Assim é se lhe parece ou Nem sempre é o que parece ser - processos de categorização e referenciação na internet Cristina Teixeira Vieira de Melo/ UFPE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Assim é se lhe parece ou Nem sempre é o que parece ser - processos de categorização e referenciação na internet Cristina Teixeira Vieira de Melo/ UFPE"

Transcrição

1 Introdução Assim é se lhe parece ou Nem sempre é o que parece ser - processos de categorização e referenciação na internet Cristina Teixeira Vieira de Melo/ UFPE Na edição de número 12 da revista Bravo, publicada em setembro de 1998, o jornalista Sérgio Augusto inicia assim o seu ensaio: Estava errado quem disse que o homem é o único animal com o dom da fala. Esquecera-se do papagaio. Também estava errado quem disse que o homem é o único animal que ri. Esquecera-se da hiena. Mas estava certo quem disse que o homem é o único animal capaz de classificar e qualificar os seus semelhantes, proeza que nem os mais espertos primatas conseguiram aprender. Não apenas sabemos classificar e qualificar os nossos semelhantes (e até os nossos dissimilares) como somos viciados nisso, com ou sem embasamento científico, a sério e de brincadeira. 1 De fato, o ser humano tem loucura por classificar, categorizar, listar, enumerar, ordenar o que está ao seu redor. Outro articulista de Bravo, também chamado Sérgio Augusto (não aquele ao qual nos referimos anteriormente, mas o Andrade), lembra que a variedade de formatos que a estrutura de uma lista pode assumir é surpreendente. Escreve ele: listas podem ser um compêndio crítico de exemplos como uma antologia -; uma sobreposição articulada de imagens como uma colagem -; (...) uma compilação exaustiva de palavras e significados como um dicionário -; ou mesmo o conjunto casual das preferências de alguém como um temperamento. 2 Um texto que ilustra bem um tipo de classificação, por assim dizer, temperamental, é o ensaio que Jorge Luis Borges escreve sobre John Wilkins 3. Nele, o escritor argentino afirma ter encontrado uma certa enciclopédia chinesa em que os animais se dividiriam de acordo com a seguinte classificação: a) pertencentes ao imperador, b) embalsamados, c) domesticados, d) leitões, e) sereias, f) fabulosos, g) cães em liberdade, h) incluídos na presente classificação, i) que se agitam como loucos, j) inumeráveis, k) desenhados com um pincel muito fino, l) et cetera, m) que acabam de quebrar a bilha, n) que de longe parecem moscas. 1 Trecho do ensaio Lições de taxionomia, publicado na edição de número 1 da revista Bravo, de setembro de 1990, Ano 2, p Trecho do ensaio A lista das afeições, publicado na edição número 13 da revista Bravo, de outubro de 1998, Ano 2, p O ensaio referido se intitula O Idioma Analítico de John Wilkins, publicado em Jorge Luis Borges. Obras Completas, Vol II , p.94, (São Paulo, Editora Globo, 1999).

2 No prefácio do livro As palavras e as coisas, Foucault (1992) retoma esse texto de Borges e fala o quanto essa classificação pode nos soar exótica e absurda. Segundo Foucault, a impossibilidade de pensar logicamente e globalmente os grupamentos dispostos na referida enciclopédia chinesa se deve à evidente ausência de critérios uniformes que possam relacionar as diferentes categorias entre si. Essa impossibilidade, contudo, é mascarada pela presença da série alfabética que supostamente serve de fio condutor às enumerações da tal enciclopédia. O incômodo maior de Foucault, no entanto, não recai na estranheza dessa classificação, mas na suspeita de que há desordem pior que aquela do incongruente e da aproximação do que não convém; seria a desordem que faz cintilar os fragmentos de um grande número de ordens possíveis (p.7- grifos nossos). Diante de tal inquietação, o esforço de Foucault em As palavras e as coisas é encontrar a partir de que foram possíveis conhecimentos e teorias; segundo qual espaço de ordem se constituiu o saber; na base de qual a priori histórico e no elemento de qual positividade puderam aparecer idéias, constituir-se ciências, refletir-se experiências em filosofias, formar-se racionalidades, para talvez se desarticularem e logo desvanecerem. (p.11-12). Acreditamos não nos distanciar de Foucault se da passagem acima depreendermos a idéia de que as teorias não são espelhos da realidade, mas propostas metodológicas de construção e ordenação epistemológica da realidade. Nessa mesma linha de raciocínio, a nossa hipótese é a de que o ser humano tem, por natureza, uma predisposição para conhecer e dizer o mundo, mas o modo como o faz sofre condicionamentos de ordem cognitiva, histórica e cultural. Ou seja, não há unidade, mas diferenças na maneira de perceber e dizer o mundo. A título de ilustração, selecionamos quatro expressões que aparentemente poderiam ser tomadas como sinônimas 4 ( origem do mundo, criação do mundo, origem do universo e origem da vida ) e fizemos uma busca na internet através do google 5. Observamos que dependendo da expressão selecionada a lista de resultados 4 Partimos do princípio de que não existem sinônimos perfeitos, pois, usar a palavra x ou y implica em efeitos de sentido diferenciados. Por outro lado, como bem propõem Pêcheux e Fuchs (1975), sustentamos que determinadas expressões que no dia a dia não são usadas como equivalentes podem ser tomadas como sinônimas dentro de uma mesma formação discursiva (FD). É a noção de FD que autoriza a relação parafrástica de substituição. Fica claro, portanto, que certas equivalências só valem no interior de uma mesma FD. 5

3 apontava para sites pertencentes a campos discursivos 6 distintos, como indica o quadro a seguir: Quadro comparativo - expressões lingüísticas/ campo discursivo Expressão selecionada Campo discursivo relacionado Criação do mundo Sites sobre mitologia e religião Origem do mundo Sites sobre mitologia e religião Origem do universo Sites sobre astronomia Origem da vida Sites sobre biologia/ genética Esse quadro corrobora várias hipóteses levantadas por Maingueneau em Gênese dos Discursos (2005). Reportar-nos-emos aquelas que se mostram pertinentes à análise discursiva do quadro acima. Segundo o referido autor, o interdiscurso tem precedência sobre o discurso (p.21) Isso significa dizer que os discursos não se constituem independentemente uns dos outros, mas se formam de maneira regulada no interior de um interdiscurso. É a relação interdiscursiva que estrutura a identidade de cada um. Ainda de acordo com Maingueneau, mesmo que todo discurso repouse sobre partilhas iniciais, essas partilhas não tomam forma sobre um espaço semântico indiferenciado. Existe um sistema de restrições semânticas globais e o caráter global dessa semântica se manifesta pelo fato de que ela restringe simultaneamente o conjunto dos planos discursivos: tanto o vocabulário quanto os temas tratados, a intertextualidade ou as instâncias de enunciação... (p.22). Devemos, portanto, entender esse sistema de restrições como um modelo de competência interdiscursiva. Os enunciadores de determinado discurso teriam o domínio tácito de regras que os permitiria produzir e interpretar enunciados de sua própria formação discursiva e, correlativamente, identificar como incompatíveis com ela os enunciados de formações discursivas antagonistas. Assim, a definição da rede 6 Maingueneau (2005, p ) define campo discursivo como um conjunto de formações discursivas que se encontram em concorrência, delimitam-se reciprocamente em uma região determinada do universo discursivo. Segundo ele, concorrência, nesse contexto, inclui tanto o confronto aberto, quanto a aliança, a neutralidade aparente etc... entre discursos que possuem a mesma função social e divergem sobre o modo pelo qual ela deve ser preenchida. (ibid, p. 36).

4 semântica que circunscreve a especificidade de um discurso coincide com a definição das relações desse discurso com seu Outro. (op.cit, p. 38.) De Maingueneau, vale destacar ainda a idéia de que o discurso não deve ser pensado somente como um conjunto de textos, mas como uma prática discursiva: O sistema de restrições semânticas, para além do enunciado e da enunciação, permite tornar esses textos comensuráveis com a rede institucional de um grupo, aquele que a enunciação discursiva ao mesmo tempo supõe e torna possível. (p.23). Tomando por base as colocações expostas acima, verificamos que campos discursivos específicos, como a Mitologia, a Religião, a Astronomia e a Biologia podem falar do mesmo fenômeno (no caso, a origem do homem, da vida, do universo), mas não o fazem da mesma maneira, cada um tem suas especificidades. Nos exemplos em destaque, essas especificidades ficam evidenciadas na própria maneira de nomear o fato, nomeação que se constitui como vocabulário característico de determinado campo e, por isso mesmo, muito dificilmente aparecerá no interior de um outro, demarcando claramente a prática discursiva de cada um desses campos bem como as regiões de confronto entre os mesmos. Do que foi dito até agora está claro que o mundo comunicado é sempre fruto de uma ação discursiva e não de uma identificação de realidades discretas, objetivas e estáveis. Nesse momento, deixaremos de lado a orientação teórica que guiou as nossas observações até aqui, baseada nos pressupostos teóricos da Análise de Discurso de linha francesa (AD) 7, e passaremos a privilegiar alguns estudos desenvolvidos dentro de certa Lingüística Cognitiva e Textual, cujo foco de atenção volta-se para as questões da categorização e referenciação. Sabemos que mencionar, num mesmo paper, a Análise do Discurso, a Lingüística Textual e a Lingüística Cognitiva pode causar estranhamento em quem lê, já que cada uma dessas áreas de conhecimento tem filiações, perspectivas e interesses teóricos distintos. No entanto, acreditamos que essas disciplinas, ao menos determinadas correntes dentro delas, se aproximam umas das outras quando negam tanto a visão representacional como a mentalista de linguagem. Nesse trabalho, o que une os autores citados é a idéia de que a língua não reflete a realidade, não é um espelho do mundo, e que o estabelecimento do sentido não se dá a priori na interação. 7 Vejam-se os atores citados: Foucault (1992), Pêcheux e Fuchs (1975), Maingueneau (2005).

5 Partimos do pressuposto que as atividades de categorização e referenciação têm uma dimensão discursiva. Como bem afirma Marcuschi em vários de seus escritos recentes 8, não trata-se de negar que os fenômenos de nossa percepção sejam reais, ou afirmar que não tenham uma existência extra-mental; trata-se, de não aceitar que sejam identificáveis como unidades naturais, ou que sejam simples representações mentais. Os fenômenos são de algum modo amorfos e as formas que lhes darão a estrutura de objetos são frutos de nossas propostas teóricas ou de rotinas e estereótipos sociais que utilizamos como base para agrupamento (Marcuschi, 2003: 241). Assim sendo, a maneira como nós dizemos aos outros as coisas é decorrência de nossa atuação lingüística e cognitiva sobre o mundo. Da mesma forma, Mondada & Dubois (1995/2003) afirmam que não existe uma estabilidade a priori das entidades no mundo e na língua. Segundo elas: no lugar de partir do pressuposto de uma segmentação a priori do discurso em nomes e do mundo em entidades objetivas, e, em seguida, de questionar a relação de correspondência entre uma e outra parece-nos mais produtivo questionar os próprios processos de discretização. (p. 19) Nessa mesma direção, Marcuschi (2004) sustenta que não há uma língua pronta de um lado, podendo ser usada para espelhar e representar o mundo; e de outro, o mundo já discretizado em todos os seus elementos à espera de quem os nomeie. Por isso, ele também afirma ser necessário indagar quais são os processos usados para a discretização. A resposta de vários autores que trabalham dentro do sócio-cognitivismo 9 é que essa discretização é feita não de forma unilateral, mas no diálogo e em comum acordo entre os interlocutores. Do enunciado anterior destacamos a palavra diálogo para enfatizar este elemento como a peça chave que proporciona a guinada rumo à noção de construção social da realidade, em que os sujeitos e os processos interativos se tornam centrais para construção de sentido. Como lembra Marcuschi (2003), se o ato de dizer é uma maneira de construir o mundo, não se pode esquecer que dizer é dizer para alguém, de modo que a construção do mundo pelo discurso é dialógica, interativa. 8 Referimo-nos em especial aos seguintes textos: Do código para a cognição: o processo referencial como atividade criativa (2002). Veredas, Juiz de Fora, v.6, n.1, p43-62; Atividades de referenciação, inferenciação e categorização na produção de sentido (2003). In: Heloisa Pedrosa de Moraes Feltes (org). Produção de sentido. Estudos transdiciplinares. São Paulo/Porto Alegre/Caxias, v.1, p ; Discurso, cognição e gramática nos processos de textualização (mimeo, 2003); A construção do mobiliário do mundo da mente: linguagem, categorização e verdade (mimeo, 2004). 9 Gilles Fauconnier, Lourenza Mondada & Dubois, Margarida Salomão, Ingedore Koch, Luiz Antônio Marcuschi, entre outros.

6 Nessa mesma linha argumentativa, e sabendo que toda nossa expressão do mundo se dá na base de categorias e conceitos, fica evidente que as categorias não são naturais, mas construídas discursivamente no processo dinâmico de interlocução Elas são construídas pelos sujeitos em suas práticas discursivas e cognitivas, que por sua vez são social e culturalmente situadas. Enfim, as categorias lingüísticas e cognitivas são instáveis e culturalmente sensíveis. É bastante feliz a metáfora de Marcuschi (2003: 253) quando afirma que as categorias não podem ser tidas como cartografias cognitivas. Não são uma espécie de repertório de etiquetas para dizer o mundo. Do mesmo jeito que não existem categorias naturais, porque não existe um mundo naturalmente categorizado, a maioria dos nossos referentes são objetos de discurso e não objetos do mundo (Mondada & Dubois, 1995/2003). Marcuschi (2002) enfatiza que se a língua em si mesma não providencia a determinação semântica para as palavras e as palavras isoladas também não nos dão sua dimensão semântica, somente uma rede lexical situada num sistema sócio-interativo permite a produção de sentidos. Isso não quer dizer que as palavras são vazias de sentido, mas que o sentido efetivamente atribuído às palavras em cada uso é providenciado por uma atividade cognitiva situada. Nesse contexto, a língua não tem uma semântica determinada e a cognição não é apenas um fenômeno mental, mas construída sócio-historicamente. Marcuschi (2003) afirma que a língua é um sistema de indeterminações sintático-semânticas que se resolvem nas atividades dos interlocutores em situações sócio-comunicativas 10. E, segundo ele, é nesse trabalho coletivamente realizado que se constitui o sistema de referências em que o sistema simbólico se torna significativo. Esses sistemas de referência (não importa se os definimos como frames ou formações discursivas, à moda da Lingüística Textual ou da Análise de Discurso, respectivamente) são domínios de interpretação, como bem afirma Possenti (2002). Lembrando Franchi (1977), que sabiamente dizia que não há nada imanente na linguagem, salvo sua força criadora e constitutiva, bem como não há nada universal salvo o processo, Marcuschi (2003) propõe que a atividade referencial é uma atividade criativa: Referir é criar, já que a referência não é uma simples designação. Para finalizar esta introdução teórica, retomamos a cadeia argumentativa sustentada aqui: a) não existe uma relação biunívoca entre linguagem e mundo nem 10 Marcuschi retoma aqui as idéias de Carlos Franchi (1977).

7 entre linguagem e cognição; b) é pela linguagem que temos acesso ao conhecimento e isso influencia nossas experiências; c) a experiência humana, revelada em suas atividades de categorização, não é um dado natural, mas uma construção; d) as categorias são sócio-discursivamente construídas como objetos do saber; e) boa parte dos referentes textuais são objetos de-discurso e não objetos-do-mundo. Recorte metodológico e objeto da pesquisa A partir dos pressupostos teóricos rapidamente expostos acima e tendo delimitado como campo de investigação o domínio da política, fomos atrás do que o título da mesa prometia: verificar se determinadas regularidades textuais, discursivas e cognitivas caracterizavam os hipertextos sobre política dispostos na internet. Após nos dar conta do quanto era ambicioso o trabalho prometido, deparamonos também com a dificuldade de estabelecer critérios que nos permitissem selecionar e comparar as diferentes páginas encontradas na internet sobre política. Por exemplo, uma busca inicial no google nos remeteu a páginas no Brasil que se referiam ao assunto política 11. Os destinos eram os mais diversos, sobretudo, sites de publicações ou instituições especializadas em política, bem como sites de empresas de marketing político. Interessante foi perceber que na lista de endereços do google não apareciam, logo de saída, as homepages dos partidos políticos nacionais. Mas foram justamente estes sites que resolvemos visitar. Acreditávamos que esse era um ótimo corpus a investigar tendo em vista os pontos que aproximam e afastam os diferentes partidos entre si. Se por um lado todos eles pertencem à categoria partido político brasileiro ; por outro, eles se distanciam no que diz respeito, entre outras coisas, à sua história, luta política e propostas. As homepages visitadas foram as dos seguintes partidos: Partido dos Trabalhadores (PT); do Partido Socialismo e Liberdade (P-SOL); Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB); Partido Comunista do Brasil (PCdoB); Partido Verde (PV) Como era de se esperar de uma busca realizada na internet, apareceram na lista fornecida pelo google inúmeros sites cujo conteúdo não diz respeito à prática ou a reflexão sobre a política em si. Por exemplo, foi grande a ocorrência de indicações de páginas onde constava à expressão política de privacidade, que obviamente foge ao interesse da investigação proposta. 12 Indicamos o endereço de cada partido na internet: PT - P-SOL PSDB PCdoB PV

8 Do ponto de vista gráfico, com exceção do PV 13, a página inicial dos demais partidos se assemelha bastante. Em todas elas o símbolo do partido aparece no canto superior esquerdo da tela. Também na margem esquerda posiciona-se o menu de navegação com os links para acesso ao conteúdo do site dispostos na posição vertical. No geral, o centro da tela é ocupado por manchetes de notícias, acompanhadas ou não de imagens, bem ao gosto dos sites de jornalismo. Enquanto o menu é fixo, as notícias não dinâmicas. As mais antigas vão sendo empurradas para o canto inferior da tela. Na margem esquerda, muitas vezes, também aparecem notícias, artigos assinados por políticos do partido e agenda de eventos. O foco de nosso olhar recaiu sob os links do menu, pois, eles indicam quais são as categorias, os temas, os assuntos tidos por cada partido como relevantes ao ponto de constituírem blocos informacionais específicos da homepage. Os links (ou interconectores) são ligações ou nexos constituídos por itens lexicais, sintagmas, ícones ou elementos ressaltados num texto que servem para fazer a conexão ou estabelecer os nexos entre uma página e outra, entre um site e outro etc. Conforme Burbules (1998:105), o link não é apenas uma estrutura elementar que representa um hipertexto como uma rede sêmica de relações significativas; de modo particular, ele controlaria o acesso à informação. Segundo o referido autor, os interconectores não são meios simples e neutros de passar de um ponto A para um ponto B (p.110). Eles criam conexões específicas com associações, implicações, significações, que implicam decisões carregadas de sentidos. Burbules sugere considerar os links como instrumentos retóricos (p. 110) que devem ser analisados como figuras retóricas que exercem funções bem específicas, como se verá mais adiante quando da análise do corpus. Análise do corpus 13 O design totalmente diferenciado da homepage do PV parece confirmar o que propõe o próprio slogan do partido: a outra forma de ver o mundo e fazer política. A página de abertura do site do PV não tem informações de caráter jornalístico, como é padrão nas páginas dos demais partidos. Ela tem uma cara bem mais institucional. Traz apenas o símbolo, o nome e o número do partido, acompanhado do mapa do Brasil, um link para a página da juventude do Partido Verde e o menu de navegação. Além disso, essa é a única homepage que faz uso de trilha sonora como elemento criador de identidade do partido.

9 Após passear nas homepages dos partidos pesquisados, pudemos perceber que a presença dos links no menu de navegação tem duas origens motivacionais distintas 14 : 1. ouvir o outro e 2. falar de si Essa divisão nos remeteu imediatamente a Bakhtin, para quem a interação verbal constitui assim a realidade fundamental da língua" (1979: 123 grifos nossos). Bakhtin instaura o dialogismo como princípio constitutivo da linguagem e a condição de sentido do discurso. Segundo ele, o fato de o discurso se organizar em função do outro é que estrutura e define seu caráter dialógico: "Toda palavra comporta duas faces. Ela é determinada tanto pelo fato de que procede de alguém, como pelo fato de que se dirige para alguém. Ela constitui justamente o produto da interação do locutor e do ouvinte. Toda palavra serve de expressão a um em relação ao outro." (op.cit., p113) A relação bivocal entre locutor a alocutário de que fala Bakhtin fica evidenciada, na internet, pela própria estrutura operacional da www, que tecnicamente proporciona a troca verbal entre os interlocutores, sendo a interatividade uma das principais características da rede. A classificação que propomos acima mostra justamente os dois movimentos que se pode fazer numa interação verbal: ouvir e falar. Na primeira categoria estão os links que buscam ouvir as demandas do leitor/navegador. Alinhando-se ao princípio dialógico proposto por Bakhtin, segundo o qual a enunciação é orientada socialmente, os links dessa categoria apontam para blocos informacionais que objetivam atender aos interesses presumidos dos leitores/navegadores. Nos casos em análise, inserem-se nesse grupo os links que facilitam a comunicação do sujeito com o partido (cadastro, formulação de perguntas etc). Nesse contexto, ganha destaque todo tipo de ferramenta que pode ser caracterizada como prestação de serviços ao usuário : Busca no site, Banco de imagens, vídeo e sons, Galeria de fotos, Papéis de parede, Filiação online, Contato por , entre outros Deve estar claro que os links não estão agrupados no menu de navegação seguindo a classificação acima proposta. Esta classificação é fruto de uma interpretação nossa sob os dados e espero mostrar que cada categoria atende a expectativas diferenciadas do leitor/navegador e dos próprios responsáveis pelas homepages, no caso aqui em estudo, lideranças e membros dos partidos políticos. 15 Observamos que os links presentes nas homepages dos partidos que buscam estabelecer contato entre esses mesmos partidos e os visitantes dos sites priorizam, em especial, a comunicação entre o leitor/navegador e o partido - e não o contrário (Partido Usuário). Também não estamos afirmando que a comunicação é unilateral, falamos apenas em predominância.

10 Dos cinco sites pesquisados, todos fizeram uso de pelo menos dois desses instrumentos, como mostra a tabela: Tabela 1 Links que configuram prestação de serviço dos sites PT PSDB P-Sol PV PCdoB Busca no site Banco de imagens, vídeo e sons (jingles) ou Galeria de Fotos Filiação on-line Contato por e- mail ou Fale conosco Papéis de parede Cartão virtual Lojinha Correio Fórum * Enquetes * Jovens verdes Jovens verdes * Obs: O Fórum e as Enquetes não constituem ferramentas de prestação de serviço, mas servem para a comunicação entre os sites e seus usuários e entre usuários/usuários. Como podemos observar, todos os sites disponibilizam um espaço para que o visitante entre em contato com o partido, fazendo uso do instrumento que a internet tem de mais característico: a facilidade de estabelecer interação entre os interlocutores. A busca no site e o banco de imagens são ferramentas que também ocupam lugar de destaque em quase todas as homepages, exceto a do PV. Mais uma vez, se faz uso de uma característica típica da internet: a possibilidade de armazenar, indexar e disponibilizar material de arquivo para o público de maneira rápida e eficiente. O PT e o P-Sol não aceitam filiação on-line. Não se sabe se por algum impedimento ideológico ou simples esquecimento dos programadores do site de utilizar a tecnologia para tal fim. Interessante perceber que o link lojinha aparece somente nos sites do PT e do PCdoB. As outras homes não usam essa estratégia de venda de objetos com logomarca do partido para arrecadação de fundos e divulgação da entidade. No P-Sol aparece um link para contribuição ao partido, mas desvinculada de qualquer venda de produto. As demais ferramentas citadas na tabela (papéis de parede, cartão virtual, correio, fórum e enquetes) aparecem em apenas uma das homepages. O PV foi o único

11 partido que utilizou ferramentas que buscam conhecer o visitante (o Fórum e a Enquete). Devemos ressaltar ainda que esse primeiro conjunto de links mantém uma estreita relação com três importantes aspectos comumente apontados como caracterizadores do hipertexto na internet 16 : multisemiose, possibilidade de interconectar simultaneamente a linguagem verbal com a não-verbal (sonora, visual, audiovisual); interatividade, referente à interconexão interativa que, por um lado, é propiciada pela multisemiose e pela acessibilidade ilimitada e, por outro lado, pela contínua relação de um leitor-navegador com múltiplos autores em quase sobreposição em tempo real, chegando a simular uma interação verbal face-a-face; iteratividade: diz respeito à natureza intrinsecamente intertextual marcada pela recursividade de textos ou fragmentos na forma de citações, notas, consultas etc. Voltando à classificação proposta para os links, os que pertencem à segunda categoria voltam-se não para o outro, mas para si; no caso, para os partido políticos. Dividimos essa categoria em duas subcategorias: a) os links que disponibilizam para o usuário material de arquivo, ou seja, remetem a fatos ocorridos em tempo passado; e b) os que dizem respeito ao perfil atual do partido, ao tempo presente. É através desses links que se constrói a identidade dos partidos. No material de arquivo estão os textos históricos, como discursos e pronunciamentos; material de campanha (jingles, slogans, vts, trechos de programas exibidos no horário eleitoral gratuito, peças de campanha etc). Observamos que todas as homepages têm algum link para relatos sobre o momento inaugural de criação dos partidos, bem como para documentos importantes como estatutos e programas. O partido que mais material de cunho histórico possui disponibilizado em sua página é o PcdoB; muito provavelmente porque é o partido mais antigo no país, fundado em Além desses, tomando por base autores como Bolter (1991) e Nelson (1991), Marcuschi (1999) aponta ainda os seguintes aspectos como caracterizadores do hipertexto: não-linearidade: diz respeito à flexibilidade desenvolvida na forma de ligações permitidas/sugeridas entre nós que constituem redes que, por sua vez, permitem a elaboração de vias navegáveis; volatilidade: o hipertexto não tem a mesma estabilidade dos textos de livros e todas as escolhas são tão passageiras quanto às conexões estabelecidas por seus leitores; topografia: o hipertexto não é hierárquico nem tópico, por isso ele é topográfico; fragmentariedade: consiste na constante ligação de porções em geral breves com sempre possíveis retornos ou fugas; acessibilidade ilimitada: o hipertexto acessa todo tipo de fonte, sejam elas dicionários, enciclopédias, museus, obras científicas, literárias, arquitetônicas etc. e, em princípio, não experimenta limites quanto às ligações que permite estabelecer.

12 São vários os links que apontam para esse material histórico do PcdoB: História do Partido, Documentos Históricos, Biblioteca Marxista, Programa Socialista, Estatuto do PcdoB, entre outros. Afora os textos históricos, as identidades dos partidos são construídas pela configuração que ele adquire no tempo presente: estrutura organizacional, nomes que compõem a direção, parlamentares em atuação no Senado e nas Câmeras, etc. Uma das características da estrutura organizacional dos partidos é a divisão em áreas de trabalho. Nos partidos aqui analisados essa divisão está configurada da seguinte forma: Tabela 2 Nomeação e listagem das áreas de trabalho dos partidos (grifos nossos) Partido Nomeação Áreas de trabalho P-Sol Movimentos Sindical, Juventude, Popular, Mulheres, GLBTT, Negros e Negras PCdoB Secretarias Política, Organização, Comunicação, Formação, Relações Internacionais, Sindical, Finanças, Juventude e Movimentos Populares PT Secretarias Combate Racismo, Cultura, Finanças, Formação Política, Juventude, Meio Ambiente, Mobilização, Movimentos populares, Mulheres, Organização, Relações Internacionais, Sindical, SNAF. SNAI PSDB PSDB Mulher, Juventude PSDB, PSDB Internacional PV Jovens Verdes * O PSDB e o PV não agrupam as áreas de trabalho sob uma nomeação específica. Do quadro acima, chama atenção à recorrência de interesses em grupos como as Mulheres, os Jovens e os Negros. Claro fica que o destaque dado a esses segmentos da população reflete o avanço político e social alcançado pelos mesmos nos últimos anos. Antes de conquistas relativamente recentes o lugar das mulheres, dos jovens e dos negros na esfera pública, e em especial na política, era bem problemático. Todos os sites manifestam preocupação com os jovens e exibem a atuação dos mesmos em eventos promovidos pelo partido. No PT e no P-Sol, a expressão usada para designar os jovens é a mesma: Juventude. No PSDB há uma variação mínima, fruto do acréscimo da sigla do partido ao substantivo. Assim, a denominação resultante é Juventude PSDB. Portanto, não se fala de qualquer jovem, mas apenas daqueles filiados ou simpatizantes ao PSDB. No site PCdoB, os jovens compartilham com os movimentos populares o mesmo link: Juventude e Movimentos Populares ; mas navegando pela página percebe-se que não há informação alguma sobre os citados movimentos populares. No PV a designação para o segmento adolescente e préadolescente é Jovens verdes, e eles são destaque na homepage do PV, constituindo quase um movimento a parte.

13 As mulheres não aparecem nos sites do PCdoB e do PV. Mais uma vez, os sites do PT e do P-Sol coincidem na designação de uma categoria. Em ambos, o termo Mulheres designa o link para a página das ações do partido voltadas especificamente para a população feminina. O PSDB mantém aqui a mesma estratégia usada para designar os jovens, ao acrescentar a sigla do partido ao substantivo no intuito de qualificar, adjetivar a categoria mencionada. No entanto, diferentemente do que acontece com a expressão utilizada para se referir aos jovens (Juventude PSDB), a sigla dessa vez precede o substantivo: PSDB Mulher. Um dado interessante sobre o PSDB Mulher é o fato de ele conter um link para o Programa de Formação Política para Mulheres Tucanas. Esse Programa parte do princípio que a participação política é uma realidade nova no contexto político e, mais ainda, no horizonte existencial das mulheres. E defende que para a mulher ingressar nesse universo é necessário ela se capacitar. Seria esse o motivo de lançar o referido Programa, ao qual as mulheres têm acesso quando participam do curso de mesmo nome. A nosso ver, não há problema algum em querer capacitar - através de cursos, programas e manuais - as mulheres para ocuparem cargos públicos ou candidatarem-se a cargos eleitorais. Resta a pergunta provocativa: por que tal curso é ofertado apenas para as mulheres? Todo e qualquer homem já nasceria com o dom de fazer política e a mulher, diferentemente, precisaria ser treinada para tal tarefa? Não seria interessante também ofertar para os homens tal curso? Enfim, a presença de tal Programa na página dedicada especificamente às mulheres, dá a impressão de que a população feminina não é capaz de aprender com a prática, precisando ser instruída para atuar adequadamente na esfera pública. Aqui vale uma pequena digressão para falar que a homepage do PcdoB também mantém um link voltado para formação dos seus militantes, a Escola Nacional do PcdoB, mas esse instrumento de formação não se dirige a um gênero, faixa etária, raça ou qualquer outro tipo específico de grupo. Nas palavras contidas no site, essa escola é o instrumento de formação teórica e política dos militantes e filiados do Partido Comunista do Brasil. (...) e suas atividades abarcam tanto o ensino quanto a pesquisa. Verifica-se que o trabalho da Escola é importante na medida em que o PcdoB anuncia

14 que militância exige estudo e que o estudo é um quatro pilares exigidos de um comunista 17. Voltado para o PSDB Mulher, outro link curioso é o Clube do Tucaninho, destinado a crianças e adolescentes com idade entre 5 e 15 anos. Para poder existir e funcionar, um clube dessa natureza deve manter vínculo obrigatório com a Secretaria Estadual do PSDB Mulher. Cabe outra pergunta provocativa: Por que é o PSDB Mulher quem responde pela criação e acompanhamento de tal clube e não, por exemplo, a coordenação da Juventude PSDB? Ao que parece, no universo tucano, as mulheres podem até ingressar na política, mas ainda cabe a elas a incumbência de cuidar das crianças. A preocupação com o preconceito racial, em particular em relação aos negros, só aparece nos sites do PT e do P-Sol. Esse fato nos leva a imaginar que os políticos de outros partidos ou acham que a luta dos negros não deve ser considerada de maneira particular; ou não se interessam em defender as reivindicações da população negra, ou acham que a situação dos negros está resolvida. De qualquer forma, transparece a impressão de que os negros não encontram possibilidades de empoderamento através da política partidária no PSDB, PCdoB e PV. Nesse contexto, seria interessante investigar qual o número de parlamentares negros que cada partido detém e/ou quais são aqueles que historicamente lutam pelas causas dos negros. No site do PT, o link para a questão racial denomina-se Combate ao racismo. No site do P-Sol, a nomeação escolhida é Negros e negras, deixando claro que além de um discurso anti-racista existe uma preocupação de cunho feminista. No site do P-Sol é interessante notar ainda que há duas variações para falar de homens e mulheres de cor negra: o enunciado Negros e negras, presente na página principal na forma de link, e a expressão homens e mulheres afro-descendentes, que consta em página interna com a resolução sobre a organização do Coletivo Nacional Negros e Negras do P-Sol. Em ambas as designações percebe-se a influência do movimento politicamente correto na construção do discurso. Considerações finais: 17 No link O que é ser comunista a militância, a contribuição financeira ao partido, a divulgação da doutrina e o estudo do marxismo-lenismo são apontados como peças fundamentais para aquele que quer ingressar no PcdoB.

15 Os links presentes no menu de navegação dos vários partidos mostram como a ordem de nossos conhecimentos e das instituições que os suportam não é uma ordem natural, mundana. É uma ordem histórica e sócio-cultural. Tanto é assim que a questão sindical, por exemplo, só aparece nos sites dos partidos que têm uma ligação maior com a classe trabalhadora (PT, P-Sol e PCdoB). Da mesma forma mulheres e negros têm presença marcada apenas em alguns dos sites (PT, P-Sol e PSDB), enquanto os jovens aparecem em todos eles. Deve-se acentuar também que, dentro de cada partido, a identidade das categorias é construída de maneira particular. Assim, a mulher do PSDB não é a mesma do PT nem a do P-Sol. Os dados analisados confirmam a idéia de que, nos processos de categorização e referenciação, o que conta é o lugar de fala do sujeito, é a perspectiva daquele que enuncia. Enfim, o mundo externo existe, mas não de uma maneira homogênea e como uma forma única para todas as mentes humanas. Por outro lado, não existe um mundo específico para cada indivíduo. O mundo das coisas ditas e conhecidas é construído discursivamente na interação, ou seja, pressupõe um outro. Referências bibliográficas: BAKHTIN, M. (1979/1992). Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes. BURBULES, Nicholas C Rhetorics of the Web: hyperreading and critical literacy. In: I. SNYDER (ed.). 1998, pp FOUCAULT, Michel As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. 6ª ed. SP. Martins Fontes. FRANCHI, Carlos. (1977/1992). Linguagem Atividade Constitutiva. Cadernos de Estudos Lingüísticos. Campinas, IEL, 22(1992): 9-39 (publicado originalmente na revista Almanaque, 5(1977):9-26). MAINGUENEAU, Dominique. (2005). Gênese dos discursos. Curitiba. Paraná.Criar Edições Ltda. MARCUSCHI, Luiz Antônio. (1999). Linearização, cognição e referência: o desafio do hipertexto. In: Línguas e Instrumentos Lingüísticos. 3, pp MARCUSCHI, Luiz Antônio. (2002). Do código para a cognição: o processo referencial como atividade criativa. Veredas, Juiz de Fora, v.6, n.1, p MARCUSCHI, Luiz Antônio. Atividades de referenciação, inferenciação e categorização na produção de sentido. In: Heloisa Pedrosa de Moraes Feltes (org). Produção de sentido. Estudos transdiciplinares. São Paulo/Porto Alegre/Caxias, v.1, p ;

16 MARCUSCHI, Luiz Antônio. (2003). Discurso, cognição e gramática nos processos de textualização (mimeo). MARCUSCHI, Luiz Antônio. (2004). A construção do mobiliário do mundo da mente: linguagem, categorização e verdade (mimeo). MONDADA, Lorenza e Danièle DUBOIS. (1995/2003). Construção dos objetos de discurso e categorização: Uma abordagem dos processos de referenciação. In: Mônica Magalhães CAVALCANTE; Bernardete Biasi RODRIGUES e Alena Ciulla (orgs). Referenciação. São Paulo: Contexto, pp POSSENTI, Sírio. (1992). Gramática e análise do discurso. Cadernos de Estudos Lingüísticos. Campinas, IEL 5(1992):

A RELAÇÃO ENTRE PORTAIS DE NOTÍCIAS E HIPERTEXTUALIDADE*

A RELAÇÃO ENTRE PORTAIS DE NOTÍCIAS E HIPERTEXTUALIDADE* A RELAÇÃO ENTRE PORTAIS DE NOTÍCIAS E HIPERTEXTUALIDADE* Maria Lourdilene Vieira Barbosa UFMA Emanoel Barbosa de Sousa UFPI Resumo: O valor social do hipertexto na sociedade digital tem despertado bastantes

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA Gislane Kátia TESSAROLO AUTORA - MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA UFG

Leia mais

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A PROGRESSÃO REFERENCIAL EM DEPOIMENTOS DE ORKUT Lorena Santana Gonçalves (UFES) ls.goncalves@hotmail.com Maria da Penha Pereira Lins (UFES) penhalins@terra.com.br 1. Apresentação Inseridos numa perspectiva

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE André William Alves de Assis 1 RESUMO: Como participantes do processo comunicativo,

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos UMA ANÁLISE DOS GÊNEROS DIGITAIS PRESENTES NOS LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute os gêneros digitais que são abordados

Leia mais

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS Verônica Rodrigues Times 1 Texto e Discurso: delimitando

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS

COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS Luiz Antonio Schalata Pacheco schalata@cefetsc.edu.br Sabrina Moro Villela Pacheco sabrinap@cefetsc.edu.br EDIÇÃO PRELIMINAR Sumário 1 INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Apresentação/Presentation

Apresentação/Presentation Apresentação/Presentation Desde a publicação da tese de doutorado de Lorenza Mondada, em 1994, intitulada Verbalisation de l espace et fabrication du savoir: Approche linguistique de la construction des

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 MODERNA

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Elisandra Aparecida Palaro 1 Neste trabalho analisamos o funcionamento discursivo de documentos do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com RESUMO No início do século

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

Diretrizes para Submissões

Diretrizes para Submissões 1 Diretrizes para Submissões Os artigos científicos são elaborados com a pretensão de divulgar pesquisas e ideias, cujo objetivo principal, é democratizar o conhecimento através de um instrumento fiável,

Leia mais

DICIONÁRIO REGIONALISTA E ESPANHOL: UMA ANÁLISE DISCURSIVA

DICIONÁRIO REGIONALISTA E ESPANHOL: UMA ANÁLISE DISCURSIVA DICIONÁRIO REGIONALISTA E ESPANHOL: UMA ANÁLISE DISCURSIVA Branco, Natieli Luiza Trabalho de Iniciação Científica/financiamento PET/Conexões de Saberes/MEC Universidade Federal de Santa Maria/Curso de

Leia mais

A CATEGORIA DE PESSOA NO TEXTO JORNALÍSTICO: UMA ANÁLISE DA SUBJETIVIDADE NA LINGUAGEM

A CATEGORIA DE PESSOA NO TEXTO JORNALÍSTICO: UMA ANÁLISE DA SUBJETIVIDADE NA LINGUAGEM 1 A CATEGORIA DE PESSOA NO TEXTO JORNALÍSTICO: UMA ANÁLISE DA SUBJETIVIDADE NA LINGUAGEM Keila de Quadros Schermack Universidade de Passo Fundo/UPF keila.quadros@terra.com.br Mestrado em Letras RESUMO:

Leia mais

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO.

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. Gisele Martins SIQUEIRA (Mestranda FL/UFG) Gisele.msiqueira@gmail.com Maria Suelí de AGUIAR (FL/UFG) aguiarmarias@gamil.com

Leia mais

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE Kleiton Cassemiro do Nascimento¹ DLLEM / UFRN Kleitoncass@gmail.com RESUMO Este trabalho tem como objetivo fazer uma análise dos mecanismos de coesão adotados

Leia mais

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO DISCURSO: UMA ANÁLISE EM REDAÇÕES ESCOLARES RESUMO

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO DISCURSO: UMA ANÁLISE EM REDAÇÕES ESCOLARES RESUMO ELEMENTOS CONSTITUINTES DO DISCURSO: UMA ANÁLISE EM REDAÇÕES ESCOLARES Jamires Nobre Menezes de Oliveira ( UNEB). RESUMO Este trabalho apresenta os elementos constituintes do discurso estabelecidos entre

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS

A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS 1 A RELAÇÃO ENTRE A LINGUAGEM EM BLOGS EDUCATIVOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM Adriana Ferreira Boeira* PPGEd/UCS RESUMO: Este trabalho apresenta a pesquisa, que está em andamento, que tem como objetivo

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental - SEPesq Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental Renata Faria A. Silva da Rosa Mestranda Letras/Linguística PPGL PUCRS renata.faria@acad.pucrs.br

Leia mais

25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN)

25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN) 25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN) Introdução Nesta pesquisa, desenvolve-se um trabalho pautado nos

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

ENCARTE. www.educarede.org.br. Internet na escola. Caderno do capacitador

ENCARTE. www.educarede.org.br. Internet na escola. Caderno do capacitador DVD Vídeo-Aula Internet na escola ENCARTE www.educarede.org.br Internet na escola Caderno do capacitador Internet na escola 3 Pesquisar Acessar o conhecimento é condição para compreendermos a sociedade

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

GUARDANAPO: UMA PROPOSTA DE SUPORTE PUBLICITÁRIO (Área temática: L4 Teoria e Análise Linguística)

GUARDANAPO: UMA PROPOSTA DE SUPORTE PUBLICITÁRIO (Área temática: L4 Teoria e Análise Linguística) GUARDANAPO: UMA PROPOSTA DE SUPORTE PUBLICITÁRIO (Área temática: L4 Teoria e Análise Linguística) Luana Gerçossimo Oliveira 1 Universidade Federal de Viçosa (UFV) Este artigo traz uma breve discussão teórica

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Sumário Pré-requisitos para o Moodle... Entrar no Ambiente... Usuário ou senha esquecidos?... Meus cursos... Calendário... Atividades recentes...

Leia mais

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO META Discutir a heterogeneidade discursiva como constitutiva da linguagem. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

DE QUEM É ESTE COMERCIAL? : A CONTRIBUIÇÃO AUTORAL DO REVISOR NOS DISCURSOS PUBLICITÁRIOS

DE QUEM É ESTE COMERCIAL? : A CONTRIBUIÇÃO AUTORAL DO REVISOR NOS DISCURSOS PUBLICITÁRIOS DE QUEM É ESTE COMERCIAL? : A CONTRIBUIÇÃO AUTORAL DO REVISOR NOS DISCURSOS PUBLICITÁRIOS Debbie Mello Noble 1 A discussão sobre autoria na publicidade é extremamente ampla e complexa. Quando nos deparamos

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Profª Drª Suzana Lima Vargas UFJF suzana_lima@uol.com.br Aida do Amaral Antunes UFJF amaral.aida@yahoo.com.br Andreza de Souza

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LINGUAGEM E TRABALHO: UM OLHAR PERSPECTIVO SOBRE A SELEÇÃO DE PROFESSORES Fabio Sampaio de Almeida (UERJ) Maria Cristina Giorgi (Cefet-RJ) cristinagiorgi@terra.com.br INTRODUÇÃO Neste trabalho, temos como

Leia mais

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com 1. Introdução Neste artigo trata-se, sob a perspectiva sociolinguística variacionista, a alternativa

Leia mais

ESTRANGEIRISMOS NA SALA DE AULA: PROPOSTA DE TRABALHO A PARTIR DE TEXTOS PUBLICITÁRIOS Fabiana Kelly de Souza (UFMG) fabksouza@gmail.

ESTRANGEIRISMOS NA SALA DE AULA: PROPOSTA DE TRABALHO A PARTIR DE TEXTOS PUBLICITÁRIOS Fabiana Kelly de Souza (UFMG) fabksouza@gmail. ESTRANGEIRISMOS NA SALA DE AULA: PROPOSTA DE TRABALHO A PARTIR DE TEXTOS PUBLICITÁRIOS Fabiana Kelly de Souza (UFMG) fabksouza@gmail.com 1. Introdução As línguas se modificam de acordo com as necessidades

Leia mais

EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS

EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS RESUMO Profa. Dra. Cinthya Torres de Melo (Universidade Federal de Pernambuco - NELFE - Campus do Agreste UFPE/CAA) Maria Sirleidy

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. Adriano Dantas de Oliveira

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. Adriano Dantas de Oliveira PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Adriano Dantas de Oliveira Chats: a constituição actancial dos atores e a tipificação textual em gêneros MESTRADO EM LÍNGUA PORTUGUESA SÃO PAULO 2008

Leia mais

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Lucas Piter Alves Costa 1 Por que estudar gêneros? Como estudá-los? Qual a importância que o domínio de seus estudos pode

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

DAS RAÍZES AFRICANAS À REALIDADE SOCIAL: A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA ATRAVÉS DO TRABALHO COM O NEGRO

DAS RAÍZES AFRICANAS À REALIDADE SOCIAL: A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA ATRAVÉS DO TRABALHO COM O NEGRO DAS RAÍZES AFRICANAS À REALIDADE SOCIAL: A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA ATRAVÉS DO TRABALHO COM O NEGRO Eloíza de Oliveira Chaves Universidade Estadual da Paraíba eloisa_chaves@hotmail.com Jhonathan Antonny

Leia mais

Análise textual com o programa ALCESTE: uma aplicação em pesquisa de representações sociais no campo da política

Análise textual com o programa ALCESTE: uma aplicação em pesquisa de representações sociais no campo da política Análise textual com o programa ALCESTE: uma aplicação em pesquisa de representações sociais no campo da política Carolina Fernandes Pombo-de-Barros Este texto integra o material Caminhos para análise de

Leia mais

Projeto de Sites da Web

Projeto de Sites da Web Introdução Projeto de Sites da Web Mário Meireles Teixeira UFMA DEINF Hipertexto É um documento composto por um conjunto de nós contendo texto, imagens, sons e ações, a interligados entre si e formando

Leia mais

ENSINO DA ESCRITA: O USO DE CONECTORES EM TEXTOS ACADÊMICOS*

ENSINO DA ESCRITA: O USO DE CONECTORES EM TEXTOS ACADÊMICOS* 287 ENSINO DA ESCRITA: O USO DE CONECTORES EM TEXTOS ACADÊMICOS* Sulemi Fabiano 1 Resumo: A questão que norteia a pesquisa é: como um aluno em formação, ao se apropriar de uma teoria, utiliza os conectores

Leia mais

PROJETO: PRODUTO 4 RELATÓRIO FINAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES

PROJETO: PRODUTO 4 RELATÓRIO FINAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Nome da Empresa: DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SÓCIO-ECONÔMICOS (DIEESE) PROJETO: PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BRA/IICA/03/005 PARTICIPAÇÃO SOCIAL NÚMERO DO CONTRATO: 205037 TEMA:

Leia mais

O ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E AFRICANA NUMA PERSPECTIVA VIRTUAL COLABORATIVA COM TECNOLOGIAS INTERATIVAS

O ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E AFRICANA NUMA PERSPECTIVA VIRTUAL COLABORATIVA COM TECNOLOGIAS INTERATIVAS O ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E AFRICANA NUMA PERSPECTIVA VIRTUAL COLABORATIVA COM TECNOLOGIAS INTERATIVAS Sonia Augusta de Moraes 1 Inajara Kaoana Weiss 2 Introdução Uma das grandes tarefas

Leia mais

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu. A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.br RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar algumas sugestões de

Leia mais

Ouvidorias virtuais em Instituições de Educação Superior: novos resultados 1. Laís Marcolin Lucca (bolsista) 2 Larissa Lofrano Souza (bolsista) 3

Ouvidorias virtuais em Instituições de Educação Superior: novos resultados 1. Laís Marcolin Lucca (bolsista) 2 Larissa Lofrano Souza (bolsista) 3 Ouvidorias virtuais em Instituições de Educação Superior: novos resultados 1 Laís Marcolin Lucca (bolsista) 2 Larissa Lofrano Souza (bolsista) 3 Profª. Dr. Cleusa Maria Andrade Scroferneker (coordenadora)

Leia mais

LINGUAGEM, SOCIALIZAÇÃO E CULTURA

LINGUAGEM, SOCIALIZAÇÃO E CULTURA LINGUAGEM, SOCIALIZAÇÃO E CULTURA Tudo se reduz ao diálogo, à contraposição dialógica enquanto centro. Tudo é meio, o diálogo é o fim. Uma só voz nada termina, nada resolve. Duas vozes são o mínimo de

Leia mais

Listas Site Secretaria Site Secretaria A imagem a seguir ilustra a diagramação do Site da Secretaria:

Listas Site Secretaria Site Secretaria A imagem a seguir ilustra a diagramação do Site da Secretaria: Listas Site Secretaria Site Secretaria A imagem a seguir ilustra a diagramação do Site da Secretaria: Figura 2: diagramação do Site da Secretaria 42ListasSecretaria - 1 - LISTAS E BIBLIOTECAS DO SITE DA

Leia mais

REDES DE P ESQUI SA E A P RODUÇÃO DE CONHECI MENTO CI ENTÍ FI CO.

REDES DE P ESQUI SA E A P RODUÇÃO DE CONHECI MENTO CI ENTÍ FI CO. REDES DE P ESQUI SA E A P RODUÇÃO DE CONHECI MENTO CI ENTÍ FI CO. GALLO, Solange L. (Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL) solange.gallo@unisul.br O objetivo que tenho neste trabalho é compreender

Leia mais

MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE AVARÉ ESTADO DE SÃO PAULO DECISÃO DOS RECURSOS I DOS RECURSOS

MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE AVARÉ ESTADO DE SÃO PAULO DECISÃO DOS RECURSOS I DOS RECURSOS MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE AVARÉ ESTADO DE SÃO PAULO DECISÃO DOS RECURSOS (INFRARRELACIONADOS) I DOS RECURSOS Trata-se de recursos interpostos pelos candidatos infrarrelacionados concorrentes ao

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Questão: 02 A questão 02 aborda compreensão leitora. A alternativa correta é a (C), que afirma que o SMS, apesar de barato, perde mercado para programas como Viber. No trecho Uma mensagem pode não custar

Leia mais

Jornal on-line: uma nova perspectiva de leitor co-enunciador

Jornal on-line: uma nova perspectiva de leitor co-enunciador Jornal on-line: uma nova perspectiva de leitor co-enunciador Luciana Maria Crestani (UPM-SP) RESUMO: Este artigo faz uma reflexão sobre perspectivas enunciativas que se abrem a partir dos recursos da internet

Leia mais

A comunicação de sites de clínicas de cirurgia plástica

A comunicação de sites de clínicas de cirurgia plástica Departamento de Comunicação Social A comunicação de sites de clínicas de cirurgia plástica Aluna: Juliana d Arêde Orientador: José Carlos Rodrigues Introdução A evolução de técnicas estéticas acompanha

Leia mais

PROJETO: PRODUTO 3 RELATÓRIO PARCIAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES

PROJETO: PRODUTO 3 RELATÓRIO PARCIAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Nome da Empresa: DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SÓCIO-ECONÔMICOS (DIEESE) PROJETO: PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BRA/IICA/03/005 PARTICIPAÇÃO SOCIAL NÚMERO DO CONTRATO: 205037 TEMA:

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DISCURSIVA DE INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS NA MÍDIA: ITAÚ PERSONNALITÉ E BANCO DO BRASIL

A CONSTITUIÇÃO DISCURSIVA DE INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS NA MÍDIA: ITAÚ PERSONNALITÉ E BANCO DO BRASIL 381 A CONSTITUIÇÃO DISCURSIVA DE INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS NA MÍDIA: ITAÚ PERSONNALITÉ E BANCO DO BRASIL Andréia Nogueira Ferreira UNIFRAN Mª Silvia Olivi Louzada UNIFRAN O universo do discurso engloba os

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso.

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso. AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Roberta da Silva 1 Quando um rio corta, corta-se de vez o discurso-rio de água que ele fazia; cortado, a água se quebra em pedaços, em poços de água,

Leia mais

TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com

TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com TIPOS RELACIONADOS À FUNÇÃO REFERENCIAL: RESUMO RESUMO DESCRITIVO > Resume estrutura temática > Inclui

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL

AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Élida Cristina de Carvalho Castilho 1 INTRODUÇÃO Indubitavelmente, questões sociais e econômicas sempre

Leia mais

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG 1 ÍNDICE 03 APRESENTAÇÃO. Dicas para estudar a distância. Funções do professor e do tutor 04 CADASTRO NO CURSO 05 ACESSO AO CURSO 07 FERRAMENTAS DE ESTUDO. Conteúdo: aulas virtuais.

Leia mais

Propaganda institucional e formação cidadã no Colégio Pedro II: diálogo relevante nas aulas de E/LE

Propaganda institucional e formação cidadã no Colégio Pedro II: diálogo relevante nas aulas de E/LE Propaganda institucional e formação cidadã no Colégio Pedro II: diálogo relevante nas aulas de E/LE Viviane C. A. Lima (CPII/ UGF/ PG-UFRJ) 1. Considerações preliminares Há algumas décadas, o ensino da

Leia mais

O estranho espelho da análise do discurso: um diálogo 1

O estranho espelho da análise do discurso: um diálogo 1 O estranho espelho da análise do discurso: um diálogo 1 Gesualda dos Santos RASIA Universidade federal do Rio Grande do Sul Universidade regional do Noroeste do estado do Rio Grande do Sul O diálogo que

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS. Texto na íntegra

COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS. Texto na íntegra COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS TOLEDO, Daniela Maria de (Mestranda) RODRIGUES, Maria Alice de Campos (Orientadora); UNESP FCLAr Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar CAPES Texto

Leia mais

3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA

3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA 3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA NOME DO AUTOR (fonte tamanho 12, arial, todas em maiúscula, negrito, centralizado) ESTÁGIO SUPERVISIONADO I OU II DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

A IDENTIDADE SEXUAL DOS JOVENS DA COMUNIDADE CATÓLICA MOVIMENTO ALIANÇA DE MISERICÓRIDA

A IDENTIDADE SEXUAL DOS JOVENS DA COMUNIDADE CATÓLICA MOVIMENTO ALIANÇA DE MISERICÓRIDA A IDENTIDADE SEXUAL DOS JOVENS DA COMUNIDADE CATÓLICA MOVIMENTO ALIANÇA DE MISERICÓRIDA Juliana de Oliveira Mendonça Ribeiro UFMS Resumo: Mesmo diante do apelo sexual do discurso midiático e da liberdade

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DOS SURDOS DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS

REPRESENTAÇÕES DOS SURDOS DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS REPRESENTAÇÕES DOS SURDOS DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS ANA RACHEL CARVALHO LEÃO Faculdade de Letras/Universidade Federal de Minas Gerais Av. Antônio Carlos, 6627 312070-901 Belo Horizonte

Leia mais

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Eveline Mattos Tápias-Oliveira Vera Lúcia Batalha de Siqueira Renda Maria do Carmo Souza de Almeida Maria de

Leia mais

ANÁLISE DISCURSIVA DE PROPAGANDA DE CURSO DE INGLÊS VIA INTERNET.

ANÁLISE DISCURSIVA DE PROPAGANDA DE CURSO DE INGLÊS VIA INTERNET. ANÁLISE DISCURSIVA DE PROPAGANDA DE CURSO DE INGLÊS VIA INTERNET. Elidia Karolina de Oliveira Matos. Unifran: Mestrado em Lingüística. e-mail: prof.elidia@yahoo.com.br Professora orientadora: Dra. Maria

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são:

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são: PROVA DE CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS 1 Segundo Piaget toda criança passa por estágios do desenvolvimento. Assinale a alternativa que indica a qual estágio corresponde a idade em que o pensamento da criança

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos A OLIMPÍADA DE LÍNGUA PORTUGUESA ESCREVENDO O FUTURO E A PERSPECTIVA DO LETRAMENTO Graciela Fátima Granetto (UEMS) gracigranetto@gmail.com Ana Aparecida Arguelho de Souza (UEMS) 1. Introdução A Olimpíada

Leia mais