RESUMO PÚBLICO DO PLANO DE GESTÃO FLORESTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO PÚBLICO DO PLANO DE GESTÃO FLORESTAL"

Transcrição

1 RESUMO PÚBLICO DO PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Agosto de 2012 Principais aspetos da gestão florestal da Altri Florestal

2 INDICE 1. RESUMO ALTRI FLORESTAL ÁREA DE ATUAÇÃO CONDIÇÕES SOCIOECONÓMICAS DAS ÁREAS ADJACENTES PRODUÇÃO FLORESTAL CONSERVAÇÃO PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS OU DE INFRAESTRUTURAS PRINCIPAIS ESPÉCIES FLORESTAIS EUCALIPTO PINHEIRO BRAVO SOBREIRO PLANEAMENTO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E CARTOGRAFIA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL APROVISIONAMENTO AVALIAÇÃO PRÉVIA DE IMPACTES AMBIENTAIS E SOCIAIS CÓDIGO PRÁTICAS FLORESTAIS FORMAÇÃO NA FRENTE DE TRABALHO PRODUÇÃO DE PLANTAS FLORESTAÇÃO MANUTENÇÃO EXPLORAÇÃO INFRAESTRUTURAS INVENTÁRIO FLORESTAL IDENTIFICAÇÃO DOS VALORES DE CONSERVAÇÃO GESTÃO DA BIODIVERSIDADE CONTROLO DE PRAGAS, DOENÇAS E INFESTANTES VISTORIAS ÀS ATIVIDADES FLORESTAIS IMPACTES AMBIENTAIS E SOCIAIS Página 1

3 8.4 VALORES DE CONSERVAÇÃO DIÁLOGO COM A COMUNIDADE ENVOLVENTE AÇÕES DE COMUNICAÇÃO ENVOLVIMENTO ANEXO I INDICADORES DE GESTÃO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DE ACORDO COM O ANEXO B DA NP 4406: Página 2

4 Resumo Público do Plano de Gestão Florestal PRINCIPAIS ASPETOS DA GESTÃO FLORESTAL DA ALTRI FLORESTAL 1. Resumo O resumo do plano de gestão florestal, tem como principal objetivo comunicar com as partes interessadas da Altri Florestal e apresentar uma síntese dos principais aspetos da gestão florestal preconizada pela nossa empresa. Apresenta também neste documento todos os aspetos requeridos em termos de certificação florestal pela NP4406 Sistemas de gestão florestal sustentável (PEFC - Programme for the Endorsement of Forest Certification Schemes). Os indicadores do Anexo B (NP 4406:2009) estão apresentados no Anexo 1 com a respetiva indicação do critério e indicador e foram apurados com base nos dados recolhidos sobre o património sob gestão da Altri Florestal referente a 31 de dezembro de Altri Florestal A Altri Florestal foi constituída em 1966 e é uma das principais empresas a operar no setor florestal em Portugal, dedicando-se em especial à produção de rolaria de eucalipto para pasta para papel. A empresa é uma parte integrante do grupo Altri, um dos produtores europeus de referência no sector de pasta para papel, sendo um dos mais eficientes produtores da Europa de pasta de eucalipto branqueada. FIGURA 1 ORGANOGRAMA GRUPO ALTRI A floresta da Altri Florestal é gerida de forma a garantir a sustentabilidade nas vertentes económica, ecológica e social. A sua atividade é principalmente dirigida para a produção de madeira com níveis de qualidade e custo competitivos, com a utilização das técnicas mais adequadas de preparação, manutenção e exploração das suas florestas. Os impactes Página 3

5 negativos de natureza ambiental e social são controlados e, sempre que possível, minimizados. A preservação do património florestal é outro dos grandes objetivos da Altri Florestal, nomeadamente na defesa da floresta contra os incêndios, cabendo realçar os investimentos nas intervenções preventivas, a colaboração com as restantes empresas congéneres no combate aos fogos e o esforço e dedicação de todo o pessoal nos sistemas de prevenção e combate aos incêndios. Também são desenvolvidas ações de proteção contra as pragas e doenças, apoiadas em projetos de investigação setoriais. A atividade florestal compreende a preparação e plantação de terrenos, a manutenção dos espaços florestais em todas as áreas geridas pela Altri Florestal e a exploração dos povoamentos a corte. As vendas de madeira são efetuadas na sua quase totalidade às empresas produtoras de pasta do grupo Altri (Celbi, Caima e Celtejo). Dos restantes produtos não lenhosos produzidos é de destacar a cortiça, proveniente de 3 mil hectares de floresta de sobreiro, e a produção de madeira de pinho. Tendo em vista a obtenção de elementos indispensáveis para uma melhor gestão e avaliação do património, é efetuada a monitorização das plantações, atualizada a cartografia das propriedades e são promovidos ensaios de silvicultura. O programa de Melhoramento Genético teve início em 1965, com a seleção do Eucalyptus globulus para crescimento, densidade básica e conteúdo em celulose da madeira. Este programa foca no melhoramento contínuo do crescimento das plantações, diversidade genética e qualidade da madeira. Atualmente todas as plantações geridas pela Altri Florestal são estabelecidas com recurso a plantas melhoradas. Página 4

6 3. Área de atuação O escritório principal da Altri Florestal é em Constância, no entanto, as suas atividades florestais distribuem-se por 133 municípios em Portugal Continental. Os distritos de Santarém, Portalegre e Castelo Branco, destacam-se na distribuição do património gerido pela empresa. GRÁFICO 1 DISTRIBUIÇÃO DA ÁREA POR DISTRITO FIGURA 2 ÁREA DE ATUAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DAS UNIDADES FABRIS DO GRUPO ALTRI TABELA 1 PRINCIPAIS MUNICÍPIOS COM ÁREA SOB GESTÃO DA ALTRI FLORESTAL Município Área AF (ha) Área Município (ha) % Gestão AF Vila Nova da Barquinha ,6 Crato ,6 Constância ,1 Nisa ,8 Chamusca ,6 Abrantes ,6 Gavião ,4 Óbidos ,3 Cadaval ,6 Almeirim ,5 Página 5

7 3.1 CONDIÇÕES SOCIOECONÓMICAS DAS ÁREAS ADJACENTES A grande maioria do património florestal gerido pela Altri Florestal localiza-se em espaço rural. A caracterização socioeconómica das áreas adjacentes passa pela análise de um conjunto de aspetos e variáveis dos principais distritos onde a empresa atua. Uso e ocupação do solo A floresta é o uso do solo dominante na grande maioria dos distritos onde se localiza o património da Altri Florestal, tendo a agricultura importância nos distritos de Santarém e Portalegre. A floresta nos distritos a Norte do Tejo é caracterizada pela dominância das espécies Pinheiro Bravo e Eucalipto, enquanto a floresta ao Sul do Tejo pela dominância do Sobreiro e Eucalipto. GRÁFICO 2 OCUPAÇÃO DO SOLO NOS DISTRITOS COM ÁREA SOB GESTÃO Demografia Quando comparadas com os valores médios para Portugal continental, as áreas rurais apresentam densidades populacionais baixas, um envelhecimento populacional acentuado e taxas de mortalidade bastante superiores à taxa de natalidade. Estas diferenças são menos pronunciadas nos distritos de Aveiro, Lisboa e Santarém. GRÁFICO 3 DENSIDADE POPULACIONAL NOS DISTRITOS COM ÁREA SOB GESTÃO Página 6

8 Educação e emprego A maior parte da população rural revela um elevado grau de analfabetismo e uma fraca preparação escolar. Existe uma proporção expressiva de população sem qualquer nível de ensino atingido. A fração da população que atingiu o ensino superior é notoriamente escassa. Os distritos de Aveiro e Lisboa são os que apresentam índices de ensino menos negativos. GRÁFICO 4 NÍVEL DE ESCOLARIDADE NOS DISTRITOS COM ÁREA SOB GESTÃO A percentagem de população ativa é inferior à percentagem em Portugal continental. Os valores da taxa de desemprego rondam o valor médio para Portugal continental. A distribuição dos trabalhadores por setor de atividade revela que o setor terciário é aquele que possui o maior número de trabalhadores. A exceção, encontra-se no distrito de Aveiro onde o setor industrial é claramente dominante. Merece também destaque o número de trabalhadores no setor primário presentes no distrito de Viseu. GRÁFICO 5- TRABALHADORES POR ATIVIDADE ECONÓMICA NOS DISTRITOS COM ÁREA SOB GESTÃO Técnicos e equipamentos de saúde Página 7

9 Hospitais e centros de saúde são relativamente escassos. Dos principais distritos onde a empresa atua, Santarém e e Aveiro destacam-se devido à sua elevada densidade populacional. O número de habitantes por número de farmácias é relativamente uniforme nos distritos onde atua a Altri Florestal. GRÁFICO 6- ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE NOS DISTRITOS COM ÁREA SOB GESTÃO 4. Recursos florestais A Altri Florestal gere na sua grande maioria plantações de eucalipto gerindo também plantações de pinheiro bravo e de sobreiro. Com base nos valores predominantes presentes, a Altri Florestal distingue as seguintes funções principais das suas áreas florestais. 4.1 PRODUÇÃO FLORESTAL Nas áreas de Produção Florestal privilegiam-se os valores económicos (de mercado) dos recursos florestais e orienta-se a gestão no sentido de otimizar a produção. Nestas áreas podem existir restrições de ordem ambiental ou social, sem que estas impeçam a realização da sua função. GRÁFICO 7 DISTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DEDICADAS À PRODUÇÃO FLORESTAL Página 8

10 4.2 CONSERVAÇÃO As áreas de conservação têm características singulares que tornam mais importantes os valores naturais presentes. A sua gestão visa prioritariamente a manutenção, melhoria, ou mesmo o restauro destes valores de conservação, que podem consistir em habitats prioritários, áreas de elevada biodiversidade ou áreas críticas para a proteção duma espécie ameaçada, por exemplo. Estas áreas estão permanentemente identificadas no sistema de informação geográfica da empresa e situam-se em zonas com interesse - ou potencial - de conservação particularmente elevado. São geridas através de intervenção mínima a não ser que a gestão alternativa tenha objetivos de conservação superior. A intervenção mínima consiste na gestão sem cortes nem plantações sistemáticas. As operações geralmente permitidas são intervenções específicas visando o restauro ou melhoria destes valores, a vedação, o controlo de espécies exóticas invasoras e manutenção de rede viária. As áreas classificadas como conservação presentes no património da Altri Florestal representam cerca de 10% do total da área sob gestão. GRÁFICO 8 - DISTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DEDICADAS À CONSERVAÇÃO 4.3 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS OU DE INFRAESTRUTURAS As áreas de Proteção contra incêndios ou de infraestruturas são geridas para constituir barreiras à progressão de incêndios florestais, para salvaguardar a segurança de infraestruturas de transporte de eletricidade, edificações ou outras. As outras áreas são de expressão e relevância diminutas e incluem as áreas agrícolas, os aquíferos artificiais e os edifícios e equipamentos. Página 9

11 5. Gestão Florestal 5.1 PRINCIPAIS ESPÉCIES FLORESTAIS A Altri Florestal gere, com o principal objetivo de produção florestal, três espécies florestais (eucalipto, pinheiro-bravo e sobreiro) EUCALIPTO O Eucalyptus globulus adapta-se a uma grande variedade de situações edafoclimáticas. No entanto, algumas situações são consideradas limitantes ao seu desenvolvimento. Assim, e referindo-nos às situações climáticas portuguesas, precipitações inferiores a 600 mm são limitantes ao desenvolvimento. As precipitações mais elevadas e com distribuições mais regulares ao longo do ano, correspondem aos melhores crescimentos, desde que não existam outros fatores limitantes como sejam a altitude, temperaturas baixas, as geadas e os ventos. Em relação a geadas, são de evitar situações de vales muito abrigados, cujas temperaturas possam ser negativas, principalmente se estas se repetirem durante alguns dias. As geadas são fortemente condicionadoras na fase inicial de desenvolvimento das plantas. Situações com um número de dias de geadas por ano superiores a 40 são de evitar. Em situações em que a geada constitua um fator limitante, deverá ser utilizada a espécie E. nitens (se as precipitações forem superiores a 900 mm/ano) ou então híbridos. Em relação a temperaturas, o desenvolvimento da espécie é fortemente afetado em situações com temperaturas médias anuais inferiores a 10ºC ou com uma temperatura média mensal do mês mais frio inferior a 7ºC. Situações onde são de prever défices hídricos acentuados (mais de 5-6 meses), são de evitar. No que respeita à altitude, acima de 600 metros o desenvolvimento do E. globulus é afetado fundamentalmente devido aos ventos e às baixas temperaturas no Inverno. Acima desta altitude, deverá ser utilizado o E. nitens. Em relação a solos, o E. globulus adapta-se a uma grande variedade, com melhores desenvolvimentos em solos férteis, limo-argilosos, bem drenados. São de evitar solos mal drenados ou calcários PINHEIRO BRAVO A área natural do Pinus pinaster é a bacia mediterrânica ocidental, estendendo-se até às costas atlânticas do Sul de França, Norte de Espanha e Oeste de Portugal. Em Portugal e de uma maneira geral ocorre em todo o território com relevantes limitações no interior sul. Desenvolve-se particularmente bem na metade norte do território continental, especialmente nas regiões de influência atlântica. Relativamente ao clima, a espécie desenvolve-se nos locais onde a precipitação ronda os 550 a 1200 mm por ano. Quanto à amplitude térmica o intervalo reside entre os 11º a 15ºC de média anual, suportando mal os frios continentais. As folhas novas (agulhas) são sensíveis às geadas de Primavera. Página 10

12 O pinheiro-bravo desenvolve-se de um modo geral bem em todo o tipo de solos, mas com limitações relevantes nos solos ricos em calcário ativo e nos solos hidromórficos. Desenvolve-se particularmente bem em solos permeáveis e de textura ligeira SOBREIRO O sobreiro (Quercus suber) encontra-se na região Mediterrânica ocidental, desde o Sul de França à Península Itálica, Tunísia, Argélia e Marrocos, mas mais acentuadamente na Península Ibérica, principalmente no seu Sudoeste. Os valores de precipitação onde encontra o seu ótimo são entre os 600 e os 800 mm. É uma espécie muito resistente à secura estival, desde que não se verifiquem valores de humidade relativa muito baixos. Relativamente à amplitude térmicat, o intervalo situa-se entre os 15º e 19ºC de média anual, não suportando inferiores a 5ºC. É uma espécie muito sensível às geadas na fase juvenil. Desenvolve-se de um modo geral bem em todo o tipo de solos, exceto em solos excessivamente argilosos, calcários, hidromórficos e muito arenosos. 6. Atividades 6.1 PLANEAMENTO O planeamento das atividades florestais baseia-se nas necessidades de abastecimento de curto, médio e longo prazo das unidades fabris do grupo Altri. Este planeamento procura obter o melhor uso dos recursos naturais à sua disposição, e que a sua implementação resulte num equilíbrio dos benefícios económicos, sociais e ambientais SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E CARTOGRAFIA No contexto da sua área de negócio, o Sistema de Informação Geográfica (SIG) da Altri Florestal assume um importante papel como ferramenta de apoio à gestão. Este sistema assenta sobre uma base de dados desenhada à imagem do património florestal gerido, cuja informação gerada é partilhada para consulta, constantemente atualizada pelos Serviços de Apoio à Gestão (SAG). A utilização do SIG da Altri Florestal pode assumir várias formas, das quais se destacam a produção de cartografia de apoio, o planeamento e gestão do inventário florestal, a reestruturação de propriedades, a definição de áreas de alto valor de conservação e a ligação a outros sistemas de informação LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A Altri Florestal realiza periodicamente levantamentos sobre a legislação aplicável às suas atividades. A empresa analisa a sua aplicabilidade e verifica o cumprimento legal através de auditorias internas. Para as atividades de florestação e exploração a empresa promove ações de formação para todos os colaboradores envolvidos e fornecedores de serviços, no sentido de atualizar os procedimentos sobre a verificação do cumprimento legal. Página 11

13 6.1.3 APROVISIONAMENTO No planeamento das atividades, é tido em conta, a disponibilidade de recursos humanos e equipamentos nas empresas de serviços florestais, e as necessidades destes recursos ao nível regional ou geral da Altri Florestal. Cabe à área de gestão de aprovisionamentos e desenvolvimento de fornecedores, juntamente com as chefias regionais, a coordenação da utilização destes recursos AVALIAÇÃO PRÉVIA DE IMPACTES AMBIENTAIS E SOCIAIS A avaliação de impactes ambientais significativos é executada previamente à execução das operações impactantes, recorrendo a uma avaliação no local. No caso das operações de florestação, os resultados da avaliação, incluindo as medidas preventivas, são registados no Projeto de Florestação e no caso da exploração no Projeto de Exploração. Os impactes significativos das restantes operações são alvo de medidas preventivas definidas no Código de Práticas Florestais, que são avaliadas caso a caso e transmitidas aos operadores florestais pelos responsáveis da Altri Florestal. Esta fase operacional da avaliação de impactes ambientais é realizada antes de executar qualquer operação, de modo a poder decidir quais as eventuais medidas de conservação e/ou precauções específicas necessárias CÓDIGO PRÁTICAS FLORESTAIS No Código de Práticas Florestais (CPF), a Altri Florestal descreve todos os procedimentos considerados necessários para garantir a correta execução dos serviços, evitar ou, minimizar os impactes ambientais e sociais identificados e reduzir a exposição dos trabalhadores aos riscos associados ao trabalho florestal. O CPF estipula todos os procedimentos e equipamentos considerados necessários para salvaguardar a saúde e segurança das pessoas envolvidas nas atividades florestais, sejam elas trabalhadores da Altri Florestal ou de empresas prestadores de serviços florestais. O CPF é disponibilizado aos fornecedores de serviços florestais, que se deverão fazer acompanhar dele no decorrer dos trabalhos, assegurando a sua aplicação. O cumprimento dos procedimentos de segurança é avaliado pelos responsáveis da Altri Florestal no acompanhamento dos trabalhos FORMAÇÃO NA FRENTE DE TRABALHO O programa de Formação na Frente de Trabalho (FFT) pretende assegurar a eficaz transmissão dos requisitos de trabalho através da realização de curtas ações de formação na frente de trabalho, com elevada frequência de realização. Esta formação incide sobre os aspetos de saúde e segurança, os impactes ambientais e sociais e as corretas técnicas e práticas de trabalho. A FFT prevê a realização de uma ação de formação no início de todos os trabalhos, na qual são explicadas as orientações gerais do Código de Práticas Florestais e as particularidades da obra em causa. Desta forma, os trabalhadores recebem formação detalhada sobre o trabalho que irão executar de seguida. Página 12

14 Os formandos recebem, após a formação, o "Cartão de Formação" da Altri Florestal. Este cartão é específico por função de operador florestal. O cartão contém os contactos da Altri Florestal e os de emergência. No verso do cartão estão resumidos os principais procedimentos de segurança para a função em causa, tal como os equipamentos de proteção individual a utilizar pelo operador. 6.2 PRODUÇÃO DE PLANTAS Os Viveiros do Furadouro são uma empresa do Grupo Altri e garantem à Altri Florestal o fornecimento das plantas usadas nas suas florestações. Na fase de planeamento são definidas as espécies e, dentro destas, as proveniências ou os genotipos mais adequados a cada situação. Para além de eucaliptos, têm sido produzidos milhões de plantas de outras espécies, nomeadamente pinheiros, sobreiros, azinheiras e outros carvalhos, medronheiros, espécies ripícolas, cedros do Buçaco e casuarinas. Os Viveiros do Furadouro disponibilizam todas estas espécies também para clientes externos, nomeadamente proprietários, empreiteiros e associações florestais. Os processos e os materiais de produção utilizados nos Viveiros do Furadouro para a produção das diferentes espécies florestais permitem obter plantas de elevada qualidade. As plantas geneticamente melhoradas de Eucalyptus globulus são produzidas por via seminal sementes obtidas através de polinização controlada - ou através da propagação vegetativa de clones testados. Todas as outras espécies são produzidas através de semente que é selecionada em função das suas proveniências, garantindo uma elevada adaptabilidade à estação onde serão plantadas. Os Viveiros do Furadouro estão licenciados pela AFN para as atividades de produção e comercialização de sementes e plantas florestais. Todas as plantas florestais são sujeitas a um rigoroso controlo de qualidade, cumprindo e ultrapassando os critérios definidos pelo DL 205/2003 sobre comercialização de materiais florestais de reprodução. 6.3 FLORESTAÇÃO Inicia-se com a preparação de terreno, que consiste normalmente no destroçamento e incorporação localizada do material lenhoso existente, seguido de mobilização do solo. A fertilização é prescrita com base na análise de solos e a plantação é feita com uma densidade que varia entre 1000 e 1500 plantas por hectare. As plantas utilizadas são produzidas a partir de sementes obtidas por polinização controlada, nas áreas de produção de sementes, ou estacas resultantes do programa de melhoramento genético da empresa. Após cada corte a decisão de reflorestar é baseada na comparação das produtividades e retorno económico da rotação seguinte em talhadia e reflorestação respetivamente. A reflorestação verifica-se quando cumpre os critérios de aumento de produtividade e rentabilidade esperadas. Página 13

15 6.4 MANUTENÇÃO Ao longo da rotação são feitas duas ou três adubações, conforme o desenvolvimento do povoamento e o seu estado nutricional, acompanhado por operações de controlo da vegetação concorrente. A condução é feita em talhadia, sendo a seleção de rebentos de toiça realizada aos dois ou três anos, que deverá resultar num número de varas por hectare correspondente à densidade inicial de plantação. Nas operações de manutenção inclui-se ainda o controlo da vegetação arbustiva para proteção contra incêndios. 6.5 EXPLORAÇÃO Na grande maioria dos casos, o corte final é efetuado entre os 10 e os 14 anos. O sistema base de exploração assenta na combinação da utilização do trator processador (Harvester) e do trator carregador (Forwarder). O transporte é feito por via rodoviária e ferroviária. 6.6 INFRAESTRUTURAS Para a além da classificação da rede viária principal segundo a terminologia nacional, a Altri Florestal classifica a sua rede viária florestal com os seguintes atributos: Trilho Percurso com caráter temporário onde circulam apenas máquinas florestais e viaturas todo-o-terreno Estradão Caminho Florestal Percurso com caráter permanente onde circula um camião com atrelado nas épocas secas do ano Percurso com caráter permanente onde circula um camião com atrelado em todas as épocas do ano A instalação e manutenção da rede viária é realizada com base num planeamento que considera todos os aspetos técnicos relevantes (tipo de circulação, inclinações) e os aspetos ambientais (drenagem, atravessamento de linhas de água, características do solo, áreas de conservação). Os caminhos são planeados de forma a minimizar a sua quantidade e a maximizar a acessibilidade da área florestal, bem como a manter o comportamento adequado e a qualidade da água a jusante. 6.7 INVENTÁRIO FLORESTAL O Inventário Florestal é um trabalho estatístico realizado com a finalidade da obtenção de caracterizações quantitativas e qualitativas dos recursos florestais. A Altri Florestal realiza inventários florestais de forma contínua, sendo esta uma das mais importantes fontes da informação de apoio à gestão florestal. Os resultados dos inventários florestais permitem a análise das atuais produtividades dos povoamentos, assim como, com recurso a modelos matemáticos, a previsão de produções futuras. Estes factos fazem com que esta seja informação fundamental na tomada de decisões no planeamento da exploração florestal. Para além disto, os resultados de inventário são também utilizados no controlo das operações florestais, no planeamento de Página 14

16 intervenções fitossanitárias, na estimativa dos riscos e severidade dos incêndios e no cálculo de indicadores de gestão vários. 7. Conservação e biodiversidade 7.1 IDENTIFICAÇÃO DOS VALORES DE CONSERVAÇÃO A identificação das áreas de conservação é efetuada para cada propriedade presente no património da Altri Florestal, através das seguintes fases: Fases Tarefas Resultados Recolha de informação PSRN2000, Planos de ordenamento de Áreas Classificadas (AC), PROF, informação fornecida por peritos. O sistema nacional de AC inclui amostras representativas de ecossistemas existentes na paisagem. Assim, e dada a dispersão do património da empresa pelo País, considera-se que o património da empresa situado dentro das AC pode assegurar a conservação destas amostras. Identificação de estratos de vegetação Compartimentação da propriedade através dos diferentes estratos de vegetação Os estratos potencialmente interessantes para a função de conservação são identificados e mapeados. Visita de campo às propriedades com potenciais áreas de conservação Avaliação do valor ecológico global da propriedade, com base na comprovação da presença dos valores de conservação Critérios para a avaliação: - Potencial para conservar as espécies ameaçadas (e/ou seus habitats); - Potencial para conservar a diversidade de habitats a uma escala pequena/ média; - Potencial de restauro (exemplo: áreas plantadas com eucalipto mas ainda com abundantes elementos de vegetação semi-natural); - Conectividade, dimensão da área de conservação; - Grau de naturalidade da comunidade - Raridade ou importância regional do habitat - Importância para a proteção de recursos hídricos e/ou solo. 7.2 GESTÃO DA BIODIVERSIDADE As áreas com função principal de conservação são geridas com base em avaliações do seu estado de conservação. Caso a caso é decidido quais as intervenções necessárias para conservar e melhorar os valores ecológicos. A Altri Florestal implementou, após caracterização das áreas de conservação, um programa de gestão e monitorização das áreas de conservação. Com base em visitas de campo é avaliado o estado de conservação das propriedades visitadas e são identificadas medidas de gestão que visam proteger ou restaurar valores de conservação. Estas medidas são integradas num plano plurianual de intervenções nas áreas de conservação e executadas conforme o seu planeamento. Página 15

17 As medidas de gestão das áreas de conservação são definidas com base nos valores neles presentes (prováveis ou comprovados) e nas orientações provenientes de fontes como PSRN2000, Livro Vermelho de Vertebrados de Portugal, entre outros. Na elaboração de projetos de florestação de maior dimensão ou com condicionantes (por exemplo nas áreas integradas no Sistema Nacional das Áreas Classificadas), é avaliada a oportunidade de estabelecer novas áreas de conservação, nomeadamente através de zonas de descontinuidade ou corredores ecológicos. Para cada uma das 20 Áreas Classificadas com áreas sob gestão da Altri Florestal, foram elaborados Planos de Gestão da Biodiversidade, acompanhados e validados pelo ICNF 8. Monitorização 8.1 CONTROLO DE PRAGAS, DOENÇAS E INFESTANTES As principais pragas do Eucalyptus globulus capazes de causar danos significativos nos povoamentos da Altri Florestal, são o gorgulho (Gonipterus platensis) e a broca do eucalipto (Phoracantha spp.). Gonipterus platensis é um inseto fitófago, que se alimenta preferencialmente de folhagem recente, a passar para folha adulta, tanto no estado larvar como no estado adulto Em casos de populações elevadas, este inseto origina redução importante da área foliar e, por vezes, perda de dominância apical, conduzindo a atraso no crescimento das árvores e desvalorização económica da madeira. Para responder a esta praga, e numa perspectiva de gestão integrada, a Altri Florestal tem vindo desenvolver, projectos de I&D, com efeitos a médio longo prazo, nas áreas de melhoramento genético, luta biotécnica e luta biológica com parasitóides alternativos ao Anaphes nitens, nomeadamente o Anaphes inexpectatus. Adicionalmente, tem desenvolvido acções de efeito a curto prazo, nomeadamente através da reflorestação com espécies consideradas menos suscetíveis ao gorgulho, nomeadamente Eucalyptus nitens e em 2011 recorreu-se ao controlo químico nas áreas com um nível de ataque significativo. Os principais insetos que atacam o tronco do eucalipto são as brocas-do-eucalipto, com duas espécies presentes em Portugal, P. semipunctata e P. recurva. Estas espécies atacam, no seu estado larvar, eucaliptos debilitados, o que conduz, em geral, à morte das árvores. A luta contra P. recurva tem passado pela utilização dos métodos já desenvolvidos para o controlo de P. semipunctata, nomeadamente a remoção e destruição de árvores atacadas, o uso de armadilhas de toros. A monitorização das pragas acima referidas é efectuada através do inventário florestal da empresa e no caso do Gonipterus é efectuada uma monitorização adicional, pela estrutura operacional da empresa, no início de cada ano. A principal doença das folhas do eucalipto em Portugal é a doença das manchas das folhas do eucalipto e é causada por várias espécies de fungos do género Mycosphaerella. Atualmente, a doença das manchas das folhas do eucalipto está presente em todo o país, com maior incidência na região litoral, onde períodos de chuva frequentes, ou mesmo Página 16

18 neblinas matinais, coincidentes com temperaturas amenas proporcionam condições ideais ao seu desenvolvimento. A doença causa manchas foliares necróticas e queda das folhas, reduzindo a área fotossintética podendo conduzir a uma redução significativa do crescimento. As principais pragas de sobreiro encontradas nos povoamentos de sobreiro no património gerido pela Altri Florestal são a cobrilha de cortiça (Coroebus undatus), cobrilha dos ramos (Coroebus florentinus) e a lagarta do sobreiro (Lymantria díspar). As doenças são sobretudo o carvão do entrecasco (Biscogniauxia mediterrânea) e a doença da tinta (Phytophthora cinnamomi). A principal praga de pinheiro-bravo identificada nos pinhais sob gestão é a processionária (Thaumetopoea pityocampa). Até à data, não foram identificadas árvores afetadas com o nemátodo do pinheiro (Bursaphelenchus xylophilus). Estas pragas de sobreiro e pinheiro não têm provocado situações preocupantes em termos fitossanitários. Com base no levantamento efetuado em 2008, foram encontradas infestantes vegetais em aproximadamente 30% das propriedades geridas pela Altri Florestal. As espécies dominantes são mimosa (Acacia dealbata), acácia-de-espigas (Acacia longifolia), austrália (Acacia melanoxylon), acácia (Acacia pycnantha) e háquea-picante (Hakea sericea). A situação das espécies infestantes tem sido alvo de uma preocupação permanente na gestão da Altri Florestal, com intervenções de controlo quando estas apresentam taxas de sucesso aceitáveis. A Altri Florestal utiliza produtos fitofarmacêuticos na proteção das suas plantações. Os produtos químicos utilizados são aplicados de acordo com critérios técnicos rigorosos e cumprindo com a legislação aplicável. Apenas são utilizados os produtos, cujos princípios ativos são autorizados pelas normas de gestão florestal. Os operadores que realizam as aplicações têm formação e utilizam os EPI (equipamentos de proteção individual) adequados. 8.2 VISTORIAS ÀS ATIVIDADES FLORESTAIS As vistorias florestais são uma ferramenta indispensável para a verificação do cumprimento dos requisitos do Sistema de Gestão Florestal na execução das atividades florestais por parte das empresas fornecedores de serviços florestais. Estes requisitos abrangem todos os aspetos essenciais na área ambiental, social e qualidade de execução. Os resultados das vistorias são considerados na classificação anual e contratação dos fornecedores de serviços. 8.3 IMPACTES AMBIENTAIS E SOCIAIS A Altri Florestal realiza monitorização em todas as áreas dos projetos de florestação. Pretende-se com a monitorização, realizada no semestre seguinte à época de plantação, avaliar se as medidas tomadas no projeto estão a ter o efeito desejado ou se é necessário voltar a intervir para corrigir ou adequar futuros procedimentos. Página 17

19 Na monitorização de impactes ambientais, avalia-se a erosão e a perturbação de habitats/espécies ameaçadas. Na erosão regista-se o tipo de erosão e o local de ocorrência. Na perturbação de habitats/espécies ameaçadas, verifica-se o cumprimento das medidas estabelecidas no projeto para salvaguardar os valores identificados de fauna e flora. Na monitorização dos impactes sociais, avalia-se a proximidade das populações locais, dos terrenos cultivados e o cumprimento da legislação aplicável. 8.4 VALORES DE CONSERVAÇÃO Até 2011 foram registadas nas áreas sob gestão 17 espécies de anfíbios, 147 aves, 60 mamíferos e 27 répteis. Todos os registos são mantidos numa base de dados geográfica vocacionada para o registo das observações de todos os colaboradores da empresa, de consultores e voluntários externos. A Altri Florestal tem vindo a recolher informação sobre a presença provável ou comprovada de espécies ameaçadas no seu património. Para tal recorre à ajuda de diversos especialistas, devido ao elevado grau de conhecimento específico necessário para a identificação destas espécies. Também tem vindo a compilar a informação disponível em diversos organismos e instituições, tanto públicos como privados, disponibilizando a mesma a todas as áreas da empresa. Os principais projetos de identificação e monitorização dos valores de conservação apresentam-se no seguinte quadro: Projetos Parcerias Resultados FITOS ( ) Monitorização da avifauna ( ) NaturSapo ( ) Capital Natural Escola Superior Agrária Castelo Branco Mãe d água Carlos Pacheco CIBIO (Univ. Porto) Naturlink - Identificação de áreas de conservação e habitats classificados e respetivas medidas de gestão. - Definição da metodologia e identificação das FAVC. - Formação a todos os colaboradores sobre os valores naturais identificados e medidas de gestão. - Consulta às partes interessadas sobre as FAVC identificadas no projeto. - Identificação e monitorização da presença de espécies ameaçadas em todo o património sob gestão. - Implementação de medidas de proteção dos ninhos e aplicação de restrições temporais ás atividades florestais nos períodos de nidificação. - Colocação de plataformas para ninhos de grandes rapinas. - Inventário em 20 ribeiras permanentes das populações de anfíbios e répteis. - Criação de 4 Microreservas de proteção a populações relevantes de anfíbios. - Ações de restauro do habitat ribeirinho. - Elaboração de manual de construção de charcos temporários (stepping stones) para aplicação nos projetos de florestação. - Ações de divulgação do projeto e das microreservas. Página 18

20 Avaliação dos impactes das plantações florestais na fauna ( ) Business and Biodiversity (2007- ) CIBIO (Univ. Porto) University of York Joana Cruz (Doutoramento) ICNB - Monitorização das populações de anfíbios, morcegos, e mamíferos - Colocação de câmaras noturnas para monitorização dos mamíferos que utilizam o eucaliptal (javali, raposa, texugo, etc.). - Compromisso do Grupo Altri perante a sociedade na conservação dos valores naturais nas áreas sob gestão e na divulgação das suas práticas de gestão - Participação em ações de divulgação e promoção do valor da biodiversidade. Projeto Cabeço Santo ( ) Análise dos Valores de Conservação e Sustentabilidade do grupo Altri (2012) Quercus Núcleo Regional de Aveiro WWF CEABN - ISA - Cedência da gestão de áreas de conservação ao Núcleo de Aveiro da Quercus. - Ações de restauro do habitat ribeirinho da Ribeira de Belazaima. - Erradicação e controlo de invasoras lenhosas. - Envolvimento de voluntários nos trabalhos de restauro (plantação de espécies autóctones). - Adesão ao GFTN Iberia - Avaliação do Relatório de Sustentabilidade - Diagnóstico e Avaliação dos Altos Valores de Conservação. 9. Prevenção e combate de incêndios florestais De acordo com a tabela seguinte, as estatísticas em relação aos incêndios florestais que ocorreram no património gerido pela Altri Florestal entre 2003 e 2011 refletem o panorama nacional, com grande incidência de incêndios nos anos 2003 e Nos restantes anos, a incidência foi baixa, não tendo ultrapassado os 0,5 % da área total. Este resultado deve-se em grande parte ao grande investimento feito todos os anos em silvicultura preventiva e nos dispositivos de deteção e combate aos incêndios florestais da AFOCELCA. A silvicultura preventiva baseia-se em grande parte na manutenção de rede divisional (aceiros), faixas de gestão de combustível e na redução da quantidade de combustível no interior dos povoamentos. A manutenção de charcas e pontos de água permite disponibilizar água para as estruturas de combate em caso de incêndio AA* (%) Área ardida (ha) (*) AA.= % Área ardida: Área ardida em relação à área total de plantações Página 19

Pellets Power, Lda. Relatório da base de abastecimento para Produtores de biomassa. www.sustainablebiomasspartnership.org

Pellets Power, Lda. Relatório da base de abastecimento para Produtores de biomassa. www.sustainablebiomasspartnership.org Pellets Power, Lda Relatório da base de abastecimento para Produtores de biomassa www.sustainablebiomasspartnership.org Version 1.0 March 2015 For further information on the SBP Framework and to view the

Leia mais

Gestão e conservação de habitats prioritários dos Sítios de São Mamede e Nisa/Lage da Prata

Gestão e conservação de habitats prioritários dos Sítios de São Mamede e Nisa/Lage da Prata Projeto LIFE Natureza nº LIFE04/NAT/PT/000214 Gestão e conservação de habitats prioritários dos Sítios de São Mamede e Nisa/Lage da Prata Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo/José Conchinha 1. Como

Leia mais

APRESENTAÇÃO PÚBLICA. do resultado da monitorização dos Indicadores de Gestão Florestal Sustentável

APRESENTAÇÃO PÚBLICA. do resultado da monitorização dos Indicadores de Gestão Florestal Sustentável APRESENTAÇÃO PÚBLICA do resultado da monitorização dos Indicadores de Gestão Florestal Sustentável Norma 4406:2014 Sistemas de gestão florestal sustentável - aplicação dos critérios pan-europeus para gestão

Leia mais

Caracterização da biomassa florestal de interesse energético existente no sul da Galiza e norte de Portugal

Caracterização da biomassa florestal de interesse energético existente no sul da Galiza e norte de Portugal Luis Ortiz Torres - UNIVERSIDADE DE VIGO Caracterização da biomassa florestal de interesse energético existente no sul da Galiza e norte de Portugal ATIVIDADE 3 - Logística do aproveitamento da biomassa

Leia mais

A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP A SUSTENTABILIDADE DO ESPAÇO PÚBLICO

A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP A SUSTENTABILIDADE DO ESPAÇO PÚBLICO A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP Rede de Parques Metropolitanos da Grande Área Metropolitana do Porto Rede de Parques Metropolitanos da Grande

Leia mais

Validação da Cartografia de Habitats

Validação da Cartografia de Habitats LIFE Natureza Nº LIFE04/NAT/PT/000214: NORTENATUR Validação da Cartografia de Habitats 1. Material a. Fotografia área b. Carta Habitats c. Carta Militar d. Bússola e régua 2. Metodologia de Validação a.

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DA GESTÃO FLORESTAL EM GRUPO. Breve guia informativo UNIMADEIRAS

CERTIFICAÇÃO DA GESTÃO FLORESTAL EM GRUPO. Breve guia informativo UNIMADEIRAS CERTIFICAÇÃO DA GESTÃO FLORESTAL EM GRUPO Breve guia informativo UNIMADEIRAS 2 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA GESTÃO FLORESTAL? 3 A Certificação da Gestão Florestal é a garantia que uma propriedade florestal

Leia mais

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA PORTUCEL SOPORCEL INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA Com uma posição de grande relevo no mercado internacional de pasta e papel, o Grupo Portucel Soporcel é uma

Leia mais

Agricultura e Desenvolvimento Rural: Que instrumentos de Financiamento 2014-2020

Agricultura e Desenvolvimento Rural: Que instrumentos de Financiamento 2014-2020 Agricultura e Desenvolvimento Rural: Que instrumentos de Financiamento 2014-2020 Painel Pararelo II Desenvolvimento Florestal do Alto Minho: Principais prioridades 2014-2020 Estratégia Territorial de Valorização

Leia mais

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Direcção Regional de Florestas do Alentejo Lisboa, 21 de Julho de 2011 Sistemas Fundamentais

Leia mais

Consulta Pública. Florestas de Alto Valor de Conservação da Unidade de Gestão Florestal do Grupo Unifloresta. Às Partes Interessadas do Grupo

Consulta Pública. Florestas de Alto Valor de Conservação da Unidade de Gestão Florestal do Grupo Unifloresta. Às Partes Interessadas do Grupo Florestas de Alto Valor de Conservação da Unidade de Gestão Florestal do Grupo Unifloresta Consulta Pública Às Partes Interessadas do Grupo Unifloresta Unimadeiras, S.A. O Grupo Unifloresta foi formalmente

Leia mais

Incêndio. quilómetros, devido aos seus fumos negros e densos

Incêndio. quilómetros, devido aos seus fumos negros e densos Incêndio A propagação de um incêndio depende das condições meteorológicas (direcção e intensidade do vento, humidade relativa do ar, temperatura), do grau de secura e do tipo do coberto vegetal, orografia

Leia mais

BRIGHT - Bussaco s Recovery of Invasions Generating Habitat Threats

BRIGHT - Bussaco s Recovery of Invasions Generating Habitat Threats BRIGHT - Bussaco s Recovery of Invasions Generating Habitat Threats A Mata Nacional do Buçaco :: A Mata Nacional do Buçaco (MNB) constitui um património único, na sua componente natural e arquitetónica,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA. apoie esta campanha em www.ppl.com.pt

ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA. apoie esta campanha em www.ppl.com.pt ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA apoie esta campanha em www.ppl.com.pt A Pombal do Coto Fernando Romão A Faia Brava é a primeira área protegida privada do país, no coração do vale do Côa, no Nordeste

Leia mais

GRUPO DE GESTÃO FLORESTAL DA ABASTENA...

GRUPO DE GESTÃO FLORESTAL DA ABASTENA... 1/11 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. GRUPO DE GESTÃO FLORESTAL DA ABASTENA... 3 3.1 Objectivo do GGFA... 3 3.2 Estrutura do GGFA... 3 3.3 Documentos essenciais... 3 3.4 Obrigações da Administração...

Leia mais

PRAGAS FLORESTAIS. Gorgulho-do-eucalipto. Formação. 18 de junho e 11 dezembro. Dina Ribeiro. http://www.forestry.gov.uk/forestry/ INFD-672LGH

PRAGAS FLORESTAIS. Gorgulho-do-eucalipto. Formação. 18 de junho e 11 dezembro. Dina Ribeiro. http://www.forestry.gov.uk/forestry/ INFD-672LGH PRAGAS FLORESTAIS Gorgulho-do-eucalipto http://www.forestry.gov.uk/forestry/ INFD-672LGH http://en.wikipedia.org/wiki/fusarium_circinatum Dina Ribeiro Formação 18 de junho e 11 dezembro 2014 1 O Inseto

Leia mais

Da produção ao consumidor

Da produção ao consumidor Da produção ao consumidor 1 Da produção ao consumidor O Esporão concluiu que o seu modo de produção não estava adequado à visão da empresa: fazer os melhores produtos que a terra proporciona, de forma

Leia mais

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Perspetiva histórica Fixação e arborização das dunas, 1802 José de Bonifácio Andrada

Leia mais

Distribuição dos incêndios florestais no concelho de Oliveira do Hospital *

Distribuição dos incêndios florestais no concelho de Oliveira do Hospital * 25 Distribuição dos incêndios florestais no concelho de Oliveira do Hospital * Introdução Os incêndios florestais, como quaisquer outros fenómenos que se desenrolem à superfície terrestre, são localizáveis.

Leia mais

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA PLANO GIONAL ORDENAMENTO FLOSTAL DO TÂMEGA Objectivos específicos comuns a) Diminuir o número de ignições de incêndios florestais; b) Diminuir a área queimada; c) Reabilitação de ecossistemas florestais:

Leia mais

Caracterização Florestal

Caracterização Florestal Caracterização Florestal Enquadramento A. Geral O Concelho de Valença tem uma área de 11 790 ha e situa-se na zona Norte do país, região do Minho, distrito de Viana do Castelo, e faz fronteira fluvial

Leia mais

GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA

GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA . GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA As atividades humanas transformaram e modelaram a Serra da Estrela. O aproveitamento de madeiras e lenhas, transformaram as encostas outrora

Leia mais

O que é uma Floresta?

O que é uma Floresta? A FLORESTA E O DESENVOLVIMENTO DA CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA O que é uma Floresta? É um sistema natural dominado por espécies arbóreas, com diversas espécies vegetais arbustivas e herbáceas e habitada por diferentes

Leia mais

O Risco dos Incêndios Florestais

O Risco dos Incêndios Florestais Estratégias de Gestão do Risco de Incêndio Florestal, 18 de Março, Lisboa O Risco dos Incêndios Florestais Paulo Fernandes Dept. Ciências Florestais e Arquitectura Paisagista, Universidade de Trás-os-Montes

Leia mais

1. Acções de sensibilização

1. Acções de sensibilização PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL / 2013-2014 As atividades propostas compreendem diferentes momentos de reflexão, discussão e ação, dirigindo-se a toda a comunidade educativa que contempla diferentes níveis

Leia mais

Ficha de registo de comentários aos documentos normativos em inquérito

Ficha de registo de comentários aos documentos normativos em inquérito , Conselho da Fileira Florestal Portuguesa/PEF C Portugal Anexo B B.2.7; B.2.8 técnico Resulta da avaliação de não conformidade do PEFC ao requisito PEFC ST 1001:2010,4.1.2., que se anexa a esta ficha

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta Floresta Comum, Qual o objectivo principal do Floresta Comum? O objectivo? O Floresta Comum, é um programa de incentivo à reflorestação com a floresta autóctone portuguesa. Para a concretização deste objectivo,

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

MEDIDA 8 - PROTEÇÃO E REABILITAÇÃO DOS POVOAMENTOS FLORESTAIS PDR 2020

MEDIDA 8 - PROTEÇÃO E REABILITAÇÃO DOS POVOAMENTOS FLORESTAIS PDR 2020 MEDIDA 8 - PROTEÇÃO E REABILITAÇÃO DOS POVOAMENTOS FLORESTAIS PDR 2020 Programa de Desenvolvimento Rural Novas Medidas de Apoio ao Investimento Operação 8.1.1 Florestação de Terras Agrícolas e não Agrícolas

Leia mais

20090521_TMO_DFCI09 Avila, Espanha 24 de Setembro 2009 (V congresso forestal Espanhol)

20090521_TMO_DFCI09 Avila, Espanha 24 de Setembro 2009 (V congresso forestal Espanhol) A Defesa da Floresta Contra Incêndios Portugal Tiago Oliveira Protecção florestal Avila, Espanha 24 de Setembro 2009 (V congresso forestal Espanhol) Agenda 1. O sector florestal em Portugal - overview

Leia mais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Início Zonas climáticas No planeta Terra existem cinco grandes zonas climáticas:

Leia mais

Hugo Saturnino Paulo Fernandez e José M. Monteiro Coimbra - 30 Maio de 2009

Hugo Saturnino Paulo Fernandez e José M. Monteiro Coimbra - 30 Maio de 2009 OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NO PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE INFRA- ESTRUTURAS DE PREVENÇÃO E SUPRESSÃO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS CASO DE ESTUDO: CONCELHO DA SERTÃ Hugo Saturnino Paulo Fernandez e

Leia mais

ÍNDICE. Resumo... 2. 1 Introdução... 4. 1.1 Vantagens da Floresta Autóctone... 4. 1.2 Enquadramento histórico... 5

ÍNDICE. Resumo... 2. 1 Introdução... 4. 1.1 Vantagens da Floresta Autóctone... 4. 1.2 Enquadramento histórico... 5 Apoio Científico RESUMO Foi na campanha de (re)arborização de 2011/12 (outubro 2011 fevereiro 2012) que se lançou o projeto piloto do Floresta Comum. O Ano Zero deste projeto teve como objetivo o desenvolvimento

Leia mais

Controlo de Vegetação Lenhosa Infestante JORNADAS TÉCNICAS DESERTIFICAÇÃO E LITORAL CASOS DE SUCESSO FARO, OUTUBRO DE 2010

Controlo de Vegetação Lenhosa Infestante JORNADAS TÉCNICAS DESERTIFICAÇÃO E LITORAL CASOS DE SUCESSO FARO, OUTUBRO DE 2010 Controlo de Vegetação Lenhosa Infestante JORNADAS TÉCNICAS DESERTIFICAÇÃO E LITORAL CASOS DE SUCESSO FARO, OUTUBRO DE 2010 CAUSAS DE INFESTAÇÃO Abandono: Colonização por pioneiras ruderais; Colonização

Leia mais

O novo enquadramento legal, regulado pelo Decreto-Lei n.º 226-A/2007, de 31 de maio, deixou de considerar a limpeza e desobstrução de linhas de água

O novo enquadramento legal, regulado pelo Decreto-Lei n.º 226-A/2007, de 31 de maio, deixou de considerar a limpeza e desobstrução de linhas de água O novo enquadramento legal, regulado pelo Decreto-Lei n.º 226-A/2007, de 31 de maio, deixou de considerar a limpeza e desobstrução de linhas de água como uma utilização. Não obstante, permanece a obrigatoriedade

Leia mais

A importância das Sinergias entre as 3 Convenções do Rio: Biodiversidade, Alterações Climáticas e Combate à Desertificação

A importância das Sinergias entre as 3 Convenções do Rio: Biodiversidade, Alterações Climáticas e Combate à Desertificação A importância das Sinergias entre as 3 Convenções do Rio: Biodiversidade, Alterações Climáticas e Combate à Desertificação Lúcio do Rosário Autoridade Florestal Nacional / Comissão Nacional de Coordenação

Leia mais

Ameaças bióticas aos ecossistemas florestais: o caso da doença do nemátode da madeira do pinheiro

Ameaças bióticas aos ecossistemas florestais: o caso da doença do nemátode da madeira do pinheiro Ameaças bióticas aos ecossistemas florestais: o caso da doença do nemátode da madeira do pinheiro Manuel Mota (mmota@evora.pt) (Prof. Auxiliar com agregação da Universidade de Évora) Paulo Vieira Instituto

Leia mais

P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO

P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO 1 Ações novidade no Plano de 2014 Ambiente Protocolo da Fundação Luso & Quercus Desenvolvimento de ações de valorização do ecossistemas na serra do Buçaco e a plantação

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

Recursos Hídricos. Fig. 1 Distribuição da Água no Planeta

Recursos Hídricos. Fig. 1 Distribuição da Água no Planeta Recursos Hídricos Recursos Hídricos Os recursos hídricos representam a água subterrânea e superficial disponível para qualquer tipo de uso dado pelo Homem numa determinada região. Estes recursos hídricos

Leia mais

Produção e Comercialização de Materiais Florestais de Reprodução

Produção e Comercialização de Materiais Florestais de Reprodução Produção e Comercialização de Materiais Florestais de Reprodução Dina Ribeiro ISA 30 de Novembro 2006 Direcção ão-geral dos Recursos Florestais Enquadramento histórico 1992 1966 Reconhecimento da importância

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

1. Aumentar o conhecimento sobre a fileira (dimensão, valor, intervenientes);

1. Aumentar o conhecimento sobre a fileira (dimensão, valor, intervenientes); SUMÁRIO EXECUTIVO Enquadramento do Estudo O Estudo Económico de Desenvolvimento da Fileira do medronho enquadra-se na estratégia de valorização da floresta do, procurando estudar a dinamização da fileira

Leia mais

Recursos Naturais do Alentejo Litoral A RESERVA NATURAL DAS LAGOAS DE SANTO ANDRÉ E DA SANCHA

Recursos Naturais do Alentejo Litoral A RESERVA NATURAL DAS LAGOAS DE SANTO ANDRÉ E DA SANCHA Recursos Naturais do Alentejo Litoral A RESERVA NATURAL DAS LAGOAS DE SANTO ANDRÉ E DA SANCHA Rouxinol-pequeno-dos-caniços Acrocephalus scirpaceus ENCONTRO 2BPARKS Actividades económicas sustentáveis no

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 8 PROTEÇÃO E REABILITAÇÃO DE POVOAMENTOS FLORESTAIS Ação 8.1 SILVICULTURA SUSTENTÁVEL Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS ARDIDAS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS ARDIDAS RECUPERAÇÃO DE ÁREAS ARDIDAS Informação-síntesepara apoioà sessãode avaliação dos trabalhos desenvolvidosapóso GIF de Catraia São Brás de Alportel e Tavira, 24 de novembro de 2014 1. ÁREA ARDIDA ENTRE

Leia mais

RELATÓRIO 1818/2015/DGPF/ DAPFVRS PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE MATERIAL FLORESTAL DE REPRODUÇÃO (MFR) RELATÓRIO DA CAMPANHA 2013-2014 NÚMERO DAPFVRS

RELATÓRIO 1818/2015/DGPF/ DAPFVRS PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE MATERIAL FLORESTAL DE REPRODUÇÃO (MFR) RELATÓRIO DA CAMPANHA 2013-2014 NÚMERO DAPFVRS TÍTULO 1818/2015/DGPF/ PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE MATERIAL FLORESTAL DE REPRODUÇÃO (MFR) DA CAMPANHA 2013-2014 Viveiro Florestal da Mata Nacional de Valverde 1/25 ÍNDICE Índice... 2 Sumário executivo...

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013 do Conselho e do Parlamento

Leia mais

RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015

RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015 RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015 Página2 Página3 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Madepar Indústria e Comércio de Madeiras LTDA certificou suas florestas de acordo com os Princípios e Critérios

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR PARA O CONTROLO DE PLANTAS INVASORAS. V3.0 junho 2014. AÇÃO A6 do Projeto LIFE fura-bardos

DOCUMENTO ORIENTADOR PARA O CONTROLO DE PLANTAS INVASORAS. V3.0 junho 2014. AÇÃO A6 do Projeto LIFE fura-bardos DOCUMENTO ORIENTADOR PARA O CONTROLO DE PLANTAS INVASORAS V3.0 junho 2014 AÇÃO A6 do Projeto LIFE fura-bardos Dados do documento Titulo Documento orientador para o controlo de plantas invasoras Projeto

Leia mais

Reformulação do Indicador 11 Gestão e Conservação da Floresta

Reformulação do Indicador 11 Gestão e Conservação da Floresta Reformulação do Indicador 11 Gestão e Conservação da Floresta Ação de Formação Eco XXI 2015 Agência Portuguesa do Ambiente Alfragide/Amadora 23 de Fevereiro de 2015 FLORESTA Conservação da natureza e da

Leia mais

PDR 2014-2020 - Análise SWOT

PDR 2014-2020 - Análise SWOT A - Sector Agroalimentar Os produtos do complexo agroflorestal são bens internacionalmente transacionáveis com peso importante no comércio internacional Indústrias agroalimentares dinâmicas, com elevada

Leia mais

Estudo Prospectivo da Fileira Florestal. Questionário

Estudo Prospectivo da Fileira Florestal. Questionário Nota Explicativa O Estudo Prospectivo da Fileira Florestal" tem como objectivo iniciar um processo de caracterização na óptica da inovação e transferências de tecnologias de de uma visão de conjunto integrada

Leia mais

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e coordenado científico da AGR.GES) 16 de Abril de 2013 1. Evolução do pinheiro bravo

Leia mais

CERTIFICAÇÃO FLORESTAL UMA FERRAMENTA PARA A PRODUTIVIDADE DA FLORESTA

CERTIFICAÇÃO FLORESTAL UMA FERRAMENTA PARA A PRODUTIVIDADE DA FLORESTA Ministério da Defesa Nacional Força Aérea Portuguesa Campo de Tiro CERTIFICAÇÃO FLORESTAL UMA FERRAMENTA PARA A PRODUTIVIDADE DA FLORESTA PANORÂMICA Missão; Localização; Atividade Operacional; Certificações;

Leia mais

Projecto de candidatura

Projecto de candidatura Projecto de candidatura Resumo O projecto Ensino experimental no bosque de Casal do Rei regeneração da biodiversidade após fogo consiste na monitorização da regeneração da vegetação natural de um bosque

Leia mais

Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão"

Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão Seminário Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão Alcácer do Sal Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão" Nélia Aires Eng.ª Florestal UNAC -União da Floresta Mediterrânica 18. 09. 2012 Índice

Leia mais

Boletim meteorológico para a agricultura

Boletim meteorológico para a agricultura CONTEÚDOS Boletim meteorológico para a agricultura Nº 49, janeiro 2015 IPMA,I.P. 01 Resumo 02 Situação Sinóptica 03 Descrição Meteorológica 05 Informação Agrometeorológica 12 Previsão 12 Situação agrícola

Leia mais

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria I Revisão do Plano Director Municipal de Caracterização biofísica Leiria Volume II 2004 1. ECOZONAS Ao percorrer o concelho de Leiria de Norte para Sul e de Este para Oeste a paisagem varia. Uma imagem

Leia mais

Boletim climatológico mensal maio 2012

Boletim climatológico mensal maio 2012 Boletim climatológico mensal maio 2012 CONTEÚDOS IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática Mensal 05 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Insolação

Leia mais

ANEXO 3. A floresta portuguesa FACTOS E NÚMEROS

ANEXO 3. A floresta portuguesa FACTOS E NÚMEROS ANEXO 3 FACTOS E NÚMEROS A floresta portuguesa 1. Os espaços florestais ocupam 5,4 milhões de hectares e representam cerca de dois terços da superfície de Portugal Continental. Destes, 3,4 milhões de hectares

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

RISCO DE EROSÃO. Projecto n.º 2004/EQUAL/A2/EE/161 1

RISCO DE EROSÃO. Projecto n.º 2004/EQUAL/A2/EE/161 1 RISCO DE EROSÃO Portugal é um dos países europeus mais susceptíveis aos processos de desertificação física dos solos. Cerca de 68% dos solos nacionais estão ameaçados pela erosão e 30% encontram-se em

Leia mais

A importância do continente europeu reside no fato de este ter

A importância do continente europeu reside no fato de este ter Conhecido como velho mundo, o continente europeu limitase a oeste com o Oceano Atlântico, ao sul com o Mediterrâneo, ao norte com o oceano Glacial Ártico e a leste com a Ásia, sendo que os Montes Urais

Leia mais

Ecologia II: Ecossistemas fluviais. Manuela Abelho 2012

Ecologia II: Ecossistemas fluviais. Manuela Abelho 2012 Ecologia II: Ecossistemas fluviais Manuela Abelho 2012 3.1 Funções 3. ZONA RIPÍCOLA 2 Zonas ripícolas Espaços abertos que bordeiam os rios estabelecendo o seu limite e constituem a zona de transição entre

Leia mais

Casos práticos de certificação O Grupo APFCertifica

Casos práticos de certificação O Grupo APFCertifica Casos práticos de certificação O Grupo APFCertifica Carlota Alves Barata Associação de Produtores Florestais de Coruche Castro Verde, 23 de Abril de 2013 Coruche em números: Área: 1120 km 2 60% área florestal

Leia mais

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem?

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? A diversidade de vida no planeta Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? Domínios naturais terrestres São extensas áreas geográficas com

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

7264 Diário da República, 1.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015

7264 Diário da República, 1.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 7264 Diário da República, 1.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 Portaria n.º 274/2015 de 8 de setembro O Decreto -Lei n.º 137/2014, de 12 de setembro, estabeleceu o modelo de governação dos fundos europeus

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

I SÉRIE - Nº 19 10-5-2001 CAPÍTULO I SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA E PESCAS. Disposições Gerais. Portaria n.º 26/2001 de 10 de Maio. Artigo 1.

I SÉRIE - Nº 19 10-5-2001 CAPÍTULO I SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA E PESCAS. Disposições Gerais. Portaria n.º 26/2001 de 10 de Maio. Artigo 1. SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA E PESCAS Portaria n.º 26/2001 de 10 de Maio Considerando que, através da Decisão da Comissão C(2000)1784, de 28 de Julho de 2000, foi aprovado, no âmbito do III Quadro

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

Controlo de Espécies Vegetais Exóticas Invasoras

Controlo de Espécies Vegetais Exóticas Invasoras Programa de Ocupação dos Tempos Livres RELATÓRIO DO PROJECTO Controlo de Espécies Vegetais Exóticas Invasoras Julho de 2006 Programa de Ocupação dos Tempos Livres RELATÓRIO DO PROJECTO Controlo de Espécies

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

Interpretação Nacional das Florestas de Alto Valor de Conservação Documento de base

Interpretação Nacional das Florestas de Alto Valor de Conservação Documento de base Interpretação Nacional das Florestas de Alto Valor de Conservação Documento de base Elaborado: Miguel Bugalho Revisto: Vera Santos Enquadramento O conceito de florestas de alto valor de conservação, introduzido

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA UFRGS 2012 São fatores limitantes dos biomas: Umidade: ausência ou excesso; Solo: tipo de nutrientes e tempo de intemperismo; Temperatura: Amplitude Térmica; Luz solar:

Leia mais

1. METODOLOGIA DE SELECÇÃO DE PRAGAS E DOENÇAS FLORESTAIS

1. METODOLOGIA DE SELECÇÃO DE PRAGAS E DOENÇAS FLORESTAIS 1. METODOLOGIA DE SELECÇÃO DE PRAGAS E DOENÇAS FLORESTAIS Em tod povoament florestais existe uma variedade de seres viv que desempenham acções específicas na dinâmica da floresta estando normalmente em

Leia mais

Apoio Meteorológico Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Apoio Meteorológico Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, IPMA Apoio Meteorológico Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais RELATÓRIO MENSAL JUNHO 2013 Caracterização Meteorológica e Climatológica Índices de Risco

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

Guia prático. para os agricultores

Guia prático. para os agricultores Guia prático para os agricultores Introdução Os insectos polinizadores são uma componente essencial para a polinização de muitas culturas. Ao longo dos anos, no entanto, o número de alguns insectos polinizadores

Leia mais

MEDIDAS PRIVADAS DE GESTÃO DO RISCO: ASSOCIADAS DA UNAC. Estratégias de Gestão do Risco Florestal 18. 03. 2010

MEDIDAS PRIVADAS DE GESTÃO DO RISCO: ASSOCIADAS DA UNAC. Estratégias de Gestão do Risco Florestal 18. 03. 2010 MEDIDAS PRIVADAS DE GESTÃO DO RISCO: ASSOCIADAS DA UNAC Estratégias de Gestão do Risco Florestal 18. 03. 2010 Agenda A UNAC Incêndios florestais impacto Que abordagem? Seguro Florestal UNAC em números

Leia mais

Custos de Gestão e Produção do Sobreiro

Custos de Gestão e Produção do Sobreiro www.unac.pt união da floresta mediterranica Custos de Gestão e Produção do Sobreiro ContaSB1. Outubro 213 No âmbito do Projeto CORKNOW-HOW: CONHECIMENTO SUBERÍCOLA EM REDE foi desenvolvida uma ferramenta

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 1137-C/2008, de 9 de Outubro

Versão Consolidada. Portaria n.º 1137-C/2008, de 9 de Outubro Portaria n.º 1137-C/2008, de 9 de Outubro A gravidade dos incêndios florestais nas últimas décadas afectou significativamente o património florestal e contribuiu para criar uma imagem de altos riscos associada

Leia mais

Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil

Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil M A N O E L D E F R E I T A S C O N S U L T O R I A F L O R E S T A L Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil 1º Congresso Florestal do Tocantins Novembro 2010 Situação florestal do Brasil IBGE

Leia mais

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2,

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2, P6_TA(2009)0130 Degradação das terras agrícolas na UE Resolução do Parlamento Europeu, de 12 de Março de 2009, sobre o problema da degradação das terras agrícolas na UE e particularmente no Sul da Europa:

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Boletim climatológico mensal dezembro 2012

Boletim climatológico mensal dezembro 2012 Boletim climatológico mensal dezembro 2012 CONTEÚDOS IPMA,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 06 Caracterização Climática Mensal 06 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Insolação

Leia mais

Guião de Boas Práticas de Gestão. para apoio à conservação das espécies e habitats dos SIC de Cabrela e Monfurado

Guião de Boas Práticas de Gestão. para apoio à conservação das espécies e habitats dos SIC de Cabrela e Monfurado Guião de Boas Práticas de Gestão para apoio à conservação das espécies e habitats dos SIC de Cabrela e Monfurado Índice 1. Introdução... 2 1.1. Objectivos e Estrutura... 2 1.2. A Rede Natura 2000... 2

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro*

PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro* PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro* *não dispensa aconselhamento técnico 1 Avaliação da aptidão do solo, água e clima Fertilidade do

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais