapreensível. (LOPES e GALVÃO, 2010, p.67) Este artigo tem como objetivo, realizar uma incursão sobre a história da educação na segunda metade do período imperial através das academias de direito de São Paulo e Olinda analisando suas propostas de modernização, construção e formação do Estado-Nação. Para tanto, pretende-se identificar os problemas existentes na ausência de uma analise histórica mais aprofundada da história da educação brasileira no período imperial. 2

3 Neste trabalho iremos ter como norteamento questionamentos que muitas vezes leva-nos a discutir qual o real papel das Academias de Direito de São Paulo e Olinda na construção e formação do Estado-Nação. Foi feito uma seleção de livros que retratam sobre o assunto, existente na biblioteca Jacinto Uchôa, na Universidade Tiradentes e em site voltados para a educação. Utilizou-se de técnicas de fichamento pra facilitar a compreensão da obra estudada. BREVE HISTÓRIA DAS ACADEMIAS DE DIREITO DE SÃO PAULO E OLINDA. A Academia de Direito de São Paulo foi criada em 11 de agosto de 1827, no velho convento de São Francisco; e no dia primeiro de março de 1828 foi proferida a aula inaugural. O curso tinha a duração de cinco anos com duas cadeiras para cada ano e a idade mínima dos estudantes iniciantes nos cursos jurídicos era de 15 anos completos, desde que fossem aprovados em Gramática Latina, Retórica, Língua Francesa, Filosofia Racional e Moral, Geometria e, com o passar dos anos foram incluídas para o ingresso história, geografia e língua inglesa. Para a preparação desse ingresso, o governo criara o Curso Anexo à Faculdade, substituído em 1893 pelo Ginásio do Estado. Porém, nos primeiros cinco anos de academia foram permitidos aos estudantes ingressarem sem os exames de Aritmética e Geometria. O curso de Direito abrangeu as cadeiras: o primeiro ano trouxera Direito Natural e Direito Público, Análise da Constituição do Império, Direito das Gentes e Diplomacia; o segundo, a continuação das cadeiras do ano anterior, acrescentado do Direito Público Eclesiástico; o terceiro ano, na primeira cadeira o Direito Pátrio Civil e na segunda o Direito Pátrio Criminal, com teoria do Processo Criminal; o quarto ano, na primeira cadeira a continuação do Direito Pátrio Civil e na segunda com Direito Mercantil e Marítimo; no quinto e último ano, a primeira cadeira contou com os estudos de Economia Política e a segunda com a Teoria e Prática do Processo adotado pelo Império. O curso jurídico de Olinda foi instalado em 15 de maio de 1828, no mosteiro São Bento. As aulas começaram a ser ministra apenas a partir de 02 de junho, na primeira turma do curso forma matriculados entre 38 e 41 estudantes tendo como 3

4 diretor Pedro de Araújo Lima. No que fere a organização do curso jurídico de Olinda era semelhante ao da Academia de Direito de São Paulo, o curso tinha duração de cinco anos distribuídas em disciplina como Direito Natural, Direito Público, Direito Pátrio, Direito Civil e Economia política dentre outras e tendo a política como maior ênfase nas discussões no interior das salas de aulas. Vale dizer que a Igreja Católica tinha grande influencia na Faculdade de Olinda, por conta da premiação, a cada dois anos de cinquenta mil réis, a dois alunos aplicados, cedido pela congregação de São Bento. A partir de 1854 a Faculdade de Olinda deve sua sede transferida para Recife, com isso transferindo não só o espaço geográfico mais também o meio intelectual. As Academias de Direito de São Paulo e Recife desempenharão um papel importante no projeto de construção do Estado Nacional, uma vez que os projetos de Brasil no início do período Imperial constituíam-se de uma proposta de modernização do Império brasileiro no século XIX. Muitos dos seus egressos exerceram cargos administrativos no Império do Brasil. Após a Independência do Brasil em 1822, com o advento da monarquia constitucional o Império vivenciou um período de intensos debates acerca da educação e também de incentivo a educação, aliais, deste a vinda da Família Real portuguesa para o Brasil (1808),a preocupação fundamental do governo, no que se refere à educação, passou a ser a formação das elites dirigentes do país. com Biblioteca pública do Rio de Janeiro (Sede do governo),academia de Belas Artes, Academia Real da Marinha (1808), Academia Real Militar (1810), Academia Médico-cirúrgica da Bahia (1808), Academia Médico-cirúrgica do Rio de Janeiro (1809) e Criação da Imprensa Régia. A Constituição outorgada em 1824, estabelece a instrução primária é gratuita para todos os cidadãos. Em 15 de outubro de 1827, a Assembléia Legislativa aprovou a primeira lei sobre a instrução pública nacional do Império do Brasil, estabelecendo que em todas as cidades, vilas e lugares populosos haverá escolas de primeiras letras que forem necessárias. Com isso, os presidentes de província definiam os ordenados dos professores; As escolas deviam ser de ensino mútuo; Devem ser ensinados os princípios da moral cristã e de doutrina da religião católica e apostólica romana; Deve ser dada 4

5 preferência aos temas, no ensino de leitura, sobre a Constituição do Império e História do Brasil. O ano de 1850 trata-se do período de consolidação do Império e início do II Reinado, tratando-se de projetos de modernização com mudanças de legislações, configuração dos partidos políticos liberal e conservador, desenvolvimento de ferrovias, mudanças no cenário das cidades, adquirindo outra fisionomia trazida pelo crescimento das exportações do café, principal produto de comercialização. O ano de 1889 configura-se outro regime a República Brasileira. Por outro lado, Sérgio Adorno adverte: Por volta dos fins da década de 1860, transformações que se operavam na sociedade brasileira, sobretudo a lenta e penosa superação do escravismo e a emergência da ordem social competitiva, reclamavam soluções de ordem prática, dificilmente encontráveis no espírito do filósofo francês ( ADORNO, 1988, p.99) Essa superação veio com o advento do positivismo, princípios filosóficos diferentes penetraram na Academia de Direito de São Paulo e Recife. Princípios estes que conduziam os bacharéis e seus propósitos de renovação espiritual, científica e política, para o universalismo e para o humanismo, ou seja, a uma visão harmônica e unitária da realidade, que atraía os acadêmicos num sentido social e ético a identificarse com instrumentos pedagógicos de ação política. Contudo, contribuiremos para o campo da História da educação ao evidenciar o processo de formação dos bacharéis e doutores da Academia de Direito de São Paulo e Recife, pois sabe-se que foram eles, enquanto gestores do Império e construtores das leis, que regiam e projetavam a educação. Perpassarmos, assim, por um período da História da Educação Brasileira, envolvendo principalmente um momento de tentativa de modernidade no projeto de construção e consolidação do Estado Nacional, pós-independência, que exigira novas medidas de governança. O ESTUDO CIENTÍFICO DA EDUCAÇÃO ATRAVÉS DOS MÉTODOS HISTÓRICOS O estudo científico da educação, efetivamente enquanto campo da ciência é educação. Se nos remetermos a ao passado veremos existia várias formas de educar: a Teologia (Educar para vida eterna) e filosofia, e aqui cabe um parêntese para dizer que 5

6 todos esses modelos de educar está intimamente ligado a projetos de modernidade. No caso da filosofia, tem seus moldes construídos no período renascentistas, com uma educação ligada ao ato de civilizar, algo que brota a partir do período denominado historiograficamente como Modernidade. A história enquanto campo da ciência é um conjunto de fatos que realmente aconteceram, processos que efetivamente foram vividos, a historiografia se enquadra como modo de se escrever e pensar a história. Mas sabe-se ainda que a história resulta de uma seleção arbitrária de escolha de fontes e de evidências. Porém embora os historiadores posam tomar a decisão de selecionar essas evidências, e escrever uma história de aspectos isolados do todo (...) o objeto continua unitário( THOMPSON, 1981, p.50) Sendo assim, a história se apresenta enquanto reino das incertezas. A corrente ideológica do marxismo vai dizer que vivíamos em uma sociedade comunal primitiva, ou seja, o homem vivia dos frutos da natureza e que depois os homens na tentativa de dominar a natureza chegamos ao escravismo, sem que disponhamos desse trabalho para viver. Esse movimento causou insurreições, por isso o homem necessitou de exercido para defender seus territórios. Agora o homem passa assumir o domínio também dos meios de produção, surge o Capitalismo. Mas o que a escola tem haver com isso? A escola passa a agir como reprodutora do capitalismo, operando como os filhos das classes trabalhadoras a fim de convencer-los que a sociedade é democrática e a ascensão social é possível. Então para que educar os filhos das classes trabalhadoras? Simples, para que eles tivessem que se conformar com a exploração. No texto A Miséria da Teoria Thompson traz uma reação a toda essa tradição típica da teoria francesa de Althusser, que por sua vez afirma que vai dizer, quem estrutura o meio em que estamos é a economia, daí a necessidade de surgimento de Estado, leis e instituições escolares. Esse movimento, tipicamente francês, também ocorre no Brasil oitocentista com os bacharéis de direito das Academias de Direito de São Paulo e Olinda. Entretanto, Thompson diz que não há teoria que não possa ser questionada e que devemos ir aos teóricos como um amigo que vai tirar nossas dúvidas. Portanto, a 6

7 verdade história só pode ser revelada dentro da própria teoria, pelos procedimentos teórico (THOMPSON, 1981, p.24). E Humberto Eco acrescenta que os fatos é para servir as teorias, ao invés de a teoria servir aos fatos ( ECO, 1991, p.30). Toda essa discussão intelectual é típica do final do século XIX na Europa. Ao criticar a estruturalismo althusseriano, Thompson, traz o conceito de experiência como chave de qualquer procedimento de pesquisa histórica. Existe uma diferença entre os conceitos de experiência e de observação, fora disso estamos no campo das especulações. Segundo Thompson (1981), A experiência uma categoria que, por mais imperfeita que seja, é indispensável ao historiador, já que compreender a resposta mental e emocional, seja de um individuo ou de um grupo social, a muitos acontecimentos inter-relacionados ou a muitas repetições de mesmo tipo de acontecimento. (p.15) Logo, é necessário na pesquisa histórica ter as evidências. A evidência histórica existe, em sua forma primária, não para revelar seu próprio significado, mas para ser interrogada por mentes treinadas numa disciplina de desconfiança atenta. (THOMPSON, 1981, p.38). Dessa forma, quando Althusser, diz que a escola forma para alienar os filhos das classes trabalhadora ele precisa mostrar as evidências. Até porque a história não oferece um laboratório de verificação experimental, oferece evidências de causas necessárias (...) mas nunca de causas suficientes (THOMPSON, 1981, p.48). No que fere a lógica histórica Thompson diz: Os modos de escrever a história são tão diversos, as técnica empregadas pelos historiadores são variadas, os temas da investigação são tão díspares e, acima de tudo, as conclusões são tão controversas e tão veementemente contestadas dentro da profissão, que é difícil apresentar qualquer coerência disciplinar.( 1981, p.48) Humberto Eco seu livro O signo de Três nos mostra que muitas vezes as fontes se comunicam conosco de forma involuntária, porém e necessário que se faça um esforço par levantar suposições, Foi somente quando ele se esforçou a fazer o que aparentemente seria uma suposição cega, que ele se deu conta de que ele mesmo havia percebido esse sinal revelador de uma maneira, como ele diz, autoinconsciente.(eco,1991,p.22) 7

8 Logo, o pesquisador deve atuar como um detetive no processo de consulta de suas fontes, tendo as qualidades necessárias para a pesquisa, dentre eles podemos destacar os poderes de observação, dedução e conhecimento do objeto de pesquisa e quais fontes utilizará. Entretanto sabe-se que existe limites entre os conceitos de observação e dedução.um ponto de bastante relevância na pesquisa é o fato da observação das insignificâncias para melhor apurar os fatos e evidências de uma pesquisa. Através de uma perspectiva da Nova História Cultural, buscaremos por meio de uma avaliação da estrutura curricular, das Teses e Dissertações defendidas pelos bacharéis de Direito de Faculdade de São Paulo e Recife, analisar a relação entre ciência e cultura política e jurídica no processo de formação destes entre o período de 1850 á Realizamos esse trabalho baseados nos estudos de Sérgio Adorno que apresenta-nos como se organizava e como se constituía a estrutura curricular das Academias de Direito de São Paulo e Recife buscando responder as indagações e atender os objetivos do trabalho. A história dos intelectuais, segundo Sirinelli, por muito tempo teve seus status negado pela chamada história nova, mas sem muito aprofundamento que justificasse a negação. Em poucos anos tornou-se, assim, um campo histórico autônomo e aberto situado no cruzamento das histórias política, social e cultural. Vale ressaltar, ainda que esse tipo de História tem um forte teor ideológico, na qual o pesquisador, bem ou mal um intelectual ele próprio está imerso (SIRINELLI, 1996,p.234). Também será estudado nesse trabalho. O historiador Thompson (1981) lembra-nos que o real chega até nós a partir das evidências, ou seja, no momento de diálogo com o objeto em questão e entre evidências e teorias. Através das produções dos acadêmicos observa-se como ele processaram as ideias teorias a eles apresentadas em sua formação inicial e como os mesmos concebiam o projeto de modernização do Estado Nacional consolidado e os apresentavam em suas produções bibliográficas. 8

9 Sendo assim, questiona-se as escolhas das disciplinas oferecidas pelo curso, a sequência lógica das cadeiras bem como o tempo de duração de cada disciplina no curso, além de suas mudanças ao longo do período em foco, tanto um olhar especial ao período em que ouve reforma na academia, qual seja 1857, por Couto Ferraz; 1865, a reforma de Liberato Benosa ( que não chegou a vigorar) e por fim, no que fere ao recorte temporal deste trabalho, a de Leôncio de Carvalho em Dessa forma, o diálogo com as fontes permite-nos analisar os elementos intrínsecos e extrínsecos contidos no que o registro documental é capaz de nos falar a respeito de um passado e, para tanto, no ato da investigação, levantar uma série de indagações com base nas reflexões sobre o procedimento histórico que devem ser levados em considerações na construção da narrativa. Contudo, os documentos exigem que sejam retomados de sua materialidade, de sua condição de objeto, isto é, um resultado de produção e apropriação por homens determinados historicamente (MARSON, 1984, p. 51-4). São fontes providas de significações e de possibilidades para uma investigação histórica. Sabe-se ainda que raramente encontra-se as fontes pesquisadas disponíveis para consulta. Na maior parte das vezes, a coleta seleção, recuperação e, finalmente, a organização das fontes demandam tempo, no entanto, constituem também uma das etapas do trabalho. Assim, é fundamental ao historiador visualizar os documentos e testemunhos como interrogáveis e questionáveis para a construção do conhecimento, pois estes documentos não falam por si só, precisão ser lapidados, para que inquiridos, a investigação histórica assuma sua direção preestabelecida. Todos esses cuidados no tratamento das fontes constituem como ferramentas próprias do oficio do historiador, como propõe a produção histórica pensada e praticada pelo historiador Thompson de interação entre sujeito e objeto e suas construções. Logo, esse estudo assume um arranjo de uma pesquisa histórica estrelada a uma analise bibliográfica e documental, todas fundadas no processo teóricometodológico da Nova história cultural. 9

10 LUGAR DAS ACADEMIAS DE DIREITO DE SÃO PAULO E OLINDA NA FORMAÇÃO DO ESTADO-NACIONAL Na tentativa de solucionar ao tempo em que propunha-se a superar, ainda que de modo ambíguo, o passado colonial e implantar uma nova Era na história do Brasil, o curso de Direito da Academia de São Paulo e Recife em meados do século XIX apresentava, pela proposta de formação, a elite intelectual para fazer frente à fase de inovações e projetos de modernização. Sendo assim, os bacharéis em Direito busca na Academia, que por sua vez já constituía como meio de acessão social no inicio dos oitocentos, uma oportunidade de ocupar um espaço político no Império do Brasil. Será essa relação entre ciência e política, tendo em vista a formação dos bacharéis e doutores da Academia de Direito de São Paulo e Recife, que propõe ser aportado neste trabalho de investigação histórica. Nesse sentido, observa-se que essa nova figura intelectual faz parte dos projetos de Brasil, uma vez que o ensino superior torna-se imperativo para a formação de lideranças políticas do novo Estado. A Academia de Direito de São Paulo e Recife tornam-se um dos berços intelectuais e políticos da época, contribuindo na formação e desenvolvimento social e cultural do Brasil oitocentista, promovendo princípios de um projeto civilizador no Império. Para Sérgio Adorno, por influência do jus-naturalismo, a estrutura curricular exposta pela academia de Direito de São Paulo: (...) testemunha o modo ambíguo pelo qual se acreditava, àquela época, superar o passado imediatamente colonial, formando, através do ensino jurídico, uma elite intelectual aberta à modernidade. Porém, ao mesmo tempo em que procurava conferir amplo reconhecimento ao papel desempenhado pelas ciências políticas e sociais na formação de homens hábeis para serem um dia sábios magistrados e peritos advogados de que tanto se carece e dignos deputados e senadores para ocuparem os lugares diplomáticos e mais empregos do Estado (...), a estrutura curricular insistia em arcaicas noções de Direito Público Eclesiástico para ponderar as relações entre Igreja e Estado, chegando mesmo a se apoiar em princípios que se supunham universais e imutáveis. (1988, p ) Entretanto a inclusão da cadeira de Economia Política no quinto ano do Curso era garantida a inovação curricular, apesar de apresentar orientações filosóficas e ideias jurídicas conflitantes. (ADORNO, 1988, p.96) 10

11 No que fere os limites da estrutura curricular do curso de Direito da Academia de Direito paulista e de Recife, Adorno (1988) evidencia ainda que: Parece pouco provável que a estrutura curricular tenha sido eficaz do ponto de vista pedagógico. Depoimentos históricos deixam mesmo entrever uma certa desilusão frente ao quadro geral do ensino jurídico. A deficiente qualidade didática dos mestres parecia tônica geral, pela frequência com que os cronistas tecem comentários nem sempre elogiosos, sobre a personalidade de determinados lentes. (ADORNO, 1988, p.103) Para assumir determinadas cadeiras dos componentes de disciplina curricular, nove lentes proprietários deveriam ser nomeados. Só poderiam ser lentes da academia de São Paulo e Recife aqueles que tivessem adquirido o grau de doutor, que por sua vez só adquiria o titulo de doutor através da defesa de teses, seguida de dissertações escritas sobre um tema apresentado. Caso não existissem compêndios relativos às doutrinas poderia ser criado conforme a aprovações de membros da congregação e pela assembleia geral, seguido de impressão e distribuição do governo. Essa fiscalização e controle sobre a elaboração dos compêndios não deixou de gerar conflitos entre o governo, a congregação e os lentes. (ADORNO, 1988, p. 151) Entretanto, sabe-se que foram ineficazes as ações intimidáveis lançadas pelo Ministério Imperial, como afirma Sérgio Adorno: Ao contrario, tudo leva a crer que, na prática, a academia de Direito de São Paulo gozava de autonomia. Ressalte-se que suas reuniões e deliberações eram efetuadas sob sigilo, por força de ato exarada pelo próprio Ministério do Império, a 18 de novembro de Essa autonomia conseguiu produzir uma vida acadêmica tão peculiar que a formação profissional e cultural do bacharel não pode, por consequência, ser atribuída ao padrão de ensino jurídico dominante na faculdade. (1988, p.153) Embora tais medidas possam parecer que o Estado Brasileiro exercia forte controle sobre o que deveria ser ensinado aos estudantes, os estudos empíricos de Sérgio Adorno (1988) evidenciaram que: A despeito de todas as possibilidades que se ofereciam à ação governamental, os controles burocráticos sobre a administração do processo de ensino-aprendizagem nunca foram, efetivamente, eficazes e tampouco feriram a autonomia das práticas acadêmicas. Se, formalmente, os estatutos limitavam e subordinavam a atuação do corpo acadêmico ao Estado patrimonial brasileiro, na prática, a estrutura didática e administrativa se desenvolveu ao sabor das 11

12 relações sociais dominantes no interior da academia. Era a congregação o órgão que, em última instância, detinha o controle e as decisões sobre o cotidiano acadêmico e que interpretava, segundo seus interesses, as normas e regras instituídas pelo governo. De fato, durante quase todo o curso do século XIX, a principal característica do ensino jurídico no Império foi o conflito entre a academia real e a academia formal. (1988, p ) A academia formal, conviveu com inúmeros problemas em sua prática didáticas e pedagógicas, visto que muitas cadeiras ficavam vazias pela falta de lentes proprietários, que abandonavam a docência para ocupar cargos administrativos no Império, causando danos a formação dos estudantes, que por sua vez ocupava o tempo livre nos pátios das Arcadas em reuniões recitando poesia e falando sobre problemas de ordem política. Sendo assim, Adorno (1988) nos lembra que a atividade didático- pedagógica foi política no sentido de estimular um aprendizado que, seguramente nenhuma outra instituição imperial foi capaz. (ADORNO, 1988, p.154) Com a criação das Faculdades de Direito, São Paulo e Recife foi modificada com a intensificação de suas atividades culturais, pois estes se dedicaram à produção de jornais e revistas, introduzindo uma imprensa acadêmica dotada de artigos sobre literatura, política e direito, colocando em evidência a irreverência estudantil. Muitos artigos tinham forte conotação política de ideário liberal, em defesa da Abolição da Escravatura e mais tarde da construção da República do Brasil. Para Sérgio Adorno: REFERÊNCIAS Muito mais do que uma simples escola de transmissão de ciência, a Academia de Direito de São Paulo foi uma verdadeira escola de costumes. Humanizou o embrutecido estudante proveniente do campo; civilizou os hábitos enraizados num passado imediatamente colonial; disciplinou o pensamento no sentido de permitir pensar a coisa política como atividade dirigida por critérios intelectuais; enfim, moralizou o universo da política ao formar uma intelligentzia capaz de se pôr à frente dos negócios públicos e de ocupar os principais postos diretivos do Estado. (1988, p. 155) ADORNO, Sergio. Os aprendizes do poder. Rio de Janeiro: Paz e terra, CASTANHO, Sérgio. Institucionalização das instituições escolares: Final do Império e Primeira República no Brasil. In: SARVIANE, Dermeval; NASCIMENTO,Maria Isabel Moura; SANDANO, Wilson;LOMBARDI,José Claudinei (Orgs). Instituições 12

13 Escolares no Brasil: conceitos e reconstituição Histórica. São Paulo: Autores Associados, 2007.Cap.3, p COELHO, Edmundo Campos. As Profissoes Imperiais: Medicina Engenharia e Advocacia no Rio de Janeiro Rio de Janeiro: Record, FARIA FILHO, Luciano Mendes de. Os projetos de Brasis e a questão da instrução no nascimento do Império. In: VAGO, Tarcísio Mauro [et.al] organizadores. Intelectuais e Escola Pública no Brasil: séculos XIX e XX. Belo Horizonte: Mazza Edições, FARIA FILHO, Luciano Mendes de; XAVIER, Maria do Carmo. Moderno, Modernidade, Modernização: a educação nos projetos de Brasil séc. XIX e XX. Belo Horizonte: CNPq; GEPHE/FAE/UFMG, GIL, Natália; ZICA, Matheus da Cruz e; FARIAS FILHO, Luciano Mendes(Orgs). Moderno, Modernidade e Moderniazação: a educação nos projetos de Brasil sec. XIX e XX. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012.v.1 LOPES, Eliane Marta Santos de Teixeira; GALVÃO, Ana Maria de Oliveira. Território Plural: a pesquisa em história da educação. São Paulo: Ática, LUCA, Tânia Regina de. Fontes impressas: história dos, nos e por meio dos periódicos.in:pinsky, Carla Bassanezi.Fontes Históricas.2 Ed. São Paulo: Contexto, 2006.Cap.4,p MARSON, Adalberto. Reflexões sobre o procedimento histórico. In: SILVA, Marcos (org.). Repensando a história. 2. ed. São Paulo: Marco Zero, 1984, MIGUEL, Maria Elisabeth Blanck. Os arquivos e fontes como conhecimento da história das instituições escolares. In: SARVIANE, Dermeval; NASCIMENTO,Maria Isabel Moura; SANDANO, Wilson;LOMBARDI,José Claudinei (Orgs). Instituições Escolares no Brasil: conceitos e reconstituição Histórica. São Paulo: Autores Associados, 2007.Cap.2, p SAVIANE, Dermeval. Instituição Escolares no Brasil Conceito e Reconstrução Histórica. In: SARVIANE, Dermeval; NASCIMENTO,Maria Isabel Moura; SANDANO, Wilson;LOMBARDI,José Claudinei (Orgs). Instituições Escolares no Brasil: conceitos e reconstituição Histórica. São Paulo: Autores Associados, 2007.Cap.1, p VAMPRÉ, Spencer. Memórias para a História da Academia de São Paulo. 2 ed., Brasília: INL, Conselho Federal de Cultura, 1977, v.1-2. SIRINELLI, Jean François. Os Intelectuais. IN: RÉMOND, René (Org.) Por uma História Política. Rio de Janeiro: Editora UFRJ: Fundação Getulio Vargas p

14 SIRINELLI, Jean François. Elites Culturais. IN: RIOUXJ, Jean Pierre; SIRINELLI, Jean François (Org.) Por uma História Cultural. Lisboa: Editora Estampa p THOMPSON, E. P. A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser. Trad. Waltenssir Dutra. Rio de Janeiro: Zahar,

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo:

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo: Resumo: Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1 Este artigo apresenta uma breve análise de como esta se desencadeando o processo de inclusão de crianças com necessidades especiais nas instituições

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

1 POLÍTICA PÚBLICA DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: UM OLHAR SOBRE A UTILIZAÇÃO DO ENEM/SISU NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA

1 POLÍTICA PÚBLICA DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: UM OLHAR SOBRE A UTILIZAÇÃO DO ENEM/SISU NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA 1 POLÍTICA PÚBLICA DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: UM OLHAR SOBRE A UTILIZAÇÃO DO ENEM/SISU NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA 1. Introdução Janete dos Santos Universidade Federal da Bahia sajanetes@gmail.com

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação. Teoria da Educação

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação. Teoria da Educação Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação Teoria da Educação Prof. Dra. Pura Lucia Oliver Martins SEMINÁRIO ANÍSIO TEIXEIRA

Leia mais

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão Identificação da Ação Proposta Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Área Temática:

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT

INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT Luciano Feliciano de Lima Universidade Estadual de Goiás lucianoebenezer@yahoo.com.br Resumo: Esse minicurso tem por objetivo evidenciar possibilidades

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 UMA ANÁLISE DA PERSPECTIVA DOS GRADUANDOS DO CURSO DE MATEMÁTICA DAS MODALIDADES DE LICENCIATURA E BACHARELADO DA UFRN SOBRE A FORMAÇÃO CONTINUADA STRICTO SENSU Claudianny Noronha Amorim Universidade Federal

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI.

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. BORTOLI, Bruno de (PIC/UEM) MARQUIOTO, Juliana Dias (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX Bruno Alves Dassie Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro Universidade Estácio de Sá O objetivo desta

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO PEDAGOGO 01. Um pedagogo que tem como pressuposto, em sua prática pedagógica, a concepção de que o aluno é o centro do processo e que cabe ao professor se esforçar para despertar-lhe a atenção e a curiosidade,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM CURSOS

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas Descrição da infraestrutura física destinada aos cursos, incluindo laboratórios, equipamentos instalados, infraestrutura de informática e redes de informação. Relação de laboratórios, oficinas e espaços

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO EM MATEMATCIA: CONTRIBUIÇÕES NO ENSINO - APRENDIZAGEM VIA RESOLUÇAO DE PROBLEMAS

REPENSANDO O ENSINO EM MATEMATCIA: CONTRIBUIÇÕES NO ENSINO - APRENDIZAGEM VIA RESOLUÇAO DE PROBLEMAS REPENSANDO O ENSINO EM MATEMATCIA: CONTRIBUIÇÕES NO ENSINO - APRENDIZAGEM VIA RESOLUÇAO DE PROBLEMAS RESUMO Poliana de Brito Morais 1 Silvanio de Andrade 2 Este artigo tem como objetivo discutir nossa

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO AS CONTRIBUIÇÕES DAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Resumo Elaine Carvalho de Campos Abib¹ Este trabalho foi realizado com base nas características das Tendências Pedagógicas e nas

Leia mais

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características:

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características: 14. HISTÓRIA DAS UNIVERSIDADES Um universitário de hoje talvez imagine que a ciência sempre foi parte integrante dessas instituições, mas a ciência chega relativamente tarde à comunidade universitária,

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

Ciclo de Audiências Públicas Comissão de Educação Senado Federal

Ciclo de Audiências Públicas Comissão de Educação Senado Federal Ciclo de Audiências Públicas Comissão de Educação Senado Federal Depoimento de Fredric M. Litto Presidente da ABED-Associação Brasileira de Educação a Distância Brasília, 5 de julho de 2007 ABED-Associação

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

TERCEIRO SETOR E EDUCAÇÃO NA PRODUÇÃO ACADÊMICA DA REGIÃO SUDESTE, ENTRE 1995 E 2004

TERCEIRO SETOR E EDUCAÇÃO NA PRODUÇÃO ACADÊMICA DA REGIÃO SUDESTE, ENTRE 1995 E 2004 TERCEIRO SETOR E EDUCAÇÃO NA PRODUÇÃO ACADÊMICA DA REGIÃO SUDESTE, ENTRE 1995 E 2004 Ana de Godoy Weisz 1 O trabalho se propôs a pesquisar a tendência da produção acadêmica quanto à inserção do Terceiro

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO MEDIADOR DIDÁTICO CONCEITUAL NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DOS ANOS INICIAIS

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO MEDIADOR DIDÁTICO CONCEITUAL NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DOS ANOS INICIAIS 1 A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO MEDIADOR DIDÁTICO CONCEITUAL NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DOS ANOS INICIAIS Lúcia Helena Bezerra Ferreira Universidade Federal do Piauí luchbf@gmail.com RESUMO

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar.

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar. Curso de Formação de Professores Primários da Escola Normal de Caetité Ba no Período de 1925 a 1940: Análise das Transformações Curriculares do Ensino de Matemática. Márcio Oliveira D Esquivel 1 GD5 História

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE ALMEIDA 1, Leonardo Rodrigues de SOUSA 2, Raniere Lima Menezes de PEREIRA

Leia mais

ASSISTÊNCIA E PROFISSIONALIZAÇÃO DO EXÉRCITO: ELEMENTOS PARA UMA HISTÓRIA DO COLÉGIO MILITAR DA CORTE (1889-1906) CUNHA, GT:

ASSISTÊNCIA E PROFISSIONALIZAÇÃO DO EXÉRCITO: ELEMENTOS PARA UMA HISTÓRIA DO COLÉGIO MILITAR DA CORTE (1889-1906) CUNHA, GT: ASSISTÊNCIA E PROFISSIONALIZAÇÃO DO EXÉRCITO: ELEMENTOS PARA UMA HISTÓRIA DO COLÉGIO MILITAR DA CORTE (1889-1906) CUNHA, Beatriz da Costa e UERJ GT: História da Educação / n.02 Agência Financiadora: CNPq

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UNIVERSIDADE

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE A INSTITUIÇÃO A Universidade Livre do Meio Ambiente - Unilivre, instalada em Curitiba, Paraná, é uma organização não governamental sem fins lucrativos, recentemente

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Mary Clevely Mendes Programa de Iniciação Científica UEG / CNPq Orientador (Pesquisador-líder):

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO?

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? Daniella Brito de Oliveira Cotrim¹, Luciana Maria Pereira Rocha², Viviane Silva Santos Malheiros³, Kalyanne Pereira de Oliveira 4 1 Discente do curso de

Leia mais

A FAMÍLIA E O ADOLESCENTE APRENDIZ

A FAMÍLIA E O ADOLESCENTE APRENDIZ 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A FAMÍLIA E O ADOLESCENTE APRENDIZ BARRETO, Adriano Albuquerque

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS

LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS CAIADO, Katia Regina Moreno Docente da Faculdade de Educação da Puc-Campinas Doutoranda na Faculdade de Educação da USP. INTRODUÇÃO

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

O FORDISMO ACADÊMICO NA EDUCAÇÃO FÍSICA

O FORDISMO ACADÊMICO NA EDUCAÇÃO FÍSICA O FORDISMO ACADÊMICO NA EDUCAÇÃO FÍSICA GRAD. EDUARDO RUMENIG SOUZA Mestrando em Educação Física pela Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo e Professor da Rede Pública Municipal

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

RE-CONSTRUINDO A EDUCAÇÃO DE ITABUNA-BA: 1930 A

RE-CONSTRUINDO A EDUCAÇÃO DE ITABUNA-BA: 1930 A RE-CONSTRUINDO A EDUCAÇÃO DE ITABUNA-BA: 1930 A 1945 ASSIS, Raimunda Alves Moreira de UESC UFF GT: História da Educação / n.02 Agência Financiadora: FAPES Neste texto apresento o resultado das principais

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais