EM BUSCA DO ANEL DE GRAU: UNIVERSITÁRIOS DE DIREITO BOLSISTAS DO PROUNI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EM BUSCA DO ANEL DE GRAU: UNIVERSITÁRIOS DE DIREITO BOLSISTAS DO PROUNI"

Transcrição

1 ÁREA TEMÁTICA: ST1 SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO EM BUSCA DO ANEL DE GRAU: UNIVERSITÁRIOS DE DIREITO BOLSISTAS DO PROUNI GIANEZINI, Quelen Bacharel em Ciências Sociais, Acadêmica de Licenciatura em Sociologia, Mestre em Sociologia e Doutoranda, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

2 2 de 14

3 Resumo De 2000 a 2010 conquistaram o diploma de Bacharel em Direito estudantes no país e em Mato Grosso (Amazônia Legal Brasileira), caracterizando-se como o terceiro curso de graduação mais procurado pelos estudantes brasileiros. Nesse universo encontra-se uma enorme diversidade cultural presente na expansão desse nível de ensino. O objetivo foi analisar os habitus herdados e adquiridos a partir das trajetórias de universitários e suas motivações para escolher uma profissão jurídica sob a luz da teoria bourdieusiana. Focou-se nos universitários do curso de direito matriculados na Universidade de Cuiabá (UNIC) por dois motivos: o primeiro por serem desprovidos de recursos financeiros e o segundo por terem sido contemplados com bolsas do Programa Universidade para Todos (PROUNI). O estudo teve como ponto de partida as seguintes indagações: quais são os habitus herdados da família e os novos habitus solicitados e adquiridos silenciosamente no campo universitário jurídico? Novos capitais são agregados? ou Há subtração dos antigos capitais? Se sim, em que medida ocorrem? A pesquisa empírica foi desenvolvida mediante a realização de entrevistas semiestruturadas e faz parte de uma pesquisa maior (tese de doutorado) denominada o processo de expansão do ensino jurídico. Como resultado preliminar constatou-se que as relações que os iniciados (universitários de direito) passaram a ter no campo oculto (ensino jurídico), através das práticas jurídicas voluntárias, contribui no aumento do capital social e cultural tendo como efeito secundário o estabelecimento de uma melhor relação com a sua família e com a sua própria comunidade. Abstract From 2000 to 2010, 776,995 Brazilian students had concluded a BA in law, including the 14,020 students in Mato Grosso state (Brazilian Amazon). It means that this is one of the three most popular undergraduate courses in Brazil. In this context there is a huge cultural diversity present in the expansion of this educational level. The aim of our paper was to analyze the habitus inherited and acquired from the trajectories of students and their motivations to choose a legal profession in light of the theory bourdieusian. Our focus were the law students from the University of Cuiabá (UNIC) for two reasons: first because they lack financial resources; and second because they awarded scholarships from the University for All Program (PROUNI). The study had as its starting point the following questions: what are the habitus of the family legacy and new habitus acquired in the university field? New habitus are aggregated or subtracted? If yes, to what extent do they occur? The empirical research was carried out by conducting semi-structured interviews and is part of a larger research project (doctoral thesis) entitled The expansion of legal education. As a preliminary result it was found that the relationship that freshmen (college of law) came to have in the hidden field (legal education) through voluntary legal practices, contributes to increased social and cultural capital as a secondary effect with the establishment of a better relationship with their families and their communities. Palavras-chave: Mato Grosso; Cuiabá; UNIC; PROUNI; Universitários do Curso de Direito; Keywords: Mato Grosso; Cuiabá; UNIC; PROUNI; Law Higher Students; PAP de 14

4 4 de 14

5 Em busca do anel de grau: universitários de direito bolsistas do PROUNI 1. Introdução O nível de escolaridade da população brasileira vem crescendo nos últimos anos. No período de 2004 a 2009, o contingente daqueles que concluíram o ensino médio passou de 18,4% para 23% (IBGE, 2010). O percentual de crianças entre seis e quatorze anos que frequentavam a escola passou de 96,1%, para 97,6%. No ensino médio, a proporção dos jovens de quinze a dezessete anos que frequentavam a escola atingiu 85,2% (PNAD, 2009). No entanto, dados do Censo da Educação Superior (CES), de 2008, evidenciam um dos principais problemas nacionais: o baixo acesso à educação superior de jovens na faixa etária entre 18 e 24 anos: 13,9% (CES, 2008). As políticas de expansão têm se revelado como um dos fatores capazes de permitir o acesso às classes menos favorecidas. O sistema de ensino superior brasileiro é grande e heterogêneo (BALBACHEVSKY, 2007). Sua expansão vem sendo divulgada pelos órgãos governamentais e pela imprensa, de modo geral, como um fenômeno recente. Entretanto, observamos que a expansão desse setor ocorre desde a década de 1960 e é objeto de estudo de pesquisadores brasileiros (PASTORE, 1972; CUNHA, 1975; OLIVEN, 1979, 1980) desde então. Trata-se, pois, de um ciclo expansionista, no qual, em determinados períodos, houve pressões e interferências pontuais sobre o setor público e o privado. Esse processo possui implicações sociais relevantes no que tange aos cursos de natureza bacharelesca como, por exemplo, medicina, administração e direito. De acordo com o CES, em 2010, havia no Brasil cursos de direito. Desses, 947 eram oferecidos pelo setor privado e 144 pelo público (federal: 97; estadual: 50; municipal: 27). Nas universidades, o curso de direito estava presente em 400 IES, das quais 274 eram privadas e 126 eram públicas (66 federais; 50 estaduais; 10 municipais). Nos centros universitários havia 122, a maior parte no setor privado (120). Nas faculdades, encontrava-se o maior número de cursos jurídicos, 568, desproporcionalmente distribuídos em 553 no setor privado e 15 no público (faculdades municipais). Numa perspectiva horizontal, os principais elementos dos cursos de nível superior são revelados através das áreas do conhecimento, número de vagas, candidatos inscritos, ingressos, matrículas, concluintes, turnos, locais de ofertas (capital ou interior), entre outros. De 2000 a 2010 conquistaram o diploma de Bacharel em Direito universitários no país e em Mato Grosso (MT), caracterizando-se como o 3º curso de graduação mais procurado pelos estudantes brasileiros e, também, ocupando o terceiro lugar no ranking das graduações com o maior número de vagas ( ), atrás dos cursos de educação ( ) e administração ( ). Contudo, com candidatos inscritos e ingressos, o curso possui uma média de 2,89 candidatos por vaga. Entre estes três cursos, vale salientar que o curso de direito é o que possui o menor número de vagas ociosas, Havia, ainda, universitários matriculados e distribuídos entre o setor público (70.223) e o setor privado ( ). Naquele mesmo ano, universitários concluíram o curso. Desses, 89% (80.850) colaram grau em IES privadas. Observamos, assim, os números expressivos sobre o curso de direito. Uma possível razão para esse fenômeno advém dos baixos investimentos para implantação, embora suas mensalidades sejam elevadas. Amaral e Pinto (2011, p. 01) afirmam que o custo médio do aluno de graduação não é muito diferente no setor público e no privado, quando se consideram os gastos com pesquisa. Quando se comparam os valores aplicados pelos poderes públicos, os autores constatam que as famílias realmente pagam elevadas mensalidades. Dado o papel que o direito vem assumindo na sociedade, na busca incessante pela justiça, no estabelecimento da ordem social e na resolução dos conflitos sociais, torna-se importante compreender as relações estabelecidas entre os universitários afro-brasileiros do curso de direito e o próprio campo no qual estão inseridos universidade, comunidade e família. Em especial, destacam-se as trajetórias de universitários matriculados na Universidade de Cuiabá (UNIC) contemplado com bolsas do Programa 5 de 14

6 Universidade Para Todos (PROUNI) e suas motivações para escolher uma profissão jurídica sob a luz da teoria bourdieusiana. Diante disto nos indagamos: que perspectivas possuem esses universitários? Quais são os habitus herdados da família? Que tipo de novos habitus foram exigidos ou "solicitados" pela comunidade acadêmica? Destes, quais foram adquiridos silenciosamente no campo universitário jurídico? Dessa forma, o objetivo do estudo é analisar os habitus herdados e adquiridos por esses agentes sociais (universitários). Metodologicamente além da análise sociológica das entrevistas semiestruturadas realizadas apresentaremos um breve cenário histórico sobre a UNIC, por acreditar que a mesma se constitui num espaço relevante de ampliação de capital dos agentes sociais em análise. Sem isso, seria inviável abordar coerentemente o PROUNI e observar as diferentes relações que os iniciados (universitários de direito) no campo oculto (ensino jurídico) mantêm com o seu povo (família e comunidade) (BOURDIEU, 1990). 2. O contexto brasileiro e o surgimento do ensino jurídico O Brasil, enquanto colônia de Portugal, não dispunha de um sistema de ensino superior, visto que, naquele período, era necessário manter a dependência cultural brasileira para garantir sua submissão à metrópole. Os estudantes, a fim de se instruírem e assim obterem o grau superior, precisavam migrar para as universidades europeias. Destarte, brasileiros que queriam e podiam fazer cursos universitários tinham que ir para Portugal, especialmente para Coimbra. Entre 1772 e 1872, passaram pela Universidade de Coimbra 1242 estudantes brasileiros (CARVALHO, 1995, p. 18 Tradução Livre). Em contrapartida, aos que ficavam no Brasil cabia recorrer ao ensino católico, não universitário. Em 1808, chegava a família real, instaurando o governo português e transformando o País em Reino Unido de Portugal e Algarves, simplesmente por ser, aqui, a residência do rei. Esse fato trouxe algumas mudanças relevantes para a sociedade brasileira daquela época, tais como: a criação de vários cursos de caráter técnicocientífico (cirurgia e anatomia) em algumas províncias da colônia, da Biblioteca Nacional (1810), do Jardim Botânico (1811) e do Museu Real (1818), futuro Museu Nacional. Contudo, o mais pertinente para este estudo é o surgimento do ensino superior através das primeiras faculdades brasileiras: medicina, direito e politécnicas (OLIVEN, 1990). Cabe realçar que, naquele período, a economia centrava-se na monocultura, no latifúndio e, sobretudo, na mão de obra escrava (FLORENTINO, 2003). A formação do Brasil deu-se, assim, na confluência entre a economia e o modelo de estruturação escravocrata, no choque cultural do invasor português com os nativos. Desse choque, fundiram-se. O fruto desse processo, Darcy Ribeiro (1997) chamou de povo novo. Entre as razões, destacamos o fato de que a enorme extensão territorial e a desigualdade de desenvolvimento de suas várias regiões fazem do Brasil um país de violentos contrastes (RIBEIRO, 1996, p. 19). Os povos-novos, dentre os quais se inclui o Brasil, originaram-se da conjunção de matrizes étnicas diferenciadas como o colonizador ibérico, indígenas de nível tribal e escravos africanos, imposta por empreendimentos coloniais-escravistas, seguida da deculturação destas matrizes, do caldeamento racial de seus contingentes e de sua aculturação no corpo de novas etnias. Sua característica distintiva é a de speciesnovae no plano étnico, já não indígena, nem africana, nem européia, mas inteiramente distinta de todas elas (RIBEIRO, 1972). Sérgio Adorno (1988) enfatiza que a sociedade estratificada do período colonial se encontrava em definição, haja vista a condição dos senhores e do povo. O autor salienta, ainda, que as diferenças sociais certamente existiram àquela época e não foram desprezíveis; porém, por trás das condições materiais de existência, tais diferenças se concretizaram como expressões culturais em torno de estilos de vida, costumes e hábitos (p. 40). Nos principais centros urbanos do País se encontravam a maior parte dos diplomados na Europa, porque raramente eles retornavam para as suas fazendas ou engenhos patriarcais (FREYRE, 1961). Santos (1999, p. 08) ressalta que depois dos sem-liberdade, chegavam ao pelourinho social os sem diplomas, de onde saíam 6 de 14

7 devidamente etiquetados com destino ao isolamento. Possuir um diploma não significava muito, é certo, mas exibi-lo já dizia tudo. Foi nesse contexto social que, em 1827 e em 1828, foram criados os primeiros cursos de direito no País, em São Paulo (SP) e em Olinda (Pernambuco - PE). Embora os cursos fossem públicos, os universitários de direito eram obrigados a contribuir com taxa de matrícula em torno de réis (VENÂNCIO FILHO, 1977). A miscigenação social vigente nesse período, paulatinamente, marcou a ascensão do mulato e do bacharel em direito. Freyre (1961) salienta que o bacharelato era um instrumento através do qual se conquistavam postos sociais. O mulato sabia que, se fosse diplomado em direito, abriria caminho na sociedade dos brancos, deixando de ser visto apenas como homem de cor. Além disso, o gosto pelo diplomata de bacharel, pelo título de mestre, criaram-no bem cedo os Jesuítas no rapaz brasileiro (FREYRE, 1961, p. 03). Vale destacar que entre os anos de 1850 até 1888 foram criadas várias leis abolicionistas, entre as quais, a Lei Áurea, em O contexto mato-grossense e o ensino jurídico A educação superior de Mato Grosso passou por distintas fases de transformação instalação, centralização, interiorização e diversificação, todas analisadas em Nos últimos quarenta anos, essas fases acompanharam outras alterações de natureza socioeconômicas (mudança da matriz econômica), culturais (migrações) e políticas (divisão territorial) sucedidas no Estado (GIANEZINI, 2009). O ensino superior jurídico esteve presente em todas as fases. De 1808 até a década de 1970, o ensino superior em MT caracterizou-se pela falta de continuidade das iniciativas e ações ligadas a esse nível de ensino, evidenciando sua fragilidade em todo o Estado, ainda uno. Além disso, muitas dificuldades ocorreram na organização de novas instituições, que eram criadas, extintas e recriadas em ações contínuas e descontínuas, como foi o caso da Faculdade de Direito, em Cuiabá. Esse cenário contribuiu para o descontentamento da parte sul do Estado (até então subordinada a Cuiabá), colaborando para o processo de divisão do Estado. Essa fase foi chamada de instalação. Mato Grosso era um dos maiores Estados da federação e o único que não possuía universidade até Com a criação da UFMT (1970), a partir da agregação da Faculdade de Direito e do Instituto de Filosofia e Ciências, teve início a fase de centralização bipolarizada do ensino superior em MT, dividida em dois momentos. O primeiro até a divisão do Estado (1970 a ) entre Cuiabá (UFMT) e Campo Grande (UEMT). E o segundo após a divisão ( a ), entre Cuiabá (UFMT e UNIC) e Cáceres (IESC - UNEMAT). Na fase subsequente, a interiorização do ensino superior foi disputada pelas duas universidades públicas (UFMT e UNEMAT), que se voltaram paralelamente para várias direções do interior do Estado. O curso de direito acompanhou (e acompanha, ainda) pari passu essas movimentações. Essa fase iniciou em meados da década de 1980 e permanece até os dias atuais. Na última fase, a diversificação, houve o credenciamento de novas IES, no interior e na capital, pelas instituições universitárias privadas, pelos grupos educacionais, pelas instituições confessionais e pelo (re)arranjo do IFECT. No ensino jurídico, a diversidade se revelou na oferta em nível de pós-graduação (lato sensu/stricto sensu), na extensão, nos cursos livres e preparatórios para concursos (presenciais/a distância). Em 2010, havia no Estado 23 cursos de direito (dezenove no interior e quatro na capital). Os do interior distribuíram-se por 15 cidades (ilustradas no mapa abaixo). 7 de 14

8 Figura 1 Localização dos cursos de direito em Mato Grosso Fonte: Elaboração própria com base nos dados do CES (2010). Vale lembrar que é nessa última década que começam a ser implantadas políticas de ações afirmativas nas principais instituições do País. Surgem diversos programas distintos para se adaptar a essas novas demandas sociais e acolher o povo novo (RIBEIRO, 1972), desamparado educacionalmente. Assim, no âmbito nacional, como política do Governo Federal, surge o PROUNI em 2005 com o propósito de conceder bolsas a universitários de baixa renda matriculados em IES privadas. No âmbito estadual, o PROUNI foi rapidamente aceito por instituições privadas que precisavam garantir suas matrículas, como foi o caso da UNIC. Todas estas mudanças reveladas no processo de expansão do ensino jurídico alcançaram os universitários carentes e, sobre eles, pairaram os reflexos (positivos ou negativos) dessas políticas públicas. 4. A Universidade de Cuiabá (UNIC) Desde a criação da primeira universidade, em 1970, Mato Grosso passou por importantes transformações na economia e na educação. Ao longo dessas quatro décadas, o Estado despertou para a sua vocação agronegocial com intuito de se projetar perante as demais unidades da federação. Emergiram novas iniciativas educacionais no Estado. Em 1988 data em que se comemorava o centenário da abolição da escravatura e a promulgação da atual Constituição Federal, foi criada, em Cuiabá, por um grupo familiar, aquela que viria a ser a única universidade privada do Estado até Em 19 de abril daquele mesmo ano, fundou-se a Faculdade Integrada de Cuiabá (FIC), futura Universidade de Cuiabá (UNIC). A IES, mantida pela União das Escolas Superiores de Cuiabá (que até meados dos anos 2000 não possuía fins lucrativos), iniciou suas atividades junto ao Departamento de Ação Social Arquidiocesana, alugando salas de aula do antigo Colégio DASA. No início dos anos 1990, construiu sua primeira unidade (campus Sede), onde até hoje concentra a Reitoria e suas principais atividades. Em 2001, a universidade já havia formado cerca de 26 mil profissionais em todas as áreas do conhecimento. Seu corpo docente era composto por professores e empregos diretos e indiretos (MEDEIROS, 2011). No seu Balanço Social, apresentado no ano de 2008, foram destacados: atendimentos na Clínica de Fisioterapia, pessoas atendidas na Clínica de Odontologia, atendimentos na Psicologia e pacientes atendidos pelo Hospital Geral Universitário HGU, através do Sistema Único de Saúde SUS. Ofereceu, ainda, bolsas de estudos para a população de baixa renda e através dos programas de financiamento de bolsas foram conveniadas novos acadêmicos. 8 de 14

9 Ainda na primeira década deste século, a UNIC passou a expandir rapidamente suas ações com a criação de mais dois campi em Cuiabá, novos campi no interior e a incorporação de outras IES, tanto em MT quanto em outros Estados da federação. A UNIC transformou-se em uma universidade multicampi e consolidou-se no cenário mato-grossense, sendo pioneira em algumas iniciativas do setor privado, dentre as quais, se pode destacar a oferta do curso de direito e a adesão ao PROUNI. Em 2008, a UNIC perdeu a condição de filantropia (sem fins lucrativos) e criou o Grupo Iuni Educacional para identificar, de maneira corporativa e nacional, todas as instituições do grupo. A marca Iuni foi rapidamente reconhecida pelo mercado, e foi incluída entre os dez maiores grupos educacionais privados do País (BONVENTTI, 2008). Por fim, em 2010, este grupo entrou em entendimento negocial com a Kroton Educacional, em um modelo diferenciado para as fusões e aquisições. A peculiaridade desse modelo se dá na gestão institucional, uma vez que os antigos controladores da Iuni continuam comandando a integração das duas empresas. 5. A Faculdade de Direito da UNIC A criação da Faculdade de Direito da UNIC, fundada em 1989 pelo advogado e mantenedor Altamiro Belo Galindo, está interligada a dois importantes momentos da história da própria IES. O primeiro encontra-se na autorização para o funcionamento do curso de direito, que ocorreu concomitantemente à inauguração do campus da referida universidade. Naquela época, as aulas ocorriam à noite, e a IES ainda se chamava Faculdades Integradas de Cuiabá. No segundo momento, o curso de direito atendeu a todos os requisitos legais solicitados pelo MEC, obtendo o seu reconhecimento. Esse resultado foi importante para a IES, já que, no ano subsequente, obteve o credenciamento como universidade, passando a se chamar Universidade de Cuiabá (UNIC). Além disso, conquistou a autonomia para ofertar seu ensino nos turnos diurno e noturno, ampliando significativamente o número de matrículas. Em 2006 e em 2007, a UNIC foi considerada pela Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional de Mato Grosso (OAB - MT) como a melhor IES privada, com destaque para o seu laboratório jurídico (UNIJURIS) e os convênios estabelecidos com órgãos públicos relacionados à intervenção jurídica e com empresas privadas. Cabe destacar que, com a abertura de outras unidades em Cuiabá e com a aquisição de faculdades no interior, vários cursos de direito foram sendo integrados à UNIC. Contudo, esses cursos não foram selecionados para este estudo, uma vez que não atendem aos critérios estabelecidos por nós (vínculo histórico com a universidade, antiguidade e localização na capital). Nessa instituição, a UNIC, propusemo-nos, como desafio, a conhecer os universitários do curso de direito (matriculados e vinculados na sede do campus principal Beira Rio e no campus Pantanal) contemplados pelo PROUNI, a fim de compreender suas percepções sobre a imponente expansão dessa IES e suas motivações acerca da profissão jurídica. Além disso, nos provocamos a investigar as ações desses universitários bolsistas para estabelecer relações sociais com aqueles estudantes universitários que não foram contemplados pelo programa (por não atender aos critérios exigidos pelo MEC ou que até se enquadrariam, mas sequer se candidataram por receio de serem estigmatizados). Dessa forma, examinaremos, a seguir, o PROUNI. 9 de 14

10 6. O Programa Universidade Para Todos (PROUNI) O PROUNI foi criado pela Lei Nº , de 13 de janeiro de O programa é voltado a estudantes sem diploma de ensino superior; matriculados em IES privadas; de baixa renda; professores da rede pública; portadores de necessidades especiais; pardos; negros; índios autodeclarados; além daqueles que se encontram em cursos de graduação e sequenciais de formação específica. Em 23 de janeiro de 2012, foi divulgado nos principais meios de comunicação que o PROUNI atingiu o número de 1 milhão de bolsas distribuídas desde a sua criação (CORREIO DO POVO, 2012, p. 12). O PROUNI insere-se no âmbito das políticas públicas concebidas para democratizar o acesso à educação por meio da valorização do mérito do estudante, concedendo bolsas de estudos integrais ou parciais em instituições privadas de educação superior. Oliven (2007, p. 30) assegura que o termo ação afirmativa refere-se a um conjunto de políticas públicas para proteger minorias e grupos que, em uma determinada sociedade, tenham sido discriminados no passado. Compreendemos que o PROUNI é uma política pública, visto que seu principal objetivo é criar condições de acesso ao ensino superior privado para estudantes sem recursos para assumirem os custos de uma faculdade particular. Em sua maioria, eles fazem parte das camadas populares ou de estratos da baixa classe média. Nesse sentido, compreendemos que o PROUNI é, também, uma política de ação afirmativa. Focando em Mato Grosso, no primeiro semestre de 2011, foram oferecidas 130 bolsas (parciais e integrais) do PROUNI para universitários de direito em MT. Desse total, 73% foram para universitários que estudavam à noite e 27% para os outros dois turnos inversos. Como já foi mencionado anteriormente, a Universidade de Cuiabá participa do PROUNI desde a sua primeira edição, oferecendo vagas nos seus três campi localizados na capital, Cuiabá. Atualmente, são oferecidas 211 vagas somente para candidatos à bolsa integral. Ao curso de direito são reservadas 55 vagas. 7. O depoimento A seguir analisaremos a narrativa da universitária selecionada. A entrevista foi realizada na sala de aula do próprio curso de direito, às 11h, horário local. Meu ensino médio foi em uma escola pública. Assim como no ensino fundamental, no ensino médio também estudei em uma escola pública, no interior. [...] A gente teve muita dificuldade. Quando eu fui fazer o vestibular pela primeira vez. Quando a gente estuda em escola pública, o nível de ensino não é o mesmo. Então, depende muito da gente mesmo, do interesse em correr atrás, buscar conhecimento, mais ainda, estudar bastante... [...] Só que dependia de muito estudo, preparação em casa, deixar de sair para estudar... [...] porque a gente morava nesse assentamento. Era início do assentamento, hoje está mais estabilizado, mas naquela época não era assim... A gente tinha a nossa terra, meus irmãos cuidavam junto com meu pai, e eu ficava em casa com a minha mãe, então, eu tinha mais tempo para estudar. Na minha família eu sou a segunda com nível superior. [...] Nós morávamos lá e eu sempre tive vontade de crescer e via que meu pai sempre incentivava e a gente ia de carro para a cidade... a gente morava em zona rural, então, pra poder chegar na cidade, demora muito. A gente ia de carro velho, tinha que colocar gasolina todo o dia. Era quase dez quilômetros de estrada. [...] com muito sacrifício todos os meus irmãos foram terminando o ensino médio, uns são funcionários públicos e estão dando continuidade, aos poucos. Mas eu fui a primeira, por ser mais nova, estar em casa e a possibilidade de poder estudar, eu fui a primeira. [...] A minha mãe me ajudava muito, me incentivava, e falava que não queria que a gente tivesse a mesma vida que ela teve, já que a gente estava tendo oportunidade e, por mais que fosse escola pública, o ensino não era de qualidade, muitas vezes não tinha aula, entravam em greve, ficavam por meses de greve. Sempre estudei sozinha. Nunca tive oportunidade, não tinha... Lá no interior não tinha, só quem quisesse estudar, estudava sozinho, em casa... Meu pai comprava pra gente, daqueles vendedores ambulantes que passam vendendo enciclopedias e ele comprava. No vestibular e fui bem, só que tive que interromper, porque tive uns problemas, então tive que interromper, mas logo em seguida eu fiz o ENEM. [...] O ENEM chegou 10 de 14

11 exatamente para resolver, para me tirar assim... um problema. [...] Eu fiquei com 90, porque eu esqueci na hora de transcrever a prova para a folha de respostas de transcrever o título. Aí eu fiquei com o suficiente para adquirir a nota para conseguir o curso. Eu fiquei muito feliz, é a realização de um sonho mesmo, tanto para mim quanto para a minha família, porque é uma vitória. Lá na minha região... Eu não moro mais lá, eu moro aqui por causa da faculdade, eu tive que continuar a vida. Sobre a UNIC: [...] a UNIC é muito conceituada aqui em nossa cidade, no nosso Estado. E isso eu não tinha nem noção. Eu nunca tinha estudado na UNIC, mas eu tinha uma leve noção de que era uma instituição muito conceituada e eu imaginei que era o melhor que poderia ter. Então eu joguei já no melhor [pausa]. Sobre o PROUNI: [...] O programa, francamente, ele é excelente. Porque, pelo menos pra mim, foi a salvação. Eu nunca teria a oportunidade que eu tenho hoje. Se não fosse pelo PROUNI, eu nunca teria condições, por exemplo, para quem morava em um assentamento, eu nunca teria condições! Meu pai, nunca teria condições. Meu pai, inclusive, terminou o ensino médio aos 63 anos, um mês atrás. [...] se não fosse pelo PROUNI, eu nunca teria essa chance. Para mim, foi a salvação [pausa]. Quais foram os grandes desafios que você, enquanto universitária, teve no curso de direito? Tive dificuldades de todas as formas. Eu tive grandes dificuldades. No começo, eram financeiras, porque eu tinha que me manter, tinha que estar nas aulas. Aqui em Cuiabá, a gente tem o privilégio de ter o transporte gratuito, então, o estudante não paga para ir e vir da aula. A gente tinha que comprar os livros... E eu não comprava todos os livros, porque eu não tinha condições. Eu sempre estudei na biblioteca, muitas vezes, com livros já ultrapassados, porque a gente sabe que existem atualizações todos os anos e as leis são sempre atualizadas e, mesmo assim, eu sempre estudei em biblioteca. Eram dificuldades financeiras e dificuldades pequenas do dia a dia. Eu já enfrentei preconceito, também, em sala. [...] eu não costumava falar para as pessoas: ah, eu sou bolsista de PROUNI, assim, para evitar este tipo de situação. Mas, como pelo menos aqui em nosso campus [Pantanal]... Na Beira Rio é um pouquinho diferente. Mas, aqui, as pessoas são muito formais. É tudo muito chique... Hoje, eu sinto uns olhares mais um pouco, mas, na época, eu não tinha condições de me vestir bem, para estar em um ambiente como este. Foram coisas mais ou menos assim. Eu acabava sempre fazendo os trabalhos sozinha... É muito complicado, até para você manter uma amizade, para você ir para os lugares que as pessoas saem, e às vezes você não pode ir. O pobre, ele é conhecido assim: você olha para ele e você já sabe; se você conversar com ele, aí você tem a certeza. Eu nunca quis esconder isso, eu não tenho vergonha, mas também eu não queria ser deixada de lado... Mas passou, e hoje... Eu sempre coloquei uma coisa na minha cabeça: eu estou aqui para estudar, não estou aqui para fazer amizade, para arrumar turminha para sair... [...] Eu não escondo de ninguém, não. Quando eu tenho a oportunidade, eu falo. Porque eu acho que o que valoriza a pessoa é o conhecimento, e não o dinheiro que está pagando. Eu acho que eu sou privilegiada, mais do que eles, porque eles estão aqui porque os pais pagam, e eu estou aqui porque eu tenho competência para estar aqui. [...] Então, eu era de uma realidade totalmente diferente das pessoas.[...] Eu acho que o diploma em si, ele é apenas um título. Ele prova que você estudou e que você tem conhecimento, mas aquilo tudo quer dizer o quê? Quer dizer que aquilo é o resultado de muitos anos de luta. Digo isto do meu ponto de vista. Para mim, significa muita coisa. Talvez, este diploma, para um outro colega meu de sala, que não está nada aí... Para mim é o começo de uma vida, da carreira, de condições. Na verdade, é o começo. 8. Análise e conclusões preliminares A realidade social revelada acima faz parte das principais transformações que o ensino superior brasileiro vem sofrendo e que culminou na emergência de novas demandas sociais, sobretudo o acesso das minorias étnicas a esse nível de ensino. Apreender tais transformações e suas implicações no microcosmo das universidades e no ensino jurídico nos desafia constantemente. A posição da universitária, embora individual, entendemos aqui neste trabalho como um grupo social (minorias étnicas), especialmente dos agentes sociais (universitários), na estrutura social (ensino jurídico), nos levou a trabalhar com os principais conceitos sociológicos de Bourdieu habitus (BOURDIEU, 1980), capitais (BOURDIEU, 1998b;c) e campos (BOURDIEU, 2004). 11 de 14

12 O mote central do método estruturalista é a análise da estrutura propriamente porque o mesmo está relacionado às representações simbólicas que possibilitam abordar as relações entre os agentes sociais e as conexões fundamentais das estruturas. Para compreender as relações de dominação tacitamente presentes numa determinada estrutura social, são imprescindíveis como instrumentos operacionais os conceitos acima definidos para perceber e sancionar a luta simbólica entre os diferentes grupos sociais. Bourdieu denominou de estruturalismo construtivista a conexão existente entre o indivíduo e a sociedade, que ocorre sob a forma do conceito de habitus (1980) que para o autor "são sistemas de disposições interiorizadas duráveis e transponíveis, estruturas estruturadas predispostas a funcionar como estruturas estruturantes, isto é, enquanto princípios geradores e organizadores de práticas e de representações" (BOURDIEU, 1980, p Tradução Livre). Bourdieu (1980) afirma que das relações interpessoais estabelecidas de forma inconsciente na família e na escola vamos nos constituindo e sendo constituídos por meio desse habitus. Este é o elo indispensável entre o ser individual e o ser social. Por isso, Bourdieu aceita o fato de as estruturas objetivas existirem independentes da consciência e da vontade dos agentes sociais. O conceito de habitus, embora seja muito complexo decodificá-lo, revela nossas origens a qualquer momento e, sobretudo, de forma inconsciente. E, como modus operandi, silenciosamente, produz atitudes e práticas as quais identificamos na universitária afro-brasileira bolsistas do PROUNI, como por exemplo, quando a mesma relata a questão da linguagem (pronúncia) e dos trajes. A postura revelada é um elemento de distinção e a relação entre o coletivo (a turma) e o individual (a bolsista) abrange, por sua vez, várias outras relações sobre aspectos da vida social, especialmente, sobre a prática social. Se pensarmos que o conceito de habitus serve como um guia de práticas e (re)adaptações sociais, devemos pôr em dúvida se, nas relações estabelecidas entre eles (universitários contemplados com as políticas afirmativas e a comunidade acadêmica), havendo algum tipo de violência simbólica, afinal, [...] toda ação de violência simbólica que consegue se impor [...] supõe objetivamente uma delegação de autoridade (BOURDIEU; PASSERON, 2008, p. 46). Além disso, o agente social dominador [...] é aquele que tem meios para forçar o agente dominado a vê-lo como ele quer ser visto [...] (BOURDIEU, 1995, p. 58 Tradução Livre). Bourdieu dividiu o conceito de capital em outros três: capital social, capital cultural (incorporado, objetivado, institucionalizado) e capital econômico. O capital social corresponde à posse de uma rede não durável de relações mais ou menos institucionalizadas de interconhecimento e de inter-reconhecimento (BOURDIEU, 1998b, p. 67). Um agente detém grande capital social quando consegue mobilizar uma rede de relações composta por outros agentes que possuem bom volume de capital econômico, simbólico ou cultural. Há três tipos de capital cultural, para Bourdieu (1998c): o primeiro no estado incorporado, sob a forma de disposições duráveis do organismo; o segundo no estado objetivado, sob a forma de bens culturais (obras de arte e livros); e o terceiro no estado institucionalizado, sob a forma de títulos (diploma e láureas acadêmicas). Cabe, aqui, observarmos que a universitária busca obter o capital cultural no estado institucionalizado mediante a obtenção do título de Bacharel em Direito, já que é desprovida do capital econômico e consequentemente do capital cultural objetivado. O terceiro capital aqui abordado é o econômico, que diz respeito à propriedade e aos bens financeiros e materiais que são representativos na sociedade capitalista. Esse tipo de capital interfere nos anseios de cada agente, compondo, assim, um instrumento auxiliar na formação, na reprodução e na obtenção do capital cultural (BOURDIEU, 1998b). Esses elementos da teoria bourdiesiana e suas respectivas ações se dão dentro de espaços sociais que o autor denominou de campos. Os agentes sociais [...] criam o espaço, e o espaço só existe (de alguma maneira) pelos agentes e pelas relações objetivas entre os agentes que aí se encontram (BOURDIEU, 2004, p. 23). Assim, em uma dada sociedade, no interior do seu espaço social, há diferentes tipos de campos sociais: econômico, científico, universitário, político, jurídico, entre outros. Esse estudo foca, principalmente, no universitário para compreender suas relações de força e de dominação interpretando o que houve no contexto do ensino jurídico. Observamos que os campos apresentam as condições para o movimento dos agentes sociais, os quais não se movem apenas por sua vontade, uma vez que lidam com determinadas forças que apontam limites e possibilidades para o seu deslocamento. O campo, como arena de embates, exige de seus 12 de 14

13 agentes sociais estratégias (BOURDIEU, 1990) distintas que se fundam no habitus (individual e coletivo) determinado pela posição que ocupam na estrutura dessas relações. Tais lutas internas forçam os universitários manter-se em constante vigília para permanecer ou avançar sua posição no jogo. REFERÊNCIAS Adorno, S (1988). Os Aprendizes do Poder: o bacharelismo liberal na política brasileira. São Paulo: Paz e Terra. Amaral, N. C.; Pinto, J. M. de R (2011). O Financiamento das IES Brasileiras em 2005: recursos públicos, privados e custo dos alunos. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 25., 2011, São Paulo. Políticas Públicas e Gestão da Educação: construção histórica, debates contemporâneos e perspectivas futuras: programa e trabalhos completos. São Paulo: ANPAE. CD-ROM. Balbachevsky, E (2007). Carreira e Contexto Institucional no Sistema de Ensino Superior Brasileiro. Sociologias, Porto Alegre, v. 09, n. 17, jan./jun.. Bonventti, R. C (2008). Avanço Verde-Amarelo. Revista Ensino Superior, São Paulo, n. 119, ago.. Bourdieu, P (1980). Le sens pratique. Paris: Minuit. (1998b). O Capital Social: notas provisórias. In: NOGUEIRA, M. A.; CATANI, A. (Org.). Escritos de Educação, 2. ed. Petrópolis: Vozes. (1998c). Os Três Estados do Capital Cultural. In: NOGUEIRA, M. A.; CATANI, A. (Org.). Escritos de Educação, 2. ed. Petrópolis: Vozes. (2004). Os Usos Sociais da Ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP. (1990). Coisas Ditas. São Paulo: Brasiliense. (1995). Sociology in questions. London: Sage Publications. Bourdieu, P.; Passeron, J. C (2008). A Reprodução: Elementos para uma teoria do sistema de ensino. Petrópolis: Vozes. BRASIL/MEC (2011) Ministério da Educação Programa Universidade para todos ProUni. Dados e Estatísticas. Sisprouni. Disponível em: <http://prouniportal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=category&id=26&itemid=147>. Acesso em: 20 jan Carvalho, J. M. de (1995). Desenvolvimiento de la Ciudadanía en Brasil. México: Fondo de Cultura Económica. CORREIO DO POVO (2012). Dilma Defende Enem e ProUni na Despedida de Haddad. Correio do Povo, Porto Alegre, 23 jan Disponível em: <http://www.correiodopovo.com.br/ Noticias/?Noticia=384616>. Acesso em: 24 jan Cunha, L. A (1975). A Expansão Superior: causas e consequências. Debate e Crítica, São Paulo, n. 05, mar. Florentino, M (2003). Ensaios Sobre Escravidão. Minas Gerais: UFMG. Freyre, G (1961). Sobrados e Mucambos: decadência do patriarcado rural e desenvolvimento do urbano. Rio de Janeiro: Record. Gianezzini, Q (2009). O Processo de Expansão do Ensino Superior em Mato Grosso. 250 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Medeiros, J (2011). Uma História de Sucesso. Informativo institucional (online). Disponível em: <http://www.rdmonline.com.br/tnx/conteudo.php?sid=76&cid=950>. Acesso em: 30 dez. 13 de 14

14 Oliven, A. C (1979). A Expansão do Ensino Superior: democratização ou cooptação? [mimeo]. (1980). A Expansão do Ensino Superior: democratização ou cooptação? Educação Brasileira, Brasília, v. 2, n. 4. (1990). A Paroquialização do Ensino Superior: classe média e sistema educacional no Brasil. Petrópolis: Vozes. (2007). Ações Afirmativas, Relações Raciais e Políticas de Cotas nas Universidades: uma comparação entre os Estados Unidos e o Brasil. Educação, Porto Alegre, v. 29, n. 01, jan./abr. Pastore, J (1972). O Ensino Superior em São Paulo: aspectos quantitativos e qualitativos de sua expansão. São Paulo: Cia. Ed. Nacional. Ribeiro, D (1996). Os Índios e a Civilização: a integração indígenas no Brasil moderno. São Paulo: Companhia das Letras. (1997). O Povo Brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras. (1972). Textos Escolhidos: os povos novos e os povos emergentes. Os Brasileiros - Livro I - Teoria do Brasil. Disponível em: <http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/ start.htm?infoid=439&sid=158>. Acesso em: 31 dez Santos, W. G. dos (1999). Prefácio. In: As Profissões Imperiais: medicina, engenharia e advocacia no Rio de Janeiro ( ). Rio de Janeiro: Record. UNIVERSIDADE DE CUIABÁ. UNIC Oferece 211 Vagas no Prouni. Disponível em: <http://www.diariodecuiaba.com.br/detalhe.php?cod=273991>. Acesso em: 18 dez Venâncio Filho, A (1972). Das Arcadas ao Bacharelismo: 150 anos de ensino jurídico no Brasil. São Paulo: Perspectiva. 14 de 14

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

ESTATISTICA SOBRE O NÚMEROS DE BOLSAS OU FINANCIAMENTOS NA FACULDADE RESUMO ABSTRACT

ESTATISTICA SOBRE O NÚMEROS DE BOLSAS OU FINANCIAMENTOS NA FACULDADE RESUMO ABSTRACT ESTATISTICA SOBRE O NÚMEROS DE BOLSAS OU FINANCIAMENTOS NA FACULDADE RAMOS, Alaína dos S. 1 SANTOS, Jéssica 2 PETITTO, Sonia 3 PERRI, Ricardo Alves 4 RESUMO Sabe-se que, hoje em dia, existe um grande aumento

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA

REFORMA UNIVERSITÁRIA Comentários da Profa. Dra. MARIA BEATRIZ LUCE (Coord. Núcleo Política Gestão Educação - UFRGS e membro CNE/ Brasil) Conferência DESAFIOS DA REFORMA DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: ACESSO, EXPANSÃO E RELAÇÕES

Leia mais

A medida da lei de cotas para o ensino superior

A medida da lei de cotas para o ensino superior Versão 2, 1/12/2008 A medida da lei de cotas para o ensino superior Simon Schwartzman Qual o verdadeiro alcance da lei de cotas para o ensino superior aprovada pelo Congresso Nacional no Dia da Consciência

Leia mais

AS INTERFACES DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

AS INTERFACES DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA 1 AS INTERFACES DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Marigeli Polidoro Dias 1 Andreia Ines Dillenburg 2 Denise Santos do Amaral 3 Luana Zimmer Sarzi 4 Fabiane Adela Tonetto Costas

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais

Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais 1394 Análise dos sistemas de educação superior no Brasil e em Portugal: o que apontam as políticas educacionais X Salão de Iniciação Científica PUCRS Jonas Tarcisio Reis, Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 239, DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008, que institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica

Leia mais

Título: Políticas Públicas de Acesso ao Ensino Superior: a Democratização por meio do ENEM e PROUNI

Título: Políticas Públicas de Acesso ao Ensino Superior: a Democratização por meio do ENEM e PROUNI Área: Ciências Humanas: Educação Título: Políticas Públicas de Acesso ao Ensino Superior: a Democratização por meio do ENEM e PROUNI Alunos: Marcos Adriano Barbosa de Novaes / Discente do Curso de Pedagogia

Leia mais

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP. Ministério da Educação MEC

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP. Ministério da Educação MEC 01) Qual o seu estado civil? A) Solteiro(a). B) Casado(a). C) Separado(a)/desquitado(a)/divorciado(a). D) Viúvo(a). E) Outro. 02) Como você se considera? A) Branco(a). B) Negro(a). C) Pardo(a)/mulato(a).

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

A modalidade de ensino que cresce a passos largos no Brasil, ainda provoca desconfiança em muita gente. VOCÊ ESTUDARIA A DISTÂNCIA?

A modalidade de ensino que cresce a passos largos no Brasil, ainda provoca desconfiança em muita gente. VOCÊ ESTUDARIA A DISTÂNCIA? O formato é bem antigo, mas ele voltou a ganhar notoriedade na década de 90, com o avanço da tecnologia e, principalmente, devido ao alcance da internet pela população. Ainda assim, ele está longe de ser

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

OSVALDO. Como também foi determinante a motivação e a indicação feita por um professor.

OSVALDO. Como também foi determinante a motivação e a indicação feita por um professor. OSVALDO Bom dia! Meu nome é Osvaldo, tenho 15 anos, sou de Santa Isabel SP (uma cidadezinha próxima à Guarulhos) e, com muito orgulho, sou bolsista ISMART! Ingressei no ISMART este ano e atualmente estou

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

POLÍTICAS DE ACESSO E PERMANENCIA NO ENSINO SUPERIOR: AS EXPERIÊNCIAS DE UMA BOLSISTA DO PROUNI

POLÍTICAS DE ACESSO E PERMANENCIA NO ENSINO SUPERIOR: AS EXPERIÊNCIAS DE UMA BOLSISTA DO PROUNI POLÍTICAS DE ACESSO E PERMANENCIA NO ENSINO SUPERIOR: AS EXPERIÊNCIAS DE UMA BOLSISTA DO PROUNI Thais Pacievitch thais_831@hotmail.com Agência financiadora: Observatório da Educação Superior da UFPR Resumo:

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013 META NACIONAL 11 - Educação Profissional- Triplicar as matrículas da Educação Profissional Técnica de nível médio, assegurando a qualidade da oferta e pelo menos 50% da expansão no segmento público. Contexto

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Censo da Educação Superior 2013 Quadro Resumo- Estatísticas gerais da Educação Superior, por Categoria Administrativa-

Leia mais

Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências ISSN: 1415-2150 ensaio@fae.ufmg.br Universidade Federal de Minas Gerais Brasil

Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências ISSN: 1415-2150 ensaio@fae.ufmg.br Universidade Federal de Minas Gerais Brasil Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências ISSN: 1415-2150 ensaio@fae.ufmg.br Universidade Federal de Minas Gerais Brasil Soares, José Francisco; Júdice, Renato A AUTO-EXCLUSÃO DOS ALUNOS DAS ESCOLAS PÚBLICAS

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos

O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos O curso de biblioteconomia da UFRGS: ponto de vista dos alunos Samile Andréa de Souza Vanz 1 Glória Isabel Sattamini Ferreira 2 Patrícia Mallman Souto Pereira 3 Geraldo Ribas Machado 4 Universidade Federal

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE SAPEAÇU, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO MUNICIPAL DE SAPEAÇU, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições legais, LEI N.º542/ 2014 de 20 de maio de 2014. Dispõe sobre a criação do Pólo de Apoio Presencial da Universidade Aberta do Brasil em Sapeaçu, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE SAPEAÇU, ESTADO

Leia mais

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ Revista Eventos Pedagógicos v.5, n.4 (13. ed.), número regular, p. 115-121, nov./dez. 2014 SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO

Leia mais

RAÇA E EDUCAÇÃO: PERFIL DOS CANDIDATOS COTISTAS AUTONOMEADOS NEGROS DE ESCOLA PÚBLICA DO PROGRAMA

RAÇA E EDUCAÇÃO: PERFIL DOS CANDIDATOS COTISTAS AUTONOMEADOS NEGROS DE ESCOLA PÚBLICA DO PROGRAMA RAÇA E EDUCAÇÃO: PERFIL DOS CANDIDATOS COTISTAS AUTONOMEADOS NEGROS DE ESCOLA PÚBLICA DO PROGRAMA UFGInclui. BASTOS, Rachel Benta Messias (8ªt. Doutorado FE/UFG;rachelbenta@hotmail.com) RESENDE, Anita

Leia mais

Cenários do Ensino Superior em Santa Catarina e no Brasil

Cenários do Ensino Superior em Santa Catarina e no Brasil Cenários do Ensino Superior em Santa Catarina e no Brasil Maurício Fernandes Pereira PRESIDENTE DO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA CATARINA PRESIDENTE DO FÓRUM NACIONAL DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE

Leia mais

Clipping de Notícias Educacionais

Clipping de Notícias Educacionais Os resultados do Enade são utilizados pelo MEC na elaboração do Índice Geral de Cursos (IGC) e do Conceito Preliminar de Curso (CPC), indicadores de qualidade de instituições de ensino e de seus cursos

Leia mais

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE INTRODUÇÃO Renan Arjona de Souza (1); Nádia Maria Pereira

Leia mais

Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Relatório da CPA (Comissão Própria de Avaliação) da Pesquisa com os Estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos A presente pesquisa foi realizada em junho de 2011, no Campus

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1. Manual do Enem 2015

M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1. Manual do Enem 2015 M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1 Manual do Enem 2015 Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), segundo o INEP, tinha o objetivo de avaliar o desempenho do aluno ao término da escolaridade

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO FACULDADE LEÃO SAMPAIO Edital nº 01/2012 O Diretor Geral da Faculdade de Ciências Aplicadas Dr. Leão Sampaio, no uso das suas prerrogativas institucionais e legais, e considerando o que determina o Art.

Leia mais

SEÇÃO ENTREVISTA O DESAFIO DE APRENDER A ENSINAR NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES MARTA MARIA PONTIN DARSIE

SEÇÃO ENTREVISTA O DESAFIO DE APRENDER A ENSINAR NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES MARTA MARIA PONTIN DARSIE Revista Eventos Pedagógicos Articulação universidade e escola nas ações do ensino de matemática e ciências v.6, n.2 (15. ed.), número regular, p. 442-449, jun./jul. 2015 SEÇÃO ENTREVISTA O DESAFIO DE APRENDER

Leia mais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UMANAS IFCH FACULDADE DE EDUCAÇÃO FACED Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais Curso: Ciências Sociais

Leia mais

9. A realidade da inclusão

9. A realidade da inclusão 9. A realidade da inclusão A filosofia da inclusão ainda está muito aquém de ser posta em prática da forma como realmente se espera. Para que se tenha uma escola para todos, temos que conceber professores

Leia mais

A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE

A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE Bruno Morche 1 Clarissa Eckert Baeta Neves 2 A educação superior possui grande destaque no rol de discussões na sociedade

Leia mais

Artigo. nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social

Artigo. nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social Artigo nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social Por Cibele Yahn de Andrade Pesquisadora do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas (NEPP) da Unicamp. Doutoranda

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR

UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR Nas contas do ex-reitor da USP, anteprojeto da reforma não atende ao acordo com os reitores REFORMA UNIVERSITÁRIA Gabriel Manzano Filho O aumento de recursos

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú Catalogação: Cleide de Albuquerque Moreira Bibliotecária/CRB 1100 Revisão: Lucimar Luisa Ferreira / Marinez Santina Nazzari Revisão Final: Elias Januário Consultor: Luís Donisete Benzi Grupioni Projeto

Leia mais

A formação profissional em Ciência da Informação em Portugal: desafios e perspectivas

A formação profissional em Ciência da Informação em Portugal: desafios e perspectivas A formação profissional em Ciência da Informação em Portugal: desafios e perspectivas Fernanda Ribeiro Doutora em Ciências Documentais pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Diretora da Faculdade

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

BANCO DE DADOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE BEPSAÚDE TECNÓLOGO

BANCO DE DADOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE BEPSAÚDE TECNÓLOGO Fundação Oswaldo Cruz Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Laboratório do Trabalho e da Educação Profissional em Saúde Observatório dos Técnicos em Saúde BANCO DE DADOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Autor: Gorki Mariano PRO-Uni UNIVERSIDADE PARA TODOS?

Autor: Gorki Mariano PRO-Uni UNIVERSIDADE PARA TODOS? Autor: Gorki Mariano PRO-Uni UNIVERSIDADE PARA TODOS? ProUni UNIVERSIDADE PARA TODOS? Autor: Gorki Mariano O governo popular Foi rápido para aprovar Milhares de bolsas de estudo Para universidade particular!

Leia mais

PESQUISA DE CABELEIREIRA/TÉCNICO DE ESTÉTICA:

PESQUISA DE CABELEIREIRA/TÉCNICO DE ESTÉTICA: Fundo Perpétuo de Educação PESQUISA DE CABELEIREIRA/TÉCNICO DE ESTÉTICA: Os depoimentos, ensinamentos e metas dos participantes mais bem sucedidos. A escolha da escola fez a diferença na sua colocação

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Quanto mais, melhor? 14 Luta Médica Outubro/2015 a Janeiro/2016

Quanto mais, melhor? 14 Luta Médica Outubro/2015 a Janeiro/2016 Quanto mais, melhor? A abertura indiscriminada de cursos de Medicina pode prejudicar a formação de futuros médicos e não garante saúde de qualidade para a população A cada ano, as pessoas que desejam se

Leia mais

A COR NEGRA NO MERCADO DE TRABALHO UM ESTUDO COM ALUNOS NEGROS EGRESSOS DO CEFET-CUIABÁ PAULA,

A COR NEGRA NO MERCADO DE TRABALHO UM ESTUDO COM ALUNOS NEGROS EGRESSOS DO CEFET-CUIABÁ PAULA, A COR NEGRA NO MERCADO DE TRABALHO UM ESTUDO COM ALUNOS NEGROS EGRESSOS DO CEFET-CUIABÁ. PAULA, Willian Silva de. UFMT CEFET-Cbá - willdepaula@yahoo.com.br Orientadora: Profª Drª Maria Lúcia R. Muller

Leia mais

CONSOLIDANDO EXPERIÊNCIAS DE EXTENSÃO: O CURSO PRÉ-UNIVERISTÁRIO POPULAR COMO FORMA DE DEMOCRATIZAÇÃO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

CONSOLIDANDO EXPERIÊNCIAS DE EXTENSÃO: O CURSO PRÉ-UNIVERISTÁRIO POPULAR COMO FORMA DE DEMOCRATIZAÇÃO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 4PRACOUT03 CONSOLIDANDO EXPERIÊNCIAS DE EXTENSÃO: O CURSO PRÉ-UNIVERISTÁRIO POPULAR COMO FORMA DE DEMOCRATIZAÇÃO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Alan Leite Moreira (1); Patrícia Roque Lemos (1); Profª. Vilma

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 1 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), constitui se em importante instrumento

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR: AVANÇOS E PERSPECTIVAS

EDUCAÇÃO SUPERIOR: AVANÇOS E PERSPECTIVAS Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Diretoria de Políticas e Programas para a Graduação EDUCAÇÃO SUPERIOR: AVANÇOS E PERSPECTIVAS Brasil : ciclo virtuoso na educação Banco Mundial: Última

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni Título MUDANÇAS DE CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA EM UM CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Doutoranda da Universidade Anhangura/ Uniban

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning)

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) DISCURSOS 1, 2, 3 e 4 sem mensagem de raça ou classe (o texto do discurso é para ser lido duas vezes por cada ator,

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Novo curso da Univesp inicia processo seletivo

Novo curso da Univesp inicia processo seletivo Edição 12 de 1 a 7 de junho de 2010 VISITE A PÁGINA DA SALA DE IMPRENSA DA EACH. ALÉM DO CLIPPING SEMANAL, VOCÊ PODERÁ ENCONTRAR OUTRAS NOTÍCIAS IMPORTANTES SOBRE A NOSSA ESCOLA http://each.uspnet.usp.br/each/sala-imprensa.php

Leia mais

Fundo de Financiamento Estudantil Fies

Fundo de Financiamento Estudantil Fies Fundo de Financiamento Estudantil Fies Fies Lei nº 10.260, de 12 de julho de 2001 Fundo de natureza contábil, destinado à concessão de financiamento a estudantes regularmente matriculados em cursos superiores

Leia mais

Ensino Médio em Questão. José Fernandes de Lima Conselho Nacional de Educação

Ensino Médio em Questão. José Fernandes de Lima Conselho Nacional de Educação Ensino Médio em Questão José Fernandes de Lima Conselho Nacional de Educação Introdução O ensino médio tem sido debatido em todos os países Trata com adolescente e jovens que estão decidindo seus destinos.

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO Marcos Neves Comissão Central PDI do IFSC PNE EXIGÊNCIA CONSTITUCIONAL O art.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO OBEDUC RANIÉRE ANDRÉ FERNANDES.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO OBEDUC RANIÉRE ANDRÉ FERNANDES. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO OBEDUC RANIÉRE ANDRÉ FERNANDES. ANÁLISE DAS MEMÓRIAS DOS PROFESSORES DA ESCOLA MUNICIPAL DE TEMPO INTERGRAL JARDIM

Leia mais

M a n u a l d o P r o U n i 2014 P á g i n a 1

M a n u a l d o P r o U n i 2014 P á g i n a 1 M a n u a l d o P r o U n i 2014 P á g i n a 1 O Programa Universidade para Todos (Prouni) foi criado pelo Governo Federal em 2004 e tem como finalidade a concessão de bolsas de estudo integrais e parciais

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende) PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende) Autoriza o Poder Executivo a instituir a Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art.

Leia mais

ENTREVISTA PROF. DR. FABRICIO POSSEBON. Coordenador do curso de Graduação (licenciatura e bacharelado) em Ciências das Religiões da UFPB

ENTREVISTA PROF. DR. FABRICIO POSSEBON. Coordenador do curso de Graduação (licenciatura e bacharelado) em Ciências das Religiões da UFPB 5 ENTREVISTA PROF. DR. FABRICIO POSSEBON Coordenador do curso de Graduação (licenciatura e bacharelado) em Ciências das Religiões da UFPB Clarissa De Franco equipe editorial Último Andar Último Andar:

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Cenários contemporâneos em Educação. Prof.ª Dr.ª Cíntia Bueno Marques

Cenários contemporâneos em Educação. Prof.ª Dr.ª Cíntia Bueno Marques Cenários contemporâneos em Educação Prof.ª Dr.ª Cíntia Bueno Marques Composição de cenários Avaliação e Regulação da Educação Ações planejadas de reposicionamento Reflexos e movimentos culturais Educação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

------------------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------------------ POR QUE É QUE A GENTE É ASSIM? Eng. ------------------------------------------------------------------------------------ É batata! Toda vez que, numa conversa qualquer, o assunto "comportamento no mercado"

Leia mais

Direito Civil (Parte Geral e Obrigações) Direito Civil (Teoria Geral dos Contratos) Direito Civil (Contratos em Espécie)

Direito Civil (Parte Geral e Obrigações) Direito Civil (Teoria Geral dos Contratos) Direito Civil (Contratos em Espécie) A Universidade Candido Mendes tem como mantenedora a Sociedade Brasileira de Instrução, a mais antiga instituição particular de ensino superior do país, fundada em 1902 pelo Conde Candido Mendes de Almeida,

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX Bruno Alves Dassie Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro Universidade Estácio de Sá O objetivo desta

Leia mais

UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO

UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO ORÇAMENTÁRIA JOSÉ TADEU JORGE REITOR UNICAMP 26/08/2015 - ALESP 1 PRIMEIROS ANOS -CAMPUS CAMPINAS 2 MARÇO 2014 -CAMPUS CAMPINAS 3 HOJE -CAMPUS CAMPINAS UNIVERSIDADE

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes *Pôster: O Significado do Ensino Médio Público na Visão dos Estudantes. Apresentado no XIV Seminário de Pesquisa do CCSA. Realizado no período de 24 a 26 de setembro de 2008, na UFRN. Autores: ; ;. O significado

Leia mais

O Plano nacional de Educação e a Expansão da Educação Superior

O Plano nacional de Educação e a Expansão da Educação Superior O Plano nacional de Educação e a Expansão da Educação Superior Luiz Cláudio Costa Brasília - novembro 2012 Contexto Indicadores de acompanhamento: taxa líquida: percentual da população de 18-24 anos na

Leia mais

ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS

ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E NED Núcleo de Estudos Dirigidos ED 2/ ED Comunicação e Expressão 2012/2 Prof. Cleuber Cristiano de Sousa ATIVIDADE DISCURSIVA 1 Habilidade: ED 2: Compreender e expressar Temáticas

Leia mais

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não Este é um tema atual de debate na sociedade brasileira, motivado principalmente pela discussão das cotas étnicas e, a partir do Projeto de Lei nº 3627/04, com ênfase nas socioeconômicas (origem dos alunos

Leia mais

REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO

REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GRUPO PERMANENTE DE TRABALHO DE EDUCAÇÃO DO CAMPO REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO CADERNO DE SUBSÍDIOS BRASÍLIA Outubro, 2003 2 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...5

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Curso de Graduação em Administração

Curso de Graduação em Administração Curso de Graduação em Administração O curso de Administração da ESPM forma excelentes profissionais há mais de uma década. Iniciado em 1990, formou sua primeira turma em 1994, quando o curso tinha cinco

Leia mais

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Objetivo Contribuir para o desenvolvimento inclusivo dos sistemas de ensino, voltado à valorização das diferenças e da

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

A UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL uma política de Estado para o ensino superior a distância

A UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL uma política de Estado para o ensino superior a distância A UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL uma política de Estado para o ensino superior a distância Oreste Preti Como tudo começou Dizem os historiadores, eu concordo com eles, que nada nasce de repente (ad abrupto,

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR N 05/2014 COVEST CONCURSO VESTIBULAR 2014/2

EDITAL COMPLEMENTAR N 05/2014 COVEST CONCURSO VESTIBULAR 2014/2 EDITAL COMPLEMENTAR N 05/2014 COVEST CONCURSO VESTIBULAR 2014/2 O REITOR da Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT, no uso de suas atribuições legais, torna pública as alterações no Edital n. 001/2014

Leia mais

VAGAS OCIOSAS NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO. Silvana Santos Almeida 1 RESUMO

VAGAS OCIOSAS NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO. Silvana Santos Almeida 1 RESUMO VAGAS OCIOSAS NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Silvana Santos Almeida 1 RESUMO A proposta desse artigo é elencar as possíveis causas para a existência das vagas ociosas nas instituições de ensino superior

Leia mais