UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ SANTIAGO CARVALHO LUIZ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ SANTIAGO CARVALHO LUIZ"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ SANTIAGO CARVALHO LUIZ SEGURO DPVAT: CONCEITO, REGRAS VIGENTES, DEPRECIAÇÃO LEGISLATIVA E TRANSNACIONALIDADE DAS COBERTURAS CURITIBA 2012

2 SANTIAGO CARVALHO LUIZ SEGURO DPVAT: CONCEITO, REGRAS VIGENTES, DEPRECIAÇÃO LEGISLATIVA E TRANSNACIONALIDADE DAS COBERTURAS Monografia apresentada ao Curso de Direito da Universidade Tuiuti do Paraná, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Direito. Orientador: Prof. Martim Palma. CURITIBA 2012

3 TERMO DE APROVAÇÃO SANTIAGO CARVALHO LUIZ SEGURO DPVAT: CONCEITO, REGRAS VIGENTES, DEPRECIAÇÃO LEGISLATIVA E TRANSNACIONALIDADE DAS COBERTURAS Esta monografia foi julgada e aprovada para a obtenção do título de Bacharel em Direito, e aprovada em sua forma final pela Coordenação do Curso de Direito da Faculdade de Ciências Jurídicas da Universidade Tuiuti do Paraná. Curitiba, outubro de Curso de Direito Universidade Tuiuti do Paraná Orientador: Prof. Martim Palma Universidade Tuiuti do Paraná Departamento de Direito Prof. Universidade Tuiuti do Paraná Departamento de Direito Prof. Universidade Tuiuti do Paraná Departamento de Direito

4 Agradeço a todos que, de forma direta ou indireta, auxiliaram na realização desta monografia.

5 Dedico a todos aqueles que foram vítimas do trânsito. Em especial, aos que sofreram novamente, nos trâmites do Seguro DPVAT.

6 RESUMO Este trabalho apresenta o conceito e regras atuais do Seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículos automotores de via terrestre, ou por sua carga, a pessoas transportadas ou não (Seguro DPVAT, também chamado de Seguro Obrigatório). Este estudo surgiu da necessidade de expor de forma objetiva as principais regras do Seguro DPVAT, por ser um seguro que a todos protege e cujo prêmio é pago por todas as pessoas brasileiras que possuem veículo automotor que trafegue em via terrestre. Pretende-se expor quem tem direito à indenização do Seguro DPVAT, baseado na legislação vigente e na jurisprudência. Foram feitas pesquisas na doutrina, em sites oficiais do Seguro DPVAT, da SUSEP e de Tribunais de Justiça Estaduais. A análise dos resultados permitiu concluir que se trata de um assunto bastante controverso, em que diversos pedidos de indenização que foram negados pelas seguradoras que operam o sistema (forma administrativa) foram pagos por força de decisões judiciais de segunda instância (forma judicial). Palavras-chave: Seguro DPVAT; Direito Civil; Direito a Indenização de Seguro DPVAT.

7 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 BILHETE DE SEGURO DPVAT FIGURA 2 PLACA DE AUTOMÓVEL DE UM CÔNSUL DE CARREIRA NO BRASIL.. 43 FIGURA 3 PLACA DE AUTOMÓVEL DE UM CÔNSUL HONORÁRIO NO BRASIL... 43

8 LISTA DE TABELAS TABELA 1 TABELA DE INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL TABELA 2 TABELA DE PERCENTUAL DE INDENIZAÇÃO VIGENTE PARA INVALIDEZ TOTAL TABELA 3 CONTAGEM PRESCRICIONAL NA REGRA DE TRANSIÇÃO ENTRE OS CÓDIGOS CIVIS... 57

9 LISTA DE SIGLAS AC Apelação Cível AgRg Agravo Regimental AREsp Agravo no Recurso Especial BAM Boletim de Atendimento Médico BO Boletim de Ocorrência CC Código Civil CNH Carteira Nacional de Habilitação CNSP Conselho Nacional de Seguros Privados CPC Código de Processo Civil CPF Cadastro de Pessoa Física CPMF Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira CRLV Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo CSLL Contribuição Social sobre Lucro Líquido CTB Código de Trânsito Brasileiro DAMS Despesas de Assistência Médica e Suplementares DENATRAN Departamento Nacional de Trânsito DJ Diário de Justiça DJe Diário de Justiça Eletrônico DP Delegacia de Polícia DPEM Seguro obrigatório de danos pessoais causados por embarcações ou sua carga DUT Documento Único de Transferência EUA Estados Unidos da América IML Instituto Médico Legal ITCMD Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação MERCOSUL Mercado Comum do Sul MG Estado de Minas Gerais MS Estado do Mato Grosso do Sul MT Estado do Mato Grosso OAB Ordem dos Advogados do Brasil PR Estado do Paraná REsp Recurso Especial RN Estado do Rio Grande do Norte RS Estado do Rio Grande do Sul RSTJ Revista do Supremo Tribunal de Justiça Seguro DPVAT Seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículos automotores de via terrestre, ou por sua carga, a pessoas transportadas ou não SINCOR-GO Sindicato dos Corretores e das Empresas Corretoras de Seguros, de Capitalização, de Previdência Privada e de Resseguros no Estado de Goiás STJ Supremo Tribunal de Justiça

10 SUS SUSEP TA TAPR TJDFT TJMS TJPR TJRS TJSC TJSP Sistema Único de Saúde Superintendência dos Seguros Privados Tribunal de Alçada Tribunal de Alçada do Paraná Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul Tribunal de Justiça do Paraná Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul Tribunal de Justiça de Santa Catarina Tribunal de Justiça de São Paulo

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO O Seguro DPVAT Do equivocado termo acidente de trânsito Dos elementos diferenciadores da denominação proposta Do termo incidente de trânsito Do termo sinistro de trânsito Da utilização do termo sinistro de trânsito O QUE É O SEGURO DPVAT DPVAT seguro sui generis DPVAT seguro de cunho social QUEM DEVE PAGAR O PRÊMIO DO SEGURO DPVAT PREVISÃO LEGAL DO SEGURO DPVAT Normas que regem o seguro DPVAT Vigência temporal da cobertura do Seguro DPVAT COBERTURAS DO SEGURO DPVAT Valores de indenização do Seguro DPVAT DAMS Despesas de Assistência Médica e Suplementares Invalidez permanente total ou parcial Tabela do percentual de invalidez Quanto vale uma sequela? Morte A questão da morte do nascituro em sinistro de trânsito ABRANGÊNCIA TERRITORIAL E TRANSNACIONALIDADE Brasileiros no exterior com veículos brasileiros Brasileiros no exterior com veículos estrangeiros Sinistros de trânsito transnacionais dentro do Brasil Brasileiros com veículos estrangeiros Brasileiros com veículos estrangeiro e brasileiro Estrangeiros com veículo estrangeiro Estrangeiros com veículo brasileiro Estrangeiros com veículos estrangeiro e brasileiro... 51

12 2.7 A DEFINIÇÃO DO PRAZO PRESCRICIONAL DO SEGURO DPVAT A Prescrição do Seguro DPVAT à luz do Código Civil de A INADIMPLÊNCIA DO PRÊMIO DO SEGURO DPVAT DOCUMENTOS PARA A INDENIZAÇÃO DO SEGURO DPVAT Documentos relacionados à vítima Documentos relacionados ao sinistro de trânsito Documentos relacionados ao tipo de cobertura Documentos relacionados ao DAMS Documentos relacionados à invalidez permanente Documentos relacionados ao óbito Documentos dos beneficiários Documentos exigidos pelas seguradoras consorciadas Documentos exigidos pela Justiça Brasileira A SÚMULA 14 DO TJRS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXOS ANEXO 1 SEGURADORAS CONSORCIADAS ANEXO 2 E-SIC CONSULTA PROTOCOLO ANEXO 3 E-SIC CONSULTA PROTOCOLO ANEXO 4 TABELA PRESCRIÇÃO SEGURO DPVAT ANEXO 5 DECLARAÇÃO DE RESIDÊNCIA ANEXO 6 AUTORIZAÇÃO DE PAGAMENTO ANEXO 7 CIRCULAR SUSEP ANEXO 8 DOCUMENTOS DAMS ANEXO 9 DOCUMENTOS INVALIDEZ ANEXO 10 DOCUMENTOS MORTE BENEFICIÁRIOS ANEXO 11 DOCUMENTOS MORTE BENEFICIÁRIOS ANEXO 12 DOCUMENTOS MORTE BENEFICIÁRIOS ANEXO 13 DOCUMENTOS MORTE BENEFICIÁRIOS ANEXO 14 DOCUMENTOS MORTE BENEFICIÁRIOS ANEXO 15 DOCUMENTOS MORTE BENEFICIÁRIOS ANEXO 16 DOCUMENTOS MORTE BENEFICIÁRIOS

13 ANEXO 17 DOCUMENTOS MORTE BENEFICIÁRIOS ANEXO 18 DOCUMENTOS MORTE BENEFICIÁRIOS ANEXO 19 MEGADATA

14 14 1 INTRODUÇÃO Após a Segunda Guerra Mundial a Europa Ocidental estava arrasada pelas lutas em seu próprio solo, e precisava retomar o crescimento. Os Estados Unidos da América (EUA) também precisavam de uma economia forte para fazer frente à União Soviética, pois esses dois países tornaram-se as superpotências mundiais pósguerra, fortemente militarizados e com ideologias político-econômicas antagônicas (JUNIOR, 2006). Uma economia aquecida implicaria num país rico, militarmente poderoso, capaz de garantir a própria soberania e de fazer valer seus interesses. Contudo, havia uma crise de desigualdade socioeconômica nos países capitalistas, com uma massa trabalhadora empobrecida. Os Direitos Sociais, objeto de lutas de classe desde a Revolução Industrial (SARLET, 2007, p. 56), tiveram grande impulso no período pós-guerra, juntamente com os Direitos Humanos. Foi criada em 1945 a Organização das Nações Unidas (ONU), sendo que esta adotou em 1948 a Declaração Universal dos Direitos Humanos e em 1966 o Pacto Internacional sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais (GONÇALVES, 2009). Implantados sob a justificativa de serem fundados no princípio da solidariedade humana e com a finalidade de melhorar as condições de vida dos hipossuficientes, esses reconhecimentos dos direitos sociais também tiveram o intuito de impulsionar a economia dos países capitalistas ocidentais. Para tanto, foram implantados através de ações estatais notadamente derivadas da Doutrina Truman e do Plano Marshal 1, pois a recuperação da economia era essencial para a contenção do socialismo (JUNIOR, 2006). São o núcleo dessas medidas os Direitos Trabalhistas e os Direitos de Seguridade Social (Previdência Social e Assistência Social). Também fazem parte as políticas de saúde e de educação. Ou seja, os direitos de cunho social foram criados e adotados pelos países capitalistas industrializados para alavancar as próprias economias, deter o avanço do comunismo e acalmar os marxistas, assim como a população das classes 1 A expressão Doutrina Truman designa um conjunto de práticas do governo dos EUA, criadas em 1947 e adotadas mundialmente, com objetivo de conter o avanço do socialismo soviético. Buscava, principalmente, fazer alianças com outros países para isolar a União Soviética. O Plano Marshal foi um aprofundamento da Doutrina Truman, recebeu o nome oficial de Programa de Recuperação Europeia e consistiu em auxiliar economicamente os países europeus afetados pelas duas Guerras Mundiais, visando recuperar mercados para os produtos e capitais norte-americanos.

15 15 sociais mais pobres, que lutavam por igualdade social e melhor distribuição de renda. Quanto ao Brasil, a trajetória político-econômica de nosso país foi completamente diferente. Quando foi descoberto, no início do século XVI, nosso país teve sua política dominada por Portugal, que ostentava a condição de colonizador. O Brasil não tinha política própria, sujeitando-se às regras da Coroa Portuguesa. Assim permaneceu até meados do início do século XIX, quando já se podia observar enorme influência da política britânica em nosso país. O Reino Unido 2, em plena revolução industrial, necessitava de um mercado para escoar sua produção fabril, pois estava isolada economicamente do restante da Europa por Napoleão. Portugal, já em claro declínio quanto ao seu status de potência mundial, era então aliada dos britânicos. A transferência da corte portuguesa ao Brasil em 1808 (fugindo da ocupação napoleônica) foi feita sob a escolta da marinha inglesa. Uma das consequências dessa relação entre Portugal e Reino Unido foi a abertura dos portos brasileiros às nações amigas em Em 1810, houve a concessão de tarifas especiais de comércio entre o Brasil e o Reino Unido (HISTÓRIAMAIS, 2008). Nas lutas da guerra da independência do Brasil, travadas de 1822 a 1824, o Reino Unido não participou oficialmente, mas enviou quantidade significativa de militares mercenários (BATISTA, 2010). Também reconheceu a independência do Brasil muito antes de Portugal, o que somente foi aceito pela Coroa Lusitana após uma diplomática intermediação britânica, que resultou numa indenização de dois milhões de libras esterlinas em favor de Portugal. Em contrapartida, foram concedidas inúmeras vantagens comerciais no Brasil para a Inglaterra, com a abertura de país a investimentos ingleses (entenda-se exploração das riquezas naturais) e a importação de produtos industrializados britânicos (como lã, tecidos, calçados, ferragens, ferramentas, peixe salgado, vidros, tintas, caixões funerários e até mesmo patins para gelo, entre outros) a taxas abaixo das praticadas para as outras nações. Isso acarretou o predomínio de produtos industrializados de origem inglesa no Brasil do século XIX. Também inviabilizou a instalação, à época, de indústrias nacionais, que não conseguiam competir com o baixo preço dos produtos ingleses (LIMA, 1945, p. 38). Posteriormente outras nações influenciaram a política brasileira, notadamente os EUA após o início do século XX, com a exploração os 2 O Reino Unido é um país insular soberano, localizado na Europa e formado desde 1707 pela união política de quatro nações: Escócia, Inglaterra, Irlanda do Norte e País de Gales.

16 16 recursos naturais brasileiros e a instalação de fábricas (denominadas multinacionais ) que visavam aproveitar a mão de obra barata e o mercado consumidor nacional (VIZENTINI, 1999, p. 134). Desta forma, desde sua invasão pelos povos europeus, o Brasil sempre foi fortemente influenciado pela política estrangeira. Um país pobre não possui mercado consumidor, logo, não atende aos interesses dos países mais ricos. Então, sob a máscara de direitos de cunho social, os países ricos obrigaram e continuam obrigando os governos dos países em desenvolvimento a adotarem políticas de cunho social, visando criar condições propícias à expansão do mercado. Nesse ínterim, em meados da década de 60 foi implantado no Brasil o seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículos automotores de via terrestre, ou por sua carga, a pessoas transportadas ou não Seguro DPVAT (AMORÍN, 2011, p. 12), objeto de estudo desta monografia. Contudo, algumas questões ainda precisam ser abordadas nesta introdução, como a falta de acesso ao Poder Judiciário por uma enorme parcela da população brasileira. A metodologia a ser empregada nesta monografia envolverá a realização de pesquisas relativas aos procedimentos administrativos e judiciais de pedidos de indenização do Seguro DPVAT, com consultas à doutrina, legislação e jurisprudências. Serão analisadas as modificações que a Lei do DPVAT sofreu, assim como as modificações introduzidas pela vigência do novo Código Civil (CC). Os assuntos a serem abordados serão: o que é o Seguro DPVAT, a legislação vigente e a depreciação histórica dos valores pagos aos beneficiários, as hipóteses de aplicabilidade do seguro (coberturas), vigência territorial, como funciona a prescrição para o Seguro DPVAT, questões relativas à inadimplência dos proprietários de veículos quanto o pagamento o Seguro DPVAT e qual a documentação necessária para solicitar a indenização.

17 17 2 DESENVOLVIMENTO 2.1 O Seguro 3 DPVAT O Seguro DPVAT tem cunho eminentemente social, é pago por todos os brasileiros proprietários de veículos automotores terrestres e dá direito a indenização e a ressarcimento das despesas médico-hospitalares em casos de danos físicos pessoais causados por veículos ou sua carga Do equivocado termo acidente de trânsito Preliminarmente, há que se considerar que a expressão acidente de trânsito faz parte da linguagem corrente no Brasil, consagrada pelo povo e utilizada até mesmo em textos legais. Trata-se uma expressão genérica, que tem por significado a ocorrência de um evento desastroso, casual ou não, envolvendo veículos, ou veículos e pessoas, com danos pessoais e/ou materiais, que vão desde os pequeníssimos (como um leve choque entre veículos, sem consequência alguma para os ocupantes) até os desastres de grandes proporções, com a destruição dos veículos e a morte de uma ou mais pessoas. Mas trata-se de uma expressão falaciosa, cuja utilização induz as pessoas a erro. A falha da expressão reside na palavra acidente. Segundo o Dicionário Aurélio, por acidente entende-se: 1. Acontecimento casual, fortuito, imprevisto: Cristo e Rousseau são os dous acidentes mais extraordinários na história do espírito humano. (Graça Aranha, A Estética da Vida, p. 193.) 2. Acontecimento infeliz, casual ou não, e de que resulta ferimento, dano, estrago, prejuízo, avaria, ruína, etc.; desastre: Acidentes de trânsito ocorrem frequentemente. Logo, pela primeira descrição, entende-se que acidente é um evento danoso que ocorre casualmente, sendo totalmente imprevisível e inevitável. Não há interferência humana, não havendo, portanto, culpados. A segunda descrição do Dicionário Aurélio já prevê a possibilidade de ser algo não casual, em que existe culpa humana. Contudo, pela força da primeira descrição, a palavra acidente remete subliminarmente a algo fortuito e inevitável, ou seja, obra do acaso, o que gera 3 Seguro é um serviço que uma pessoa contrata com uma seguradora, com o objetivo de proteger algum bem, mediante o recebimento de uma indenização caso ocorra algum dano ao bem segurado.

18 18 presunção de ninguém deu causa ao evento danoso. Desta forma, por acidente entende-se um fato lamentável, mas sem qualquer culpa humana. Tanto que é comum pessoas utilizarem a expressão foi um acidente quando querem se eximir da culpa por algo. Quando há veículos envolvidos num evento danoso não há que se falar em casualidade. Sempre haverá um culpado, ainda que de difícil identificação. Isso se deve a alguns fatores: a) todo veículo tem um proprietário, que tem a responsabilidade de zelar por este, mantendo-o em boas condições mecânicas para que não seja um risco para o condutor e demais pessoas; b) veículos automotores terrestres somente se movimentam por condução humana; c) as condições das vias de tráfego são de responsabilidade de alguém. Logo, sempre que houver um evento danoso envolvendo veículos ou veículos e pessoas, haverá obrigatoriamente alguma falha humana, o que afasta a casualidade e a ideia de acidente. A responsabilidade pelo cuidado geral com todos existe mesmo que ninguém esteja presente no momento do evento danoso causado pelo veículo. Podemos tomar como exemplo um caminhão que, estacionado numa descida, perde os freios, sem a presença de ninguém em seu interior, e causa vários prejuízos. É clara a falha mecânica, e, independente de ter sido motivada por falha de projeto ou por omissão de manutenção, trata-se de uma falha humana. Desta forma, é incorreto utilizar a expressão acidente de trânsito, porque ela transmite a ideia de tratar-se de um acontecimento em que não houve culpa humana, induzindo, assim, a isenção de responsabilidade. Sempre que ocorrer um evento danoso envolvendo veículos ou veículos e pessoas, uma ou mais pessoas deram causa a este evento, seja de forma intencional, por ação ou omissão, ou por não atentarem para o dever geral de cautela. Nos eventos danosos causados por influência da natureza, como os devidos pela formação de gelo na pista, acúmulo de neve ou presença de lama, desbarrancamento de encostas, queda de árvores ou animais selvagens atravessando a via de tráfego, a culpa sempre deve recair sobre o responsável pela manutenção das condições de trafegabilidade e segurança da via. Tanto é que, no Brasil, há a inversão do ônus da prova nesses casos, onde cabe à pessoa jurídica responsável pela administração e manutenção da via terrestre provar que tomou todas as medidas possíveis para minimizar os riscos e prevenir a ocorrência de eventos danosos aos usuários. Por outro lado, independente dessa previsão legal de

19 19 responsabilidade objetiva, o condutor do veículo também tem sua parcela de culpa quando ocorre um evento danoso. Cabe ao motorista considerar a observar as condições ambientais e da via. Ao antever situações adversas, deve conduzir o veículo com atenção redobrada e em menor a velocidade. Mesmo que inevitável, uma colisão causada por fenômenos naturais é menos danosa se o veículo estiver em velocidade mais baixa. De qualquer forma, ocorrências causadas por fenômenos naturais podem chegar ao limiar da previsibilidade, como no caso de uma árvore que, atingida por um raio que anteceda uma tempestade comum, caia sobre um veículo em movimento. Esse poderia ser considerado um evento danoso de trânsito sem nenhuma culpa humana, ou seja, um acidente. Logo, o termo acidente seria mais adequado aos eventos envolvendo veículos que sofram ou provoquem danos em virtude de alguma força irresistível e não prevista da natureza, como um desabamento de encosta, uma árvore que tombe fulminada por um raio ou pela força dos ventos, a onda de um tsunami, um terremoto, um ciclone que surja abruptamente, ou coisas do gênero que tenham ocorrido de forma totalmente imprevista. Contudo, cabe a questão: seria um acidente de trânsito? Parece mais lógico que não, uma vez que o causador não foi o condutor ou um terceiro, mas sim fenômenos naturais. Portanto, a expressão acidente de trânsito deve ser revista, por ser um eufemismo, mascarando a realidade de que uma ou mais pessoas tem culpa quando ocorre um evento danoso envolvendo veículos. Essa expressão induz, subjetiva e subliminarmente, à ideia de que essas ocorrências seriam fatalidades, que teriam ocorrido por um desatino do destino, um infortúnio alheio aos comportamentos humanos. Na prática, a realidade revela-se bem mais dura que esse abrandamento pretendido pela expressão, mas não pode ser ignorada: se veículos, ou veículos e pessoas, sofrem prejuízos no trânsito, alguém foi o causador do evento. Mas, então, como denominar esses eventos? Dos elementos diferenciadores da denominação proposta Considero que a denominação para esses eventos deveria ser específica para ocorrências danosas envolvendo veículos terrestres automotores, e que deveria trazer em seu bojo uma informação essencial: se houve ou não danos físicos aos envolvidos.

20 Do termo incidente de trânsito Para os eventos que implicassem somente em danos materiais, sem absolutamente nenhum tipo de prejuízo à integridade física de pessoas, proponho o termo incidente de trânsito. Observe-se que o termo incidente não traz em seu âmago os aspectos de fatalidade e casualidade que viciam a expressão acidente de trânsito. Também não importa a monta do prejuízo, basta que ninguém seja ferido para que a ocorrência danosa envolvendo veículos seja assim denominada Do termo sinistro de trânsito Para eventos que envolvessem danos físicos a uma ou mais pessoas, desde os mais tênues ou de difícil classificação como os danos psíquicos ou pequenas escoriações até eventos que resultassem em óbito, independente de haver ou não prejuízos materiais, proponho o termo sinistro de trânsito. Desta forma, haveria uma distinção de nomenclatura entre os tipos de eventos danosos no trânsito, definindo a integridade física das pessoas como o critério mais importante e como fator diferenciador Da utilização do termo sinistro de trânsito Nesta monografia será utilizado o termo sinistro de trânsito para denominar as ocorrências envolvendo veículos terrestres, ou sua carga, que causem danos à integridade física de uma ou mais pessoas. Pelo verbete sinistro, segundo o Dicionário Aurélio, entende-se: Adjetivo. 1. Esquerdo (1). 2. Que é de mau agouro; fúnebre, funesto: Eis a estrada poeirenta e sinistra da morte! (Marcelo Gama, Via-Sacra, p. 136.) 3.De má índole; mau. 4.Que infunde receio; ameaçador, temível. Substantivo masculino. 5.Desastre, ruína. 6.Grande prejuízo material; dano. 7.Ocorrência de prejuízo ou dano (incêndio, acidente, naufrágio, etc.) em algum bem sobre o qual se fez seguro. Desta forma, por significar algo prejudicial, mas sem insinuar fatalidade, imprevisibilidade ou ausência de culpa, o termo proposto faz-se mais adequado. Ademais, o termo sinistro já é utilizado pelas seguradoras brasileiras, de forma

21 21 genérica, para denominar uma ocorrência danosa sobre algum bem sobre o qual exista seguro. Também o é pelas seguradoras do Consórcio DPVAT para denominar os procedimentos administrativos passíveis de indenização pelo Seguro DPVAT, gerando assim um número de sinistro para o procedimento administrativo. 2.2 O QUE É O SEGURO DPVAT Seguro DPVAT é o seguro que indeniza pessoas que tenham sofrido um sinistro de trânsito. Também é chamado de Seguro Obrigatório. Sua nomenclatura completa Seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículos automotores de via terrestre, ou por sua carga, a pessoas transportadas ou não está na denominação da Lei que o regula, Lei 6.194, de 19 de dezembro de 1974, conforme se pode observar no site oficial do governo brasileiro, na parte de legislação 4. O Seguro DPVAT foi criado com o intuito de amparar as vítimas e familiares dos envolvidos em sinistros de trânsito. Possui abrangência nacional, e não leva em consideração quem causou o sinistro de trânsito. Cobre exclusivamente danos pessoais físicos. Logo, não dá direito a indenização a nenhum tipo de dano material, tais como incêndios, colisões, furtos, roubos ou outros prejuízos materiais que envolvam veículos terrestres automotores (DENATRAN, 2007). Para ter direito a receber a indenização, faz-se necessário que os danos físicos tenham sido causados por um veículo que tenha motor próprio, e que circule pelas vias terrestres, ou seja, por terra ou por asfalto. Logo, não são indenizáveis pelo Seguro DPVAT pessoas vitimadas por barcos, aviões, bicicletas ou trens, inclusive os de transporte de pessoas, como o metrô (DENATRAN, 2007). Os usuários de trens de transporte que sofram prejuízos físicos quando da utilização destes não têm cobertura do Seguro DPVAT. Para os trens, há a previsão legal que estes devem ter um seguro de responsabilidade civil, cabendo assim uma forma de indenização a estas vítimas. Sinistros de trânsito causados pelas cargas dos veículos terrestres são cobertos pelo Seguro DPVAT. Incluindo-se os passageiros do veículo, pois num sinistro de trânsito um passageiro pode arremessado para fora, atingindo um 4 Endereço eletrônico: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6194.htm>.

22 22 terceiro, cabendo a ambos a indenização. Os reboques são considerados como carga, dando direito à indenização. A culpa de quem causou o sinistro de trânsito não é relevante para o Seguro DPVAT. Mesmo a vítima que tenha dado causa ao acidente tem direito a indenização. Para este seguro, o que importa é a existência de lesões físicas decorrentes de sinistro de trânsito, independente de quem o causou. Mesmo um suicida que se atire na frente de um caminhão, com o claro intuito de provocar a própria morte, gera direito à indenização. Não é obrigatória a identificação do veículo envolvido. Infelizmente, não são raras as situações em que o motorista evade-se do local sem que seja identificado. Nesses casos, a indenização é paga da mesma forma, ou seja, independe da identificação do veículo envolvido (DENATRAN, 2007). A contratação do seguro é obrigatória a todos os proprietários de veículos licenciados no Brasil. Apesar de existirem outros seguros obrigatórios no ordenamento jurídico brasileiro, previstos no art. 20 do Decreto-Lei 73/66, esta obrigatoriedade é uma exceção à regra dos seguros, pois de uma forma geral as pessoas tem a liberdade em contratar ou não algum serviço de seguro. No caso do Seguro DPVAT, tanto a contratação do serviço (com o respectivo pagamento do prêmio 5 ) quanto o pagamento são obrigatórios por lei, e quem não o faz fica impossibilitado de licenciar o veículo 6. A indenização do Seguro DPVAT é paga às vítimas por um consórcio de seguradoras, que, para efeitos desta monografia, serão denominadas de seguradoras consorciadas, seguradoras operadoras do sistema ou apenas de seguradoras. Dentre elas, destaca-se a Seguradora Líder dos Consórcios do Seguro DPVAT S/A, ou simplesmente Seguradora Líder. Trata-se de uma companhia de capital nacional, que representa administrativa e judicialmente as seguradoras consorciadas nas operações de Seguro DPVAT. Foi criada através da Portaria nº 2.797/07 da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), especificamente para tratar dos assuntos do Seguro DPVAT. Atualmente as seguradoras consorciadas são sessenta e nove, conforme informação disponível no 5 No jargão das atividades seguradoras, prêmio é o valor pago para contratar um seguro. 6 Licenciamento de veículos é o procedimento administrativo que regulariza a situação jurídica dos veículos registrados no território brasileiro. É feito pelos órgãos de trânsito dos Poderes Executivos Estaduais Brasileiros, mediante pagamento de taxa anual. Veículos que não estejam licenciados podem ser apreendidos e o proprietário fica sujeito a pagar multa, além de perder pontos na carteira de habilitação por infração gravíssima (ig POUPACLIC).

23 23 site oficial do Seguro DPVAT, mantido pela Seguradora Líder 7, e no Anexo 1 desta monografia (SEGURADORA LÍDER, 2012). O pagamento da indenização do Seguro DPVAT pode ser obtido de duas formas: Administrativamente, solicitado pelas próprias vítimas, beneficiários ou terceiros interessados, através do site oficial do Seguro DPVAT, no endereço eletrônico <http://www.dpvatseguro.com.br/> ou em escritório credenciados e mantidos para esse fim, pela própria Seguradora Líder, sem qualquer custo para o solicitante; ou Judicialmente, cobrado pela vítima, beneficiários ou terceiro interessado, através da Justiça Brasileira, sendo obrigatória a contratação de um advogado. Quando o pagamento administrativo é negado pelas seguradoras consorciadas, ou quando é feito com valores menores que os considerados cabíveis, cabem recursos administrativos. Mas há casos em que as seguradoras consorciadas mantêm a postura inicialmente adotada. Resta, portanto, a via judicial para pleitear o pagamento da indenização ou do valor controverso DPVAT Seguro sui generis O que torna o DPVAT um seguro sui generis é o fato de que todos os brasileiros são segurados, mas quem paga os valores de seguro são somente os proprietários de veículos terrestres automotores, operando como que uma estipulação em favor de terceiro 8 (SANTOS, 2006, p. 561). Mesmo as pessoas físicas que nunca foram proprietárias de um veículo (e que logicamente jamais pagaram o DPVAT) estão seguradas. Os segurados são, portanto, pessoas físicas indeterminadas, que somente são conhecidas após o sinistro de trânsito que gere o direito à indenização (CAVALIERI FILHO, 2003, p. 153). Isso difere totalmente da regra geral dos seguros, onde a premissa básica é que somente quem contrata o seguro, e obviamente paga o prêmio, está por este protegido, na qualidade de segurado. Outro seguro brasileiro em que o segurado não contratou o serviço, mas 7 Endereço eletrônico <http://www.seguradoralider.com.br/seguradoras_consorciadas.asp>. 8 Estipulação em favor de terceiro é um instituto de Direito Civil, caracterizado por ser um acordo de vontades pelo qual uma das partes se compromete a cumprir uma obrigação em favor de alguém que não participa do ato negocial (NADER, Paulo, 2005, p. 94).

LEI Nº 6.194, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1974. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 6.194, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1974. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 6.194, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1974 Dispõe sobre Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por veículos automotores de via terrestre, ou por sua carga, a pessoas transportadas ou não. O PRESIDENTE

Leia mais

CLÁUSULA ADICIONAL DE INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE

CLÁUSULA ADICIONAL DE INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE CLÁUSULA ADICIONAL DE INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE 1. COBERTURA ADICIONAL DE INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL (IPA): 1.1. É a garantia do pagamento de uma indenização referente

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.194, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1974. Dispõe sobre Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por veículos automotores de via

Leia mais

O QUE É DPVAT? VALORES DE INDENIZAÇÃO

O QUE É DPVAT? VALORES DE INDENIZAÇÃO DPVAT O QUE É DPVAT? Toda a facilidade para vítimas, beneficiários, corretores de seguro e hospitais no atendimento aos processos de indenização do Seguro Obrigatório. O Seguro DPVAT foi criado com o objetivo

Leia mais

INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE

INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE 1. OBJETIVO DA COBERTURA O objetivo desta cobertura é garantir o pagamento de uma indenização ao segurado, em caso de sua invalidez permanente total ou

Leia mais

Condições Gerais de Acidentes Pessoais de Passageiros

Condições Gerais de Acidentes Pessoais de Passageiros Condições Gerais de Acidentes Pessoais de Passageiros 1) OBJETIVO Este seguro garante o pagamento de uma indenização ao segurado ou aos seus beneficiários, caso aquele venha a sofrer um acidente pessoal,

Leia mais

Lei nº 6.194/74 - Quadro comparativo

Lei nº 6.194/74 - Quadro comparativo Lei nº 6.194/74 - Quadro comparativo Apresentamos abaixo um quadro comparando a redação original da Lei nº 6.194/74 (com as modificações da Lei nº 8.441/92) e a situação atual resultante das alterações

Leia mais

SEGURO COMPREENSIVO DE VIAGEM CONDIÇÕES ESPECIAIS

SEGURO COMPREENSIVO DE VIAGEM CONDIÇÕES ESPECIAIS SEGURO COMPREENSIVO DE VIAGEM CONDIÇÕES ESPECIAIS 1 CONDIÇÃO ESPECIAL DA COBERTURA BÁSICA MORTE ACIDENTAL TRANSPORTE PÚBLICO 1. OBJETIVO 1.1. O objetivo desta Condição Especial é o de incluir a cobertura

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012 ANEXO

CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012 ANEXO Fl. 2 da CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012. CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012 ANEXO INSTRUÇÕES COMPLEMENTARES PARA A OPERAÇÃO DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE DANOS PESSOAIS CAUSADOS

Leia mais

2 ÂMBITO TERRITORIAL O presente seguro abrange os acidentes ocorridos em qualquer parte do globo terrestre.

2 ÂMBITO TERRITORIAL O presente seguro abrange os acidentes ocorridos em qualquer parte do globo terrestre. 1 OBJETIVO 1.1 O presente seguro tem por objetivo garantir o pagamento de uma importância, limitado ao valor do Capital Segurado contratado, ao Segurado ou a seu(s) beneficiário(s), decorrente de eventos

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL. Condições Especiais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL. Condições Especiais SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL Condições Especiais Processo SUSEP 10.005473/99-33 0 ÍNDICE CLÁUSULA ADICIONAL DE INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE IPA 1. Objetivo do Seguro 2.

Leia mais

PROCEDIMENTOS DO SEGURADO EM CASO DE SINISTRO

PROCEDIMENTOS DO SEGURADO EM CASO DE SINISTRO PROCEDIMENTOS DO SEGURADO EM CASO DE SINISTRO 46 1. COLISÃO DO VEÍCULO SEGURADO Em caso de colisão, o Segurado deve atentar para as seguintes orientações: REGISTRO DE OCORRÊNCIA POLICIAL Para sua segurança

Leia mais

Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco Registro do Produto na SUSEP: 15414.002914/2006-14 Cobertura de Invalidez Permanente por Acidente

Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco Registro do Produto na SUSEP: 15414.002914/2006-14 Cobertura de Invalidez Permanente por Acidente Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco Registro do Produto na SUSEP: 15414.002914/06-14 Cobertura de Invalidez Permanente por Acidente Cláusulas Complementares CAPÍTULO I - OBJETIVO DA COBERTURA Cláusula

Leia mais

CARTILHA DPVAT. Todo proprietário de veículo é obrigado a pagar anualmente o seguro obrigatório, sob pena de não licenciar o veículo junto ao DETRAN.

CARTILHA DPVAT. Todo proprietário de veículo é obrigado a pagar anualmente o seguro obrigatório, sob pena de não licenciar o veículo junto ao DETRAN. CARTILHA DPVAT - Apresentação Esta cartilha nasceu da constatação dos Promotores de Justiça, que atuam nas Varas de Delitos de Trânsito e nos Juizados Especiais Criminais, de que grande parte das vítimas

Leia mais

DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS

DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS MANUAL DRHU/SAP SEGURO DE VIDA E ACIDENTES PESSOAIS (SERVIDORES DA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA) SEGURO DE VIDA E ACIDENTES PESSOAIS Empresa Seguradora: CAPEMISA (contrato firmado entre a

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 373, de 27 de agosto de 2008.

CIRCULAR SUSEP N o 373, de 27 de agosto de 2008. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 373, de 27 de agosto de 2008. Altera e consolida as instruções complementares para a operação do Seguro Obrigatório de Danos

Leia mais

Relato de Casos: Comissão Técnica Riscos Pessoais

Relato de Casos: Comissão Técnica Riscos Pessoais Relato de Casos: Comissão Técnica Riscos Pessoais Convidado para Diretor Sem Fronteiras Dr. Lodi Maurino Sodré Comissão indicou para os Grupos de Trabalhos e demais Comissões. A questão está na aplicação

Leia mais

4. É possível receber mais de uma indenização em decorrência de um mesmo acidente em coberturas diferentes?

4. É possível receber mais de uma indenização em decorrência de um mesmo acidente em coberturas diferentes? www.blabus.com.br DICAS Seguro DPEM. O que é DPEM? O seguro DPEM foi instituído pela Lei nº 8.74, de 0//9, que em seu artigo º alterou a alínea "l" do artigo 0 do Decreto lei nº 7, de //66. Tem por finalidade

Leia mais

SEGURO VIDA EM GRUPO

SEGURO VIDA EM GRUPO SEGURO VIDA EM GRUPO CONDIÇÕES ESPECIAIS PARA A GARANTIA ADICIONAL DE INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE 1 - INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE ( IPA ): É a garantia do

Leia mais

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo 1 WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO Palestrante Vera Cataldo Seguro DPVAT Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre ou por sua carga, a pessoas transportadas

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ADITIVO B GARANTIA RESPONSABILIDADE DO EXPLORADOR E TRANSPORTADOR AÉREO - R.E.T.A.

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ADITIVO B GARANTIA RESPONSABILIDADE DO EXPLORADOR E TRANSPORTADOR AÉREO - R.E.T.A. CONDIÇÕES ESPECIAIS - ADITIVO B GARANTIA RESPONSABILIDADE DO EXPLORADOR E TRANSPORTADOR AÉREO - R.E.T.A. 1. Objeto do Seguro 1.1 - Responsabilidade do explorador ou transportador aéreo 1.1.1- Respeitados

Leia mais

ACIDENTES PESSOAIS COM PASSAGEIROS E/OU ACIDENTES PESSOAIS COM TRIPULANTES DO VEÍCULO SEGURADO

ACIDENTES PESSOAIS COM PASSAGEIROS E/OU ACIDENTES PESSOAIS COM TRIPULANTES DO VEÍCULO SEGURADO ACIDENTES PESSOAIS COM PASSAGEIROS E/OU ACIDENTES PESSOAIS COM TRIPULANTES DO VEÍCULO SEGURADO AS COBERTURAS ADICIONAIS ACIDENTES PESSOAIS COM PASSAGEIROS E/OU ACIDENTES PESSOAIS COM TRIPULANTES NÃO PODERÃO

Leia mais

Projeto Seguro DPVAT

Projeto Seguro DPVAT SEGURO DPVAT Projeto Seguro DPVAT Contribuindo com a Responsabilidade Social, o Sincor-Go através das Unidades de Atendimento oferece a população goiana atendimento gratuito no processo do DPVAT, serviço

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 109, DE 2004.

RESOLUÇÃO CNSP N o 109, DE 2004. RESOLUÇÃO CNSP N o 109, DE 2004. Altera e consolida as Normas Disciplinadoras do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre, ou por sua Carga, a Pessoas Transportadas

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP n.º XXX, de DD de MMM de 2016.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP n.º XXX, de DD de MMM de 2016. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP n.º XXX, de DD de MMM de 2016. Aprovar as regras para a operação do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Embarcações

Leia mais

SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP

SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP Circular nº 266 de 25.08.2004 Dispõe sobre instruções complementares para a operação do seguro obrigatório de danos pessoais causados por

Leia mais

IMPORTANTE RESSALTAR QUE NO PERÍODO ENTRE A PUBLICAÇÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 451/2008 E A PUBLICAÇÃO DA LEI Nº 11.

IMPORTANTE RESSALTAR QUE NO PERÍODO ENTRE A PUBLICAÇÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 451/2008 E A PUBLICAÇÃO DA LEI Nº 11. 1 2 LEIA COM ATENÇÃO 1. O Seguro DPVAT, na modalidade coberta pelo Convênio DPVAT, entrou em vigor em 29 de abril de 1986, para cobrir acidentes provocados por automóveis, taxis, caminhões, camionetas,

Leia mais

Faz Aki Seguros Corretora de Seguros Manual para Sinistro em Seguros de Vida e Acidentes Pessoais

Faz Aki Seguros Corretora de Seguros Manual para Sinistro em Seguros de Vida e Acidentes Pessoais Faz Aki Seguros Corretora de Seguros Manual para Sinistro em Seguros de Vida e Acidentes Pessoais CONCEITO DE ACIDENTE PESSOAL: "Para fins de seguro, Acidente Pessoal é o evento exclusivo e diretamente

Leia mais

CERTIFICADO RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DA APÓLICE DE SEGURO

CERTIFICADO RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DA APÓLICE DE SEGURO DIVERSAS TOTAL CERTIFICADO RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DA APÓLICE DE SEGURO Seguradora: QBE Brasil Seguros S.A. Apolice nº 07.69.0000003 Estipulante: Brazilian Assist Representações e Turismo Ltda. 1.

Leia mais

DECISÃO MONOCRÁTICA CONTRATO DE SEGURO DE VIDA E INVALIDEZ PERMANENTE EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SEGURADO COM LESÃO NEUROLÓGICA QUE

DECISÃO MONOCRÁTICA CONTRATO DE SEGURO DE VIDA E INVALIDEZ PERMANENTE EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SEGURADO COM LESÃO NEUROLÓGICA QUE DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO N.º 0402603-95.2008.8.19.0001 APELANTE: SULAMÉRICA SEGUROS DE VIDA E PREVIDENCIA APELADO: FRANCISCO DE SOUZA COELHO JUNIOR RELATOR: DES. LINDOLPHO MORAIS MARINHO DECISÃO

Leia mais

ACIDENTES PESSOAIS BENEFÍCIO BÁSICO DE ACIDENTES PESSOAIS; AP 616 - ACIDENTES PESSOAIS; AP 616 - ACIDENTES PESSOAIS (COMBO)

ACIDENTES PESSOAIS BENEFÍCIO BÁSICO DE ACIDENTES PESSOAIS; AP 616 - ACIDENTES PESSOAIS; AP 616 - ACIDENTES PESSOAIS (COMBO) ACIDENTES PESSOAIS BENEFÍCIO BÁSICO DE ACIDENTES PESSOAIS; AP 616 - ACIDENTES PESSOAIS; AP 616 - ACIDENTES PESSOAIS (COMBO) (PROC. SUSEP Nº 15414.004510/2012-11) da Capemisa Seguradora de Vida e Previdência

Leia mais

substituição ao Des. José Di Lorenzo Serpa.

substituição ao Des. José Di Lorenzo Serpa. ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa APELAÇÃO CÍVEL N. 040.2008.000891-1/001. Relator: Marcos William de Oliveira, Juiz Convocado em substituição ao Des. José Di

Leia mais

QUINTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 45610/2012 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL

QUINTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 45610/2012 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL APELANTE: BRADESCO AUTO RE COMPANHIA DE SEGUROS APELADO: HAMILTON DE CARVALHOFERREIRA Número do Protocolo: 45610/2012 Data de Julgamento: 19-9-2012 E M E N T A SEGURO OBRIGATÓRIO (DPVAT) - LEI N. 11.482/07

Leia mais

SEGURO DPEM PERGUNTAS E RESPOSTAS - SEGURO DPEM:

SEGURO DPEM PERGUNTAS E RESPOSTAS - SEGURO DPEM: SEGURO DPEM PERGUNTAS E RESPOSTAS - SEGURO DPEM: I - O que é DPEM? II - O que cobre e o que não cobre o Seguro DPEM? III - Quanto vou receber se for vítima de acidente coberto pelo seguro? IV - É possível

Leia mais

PROCEDIMENTOS E DOCUMENTAÇÃO EM CASO DE SINISTRO. b) Providenciar especificação detalhada de todos os prejuízos sofridos, além da comprovação

PROCEDIMENTOS E DOCUMENTAÇÃO EM CASO DE SINISTRO. b) Providenciar especificação detalhada de todos os prejuízos sofridos, além da comprovação PROCEDIMENTOS E DOCUMENTAÇÃO EM CASO DE SINISTRO 1. PROCEDIMENTO DO SEGURADO 1.1. SINISTRO DE INCÊNDIO E EXPLOSÃO Em caso de Incêndio e/ou Explosão, o Segurado deve atentar para as seguintes orientações:

Leia mais

MANUAL DO SEGURADO Seguro de Acidentes Pessoais

MANUAL DO SEGURADO Seguro de Acidentes Pessoais MANUAL DO SEGURADO Seguro de Acidentes Pessoais 1. Definições 1.1 Estipulante É a pessoa jurídica representada pelo Banco Itaucard S.A. cadastrado sob o CNPJ nº 17.192.451/0001-70, que por conta do Segurado,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 128, DE 2005.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 128, DE 2005. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 128, DE 2005. Aprova as Normas Disciplinadoras e os Elementos Mínimos que, obrigatoriamente, devem constar do bilhete do Seguro

Leia mais

Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco

Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco Registro do Produto na SUSEP: 15414.002658/2011-22 Cobertura de Invalidez Permanente por Categoria de Acidente Cláusulas Complementares CAPÍTULO I - OBJETIVO DA COBERTURA

Leia mais

CAPÍTULO I DO SEGURO DPVAT

CAPÍTULO I DO SEGURO DPVAT MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP n.º XXXX, de 2015. Dispõe sobre os danos pessoais cobertos, indenizações, regulação dos sinistros, prêmio e administração dos

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP Nº 56, DE 2001.

RESOLUÇÃO CNSP Nº 56, DE 2001. RESOLUÇÃO CNSP Nº 56, DE 2001. Aprova as Normas Disciplinadoras do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres, ou por sua carga, a pessoas transportadas ou

Leia mais

Saiba mais sobre o Seguro Escoteiro

Saiba mais sobre o Seguro Escoteiro Definição do Seguro: Este seguro garante ao Beneficiário, o pagamento do capital segurado ou reembolso das despesas médicas, hospitalares e/ou odontológicas, exceto se o evento caracterizar-se como um

Leia mais

a. Danos materiais (roubo, colisão ou incêndio de veículos); b. Acidentes ocorridos fora do território nacional;

a. Danos materiais (roubo, colisão ou incêndio de veículos); b. Acidentes ocorridos fora do território nacional; O que é DPVAT? É o Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (DPVAT), criado pela Lei n 6.194/74 com a finalidade de amparar as vítimas de acidentes de trânsito

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto DECISÃO MONOCRÁTICA APELAÇÃO CÍVEL N. 001.2010.019169-9/001 CAMPINA GRANDE RELATOR : Des. José Ricardo

Leia mais

www.blabus.com.br DICAS Seguro DPVAT

www.blabus.com.br DICAS Seguro DPVAT www.blabus.com.br DICAS Seguro DPVAT 1. O que é DPVAT? É o Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres, ou por sua Carga, a Pessoas Transportadas ou Não (Seguro

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 100.321 - MT (2011/0227285-6) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADO AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRO RAUL ARAÚJO : JOSÉ VALMIR BARBOSA DE ALMEIDA : WILSON MOLINA PORTO : TOKIO MARINE BRASIL

Leia mais

DIÁRIA POR INCAPACIDADE TEMPORÁRIA DECORRENTE DE ACIDENTE

DIÁRIA POR INCAPACIDADE TEMPORÁRIA DECORRENTE DE ACIDENTE DIÁRIA POR INCAPACIDADE TEMPORÁRIA DECORRENTE DE ACIDENTE 1. OBJETIVO DA COBERTURA O objetivo desta cobertura é garantir o pagamento de uma indenização diária ao segurado, durante o período em que se verificar

Leia mais

SEGURO DPVAT LISTA DE SEGURADORAS QUE FAZEM PARTE DOS CONSÓRCIOS DO SEGURO DPVAT

SEGURO DPVAT LISTA DE SEGURADORAS QUE FAZEM PARTE DOS CONSÓRCIOS DO SEGURO DPVAT SEGURO DPVAT LISTA DE SEGURADORAS QUE FAZEM PARTE DOS CONSÓRCIOS DO SEGURO DPVAT PERGUNTAS E RESPOSTAS - SEGURO DPVAT: I - O que é DPVAT? II - O que cobre e o que não cobre o Seguro DPVAT? III - Quais

Leia mais

HDI SEGUROS S/A CONDIÇÕES GERAIS SEGURO HDI CARTA VERDE

HDI SEGUROS S/A CONDIÇÕES GERAIS SEGURO HDI CARTA VERDE HDI SEGUROS S/A CONDIÇÕES GERAIS SEGURO HDI CARTA VERDE Processo SUSEP Principal nº 15414.000861/2006-05 Sumário CONDIÇÕES GERAIS PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO PROPRIETÁRIO E/OU CONDUTOR DE

Leia mais

CONDIÇÕES PARTICULARES SEGURO DE PESSOAS PLANO DE SEGURO PROTEÇÃO PESSOAL PREMIADA I ACE SEGURADORA S.A. CNPJ: : 03.502.

CONDIÇÕES PARTICULARES SEGURO DE PESSOAS PLANO DE SEGURO PROTEÇÃO PESSOAL PREMIADA I ACE SEGURADORA S.A. CNPJ: : 03.502. CONDIÇÕES PARTICULARES SEGURO DE PESSOAS PLANO DE SEGURO PROTEÇÃO PESSOAL PREMIADA I ACE SEGURADORA S.A. CNPJ: : 03.502.099/0001-18 18 Processo Susep: 10.002766-00 00-19 Apólice: 10.82 82.82.000 82.000933

Leia mais

APÓLICE DE ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO ESCOLAR CONTRATO SUBCONTRATO APÓLICE 3304026 11724 1.82.5534598

APÓLICE DE ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO ESCOLAR CONTRATO SUBCONTRATO APÓLICE 3304026 11724 1.82.5534598 APÓLICE DE ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO ESCOLAR CONTRATO SUBCONTRATO APÓLICE 3304026 11724 1.82.5534598 Ramo Produto Data de Emissão No.Processo SUSEP 82 177 19/01/12 15.414.100810/04-11 Início de Vigência

Leia mais

SEGURADORA LÍDER DOS CONSÓRCIOS DO SEGURO DPVAT S.A

SEGURADORA LÍDER DOS CONSÓRCIOS DO SEGURO DPVAT S.A REF.: Memorial Informativo sobre o Seguro DPVAT SEGURADORA LÍDER DOS CONSÓRCIOS DO SEGURO DPVAT S.A., sociedade anônima de direito privado, CNPJ 09.248.608/0001-04, com sede na Rua Senador Dantas n. 74,

Leia mais

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro viagem. A Superintendência de Seguros Privados - SUSEP, no uso da atribuição

Leia mais

Nº DO SINISTRO CAMPO PREENCHIDO PELA SEGURADORA

Nº DO SINISTRO CAMPO PREENCHIDO PELA SEGURADORA AUTORIZAÇÃO DE PAGAMENTO DE INDENIZAÇÃO DO SEGURO DPVAT Nº DO SINISTRO CAMPO PREENCHIDO PELA SEGURADORA Este formulário deve ser preenchido exclusivamente com dados do beneficiário da indenização do Seguro

Leia mais

Condições Especiais. Cobertura de Invalidez Permanente Total ou Parcial por Acidente. Processo SUSEP nº. 10.002766/00-19

Condições Especiais. Cobertura de Invalidez Permanente Total ou Parcial por Acidente. Processo SUSEP nº. 10.002766/00-19 Condições Especiais Cobertura de Invalidez Permanente Total ou Parcial por Acidente Processo SUSEP nº. 10.002766/00-19 19 1. Objetivo do Seguro Esta Condição Especial integra as Condições Gerais do Plano

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.3- Seguros

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.3- Seguros Conhecimentos Bancários Item 2.3.3- Seguros Conhecimentos Bancários Item 2.3.3- Seguros Insegurança nas atividades cotidianas SEGURO Necessidade de controlar o RISCO! Conhecimentos Bancários Item 2.3.3-

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.346.468 - MT (2010/0153850-4) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADO AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : TOKIO MARINE BRASIL SEGURADORA S/A : RENATO C CORRÊA DA SILVA

Leia mais

Harmonia Corretora de Seguros Manual para Sinistro em Seguros de Vida e Acidentes Pessoais

Harmonia Corretora de Seguros Manual para Sinistro em Seguros de Vida e Acidentes Pessoais Harmonia Corretora de Seguros Manual para Sinistro em Seguros de Vida e Acidentes Pessoais CONCEITO DE ACIDENTE PESSOAL: "Para fins de seguro, Acidente Pessoal é o evento exclusivo e diretamente externo,

Leia mais

REGULAMENTOS DAS COBERTURAS OPCIONAIS PREVCAR AUTO

REGULAMENTOS DAS COBERTURAS OPCIONAIS PREVCAR AUTO REGULAMENTOS DAS COBERTURAS OPCIONAIS PREVCAR AUTO RESPONSABILIDADE CIVIL FACULTATIVA ESTA COBERTURA NÃO PODERÁ SER CONTRATADA ISOLADAMENTE FICANDO CONDICIONADA À COBERTURA DO EQUIPAMENTO ATIVO CADASTRADO

Leia mais

SEGURO PRESTAMISTA IPTA - CARTÃO DE CRÉDITO. Condições Especiais

SEGURO PRESTAMISTA IPTA - CARTÃO DE CRÉDITO. Condições Especiais SEGURO PRESTAMISTA IPTA - CARTÃO DE CRÉDITO Condições Especiais Processo SUSEP 15414. 004450/2009-23 Companhia de Seguros Aliança do Brasil - CNPJ 28.196.889/0001-43 Central de Atendimento aos Clientes:

Leia mais

SEGURO CARTA VERDE CONDIÇÕES GERAIS. HDI Seguros S/A.

SEGURO CARTA VERDE CONDIÇÕES GERAIS. HDI Seguros S/A. SEGURO CARTA VERDE CONDIÇÕES GERAIS HDI Seguros S/A. CONDIÇÕES GERAIS PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO PROPIETÁRIO E/OU CONDUTOR DE VEÍCULOS TERRESTRES (AUTOMÓVEL DE PASSEIO PARTICULAR OU DE

Leia mais

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente Bem Total Versão Jun./11

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente Bem Total Versão Jun./11 2 BEM TOTAL MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. Parabéns, você acaba de adquirir um produto garantido pela CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência que protege a sua família, caso algum imprevisto

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Art.1º Dispor sobre as regras e os critérios para operação do seguro Viagem.

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Art.1º Dispor sobre as regras e os critérios para operação do seguro Viagem. MINUTA DE RESOLUÇÃO A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso XI, do Decreto nº 60.459, de 13 de março de l967, e considerando o inteiro teor

Leia mais

FROTA DE VEÍCULOS DO IFRS CAMPUS PORTO ALEGRE

FROTA DE VEÍCULOS DO IFRS CAMPUS PORTO ALEGRE 11/03/2012 FROTA DE VEÍCULOS DO IFRS CAMPUS PORTO ALEGRE Veículos / Modelo Ano Placas GM MERIVA JOY 2007/2008 IOK2202 NISSAN SENTRA FLEX 2009 IRS4402 GM ZAFIRA ELEGANCE 2010 / 2011 IRS3302 MARCOPOLO Modelo

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 273, de 2012.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 273, de 2012. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 273, de 2012. Altera e consolida as normas do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI PARANÁ VALDIRENE APARECIDA DOS PASSOS SEGURO DPVAT MENSURAÇÃO DO SOFRIMENTO HUMANO

UNIVERSIDADE TUIUTI PARANÁ VALDIRENE APARECIDA DOS PASSOS SEGURO DPVAT MENSURAÇÃO DO SOFRIMENTO HUMANO UNIVERSIDADE TUIUTI PARANÁ VALDIRENE APARECIDA DOS PASSOS SEGURO DPVAT MENSURAÇÃO DO SOFRIMENTO HUMANO CURITIBA 2013 VALDIRENE APARECIDA DOS PASSOS SEGURO DPVAT MENSURAÇÃO DO SOFRIMENTO HUMANO Monografia

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CIDADÃO DPVAT

MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CIDADÃO DPVAT MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CIDADÃO DPVAT Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre, ou por sua carga, a pessoas transportadas ou não. CENTROS INTEGRADOS / CAOP do Consumidor

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETIVO: o presente projeto visa a contratação de seguro para os veículos, especificados no Anexo a este termo: Relação e Dados dos Veículos para Contratação do Seguro,

Leia mais

11 de fevereiro de 2010. DESEPE Nº 2010.02.1010/CE

11 de fevereiro de 2010. DESEPE Nº 2010.02.1010/CE 11 de fevereiro de 2010. DESEPE Nº 2010.02.1010/CE CONDIÇÕES PARTICULARES DO SEGURO DE VIDA EM GRUPO E ACIDENTES PESSOAIS CONVEÇÃO COLETIVA DO SINDICATO DOS CONCESSIONÁRIOS E DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O CLUBE CORREIO DO POVO DE VANTAGENS SEGURO DE VIDA

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O CLUBE CORREIO DO POVO DE VANTAGENS SEGURO DE VIDA FAQ Atualizado em 16/10/2014-1 PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O CLUBE CORREIO DO POVO DE VANTAGENS O que é o Clube Correio do Povo de Vantagens? O Correio do Povo volta a proporcionar aos seus assinantes,

Leia mais

LEI 4594 de 1964 - Seguros - Regulamentação da Profissão de Corretor

LEI 4594 de 1964 - Seguros - Regulamentação da Profissão de Corretor LEI 4594 de 1964 - Seguros - Regulamentação da Profissão de Corretor LEI Nº 4.594, DE 29 DEZEMBRO DE 1964 (DOU 05.01.1965) Regula a Profissão de Corretor de Seguros. Nota: Ver Resolução SUSEP nº 81, de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA BENEFÍCIO FISCAL ELETRÔNICO PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIS FREQUENTES

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA BENEFÍCIO FISCAL ELETRÔNICO PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIS FREQUENTES GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA BENEFÍCIO FISCAL ELETRÔNICO PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIS FREQUENTES 1 1. Quais os benefícios fiscais direcionados às pessoas com deficiência? R.

Leia mais

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS MINUTA DE RESOLUÇÃO QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS Remetente: Signatário: RESOLUÇÃO PROPOSTA SUGESTÃO DE ALTERAÇÃO JUSTIFICATIVA OU COMENTÁRIO A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS

Leia mais

SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA. Resoluções CNSP de fevereiro de 2013. 1. Resolução CNSP nº. 276, de 30 de janeiro de 2013

SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA. Resoluções CNSP de fevereiro de 2013. 1. Resolução CNSP nº. 276, de 30 de janeiro de 2013 SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA 08/03/2013 Resoluções CNSP de fevereiro de 2013 1. Resolução CNSP nº. 276, de 30 de janeiro de 2013 A Resolução CNSP nº. 276, publicada em 18 de fevereiro de 2013 no Diário

Leia mais

Nova Lista de Verificação Seguro de Auto Versão 01 (julho/2012)

Nova Lista de Verificação Seguro de Auto Versão 01 (julho/2012) LISTA DE VERIFICAÇÃO CIRCULARES SUSEP N os 256 e 269/04 E OUTROS NORMATIVOS DESCRIÇÃO ATENÇÃO: No preenchimento da Lista de Verificação, para os itens informativos, a coluna Fls. deverá ser marcada com

Leia mais

Condições Gerais dos Serviços de Assistência 24 Horas ÔNIBUS

Condições Gerais dos Serviços de Assistência 24 Horas ÔNIBUS Condições Gerais dos Serviços de Assistência 24 Horas ÔNIBUS ÍNDICE - CONDIÇÕES GERAIS DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA 24 HORAS - ÔNIBUS Glossário de Termos Técnicos... 3 Cláusula 1 Limite Territorial... 3

Leia mais

COBERTURA DE DESPESAS MÉDICAS, HOSPITALARES E ODONTOLÓGICAS

COBERTURA DE DESPESAS MÉDICAS, HOSPITALARES E ODONTOLÓGICAS Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco Registro do Produto na SUSEP: 15414.002658/2011-22 COBERTURA DE DESPESAS MÉDICAS, HOSPITALARES E ODONTOLÓGICAS CAPÍTULO I - OBJETIVO DA COBERTURA Cláusulas Complementares

Leia mais

Abaixo é possível consultar termos sobre seguro de automóveis. As descrições abaixo são meramente explicativas.

Abaixo é possível consultar termos sobre seguro de automóveis. As descrições abaixo são meramente explicativas. Abaixo é possível consultar termos sobre seguro de automóveis. As descrições abaixo são meramente explicativas. Acessórios: são considerados acessórios os equipamentos originais de fábrica ou não: rádios

Leia mais

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. 2 Definição Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. Partes Seguradora - Sociedade de seguros garantidora,

Leia mais

Amigos, Atenciosamente,

Amigos, Atenciosamente, Amigos, A MSCB Advogados Associados, é o braço jurídico da Zênite Assessoria e Consultoria Ltda., que há mais de 20 anos presta serviços às empresas que atuam na área de transporte de cargas e logística,

Leia mais

ASSISTÊNCIA SERVIÇOS EXECUTIVOS

ASSISTÊNCIA SERVIÇOS EXECUTIVOS ASSISTÊNCIA SERVIÇOS EXECUTIVOS O objeto da assistência serviços executivos é facilitar a vida do Segurado, em caso de mal súbito, doença ou acidente, com serviços domésticos provisórios, ambulância, Motorista

Leia mais

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. GUIA DE SEGURO GARANTIA PARA CONSULTA FENSEG QUEM SÃO AS PARTES Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Leia mais

MANUAL DO PLANO ASSOCIADO

MANUAL DO PLANO ASSOCIADO MANUAL DO PLANO ASSOCIADO Capítulo I Do Objetivo Art. 1º - O Plano de Proteção Veicular (PPV) tem o objetivo de proporcionar aos associados, pelo sistema mutualista de rateio, a reparação dos danos acontecidos

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO:

PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO: PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO: 1.1 A destinação deste plano de benefício é disponibilizar, ora contratado, diárias de veículo econômico com ar para as pessoas físicas ou jurídicas

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMERGENCIAL PARA CRUZEIROS MARÍTIMOS ROYAL CARIBBEAN BRASIL

ASSISTÊNCIA EMERGENCIAL PARA CRUZEIROS MARÍTIMOS ROYAL CARIBBEAN BRASIL ASSISTÊNCIA EMERGENCIAL PARA CRUZEIROS MARÍTIMOS ROYAL CARIBBEAN BRASIL é a melhor maneira de você e sua família se prevenirem de imprevistos que podem ocorrer durante a viagem. A assistência emergencial

Leia mais

Seguro de Acidentes Pessoais Coletivo para Eventos Resumo das Condições Contratuais

Seguro de Acidentes Pessoais Coletivo para Eventos Resumo das Condições Contratuais Seguro de Acidentes Pessoais Coletivo para Eventos Resumo das Condições Contratuais Fica determinado que as condições específicas, estabelecidas na Proposta de Contratação e nessas Condições Contratuais,

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 31, DE 2004. RELATÓRIO PRÉVIO (reformulado)

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 31, DE 2004. RELATÓRIO PRÉVIO (reformulado) PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº 31, DE 2004. RELATÓRIO PRÉVIO (reformulado) Propõe que a Comissão de Finanças e Tributação realize ato de fiscalização e controle, por meio de órgão competente, acerca

Leia mais

SEGURO VIDA PREMIADA ITAÚ ITAÚ SEGUROS S/A PROCESSO SUSEP 10.004800.99-11

SEGURO VIDA PREMIADA ITAÚ ITAÚ SEGUROS S/A PROCESSO SUSEP 10.004800.99-11 SEGURO VIDA PREMIADA ITAÚ ITAÚ SEGUROS S/A PROCESSO SUSEP 10.004800.99-11 CONDIÇÕES GERAIS SEGURO DE VIDA EM GRUPO ITAÚ 1. OBJETIVO DO SEGURO Este seguro tem por objetivo garantir o pagamento de um capital

Leia mais

RAMO RESPONSABILIDADE CIVIL GERAL CONDIÇÕES ESPECIAIS RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL MÉDICO SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS

RAMO RESPONSABILIDADE CIVIL GERAL CONDIÇÕES ESPECIAIS RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL MÉDICO SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS RAMO RESPONSABILIDADE CIVIL GERAL CONDIÇÕES ESPECIAIS RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL MÉDICO SEGURO COLECTIVO DA ORDEM DOS MÉDICOS ART 1 o OBJECTO DO SEGURO Pela presente Condição Especial fica garantida,

Leia mais

PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA CÍVEL

PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA CÍVEL Poder Judiciário da Ufiilo TJDFT TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL EDOS TERRITÓRIOS SEGUNDA PROVA ESCRITA DISCURSIVA CADERNO DE RELATÓRIO E DOCUMENTOS REFERENTES À PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA CÍVEL

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

FIQUE MAIS TRANQUILO! AGORA O SEGURO DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA CEMIG É YASUDA MARÍTIMA.

FIQUE MAIS TRANQUILO! AGORA O SEGURO DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA CEMIG É YASUDA MARÍTIMA. FIQUE MAIS TRANQUILO! AGORA O SEGURO DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA CEMIG É YASUDA MARÍTIMA. 1 Índice Clique nos tópicos abaixo para navegar pelo documento. 1 - Informações Gerais...4 Apresentação Prezado

Leia mais

Gestão de Riscos. Glossário de seguros

Gestão de Riscos. Glossário de seguros Gestão de Riscos Glossário de seguros A ADESÃO - Termo utilizado para definir características do contrato de seguro; contrato de adesão; ato ou efeito de aderir. ADITIVO - Termo utilizado para definir

Leia mais

LAUDO MÉDICO PERICIAL.

LAUDO MÉDICO PERICIAL. 1 LAUDO MÉDICO PERICIAL. Preâmbulo. Ao primeiro dia do mês de outubro do ano de 2008, o Perito Dr. OSCAR LUIZ DE LIMA E CIRNE NETO, designado pelo MM Juiz de Direito da 18ª Vara Cível da Comarca de São

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 154, DE 2006.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 154, DE 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 154, DE 2006. Altera e consolida as Normas Disciplinadoras do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais