Boletim Aon. Nesta edição. Agenda. 30 Março. 01 Abril. 10 Abril. 15 Abril. 27 Abril

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletim Aon. Nesta edição. Agenda. 30 Março. 01 Abril. 10 Abril. 15 Abril. 27 Abril"

Transcrição

1 Aon Risk Solutions Boletim Aon Ano 3 nº 5 Março 2015 Nesta edição Conheça as curiosidades do seguro de transportes Demanda por seguro de riscos ambientais deve aumentar 100% em 2015 Companhias do Paraná e Santa Catarina investem em política de gerenciamento de riscos Como o racionamento de energia e a falta de água podem impactar o mercado de seguros Melhor gestão de riscos aumenta assertividade de balanços financeiros e projeção de resultados das empresas GRIP: tecnologia em prol do cliente Aon Client Promise Agenda 30 Março Aon Night Rio de Janeiro 10 Abril Café da Manhã Seguro Garantia Judicial Trench, Rossi e Watanabe Porto Alegre 01 Abril Café da Manhã Crise Hídrica São Paulo O ano de 2015 começa com enormes desafios para o Brasil. A previsão de crescimento econômico baixo, a iminente crise energética e hídrica, o ambiente político repleto de incertezas, além da queda dos preços das commodities, fazem com que os desafios da indústria de seguros sejam amplificados. Primeiramente, vale registrar dois pontos de destaque desse mercado em 2014: o crescimento por volta de 11% e o contínuo interesse de grandes empresas globais no mercado brasileiro, com alguns investimentos importantes realizados ao final do ano, e que demonstram a pujança da indústria de seguros brasileira. Certamente, as empresas estabelecidas no País, tanto de capital nacional como estrangeiro, continuarão esperando do mercado de seguros o apoio necessário para a condução de seus negócios nesse ambiente desafiador. Neste momento, a Aon se posiciona de forma consistente, pois possui equipes que podem mostrar diferenciais importantes em três dimensões: analítica, técnica e mercadológica. A analítica parte de suas equipes comerciais e de atendimento, que usam de sua larga experiência para oferecer soluções customizadas, assim como podem se basear em poderosas ferramentas de benchmark de mercado. Vale ressaltar que ainda há o apoio de uma equipe dedicada à gestão e análise de riscos. No quesito técnica, as equipes de especialistas, juntamente com as de atendimento, oferecerão soluções específicas e desenhos de coberturas que atendam às demandas para melhor proteger as operações das empresas. Por fim, a mercadológica se diferencia graças às equipes que se dedicam à negociação com os mercados seguradores, contando com o suporte de plataformas tecnológicas. Além disso, a vantagem de estar diariamente no mercado, colocando bilhões em prêmios de seguro, amplia nossa margem competitiva. Conte com a Aon. Isso é Empower Results! 15 Abril Café da Manhã Seguro Garantia Judicial Belo Horizonte 27 Abril Aon Night Belo Horizonte Marcelo Homburger Vice-Presidente Executivo & Chief Broking Officer Aon Risk Solutions Brasil Risk. Reinsurance. Human Resources.

2 Transportes Conheça as curiosidades do seguro de transportes O segmento logístico é muito dinâmico e se altera conforme as necessidades dos clientes. As transações do setor envolvem diversos países e, para realizar as operações a contento, são necessários profissionais devidamente qualificados para subscrever condições de seguro de riscos complexos. Outro ponto é adequar as coberturas de acordo com o risco de transporte, evitando, assim, possíveis gaps nas apólices. Apresentamos a seguir as principais causas de dúvidas recentes e curiosidades envolvendo o setor: Limite máximo de garantia das apólices de seguro de transportes nacionais e internacionais As apólices possuem definição de limite máximo de garantia em que o cliente pode transportar suas cargas seguradas em uma mesma viagem. Esse limite leva em consideração a somatória de todas as verbas seguradas na apólice. Caso o cliente transporte mercadoria com limite superior ao estabelecido em sua apólice sem a anuência de sua companhia seguradora, ele passa a participar do risco em caso de perda total ou, a participar proporcionalmente dos prejuízos em caso de perdas parciais. Dependendo do perfil do risco, pode haver seguradoras que não reconhecem a cobertura mesmo até o limite definido na apólice. Vantagens de implementar uma apólice no sistema ajustável As condições de seguro de transportes do embarcador permitem que as seguradoras comercializem apólices no formato ajustável. A companhia cobra o prêmio de seguro com base nos valores previstos de transporte realizado pelos clientes anualmente, fazendo o ajuste no final de vigência entre o valor efetivamente transportado e o previsto. Tal sistemática possibilita que os clientes obtenham taxa de risco mais atrativa, redução do trabalho operacional e maior controle no provisionamento do pagamento de seguro. DDR: cenário atual Em 2014, o tema foi muito debatido. A Aon foi a única empresa do segmento a realizar um grande fórum sobre o assunto, interagindo com clientes e diversos profissionais renomados no mercado. No cenário atual, o mercado segurador ainda caminha com muita dificuldade para operacionalizar essa nova prática da DDR quando, dentro do programa de seguro de transporte do embarcador, negocia-se para seu transportador rodoviário a contratação do seguro obrigatório de RCTR-C. Vale ressaltar que a DDR não abrange as coberturas dos seguros obrigatórios. Com isso, o mercado enfrenta dificuldade, porque as empresas de modo geral não estavam com suas estruturas preparadas para absorver a grande demanda. Os transportadores rodoviários também foram afetados, porque precisam gerenciar as apólices de RCTR-C contratadas ou negociadas por seus clientes e, dependendo do tamanho de sua carteira, haverá vários sistemas para a realização do averbamento das cargas antes do início do risco e/ou diariamente. Ricardo Guirao Diretor de Transportes Boletim Aon Aon Risk Solutions Março

3 Responsabilidade Civil Demanda por seguro de riscos ambientais deve aumentar 100% em 2015 Movimentando anualmente cerca de R$ 28,5 milhões, o seguro ambiental deve dobrar o volume de prêmios em Isso se deve ao fato de as empresas estarem mais conscientes e a fiscalização cada vez mais rigorosa desde que a Política Nacional de Resíduos Sólidos entrou em vigor. Por isso, a contratação do seguro no Brasil, principalmente por indústrias, transportadoras e empresas que realizam obras com potencial poluidor, está em crescente evolução. Um dos principais objetivos desse seguro é proteger o meio ambiente de riscos decorrentes de Poluição Súbita ou Gradual, além de garantir o pagamento de indenizações a terceiros. Basicamente as coberturas são: Limpeza do Local do Segurado e Fora do Local Segurado (Clean-Up); Custos de Remediação, Investigação e Monitoramento; Danos Corporais e Materiais; Danos Decorrentes do Transporte; Corresponsabilidade Relacionada aos Locais de Descarte de Resíduos; Custos de Representação Legal. É importante ressaltar que a cláusula de Poluição Súbita, que é usualmente comercializada nas apólices de Responsabilidade Civil, não concede cobertura aos recursos naturais, somente danos a terceiros (pessoas físicas e/ou jurídicas), com limite de 72 horas. No entanto, o seguro ambiental ainda não é obrigatório no Brasil. O órgão licenciador pode exigir a contratação de apólice, mas, dessa forma, continua sendo uma ferramenta de gestão ambiental e de gerenciamento de áreas contaminadas além de um instrumento de minimização de riscos, prevenção de perdas e continuidade dos negócios. Como pontos de alerta e indicativos dessa evolução constante na legislação ambiental brasileira, podemos citar: Grande parte das licitações, principalmente em relação às concessões de rodovias, já exige a contratação do seguro ambiental, um dos motivos que podem impulsionar o seguro. O passivo ambiental tornou-se um quesito elementar nas negociações de empresa (compra e venda). A responsabilidade dos novos proprietários pelos efeitos nocivos ao meio ambiente é provocada pelo processo operacional da empresa ou pela forma como os resíduos poluentes foram tratados. A própria Política Nacional de Resíduos Sólidos, de 2010, que acabou com os lixões e criou a logística reversa, coloca o produto no radar das empresas ao sugerir o seguro ambiental como uma ferramenta facultativa dos órgãos ambientais no licenciamento de empreendimentos que manipulem com resíduos perigosos. Em São Paulo, a Lei Estadual de Áreas Contaminadas (13.577/13) define o seguro ambiental como instrumento de proteção da qualidade do solo para gerenciar áreas contaminadas e obriga a contratação da apólice em situações que envolvam a descontaminação por sistemas de contenção. Há um forte movimento na área portuária pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) por conta da Resolução de 2011, que exige a apresentação de uma apólice de seguro ambiental das prestadoras de serviços de retirada de resíduos das embarcações. A fiscalização mais rigorosa da Política Nacional de Resíduos Sólidos, que instituiu a responsabilidade compartilhada dos geradores de resíduos, propiciou que indústrias e empresas que realizam obras com potencial poluidor passassem a contratar mais o produto. A legislação tem motivado as empresas a buscar uma proteção e muitos acionistas e investidores estão se preocupando com a contratação do seguro ambiental. Bruno Amorim Diretor de Responsabilidade Civil Boletim Aon Aon Risk Solutions Março

4 Unidades Regionais Companhias do Paraná e Santa Catarina investem em política de gerenciamento de riscos Foto: Thinkstock A preocupação com gerenciamento de riscos e seguros nas grandes e médias empresas do Paraná e Santa Catarina, sejam nacionais ou multinacionais, tem sido uma tendência observada pela Aon nos últimos anos. Esses trabalhos, além de apresentarem recomendações baseadas em melhores práticas de prevenção de perdas e normas técnicas reconhecidas mundialmente, trazem resultados importantes. Com forte predominância das indústrias têxtil, alimentícia, de madeira, papel e celulose e agronegócio em sua economia, a região historicamente apresenta perdas materiais significativas principalmente em decorrência de eventos climáticos. Por serem atividades que se caracterizam pelo alto risco do processo produtivo, o mercado segurador realiza diversas restrições de capacidade de coberturas. Ressalta-se, ainda, que existem na região empresas quase ou já centenárias e que durante muitos anos não investiram em políticas de gerenciamento de riscos e melhorias que pudessem mudar a percepção das seguradoras. Após a passagem do furacão Catarina em 2004, que ocasionou perdas estimadas em US$ 400 milhões, além das enchentes históricas observadas nos últimos anos, que geraram perdas superiores a US$ 800 milhões entre danos materiais e lucros cessantes, os empresários da região aumentaram a preocupação com seu negócio. Por isso, foram elevados os investimentos em medidas que minimizem os impactos de eventos inerentes a suas atividades, bem como decorrentes de danos da natureza que possam prejudicar a continuidade do negócio. Enchente Santa Catarina, 2008 Nesse movimento, a Aon tem oferecido uma ampla gama de serviços de consultoria em gerenciamento de riscos, desde a análise e diagnóstico das plantas industriais, por meio de inspeção realizada por profissionais especializados, e estudos de exposições de Responsabilidade Civil e Danos Ambientais até projetos de ERM (Enterprise Risk Management), os quais visam o mapeamento de risco de todas as áreas das empresas. Enchente Paraná, 2014 Juliano Trein Diretor Filial PR/SC Boletim Aon Aon Risk Solutions Março

5 Infraestrutura Como o racionamento de energia e a falta de água podem impactar o mercado de seguros Grande parte da população brasileira está vivenciando neste início de ano uma situação, no mínimo desconfortável, de racionamento de energia elétrica conjugada com falta de água. Essa condição impacta o desempenho das indústrias e empresas de forma inexorável. Os processos das indústrias dependem, em maior ou menor grau, de energia elétrica e água, que invariavelmente provêm de rede de distribuição pública. A falta de fornecimento dessas utilidades traz risco para suas plantas em operação. Dentro desse escopo e considerando o padrão de duas das principais linhas de seguro para proteção do patrimônio Riscos Operacionais (RO) e Responsabilidade Civil (RC), a Aon alerta sobre alguns aspectos de cobertura desses seguros com a iminente ocorrência de tais eventos: Riscos Operacionais Basicamente, o seguro de RO tem por objetivo indenizar a empresa em decorrência de danos materiais sofridos pelos bens das plantas (edifícios, máquinas e mercadorias) devidos a evento de causa súbita, desde que tal evento não esteja classificado na lista de riscos excluídos mencionados na apólice. As apólices de RO podem também incluir a extensão para a cobertura de Lucros Cessantes (LC), que são o reflexo financeiro da diminuição da receita decorrente da paralisação (total ou parcial) da planta. De Maneira Generalizada Ressaltando que cada segurado deve consultar as condições específicas de sua apólice, os eventuais danos materiais sofridos pelos bens das empresas em decorrência de falha de fornecimento de energia ou água pela distribuidora pública de utilidades são um risco excluído das apólices e consequentemente também os eventuais lucros cessantes decorrentes. Responsabilidade Civil O seguro de RC visa repor as perdas sofridas pelo segurado em decorrência de danos materiais e/ou corporais causados a terceiros, devido a sua operação. Nesse sentido, as empresas responsáveis pela distribuição de energia elétrica e água carregam tal exposição de risco pela natureza de sua operação, pois podem causar danos a seus clientes por falha de fornecimento. Porém as seguradoras também têm como padrão excluir essa cobertura de danos causados aos clientes (terceiros) em função da falha de fornecimento de energia ou água, podendo haver exceções. Cláusula de Falha de Fornecimento de Utilidades na apólice de RO Algumas apólices de RO com coberturas mais abrangentes podem opcionalmente, e com cobrança de prêmio adicional, possuir a cláusula de Falha de Fornecimento de Utilidades. Tal condição possui o mesmo objetivo da cobertura de Lucros Cessantes, que é proteger a perda financeira do segurado pela queda da receita por estar parcialmente em operação ou totalmente paralisado. No que diz respeito à exposição do risco de falha no fornecimento de energia elétrica e água, a Aon, por meio de seus profissionais especializados, está capacitada para auxiliar seus segurados nas análises individuais de apólices. Clemens Freitag Diretor de Infraestrutura Boletim Aon Aon Risk Solutions Março

6 AGRC Consultoria em Gestão de Riscos Melhor gestão de riscos aumenta assertividade de balanços financeiros e projeção de resultados das empresas A Aon, em parceria com a Wharton, escola de administração da Universidade da Pensilvânia (EUA), divulgou recentemente um relatório com novas percepções sobre a importância da maturidade de riscos para as empresas. Realizado no decorrer de 2014, o estudo questionou 50 companhias de capital aberto dos Estados Unidos sobre suas práticas de gerenciamento e seus resultados financeiros. Enquanto as organizações que ficaram no topo da escala em relação ao planejamento estratégico de riscos obtiveram uma redução de 20% nos erros de previsão orçamentária, as piores colocadas registraram aumento de 17,5%. O estudo comprova que cada vez mais a gestão de riscos se torna uma ferramenta indispensável para evitar prejuízos e aproveitar oportunidades de agregar valor à operação. As empresas que compreendem com muita clareza a complexidade dos riscos diretos e indiretos a que estão expostas tendem a ter maior precisão sobre sua margem de lucro e resultado operacional. O levantamento mostra também que as companhias mais preparadas apresentaram redução de 2,5% na volatilidade no preço dos papéis no mercado financeiro, ao passo que as menos preparadas obtiveram aumento de 2,9%. Quando o mercado está em alta, empresas com processos menos estruturados também podem ter bom desempenho. Mas, em um cenário adverso de crise financeira ou catástrofe natural que possa afetar a economia do país, a queda nas ações de companhias mais preparadas chega a ser de 36% a 90% menor em relação às outras. Essa pesquisa é parte de um levantamento mais amplo de dados globais da Aon em parceria com a Wharton, no qual foram ouvidas 700 companhias de capital aberto. A análise completa da base de informações também evidencia que, quando a alta direção participa ativamente da gestão de riscos e não apenas delega, o engajamento da empresa é significativamente maior. Consequentemente, a diretoria também consegue se comunicar melhor com a equipe administrativa encarregada das estratégias de gestão de riscos. Empresas com alto índice de maturidade de riscos apresentam, entre outras características, uma cultura de riscos que envolve todos os níveis da organização. O entendimento e comprometimento com a gestão de riscos no patamar da diretoria são um fator crítico para a tomada de decisões e geração de valor. O desafio nos próximos anos para as empresas é incorporar em suas estruturas organizacionais eficientes programas de gestão de riscos, já que a tendência cada vez mais é que as companhias despreparadas fiquem sujeitas a prejuízos em qualquer intempérie que impacte o negócio. No atual contexto, em constante mutação, a capacidade para antever oportunidades, compreender e responder eficazmente aos riscos é essencial para o bem-estar operacional e financeiro das companhias. A ausência dessa prática provavelmente fará com que as organizações fiquem para trás em relação às que a aplicam em seu planejamento estratégico. Alexandre Botelho Diretor da Aon Global Risk Consulting (AGRC) Boletim Aon Aon Risk Solutions Março

7 AGCN Rede Global de Atendimento GRIP: tecnologia em prol do cliente Uma das ferramentas de maior destaque da Aon é o GRIP (Global Risk Insight Platform). Trata-se de uma plataforma eletrônica alimentada por nossos corretores, sendo o principal repositório mundial de atividades de cotações de seguros. Ao capturar informações sobre as atividades de corretagem realizadas pela Aon, o GRIP oferece visões sobre as tendências de mercado, características das atuações das seguradoras e comportamentos de compra dos clientes. As informações capturadas são resultado das contribuições de usuários distribuídos por 20 países da América do Norte, América do Sul, Europa, Ásia e Pacífico. O GRIP é monitorado e gerenciado pelo Aon Centre for Innovation and Analytics (ACIA), unidade de negócios localizada em Dublin, Irlanda. Esse centro oferece serviços de análises que identificam e criam produtos e serviços inovadores para as diversas divisões da Aon. Ao analisar os dados capturados pelo GRIP, o ACIA desenvolve perspectivas de mercado impactantes e disponibiliza os dados para nossos corretores e executivos de contas por meio de ferramentas eletrônicas fáceis de usar. Ao fazê-lo, o ACIA apoia um dos objetivos centrais da Aon para construir capacidades diferenciadas e para fornecer valor ao cliente diferenciado: o Aon Client Promise. Outra ferramenta do GRIP a destacar é a Benchmark Tool. Ela é responsável por gerar relatórios de benchmark baseados nas informações inseridas pelos corretores, conforme as negociações com o mercado segurador. Esses relatórios possibilitam aos atuais e futuros clientes avaliar o que é praticado no mercado segurador, além de entender como obter apólices mais adequadas a seus riscos, uma vez que as informações apresentadas no benchmark comparam dados de clientes do mesmo segmento de indústria e porte de empresa. Tal contraponto é realizado de maneira anônima, sem expor, em qualquer momento, a identidade dos clientes analisados no universo selecionado. Débora Melitto Gerente da Aon Global Client Network (AGCN) Por meio de ferramentas e tecnologias exclusivas, como o GRIP e a Benchmark Tool, a Aon fortalece e consolida seu papel de consultoria junto a seus clientes. Boletim Aon Aon Risk Solutions Março

8 Marketing Aon Client Promise Projetado pelos próprios clientes, o Aon Client Promise é uma metodologia global de relacionamento que assegura aos clientes a prestação dos melhores serviços em consultoria de riscos e corretagem de seguros e resseguros, customizados de acordo com suas necessidades e prioridades. São cinco pilares que articulam o compromisso que assumimos com nossos clientes e traduzem, de forma clara e com total transparência, o que eles podem esperar da Aon, independentemente de sua localização, tamanho ou segmento de atuação. O Plano de Compromisso é desenvolvido para elaborar e documentar planos de ação, análises e avaliações que incluam iniciativas, prazos, tarefas e objetivos alcançados. É utilizado como um instrumento compartilhado para otimizar os recursos e mensurar o sucesso da gestão de contas e cumprimento de objetivos estabelecidos. Esse processo também identifica potenciais ameaças aos clientes e ações para mitigá-las e ainda cria uma linguagem universal, que agrega valor a nossa marca, pois descreve nossos diferenciais e define o que podem esperar da parceria com a Aon. A criação de uma única abordagem torna mais fácil cumprir nosso compromisso de entregar valor diferenciado ao cliente por meio de uma experiência consistente. Inclusive, algumas pesquisas internas têm comprovado que o Aon Client Promise impacta diretamente o crescimento dos negócios de nossos clientes. Tudo o que fazemos é focado em criar valor diferenciado a nossos clientes, com base em um conhecimento profundo de nosso negócio e seus riscos, em uma análise perspicaz e em uma execução fundamentada. E essa relação é realizada com parceria, conhecimento, inovação, excelência e resultados. Luis Felipe Barranco Diretor de Marketing Boletim Aon Aon Risk Solutions Março

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Estratégias Empresariais de Adaptação

Estratégias Empresariais de Adaptação Estratégias Empresariais de Adaptação Seminário: Cenários Corporativos de Riscos Climáticos no Brasil e a Inovação Regulatória da Administração Barack Obama 29 de setembro, 2015 MISSÃO Expandir continuamente

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

Conheça a AIG Multinational

Conheça a AIG Multinational Conheça a AIG Multinational AIG Multinational Em qualquer lugar do mundo, a AIG oferece proteção e garante os serviços necessários para a realização dos seus negócios com segurança. Através dos recursos

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS!

PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS! PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS! sdfgdfhfdgfsgfdgfsdg sdfgsdgsfdgfd PRODUTOS PARA VOCÊ PRODUTOS PARA VOCÊ Simples e econômico: com apenas uma apólice, toda sua frota fica segurada.

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Especialistas em impostos indiretos

Especialistas em impostos indiretos Impostos indiretos IMPOSTOS INDIRETOS Especialistas em impostos indiretos POR MEIO DE UM CONJUNTO ABRANGENTE DE SERVIÇOS DE SUPORTE CONTÍNUOS QUE OFERECEM RESPOSTAS IMEDIATAS ÀS DÚVIDAS SOBRE IMPOSTOS,

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*)

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) Enquanto o Brasil vinha insistindo em uma política energética privilegiando grandes usinas e extensas linhas de transmissão, cada vez mais distantes

Leia mais

OS MAIORES RISCOS DA INTERNACIONALIZAÇÃO

OS MAIORES RISCOS DA INTERNACIONALIZAÇÃO OS RISCOS DA INTERNACIONALIZAÇÃO CRESCIMENTO GLOBAL DO NEGÓCIO Com a crescente globalização e o crescimento acelerado das economias emergentes, as empresas, independentemente da sua dimensão, estão em

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS

SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS VISÃO GERAL DE CAPACIDADES SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS AT-RISK International oferece Análise de Riscos, Proteção, Consultoria, Investigações e Treinamento em Segurança, nas Américas,

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

Contract Compliance Services

Contract Compliance Services RISK CONSULTING Contract Compliance Services Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros kpmg.com/br 2 / Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros Gerenciando o risco e aumentando

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP Como desenvolver uma abordagem eficaz de gerenciamento de capital e um processo interno de avaliação da adequação de capital (ICAAP) A crise financeira de

Leia mais

Suzano: atualização e mais qualidade de informações com SAP Business Suite powered by HANA

Suzano: atualização e mais qualidade de informações com SAP Business Suite powered by HANA Suzano: atualização e mais qualidade de informações com SAP Business Suite powered by HANA Geral Executiva Nome da Suzano Papel e Celulose Indústria Papel e celulose Produtos e Serviços Celulose de eucalipto,

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

SEGURO PARA RISCOS AMBIENTAIS NO BRASIL 10 ANOS RETROSPECTIVA E DESAFIOS FUNENSEG E SMA-SP

SEGURO PARA RISCOS AMBIENTAIS NO BRASIL 10 ANOS RETROSPECTIVA E DESAFIOS FUNENSEG E SMA-SP SEGURO PARA RISCOS AMBIENTAIS NO BRASIL 10 ANOS RETROSPECTIVA E DESAFIOS FUNENSEG E SMA-SP 16/11/2015 Welcome to ACE in BRAZIL 1 AGENDA Origem e Retrospectiva Legislação Ambiental Pontos Importantes Desafios

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA

DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA Novos Cenários Crises Recentes: Desaquecimento Econômico e Baixo Retorno Financeiro Mudanças Econômicas Maior Concorrência Novos Cenários

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços Consultoria de resultados MOTIVAÇÃO EM GERAR Somos uma consultoria de resultados! Entregamos muito mais que relatórios. Entregamos melhorias na gestão, proporcionando aumento dos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

INTELIGÊNCIA DE RISCOS. SINDUSFARMA 13 de Novembro de 2013

INTELIGÊNCIA DE RISCOS. SINDUSFARMA 13 de Novembro de 2013 INTELIGÊNCIA DE RISCOS SINDUSFARMA 13 de Novembro de 2013 A IMC BRASIL é uma empresa especializada em gestão integrada de seguros e gerenciamento de riscos Nosso objetivo é proporcionar proteção e eficiência

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Maximize o desempenho das suas instalações Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Sua empresa oferece um ambiente de trabalho com instalações eficientes e de qualidade? Como você consegue otimizar

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Desenvolvimento de Negócios & Finanças Corporativas

Desenvolvimento de Negócios & Finanças Corporativas Desenvolvimento de Negócios & Finanças Corporativas 2 www.nbs.com.br Soluções eficazes em Gestão de Negócios. Nossa Visão Ser referência em consultoria de desenvolvimento e implementação de estratégias,

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Seguro de Crédito Comercial

Seguro de Crédito Comercial Seguro de Crédito Comercial seguro de crédito O que é:... uma modalidade de seguro que protege o seu negócio contra o risco de inadimplência ou atrasos no pagamento de vendas de produtos ou serviços. A

Leia mais

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE

3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 3º ENCONTRO ANUAL DA AACE 1 Empresas de Construção: Seleção de Projetos, Gestão e Controles para Atingir as Metas de Desempenho Patricia Atallah Gestão e Planejamento Estratégico são Cruciais para uma

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

compromisso com a segurança além da excelência Eficiência operacional conformidade do subcontratado gestão de registros saúde e segurança

compromisso com a segurança além da excelência Eficiência operacional conformidade do subcontratado gestão de registros saúde e segurança desempenho em segurança gestão de competências controle de acesso compromisso com a segurança além da excelência Eficiência operacional conformidade do subcontratado gestão de registros saúde e segurança

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

Internacionalização e Localização de Software AGENDA

Internacionalização e Localização de Software AGENDA Internacionalização e Localização de Software ExpoGestão - 2006 for International Software Business Ernani Ferrari AGENDA Planejando-se a Internacionalização Razões para internacionalizar Abordagens e

Leia mais

YK Risk Consultoria em Gestão Empresarial Ltda. Apresentação Institucional v.3 (2014)

YK Risk Consultoria em Gestão Empresarial Ltda. Apresentação Institucional v.3 (2014) YK Risk Consultoria em Gestão Empresarial Ltda. Apresentação Institucional v.3 (2014) Quem somos? Uma empresa com foco na geração de valor com serviços em Gestão de Riscos associados à Sustentabilidade.

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco Responsável: Controle de Riscos Aprovação: BRCC Propósito deste documento Promover transparência quanto à estrutura de gestão de riscos

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Cativas de aluguel. Uma visão geral dos recursos do Grupo ACE

Cativas de aluguel. Uma visão geral dos recursos do Grupo ACE Cativas de aluguel Uma visão geral dos recursos do Grupo ACE Simplicidade na complexidade Recursos da ACE com relação a cativas de aluguel Gerenciar seus próprios riscos agora ficou mais fácil. Nos últimos

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Garo Batmanian Banco Mundial Seminário Latino Americano de Avaliação Ambiental Estratégica Brasília, 28 de agosto de 2006 Estratégia

Leia mais

Rumo a novos patamares

Rumo a novos patamares 10Minutos Auditoria Estudo sobre a Situação da Profissão de Auditoria Interna Rumo a novos patamares Destaques Os stakeholders estão menos satisfeitos com a contribuição da auditoria interna em áreas de

Leia mais

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV)

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) II Workshop Construindo o diagnóstico dos RCCV e RSS

Leia mais

CPM Braxis Capgemini reduz custos em 18% com CA Business Service Insight

CPM Braxis Capgemini reduz custos em 18% com CA Business Service Insight CUSTOMER SUCCESS STORY CPM Braxis Capgemini reduz custos em 18% com CA Business Service Insight PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Companhia: CPM Braxis Capgemini Empregados: 6500+ Faturamento:

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS Finanças DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

Reed Exhibitions Alcantara Machado & Reed Expositions France

Reed Exhibitions Alcantara Machado & Reed Expositions France Reed Exhibitions Alcantara Machado & Reed Expositions France Estrutura do grupo Reed Elsevier REED EXHIBITIONS Alcance Global 500 eventos por ano 43 países 43 setores da economia 7 milhões de visitantes

Leia mais

Aon Risk Solutions. Gestão de Riscos e Corretagem de Seguros

Aon Risk Solutions. Gestão de Riscos e Corretagem de Seguros Aon Risk Solutions Gestão de Riscos e Corretagem de Seguros Uma marca que reflete a paixão, a energia e o compromisso de cada um de nossos colaboradores Líder Mundial em Gestão de Riscos, Corretagem de

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Escola Nacional de Seguros

Escola Nacional de Seguros Escola Nacional de Seguros Seminário Seguros de Riscos Ambientais e Seguros de Responsabilidade Civil Geral no Brasil Palestra: Seguros de Riscos Ambientais: estágio de desenvolvimento atual São Paulo,

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

Maximizando o Ciclo de Vida do Lean

Maximizando o Ciclo de Vida do Lean Maximizando o Ciclo de Vida do Lean Nos últimos anos, muitas empresas tiveram contato com o Lean e se impressionaram com os ganhos que poderiam obter. Tratava-se de uma nova abordagem de negócios, e que

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

Esta é a XL Catlin Cinco maneiras pelas quais vamos turbinar seu negócio.

Esta é a XL Catlin Cinco maneiras pelas quais vamos turbinar seu negócio. Esta é a XL Catlin Cinco maneiras pelas quais vamos turbinar seu negócio. Separadas, XL e Catlin eram duas empresas fortes e inovadoras. Juntas, somos ainda mais fortes. Conteúdo Conheça a XL Catlin Pessoas

Leia mais