CENTRO CANTONAL DE EMPREGO (OCE) O QUE DEVE SABER E PODE ESPERAR DE NÓS COMO BENEFICIÁRIO DAS NOSSAS PRESTAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO CANTONAL DE EMPREGO (OCE) O QUE DEVE SABER E PODE ESPERAR DE NÓS COMO BENEFICIÁRIO DAS NOSSAS PRESTAÇÕES"

Transcrição

1 CENTRO CANTONAL DE EMPREGO (OCE) O QUE DEVE SABER E PODE ESPERAR DE NÓS COMO BENEFICIÁRIO DAS NOSSAS PRESTAÇÕES

2 2

3 PREFÁCIO PREZADA BENEFICIÁRIA PREZADO BENEFICIÁRIO Nos dias que correm, a perda de emprego e o desemprego podem acontecer a qualquer um de nós e compreendemos que para si se trata de uma experiência difícil. Por isso, é tanto mais importante que esta situação momentânea seja de curta ração. O centro cantonal de emprego (OCE) existe para lhe dar apoio na sua procura de emprego. Consultoras e consultores experientes na área de pessoal definirão consigo o caminho a seguir para que se possa reinserir o mais rapidamente possível no mundo do trabalho. Além do conselho personalizado, há diferentes ofertas à sua disposição para ajudar a encontrar trabalho. O seu futuro profissional está nas suas mãos. O seu interesse, as suas perspectivas de futuro e a sua participação construtiva são componentes necessários. Através de informações mútuas, abertas e atraentes, criámos um clima de confiança, pois desejamos uma colaboração que conza ao sucesso. A presente brochura inclui conselhos e uma visão dos seus principais direitos e obrigações enquanto pessoa à procura de emprego. Pedimos-lhe que leia atentamente estas informações tendo em vista a sua primeira entrevista de aconselhamento. A sua consultora ou o seu consultor na área de pessoal responderá de boa vontade a todas as suas perguntas. A caixa de pagamento que escolheu é competente para calcular o subsídio de desemprego (IC) e para tudo o que se refira à sua transferência. No caso de ter perguntas ou dúvidas a este respeito, deverá dirigir-se directamente ao seu fundo de desemprego. Congratulamo-nos pelo bom resultado da nossa colaboração e desejamos-lhe sucesso total na sua procura de emprego. Centro cantonal de emprego BASES LEGAIS Encontra as bases legais na lei sobre seguro de desemprego (LACI) e no decreto sobre o seguro de desemprego (OACI). 3

4 4

5 ÍNDICE APROVEITE O PERÍODO DE DESEMPREGO 7 Inscrição no desemprego 7 Procura de emprego antes da inscrição no desemprego CONSELHOS PARA A PROCURA DE EMPREGO 8 Proceder com método 8 Candidatar-se de forma eficaz 9 Procurar de forma diversificada OS SEUS DIREITOS 11 Direito ao subsídio de desemprego 11 Montante do subsídio de desemprego 12 Duração do pagamento do subsídio de desemprego 12 Dias de carência 12 Medidas relativas ao Mercado de Trabalho (MMT) 13 Férias rante o desemprego 13 Protecção dos dados 13 Prestações no caso de procura de emprego no estrangeiro AS SUAS OBRIGAÇÕES 16 Manter-se contactável 16 Procurar emprego 16 Comprovativos de procura pessoal de emprego 16 Obrigação de prestar informações 17 Entrevistas de aconselhamento 17 Consequências no caso de incumprimento das obrigações 18 Impresso «Indicações da pessoa segura» (IPA) 19 Impresso «Comprovativos de procura pessoal de emprego» SEGUROS DURANTE O DESEMPREGO 20 AVS/AI/APG 20 Previdência profissional 20 Acidente 20 Prestações federais em caso de doença 21 Prestações cantonais em caso de doença (PCM) 21 Maternidade 5

6 6

7 APROVEITE O PERÍODO DE DESEMPREGO INSCRIÇÃO NO DESEMPREGO Inscreva-se o mais rapidamente possível (por exemplo, logo a partir do anúncio do seu despedimento), mas o mais tardar no primeiro dia para o qual solicite o subsídio de desemprego. PROCURA DE EMPREGO ANTES DA INSCRIÇÃO NO DESEMPREGO Comece a procurar emprego o mais tardar desde o início do pré-aviso de despedimento, ou ainda rante os últimos meses que precederem a sua inscrição. Saiba que se arrisca a perder dias de suspensão de subsídio de desemprego caso não possa provar que tem procurado trabalho antes da sua inscrição. Registe as suas tentativas de procura de emprego no impresso «Comprovativos de procura pessoal para encontrar emprego». Esse impresso pode ser obtido na nossa página na Internet (ver mais abaixo). IMPRESSO COMPROVATIVOS DE PROCURA PESSOAL PARA ENCONTRAR EMPREGO (Preuves des recherches personnelles effectuées en vue de trouver un emploi) > L OCE au service des candidats > Télécharger formulaires RESUMINDO «DIAS DE SUSPENSÃO» Os dias de suspensão são dias nos quais não recebe qualquer subsídio de desemprego. Esses subsídios nunca são pagos. 7

8 CONSELHOS PARA A PROCURA DE EMPREGO PROCEDER COM MÉTODO Procurar um emprego é uma «ocupação a tempo inteiro». Ser organizado contribui para o sucesso. Apresentamos a seguir alguns conselhos para a sua procura de emprego: Prepare um processo de candidatura completo e atraente. Clarifique os seus objectivos profissionais. Defina uma estratégia de candidatura adaptada aos seus objectivos. Estabeleça listas e faça um resumo de todas as candidaturas enviadas e em curso. Não hesite em se informar junto da Cité des métiers Grand Genève. CANDIDATAR-SE DE FORMA EFICAZ Discuta a sua procura de emprego com a sua consultora ou o seu consultor na área de pessoal. Não hesite em aceitar empregos temporários e em alargar a sua procura a outros cantões suíços e na Europa (UE/EFTA). PROCURA DE EMPREGO NA EUROPA (EU/EFTA) FLYER DE APRESENTAÇÃO DA CITÉ DES MÉTIERS DU GRAND GENÈVE CONSELHOS NA INTERNET PARA A PROCURA DE EMPREGO > Job > Conseils en recherche d emploi 8

9 PROCURAR DE FORMA DIVERSIFICADA AGENTES PRIVADOS (AGÊNCIAS DE EMPREGO E CAÇA-TALENTOS) CANDIDATURAS ESPONTÂNEAS REDES SOCIAIS (LINKEDIN, XING, FACEBOOK, ETC.) LUGARES VAGOS PROPOSTOS PELO CENTRO CANTONAL DE EMPREGO NA INTERNET OFERTAS DE EMPREGO PUBLICADAS NA IMPRENSA BOLSAS DE EMPREGO OU JOB BOARDS NA INTERNET RELAÇÕES PESSOAIS OFERTAS DE EMPREGO Utilize diferentes canais paralelos LUGARES VAGOS PORTAL DA INTERNET JOBS DO OCE BROCHURAS E DESDOBRÁVEIS DE SECO ASSOCIADAS À PROCURA DE EMPREGO > L OCE au service des candidats > Publications As nossas brochuras também se encontram disponíveis em francês no nosso centro de acolhimento. 9

10 10

11 OS SEUS DIREITOS DIREITO AO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO Tem direito ao subsídio de desemprego quem: se encontrar sem emprego ou parcialmente sem emprego; estiver domiciliado na Suíça; tiver acabado a escolaridade obrigatória e ainda não tiver atingido a idade da reforma; preencher as condições relativas ao período de quotização ou estiver isento; estiver disposto a aceitar um trabalho e se encontrar à altura e com direito de o fazer (nomeadamente se tiver assegurada a guarda dos seus filhos); tiver sofrido perda de trabalho que possa ser considerada (no mínimo 2 dias de trabalho consecutivos); satisfizer as situações de controlo (ver o capítulo sobre as obrigações). RESUMINDO «PERÍODO DE QUOTIZAÇÃO» É preciso ter feito descontos para subsídio de desemprego pelo menos rante 12 meses ao longo dos dois últimos anos. MONTANTE DO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO Tem direito a 5 subsídios diários por semana (segunda a sexta-feira). O seu subsídio de desemprego sobe para 70 % do seu ganho assegurado. No entanto, pode passar para 80 % nos casos seguintes: se tiver uma obrigação de sustento de filhos com menos de 25 anos de idade; se o seu ganho assegurado não ultrapassar CHF 3.797; se receber uma pensão do seguro de invalidez (Al), do seguro de acidentes (AA) ou do seguro militar (AM) com uma taxa de invalidez pelo menos de 40 %. RESUMINDO «MONTANTE DO GANHO ASSEGURADO» Média do salário apresentado a AVS dos 6 meses que precederam o desemprego, ou, se for mais elevado, dos 12 meses. Trata-se de um montante numa base mensal, a partir do qual é feito o cálculo do seu subsídio diário. No entanto, o ganho assegurado só pode situar-se entre o mínimo de CHF 500 e o máximo de CHF Se tiver filhos a seu cargo, um ou o outro dos pais tem direito a abonos de família ou de formação. 11

12 DURAÇÃO DO PAGAMENTO DO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO O seguro de desemprego prevê um período máximo de subsídio (prazo-quadro) de 2 anos. Informe-se junto do seu fundo de desemprego sobre o montante e a ração do subsídio de desemprego, que dependem da sua situação pessoal e do plafond legal. DIAS DE CARÊNCIA O primeiro subsídio diário só lhe será transferido após terem expirado os dias de carência. O número de dias de carência depende nomeadamente dos seus rendimentos e de uma eventual obrigação de entrevista. Informe-se junto do seu fundo de desemprego sobre o seu número de dias de carência. MEDIDAS RELATIVAS AO MERCADO DE TRABALHO (MMT) As Medidas relativas ao Mercado de Trabalho (MMT) contribuem para aumentar a sua empregabilidade no mercado de trabalho e para melhorar as suas possibilidades de contratação. As MMT podem ser: formações; estágios; subsídios para iniciação ao trabalho (AIT); subsídios para formação (AFO); apoio a uma actividade lucrativa independente (SAI). É de comum acordo com a sua consultora ou o seu consultor na área de pessoal que pode decidir recorrer a uma MMT em função do objectivo profissional definido. Se necessário, as MMTs podem vir a ser impostas. Em qualquer altura pode pedir à sua consultora ou ao seu consultor na área de pessoal informações sobre financiamento de cursos e de formações contínuas na medida em que se inscrevam na estratégia de reinserção estabelecida. BROCHURAS DE SECO ESTAR NO DESEMPREGO / MEDIDAS RELATIVAS AO MERCADO DE TRABALHO (Etre ^ au chômage / Mesures relatives au marché travail) > L OCE au service des candidats > Publications 12 As nossas brochuras também se encontram disponíveis em francês no nosso centro de acolhimento.

13 FÉRIAS DURANTE O DESEMPREGO Tem direito a 5 dias de férias pagas («dias sem controlo») após 60 dias de desemprego controlados. Durante os dias de férias, não é obrigatório vir às entrevistas nem procurar emprego. No entanto, pense em enviar a tempo o impresso «Indications de la personne assurée» (Indicações da pessoa segura) à sua caixa de pagamento para que a transferência dos seus subsídios de desemprego não sofra atrasos (ver também na pág. 18). Os dias de férias devem ser gozados por semana inteira. Não é possível gozá-los antecipadamente. Os dias de férias que não sejam gozados rante o subsídio expiram no fim deste. Informe por escrito a sua consultora ou o seu consultor na área de pessoal, pelo menos com as semanas de antecedência em relação aos dias de férias que quiser ter. PROTECÇÃO DOS DADOS Respeitamos as disposições relativas à protecção dos dados. Em qualquer altura tem o direito de consultar o seu processo. PRESTAÇÕES NO CASO DE PROCURA DE EMPREGO NO ESTRANGEIRO Se pretender um emprego num estado membro da UE ou da EFTA, poderá, sob certas condições, exportar o seu direito suíço ao subsídio de desemprego por um período máximo de 3 meses (exportação de subsídios). Se a sua procura de emprego for infrutífera, pode regressar à Suíça antes de expirar o prazo estabelecido e apresentar-se ao OCE logo após o seu regresso. BROCHURAS DE SECO ESTAR NO DESEMPREGO / SUBSÍDIOS NO CASO DE PROCURA DE TRABALHO NO ESTRANGEIRO (Etre ^ au chômage / Prestations en cas de recherche de travail à l étranger) > L OCE au service des candidats > Publications 13

14 14

15 Procurar um emprego é um trabalho a tempo inteiro. Ser organizado «contribui para o sucesso.» 15

16 AS SUAS OBRIGAÇÕES MANTER-SE CONTACTÁVEL É indispensável manter-se contactável 24 horas por dia, quer pelo correio, quer por , quer por telefone. PROCURAR EMPREGO É preciso fazer tudo o que razoavelmente for exigível para evitar ou rezir o desemprego. A pessoa desempregada também é responsável pela procura de trabalho, se necessário fora da sua profissão exercida ou da taxa de ocupação pretendida. A sua obrigação de procurar emprego começa já antes do início do desemprego (por exemplo, rante o período de férias ou rante um contrato de trabalho a prazo). COMPROVATIVOS DE PROCURA PESSOAL DE EMPREGO É preciso provar mensalmente por escrito que tem procurado trabalho, por meio do impresso «Preuves des recherches personnelles effectuées em vue de trouver un emploi» (Comprovativos das tentativas pessoais feitas para encontrar emprego). Este impresso, depois de devidamente preenchido (ver também na pág. 19), deve ser enviado ao centro regional de emprego (ORP) no final do mês, ou, o mais tardar, até ao dia cinco do mês seguinte. Os impressos enviados após o dia cinco do mês seguinte já não poderão ser aceites, excepto no caso de haver motivo válido. O impresso deve ser preenchido com letra bem legível e de forma exaustiva. As procuras de emprego têm de ser distribuídas pelo conjunto do mês em causa e ser diversificadas (por exemplo, respostas a anúncios publicados na imprensa, na Internet, ofertas espontâneas, visitas, agências privadas de emprego, contactos telefónicos, etc.). O número e o tipo de tentativas são combinados com a sua consultora ou o seu consultor na área de pessoal. OBRIGAÇÃO DE PRESTAR INFORMAÇÕES No âmbito da sua obrigação de informar, deve fornecer ao ORP e ao fundo de desemprego todas as informações necessárias para definir o seu direito ao subsídio de desemprego. Também tem de comunicar ao ORP e ao fundo de desemprego todas as alterações relativas ao seu direito ao subsídio de desemprego, nomeadamente se: iniciar um emprego; obtiver um ganho intermédio; gozar férias (informe a sua consultora ou o seu consultor com 2 semanas de antecedência) ou caso se ausente por qualquer outro motivo; for incapaz de trabalhar por motivo de doença ou acidente (prazo máximo de 5 dias para o anunciar); renovar a sua autorização de permanência; cumprir serviço militar ou de protecção civil; mudar de residência, de número de telefone, de outros dados de contacto, ou se mudar de estado civil; receber uma pensão AI ou tiver apresentado pedido para receber uma tal pensão; iniciar uma actividade independente. 16

17 ENTREVISTAS DE ACONSELHAMENTO No mínimo de 2 em 2 meses, ou mais frequentemente, se necessário, vai receber uma convocatória da consultora ou do consultor na área de pessoal para uma entrevista de aconselhamento. Se não puder comparecer à entrevista por motivos justificados, tem de dar essa informação pelo menos com 24 horas de antecedência. CONSEQUÊNCIAS NO CASO DE INCUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES O não cumprimento de obrigações e de directivas pode acarretar dias de suspensão, nomeadamente se: estiver sem trabalho por culpa própria; não fornecer os comprovativos de procura de emprego, se fornecer provas em número insuficiente, de qualidade insatisfatória, ou ainda se as enviar demasiado tarde; não cumprir as prescrições do OCE (nomeadamente em caso de falta injustificada às entrevistas de aconselhamento); não participar nas Mesures relatives au Marché Travail (MMT) (Medidas relativas ao Mercado de Trabalho) que lhe são disponibilizadas; recusar um trabalho conveniente; não cumprir a obrigação de prestar informações (ver na pág. 16); fornecer dados incorrectos ou incompletos. RESUMINDO «GANHO INTERMÉDIO» Durante o seu período de desemprego, encontrou um emprego cujo rendimento, chamado ganho intermédio, é inferior ao seu subsídio de desemprego. Nessa situação, tem direito a um subsídio compensatório da parte do seguro de desemprego. 17

18 18 IMPRESSO «INDICAÇÕES DA PESSOA SEGURA» (IPA) SECO* enviar-lhe-á mensalmente e directamente o impresso «Indications de la personne assurée» (IPA) (Indicações da pessoa segura). Este impresso é válido unicamente para o mês referido no canto superior direito. Não se esqueça de enviar o original do impresso, depois de devidamente assinado e preenchido no verso, à sua caixa de pagamento no fim do mês. IMPRESSO Impresso: «Indicações da pessoa segura (IPA)» a enviar ao seu fundo de desemprego. * Secretaria de Estado da Economia (SECO Berna). mois: mois: mois: mois: mois: 1. Oui Si oui, au Employeur: Employeur: au Employeur: Employeur: 2. Oui Si oui, au 3. Oui 4. Oui Annoncée le Annoncée le à A la suite d une maladie: A la suite d une maladie: A la suite d une maladie: A la suite d une maladie: A la suite d une maladie: A la suite d une maladie: A la suite d une maladie: A la suite d une maladie: au A la suite d un accident: A la suite d un accident: A la suite d un accident: A la suite d un accident: A la suite d un accident: A la suite d un accident: A la suite d un accident: A la suite d un accident: au Pour d autres raisons? Pour d autres raisons? Pour d autres raisons? Pour d autres raisons? Pour d autres raisons? Pour d autres raisons? Pour d autres raisons? Lesquelles? Lesquelles? Lesquelles? au au Oui 5. Oui Si oui, au 6. Oui Si oui, au Oui Si oui, pourquoi? Si oui, pourquoi? Si oui, pourquoi? Si oui, pourquoi? Si oui, pourquoi? au au 7a. Oui 7b. Oui 8. Oui 9. Oui % depuis quand? % depuis quand? % depuis quand? % depuis quand? % depuis quand? % depuis quand? 10. Oui Reprise travail le Reprise travail le Reprise travail le Reprise travail le Reprise travail le Reprise travail le Remarques: Remarques: Remarques: Remarques: Ne pas remplir Indications de la personne assurée pour le mois de à l intention de sa/son Caisse de chômage N o Office de paiement N o P.P. ORP, Rue des Gares 16, CH-1201 Genève P.P. ORP, Rue des Gares 16, CH-1201 Genève N o AVS Date de naissance N o tél N o personnel ð Veuillez répondre à toutes les questions au verso, s.v.p. Les questions se rapportent toujours au mois indiqué ci-dessus. La caisse ne pourra effectuer aucun versement, si le formulaire n est pas dûment complété ou que des annexes manquent. Le droit aux prestations de l assurance expire, si personne ne l a fait valoir au cours des trois mois qui suivent la période de contrôle à laquelle il se rapporte. Toute indication inexacte ou incomplète peut entraîner la suppression des prestations ou l ouverture d une plainte. Les prestations versées à tort doivent être restituées. Lieu et date: Signature de la personne assurée: Assurance-chômage f 01/ Se for o caso, o impresso deve ser acompanhado dos documentos comprovativos pedidos. Sem esses documentos, o seu fundo de desemprego não poderá pagar-lhe os subsídios. O seu direito aos subsídios expira se não o fizer valer dentro de 3 meses.

19 IMPRESSO «COMPROVATIVOS DE PROCURA PESSOAL DE EMPREGO» SECO enviar-lhe-á mensalmente e directamente o impresso «Preuves des recherches personnelles effectuées en vue de trouver un emploi» (Comprovativos de procura pessoal de emprego). Este impresso é válido unicamente para o mês referido no canto superior direito. Não se esqueça de devolver ao ORP o original do impresso, depois de devidamente assinado, no fim do mês, ou o mais tardar até ao dia 5 do mês seguinte. Também o pode enviar, o mais tardar até esta data, pelo correio, à atenção do ORP (a data do carimbo do correio faz fé). Endereço: ORP Rue des Gares 16 CP Genève 2 IMPRESSO Impresso: «Comprovativos de procura pessoal de emprego» a enviar a ORP f Assurance-chômage Preuves des recherches personnelles effectuées en vue de trouver un emploi Date de réception / timbre postal Nom et prénom No AVS Mois et année Date de l offre de services jour mois Entreprise, adresse Personne contactée, numéro de tél. Description poste Assignation ORP Activité À plein temps Offre de service Résultat de l offre de service À temps partiel (%) par ecrit / électronique visite personelle par téléphone en suspens entretien engagement négatif Motif Inclua unicamente as tentativas de procura de emprego correspondentes ao mês aqui mencionado. 19

20 SEGUROS DURANTE O DESEMPREGO AVS/AI/APG As quotizações AVS/AI/APG são automaticamente dezidas ao subsídio diário. O montante das quotizações é o mesmo que no caso de uma relação de trabalho. O fundo de desemprego dez do subsídio diário metade da quotização e transfere-a, com a sua parte, para a caixa de compensação. Na base desta regulamentação, não há que temer qualquer défice de quotização rante o período de pagamento dos subsídios diários. PREVIDÊNCIA PROFISSIONAL Durante o período de desemprego, a previdência cobre unicamente os riscos de morte e invalidez, mas não a poupança de velhice. A previdência LPP obrigatória para as pessoas sem emprego é, portanto, uma pura previdência de risco (análoga ao seguro de acidentes ou ao seguro de desemprego) e não uma previdência de velhice. É por essa razão que o saldo de velhice já poupado (prestações de livre passagem da última entidade patronal) não pode ser transferido para a Fondation Institution Supplétive LPP. ACIDENTE Durante o período em que receber subsídio de desemprego, encontra-se segura(o) contra acidentes na Suva. A quotização para os acidentes não profissionais é dezida ao subsídio diário. Em caso de acidente, deve informar imediatamente o ORP e o seu fundo de desemprego. Peça ao fundo de desemprego o impresso para o caso de acidente. A cobertura de seguro termina 30 dias após a data em que cessar o direito ao subsídio de desemprego. PRESTAÇÕES FEDERAIS EM CASO DE DOENÇA Em caso de doença, prevalece o seguro pelo seguro de desemprego federal como se indica: rante o máximo de 30 dias de calendário (22 subsídios diários) em caso de doença ininterrupta, mas há direito ao máximo de 44 subsídios diários por prazo-quadro. Em caso de doença, deve informar o ORP. O mais tardar a partir do 4.º dia, é obrigatório apresentar atestado médico. O original deve ser enviado à sua caixa de pagamento, com cópia ao ORP. BROCHURA DE SECO PREVIDÊNCIA PROFISSIONAL DE DESEMPREGADOS (Prévoyance professionnelle des personnes au chômage) w.ge.ch/emploi > L OCE au service des candidats > Publications BROCHURAS DE SUVA SEGURO DE ACIDENTES E DE DESEMPREGO DE A A Z / QUE FAZER EM CASO DE ACIDENTE? (Assurance-accidents et chômage de A à Z / Que faire en cas d accident?) > L OCE au service des candidats > Publications 20 As nossas brochuras também se encontram disponíveis em francês no nosso centro de acolhimento.

21 PRESTAÇÕES CANTONAIS EM CASO DE DOENÇA (PCM) No plano cantonal, foi instaurado um seguro obrigatório de perda de ganhos (PCM) para os beneficiários subsidiados. Mas atenção: este seguro não substitui o seu seguro de doença. Se já tiver um seguro de perda de ganhos, pode ficar isento, se o solicitar. No entanto, enquanto o pedido não for satisfeito, mantém-se a obrigação de pagamento dos prémios. As prestações do seu seguro existente devem ser pelo menos iguais às do seguro obrigatório (ração do contrato, prestações desde o 31. o dia e um subsídio correspondente ao montante do subsídio de desemprego). Os prémios vencem-se mensalmente e são dezidos aos subsídios pagos ou, por defeito, facturados directamente. As prestações são pagas a partir do fim do direito aos subsídios federais em caso de doença até à concorrência de 270 subsídios diários, mas não podem ultrapassar o número de subsídios de desemprego ao qual se tem direito. Aplica-se um prazo de carência de 5 dias úteis. Não é permitido sair do cantão de Genebra rante o período de doença. No entanto, a título excepcional, pode ser permitida uma permanência fora do cantão. Antes da saída deve ser obtida autorização escrita de PCM. Havendo dúvidas e para qualquer pedido, pode dirigir-se directamente ao serviço PCM pelo telefone MATERNIDADE O nascimento de um filho rante o período de pagamento do subsídio de desemprego dá direito a férias de maternidade pagas através do subsídio de maternidade rante as 16 semanas subsequentes ao parto. O pedido de subsídio de maternidade deve ser feito à caixa de compensação AVS competente. DESDOBRÁVEL RESTAÇÕES CANTONAIS EM CASO DE DOENÇA (PCM) A PROTECÇÃO ACIMA DE TUDO (Prestations cantonales en cas de maladie / PCM - la protection avant tout) > L OCE au service des candidats > Publications IMPRESSO PEDIDO DE SUBSÍDIO DE MATERNIDADE (Demande d allocation de maternité) > Services > Formulaires > Prestations régime des APG 21

22 22

23 23

24 CONTACTOS & INFORMAÇÕES Visione o nosso filme de acolhimento de acesso livre no espaço multimédia do nosso centro de acolhimento e administração, ou na nossa página na Internet: Linguas: Francês Português Espanhol Inglês OFFICE CANTONAL DE L EMPLOI Rue des Gares 16 CP Genève 2 Tél. +41 (0) Unicamente para suportes móveis com Flash. Horário de funcionamento do centro de acolhimento Segunda a Sexta-feira O OCE pretende respeitar a igualdade dos sexos. A utilização do masculino no texto resulta unicamente de um desejo de clareza e de conforto para o leitor. ANV DESIGN - Março 2014 Département de l emploi, des affaires sociales et de la santé Office cantonal de l emploi Rue des Gares 16 CP Genève 2 Tél. +41 (0) Fax +41 (0) Papel reciclado

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA. eu gosto particularmente na Suíça.» sobre o lago e os Alpes, é o que. «Um esplêndido nascer de sol

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA. eu gosto particularmente na Suíça.» sobre o lago e os Alpes, é o que. «Um esplêndido nascer de sol «Um esplêndido nascer de sol sobre o lago e os Alpes, é o que eu gosto particularmente na Suíça.» Claudia Ruisi, parteira, Bélgica VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA + O SISTEMA DE SEGURANÇA SOCIAL NA SUÍÇA +

Leia mais

A CAIXA DO FUNDO DE DESEMPREGO OCS

A CAIXA DO FUNDO DE DESEMPREGO OCS A CAIXA DO FUNDO DE DESEMPREGO OCS AS SUAS QUESTÕES, AS NOSSAS RESPOSTAS www.ocsv.ch 2 OS MEUS PROCEDIMENTOS COM A CAIXA DO FUNDO DE DESEMPREGO Deve, em primeiro lugar, escolher a sua caixa do fundo de

Leia mais

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA Endereços importantes Secretaria de Estado da Economia SECO Direcção do Trabalho / EURES Holzikofenweg 36 3003 Berne/Suíça info@eures.ch.eures.ch.espace-emploi.ch Hotline: +41 (0)58 463 25 25 Secretaria

Leia mais

Contrato de trabalho

Contrato de trabalho Modelo de contrato de trabalho conforme ODPr DFAE/0 Este modelo deve obrigatoriamente ser utilizado para contratar uma pessoa doméstica privada nos termos do Regulamento sobre os domésticos privados (ODPr)

Leia mais

Sistema previdênciário suíço e retorno ao Brasil

Sistema previdênciário suíço e retorno ao Brasil Sistema previdênciário suíço e retorno ao Brasil Informações básicas: 1) os brasileiros sem permis ou com permis podem retirar as contribuições pagas à Previdência suíça (, 2ème pilier, 3ème pilier) quando

Leia mais

VIVER E TRABALHAR NA SUIÇA

VIVER E TRABALHAR NA SUIÇA VIVER E TRABALHAR NA SUIÇA + O SISTEMA DE SEGURANÇA SOCIAL NA SUIÇA + O SISTEMA SOCIAL* O sistema suíço de segurança social é relativamente complexo: cada ramo tem as suas particularidades. Isso é devido

Leia mais

Informações. O(a) Sr(a). recebeu uma proposta de emprego na Suíça na qualidade de doméstico(a) privado(a); aqui estão algumas informações e conselhos.

Informações. O(a) Sr(a). recebeu uma proposta de emprego na Suíça na qualidade de doméstico(a) privado(a); aqui estão algumas informações e conselhos. Département fédéral des affaires étrangères DFAE Junho 2011 Informações destinadas às pessoas querendo obter um emprego na Suíça na qualidade de empregado(a) doméstico(a) ao serviço de um membro do pessoal

Leia mais

Decreto n.º 33/95 Acordo Adicional à Convenção sobre Segurança Social entre Portugal e a Suíça

Decreto n.º 33/95 Acordo Adicional à Convenção sobre Segurança Social entre Portugal e a Suíça Decreto n.º 33/95 Acordo Adicional à Convenção sobre Segurança Social entre Portugal e a Suíça Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único.

Leia mais

Contrato de trabalho

Contrato de trabalho Modelo de contrato de trabalho conforme ODPr DFAE/0 Este modelo deve obrigatoriamente ser utilizado para contratar uma pessoa doméstica privada nos termos da Ordenação sobre os domésticos privados (ODPr)

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/22 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego (6001 v4.04_2) PROPRIEDADE

Leia mais

Kanton St.Gallen Amt für Wirtschaft und Arbeit. O que você precisa saber como cliente do RAV (Centro Regional de Emprego).

Kanton St.Gallen Amt für Wirtschaft und Arbeit. O que você precisa saber como cliente do RAV (Centro Regional de Emprego). Kanton St.Gallen Amt für Wirtschaft und Arbeit O que você precisa saber como cliente do RAV (Centro Regional de Emprego). Prefácio Prezado cliente Hoje em dia qualquer pessoa pode perder o trabalho e

Leia mais

Informações. O(a) Sr(a). recebeu uma proposta de emprego na Suíça na qualidade de doméstico(a) privado(a); aqui estão algumas informações e conselhos.

Informações. O(a) Sr(a). recebeu uma proposta de emprego na Suíça na qualidade de doméstico(a) privado(a); aqui estão algumas informações e conselhos. Département fédéral des affaires étrangères DFAE Junho 2011 Informações destinadas às pessoas querendo assumir um emprego na Suíça na qualidade de empregado(a) doméstico(a) ao serviço d'um membro do pessoal

Leia mais

Ficou desempregado? Saiba o que fazer.

Ficou desempregado? Saiba o que fazer. Ficou desempregado? Saiba o que fazer. Índice Introdução 4 Sou sócio do Unia e estou desempregado 4 Fui despedido. O que devo fazer? 5 Escolha a Caixa de Desemprego do Unia 5 Inscrição 6 Diferença entre

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: CDR/ARCH/41/2014 Aquisição, instalação e adaptação de software de gestão documental e de arquivo 2014/S 153-273985

Bélgica-Bruxelas: CDR/ARCH/41/2014 Aquisição, instalação e adaptação de software de gestão documental e de arquivo 2014/S 153-273985 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:273985-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: CDR/ARCH/41/2014 Aquisição, instalação e adaptação de software de gestão documental

Leia mais

Segurado de Categoria 3 Dependentes dos Segurados de Categoria 2

Segurado de Categoria 3 Dependentes dos Segurados de Categoria 2 16.Pensão ねん きん 年 金 De acordo com o sistema de pensão oficial do Japão, todos os residentes entre 20 e 60 anos de idade são obrigados a se inscreverem na Pensão Nacional. Portanto, todas as pessoas com

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO DE ESPECIALIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL EM ARTES NO ESTRANGEIRO REGULAMENTO

BOLSAS DE ESTUDO DE ESPECIALIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL EM ARTES NO ESTRANGEIRO REGULAMENTO BOLSAS DE ESTUDO DE ESPECIALIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL EM ARTES NO ESTRANGEIRO I. DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO Artº 1º 1) Com o fim de estimular a especialização e a valorização profissional nos

Leia mais

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE NECESSIDADES DE RECORRER AO TRABALHO TEMPORÁRIO As Empresas de Trabalho

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS PRAXIS XXI CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GENÉRICAS. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DAS BOLSAS PRAXIS XXI CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GENÉRICAS. Artigo 1º Âmbito REGULAMENTO DAS BOLSAS PRAXIS XXI CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GENÉRICAS Artigo 1º Âmbito O presente regulamento aplica-se às acções de formação previstas na Medida 4 da Intervenção Operacional para a Ciência

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO DE ESPECIALIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL NO ESTRANGEIRO REGULAMENTO

BOLSAS DE ESTUDO DE ESPECIALIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL NO ESTRANGEIRO REGULAMENTO BOLSAS DE ESTUDO DE ESPECIALIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL NO ESTRANGEIRO REGULAMENTO I. DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1) Com o fim de estimular a especialização e a valorização profissional nos diversos

Leia mais

TRABALHAR NO ESTRANGEIRO. Aconselha-se a leitura prévia da brochura Trabalhar no Estrangeiro Informe-se antes de partir

TRABALHAR NO ESTRANGEIRO. Aconselha-se a leitura prévia da brochura Trabalhar no Estrangeiro Informe-se antes de partir TRABALHAR NO ESTRANGEIRO SUÍÇA Aconselha-se a leitura prévia da brochura Trabalhar no Estrangeiro Informe-se antes de partir 1. Representação institucional 2. Associações Portuguesas 3. Comunidade Portuguesa

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho a termo certo, sendo permitido o acréscimo e a eliminação

Leia mais

Parentalidade. Bom para os pais, melhor para os filhos. Licença parental até 6 meses (se partilhada entre pai e mãe).

Parentalidade. Bom para os pais, melhor para os filhos. Licença parental até 6 meses (se partilhada entre pai e mãe). Parentalidade Bom para os pais, melhor para os filhos. Licença parental até 6 meses (se partilhada entre pai e mãe). Adopção equiparada à licença parental. Trabalhadores independentes com direitos alargados.

Leia mais

FREQUENTLY ASKED QUESTIONS (FAQ) PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE PROTEÇÃO NO DESEMPREGO

FREQUENTLY ASKED QUESTIONS (FAQ) PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE PROTEÇÃO NO DESEMPREGO FREQUENTLY ASKED QUESTIONS (FAQ) PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE PROTEÇÃO NO DESEMPREGO Janeiro 2014 FAQ - PROTEÇÃO NO DESEMPREGO Índice I - Questões gerais sobre o Subsídio de Desemprego... 3 I-A Procurar

Leia mais

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal 1. Fundamento A reforma na Suíça apoia se em três pilares, a saber a AHV ("Eidgenössische Invaliden und Hinterlassenenverswicherung"

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/16 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego Parcial (6002 v4.11) PROPRIEDADE

Leia mais

da Universidade Católica Portuguesa

da Universidade Católica Portuguesa Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO Aprovado no Conselho Científico de 2 de julho de 2014 CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa

Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional

Leia mais

Contrato para vínculos de trabalho com Artistas

Contrato para vínculos de trabalho com Artistas ASCO Associação Suíça de Salas de Concerto, Cabarés, Dancings e Discotecas, Caixa Postal, 8046 Zurique O Contrato é celebrado entre a Direção: a Artista* e a Agência intermediária: Compete à Artista firmar

Leia mais

O acidente deverá ser participado à caixa de seguro de doença.

O acidente deverá ser participado à caixa de seguro de doença. FOI VÍTIMA DE ACIDENTE DE TRABALHO Queda em altura em obras de construção civil, ferimento no local de trabalho, acidente no trajecto para o local de trabalho : foi vítima de um acidente de trabalho (ou

Leia mais

Informações sobre o Programa e Instruções sobre o Formulário de Inscrição

Informações sobre o Programa e Instruções sobre o Formulário de Inscrição P Prescription Advantage Prescription Advantage O seu plano para prescrições de medicamentos acessíveis O que é Prescription Advantage? Prescription Advantage é um programa de assistência estatal de prescrições

Leia mais

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA A TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTOS

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA A TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTOS ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA A TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTOS REGIME DE DESENVOLVIMENTO [MONOCONTRATANTE] III.1 - Definições Além das previstas no artigo II.1,

Leia mais

CAIXA DE DOENÇA. Seguro básico

CAIXA DE DOENÇA. Seguro básico CAIXA DE DOENÇA Seguro básico Todas as pessoas que vivam na Suíça têm de ter um seguro de doença e acidentes. Este seguro básico é obrigatório para todos, independentemente da idade, origem e situação

Leia mais

Normas de Funcionamento da Bolsa de Voluntariado de Mafra. Prefácio

Normas de Funcionamento da Bolsa de Voluntariado de Mafra. Prefácio Normas de Funcionamento da Bolsa de Voluntariado de Mafra Prefácio A Lei n. 71/98, de 3 de Novembro, que visa promover e garantir a todos os cidadãos a participação solidária em acções de voluntariado,

Leia mais

Maternidade. Quanto tempo dura a licença de maternidade? Gémeos. Risco clínico (gravidez de risco) Aborto. Internamento depois do parto

Maternidade. Quanto tempo dura a licença de maternidade? Gémeos. Risco clínico (gravidez de risco) Aborto. Internamento depois do parto Maternidade Quanto tempo dura a licença de maternidade? A mãe trabalhadora tem direito a 120 ou 150 dias seguidos de licença de maternidade. Destes, 30 podem ser gozados antes do parto. Gémeos Se nascerem

Leia mais

Regulamento de Bolsas do CCMar

Regulamento de Bolsas do CCMar Regulamento de Bolsas do CCMar CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia ao abrigo do Decreto-Lei nº 123/99, de 20 de Abril,

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho entre menores com 16 anos de idade

Leia mais

ACORDO SOBRE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE PORTUGAL E O CANADÁ

ACORDO SOBRE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE PORTUGAL E O CANADÁ Decreto n.º 34/81 Convenção sobre Segurança Social entre a República Portuguesa e o Canadá O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte: Artigo único. É aprovada

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4 REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS Capítulo I - Disposições Gerais... 2 Capítulo II... 4 Secção I - Serviços de Saúde... 4 Secção II - Complementos de Reforma... 5 Capítulo III - Benefícios suportados pelo Fundo

Leia mais

INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Mobilidade Internacional para Estudos REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade

Leia mais

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA Endereços importantes Secretaria de Estado da Economia SECO Direcção do Trabalho / EURES Holzikofenweg 36 3003 Berne/Suíça info@eures.ch.eures.ch.espace-emploi.ch Hotline: +41 (0)58 463 25 25 Secretaria

Leia mais

7114 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 241 19 de Dezembro de 2005 MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL TÍTULO I. Disposições gerais

7114 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 241 19 de Dezembro de 2005 MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL TÍTULO I. Disposições gerais 7114 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 241 19 de Dezembro de 2005 Aux fins de l application de l article 6, paragraphe 5, les autorités compétentes sont le commandant en chef de la police («Komendant

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego Parcial (6002 v4.02_2)

Leia mais

CONSULADO GERAL DA FRANCA EM SAO PAULO. O agendamento do seu pedido de visto é feito através do site: http://saopaulo.ambafrance-br.

CONSULADO GERAL DA FRANCA EM SAO PAULO. O agendamento do seu pedido de visto é feito através do site: http://saopaulo.ambafrance-br. CONSULADO GERAL DA FRANCA EM SAO PAULO (atualizado em : 29/08/2014) PEDIDO DE VISTO DE LONGA DURACAO (superior a 3 meses) MENORES ESCOLARIZADOS E DESACOMPAHADOS VIAGEMS ORGANIZADAS POR INTITUCOES OU AGENCIAS

Leia mais

PACK BEM-VINDO * (*) Pack gratuito durante 1 o ano. Toujours plus proche de ceux qui veulent aller plus loin.

PACK BEM-VINDO * (*) Pack gratuito durante 1 o ano. Toujours plus proche de ceux qui veulent aller plus loin. PACK BEM-VINDO * * (*) Pack gratuito durante 1 o ano Toujours plus proche de ceux qui veulent aller plus loin. BCP Bem-vindo Descubra o nosso pack gratuito ** para recém chegados ao Luxemburgo! Gestão

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACORDO DE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE PORTUGAL E O BRASIL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO ACORDO DE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE PORTUGAL E O BRASIL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO ACORDO DE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE PORTUGAL E O BRASIL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acordo de Segurança Social entre Portugal e o Brasil (N58 v1.1) PROPRIEDADE

Leia mais

Aviso de Alterações Anuais para 2015

Aviso de Alterações Anuais para 2015 Programa de Opções de Cuidados Seniores (HMO SNP) fornecido pela Commonwealth Care Alliance Aviso de Alterações Anuais para 2015 Está actualmente inscrito como membro do Programa de Opções de Cuidados

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA. DECRETO PRESIDENCIAL N.º 8/11 de 7 de Janeiro

PRESIDENTE DA REPÚBLICA. DECRETO PRESIDENCIAL N.º 8/11 de 7 de Janeiro REPÚBLICA DE ANGOLA PRESIDENTE DA REPÚBLICA DECRETO PRESIDENCIAL N.º 8/11 de 7 de Janeiro Considerando a necessidade de se regulamentar de modo sistemático as prestações que integram o regime jurídico

Leia mais

Acordo de Previdência Social entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Helênica

Acordo de Previdência Social entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Helênica Acordo de Previdência Social entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Helênica Desejosos de regular as relações dos dois países em matéria de previdência social, Resolveram

Leia mais

Artigo 2º Tipos de bolsas. a) Bolsas de pós-doutoramento (BPD); b) Bolsas de doutoramento (BD); c) Bolsas de mestrado (BM);

Artigo 2º Tipos de bolsas. a) Bolsas de pós-doutoramento (BPD); b) Bolsas de doutoramento (BD); c) Bolsas de mestrado (BM); Despacho Conjunto MCT/MQE DR nº 162, II Série, de 15 de Julho de 1996 A decisão da Comissão Europeia C (94) 376 aprovou o quadro comunitário de apoio para as intervenções estruturais comunitárias relativas

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/18 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego Parcial (6002 v4.23) PROPRIEDADE

Leia mais

Contrato de trabalho celebrado com trabalhador não residente (Modelo)

Contrato de trabalho celebrado com trabalhador não residente (Modelo) Contrato de trabalho celebrado com trabalhador não residente (Modelo) O primeiro outorgante O segundo outorgante Entre [Nome do empregador/seu representante legal] (1), com domicílio ou sede em, portador

Leia mais

SEGURO SEGURO O ABC DO. Em colaboração com: Agradecimentos: Ministério de Finanças e Planeamento Económico da República do Ghana. GTZ-Ghana.

SEGURO SEGURO O ABC DO. Em colaboração com: Agradecimentos: Ministério de Finanças e Planeamento Económico da República do Ghana. GTZ-Ghana. ASSOCIAÇÃO MOÇAMBICANA DOS OPERADORES DE MICROFINANÇAS O ABC DO SEGURO O ABC DO SEGURO Em colaboração com: Agradecimentos: Ministério de Finanças e Planeamento Económico da República do Ghana. GTZ-Ghana.

Leia mais

Município de Arganil Câmara Municipal. Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil. Preâmbulo

Município de Arganil Câmara Municipal. Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil. Preâmbulo Município de Arganil Câmara Municipal Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil Preâmbulo A Lei nº 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, definindo-o

Leia mais

O Governo da República Federativa do Brasil E O Governo da República Portuguesa

O Governo da República Federativa do Brasil E O Governo da República Portuguesa Ajuste Administrativo ao Acordo de Seguridade Social ou Segurança Social entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Portuguesa O Governo da República Federativa do Brasil

Leia mais

Mobilidade Europeia. Os seus direitos de segurança social no Liechtenstein. Comissão Europeia

Mobilidade Europeia. Os seus direitos de segurança social no Liechtenstein. Comissão Europeia 9 Mobilidade Europeia Os seus direitos de segurança social no Liechtenstein Comissão Europeia Mobilidade Europeia (na União Europeia, no Espaço Económico Europeu e na Suíça) Os seus direitos de segurança

Leia mais

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO FISCAL N.º 1/2009 JAN/FEV 2009 INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO Nuno Sampayo Ribeiro No Conselho de Ministros de 13 de Dezembro de 2008 foi aprovado um reforço do investimento público. O qual será

Leia mais

EURES: uma carreira na Europa

EURES: uma carreira na Europa EURES: uma carreira na Europa REDE EURES http://www.youtube.com/watch?v=-b-cf05oo7y&list=plw_7qqldjbjd-uce36bl25dpvwljlyxfq&index=93 Porquê ir para fora? MOTIVAÇÕES Perspetivas de emprego Enriquecimento

Leia mais

PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES

PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES [MULTI-BENEFICIÁRIOS] III.1 Definições Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção

Leia mais

Reembolso em espécie das prestações acumuladas na Previdência Profissional ao deixar definitivamente a Suíça a partir de 1 de Junho de 2007

Reembolso em espécie das prestações acumuladas na Previdência Profissional ao deixar definitivamente a Suíça a partir de 1 de Junho de 2007 Sicherheitsfonds BVG Geschäftsstelle Postfach 1023 3000 Bern 14 Tel. +41 31 380 79 71 Fax +41 31 380 79 76 Fonds de garantie LPP Organe de direction Case postale 1023 3000 Berne 14 Tél. +41 31 380 79 71

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/37 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego (6001 v4.18) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

2. Força de trabalho e custos de mão de obra

2. Força de trabalho e custos de mão de obra 2. Força de trabalho e custos de mão de obra Índice 2.1 Produtividade, motivação e 2 experiência internacional 2.2 Condições do contrato de trabalho 2 2.3 Recrutamento 3 2.4 Níveis salariais 3 2.5 Custos

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho sem termo, sendo permitido o acréscimo e a eliminação de cláusulas

Leia mais

Pais, o vosso papel na orientação dos vossos filhos

Pais, o vosso papel na orientação dos vossos filhos Pais, o vosso papel na orientação dos vossos filhos PASSAR DO SONHO AO PROJETO REALISTA Hoje aluno e amanhã aprendiz ou aluno do ensino secundário superior (Gymnase). Daqui a dois anos, o vosso filho vai

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO PARA O JAPÃO ANOS ACADÉMICOS DE 2017-2019

BOLSAS DE ESTUDO PARA O JAPÃO ANOS ACADÉMICOS DE 2017-2019 BOLSAS DE ESTUDO PARA O JAPÃO ANOS ACADÉMICOS DE 207-209 O Ministério da Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia do Japão (Monbukagakusho) concede bolsas de estudo a licenciados portugueses para

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. CAPITULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. CAPITULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia ao abrigo da Lei

Leia mais

REGRAS TÉCNICAS PARA APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO

REGRAS TÉCNICAS PARA APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO REGRAS TÉCNICAS PARA APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Nos termos do disposto no nº2 do Despacho nº 10324-D/97 do D.R. (II Série) de 31 de Outubro, o Conselho de Acção Social dos

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 52/05 DE 8 DE AGOSTO

CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 52/05 DE 8 DE AGOSTO REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 52/05 DE 8 DE AGOSTO Considerando que a alínea b) do artigo 18 da Lei nº 7/04, Lei de Bases da Protecção Social, consagra a protecção na maternidade

Leia mais

Aposentadoria do INSS. O Itaú explica para você como funciona e esclarece suas dúvidas.

Aposentadoria do INSS. O Itaú explica para você como funciona e esclarece suas dúvidas. Aposentadoria do INSS. O Itaú explica para você como funciona e esclarece suas dúvidas. O Itaú quer estar presente em todos os momentos da sua vida. Por isso, criou este material para ajudar você com as

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/29 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego (6001 v4.12_2) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

Comportamento nas Organizações

Comportamento nas Organizações Comportamento nas Organizações Trabalho realizado por: Pedro Branquinho nº 1373 Tiago Conceição nº 1400 Índice Introdução... 3 Comportamento nas organizações... 4 Legislação laboral... 5 Tipos de contrato

Leia mais

solução BeM-vindo * (*) Oferta gratuita durante o 1º ano Toujours plus proche de ceux qui veulent aller plus loin.

solução BeM-vindo * (*) Oferta gratuita durante o 1º ano Toujours plus proche de ceux qui veulent aller plus loin. * solução BeM-vindo * (*) Oferta durante o 1º ano Toujours plus proche de ceux qui veulent aller plus loin. BCP Bem-vindo Descubra a nossa solução ** para recém-chegados ao Luxemburgo! Gestão conta corrente

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL DE DESEMPREGO, INICIAL OU SUBSEQUENTE AO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL DE DESEMPREGO, INICIAL OU SUBSEQUENTE AO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL DE DESEMPREGO, INICIAL OU SUBSEQUENTE AO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/36 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático

Leia mais

Decreto n.º 30/76 Convenção entre o Governo da República Portuguesa e o Conselho Federal Suíço sobre Segurança Social

Decreto n.º 30/76 Convenção entre o Governo da República Portuguesa e o Conselho Federal Suíço sobre Segurança Social Decreto n.º 30/76 Convenção entre o Governo da República Portuguesa e o Conselho Federal Suíço sobre Segurança Social Usando da faculdade conferida pelo artigo 3.º, n.º 1, alínea 3), da Lei Constitucional

Leia mais

30.4.2004 PT Jornal Oficial da União Europeia L 158/ 77. DIRECTIVA 2004/38/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 29 de Abril de 2004

30.4.2004 PT Jornal Oficial da União Europeia L 158/ 77. DIRECTIVA 2004/38/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 29 de Abril de 2004 30.4.2004 PT Jornal Oficial da União Europeia L 158/ 77 DIRECTIVA 2004/38/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 29 de Abril de 2004 relativa ao direito de livre circulação e residência dos cidadãos

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO

REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO REGULAMENTO DE BOLSAS DO INESC PORTO I - DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Finalidade da atribuição das bolsas) 1. O INESC Porto - Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores do Porto, com o objectivo

Leia mais

GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Cartão Europeu de Seguro de Doença (N39 - v4.07) PROPRIEDADE Instituto da Segurança

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS EDITAL N 0 43/2015 de 01/04/2015 PROGRAMA DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO AOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 2º

Leia mais

O formulário de longa duração e o agendamento no seguinte endereço: http://riodejaneiro.ambafrance-br.org/spip.php?rubrique147

O formulário de longa duração e o agendamento no seguinte endereço: http://riodejaneiro.ambafrance-br.org/spip.php?rubrique147 VISTOS PARA MENORES O formulário de longa duração e o agendamento no seguinte endereço: http://riodejaneiro.ambafrance-br.org/spip.php?rubrique147 Taxa do visto ( não reembolsável) : Paga em Reais (espece),

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/35 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego (6001 v4.29) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

Saber mais sobre o Serviço Público Essencial da Eletricidade

Saber mais sobre o Serviço Público Essencial da Eletricidade Saber mais sobre o Serviço Público Essencial da Eletricidade A liberalização do mercado da energia exige aos consumidores maior atenção e conhecimento das novas regras e condições da prestação do serviço

Leia mais

APPDA Setúbal, ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA AS PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO E AUTISMO. Regulamento. APPDA-Setúbal

APPDA Setúbal, ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA AS PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO E AUTISMO. Regulamento. APPDA-Setúbal APPDA Setúbal, ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA AS PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO E AUTISMO Regulamento Interno do Voluntariado da APPDA-Setúbal Avenida 5 de Outubro, Edifício Bocage 148 4º L 2900-309 Setúbal

Leia mais

HOPE PORTUGAL. Regulamento do Programa de Intercâmbio

HOPE PORTUGAL. Regulamento do Programa de Intercâmbio HOPE PORTUGAL Regulamento do Programa de Intercâmbio Disposições aplicáveis 1- Os procedimentos e normas que regem o programa acima referido e abaixo denominado Intercâmbio, constam do presente documento,

Leia mais

Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218

Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218 Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218 Regulamento de horário de trabalho aplicável aos trabalhadores da DGCI que prestam serviço no Edifício Satélite 1 - Em conformidade com o disposto

Leia mais

Tipo de Bolsa Montante Mensal ( ) Bolsa de Investigação (BI) Mestres 980,00 Licenciados ou Bacharéis 745,00 Bolsa de Iniciação Científica (BIC)

Tipo de Bolsa Montante Mensal ( ) Bolsa de Investigação (BI) Mestres 980,00 Licenciados ou Bacharéis 745,00 Bolsa de Iniciação Científica (BIC) 1. Tipos de bolsas 1.1 Quais os tipos de bolsas e montantes definidos no Regulamento das Bolsas* As bolsas distinguem-se de acordo com a sua finalidade e o grau académico requerido para os bolseiros. Tipo

Leia mais

A Portaria 151/2014, de 30 de Julho, que cria o PROGRAMA INVESTE JOVEM Entrada em vigor: 29 de Setembro de 2014;

A Portaria 151/2014, de 30 de Julho, que cria o PROGRAMA INVESTE JOVEM Entrada em vigor: 29 de Setembro de 2014; 7 de Agosto 2014 Direito do Trabalho Em 24 e 30 de Julho de 2014 foram publicadas quatro Portarias com o objectivo de combater o desemprego, e sobretudo o desemprego jovem, a saber: A Portaria 149-A/2014,

Leia mais

EURES: uma carreira na Europa

EURES: uma carreira na Europa EURES: uma carreira na Europa Delegação Regional do Algarve do IEFP - EURES Volta de Apoio ao Emprego III AGE - Albufeira,23-10-2014 EURES: encontrar um emprego na Europa Delegação Regional do Algarve

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS RICARDO JORGE CAPITULO I. Disposições Gerais

REGULAMENTO DAS BOLSAS RICARDO JORGE CAPITULO I. Disposições Gerais REGULAMENTO DAS BOLSAS RICARDO JORGE CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia ao abrigo da Lei n.º 40/2004, de 18 de Agosto,

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. na Suíça

Os seus direitos de segurança social. na Suíça Os seus direitos de segurança social na Suíça O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social (MISSOC).

Leia mais

Cartilha Plano A. Índice

Cartilha Plano A. Índice Cartilha Plano A Cartilha Plano A Índice Apresentação A Previnorte Histórico Patrimônio Plano de Benefícios e Plano de Custeio Salário Real de Contribuição Jóia Requisitos exigidos para filiação à PREVINORTE

Leia mais

Programa INOV Contacto - Estágios Internacionais Edição 2013/14

Programa INOV Contacto - Estágios Internacionais Edição 2013/14 Programa INOV Contacto - Estágios Internacionais Edição 2013/14 Protocolo de Estágio Entre AICEP - Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E.P.E. e Entre PRIMEIRO: AICEP - Agência para

Leia mais

PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES

PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES [MULTI-BENEFICIÁRIOS] III. 1 - Definições Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção

Leia mais

BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO

BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO Última atualização 15.04.2015 1 Tipos de bolsas 1.1 Quais os tipos de bolsas e montantes definidos no Regulamento das Bolsas? As bolsas distinguem-se de

Leia mais

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE VILA DO CONDE

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE VILA DO CONDE BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE VILA DO CONDE NORMAS DE FUNCIONAMENTO Preâmbulo O Voluntariado é uma actividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo,

Leia mais

BACCALAURÉAT GÉNÉRAL ET TECHNOLOGIQUE. Session 2011 PORTUGAIS LANGUE VIVANTE 2

BACCALAURÉAT GÉNÉRAL ET TECHNOLOGIQUE. Session 2011 PORTUGAIS LANGUE VIVANTE 2 BACCALAURÉAT GÉNÉRAL ET TECHNOLOGIQUE Session 2011 PORTUGAIS LANGUE VIVANTE 2 Série L : 3 heures coefficient 4 Série S : 2 heures coefficient 2 Série STG (sauf CGRH) : 2 heures coefficient 2 Série STG

Leia mais

Decreto-Lei n.º 140-B/2010. de 30 de Dezembro

Decreto-Lei n.º 140-B/2010. de 30 de Dezembro Decreto-Lei n.º 140-B/2010 de 30 de Dezembro O presente decreto-lei é mais um passo no objectivo do Governo de reafirmar os princípios de convergência e universalização dos regimes de protecção social

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO PARA O JAPÃO ANOS ACADÉMICOS DE 2016-2018

BOLSAS DE ESTUDO PARA O JAPÃO ANOS ACADÉMICOS DE 2016-2018 BOLSAS DE ESTUDO PARA O JAPÃO ANOS ACADÉMICOS DE 2016-2018 O Ministério da Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia do Japão (Monbukagakusho) concede bolsas de estudo a licenciados portugueses

Leia mais

Regulamento do Banco Local de Voluntariado de Boticas. Preâmbulo. A Lei n.º 71/98, de 3 de novembro estabelece as bases do

Regulamento do Banco Local de Voluntariado de Boticas. Preâmbulo. A Lei n.º 71/98, de 3 de novembro estabelece as bases do Regulamento do Banco Local de Voluntariado de Boticas Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de novembro estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, visando promover e garantir a todos os cidadãos

Leia mais

REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007)

REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007) REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007) CAPÍTULO I NORMAS GERAIS Artigo 1.º Legislação Habilitante Lei nº 23/2004, de 22 de Junho; Decreto-Lei nº 100/99.

Leia mais