A FORÇA DA PENA: UM ESTUDO ACERCA DA IMPORTÂNCIA DO DIREITO NAS RELAÇÕES POLÍTICAS DOS RIO-GRANDENSES: PELOTAS E ALEGRETE ( ).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A FORÇA DA PENA: UM ESTUDO ACERCA DA IMPORTÂNCIA DO DIREITO NAS RELAÇÕES POLÍTICAS DOS RIO-GRANDENSES: PELOTAS E ALEGRETE (1850 1870)."

Transcrição

1 A FORÇA DA PENA: UM ESTUDO ACERCA DA IMPORTÂNCIA DO DIREITO NAS RELAÇÕES POLÍTICAS DOS RIO-GRANDENSES: PELOTAS E ALEGRETE ( ). LEONARDO POLTOZI MAIA Mestrando do PPGH UFSM Universidade Federal de Santa Maria - UFSM 1. Bacharel em Direito: Uma carreira promissora O livro de José Murilo de Carvalho (1980) A construção da Ordem: A elite política imperial, serviu como sustentação para o interesse deste estudo, onde o autor afirma que: No que se refere ao Rio G. do Sul, a relativa ausência de rio-grandenses em Coimbra foi certamente uma razão adicional para o isolamento da Província e seu problemático relacionamento com o governo central (p. 58). Neste sentido, José Murilo entende uma lacuna deixada no campo jurídico rio-grandense em relação ao restante do país no começo do século XIX, no entanto, com a criação da Faculdade de Direito de São Paulo e a Faculdade de Direito de Olinda em 1827 (esta última posteriormente transferida para Recife em 1854) proporcionaram as bases para difusão do conhecimento jurídico, estendendo a todas as províncias do Império, tendo na Faculdade de Direito de São Paulo, em especial, o maior numero de bacharéis riograndenses formados no decorrer da segunda metade do século XIX. O campo jurídico Imperial estava calcado nas bases do modelo jurídico da Faculdade de Direito de Coimbra em Portugal, porém, com a criação das faculdades de Direito de São Paulo e Olinda incorporou-se um importante papel no desenvolvimento do campo político-jurídico Imperial. Nesse sentido o campo político-jurídico riograndense estava num processo de desenvolvimento, onde a pena substituíra a espada, sendo que para defender seus interesses com a Corte, os rio-grandenses preferiram formar os filhos no campo jurídico para a busca do atendimento de seus interesses do que travar um novo combate armado, segundo Vargas (2007): 1

2 A Revolta dos Farrapos ( ), jamais esquecida pelos que nela lutaram, havia ensinado aos estancieiros rebeldes e aos seus filhos e netos que o conflito armado contra o Império talvez não fosse a melhor maneira de defender os seus interesses políticos e econômicos. Neste sentido, ao invés da insurreição, a participação direta no próprio governo central tornava-se uma alternativa mais vantajosa para as elites rio- grandenses. (p. 11) Dentre as funções dos recém-formados, a política era um rumo quase sempre vantajoso, José Murilo de Carvalho (1980) afirma que o mais difícil era entrar no cenário político, no entanto: um diploma de estudos superiores, especialmente em direito, era quase sine qua non para os que entendessem chegar até os postos mais altos. (p. 96,). A carreira política no século XIX era uma importante ferramenta para mobilidade social ou manutenção da mesma, tendo na formação em Direito uma importante ponte para inserção neste mundo político, onde as práticas dos bacharéis em Direito estavam muitas vezes ligadas aos atos políticos. Wolkmer (2009) entende que na pratica (...) o poder judicial estava identificado com o poder político, embora, institucionalmente, suas funções fossem distintas. (p. 120). No que se refere aos altos custos da formação desses jovens rio-grandenses, Vargas (2007) afirma que: Não resta dúvida que estes estudantes faziam parte de uma camada privilegiada da sociedade brasileira. Custava muito caro formar um filho numa faculdade de direito do império(...). (p. 43). Ascender politicamente era uma possibilidade, porém não era uma tarefa muito simples, onde era necessário além dos investimentos financeiros, um investimento no aumento da rede social, a formação Direito constituía uma porta de entrada, porém, a família exercia uma importante parcela de participação na construção das carreiras; conforme Vargas (2010) os jovens advogados exerciam papel: 2 (...) como os principais elementos de mediação polítca, ou seja, os mais aptos a ocuparem os altos cargos. Entretanto, o mesmo só foi possível porque uma extensa base local - cuja família era o ponto central sustentava-os, formando, investindo e acompanhando a sua trajetória. (p. 49).

3 A questão das redes de contatos influenciava diretamente para o manejo e aspirações de cargos políticos, em que as influências familiares também entravam neste círculo de contatos, além disso, a formação fazia parte dos planos familiares para os jovens, e a formação em Direito tinha uma espécie de papel principal nesses projetos familiares. Vargas (2007) salienta que: Ao regressarem para as estâncias ou propriedades de seus pais com o seu diploma, uma etapa do projeto familiar já estava garantida. (p. 45). A mudança da administração Imperial era cada vez mais latente, tendo no (...) universalismo de uma dominação cada vez mais burocrática que começa a despontar com um perfil bastante nítido desde a década dos anos cinquenta. (URICOECHEA, p. 89, 1997). Tal mudança colocava os bacharéis num pedestal da classe letrada, onde estes formados em Direito acabariam por exercer variados cargos e funções nas suas carreiras, onde Carvalho (1980) entende que com a formação era de suma importância a para exercer um cargo político e, em alguns casos, a influência familiar era suficientemente para levar o jovem bacharel diretamente à Câmara. (p. 96). Como observamos, a formação em Direito era um grande passo para um vida política de sucesso Os bacharéis rio-grandenses A revista Justiça & História, editada pelo Centro de Memória do Judiciário, traz um Artigo de Sergio da Costa Franco, intitulado Gaúchos na Academia de Direito de São Paulo no século, onde são listados os bacharéis sul-rio-grandenses formados na Faculdade de Direito de São Paulo, entre 1832 e Franco (2002) ressalta a importância do papel da Faculdade de São Paulo no processo da construção da educação da elite rio-grandense: A influência exercida pela Academia de Direito de São Paulo na formação das elites culturais e políticas do Rio Grande do Sul, durante o século 19 e princípios do século 20, parece matéria fora de discussões. Em todo o Brasil, aliás, houve prevalência dos estudos jurídicos em relação às demais especialidades. E sendo apenas duas as faculdades de Direito então existentes a de São Paulo e a de Recife (p. 1).

4 Dentro desta perspectiva, Franco (2002) ainda se refere a importância da listagem e estudo dos bacharéis em Direito, pois: (...)oferece bons subsídios para estudos de história política, dado que o diploma de bacharel em Direito era o mais seguro passaporte para o ingresso na administração pública e para o exercício dos poderes de estado. (p. 2). No entanto, no estudo realizado por Franco (2002), podemos observar um ponto em que fica evidente que nem todo bacharel rio-grandense que se formara acabava por regressar à província: Em alguns casos nada se conseguiu além do nome do diplomado, valendo ponderar que sendo o Rio Grande do Sul um lugar de trânsito freqüente de militares, muitos dos bacharéis naturais da Província perderam contato e vínculos com a terra natal em razão da transferência de seus pais para outras guarnições. (p.2). Logo, estes jovens estavam sendo inseridos num novo processo de articulação política. Na sua tese, Vagas (2007) apresenta a figura dos seguintes gaúchos na Faculdade de Direito São Paulo: Antônio Ferreira Viana, Félix Xavier da Cunha, Gaspar Silveira Martins, Henrique Francisco D Ávila, Felisberto Pereira da Silva e João Benício da Silva. Na Faculdade de Recife José Francelino de Araújo (1996) nos traz os seguintes bacharéis: Manuel Moreira de Guerra, Luís Antônio da Silva Nunes, Bernardino Dias de Castro Sobrinho, Paulino Rodrigues Fernando Chaves, Sebastião Pinto do Rego Sobrinho, Severino Ribeiro Carneiro Monteiro, Horácio Olinda do Espírito Santo, Fernando Luís do Osório (1873) e Francisco Luís do Osório (1877), os últimos, mesmo fora do período pretendido, são trazidos aqui, por serem filhos de Osório, Marques do Erval. Estes bacharéis listados por estes autores acabariam na sua grande maioria por exercerem cargos na vida política do século XIX O bacharel em Direito e o aparato burocrático que se criara. Dentro do sistema que se criara, Wolkmer (2009) entende que o sistema burocrático jurídico no estado imperial brasileiro (...) implantou-se uma espécie de administração calcada nos critérios de pessoalidade, amizade, parentesco retribuição,

5 privilégio e em disposições legais carentes de objetividade (p. 122). Já Uricoechea (1977), acredita que (...) o começo da racionalização na administração da justiça coincidiu com os interesses materiais do grupo de pressão constituído pelos letrados. (p. 89). Na medida que as mudanças nesse sistema vão mudando, (...) esse limite entre a burocracia e administração patrimonial dentro do mesmo Império esteve sujeito a redefinições permanentes durante o século XIX (URICOECHEA, p. 89, 1977) No que tange ao sistema jurídico, a burocratização também acabaria por mudar as bases que se encontrava tal universo jurídico, na medida que: a criação de um aparato burocrático para a administração da justiça não foi menos sensível ás mutáveis necessidades históricas da organização do estado central. (URICOECHEA, p. 97, 1977). As mudança da administração patrimonial era cada vez mais latente, muito embora muitas dessas mudanças vinham também para conter o poder local, onde este monopólio do poder localista foi perdendo força, a medida que as legislaturas municipais e câmaras saem das mãos dos donos do poder local, uma medida importante para isso nos parece ser a Lei de Interpretação de 1841, onde (...) os juízes municipais passam a ser nomeados pelo poder central e a concentrar, aliás, funções de justiça e polícia. (URICOECHEA, p. 100, 1977) O Império brasileiro começava a reorganizar seu sistema burocrático, ainda mais pós-revoltas regenciais, e as províncias tinham papel importante para o funcionamento deste aparato do Império, neste sentido a carência de pessoal capacitado para o desenvolvimento das atividades burocráticas era: 5 (...) severa na esfera judiciária, e acarretou como consequência imediata que as funções a serem formalmente desempenhadas por advogados profissionais enviados pela administração central foram de fato preenchidas pelo serviço aficionado dos honorationes locais (URICOECHEA, p. 101, 1977). Neste sentido pode-se afirmar então, que o poder central preocupava-se com um grande problema encontrado para a consolidação de um sistema de dominação inteiramente burocrático e despatrimonializado foi a ausência de pessoal qualificado ao qual confiar a administração local de governo (URICOECHEA, p. 101, 1977). Outra importante questão em relação aos desdobramentos referentes aos interesses dessa

6 classe burocrática capacitada fica clara quando se percebe que não só os provincianos buscavam a formação superior para atender seus interesses, a Corte também buscava um aparato administrativo para também ter influência, neste sentido Vargas (2007) mostra que: Era de interesse da Coroa compor os seus quadros dirigentes com políticos influentes em suas respectivas regiões de origem, capazes de garantir o apoio necessário para a governabilidade do Centro. Muitos destes escolhidos eram membros das mais ricas e tradicionais famílias de suas respectivas províncias que, é importante ressaltar, não esperavam de maneira passiva este recrutamento, ou seja, elas buscavam ser cooptadas com o objetivo de usufruírem de todos os benefícios oriundos desta aproximação com o mundo da Corte. (p. 2007) Podemos observar que a importância do sistema burocrático que se criara e, a forte relação que bacharéis não podem ser visto como coincidência, pois: Dos 34 mediadores políticos, 22 (65%) eram bacharéis em direito, sendo que 18 eram advogados. A presença destes profissionais dentro da elite política sul-rio-grandense foi um fenômeno que se consolidou nas décadas de 1850 e (p. 50, 2010). 6 Portanto, como podemos observar até aqui, o diploma de bacharel em Direito, era uma porta que facilitava a entrada no cenário da política do século XIX. No fundo documentos públicos do RS, série: Assembleia Legislativa do Centro de Documentação de Obras Valiosas CEDOV da Bibliotheca Publica Pelotense encontram-se algumas correspondências onde percebemos a força política de um dos bacharéis pesquisados, Joaquim José Affonso Alves, graduado pela Universidade de São Paulo em 1837, tendo a troca nas correspondências as troca de favores e alguns traços de sua mobilidade política e jurídica do mesmo. Aparecem correspondências até mesmo de pedidos de desculpas por não aceitar determinados cargos, em que José de Souza Soares envia a Joaquim Affonso Alves aceitando suas desculpas por não aceitar o cargo de promotor público da comarca de Rio Grande, onde posteriormente Joaquim Affonso acabaria aceitando tal cargo. Questões acerca mobilidade jurídica, ode Joaquim foi convidado para ocupar o cargo de suplente de Juiz de órfãos da cidade de Pelotas.

7 Ao trabalhar as correspondências, investigando a trajetória da atuação políticomilitar de David Canabarro, comecei a deparar-me com um personagem que aparecia como seu braço direito, o advogado Timóteo Pereira da Rosa. David Canabarro, dignitário da Ordem da Rosa, condecorado com as medalhas das campanhas de 1817 a 1822, 1825, 1852 e da Uruguaiana, Brigadeiro Honorário da Guarda Nacional etc. Pela presente procuração por mim feita e assinada concedo ao Sr. Dr. Timóteo Pereira da Rosa o poder de justar a minha conta de vencimentos militares com a Tesouraria Geral da Fazenda, e de receber da mesma a importância que me couber por este ajuste de contas; pode substabeler esta. S. Gregório, 15 de novembro de (CV-3521, p. 280) Esse advogado era encontrado constantemente em correspondências com David Canabarro, administrando suas manobras burocráticas, onde Canabarro depositara sempre confiança em Dr. Timóteo, no que se referia a assuntos diplomáticos ou financeiros. Vargas (2007) apontou o advogado, por muitas vezes encontrado nas correspondências de Canabarro: 7 As bases do novo partido estavam sedimentadas. Outros jovens bacharéis rio-grandenses que viriam a ser grandes lideranças dentro da agremiação chegavam de São Paulo. Os futuros deputados Timóteo Pereira da Rosa, natural de São Borja. (p. 56, 2007) Além disso, Vargas (2007) demonstrou que esses advogados muitas vezes serviam como mediadores políticos, entre a província e a Corte, no que se refere aos interesses privados de suas famílias, que, investiam altos custos na formação do jovem nas faculdades de Direito, onde de depois de formados ou até mesmo no decorrer de suas formações faziam redes de contatos que funcionariam como alavanca para atender tais interesses aspirados por estas famílias, no que tange aos bacharéis exercerem um papel já premeditado, funcionando como mediadores, que ao entendimento de Vargas (2007): (...) os mediadores políticos eram preparados e investidos pela família para cumprirem este papel. Esta estratégia estava sujeita a muitos outros determinantes, sendo que as redes sociais da família e

8 aquelas adquiridas pelo jovem eram fundamentais para que o mesmo alcançasse tal posto. Uma vez dentro da elite política, o mediador reconvertia todos os esforços P materiais e imateriais na sua formação para ampliar as suas redes e captar recursos para a família e a comunidade, reproduzindo assim a própria desigualdade social que explica a sua trajetória de exceção. (p. 36, 2007) As redes de contatos funcionavam como uma das estratégias para a inserção de um indivíduo no mundo político, no entanto essas redes não funcionavam como simples relações sociais entre indivíduos, mas sim num complexo plano elaborado pelas familiais, onde buscavam inserir seus filhos no meio que lhes proporcionasse algum retorno, seja financeiro como no sentido de relações sociais, e a academia de Direito parecia ser o melhor lugar para desenvolver tais aspirações, pois lá passavam muitos dos futuros políticos dos XIX. Este trabalho esta na fase inicial, onde se buscara responder algumas questões levantadas referentes a valorização do bacharel e o uso do Direito, assim como averiguar quais as ideologias políticas e interesses de alguns dos bacharéis riograndenses no período de , buscar quais as funções que estes bacharéis ocupavam depois de formados. Diante do exposto, as documentações já coletadas no Pelotas no Centro de Documentação de Obras Valiosas CEDOV da Bibliotheca Pública Pelotense e do Centro De Pesquisa E Documentação De Alegrete - CEPAL, além das produções bibliográficas referentes ao tema, sendo pretendido realizar um estudo que possa avereguiar a o processo de valorização do bacharel em Direito em sua profissão e carreira e também suas manobras nas articulações políticas para o atendimento dos interesses regionais privados de rio-grandenses em relação ao centro de poder do estado imperial brasileiro, na segunda metade do século XIX, e mais especificamente entre , a partir da Linha de Pesquisa Integração, Política e Fronteira do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Santa Maria. 8

9 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABREU, Sérgio França Adorno de. Os Aprendizes do Poder: O Bacharelismo Liberal na Política Brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, ARAÚJO, José Francelino. A Escola do Recife no Rio Grande do Sul. Porto Alegre. Sagra D.C. Luzzatto ARQUIVO Histórico do Rio Grande do Sul. Anais do arquivo Histórico de Rio Grande do Sul. Coleção Alfredo Varela, Porto Alegre, v. 6 ARQUIVO Histórico do Rio Grande do Sul. Fundo Autoridades Militares, Maço II CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem/ Teatro de sombras. São Paulo: Civilização Brasileira, GRAHAM, Richard. Clientelismo e Política no Brasil do Século XIX. Rio de Janeiro: UFRJ, FRANCO, Moacyr. Gaúchos na Academia de Direito de São Paulo no século XIX in: Revista Justiça & História. Porto Alegre: CEMJUG, 2001, pp MATTOS, Ilmar R. de. O Tempo Saquarema: a Formação do Estado Imperial. São Paulo: Hucitec, MOACYR, Primitivo. A Instrução e as Províncias: subsídios para a história da educação no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1939, 2 volumes. PADOIN, Maria Medianeira. O federalismo gaúcho: fronteira platina, direito e revolução. São Paulo: Companhia Editora Nacional, PANIAGUA, Edson Romário Monteito. A construção da ordem fronteiriça: Grupos de poder e estratégias eleitorais na campanha sul-rio-grandense ( ) f. Tese (Programa de Pós-Graduação em História) Universidade do Vale dos Sinos - UNISINOS, São Leopaldo, REICHARDT, H. Canabarro. David Canabarro(estudo biografico). Edição centenario Farroupilha nº4. Porto Alegre: Papelaria Velho, RÉMOND, René (org). Por uma história política. 2ª ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, ROSA, Othelo. Vultos da Epopeia Farroupilha. Porto Alegre: Globo, URICOECHEA, Fernando. A formação do estado brasileiro no século XIX. Dados, Rio de Janeiro, 1977.

10 VARGAS, Jonas Moreira. Entre a Paróquia e a Corte: uma análise da elite política do Rio Grande do Sul ( ) f. Dissertação (Programa de Pós- Graduação em História) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, VARGAS, Jonas Mureira. O Círculo dos grandes: Os mediadores políticos e as famílias de elite n Rio Grande do Sul ( ) WOLKMER, Antonio Carlos. História do Direito no Brasil: 5ª Edição. Rio de Janeiro,

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Futuro Profissional um incentivo à inserção de jovens no mercado de trabalho

Futuro Profissional um incentivo à inserção de jovens no mercado de trabalho Futuro Profissional um incentivo à inserção de jovens no mercado de trabalho SOUSA, Pedro H. 1 Palavras-chave: Mercado de Trabalho, Formação Acadêmica, Empreendedorismo. Introdução: O mercado de trabalho

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE CONSELHEIRO LAFAIETE FDCL,

FACULDADE DE DIREITO DE CONSELHEIRO LAFAIETE FDCL, Especialização: Direito Penal Ênfase: Segurança Pública PÓS-GRADUAÇÃO 2012 A FACULDADE DE DIREITO DE CONSELHEIRO LAFAIETE FDCL, Instituição de Ensino Superior, aprovada pelo Decreto Estadual n. 73.815,

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927)

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) Pereira, Tatiana Aparecida Universidade Federal de Juiz de Fora tatianapereira_2009@yahoo.com.br

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Mylena Gomes Curvello mylenagcurvello@hotmail.com 9 período

Leia mais

O DIREITO E A POLÍTICA: OS BACHARÉIS EM DIREITO NO CENÁRIO POLÍTICO SUL-RIO-GRANDENSES DO SÉCULO XIX (1850-1870) PELOTAS E ALEGRETE.

O DIREITO E A POLÍTICA: OS BACHARÉIS EM DIREITO NO CENÁRIO POLÍTICO SUL-RIO-GRANDENSES DO SÉCULO XIX (1850-1870) PELOTAS E ALEGRETE. O DIREITO E A POLÍTICA: OS BACHARÉIS EM DIREITO NO CENÁRIO POLÍTICO SUL-RIO-GRANDENSES DO SÉCULO XIX (1850-1870) PELOTAS E ALEGRETE. LEONARDO POLTOZI MAIA 1 Um diploma de um curso superior no século XIX

Leia mais

A medida da lei de cotas para o ensino superior

A medida da lei de cotas para o ensino superior Versão 2, 1/12/2008 A medida da lei de cotas para o ensino superior Simon Schwartzman Qual o verdadeiro alcance da lei de cotas para o ensino superior aprovada pelo Congresso Nacional no Dia da Consciência

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL E DIREITOS FUNDAMENTAIS

DIREITO CONSTITUCIONAL E DIREITOS FUNDAMENTAIS I CURSO DE VERÃO IGC/IDDE DIREITO CONSTITUCIONAL E DIREITOS FUNDAMENTAIS Local: Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra/Portugal Data: 13 a 17 de julho de 2015 Realização: IGC Ius Gentium Conimbrigae/Centro

Leia mais

O Presidente da República Portuguesa, S. Ex.ª o Sr. Prof. Francisco de Paula Leite Pinto, presidente da Junta de Energia Nuclear; e

O Presidente da República Portuguesa, S. Ex.ª o Sr. Prof. Francisco de Paula Leite Pinto, presidente da Junta de Energia Nuclear; e Decreto-Lei n.º 46907 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo dos Estados Unidos do Brasil para a cooperação na utilização da energia nuclear para fins pacíficos, assinado na cidade

Leia mais

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 http://noticias.terra.com.br/brasil/golpe-comecou-invisivel-diz-sobrinho-de-substitutode-jango,bc0747a8bf005410vgnvcm4000009bcceb0arcrd.html acesso em 31-03-2014

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

PROFISSÃO PROFESSOR DE MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA UEPB MONTEIRO PB.

PROFISSÃO PROFESSOR DE MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA UEPB MONTEIRO PB. PROFISSÃO PROFESSOR DE MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA UEPB MONTEIRO PB. Cícero Félix da Silva Universidade Estadual da Paraíba Campus Monteiro cicero.bv_2007@hotmail.com

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil)

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil) TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS E AUTORIDADES DE OEA/Ser.K/XXXVII.3 ALTO NÍVEL RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS DE REDMU-III/INF. 4/05 DESCENTRALIZAÇÃO, GOVERNO LOCAL E PARTICIPAÇÃO 28 outubro 2005 DO CIDADÃO

Leia mais

Getúlio Vargas e a Era Vargas

Getúlio Vargas e a Era Vargas Getúlio Vargas e a Era Vargas http://www.suapesquisa.com/vargas/ AGOSTO RUBEM FONSECA Getúlio Vargas e a Era Vargas: ASPECTOS A RESSALTAR Vida de Getúlio Vargas; Revolução

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO E JUSTIÇA DO TRABALHO 2ª TURMA GOIÂNIA-GO

ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO E JUSTIÇA DO TRABALHO 2ª TURMA GOIÂNIA-GO ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO E JUSTIÇA DO TRABALHO 2ª TURMA GOIÂNIA-GO REGULAMENTAÇÃO Resolução CNE/CES nº 1/2007, Diário Oficial da União, Brasília, 08/06/2007, Seção 1, pág. 9 Estabelece normas para o funcionamento

Leia mais

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL BASES COMUNS DO SISTEMA COLONIAL PACTO-COLONIAL Dominação Política Monopólio Comercial Sistema de Produção Escravista ESTRUTURA SOCIAL DAS COLONIAS ESPANHOLAS Chapetones

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

TERCEIRO SETOR E EDUCAÇÃO NA PRODUÇÃO ACADÊMICA DA REGIÃO SUDESTE, ENTRE 1995 E 2004

TERCEIRO SETOR E EDUCAÇÃO NA PRODUÇÃO ACADÊMICA DA REGIÃO SUDESTE, ENTRE 1995 E 2004 TERCEIRO SETOR E EDUCAÇÃO NA PRODUÇÃO ACADÊMICA DA REGIÃO SUDESTE, ENTRE 1995 E 2004 Ana de Godoy Weisz 1 O trabalho se propôs a pesquisar a tendência da produção acadêmica quanto à inserção do Terceiro

Leia mais

Exacerbado, atual nacionalismo é pregado por quem veste Prada

Exacerbado, atual nacionalismo é pregado por quem veste Prada Para Ana Maria Dietrich, professora da Federal do ABC, grupos que levantam bandeiras do ódio e do preconceito não possuem fundamento e são regidos pela elite brasileira São Bernardo do Campo Professora

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº. Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Produtor Cultural, Esportivo e de Ações Sociais. O Congresso Nacional Decreta:

PROJETO DE LEI Nº. Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Produtor Cultural, Esportivo e de Ações Sociais. O Congresso Nacional Decreta: PROJETO DE LEI Nº Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Produtor Cultural, Esportivo e de Ações Sociais. O Congresso Nacional Decreta: Art. 1º O Exercício da profissão de Produtor Cultural, Esportivo

Leia mais

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Adoção (32 V4.08) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social,

Leia mais

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Ricardo Figueiredo Pirola Mestrando UNICAMP No ano de 1832 foi descoberto em Campinas um plano de revolta escrava,

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES Gisllayne Rufino Souza* UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

DISCURSO DE FRANCIS BOGOSSIAN

DISCURSO DE FRANCIS BOGOSSIAN DISCURSO DE FRANCIS BOGOSSIAN na solenidade de posse do Conselho Consultivo e do presidente executivo da AEERJ Dia 28 de julho de 2014 Centro de Convenções da Firjan Minhas Senhoras e Meus Senhores, Gostaria

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome Nº Ano Data: Professor: Piero/ Thales Nota: (valor 2,0) 2º semestre a) Introdução Neste semestre, sua média foi inferior a 6,0 e você não assimilou os conteúdos

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO N DE 2014. (Do Sr. Izalci)

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO N DE 2014. (Do Sr. Izalci) REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO N DE 2014 (Do Sr. Izalci) Requer informações ao Ministro da Educação Senhor José Henrique Paim sobre o retorno ao País de bolsistas ligados ao Programa Ciência Sem Fronteiras.

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Nome usado profissionalmente: Rui Moreira Chaves CARREIRA ACADÉMICA

CURRICULUM VITAE. Nome usado profissionalmente: Rui Moreira Chaves CARREIRA ACADÉMICA CURRICULUM VITAE Nome usado profissionalmente: Rui Moreira Chaves Domicílio profissional: Rua 14 de Outubro, 629, 4º. Esqº. Tras., 4430-051 Vila Nova de Gaia; Tel.: 223708985; Fax: 223708988. E Mail: rchaves@net.sapo.pt

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias Relato de experiência de um agente social sobre suas atividades com as comunidades do município de Santa Maria- RS, através do

Leia mais

75 ANOS DE TRADIÇÃO JURÍDICA.

75 ANOS DE TRADIÇÃO JURÍDICA. ANOS 75 ANOS DE TRADIÇÃO JURÍDICA. Fundado em 1937, URBANO VITALINO ADVOGADOS é um escritório com larga experiência e tradição jurídica, que prima pela excelência na prestação de seus serviços e atua em

Leia mais

FAQ Indicação da Componente Lectiva

FAQ Indicação da Componente Lectiva FAQ Indicação da Componente Lectiva Deixamos aqui un longo conjunto de perguntas e respostas sobre a Indicação da Componente Letiva publicada no site da Dre Alentejo. 1. Face ao disposto no n.º 3 do artigo

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. História da Administração Pública no Brasil APRESENTAÇÃO

PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. História da Administração Pública no Brasil APRESENTAÇÃO PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Disciplina: História da Administração Pública no Brasil Professor(es): Wallace Moraes Período: 2013/2 Horário: 3 e 5 feiras,

Leia mais

A legitimidade da CNseg

A legitimidade da CNseg 18 A legitimidade da CNseg Para provocar o controle abstrato de constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal FELIPE MONNERAT 19 A Constituição Federal de 1988 prevê mecanismos de controle da compatibilidade

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

O SR. VANDER LOUBET (PT-MS) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e. Senhores Deputados, a Conferência Internacional da OIT,

O SR. VANDER LOUBET (PT-MS) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e. Senhores Deputados, a Conferência Internacional da OIT, O SR. VANDER LOUBET (PT-MS) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, a Conferência Internacional da OIT, realizada em junho de 2004, aprovou a Recomendação nº. 195,

Leia mais

Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos

Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos Ciência Política no Brasil: história, conceitos e métodos PROJETO APRESENTADO PELA ABCP À FUNDAÇÃO FORD E AO INSTITUTE FOR INTERNATIONAL EDUCATION (IIE). Leonardo Avritzer Carlos R. S. Milani Rachel Meneguello

Leia mais

> MENSAGEM DE BOAS VINDAS

> MENSAGEM DE BOAS VINDAS > MENSAGEM DE BOAS VINDAS A (DPE), da (DREQP), inicia, com o primeiro número desta Newsletter, um novo ciclo de comunicação e aproximação ao público em geral e, de forma particular, aos seus parceiros

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

Caderno Temático de Educação Patrimonial nº 02

Caderno Temático de Educação Patrimonial nº 02 Caderno Temático de Educação Patrimonial nº 02 Chamada artigos A série Caderno Temático de Educação Patrimonial é uma publicação da Casa do Patrimônio de João Pessoa, uma parceria entre a Superintendência

Leia mais

POLÍTICA CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA CARGOS E SALÁRIOS 1. OBJETIVO Estabelecer critérios de remuneração, baseados na legislação brasileira vigente e nas regras definidas pela Secretaria Executiva e Conselho Curador, com o objetivo de constituir uma estrutura

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA NA EDUCAÇÃO: O CASO DO PRONATEC NA CIDADE DO RECIFE /PE

A CONSOLIDAÇÃO DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA NA EDUCAÇÃO: O CASO DO PRONATEC NA CIDADE DO RECIFE /PE A CONSOLIDAÇÃO DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA NA EDUCAÇÃO: O CASO DO PRONATEC NA CIDADE DO RECIFE /PE 1. INTRODUÇÃO Thayane Maria Deodato Cavalcante UFPE (thayanedc@hotmail.com) Lígia Batista de Oliveira

Leia mais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Seminário Internacional sobre Governabilidade Democrática e Igualdade de Gênero CEPAL - Santiago do Chile 1-2 de dezembro de 2004 Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Gostaria inicialmente

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul

Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul ESTRUTURA CFC Criados pelo DL 9295 de 27 de maio de 1946 CRCs DELEGACIAS REGIONAIS As Delegacias Regionais foram criadas a partir de 1958. O CRCRS

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE CONSELHEIRO LAFAIETE FDCL,

FACULDADE DE DIREITO DE CONSELHEIRO LAFAIETE FDCL, PÓS-GRADUAÇÃO 2012 Especialização: Direito e Processo do Trabalho A FACULDADE DE DIREITO DE CONSELHEIRO LAFAIETE FDCL, Instituição de Ensino Superior, aprovada pelo Decreto Estadual n. 73.815, de 12 de

Leia mais

EFA- TÉCNICO DE CONTABILIDADE UFCD 567 NOÇÕES DE FISCALIDADE

EFA- TÉCNICO DE CONTABILIDADE UFCD 567 NOÇÕES DE FISCALIDADE EFA- TÉCNICO DE CONTABILIDADE UFCD 567 NOÇÕES DE FISCALIDADE INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO DA LEI FISCAL Trabalho realizado: -Patrícia Alves; -Joaquim Mira; -Maria Antónia; -Ana Maltêz; 22 de Maio de 2014

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO REFLEXÕES SOBRE O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ACERCA DA EDUCAÇÃO Cristiane Silva Melo - UEM 1 Rosileide S. M. Florindo - UEM 2 Rosilene de Lima - UEM 3 RESUMO: Esta comunicação apresenta discussões acerca

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO IV. AS FUNDAÇÕES DO PENSAMENTO POLÍTICO, SOCIAL E ECONÔMICO BRASILEIRO.

PROGRAMA DE ENSINO IV. AS FUNDAÇÕES DO PENSAMENTO POLÍTICO, SOCIAL E ECONÔMICO BRASILEIRO. CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS CCHL MESTRADO DE CIÊNCIA POLÍTICA DISCIPLINA: FORMAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA DO BRASIL PROFESSOR: CLEBER DE DEUS CONSULTAS: A COMBINAR COM O PROFESSOR PERÍODO: 2008.1 E-mail:

Leia mais

O mercado de trabalho e o ensino EAD

O mercado de trabalho e o ensino EAD O mercado de trabalho e o ensino EAD Caio Álvares e Souza Filipe Ribeiro Navarro Josemir Virginio dos Santos Junior Resumo O ensino EaD cresce no Brasil de acordo com o Censo do Ensino Superior 2010 do

Leia mais

Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete do Des. Manoel Soares Monteiro

Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete do Des. Manoel Soares Monteiro Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete do Des. Manoel Soares Monteiro DECISÃO MONOCRÁTICA. AGRAVO DE INSTRUMENTO NQ 200.2011.016.515-2/001 RELATOR: Des. Manoel Soares Monteiro AGRAVANTE:

Leia mais

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial Introdução Esta proposta de estudo insere-se na linha de pesquisa Trabalho, Gênero e Políticas Sociais do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da PUCRJ e buscou conhecer questões referentes à inserção

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE ESTUDO AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE George de Cerqueira Leite Zarur Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia ESTUDO DEZEMBRO/2004 Câmara dos Deputados Praça

Leia mais

Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto

Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto Mediação Familiar Lei n.º 133/99 de 28 de Agosto Altera a Organização Tutelar de Menores, nomeadamente através da introdução de novos artigos de que destacamos aquele que se refere à mediação Artigo 147.º

Leia mais

PALAVRAS DO GOVERNADOR TASSO JEREISSATI POR OCASIÃO DA ABERTURA DO SEMINÁRIO "LIDERANÇA JOVEM NO SECULO XXI", AOS 07/03/2002 ~j 2902 03-0~/02

PALAVRAS DO GOVERNADOR TASSO JEREISSATI POR OCASIÃO DA ABERTURA DO SEMINÁRIO LIDERANÇA JOVEM NO SECULO XXI, AOS 07/03/2002 ~j 2902 03-0~/02 PALAVRAS DO GOVERNADOR TASSO JEREISSATI POR OCASIÃO DA ABERTURA DO SEMINÁRIO "LIDERANÇA JOVEM NO SECULO XXI", AOS 07/03/2002 ~j 2902 03-0~/02 Excelentíssimo Senhor Enrique Ig lesias, Presidente do Banco

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho.

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. O propósito dessa aula é reconhecer quais os lugares de onde se originam os direitos trabalhistas, onde procurá-los

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Resumo O presente texto tem por objetivo refletir e discutir sobre a integração entre ensino,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA Modelo de Currículo Vagas no CNJ e no CNMP

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA Modelo de Currículo Vagas no CNJ e no CNMP Nome Tribunal de origem JOÃO MAURICIO GUEDES ALCOFORADO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO. Data de posse 13/10/1992. Vaga a que deseja concorrer JUIZ DO CNMP Atuação Profissional Atual: Juiz Titular da

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

Alfredo de Almeida Russell

Alfredo de Almeida Russell Diretoria-Geral de Comunicação e de Difusão do Conhecimento Acervo do Museu da Justiça Alfredo de Almeida Russell Natural da cidade do Rio de Janeiro, nasceu em 3 de agosto de 1875. Estudou no Colégio

Leia mais

Palavras-chave: Historia da Educação Física. Formação Profissional. Tendências Pedagógicas.

Palavras-chave: Historia da Educação Física. Formação Profissional. Tendências Pedagógicas. GT10 EDUCAÇÃO, HISTÓRIA E MEMÓRIA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FISICA NO BRASIL E SUAS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NO ENSINO SUPERIOR. Jose Carlos de Sousa 1 RESUMO Este artigo constitui-se numa reflexão a respeito

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Dia da Escola de Ciências da Saúde //Homenagem ao Prof. Sérgio Machado dos Santos Auditório da ECS 8 de Outubro de 2009, 10h

Dia da Escola de Ciências da Saúde //Homenagem ao Prof. Sérgio Machado dos Santos Auditório da ECS 8 de Outubro de 2009, 10h - Senhor Secretário de Estado da Saúde; - Senhora Presidente da Escola de Ciências da Saúde; - Senhor Professor José Veiga Simão, (profundamente ligado à criação desta Universidade) - Senhor Professor

Leia mais

25 de Abril de 2015 Comemoração dos 41 anos da Revolução dos Cravos

25 de Abril de 2015 Comemoração dos 41 anos da Revolução dos Cravos 25 de Abril de 2015 Comemoração dos 41 anos da Revolução dos Cravos Intervenção da Deputada Municipal do PSD Célia Sousa Martins Senhora Presidente da Assembleia Municipal, Senhor Presidente da Câmara

Leia mais

UMA PESQUISA SOBRE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NO IFC-CÂMPUS CAMBORIÚ

UMA PESQUISA SOBRE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NO IFC-CÂMPUS CAMBORIÚ UMA PESQUISA SOBRE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NO IFC-CÂMPUS CAMBORIÚ Autores: Jaqueline Lima PALOMBO (Bolsista PIBIC-EM/CNPq); Nadia Rocha VERIGUINE (Orientadora); Ângelo Augusto FROZZA (Co-orientador). Introdução

Leia mais

PROPOSTA DE NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DA ARQUEOLOGIA

PROPOSTA DE NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DA ARQUEOLOGIA PROPOSTA DE NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PARA O EXERCÍCIO DA ARQUEOLOGIA Luís Cláudio Symanski (CEPA - Universidade Federal do Paraná) Christiane Lopes Machado (Rheambiente) Roberto Stanchi (Instituto

Leia mais

Circular NPJ nº 01/2008:

Circular NPJ nº 01/2008: Rio de Janeiro, 14 de março de 2008. Circular NPJ nº 01/2008: Apresenta o funcionamento do Núcleo de Prática Jurídica e do Escritório Modelo. Estimados Alunos, Essa circular visa ao esclarecimento do funcionamento

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E RELAÇÕES

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E RELAÇÕES PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E RELAÇÕES DE TRABALHO 2º SEMESTRE DE 2015 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944 com o objetivo de preparar profissionais

Leia mais

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução.

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. RESUMO ESPANDIDO O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. Alcione Adame 1 INTRODUÇÃO Ao contrário do que a mídia a muita gente pensa a lei 12.651/12, conhecida como Novo Código Florestal, não

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX Bruno Alves Dassie Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro Universidade Estácio de Sá O objetivo desta

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA Entrevista realizada em: 5.6.2013 Hora: 16h30min. Local: Sala do prof. Almir Bueno CERES Caicó/RN

Leia mais

Precisamos fortalecer cada vez mais nossa profissão. Através dos conselhos e de uma nova regulamentação!

Precisamos fortalecer cada vez mais nossa profissão. Através dos conselhos e de uma nova regulamentação! Resultado da pesquisa feita no dia 10/03/2014, através do Site do Conselho Regional de Relações Públicas 4ª Região, a respeito da Lei 6601/13. Foi disponibilizado uma enquete, com a seguinte pergunta:

Leia mais

Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão. Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão

Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão. Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão Diário de noticias, por Hugo Filipe Coelho 17-10-11 Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão Dinheiro público. PSD e CDS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9

UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9 UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9 RELATÓRIO: JUVENTUDE NEGRA: PRECONCEITO, VIOLÊNCIA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL MARIA DO SOCORRO SILVA

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

Influências das políticas públicas de inclusão

Influências das políticas públicas de inclusão artigo Rodrigo Perla Martins Diretor do Sinpro/RS Doutor em História, Mestre em Ciência Política e graduado em História. Influências das políticas públicas de inclusão na educação superior e os benefícios

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 Regulamenta o exercício da profissão de Supervisor Educacional, e dá outras providências. Autor: Deputado ADEMIR CAMILO Relator: Deputado ARTUR BRUNO

Leia mais