UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS CURSO DE DIREITO TIJUCAS PROJETO PEDAGÓGICO. (Versão Sintetizada)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS CURSO DE DIREITO TIJUCAS PROJETO PEDAGÓGICO. (Versão Sintetizada)"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS CURSO DE DIREITO TIJUCAS PROJETO PEDAGÓGICO (Versão Sintetizada) 1

2 EQUIPE DE TRABALHO Diretor do CEJURPS Prof. Dr. José Carlos Machado Coordenador do Curso de Direito Tijucas Prof. MSc Celso Leal da Veiga Júnior Professor Responsável pelo Apoio Pedagógico do Centro Prof. Silvano Pedro Amaro Técnica em Educação / CEJURPS / Tijucas Letícia Palma Núcleo Docente Estruturante NDE Componentes Efetivos: Prof. Msc. Celso Leal da Veiga Júnior Prof. Dr. Luiz Braulio Farias Benítez Prof. Msc. Marcos Alberto Carvalho de Freitas Prof. Msc. Fernando Francisco Afonso Fernandez Prof. Msc. Elton Fogaça da Costa Prof. Dr. Josemar Sidinei Soares 2

3 PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE DIREITO / CAMPUS TIJUCAS 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO CURSO Nome do Curso/modalidade O Curso de Graduação em Direito Bacharelado modalidade presencial. Nome da mantida Universidade do Vale do Itajaí (mantenedora: Fundação Universidade do Vale do Itajaí). Endereço do Curso Rua Paraná, n.º 315, Bairro Universitário, Tijucas-SC, CEP Coordenação do Curso: Bloco 01, sala 102. Fone: (48) Ramal 3211 Fax (48) Site: Criação e Implantação O curso foi implantado no primeiro semestre de 1965, em Itajaí, sendo inicialmente autorizado a funcionar em caráter condicional pelo Conselho Estadual de Educação de Santa Catarina, mediante o Parecer n.º 72/65. Em 08 de outubro de 1968, por meio do Parecer n.º 126/68, foi concedida sua autorização em caráter definitivo. No Campus Tijucas a oferta se iniciou no segundo semestre de Processo de Reconhecimento O primeiro Processo de Reconhecimento do curso aconteceu em 15 de dezembro de 1971, pelo Decreto Federal n.º O ato legal ocorreu em 9 de novembro, mediante o Parecer n.º 801/71 do Conselho Federal de Educação. Processo de Renovação do Reconhecimento O último Processo de Renovação do Reconhecimento do curso, realizado no âmbito do Conselho Estadual de Educação, aconteceu entre os dias 08 e 10 de abril de 2008, respeitando a Resolução n. 01/2001/CEE e Decreto n.º 2.106, publicado no Diário Oficial do Estado em 02 de março de A decisão final foi publicada no Diário Oficial de Santa Catarina, de número 3

4 18.402, tendo como instrumento regulador o Decreto n.º de 15 de julho de 2008, que legitima a Renovação do Reconhecimento do Curso de Direito pelo prazo de 05 (cinco) anos. A partir da migração para o Sistema Federal de Educação finalizada em julho de 2014, o curso aguarda a renovação de reconhecimento pelo MEC/INEP, cuja visita in loco, acontece nos dias 28 e 29 de maio de Turno(s) de Funcionamento Noturno. Carga horária total de curso e tempo para integralização O Curso de Graduação em Direito da UNIVALI tem uma carga horária de 3720 (três mil e setecentas e vinte) horas, das quais 2820 (duas mil oitocentas e vinte) horas são de disciplinas teóricas obrigatórias, 180 (cento e oitenta) que o acadêmico escolhe entre diversas seletivas, eletivas e seminários, 300 (trezentas) correspondem ao estágio obrigatório, 300 (trezentas) às atividades complementares, e 120 (cento e vinte) ao TIC Trabalho de Iniciação Científica. A Resolução N.º 122/CONSUN-CaEn/09 aprova o tempo mínimo para a integralização do Curso de Direito, estabelecido em 3 (três) anos, período equivalente a 6 (seis) semestres. Não é previsto, na legislação interna da instituição, prazo máximo para integralização de curso de graduação. O curso tem duração de 10 semestres. Caso opte por cursar os estágios no seu turno regular, a duração do curso será de 11 (onze) semestres, de forma que os estágios serão todos concentrados no 11.º período. Para integralizar a matriz curricular em 10 semestres o aluno deverá cursar os estágios a partir do 6.º período, no turno vespertino. Coordenação do Curso - Prof. MSc. Celso Leal da Veiga Júnior - Fone: (48) Ramal 3211 Fax (48) O coordenador atua no Curso de Direito de Tijucas desde 1998 e sua formação e experiência acadêmica são as seguintes: - Doutorando em Ciência Jurídica na Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI. - Mestrado em Ciência Jurídica pela UNIVALI Especialização em Administração Pública pela UDESC Graduação em Direito pela FEPEVI De 1982 a 1987 Professor de Ensino Médio. - De 1986 até a presente data Professor de Ensino Superior, atuando na Graduação e na Pós- Graduação e integrando diversos Colegiados da UNIVALI, tendo sido Presidente do Escritório 4

5 Modelo de Advocacia (Campus Sede), Coordenador do Curso de Direito (Campus Sede) e atualmente é Coordenador do Curso de Direito, Campus Tijucas. Para conduzir os trabalhos na Coordenação do Curso de Direito de Tijucas, o coordenador possui carga horária de 20 horas, em regime integral, com dedicação exclusiva ao atendimento das demandas atinentes ao cotidiano acadêmico e ao cumprimento das atribuições estabelecidas no Regimento Geral da IES. Breve Histórico do Curso: sua Criação e Trajetória A trajetória do Curso de Direito da UNIVALI tem seu início em 1964, quando a Sociedade Itajaiense de Ensino Superior cria as Faculdades de Ciências Jurídicas e Sociais e a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Vale do Itajaí. A criação deveu-se à necessidade premente da sociedade daquela época, que precisava levar também para o interior do país ensino universitário de qualidade. A Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais daria origem ao atual Curso de Direito, autorizado a funcionar em caráter condicional, mediante o Parecer N.º 72, de 04 de maio de 1965, do Conselho Estadual de Educação. O Curso de Direito teve a sua aula inaugural no dia 28 de maio de 1965, como marco simbólico de sua implantação. Quatro anos após, e por ter cumprido as exigências preconizadas pelo Parecer N.º 72/65, o Conselho Estadual de Educação emite o Parecer N.º 126/68, ainda embasado no Processo N.º 517/64 para permitir seu funcionamento definitivo. No âmbito federal, em 09 de novembro de 1971, através do Parecer N.º 801 do Conselho Federal de Educação, tem recomendado seu reconhecimento naquela esfera, fato que se materializa no Decreto N.º 69799, datado de 15 de dezembro de No decorrer do tempo, as faculdades se organizaram em torno de uma fundação municipal: a Fundação de Ensino do Pólo Geoeducacional do Vale do Itajaí FEPEVI, depois transformada em Fundação Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, conforme Lei Municipal N.º 2515, de 19 de outubro de 1989 e Portaria N.º 51, de fevereiro de 1989, do Ministério da Educação, que reconhece a Fundação Universidade do Vale do Itajaí como Universidade. A partir dessas datas, o Curso passa a funcionar com oferta anual, no modelo seriado e, posteriormente, no modelo de créditos. No ano de 2008, obedecendo às exigências legais, teve seu reconhecimento renovado pelo prazo de 05 anos pelo Conselho Estadual de Educação, após verificação in loco por comissão designada por resolução daquele órgão, N.º 58/08. Da visita dos avaliadores resultou o Parecer N.º 144/2008/CEE, recomendando a renovação do reconhecimento sem qualquer restrição, fato que se materializa no Decreto Estadual N.º 1531, de 15 de junho de 2008, publicado no Diário Oficial do Estado de Santa Catarina, N.º SC. Por estar inserido numa universidade multicampi, a oferta de ingresso expandiu-se para outros municípios. No segundo semestre de 1998, começou a funcionar o Curso de Direito no Campus Tijucas. 5

6 2 ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA Campos de atuação Destacam-se, entre as possibilidades de atuação do Bacharel em Direito, a Magistratura, o Ministério Público, as Procuradorias (federal, estadual e municipal), os Delegados de Polícia, em nível federal e estadual, defensoria pública nos estados. Na advocacia, pode também optar o bacharel pela área que melhor se adéqua as suas aptidões profissionais, tais como: na área criminal, na área cível, trabalhista, tributária, ambiental, internacional, empresarial etc, além da possibilidade de atuar na assessoria jurídica de empresas privadas ou instituições públicas. É possível, também, atuação na docência. Objetivo do curso Formar bacharéis do Direito com perfil técnico-jurídico generalista, humanista e ético, para o exercício das atividades da área jurídica, comprometidos com o ideal de justiça, com o processo de transformação da ordem sócio-política, respeitando os preceitos do Estado Democrático de Direito. Perfil profissional do egresso O egresso do Curso de Direito deverá ter formação técnico-jurídica generalista, humanista e ética, estando apto a analisar o fenômeno jurídico e a identificar, prevenir e buscar soluções para os problemas jurídicos do seu tempo, de maneira crítica, responsável e criativa, compromissado com a cidadania, a justiça e o futuro da sociedade brasileira. Com vistas ao atendimento das Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Direito, são competências a serem adquiridas durante o curso: Realizar a leitura, compreensão e elaboração de textos, atos e documentos jurídicos ou normativos. Utilizar, interpretar e aplicar as normas técnico-jurídicas. Pesquisar e utilizar a legislação, a jurisprudência, a doutrina e outras fontes do Direito. Atuar de forma ética e responsável nas diferentes instâncias, administrativas ou judiciais. Fazer uso adequado de processos, atos e procedimentos. Aplicar corretamente a utilização da terminologia jurídica ou da Ciência do Direito Utilizar-se de raciocínio jurídico, de argumentação, de persuasão e de reflexão crítica. Estudar, pesquisar, julgar e tomar decisões. Dominar tecnologias e métodos para permanente compreensão e aplicação do Direito. 6

7 Estrutura curricular A organização curricular atende os pressupostos instituídos nas Diretrizes Curriculares Nacionais previstas na Resolução n.º 9, de 29 de setembro de Contempla a formação do bacharel em Direito com perfil específico e preconiza a formação de competências e habilidades necessárias para atuar no ramo jurídico. O currículo é organizado de forma a contemplar conteúdos e atividades interligadas, que atendem aos seguintes eixos de formação: Eixo de Formação Fundamental, Eixo de Formação Profissional e Eixo de Formação Prática. O Eixo de Formação Fundamental tem por objetivo integrar o estudante no campo, estabelecendo as relações do Direito com outras áreas do saber. Abrange estudos que envolvam conteúdos essenciais sobre Antropologia, Ciência Política, Economia, Ética, Filosofia, História, Psicologia e Sociologia. O Eixo de Formação Profissional possui um enfoque dogmático e ao mesmo tempo de conhecimento aplicado, uma vez que considera as peculiaridades existentes nos diversos ramos do Direito e a evolução da Ciência do Direito e sua aplicação diante das mudanças sociais, econômicas, políticas e culturais do Brasil. Para tanto, adota uma metodologia de aprendizagem em que os conteúdos são estudados sistematicamente, com abordagem em: Direito Constitucional, Direito Administrativo, Direito Tributário, Direito Penal, Direito Civil, Direito Empresarial, Direito do Trabalho, Direito Internacional e Direito Processual. O Eixo de Formação Prática objetiva a integração entre a prática e os conteúdos teóricos desenvolvidos, especialmente nas atividades realizadas no Estágio Curricular Supervisionado, no Trabalho de Iniciação Científica e nas Atividades Complementares. Paralelamente, e atendendo à legislação vigente, são contempladas nas disciplinas da matriz curricular: as Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira, Africana e Indígena, nos termos da Lei 10639/2003, Resolução N.º 01/CNE CP de 17 de junho de 2004, e Lei 11645/2008; Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos, seguindo o previsto na Resolução CNE/CP N.º 01, de 30 de maio de 2012; Políticas de educação ambiental, de acordo com a Lei 9795/1999 e Decreto N.º 4281 de 25 de junho de 2002; Disciplina de Libras, conforme Decreto N.º 5626/2005. No caso da disciplina Língua Brasileira de Sinais (Libras) código 5381, a oferta ocorre dentre as disciplinas optativas da matriz, com carga horária de sessenta horas. Nos demais casos Relações Étnico-Raciais, Cultura e História Afro-Brasileira, Africana e Indígena, Políticas de educação ambiental e Educação em Direitos Humanos tais temas são absorvidos pelas subunidades das ementas, de forma que tais assuntos sejam objeto de discussão nas aulas, conforme planejamento prévio do professor. O Núcleo Docente Estruturante, bem como os demais professores, em reunião de planejamento de cada semestre letivo, estudam e propõem novas possibilidades de 7

8 desenvolvimento desses temas. O registro detalhado dessas ações e de como isso se desenvolve nas aulas é feito no plano de ensino de cada disciplina. Conforme a matriz atual, o Estágio Especializante permite ao acadêmico escolher as seguintes áreas: Penal, Civil, Trabalho, Constitucional, Administrativo Empresarial e Tributário. Para as disciplinas eletivas, seletivas e seminários. Sabendo-se da importância das atividades práticas na formação do bacharel em Direito, é prevista a prática do estágio curricular supervisionado e a realização das atividades complementares. Fruto de constante discussão do colegiado do curso e do NDE, o PPC apresenta conteúdos curriculares adequadamente definidos, atualizados e coerentes com os objetivos do curso, com o perfil do egresso, com o dimensionamento da carga horária, sendo complementados por atividades extraclasses, além de estar em conformidade com o que estabelecem as Diretrizes Curriculares Nacionais. Na figura abaixo é apresentada a inter-relação entre as disciplinas, conforme diretrizes do MEC. Figura - Inter Relação entre as disciplinas1 Ainda dentro da estrutura curricular, merece destaque a integração dos currículos dos cursos de Direito e Administração, por meio de um núcleo de disciplinas comuns, com equivalência de 8

9 conteúdos, permitindo que o acadêmico conclua os dois cursos em sete anos, único dessa natureza no cenário catarinense. Metodologia A UNIVALI, como instituição universitária, fundamenta seu compromisso com a produção da ciência e com a universalização do saber. Para tal, orienta seus cursos de graduação para a promoção de um ensino superior de qualidade, em que se leve em conta a realidade históricosocial, a formação de valores que dignificam o homem e a apropriação de princípios científicos de produção do conhecimento e sua consequente extensão à sociedade (UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ. Projeto Pedagógico Institucional da UNIVALI: um processo em construção. Documentos Institucionais. Itajaí: UNIVALI, 2005) Para que isso se dê, fomenta uma ação pedagógica dinâmica que pressupõe a postura investigativa do professor e do acadêmico frente ao conhecimento e ao domínio dos modos de sua produção. Trata-se da proposição de um ensino que conduza o aprender a pensar, a integrar e relacionar conceitos, a produzi-los e avaliá-los com rigor, precisão, correção, clareza, e que permitam a elaboração do pensamento de forma mais refinada do que o senso-comum. Esse processo se implementa com base na missão de educar, formar e realizar pesquisas sob a égide da ética, da cidadania e da responsabilidade social (UNIVALI, 2005, p. 15). Sustentado nesses princípios, o Curso de Direito da UNIVALI tem buscado superar a excessiva racionalidade técnica, tradicionalmente presente nos cursos de formação superior. Essa racionalidade, que se pauta numa lógica de distribuição e fragmentação dos conteúdos, conduz à desarticulação entre a teoria e a prática, bem como, ao distanciamento entre os domínios genéricos e específicos das atividades profissionais. Para tanto, redimensiona a relação de ensino, que se desloca do foco centrado no professor e no repasse de conhecimentos, para promover um ensino formativo e participativo, no qual professores e acadêmicos compartilham responsabilidades no processo de investigação, sistematização e socialização do conhecimento. Numa sociedade em que os saberes se superam e se reconstroem continuamente, exigese do futuro profissional a competência para pensar e atuar em face das realidades ou problemas cada vez mais complexos, para enfrentar situações inéditas e incertas e para analisar com criticidade e consistência teórica a realidade. O Curso de Direito, na concepção e nos procedimentos de ensino, assume a função social explícita de formar o futuro profissional com base em referenciais teórico-metodológicos adequados para a compreensão interdisciplinar do fenômeno jurídico e das transformações sociais e para atuação como sujeito na produção do direito, pela investigação e análise, pensando juridicamente a sociedade. 9

10 Estágio Curricular Supervisionado As atividades do estágio dos Cursos de Direito da UNIVALI estão regulamentadas de acordo com a Lei n º de 25/09/2008, Regimento Geral da UNIVALI e pelo Regulamento do Estágio Obrigatório, do Trabalho de Iniciação Científica, do Estágio não-obrigatório e das Atividades Complementares do Curso de Direito, em conformidade com a Resolução N.º 114/CONSUN- CaEn/11. A regulamentação do estágio obrigatório do Curso de Direito respeita o artigo 7º da Resolução CNE/CES, de 29 de setembro de 2004, concebendo como um componente curricular obrigatório, indispensável à consolidação dos desempenhos profissionais desejados, inerentes ao perfil do formando devendo cada instituição, por seus colegiados próprios, aprovar o correspondente regulamento, com suas diferentes modalidades de operacionalização. As atividades do estágio obrigatório estão previstas na matriz curricular, totalizando 300 (trezentas) horas, contemplando a formação humanística, científica e a prática forense como as demais disciplinas do Curso de Direito. Apresenta-se como objetivo formar o bacharel em Direito com habilidade prática nas lides forenses, apto ao ingresso em qualquer carreira jurídica. Estágio Não Obrigatório O estágio não obrigatório é aquele desenvolvido pelo acadêmico como atividade opcional, acrescida à carga horária regular e obrigatória, que visa à preparação para o trabalho produtivo de estagiários que estejam frequentando o ensino regular no Curso de Direito da UNIVALI em conformidade com a Lei de 25 de setembro de A Resolução N.º 031/CONSUN-CaEn/14 regulamenta esta atividade em seus artigos 57 a 61. I atividades de Estágio recomendáveis do 1.º ao 3.º período do Curso: auxiliar em cartórios judiciais, autuação de processos, atualização do sistema, atendimento ao público. II atividades de Estágio recomendáveis do 4.º ao 10.º período do Curso: Auxiliar na elaboração de petições, pesquisas, pareceres, atendimento, auxílio em audiência, assessoria em gabinetes (promotores, juízes, delegados, etc.). As Atividades Complementares As Atividades Complementares do Curso de Direito da Univali terão carga horária global de 300 (trezentas) horas, devendo seu cumprimento ser distribuído ao longo do Curso. Elas são obrigatórias e estão divididas em 5 (cinco) categorias, assim discriminadas: I Atividades Complementares na categoria Ensino. II Atividades Complementares na categoria Pesquisa. III Atividades Complementares na categoria Produção Bibliográfica. IV Atividades Complementares na categoria Extensão e Cultura. V Atividades Complementares na categoria Trabalhos Técnicos. 10

11 Convênios O Curso de Direito tem o objetivo de oportunizar aos acadêmicos experiências que possam contribuir com a qualificação de sua formação. Para que isso se dê, estabelece convênios com entidades nacionais e internacionais que são apreciados pela Procuradoria Jurídica na UNIVALI. Sabe-se que a realização de atividades que transcendam os ensinamentos teóricos ou práticos vivenciados em sala ou em ambiente profissionalizante permitem o desenvolvimento de um olhar mais crítico que amplia a dimensão dos conhecimentos já internalizados e contribuem com a formação do futuro operador do Direito. Intercâmbios Tendo em vista o reconhecimento da importância de propiciar aos estudantes experiências, na forma de intercâmbio, o Curso de Direito, por meio da Coordenadoria de Assuntos Internacionais da UNIVALI, incentiva e oportuniza a sua comunidade discente e docente a realização de estudos fora do país. As experiências vivenciadas durante os intercâmbios representam um diferencial no currículo do intercambista, que, além das disciplinas, cursos, pesquisas realizados no exterior, mantém contato com outras culturas e línguas, além da inserção em diferentes sistemas de organização social. Internacionalização ocorre ainda por meio de convênios com universidades europeias Alicante na Espanha, Minho em Portugal, com equivalência de matrizes da graduação para fins de integralização de estudos, além de oportunizar a continuidade desses estudos com ingresso direto no mestrado nas referidas instituições; há também disciplinas previstas na matriz curricular, em caráter optativo, ministradas totalmente em língua estrangeira. Trabalho de Iniciação Científica TIC São objetivos da realização do TIC: I cumprir os requisitos para a obtenção do grau de bacharel em Direito; II estimular e desenvolver atividades de pesquisa com finalidade didática e científica; III aprimorar a capacidade de interpretação, reflexão e crítica acerca do objeto jurídico; IV favorecer o desenvolvimento das capacidades intelectuais relativas às habilidades e competências imprescindíveis ao desempenho das profissões jurídicas; V exercitar a iniciação científica; VI consolidar a capacidade de elaboração de trabalhos científicos; VII favorecer a integração entre as linhas de pesquisa da graduação e da pós-graduação em Ciência Jurídica. 11

12 Programa de Avaliação Institucional da UNIVALI Desde 1993, quando a proposta de Avaliação Institucional foi anunciada no documento base do Projeto da Universidade, a UNIVALI vem privilegiando a Avaliação Institucional como instrumento de gestão e de autoconhecimento em busca da excelência. A Avaliação Institucional da UNIVALI constitui-se em um processo de contínuo aperfeiçoamento do desempenho didático-administrativo para a promoção das melhorias e inovações necessárias ao cultivo da gestão de qualidade do ensino. Ela subsidia a autoavaliação realizada pela Comissão Própria de Avaliação CPA. Em seu Projeto Institucional, a Universidade tem como meta o rigor com a qualidade de ensino, consciente, portanto, da necessidade de um processo de avaliação permanente, criterioso e adequado às políticas nacionais. Com a promulgação da Lei nº , de 14 de abril de 2004, que instituiu o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES, a UNIVALI deu continuidade ao aperfeiçoamento de seu Programa de Avaliação Institucional, ampliando-o para diferentes aspectos. Os dados são analisados pela Comissão Própria de Avaliação, que elabora um relatório que inclui propostas de ações a partir dos resultados da avaliação, disponível em O curso de Direito do Campus Tijucas teve, nos últimos dois anos, média de participação de discentes na avaliação institucional de 84,82%. A participação docente foi de 97,5%. Avaliação externa do curso O ENADE faz parte do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES) e tem como objetivo aferir o desempenho dos estudantes ingressantes e concluintes, em relação aos conteúdos programáticos previstos nas Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação, às habilidades para ajustamento às exigências decorrentes da evolução do conhecimento e às competências para compreender temas exteriores ao âmbito específico da profissão ligado às realidades e contexto brasileiro e mundial. Sabe-se que o ENADE é um componente curricular obrigatório dos cursos de graduação, realizado em ciclos avaliativos com duração de três anos. O Curso de Direito Campus Tijucas apresenta CPC 3. Cursar Direito na UNIVALI é a garantia de uma formação sólida, certificada por uma instituição que há 50 anos forma bacharéis em Direito e é apontada como a 12.ª melhor do país, segundo o Guia do Estudante / Editora Abril (2014), IGC 4 (MEC). No Ranking Universitário Folha, que avaliou 880 cursos de Direito, o Curso de Direito da UNIVALI figura, em nível nacional, na 28.ª posição considerando instituições públicas, comunitárias e privadas. Excluindo as públicas, o curso assume a 13.ª posição no Brasil. No Estado de Santa Catarina está em primeiro lugar considerando comunitárias e privadas. Incluindo também as públicas, o curso figura na segunda posição. 12

13 Procedimentos de avaliação dos processos de ensino-aprendizagem A Avaliação do Desempenho Acadêmico na Univali, estabelecida no Regimento Geral desta universidade título III, capítulo II, seção III, artigo 103 a 111 assume novos contornos e expressa a passagem da cultura da verificação parcial, restrita ao rendimento do aluno, para a cultura da avaliação formativa que busca auxiliar o ensino e orientar a aprendizagem. A avaliação neste paradigma é concebida como algo diferente de uma pura e simples medida, é um processo mediador na construção do currículo intimamente ligada à gestão da aprendizagem dos alunos e tem como objetivos: esclarecer acadêmicos e professores sobre o processo de aprendizagem em ação; privilegiar a autorregulação do processo ensino/aprendizagem; diversificar a prática pedagógica; explicitar o que se espera construir e desenvolver por meio do ensino; tornar os dispositivos e critérios de avaliação transparentes; ampliar o campo de observação dos avanços e progressos do aluno pelo uso de variados instrumentos, procedimentos e critérios de avaliação. Integração com a Pós-Graduação (stricto sensu) O curso de Direito da UNIVALI apresenta ainda como diferencial a integração com o Programa de Pós-graduação stricto sensu (Mestrado e Doutorado) por meio de três atividades: exercício do magistério na graduação, ou seja, há professores do Mestrado/Doutorado que ministram aula na graduação; programas de iniciação científica e oferta de disciplinas seletivas conforme previsto na matriz curricular, com destaque para os seminários. 3 CORPO DOCENTE Programa de Formação Continuada A Pró-Reitoria de Ensino da UNIVALI, reiterando seu compromisso com a formação de profissionais competentes e éticos para atuarem em diferentes áreas da Universidade, implantou, em 2000, o Programa de Formação Continuada para Docentes do Ensino Superior, deflagrando um processo sistemático de construção de concepção de ensino e de identidade profissional centrado na perspectiva da construção de um profissional investigativo, que possa lidar com a complexidade do mundo, aprendendo com ela e com a multiplicidade de saberes e fazeres que envolvem a docência. Este Programa, previsto no Calendário Acadêmico, nos meses de fevereiro e julho de cada ano, tem o propósito de desenvolver um trabalho de reflexão sobre as práticas pedagógicas e impulsionar a busca de novos saberes que possibilitem ao docente enfrentar as questões que cotidianamente desafiam sua prática pedagógica. Em face de tais propósitos, o Programa visa: privilegiar as decisões coletivas; 13

14 atender às demandas apresentadas pelos docentes; aprimorar a sensibilidade pessoal e profissional no exercício ético da docência; renovar-se constantemente. Núcleo Docente Estruturante NDE O Núcleo Docente Estruturante (NDE) de um curso de graduação constitui-se de um grupo de docentes, com atribuições acadêmicas de acompanhamento, atuante no processo de concepção, consolidação e contínua atualização do Projeto Pedagógico do Curso. NOME TITULAÇÃO ATIVIDADE Celso Leal da Veiga Júnior Mestre Coordenador Luiz Braulio Farias Benítez Doutor Docente Marcos Alberto Carvalho de Freitas Mestre Docente Fernando Francisco Afonso Fernandez Mestre Docente Elton Fogaça da Costa Mestre Docente Josemar Sidinei Soares Doutor Docente Colegiado de Curso Em consonância com o Art. 56 do Regimento da UNIVALI, o Colegiado do Curso de Direito compõem-se: pelo coordenador do curso; 4 (quatro) professores, escolhidos por seus pares; 2 (dois) acadêmicos, escolhidos por seus pares. Atualmente, os representantes do Colegiado do Curso de Direito de Tijucas são: Celso da Veiga Júnior Magali Regina Fuck Negosek Marcos Alberto Carvalho de Freitas Aldo Bonatto Filho Claudia Regina Althoff Figueiredo Carlos Mathias Cardoso João Sérgio Vasco Neto Coordenador do Curso Professora Professor Professor Professora Acadêmico Acadêmico 4 CORPO DISCENTE Os acadêmicos que ingressam na UNIVALI encontram respaldo para custear o ensino superior em forma de variadas modalidades de bolsas de estudo, sejam provenientes de programas federais, ou estaduais, ou ainda originários de leis municipais e de iniciativas tomadas pela própria Fundação Universidade do Vale do Itajaí. A seguir, relacionam-se as alternativas de apoio financeiro em vigor: Programa Universidade para Todos, Programa de Bolsas de Estudo do Art.170 da Constituição do Estado de Santa Catarina, Programa de Bolsas de Estudo da Lei Orgânica dos Municípios; Programa de Bolsas de Estudo para Funcionários, Professores e seus dependentes; Programa 14

15 Bolsa Coral Univali; Programa Bolsa Atleta; Programa de Bolsas de Pesquisa; Bolsa Estágio; Bolsa Monitoria; Bolsa Intercâmbio; Desconto Escola de Idiomas da Univali (Nelle); Bolsa Egresso; Bolsa Convênio Empresa; Programa Univali Mais; Mérito Estudantil; Desconto-Família; Bolsa Ouro; Bolsa Aluno Multiplicador; Fundo Social; Oportunidade de Financiamentos; Programa de Financiamento Estudantil FIES; Programa de Apoio Financeiro a Estudantes PROAFE. Informações detalhadas sobre como funciona cada um desses programas e o que fazer para candidatar-se a eles estão disponíveis no endereço NAU Núcleo de Acessibilidade da UNIVALI O Núcleo de Acessibilidade da Univali - NAU é formado por uma equipe interdisciplinar que visa acolher, oferecer apoio e orientar alunos matriculados nos cursos de graduação e nos colégios de aplicação, promovendo a acessibilidade no processo ensino e aprendizagem no ambiente acadêmico. O NAU está estruturado em três áreas: Área Intelectual Área de Atendimento e Apoio a Acessibilidade Área Sensorial Além do NAU,a Universidade conta com outras formas de assistência aos discentes: o Banco de Talentos administrado pela área de Estágios/GEA/ProEn e o Portal do Egresso administrado pela Assessoria de Comunicação e Marketing Institucional, Orientação referente à Moradia, Transportes e Eventos em geral, Recreação para a criança (Brinquedoteca) 5 INFRAESTRUTURA As salas de aula têm aproximadamente 64m², são equipadas com ar-condicionado, projetor multimídia, sistema de internet sem fio, quadro branco, quadro verde e tela para projeção. A média de alunos por turma é de 40, variando de acordo com o período, ou seja, os primeiros períodos podem apresentar uma média um pouco superior. As cadeiras são estofadas e as mesas são individuais. O acesso a todas as salas é facilitado por rampas no caso dos pisos superiores. A iluminação é adequada, a limpeza é permanente e a mobília é bem conservada. Há algumas salas de aula, em dimensões maiores do que as convencionais, que contam com sistema de som para facilitar a comunicação entre professor e aluno. Além do espaço das salas de aula, os docentes contam com sala de professores, com mesa de trabalho, bancada de computadores para uso exclusivo, sistema de internet sem fio em todos os espaços da universidade. Contam também com laboratórios de informática e biblioteca. 15

16 Acesso dos alunos a equipamentos de informática Os acadêmicos contam com laboratórios de informática que ficam permanentemente liberados para uso exclusivo. Há também laboratório que contam com reserva para aulas. No caso da prática jurídica, todas as salas funcionam como uma espécie de mini laboratório de informática, porém destinados apenas às atividades do NPJ. O acesso à internet sem fio se dá em qualquer ponto da universidade por meio de computadores pessoais. A atualização de equipamentos e softwares é constante, e a velocidade de internet atende plenamente à demanda, principalmente a internet com fio. Núcleo de Prática Jurídica NPJ e Escritório Modelo de Advocacia EMA. O Escritório Modelo de Advocacia se constitui em módulo de estágio do Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) do Curso de Direito da Universidade do Vale do Itajaí e tem por objeto a prática da advocacia no atendimento de demandas sociais individuais. Os acadêmicos que realizam seu estágio aplicam o conteúdo adquirido nas demais disciplinas do Curso, sob a orientação de advogados, com o escopo de entrelaçar o conhecimento teórico e o prático, objetivando a consolidação de uma formação jurídica ética, contemporânea e de qualidade. O Escritório Modelo de Advocacia possui estrutura física e jurídica adequada com salas próprias, para a recepção e atendimento dos clientes. O corpo docente é composto por atuantes advogados (professores) que exercitam a docência na instituição atendendo uma média semestral de trezentos acadêmicos. A prática jurídica no Escritório Modelo de Advocacia é realizada com fatos e casos reais em que a atuação acadêmica é relevante desde o atendimento à população, a correta preparação e elaboração das petições forenses, o contínuo e eficaz acompanhamento processual, até a solução dos conflitos com a devida conciliação ou prestação jurisdicional. 16

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS CURSO DE DIREITO ITAJAÍ PROJETO PEDAGÓGICO. (Versão Sintetizada)

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS CURSO DE DIREITO ITAJAÍ PROJETO PEDAGÓGICO. (Versão Sintetizada) UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS CURSO DE DIREITO ITAJAÍ PROJETO PEDAGÓGICO (Versão Sintetizada) 1 EQUIPE DE TRABALHO Diretor do CEJURPS Prof. Dr. José Carlos Machado

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS CURSO DE DIREITO BALNEÁRIO CAMBORIÚ PROJETO PEDAGÓGICO. (Versão Sintetizada)

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS CURSO DE DIREITO BALNEÁRIO CAMBORIÚ PROJETO PEDAGÓGICO. (Versão Sintetizada) UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS CURSO DE DIREITO BALNEÁRIO CAMBORIÚ PROJETO PEDAGÓGICO (Versão Sintetizada) 1 EQUIPE DE TRABALHO Diretor do CEJURPS Prof. Dr. José

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011)

MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011) MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011) Aplicável a partir de 2013/1 1 SUMÁRIO 1 Apresentação... 3 2 Quais os critérios para que a Instituição de Ensino Superior altere a

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, RESOLUÇÃO Nº 07/2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DIREITO, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio não obrigatório,

Leia mais

Licenciatura em Educação Física

Licenciatura em Educação Física Licenciatura em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular talvez seja um dos primeiros grandes desafios do acadêmico que optou pelo Curso de licenciatura em Educação Física. As situações

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 OBJETIVOS DO CURSO OBJETIVO GERAL

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 OBJETIVOS DO CURSO OBJETIVO GERAL SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: DIREITO MISSÃO DO CURSO Desenvolver um ensino que propicie sólida formação ao aluno, constante aprimoramento docente e atualização curricular periódica.

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições;

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 06/2014 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são:

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são: RESOLUÇÃO Nº 28/08-CEPE Fixa normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização na modalidade de Educação a Distância da Universidade Federal do

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO 1) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO Itaberaí/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

A Avaliação na Universidade Federal do Pampa: para além da regulação

A Avaliação na Universidade Federal do Pampa: para além da regulação A Avaliação na Universidade Federal do Pampa: para além da regulação Profª. Drª. Amélia Rota Borges de Bastos Coordenadora de Avaliação Pró-Reitoria de Planejamento, Desenvolvimento e Avaliação Março de

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: DIREITO Missão O Curso se propõe a formar profissionais conscientes da finalidade do Direito como instrumento de transformação social e construção da cidadania, capazes

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos.

Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos. Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos. CLAUDIA MAFFINI GRIBOSKI Directora de Evaluación del INEP Instituto Nacional de Estudos e Pesquizas Educacionais Ainísio Teixeria

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2015 2019. Capítulo 5 Organização Didático Pedagógica

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2015 2019. Capítulo 5 Organização Didático Pedagógica PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2015 2019 Capítulo 5 Organização Didático Pedagógica Florianópolis Dezembro 2014 CAPÍTULO 5...5.1 ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA...5.1 5.1 INOVAÇÕES NOS PROCESSOS

Leia mais

Direito. 592 Nível (Bacharelado, Turno. Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas 201111874 24-08-2011

Direito. 592 Nível (Bacharelado, Turno. Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas 201111874 24-08-2011 Curso Direito Código INEP Código UFLA 592 Nível (Bacharelado, Turno Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas Processo e-mec- Tipo Autorização Número Data 201111874 24-08-2011 Despacho

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 18/2006 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Ciências Sociais, Bacharelado,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 01/2013 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

Curso de Especialização EM DIREITO ADMINISTRATIVO

Curso de Especialização EM DIREITO ADMINISTRATIVO Curso de Especialização EM DIREITO ADMINISTRATIVO ÁREA DO CONHECIMENTO: Direito. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Direito Administrativo. PERFIL PROFISSIONAL: Conhecer

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 1. Quais são os tipos de instituições de ensino superior? De acordo com sua organização acadêmica, as instituições de ensino

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Bacharelado em Humanidades

Bacharelado em Humanidades UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Bacharelado em Humanidades 1. Perfil do Egresso Em consonância

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 05/12 CAEPE

RESOLUÇÃO Nº 05/12 CAEPE RESOLUÇÃO Nº 05/12 CAEPE REVOGA A PORTARIA N.º 26/10 E DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO DOS CURSOS SUPERIORES DA FACULDADE DE TECNOLOGIA TECBRASIL FTECBRASIL O de Conselho de Administração,

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

MARLY GUIMARÃES FERNANDES COSTA Vice-Presidente

MARLY GUIMARÃES FERNANDES COSTA Vice-Presidente UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 2/2013-CONSUNIV Dispõe sobre diretrizes para estruturação e organização curricular dos Cursos de Graduação da UEA e dá outras providências.

Leia mais

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO CURSO DE PEDAGOGIA ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS - NORMAS -

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO CURSO DE PEDAGOGIA ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS - NORMAS - Direção da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Dom Bosco / AEDB Prof. Ms. Antonio Carlos Simon Esteves Coordenação do Curso de Pedagogia Profa. Ms. Sueli Sardinha Guedes 2 MISSÃO DA FFCLDB/AEDB Promover

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Diretrizes para a elaboração, pelo INEP,

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA ANEXO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Aprovado pelo Colegiado do Curso de Bacharelado em Educação Física, em reunião

Leia mais

A EVOLUÇÃO E OS EDUCAÇÃO SUPERIOR DESAFIOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AO LONGO DO SINAES A AS MUDANÇAS NA REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA

A EVOLUÇÃO E OS EDUCAÇÃO SUPERIOR DESAFIOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AO LONGO DO SINAES A AS MUDANÇAS NA REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA Suzana Schwerz Funghetto Coordenadora-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior/DAES/INEP A EVOLUÇÃO E OS DESAFIOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AO LONGO DO SINAES A AS MUDANÇAS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA.

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO São Paulo 2010 CAPÍTULO I DO CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º - O Estágio

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO DIREITO

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO DIREITO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO DIREITO 1. APRESENTAÇÃO O Curso de Direito completa 30 anos em 2015. Nestas três décadas, o Curso tem passado por constantes modificações, todas na busca do aperfeiçoamento

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

R E S O L V E consolidar as disposições sobre as Atividades Complementares do Curso do Curso de Graduação em Direito, como segue:

R E S O L V E consolidar as disposições sobre as Atividades Complementares do Curso do Curso de Graduação em Direito, como segue: REGIMENTO INTERNO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DA DA ESCOLA DE FORMAÇÃO JURÍDICA DA FACULDADE DE DESENVOLVIMENTO DO RIO GRANDE DO SUL FADERGS. O Diretor da Escola de Formação Jurídica

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 16/2012 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE CONSELHEIRO LAFAIETE FDCL,

FACULDADE DE DIREITO DE CONSELHEIRO LAFAIETE FDCL, Especialização: Direito Penal Ênfase: Segurança Pública PÓS-GRADUAÇÃO 2012 A FACULDADE DE DIREITO DE CONSELHEIRO LAFAIETE FDCL, Instituição de Ensino Superior, aprovada pelo Decreto Estadual n. 73.815,

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP

Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP VOTO CONSU 2012-01 de 26/04/2012 Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP Respeitada a legislação vigente, tanto para Licenciatura quanto para Bacharelado

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Página 1 de 25 Ministério da Educação Nº 1229 - Segunda feira, 21 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 807, de 18 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 808, de 18 de junho

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais