Gestão de projetos de desenvolvimento de bens de capital em uma empresa com tipologia produtiva engineering-to-order

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão de projetos de desenvolvimento de bens de capital em uma empresa com tipologia produtiva engineering-to-order"

Transcrição

1 P&D em Engenharia de Produção, Itajubá, v. 9, n. 1, p , 2011 Gestão de projetos de desenvolvimento de bens de capital em uma empresa com tipologia produtiva engineering-to-order Project management of capital goods development in an engineering-to-order productive company Antônio Carlos Pacagnella Júnior 1 Sérgio Luis da Silva 1 Alexandre Pereira Salgado Júnior 2 Carlos Alberto Grespam Bonacim 2 Daniel Jugend 1 RESUMO: O presente artigo trata da gestão de projetos de desenvolvimento de produtos em uma empresa do setor de bens de capital que possui a tipologia produtiva conhecida como Engineeringto-Order (ETO). Para tanto, foi conduzido um estudo de caso de natureza descritiva em uma empresa produtora de equipamentos para co-geração de energia e de sistemas do tipo turn-key. O estudo mostra que os projetos conduzidos na empresa apresentam três macro-fases: prédesenvolvimento, onde acontece o contato e o levantamento das necessidades dos clientes, desenvolvimento, onde acontecem as etapas de engenharia (básica e detalhamento), fabricação dos componentes e montagem, além do pós-desenvolvimento, onde ocorrem as atividades de comissionamento e de pós-vendas. Além disso, o estudo revelou que embora a empresa possua vasta experiência no setor, existem diversas lacunas gerenciais que culminam em problemas como conflitos e dificuldade de comunicação entre os membros da equipe de projetos, dificuldades para alocar recursos e para responder a mudanças e burocracia excessiva na tomada de decisões. Palavras-chave: Gestão de projetos; Desenvolvimento de Produtos; Engineering-to-order. ABSTRACT: The present paper deals with management of product development projects in a enterprise of capital goods sector which Engineering-to-Order (ETO) production. In this research was used the study case method of descriptive nature in a firm with produces equipments to energy cogeneration and turn-key systems. The results show that the projects executed can be divided in three macro-phases: pre-development, were the first contact with the customer occurs and his needs are specified, development, which involves the engineering dimensioning (basic and detailed), components manufacturing and assembly, and the after-development, were commissioning and after sales occurs. The study also reveals that, even with a large experience in this sector, the enterprise have several managerial gaps who generates problems, such as conflicts in project team, difficulties to allocate resources and to manage changes and excessive bureaucracy in the decision making. Keywords: Project management; Product development; Engineering-to-order. 1. INTRODUÇÃO De acordo com Vermulm e Erber (2002), é possível definir o setor de bens de capital como aquele que fabrica máquinas e equipamentos que serão utilizados pelos demais setores para produzir bens e serviços. Assim, dentro de uma mesma categoria de uso genérica chamada de bens de capital estão reunidos elementos muito distintos como máquinas e equipamentos associados à indústria mecânica ou ainda ônibus e caminhões, aviões e locomotivas associados ao setor de equipamentos de transporte. 1 Universidade Federal de São Carlos 2 Universidade de São Paulo

2 36 Pacagnella Júnior et al. P&D em Engenharia de Produção, Itajubá, v. 9, n. 1, p , 2011 Por isso, o setor de bens de capital possui importância ímpar dentro das cadeias produtivas que participa, pois atua como gerador e difusor de novas tecnologias, influenciando a produtividade, qualidade e consequentemente a competitividade das empresas que são usuárias de seus produtos. Em termos econômicos, de acordo com Nassif (2007), há pouca controvérsia sobre a importância do setor de bens de capital como um dos propulsores de um país em termos micro e macroeconômicos, porém para melhor fundamentá-la é preciso apresentar alguns de seus números: a) O setor contribui com 16,3% do produto interno bruto do País (a contribuição da indústria como um todo é de cerca de 51%); b) No período de novembro de 2006 a novembro de 2007 foi o setor industrial com maior crescimento, com taxa de 18,4%; c) As exportações do setor evoluíram mais de 93% no período de d) Em 2007 as exportações do setor superaram 20 bilhões de dólares, representando 14,2% do total exportado pelo país; Entre as empresas do setor, estão aquelas que produzem itens totalmente customizados, usualmente de grande porte e tipicamente industriais, operando com uma tipologia de produção conhecida como engineering-to-order (ETO) ou engenharia sob encomenda. Esta tipologia, além da customização, apresenta como características, de acordo com Rahim e Baksh (2003), o volume de produção em lotes pequenos ou em lote unitário, grande interação fornecedorcliente, a inexistência de produção piloto e de protótipos, utilização de recursos de produção extremamente flexíveis e a execução do desenvolvimento de produtos de forma exclusiva para cada cliente. Especificamente no que tange ao desenvolvimento de produtos nestas empresas, de acordo com Hameri (1997), um aspecto relevante é o fato de ser conduzido geralmente na forma de um projeto, que de acordo com o Project Management Institute (2004), pode ser definido como um esforço temporário empreendido para gerar um produto, um serviço ou um resultado exclusivo. Embora cada projeto seja único, usualmente são conduzidos ao mesmo tempo diversos projetos de desenvolvimento de produtos nestas empresas, configurando um ambiente multi-projeto ou de projetos múltiplos, que de acordo com Danilovic e Börjesson (2001), tem como característica a existência de diversos projetos simultâneos, relacionados ou não, que se encontram em diferentes estágios, para clientes diferentes e com especificações diferentes. Além disso, Drejer e Gudmundsson (2003) afirmam que em ambientes multiprojetos as decisões são multiplicadas devido às diversas necessidades e requisitos que diferentes consumidores impõem aos produtos que são desenvolvidos simultaneamente, elevando-se, portanto, a dificuldade de seu gerenciamento. Este tipo de estudo faz-se necessário, de acordo com Rahim e Baksh (2003), devido à carência de estudos empíricos que esclareçam os aspectos peculiares da forma como acontece o gerenciamento de projetos em empresas de bens de capital com tipologia ETO, ajudando, portanto a avançar a compreensão acadêmica sobre este assunto. Tendo em vista os aspectos supracitados no que tange à relevância do setor de bens de capital e do complexo ambiente de projetos múltiplos nos quais as empresas com tipologia ETO estão envolvidas, este trabalho tem por objetivo principal descrever e analisar o gerenciamento de projetos de desenvolvimento de produtos em uma empresa com estas características particulares. Para atingir este objetivo principal é preciso descrever as etapas de um projeto deste tipo, as técnicas e ferramentas utilizadas e analisar os pontos fortes e fracos de seu gerenciamento. Desta forma, o presente artigo está assim estruturado: após a introdução é apresentado o referencial teórico que trata essencialmente da gestão de desenvolvimento de produtos e sua relação com gerenciamento de projetos nestas empresas, depois são apresentados os aspectos metodológicos do trabalho, os resultados do estudo de caso e por fim as considerações finais.

3 Gestão de projetos de desenvolvimento de bens de capital em uma empresa DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS E GERENCIAMENTO DE PROJETOS Considerando-se a literatura disponível sobre gerenciamento de projetos e sobre gestão de desenvolvimento de produtos, é possível perceber que existem dois corpos de conhecimento que possuem grande similaridade e forte interação. Contudo, deve-se destacar inicialmente que o desenvolvimento de produtos pode acontecer tanto na forma de um projeto, como na forma de um processo contínuo, dependendo do tipo de empresa analisada e o ambiente em que esta está inserida. Dentro deste contexto, Rozenfeld et al. (2006) diferenciam o desenvolvimento de produtos na forma de um processo, onde existe um conjunto de atividades contínuas e repetitivas e onde existem vários objetivos que são periodicamente atualizados, do desenvolvimento de produtos na forma de um projeto, onde as atividades são temporárias e os objetivos a serem atingidos ao final de sua realização são únicos e específicos. Como o desenvolvimento de produtos nas empresas com tipologia ETO é geralmente conduzido na forma de um projeto, faz-se necessário, para dar suporte teórico a esta pesquisa, uma análise sobre os principais conceitos da gestão de desenvolvimento de produtos e também dos conceitos referentes ao gerenciamento de projetos. Desta forma, no que se refere ao desenvolvimento de produtos, trata-se, de acordo com Mundim et al. (2002), de um dos elementos mais complexos e importantes de uma empresa, relacionando-se com praticamente todas as demais funções, sendo necessárias informações e habilidades de membros de todas as áreas funcionais, caracterizando-se como uma atividade, multidisciplinar. Além disso, trata-se de uma atividade com uma característica ad-hoc, em que cada projeto de desenvolvimento pode apresentar características específicas. Trata-se, de acordo com Boyle, Kumar e Kumar (2006) de um elemento fundamental para definir o nível de competitividade empresarial sendo, porém, de gestão complexa, arriscada e que muitas vezes requer alto investimento. Segundo Mendes (2008), a visão tradicional sobre o desenvolvimento de produtos era a de um conjunto de atividades técnicas, cuja responsabilidade era atribuída à engenharia, que recebia informações sobre a estratégia empresarial da área de marketing e da alta administração, ficando encarregada de preparar as especificações de produto e do processo produtivo. Entretanto, segundo o autor, esta visão tem sido substituída por uma visão mais abrangente, como ilustrada na Figura 1. Figura 1 - Visão tradicional e novo escopo do desenvolvimento de produtos Fonte: Rozenfeld et al. (2006) A visão mais atual sobre o desenvolvimento de produtos amplia seu escopo, aumentando suas fronteiras, que antes eram restritas à engenharia. Assim o novo escopo do desenvolvimento de produtos integra pessoas de diversas áreas em um vasto contexto que vai desde a elaboração do planejamento estratégico até as etapas de produção do produto desenvolvido.

4 38 Pacagnella Júnior et al. P&D em Engenharia de Produção, Itajubá, v. 9, n. 1, p , 2011 De acordo com Rozenfeld et al. (2006), pode-se dividir o desenvolvimento de produtos em três macrofases: o pré-desenvolvimento (o planejamento estratégico e a gestão de portfólio de produtos), o desenvolvimento (projeto informacional, projeto conceitual, projeto detalhado, preparação para produção e lançamento) e o pós-desenvolvimento (acompanhamento do produto no mercado e sua descontinuação). Entretanto, deve-se esclarecer que em cada empresa estas etapas acontecem de forma distinta, além de geralmente não serem conduzidas na prática de forma seqüencial data a natureza interativa de projetarconstruir-testar que o desenvolvimento de produtos possui. Especificamente para empresas produtoras de bens de capital com tipologia ETO, Hicks, Earl e Mcgovern (2000), propuseram um modelo (uma representação teórica da realidade), que ilustra as características do desenvolvimento de produtos realizado em empresas deste tipo. O modelo é apresentado na figura 2. O modelo de Hicks, Earl e Mcgovern (2000), diretamente voltado para empresas com tipologia ETO, ilustra como acontece o desenvolvimento típico de subsistemas para utilização em outros bens de capital ou bens de capital acabados, prontos para funcionar, característica denominada por pronto para girar a chave, como um automóvel, ou turn key. Neste modelo é representada a integração entre três tipos de processos: Não-físicos: são as primeiras etapas, onde ocorre a identificação de mercados, elaboração de propostas técnicas, negociação com o cliente, elaboração do projeto de engenharia, gestão do projeto e aquisição de insumos, havendo forte interação com o cliente; Físicos: são as etapas onde ocorre a transformação física dos insumos no produto, havendo manufatura, montagem, construção (usualmente na planta do cliente), comissionamento (fase onde ocorre o acompanhamento do início da operação do produto) e o pós-venda com serviços e reformas; Apoio: são os processos que dão suporte ao desenvolvimento de produtos como recursos humanos, finanças e qualidade. Desenvolver produtos, segundo Pugh (1996), consiste em um conjunto de atividades por meio das quais, busca-se, a partir das necessidades do mercado, possibilidades e restrições tecnológicas, do ambiente na qual a empresa se insere e considerando as estratégias competitivas de uma empresa, chegar às especificações de um produto e de seu processo de produção. Porém, de acordo com Kahn, Barczak e Moss (2006), para que o desenvolvimento de produtos de uma empresa seja bem sucedido ela deve empregar boas práticas de gestão, sendo neste contexto que se insere o gerenciamento de projetos. O gerenciamento de projetos, de acordo com o PMI (2004), consiste na aplicação de habilidades, conhecimentos, ferramentas e técnicas de gestão aos projetos, balanceando demandas conflitantes de escopo, tempo, custo (restrição tripla de um projeto) e qualidade. É realizado por meio de conjuntos de processos, que consistem de ações e atividades inter-relacionadas, realizadas para obter um conjunto préespecificado de produtos, resultados ou serviços. Os grupos de processos segundo o PMI (2004) são: iniciação: autoriza e define o início do projeto; planejamento: define os objetivos e os refina, estabelecendo ações necessárias para atingi-los, bem como para o seu escopo de trabalho; execução: realiza ações do plano de gerenciamento do projeto, integrando pessoas e recursos; monitoramento e controle: monitora regularmente o projeto para que identificar eventuais desvios em relação ao plano, de forma a possibilitar a tomada de ações corretivas quando necessário, sempre buscando alcançar os objetivos do projeto. encerramento: formaliza a aceitação final do bem, serviço ou resultado e registra lições aprendidas, finalizando o projeto.

5 Gestão de projetos de desenvolvimento de bens de capital em uma empresa Cliente 1 - Vendas e Marketing Identificação de mercados Obtenção de convites para propostas Negociação com clientes 2 - Proposta Dedução de requisitos Elaboração do projeto conceitual Estimativa de custos e lead times Elaboração da proposta Contato com funções internas e fornecedores 3 - Engenharia Projeto conceitual Desenvolvimento genérico/ específico Detalhamento do projeto Fornecedor 9 - Manufatura Fabricação de componentes 10 - Montagem Montagem de componentes (na fábrica) 11 - Construção Construção do produto na planta do cliente 4 - Gestão do projeto Comunicação Planejamento de atividades Intermediação com clientes e fornecedores Controle de progresso Controle de orçamento 5 - Aquisição Especificação Seleção do fornecedor Negociação do contrato Convocação do pedido Processos não-físicos Ligação com outros processos Processos físicos 12 - Comissionamento Comissionamento do produto 13 Peças e serviços Serviços Reformas Processos de apoio 6 - Qualidade Controle de qualidade Garantia da qualidade 7 - Finanças e contabilidade Contabilidade financeira Contabilidade gerencial 8 - Recursos humanos Recrutamento e seleção Treinamento Conhecimento e habilidades Avaliação de desempenho Folha de pagamento Negociação Figura 2 - Modelo de Gerenciamento de Projetos ETO Fonte: Hicks, Earl e Mcgovern (2000)

6 40 Pacagnella Júnior et al. P&D em Engenharia de Produção, Itajubá, v. 9, n. 1, p , 2011 De forma similar, Lewis (2007) descreve o ciclo de vida de um projeto de acordo com cinco fases (apresentados na figura 3), destacando a necessidade de um forte esforço de planejamento em seu início para a sua boa condução. Conceito Definição Planejamento Execução Encerramento Entradas do projeto. Definição do problema e missão do projeto. Estratégia de execução e gerenciamento de risco. Executar o trabalho, monitorar o progresso e implantar ações corretivas. Elaborar relatórios finais e registrar lições aprendidas ESFORÇO DEPREENDIDO EM PLANEJAMENTO Figura 3 - Ciclo de vida do projeto e esforço em planejamento Fonte: Lewis (2007) De fato, a criação de um plano de gerenciamento no início do projeto reduz incertezas e formaliza procedimentos de ação e medidas corretivas que podem ser implementadas prontamente caso haja a necessidade. Dentro deste contexto, o PMI (2004) afirma que o plano de gerenciamento de projetos é o documento mais importante de um projeto e deve ser construído considerando nove áreas de conhecimento, que segundo Rabechini Jr., Carvalho e Laurindo (2002), estão ligadas diretamente aos diversos elementoschave de um projeto, quais sejam: integração, escopo, prazos, custos, recursos humanos, comunicações, riscos e aquisições. Outros elementos importantes para um gerenciamento de projetos bem sucedido são citados por Frame (1999): procedimentos claros e bem formulados, acesso à informação, recursos humanos e materiais suficiente quantidade e qualidade; oportunidades para treinamento; visão clara dos objetivos da empresa, cultura para melhoria contínua; e institucionalização do gerenciamento de projetos. Outro aspecto relevante, de acordo com Newell (2005), é a forma como o desenho organizacional da empresa pode contribuir para seu desempenho no que tange ao gerenciamento de projetos, devendo-se escolher a estrutura adequada dependendo da importância e a complexidade os projetos conduzidos. As estruturas mais comuns são: Funcional: estrutura oriunda da administração científica, onde as pessoas trabalham em atividades cotidianas e especializadas e o gerente de projetos é subordinado aos gerentes funcionais. Projetizada: estrutura e equipe totalmente dedicadas a projetos em detrimento às atividades contínuas e com o gerente de projeto possuindo total autonomia na tomada de decisões. Matricial: é uma mescla da estrutura funcional e da estrutura projetizada, podendo assumir três níveis (fraca, balanceada e forte em ordem crescente de autonomia e poder do gerente de projetos) e onde as pessoas dividem seu tempo entre o projeto e as atividades cotidianas. Por fim é preciso citar a alocação de recursos (tempo, recursos humanos e financeiros) para as tarefas do projeto, que se trata, de acordo com Dinsmore e Cabanis-Brewin (2006), de um aspecto crítico, e que deve ser feita pelo gerente de projetos de forma adequada para cada tarefa, balanceando as demandas, sem que hajam sobras ou faltas e sem comprometer a qualidade das entregas do projeto. Apresentados os aspectos mais pertinentes ao tema pesquisado neste trabalho, o próximo tópico irá expor o método de pesquisa adotado, e posteriormente os resultados serão apresentados e discutidos.

7 Gestão de projetos de desenvolvimento de bens de capital em uma empresa MÉTODO DE PESQUISA Esta seção tem a finalidade de apresentar os meios pelos quais se busca atingir os objetivos da pesquisa, devendo-se ressaltar que a metodologia não pode ser mais importante do que o próprio problema de pesquisa estudado. Assim, como forma de esclarecer a proposta metodológica do presente trabalho, é preciso classificar esta pesquisa quanto ao gênero, o que de acordo com Gil (2002), é muito útil para o estabelecimento de um marco teórico, possibilitando uma aproximação conceitual com o objeto de estudo. Desta forma, de acordo com a classificação proposta por Demo (1995), a pesquisa possui caráter de pesquisa empírica, pois segundo o autor este tipo de pesquisa busca codificar a face mensurável da realidade social, o que está alinhado com o objetivo primordial estabelecido para este trabalho. Sob o ponto de vista dos objetivos, este trabalho apresenta elementos de pesquisas descritivas, que segundo Gil (2002), visam primordialmente a descrição das características de determinadas populações ou fenômenos, como também a descrição de um processo numa organização, o estudo do nível de atendimento de entidades, levantamento de opiniões e atitudes, além de, segundo o autor, serem pesquisas descritivas aquelas que visam descobrir a existência de associações entre variáveis. Além disso, a abordagem utilizada é qualitativa, que é usualmente empregada, quando o fenômeno em estudo é complexo, e quando o entendimento do contexto é um elemento importante para a pesquisa. O método adotado pelo presente trabalho é o estudo de caso, que pode ser caracterizado, segundo DeMarrais e Lapan (2004), como aquele cujo objeto é uma unidade a qual se analisa profundamente de forma intensiva, visando o exame detalhado de um ambiente, de um sujeito ou de uma situação particular. Corroborando esta conceituação, Yin (2001) afirma que o estudo de caso pode ser definido como uma investigação empírica que analisa o fenômeno contemporâneo dentro de seu contexto, especialmente quando os limites entre o fenômeno e o contexto não podem ser claramente definidos. O autor ainda realiza importante contribuição quando classifica os tipos de estudos de caso da seguinte forma: Quanto ao conteúdo ou objetivo final: os estudos podem ser classificados em exploratórios (trata problemas pouco conhecidos objetivando contribuir para pesquisas futuras), descritivos (descreve o fenômeno em seu ambiente) ou explanatórios (tem por objetivo explicar relações de causa e efeito); Quanto ao número de casos: caso único (quando um único caso satisfaz as condições da pesquisa, seja por ocorrer de forma isolada, ou por ser típico e representar uma situação comum), ou casos múltiplos (usualmente utilizado quando se deseja comparar características contrastantes entre os casos). Outra classificação relevante é a proposta por Eisenhardt (1989), onde os estudos de caso podem ser holísticos, quando se possui uma única unidade de análise em um determinado contexto, ou incorporados, quando se possui mais de uma unidade de análise por contexto, havendo, portanto, subunidades de análise. Portanto, alinhando-se com a classificação desta pesquisa quanto aos objetivos, o método adotado pode ser classificado como descritivo e holístico. Quanto ao número de casos a opção é pelo estudo de caso único, já que se trata de um caso típico que ilustra de forma clara o fenômeno estudado. Cabe destacar que o estudo foi conduzido respeitando os critérios de validade estabelecidos Yin (2001), que são apresentados à seguir: Validade de construto: diz respeito ao estabelecimento de medidas operacionais corretas para os conceitos estudados, o que segundo o autor pode ser obtido por meio da utilização de fontes múltiplas de dados; Validade interna: relacionada com o entendimento das relações causais onde um evento conduz a outro (mais utilizado em estudos explanatórios); Validade externa: que está relacionada com a possibilidade de saber se as conclusões do estudo podem ser generalizadas (o que consiste de um dos maiores problemas dos estudos de caso). Segundo o autor a generalização neste método deve ser analítica, por analogias com modelos e outros casos; Fidedignidade: consiste da possibilidade de outro pesquisador repetir o estudo e alcançar os mesmos resultados, para isso é recomendado que os estudos sejam devidamente documentados.

8 42 Pacagnella Júnior et al. P&D em Engenharia de Produção, Itajubá, v. 9, n. 1, p , 2011 A técnica de pesquisa utilizada foi a entrevista estruturada que, de acordo com May (2001), é aquela onde o entrevistador utiliza um roteiro com questões abertas ou tópicos de discussão pré-definidos, porém de grande amplitude, permitindo continuidade e homogeneidade se for realizada mais de uma entrevista. Utilizando esta técnica foram realizadas entrevistas com três gerentes de projetos da organização estudada, gerando diversas informações que permitiram atingir o objetivo de pesquisa, como será mostrado no próximo item. 4. ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA COM TIPOLOGIA ETO 4.1. Descrição do objeto de estudo A empresa analisada neste estudo é uma caldeiraria de grande porte, possuindo um total 1430 funcionários. Localiza-se na região de Ribeirão Preto SP e se caracteriza por produzir itens para o setor de açúcar e álcool, especialmente no que tange a cogeração de energia como: caldeiras aquatubulares, difusores e vasos de pressão, além de serviços de automação e montagem industrial com o projeto e construção de plantas industriais completas no sistema turn-key. Trata-se de uma empresa com cerca de 30 anos de experiência no setor, tendo capital controlador totalmente nacional e com caráter exportador contínuo para diversos países da América latina e eventual para os Estados Unidos. Estima-se que detenha aproximadamente 15% do mercado neste segmento, o que representa um faturamento anual de cerca de R$ 635 milhões (dados de 2007). Devido à forte expansão do setor sucro-alcoleiro a empresa vive um momento empresarial favorável, possuindo sua capacidade industrial plena totalmente ocupada com novos projetos contratados até o ano de A estrutura organizacional da empresa (apresentada na figura 4) possui poucos níveis organizacionais, o que não é comum para empresas grandes neste setor, entretanto, embora isso geralmente indique maior poder de decisão nos níveis inferiores, suas características revelam que se trata de uma estrutura matricial fraca, pois os gerentes de projetos estão subordinados ao gerente funcional (engenharia). Diretoria Executiva Gerência de Engenharia Gerência Industrial Gerência de Finanças Departamento de Marketing Administração de contratos Gerente de projetos Gerente de projetos Gerente de projetos Figura 4 - Estrutura organizacional simplificada da empresa Fonte: Elaborada pelos autores No que se refere aos projetos de desenvolvimento de produtos, a empresa possui uma média de 30 projetos anuais independentes (não são subprojetos) que são gerenciados simultaneamente, estando inserida, portanto, no contexto de ambiente multi-projeto destacado no referencial teórico. Os projetos da empresa têm duração que pode variar de 18 a 30 meses, dependendo dos requisitos e das mudanças de escopo envolvidas, sendo necessária a alocação de até 12 pessoas durante este período para o seu gerenciamento. Quanto aos recursos financeiros, como se tratam de itens de grande complexidade tecnológica, utilizam-se diretamente no gerenciamento de cada um dos projetos em torno de R$ 300 mil.

9 Gestão de projetos de desenvolvimento de bens de capital em uma empresa A figura 5 apresenta as etapas de gerenciamento de um projeto de desenvolvimento de produtos da empresa, onde o projeto se inicia com a etapa de vendas, onde é feito um contato prévio com o cliente e elaborada uma proposta técnica a partir do levantamento das necessidades. A partir da aprovação da proposta é elaborado um contrato que serve como termo de abertura do projeto, contendo uma declaração das principais entregas e destacando o gerente de projeto. Vendas Engenharia Montagem Comissionamento e start up Contato com cliente Levantamento de necessidades Pré-desenvolvimento Engenharia básica Detalhamento Fabricação Execução dos itens de engenharia Montagem do produto na planta do cliente Testes de desempenho Entrega do produto e encerramento do projeto Desenvolvimento Pós-vendas Garantia e assistência técnica Pós-desenvolvimento Figura 5 - Etapas de um projeto de desenvolvimento de produto na empresa estudada Fonte: Elaborada pelos autores Após a etapa de vendas o projeto tem em sua sequência a etapa de engenharia, onde ocorre o desenvolvimento do conceito do produto (engenharia básica) e seu posterior detalhamento técnico, gerando a emissão de especificações para suprimentos, desenhos e cronogramas. A etapa de fabricação dos componentes projetados pela engenharia ocorre em seguida, porém com certa simultaneidade e interação com a etapa anterior. Esta relação ocorre devido a possíveis problemas e inconsistências do projeto que são identificados durante o processo de fabricação, re-alimentado a etapa de engenharia. Realizada a fabricação dos componentes, o produto é transportado e montado na planta produtiva do cliente de acordo com as especificações estabelecidas pela etapa de engenharia, o que é seguido por uma etapa de comissionamento e start-up que significa iniciar a operação do equipamento, testá-lo e garantir o nível de desempenho determinado em contrato. Por fim a empresa oferece o serviço de pós-venda e assistência técnica pelo prazo que tiver sido definido com o cliente, seguindo o contrato Análise das características da gestão de projetos de desenvolvimento de produtos Ao analisar o gerenciamento de projetos de desenvolvimento de produtos na organização estudada é possível perceber que suas fronteiras estão entre o fechamento do contrato com o cliente (determinando quem será o gerente do projeto, sua equipe e o escopo preliminar de trabalho) e o fim do prazo de garantia, onde se encerra o serviço oferecido complementarmente ao bem de capital fornecido. Embora se trate de uma empresa de grande porte e experiente neste tipo de mercado, verifica-se que diversos aspectos tidos como boas práticas pela literatura de gerenciamento de projetos e pela literatura de desenvolvimento de produtos não são seguidos por ela.

10 44 Pacagnella Júnior et al. P&D em Engenharia de Produção, Itajubá, v. 9, n. 1, p , 2011 Desta forma, do ponto de vista da literatura de desenvolvimento de produtos, a macrofase de prédesenvolvimento é extremamente simples, resumindo-se apenas a identificar as necessidades do cliente, não havendo, portanto, gestão de portfólio. Já a macrofase de desenvolvimento é mais robusta, apresentando forte interação entre as etapas, principalmente entre o projeto conceitual (engenharia básica), o projeto detalhado e a fabricação, ocorrendo reuniões periódicas entre os responsáveis de forma a tornar o produto mais consistente. Destaca-se que existem stage-gates (conforme Cooper, Edgett e Kleindschmidt, 2002) no final de cada fase apenas para projetos complexos, onde são gerados relatórios que contemplam o avanço no período pelos elementos envolvidos, os problemas encontrados, tarefas executadas e o detalhamento do trabalho seguinte. A macrofase de pós-desenvolvimento, que se inicia quando o produto é entregue ao cliente, possui três elementos importantes: o acompanhamento do desempenho do produto, que é feito por técnicos durante o tempo determinado no contrato, prestação de serviços de assistência técnica (solicitado pelo cliente) enquanto o produto estiver em operação e o registro de lições aprendidas com cada projeto, por meio de relatório final que aponta as principais pontos a serem melhorados, servindo de referência para projetos futuros. Quanto às técnicas de auxílio para o desenvolvimento de produtos, a única ferramenta conhecida e utilizada é o Failure Mode and Effect Analisys (FMEA), que consiste em analisar as possibilidades de falha do produto e seus respectivos impactos. Entre as ferramentas tecnológicas utilizadas destaca-se o uso de softwares de desenho assistido por computador (Computer Aided Design - CAD) e de sua integração com análise de elementos finitos (Computer Aided Engineering - CAE), que são utilizados na etapa de engenharia (detalhamento) de todos os projetos, permitindo maior rapidez e confiabilidade. Destaca-se que existe uma forte interação com o cliente durante todo o desenvolvimento, havendo visitas e reuniões constantes (característica típica de produtos customizados), o que reduz fortemente a incerteza durante o projeto. Já no que se refere aos aspectos citados pela literatura sobre gerenciamento de projetos, observa-se que de início não existe a criação de um plano de gerenciamento, o único documento que orienta o projeto do ponto de vista gerencial é o termo de abertura (contrato), que traz algumas informações quanto a custos, prazos e escopo de trabalho de uma forma muito preliminar, dando origem a um documento técnico com detalhes de engenharia (desenho, lista de materiais e especificações) e um orçamento, que serve de guia para a sua execução, o que se mostra insuficiente para orientar de forma clara o fluxo de trabalho que se segue. Da mesma forma, também não existem planos complementares (escopo, tempo, custo, qualidade, comunicações, recursos humanos, risco e aquisições), o que configura um planejamento muito simples, com diversas lacunas que dificultam a execução e o monitoramento e controle do projeto. Como citado anteriormente, um aspecto crítico neste cenário é a alocação de recursos em cada projeto, fato que é preponderante para um gerenciamento de projetos múltiplos eficiente e que nesta organização é estabelecido pelos gerentes de projeto e pelos gerentes funcionais, levando em consideração a complexidade do projeto e de compromissos contratuais. Para o controle da restrição tripla do projeto (escopo, tempo e custos) a organização utiliza softwares comerciais como o Microsoft Project e o Microsof Excel, que permitem analisar por meio de indicadores o que foi especificado versus o que foi realizado no período. Como a organização possui estrutura organizacional matricial fraca, cada gerente de projetos possui pouca autonomia para a tomada de decisão, mesmo sendo responsável por diversos projetos que são desenvolvidos simultaneamente, além de não possuir uma equipe totalmente dedicada ao projeto, dividindo-a com atividades cotidianas, fatos que reduzem a agilidade da execução do projeto sendo claramente uma das causas de atraso. Entretanto, cabe destacar que a empresa utiliza duas técnicas amplamente difundidas no gerenciamento de projetos, buscando evitar que este fato ocorra: o Crashing que consiste em alocar mais recursos em

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS O que é PROJETO Um empreendimento com começo e fim definidos, dirigido por pessoas, para cumprir objetivos estabelecidos dentro de parâmetros de custo, tempo e especificações.

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI

Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. FAE S.J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Conceitos Básicos Prof. Anderson D. Moura O que é um projeto? Conjunto de atividades que: 1. Objetivo específico que pode ser concluído 2. Tem

Leia mais

3. Como a aquisição deveria ocorrer em um projeto (ideal)

3. Como a aquisição deveria ocorrer em um projeto (ideal) 3. Como a aquisição deveria ocorrer em um projeto (ideal) Para que se possa propor a projetização da aquisição é necessário que se entenda o contexto do projeto, de sua organização, e de como integrar

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas ECONOMISTA - RIVAS ARGOLO 2426/D 62 9905-6112 RIVAS_ARGOLO@YAHOO.COM.BR Objetivo deste mini curso : Mostrar os benefícios do gerenciamento de projetos

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W.

GESTÃO DE PROJETOS. Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem. O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W. GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Francisco César Vendrame "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." W. Shakespeare O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo (único), caracterizado

Leia mais

Engenharia do Produto

Engenharia do Produto Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento de Eletrônica Engenharia do Produto Slides elaborados a partir de Rozenfeld et al. (2006) AULA 8 Favor colocar

Leia mais

5.1 Introdução. 5.2 Project Management Institute (PMI)

5.1 Introdução. 5.2 Project Management Institute (PMI) 5 NORMALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS 5.1 Introdução Embora tradicionalmente o esforço de normalização pertença à International Standards Organization (ISO), no caso da gestão de projetos a iniciativa tem

Leia mais

A FORMAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES DE PROJETOS DE NOVOS PRODUTOS E SOLUÇÕES EM UMA EMPRESA DO SETOR INDUSTRIAL

A FORMAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES DE PROJETOS DE NOVOS PRODUTOS E SOLUÇÕES EM UMA EMPRESA DO SETOR INDUSTRIAL A FORMAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES DE PROJETOS DE NOVOS PRODUTOS E SOLUÇÕES EM UMA EMPRESA DO SETOR INDUSTRIAL RESUMO Autoria: Nestor de Oliveira Filho, Franciane Freitas O objetivo deste relato

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Como realizar inúmeros projetos potenciais com recursos limitados? Nós lhe mostraremos a solução para este e outros

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Análise de metodologias para gerenciamento de programas e múltiplos projetos: Priorização de Projetos Aplicação do Método Analytic Hierarchy Process

Análise de metodologias para gerenciamento de programas e múltiplos projetos: Priorização de Projetos Aplicação do Método Analytic Hierarchy Process Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA em Gestão Avançada de Projetos - Turma nº20 28 de maio de 2015 Análise de metodologias para gerenciamento de programas e múltiplos projetos: Priorização

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades que constituem a fase inicial dos projetos. Alem disso, vamos discorrer sobre

Leia mais

Análise da gestão de portfólio de projetos de produtos com base nos conceitos da medição de desempenho: estudo de caso

Análise da gestão de portfólio de projetos de produtos com base nos conceitos da medição de desempenho: estudo de caso Análise da gestão de portfólio de projetos de produtos com base nos conceitos da medição de desempenho: estudo de caso Maicon G. Oliveira a (maicongdo@gmail.com); Henrique Rozenfeld b (roz@sc.usp.br) a,

Leia mais

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos Gestão de Projetos Empresariais Objetivos: Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos de processos

Leia mais

Autoria: Nestor de Oliveira Filho, Franciane Silveira

Autoria: Nestor de Oliveira Filho, Franciane Silveira APLICAÇÃO DO PROCESSO TOLL-GATE PARA SELEÇÃO DE OPORTUNIDADES E PROJETOS DE NOVOS PRODUTOS EM EUMA EMPRESA FORNECEDORA DE BENS E SERVIÇOS PARA O SETOR DE ENERGIA Resumo Autoria: Nestor de Oliveira Filho,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MATURIDADE COM O MODELO PDPNET: EXPERIÊNCIA NO SETOR DE BENS DE CAPITAL

AVALIAÇÃO DA MATURIDADE COM O MODELO PDPNET: EXPERIÊNCIA NO SETOR DE BENS DE CAPITAL AVALIAÇÃO DA MATURIDADE COM O MODELO PDPNET: EXPERIÊNCIA NO SETOR DE BENS DE CAPITAL Euclides REAME JUNIOR * Daniel JUGEND ** Luciano Silva LIMA *** Eduardo Vicente ALBERTIN **** Daniel Capaldo AMARAL

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos em Gestão de Projetos DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho organizacional atingido pela DuPont não

Leia mais

Uma Abordagem para Gerência Estratégica de Portfólio com Foco na Seleção de Projetos

Uma Abordagem para Gerência Estratégica de Portfólio com Foco na Seleção de Projetos Uma Abordagem para Gerência Estratégica de Portfólio com Foco na Seleção de Projetos Adler Diniz de Souza 1,2, Ana Regina Rocha 1, Gleison Santos 1, Tiago Vinícius Paiva do Carmo 2, Douglas Batista Alexandre

Leia mais

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE 1 PMI- Project Management Institute Fundado nos Estudos Unidos em 1969; Instituto sem fins lucrativos, dedicado ao

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Alcance melhores resultados através da gestão integrada de projetos relacionados ou que compartilham

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Práticas institucionais e seus impactos em estruturas e processos organizacionais

Práticas institucionais e seus impactos em estruturas e processos organizacionais Práticas institucionais e seus impactos em estruturas e processos organizacionais INTRODOUÇÃO Aluna: Marcela Pestana Molinaro Orientadora: Sandra Regina da Rocha Pinto Observa-se que a área de gestão estratégica

Leia mais

Aula Nº 11 Suprimentos e contratações

Aula Nº 11 Suprimentos e contratações Aula Nº 11 Suprimentos e contratações Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam fornecer uma visão geral do processo empregado para se administrar a aquisição, no mercado, dos produtos necessários

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE - UMA PROPOSTA DE INSTRUMENTALIZAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE - UMA PROPOSTA DE INSTRUMENTALIZAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE - UMA PROPOSTA DE INSTRUMENTALIZAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS Maíra Cecília Lewin (LATEC/UFF) Resumo Em uma organização certificada e projetizada,

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

PMBok x PRINCE2. Flávia David de Oliveira Gomes. Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes. Víctor Hugo Rodrigues de Barros

PMBok x PRINCE2. Flávia David de Oliveira Gomes. Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes. Víctor Hugo Rodrigues de Barros PMBok x Flávia David de Oliveira Gomes Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel flavia@cp2ejr.com.br Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel guilherme@inatel.br

Leia mais

Lançamento do Produto

Lançamento do Produto Lançamento do Produto Gestão de Desenvolvimento de Produtos Uma referência para melhoria do processo Material Fornecido por: Fernando Antonio Forcellini - UFSC Lançamento do produto (Capítulo 10) Henrique

Leia mais

Considerações gerais sobre o gerenciamento de projetos Processo de gerenciamento de projetos Estruturas organizacionais e equipes de projeto

Considerações gerais sobre o gerenciamento de projetos Processo de gerenciamento de projetos Estruturas organizacionais e equipes de projeto Conteúdo EMC 6605 PROJETO CONCEITUAL CAPÍTULO 3 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE PRODUTOS Capítulo 3 Introdução ao gerenciamento do processo de desenvolvimento integrado

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS Os cinco grupos de processos de gerenciamento de projetos são: Iniciação Planejamento Execução Monitoramento e Controle Encerramento Segundo o

Leia mais

Modelo de Maturidade Organizacional de Gerência de Projetos. Organizational Project Management Maturity Model - OPM3

Modelo de Maturidade Organizacional de Gerência de Projetos. Organizational Project Management Maturity Model - OPM3 Modelo de Maturidade Organizacional de Gerência de Projetos Introdução Organizational Project Management Maturity Model - OPM3 Um trabalho voluntário A idéia de um modelo não é novidade, as organizações

Leia mais

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos

Plataforma da Informação. Gerenciamento de Projetos Plataforma da Informação Gerenciamento de Projetos Motivação Por que devemos fazer Projetos? - O aprendizado por projetos, faz parte de um dos três pilares de formação do MEJ; -Projetos são oportunidades

Leia mais

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES MBA ARQUITETURA DE INTERIORES Coordenador: Carlos Russo Professor: Fábio Cavicchioli Netto, PMP 1 APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR CONHECENDO OS PARTICIPANTES EXPECTATIVAS DO GRUPO 2 SUMÁRIO PMI / PMBoK / Certificados

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GESTÃO DE PROJETOS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE UM SOFTWARE PMIS Área de conhecimento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos: Conceitos.

Gerenciamento de Projetos: Conceitos. ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS Aula 10: 1 1 O que é Projeto 2 Caracterização de um projeto 3 Processos e áreas do gerenciamento de projeto 4 Análise de viabilidade do projeto 5 O papel do gerente de

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO GERÊNCIA DO ESCOPO GERÊNCIA DO TEMPO GERÊNCIA DE CUSTO GERÊNCIA DA QUALIDADE Desenvolvimento do Plano

Leia mais

Prof. Dr. Olívio Novaski novaski@fem.unicamp.br. MSc. Fernando dos Santos Iria iria@fem.unicamp.br

Prof. Dr. Olívio Novaski novaski@fem.unicamp.br. MSc. Fernando dos Santos Iria iria@fem.unicamp.br Empresas de usinagem que trabalham sob encomenda: um enfoque gerencial do planejamento da produção aplicando a gestão por projetos Prof. Dr. Olívio Novaski novaski@fem.unicamp.br MSc. Fernando dos Santos

Leia mais

O Gerenciamento de Projetos na abordagem do

O Gerenciamento de Projetos na abordagem do Seminário de Desenvolvimento de Gestores de Programas e Projetos Fórum QPC O Gerenciamento de Projetos na abordagem do PMI - Project Management Institute Marco Antônio Kappel Ribeiro Presidente do PMI-RS

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge Gerenciamento de Projetos Organização de Projetos GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIOS GERENCIAMENTO DE PROGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE SUBPROJETOS

Leia mais

SOBRE O WORKSHOP [ WORKSHOP

SOBRE O WORKSHOP [ WORKSHOP WORKSHOP [ WORKSHOP SOBRE O WORKSHOP O PMDome é um treinamento muito dinâmico e prático em gerenciamento de projetos onde os participantes são divididos em times que, em uma competição desafiadora e animada,

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

A GESTÃO DE PROJETOS COMO FERRAMENTA DE PLANEJAMENTO NO DESIGN DE NOVOS PRODUTOS: O CASO DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS EM SANTA MARIA-RS 1

A GESTÃO DE PROJETOS COMO FERRAMENTA DE PLANEJAMENTO NO DESIGN DE NOVOS PRODUTOS: O CASO DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS EM SANTA MARIA-RS 1 A GESTÃO DE PROJETOS COMO FERRAMENTA DE PLANEJAMENTO NO DESIGN DE NOVOS PRODUTOS: O CASO DA INDÚSTRIA DE MÓVEIS EM SANTA MARIA-RS 1 Mazzini JR., E. G.²; Ferreira, A. R.² 1 Trabalho da linha de pesquisa:

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis MBA em Gestão de Projetos Gerenciamento de Projetos Prática essencial para gerar negócios sustentáveis Prof: Ângelo Braga, PMP, MBA angelo.braga@fgv.br eu@angelobraga.com.br 2/154 Contatos Prof. Ângelo

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público.

Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público. Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público. Sérgio Ricardo Fortes 1 ; Ana Cristina Dalborgo 2 1 EMTU Rua Joaquim Casemiro, 290, Bairro Planalto São Bernardo do Campo-SP

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Anderson Valadares

GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Anderson Valadares GESTÃO DE PROJETOS Prof. Anderson Valadares Projeto Empreendimento temporário Realizado por pessoas Restrições de recursos Cria produtos, ou serviços ou resultado exclusivo Planejado, executado e controlado

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br. PALESTRA Duração prevista: 01:30 h

Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br. PALESTRA Duração prevista: 01:30 h Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br PALESTRA Duração prevista: 01:30 h Breve Currículo do Palestrante Filme Ilustrativo O Veleiro Objetivos do Tema : Projeto e Gestão Teoria x Prática de Gestão

Leia mais

Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias

Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias Margareth Carneiro, PMP, MSc PMI GovSIG past-chair PMA Diretora Executiva Wander Cleber da Silva, PhD Fundação Funiversa 1 O Guia do PMBoK O Guia

Leia mais

Análise da implantação do sistema ERP em empresas fornecedoras de energia elétrica: estudos de caso exploratórios

Análise da implantação do sistema ERP em empresas fornecedoras de energia elétrica: estudos de caso exploratórios Análise da implantação do sistema ERP em empresas fornecedoras de energia elétrica: estudos de caso exploratórios Marcia Habiro (Universidade Federal de São Carlos) marciahabiro@yahoo.com.br Moacir Godinho

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA. PMBoK

Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA. PMBoK Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA PMBoK 1. (FCC/ANALISTA-MPU 2007) De acordo com o corpo de conhecimento da gerência de projetos, as simulações

Leia mais

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO. GETÃO DE PROJETOS Turma 93

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO. GETÃO DE PROJETOS Turma 93 IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GETÃO DE PROJETOS Turma 93 A Gestão de Projetos na Indústria de Autopeças Hugo Joaquim De Moro Belo Horizonte, novembro de 2010. A Gestão de Projetos

Leia mais

1. Evolução da técnicas de gerenciamento

1. Evolução da técnicas de gerenciamento Gestão de Projetos Evolução das técnicas de gerenciamento; A história do gerenciamento de projetos; Características dos projetos; Causas de fracasso em projetos; Ciclo de vida de um projeto e suas fases;

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu. Gerenciamento de Projetos Web Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/frufrek Possui Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados pela

Leia mais

Integrando o Gerenciamento de Projetos à Estratégia da Empresa

Integrando o Gerenciamento de Projetos à Estratégia da Empresa 4 th International Conference on Industrial Engineering and Industrial Management XIV Congreso de Ingeniería de Organización Donostia- San Sebastián, September 8 th -10 th 2010 Integrando o Gerenciamento

Leia mais

Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos. Agenda da Teleaula. Vídeo. Logística 28/8/2012

Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos. Agenda da Teleaula. Vídeo. Logística 28/8/2012 Logística Profª. Paula Emiko Kuwamoto Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos Agenda da Teleaula Reforçar a importância dos projetos no cenário atual. Apresentar os principais conceitos envolvendo

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Universidade*Nove*de*Julho*1*UNINOVE* Programa*de*Mestrado*Profissional*em*Administração* *Gestão*em*Sistemas*de*Saúde*

Universidade*Nove*de*Julho*1*UNINOVE* Programa*de*Mestrado*Profissional*em*Administração* *Gestão*em*Sistemas*de*Saúde* UniversidadeNovedeJulho1UNINOVE ProgramadeMestradoProfissionalemAdministração GestãoemSistemasdeSaúde Disciplina ProjetosComplexoseEstratégicosAplicadosàSaúde Códigodadisciplina GSEL04 Linhadepesquisa

Leia mais

Aula 2 GERÊNCIA E DIMENSÃO DO PROJETO

Aula 2 GERÊNCIA E DIMENSÃO DO PROJETO Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 431 Aula 2 GERÊNCIA E DIMENSÃO DO PROJETO CONCEITO DE PROJETO É um conjunto de atividades visando o alcance de um objetivo, apresentando as

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" - 1ª Edição Versão do Modelo 1..0-01/Fev/008 - Editora INDG-Tecs - 008 WWW.MATURITYRESEARCH.COM

Leia mais

Influência da Gestão Estratégica de Portfólios de Projetos no Desenvolvimento Tecnológico

Influência da Gestão Estratégica de Portfólios de Projetos no Desenvolvimento Tecnológico Influência da Gestão Estratégica de Portfólios de Projetos no Desenvolvimento Tecnológico Autoria: Luciana Reis Julio, Marcos Roberto Piscopo Resumo Este trabalho visa apresentar um estudo de caso de uma

Leia mais

Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos

Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos Por Giovanni Giazzon, PMP (http://giazzon.net) Gerenciar um projeto é aplicar boas práticas de planejamento e execução de atividades

Leia mais

Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos. Nasario de S. F. Duarte Jr.

Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos. Nasario de S. F. Duarte Jr. Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos Nasario de S. F. Duarte Jr. Resumo Embora organizações projetizadas (empresas que trabalham sob projetos) existam

Leia mais

MANUAL GESTÃO DE PROJETOS. COORDENADORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA TRT6 ESCRITÓRIO DE PROJETOS Junho/2015

MANUAL GESTÃO DE PROJETOS. COORDENADORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA TRT6 ESCRITÓRIO DE PROJETOS Junho/2015 MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS COORDENADORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA TRT6 ESCRITÓRIO DE PROJETOS Junho/2015 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 O QUE É PROJETO?... 2 3 O QUE É GESTÃO DE PROJETOS?... 3 4 ÁREAS DE ESPECIALIZAÇÃO...

Leia mais

PROPOSTA UNIFICADORA DE NÍVEIS DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

PROPOSTA UNIFICADORA DE NÍVEIS DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 PROPOSTA UNIFICADORA DE NÍVEIS DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS Debora Athayde Herkenhoff (Latec/UFF) Moacyr Amaral Domingues Figueiredo (Latec/UFF) Gilson Brito de Lima (UFF)

Leia mais

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br)

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Investigando aspectos da geração de novos produtos de software Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Estrutura Parte1. Inovação é igual em software? Parte 2. Processo de Desenvolvimento de Novos Produtos

Leia mais

PROPOSTA PARA DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE DEMANDA

PROPOSTA PARA DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE DEMANDA PROPOSTA PARA DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE DEMANDA Luís Henrique Rodrigues UNISINOS São Leopoldo RS José Antônio Valle Antunes Jr UNISINOS São Leopoldo RS Ivan De

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

(C) A-C-E-F-H (D) A-G-F-H (E) A-G-I. Exercícios: Governança de TI Walter Cunha PRIMEIRA BATERIA. PMBoK COBIT

(C) A-C-E-F-H (D) A-G-F-H (E) A-G-I. Exercícios: Governança de TI Walter Cunha PRIMEIRA BATERIA. PMBoK COBIT Exercícios: Governança de TI Walter Cunha PRIMEIRA ATERIA (C) A-C-E-F-H (D) A-G-F-H (E) A-G-I PMoK 1. (FCC/ANALISTA-MPU 2007) De acordo com o corpo de conhecimento da gerência de projetos, as simulações

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA

COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure resultados superiores do seu time de projetos e dos executivos com o coaching e mentoring exclusivo da Macrosolutions.

Leia mais

Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo

Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo A metáfora bala de prata se aplica a qualquer ação que terá uma extrema

Leia mais