SPAIDA Boletim Informativo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SPAIDA Boletim Informativo"

Transcrição

1 Association Internationale du Droit de l Assurance Boletim Informativo AIDA Secção Portuguesa Ano Nº 1 Janeiro Editorial INDICE Editorial 1 Legislação 1 Direito dos Seguros na Base da Definição de Princípios Gerais do Direito Comunitário 2 José Carlos Moitinho de Almeida Presidente do Conselho Directivo A, depois de mais de uma década de inactividade, reinicia os seus trabalhos. Insere-se esta decisão num período em que a evolução do mercado segurador e das concepções político-sociais tornam clara a inadequação do regime jurídico vigente no que respeita ao contrato de seguro. Único país da Europa comunitária em que a apólice é considerada como requisito formal ad substantiam desse contrato, quando os meios de comunicação hoje disponíveis e as necessidades práticas impõem flexibilidade, é talvez este aspecto aquele sobre que, com mais urgência, o legislador se deve debruçar. Reforma tanto mais necessária quanto a jurisprudência começa a reflectir o desajustamento legal criando a insegurança jurídica onde ela é social e economicamente nefasta. Mas outros domínios existem que requerem ponderação sobre os caminhos a seguir. É o caso, por exemplo, das repercussões sobre o contrato de seguro de vida dos avanços no domínio das ciências médicas, e do Sida. O direito comunitário não pode ser esquecido. As directivas de Bruxelas no domínio dos seguros penetram cada vez mais no direito material (assim, uma recente proposta de directiva em matéria do seguro obrigatório automóvel faz recair sobre o segurador uma responsabilidade que pode não caber ao segurado, a dos danos causados a peões e ciclistas, designadamente quando haja culpa de uns ou de outros) e a jurisprudência do Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias desenvolve, a partir do direito dos seguros, os princípios gerais do direito comunitário. Propõe-se a analisar estas e outras matérias ligadas com a disciplina jurídica da actividade seguradora em colóquios e conferências e publicar, semestralmente, o seu Boletim onde se fará eco do que se passa naquele domínio e, designadamente, da jurisprudência, nacional e comunitária. A reestruturou-se, organizando um trabalho colectivo que, esperamos, assegurará a boa realização dos fins para que foi criada. O Artigo 508º do Código Civil Declaração do Risco, Deveres de Informação e Boa Fé Orgãos Sociais 8 Homenagem ao 9 Prof. Ferrer Correia Resumo de Jurisprudência 10 Jornadas em Direito dos Seguros Legislação: Decreto-Lei nº 303/2003 DR 281SERIE I-A de MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Alterações ao regime de titularização de créditos Decreto-Lei nº 304/2003 DR 283 SERIE I-A de PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Regime jurídico de acesso e de exercício da actividade de promoção e de organização do campo de ferias Decreto-Lei nº 309/2003 DR 284 SERIE I-A de MINISTÉRIO DA SAÚDE Cria a Entidade Reguladora da Saúde Portaria nº 1344/2003 DR 281 SERIE I-B de MIN. OBRAS PÚBLICAS, TRANS- PORTES E HABITAÇÃO Certificado de capacidade professional para o exercício da actividade transitária 5 11 Escaparate 11 6

2 Pág.2 DIREITO DOS SEGUROS NA BASE DA DEFINIÇÃO DE PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO COMUNITÁRIO José Carlos Moitinho de Almeida Conselheiro do Supremo Tribunal de Justiça 1.Em 24 de Outubro de 2002 proferiu o Tribunal de Justiça da Comunidades Europeias uma decisão, no caso Riunione Adriática di Sicurtà SpA (RÃS), de especial interesse no que respeita à delimitação do efeito directo de directivas não transpostas na ordem interna. É conhecida a jurisprudência daquele Tribunal no sentido de que de directivas não transpostas não podem resultar direitos ou obrigações para particulares 1.Uma parte da doutrina e os Advogados-Gerais Saggio 2 e Alber 3, apoiados em acórdãos onde fora constatada a incompatibilidade do direito nacional com certas directivas, sem qualquer referência à exclusão do efeito directo horizontal, entenderam que as jurisdições nacionais devem excluir a aplicação do direito interno contrário a uma directiva não transposta e ainda que daí indirectamente resultem direitos ou obrigações para particulares: Isso não origina problemas do ponto de vista do direito comunitário uma vez que o efeito jurídico fundado na directiva se produz em relação ao particular pelo canal do direito interno 4. Esta doutrina não foi aceite pelo Tribunal de Justiça na mencionada decisão proferida no caso RAS. Estava aí em causa a limitação, em Itália, dos prémios de seguro automóvel, no âmbito da luta contra a inflação o que, segundo a Autora, era contrário a certas disposições de duas directivas no domínio do seguro não-vida. Fundando-se na incompatibilidade do direito italiano com estas disposições, a seguradora pedia ao tomador do seguro, o Sr. LoBue, um prémio superior ao que resultaria da referida limitação. A obrigação de pagamento de prémio sem limite não resultava directamente das directivas mas da proibição de aprovação prévia das tarifas consagrada dos artigos 8, n 3, da directiva 73/235/CEE, do Conselho, de 24 de Julho de 1973 e 29, da directiva 92/94/CEE, do conselho, de 18 de Junho de O Tribunal, dispensando o procedimento do reenvio prejudicial, limitou-se a citar a jurisprudência as directivas não podem por si próprias criar obrigações a particulares e não podem, como tais, ser invocadas contra estes 6. Os acórdãos invocados em apoio da doutrina do efeito de exclusão, em litígios entre particulares, foram os proferidos nos casos Bernaldez e Bellone 7, Comissão contra a República Italiana 8 e CIA 9. Os dois primeiros limitaram-se a responder às questões prejudiciais, sem chamar a atenção do juiz nacional sobre a exclusão do efeito directo. Mas o acórdão proferido no caso Comissão/ República Italiana é incompatível com a decisão RAS. Estava aí em causa a legislação daquele Estado-Membro que previa uma exoneração fiscal incompatível com a directiva 77/88/CEE, do Conselho, de 17 de Maio de Depois de ter constatado o incumprimento, o Tribunal, no n 24 do acórdão chamou a atenção para o facto de que Em qualquer caso, a constatação de que um Estado-Membro não cumpriu as suas obrigações comunitárias implica, para as autoridades tanto judiciárias como administrativas desse Estado, por um lado, a proibição de pleno direito de aplicarem o regime de exoneração fiscal e, por outro lado, a obrigação de tomarem todas as disposições com vista a facilitar a realização do pleno efeito do direito comunitário. No caso CIA, duas empresas concorrentes tinham apresentado pedidos reconvencionais para que se declarasse que CIA, ao comercializar um sistema de alarme não aprovado e exercendo uma actividade não autorizada, infringira os bons usos comerciais e fosse proibida a comercialização do referido sistema. O Tribunal de Justiça considerou que certas disposições de um decreto belga que CIA desrespeitava eram especificações técnicas, na acepção do artigo1, ponto 5 da directiva 83/189/CEE, do Conselho, de 28 de Março de 1983 e que, por isso, deviam ter sido notificadas à Comissão nos termos previstos na directiva. Este vício de procedimento implica a inaplicabilidade das regras técnicas em causa aos particulares, que pode ser invocada perante as jurisdições nacionais. As empresas concorrentes de CIA tiveram, pois, de suportar a comercialização do sistema de alarme em causa, consequência da aplicação de uma directiva que o governo belga não observara. O acórdão não justifica este efeito que, todavia, pode compreender-se se tivermos em conta o argumento decisivo contra a admissão do efeito directo horizontal: aos particulares inocentes não devem ser aplicadas disposições de directivas não transpostas, incorrectamente transpostas ou ignoradas. Ora, no caso concreto, as empresas concorrentes de CIA tiveram de suportar a concorrência mas podiam igualmente beneficiar da directiva que estendia a sua liberdade de actuação 10. A mesma questão surgiu no caso Unilever, relativo a obrigações contratuais. Unilever fornecera a Central Food certa quantidade de azeite cuja etiquetagem não se apresentava em conformidade com a lei italiana. O adquirente recusou o pagamento e pediu a Unilever que retirasse a mercadoria do seu armazém. O governo italiano não comunicara a especificação técnica em causa como o exigia a directiva 83/189.

3 Ano Nº 1 Pág. 3 Claramente com o objectivo de delimitar a sua jurisprudência que afasta o efeito directo horizontal, o Tribunal de Justiça justificou assim a inaplicabilidade da regra técnica em causa: Em tal situação (vício de procedimento que conduz à inaplicabilidade dessa regra) e contrariamente à hipótese de não transposição de directivas abrangida pela jurisprudência invocada, a directiva 83/89 não define o conteúdo da regra de direito com base na qual o juiz nacional deve decidir o litígio. Não cria direitos ou obrigações para os particulares 11. Esta explicação não convence. O facto de uma directiva não criar direitos ou obrigações para particulares não justifica que a sua aplicação que afecta os legítimos interesses de particulares deva ser distinguida da hipótese clássica invocada pelo Tribunal. Tratando-se de directivas que contêm uma regulamentação objectiva de certas matérias não pode admitir-se que, indirectamente, possam ter para os particulares um efeito equivalente ao de uma obrigação. Ora, no caso Unilever não se vê em que medida os interesses de Central Food eram de tal modo afectados 12, o que levante dúvidas quanto à realidade do litígio. Como foi observado, situação análoga pode ocorrer em caso de directivas de harmonização, quando o adquirente se recuse a aceitar mercadorias que não respeitam especificações nacionais mas de acordo com as regras comunitárias. Também aqui o interesse do particular deve ser decisivo De especial interesse no que reseita aos seguradores portugueses é a jurisprudência comunitária no que respeita à definição do efeito directo vertical. O Tribunal de Justiça admite que directivas não transpostas ou mal transpostas ou mal transpostas possam ser invocadas contra o Estado (efeito directo vertical). Esta jurisprudência, que assenta no abuso de direito (o Estado que não cumpriu a obrigação de transposição não pode invocar esse incumprimento em litígios com particulares 14 ), utiliza uma noção ampla de Estado: nela são incluídas as autoridades administrativas 15, constitucionalmente independentes 16, os organismos públicos e as colectividades territoriais 17 e mesmo uma sociedade constituída sob forma comercial, resultante de uma privatização: qualquer organismo, seja qual for a sua forma jurídica, encarregado por acto da autoridade pública de realizar, debaixo do controlo desta última, um serviço de interesse público e que dispõe, para o efeito, de poderes exorbitantes relativamente às regras aplicáveis nas relações entre particulares, figura entre as pessoas às quais podem ser opostas disposições de uma directiva, susceptíveis de produzirem efeito directo 18. No acórdão Kampelmann 19, o Tribunal de Justiça parece ampliar o critério seguido no caso Foster: o critério da sujeição à autoridade do Estado aparece em alternativa ao da existência de poderes exorbitantes. Ora, no caso Collino e Chiappero 20, estava em causa uma sociedade sujeita ao controlo do Estado que detinha a totalidade do capital, a sociedade Iritel, para a qual tinham sido transferidos dois trabalhadores que pretendiam beneficiar do artigo 3, n 1 da directiva 77/187/CEE, do Conselho, de 14 de Fevereiro de 1997, e o Tribunal de Justiça limitou-se a invocar o princípio de que um Estado-Membro não deve tirar proveito do facto de ter desrespeitado o direito comunitário bem como o critério definido no caso Foster. No n 23 das suas conclusões, o Advogado- Geral Alber deduzira da jurisprudência que sempre que, na prática, directa ou indirectamente, o Estado se encontra por detrás de um organismo ou empresa e que o ou a controla, não estamos em presença de um particular, o que implicava a oponibilidade a Iritel das disposições em causa. Os acórdãos Kampelmann e Collino e Chiappero parecem, assim, dar uma resposta diferente à questão de saber se uma empresa de que o Estado é proprietário exclusivo está abrangida pelo efeito directo vertical. Trata-se de questão que nos interessa pois uma seguradora existe cujo capital pertence exclusivamente ao Estado contra a qual um particular pode invocar uma directiva não transposta. 1 Entre outros, os acórdãos de 26 de Fevereiro de 1986, Marshall, 152/84, Colectânea p.733, n s 48 e 49, de 14 de Julho de 1994, Faccini Dori, C-91/92, Colectânea p.i-3325, n s 21 e 22 e de 7 de Março de 1996, El corte Inglês, C-192/94, colectânea, p.i-1281, n s 15 e Conclusões no caso Oceano Grupo Editorial, Colectânea, 2000, p.i-4961, n 38 3 Conclusões no caso Collino e Chiappero, Colectânea, 2000, p.i-6670, n 30 4 Conclusões do Advogado Geral Alber citadas nota anterior. 5 Respectivamente, no Jornal Oficial L228, p.3 e L 228, p.1 6 N 19 da decisão que cita o acórdão proferido no caso Collino e Chiappero, C-343/98, Colectânea, p.i-6659, n s 20 e Acórdãos de 28 de Março de 1996, C-129/94, Colectânea, p.i-1829 e de 30 de Abril de 1998, C-215/97, Rec.p.I Acórdão de 19 de Janeiro de 1993, Colectânea, p.i Acórdão de 30 de Abril de 1996, colectânea, p.i Neste sentido, Jörg Gundel,Neue Grenzlinien für Direktwirkung nicht umgesetzer EG- Richtlinien unter Privaten, in Europäische Zeitschrift für Wirtschaftrecht, 2001, p N 51 do acórdão. 12 Neste sentido, Jörg Gundel, op.cit.p Neste sentido, Jörg Gundel loc.ult.cit ; 14 Acórdão de 5 de Abril de 1979, Ratti, 136/78, Colectânea 1979, p Acórdão Marschal, supra, nota 1 16 Acórdão de 15 de Maio de 1986, Johnston, 222/84, Colectânea, p Acórdão de 22 de Junho de 1989, Costanzo,103/88, Colectânea, p Acórdão de 12 de Julho de 1990, Foster, C- 188/89, Colectânea, p.i-3313, n 20. Este acórdão foi interpretado restritivamente: os factos remontavam a uma época em se tratava de empresa nacionalizada e a solução seria diferente se tivessem tido lugar após a privatização- Philippe Manin, L invocabilité dês directives: quelques interrogations, in Revue Trimestrielle de Droit Européen, 1990, p.684. Afigura-se-nos, porém, que o acórdão não comporta esta interpretação. 19 Acórdão de 4 de Dezembro de 1997, C- 253/96, Colectânea, p.i-6907, n Supra, nota 6

4 Pág.4 O ARTIGO 508º DO CÓDIGO CIVIL: OBRIGAÇÃO DE INTERPRETAÇÃO EM CONFORMIDADE COM O DIREITO COMUNITÁRIO? José Carlos Moitinho de Almeida Conselheiro do Supremo Tribunal de Justiça 1. Das directivas comunitárias não transpostas ou incorrectamente transpostas na ordem interna não podem resultar direitos ou obrigações para os particulares 1, mas, nesta situação, recai sobre as jurisdições nacionais a obrigação de interpretarem o seu direito interno, em toda a medida do possível e desde que este direito lhes confira uma margem de apreciação, em conformidade com as directivas aplicáveis. O Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias deduz dos artigos 189 (hoje 249 ) e 5 do Tratado CE tal obrigação 2, frequentemente lembrada 3, teve uma aplicação particular no caso Marleasing 4. Tinha este caso por objecto a validade de uma sociedade anónima. Os artigos 1201 e 1275 do Código Civil Espanhol determinam a nulidade dos contratos sem causa ou quando esta seja ilícita, mas este fundamento de nulidade não se encontra prevista no artigo 11 do directiva 68/151/CEE, do Conselho, de 9 de Março de Ora, o tribunal de Justiça não se limitou a chamar a atenção da jurisdição nacional para a obrigação de interpretação conforme. Decidiu que o o juiz estava obrigado a interpretar o seu direito nacional à luz do texto e da finalidade da directiva, com vista a impedir a declaração de nulidade de uma sociedade anónima por um fundamento diferente dos enumerados no seu artigo 11. Esta exigência implica, na realidade, o efeito directo da directiva como o Advogado Geral Van Gerven tinha proposto, distinguindo entre a constatação da validade de um acto e a nulidade ou qualquer outra sanção de direito Civil 5. Este acórdão, cuja solução não era necessária 6, está hoje ultrapassado. No caso Centrosteel, em que a validade de certo contrato de agência era imposta por uma directiva comunitária, o Tribunal de Justiça limitou-se a invocar a obrigação de interpretação conforme, em toda a medida do possível 7. A obrigação de interpretação conforme suscita alguns problemas quanto à sua delimitação. a)disposições não susceptíveis de efeito directo Em primeiro lugar suscita-se a questão de saber se a obrigação de interpretação conforme existe mesmo quando a disposição em causa de uma directiva não seja susceptível de efeito directo. No caso Carbonari 8 o Tribunal de Justiça deu a esta questão uma resposta positiva, o que, porém, se não deve entender em termos absolutos: a interpretação não deve ter por efeito a criação de uma regra de direito cuja competência pertença ao legislador nacional e só é possível quando a finalidade da directiva seja suficientemente precisa 9. b) Quando nasce a obrigação Em segundo lugar, importa definir o momento a partir do qual as jurisdições nacionais se encontram ligadas pela obrigação de interpretação conforme: desde que a directiva foi adoptada ou a partir do termo do prazo de transposição? É esta última a solução que se impõe. O fundamento da obrigação em causa encontra-se nos artigos 189 (hoje 249) e 5 do Tratado CE e nada impõe que o seu início seja antecipado relativamente à obrigação de transposição. É certo que no acórdão Inter-Environnement Wallonie 10, o Tribunal de Justiça entendeu não deverem os Estados- Membros adoptar, durante o prazo de transposição, disposições que possam seriamente comprometer a realização do resultado por uma directiva, mas não é este o caso, em regra, quando na aplicação do direito nacional, no decurso do prazo de transposição, o conteúdo de uma directiva não é tomado em consideração 11. c) Domínio de aplicação A obrigação de interpretação conforme abrange o direito nacional que se encontra no domínio de aplicação da directiva em causa, desde que as suas disposições ou objectivos possam ser comprometidos. O princípio da segurança jurídica exige, porém, que tal obrigação não exista relativamente ao direito nacional cuja aplicação possa determinar ou agravar a responsabilidade penal de quem violou uma directiva 12. d) Método de interpretação O Tribunal de Justiça considera que a obrigação de interpretação conforme deve ser respeitada em toda a medida do possível, à luz do texto e da finalidade da directiva em causa, e na medida em que uma margem de apreciação seja conferida ao juiz nacional pelo seu direito interno 13. As jurisdições nacionais devem, assim, aplicar os seus próprios métodos de interpretação 14. Mas a fórmula em toda a medida do possível é imprecisa e nela podem ser inseridas exigências próprias do direito comunitário A jurisprudência do Supremo Tribunal de Justiça relativa ao artigo 508, do Código Civil suscita a questão de saber se este artigo deve ser interpretado em conformidade com o disposto nos artigos 1, n 2 e 5, n 3 da directiva 84/5/CEE, do Conselho, de 3 o de Dezembro de 1983, objecto de várias alterações. Com efeito, no acórdão Mendes Ferreira 16, o Tribunal de Justiça entendeu que estas disposições se opõem a uma legislação nacional que preveja montantes máximos de indemnização inferiores aos montantes mínimos de garantia fixados nos referidos artigos quando, na ausência de culpa do condutor do veículo causador do acidente, só existe responsabilidade pelo risco. De acordo com a jurisprudência dominante, o legislador sempre distinguiu e o regime da responsabilidade objectiva do seguro obrigatório. Assim, quando os limites do seguro se encontravam bem acima dos limites da responsabilidade objectiva, o Decreto-Lei n 394/87, de 31 de Dezembro modificou o artigo 508, mantendo ainda uma diferença significativa. É verdade que no preâmbulo do Decreto-Lei n 522/85 (regime do seguro obrigatório), o legislador justificou os limites do seguro pela diferença pela nova redacção dada ao artigo 508 do Código Civil mas daí não resulta que os dois regimes devessem para o futuro coincidir. O seguro obrigatório é a garantia da responsabilidade aquiliana resultante da utilização de veículos terrestres a motor e nada permite o entendimento de que os montantes aí estabelecidos tenham pelo legislador sido considerados como suficientes para a garantia das vítimas 17. A técnica legislativa que consiste em fazer coincidir os limites do seguro obrigatório com os da responsabilidade objectiva, quando estes se encontram estabelecidos no Código Civil, nunca seria utilizada por um legislador razoável 18. Três outros acórdãos seguiram uma diferente orientação. Consideram que desde a adopção do regime do seguro obrigatório os montantes máximos deste são os da responsabilidade

5 Ano Nº 1 Pág.5 objectiva. Observa a este respeito que quando, em 30 de Outubro de 1991, o legislador modificou o artigo 508 do Código Civil, mantendo a diferença entre os dois regimes, não se apercebera da decisão anterior de unificar os dois regimes 19. Esta jurisprudência leva-nos a retomar a questão do alcance da fórmula dentro de toda a medida do possível, com que o Tribunal de Justiça impõe a obrigação de interpretação conforme. Numa situação como aquela que acabamos de descrever e que não é nova 20, deve a obrigação de interpretação ser delimitada em função de exigências próprias do direito comunitário? Este direito encontrase cada vez mais próximo dos cidadãos que não entendem estas divergências jurisprudenciais. Talvez seja o momento para sobre o assunto ser formulado um reenvio prejudicial. 1 Trata-se de jurisprudência constante do Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias: entre outros,os acórdãos de 26 de Fevereiro de 1986, Marschall, 152/84, Colectânea, p.733, n s48 e 49, de 14 de Julho de 1994, Faccini Dori, C-91/92, colectânea p.i-3325, n s 21 e 22, e de 7 de Março de 1996, El Corte Inglês, C- 192/94, colectânea, p.i-1281, nos 15 e Entre outros, o acórdão de 10 de Abril de 1984, Von Colson, 14/83, Colectânea p Entre outros, os acórdãos de 16 de Dezembro de 1993, Miret, C-344/92, colectânea, p.i-6911, n 20, de 25 de Fevereiro de 1999, Carbonari, C-131/97, Colectânea p.i-1103, n 48, de 7 de Dezembro de 1995, C-472/93, Spano, colecvtânea p.i-4321, n 17, de 23 de Fevereiro de 1999, BMW, C-63/97, colectânea p.i-905, n 22 e o proferido no caso Faccini Dori, acima mencionado (nota 1). 4 Acórdão de 13 de Novembro de 1990, C-106/89, Colectânea p.i Conclusões, Colectânea, p.i-4147, n 8. 6 Na medida em que o direito espanhol permitia uma interpretação conforme- Gil Carlos Rodriguez Iglesias e Kurt Riechenberg, Zur richtlinienkonformen Auslegung des nationalen Rechts, in Festschrift für Ulrich Everling, Baden-Baden, 1995, vol.ii, p Acórdão de 13 de Julho de 2000, C-456/98, Colectânea p.i-6007, n C fr.nota 3. 9 Markus Frisch, Die richtklinienkonforme Auslegung nationalen Rechts, in Forum Juridicum, Bd.8, p Acórdão de 18 de Dezembro de 1997, C-129/96, Colectânea, p.i-7411, n Markus Frisch, op.cit.p Acórdãos de 8 de Outubro de 1987, Kolpinghuis Nijmegen, 80/86, Colectânea p.3969, n 13, e de 12 de Dezembro de 1996, C-74/95 e C-129/95, Procédures pénales contre X, Colectânea p.i-6609, n Cfr. A jurisprudência mencionada nas notas 2 e Markus Frisch, op.cit.p.57 ; Carla A. Varner, The Effectiveness of european community Law with specif Regard to directives: the critical Step not taken by european Court of Justica, in Michigan Journal of International Law, vol.22, n 32001, p No sentido de que a noção de «possível deve ainda ser precisada pelo Tribunal de Justiça, Gil Carlos Rodriguez Iglesias e Kurt Riechenberg, op.cit.p Acórdão de 14 de Setembro de 2000,C-348/98, Colectânea, p.i-6711, n Como sustenta Calvão e Silva, na Revista de Legislação e de Jurisprudência, n 134, p.121.no sentido de uma interpretação actualista do artigo 508,Adriano Garção Soares,Seguro obrigatório de responsabilidade civil automóvel, nos Cadernos de Direito Privado, 2003, 3, p.24 e Filipe Albuquerque Matos, no Boletim da Faculdade de Direito, LXXVII, p Ver, entre outros, os acórdãos de 9 de Maio de 2000, Revista n 820/02, de 12 de Fevereiro de 2002, Revista n 43/03, de 14 de Março de 2002, Revista n 306/02, de 19 de Setembro de 2002, Revista n 2170/02, de 18 de Dezembro de 2002, Revista n 3.956/02 e de 13 de Fevereiro de 2003, Revista n 43/03. Esta jurisprudência é apoiada por Nuno Pinto de Oliveira, Revogação tácita do artigo 508 do Código Civil, in Scientia Iuridica, n 292, Janeiro/Abril de 2002, pgs Acórdãos de 1 de Março de 2001, na Revista de Legislação e de Jurisprudência, Ano 134, p.102, de 13 de Fevereiro de 2003, na mesma Revista, Ano 134), p.192, e de 27 de Março de 2003, revista n 695/ Divergências também existiram na Câmara dos Lordes-Frank Emmert e Monique Pereira de Azevedo, Les jeux sont faits: rien ne vas plus ou une nouvelle occasion perdue para la CJCE, in Revue Trimestrielle de Droit Européen, 1995, p.17.

6 Pág.6 DECLARAÇÃO DO RISCO, DEVERES DE INFORMAÇÃO E BOA FÉ José Vasques Jurista A convicção de que as regras gerais disciplinadoras da declaração negocial se adaptariam mal aos mecanismos próprios do contrato de seguro levou a lei, a jurisprudência e a prática seguradora a consagrar outras soluções, basicamente recorrendo ao conceito de boa fé e ao sancionamento (mais ou menos grave) das declarações inexactas do proponente do contrato de seguro 1. É nessa sequência que a lei impõe ao proponente de um contrato de seguro o dever de declaração exacta de todos os factos ou circunstâncias com influência sobre a existência ou condições do contrato, norteando a sua conduta por princípios éticos 2 o que normalmente se designa por declaração do risco 3. As empresas de seguros estão também, actualmente, sujeitas a um conjunto de deveres pré-contratuais de informação, em matéria de cláusulas contratuais e tarifárias, que devem prestar aos proponentes de contratos ou operações de seguros 4. Além dos deveres de informação, a lei requisita ainda a redacção clara e legível das cláusulas gerais e especiais, e identifica os elementos que devem constar das mesmas 5. O conjunto de disposições referidas, relativas aos deveres de informação e às características das cláusulas contratuais, configura aquilo que é normalmente designado por transparência 6. Atenta a sua função na economia do contrato não se estranhará que na origem daqueles conceitos declaração do risco e transparência encontremos a mesma matriz: a boa fé. Discute-se, no entanto, se a boa fé é uma característica do contrato de seguro, e com que conteúdo, ou se deve ser vista apenas como um princípio de direito comum 7. Não sofre, porém, contestação a existência de uma significativa assimetria de informação entre tomadores e empresas de seguros: em alguns aspectos o tomador detém um maior conhecimento das circunstâncias particulares relativas ao objecto do seguro ou às responsabilidades em que pode incorrer, mas, se apreende o tipo e limite económico da garantia e o prémio a pagar, desconhece, geralmente, um conjunto de termos e condições relacionadas com exclusões, cláusulas de sub-rogação, franquias e limitações potencialmente contidas e aplicáveis ao contrato de seguro; a empresa de seguros está numa posição mais vantajosa quanto ao conhecimento do âmbito e conteúdo do contrato de seguro, mas, simultaneamente, vê-se na impossibilidade de, pelos seus meios, sindicar completa e totalmente as declarações dos proponentes sobre as características do risco 8. Passos significativos foram dados no sentido de permitir ao proponente do contrato ou operação de seguro uma decisão informada, o que, reconhecidamente, muito contribuirá para reduzir o potencial de conflitualidade normalmente associado ao fenómeno do seguro. Já quanto às consequências da declaração inexacta ou reticente do risco algum caminho há ainda que percorrer, seja na interpretação da lei actual, seja na busca de soluções futuras. Relativamente à declaração do risco pelo proponente, afigura-se-nos que a melhor interpretação da lei actual (mas insusceptivelmente carecida de clarificação no direito a constituir) coincide com a mais equitativa solução: se o contrato se formou com base em erro que recai sobre o objecto do negócio, esse erro-vício constituirá fundamento de anulabilidade, apreciando-se as declarações nos termos que um proponente diligente não deveria ignorar, isto é, cuja essencialidade não devesse desconhecer ou devesse esperar que influenciasse a avaliação e aceitação do risco por um segurador prudente 9. Outras soluções avançadas para esta questão podem ser sumariadas da seguinte forma: a) eliminação de qualquer disposição específica, fazendo reentrar o tema nas regras gerais aplicáveis à declaração negocial; b) alteração das condições em que a declaração inexacta ou reticente tem impacto sobre o contrato (recorrendo v.g. às ideias do cidadão médio = proponente diligente, e ou do segurador prudente); c) alteração da sanção/consequência (: nulidade, anulabilidade, redução proporcional) associada à declaração inexacta ou reticente; d) diferenciação da sanção consoante se trate de declaração inexacta ou reticente de boa fé, negligente ou dolosa/fraudulenta; e) diferenciação do tratamento relativamente aos diversos tipos ou formas de contratação de seguros (v.g. seguros de grandes riscos ou de riscos de massa, seguros contratados por pessoas individuais versus seguros contratados por pessoas colectivas, contratos de seguro versus contratos de resseguro, com ou sem intervenção de mediador, contratação através de meios electrónicos ou internet); f) conjugação de algumas das hipóteses anteriores.

7 Ano Nº 1 Pág.7 O tema é recorrente na literatura jurídica e, em última análise, sempre dependerá da resposta que se der ao problema que CÍCERO colocava, no ano 44 a.c., nos seguintes termos: (...) suponhamos que um homem de bem transportou uma grande quantidade de trigo, de Alexandria para Rodes, numa altura em que o trigo era muito caro em Rodes devido ao estado de pobreza e de fome. Se ele estivesse ciente de que vários mercadores tinham deslargado de Alexandria e se tivesse avistado os navios destes últimos carregados de trigo, navegando em direcção a Rodes, deveria ele ter comunicado o sucedido aos Rodenses? Ou, por outro lado, guardaria, antes, silêncio e possivelmente venderia o seu produto pelo preço mais alto? Imaginamo-lo, porém como sendo um homem sensato e de bons sentimentos. A nossa questão consiste em determinar a postura ou a atitude de um homem que não esconde a verdade aos habitantes de Rodes: se tal, por um lado, pode ser considerado desonesto, por outro, duvida-se de que seja absolutamente desonesto JÉRÔME KULLMANN, «La Déclaration de Risque», em JEAN BIGOT (dir.), Traité de Droit des Assurances, Paris, 2002, tomo 3, pág Artigo 429, proémio, do Código Comercial. Na jurisprudência v., por todos, Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de (processo ), acessível em V. tb. artigos 227 n. 2, e 762 n. 2 do Código Civil. 3 Outros aspectos do tema, não abordados nesta nota, podem ver-se em JOSÉ VASQUES, Contrato de Seguro, Coimbra, 1999, págs , 379 e segs., com indicações bibliográficas. 4 Relativamente aos ramos Não-vida v. artigos 176 a 178 do DL 94-B/98, de 17 de Abril, artigo 3 do DL 176/95, de 26 de Julho, e artigos 7 a 9 do DL 214/97, de 16 de Agosto; quanto ao ramo Vida v. artigos 179 a 181 do DL 94-B/98, e artigo 2 do DL 176/95; o último diploma citado inclui ainda disposições específicas para os seguros de grupo e para os seguros com exame médico. V. tb. DL 446/85, de 25 de Outubro, que estabelece o regime jurídico das cláusulas contratuais gerais. 5 Artigos 8, 10 e 12 a 15 do DL 176/95. 6 O DL 176/95 é, aliás, normalmente, referido como lei da transparência (nos seguros). Extensamente, sobre o pensamento da transparência em geral, v. JOAQUIM DE SOUSA RIBEIRO, O Problema do Contrato. As Cláusulas Contratuais Gerais e o Princípio da Liberdade Contratual, Coimbra, 1999, pág. 383 e segs. 7 MARCEL FONTAINE, Droit des Assurances, Bruxelas, , pág O tema poderá ser ampliado para discutir a própria natureza dos contratos uberrimæ bona fidei. A doutrina da boa fé está em discussão no Reino Unido; actualmente os tribunais ingleses aplicam aquilo que designam de teste de materialidade para validar as declarações do proponente subjacentes à contratação do seguro: a fact is material for the purposes of both non-disclosure and misrepresentation if it is one that would influence the judgement of a reasonable or prudent insurer in deciding whether or not to accept the risk or what premium to charge, cfr. JOHN BIRDS, Modern Insurance Law, Londres, , pág A referida discussão, designadamente quanto ao conteúdo e limites da boa fé na formação do contrato e no decurso do mesmo, foi muito influenciada pelo caso The North Sea (1990), em que, na sequência de um incêndio a bordo, o segurado encarregou peritos de elaborar relatórios, os quais não foram porém disponibilizados ao segurador, alegando este que os mesmos continham elementos que lhe permitiriam declinar a responsabilidade pelo sinistro, bem como que a não disponibilização dos relatórios constituiria violação do duty of utmost good faith. Informação sobre o desenvolvimento desta discussão e sobre o caso The North Sea pode ver-se em EMMA HARGREAVES, «Reform of Utmost Good Faith», Insurance Focus, 2000, pág. 4, JAMES BATESON e EMMA HARGREAVES, «Proposals for reform of the doctrine of utmost good faith in insurance contract law», Briefing, 2000, pág. 1, SUSAN DINGWALL, EMMA HARGREAVES e LINDA McGOUGH, «Post-contractual duty of utmost good faith», Briefing, 2001, pág. 7, ROB MERKIN, «The duty of utmost good faith», Insurance Quarterly, 2001, pág. 10, MICHAEL MENDELOWITZ e KAY-MARIE WILSON, «Duty of Good Faith Impact of Decision in The Star Sea», Asia Insurance Review, Abril de 2001, pág. 68, JOHN BUTLER, «Before and After», Reinsurance, Maio de 2001, pág. 31, DAVID COHEN, ANGUS RODGER e ALEX GORDON, «Court of Appeal rules on duty of disclosure», Clifford Chance Briefing, 2002, pág. 2, e SIMON COO- PER e AMANDA MOCHRIE, «Remedies for breach of the post-contractual duty of utmost good faith and fraudulent claims where are we now?», Asia Insurance Review, Junho de 2002, pág JULIE-ANNE TARR, Disclosure and Concealment in Consumer Insurance Contracts, Londres-Sidney, 2002, pág Cfr. artigo 251 do Código Civil. Esta solução corresponde, basicamente, à que resultava da proposta de Directiva sobre a coordenação das disposições legais, regulamentares e administrativas relativas ao contrato de seguro, de , revista em A anulabilidade resulta tb. da solução espanhola, que atribui ao segurador o poder de rescindir el contrato mediante declaración dirigida al tomador del seguro en el plazo de un mes, a contar del conocimiento de la reserva o inexactitude del tomador del seguro (cfr. primeira parte do segundo parágrafo do artigo 10 da Ley 50/1980, de 8 de Outubro), sobre este ponto v. FERNANDO SÁNCHEZ CALERO, Ley de Contrato de Seguro. Comentarios a la Ley 50/1980, de 8 de octobre y a sus modificaciones, Pamplona, 1998, pág. 192 e segs. 10 CÍCERO, De Officiis, Livro III, parágrafo 50.

8 Pág. 8 ORGÃOS SOCIAIS DA SECÇÃO PORTUGUESA DA AIDA Presidente: Ruy de Carvalho Vice-Presidente: Francisco Corte Real Secretários: Miguel Mora do Vale Isabel Salvação Barreto Presidente: José Carlos Moitinho de Almeida Vice-Presidentes: Maria de Jesus Serra Lopes Alexandra Rebelo Queiroz Vogais: Alice Bethencourt António Costa Basto António Menezes Cordeiro António Paiva de Andrada Reis Diogo Lacerda Machado José Pereira Morgado José Vasques Luís Redondo Lopes João Morais Leitão Paula Rios Pedro Paes de Vasconcelos Rodrigo Lucena Presidente: Francisco Vilhena de Carvalho Vogais: José Santos Baptista Marcos Perestrello ASSEMBLEIA GERAL CONSELHO DIRECTIVO CONSELHO FISCAL

9 Ano Nº 1 Pág. 9 Homenagem ao Prof. Ferrer Correia e de alegria bem-humorada. Não resisto a transcrever estes passos: No dia 16 de Outubro falecia em Coimbra aquele que, desde a primeira hora, esteve connosco, o nosso grande Amigo, Professor António Ferrer Correia, Presidente Honorário desta Associação. Convidado, no início de 1969, para nos acompanhar na criação da Secção Portuguesa da AIDA Association Internationale du Droit des Assurances, logo anuiu com entusiasmo. Todavia, só a 15 de Janeiro de 1970 veio a tomar posse do cargo para que foi eleito. É que os tempos eram outros e o tão precioso direito de associação não existia entre nós. Assim foi que, após obtida a homologação do projecto de Estatutos, por despacho do Secretário de Estado da Administração Escolar (!), de 20 de Março de 1969, foi publicada, no Diário do Governo de 8 de Abril de 1969, a Convocatória para a Assembleia Geral Constituinte da nova associação, que reuniu a 24 de Abril de 1969, tendo aprovado os Estatutos e procedido à eleição dos respectivos corpos gerentes para o primeiro exercício. O professor António Ferrer Correia foi, então, eleito Presidente da Assembleia Geral. Uma formalidade se impunha ainda, porém, entre muitas outras: o poder político tinha que dar (ou não) o seu agrément aos nomes escolhidos. Seis longos meses decorreram até que, em 29 de Outubro de 1969, foi finalmente celebrada a Escritura de Constituição da novel Associação, que veio a ser publicada no Diário do Governo de 13 de Dezembro de Todavia, isto não bastava. Era necessário o reconhecimento do Governador Civil, para que a associação adquirisse personalidade jurídica. Assim, só em Janeiro de 1970 o Prof. Ferrer Correia tomou posse do cargo. Sobrevivemos a tudo, até a estes procedimentos medievos, que hoje nos custa a acreditar tenham existido. E tivemos sempre a companhia do nosso Professor Ferrer Correia que, com a marca dos Grandes, nunca pretextou afazeres para se furtar a estar presente quando se impunha ou lhe solicitávamos. Da enorme importância que ele teve no País e no Direito, quer interna quer internacionalmente, seria estulto pretender aqui falar. Ela é, por demais, do conhecimento de todos. O que talvez já o não seja eram a sua extrema simplicidade e a enorme disponibilidade, de que nunca deixou de dar provas. Quando, já perto do fim, lhe anunciámos que havia sido eleito Presidente Honorário da nossa AIDA, a carta que nos enviou é um exemplo de simplicidade, de frescura Querido Professor Ferrer Correia, já não é Presidente da nossa Assembleia Geral, como o foi ao longo de toda a vida da AIDA portuguesa, já não podemos a si recorrer, como tantas vezes fizemos, mas agradecemos-lhe todo o prestígio que deu à nossa Associação, a atenção e a amizade que nunca nos negou, e prometemos-lhe que as vamos usar para levar esta AIDA mais longe. Maria de Jesus Serra Lopes Vice-Presidente do Conselho Directivo Nota: Fiquei sensibilizadíssimo com a alta, inesperada e totalmente imerecida distinção que me atribuíram os órgãos sociais da Secção Portuguesa da AIDA. Naturalmente, sinto-me orgulhoso por doravante ostentar o título de Presidente Honorário da Associação; demais sendo certo que o título me foi concedido por deliberação unânime (e até por aclamação, imagine-se!). Veremos se vou mostrar-me digno da honraria.

10 Pág.10 Resumo da Jurisprudência A jurisprudência dos nossos tribunais superiores debruça-se hoje sobre os vários aspectos do contrato de seguro. Assim, e limitando-nos à jurisprudência do Supremo Tribunal de Justiça na última década, afigura-se-nos de interesse chamar a atenção para alguns acórdãos proferidos nos domínios da formação e interpretação do contrato, do abuso de direito, do seguro obrigatório automóvel e no que respeita à natureza jurídica dos seguros de acidentes pessoais. Tratando-se da formação do contrato de seguro, o acórdão de 28 de Março de 1995 (no Boletim do Ministério da Justiça, n 445, p.520) entendeu que se impunha à seguradora esclarecer a cláusula contratual de um seguro de responsabilidade civil resultante de danos causados por um cão, que excluía a cobertura na falta de vacina ou de licença (dever imposto pelos artigos 6 do Decreto-Lei n 446/85, de 25 de Outubro e 8, n 1 da Lei n 29/96, de 31 de Julho). O sinistro ocorrera quando o cão já se encontrava vacinado e o tomador do seguro aguardava a licença requerida. E o acórdão de 18 de Novembro de 1999 (revista nº 821/99) baseou-se no não cumprimento do mesmo dever de informação para impor a cobertura por um seguro de doença, fornecido ao consumidor com a emissão de um cartão de crédito, das despesas respeitantes a operação que determinara internamento hospitalar superior a 24 horas, o que era objecto de exclusão de risco. Uma vez que o guia do utilizador não continha qualquer restrição, impunha-se à seguradora chamar a atenção do tomador do seguro para tal exclusão. De interesse afigura-se-nos também o acórdão de 28 de Outubro de 1999 (revista n 821/99). Uma empresa de locação financeira concluira um contrato de seguro (contrato-quadro) nos termos do qual as propostas de seguro do equipamento locado, apresentadas locatários, seriam pela locadora financeira enviadas à seguradora, e o contrato aceite quando o envio tivesse sido feito no prazo de 4 dias, acompanhado do respectivo prémio. Este prazo não fora observado e, por isso, foi excluída a responsabilidade da seguradora. Mas o Supremo admitiu a validade desta forma de contratação (cujos pressupostos não coincidem com os estabelecidos no artigo 17 do Decreto-Lei n 176/95, de 26 de Junho) o que demonstra bem que a realidade vai à frente do regime imposto pelo artigo 426, do Código Comercial. E o acórdão de 28 de Setembro de 1995 (no Boletim do Ministério da Justiça n 449, p.374) entendeu que constitui abuso de direito a invocação, pela seguradora, da falta de apólice quando, por carta, informara o tomador do seguro da aceitação incondicional do seguro. No que respeita ao abuso de direito importa mencionar ainda o acórdão de 3 de Março de 2003 (revista nº 4725/02) que considerou abusiva a invocação, pela seguradora, da resolução do contrato por falta de pagamento do prémio. Este fora pago fora do prazo e devolvido a uma agência para entrega ao tomador do seguro que, porém, nunca fora contactado. Este confiara na validade do seguro e daí que se imponha a cobertura do acidente entretanto ocorrido. No que respeita à interpretação do contrato de seguro a jurisprudência procura a acepção corrente dos termos utilizados pois é nesta acepção que as cláusulas são entendidas pelos tomadores. Assim, a palavra tempestade não deve ser interpretada no seu rigor mas de modo a abranger a acumulação de neve sobre um telhado, fazendo-o desabar (acórdão de 26 de Novembro de 2002, revista nº 3560/02). O acórdão de 12 de Maio de 2003 (revista nº 839/02) considerou ser uma questão de interpretação a de saber, na vertente facultativa do seguro automóvel, a que taxa de alcoolémia se deve atender para efeitos de exclusão da garantia: à portuguesa (0,5) ou à francesa 0,80), país em que ocorrera o acidente. Optando-se pela primeira, foi, assim, excluída a aplicação das regras de conflito em matéria de responsabilidade civil extracontratual, em que a Relação se baseara. No domínio do seguro obrigatório automóvel, para além dos acórdãos que este Boletim hoje insere, importa referir o acórdão uniformizador de jurisprudência n 6/2002, de 28 de Maio de 2002 (no Diário da República I- A,p.5395) nos termos do qual A alínea c) do artigo 19 do Decreto-Lei n 522/85, de 31 de Dezembro, exige para a procedência do direito de regresso contra o condutor por ter agido sob influência do álcool o ónus da prova pela seguradora do nexo de causalidade adequada entre a condução sob o efeito do álcool e o acidente. E de particular interesse são também os acórdãos de 25 de Setembro de 1995 (revista n ) e de 15 de Maio de 2002 (revista nº 3895/02) que decidiram ser anulável o contrato de seguro em caso de falsas declarações (artigo 429, do Código Comercial), não podendo a anulabilidade ser oponível ao lesado visto não se encontrar abrangida no artigo 14 do Decreto- Lei n 522/85. No primeiro destes acórdãos entendeu-se ainda que a substituição do combustível usado, sem autorização da Direcção-Geral de Viação, não implica a nulidade do contrato de seguro (artigo 280, do Código Civil) uma vez que o objecto do contrato de seguro não é o veículo, mas sim a assunção de responsabilidade civil decorrente dos danos causados a terceiros por tal veículo. São igualmente de mencionar os acórdãos de 6 de Julho de 2000 (revista n 1653/00) e de 19 de Janeiro de 2003 (revista n 4054/02) que entenderam serem de aplicar à prescrição dos direitos do lesado contra o Fundo de Garantia as disposições relativas à prescrição dos direitos do lesado contra o responsável, na ausência de regras específicas sobre a matéria. E o último destes acórdãos considerou que, em caso de abandono de sinistrado, o prazo de prescrição não é o correspondente ao do crime assim cometido (artigo 498, n 3, do Código Civil) mas o prazo geral (artigo 498, n 1), sempre que os prejuízos invocados não sejam consequência do abandono. Enfim, o acórdão de 4 de Outubro de 200 (revista nº 2309/01) considerou que depende da interpretação do contrato a questão de saber se o seguro de acidentes pessoais tem natureza indemnizatória ou, pelo contrário, se pode cumular com o eventual direito a indemnização. Tratava-se de seguro concluído por uma autarquia que foi interpretado como tendo uma função de garantia destinada a valer ao lesado na falta de outro meio.

11 Ano Nº 1 Pág. 11 Association Internationale du Droit de l Assurance Secção Portuguesa Tel: Fax: Jornadas do Direito dos Seguros Local de Realização: Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa Abril de 2004 Temas e casos práticos Os temas a abordar e os respectivos coordenadores são os seguintes: i. Segredo profissional, confidencialidade, privacidade e protecção de dados. A genética e os seguros Prof. Pedro Pais de Vasconcelos em construção ii. Meios alternativos de resolução de litígios Dr. Diogo Lacerda Machado iii. Lei do contrato de seguro Conselheiro José Carlos Moitinho de Almeida iv. Avaliação do dano corporal Dr. António Costa Basto Escaparate Foi recentemente publicado o livro Personal Injury Compensation in Europe. O lançamento do livro foi feito em 8 de Outubro de 2003 no Parlamento Europeu em Bruxelas. O livro é o produto de um projecto de direito comparado levado a cabo pela PEO- PIL-Pan European Organisation of Personal Injury Lawyers, patrocinado pela Comissão Europeia, e foi publicado por Kluwer Legal Publishers. O grupo de trabalho que elaborou o livro foi constituído por Académicos e Advogados com experiência profissional nas matérias tratadas, tendo sido produzidos 18 relatórios nacionais, correspondentes a outros tantos países europeus, além de relatórios comparativos; bem como reflexões e propostas sobre harmonização. O relatório português foi elaborado pelo nosso associado e membro da Direcção, António da Costa Basto. A publicação agora dada à estampa aborda um conjunto de temas relativo à indemnização dos danos em pessoas - o direito de reclamar completa e justa indemnização; protecção das vitimas directas (primary victims); danos indemnizáveis; dano psiquiátrico; prescrição - e naturalmente sua harmonização dadas as diferenças de jurisdição para jurisdição. Trata-se de obra seguramente de interesse para advogados, magistrados, académicos e profissionais de seguros. O custo do livro, ainda não editado em Portugal, é de 95 euros.

MPBA sociedade de advogados rl

MPBA sociedade de advogados rl Informação jurídica sobre o exercício da profissão de arquitecto em regime de subordinação I) Objecto da consulta Com a presente informação jurídica pretende-se clarificar se o exercício da profissão de

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

Assim: Nos termos da alínea a), do n. 1, do artigo 198. da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Assim: Nos termos da alínea a), do n. 1, do artigo 198. da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Foram ouvidos o Conselho Superior da Magistratura, o Conselho Superior do Ministério Público, a Ordem dos Advogados, a Câmara dos Solicitadores, o Conselho dos Oficiais de justiça, o Instituto de Seguros

Leia mais

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C 1 Estabelece que o custo dos actos relativos aos pedidos previstos no Decreto- Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, bem como dos exames laboratoriais e dos demais actos e serviços prestados pelo INFARMED,

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença Processo de arbitragem n.º 78/2015 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

PARECER N.º 26/CITE/2007

PARECER N.º 26/CITE/2007 PARECER N.º 26/CITE/2007 Assunto: Direito ao gozo de férias após licença por maternidade Processo n.º 147 QX/2006 I OBJECTO 1.1. Em 20 de Novembro de 2006, a CITE recebeu da funcionária do, com a categoria

Leia mais

BBVA Fundos Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A.

BBVA Fundos Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. N.º de Processo: 2/2009 Entidade Reclamada: Identificação: Futuro - Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. Morada: Avª. General Firmino Miguel, n.º 5, 9º B, 1600-100 Lisboa Fundo de Pensões Aberto:

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas 18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar o reconhecimento de divórcios e separações de pessoas obtidos

Leia mais

Tribunal de Contas. ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003. R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 SUMÁRIO:

Tribunal de Contas. ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003. R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 SUMÁRIO: ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003 R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO / ENCARGO FINANCEIRO / ENDIVIDAMENTO MUNICIPAL / DÉFICE PÚBLICO / MUNICÍPIO /

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 122/2005 de 29 de Julho

Decreto-Lei n.º 122/2005 de 29 de Julho Decreto-Lei n.º 122/2005 de 29 de Julho O Decreto-Lei n.º 142/2000, de 15 de Julho, aprovou o regime jurídico do pagamento dos prémios de seguro. Com a publicação deste diploma, procurou alcançar-se um

Leia mais

circular ifdr Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública SÍNTESE: ÍNDICE

circular ifdr Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública SÍNTESE: ÍNDICE N.º 01/2008 Data: 2008/07/16 Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública Elaborada por: Núcleo de Apoio Jurídico e Contencioso e Unidade de Certificação SÍNTESE: A

Leia mais

Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro RESULTADOS DA CONSULTA PÚBLICA N.º 11/2007 Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro I Enquadramento O Instituto de Seguros de Portugal

Leia mais

Condição Especial. Responsabilidade Civil Profissional. Farmacêuticos

Condição Especial. Responsabilidade Civil Profissional. Farmacêuticos Condição Especial Responsabilidade Civil Profissional Farmacêuticos 1. Objectivo Esta Condição Especial destina-se a acompanhar e a clarificar as coberturas e funcionamento dos Certificados de Seguro emitidos

Leia mais

DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993

DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993 DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993 SISTEMA DE EXERCÍCIO DO DIREITO DE VOTO E DE ELEGIBILIDADE NAS ELEIÇÕES PARA O PARLAMENTO EUROPEU DOS CIDADÃOS DA UNIÃO EUROPEIA RESIDENTES NUM ESTADO-MEMBRO DE QUE

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR.

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR. Decreto do Governo n.º 24/84 Convenção de 31 de Janeiro de 1963 Complementar da Convenção de Paris de 29 de Julho de 1960 sobre Responsabilidade Civil no Domínio da Energia Nuclear O Governo decreta, nos

Leia mais

Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II

Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II P6_TA(2005)044 Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II Resolução legislativa do Parlamento Europeu referente à posição comum adoptada

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

O REGIME DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2012

O REGIME DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2012 27 de Fevereiro de 2012 O REGIME DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2012 Introdução O Decreto-Lei n.º 32/2012, de 13 de Fevereiro, que regula a execução do Orçamento do Estado para 2012, aprovado

Leia mais

Acórdão nº 202 /05-6.Dez-1ªS/SS

Acórdão nº 202 /05-6.Dez-1ªS/SS Transitou em julgado em 09/01/06 Acórdão nº 202 /05-6.Dez-1ªS/SS Proc. nº 2 179/05 1. A Direcção-Geral de Informática e Apoio aos Serviços Tributários e Aduaneiros (DGITA) remeteu para fiscalização prévia

Leia mais

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS No Processo Penal Português está plasmado o princípio da suficiência daquele, o qual, nos termos do disposto no artigo 7.º, n.º 1, CPP, prevê

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Direcção-Geral dos Transportes Terrestres e Fluviais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Direcção-Geral dos Transportes Terrestres e Fluviais MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Direcção-Geral dos Transportes Terrestres e Fluviais Despacho n. 13 449/2006 (2, e série). A publicação do Regulamento (CE) a 561/2006, do Parlamento

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.10.2007 COM(2007) 619 final 2007/0216 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n. 2252/2004 do Conselho

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

R-47/06 (A4) Dos elementos disponíveis, destacam-se os seguintes aspectos:

R-47/06 (A4) Dos elementos disponíveis, destacam-se os seguintes aspectos: R-47/06 (A4) Assunto: Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública. Regimes especiais de aposentação. Exercício do direito à negociação colectiva e do direito de participação dos trabalhadores da

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Banking and Payments Authority of Timor-Leste Av a Bispo Medeiros, PO Box 59, Dili, Timor-Leste Tel. (670) 3 313 718, Fax. (670) 3 313 716 RESOLUÇÃO DO

Leia mais

Bernardino Duarte e Associados SOCIEDADE DE ADVOGADOS, RL

Bernardino Duarte e Associados SOCIEDADE DE ADVOGADOS, RL Exmos Senhores Juizes do Tribunal Administrativo e Fiscal de Proc. Nº 747/13.1BELLE LOULÉ Associação dos Investidores do Hotel Apartamento Neptuno, pessoa colectiva nº 507788648, com sede no Centro de

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 6/ B / 2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril]

RECOMENDAÇÃO N.º 6/ B / 2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] Número: 6/B/2004 Data: 25-03-2004 Entidade visada: Secretária de Estado da Administração Pública Assunto: Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública. Promoção a técnico superior de 1.ª classe. Processo:

Leia mais

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos Convenção nº 146 Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho: Convocada para Genebra pelo conselho administração da Repartição Internacional

Leia mais

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS Validade Válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA ASSUNTO COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS QUESTÃO A autarquia pretende que a CCDR LVT se pronuncie relativamente à possibilidade de existência

Leia mais

Pº C.Co.36/2012 SJC-CT

Pº C.Co.36/2012 SJC-CT Pº C.Co.36/2012 SJC-CT Consulente: Registo Nacional de Pessoas Coletivas. Sumário: Publicação das alterações de estatutos das fundações com natureza de Instituições Particulares de Solidariedade Social(IPSS)

Leia mais

PARECER N.º 45/CITE/2006

PARECER N.º 45/CITE/2006 PARECER N.º 45/CITE/2006 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora puérpera, nos termos do n.º 1 do artigo 51.º da Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto, que aprovou o Código do Trabalho, conjugado

Leia mais

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário;

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário; ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO ( ACORDO ) O presente Acordo foi negociado e adoptado pelas

Leia mais

GANDARELA, FERRAZ, COSTA & ASSOCIADOS SETEMBRO 2015 ATUALIZAÇÕES LEGISLATIVAS DIREITO DO TRABALHO

GANDARELA, FERRAZ, COSTA & ASSOCIADOS SETEMBRO 2015 ATUALIZAÇÕES LEGISLATIVAS DIREITO DO TRABALHO SETEMBRO 2015 ATUALIZAÇÕES LEGISLATIVAS DIREITO DO TRABALHO Decreto-Lei n.º 210/2015 de 25 de Setembro - Regimes Jurídicos do fundo de Compensação do Trabalho e do Fundo de Garantia de Compensação do Trabalho

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 A Instrução n.º 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão n.º 2001/193/CE, de 1 de Março de 2001,

Leia mais

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão DECRETO N.º 37/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR O REGIME JURÍDICO QUE REGULA A ENTRADA, PERMANÊNCIA, SAÍDA E AFASTAMENTO DE ESTRANGEIROS DO TERRITÓRIO NACIONAL A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA (Quinta Secção) 14 de Setembro de 2000 *

ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA (Quinta Secção) 14 de Setembro de 2000 * ACÓRDÃO DE 14. 9. 2000 PROCESSO C-348/98 ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA (Quinta Secção) 14 de Setembro de 2000 * No processo C-348/98, que tem por objecto um pedido dirigido ao Tribunal de Justiça, nos

Leia mais

Ajuste Directo. (alínea a) do n.º 1 do artigo 20º do CCP) Procedimento 02/2015

Ajuste Directo. (alínea a) do n.º 1 do artigo 20º do CCP) Procedimento 02/2015 Ajuste Directo (alínea a) do n.º 1 do artigo 20º do CCP) Procedimento 02/2015 Aquisição de Serviços de Social Media Marketing e de Criação de espaços virtuais de divulgação CADERNO DE ENCARGOS INDICE CADERNO

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Natureza, âmbito, objecto e sede 1. O Centro de Informação, Mediação e Arbitragem da Ordem dos Notários (adiante designado por Centro), é a instituição de arbitragem,

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público Cláudio Correia Divisão da Mobilidade de Doentes MOBILIDADE DE DOENTES:

Leia mais

Painel 1 Tema: Ética e Responsabilidade Civil e Profissional no âmbito do Sistema de Acesso ao Direito. Responsabilidade Civil Profissional

Painel 1 Tema: Ética e Responsabilidade Civil e Profissional no âmbito do Sistema de Acesso ao Direito. Responsabilidade Civil Profissional Painel 1 Tema: Ética e Responsabilidade Civil e Profissional no âmbito do Sistema de Acesso ao Direito Responsabilidade Civil Profissional Responsabilidade Civl Profissional dos Advogados Código de Deontologia

Leia mais

Artigo 1.º. Entre Melgaço e Arbo, sobre o rio Minho, será construída uma ponte internacional que una Portugal e Espanha.

Artigo 1.º. Entre Melgaço e Arbo, sobre o rio Minho, será construída uma ponte internacional que una Portugal e Espanha. Decreto n.º 19/96 de 1 de Julho Convénio entre a República Portuguesa e o Reino de Espanha para a Construção de Uma Ponte Internacional sobre o Rio Minho entre as Localidades de Melgaço (Portugal) e Arbo

Leia mais

Processo de arbitragem. Sentença

Processo de arbitragem. Sentença Processo de arbitragem Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional de Informação

Leia mais

Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999 P. 0012-0016. Texto:

Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999 P. 0012-0016. Texto: Directiva 1999/44/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de Maio de 1999, relativa a certos aspectos da venda de bens de consumo e das garantias a ela relativas Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999

Leia mais

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6)

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) O Provedor de Justiça, no uso da competência prevista no artigo 281.º, n.º 2, alínea d), da Constituição da República Portuguesa,

Leia mais

SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL

SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL J u r i s p r u d ê n c i a d o s C o n s e l h o s SEGuRO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL Parecer n.º 12/PP/2009-G Relator Dr. Marcelino Pires I. Introdução A Sra. Dra.... vem solicitar parecer

Leia mais

CAPÍTULO I- Recomendação da Comissão aos mediadores de seguros REQUISITOS PROFISSIONAIS E REGISTO DOS MEDIADORES DE SEGUROS

CAPÍTULO I- Recomendação da Comissão aos mediadores de seguros REQUISITOS PROFISSIONAIS E REGISTO DOS MEDIADORES DE SEGUROS ÍNDICE CAPÍTULO I- Recomendação da Comissão aos mediadores de seguros ANEXO REQUISITOS PROFISSIONAIS E REGISTO DOS MEDIADORES DE SEGUROS Artigo 1º.- Definições Artigo 2º.- Âmbito de aplicação Artigo 3º.-

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

Associação Contraditório. Estatutos

Associação Contraditório. Estatutos Associação Contraditório Estatutos CAPÍTULO I Denominação, Princípios e Objectivos Artigo 1º (Denominação, sede e duração) 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação ASSOCIAÇÃO CONTRADITÓRIO,

Leia mais

(1) Inclui o capital de Responsabilidade Civil Obrigatória: 6.000.000 (Danos Materiais/Danos Corporais).

(1) Inclui o capital de Responsabilidade Civil Obrigatória: 6.000.000 (Danos Materiais/Danos Corporais). 1 FICHA DE PRODUTO Produtos Automóvel A N Seguros tem à sua disposição coberturas que são realmente indispensáveis para a segurança do seu Automóvel, construindo uma proteção à sua medida. Esta ficha de

Leia mais

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro PROJECTO NORMA REGULAMENTAR N.º X/2007-R, de Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro A Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro, regulamentou o Decreto-Lei

Leia mais

EFA- TÉCNICO DE CONTABILIDADE UFCD 567 NOÇÕES DE FISCALIDADE

EFA- TÉCNICO DE CONTABILIDADE UFCD 567 NOÇÕES DE FISCALIDADE EFA- TÉCNICO DE CONTABILIDADE UFCD 567 NOÇÕES DE FISCALIDADE INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO DA LEI FISCAL Trabalho realizado: -Patrícia Alves; -Joaquim Mira; -Maria Antónia; -Ana Maltêz; 22 de Maio de 2014

Leia mais

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 DIRECTIVA 97/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade

Leia mais

As E.P.E. S do Sector da Saúde:

As E.P.E. S do Sector da Saúde: As E.P.E. S do Sector da Saúde: A) O que são. B) A função que desempenham. C) O Sector Público de que não fazem parte. D) Onde estão integradas. E) Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas. F) Síntese.

Leia mais

Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça B-1049 Bruxelas JUST-CIVIL-COOP@ec.europa.eu N/Ref. Ent.13561 de 25/07/2012

Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça B-1049 Bruxelas JUST-CIVIL-COOP@ec.europa.eu N/Ref. Ent.13561 de 25/07/2012 Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça B-1049 Bruxelas JUST-CIVIL-COOP@ec.europa.eu N/Ref. Ent.13561 de 25/07/2012 ASSUNTO: Resposta da Ordem dos Advogados de Portugal à Consulta Pública sobre Prazos

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES:

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: E A CORPORATE GOVERNANCE MARIA DA CONCEIÇÃO CABAÇOS ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO MINHO 18 de Novembro de 2015 PRESSUPOSTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL Para que os

Leia mais

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros.

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros. Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 03/2010-R, DE 18 DE MARÇO DE 2010 Publicidade Pelo Decreto-Lei n.º 8-A/2002, de 11 de Janeiro, foram

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei Da Nacionalidade Lei N.º 01/05 De 01 de Julho Tornando se necessário proceder a alterações das principais regras sobre a atribuição, aquisição e perda da

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Recomendação de Bruxelas, 16.10.2009 COM(2009) 570 final 2009/0158 (CNB) DECISÃO DO CONSELHO sobre o parecer a adoptar pela Comunidade Europeia relativamente

Leia mais

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios:

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios: Regime Jurídico da Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Departamento de Imobiliário 12 de Janeiro de 2009 O Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril aprovou o Sistema

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 72 / 2006. I - Introdução

DELIBERAÇÃO Nº 72 / 2006. I - Introdução DELIBERAÇÃO Nº 72 / 2006 I - Introdução A Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD) tem recebido, com muita frequência, um grande número de pedido de acessos a dados pessoais de saúde de titulares

Leia mais

Artigo 3º. Artigo 4º. Artigo 5º. Efeitos do certificado Sob reserva do artigo 4º, o certificado confere os mesmos direitos que os conferidos pela

Artigo 3º. Artigo 4º. Artigo 5º. Efeitos do certificado Sob reserva do artigo 4º, o certificado confere os mesmos direitos que os conferidos pela Regulamento (CE) nº 1610/96 do Parlamento Europeu e do Conselho de 23 de Julho de 1996 relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os produtos fitofarmacêuticos Jornal Oficial nº

Leia mais

PARECER N.º 51/CITE/2007

PARECER N.º 51/CITE/2007 PARECER N.º 51/CITE/2007 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho, conjugado com a alínea b) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência Resolução da Assembleia da República n.º 21/2002 Decisão dos Representantes dos Governos dos Estados- Membros da União Europeia, reunidos no Conselho, de 15 de Outubro de 2001, Relativa aos Privilégios

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) CAPÍTULO I Objectivos e caracterização do controlo de qualidade

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo O Decreto-Lei n. 295/98, de 22 de Setembro, que transpôs para o direito interno a Directiva

Leia mais

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático O acesso à informação, a participação do público no processo de tomada de decisão

Leia mais

Processo n.º 753/2014

Processo n.º 753/2014 Processo n.º 753/2014 (Recurso Laboral) Data : 5/Março/2015 ASSUNTOS: - Acidente de trabalho - Duplicação de indemnização SUMÁ RIO : Se a entidade patronal pagou uma indemnização pela morte de um seu trabalhador,

Leia mais

Guia prático. Rede Judiciária Europeia em matéria civil e comercial

Guia prático. Rede Judiciária Europeia em matéria civil e comercial Utilização da videoconferência para obtenção de provas em matéria civil e comercial, ao abrigo do Regulamento (CE) n.º 1206/2001 do Conselho, de 28 de Maio de 2001 Guia prático Rede Judiciária Europeia

Leia mais

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 REGULAMENTO DAS PROVAS DE ADMISSÃO AO INSTITUTO SUPERIOR DE PAÇOS DE BRANDÃO ISPAB PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS NÃO TITULARES DE HABILITAÇÃO

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1997R2027 PT 30.05.2002 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 REGULAMENTO (CE) N. o 2027/97 DO CONSELHO de 9 de Outubro de 1997 relativo à

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS N. o 88 14 de Abril de 2003 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 2452-(3) MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Decreto-Lei n. o 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n. o 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de

Leia mais

Plano Empresas Reforma

Plano Empresas Reforma Plano Empresas Reforma Condições gerais e especiais 1110599-01.20104 Pela protecção dos valores da vida. Liberty Seguros, S.A. - Av. Fontes Pereira de Melo, n.º 6 1069-001 Lisboa Telef. 808 243 000 - Fax

Leia mais

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer interpretativo da ERSE (ao abrigo do artigo 290.º do Regulamento de Relações Comerciais) Julho de 2005 ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103 Objecto: Auxílio estatal n.º NN 173/01 - Portugal - Prorrogação do dispositivo de cobertura dos riscos inerentes ao transporte aéreo com a garantia

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS DESTAQUE. Agosto 2012 REVISÃO DA DIRECTIVA DO PROSPECTO E EFEITO DIRECTO EM PORTUGAL 1. INTRODUÇÃO

MERCADO DE CAPITAIS DESTAQUE. Agosto 2012 REVISÃO DA DIRECTIVA DO PROSPECTO E EFEITO DIRECTO EM PORTUGAL 1. INTRODUÇÃO DESTAQUE Agosto 2012 MERCADO DE CAPITAIS REVISÃO DA DIRECTIVA DO PROSPECTO E EFEITO DIRECTO EM PORTUGAL 1. INTRODUÇÃO Em 24 de Novembro de 2010, no âmbito da iniciativa Better Regulation e com o intuito

Leia mais

Newsletter de Outubro de 2014 DIREITO PÚBLICO, AMBIENTE & URBANISMO

Newsletter de Outubro de 2014 DIREITO PÚBLICO, AMBIENTE & URBANISMO Newsletter de Outubro de 2014 DIREITO PÚBLICO, AMBIENTE & URBANISMO Fevereiro de 2013 Novidades Legislativas ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LOCAL Portaria n.º 209/2014 - Diário da República n.º 197/2014, Série

Leia mais

Assim: Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.

Assim: Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1. Decreto-Lei n.º / No quadro da política comum de transportes e para reforçar a protecção dos consumidores, a Comissão Europeia entendeu ser fundamental garantir um nível de seguro mínimo comum e adequado

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n.º 562/2006 para estabelecer regras comuns sobre a reintrodução temporária

Leia mais

Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro Não dispensa a consulta do regulamento publicado em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 19/2007-R, de 31 de Dezembro Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

CONSELHO DA EUROPA TRIBUNAL EUROPEU DOS DIREITOS DO HOMEM 2ª SECÇÃO. CASO MORA DO VALE E OUTROS contra PORTUGAL. (Queixa n.

CONSELHO DA EUROPA TRIBUNAL EUROPEU DOS DIREITOS DO HOMEM 2ª SECÇÃO. CASO MORA DO VALE E OUTROS contra PORTUGAL. (Queixa n. CONSELHO DA EUROPA TRIBUNAL EUROPEU DOS DIREITOS DO HOMEM 2ª SECÇÃO CASO MORA DO VALE E OUTROS contra PORTUGAL (Queixa n.º 53468/99) ACÓRDÃO (reparação razoável) ESTRASBURGO 18 de Abril de 2006 Este acórdão

Leia mais

Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho)

Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho) Seguro Escolar (Portaria n.º 413/99, de 8 de Junho) O Seguro Escolar constitui um sistema de protecção destinado a garantir a cobertura dos danos resultantes do acidente escolar. É uma modalidade de apoio

Leia mais

O Acto Administrativo: Conceito, estrutura, objecto e conteúdo

O Acto Administrativo: Conceito, estrutura, objecto e conteúdo Filipa Rente Ramalho O Acto Administrativo: Conceito, estrutura, objecto e conteúdo Trabalho para a Disciplina de Direito Administrativo Orientador: Professor António Francisco de Sousa UNIVERSIDADE DO

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 30/2014-23.SET-1.ª S/SS

ACÓRDÃO Nº 30/2014-23.SET-1.ª S/SS Mantido pelo Acórdão nº 25/2014 - PL, de 16/12/14, proferido no recurso nº 26/2014 ACÓRDÃO Nº 30/2014-23.SET-1.ª S/SS Processo nº 1179/2014 Acordam os Juízes do Tribunal de Contas, em Subsecção da 1.ª

Leia mais

Manual de Procedimentos. AIG Mission. Mission

Manual de Procedimentos. AIG Mission. Mission Manual de Procedimentos AIG 1 Apólice Procedimentos em caso de Sinistro (Todo o mundo) Sempre que se torne necessário activar as garantias da apólice e, especialmente, em caso de emergência, as Pessoas

Leia mais

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação 27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação Os Estados signatários da presente Convenção: Desejosos de estabelecer disposições comuns sobre a lei aplicável aos

Leia mais

Regulamento relativo à manutenção e inspecção de ascensores, monta-cargas, escadas mecânicas e tapetes rolantes da Câmara Municipal da Trofa

Regulamento relativo à manutenção e inspecção de ascensores, monta-cargas, escadas mecânicas e tapetes rolantes da Câmara Municipal da Trofa Regulamento relativo à manutenção e inspecção de ascensores, monta-cargas, escadas mecânicas e tapetes rolantes da Câmara Municipal da Trofa Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Setembro de 2003 e em

Leia mais

ANTEPROJECTO DE DECRETO-LEI RELATIVO AOS SEGUROS DE GRUPO

ANTEPROJECTO DE DECRETO-LEI RELATIVO AOS SEGUROS DE GRUPO ANTEPROJECTO DE DECRETO-LEI RELATIVO AOS SEGUROS DE GRUPO CONTRIBUTIVOS Nos contratos de seguro de grupo em que os segurados contribuem para o pagamento, total ou parcial, do prémio, a posição do segurado

Leia mais