MANUAL PRÁTICO DA CULTURA DA SOJA 17/06/2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL PRÁTICO DA CULTURA DA SOJA 17/06/2015"

Transcrição

1 MANUAL PRÁTICO DA CULTURA DA SOJA 17/06/2015

2 Índice O panorama do complexo soja O mercado mundial da soja O mercado da soja em Mato Grosso Principais rotas de escoamento da soja no Estado Como se formam os preços no mercado interno Paridade de exportação O ponto de equilíbrio Gastos produtivos com a cultura da soja Preço de Base e relação Frete/Soja

3 O panorama do Complexo Soja

4 O panorama do complexo soja Antes das Fazendas Nas Fazendas Após as Fazendas Indústrias de Insumos Defensivos Cooperativas Agroindústrias de Alimentos Indústrias de Combustíveis Mercado Externo Fertilizantes Sementes Produção Agrícola Armazenadoras Cooperativas Esmagadoras e Refinadoras Indústrias de Derivativos de Óleo e Farelo Distribuição Máquinas Outras Indústrias Revendas Tradings Indústrias de Ração Indústrias de Carnes Mercado Externo Outras Indústrias Mercado Interno Fonte: Imea

5 O mercado mundial da soja

6 Produção da soja no mundo 2015/16 104,8 8,8 6,2 104,8 97,0 Os EUA representam 33% da produção mundial. O Brasil representa 31% da produção mundial. 11,5 11,5 EUA e BR são o grande peso 0,0 da oferta mundial 57,0 Prod Mundial: 317,6 milhões t Fonte: USDA MAI/15.

7 Oferta e Demanda no mundo 2015/16 Estoques recordes da safra 2014/15 devem pesar sobre a safra 2015/16. Fonte: USDA MAI/15.

8 Principais Importadores no mundo 2015/16 77,5 12,8 2,9 2,2 77,5 4,1 A China representa 65% das importações mundiais. 0,0 2,3 Imp Mundial: 119,7 milhões t Fonte: USDA MAI/15.

9 Principais Exportadores no mundo 2015/16 49,8 3,8 2,6 Exportação brasileira de soja representa 39% das exportações mundiais. 49,8 0,0 4,6 48,3 Mato Grosso representa 33% das exportações brasileiras de soja. 8,5 Exp Mundial: 122,2 milhões t Fonte: USDA MAI/15.

10 Calendário Agrícola: Hemisfério Norte e Sul Fator determinante é o CLIMA

11 Fatores de Risco Risco do Clima Incidência de pragas, doenças e Plantas daninhas Setor depende do Câmbio Venda ( Exportação) Custo de produção Alta volatilidade dos preços

12 O mercado da soja em MT

13 Época de escoamento da soja em MT Escoamento da soja ocorre no 1º semestre do ano em Mato Grosso Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fonte: Imea

14 Oferta e Demanda em MT Unidade: Milhões de toneladas 2014/15 Oferta 28,08 Estoque Inicial 0,2 Importação 0 Produção 27,87 Demanda 27,86 Consumo MT 8,85 Consumo Interestadual 4 Exportação 15,01 Estoque Final 0,22 Principal destino Fonte: Imea

15 Destino dos produtos do complexo soja em MT Espanha Holanda China Holanda Índia China Soja Grão Farelo Argélia Indonésia Óleo Fonte: Secex, Imea

16 Principais portos no Brasil Fluxo de Exportações de Grãos Escoamento de Grãos por Porto (Participação %) em 2014 Em 2015 aumento do escoamento pelo Norte Fonte: Secex Elaboração: Imea Porto Export. SOJA Santos 51% Paranaguá 11% Vitória 10% Manaus 6% Santa Fé do Sul 5% Santarém 4% São Luís 4% Demais Portos 9%

17 Frete - Competitividade Logística Mato Grosso é o estado com maior custo de frete... Margem MT - N -24,8% MT - C -21,6% US$ 100/ton MT - NE -20,2% MT - S -12,4% MS - S -9,1% BA -5,6% MS - N -3,1% GO -2,7% MG -2,7% TO -1,9% MA 0,8% PI 1,6% PR 3,0% SP 3,8% DF 6,5% RS 6,8% SC 8,7% Fonte: Imea

18 Vias de escoamento no Brasil Rodovias Ferrovias Hidrovias O principal ponto fraco do Mato Grosso, a infraestrutura logística, também representa uma oportunidade de novos projetos de estradas, ferrovias e vias navegáveis ainda a serem desenvolvidos. Fonte: CNA 2014

19 Frete - Competitividade Rodoviário 61% 80% US$ 100/ton 5% Ferroviário 21% 18% 35% Hidroviário 18% 2% 60% Argentina: Distância média entre as regiões produtoras e os portos é de 300 km. Brasil: A distância média varia de 1000 a 2000 km, dependendo da região. Fonte: CNA 2014

20 Custos logísticos dos principais exportadores CHINA Sorriso, Brasil Caminhão US$ 90/Ton Santos, Brazil US$ 23/Ton US$ 113,00 Córdoba, Argentina Caminhão US$ 40/Ton Rosário, Arg US$ 39/Ton US$ 79,00 Illinois, USA Hidrovia US$ 20/Ton New Orleans, USA US$ 31/Ton US$ 51,00 Fonte: Centrograos, Caramuru and Soy Transport Coalition, Aug.2010, BCR Rosário

21 Custos logísticos dos principais exportadores Hidrovias Fonte: Centrogrãos, Caramuru and Soy Transport Coalition, BCR Rosário

22 Custos logísticos dos principais exportadores Ferrovias Necessidade de Fomento do modal Ferroviário OBRAS CONCLUÍDAS Vantagens ambientais e econômicas em relação ao modal rodoviário OBRAS IMCOMPLETAS Fonte: Centrogrãos, Caramuru and Soy Transport Coalition, BCR Rosário

23 Custos logísticos dos principais exportadores Rodovias Estado Geral Região e UF Ótimo Bom Regular Ruim Péssimo TOTAL Centro-Oeste Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goías Distrito Federal Fonte: Centrogrãos, Caramuru and Soy Transport Coalition, BCR Rosário

24 Impacto do frete sobre a soja % 29% 35% 29% 30% 27% 30% 40% 35% 50 22% 30% ,44 52,64 25% 20% 15% Impacto ,94 15,74 10% 5% * Média Sorriso (R$/sc) Frete (R$/sc) Impacto *2015 média até maio. 0% Pico do frete 2014 R$ 300/t Pico do frete 2015 R$ 295/t Fonte : Imea

25 Milhões de Toneladas Fonte : Conab, Imea Armazenagem em Mato Grosso capacidade estática estagnada. Déficit volta a crescer! 30 30,9 31, ,9 23, ** Produção Soja* Produção Milho* armazenagem Déficit * 20% a mais de produção de soja e milho segundo recomendação da FAO. **2015 Relatório de junho da Conab.

26 Fonte : Imea Importância da soja para Mato Grosso Valor Bruto da Produção em Mato Grosso R$ Bilhões 28,7 34,3 39,8 43,0 45,34 Pecuária 27% outros 11% 21,3 Boi 20% Soja 51% * Algodão 8% Milho 10% Agricultura 73% VBP Total

27 Mercado

28 Fonte : Imea Mercado Qual é o objetivo dos participantes do mercado na cadeia produtiva? Lucro nas suas atividades...

29 Mercado E como eu obtenho lucro? Diferença entre preços. E o que influencia os preços? Aspectos de Oferta e demanda dos produtos. Fonte : Imea

30 Fonte : Imea Importância da soja para Mato Grosso Os preços são formados pela oferta e demanda. Demanda maior que a Oferta Oferta maior que a Demanda

31 Fonte : Imea Mercado Estrutura Agropecuária Oferta = Sazonal e incerta Demanda = Contínua e crescente Necessidade de estratégias de comercialização

32 Principais estratégias de comercialização Mercado Spot ou à vista ou Físico Mercado a Termo Mercado Futuro Mercado de Opções

33 Tipos de mercado Mercado Spot Disponível Balcão Troca do produto físico por Dinheiro. Objetivo: Compra e venda imediata!

34 Tipos de mercado Mercado A Termo Riscos Produto Preço Indústria Produtor

35 Tipos de mercado Mercado A Termo Indústria Produtor Comprar Pagar pouco Ter lucro Vender Ganhar bem Ter lucro A Termo

36 Tipos de mercado Mercado A Termo A Termo Indústria Produtor Valor Data e local da entrega Tipo do produto A termo: Transações em dois ou mais instantes. Assim, pode haver negociação futura. Quantidade

37 Tipos de mercado Mercado Futuro Indústria Produtor Organizado em Bolsa

38 Tipos de mercado Mercado a Termo De balcão Tem que entregar (receber) o produto sem custo Mercado Futuro Organizado em Bolsa Liquidação financeira Margem de garantia e ajustes diários Não posso sair do contrato Posso sair a qualquer momento

39 Mercado Futuro Histórico As Bolsas Internacionais As Bolsas Nacionais Mercado Futuro Códigos Padronização dos contratos Margem de Garantia Ajuste diário Formação do preço futuro Liquidação de posição Risco Preço de base

40 Mercado Futuro Desequilíbrio de mercado Desequilíbrio de mercado. Oferta superior a demanda na colheita e oposto na entressafra. Alta volatilidade do preço das commodities.

41 Mercado Futuro CME group (Chicago Mercantile Exchange) ICE Intercontinental Exchange (ICE Futures US) BMF&Bovespa LIFFE (London International Financial Futures and Options Exchange)

42 O que é Mercado Futuro?

43 O que é Mercado Futuro? Mercado onde são realizadas operações, envolvendo lotes padronizados de commodities ou ativos financeiros, para liquidação em datas pré-fixadas.

44 Mercado Futuro Códigos dos Ativos

45 Bolsa de Chicago - CBOT Unidade: Cents de US$ por Bushel Mês Código ZS X 5 Janeiro Março F H Maio K Código na CBOT Mês de Vencimento Ano Julho Agosto Setembro Novembro N Q U X Fonte : CME Group

46 Fonte : CME Group Mercado Futuro

47 Fonte : CME Group Mercado Futuro Padronização dos Contratos Especificação do produto: Amarelo tipo 2 na cotação; Amarelo tipo 3 na cotação - 6 cents/bushel; Amarelo tipo 1 na cotação + 6cents/bushel.

48 Fonte : BM&FBovespa Mercado Futuro Código na BM&F Unidade: US$ por saca SFI K 15 Mês de Vencimento Ano Mês Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Novembro Código H J K M N Q U X

49 Fonte : BM&FBovespa Mercado Futuro Código SFI Cotação Dólares por saca de 60 kg. Unidade de Negociação 450 sacas Meses de Vencimento Mar. Abr. Mai. Jun. Jul. Ago. Set. e Nov. Data de Vencimento Segundo dia útil anterior ao mês de vencimento. Corretagem Normal 0,30%. Corretagem Day Trade 0,07%. Liquidez 1 em 1 contrato. Cálculo de Volume Cotação x Dólar x 450 x Número de contratos. Horários Pregão 9 às 15:00 After 15:35 às 18:00.

50 Fonte : BM&FBovespa Mercado Futuro Padronização dos Contratos Especificação do produto: Soja a granel tipo exportação, com conteúdo de óleo base de 18,5% e com até 14% de umidade; base de 1%, não ultrapassando o máximo de 2% de impurezas; e máximo de 8% de avariados, de 10% de grãos verdes e de 30% de grãos quebrados. Local de formação do preço : Porto de Paranaguá (PR)

51 Fonte : BM&FBovespa Mercado Futuro Como operar no mercado futuro?

52 Tipos de mercado Mercado Opção Compra uma opção Compra (Call) Venda (PUT) Contrato futuro Contrato futuro Proteção alta Proteção baixa

53 Tipos de mercado Resumindo... Físico, Spot, Cash ou à vista Mesmo momento o produto e o $ Boa liquidez Risco de mercado Termo Futuro Contrato com definição de valor, tipo do produto e local de entrega. Tem baixa liquidez Igual ao a termo, porém realizado na bolsa Não tenho custo, porém, não posso sair do contrato. Tenho custo, porém, posso sair do contrato a qualquer momento. Posso garantir preço ou produto para minha indústria. Maior liquidez, na garantia do preço, podendo entrar no mercado quando achar melhor e não quando tiver comprador opções Seguro de preço e é geralmente realizado em bolsa Tenho um custo menor que o futuro, e a mesma garantia deste mercado Consigo assegurar um preço, com um investimento relativamente baixo, sem falar no baixo risco.

54 Formação de Preços Mercado Interno Como se formam os preços no mercado interno? Cotação internacional Prêmio de Exportação Custo Portuário Frete ao porto

55 Formação de Preços Mercado Interno Cotação Internacional = CBOT Prêmio de Exportação É definido pelo comprador, baseado em custos de frete, facilidade de embarque, qualidade do produto, oferta/demanda e dentre outros fatores. Ou seja: Prêmio é um ágio ou deságio sobre o preço no porto. Custo Portuário Os custos portuários são aqueles incorridos, direta ou indiretamente, no âmbito dos portos, com a finalidade de iniciar as exportações ou concluir as operações de importação de produtos e mercadorias. Frete Custo de transporte da região produtora até o porto de escoamento. Pode ser frete rodoviário, ferroviário ou hidroviário. No caso de MT a maioria é pelo transporte Rodoferroviário (com destino ao porto de Santos).

56 Fonte : Imea Formação de Preços Mercado Interno Exemplificando... (1) Cotação da soja na CBOT: US$ 978,40/bushel (2) Prêmio do porto: + US$ 40,00/bushel (3) Custo portuário em Santos: US$ 15,00/tonelada (4) Dólar comercial: R$ 3,15/US$ (5) Frete rodoviário de Sorriso a Santos: R$ 295,00/tonelada

57 Fonte : Imea Formação de Preços Mercado Interno Exemplificando... CONVERSÕES Lembrando que: 1 bushel = 27,214 kg 1 saca (sc) = 60 kg 1 Saca (sc de 60 kg) = 2,2046 Bushel 1 Tonelada = 16,666 sacas (60 kg) (1) Cotação da soja na CBOT ( 100 para tirar de cents de bushel e passar para bushel, e, 2,2046 para converter de bushel para saca) Resultado: US$ 21,57/sc (2) Prêmio do porto ( 100 para tirar de cents de bushel e passar para bushel, e, 2,2046 para converter de bushel para saca) Resultado: + US$ 0,88/sc (3) Custo portuário em Santos ( 16,666 para transformar de toneladas para saca) Resultado: U$ 0,90/sc (4) Dólar comercial: R$ 3,15/US$ (5) Frete rodoviário de Sorriso a Santos ( 16,666 para transformar de toneladas para saca) Resultado: R$ 17,70/sc

58 Fonte : Imea Formação de Preços Mercado Interno ,57 + 0,88 0,90 3,15 17,70 COTAÇÃO DE R$ 50,18/sc

59 Paridade de Exportação Mas, qual a diferença entre o preço da cotação interna e a paridade de exportação? A paridade de exportação é para uma data futura. No caso de MT o mês de referência é março de cada ano. Assim, as variáveis devem ser para um contrato futuro.

60 Fonte : Imea Paridade de Exportação Exemplificando... (1) Cotação da soja na CBOT: US$ 916,72/bushel (2) Prêmio do porto: + US$ 55,00/bushel (3) Custo portuário em Santos: US$ 15,00/tonelada (4) Dólar comercial: R$ 3,15/US$ (5) Frete rodoviário de Sorriso a Santos: R$ 265,00/tonelada

61 Fonte : Imea Paridade de Exportação Exemplificando... (1) Cotação da soja na CBOT ( 100 para tirar de cents de bushel e passar para bushel, e, 2,2046 para converter de bushel para saca) Resposta: US$ 20,21/sc (2) Prêmio do porto ( 100 para tirar de cents de bushel e passar para bushel, e, 2,2046 para converter de bushel para saca) Resposta: + US$ 1,21/sc (3) Custo portuário em Santos ( 16,666 para transformar de toneladas para saca) Resposta: U$ 0,90/sc (4) Dólar comercial (Aplica-se juros de 6,5% sobre o valor do dólar na data calculada até 1º de março) * de 1 de junho de 2015 até 1 de março de 2015 Resposta: R$ 3,33701*/US$ (5) Frete rodoviário de Sorriso a Santos ( 16,666 para transformar de toneladas para saca) Resposta: R$ 15,90/sc

62 Fonte : Imea Paridade de Exportação ,21 + 1,21 0,90 3,337 15,90 COTAÇÃO DE R$ 52,57/sc

63 R$/Saca Paridade de Exportação 56,0 54,0 52,0 50,0 48,0 46,0 44,0 42,0 2014/ /16 40,0 3-mar 10-mar 17-mar 24-mar 31-mar 7-abr 14-abr 21-abr 28-abr 5-mai 12-mai 19-mai 26-mai O dólar elevado neste ano, expectativa de fretes rodoviários mais baratos em virtude das novas rotas de escoamento ao Norte do país (desafogando portos como Santos-SP e Paranaguá-PR) têm beneficiado a elevação do preço de paridade para Março de Fonte: BM&F, CBOT, Imea.

64 Preço de Base

65 Preço de Base Preço Sorriso-MT Preço em Chicago R$ 55,00/sc Base US$ 10,00/Bushel R$ - 14,44/sc 10 x 2,204 x 3,15 R$ 69,44/sc

66 Preço de Base Diferença de base (Preço MT - Preço CBOT) para o preço da soja (US$/bushel) Fonte: CME Group, CBOT, Imea.

67 Ponto de Equilíbrio

68 Ponto de Equilíbrio Também conhecido como Break Even Point, indica o preço mínimo que o produtor deve vender sua safra para não obter prejuízo; Não existe Ponto de Equilíbrio (PE) que se possa afirmar ser o ideal. Ele deve ser o mais baixo possível. Quanto menor o ponto de equilíbrio, mais segurança o produtor terá para não entrar em prejuízo; No Ponto de Equilíbrio o produtor não terá lucro ou prejuízos. Atualmente na busca da competitividade é fundamental que os produtores conheçam o seu Ponto de Equilíbrio para não venderem a um preço que lhes incidem em prejuízos. Fonte: Imea.

69 Ponto de Equilíbrio Fórmula PE = CV/p Exemplificando... (-) Custo Variável da safra 2014/15 R$ 2.400,00/ha PE = Ponto de Equilíbrio; CV= Custo Variável; p = Produtividade da lavoura de soja. Produtividade da safra 2014/15 Ponto de Equilíbrio 52,00 sc/ha R$ 46,15/sc Produtividade em sc/ha Custo Variável em R$/ha R$ 57,14 R$ 60,00 R$ 62,86 R$ 65,71 R$ 68,57 R$ 71,43 R$ 74,29 40 R$ 50,00 R$ 52,50 R$ 55,00 R$ 57,50 R$ 60,00 R$ 62,50 R$ 65,00 45 R$ 44,44 R$ 46,67 R$ 48,89 R$ 51,11 R$ 53,33 R$ 55,56 R$ 57,78 50 R$ 40,00 R$ 42,00 R$ 44,00 R$ 46,00 R$ 48,00 R$ 50,00 R$ 52,00 55 R$ 36,36 R$ 38,18 R$ 40,00 R$ 41,82 R$ 43,64 R$ 45,45 R$ 47,27 60 R$ 33,33 R$ 35,00 R$ 36,67 R$ 38,33 R$ 40,00 R$ 41,67 R$ 43,33 65 R$ 30,77 R$ 32,31 R$ 33,85 R$ 35,38 R$ 36,92 R$ 38,46 R$ 40,00 70 R$ 28,57 R$ 30,00 R$ 31,43 R$ 32,86 R$ 34,29 R$ 35,71 R$ 37,14 Atualmente, o preço de paridade para mar/16 é próximo a R$ 52,00/sc. Fonte: Imea.

70 Como podemos alcançar o Ponto de Equilíbrio? Aumentando a Receita Bruta Diminuindo os Custos Produtivos Aumentando a produtividade ou o preço de venda Gestão de custos e controles sobre a eficiência produtiva

71 R$/Hectares Custo de produção da soja Maiores gastos da história na produção da soja em MT Impacto sobre a Rentabilidade da safra 3100, ,00 Despesas com Insumos Custo Operacional Custo Variável Custo Total 2100, , ,00 600, / / / /16* *Custo de Produção Ponderado de abril de Fonte: imea.

72 Relação Frete/Soja

73 Relação frete/soja A relação entre o valor do frete e o preço da soja é expressa em porcentagem, significando o percentual que o custo com o frete ocupa no preço da soja. Quanto maior o preço do frete = Maior o percentual de participação no preço da soja = Maior peso sobre o bolso do produtor (pois será maior o desconto). Quanto menor o preço do frete = Menor o percentual de participação no preço da soja = Menor peso sobre o bolso do produtor (pois será menor o desconto).

74 21-abr-14 5-mai mai-14 2-jun jun jun jul jul ago ago-14 8-set set-14 6-out out-14 3-nov nov-14 1-dez dez dez jan jan-15 9-fev fev-15 9-mar mar-15 6-abr abr-15 4-mai-15 Relação frete/soja Relação frete (Sorriso a Santos) e Preço da soja em Sorriso (%) 45,00 40,00 Relação em (%) Frete/Soja Média 35,00 30,00 25,00 20,00 15,00 Fonte: Imea.

75 Tainá Heinzmann (65) / Obrigado! Ângelo Ozelame (65) /

ENTENDENDO O MERCADO DO MILHO 01/07/2015

ENTENDENDO O MERCADO DO MILHO 01/07/2015 ENTENDENDO O MERCADO DO MILHO 01/07/2015 Índice O panorama do milho O mercado mundial do milho O mercado do milho em Mato Grosso Principais rotas de escoamento do milho no Estado Como se formam os preços

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Perspec8vas para a agropecuária brasileira para os próximos cinco anos

Perspec8vas para a agropecuária brasileira para os próximos cinco anos www.imea.com.br Perspec8vas para a agropecuária brasileira para os próximos cinco anos Daniel Latorraca Superintendente Agenda Visão da cadeia de grãos nos últimos 10 anos Visão da pecuária nos últimos

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

Gestão de Recebíveis. Um Novo Cenário

Gestão de Recebíveis. Um Novo Cenário 2015-16 Gestão de Recebíveis Um Novo Cenário Sobre a recuperação da economia americana: No começo achávamos que viria a recuperação em V, começamos a falar em U, daí passaram para o L - Austan Goolsbee

Leia mais

Fechamento dos Mercados Segunda-feira 07/11/16 granoeste.com.br (45) Atual Ant. Dif.

Fechamento dos Mercados Segunda-feira 07/11/16 granoeste.com.br (45) Atual Ant. Dif. COMPLEXO SOJA CBOT - Soja (U$/Bushel = 27,216) Máx Min NOV 989,25 981,50 7,75 992,00 981,75 JAN 998,50 990,75 7,75 1.001,75 990,00 MAR 1005,50 997,25 8,25 1.007,75 996,25 MAI 1012,25 1004,00 8,25 1.014,25

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ALGODÃO DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Farelo. Atacado. Ração. Varejo. Países

Farelo. Atacado. Ração. Varejo. Países Estrutura a apresentação AGROEGÓCIO DA SOJA MAURO OSAI TES/ESALQ e PESQUISADOR DO CEPEA Complexo agroindustrial da soja ormação de preço no Panorama mundial Principais produtores Principais exportadores

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 31/03/2016

CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 31/03/2016 SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 31/03/2016 ANO 2 Nº17 A colheita praticamente finalizada em Mato Grosso e o recuo do dólar têm contribuído para o movimento de baixa dos preços, mesmo com a

Leia mais

Fechamento dos Mercados Quinta-feira 13/10/16 granoeste.com.br (45) Atual Ant. Dif.

Fechamento dos Mercados Quinta-feira 13/10/16 granoeste.com.br (45) Atual Ant. Dif. COMPLEXO SOJA CBOT - Soja (U$/Bushel = 27,216) Máx Min NOV 956,25 945,50 10,75 959,50 937,25 JAN 964,75 953,50 11,25 967,50 945,25 MAR 971,00 960,25 10,75 974,00 952,00 MAI 978,00 967,25 10,75 980,50 959,75

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise. 17 de agosto de 2012 Número: 216

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise. 17 de agosto de 2012 Número: 216 Milho - Análise PESO DA TECNOLOGIA: O valor dos insumos no mês de julho para o plantio do milho 2ª safra 2012/13 tomou rumo contrário ao esperado e reduziu. Adquirindo os insumos para o plantio de milho

Leia mais

REGIÕES DE MAIOR CONCENTRAÇÃO NA PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL

REGIÕES DE MAIOR CONCENTRAÇÃO NA PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL RELATÓRIO DA SAFRA DE SOJA E MILHO REGIÕES DE MAIOR CONCENTRAÇÃO NA PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL Relatório do USDA traz levantamento das regiões de produção de soja no Brasil, com a concentração da produção

Leia mais

A Importância do Arco Norte na Competitividade da Exportação Agropecuária

A Importância do Arco Norte na Competitividade da Exportação Agropecuária A Importância do Arco Norte na Competitividade da Exportação Agropecuária Saldo da Balança Comercial - Brasil US$ bilhões Exportação (US$ milhões) Importação (US$ milhões) Saldo 2013 2014 % 2013 2014

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: FEVEREIRO/2012 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Esalq a vista 148,77-0,77 149,54

Esalq a vista 148,77-0,77 149,54 COTAÇÕES AGRÍCOLAS SEMANAL SEMANA: 52 sexta-feira, 23 de dezembro de 216 BOI (contrato 33@) - Em R$/@ Esalq a vista 148,77 -,77 149,54 dez/16 149,59 -,12 149,5 149,99 1 2.59 149,71-39,6 jan/17 149,5 1,1

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DA CONJUNTURA ECONÔMICA Parte 2 11/11/2015

MANUAL PRÁTICO DA CONJUNTURA ECONÔMICA Parte 2 11/11/2015 MANUAL PRÁTICO DA CONJUNTURA ECONÔMICA Parte 2 11/11/2015 Índice 4 Agronegócio 7 Agricultura e seus efeitos regionais 5 6 4.1. O que é Agronegócio? 4.2. Por que analisar o Agronegócio? Conjuntura econômica

Leia mais

Cenários Agrícolas 15/16 e 16/17

Cenários Agrícolas 15/16 e 16/17 Cenários Agrícolas 15/16 e 16/17 Soja Milho Trigo André Pessôa 11 de Novembro de 2015 Soja Soja/Mundo Oferta e Demanda (mmt) GAP 320 Produção Consumo 222 211 260 264 239 252 22 13 259 240 268 283 262 276

Leia mais

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13 NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Comercialização Safra-2011/12 60,00 55,00 50,00 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 S oja Grã o P re ços

Leia mais

Fonte: IMEA

Fonte: IMEA Milhares de toneladas Milho-Análise PREFERÊNCIA SOJA/MILHO: Todo inicio de safra o produtor mato- grossense tem três grandes opções de uso das suas áreas: algodão safra, soja e algodão 2 safra, e o mais

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL MAIO

CONJUNTURA MENSAL MAIO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL MAIO ANO 1 Nº1 O mercado de soja tem observado movimentação de queda em seus preços, decorrente principalmente das evoluções no lado da oferta, tanto em âmbito nacional

Leia mais

FATORES DE SUCESSO E O CASO DO ZÉ TRANQUILO. por Fernando Pimentel

FATORES DE SUCESSO E O CASO DO ZÉ TRANQUILO. por Fernando Pimentel FATORES DE SUCESSO E O CASO DO ZÉ TRANQUILO por Fernando Pimentel IMPORTÂNCIA DO MOMENTO DE COMPRA Preços dos fertilizantes em Rondonópolis US$/ton 800,00 700,00 KCL 0-18-18 600,00 500,00 400,00 300,00

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A cultura da soja apresenta relevante importância para a economia brasileira, sendo responsável por uma significativa parcela na receita cambial do Brasil, destacando-se

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MILHO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MILHO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MILHO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise. 03 de fevereiro de 2012 Número: 188. É mesmo

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise. 03 de fevereiro de 2012 Número: 188. É mesmo 1000 t Milho - Análise BOLETIM SEMANAL É mesmo QUEDA BENÉFICA: Após uma semana de grandes oscilações da cotação internacional do milho, a cultura conseguiu mais uma semana de aumento substancial e começa

Leia mais

Perspectivas para as Safras 14/15 e 15/16

Perspectivas para as Safras 14/15 e 15/16 BrasilAgro Day 2014 Perspectivas para as Safras 14/15 e 15/16 18 de Dezembro de 2014 Soja Soja/EUA Oferta e Demanda (milhões de toneladas) 107,7 80,7 91,5 90,7 84,3 82,8 91,4 Est. Finais 48,1 50,7 48,4

Leia mais

O reflexo do crédito rural e suas implicações no custo de produção

O reflexo do crédito rural e suas implicações no custo de produção O reflexo do crédito rural e suas implicações no custo de produção SISTEMA SINDICAL SISTEMA SINDICAL RURAL PATRONAL BRASILEIRO CNA Federações da Agricultura Estaduais Sindicatos Rurais Produtores Rurais

Leia mais

CONJUNTURA QUINZENAL 01 A 15/02/2016

CONJUNTURA QUINZENAL 01 A 15/02/2016 SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA QUINZENAL 01 A 15/02/2016 ANO 2 Nº14 A colheita avança e começa a derrubar os preços da soja em Mato Grosso. De acordo com dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ O conteúdo deste arquivo foi elaborado pela equipe Cepea no início de março/2008. Neste arquivo: Produtores de Mato Grosso deixam de ganhar até 38% Vendas antecipadas diminuem lucro do produtor Colheita

Leia mais

Associação Brasileira dos Produtores de Soja

Associação Brasileira dos Produtores de Soja Associação Brasileira dos Produtores de Soja 1. PREVISÃO DE SAFRA E DESTINAÇÃO De acordo com o 7 Levantamento de safra 2015/16, publicado em abril pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), a área

Leia mais

É mesmo R$ 17,00 R$ 16,50 R$ 15,50 R$ 15,00 R$ 14,50 R$ 14,00

É mesmo R$ 17,00 R$ 16,50 R$ 15,50 R$ 15,00 R$ 14,50 R$ 14,00 Milhões de toneladas BOLETIM SEMANAL Milho - Análise É mesmo A PACIÊNCIA PODE SER UMA VIRTUDE: Os números do último levantamento de comprometimento do milho matogrossense, realizado pelo Imea, apresentaram

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise. 25 de fevereiro de 2011 Número: 141. É mesmo

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise. 25 de fevereiro de 2011 Número: 141. É mesmo Milho - Análise É mesmo MILHO COMPROMETIDO EM PLENO PLANTIO: O Imea realizou na semana o primeiro levantamento de comercialização de milho da corrente safra e o volume comprometido alcança 28,8% no mês

Leia mais

Associação Brasileira dos Produtores de Soja

Associação Brasileira dos Produtores de Soja Associação Brasileira dos Produtores de Soja De acordo com o 5 Levantamento de safra 2015/16, publicado em fevereiro pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), a área plantada deve crescer 3,6%

Leia mais

ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO

ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO Analista de Mercado Élcio A. Bento elcio@safras.com.br ALGODÃO CIF SÃO PAULO R$/@ Preço Mínimo R$ 44,6/@ ALGODÃO CIF SÃO PAULO R$/2 Jul A FORMAÇÃO DE PREÇOS NO MERCADO

Leia mais

17,00 17,00 17,20 17,80 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5

17,00 17,00 17,20 17,80 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 Milhões de Toneladas Milho-Análise DE OLHO NOS ESTADOS UNIDOS: Na primeira semana de outubro, os principais contratos futuros do milho sofreram queda na Bolsa de Chicago. O contrato para dezembro/13 apresentou

Leia mais

Esalq a vista 150,67-0,02 150,69

Esalq a vista 150,67-0,02 150,69 COTAÇÕES AGRÍCOLAS SEMANAL SEMANA: 43 sexta-feira, 21 de outubro de 216 BOI (contrato 33@) - Em R$/@ Esalq a vista 15,67 -,2 15,69 out/16 15,81 -,76 15,7 151, 263 9.546 151,57-25,8 nov/16 152,2 -,58 151,7

Leia mais

É mesmo 22,58. dez/10. abr/11. jun/11. fev/11. Fonte: Secex

É mesmo 22,58. dez/10. abr/11. jun/11. fev/11. Fonte: Secex ago/08 out/08 dez/08 fev/09 abr/09 jun/09 ago/09 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 Milho - Análise BOLETIM SEMANAL É mesmo SEMENTE SALGADA: O preço da semente

Leia mais

Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável do Tocantins

Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável do Tocantins Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável do Tocantins Novembro 2015 1 Logística 2 Logística 3 Logística 4 Logística 5 Logística 6 Logística 7 Logística 8 Logística 9 Modais Comparativo

Leia mais

Dados estatísticos dos principais produtos do Agronegócio Brasileiro

Dados estatísticos dos principais produtos do Agronegócio Brasileiro Dados estatísticos dos principais produtos do Agronegócio Brasileiro CADERNO DE ESTATÍSTICAS Uma publicação da Representação do IICA/Brasil Elaboração: Daniela Faria e Diego Machado 1. Apresentação 2.

Leia mais

Cenários Agrícolas: Soja e Milho 2013/14 e 2014/15

Cenários Agrícolas: Soja e Milho 2013/14 e 2014/15 Cenários Agrícolas: Soja e Milho 2013/14 e 2014/15 Dezembro 2013 Soja milhões ha Soja / EUA - Área Plantada e Produção Área Plantada (milhões ha) Produção (milhões de toneladas) 29,2 30,6 26,2 30,6 31,3

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

R$ 24,20 R$ 22,20 R$ 21,

R$ 24,20 R$ 22,20 R$ 21, Milho - Análise CHEGANDO AO FIM: Com 80,1% da área de milho 2ª safra colhida torna-se mais evidente que a safra 11/12 será a maior da história, elevando o Brasil como salvador do mercado internacional,

Leia mais

Modelo de Negócios Objetivo

Modelo de Negócios Objetivo JULIO FONTANA Modelo de Negócios Objetivo Heavy haul do agronegócio Dominância dos principais corredores de exportação Expansão do setor agrícola DEMANDA DO AGRONEGÓCIO LOCALIZAÇÃO ESTRATÉGICA Grandes

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise. 27 de abril de 2012 Número: 200

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise. 27 de abril de 2012 Número: 200 Milhões t Milho - Análise GRANDE OFERTA: Os preços do milho continuam em queda constante, desde quando os principais países produtores do mundo (exceto Argentina) anunciaram aumentar a produção e, em contrapartida,

Leia mais

2 de dezembro de 2016 / nº 432

2 de dezembro de 2016 / nº 432 Painel de Decisão Semanais Unidade 2015 A nt. a A tual b (b/ a) 1 - Indicador Imea - M T R$/sc 18,12 26,14 25,34-3,06% 2 - CBOT (mar/ 17) US$/bu 3,69 3,59 3,49-2,64% 3 - CBOT (jul/ 17) US$/bu 3,86 3,76

Leia mais

Clusters de etanol de milho em Mato Grosso

Clusters de etanol de milho em Mato Grosso Realização Parceria Técnica Clusters de etanol de milho em Mato Grosso Daniel Latorraca Ferreira daniel@imea.com.br Agenda Análise de mercado Escopo do trabalho Metodologia de composição dos clusters Resultados

Leia mais

CONSIDERAÇÕES FINAIS

CONSIDERAÇÕES FINAIS RESUMO Resumo de tudo o que é relevante para o mercado de soja Click para mais info Dados de projeções da USDA para o mundo Click para mais info BRASIL Dados de projeções da CONAB para o Brasil Click para

Leia mais

COMPLEXO SOJA. Fechamento dos Mercados Segunda-feira 03/08/15

COMPLEXO SOJA. Fechamento dos Mercados Segunda-feira 03/08/15 COMPLEXO SOJA CBOT - Soja (U$/Bushel = 27,216) Máx Min AGO 977,50 980,75-3,25 983,75 971,50 SET 945,00 953,25-8,25 953,50 939,50 NOV 935,50 940,25-4,75 942,25 926,25 JAN 941,00 945,75-4,75 947,75 931,75

Leia mais

mostra a Tabela 1. O estado do Rio Grande do Sul não acompanhou o cenário de queda

mostra a Tabela 1. O estado do Rio Grande do Sul não acompanhou o cenário de queda Soja Os preços médios da soja apresentaram pequena queda em fevereiro, como mostra a Tabela 1. O estado do Rio Grande do Sul não acompanhou o cenário de queda e apresentou variação positiva para fevereiro,

Leia mais

CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 30/11/2015

CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 30/11/2015 SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA QUINZENAL 16 A 30/11/2015 ANO 1 Nº9 O ritmo intenso de plantio da soja em Mato Grosso ao longo de todo o mês de novembro contribuiu para que a marca de 95,6% fosse atingida

Leia mais

PANORAMAS DE MERCADO DE GRÃOS: MILHO E SOJA FLAVIO ANTUNES CONSULTOR EM GERENCIAMENTO DE RISCOS. Bebedouro, 21 de junho de 2017

PANORAMAS DE MERCADO DE GRÃOS: MILHO E SOJA FLAVIO ANTUNES CONSULTOR EM GERENCIAMENTO DE RISCOS. Bebedouro, 21 de junho de 2017 PANORAMAS DE MERCADO DE GRÃOS: MILHO E SOJA FLAVIO ANTUNES CONSULTOR EM GERENCIAMENTO DE RISCOS Bebedouro, 21 de junho de 2017 Disclaimer A INTL FCStone não é responsável por qualquer redistribuição deste

Leia mais

Agronegócio em Mato Grosso. Abril 2013

Agronegócio em Mato Grosso. Abril 2013 Agronegócio em Mato Grosso Abril 2013 Brasil Visão Geral Brasil - Visão Geral Area 8,5 milhões km 2 (5º maior) População (2011) 195 milhões (6 º maior) PIB (2011) US$ 2,47 Trilhões (6 ª maior) Produção

Leia mais

CENÁRIO DO TRIGO PARA O BRASIL

CENÁRIO DO TRIGO PARA O BRASIL CENÁRIO DO TRIGO PARA O BRASIL EDSON CSIPAI BUNGE ALIMENTOS S.A. 25-10-2010 A importância do TRIGO no CUSTO dos negócios... Moinho de Trigo 80% Indústria de Macarrão 85% A formação do preço do trigo...

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

1- CENÁRIOS DO MERCADO E PREÇOS PARA SOJA, MILHO E TRIGO SAFRA 2014/15.

1- CENÁRIOS DO MERCADO E PREÇOS PARA SOJA, MILHO E TRIGO SAFRA 2014/15. 1- CENÁRIOS DO MERCADO E PREÇOS PARA SOJA, MILHO E TRIGO SAFRA 2014/15. 1.1 - SOJA No caso da soja a produção mundial nas últimas 2 safras aumentou em 17% e a produção prevista para 2014/15 pelo Departamento

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise

BOLETIM SEMANAL. Milho - Análise 3-jan-12 4-jan-12 5-jan-12 6-jan-12 7-jan-12 8-jan-12 9-jan-12 10-jan-12 11-jan-12 12-jan-12 13-jan-12 14-jan-12 15-jan-12 16-jan-12 17-jan-12 18-jan-12 19-jan-12 É mesmo CADÊ A SEMENTE?: O principal insumo

Leia mais

UMe Sobre a Um Investimentos

UMe Sobre a Um Investimentos UMe Sobre a Um Investimentos A UM INVESTIMENTOS é uma instituição financeira independente e atua no mercado financeiro há 44 anos. Atualmente é a maior corretora de investimentos brasileira nas redes sociais,

Leia mais

Os preços médios da soja pago aos produtores familiares pelas cooperativas

Os preços médios da soja pago aos produtores familiares pelas cooperativas Soja Os preços médios da soja pago aos produtores familiares pelas cooperativas apresentaram queda no primeiro mês de 2014, como mostra a Tabela 1. O estado de Minas Gerais foi o único que apresentou variação

Leia mais

90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0%

90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Milho-Análise MINIMIZANDO OS GARGALOS: O atual problema que gira em torno do mercado do milho em 2013 está ligado ao excesso da superoferta da temporada 2012/13 que, aliada aos gargalos logísticos de escoamento

Leia mais

SOJA Período: 11 a 15/05/ meses mês semana. Períodos anteriores. Paridade Exportação Centro de Referência Unid Efetivo (1)

SOJA Período: 11 a 15/05/ meses mês semana. Períodos anteriores. Paridade Exportação Centro de Referência Unid Efetivo (1) SOJA Período: 11 a 15/05/2015 Centro de Produção Quadro I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$) Unid Períodos anteriores 12 1 1 meses mês semana Média mercado Semana atual Composto atacado Preço Mínimo SORRISO-MT

Leia mais

BOLETIM SEMANAL 77,5 72,5

BOLETIM SEMANAL 77,5 72,5 Soja - Análise BOLETIM SEMANAL FUTURA DIFERENÇA: Os preços no mercado futuro da soja estão menores comparados ao preço disponível, no entanto, continuam atrativos a contar que 58,6% da produção da safra

Leia mais

Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária

Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária Paulo Sérgio Passos Ministro de Estado dos Transportes Brasília, 16.07.2014 Brasil e China: Economias Complementares China

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O mês de março de 2015 foi marcado pelo anúncio dos principais resultados da economia de 2014 e deste início de 2015. Dentre eles destacaramse o PIB, taxa de desemprego nas principais

Leia mais

DESAFIOS DO PRODUTOR:

DESAFIOS DO PRODUTOR: Milho-Análise DESAFIOS DO PRODUTOR: Durante o período de plantio, colheita e comercialização de uma cultura, a tarefa de garantir boa produção e bom preço são de grande relevância para o produtor. Sendo

Leia mais

4 de novembro de 2016 / nº 427

4 de novembro de 2016 / nº 427 Milhões de toneladas 4 de novembro de 2016 / nº 427 Painel de Decisão Semanais Unidade 2015 A nt. a A tual b (b/ a) 1 - Indicador Imea - M T R$/sc 18,21 27,33 27,51 0,63% 2 - CBOT (dez/ 16) US$/bu 3,77

Leia mais

O preço médio da soja pago aos produtores familiares pelas cooperativas

O preço médio da soja pago aos produtores familiares pelas cooperativas Soja O preço médio da soja pago aos produtores familiares pelas cooperativas apresentaram sinas de recuperação do mercado no mês de junho, como mostra a Tabela 1. O estado do Paraná foi o que apresentou

Leia mais

Perspectivas para os mercados de soja e milho.

Perspectivas para os mercados de soja e milho. Perspectivas para os mercados de soja e milho www.intlfcstone.com Aviso Legal A negociação de derivativos, tais como futuros, opções e swaps pode não ser adequada para todos os investidores. A negociação

Leia mais

TRIGO Período de 27 a 30/07/2015

TRIGO Período de 27 a 30/07/2015 TRIGO Período de 27 a 30/07/205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço PR 60 kg 34,43 34,35 34,45 34,42 Semana Atual Preço

Leia mais

1º de agosto de 2014/ nº 314

1º de agosto de 2014/ nº 314 3-jan 17-jan 31-jan 14-fev 28-fev 14-mar 28-mar 11-abr 25-abr 9-mai 23-mai 6-jun 20-jun 4-jul 18-jul 1-ago 15-ago 29-ago 12-set 26-set 10-out 24-out 7-nov 21-nov 5-dez 19-dez Cents de US$/Bushel 1º de

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Dezembro de 2013 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas

Leia mais

Cenários de Soja e Milho para 2013. Novembro 2012

Cenários de Soja e Milho para 2013. Novembro 2012 Cenários de Soja e Milho para 2013 Novembro 2012 Milho milhões t. Milho / EUA - Produção Expectativa inicial (Pré-Plantio) 376 282 268 331 307 333 316 314 (104) 272 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11

Leia mais

8 de agosto de 2014/ nº 315

8 de agosto de 2014/ nº 315 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 mai/14 jun/14 jul/14 Milhões de toneladas 8 de agosto de 2014/ nº 315 Vendas atualizadas: Na última semana os dados de comercialização da soja em Mato Grosso tiveram seus números

Leia mais

FLÁVIO ROBERTO DE FRANÇA JUNIOR

FLÁVIO ROBERTO DE FRANÇA JUNIOR FLÁVIO ROBERTO DE FRANÇA JUNIOR ECONOMISTA PELA UNIVERSIDDE FEDERAL DO PARANÁ ESPECIALIZAÇÃO EM MERCADOS FUTUROS PELA UFPR ATUA HÁ 22 ANOS EM ANÁLISE AGROECONÔMICA ANALISTA SENIOR E ESPECIALISTA EM SOJA

Leia mais

3 de março de 2017/ nº 443

3 de março de 2017/ nº 443 Relação de Troca em sacas/hectare 3 de março de 2017/ nº 443 De olho no campo: A colheita da safra 16/17 atingiu na primeira semana de março 78,35% das áreas já colhidas em Mato Grosso. Com esse percentual

Leia mais

Apresentação dos Resultados 2T16

Apresentação dos Resultados 2T16 Apresentação dos Resultados 2T16 O Mercado Preço das Commodities e Dólar 2 140 Queda de 9,8% do dólar no 2T16 Alta de 29,0% no preço da soja no 2T16 Alta de 7,5% no preço do algodão no 2T16 Alta de 2,1%

Leia mais

22 de dezembro de 2016 / nº 435

22 de dezembro de 2016 / nº 435 Painel da Decisão Indicadores Unidade 2015 (b) 2016 (a) anual (a/ b) 1 - Indicador Imea - M T R$/sc 16,12 27,95 73,36% 2 - CBOT Físico US$/bu 3,78 3,60-4,83% 3 - CBOT Futuro (jul) US$/bu 4,01 3,78-5,77%

Leia mais

esta semana, porém as chuvas ininterruptas dificultaram os trabalhos. O descompasso de colheita já chega a 16 pontos

esta semana, porém as chuvas ininterruptas dificultaram os trabalhos. O descompasso de colheita já chega a 16 pontos Soja - Análise CHOVE CHUVA: Meados de fevereiro é um período importante para a colheita de soja, pois espera-se que todos os municípios estejam colhendo de maneira intensa, momento este conhecido por boca

Leia mais

O TRIGO NO BRASIL E NO MUNDO CADEIA DE PRODUÇÃO, TRANSFORMAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO

O TRIGO NO BRASIL E NO MUNDO CADEIA DE PRODUÇÃO, TRANSFORMAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO O TRIGO NO BRASIL E NO MUNDO CADEIA DE PRODUÇÃO, TRANSFORMAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO Prof José Roberto Canziani DERE/UFPR Profª Vania Di Addario Guimarães DERE/UFPR Agosto - 2009 SEQUÊNCIA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Febraban Algar Agro Wanderley Ferreira Outubro 2016

Febraban Algar Agro Wanderley Ferreira Outubro 2016 Febraban Algar Agro Wanderley Ferreira Outubro 2016 Vídeo Institucional - (3min) Grupo empresarial empreendedor de controle familiar e gestão profissional. Nossa presença Todo Brasil, Argentina, Chile

Leia mais

Volatilidade cambial e commodities. Cenários para 2016

Volatilidade cambial e commodities. Cenários para 2016 Volatilidade cambial e commodities Cenários para 2016 jan-13 mar-13 mai-13 jul-13 set-13 nov-13 jan-14 mar-14 mai-14 jul-14 set-14 nov-14 jan-15 mar-15 mai-15 jul-15 set-15 nov-15 jan-16 mar-16 Trajetória

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DO MERCADO DA BOVINOCULTURA DE CORTE 07/10/2015

MANUAL PRÁTICO DO MERCADO DA BOVINOCULTURA DE CORTE 07/10/2015 MANUAL PRÁTICO DO MERCADO DA BOVINOCULTURA DE CORTE 07/10/2015 Índice 1 2 3 4 5 6 7 Complexo agroindustrial da carne 1.1 Diagrama da cadeia Bovinocultura de corte 2.1 Sistemas de produção 2.2 Categorias

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 19

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 19 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 19 CAPÍTULO I VISÃO GERAL & FUNDAMENTOS BÁSICOS... 23 A origem da agricultura...24 A disseminação das lavouras comerciais...25 A importância da agricultura...26 As crises de alimentos...26

Leia mais

16 de setembro de 2016/ nº 421

16 de setembro de 2016/ nº 421 Milhões de toneladas 43,6 43,6 43,6 59,7 55,8 52,3 59,7 56,2 53,1 58,4 56,5 54,0 103,0 105,6 103,0 110,5 101,0 114,3 16 de setembro de 2016/ nº 421 Novos dados: Nesta semana o Imea divulgou novos números

Leia mais

30 de setembro de 2016/ nº 423

30 de setembro de 2016/ nº 423 Não sustentável: Na última sexta-feira, o USDA divulgou seu relatório trimestral de estoque final dos EUA, de 5,32 milhões de toneladas, ficando abaixo do esperado pelo mercado, que aguardava, para a safra

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DE SAFRA SOJA /2015

ACOMPANHAMENTO DE SAFRA SOJA /2015 ACOMPANHAMENTO DE SAFRA SOJA - 2014/2015 Entre os dias 23 e 26 de março foram visitadas propriedades distribuídas entre dezoito (18) municípios para o acompanhamento da safra de soja 2014/15 e acompanhamento

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Soja - Análise. 01 de novembro de 2012 Número: 227

BOLETIM SEMANAL. Soja - Análise. 01 de novembro de 2012 Número: 227 5/10 7/10 9/10 11/10 13/10 15/10 17/10 19/10 21/10 23/10 25/10 27/10 29/10 31/10 Soja - Análise BOLETIM SEMANAL SUSPENSE DAS CHUVAS: A ausência de precipitação por mais de uma semana fez com que alguns

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Soja - Análise. 26 de abril de 2013 Número: 250

BOLETIM SEMANAL. Soja - Análise. 26 de abril de 2013 Número: 250 Soja - Análise BOLETIM SEMANAL CUSTANDO CARO: Outro fator impulsiona a expectativa do produtor quanto à alta nos preços da soja para esta safra, o custo de produção, que foi pressionado principalmente

Leia mais

R$ 41,60 R$ 40,90. Fonte: Imea

R$ 41,60 R$ 40,90. Fonte: Imea Soja - Análise BOLETIM SEMANAL PROCESSAMENTO DE SOJA: A indústria brasileira perde competitividade para outros países devido à alta carga tributária no óleo e farelo de soja, também por questões de logística,

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

BOLETIM SEMANAL R$60,75 R$59,17 R$58,00

BOLETIM SEMANAL R$60,75 R$59,17 R$58,00 28/4 30/4 2/5 4/5 6/5 8/5 10/5 12/5 14/5 16/5 18/5 20/5 22/5 Contratos Negociados (x 1000) BOLETIM SEMANAL Soja Análise GASTOS ELEVADOS: Na última semana o Imea divulgou a estimativa para o custo de produção

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL JUNHO

CONJUNTURA MENSAL JUNHO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL JUNHO ANO 1 Nº2 O preço mundial da commodity apresenta movimento de alta em nível mundial, impulsionado principalmente pelas condições climáticas adversas nos Estados

Leia mais

3 de outubro / nº 323

3 de outubro / nº 323 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14 ago/14 set/14 Dólar por bushel 3 de outubro / nº 323 Uma queda que ajuda: Parecia que em 2014 os fretes seriam mais um

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Soja - Análise

BOLETIM SEMANAL. Soja - Análise 29/7 31/7 2/8 4/8 6/8 8/8 10/8 12/8 14/8 16/8 18/8 20/8 22/8 Contratos Negociados (x 1000) Cents US$/bu Soja Análise BOLETIM SEMANAL RELAÇÃO DE ESMAGAMENTO: O esmagamento efetivo de soja em Mato Grosso

Leia mais

Trigo: Evolução dos preços recebidos pelos agricultores no PR e RS (jan/03 a abr/08) jan/07 mai/07. jan/06 set/06. set/05

Trigo: Evolução dos preços recebidos pelos agricultores no PR e RS (jan/03 a abr/08) jan/07 mai/07. jan/06 set/06. set/05 Trigo: Porque os preços estão subindo? Os agricultores brasileiros que ainda possuem trigo para vender estão recebendo atualmente um preço em reais, bem superior aos verificados nesta mesma época em anos

Leia mais

20 de janeiro de 2017/ nº 437

20 de janeiro de 2017/ nº 437 2-nov-16 9-nov-16 16-nov-16 23-nov-16 30-nov-16 7-dez-16 14-dez-16 21-dez-16 28-dez-16 4-jan-17 11-jan-17 18-jan-17 Preço - MT R$/sc 20 de janeiro de 2017/ nº 437 Vilão ou mocinho? Com o início da colheita

Leia mais

14 de outubro de 2016/ nº 425

14 de outubro de 2016/ nº 425 out/16 mai/16 jun/16 jul/16 ago/16 set/16 out/16 523,2 447,8 534,5 466,3 532,0 465,7 534,1 467,0 540,0 468,8 539,1 466,9 544,9 467,5 Oferta e demanda 14 de outubro de 2016/ nº 425 A todo vapor: A semeadura

Leia mais

PANORAMA Y PERSPETIVAS DEL MERCADO MUNDIAL PARA EL ARROZ DEL MERCOSUR

PANORAMA Y PERSPETIVAS DEL MERCADO MUNDIAL PARA EL ARROZ DEL MERCOSUR PANORAMA Y PERSPETIVAS DEL MERCADO MUNDIAL PARA EL ARROZ DEL MERCOSUR Tiago Sarmento Barata Mestre em Agronegócios Analista de mercado de arroz Relação comercial entre os países do mercosul... Dez anos

Leia mais