OO13 - Modelo de Financiamento da Segurança Rodoviária e atribuição de Recursos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OO13 - Modelo de Financiamento da Segurança Rodoviária e atribuição de Recursos"

Transcrição

1 Jorge Jacob

2 OO13 - Modelo de Financiamento da Segurança Rodoviária e atribuição de Recursos ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA (ENSR) (4) 2. PLANOS DE AÇÃO E A CONDUÇÃO SOB EFEITO DO ÁLCOOL (9) 3. EVOLUÇÃO DOS INDICADORES DA ENSR FACE ÀS METAS ESTABELECIDAS (9) Definir metodologia para a elaboração da conta da segurança rodoviária identificando todos os investimentos que são feitos a nível nacional na segurança rodoviária 4. O ÁLCOOL E OS JOVENS (2) PCM/MF/ANSR Aguarda-se marcação de reunião com INE Em curso 5. ALTERAÇÃO DO LIMITE DE TAXA DE ÁLCOOL NO SANGUE EM 2014 (3) 13.2 Execução da primeira conta da segurança rodoviária INE Dependente de 13.1 Por iniciar 13.3 Estudo da criação de um seguro obrigatório para a cobertura do risco de danos corporais do condutor ANSR/APS 2014 n.a. Reunião do Grupo Trabalho (GT) Em curso 6. BREVE BALANÇO PROVISÓRIO DA SINISTRALIDADE REGISTADA EM 2014 (3) 7. NOVO PLANO ESTRATÉGICO DA SEGURANÇA RODOVIÁRIA (1)

3 Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária Metas 62 mortos/milhão habitantes. Portugal entre os 10 melhores Países Europeus 10 Objetivos Estratégicos 30 Objetivos Operacionais 91 Ações

4 Revisão Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária Metas mortos/milhão habitantes. Portugal entre os 10 melhores Países Europeus Redução de 10 para 7 Objetivos Estratégicos Redução de 30 para 13 Objetivos Operacionais 131 Ações

5 Objetivos Estratégicos OE1 Melhoria da segurança dos condutores OE2 Proteção dos utentes vulneráveis OE3 Aumento da segurança dentro das localidades OE4 Redução dos principais comportamentos de risco OE5 Melhoria do socorro, do tratamento e do seguimento das vítimas OE6 Infraestruturas mais seguras e mobilidade OE7 Promoção da segurança nos veículos

6 Revisão Intercalar da ENSR 13 OBJECTIVOS OPERACIONAIS EDUCAÇÃO FISCALIZAÇÃO ENGENHARIA AVALIAÇÃO SOCORRO 3 Objetivos Educação Ensino Condução Formação Campanhas 2 Objetivos Fiscalização Legislação 4 Objetivos Infra-estrutura Veículos 131 Ações 3 Objectivos Indicadores Estudos 1 Objectivo Assistência às vítimas 36 Ações 18 Ações 34 Ações 28 Ações 15 Ações

7 OO13 - Modelo de Financiamento da Segurança Rodoviária e atribuição de Recursos ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA (ENSR) 2. PLANOS DE AÇÃO E A CONDUÇÃO SOB EFEITO DO ÁLCOOL (9) 3. EVOLUÇÃO DOS INDICADORES DA ENSR FACE ÀS METAS ESTABELECIDAS (9) Definir metodologia para a elaboração da conta da segurança rodoviária identificando todos os investimentos que são feitos a nível nacional na segurança rodoviária 4. O ÁLCOOL E OS JOVENS (2) PCM/MF/ANSR Aguarda-se marcação de reunião com INE Em curso 5. ALTERAÇÃO DO LIMITE DE TAXA DE ÁLCOOL NO SANGUE EM 2014 (3) 13.2 Execução da primeira conta da segurança rodoviária INE Dependente de 13.1 Por iniciar 13.3 Estudo da criação de um seguro obrigatório para a cobertura do risco de danos corporais do condutor ANSR/APS 2014 n.a. Reunião do Grupo Trabalho (GT) Em curso 6. BREVE BALANÇO PROVISÓRIO DA SINISTRALIDADE REGISTADA EM 2014 (3) 7. NOVO PLANO ESTRATÉGICO DA SEGURANÇA RODOVIÁRIA (1)

8 Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária - Plano Ação

9 Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária- Plano Ação

10 Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária Plano Ação

11 Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária Plano Ação

12 Campanhas

13

14

15

16

17 OO13 - Modelo de Financiamento da Segurança Rodoviária e atribuição de Recursos ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA (ENSR) 2. PLANOS DE AÇÃO E A CONDUÇÃO SOB EFEITO DO ÁLCOOL 3. EVOLUÇÃO DOS INDICADORES DA ENSR FACE ÀS METAS ESTABELECIDAS (9) Definir metodologia para a elaboração da conta da segurança rodoviária identificando todos os investimentos que são feitos a nível nacional na segurança rodoviária 4. O ÁLCOOL E OS JOVENS PCM/MF/ANSR Aguarda-se marcação de reunião com INE Em curso 5. ALTERAÇÃO DO LIMITE DE TAXA DE ÁLCOOL NO SANGUE EM Execução da primeira conta da segurança rodoviária INE Dependente de 13.1 Por iniciar 13.3 Estudo da criação de um seguro obrigatório para a cobertura do risco de danos corporais do condutor ANSR/APS 2014 n.a. Reunião do Grupo Trabalho (GT) Em curso 6. BREVE BALANÇO PROVISÓRIO DA SINISTRALIDADE REGISTADA EM NOVO PLANO ESTRATÉGICO DA SEGURANÇA RODOVIÁRIA

18 Resultados ENSR Previsto 32% Resultado: - 44% Valor 2014 Provisório

19 Resultados ENSR LIGEIROS - Evolução do número de condutores mortos Objectivo Decréscimo médio anual Vítimas mortais

20 Resultados ENSR 2 RODAS - Evolução do número de condutores mortos Objectivo Decréscimo médio anual 98 Vítimas mortais

21 Resultados ENSR PEÕES - Evolução do número de vítimas mortais Objectivo Decréscimo médio anual Vítimas mortais

22 Resultados ENSR

23 Resultados ENSR ÁLCOOL - Evolução da percentagem condutores mortos c/ TAS>=0,5 g/l 38,9 36,5 41,4 34,7 37,7 34,4 37,1 32,7 37,4 33,2 Objectivo ,0 Decréscimo médio anual Condutores mortos TAS>=0,5g/l (%)

24 Portugal Face às metas da ENSR e da Comissão Europeia

25 Portugal Face aos Países da Comissão Europeia

26 Portugal Face aos Países da Comissão Europeia

27 OO13 - Modelo de Financiamento da Segurança Rodoviária e atribuição de Recursos ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA (ENSR) 2. PLANOS DE AÇÃO E A CONDUÇÃO SOB EFEITO DO ÁLCOOL 3. EVOLUÇÃO DOS INDICADORES DA ENSR FACE ÀS METAS ESTABELECIDAS Definir metodologia para a elaboração da conta da segurança rodoviária identificando todos os investimentos que são feitos a nível nacional na segurança rodoviária 4. O ÁLCOOL E OS JOVENS (2) PCM/MF/ANSR Aguarda-se marcação de reunião com INE Em curso 5. ALTERAÇÃO DO LIMITE DE TAXA DE ÁLCOOL NO SANGUE EM 2014 (3) 13.2 Execução da primeira conta da segurança rodoviária INE Dependente de 13.1 Por iniciar 13.3 Estudo da criação de um seguro obrigatório para a cobertura do risco de danos corporais do condutor ANSR/APS 2014 n.a. Reunião do Grupo Trabalho (GT) Em curso 6. BREVE BALANÇO PROVISÓRIO DA SINISTRALIDADE REGISTADA EM 2014 (3) 7. NOVO PLANO ESTRATÉGICO DA SEGURANÇA RODOVIÁRIA (1)

28 Risco relativo de morte dos jovens anos (Percentagem jovens mortos/percentagem População Jovem)

29 Risco Morte jovens/ Risco Morte restante População O risco de morte em acidentes de viação dos jovens foi cerca de 40% superior ao da restante população

30 OO13 - Modelo de Financiamento da Segurança Rodoviária e atribuição de Recursos ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA (ENSR) 2. PLANOS DE AÇÃO E A CONDUÇÃO SOB EFEITO DO ÁLCOOL 3. EVOLUÇÃO DOS INDICADORES DA ENSR FACE ÀS METAS ESTABELECIDAS Definir metodologia para a elaboração da conta da segurança rodoviária identificando todos os investimentos que são feitos a nível nacional na segurança rodoviária 4. O ÁLCOOL E OS JOVENS PCM/MF/ANSR Aguarda-se marcação de reunião com INE Em curso 5. ALTERAÇÃO DO LIMITE DE TAXA DE ÁLCOOL NO SANGUE EM Execução da primeira conta da segurança rodoviária INE Dependente de 13.1 Por iniciar 13.3 Estudo da criação de um seguro obrigatório para a cobertura do risco de danos corporais do condutor ANSR/APS 2014 n.a. Reunião do Grupo Trabalho (GT) Em curso 6. BREVE BALANÇO PROVISÓRIO DA SINISTRALIDADE REGISTADA EM NOVO PLANO ESTRATÉGICO DA SEGURANÇA RODOVIÁRIA

31 Fiscalização Álcool GNR: alteração ao CE (regime probatório/profissional) 2013 vs 2014 Variação 13/14

32 Fiscalização Álcool GNR: alteração ao CE (regime probatório/profissional)

33 Dados relativos a 2014 ÁLCOOL - Evolução da percentagem condutores mortos c/ TAS>=0,5 g/l 38,9 36,5 41,4 34,7 37,7 34,4 37,1 32,7 37,4 33,2 25,0 26,6 Decréscimo médio anual Condutores mortos TAS>=0,5g/l (%)

34 OO13 - Modelo de Financiamento da Segurança Rodoviária e atribuição de Recursos ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA (ENSR) 2. PLANOS DE AÇÃO E A CONDUÇÃO SOB EFEITO DO ÁLCOOL 3. EVOLUÇÃO DOS INDICADORES DA ENSR FACE ÀS METAS ESTABELECIDAS Definir metodologia para a elaboração da conta da segurança rodoviária identificando todos os investimentos que são feitos a nível nacional na segurança rodoviária 4. O ÁLCOOL E OS JOVENS PCM/MF/ANSR Aguarda-se marcação de reunião com INE Em curso 5. ALTERAÇÃO DO LIMITE DE TAXA DE ÁLCOOL NO SANGUE EM Execução da primeira conta da segurança rodoviária INE Dependente de 13.1 Por iniciar 13.3 Estudo da criação de um seguro obrigatório para a cobertura do risco de danos corporais do condutor ANSR/APS 2014 n.a. Reunião do Grupo Trabalho (GT) Em curso 6. BREVE BALANÇO PROVISÓRIO DA SINISTRALIDADE REGISTADA EM 2014 (3) 7. NOVO PLANO ESTRATÉGICO DA SEGURANÇA RODOVIÁRIA (1)

35 2014 Informação estatística provisória 24 horas 2014 registaram-se Comparativamente a acidentes*. +1,196/+1% 480 vítimas mortais - 38/-7,3% feridos graves /+2,1% feridos ligeiros.- 445/-1,2% *Acidente na via pública ou que nela tenha origem envolvendo pelo menos um veículo em movimento, do conhecimento das entidades fiscalizadoras (GNR e PSP) e da qual resultem vítimas e/ou danos materiais

36

37

38 OO13 - Modelo de Financiamento da Segurança Rodoviária e atribuição de Recursos ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA (ENSR) E SUA REVISÃO INTERCALAR 2. PLANOS DE AÇÃO E A CONDUÇÃO SOB EFEITO DO ÁLCOOL Definir metodologia para a elaboração da conta da segurança rodoviária identificando todos os investimentos que são feitos a nível nacional na segurança rodoviária 3. EVOLUÇÃO DOS INDICADORES DA ENSR FACE ÀS METAS ESTABELECIDAS PCM/MF/ANSR Aguarda-se marcação de reunião com INE Em curso 13.2 Execução da primeira conta da segurança rodoviária INE Dependente de 13.1 Por iniciar Estudo da criação 4. de um seguro O ÁLCOOL obrigatório para Ea OS JOVENS 13.3 ANSR/APS 2014 n.a. Reunião do Grupo Trabalho (GT) Em curso cobertura do risco de danos corporais do condutor 5. ALTERAÇÃO DO LIMITE DE TAXA DE ÁLCOOL NO SANGUE EM BREVE BALANÇO DA SINISTRALIDADE REGISTADA EM NOVO PLANO ESTRATÉGICO DA SEGURANÇA RODOVIÁRIA (1)

39 PLANO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA Etapas e Calendário Processo DIAGNÓSTICO E LINHAS DE ORIENTÇÃO, INCLUINDO A VISÃO E AS METAS 2020 (BEM COMO AS INTERMÉDIAS PARA 2018) DEFINIÇÃO DA VISÃO, DAS METAS, DOS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS, DOS OBJETIVOS OPERACIONAIS E DOS INDICADORES DE GESTÃO ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÕES PARA O BIÉNIO ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÕES PARA 2018 E REVISÃO DO PLANO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÕES PARA O BIÉNIO Responsabilidade ANSR ANSR ANSR; ENTIDADES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA COM INTERVENÇÃO NO SISTEMA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO ANSR; ENTIDADES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA COM INTERVENÇÃO NO SISTEMA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO ANSR; ENTIDADES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA COM INTERVENÇÃO NO SISTEMA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO Participação ENTIDADES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA COM INTERVENÇÃO NO SISTEMA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO; ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL EM COLABORAÇÃO COM A ANSR E OUTRAS ENTIDADES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL EM COLABORAÇÃO COM A ANSR E OUTRAS ENTIDADES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL EM COLABORAÇÃO COM A ANSR E OUTRAS ENTIDADES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Aprovação SEAI SEAI + CONSULTA PÚBLICA + RESOLUÇÃO DO C.M. SEAI + RESOLUÇÃO DO C.M. SEAI + RESOLUÇÃO DO C.M. SEAI + RESOLUÇÃO DO C.M. Resultado PUBLICAÇÃO: O ESTADO DA SEGURANÇA RODOVIÁRIA EM PORTUGAL E UMA VISÃO PARA 2020 PUBLICAÇÃO: ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA (OGDPSR) PUBLICAÇÃO: PLANO DE AÇÕES DO PLANO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA PUBLICAÇÃO: PLANO DE AÇÕES 2018 DO PLANO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA PUBLICAÇÃO: PLANO DE AÇÕES DO PLANO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA Calendário 45 dias até apresentação à SEAI Documento base: 15 dias após aprovação do documento anterior; Processo de consulta e discussão com partes interessadas: 2 meses após aprovação do documento base; Processo de consolidação de informação e elaboração de documento final: 15 dias; Consulta pública: 30 dias; Aprovação da resolução do Conselho de Ministros 3 meses após início do processo Elaboração do Plano de Ações 2018: 3 meses após início do processo (final de 2017); Processo de revisão do Plano Estratégico de Segurança Rodoviária: 6 meses (meados de 2018) Elaboração do Plano de Ações 2018: 3 meses após início do processo (final de 2018)

40 Obrigado pela V. Atenção

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR Jorge Jacob Agenda: 1 Sinistralidade Rodoviária um flagelo mundial 2 Organização Mundial MACRO 3 WHO The Decade of Action for Road Safety 4 OCDE/ITF - IRTAD 5 UE/Comissão Europeia 6 Portugal: 6.1 Situação

Leia mais

NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE

NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE FICHA TÉCNICA NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal Tema 1 - Conhecimento de si próprio como Condutor; Tema 2 - Atitudes e Comportamentos

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA. Resposta portuguesa a um problema mundial de dimensões trágicas

ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA. Resposta portuguesa a um problema mundial de dimensões trágicas ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA Resposta portuguesa a um problema mundial de dimensões trágicas Paulo Marques Carlos Lopes 1, Helena Clemente 2, João Queiroz 3 1,2 Autoridade Nacional de Segurança

Leia mais

Carta por Pontos. 21 de maio de 2015

Carta por Pontos. 21 de maio de 2015 Carta por Pontos 21 de maio de 2015 Carta por Pontos A maioria dos países da União Europeia tem a carta por pontos ou sistema similar. A título de exemplo: Espanha, França, Itália, Reino Unido, Alemanha,

Leia mais

SEGURANÇA RODOVIÁRIA DESLOCAÇÕES CASA-ESCOLA

SEGURANÇA RODOVIÁRIA DESLOCAÇÕES CASA-ESCOLA SEGURANÇA RODOVIÁRIA DESLOCAÇÕES CASA-ESCOLA Sandra Nascimento 12 Julho 2010 www.apsi.org.pt Seminário Sustentabilidade nas Deslocações Casa-Escola Castelo Branco, Julho 2011 A APSI Promover a união e

Leia mais

Juntos podemos salvar milhões de vidas

Juntos podemos salvar milhões de vidas Juntos podemos salvar milhões de vidas INDÍCE SOBRE NÓS ESTRADA ATÉ 2020 DECADA DE AÇÃO AÇÕES E PROGRAMAS ACP O ACP A FIA Clubes em ação Condutores seguros Estradas seguras Veículos seguros A campanha

Leia mais

Indicadores de Segurança

Indicadores de Segurança COLÓQUIO APCAP 2008 SESSÃO 3.2 - A Rede Concessionada e a Melhoria da Segurança Comité Permanente 2 AMBIENTE E SEGURANÇA Indicadores de Segurança Carlos Camara Pestana Coordenador do CP2 19 de Junho de

Leia mais

DEZ ESTRATÉGIAS PARA MANTER AS CRIANÇAS EM SEGURANÇA NO AMBIENTE RODOVIÁRIO. #SalveVidasdeCrianças

DEZ ESTRATÉGIAS PARA MANTER AS CRIANÇAS EM SEGURANÇA NO AMBIENTE RODOVIÁRIO. #SalveVidasdeCrianças DEZ ESTRATÉGIAS PARA MANTER AS CRIANÇAS EM SEGURANÇA NO AMBIENTE RODOVIÁRIO #SalveVidasdeCrianças OS FACTOS 186 300 crianças com idade < 18 anos morrem no Mundo * anualmente por lesões e traumatismos em

Leia mais

Segurança nos transportes Rodoviários

Segurança nos transportes Rodoviários TÍTULO DA APRESENTAÇÃO Segurança nos transportes Rodoviários TÍTULO DA APRESENTAÇÃO MISSÃO Promoção da melhoria das condições de trabalho MISSÃO da ACT A FUNÇÃO INSPECÇÃO DO TRABALHO TÍTULO DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Divisão de Formação e Segurança Rodoviária

Divisão de Formação e Segurança Rodoviária Divisão de Formação e Segurança Rodoviária Câmara Municipal de Lisboa Departamento de Segurança Rodoviária e Tráfego. Divisão de Formação e Segurança Rodoviária A Divisão de Formação e Segurança Rodoviária

Leia mais

Seminário Ordem dos Engenheiros Colégio de Engenharia Mecânica 9 de Outubro de 2013

Seminário Ordem dos Engenheiros Colégio de Engenharia Mecânica 9 de Outubro de 2013 Seminário Ordem dos Engenheiros Colégio de Engenharia Mecânica 9 de Outubro de 2013 Inovação Competitividade Financiamento Provas de Conceito Com maior ou menor relevância, há mais de um século, que as

Leia mais

UTENTES DA VIA MAIS VULNERÁVEIS

UTENTES DA VIA MAIS VULNERÁVEIS FICHA TÉCNICA UTENTES DA VIA MAIS VULNERÁVEIS Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal; Nível 3 Nível Táctico Tema 2 - Atitudes e Comportamentos; Tema 6 - Domínio das

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Apresentamos hoje a Campanha Especial de Segurança Rodoviária que visa, durante o mês de Dezembro e os primeiros dias de Janeiro, valorizar a prevenção e reforçar a segurança

Leia mais

Década de Ações de Segurança no Trânsito. www.hugoleal.com.br e-mail: hugoleal2010@gmail.com Twitter: #dephugoleal

Década de Ações de Segurança no Trânsito. www.hugoleal.com.br e-mail: hugoleal2010@gmail.com Twitter: #dephugoleal 1 Década de Ações de Segurança no Trânsito Alerta da ONU 3 Feridos: entre 20 e 50 milhões/ano Milhares Mortes no Brasil: 35,1 mil pessoas/ano 4 Mortos no trânsito 120 100 107,7 96,6 80 60 40 42,6 35,9

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 98 Diário da República, 1.ª série N.º 8 13 de janeiro de 2014 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Resolução do Conselho de Ministros n.º 5/2014 De acordo com as Grandes Opções do Plano para 2012- -2015,

Leia mais

Road Show Nacional e Prémio Nacional de Segurança Rodoviária. 24 de Setembro a 23 de Dezembro 2003

Road Show Nacional e Prémio Nacional de Segurança Rodoviária. 24 de Setembro a 23 de Dezembro 2003 Road Show Nacional e Prémio Nacional de Segurança Rodoviária 24 de Setembro a 23 de Dezembro 2003 1. Cidadania Empresarial A previsão do aumento de 40% no tráfego rodoviário nos próximos dez anos, exige

Leia mais

CONDUZ O ALCOKART, ANTES QUE O ÁLCOOL CONDUZA POR TI!

CONDUZ O ALCOKART, ANTES QUE O ÁLCOOL CONDUZA POR TI! CONDUZ O ALCOKART, ANTES QUE O ÁLCOOL CONDUZA POR TI! 2 De acordo com a Organização Mundial de Saúde (European Status Report on Road Safety, 2008), os acidentes de viação são a principal causa de morte

Leia mais

DÉCADA DE ACÇÃO PARA A SEGURANÇA RODOVIÁRIA

DÉCADA DE ACÇÃO PARA A SEGURANÇA RODOVIÁRIA DÉCADA DE ACÇÃO PARA A SEGURANÇA RODOVIÁRIA 2011-2020 Gestão da Segurança Rodoviária A Estratégia Nacional Escola Nacional de Saúde Pública, 11 de Maio Paulo Marques Augusto 1965 1966 1967 1968 1969 1970

Leia mais

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego Solidariedade A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s P a r c e r i a Oportunidade Cultura E m p r e s a s C o o p e rativa s Empreendedorismo PORTUGAL Inclusão Social e Emprego Inovação A c o r d o I

Leia mais

Evolução da Sinistralidade Rodoviária. A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária

Evolução da Sinistralidade Rodoviária. A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Evolução da Sinistralidade Rodoviária A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária DIMENSÃO DO PROBLEMA Relatório da Organização Mundial de Saúde (WHO) sobre Prevenção Rodoviária (2009) 2004 2030 POS

Leia mais

ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM 2010... 4. 1. Vítimas por mês... 4. 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5

ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM 2010... 4. 1. Vítimas por mês... 4. 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5 Distrito de LISBOA 2010 ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM 2010... 4 1. Vítimas por mês... 4 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5 3. Vítimas segundo a natureza do acidente... 6 4. Vítimas

Leia mais

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Dia Mundial da diabetes 14 de novembro 1983-2013 EMBARGO ATTÉ 13 DE NOVEMBRO DE 2014,, ÀS 11 HORAS Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Em 2013, as doenças endócrinas,

Leia mais

IX SessãoTécnica: Fórum de Auditores de Segurança Rodoviária. Revisão da Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária Eng.

IX SessãoTécnica: Fórum de Auditores de Segurança Rodoviária. Revisão da Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária Eng. IX SessãoTécnica: Fórum de Auditores de Segurança Rodoviária Revisão da Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária Eng. Jorge Jacob Estratégia Nacional de Segurança Rodoviária 2009-2015 Metas 62 mortos/milhão

Leia mais

RELATÓRIO DA ATIVIDADE POR UMA MOBILIDADE MAIS SUSTENTÁVEL

RELATÓRIO DA ATIVIDADE POR UMA MOBILIDADE MAIS SUSTENTÁVEL RELATÓRIO DA ATIVIDADE POR UMA MOBILIDADE MAIS SUSTENTÁVEL 1. Dia da atividade 19 de Abril 2. Objetivos / Acções 2.1 Promoção de uma mobilidade mais sustentável, apelando aos alunos que, nesse dia, caso

Leia mais

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Rosa Maria Simões 31 de janeiro de 2013, Auditório CCDR Lisboa e Vale do Tejo Agenda Resultados da intervenção FSE Contributos do FSE

Leia mais

SEGURANÇA RODOVIÁRIA. Algumas Relexões sobre Metodologias de Gestão e sua implementação em Portugal ABRIL 2006

SEGURANÇA RODOVIÁRIA. Algumas Relexões sobre Metodologias de Gestão e sua implementação em Portugal ABRIL 2006 SEGURAÇA RODOVIÁRIA Algumas Relexões sobre Metodologias de Gestão e sua implementação em Portugal Autores: PAULO MATOS MARTIS, DEC, ISEL EDUARDO ABAIS, DESR, EP ABRIL 2006 paulo.martins@dec.isel.ipl.pt

Leia mais

ANO de 2013. Sinistralidade Rodoviária. Observatório de Segurança Rodoviária 23-06-2014. Relatório - Anual

ANO de 2013. Sinistralidade Rodoviária. Observatório de Segurança Rodoviária 23-06-2014. Relatório - Anual ANO de Sinistralidade Rodoviária Observatório de Segurança Rodoviária -- ÍNDICE DEFINIÇÕES... EVOLUÇÃO GLOBAL.... Acidentes com : /... ACIDENTES E VÍTIMAS........... Acidentes Acidentes Acidentes Acidentes

Leia mais

A SINISTRALIDADE RODOVIÁRIA NAS CAPITAIS DA PENÍNSULA IBÉRICA

A SINISTRALIDADE RODOVIÁRIA NAS CAPITAIS DA PENÍNSULA IBÉRICA JAVIER BARBEYTO RODRÍGUEZ A SINISTRALIDADE RODOVIÁRIA NAS CAPITAIS DA PENÍNSULA IBÉRICA Orientadora: Prof.ª Doutora Sandra Cristina Gil Vieira Gomes Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Faculdade

Leia mais

CCT uma ferramenta para o incremento da segurança rodoviária. Centro de Controlo de Tráfego uma ferramenta para o incremento da Segurança Rodoviária

CCT uma ferramenta para o incremento da segurança rodoviária. Centro de Controlo de Tráfego uma ferramenta para o incremento da Segurança Rodoviária Centro de Controlo de Tráfego uma ferramenta para o incremento da egurança Rodoviária Abril 2006 O grupo Aenor istemas de Telemática Rodoviária disponíveis Centro de Controlo de Tráfego Funcionamento Esquemático

Leia mais

Política de Prevenção e Controlo do Álcool no Grupo EDP

Política de Prevenção e Controlo do Álcool no Grupo EDP Política de Prevenção e Controlo do Álcool no Grupo EDP Para preencher o rodapé: 1. Pressione a tecla F5 2. Prima o seguinte botão EDP Valor Direção de Segurança e Saúde Agenda 1. Apresentação. O Grupo

Leia mais

Referencial do Curso Condução Económica e Segurança Rodoviária

Referencial do Curso Condução Económica e Segurança Rodoviária Referencial do Curso Condução Económica e Segurança Rodoviária [2010] 1. DATA DE INICIO: De acordo com o Plano de Formação. 2. DATA DE FIM: De acordo com o Plano de Formação. 3. MÓDULOS: Modulo 1 - Condução

Leia mais

MQ V 03 Página 1 de 30

MQ V 03 Página 1 de 30 MQ V 03 Página 1 de 30 Índice Geral 1. Introdução 3 1.1 Objetivo e Âmbito do Manual da Qualidade (MQ) 3 1.2 Estrutura do Manual da Qualidade 3 1.3 Documentação do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) 5

Leia mais

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais:

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais: 02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP Eventos Oficiais: 1 A Saúde Rompendo Paradigmas para o Crescimento Sustentável Saúde Suplementar : Modelo,Regulação e Intervenção Estatal Alceu Alves da

Leia mais

CTT Correios de Portugal Frota Postal e Prevenção Rodoviária José Guilherme

CTT Correios de Portugal Frota Postal e Prevenção Rodoviária José Guilherme CTT Correios de Portugal Frota Postal e Prevenção Rodoviária José Guilherme IV Congresso Rodoviário Português Estoril, 5 a 7 de Abril de 2006 Apresentação 6 Novembro 1520 Carta Régia D. Manuel I (Ofício

Leia mais

Retrato da. Cidade de Lisboa. Observatório de Luta Contra a Pobreza na. Cidade de Lisboa

Retrato da. Cidade de Lisboa. Observatório de Luta Contra a Pobreza na. Cidade de Lisboa Retrato da Cidade de Lisboa Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Pontos abordados na apresentação Análise de indicadores quantitativos - Peso do escalão etário dos 65+ - Índice de

Leia mais

A Suécia A Suécia é o país mais seguro da Europa no âmbito da rodovia, mas nem por isso deixa efectuar um debate permanente sobre os problemas do

A Suécia A Suécia é o país mais seguro da Europa no âmbito da rodovia, mas nem por isso deixa efectuar um debate permanente sobre os problemas do RELATÓRIO Resumo das afirmações mais pertinentes efectuadas durante a Conferencia Parlamentar dos Presidentes de Comissão na EU-25, realizada nos dias 10 e 11 de Maio de 2004 no Parlamento Sueco em Estocolmo,

Leia mais

Distrito - VILA REAL. SINISTRALIDADE Dez de 2014. Observatório de Segurança Rodoviária 18-08-2015. Relatório - Distrito 1

Distrito - VILA REAL. SINISTRALIDADE Dez de 2014. Observatório de Segurança Rodoviária 18-08-2015. Relatório - Distrito 1 Distrito - VILA REAL SINISTRALIDADE Dez de 2014 Observatório de Segurança Rodoviária 1 ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 EVOLUÇÃO 2005-2014... 4 1. com... 4 2.... 5 ACIDENTES E VÍTIMAS... 6 1. e 2005/2014... 6 2.

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Versão submetida à CE a 5 de maio de 2014 sujeita a aprovação Ação 3.1 JOVENS AGRICULTORES Nota

Leia mais

A Mais-Valia de um Plano de Mobilidade e Transportes

A Mais-Valia de um Plano de Mobilidade e Transportes Workshop Regional de Disseminação do Pacote da Mobilidade Universidade do Minho - Braga - 10 de Abril de 2012 A Mais-Valia de um Plano de Mobilidade e Transportes Faustino Gomes TISpt, Transportes, Inovação

Leia mais

Aplicação de filtros de partículas em veículos pesados

Aplicação de filtros de partículas em veículos pesados Resultados dos testes realizados Francisco Ferreira, Hugo Tente, Pedro Gomes FCT-UNL Luísa Nogueira CCDR-LVT Carlos Borrego, Ana Isabel Miranda, Jorge H. Amorim, Pedro Cascão, Anabela Carvalho UAVR-CESAM

Leia mais

TÚNEIS INTEGRADOS na REDE TERN e com EXTENSÃO SUPERIOR a 500 M

TÚNEIS INTEGRADOS na REDE TERN e com EXTENSÃO SUPERIOR a 500 M TÚNEIS INTEGRADOS na REDE e com EXTENSÃO SUPERIOR a 500 M RELATÓRIO BIENAL de INCIDENTES 2010-2011 2 Título Túneis Integrados na Rede Transeuropeia de Estradas e com Extensão Superior a 500 Metros - Relatório

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro www.regiaodeaveiro.pt PIMT de Aveiro, Aveiro TIS.PT Transportes Inovação e Sistemas, S.A. 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal

Leia mais

Acidentes Rodoviários de Trabalho

Acidentes Rodoviários de Trabalho Acidentes Rodoviários de Trabalho Lisboa, 03 de outubro de 2016 Jorge Jacob Agenda: 1 A evolução recente da sinistralidade rodoviária. 2 A Sinistralidade rodoviária laboral. 3 O combate à sinistralidade

Leia mais

Bolsa Nacional de Terras. A Cultura do Medronheiro

Bolsa Nacional de Terras. A Cultura do Medronheiro Bolsa Nacional de Terras A Cultura do Medronheiro Sardoal, 19 novembro 2015 A nossa Visão Potenciar o máximo aproveitamento e utilização do território rural português O desafio inicial da Bolsa de Terras

Leia mais

Brasília, 18.11.2010

Brasília, 18.11.2010 Brasília, 18.11.2010 1 COREMEC (2006) Comitê de Regulação e Fiscalização dos Mercados Financeiro, de Capitais, de Seguros, de Previdência e Capitalização. Grupo de Trabalho: setor privado (membros auxiliares

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

1.TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

1.TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1.TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em carácter

Leia mais

A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades.

A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades. 1. As cidades A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades. Na União Europeia, mais de 2/3 da população vive em áreas urbanas e 67% do Produto Interno Bruto (PIB) europeu é

Leia mais

Gestão da Segurança. Sinistralidade rodoviária laboral

Gestão da Segurança. Sinistralidade rodoviária laboral Gestão da Segurança Sinistralidade rodoviária laboral Sumário se o Introdução o Missão da Divisão de Trânsito o Causas o Análise de dados o Casos Reais o Conclusão Conceito de Acidente de Viação Facto

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Fundos Europeus Estruturais e de Investimento

UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Fundos Europeus Estruturais e de Investimento UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Fundos Europeus Estruturais e de Investimento Capital Humano Sara Estudante Relvas Posicionamento da Região Autónoma da Madeira no contexto nacional e europeu

Leia mais

Projetos Inovadores de Mobilidade Sustentável

Projetos Inovadores de Mobilidade Sustentável Projetos Inovadores de Mobilidade Sustentável Promoção, Financiamento e Apoio Comunitário Rui Dias Camolino Presidente da Direção - ITS Portugal Patrícia Jesus Silva Gestora de Projeto TRANSIS - ITS Portugal

Leia mais

Infracções mais frequentes ao Código da Estrada, coimas e sanções Pág. 1

Infracções mais frequentes ao Código da Estrada, coimas e sanções Pág. 1 Infracções mais frequentes ao Código da Estrada, coimas e sanções Pág. 1 Infracções ÁLCOOL / ESTUPEFACIENTES Condução com uma taxa de álcool no sangue igual ou superior a 0,5 g/l e inferior a 0,8 g/l.

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES OEIRAS, OUTUBRO DE 2014 (AGUARDA VALIDAÇÃO PELA TUTELA)

PLANO DE ATIVIDADES OEIRAS, OUTUBRO DE 2014 (AGUARDA VALIDAÇÃO PELA TUTELA) PLANO DE ATIVIDADES 2015 OEIRAS, OUTUBRO DE 2014 (AGUARDA VALIDAÇÃO PELA TUTELA) Ministério da Administração Interna Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária PLANO DE ATIVIDADES 2015 OEIRAS ÍNDICE...

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA Fevereiro de 2014 AVISO: Este Documento de Consulta é exclusivamente informativo,

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA Resumo das principais regras rodoviárias alteradas pela Proposta de Lei n.º 131/XII

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA Resumo das principais regras rodoviárias alteradas pela Proposta de Lei n.º 131/XII 1. Foi criado o conceito de «Utilizadores vulneráveis»: Peões e velocípedes, em particular, crianças, idosos, grávidas, pessoas com mobilidade reduzida ou pessoas com deficiência. (artigo 1.º) Tendo em

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO REDONDO PLANO PLURIANUAL 2014/2017 ANEXO I - PROGRAMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO REDONDO PLANO PLURIANUAL 2014/2017 ANEXO I - PROGRAMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO REDONDO PLANO PLURIANUAL 2014/2017 ANEXO I - PROGRAMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL PROGRAMA: 0070- Gestão do SUS do Município OBJETIVO: Gerir e controlar

Leia mais

Acidentes Rodoviários de Trabalho

Acidentes Rodoviários de Trabalho Acidentes Rodoviários de Trabalho Lisboa, 03 de outubro de 2016 Jorge Jacob Agenda: 1 A evolução recente da sinistralidade rodoviária. 2 A Sinistralidade rodoviária laboral. 3 O combate à sinistralidade

Leia mais

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1. TOMADOR DO SEGURO / SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA 2007 2015

ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA 2007 2015 31-05-2007 APRESENTAÇÃO RELATÓRIORIO 1 ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA 2007 2015 APRESENTAÇÃO RELATÓRIO PRELIMINAR 31.05.07 Auditório 3 FIL 1986 2006 Sinistralidade Rodoviária Mortos 39.096

Leia mais

Sistemas de Gestão de Energia

Sistemas de Gestão de Energia Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas Sistemas de Gestão de Energia 25 de Janeiro de 2013 Sistemas de Gestão de Energia Agenda: Gestão de Energia, porquê? Objetivos dos Sistemas de Gestão

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Informação sobre trânsito como ferramenta de planejamento para a segurança viária: a experiência do anuário de indicadores do Detran-AL.

Informação sobre trânsito como ferramenta de planejamento para a segurança viária: a experiência do anuário de indicadores do Detran-AL. Informação sobre trânsito como ferramenta de planejamento para a segurança viária: a experiência do anuário de indicadores do Detran-AL. Renan Durval Aparecido da Silva¹ 1 Gerente de estudos de acidentes

Leia mais

Newsletter de Outubro de 2014 DIREITO PÚBLICO, AMBIENTE & URBANISMO

Newsletter de Outubro de 2014 DIREITO PÚBLICO, AMBIENTE & URBANISMO Newsletter de Outubro de 2014 DIREITO PÚBLICO, AMBIENTE & URBANISMO Fevereiro de 2013 Novidades Legislativas ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LOCAL Portaria n.º 209/2014 - Diário da República n.º 197/2014, Série

Leia mais

FORMAÇÃO OPERACIONAL

FORMAÇÃO OPERACIONAL PL ANUAL DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO OPERACIONAL REGULAMENTAÇÃO SOCIAL TEMPOS DE CONDUÇÃO E REPOUSO E UTILIZAÇÃO DO TACÓGRAFO Conhecer a regulamentação social nos transportes rodoviários no âmbito Regulamento

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1

Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Número de Alunos Formação e Tendências de Mercado da Formação Graduada e Pós graduada 1 Susana Justo, Diretora Geral da Qmetrics 1. Formação em ensino superior, graduada e pós graduada. Em Portugal continua

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Apresentação desenvolvida para a Rede Social de Lisboa Plataforma para a Área do Envelhecimento Zona Sul www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt

Leia mais

Ações de Prevenção nas empresas, baseadas em evidencias.

Ações de Prevenção nas empresas, baseadas em evidencias. Aspectos Legais, Econômicos e de Saúde Associados aos Programas (Exames Toxicológicos) UFRJ/CEPRAL / Curso: Prevenindo Dependências nas Empresas Ações de Prevenção nas empresas, baseadas em evidencias.

Leia mais

Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte. Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Alentejo

Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte. Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Alentejo Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Centro Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional de Lisboa Autoridade

Leia mais

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015 EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.pt Exportações de Cortiça crescem 7,8% As exportações portuguesas de cortiça registaram, no primeiro

Leia mais

Planejando a Próxima Década. Alinhando os Planos de Educação

Planejando a Próxima Década. Alinhando os Planos de Educação Planejando a Próxima Década Alinhando os Planos de Educação EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 59, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009 Art. 4º O caput do art. 214 da Constituição Federal passa a vigorar com a seguinte redação,

Leia mais

Convenção Nacional das Inspecções Veículos 2015

Convenção Nacional das Inspecções Veículos 2015 Convenção Nacional das Inspecções Veículos 2015 A Qualidade das Inspeções de Veículos na Segurança Rodoviária Presente Futuro O Contributo da Inspecção de Veículos na Segurança Rodoviária Alain Areal Centro

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

A Segurança como factor de Qualidade e Competitividade

A Segurança como factor de Qualidade e Competitividade A Segurança como factor de Qualidade e Competitividade A Segurança no modo Ferroviário AIP-CET-Jornadas de Transporte 17 e 18 Maio 2005 Preocupações e Valores A segurança como factor de qualidade É um

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16 Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA) decidiu desenvolver o Plano Intermunicipal de

Leia mais

Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020

Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020 + competitivo + inclusivo + sustentável Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020 Piedade Valente Vogal da Comissão Diretiva do COMPETE Santarém, 26 de setembro de 2014 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

A VIDA SOBRE DUAS RODAS: REDUZINDO RISCOS E DANOS UMA AÇÃO INTERSETORIAL

A VIDA SOBRE DUAS RODAS: REDUZINDO RISCOS E DANOS UMA AÇÃO INTERSETORIAL A VIDA SOBRE DUAS RODAS: REDUZINDO RISCOS E DANOS UMA AÇÃO INTERSETORIAL Olga Lopes Salomão 1 ; Marineide de Jesus Nunes 1, Rodolfo C. Villa do Miu 1, Brigina Kemp 2, Carlos Eduardo Abrahão 2, William

Leia mais

As mais-valias da Eco-Condução

As mais-valias da Eco-Condução As mais-valias da Eco-Condução Encontros com Energia Montijo, 21 de Novembro de 2013 Ana Isabel Cardoso Energia no sector dos transportes Consumo de energia final por sector em 2011 Dados: DGEG, 2013/Tratamento:

Leia mais

Eixo Prioritário V Assistência Técnica

Eixo Prioritário V Assistência Técnica Eixo Prioritário V Assistência Técnica Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica no Âmbito da Delegação de Competências com os Organismos Intermédios na gestão dos

Leia mais

AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS

AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS Objetivo Consolidar os resultados positivos alcançados pelas associações rurais, assistidas pela EMATER e dinamizar as suas ações,

Leia mais

BOLETIM ESTATÍSTICO MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO Nº7 - DEZEMBRO 2007

BOLETIM ESTATÍSTICO MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO Nº7 - DEZEMBRO 2007 BOLETIM ESTATÍSTICO Nº7 - DEZEMBRO 2007 MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO EDITORIAL Com a publicação do número correspondente ao último quadrimestre do ano iniciamos também a edição, no

Leia mais

ANEXO UM CONCEITO PARA OS PLANOS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL

ANEXO UM CONCEITO PARA OS PLANOS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.12.2013 COM(2013) 913 final ANNEX 1 ANEXO UM CONCEITO PARA OS PLANOS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL da COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ

Leia mais

IDERANÇA E GESTÃO. Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho

IDERANÇA E GESTÃO. Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho L DE PESSOAS IDERANÇA E GESTÃO Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho Coordenadores e Chefias Intermédias Adquirir técnicas de Liderança, de

Leia mais

Perspectivas de Desenvolvimento das Comunicações

Perspectivas de Desenvolvimento das Comunicações Perspectivas de Desenvolvimento das Comunicações Tiago Rocha da Silva Director de Marketing Movicel Luanda, 1 de Julho de 2014 EM DESENVOLVIMENTO 2005 2014 DESENVOLVIDOS 2005 2014 AS TELECOMUNICAÇÕES NO

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016. Revisão: Data: 24 Junho 2013. Página 1 de 8

PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016. Revisão: Data: 24 Junho 2013. Página 1 de 8 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016 Revisão: Data: 24 Junho 2013 Elaborado por: Grupo SGQ Aprovado por: Mesa Administrativa Página 1 de 8 Índice 1. Introdução 3 2. Caracterização da Organização..3 3. Análise SWOT/FOFA..3

Leia mais

Atelier Inclusão Social

Atelier Inclusão Social Atelier Inclusão Social Porto, 3 de setembro de 2013 ccdr-n.pt/norte2020 Atelier Inclusão Social: Estrutura de apresentação Sumário 1. Enquadramento Europeu: Próximo ciclo da Politica de Coesão 2. Investimentos

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

MECANISMO DE ACOMPANHAMENTO DO MERCADO DAS MULTILATERAIS FINANCEIRAS. julho 2011

MECANISMO DE ACOMPANHAMENTO DO MERCADO DAS MULTILATERAIS FINANCEIRAS. julho 2011 MECANISMO DE ACOMPANHAMENTO DO MERCADO DAS MULTILATERAIS FINANCEIRAS julho 2011 GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério das Finanças 1. ORIGEM Memorando

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO Janeiro 2004 INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO 1 - OBJECTIVOS O Conhecimento é fonte de Desenvolvimento. A criação e transmissão do Conhecimento

Leia mais

Gestão e Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho: da estratégia a ação

Gestão e Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho: da estratégia a ação Gestão e Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho: da estratégia a ação Ademir Vicente e Kátia Ferreira 01/09/2013 SESI Serviço Social da Indústria criado 1946 1.218 unidades http://www.youtube.com/watch?v=5h7ub2k-1bu

Leia mais

Objetivos de Segurança. Direção de Segurança

Objetivos de Segurança. Direção de Segurança Direção de Segurança 20110325 ÍNDICE Segurança Ferroviária Objetivos de segurança Segurança na Segurança na REFER ÍNDICE Segurança Ferroviária Objetivos de Segurança A Segurança Ferroviária A BASE A Segurança

Leia mais

SOROCABA - DADOS ESTATÍSTICOS SOBRE ACIDENTES DE TRÂNSITO

SOROCABA - DADOS ESTATÍSTICOS SOBRE ACIDENTES DE TRÂNSITO 1 / 10 APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO Segundo dados apurados através do Censo - IBGE, Sorocaba possuia uma população de 586.311 habitantes no ano de 2010, com uma taxa de crescimento vegetativo de aproximadamente

Leia mais

Questionário para Instituidoras

Questionário para Instituidoras Parte 1 - Identificação da Instituidora Base: Quando não houver orientação em contrário, a data-base é 31 de Dezembro, 2007. Dados Gerais Nome da instituidora: CNPJ: Endereço da sede: Cidade: Estado: Site:

Leia mais

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA Lei 5764/71 de 16/12/1971 COOPERATIVA DE 3º GRAU CONFEDERAÇÃO COOPERATIVA DE 2º GRAU FEDERAÇÃO OU CENTRAL COOPERATIVA DE 1º GRAU

Leia mais

XLV PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE

XLV PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE XLV PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE Belém PA, 27 de dezembro de 2015 Um Plano orientador da ação estatal amplamente discutido CONAE 2010 3.000 pessoas, entre delegados,

Leia mais

A Secretaria Municipal de Transportes e Trânsito organiza o 1º Fórum Municipal de Educação para o Trânsito e Mobilidade.

A Secretaria Municipal de Transportes e Trânsito organiza o 1º Fórum Municipal de Educação para o Trânsito e Mobilidade. A Secretaria Municipal de Transportes e Trânsito organiza o 1º Fórum Municipal de Educação para o Trânsito e Mobilidade. A exemplo do que ocorrerá nas principais cidades do mundo, o Fórum Municipal de

Leia mais

ÍNDICE DE ACIDENTES NO PERÍMETRO URBANO DE CÁCERES

ÍNDICE DE ACIDENTES NO PERÍMETRO URBANO DE CÁCERES ÍNDICE DE ACIDENTES NO PERÍMETRO URBANO DE CÁCERES Rodrigo Barretto Vila 1 RESUMO Glaidson de Souza Pezavento Tatiani Nascimento Santos Miriam Nascimento Santos Ashley da Silva Costa 2 Com a finalidade

Leia mais