Tipo assim... elias bitencourt unifacs 2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tipo assim... elias bitencourt unifacs 2007"

Transcrição

1 Tipo assim... elias bitencourt unifacs elias bitencourt Material didático de suporte para as aulas da disciplina tipografia, oferecidas no segundo semestre de 2007, no curso de design gráfico da unifacs - universidade salvador. Proibida venda, comercialização ou utilização para outros fins sem autorização prévia do autor.

2 & 01 Tipo assim um pequeno auxílio para o uso correto dos termos tipográficos. elias bitencourt 13 morfologia, termos and all that jazz... taxionomia do tipo padrão bs hall of fame séc xv - xix

3 termos, elementos e estruturas Handgloves underware dolly bold estruturas and all that jazz serifas: Tipo de acabamento acrescido ao final das hastes, traves ou barras de uma letra. São geralmente classificadas de acordo com sentido a, espessura b, junção c, acabamento d e base e. nthe serif bi uni a. Bilaterais e unilaterais: Diz-se respectivamente das serifas que apontam para ambos os lados ou apenas um. b. regulares, slab ou hairline: Quanto a variação de espessura, as serifas caracterizam-se por regulares quando estabelecem contrastes moderados em relação às estruturas a que se unem. As slabs definem-se tanto pela ausência de contraste em relação às hastes como pelo notado aumento em relação a estas. As hairlines ou de filetes são identificadas pela estrutura visivelmente menos espessa que os contornos do tipo. i i i regular slab filete c. Curvas, triangulares ou retas: Quanto à junção, as serifas podem fundir-se nas hastes por meio de apoios (brackets) com suaves transições curvas ou ainda através de diagonais e ângulos retos. Nestas últimas ocasiões, costuma-se nomeá-las respectivamente de triangulares e retas. Embora seja comum encontrar o termo triangular refererindo-se também às serifas curvas, optou-se aqui por melhor objetivar o processo de categorização separando-as em taxes distintas. curva triangular reta sabon sun serif itc officina serif d. oblíquo, reto, agudo ou curvo: Atribui-se a nomenclatura dos acabamentos oblíquos quando as extremidades laterais das serifas encerram-se em cortes obtusos em relação à linha de base e retos quando os cortes ocorrem perpendiculares à mesma. As serifas agudas e curvas caracterizam-se respectivamente pelas extremidades em forma de vértices ou com suavizações orgânicas. 02 adobe garamond fago office be wallbaum

4 oblíquas arno pro curvas garamond premier pro retas itc new baskerville agudas garamond e. Planas ou côncavas: Diz-se serifas de bases planas quando estas apóiam-se plenas e paralelas à linha de base. As bases côncavas costumam apresentar reentrâncias notáveis que funcionam como efeitos ópticos ou ornamentativos planas dolly bold concavas DTL Fleischmann D 02.barra: Traço horizontal presente em alguns glifos como o L,H,F,E, e t, f dentre outros. Costumeiramente o stroke (contorno) costuma manifestar-se em outras 2 estruturas retilíneas principais. Quando estas ocorrem na vertical, recebem o nome de haste 12 e quando na diagonal, trave 14. circular bauer bodoni gota dtl elzevir bico palatino 03. terminais: Acabamentos encontrados nas extremidades dos arcos de glifos como a, c, f, j, r, y. É comum a ocorrência dessas estruturas em três categorias - circular (bola), gota (lágrima) e bico, conforme mostra figura anterior. 04. espora: Pequena projeção na haste de algumas letras. Não chega a configurar-se enquanto serifa. (rocha, 2002). Algumas fontes não serifadas costumam apresentar essa estrutura no glifo a. espora serifa serifa serifa espora serifa de cima para baixo adobe caslon, the sans e helvetica espora 05. ombro: curvatura das hastes que culminam em arcos ou em outras hastes como nos glifos a, n respectivamente. 06.counter: Também conhecido por olho, os counters referem-se aos espaços vazios internos dos glifos, delimitados pelo contorno (stroke). Podem ser abertos ou fechados. Suas variantes estão comumente relacionadas à personalidade da fonte. 03apple Ascendentes: Estruturas presentes em algumas letras minúsculas que se estendem acima da linha média e tocam a linha das ascendentes. E.g. h, f, b. 08. Descendentes: Estruturas presentes em algumas letras minúsculas que se estendem abaixo da linha de base e tocam a linha das descendentes. E.g. j, p, q, y, g. 09. Orelha 10. Link 11. Lóbulo 12. haste: Ver barra Eixo de contraste: Efeito decorrente das variações de espessura no contorno dos glifos, mais visíveis nas letras o, c, e. Os eixos de estricção são uma herança da caligrafia e denunciam o ângulo de inclinação da pena usada para desenhar os glifos. Podem ser encontrados traçando-se uma linha imaginária entre os pontos de menor espessura presentes no topo e na base dos referidos signos. Suas inclinações podem variar em relação à linha de base, recebendo o nome de humanista, quando oblíquos, e racionalistas, quando perpendiculares. humanista dolly racionalista bauer bodoni sem eixo futura medium regular the sans regular akzidenz grotesk itálico oblíquo obs: Os eixos de contraste não devem ser confundidos com o slope. Este é uma variação do itálico, onde não há alteração do desenho original dos caracteres regulares, apenas uma inclinação para simulação do italizado. Fontes dessa natureza costumam ter uma variante conhecida como oblique. 14. Trave: Ver barra Bojo: formas geralmente redondas ou elípticas que definem o formato básico de letras como C, G, O na caixaalta e b, c, e, o, p, d na caixa-baixa (bringhurst, 354, 2005) 16. Overshoot: Pequenas projeções que ultrapassam os limites demarcados pelas linhas das ascendentes, descendentes, média ou de base, para fins de equilíbrio óptico entre os glifos. 17. Arremate: tipo de acabamento recorrente em terminações de arcos, algumas letras itálicas e caudais. São uma herança da caligrafia e como o próprio termo já diz, arrematam os traços resultantes da retirada da pena. 18. Espinha

5 19. Linha das ascendentes: linha Paralela à de base, onde a maior ascendente alcança. Pode ou não coincidir com a linha da caixa-alta. 20. Linha da caixa-alta: linha Paralela à de base, alcançada pela maioria das letras maiúsculas de um set. Pode ou não coincidir com a linha das ascendentes. 21. Linha média: Linha paralela à de base onde os glifos minúsculos sem ascendentes alcançam. A distância entre a linha de base e a linha média determina a altura de x. 22. Linha de base: Linha onde os glifos que não possuem descendentes se apóiam. 23. Linha das descendentes: linha Paralela à de base, onde a maior descendente alcança. apple A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z À Á Â Ã Ä Å Ą Ă Ā Æ Ç Ċ Ĉ Ć Č Ď Ð È É Ê Ë Ę Ě Ē Ė Ğ Ġ Ĝ Ģ Ĥ Ħ Ì Í Î Ï İ Ĩ Į Ĵ Ķ Ł Ľ Ĺ Ļ Ñ Ń Ň Ņ Ò Ó Ô Õ Ö Ø Ő Ō Œ Ŕ Ř Ŗ Š Ś Ş Ŝ Ť Ţ Ŧ Ù Ú Û Ü Ů Ű Ŭ Ũ Ū Ų Ŵ Ý Ÿ Ŷ Ž Ź Ż Þ a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z à á â ã ä å ą ă ā æ ç ć č ċ ĉ ď đ ð è é ê ë ę ě ē ė ģ ğ ġ ĝ ħ ĥ ì í î ï ı ĩ į ī ĵ ķ ł ľ ĺ ļ ñ ń ň ņ ò ó ô õ ö ø ő ō œ ŕ ř ŗ š ś ş ŝ ť ţ ŧ ú ù û ü ů ű ŭ ų ũ ū ŵ ý ÿ ŷ ž ź ż ß þ ª º ¹ ² ³ ¼ ½ ¾ % $ ƒ!?., : ; " ' " " ' ' ^ ` ˇ / ~ * # (c) (r) + ± = < > π 05apple ƒ & Δ Ω µ apple

6 uitas tentativas e modelos de classificação foram elaborados desde o surgimento do ofício tipográfico embora nenhum tenha conseguido contemplar todas as necessidades e aspectos técnicos pertinentes a uma taxonomia completa. O que se teve na verdade, foram tentativas isoladas que partiram de algumas demandas específicas, interesses e prioridades dos seus autores. Classificação uma breve introdução à taxionomia do tipo padrão bs Fato é que toda taxonomia, tipográfica ou não, é uma convenção e, assim o sendo, é arbitrária. Estrutura-se um método dado, normalmente amparado em quesitos objetivos a partir do quais, os objetos de pesquisa são ordenados e classificados. Tais ordenamentos podem reconstruir uma taxonomia já existente, reafirmando-a, ou propor novos modelos que melhor respondam às questões levantadas. Nas próximas páginas iremos nos deter ao padrão BS 2961 da Instituição Britânica de Normatização. De base morfológica, o sistema em questão deriva dos modelos propostos por Maximilien Vox ( ) diferenciando-se deste pelo maior enfoque dado às classes dos tipos lineares. Como todos os modelos, ele possuí limitações. Para fins de ampliação de repertório consulte outros padrões internacionais como o Vox 1954, DIN e ATypI 1961

7 Classificação tipográfica modelo bs 2961/ 1967 Romanos / serifados 1.Humanistas Apresentam formas arredondadas, traço modulado, eixo inclinado, pouco contraste entre as variações de espessura, altura de x relativamente pequena, barra do caractere e levemente inclinada, serifas geralmente curvas e côncavas podendo apresentar extremidades com acabamento reto, arredondado ou em ângulo. ex: Adobe Jenson Pro 2.Garaldes Eixo de estricção do o levemente inclinado, barra do caractere e paralela à linha de base, contraste acentuado entre as variações de espessura, altura de x levemente maior que nas humanistas. ex: Adobe Garamond Pro 3.Transicionais Situadas entre as garaldes e as didones, eixo de estricção vertical ou suavemente inclinado para qualquer dos lados, serifas mais finas, planas, com acabamento agudo e curvas, embora a junção com a haste normalmente seja mais suave que nas garaldes. ex: Adobe Caslon Pro 4.Didones Desprovidas de características manuscritas, eixo de estricção vertical, contraste muito acentuado entre as variações de espessura, serifas de filete, retas, planas com acabamentos retos, terminais redondos ou em formato de gota. ex: Berthold Walbaum 09apple Mecânicos Ampla mancha gráfica, serifas slab, retas ou curvas, planas, com acabamentos retos, desenhos simples, com eixo de estricção vertical ou ausente. ex:fago office serif Lineares / não serifados 6. Grotescos Desenhos volumosos e pouco refinados, contrastes de espessura bem definidos, bastante usadas no sec XIX para títulos, manchetes de jornais etc. ex: Franklin Gothic 7. Neo-Grotescos Sutis diferenças entre as grotescas. Desenhos mais projetados, minimização dos contrastes entre variação de espessura para tornar as formas mais elegantes. Seus projetos previam as distorções de impressão e o caractere g possui descendente em forma de arco ex: Akzidenz Grotesk 8. Geométricos Inspiradas nas formas geométricas, contrastes monolíneos, linhas e curvas modulares repetidas nos demais caracteres, expressão dos ideais modernistas, eixos verticais ou ausentes. ex: Avenir 9. Humanistas Contraste mais definido entre as variações de espessura, relacionadas à releituras contemporâneas das inscrições romanas, minúsculas das garaldes e Romanas humanistas. ex: FF Meta

8 10. Incisos Também conhecidos por cinzelados em referência ao instrumento utilizado para esculpir os tipos em pedra, o cinzel. Possuem serifas triangulares e suas estruturas se assemelham mais às capitulares monumentais que as da escrita cursiva. ex: Friz Qadrata 11. Cursivos Geralmente imitam a escrita cursiva comum, caligráfica ou formal, diferenciam-se das manuscritas principalmente por sugerirem mais uma imitação da caligrafia que dos letterings. Geralmente possuem junções entre os caracteres muito mais suaves que as manuais. ex: Linotype Zapfino 14. Não Latinos Representam línguas cuja escrita não se apresenta por meio de caracteres latinos. Ex: Chineses, Árabes, Japoneses etc. ex: Al Harf Al Jadid One apple Notas... Este espaço é seu. Anote, desenhe, faça os complementos e observações necessárias. 12. manuscritos Imitam ou sugerem desenhos feitos à mão. Suas estruturas fazem alusão aos letterings e não à caligrafia por isso diferenciam-se das cursivas. É comum nas fontes dessa categoria uma referência morfológica aos instrumentos utilizados para o desenho. ex: Market Felt 13. góticas Dada a especificidade da morfologia, os tipos góticos clássicos são facilmente distinguíveis dos romanos e lineares. Sua origem está intimamente vinculada com a própria sistematização da imprensa e são comumente categorizados nas seguintes taxes: Texturados, Rotundos, Bastardos e Fraktur. ex: Tex 11apple 12

9 Hall of fame fias principais personalidades do séc xv ao xix hamburgerfonts Monotype Bembo Marca do impressor Francesco Griffo Puncionista bolonhês, trabalhou em Veneza e estabeleceu parcerias com o editor Aldus Manutius na confecção dos livros portáteis. No início do séc. XVI desenvolveu um tipo baseado nas escrita cursiva italiana. Em decorrência deste fato, atribui-se a ele a invenção dos tipos itálicos. A fonte Monotype Bembo Italic de 1929, foi baseada nas matrizes de Griffo Joanes Gutemberg Nascido na cidade de Mainz Alemanha. A ele atribui-se a sistematização da imprensa. Marca do impressor Nicolas Jenson Puncionista e impressor Francês. Trabalhou em Veneza onde desenvolveu o primeiro tipo romano da renascença. Os tipos de Jenson serviram de referência para a Centaur desenhada em 1915 e a Adobe Jenson em Ludovico DeglIi Arrighi Calígrafo Italiano, iniciou sua carreira como editor em 1524, tendo como sócio o ourives Lautizio Perugino, que mais tarde provavelmente se tornou seu puncionista. Arrighi desenvolveu tipos inspirados na cancelleresca corsiva, modelo de escrita bastante utilizado nos escritórios do Vaticano. Por conta disso, divide o crédito de inventor dos primeiros tipos itálicos juntamente com Griffo. As suas matrizes serviram de base para a versão itálica da Centaur Jenson

10 15apple 16 DLT Elzevir Claude Garamond Puncionista Francês, contemporâneo de Nostradamus, Leonardo Da Vinci e Henrrique VIII, trabalhou em paris, onde desenvolveu um tipo com referência na cultura humanista característica do seu século. Suas Matrizes serviram de referência para a Sabon 1967 do Jan Tschihold e para diversas versões da Garamond de foundries como a Stempel, ITC, Monotype Adobe, Berthold dentre outras. garamond adobe Cristofell van Dijck Puncionista Holandês, desenvolveu um tipo romano com base no trabalho do Claude Garamond. Foi um dos responsáveis pela hegemonia tipográfica da Holanda no séc. XVII Em 1992 Gerard Daniëls solicitado pela Dutch Type Library, reviveu o trabalho de Dijck através da DTL Elzevir. neo aeg John Baskerville Calígrafo impressor e homem de negócios inglês, desenvolveu um dos primeiros tipos de transição. Atribui-se a ele também os implementos que permitiram as tintas de impressão terem uma secagem mais rápida. Figura bastante controversa, Baskerville é conhecido pela impressão refinada dos seus livros. A bíblia impressa por ele para a Universidade de Cambridge em 1763 é considerada um dos livros mais refinados desde o surgimento da imprensa Inglesa com Wiillian Caxton. séc. XV Giambattista Bodoni Gravador, puncionista e impressor italiano. Aos 18 anos trabalhou como compositor na imprensa do vaticano. Seus primeiros tipos se basearam nos trabalhos de Pierre Simon Fournier. Divide juntamente com Firmin Didot, a invenção dos tipos cuja forma se enquadra na categoria Didones (vox/atypi). Suas matrizes originais se encontram hoje no Museu Bodoniano em Parma - Itália. Bodoni BAUER Adobe Caslon Willian Caslon I Gravador, puncionista e fundidor inglês responsável pela Hegemonia tipográfica inglesa do séc. XVIII. Seus tipos foram baseados nos trabalhos Holandeses muito comuns na Inglaterra do seu período. Fundou em 1720 a H.W. Caslon & Co. Considerada a primeira foundrie comercial da história, a Caslon Foundry foi dirigida pelo seu filho Caslon II após a sua morte. Mais tarde foi herdada por inúmeros membros da família até 1937, quando foi finalmente comprada por Stephenson Blake. As matrizes de Caslon serviram de inspiração para versões digitais desenvolvidas pela ATF (1905), ITC (1922), Adobe (1990) e hoje se encontram na St Bride Printing Library em Londres. Ambroise Didot Ambroise Firmin Didot Acadêmico, puncionista e impressor francês, desenvolveu seus primeiros tipos por volta de 1764 e reeditou alguns dos trabalhos do seu pai Firmin Didot. Foi juntamente com alguns familiares, o responsável pelo padrão de medida tipográfica ponto Didot equivalente a 0,38mm. Juntamente com Bodoni, dividem a autoria dos tipos classificados como Didones, cuja categoria é batizada com uma mistura dos nomes dos mesmos.

11 referências BLACKWELL, Lewis. Tipografía del siglo XX. Gustavo Gili, Barcelona,1998 BRINGHURST, Robert. Elementos do estilo tipográfico. Cosac & Naify, São Paulo, 2005 CARTER, Rob, DAY, Ben e MEGGS, Philip. Typographic Design: Form and comunication. John Wiley & Sons, Inc, Nova York, 1993 CELSO, Alejandro Lo. Rhythm in type design Disponível em Acesso em FRUTIGER, Adrian. En torno a la tipografía. Barcelona: Gustavo Gili, 2002 FRUTIGER, Adrian. Sinais e Símbolos. São Paulo: Martins Fontes, 1999 HELLER, Steven and FILI, Louise. Typology Type Design From the Victorian Era to the Digital Age. Chronicle Books, San Francisco, 1999 JACQUES, João Pedro. Tipografia. Disponível na internet via URL Acesso em LAWSON, Alexander. Anatomy of a typeface. Boston: David R. Godine, 1990 TRACY, Walter. Letters of Credit. A view of type design. Boston: David R. Godine, 1986 LUPTON, Ellen. Thinking with Type: A Critical Guide for Designers, Writers, Editors, & Students. Princeton Architectural Press, 2004 ROCHA, Cláudio. Projeto Tipográfico: Análise e produção de fontes digitais. São Paulo: Rosari, Material composto na tipografia Auto 3 da underware fonts. Títulos em Auto 3 Bold italic, subtítulos em Auto 3 Smal Caps Bold, textos em Auto 3 regular, legendas em Auto 3 italic. Conteúdo produzido com finalidade didática. Disponível para download em apple

12 Making of

13 notas: Esse pdf foi otimizado para visualização em Adobe Acrobat 4.0 ou superior e impressão à laser colorida em papel uncoated 75g. As opções de impressora deverão contemplar: página formatada para A4 em orientação paisagem, centralizada e sem ajustes para a área de impressão. Após imprimir todas as páginas desse documento, dobre cada uma no centro conforme mostra a figura. Para um alinhamento correto, una as margens opostas da página, fazendo um vinco na dobra central. Perfure cada página dobrada tomando como referência a margem esquerda. Encaderne-as preferencialmente com wire-o, selecionando um papel de gramatura mais resistente para a capa e contra-capa. Caso deseje customizar o material, utilize diferentes tipos de papel para capa e miolo. dica: experimente imprimir a página do making of em acetato. Assim você pode superpô-la às impressas e estudar as relações entre o grid e a composição.apple

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE SENAC GOIÂNIA FERNANDO CARDOSO DE MORAIS MYCHEL MARCOS MOREIRA MARTINS CLASSIFICAÇÃO TIPOGRÁFICA

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE SENAC GOIÂNIA FERNANDO CARDOSO DE MORAIS MYCHEL MARCOS MOREIRA MARTINS CLASSIFICAÇÃO TIPOGRÁFICA SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE SENAC GOIÂNIA FERNANDO CARDOSO DE MORAIS MYCHEL MARCOS MOREIRA MARTINS CLASSIFICAÇÃO TIPOGRÁFICA GOIÂNIA 2014 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

Leia mais

Classificação Tipografia segundo Períodos Históricos

Classificação Tipografia segundo Períodos Históricos Classificação da Tipografia segundo Períodos Históricos (baseado na obra de Robert Bringhurst) Material de apoio às aulas de Tipografia II Docente: Joana Lessa Introdução Histórica A impressão feita a

Leia mais

Centro Universitário Senac Bacharelado em Design. Programa de Disciplina. Tipografia. Profa. Dra. Anna Paula Silva Gouveia

Centro Universitário Senac Bacharelado em Design. Programa de Disciplina. Tipografia. Profa. Dra. Anna Paula Silva Gouveia Centro Universitário Senac Bacharelado em Design Programa de Disciplina Tipografia Profa. Dra. Anna Paula Silva Gouveia Ementa A história da tipografia sob uma perspectiva ampla, que vai desde a concepção

Leia mais

Os sistemas de classificação de fontes mais aceitados são: Classificação de Maximilien Vox (1954)

Os sistemas de classificação de fontes mais aceitados são: Classificação de Maximilien Vox (1954) Uma família tipográfica é um grupo de signos escriturais que compartilham traços de desenho comuns, conformando todas elas uma unidade tipográfica. Os membros de uma família (os tipos) se parecem entre

Leia mais

Notas para um encontro sobre Tipografia

Notas para um encontro sobre Tipografia Priscila Farias Notas para um encontro sobre Tipografia [Criação (design de tipos) e/ou utilização (design com tipos) de símbolos visíveis relacionados aos caracteres ortográficos e para-ortográficos da

Leia mais

Tipografia Anatomia do Tipo

Tipografia Anatomia do Tipo Joana Lessa Escola Superior de Educação e Comunicação, Universidade do Algarve jlessa@ualg.pt / design.research@joanalessa.com * Tipografia Anatomia do Tipo Última actualização: Fev.2012 Nota Prévia A

Leia mais

A largura das colunas

A largura das colunas A largura das colunas Largura ideal: As pessoas leem mais depressa se não precisarem mover a cabeça, mas apenas correr ligeiramente os olhos da esquerda para direita, da direita para esquerda. Os olhos

Leia mais

TIPOGRAFIA LEVE PESADO

TIPOGRAFIA LEVE PESADO TIPOGRAFIA Tipografia é o emprego de elementos gráficos que podem ser utilizados na escrita (letras, números, rabiscos, símbolos) para se construir uma mensagem visual - seja ela compreensível ou não.

Leia mais

Notas para uma normatização da nomenclatura tipográfica Notes for a standardization of typeface nomenclature

Notas para uma normatização da nomenclatura tipográfica Notes for a standardization of typeface nomenclature Notas para uma normatização da nomenclatura tipográfica Notes for a standardization of typeface nomenclature FARIAS, Priscila Lena Doutora em Comunicação e Semiótica, PUC-SP e Faculdade SENAC de Comunicação

Leia mais

Referências bibliográficas:

Referências bibliográficas: Referências bibliográficas: - Tipos. Desenho e utilização de letras no projeto gráfico - Aldemar Pereira - Tipografia Digital - Priscila Farias - Planejamento Visual Gráfico - Milton Ribeiro - Projeto

Leia mais

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS2/CS3 DIREÇÃO DE ARTE Apostila 4 A TIPOLOGIA APLICADA À PROPAGANDA MARÇO 2009 k A TIPOLOGIA APLICADA À PROPAGANDA Conceitos: Tipologia: Consiste

Leia mais

Comércio Eletrônico Curso de Especialização SEBRAE

Comércio Eletrônico Curso de Especialização SEBRAE Comércio Eletrônico Curso de Especialização A N A L I S T A DE N E G Ó C I O Apoio Realização SEBRAE 1 WEB DESIGN Módulo 2 NatãMorais de Oliveira 2 Objetivo Treinar o Analista de Negócio no planejamento

Leia mais

TIPOLOGIA. Tipografia e sistemas de composição Prof. André Wander 1

TIPOLOGIA. Tipografia e sistemas de composição Prof. André Wander 1 TIPOLOGIA O estudo da evolução da tipologia se confunde com a história da humanidade, visto que, enquanto o homem buscava o aperfeiçoamento da comunicação através da escrita, grandes mudanças tecnológicas

Leia mais

alcuni blog e siti di tipografia algum blog e dominios da tipográfia

alcuni blog e siti di tipografia algum blog e dominios da tipográfia alcuni blog e siti di tipografia algum blog e dominios da tipográfia Italiano: Giò Fuga Type blog http://blog.giofugatype.com Progetto Italic http://www.progetto-italic.org/?feed=atom Type Tour Italia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRO REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRO REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA TRABALHO ACADÊMICO: Guia fácil para diagramação Antes de iniciar a digitação de seu trabalho acadêmico configure seu documento com as especificações a seguir, facilitando a visualização e sua futura impressão.

Leia mais

serifa inclinada TIMES serifa

serifa inclinada TIMES serifa TIPOLOGIA NA WEB CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS Com Serifa Serifa é uma haste perpendicular que termina os principais traços de algumas letras. Este recurso facilita a leitura de textos impressos, aglutiando

Leia mais

Para muitos autores como Richard Hollis (2000), quando ocorre a transição

Para muitos autores como Richard Hollis (2000), quando ocorre a transição Para muitos autores como Richard Hollis (2000), quando ocorre a transição da composição gráfica por partes separadas e isoladas para a criação única do artista de texto e ilustração, houve então o início

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular 2009/2010

Ficha de Unidade Curricular 2009/2010 Ficha de Unidade Curricular 2009/2010 Unidade Curricular Designação Projecto de Design de Comunicação I Área Científica Design de Comunicação Ciclo de Estudos 1.ciclo Carácter: Obrigatória Semestre 1.º

Leia mais

professor Rafael Hoffmann

professor Rafael Hoffmann professor Rafael Hoffmann Tipografia Rafael Hoffmann www.rafaelhoffmann.com contato@rafaelhoffmann.com Formação: Técnico em Desenho Industrial (SATC) Bacharel em Publicidade e Propaganda (UNISUL) Especialista

Leia mais

THE BRAND GUIDE BOOKLET

THE BRAND GUIDE BOOKLET THE BRAND GUIDE BOOKLET APRESENTAÇÃO 1ª Edição Março de 2015 A experiência de uma pedalada perfeita só pode ser intensificada por uma bicicleta perfeita. Audax foi criada por almas aventureiras que entendem

Leia mais

Apresentação 3. Conceitos Básicos 4. Conceito da Marca 6

Apresentação 3. Conceitos Básicos 4. Conceito da Marca 6 Sumário Apresentação 3 Conceitos Básicos 4 O Clube 5 Conceito da Marca 6 Versões da Marca Assinatura Principal 7 Assinatura Secundária 8 Escala de Cinza 9 Colorida 9 Preto e Branco positivo 9 Preto e Branco

Leia mais

Porque Vale o que Está Escrito, ou as Letras e Seusl Estilos

Porque Vale o que Está Escrito, ou as Letras e Seusl Estilos Porque Vale o que Está Escrito, ou as Letras e Seusl Estilos 1 Um simples olhar ao mundo da escrita nos mostra tanta variação na forma gráfica que, por um instante, surge a dúvida: como é possível que

Leia mais

Legibilidade. Buracos brancos. Entrelinhas

Legibilidade. Buracos brancos. Entrelinhas A única coisa capaz de atrair o leitor é uma informação transmitida de maneira clara, pertinente e envolvente. A ilustração e o título atraem sua atenção, mas é o texto que encerra toda a informação que

Leia mais

Apostila Complementar

Apostila Complementar Desenho Técnico Apostila Complementar O curso de Desenho técnico mecânico é baseado nas apostilas de Leitura e Interpretação do Desenho Técnico Mecânico do Telecurso 2000 Profissionalizante de Mecânica.

Leia mais

I D E N T I D A D E V I S U A L

I D E N T I D A D E V I S U A L IDENTIDADE VISUAL A percepção realiza ao nível sensório o que no domínio do raciocínio se conhece como entendimento. Ver é compreender. Rudolf Arnheim, sociólogo SUMÁRIO Apresentação...3 Conceito visual...4

Leia mais

TRABALHO ACADÊMICO: Guia fácil para diagramação: formato A5. Formatação do Texto

TRABALHO ACADÊMICO: Guia fácil para diagramação: formato A5. Formatação do Texto TRABALHO ACADÊMICO: Guia fácil para diagramação: formato A5 Antes de iniciar a digitação de seu trabalho acadêmico configure seu documento com as especificações a seguir, facilitando a visualização e sua

Leia mais

Formatação de documentos: mais qualidade e produtividade

Formatação de documentos: mais qualidade e produtividade Formatação de documentos: mais qualidade e produtividade Judith Adler Levacov Diretora da JAL Design, pós-graduada em Design de Interfaces pela Unicarioca judith@jaldesign.com.br Introdução Com a informatização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015. Aula 01 Introdução

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015. Aula 01 Introdução DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015 Aula 01 Introdução DEFINIÇÃO Desenho Técnico é a linguagem técnica e gráfica empregada para expressar e documentar formas, dimensões, acabamento,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III Projeto Integrado Multidisciplinar Cursos Superiores Tecnológicos G. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Trabalho

Leia mais

Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais. Manual de Identidade Gráfica

Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais. Manual de Identidade Gráfica Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais Manual de Identidade Gráfica 1 2 Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais Manual de Identidade Gráfica 4 ÍNDICE Introdução I. Significado I.0 Emblema

Leia mais

22/04/2015. Publicidade Gráfica. Tipografia. Você sabe qual a importância da Tipografia no mundo em que vivemos?

22/04/2015. Publicidade Gráfica. Tipografia. Você sabe qual a importância da Tipografia no mundo em que vivemos? Publicidade Gráfica Tipografia Você sabe qual a importância da Tipografia no mundo em que vivemos? 1 Capa de Livro Capa de Revista 2 Cartaz Pôster de Filme 3 Grafitte 4 A tipografia do grego typos = forma

Leia mais

APOSTILA V DAC. Ferramentas Importantes

APOSTILA V DAC. Ferramentas Importantes APOSTILA V DAC Ferramentas Importantes FERRAMENTAS IMPORTANTES PARA A EXECUÇÃO DE UM DESENHO A importância do ZOOM A sintaxe do comando ZOOM permite selecionar um dos diferentes tipos de zoom, conforme

Leia mais

Aplicações da Logomarca Logomarca Preferencial - Assinatura Horizontal - Secretaria Logomarca Preferencial - Assinatura Vertical - Secretaria

Aplicações da Logomarca Logomarca Preferencial - Assinatura Horizontal - Secretaria Logomarca Preferencial - Assinatura Vertical - Secretaria Índice 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 Apresentação A logomarca da Prefeitura de Palmas Proporções e medições Zona de exclusão Redução mínima Variantes de cor Cores

Leia mais

A escrita cursiva no Renascimento: origem e evolução dos modelos caligráficos cursivos e dos tipos itálicos

A escrita cursiva no Renascimento: origem e evolução dos modelos caligráficos cursivos e dos tipos itálicos A escrita cursiva no Renascimento: origem e evolução dos modelos caligráficos cursivos e dos tipos itálicos The cursive writing in Renaissance: origin and evolution of the cursive writing models and italic

Leia mais

Conceito Visual. Manual de aplicação de Marca

Conceito Visual. Manual de aplicação de Marca Conceito Visual Conceito Visual Qualidade e Durabilidade Principal característica a ser transmitida na comunicação, os produtos são feitos com alto padrão de qualidade e durabilidade, é o ponto mais forte

Leia mais

Design Web Formas. Elisa Maria Pivetta. Sinto, penso, logo desenho

Design Web Formas. Elisa Maria Pivetta. Sinto, penso, logo desenho Design Web Formas Elisa Maria Pivetta Sinto, penso, logo desenho Formas básicas em Design Comunicamos mediante linguagem falada, verbal, formada por letras, palavras, frases, etc. que, combinados, formam

Leia mais

Normatização Desenho Técnico. Prof. Solivan Altoé

Normatização Desenho Técnico. Prof. Solivan Altoé Normatização Desenho Técnico CALIGRAFIA TÉCNICA NBR 8402 Assim como o resto do desenho técnico, as letras e algarismos também seguem uma forma definida por norma. Até pouco tempo atrás as letras eram desenhadas

Leia mais

O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas

O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas A humanidade sempre dependeu de se comunicar para poder sobreviver melhor, transmitir os conhecimentos acumulados sempre foi algo muito

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às CURSO: DESIGN DE INTERIORES DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO TURNO: Manhã / Noite PERÍODO: 1º PROFESSORAS: Dodora DESENHO TÉCNICO Dimensões de papéis para desenhos técnicos: Objetivo: pranchas

Leia mais

Design Gráfico Moderno: uma breve conceituação.

Design Gráfico Moderno: uma breve conceituação. Fellipe Alves Gomes Design Gráfico Moderno: uma breve conceituação. São Paulo - SP julho/2012 1 Fellipe Alves Gomes Design Gráfico Moderno: uma breve conceituação. Trabalho apresentado ao Prof. Dr. Marcos

Leia mais

Manual da marca 2014

Manual da marca 2014 Manual da marca 2014 Índice 1. Marca 2. Elementos, versões e proporções 3. Área de reserva e redução 4. As cores da marca 4.1. Uso preferencial e versão PB 4.2. Cor complementar 5. Variação de fundos 6.

Leia mais

Que fonte devo usar? Cinco Princípios para a Seleção e Utilização de Fontes. Por Dan Mayer

Que fonte devo usar? Cinco Princípios para a Seleção e Utilização de Fontes. Por Dan Mayer Que fonte devo usar? Cinco Princípios para a Seleção e Utilização de Fontes Por Dan Mayer Que fonte devo usar? Cinco Princípios para a Seleção e Utilização de Fontes Por Dan Mayer* Para muitos iniciantes,

Leia mais

Didactica Tipografia para livros didáticos infantis. Didactica Typography for children s didactic books. Paula C. Casarini, Priscila L.

Didactica Tipografia para livros didáticos infantis. Didactica Typography for children s didactic books. Paula C. Casarini, Priscila L. Paula C. Casarini, Priscila L. Farias Didactica Tipografia para livros didáticos infantis Didactica Typography for children s didactic books Tipografia, design de livros, universo infantil. Este artigo

Leia mais

André Rafael TIPOGRAFIA PARA WEB

André Rafael TIPOGRAFIA PARA WEB André Rafael TIPOGRAFIA PARA WEB 2015 Copyright André Rafael, 2015 Capa: André Rafael Diagramação: André Rafael Revisão: Adriana Tullio SOStexto Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

Design de Comunicação III

Design de Comunicação III Design de Comunicação III Curso de Design de Comunicação Escola Superior de Educação e Comunicação Universidade do Algarve Docente Joana Lessa * Princípios Tipográficos (A partir da obra "The Elements

Leia mais

AULA 02 Normatização, Formatação, Caligrafia e Introdução ao Desenho técnico instrumentado. 2013/01. Prof. Esp. Arq. José Maria

AULA 02 Normatização, Formatação, Caligrafia e Introdução ao Desenho técnico instrumentado. 2013/01. Prof. Esp. Arq. José Maria AULA 02 Normatização, Formatação, Caligrafia e Introdução ao Desenho técnico instrumentado. 2013/01 Prof. Esp. Arq. José Maria Norma: Trata-se de um princípio, previamente acordado, que deve ser tomado

Leia mais

Manual de uso da marca do Governo Federal. SECOM / PR Janeiro de 2015

Manual de uso da marca do Governo Federal. SECOM / PR Janeiro de 2015 Manual de uso da marca do Governo Federal SECOM / PR Manual de uso da marca do Governo Federal 1.1 Introdução 3 1.2 Logomarca do Governo Federal 4 1.3 Proporções e medições 5 1.4 Zona de eclusão 6 1.5

Leia mais

MINI CURSO FORMATAÇÃO TRABALHO ACADÊMICO (NOVO FORMATO)

MINI CURSO FORMATAÇÃO TRABALHO ACADÊMICO (NOVO FORMATO) 1 MINI CURSO FORMATAÇÃO TRABALHO ACADÊMICO (NOVO FORMATO) 16 de dezembro de 2010 Thais Garcia Capes Reuni Maria Bernardete Martins Alves; Roberta Moraes de Bem - Serviço de Referência BU/UFSC APRESENTAÇÃO

Leia mais

Lettering: Uma Análise Acerca do Uso da Tipografia À Mão Livre em Anúncios Publicitários. 1

Lettering: Uma Análise Acerca do Uso da Tipografia À Mão Livre em Anúncios Publicitários. 1 Lettering: Uma Análise Acerca do Uso da Tipografia À Mão Livre em Anúncios Publicitários. 1 Sabrina Mesquita dos SANTOS 2 Ivna Freire MARINHO 3 Prof. Tarcísio Bezerra Martins FILHO 4 Universidade de Fortaleza,

Leia mais

Manual de uso das marcas do pronac

Manual de uso das marcas do pronac Manual de uso das marcas do pronac (programa nacional de apoio à cultura) Mecanismos da lei 8.313/91 (Lei Rouanet) Este manual estabelece as regras de aplicação e orienta o uso das marcas do Programa Nacional

Leia mais

APOSTILA I DAC CRIADO POR DÉBORA M. BUENO FRANCO PROFESSORA DE DESENHO ASSISTIDO POR COMPUTADOR FACULDADE EDUCACIONAL DE ARAUCÁRIA - FACEAR

APOSTILA I DAC CRIADO POR DÉBORA M. BUENO FRANCO PROFESSORA DE DESENHO ASSISTIDO POR COMPUTADOR FACULDADE EDUCACIONAL DE ARAUCÁRIA - FACEAR APOSTILA I DAC FORMATOS DE PAPEL ESTABELECIDOS PELA ABNT Os tamanhos de papel são padronizados para a elaboração de desenhos técnicos. A base do formato do papel é A0 (origem alemã Deutsch Industrien Normen-A

Leia mais

Letras de amor. Introdução

Letras de amor. Introdução Letras de amor N o dia 12 de junho de 2005, um homem de cinquenta anos se apresentou diante de uma multidão de alunos na Universidade Stanford e falou de seus dias de universitário em uma instituição menor,

Leia mais

rend fonte digital baseada em caligrafia experimental.

rend fonte digital baseada em caligrafia experimental. rend fonte digital baseada em caligrafia experimental. HELISE OLIVEIRA GOMES rend fonte digital baseada em caligrafia experimental. Relatório de Diplomação em Desenho Industrial, na habilitação de Programação

Leia mais

1 Assinatura 2 Cores 3 Tipografia 4 Estacionário

1 Assinatura 2 Cores 3 Tipografia 4 Estacionário 1 Assinatura 2 Cores 3 Tipografia 4 Estacionário 1 Assinatura A imagem corporativa/imagem global de todos os materias que têm a imagem da empresa registam uma primeira impressão sobre a empresa, quer perante

Leia mais

Manual de Identidade Corporativa Versão 1.0 Out. 2012

Manual de Identidade Corporativa Versão 1.0 Out. 2012 Manual de Identidade Corporativa Versão 1.0 Out. 2012 O manual da marca Orto Preventiva Prof. Omar Gabriel S. Filho tem a função de orientar na padronização da identidade visual da empresa, ou seja, para

Leia mais

GABRIELLA: CONSTRUÇÃO DE UMA TIPOGRAFIA PARA CRIANÇAS EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

GABRIELLA: CONSTRUÇÃO DE UMA TIPOGRAFIA PARA CRIANÇAS EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Gramado RS De 30 de setembro a 2 de outubro de 2014 GABRIELLA: CONSTRUÇÃO DE UMA TIPOGRAFIA PARA CRIANÇAS EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Affonso Wallace Soares Lopes Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

EXEMPLO. h1 {font-family: arial, verdana, sans-serif;} h2 {font-family: "Times New Roman", serif;}

EXEMPLO. h1 {font-family: arial, verdana, sans-serif;} h2 {font-family: Times New Roman, serif;} Fontes A propriedade font-family é usada para definir uma lista de fontes e sua prioridade para apresentação de um elemento em uma página. Se a primeira fonte da lista não estiver instalada na máquina

Leia mais

Auto-disciplina, desenvolvimento do sentido de observação e de análise;

Auto-disciplina, desenvolvimento do sentido de observação e de análise; Universidade do Algarve - ESEC Curso de Design de Comunicação Unidade Curricular Obrigatória: Tipografia II Área Científica: Design - Tipo: Semestral Ano lectivo: 2009-2010 Ciclo: 1º - Ano: 2º - Semestre:

Leia mais

seguros IASA manual de identidade visual

seguros IASA manual de identidade visual manual de identidade visual Sumário A marca Sobre a Marca... 03 Assinaturas da Marca... 04 Versões da Marca... 05 Padrão Cromático... 06 Mallha Construtiva... 07 Limite de Redução... 08 Área de Proteção...

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL. Versão 04 - publicado em 12/junho/2013.

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL. Versão 04 - publicado em 12/junho/2013. MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Versão 04 - publicado em 12/junho/2013. Marca Introdução A marca da nossa empresa tem vida: ela reflete nossos valores, cultura e imagem. Por isso, o respeito na aplicação da

Leia mais

PROJETO GRÁFICO DE LIVRO SOBRE DICAS DE DESIGN EDITORIAL

PROJETO GRÁFICO DE LIVRO SOBRE DICAS DE DESIGN EDITORIAL UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC CAMPUS DE XANXERÊ DEZEMBRO DE 2010 EZEQUIEL BRUNETTO HABILITAÇÃO EM DESIGN GRÁFICO ORIENTADOR: PROF. CARLOS DAVI MATIUZZI DA SILVA TEMAPROBLEMA Desenvolver

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT A padronização ou normalização do desenho técnico tem como objetivo uniformizar o desenho por meio de um conjunto de regras ou recomendações que regulamentam a execução

Leia mais

GUIA DE Identidade Visual

GUIA DE Identidade Visual Texto GUIA DE Identidade Visual UNA-SUS Guia de Identidade Visual 1 Index Apresentação Malha Construtiva Símbolo Tipograma Símbolo + Logotipo Arejamento Aplicações Preto e Branco Horizontais Verticais

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual ÍNDICE 1. IDENTIDADE VISUAL 1.1 Área de proteção... 4 1.2 Limite de redução... 5 1.3 Marca Original... 6 1.3.1 Versão a traço... 7 1.3.2 Versão negativa... 8 1.6.1 Assinatura

Leia mais

NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL AQUIDAUANA MS 2009 1. PAPEL E PROCESSO DE MULTIPLICAÇÃO O papel

Leia mais

Manual de uso da marca do Governo Federal

Manual de uso da marca do Governo Federal Manual de uso da marca do Governo Federal SECOM / PR - 2011 Manual de uso da marca do Governo Federal 1.1 2.2 Introdução Logomarca Governo Federal 2.1.1 Reduções Mínimas 2.1.2 Variantes do Logo 2.1.3 Cores

Leia mais

... ... Design Gráfico e Pós-modernismo. Aula Inaugural Bacharelado em Design. Prof. Hans Waechter, Dr. Faculdade 7 de Setembro Fa7.

... ... Design Gráfico e Pós-modernismo. Aula Inaugural Bacharelado em Design. Prof. Hans Waechter, Dr. Faculdade 7 de Setembro Fa7. Faculdade 7 de Setembro Fa7 Aula Bacharelado em Design Design Gráfico e Pós-modernismo Prof. Hans Waechter, Dr Agosto 2010 Aula O Design Gráfico na Pós-modernidade Steven Heller (1988) > confluência casual

Leia mais

Indesign CS e Photoshop

Indesign CS e Photoshop Universidade Presbiteriana Mackenzie Guia de laboratório para uso nas disciplinas Planejamento Gráfico I e II Indesign CS e Photoshop Idealizado por: Prof Ms. André Nóbrega Dias Ferreira. Este é um guia

Leia mais

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos A U L A Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos Introdução Você já sabe que peças da área da Mecânica têm formas e elementos variados. Algumas apresentam rebaixos, outras rasgos,

Leia mais

EDITOR DE TEXTO BROFFICE WRITER

EDITOR DE TEXTO BROFFICE WRITER 1 1 Editor de Texto BrOffice Writer O Writer é o editor de texto do pacote OpenOffice, que corresponde ao Microsoft Word. Um editor de texto é um programa com recursos para formatação de texto que poderá

Leia mais

Apontamentos sobre design tipográfico a partir da coleção Imagens Comerciais de Pernambuco

Apontamentos sobre design tipográfico a partir da coleção Imagens Comerciais de Pernambuco Apontamentos sobre design tipográfico a partir da coleção Imagens Comerciais de Pernambuco Notes about type design from the collection Imagens Comerciais de Pernambuco Freire, Amanda; Universidade Federal

Leia mais

Manual de uso da marca do Governo Federal

Manual de uso da marca do Governo Federal Manual de uso da marca do Governo Federal SECOM / PR - 2011 Manual de uso da marca do Governo Federal 1.1 Introdução 03 1.2 Logomarca do Governo Federal 04 1.3 Proporções e medições 05 1.4 Zona de eclusão

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE DISSERTAÇÃO (FORMATO

Leia mais

A marca. Versão beta 28 / 04/ 2010

A marca. Versão beta 28 / 04/ 2010 A marca O símbolo transmite brasilidade e a fluidez da Eletrobras, além de representar a evolução constante e o movimento contínuo e dinâmico da empresa rumo ao futuro. Em suas cores, temos o azul, representando

Leia mais

Nota do autor. Capa. Ivo Nissola. Diagramação. Ivo Nissola

Nota do autor. Capa. Ivo Nissola. Diagramação. Ivo Nissola Nota do autor. O manual de aperfeiçoamento em caligrafia, foi elaborado originalmente em 1993, de forma artesanal, para atender nossos alunos em sala de aulas. Posteriormente, devido ao grande sucesso

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS CONTEÚDOS 01 RENOVAÇÃO DA MARCA 02 CONSTRUÇÃO DA MARCA 03 DIMENSÕES MÍNIMAS MARGEM MÍNIMA DE SEGURANÇA 04 05 06 CORES COMPORTAMENTOS SOBRE FUNDOS TIPOGRAFIA E RESPETIVOS ESTILOS

Leia mais

Os caracteres de escrita

Os caracteres de escrita III. Caracteres de Escrita Os caracteres de escrita ou letras técnicas são utilizadas em desenhos técnicos pelo simples fato de proporcionarem maior uniformidade e tornarem mais fácil a leitura. Se uma

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI

Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI Manual do usuário Desenvolvendo páginas em Drupal Faculdade de Ciências Médicas FCM Unicamp Núcleo de Tecnologia de Informação NTI Conteúdo Primeiro Passo... 3 1.1 Login... 3 1.2 Recuperando a Senha...

Leia mais

Prática 2 Características do Flash

Prática 2 Características do Flash Prática 2 Características do Flash 1. Objetivos Se familiarizar com os Painéis, Frames e Timelines. Desenvolver uma animação simples. 2. Recursos Necessários Computador com o programa Macromedia Flash

Leia mais

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e NORMAS PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor

Leia mais

Análise Semiótica de Aspectos Tipográficos do Livro Didático Projeto Buriti Português 1 1

Análise Semiótica de Aspectos Tipográficos do Livro Didático Projeto Buriti Português 1 1 Análise Semiótica de Aspectos Tipográficos do Livro Didático Projeto Buriti Português 1 1 Marina Granja ARAKAKI 2 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS RESUMO Este trabalho tem por

Leia mais

Manual de uso da marca da 1ª Conferência Nacional sobre Transparência e Controle Social

Manual de uso da marca da 1ª Conferência Nacional sobre Transparência e Controle Social Manual de uso da marca da 1ª Conferência Nacional sobre Transparência e Controle Social Manual de uso da marca da 1ª Conferência Nacional sobre Transparência e Controle Social Apresentação... 3 Marca e

Leia mais

Título do trabalho: subtítulo do trabalho

Título do trabalho: subtítulo do trabalho Título do trabalho: subtítulo do trabalho Resumo Este documento apresenta um modelo de formatação a ser utilizado em artigos e tem como objetivo esclarecer aos autores o formato a ser utilizado. Este documento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2015 - PPGEA

RESOLUÇÃO Nº 01/2015 - PPGEA 1 RESOLUÇÃO Nº 01/2015 - PPGEA Aprova normas de exame de qualificação e da elaboração de dissertações de mestrado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Engenharia de Energia na Agricultura - PPGEA

Leia mais

Renascimento Cultural

Renascimento Cultural Renascimento Cultural Séculos XIV ao XVII Prof. Dieikson de Carvalho Renascimento Cultural Contexto histórico Transição da Idade Média para Idade Moderna. Século XIV ao XVII. Resultado do Renascimento

Leia mais

9 PROJEÇÕES ORTOGONAIS. 9.1 Introdução

9 PROJEÇÕES ORTOGONAIS. 9.1 Introdução 9 PROJEÇÕES ORTOGONAIS 57 9.1 Introdução Tanto o desenho em perspectivas como o desenho através de vista se valem da projeção para fazer suas representações. A diferença é que no desenho em perspectiva

Leia mais

TRABALHO ACADÊMICO: PADRÃO UFSC (FORMATO A5)

TRABALHO ACADÊMICO: PADRÃO UFSC (FORMATO A5) TRABALHO ACADÊMICO: PADRÃO UFSC (FORMATO A5) dezembro de 2012. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Biblioteca Universitária. Programa de capacitação. APRESENTAÇÃO 2 a) Motivações a) sustentabilidade;

Leia mais

A Identidade Visual de uma empresa é um de seus principais patrimônios.

A Identidade Visual de uma empresa é um de seus principais patrimônios. Apresentação A Identidade Visual de uma empresa é um de seus principais patrimônios. É por meio dela que uma instituição apresenta, seus valores, sua filosofia, sua postura profis-sional, torna-se visível

Leia mais

Manual de Uso da Marca do Governo Federal. SECOM / PR Novembro de 2011

Manual de Uso da Marca do Governo Federal. SECOM / PR Novembro de 2011 SECOM / PR 1.1 Introdução 3 1.2 Logomarca do Governo Federal 4 1.3 Proporções e medições 5 1.4 Zona de eclusão 6 1.5 Reduções mínimas 7 1.6 Variantes de cor 8 1.7 Cores da logomarca 9 1.8 Aplicação sobre

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Utilização Das Ferramentas E Papel De Desenho 1.1. Ferramentas de Desenho 1.1.1. Apresentação O Desenho Arquitetônico uma especialização do Desenho Técnico, o qual

Leia mais

Desenvolver a capacidade do estudante de realizar projetos de design visual gráfico relacionados ao edifício e à cidade.

Desenvolver a capacidade do estudante de realizar projetos de design visual gráfico relacionados ao edifício e à cidade. AUP0340 PROJETO VISUAL GRÁFICO 2 o Semestre de 2015 Docente Profa. Dra. Daniela Kutschat Hanns Horaŕio Quartas-feiras,14:00 18:00 Cre ditos : 4 Créditos Trabalho: 1 Tipo: Semestral Ementa Desenvolver a

Leia mais

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS 7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS A diagramação das placas de Sinalização Vertical de Indicação compreende os seguintes passos: Definição da altura das letras, a partir da velocidade regulamentada na via; Dimensionamento

Leia mais

REVISTA CEUMA PERSPECTIVAS. Chamada para submissão de trabalhos científicos

REVISTA CEUMA PERSPECTIVAS. Chamada para submissão de trabalhos científicos REVISTA CEUMA PERSPECTIVAS Chamada para submissão de trabalhos científicos A Revista Científica Ceuma Perspectivas é uma publicação científica voltada à divulgação da produção acadêmica discente e docente

Leia mais

Maryam: um projeto tipográfico manuscrito

Maryam: um projeto tipográfico manuscrito Maryam: um projeto tipográfico manuscrito Maryam: a script type design Gomes, Ricardo Esteves; Bacharel em Desenho Industrial; Universidade Federal do Espírito Santo ricardogomes@hotmail.com Resumo Este

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ GESTÃO2010/2012 ESCOLASUPERIORDOMINISTÉRIOPÚBLICO(Art.1ºdaLei11.592/89) Credenciada pelo Parecer 559/2008, de 10/12/08, do CEC (Art. 10, IV da Lei Federal n.º 9.394, de 26/12/1996 - LDB) NORMAS PARA ELABORAÇÃO

Leia mais

Philippe Grandjean (1666-1714)

Philippe Grandjean (1666-1714) Philippe Grandjean (1666-1714) Nascido na cidade de Mâcon, em 1666, Grandjean foi gravador de punções e conservador da Fonderie Royale. Destacou-se pela criação da Roman du Roi. Os caracteres gravados

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Desenho Técnico Assunto: Aula 3 - Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Professor: Emerson Gonçalves Coelho Aluno(A): Data: / / Turma: Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Quando olhamos para

Leia mais

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Maria Bernardete Martins Alves Marili I. Lopes Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Módulo 3 Apresentação

Leia mais