GESTÃO DE OBRAS DE EDIFICAÇÕES: Fases burocráticas que antecede a construção de uma edificação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DE OBRAS DE EDIFICAÇÕES: Fases burocráticas que antecede a construção de uma edificação"

Transcrição

1 COORDENAÇÃO DO CURSO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS MEIRE JANE BURITI DE MACEDO GESTÃO DE OBRAS DE EDIFICAÇÕES: Fases burocráticas que antecede a construção de uma edificação João Pessoa 2012

2 MEIRE JANE BURITI DE MACEDO GESTÃO DE OBRAS DE EDIFICAÇÕES: Fases burocráticas que antecede a construção de uma edificação O relatório apresentado ao Curso de Graduação em Tecnologia em construção de Edifícios no Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba IFPB como requisito parcial à obtenção do grau de Tecnólogo em Construção de Edifícios. Resultado: João Pessoa, de de 2012 BANCA EXAMINADORA Prof. Warwick Ramalho de Farias Leite Orientador Banca Examinadora Banca Examinadora Profª Drª Maria de Fátima Duarte Lucena Coordenadora da CESUT CCE Roberta Paiva Cavalcante Coordenadora do Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios - IFPB

3 MEIRE JANE BURITI DE MACEDO GESTÃO DE OBRAS DE EDIFICAÇÕES: Fases burocráticas que antecede a construção de uma edificação O relatório apresentado ao Curso de Graduação em Tecnologia em Construção de Edifícios no Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba IFPB como requisito parcial à obtenção do grau de Tecnólogo em Construção de Edifícios. Prof. WARWICK RAMALHO DE FARIAS LEITE Orientador João Pessoa 2012

4 O homem fraco espera pela oportunidade; o homem comum agarra-a quando ela vem; o grande cria-a como ele a quer. Adolf Tàrneros

5 DEDICATÓRIA Principalmente a DEUS e a todos que somaram de certa forma, na montagem e conclusão deste curso.

6 AGRADECIMENTOS Agradeço a DEUS, sem ele nada sou que me proporcionou coragem e força estando sempre ao meu lado e jamais me deixou fraquejar, a ele todas as glórias. A minha família, pais, filho e amigos que sempre estiveram ao meu lado, me dando apoio, incentivo, paciência e tolerância nos momentos mais difíceis desta jornada para que eu não desistisse. Ao orientador Professor Doutorando Warwick Ramalho de Farias Leite pelo incentivo, paciência e presteza no auxílio às atividades, pelas vezes que deixou de fazer seus próprios trabalhos para me orientar sobre meu estágio, orientações estas, que às vezes pela falta de seu corrido tempo, ocorriam dentro do carro e por todas as discussões sobre o tema deste trabalho. Aos demais professores e convidados do corpo docente pela dedicação e entusiasmo, demonstrados ao longo do curso, trazendo novas motivações e abrindo perspectivas profissionais não identificadas anteriormente. Aos idealizadores, coordenadores e funcionários do Curso Superior em Tecnologia em Construção de Edifícios. Aos colegas de classe pela espontaneidade e alegria numa rara demonstração de amizade e solidariedade.

7 INFORMAÇÕES GERAIS ESTAGIÁRIA: Nome: Meire Jane de Buriti de Macedo Endereço: Rua Joana de Barros Moreira Machado, 065, Mangabeira VII - João Pessoa/PB Curso: Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios Período de estágio: início 22/09/2011 à 02/01/2012 Carga horária total : 400 horas EMPRESA: Nome: Casa Forte Engenharia Ltda. Endereço: Av. Senador Ruy Carneiro, n 890, Miramar, João Pessoa PB. LOCAL DO DESENVOLVIMENTO DO ESTÁGIO: O estágio aconteceu no setor de engenharia civil da empresa Casa Forte Engenharia Ltda, desenvolvendo a parte da execução, planejamento, legalização de imóveis assim como acompanhamento de obras diversas. A CASA FORTE ENGENHARIA Ltda. é uma empresa que está no mercado pessoense há anos, atuando desde a parte de elaboração de projetos diversos, quanto na sua assessoria técnica, construção e locação de imóveis, máquina e equipamentos atendendo em quase sua totalidade a Prefeitura do município de João Pessoa, mas também projetos particulares. Sua localização fica à Avenida Senador Ruy Carneiro, n 890, Miramar, João Pessoa PB.

8 RESUMO A realização do estágio abordou três áreas distintas: o estudo do processo burocrático aquele que antecede a construção de uma edificação, ou seja, o planejamento, a execução dos tramites legais e cumprimentos de exigências burocráticas e a efetivação produtiva a concretização dos estudos e atendimentos das exigências dos órgãos publico municipais e estaduais. O estudo do processo burocrático que antecede a construção de uma edificação vai alem de um simples planejar, o estudo é feito de forma que o desperdício não ocorra, a perda seja evitada e nessa fase os erros existentes corrigidos. A execução dos tramites legais leva em média tempo dependendo do tipo de processo e do tamanho do empreendimento, um simples alvará em media demora cerca de meses. Já a efetivação produtiva, ou seja, colocar em prática o que foi pensando planejado será executado de fato. E as etapas estudadas durantes o curso e colocadas em práticas ao longo do estágio na empresa, as dificuldades que ocorrem na medida em que são executadas na construção, etapas estas que acontecem em meio às dificuldades e falta de conhecimento, pois o crescimento da indústria da construção civil nos últimos anos tem provocado uma desarmonia entre a oferta e a demanda por trabalhador qualificado. O setor da construção civil sofre e enfrenta muita "burocracia" para obter as devidas licenças para empreender e construir. Podendo contribuir para a ilegalidade e dificultando a rapidez com que os possíveis empreendimentos possam construídos demorem menos tempo e causem poucos transtornos para terceiros.

9 ABSTRACT The completion of my internship has addressed three distinct areas: the study of the bureaucratic process to obtain permits before the construction of a building, i.e., planning, implementation of legal procedures and paperwork to attend all the requirements, also an effective production to attend all the studies and consultations required by the state and local public agencies. The bureaucratic study process, that anticipates the construction of a building, goes beyond a simple plan, the study is designed so that the waste does not occur, loss is to be avoided and in this phase the existing errors are to be corrected. The implementation of the legal procedures takes some time, depending on the type of process and the size of the project, on average a simple construction permit takes about months to be issued. The effective production will be put into practice along with everything that has been planned. The stages studied over the course will be put into practice during the internship at the firm, construction difficulties occur during the project execution phase, phases that occur due to the lack of knowledge and the complicated construction process, the construction industry's growth in recent years has created a disharmony between offer and demand for qualified worker. The construction industry suffers a very complex and bureaucratic process when trying to obtain a construction license or permit. This can contribute to the illegality and delay the construction process of new developments, causing a little inconvenience to all parties involved in the process.

10 LISTA DE FIGURAS Figura 01. Fluxograma do relatório de estágio Figura 02. Local onde será construído o empreendimento, imagem do Google mapas Figura 03. Protocolo para acompanhamento do processo na SUDEMA Figura 04. Vista Da fachada do prédio Edna Ramalho em fase acabamento Figura 05. Laje na fase montagem e acabada arquivo pessoal Figura 06. Execução da instalação de água fria do edifício arquivo pessoal Figura 07. Execução da instalação de água fria do edifício arquivo pessoal Figura 08. Execução das instalações de esgoto arquivo pessoal Figura 09. Elevador mecânico do manual ergonomia para trabalhadores da construção Figura 10. Execução das instalações de esgoto arquivo pessoal Figura 11. Poço do elevador cheio de água arquivo pessoal Figura 12. Poço do elevador com o concreto executado arquivo pessoal Figura 13. Poço do elevador com o piso e o prime executados arquivo pessoal Figura 14. Poço do elevador com a manta aplicada arquivo pessoal Figura 15. Salão de festas no 6º pavimento do Edifício arquivo pessoal Figura 16. Solares no 5º pavimento do Edifício arquivo pessoal Figura 17. Aplicação do prime arquivo pessoal Figura 18. Aplicação do prime arquivo pessoal Figura 19. Aplicação da manta arquivo pessoal Figura 20. Aplicação da manta arquivo pessoal Figura 21. Manta pronta após o teste de estanqueidade arquivo pessoal Figura 22. Execução do piso de regularização - arquivo pessoal Figura 23. Preparação dos ralos arquivo pessoal Figura 24. Preparação dos ralos arquivo pessoal Figura 25. Prumo arquivo pessoal Figura 26. Cava para a fundação arquivo pessoal Figura 27. Execução da alvenaria arquivo pessoal Figura 28. Alvenaria pronta arquivo pessoal Figura 29. Execução do emboço arquivo pessoal Figura 30. Execução do emboço arquivo pessoal Figura 31. Local onde foi realizado o ensaio arquivo pessoal Figura 32. Fluxograma das etapas e dos procedimentos

11 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Tema da Pesquisa: Delimitação do tema Objetivo Objetivo geral Objetivo específico Justificativas Sistematização FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA METODOLOGIA Trabalhos preliminares Uso e ocupação Remembramentos Licenciamento Ambiental Execução / Alvará de construção Habite-se Práticas e atividades referentes às respectivas disciplinas, estudadas no curso RESULTADOS CONCLUSÃO Considerações Finais BIBLIOGRAFIA ANEXOS Anexo 01 - Lista de documentos dados pela PMJP Anexo 02 Certidão de uso e ocupação Anexo 03 Certidão de uso e ocupação Cabedelo - PB Anexo 04 Certidão Cartório Anexo 05 Alvará de remembramento Anexo 06 Requerimento da SUDEMA Anexo 07 Cadastro da SUDEMA Anexo 08 Publicações Anexo 09 Declaração da CAGEPA Anexo 10 ART do projeto de gerenciamento de resíduos Anexo 11 Licenças Anexo 12 Licença de Instalação Anexo 13 Alvará de construção Anexo 14 Certificado de Aprovação do Corpo de Bombeiros da PB Anexo 15 Projeto de instalação do elevador Anexo 16 - Relatório de capacidade de absorção do solo ensaio

12 1. INTRODUÇÃO 1.1. Tema da Pesquisa: Estudo da burocratização para legalização que antecede as etapas de execução de um empreendimento Delimitação do tema O presente trabalho aborda um pouco da burocracia que envolve os processos de legalização de imóveis na construção civil nos dias atuais, que vão alem de um simples alvará de construção, remembramentos, habita-se e licenças ambientais, ou seja, o relatório aborda a prática e execução de projetos e as dificuldades que envolvem o fato de legalizar um imóvel Objetivo Objetivo geral Analisar o processo da regularização de obras da construção civil, dando enfoque para o passo a passo da legalização de imóveis, da elaboração e execução de projetos. Seguindo as exigências dos Art. 65 e 67º expresso no Código de Obras da PMJP - Prefeitura Municipal de João Pessoa. Art. 65º - Qualquer construção, reforma, reconstrução, demolição, Instalação pública ou particular, só poderá ter Início depois de expedida pela Prefeitura a licença e o respectivo alvará, e desde que sejam observadas as disposições do presente Código. Art. 67º - A licença para construção, demolição, reforma total ou parcial, modificação ou acréscimo de suas dependências, instalações industriais ou comerciais, gradis ou balaustradas estes últimos no alinhamento do logradouro público, só será concedida depois de prévia aprovação dos projetos das referidas obras. único - Só serão consideradas de caráter definitivo, as construções cujos projetos hajam sido aprovados pela Prefeitura. 2

13 Objetivo específico. Apresentar informações técnicas que possam contribuir para a escolha das melhores soluções, no caso projetos para regularização dos imóveis. Apresentar informações técnicas relativas aos empreendimentos que serão legalizados tornando-os legítimos de acordo com a legislação municipal e estadual seguindo as normas técnica da ABNT. Expor o passo a passo para a legalização desde as visitas técnicas e seus relatórios para a elaboração de projetos, sob aspectos executivos, com a finalidade de revelar as dificuldades encontradas ao longo do processo do estágio Justificativas Construir é um ato participativo, pois a Construção Civil: - Interfere com a vizinhança próxima, podendo até pô-la em risco; - Interfere com a região, por exemplo, aumentando com a nova edificação fluxo de trânsito. - Essa nova edificação ou obra será usada por dezenas de anos por centenas ou milhares de pessoas, devendo ter, portanto, condições de salubridade e segurança; - Normalmente sua execução é uma atividade de risco, pois envolve altura, uso de equipamentos elétricos, emprega mão de obra de baixo nível de escolaridade e que costuma desrespeitar as mais elementares normas de segurança. - Depende de esfera superior para empreendimento sair do papel, é necessário responsabilizar-se tecnicamente por qualquer execução de atividade de obras civis, dentro de parâmetros e normas técnicas. - Devido às circunstancias de avaliação dos órgãos fiscalizadores que requerem tempo sendo impossível estipular prazos com exatidão prevendo a finalização de execuções e da legalização dos empreendimentos. Em face de tudo isso a Construção Civil tem que atender as Leis Federais; Leis Estaduais; e as Leis Municipais. Determinações legais decorrentes das legislações já citadas, como, por exemplo, os decretos, portarias e normas regulamentadoras etc.; Normas técnicas disciplinadas pela ABNT. 3

14 Boas práticas provenientes das experiências e que estão ou em livros ou na memória dos seus artífices (caso mais comum). Normalmente se esperam que não haja conflitos entre os três níveis de leis (Federal, estadual e municipal), mas podem acontecer diferentes níveis de exigência entre leis Federais estaduais e municipais Regra geral, as leis estaduais são mais exigentes e específicos que as leis Federais, e as leis municipais, mais exigentes e detalhistas que as leis estaduais Sistematização O trabalho esta dividido da seguinte forma: O primeiro capítulo traz a introdução, apresentando o tema do estudo juntamente com sua delimitação, sobre as questões da pesquisa, os objetivos geral e específico sobre a fase de legalização e todos os procedimentos realizados durantes o estágio; O segundo capítulo apresenta a revisão da literatura, abordando os seguintes temas como: Trabalhos preliminares, uso e ocupação, remembramentos, execução da construção, e a legalização dos imóveis. O terceiro capítulo apresenta a metodologia; em prática às atividades referentes às áreas das respectivas disciplinas, estudadas durante o curso na universidade e aplicadas no estágio trabalhos preliminares, uso e ocupação, remembramentos, legalização de imóveis e execução da construção. O quarto capítulo apresenta os resultados, conclusão com a análise da viabilidade econômica e as vantagens de legalizar um empreendimento. Ao final deste trabalho serão apresentadas as referências teóricas em alinhamento aos conceitos bibliográficos que foram utilizadas, juntamente com os anexos pertinentes. 4

15 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo apresenta-se o embasamento teórico desta pesquisa, abordando assuntos como: trabalhos preliminares, uso e ocupação, remembramentos, execução (Construção), e a legalização dos imóveis. Utilizamos os seguintes títulos como base para os estudos, vejamos: Código de Obras da Prefeitura Municipal de João pessoa BOTELHO, Manoel Henrique Campos; GIANNONI, André; BOTELHO Vinícius Campos. Manual de projetos de edificações. São Paulo, PINI, AZEVEDO, Hélio Alves de, O edifício até sua cobertura / Helio Alves de Azevedo 2. Ed. São Paulo, Edgarrd Blücher, LEITE, Warwick Ramalho de Farias. Notas de Aulas da disciplina Tecnologia das construções. João Pessoa: O primeiro passo do estágio se resumiu em parte, a entender como se começa a legalização de uma obra, a burocratização da mesma. Como diz Idalberto Chiavenato, em seu livro Teoria da Burocracia - A burocratização de uma obra é a administração valorizando documentos. Sendo fundamental para esta etapa inicial providenciar junto ao cartório de registro de imóveis a certidão atualizada do imóvel para verificar quem seria o atual dono e se há alguma pendência sobre o imóvel. O ato de projetar e construir devem ser precedidos por várias providências entre os quais podemos citar algumas: Dado um terreno para o qual se deseja construir um empreendimento, devemos proceder em função de uma rotina que viabilize a aprovação do projeto, neste sentido registramos alguns atos que recomendamos ser seguido: Analisar a documentação de domínio, no aspecto cartorial e registral no propósito de averiguar a condição de posse verificar se alguém está ocupando o terreno a ser empreendido de forma legal; 5

16 Usos anteriores do terreno, como, por exemplo, para receber restos industriais e seus impactos nos novos usos: Constatar os seus limites e confrontações da área; Verificar seu enquadramento em face de planos urbanísticos, leis de zoneamento e Código de Obras e Edificações do município; Observar o ordenamento regido pelas leis no sentido de impacto ambiental; Outros: aspectos topográficos, tipo de solo e sua planialtimetria. etc. Uma futura obra tem que seu projeto atender integralmente a legislação, esta não pode iniciar sua execução sem que haja a autorização municipal (alvará) para isso edita o Art.65º, do Código de Obras de João Pessoa. Art.65º - Qualquer construção, reforma, reconstrução, demolição, Instalação pública ou particular, só poderá ter Início depois de expedida pela Prefeitura a licença e o respectivo alvará, e desde que sejam observadas as disposições do presente Código. Como se verifica, há que ter esse alvará antes do início de obra. Várias são as razões paro isso: a) A prefeitura precisa saber o que está acontecendo no seu município; b) Há casos extremos de que uma obra legalmente perfeita não deva ser implantada Segundo Pinto (1989), A Indústria da Construção Civil, em especial o sub-setor edificações, é frequentemente citado como exemplo de setor atrasado, no sentido de implementar baixos índices de produtividade e elevados desperdícios de recursos financeiros em diversos aspectos, apresentando, em geral, desempenho inferior à indústria de transformação. Um dos principais reflexos desta situação são os altos índices de perdas de materiais, conforme constatado em estudos por ele realizado. Entendemos que após a fase de burocratização, o planejamento e controle de obras é um princípio muito importante que deve acontecer na construção de uma edificação, ele deve nortear qualquer tipo de empreendimento, seja grande ou pequeno, residencial, comercial ou industrial, urbana ou rural; é o de fazer a obra praticamente perfeita, no menor tempo possível e ao menor custo admissível, aproveitando o máximo rendimento de ferramentas, 6

17 equipamentos, materiais e de mão de obra empregados na consecução. Logicamente é muito difícil, se não impossível executar uma obra perfeita, mas deve-se procurar pôr todos os meios aproximar-se desta situação. Como ensina Botelho ( ) em sua obra Manual de Projetos, utilizamos o modelo de fluxograma representado pela figura 01 abaixo, mostra um pouco sobre como se dá no geral o processo da legalização de imóveis até chegar o relatório de estágio. Figura 01. Fluxograma do relatório de estágio. 7

18 3. METODOLOGIA Durante o estágio foi colocado em prática às atividades referentes às áreas das respectivas disciplinas, estudadas durante o curso na universidade e aplicadas no estágio. A execução sucedida todos os dias de tarefas feitas com planejamento, visto que é imprescindível para o sucesso de cada etapa, de forma que todas as pendências sejam concluídas, evitando ao máximo o começo de outra atividade quando existe ainda uma inacabada. Para que isto seja possível, torna-se necessário um perfeito planejamento de todas as etapas construtivas da obra. Durante o estagio as atividades mais focadas foram as de burocratização, devidos estas gastar o maior tempo devido à documentação a ser juntada para atender exigência dos órgãos municipais, estaduais ou federais demorarem bastante para ser analisadas pelos órgãos acima citados. Etapas estas que, conforme os tipos de serviços executados podem ser classificados como: a) Trabalhos preliminares; b) Uso e ocupação; c) Remembramentos; d) Licenciamento Ambiental; e) Execução (Construção); f) Habite-se; Podemos verificar a lista dos documentos a serem juntados para cada processo a ser dado entrada na PMJP- Prefeitura Municipal de João Pessoa que se encontra no anexo 01 deste trabalho Trabalhos preliminares Antes de qualquer coisa vale salientar que, o juntar da documentação prevista para a obra é o tramite inicial da fase burocrata. Que serão mais exploradas a seguir. No estudo preliminar foram focalizados os aspectos social, técnico, social e econômico, a localização do lote e suas características de uso, as opções possíveis, as avaliações de custos e de prazo. Constituem os trabalhos iniciais que antecedem a construção propriamente dita, os quais são enumerados a seguir: Escolha do local da obra, ver na figura 02 abaixo. 8

19 Figura 02. Local onde será construído o empreendimento, imagem do Google mapas. Emissão da certidão de uso e ocupação do solo junto ao a prefeitura municipal onde o terreno está situado. Elaboração do programa de trabalho; Limpeza do terreno; Levantamento plano-altimétrico; Reconhecimento do subsolo de fundação; Dentro de reconhecimento do subsolo foi realizado um ensaio de infiltração e absorção, em um dos empreendimentos, pois a área onde se localizava o lote não era abastecida de rede de esgoto. E seguindo ABNT-NBR nº 13969/1997 que fala sobre Projeto, construção e operação de sistemas de tanque séptico e a ABNT-NBR nº 7229/1993 que fala sobre Procedimento, especificações e as considerações existentes que fornece até a profundidade de teste, as informações geotécnicas necessárias para o dimensionamento do sistema disposição de efluentes (tanques sépticos, sumidouros, valas de infiltração ou outro sistema adequado) e onde são identificados o tipo de solo e suas respectivas profundidades de ocorrência, a posição do nível d água, cota do ensaio e a capacidade de absorção do solo, resultado no conhecimento do coeficiente de infiltração em l/m² dia. Para uma edificação localizada na Rua Francisco Severiano de Vasconcelos, bairro Renascer na cidade Cabedelo - Paraíba onde foi realizado um ensaio de absorção para construção de tanques sépticos. 9

20 3.2. Uso e ocupação Conceito: A carta de uso e ocupação é uma certidão de uso do solo usada como ferramenta para informar as atividades permissíveis ou toleradas, e parcelamento do solo no município. O documento contém basicamente: o Zoneamento Municipal, o Zoneamento da APA (Área de Proteção Ambiental), a classificação viária, e se o imóvel está localizado em área de manancial. Objetivo: A certidão de uso e ocupação. É indispensável em estudos ambientais, na tomada de decisão em ordenamento e planejamento do território, e na definição de políticas de gestão de recursos naturais um exemplo de uma certidão de está nos anexos 02 e 03 deste estudo. Documentação para emissão da certidão de uso e ocupação: Certidão de registro do imóvel atualizada (com validade de 60 dias); Cópia do RG e CPF do proprietário; Formulário específico com assinatura do requerente e/ou proprietário; Cópia do contrato de locação do imóvel (no caso do imóvel ser locado/alugado); Elaboração dos projetos construtivos; A certidão de registro do imóvel emitida pelo cartório é o documento obtido junto ao Cartório de Registro de Imóveis onde consta todo o histórico do imóvel dando segurança aos atos jurídicos, importante para qualquer negócio, pois demonstra a existência de impedimentos ou ônus, como nos casos de penhora judicial, hipoteca e indisponibilidade. Certidão esta que tem validade de 60 dias ou 02 (dois) meses, podendo ser observada no anexo 04 deste trabalho. A elaboração de projetos foi de grande aprendizado, o objetivo geral do projeto consistiu em desenvolver um conjunto de métodos e técnicas adequados para a gestão da qualidade, adequando-os às peculiaridades da empresa na área da construção civil, particularmente àquelas de pequeno porte, visando elevação dos níveis de qualidade e produtividade do setor da Construção. Além destes projetos, outros foram elaborados durante todo o estágio, e visto que na prática como realmente acontecem às etapas da construção civil, desde remembramentos, projeto de construção, regularização e resíduos para as edificações, estudos de solo a pesquisa, escolha e compra de materiais de construção, elucidados abaixo. 10

21 3.3. Remembramentos Conceito: Ato ou efeito de remembrar. Reagrupamento de lotes contíguos para formar lotes maiores. Objetivo: Alvará de Remembramento. Os documentos necessários para execução desta etapa, junto aos órgãos públicos das Prefeituras Municipais de João Pessoa e Cabedelo foram os mesmo: Cópia do RG e CPF do proprietário; Mínimo de 04 cópias do projeto assinada pelo proprietário e responsável técnico; Certidão de registro do imóvel atualizada (validade de 60 dias); Requerimento preenchido; ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) fornecida pelo CREA/PB. Os remembramentos executados foram com a finalidade de obter áreas em lotes maiores devido à necessidade de mais espaço para construções de empreendimentos do tipo galpões em concreto armado, com áreas construídas entre 450,00m² a 700,00m². Alguns remembramentos foram solicitados junto a Prefeitura Municipal de João Pessoa - PMJP e outros na Prefeitura Municipal de Cabedelo - PMC, como podem ser observados, por exemplo, o alvará de remembramento solicitado para os lotes situados a Rua Hermes Gomes Bezerra no bairro Bessa João - PB no anexo 05 ao fim deste trabalho. Abaixo, segue alguns estudos de remembramento de áreas que citamos e que foram elaborados durante este estagio: Na Avenida Rio Grande do Sul no Bairro dos Estados nesta capital foram remembrados 04 (quatro) lotes; Na Rua Philadelpho Pinto de Carvalho no Bairro Bessa foram remembrados 04 (quatro) lotes; Na Rua Bel Irenaldo Albuquerque Chaves no Bairro Bessa 10 (dez) lotes; Na Rua Maria da Penha Ribeiro de Lima no Bairro Bessa foram remembrados 07 (sete) lotes; Na Rua Benjamim Rabelo, Bairro Bessa foi remembrados 03 (três) lotes; Na Rua Francisco Severiano Cabedelo foram remembrados 03 (três) lotes; 11

22 Além destes remembramentos foram também feitos os projetos de construção e regularização para galpões nestes lotes agora se encontram remembrados, tudo conforme o processo que será elucidado mais a frente Licenciamento Ambiental Licença Prévia Conceito da licença: Procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras de recursos ambientais, consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou daquelas que, sob qualquer forma, possam causar degradação ambiental, considerando as disposições legais e regulamentares e as normas técnicas aplicáveis ao caso. Segundo Lei Federal 6.938/81, Tal função no município de João Pessoa é desempenhada pela SEMAM Secretaria Municipal de Meio Ambiente, órgão de execução programática do Sistema Municipal de Meio Ambiente SISMUMA ou pelo o órgão Estadual Superintendência de Administração do Meio Ambiente do estado da Paraíba - SUDEMA. Nesta fase do licenciamento dentro da disciplina de Resíduos Sólidos na Construção civil, teve maior atenção à confecção do projeto de RCC, que foi muito bem aproveitado na prática durante o estágio para fazer o licenciamento ambiental dos lotes usados na construção da edificação, de acordo com a resolução 237/97 do CONAMA que diz: Resolução CONAMA 237/97 artigo 1º, I: licenciamento ambiental é o procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras de recursos ambientais consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou daquelas que, sob qualquer forma, possam causar degradação ambiental, considerando as disposições legais e regulamentares e as normas técnicas aplicáveis ao caso. Resolução CONAMA 237/97 artigo 1º, II: licença ambiental é o ato administrativo pelo qual o órgão ambiental competente estabelece as condições, restrições e medidas de 12

23 controle ambiental que deverão ser obedecidas pelo empreendedor, pessoa física ou jurídica, para localizar, instalar, ampliar e operar empreendimentos ou atividades utilizadoras dos recursos ambientais consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou aquelas que, sob qualquer forma, possam causar degradação ambiental. Relação de documentos e passos para obtenção do licenciamento em edificações esgotamento sanitário vejamos: 01 Requerimento: é o documento pelo o qual a pessoa/empresa, publica/privada solicita a SUDEMA as Licenças. No preenchimento do requerimento deve constar a descrição das atividades, tipo de licença Prévia, Instalação e Operação, investimento área construída etc. O modelo de requerimento está disponível no anexo 06 deste trabalho. 02 Cadastro; documento que faz a identificação do requerente sendo pessoa física ou jurídica, informações sobre a tipologia do empreendimento, localização e destinação de resíduos. O formulário pode ser observado no anexo 07 ao final deste trabalho. 03 Guia de recolhimento devidamente quitada; Após juntada toda documentação pertinente ao tipo de licença solicitada, paga-se a guia emitida pela SUDEMA que tem seus valores variando com a área construída de cada empreendimento. 04 Cópia da Publicação do requerimento de Licença e do recebimento no Diário Oficial em jornal de grande circulação; Na publicação constará que o requerente solicitou a SUDEMA a licença e terá um número gerado quando é dada a entrada na documentação depois da guia paga, como visto na figura 03 abaixo. Figura 03. Protocolo para acompanhamento do processo na SUDEMA 13

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA DE PLANEJAMENTO -SEPLAN DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA EMISSÕES DE:

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA DE PLANEJAMENTO -SEPLAN DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA EMISSÕES DE: DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA EMISSÕES DE: 1. ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO / AMPLIAÇÃO /REFORMA / REGULARIZAÇÃO de Deve ter os dados do proprietário, dimensões do lote e ser registrada em cartório. Será aceito dimensões

Leia mais

O Prefeito Municipal de Joinville, no exercício de suas atribuições, e com fundamento no inciso IX, do art. 68, da Lei Orgânica do Município,

O Prefeito Municipal de Joinville, no exercício de suas atribuições, e com fundamento no inciso IX, do art. 68, da Lei Orgânica do Município, DECRETO Nº 18.250, de 15 de setembro de 2011. Regulamenta o processo administrativo de aprovação de projetos, alvará para construção, reforma, ampliação, demolição, e vistoria final de edificações, uniformizando

Leia mais

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico Manual da Construção Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico APRESENTAÇÃO A presente cartilha é uma contribuição da Prefeitura Municipal de Viana, através da Secretaria de Planejamento

Leia mais

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO ( ) Este documento Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; deve ser preenchido e assinado pelo requerente

Leia mais

SUPERINTENDENCIA ADMINISTRATIVA DE CONTROLE, FISCALIZAÇÃO E OBRAS SACFO. Município de Sumaré MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL

SUPERINTENDENCIA ADMINISTRATIVA DE CONTROLE, FISCALIZAÇÃO E OBRAS SACFO. Município de Sumaré MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL SUPERINTENDENCIA ADMINISTRATIVA DE CONTROLE, FISCALIZAÇÃO E OBRAS SACFO. Município de Sumaré MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL 1 APROVAÇÃO DE PROJETOS TRANSCRIÇÃO DE TRECHOS LEGISLAÇÃO PERTINENTE CÓDIGO

Leia mais

ir l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Manual da Construção Legal

ir l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Manual da Construção Legal ASCOM t ru ir l e g a legal construir cons Quero l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Elaboração: Lilian Márcia Neves Haddad Arquiteta Urbanista, CREA 90.776/D MG - Especialista em Planejamento

Leia mais

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul 1. O presente memorial tem por

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 02) WILLIAN ABREU

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 02) WILLIAN ABREU FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 02) INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Conjunto de atividades que visa a realização de obras de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III.

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

Roteiros de Processos PASSO A PASSO

Roteiros de Processos PASSO A PASSO SECRETARIA DE PLANEJAMENTO Roteiros de Processos PASSO A PASSO Roteiro dos Processos da SEPLAN À Secretaria de Planejamento compete formular, planejar e implementar a política de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS:

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: Á PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO EM ANEXO. VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: - 12 EDIFICIOS COM 10

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO: CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON OBRA: ENDEREÇO: REFORMA E ADEQUAÇÃO DE SALAS NO PRÉDIO DA UNIDADE DE NEGÓCIOS NORTE UNN, VISANDO A INSTALAÇÃO DO POSTO DE ENSAIO

Leia mais

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento. Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal. Cadastro Descritivo da Atividade - Geral devidamente

Leia mais

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida APRESENTAÇÃO 9h00 até 9h30: Abertura 9h30 até 11h15: Critérios gerais de análise técnica 11h15 até 11h30: Coffee-break

Leia mais

APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR

APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR 1. Formulário Padrão (fornecido pelo IMPLURB) devidamente preenchido, sendo imprescindível conter o nome do interessado, número do telefone, número do celular

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil

Leia mais

MANUAL PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS ORIENTAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS REALIZADOS E OS SERVIÇOS PRESTADOS PELA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVILVIMENTO URBANO SMDU, PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS NO MUNICÍPIO

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III. SERVIÇOS

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH Projeto de Lei nº, de de de Institui o primeiro plano municipal de incentivo à construção civil, e dá outras providências. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão Faço saber a todos os seus

Leia mais

Residencial Recanto do Horizonte

Residencial Recanto do Horizonte MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Recanto do Horizonte FUNDAÇÃO E ESTRUTURA As Fundações serão executadas de acordo com o projeto estrutural, elaborado de acordo com as normas técnicas pertinentes e baseadas

Leia mais

ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS

ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS ROTEIRO PARA SOLICITAÇÃO DE PARECER EM LEIAUTE E FLUXOGRAMA SETOR DE ALIMENTOS Este roteiro só se aplica aos estabelecimentos não obrigados a aprovação de projeto arquitetônico na Vigilância Sanitária

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO INSTITUTO UNI-FAMEMA / OSCIP Marília/SP ÍNDICE 1. PRELIMINARES. 2. DEMOLIÇÕES E RETIRADAS.

Leia mais

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares Lei 1620/1997 - Secretaria de Urbanismo e Controle Urbano - www.urbanismo.niteroi.rj.gov.br 0 Lei

Leia mais

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO LEI COMPLEMENTAR Nº (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre loteamento fechado e alienação de lotes ou parcelas de terras públicas no território do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013.

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. Disciplina a liberação, o cancelamento e a baixa de Alvará de Localização e Funcionamento no município de Erechim. O Prefeito Municipal de Erechim, Estado do

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO O

MEMORIAL DESCRITIVO O MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial tem por objetivo estabelecer requisitos técnicos, definir materiais e padronizar os projetos e execuções da obra localizada na Rua Jorge Marcelino Coelho, s/n, Bairro

Leia mais

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS LICENÇA PRÉVIA 1. Formulário de requerimento padrão dirigido à Presidência do IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Comprovante de pagamento da Taxa de Concessão da Licença

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) Todos os empreendimentos da área da construção civil, em operação ou a serem implantados, geradores de qualquer

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA EUSÉBIO PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS. ANÁLISE DOCUMENTAL

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA EUSÉBIO PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS. ANÁLISE DOCUMENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA EUSÉBIO PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS. ANÁLISE DOCUMENTAL SIT Nº ÍTEM 1 FASE I (LICENÇA PRÉVIA LP) Requerimento (formulário de solicitação) devidamente

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH Documentos pessoais do requerente; Certidão Negativa do IPTU; Documento de responsabilidade técnica emitido pelo CREA ou CAU; Declaração do engenheiro ou arquiteto responsável pela obra; Aprovação do projeto

Leia mais

Cartilha para Aprovação de Projetos Habitacionais do Distrito Federal

Cartilha para Aprovação de Projetos Habitacionais do Distrito Federal Secretaria de Estado de Gestão do Território e Habitação Segeth Cartilha para Aprovação de Projetos Habitacionais do Distrito Federal Orientada pela Central de Aprovação de Projetos (CAP) CARTILHA PARA

Leia mais

MINUTA DE DECRETO. atribuição que lhe confere o art. 41, VI, da Lei Orgânica Municipal;

MINUTA DE DECRETO. atribuição que lhe confere o art. 41, VI, da Lei Orgânica Municipal; MINUTA DE DECRETO INSTITUI A APROVAÇÃO SIMPLIFICADA DE PROJETOS, REGULAMENTANDO A LEI COMPLEMENTAR Nº 102, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2003 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CUIABÁ-MT, no uso

Leia mais

Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP

Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP Obra de uma residência no bairro Bauxita Ouro Preto Características da edificação: Área do terreno: 360m²; Área a ser construída: 150m²; Obra de

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO/TÉCNICO

MEMORIAL DESCRITIVO/TÉCNICO MEMORIAL DESCRITIVO/TÉCNICO PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Carmo de Minas. ENDEREÇO: Rua Luiz Gomes, nº. 150, Bairro: Centro, CEP: 37472-000. CNPJ: 18.188.243/0001-60. ENDEREÇO DA OBRA: Rua Euclides

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA Portaria CVS 15, de 26 de Dezembro de 2002. Define diretrizes, critérios e procedimentos para a avaliação físico funcional de projetos

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975

Documento sujeito a revisões periódicas CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-2118 / 3232-1975 / 0800-281-1975 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Armazenamento e Comercialização de Produtos Agroquímicos

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO.

DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO. DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO. PESSOA JURÍDICA: a) instrumento de constituição primitivo e respectivas alterações, se houver, admitindo-se a Última alteração quando consolidada,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE OBRAS

DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE OBRAS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE OBRAS HABITE-SE CERTIDÃO RETIFICAÇÃO DE NÚMERO E DE ENDEREÇO CERTIDÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO PARA EMPREENDIMENTO DE USO RESIDENCIAL E NÃO RESIDENCIAL RENOVAÇÃO DE HABITE-SE/

Leia mais

FORMULÁRIO 11 PADARIAS, PASTELARIAS, CONFEITARIAS, RESTAURANTES, SUPERMERCADOS E SIMILARES

FORMULÁRIO 11 PADARIAS, PASTELARIAS, CONFEITARIAS, RESTAURANTES, SUPERMERCADOS E SIMILARES FORMULÁRIO 11 PADARIAS, PASTELARIAS, CONFEITARIAS, RESTAURANTES, SUPERMERCADOS E SIMILARES FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL A pessoa jurídica de direito privado, abaixo identificada,

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

2. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS

2. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Banheiros Públicos Rincão do Segredo Local: Rua Carlos Massman - Rincão do Segredo Alm. Tam. do Sul-RS Proprietário: Município de Almirante Tamandaré do Sul / RS 1. O presente

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015

MEMORIAL DESCRITIVO. Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015 MEMORIAL DESCRITIVO Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015 1. DESCRIÇÃO DA OBRA As presentes especificações, bem como

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

Contrate um Arquiteto ou Engenheiro

Contrate um Arquiteto ou Engenheiro CONSTRUÇÃO É COISA SÉRIA Contrate um Arquiteto ou Engenheiro Evite surpresas desagradáveis Construção é coisa séria: evite surpresas desagradáveis Organização: expediente AEAM - Associação de Engenheiros

Leia mais

ANEXO XVII MEMORIAL DESCRITIVO ESTRUTURAS METÁLICAS DA COBERTURA ÍNDICE

ANEXO XVII MEMORIAL DESCRITIVO ESTRUTURAS METÁLICAS DA COBERTURA ÍNDICE ANEXO XVII MEMORIAL DESCRITIVO ESTRUTURAS METÁLICAS DA COBERTURA ÍNDICE 2.1 DADOS GERAIS... 2 Objeto:... 2 Local do Projeto:... 2 Proprietário:... 2 Contratante:... 2 Empresa Contratada:... 2 Anotação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE - SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE - SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE - SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE RESOLUÇÃO INEA Nº 25 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010 ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA REQUERIMENTO DAS LICENÇAS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PUBLICADO NO DOM N o 80 DE 20 / OUTUBRO / 2005 DECRETO N o 1.255 Regulamenta a Lei n o 11.035/04 e dispõe sobre a instalação de Cercas Energizadas destinadas à proteção

Leia mais

Tecnologia dos Processos Construtivos Residenciais Aula1. Profª. Angela A. de Souza

Tecnologia dos Processos Construtivos Residenciais Aula1. Profª. Angela A. de Souza Tecnologia dos Processos Construtivos Residenciais Aula1 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTRUÇÕES EDIFICAÇÕES OBRAS VIÁRIAS OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL OBRAS HIDRÁULICAS SISTEMAS INDUSTRIAIS OBRAS URBANIZAÇÃO ETAPAS

Leia mais

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia 4 1 INTRODUÇÃO Esse relatório tem como objetivo apresentar as atividades desenvolvidas pelo acadêmico Joel Rubens da Silva Filho no período do estágio obrigatório para conclusão do curso de Engenharia

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO. Assessoria de Infraestrutura - INFRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO. Assessoria de Infraestrutura - INFRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Assessoria de Infraestrutura - INFRA Petrolina Junho de 2013 APRESENTAÇÃO A Assessoria de Infraestrutura INFRA é um órgão da administração superior da Univasf

Leia mais

Bradesco Administradora de Consórcios Ltda.

Bradesco Administradora de Consórcios Ltda. Prezado(a) Consorciado(a), Para melhor atendê-lo, elaboramos este Guia Prático de Contratação de Imóvel destacando as modalidades de aquisição, fases do processo, documentos necessários, emissão e registro

Leia mais

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA DE INSTALAÇÃO (LI) LAVA JATO E SIMILARES ( ) Este documento;

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA DE INSTALAÇÃO (LI) LAVA JATO E SIMILARES ( ) Este documento; I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA DE INSTALAÇÃO (LI) LAVA JATO E SIMILARES ( ) Este documento; () () () () () Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; deve ser preenchido

Leia mais

II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ. Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos

II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ. Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos NOVO SISTEMA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DECRETO Nº

Leia mais

Simone Weber Ivana Guimarães Elizane Souza

Simone Weber Ivana Guimarães Elizane Souza Simone Weber Ivana Guimarães Elizane Souza -Dimensões - Localização (Zoneamento PMC) - Topografia e árvores - Insolação (Norte) - Construções vizinhas - Guia Amarela HEMISFÉRIO SUL FACHADA NORTE No

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

Para que um estabelecimento esteja legalizado, é necessário, inicialmente, obter um alvará de licença, documento concedido pela Prefeitura.

Para que um estabelecimento esteja legalizado, é necessário, inicialmente, obter um alvará de licença, documento concedido pela Prefeitura. CARTILHA DE ALVARÁ Este pequeno manual abordará, de maneira simplificada, os requisitos para obtenção de alvará de licenciamento para a abertura de casa noturna ou boate. Para que um estabelecimento esteja

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 002 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº 002 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010. RESOLUÇÃO Nº 002 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010. Dispõe sobre as diretrizes técnicas e condições necessárias para aprovação de PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS pela OPERADORA DO S.A.A.E em empreendimentos localizados

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

CONSTRUTORA A F CINTRA LTDA. Recuperação e Reforço de Estruturas Restauração de Fachadas - Impermeabilizações Pisos - Laudos Técnicos

CONSTRUTORA A F CINTRA LTDA. Recuperação e Reforço de Estruturas Restauração de Fachadas - Impermeabilizações Pisos - Laudos Técnicos Guarujá, 30 janeiro de 2014. Condomínio Edifício Tivoli Garden. Av. Atlântica, 490. Enseada Guarujá - SP. At.: Sr. Wanderley Síndico. Ref: Execução de serviços de construção de sacadas na fachada frontal,

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA OBTENÇÃO DO ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA OBTENÇÃO DO ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO NOME ou RAZÃO SOCIAL: NOME FANTASIA: DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA OBTENÇÃO DO ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS APRESENTADOS SIM NÃO N.A* 1 Requerimento solicitando o Alvará de construção, conforme modelo

Leia mais

Memorial Descritivo de Cliente

Memorial Descritivo de Cliente 1. DESCRIÇÃO DO EMPREENDIMENTO O empreendimento Residencial Peres será construído em um terreno situado na Av. Comendador Pedro Facchini, Centro, Lindóia. Será composto por 26 casas residenciais, sendo

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

1 Introdução. antes de mudar

1 Introdução. antes de mudar Introdução 1 Introdução antes de mudar Recebendo as chaves do imóvel, o proprietário deverá providenciar junto as concessionárias, as ligações de alguns serviços indispensáveis ao funcionamento de sua

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Título do Projeto: Reforma e Ampliação das Promotorias de Justiça de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público e Promotorias de Justiça de Ações Constitucionais

Leia mais

Comprar e construir legal

Comprar e construir legal Comprar e construir legal Adquirir um imóvel ou terreno de forma legal, com critérios básicos de segurança, economia e qualidade é um desafio. Pensando em prover à sociedade informações e orientações sobre

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências.

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito de Nova Mutum, Estado

Leia mais

Casa de steel frame - instalações (parte 4)

Casa de steel frame - instalações (parte 4) Página 1 de 6 Casa de steel frame - instalações (parte 4) As instalações elétricas e hidráulicas para edificações com sistema construtivo steel frame são as mesmas utilizadas em edificações convencionais

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS PORTARIA Nº. 24, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta o artigo 18 da Lei nº 2.863/2008 Código de Obras e dá providências para avaliação e aprovação de Projetos de Edificações. O Secretário Municipal

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação. Documentação para aprovação

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação. Documentação para aprovação PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação DIRETORIA DE APROVAÇÃO DE PROJETOS Onde requerer: Praça de Atendimento 2 - Centro Administrativo Térreo Endereço: Avenida

Leia mais

Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS

Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS MEMORIAL DESCRITIVO: APRESENTAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: LOCALIZAÇÃO: Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS DESCRIÇÃO: Edifício

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra Assessoria Jurídica

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra Assessoria Jurídica MENSAGEM PROJETO DE LEI xxx/gp/2012 Tangará da Serra/MT, xx de xxxxxxxxxx de 2012. Excelentíssimo Senhor Presidente, Excelentíssimos (a) Senhores (a) Vereadores (a), Cumprimentando-o cordialmente, vimos

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL PA para empreendimentos de serviços

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo através

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE DA CASA DE LIXO

DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE DA CASA DE LIXO DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE DA CASA DE LIXO A entrada do processo é feita no protocolo da EMSURB localizada na portaria do Parque da Sementeira. Após a análise é fornecida a DECLARAÇÃO E O PARECER TÉCNICO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 Esta Norma dispõe sobre a Regulamentação e Controle das Condições Sanitárias

Leia mais

Roccato. Um guia para construir oque é necessário antes de começar a obra. Documentos obrigatórios Licenças, ART s, Projetos e Profissionais

Roccato. Um guia para construir oque é necessário antes de começar a obra. Documentos obrigatórios Licenças, ART s, Projetos e Profissionais Um guia para construir oque é necessário antes de começar a obra Documentos obrigatórios Licenças, ART s, Projetos e Profissionais Aprovações necessárias Copel, Sanepar, Prefeitura, Bombeiros Descubra

Leia mais

Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09

Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09 Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09 Instrução Normativa RFB nº 1.477/2014 - DOU: 04.07.2014 Altera a Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015. Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC

MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015. Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015 Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES 1.1. RESPONSÁVEL TÉCNICO PELO PROJETO Carlos Henrique Nagel Engenheiro

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO GUANHÃES MG INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO

Leia mais

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo 2011 PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO Sr. Tarcísio João Zimmermann DIRETOR GERAL DA COMUSA Eng. Arnaldo Luiz Dutra DIRETOR TÉCNICO DA COMUSA Eng. Júlio César Macedo COORDENADOR DE PROJETOS E OBRAS Eng.

Leia mais

Rua Mauá, 51 Luz - São Paulo/SP PABX: (11) 2627-8000

Rua Mauá, 51 Luz - São Paulo/SP PABX: (11) 2627-8000 MEMORIAL DESCRITIVO QUADRA 50 SETOR 8 RUA HELVÉTIA, ALAMEDA DINO BUENO, PRAÇA JÚLIO PRESTES E ALAMEDA CLEVELAND DEMOLIÇÃO DAS EDIFICAÇÕES EXISTENTES CAMPOS ELÍSEOS SÃO PAULO/SP Contratação de empresa especializada

Leia mais

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL

Leia mais

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA;

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA; 1 / 5 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. PROCEDIMENTOS 5. REFERÊNCIAS 6. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta Norma tem como finalidade disciplinar e padronizar os procedimentos para liberação

Leia mais