O Regime Geral da Previdência Social (RGPS)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Regime Geral da Previdência Social (RGPS)"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 18 O Regime Geral da Previdência Social (RGPS) Gustavo Inácio de Moraes Milton Andre Stella Pedro Tonon Zuanazzi Pedro Henrique Cabral Setembro de 2015

2 Introdução Atualmente, o sistema previdenciário brasileiro conta com três categorias: Regime Geral de Previdência Social, Regimes Próprios de Previdência Social e a Previdência Complementar. Além disso, há a assistência social, muitas vezes tratada como previdência mas que, oficialmente, não possui característica previdenciária uma vez que não há contribuições. O Regime Geral de Previdência Social (RGPS) possui caráter contributivo e de filiação obrigatória, incluindo todos os indivíduos que contribuem para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS): Dentre os contribuintes, encontram-se os empregadores, empregados assalariados, domésticos, autônomos, contribuintes individuais e trabalhadores rurais. O RGPS tem suas políticas elaboradas pelo Ministério da Previdência Social (MPS) e executadas pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), autarquia federal a ele vinculada. Seu funcionamento é em regime de repartição simples, onde os trabalhadores em atividade financiam os inativos na expectativa de que, no futuro, outra geração de trabalhadores sustentará a sua inatividade. Todo trabalhador com carteira assinada é automaticamente filiado à Previdência Social. Quem trabalha por conta própria precisa se inscrever e contribuir mensalmente para ter acesso aos benefícios previdenciários, assim como pessoas sem renda própria, como donas de casa e estudantes. Os principais benefícios do RGPS são: Aposentadoria por idade, Aposentadoria por invalidez, Aposentadoria por tempo de contribuição, Aposentadoria especial, Auxílio-doença, Auxílio acidente, Auxílio reclusão, Pensão por morte, Salário-maternidade, Salário-família e Assistência Social. O seguro-desemprego não faz parte dessa lista, uma vez que está vinculado ao Ministério do Trabalho e do Emprego que disponibiliza o seguro com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Da lista acima, destaca-se os quatro tipos de aposentadoria. A aposentadoria por idade, por exemplo, é concedida aos homens com 65 anos de idade e às mulheres com 60 anos, sendo atualmente necessárias 180 contribuições. Já entre os trabalhadores rurais, os homens se aposentam por idade aos 60 anos e as mulheres, aos 55 (sem a necessidade de contribuições). No caso da aposentadoria por tempo de contribuição, são necessários 35 anos de contribuição para o trabalhador do sexo masculino e 30 anos para as mulheres. Algumas categorias, como a dos professores, têm um tempo de contribuição diferenciado (30 anos para os homens e 25 para as mulheres). A aposentadoria por invalidez é concedida quando a perícia médica do INSS considera a pessoa totalmente incapaz para o trabalho, seja por motivo de doença ou acidente. Existe ainda a aposentadoria especial, destinada aos trabalhadores expostos a agentes nocivos à saúde, sejam físicos, químicos ou biológicos. A Demografia importa Uma vez que o RGPS abrange a maior parte da população e funciona como um Regime de repartição simples, questões demográficas como a taxa de crescimento da população e o seu envelhecimento influenciam diretamente no Regime. A Tabela 1 apresenta a média anual de crescimento populacional para o Brasil por década, estimada e projetada, para o período Como é possível verificar, as taxas de crescimento populacional estão se reduzindo e deverão se tornar negativas a partir da década de

3 Tabela 1 - Taxa de crescimento populacional - Média anual por década ,9% ,5% ,8% ,6% ,2% ,1% ,5% ,2% ,1% ,4% Fonte: IBGE - Projeção Populacional - Revisão 2013 Não obstante, a estrutura etária do país vem sofrendo um processo de transformação. Com a redução da taxa de fecundidade e o aumento da expectativa de vida, o contingente de idosos na população vem aumentando significativamente, enquanto que a população jovem vem diminuindo (Gráfico 1). Gráfico 1 Idade Pirâmide etária do Brasil, 2000, 2015 e Homens Mulheres Fonte dos dados brutos: Projeções Populacionais IBGE - Revisão O aumento da expectativa de vida tem contribuído fortemente para o crescimento da proporção de idosos. A Tabela 2 apresenta a evolução da expectativa de sobrevida no país entre 2002 e 2012, sendo possível notar um aumento considerável. Enquanto que uma mulher com 55 anos vivia, em média, mais 25,9 anos em 2002, em 2012 ela vivia em média mais 27,4 anos, o que representa 1,5 anos de aumento de sobrevida no período. Tabela 2 - Expectativa de Sobrevida por idade, 2002 e 2012 Idade Homem Mulher Homem Mulher 50 26,1 30,0 27,3 31, ,4 25,9 23,4 27, ,0 21,9 19,8 23, ,8 18,3 16,3 19, ,0 15,0 13,2 15,7 Fonte: IBGE (Tábuas de Mortalidade) 3

4 R$ Esse contexto demográfico acaba por impactar na quantidade de benefícios emitidos para o RGPS (estoque). O Gráfico 2 apresenta a quantidade de benefícios emitidos pela previdência social entre 2004 e Nesse período, o número de beneficiários aumentou de 20,5 milhões para 27,8 milhões (um crescimento de 36%). Gráfico 2 - Evolução da Quantidade de Benefícios Emitidos de aposentadorias pelo RGPS, Em milhões a 2014 (dezembro) 30,00 28,00 26,00 24,00 22,00 20,00 18,00 16,00 20,5 6,9 21,2 7,1 21,6 7,3 22,1 7,5 22,8 7,7 23,5 8,0 24,4 8,2 25,2 8,5 26,0 8,7 27,0 9,0 27,8 9,2 14,00 12,00 10,00 8,00 6,00 13,6 14,0 14,3 14,6 15,0 15,5 16,2 16,7 17,3 18,1 18,7 4,00 2,00,00 2,6 2,8 2,9 3,1 3,3 3,5 3,7 3,9 4,0 4,2 4, Urbano Rural Assistencial Concomitantemente, houve um crescimento de 15,4% do salário médio real dos aposentados entre 2007 e 2014 (Gráfico 3), passando de R$ 927,40 para R$ 1.069,92 (corrigido pelo INPC a preços de Dezembro de 2014). De fato, 69,1% dos beneficiários do RGPS ganhavam, em 2014, até 1 salário mínimo, e apena 2,9% ganhavam mais de 4 salários (Gráfico 4). Gráfico 3 - Valor Médio Real dos Benefícios Pagos pelo RGPS (2007 a 2014) Média de Janeiro a Dezembro de cada ano Em R$ de Dez/2014 (INPC) 1.100, , , , , , , ,68 976,85 950,00 927,40 931,56 900, Nota: Inclui apenas os benefícios previdenciários e acidentários 4

5 Valores, em Salários Mínimos Gráfico 4 - Distribuição de Benefícios Emitidos, segundo faixas de Valores Em Pisos Previdenciários (Posição em Dezembro/2014) mais de = 1 37,81% 42,13% 20,05% < < 1 = mais de 8 Urbanos 676, , , , ,2 746,2 178,4 13,1 2,6 5,4 Rurais 71, ,8 48,3 6,8 1,9 0,6 0,1 0,0 0,0 - Assistenciais 8, ,2 0, Milhares de benefícios Nota: Valores menores que 1 SM são relacionados a pessoas que contribuiram com carga horária reduzida) Uma análise das receitas e das despesas do RGPS Apesar do envelhecimento populacional e do aumento do número de benefícios, até 2014 o RGPS Urbano vem sendo superavitário, sendo que de 2010 a 2012 as receitas cresceram mais do que as despesas (Gráfico 5 - valores corrigidos pelo INPC). Em 2014, com uma despesa de R$ 312,7 bilhões e uma receita de R$ 338,6 bilhões, o RGPS obteve um superávit de R$ 25,9 bilhões. Gráfico 5 - Arrecadação Líquida, Despesa com Benefícios e Resultado Previdenciário RGPS URBANO Acumulado de Janeiro a Dezembro (2010 a 2014) Em R$ Bilhões de Dez/14 (INPC) 350,0 300,0 250,0 268,5 258,0 9,0% 3,8% 292,6 267,9 6,4% 5,8% 311,5 283,4 4,8% 6,0% 326,6 300,4 3,7% 4,1% 338,6 312,7 200,0 150,0 100,0 50,0 10,5 135,1% 24,8 13,4% 28,1 (6,9%) 26,2 (1,0%) 25,9 0, Arrecadação Líquida Urbana Benefícios Previdenciários Urbano Resultado Previdenciário Urbano (Superávit) 5

6 Se compararmos as receitas e despesas em relação ao PIB, podemos verificar que em 2014 as despesas do RGPS urbano representaram 5,9% do PIB, enquanto que as receitas foram equivalentes a 6,4%, o que gerou um superávit de 0,5% do PIB. Gráfico 6 - Arrecadação Líquida, Despesa com Benefícios e Resultado Previdenciário em relação ao PIB (Em %) RGPS URBANO 7,0 6,0 5,5 5,8 5,3 5,3 6,1 6,2 5,6 5,7 6,4 5,9 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,2 0,5 0,6 0,5 0,5 0, Arrecadação Líquida Urbana / PIB Benefícios Previdenciários Urbano / PIB Resultado Previdenciário Urbano (Superávit) / PIB Entretanto, salienta-se que o Brasil está encerrando, atualmente, um período de quase pleno emprego, tendo havido um elevado aumento da população com carteira assinada nos últimos anos. O Gráfico 7 apresenta a evolução do percentual da população ocupada de 16 a 59 que possui proteção previdenciária (entre 1992 e 2013). Como é possível verificar, o aumento significativo desde 2004 tem contribuído para o aumento da arrecadação do RGPS. Em contrapartida, em 2015 temos observado um aumento do desemprego, o que nos indica que o superávit da previdência urbana deverá diminuir em breve. Gráfico 7 - Evolução da Proteção Previdenciária da População Ocupada (16 a 59 anos) 1992 a 2013 Fonte: Secretaria de Políticas de Previdência Social (Elaborado com base nas PNADs) 6

7 Aliado a isso, se analisarmos a situação da previdência rural encontramos um cenário bem distinto. Uma vez que não são exigidas contribuições dos trabalhadores do meio rural, a arrecadação da previdência social é mínima, originando um déficit bastante elevado. Em 2014 a necessidade de financiamento foi de R$ 84 bilhões de reais (Gráfico 8), o que representou 1,6% do PIB (Gráfico 9). No entanto, muitos autores defendem que a Previdência Rural deveria ser contabilizada como assistência social, pois por não ser necessárias contribuições, não teria características de previdência. Gráfico 8 - Arrecadação Líquida, Despesa com Benefícios e Resultado Previdenciário RGPS RURAL Acumulado de Janeiro a Dezembro (2010 a 2014) Em R$ Bilhões de Dez/14 (INPC) 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 72,8 66,6 2,7% 2,6% 74,8 68,3 9,8% 10,6% 82,2 75,5 6,2% 6,7% 87,3 80,6 4,0% 4,2% 90,8 84,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 6,2 4,4% 2,1% 0,4% 6,5 6,7 6,7 2,2% 6,8 0, Arrecadação Líquida Rural Benefícios Previdenciários Rural Necessidade de Financiamento Rural Gráfico 9 - Arrecadação Líquida, Despesa com Benefícios e Resultado Previdenciário em relação ao PIB (Em %) RGPS RURAL 1,8 1,6 1,5 1,5 1,6 1,5 1,7 1,5 1,7 1,6 1,4 1,4 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2 0,1 0,1 0,1 0,1 0,1 0, Arrecadação Líquida Rural / PIB Benefícios Previdenciários Rural / PIB Necessidade de Financiamento Rural / PIB 7

8 Dessa forma, quando somamos os resultados urbano e rural, temos que o RGPS apresentou em 2014 uma despesa de R$ 403,5 bilhões (7,6% do PIB) e uma receita de R$ 345,4 bilhões (6,5% do PIB), o que impactou em uma necessidade de financiamento de R$ 58,1 bilhões, ou seja, 1,1% do PIB (Gráficos 10 e 11). Gráfico 10 - Arrecadação Líquida, Despesa com Benefícios e Necessidade de Financiamento Acumulado de Janeiro a Dezembro (2010 a 2014) RGPS Em R$ Bilhões de Dez/14 (INPC) 450,0 400,0 350,0 300,0 250,0 330,8 274,8 3,6% 8,9% 342,7 299,2 6,7% 6,4% 365,6 318,2 6,1% 4,8% 387,7 333,3 4,1% 3,6% 403,5 345,4 200,0 150,0 100,0 50,0 56,0 (22,3%) 43,5 9,0% 47,4 14,8% 54,5 6,7% 58,1 0, Arrecadação Líquida Benefícios Previdenciários Necessidade de Financiamento Gráfico 11 - Arrecadação Líquida, Despesa com Benefícios e Necessidade de Financiamento RGPS em relação ao PIB (Em %) 8,0 7,2 7,4 7,6 7,0 6,0 5,6 6,8 6,8 5,9 6,3 6,3 6,5 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 1,1 0,9 0,9 1,0 1,1 0, Arrecadação Líquida / PIB Benefícios Previdenciários / PIB Necessidade de Financiamento / PIB Projeções para o RGPS Para projetar os parâmetros do RGPS é preciso realizar um amplo conjunto de suposições, desde as tendências demográficas até o crescimento econômico, a inflação e o comportamento do mercado de trabalho. 8

9 Os resultados abaixo, realizados pela Secretaria de Políticas de Previdência Social (SPPS) fazem uma análise conservadora das regras de aposentadoria, considerando que as regras atuais não serão alteradas (que não haverão postergações de idade, por exemplo). A Tabela 3 apresenta as suposições adotadas pela SPPS/MPS e pela SPE/MF para a realização das projeções de longo prazo. Essas hipóteses foram elaboradas em 02/04/2015, tendo o cenário econômico piorado desde então. Empregou-se, por exemplo, a hipótese de que o PIB apresentaria crescimento real já em 2016, ou seja, de que teríamos uma recuperação rápida da crise atual, o que mais recentemente vem sendo refutado. Além disso, aplicou-se a taxa de inflação de 3,5% para a partir de 2019 aliado a um aumento de 6,09% do salário mínimo após esse período, suposições que não necessariamente ocorrerão. Projeções demográficas de envelhecimento da população estão embutidas nessas hipóteses. Tabela 3 - Evolução das principais variáveis para projeção de longo prazo /2060 Exercício Massa Salarial Crescimento Vegetativo Taxa de Inflação Anual (INPC Acumulado) Variação Real do PIB Reajuste do Salário Mínimo Reajuste dos Demais Benefícios ,94% 4,00% 6,23% 0,15% 6,78% 5,56% ,46% 3,53% 8,22% -0,92% 8,84% 6,23% ,53% 3,50% 5,40% 1,30% 8,38% 8,22% ,69% 3,46% 5,40% 1,90% 5,40% 5,40% ,77% 3,42% 5,15% 2,40% 6,77% 5,40% ,53% 3,40% 3,50% 3,89% 6,09% 3,50% ,49% 3,37% 3,50% 3,86% 6,09% 3,50% ,32% 3,33% 3,50% 3,69% 6,09% 3,50% ,33% 3,25% 3,50% 3,70% 6,09% 3,50% ,24% 3,20% 3,50% 3,61% 6,09% 3,50% ,70% 3,12% 3,50% 4,06% 6,09% 3,50% ,12% 3,06% 3,50% 3,49% 6,09% 3,50% ,06% 2,96% 3,50% 3,44% 6,09% 3,50% ,82% 2,89% 3,50% 3,21% 6,09% 3,50% ,75% 2,84% 3,50% 3,14% 6,09% 3,50% ,57% 2,77% 3,50% 2,97% 6,09% 3,50% ,43% 2,74% 3,50% 2,83% 6,09% 3,50% ,39% 2,70% 3,50% 2,80% 6,09% 3,50% ,19% 2,66% 3,50% 2,60% 6,09% 3,50% ,15% 2,62% 3,50% 2,56% 6,09% 3,50% ,95% 2,59% 3,50% 2,37% 6,09% 3,50% ,90% 2,57% 3,50% 2,32% 6,09% 3,50% ,81% 2,55% 3,50% 2,23% 6,09% 3,50% ,71% 2,53% 3,50% 2,14% 6,09% 3,50% ,61% 2,50% 3,50% 2,04% 6,09% 3,50% ,59% 2,48% 3,50% 2,01% 6,09% 3,50% ,62% 2,45% 3,50% 2,05% 6,09% 3,50% ,54% 2,42% 3,50% 1,97% 6,09% 3,50% ,45% 2,40% 3,50% 1,89% 6,09% 3,50% 9

10 2043 5,41% 2,38% 3,50% 1,84% 6,09% 3,50% ,29% 2,36% 3,50% 1,73% 6,09% 3,50% ,21% 2,34% 3,50% 1,65% 6,09% 3,50% ,18% 2,31% 3,50% 1,62% 6,09% 3,50% ,10% 2,28% 3,50% 1,55% 6,09% 3,50% ,05% 2,24% 3,50% 1,50% 6,09% 3,50% ,01% 2,20% 3,50% 1,46% 6,09% 3,50% ,00% 2,16% 3,50% 1,44% 6,09% 3,50% ,92% 2,11% 3,50% 1,37% 6,09% 3,50% ,85% 2,06% 3,50% 1,31% 6,09% 3,50% ,77% 2,01% 3,50% 1,23% 6,09% 3,50% ,75% 1,95% 3,50% 1,21% 6,09% 3,50% ,71% 1,88% 3,50% 1,17% 6,09% 3,50% ,69% 1,82% 3,50% 1,15% 6,09% 3,50% ,67% 1,76% 3,50% 1,13% 6,09% 3,50% ,65% 1,69% 3,50% 1,11% 6,09% 3,50% ,61% 1,61% 3,50% 1,08% 6,09% 3,50% ,61% 1,54% 3,50% 1,07% 6,09% 3,50% Fonte: SPPS/MPS e SPE/MF (Parâmetros elaborados pela SPE/MF em 02/04/2015) Por fim, a Tabela 4 apresenta os resultados projetados para até Enquanto que a necessidade de financiamento em 2014 foi de 1,03% do PIB brasileiro, a projeção é de que em 2060 ela seja de 9,24%, sendo que a receita representaria 15,91%. Essa aumento projetado para as despesas do RGPS são um forte indício de que teremos muitas mudanças de regras nas próximas décadas. Tabela 4 - Evolução da receita, despesa e necessidade de financiamento do RGPS em R$ milhões e como proporção do PIB /2060 Exercício Receita Receita / PIB Despesa Despesa / PIB Necessidade de Financiamento Necessidade de Financiamento / PIB ,11% ,14% ,03% ,26% ,40% ,14% ,32% ,60% ,28% ,42% ,68% ,26% ,67% ,87% ,20% ,67% ,92% ,25% ,67% ,98% ,31% ,67% ,04% ,37% ,67% ,10% ,43% ,67% ,16% ,49% ,67% ,19% ,52% ,67% ,25% ,58% ,67% ,31% ,64% ,67% ,39% ,72% ,67% ,47% ,80% ,67% ,56% ,89% PIB 10

11 ,67% ,67% ,00% ,67% ,77% ,10% ,67% ,89% ,22% ,67% ,02% ,35% ,67% ,16% ,49% ,67% ,31% ,64% ,67% ,47% ,80% ,67% ,64% ,97% ,67% ,82% ,15% ,67% ,00% ,33% ,67% ,19% ,52% ,67% ,38% ,71% ,67% ,59% ,92% ,67% ,80% ,13% ,67% ,04% ,36% ,67% ,28% ,61% ,67% ,53% ,86% ,67% ,79% ,12% ,67% ,07% ,40% ,67% ,35% ,67% ,67% ,63% ,96% ,67% ,93% ,26% ,67% ,23% ,56% ,67% ,55% ,88% ,67% ,88% ,21% ,67% ,21% ,54% ,67% ,54% ,87% ,67% ,88% ,21% ,67% ,22% ,55% ,67% ,56% ,89% ,67% ,91% ,24% Fonte: SPPS/MPS, SOF/MP e SPE/MF (Parâmetros elaborados pela SPE/MF em 02/04/2015) Nota: Os valores de 2014 são realizados Nota2: os valores estão em R$ correntes O Gráfico 12 torna mais clara a análise das projeções apresentadas na Tabela anterior. Enquanto que as receitas deverão permanecer estáveis mantidas as regras atuais, as despesas deverão crescer fortemente, elevando o déficit. 11

12 Gráfico 12 - Receita, despesa e Necessidade de Financiamento em relação ao PIB, projetadas para ,00% 16,00% 14,00% 12,00% 10,00% 8,00% 6,00% 4,00% 2,00% 0,00% Receita / PIB Despesa / PIB Necessidade de Financiamento / PIB Fonte: SPPS/MPS, SOF/MP e SPE/MF (Parâmetros elaborados pela SPE/MF em 02/04/2015) A previdência e o combate à pobreza É importante destacar que, apesar das projeções de elevado déficit, a previdência é um instrumento importantíssimo no combate à pobreza. Como pode ser verificado no Gráfico 13, o percentual de pessoas com menos de ½ salário mínimo domiciliar per capita seria significativamente maior entre os idosos se não houvesse a previdência (nessa análise estão incluídos o RGPS, os RPPS e a assistência social). No entanto, cabe destacar que o Gráfico abaixo, elaborado pela SPPS com base na PNAD, simplesmente retira a renda previdenciária, não levando em consideração o aumento da produtividade econômica que seria gerado com a redução da carga tributária. 12

13 Gráfico 13 - Percentual de pessoas com menos de ½ salário mínimo de renda domiciliar per capita no Brasil por idade, considerando e não considerando a renda previdenciária 2013 Fonte: PNAD 2013 (Elaborado pela SPPS/MPS) De fato, entre as pessoas de 60 anos ou mais no Brasil, 86,1% estão protegidas pela proteção previdenciária (Tabela 5), sendo o RGPS o principal responsável por essa elevada taxa de cobertura dos idosos. Assim, embora o envelhecimento populacional crie um grande desafio para as contas públicas, seu impacto nas famílias não é tão elevado devido à alta taxa de cobertura dos idosos. Tabela 5 - Proteção Previdenciária entre os idosos com 60 anos ou mais, segundo sexo 2013 Fonte: PNAD 2013 (Elaborado pela SPPS/MPS) Assim, é importante frisar que o déficit do RGPS possui uma função redistributiva na sociedade, diminuindo a pobreza e beneficiando a grande maioria dos idosos, sem despender um grande gasto per capita para isso. Em 2013, por exemplo, a necessidade de financiamento do RGPS média, por beneficiário, foi de R$ Diferentemente, o RPPS (que não foi abordado no presente relatório) possui um caráter concentrador de 13

14 renda: em 2013 a União preciso cobrir, em média por beneficiário R$ , e seu déficit foi apenas um pouco menor do que o do RGPS para atingir menos de 1 milhão de pessoas. Tabela 6 - Déficit, Beneficiários e Déficit per capita, do RGPS e do RPPS da União Fonte: Câmara dos Deputados ( 14

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 19 O RPPS da União

Leia mais

O Regime Próprio da Previdência Social do RS

O Regime Próprio da Previdência Social do RS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 17 O Regime Próprio

Leia mais

DADOS SOBRE PENSÃO POR MORTE

DADOS SOBRE PENSÃO POR MORTE DADOS SOBRE PENSÃO POR MORTE ESTABELECIMENTO DE CARÊNCIA -Anão exigência de carência permite que seja concedida pensão vitalícia com apenas uma contribuição, inclusive benefício no teto do RGPS com apenas

Leia mais

Evolução das Receitas e Despesas dos Municípios do Corede do Vale do Rio dos Sinos

Evolução das Receitas e Despesas dos Municípios do Corede do Vale do Rio dos Sinos PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 5 - Versão 2 Evolução

Leia mais

Os impactos das mudanças demográficas na Seguridade Social

Os impactos das mudanças demográficas na Seguridade Social Os impactos das mudanças demográficas na Seguridade Social Frederico Melo, economista, doutor em Demografia e técnico do Dieese Brasília - 31 de maio de 2016 Para a Seguridade Social, Demografia = envelhecimento?

Leia mais

Audiência Pública na Câmara dos Deputados Objetivo: colher subsídios relativos à PEC 287/2016

Audiência Pública na Câmara dos Deputados Objetivo: colher subsídios relativos à PEC 287/2016 Audiência Pública na Câmara dos Deputados Objetivo: colher subsídios relativos à PEC 287/2016 Brasília, fevereiro de 2017 RESULTADO DO RGPS 2003 A 2016 Arrecadação Líquida, Despesa com Benefícios e Resultado

Leia mais

PERFIL DOS BENEFICIÁRIOS DO DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL (RGPS) Análises Complementares BRASÍLIA, OUTUBRO DE 2014

PERFIL DOS BENEFICIÁRIOS DO DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL (RGPS) Análises Complementares BRASÍLIA, OUTUBRO DE 2014 PERFIL DOS BENEFICIÁRIOS DO DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL (RGPS) Análises Complementares BRASÍLIA, OUTUBRO DE 2014 1 PERFIL DOS BENEFICIÁRIOS DO INSS POR SEXO E IDADE 2 Em dezembro de 2013, eram

Leia mais

Evolução das Despesas Estaduais

Evolução das Despesas Estaduais PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 2 Evolução das Despesas

Leia mais

Reunião do Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdência Social. Brasília, 17 de Fevereiro de 2016

Reunião do Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdência Social. Brasília, 17 de Fevereiro de 2016 Reunião do Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdência Social Brasília, 17 de Fevereiro de 2016 1 A taxa de fecundidade caiu 57,7% entre 1980 e 2015, passando de 4,1

Leia mais

O Regime Geral de Previdência Social - RGPS e a PEC 287 de CURITIBA-PR, 14 DEZ 2016 Expositor: Luciano Fazio

O Regime Geral de Previdência Social - RGPS e a PEC 287 de CURITIBA-PR, 14 DEZ 2016 Expositor: Luciano Fazio O Regime Geral de Previdência Social - RGPS e a PEC 287 de 2016 CURITIBA-PR, 14 DEZ 2016 Expositor: Luciano Fazio 1 SUMÁRIO 1. O que é Previdência Social 2. Déficit do Regime Geral de Previdência Social

Leia mais

A PREVIDÊNCIA E OS QUÍMICOS DO ABC. Santo André, 16 de setembro de 2016

A PREVIDÊNCIA E OS QUÍMICOS DO ABC. Santo André, 16 de setembro de 2016 A PREVIDÊNCIA E OS QUÍMICOS DO ABC Santo André, 16 de setembro de 2016 O QUE É A PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL? É um direito, segundo o artigo 6º da nossa Constituição Federal, direito conquistado e ampliado

Leia mais

PEC 287/2016 Reformar Hoje para Garantir o Amanhã. Deputado Federal Vice-Líder do Governo na Câmara dos Deputados

PEC 287/2016 Reformar Hoje para Garantir o Amanhã. Deputado Federal Vice-Líder do Governo na Câmara dos Deputados PEC 287/2016 Reformar Hoje para Garantir o Amanhã Deputado Federal Vice-Líder do Governo na Câmara dos Deputados PREMISSAS DA REFORMA Garantir a sustentabilidade da Previdência Social, preparando-a para

Leia mais

Evolução das Despesas Federais

Evolução das Despesas Federais PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 3 Evolução das Despesas

Leia mais

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA MINISTÉRIO DA FAZENDA. Brasília, agosto de 2017

SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA MINISTÉRIO DA FAZENDA. Brasília, agosto de 2017 Brasília, agosto de 2017 Sumário 1. Dados Demográficos e a Previdência Social 2. Regime Geral de Previdência Social 3. Regimes Próprios de Previdência Social 1. DADOS DEMOGRÁFICOS E A PREVIDÊNCIA SOCIAL

Leia mais

ESTUDOS ATUARIAIS E OS DESAFIOS DA ATUALIDADE

ESTUDOS ATUARIAIS E OS DESAFIOS DA ATUALIDADE ESTUDOS ATUARIAIS E OS DESAFIOS DA ATUALIDADE Ivan Sant Ana Ernandes, MIBA 506 Maio de 2017 AGENDA 1. Visão fiscal x visão social 2. Expectativas de vida no mundo e no Brasil 3. Envelhecimento da população

Leia mais

Previdência Números, Simulação, Fatos e Custos. Fernando de Holanda Barbosa Filho Bruno Ottoni

Previdência Números, Simulação, Fatos e Custos. Fernando de Holanda Barbosa Filho Bruno Ottoni Previdência Números, Simulação, Fatos e Custos Fernando de Holanda Barbosa Filho Bruno Ottoni Introdução Mudanças etárias serão abruptas e tornarão a previdência insustentável. A população entre 15 e 64

Leia mais

Envelhecimento Populacional e seus impactos sobre Previdência: A necessidade de reforma

Envelhecimento Populacional e seus impactos sobre Previdência: A necessidade de reforma Envelhecimento Populacional e seus impactos sobre Previdência: A necessidade de reforma Paulo Tafner CÂMARA FEDERAL Brasília Novembro de 2016. Previdência Social Os fatos COMECEMOS POR UMA EXCELENTE NOTÍCIA

Leia mais

Medida Provisória nº 676. Brasília, setembro de

Medida Provisória nº 676. Brasília, setembro de Medida Provisória nº 676 Brasília, setembro de 2015 1 Medida Provisória nº 676/2015 A Medida Provisória nº 676/2015 altera a Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre os Planos de Benefícios

Leia mais

Desafios da Previdência. FGV Rio de Janeiro, Março 2016

Desafios da Previdência. FGV Rio de Janeiro, Março 2016 Desafios da Previdência FGV Rio de Janeiro, Março 2016 Evolução da Razão de Dependência de Idosos 2000-2060 IBGE 45 40 35 30 25 20 15 10 5 8 Despesa RGPS como % do PIB 1995-2015 7.5 7.4 7 6.5 6.4 6.7 6.9

Leia mais

Seguridade Social: Avanço o da Cobertura, Qualidade e Financiamento

Seguridade Social: Avanço o da Cobertura, Qualidade e Financiamento MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Políticas de Previdência Social Seguridade Social: Avanço o da Cobertura, Qualidade e Financiamento BRASÍLIA, DEZEMBRO DE 2007 Avanços na Proteção

Leia mais

Evolução Recente da Concessão de Auxílio-doença pelo INSS

Evolução Recente da Concessão de Auxílio-doença pelo INSS Evolução Recente da Concessão de Auxílio-doença pelo INSS Para analisar a série histórica da última década devemos lembrar alguns fatos relevantes que impactaram fortemente a concessão de benefícios de

Leia mais

BAHIA. Previdenciária. ria PNAD BRASÍLIA, MAIO DE 2011

BAHIA. Previdenciária. ria PNAD BRASÍLIA, MAIO DE 2011 BAHIA Proteção Previdenciária ria - Perfil dos socialmente desprotegidos segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2009 - BRASÍLIA, MAIO DE 2011 1 1. Indicadores de Cobertura Social Cobertura

Leia mais

- Proteção Social - Sistema Previdenciário Brasileiro

- Proteção Social - Sistema Previdenciário Brasileiro GOVERNO DO BRASIL MPS - Ministério da Previdência Social SPS - Secretaria de Políticas de Previdência Social - Proteção Social - Sistema Previdenciário Brasileiro Outubro 2010 1 BRASIL Dados Gerais Idosos

Leia mais

DICAS DE NOVEMBRO / 2014

DICAS DE NOVEMBRO / 2014 DICAS DE NOVEMBRO / 2014 DICA 01 O segurado especial é o único segurado da previdência social que poderá ter sua inscrição feita após sua morte. DICA 02 O benefício de prestação continuada da Assistência

Leia mais

Previdência social no Brasil: fatos e propostas

Previdência social no Brasil: fatos e propostas Previdência social no Brasil: fatos e propostas Paulo Tafner São Paulo Junho de 2016. Previdência Social Os fatos Previdência Social Brasileira 2014-15 (% do PIB) Previdência Social Brasileira 2014-15

Leia mais

A Reforma da Previdência e a Economia Brasileira. Marcos de Barros Lisboa (INSPER) Paulo Tafner (IPEA)

A Reforma da Previdência e a Economia Brasileira. Marcos de Barros Lisboa (INSPER) Paulo Tafner (IPEA) A Reforma da Previdência e a Economia Brasileira Marcos de Barros Lisboa (INSPER) Paulo Tafner (IPEA) Demografia O Brasil está passando por uma rápida transição demográfica em comparação com a imensa maioria

Leia mais

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF Uma visão geral do processo de reforma da previdência Manoel Pires SPE/MF 1 Estrutura Temas em debate no Fórum da Previdência Impactos Econômicos do realinhamento da política previdenciária 2 Temas do

Leia mais

O reduzido rendimento do FGTS e suas consequências para o trabalhador brasileiro

O reduzido rendimento do FGTS e suas consequências para o trabalhador brasileiro PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 29 O reduzido rendimento

Leia mais

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF

Uma visão geral do processo de reforma da previdência. Manoel Pires SPE/MF Uma visão geral do processo de reforma da previdência Manoel Pires SPE/MF 1 Estrutura Temas em debate no Fórum da Previdência Impactos Econômicos do realinhamento da política previdenciária 2 Temas do

Leia mais

Reforma da Previdência no Brasil: privatização e favorecimento ao setor financeiro. Denise Lobato Gentil - Instituto de Economia - UFRJ

Reforma da Previdência no Brasil: privatização e favorecimento ao setor financeiro. Denise Lobato Gentil - Instituto de Economia - UFRJ Reforma da Previdência no Brasil: privatização e favorecimento ao setor financeiro Denise Lobato Gentil - Instituto de Economia - UFRJ TESE DO GOVERNO CENTRAL SOBRE O EFEITO DO AJUSTE FISCAL: O governo

Leia mais

A previdência social no Brasil: Uma visão econômica

A previdência social no Brasil: Uma visão econômica A previdência social no Brasil: 1923 2009 Uma visão econômica Darcy Francisco Carvalho dos Santos darcy@darcyfrancisco.com.br 6 de Outubro de 2009. Auditório MERCOSUL FIERGS. Porto Alegre - RS Lançamento:

Leia mais

A situação da Seguridade Social no Brasil

A situação da Seguridade Social no Brasil A situação da Seguridade Social no Brasil Audiência Pública Comissão de Seguridade Social e Família CSSF Câmara dos Deputados, 16/08/2011 Álvaro Sólon de França Presidente do Conselho Executivo da ANFIP

Leia mais

NOTA TÉCNICA O AUMENTO DOS ELEITORES VINCULADOS AO SALÁRIO MÍNIMO

NOTA TÉCNICA O AUMENTO DOS ELEITORES VINCULADOS AO SALÁRIO MÍNIMO NOTA TÉCNICA O AUMENTO DOS ELEITORES VINCULADOS AO SALÁRIO MÍNIMO Rodrigo Leandro de Moura 1 MAIO DE 2014 1940.07 1943.01 1945.07 1948.01 1950.07 1953.01 1955.07 1958.01 1960.07 1963.01 1965.07 1968.01

Leia mais

Comparações Internacionais em Finanças Públicas e Desempenhos em áreas de atuação Governamental

Comparações Internacionais em Finanças Públicas e Desempenhos em áreas de atuação Governamental PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 4 Comparações Internacionais

Leia mais

A reforma da previdência e a vida das mulheres

A reforma da previdência e a vida das mulheres A reforma da previdência e a vida das mulheres O governo Temer e seus ministros têm anunciado em alto e bom som que irão mudar as regras da seguridade social, o que pode acabar com a possibilidade de muitos

Leia mais

Reforma da Previdência

Reforma da Previdência Reforma da Previdência Henrique Meirelles Ministro da Abril, 2017. Evolução do Gasto Primário do Governo Central 2 Gasto Primário do Governo Central (% PIB) 20% 19,3% 19,7% 18% 16% 14,8% 15,9% 16,8% 17,0%

Leia mais

1. Qualidade do que é previdente. 2. Previsão do futuro; conjectura (inferir ou deduzir que algo é provável).

1. Qualidade do que é previdente. 2. Previsão do futuro; conjectura (inferir ou deduzir que algo é provável). 1. Qualidade do que é previdente. 2. Previsão do futuro; conjectura (inferir ou deduzir que algo é provável). A Previdência Social é um seguro público que tem como função garantir que as fontes de renda

Leia mais

Textos sobre reforma da previdência publicados na Gazeta de Caçapava. (Período: fevereiro a maio/2016)

Textos sobre reforma da previdência publicados na Gazeta de Caçapava. (Período: fevereiro a maio/2016) Textos sobre reforma da previdência publicados na Gazeta de Caçapava (Período: fevereiro a maio/2016) Reforma da previdência I Este é o primeiro de uma série de artigos que escreverei sobre reforma da

Leia mais

Salário Mínimo e Distribuição de Renda no Brasil Potencial e Limites

Salário Mínimo e Distribuição de Renda no Brasil Potencial e Limites Salário Mínimo e Distribuição de Renda no Brasil Potencial e Limites João Saboia Instituto de Economia - UFRJ 7 e 8 de Maio de 2014 Seminário Política de Salário Mínimo para 2015-2018 Avaliações de Impacto

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL 66 SISTEMA PREVIDENCIÁRIO DO BRASIL No Brasil, há benefícios devidos ao segurado e àqueles que dependem do segurado. Para ter direito aos benefícios, é preciso estar inscrito no INSS e manter suas contribuições

Leia mais

Uma Reforma Previdenciária Abrangente

Uma Reforma Previdenciária Abrangente Uma Reforma Previdenciária Abrangente Eqüidade x Redistribuição Se a Previdência Social for entendida como Seguro Compulsório visando garantir renda ao indivíduo ou grupo familiar quando da perda da capacidade

Leia mais

Previdência no Serviço Público. ARI LOVERA Diretor de Previdência do IPERGS

Previdência no Serviço Público. ARI LOVERA Diretor de Previdência do IPERGS Previdência no Serviço Público ARI LOVERA Diretor de Previdência do IPERGS Outubro/2016 1. Regimes Previdenciários do Brasil; 2. RPPS RS; 3. Cenários; 4. Regime de Previdência Complementar; 5. Riscos 1.

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira O IMPACTO DO REAJUSTE DO SALÁRIOMÍNIMO NO ORÇAMENTO DA UNIÃO PL 382/2011 E DEMAIS ALTERNATIVAS Fevereiro/2011 Nota Técnica n.º 01/2011

Leia mais

Reforma da Previdência: Análise da PEC Reforma da Previdência PEC 287/2016. Brasília, 21 de fevereiro de 2017

Reforma da Previdência: Análise da PEC Reforma da Previdência PEC 287/2016. Brasília, 21 de fevereiro de 2017 Reforma da Previdência: Análise da PEC Reforma da Previdência PEC 287/2016 Brasília, 21 de fevereiro de 2017 Necessidade da Reforma Forte crescimento da despesa previdenciária mesmo na fase do bônus demográfico

Leia mais

A Evolução da Aposentadoria por Invalidez

A Evolução da Aposentadoria por Invalidez 12 temas de economia aplicada A Evolução da Aposentadoria por Invalidez Rogério Nagamine Costanzi (*) O Brasil é um país marcado por ter um elevado nível de despesa previdenciária para o seu perfil demográfico:

Leia mais

Previdência Social no Brasil. Fundação Getulio Vargas

Previdência Social no Brasil. Fundação Getulio Vargas Previdência Social no Brasil Fundação Getulio Vargas Novembro 2013 1 1. Fatos estilizados 2. Um breve histórico 3. As recentes reformas da Previdência Social 4. Comparações Internacionais 5. Por que a

Leia mais

Finanças Públicas. Seguridade Social CAP. 11 GIAMBIAGI

Finanças Públicas. Seguridade Social CAP. 11 GIAMBIAGI Finanças Públicas Seguridade Social CAP. 11 GIAMBIAGI 1. INTRODUÇÃO Em qualquer modalidade, idéia principal: Suavização do consumo Durante período produtivo, trabalhadores e empresas contribuem (tributos),

Leia mais

PEC 287: A MINIMIZAÇÃO DA PREVIDÊNCIA PÚBLICA 13ª JORNADA DE DEBATES 2017

PEC 287: A MINIMIZAÇÃO DA PREVIDÊNCIA PÚBLICA 13ª JORNADA DE DEBATES 2017 PEC 287: A MINIMIZAÇÃO DA PREVIDÊNCIA PÚBLICA 13ª JORNADA DE DEBATES 2017 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Introdução: reforma ampla, profunda e prejudicial. 2. Argumentos críticos às justificativas oficiais

Leia mais

TRABALHADORES E A PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

TRABALHADORES E A PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL TRABALHADORES E A PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL ORIGENS Luta dos trabalhadores ferroviários e constituição de caixas de socorro mútuo Conquistas gradativas Lei Eloy Chaves obriga cada ferrovia a criar Caixas

Leia mais

As mudanças na PREVIDÊNCIA SOCIAL. Vilson Antonio Romero

As mudanças na PREVIDÊNCIA SOCIAL. Vilson Antonio Romero As mudanças na PREVIDÊNCIA SOCIAL Vilson Antonio Romero PROPOSTAS DE MUDANÇAS PREVIDÊNCIA SOCIAL - PEC 287/2016 - CARTILHA OFICIAL De onde vêm os recursos da Previdência Social? (1) As fontes de recursos

Leia mais

A Previdência Brasileira O que será de nós na velhice?

A Previdência Brasileira O que será de nós na velhice? O que será de nós na velhice? PET Economia Universidade de Brasília 29 de Junho de 2012 Introdução Rápidas e violentas transformações mundiais nos campos demográfico, econômico, poĺıtico institucional

Leia mais

Cenários de arrecadação do Imposto de Renda Retido na Fonte dos Rendimentos do Trabalho e Outros Rendimentos com Correção Inflacionária

Cenários de arrecadação do Imposto de Renda Retido na Fonte dos Rendimentos do Trabalho e Outros Rendimentos com Correção Inflacionária PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 23 Cenários arrecadação

Leia mais

Educação Previdenciária Conhecendo a Previdência Aula 2

Educação Previdenciária Conhecendo a Previdência Aula 2 Educação Previdenciária Conhecendo a Previdência Aula 2 2017 Pauta Previdência Social Princípios Histórico Carência Fator Previdenciário Valor dos Benefícios 2 Seguridade - Princípios Solidariedade uns

Leia mais

Relação entre Valor dos Benefícios Previdenciários e Massa Salarial e Idade Média de Aposentadoria dos Trabalhadores Urbanos por UF

Relação entre Valor dos Benefícios Previdenciários e Massa Salarial e Idade Média de Aposentadoria dos Trabalhadores Urbanos por UF 17 Relação entre Valor dos Benefícios Previdenciários e Massa Salarial e Idade Média de Aposentadoria dos Trabalhadores Urbanos por UF Rogério Nagamine Costanzi (*) Graziela Ansiliero (**) Um dos motivos

Leia mais

A FTICE e a CNTI através da 1ª Secretaria da Região Nordeste Ceará, Piauí e Maranhão, convidam os dirigentes sindicais, trabalhadoras e trabalhadores

A FTICE e a CNTI através da 1ª Secretaria da Região Nordeste Ceará, Piauí e Maranhão, convidam os dirigentes sindicais, trabalhadoras e trabalhadores A FTICE e a CNTI através da 1ª Secretaria da Região Nordeste Ceará, Piauí e Maranhão, convidam os dirigentes sindicais, trabalhadoras e trabalhadores para o debate NÃO AO DESMONTE DA PREVIDÊNCIA. O evento

Leia mais

Salário Mínimo: trajetória recente

Salário Mínimo: trajetória recente Salário Mínimo: trajetória recente Elevação do SM: conquista das Centrais Sindicais aumentos expressivos em 2005, 2006 e 2007 e política de valorização a partir de 2008 (lei em 2011) Contrariamente à visão

Leia mais

SALÁRIO DE BENEFÍCIO: ARTS. 31 A 34 DO DECRETO 3048/99 Prof. Andreson Castelucio 1. ITER PARA O CÁLCULO DO BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO 2. CONCEITO DE SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO 3. CONCEITO DE SALÁRIO DE BENEFÍCIO

Leia mais

OS VERDADEIROS MOTIVOS E CONSEQUÊNCIAS DA ATUAL PROPOSTA DE REFORMA DA PREVIDÊNCIA

OS VERDADEIROS MOTIVOS E CONSEQUÊNCIAS DA ATUAL PROPOSTA DE REFORMA DA PREVIDÊNCIA OS VERDADEIROS MOTIVOS E CONSEQUÊNCIAS DA ATUAL PROPOSTA DE REFORMA DA PREVIDÊNCIA MITO DO ROMBO DA PREVIDÊNCIA Sucessivos governos vem afirmando que existe um rombo na previdência, um déficit, que se

Leia mais

Bom dia, hoje farei breves considerações sobre a aposentadoria por idade urbana. Espero que seja útil.

Bom dia, hoje farei breves considerações sobre a aposentadoria por idade urbana. Espero que seja útil. Bom dia, hoje farei breves considerações sobre a aposentadoria por idade urbana. Espero que seja útil. Diz o art. 48, da Lei 8.213/91: Art. 48. A aposentadoria por idade será devida ao segurado que, cumprida

Leia mais

PANORAMA GERAL SOBRE OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS

PANORAMA GERAL SOBRE OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS MF - Ministério da Fazenda SPREV - Secretaria de Previdência SRPPS - Subsecretaria dos Regimes Próprios de Previdência Social PANORAMA GERAL SOBRE OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS WORKSHOP:

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA ENTE Nome: Teófilo Otoni UF: MG DADOS DO ATUÁRIO RESPONSÁVEL TÉCNICO Nome: Thiago Matheus da Costa MTE: 2178 DADOS DOS ORGÃOS/ENTIDADES CNPJ Nome Poder Tipo Competência da Base Cadastral 5.11.612/1-5 INSTITUTO

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA ENTE Nome: Guarujá UF: SP DADOS DO ATUÁRIO RESPONSÁVEL TÉCNICO Nome: Julio Machado Passos MTE: 1275 DADOS DOS ORGÃOS/ENTIDADES CNPJ Nome Poder Tipo Competência da Base Cadastral 44.959.21/1-4 PREFEITURA

Leia mais

ANEXO I - TÁBUA DE MORTALIDADE IBGE-2012 (M/F) E HUNTER/ÁLVARO VINDAS

ANEXO I - TÁBUA DE MORTALIDADE IBGE-2012 (M/F) E HUNTER/ÁLVARO VINDAS ANEXO I TÁBUA DE MORTALIDADE IBGE2012 (M/F) E HUNTER/ÁLVARO VINDAS x Masculina Feminina HUNTER AV ii ii x x 0 0.017032 0.014283 0.000000 1 0.001076 0.000880 0.000000 2 0.000702 0.000558 0.000000 3 0.000537

Leia mais

PEC 287: A minimização da Previdência Pública

PEC 287: A minimização da Previdência Pública PEC 287: A minimização da Previdência Pública Encontro Estadual dos Bancários do Maranhão 28/01/2017 Gustavo Machado Cavarzan - Técnico do Dieese na subseção SEEB-SP Introdução e Justificativas Introdução:

Leia mais

Ana Amélia Camarano (IPEA) Solange Kanso (IPEA)

Ana Amélia Camarano (IPEA) Solange Kanso (IPEA) Ana Amélia Camarano (IPEA) Solange Kanso (IPEA) Brasília, 7 de março de 2007 OBJETIVOS QUESTÕES !"#$"$#%&#!!'"()* Visão geral das tendências de crescimento da população brasileira e dos componentes deste

Leia mais

Instituto de Gestão, Economia e Políticas Públicas EPPGG 2013 Realidade Social Brasileira

Instituto de Gestão, Economia e Políticas Públicas EPPGG 2013 Realidade Social Brasileira Instituto de Gestão, Economia e Políticas Públicas EPPGG 2013 Realidade Social Brasileira DEMOGRAFIA 1. Dinâmica e estrutura demográfica do Brasil. Mudança no perfil demográfico e janela demográfica. Impactos

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA ENTE Nome: Volta Redonda UF: RJ DADOS DO ATUÁRIO RESPONSÁVEL TÉCNICO Nome: Julio Machado Passos MTE: 1275 DADOS DOS ORGÃOS/ENTIDADES CNPJ Nome Poder Tipo Competência da Base Cadastral 32.512.51/1-43 Prefeitura

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO

DIAGNÓSTICO DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO MPS - Ministério da Previdência Social SPS - Secretaria de Previdência Social DIAGNÓSTICO DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO BRASILEIRO BRASÍLIA, ATUALIZADO EM 27/02/2003 ASPECTOS CONCEITUAIS, ESTRUTURA E FATORES

Leia mais

Um golpe para reformas e as reformas do golpe. Flávio Tonelli Vaz

Um golpe para reformas e as reformas do golpe. Flávio Tonelli Vaz Um golpe para reformas e as reformas do golpe Flávio Tonelli Vaz As reformas do golpe Reforma fiscal, Ignora despesas financeiras e Congelamento das despesas primárias por 20 anos os problemas do sistema

Leia mais

Reforma da Previdência. Dezembro de 2016

Reforma da Previdência. Dezembro de 2016 Reforma da Previdência Dezembro de 2016 1 Razões para a Reforma Evolução populacional Hoje o Brasil é mais jovem que EUA e Europa; Mas projeções indicam que o país ficará mais envelhecido que os EUA e

Leia mais

Aspectos relacionados ao Regime Geral da Previdência Social

Aspectos relacionados ao Regime Geral da Previdência Social Aspectos relacionados ao Regime Geral da Previdência Social Audiência Pública da Comissão Especial PEC 287/17 Reforma da Previdência Clemente Ganz Lúcio Diretor Técnico do DIEESE clemente@dieese.org.br

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO Questões realizadas pela Fundação Carlos Chagas FCC. 1. O financiamento da Seguridade Social, incluindo a assistência social:

DIREITO PREVIDENCIÁRIO Questões realizadas pela Fundação Carlos Chagas FCC. 1. O financiamento da Seguridade Social, incluindo a assistência social: DIREITO PREVIDENCIÁRIO Questões realizadas pela Fundação Carlos Chagas FCC 1. O financiamento da Seguridade Social, incluindo a assistência social: a) é tripartite, a cargo do Poder Público, das empresas

Leia mais

OS TRABALHADORES RURAIS E REFORMA DA PREVIDÊNCIA. Jane Lucia Wilhelm Berwanger

OS TRABALHADORES RURAIS E REFORMA DA PREVIDÊNCIA. Jane Lucia Wilhelm Berwanger OS TRABALHADORES RURAIS E REFORMA DA PREVIDÊNCIA Jane Lucia Wilhelm Berwanger HISTÓRICO PREVIDÊNCIA RURAL Estatuto do Trabalhador Rural Lei n. 4.214/63 Lei Complementar 11/71 Constituição Federal Leis

Leia mais

Sendo assim, saiba quais são os tipos de aposentadoria e quais as condições que o trabalhador deve observar para cada um deles:

Sendo assim, saiba quais são os tipos de aposentadoria e quais as condições que o trabalhador deve observar para cada um deles: O trabalhador brasileiro pode ter acesso à aposentadoria de várias formas, dependendo das condições de saúde, idade, tempo em que o empregado trabalhou com carteira assinada, bem como se o cidadão trabalhou

Leia mais

Quão acuradas são as projeções financeiras e atuariais do Regime Geral da Previdência Social?

Quão acuradas são as projeções financeiras e atuariais do Regime Geral da Previdência Social? Quão acuradas são as projeções financeiras e atuariais do Regime Geral da Previdência Social? Rio de Janeiro, IBRE, 20/02/2017 Cláudio Castelo Branco Puty Faculdade de Economia - Universidade Federal do

Leia mais

Impacto do aumento do salário mínimo nas contas municipais

Impacto do aumento do salário mínimo nas contas municipais Estudos Técnicos/CNM agosto de 2017 Impacto do aumento do salário mínimo nas contas municipais O governo brasileiro apresenta, atualmente, uma política salarial ativa que aumenta o valor real do salário

Leia mais

Panorama Municipal. Município: São Luís / MA. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: São Luís / MA. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: São Luís / MA Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 1,57% ao ano, passando de 868.047 para 1.014.837

Leia mais

Abordagem Estrutural do Mercado de Capitais

Abordagem Estrutural do Mercado de Capitais Abordagem Estrutural do Mercado de Capitais Cenário: tendência de queda da taxa de juros, declínio do ren6smo de renda fixa em relação ao de renda variável, ganho de importância do mercado de capitais.

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO QUADRO 02

DIREITO PREVIDENCIÁRIO QUADRO 02 DIREITO PREVIDENCIÁRIO QUADRO 02 CONTEÚDO PRESTAÇÕES EM GERAL BENEFÍCIOS CARÊNCIA SALÁRIO DE BENEFÍCIO FATOR PREVIDENCIÁRIO RENDA MENSAL INICIAL SEGURADOS 1.aposentadoria por invalidez 2.aposentadoria

Leia mais

Instituição de Previdência Complementar para futuros servidores

Instituição de Previdência Complementar para futuros servidores Minoração do custo previdenciário Garantia do nível de renda dos servidores e seus dependentes Aumento do controle social sobre a previdência do servidor Instituição de Previdência Complementar para futuros

Leia mais

Pagamento do 13 o salário deve injetar em torno de R$ 78 bi na economia

Pagamento do 13 o salário deve injetar em torno de R$ 78 bi na economia 1 São Paulo, 11 de novembro de 2008 NOTA À IMPRENSA Pagamento do 13 o salário deve injetar em torno de R$ 78 bi na economia Até o final de 2008 devem ser injetados na economia brasileira cerca de R$ 78

Leia mais

Previdência Brasileira: cenários e perspectivas" Lindolfo Neto de Oliveira Sales Brasília, 23/03/2017

Previdência Brasileira: cenários e perspectivas Lindolfo Neto de Oliveira Sales Brasília, 23/03/2017 Previdência Brasileira: cenários e perspectivas" Lindolfo Neto de Oliveira Sales Brasília, 23/03/2017 % de Pobres 100,0% Percentual de Pobres* no Brasil, por Idade, com e sem Transferência Previdenciárias

Leia mais

Reforma da Previdência PEC 287. A Reforma é necessária?

Reforma da Previdência PEC 287. A Reforma é necessária? Reforma da Previdência PEC 287 A Reforma é necessária? Prof. Gilson Fernando 1 Saúde Seguridade Social Assistência Social Sistema Nacional garantidor de Direitos subjetivos Regimes Básicos RGPS Previdência

Leia mais

Carga Tributária Líquida

Carga Tributária Líquida Carga Tributária Líquida 19 de dezembro de 2014 Os INFORMATIVOS ECONÔMICOS da Secretaria de Política Econômica (SPE) são elaborados a partir de dados de conhecimento público, cujas fontes primárias são

Leia mais

Relatório Extraordinário. Despesas na Função Legislativo comparadas

Relatório Extraordinário. Despesas na Função Legislativo comparadas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Relatório Extraordinário Despesas na Função Legislativo comparadas

Leia mais

Carga Tributária Líquida

Carga Tributária Líquida 30 de Setembro de 2016 Os INFORMATIVOS ECONÔMICOS da Secretaria de Política Econômica (SPE) são elaborados a partir de dados de conhecimento público, cujas fontes primárias são instituições autônomas,

Leia mais

Setor Público Brasileiro

Setor Público Brasileiro PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Parceria FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 25 Evolução das

Leia mais

13 o salário deve injetar R$ 84,8 bilhões na economia

13 o salário deve injetar R$ 84,8 bilhões na economia 1 São Paulo, 10 de novembro de 2009 NOTA À IMPRENSA 13 o salário deve injetar R$ 84,8 bilhões na economia Até dezembro de 2009 devem ser injetados na economia brasileira cerca de R$ 85 bilhões em decorrência

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL 26 de fevereiro de 2016

TÓPICO ESPECIAL 26 de fevereiro de 2016 Principais características do sistema previdenciário brasileiro Thiago Neves Pereira Fernando Honorato Barbosa O aumento das despesas da previdência nos próximos anos exigirá um conjunto de ações para

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA ENTE Nome: Xangri-lá UF: RS DADOS DO ATUÁRIO RESPONSÁVEL TÉCNICO Nome: Lucília Nunes de Souza MTE: 431 DADOS DOS ORGÃOS/ENTIDADES CNPJ Nome Poder Tipo Competência da Base Cadastral 94.436.474/1-24 Município

Leia mais

ANEXO QUADRO COMPARATIVO

ANEXO QUADRO COMPARATIVO Considerações sobre os principais pontos: ANEXO QUADRO COMPARATIVO TEMA COMO É ATUALMENTE MEDIDA PROPOSTA IMPACTOS PREVISTOS / COMENTÁRIOS Penaliza os trabalhadores mais precarizados no mercado de trabalho.

Leia mais

A Reforma Previdenciária e seus impactos sociais

A Reforma Previdenciária e seus impactos sociais A Reforma Previdenciária e seus impactos sociais CNAS, 17 DE MAIO DE 2017 LUCIANA JACCOUD IPEA Estrutura da apresentação I. A GARANTIA DE RENDA A IDOSOS E PESSOAS COM DEFICIÊNCIA II. A PROPOSTA DE REFORMA

Leia mais

Cumplimiento y Aplicación de las decisiones Judiciales y su impacto en el desarrollo de los Sistemas de Seguridad Social en Iberoamérica

Cumplimiento y Aplicación de las decisiones Judiciales y su impacto en el desarrollo de los Sistemas de Seguridad Social en Iberoamérica Seminario sobre Constitucionalización de la Seguridad Social Cumplimiento y Aplicación de las decisiones Judiciales y su impacto en el desarrollo de los Sistemas de Seguridad Social en Iberoamérica Palestrante:

Leia mais

PROJEÇÕES ATUARIAIS PARA O REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RGPS

PROJEÇÕES ATUARIAIS PARA O REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RGPS Anexo IV Metas Fiscais IV.5 Projeções Atuariais para o Regime Geral de Previdência Social RGPS (Art. 4 o, 2 o, inciso IV, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) PROJEÇÕES ATUARIAIS PARA O REGIME

Leia mais

Superintendência Nacional de Previdência Complementar - Previc - DRAA

Superintendência Nacional de Previdência Complementar - Previc - DRAA Página 1 de 9 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO

Leia mais

Unidade I DIREITO SOCIAL. Prof. Ligia Vianna

Unidade I DIREITO SOCIAL. Prof. Ligia Vianna Unidade I DIREITO SOCIAL Prof. Ligia Vianna 1- Introdução Constituição Federal Direitos Sociais; ART. 6º.: São direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV. 5 Projeções Atuariais para o Regime Geral de Previdência Social - RGPS (Art. 4 o, 2 o, inciso IV, da Lei Complementar n o

Anexo IV Metas Fiscais IV. 5 Projeções Atuariais para o Regime Geral de Previdência Social - RGPS (Art. 4 o, 2 o, inciso IV, da Lei Complementar n o Anexo IV Metas Fiscais IV. 5 Projeções Atuariais para o Regime Geral de Previdência Social - RGPS (Art. 4 o, 2 o, inciso IV, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) 2 PROJEÇÕES ATUARIAIS PARA

Leia mais

S u m á r i o. Capítulo 1 Notas Introdutórias...1

S u m á r i o. Capítulo 1 Notas Introdutórias...1 S u m á r i o Capítulo 1 Notas Introdutórias...1 1. A Seguridade Social na Constituição de 1988... 1 1.1. Seguridade Social (arts. 194 a 204)... 1 1.1.1. Natureza do Direito à Seguridade Social... 1 1.1.2.

Leia mais

A Alteração do Sistema: penaliza o Trabalhador e Oculta Quem Causa o Verdadeiro Rombo

A Alteração do Sistema: penaliza o Trabalhador e Oculta Quem Causa o Verdadeiro Rombo A Alteração do Sistema: penaliza o Trabalhador e Oculta Quem Causa o Verdadeiro Rombo o Lesão ao Princípio da Solidariedade Social - pune a mulher com maiores aumentos proporcionais no tempo de contribuição

Leia mais

Esquemas de financiamento utilizados na expansão de cobertura

Esquemas de financiamento utilizados na expansão de cobertura Esquemas de financiamento utilizados na expansão de cobertura Financiamento da Previdência e da Seguridade Social no Brasil Paulo Tafner e Fabio Giambiagi Buenos Aires, maio/2010 Estrutura da Seguridade

Leia mais