Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola"

Transcrição

1 FINANCIAL SERVICES Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola Abril 2012 kpmg.co.ao KPMG Angola

2 2 Section or Brochure name Índice 1. Prefácio e Agradecimentos 3 2. Metodologia do Estudo 4 3. Enquadramento Macroeconómico 6 4. O Sector Segurador em Angola O Sector de Fundos de Pensões em Angola Tendências e Desafios Principais Conclusões 40 Anexo 1 - Quadros Resumo 42 Anexo 2 - Legislação de Seguros e Fundos de Pensões 46

3 Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola 3 1. Prefácio e Agradecimentos É com enorme satisfação que a KPMG apresenta o primeiro estudo sobre o Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola de forma agregada. Pretendemos que este estudo possa constituir um marco para este Sector em Angola. Para este efeito procurámos incluir o nosso ponto de vista quanto à performance deste Sector em Angola entre 2008 e 2010, bem como uma breve descrição das tendências e principais desafios que se apresentam às Companhias de Seguros e Entidades Gestoras de Fundos de Pensões nos próximos anos, fruto das trajectórias de evolução e maturidade dos mesmos. O ano de 2010 marcou a retoma do ritmo de crescimento económico em Angola, após um período de alguma desaceleração, devido, essencialmente, à quebra acentuada dos preços do petróleo nos mercados internacionais. Não obstante existirem claros sinais de optimismo na retoma do crescimento económico, a economia angolana mantém a sua exposição aos efeitos potenciais de uma crise económica internacional, na medida em que o PIB do País permanece ainda muito dependente das receitas oriundas do petróleo. Fruto deste crescimento e de algumas transformações no plano regulamentar, o Sector Segurador e de Fundos de Pensões têm apresentado um crescimento sólido, enfrentando importantes desafios, tanto a nível estratégico, como operacional. Esperamos que este estudo contribua para um melhor conhecimento deste importante Sector, não apenas nas principais dimensões quantitativas, mas também das principais tendências e desafios. Gostaríamos ainda de apresentar um especial agradecimento pelo empenho de todos os que colaboraram na preparação deste estudo, esperando que o mesmo corresponda às melhores expectativas dos seus destinatários. Luanda, Abril de 2012 Sikander Sattar Presidente do Conselho de Administração KPMG Angola

4 4 Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola 2. Metodologia do Estudo Metodologia do Estudo e Fontes de Informação Este estudo sobre o Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola resulta da compilação de informação disponibilizada pelo Instituto de Supervisão de Seguros de Angola (ISS) relativamente às Companhias de Seguros e Sociedades Gestoras de Fundos de Pensões a actuar em Angola, bem como de dados recolhidos junto de outros organismos nacionais e internacionais, nomeadamente do Ministério da Economia de Angola, do Fundo Monetário Internacional, do Instituto de Seguros de Portugal (ISP), da Swiss Re e da Fenaseg, relativos aos mercados africano, europeu, americano e asiático. A análise efectuada baseia-se em valores agregados do mercado referentes aos anos de 2008, 2009 e 2010, quando disponíveis. Os dados apresentados no estudo podem vir ainda a sofrer ajustes pontuais, não sendo porém expectável impactos nas conclusões apresentadas. Adicionalmente, quando aplicável, é feita a comparação com indicadores agregados de outros países (nomeadamente Portugal, Brasil, África do Sul e Reino Unido) com o objectivo de perspectivar uma possível evolução deste Sector em Angola. A informação quantitativa agregada apresentada para o mercado angolano, refere-se a este conjunto de Companhias de Seguros e Sociedades Gestoras de Fundos de Pensões, salvo quando indicação contrária. Adicionalmente, é apresentada uma perspectiva qualitativa da evolução do Sector e a legislação do Sector até à data da publicação do estudo. Está disponível uma versão electrónica do estudo em português e em inglês nos seguintes endereços electrónicos: Em 2010 o mercado angolano era composto por um total de 10 Companhias de Seguros e cinco Sociedades Gestoras de Fundos de Pensões, conforme listagem disponibilizada pelo ISS por ordem de constituição: - Seguradoras: ENSA SEGUROS DE ANGOLA, S.A. (Decreto nº 81 DR 1ª série nº 98/Suplemento de 6 de Dezembro); AAA SEGUROS, S.A. (DR 3ª série nº 54 de 22 de Dezembro de 2000); NOSSA SEGUROS, S.A. (DR 3ª série nº 2 de 5 de Janeiro de 2005); G.A. ANGOLA SEGUROS, S.A. (DR 3ª série nº 97 de 15 de Agosto de 2005); A MUNDIAL SEGUROS, S.A. (DR 3ª série nº 33 de 15 de Maio de 2006); GLOBAL SEGUROS, S.A. (DR 3ª série nº 60 de 17 de Maio de 2006); GARANTIA SEGUROS, S.A. (DR 3ª série nº105 de 31 de Agosto de 2007); CONFIANÇA SEGUROS, S.A. (DR 3ª série nº 236 de 16 de Dezembro de 2008); UNIVERSAL SEGUROS, S.A. (DR 3ª série nº 121 de 01 de Julho de 2009); CORPORAÇÃO ANGOLANA DE SEGUROS, S.A. (DR 3ª série nº 112 de 28 de Dezembro de 2009). - Sociedades Gestoras de Fundos de Pensões: GESTÃO DE FUNDOS, S.A. (DR 3ª série nº 1 de 8 de Janeiro de 1999); AAA PENSÕES, S.A. (DR 3ª série nº 42 de 10 de Outubro de 2000); ENSA SEGUROS DE ANGOLA, S.A. (Decreto nº 81/02 DR 1ª série nº 98/suplemento de 6 de Dezembro); FÉNIX PENSÕES S.A. (DR 3ª série nº 8/04 de 27 de Janeiro DR 3ª série nº 17/04 de 27 de Fevereiro); BESAACTIF (DR 3ª série nº 182/08 de 29 de Setembro).

5 Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola 5

6 6 Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola 3. Enquadramento Macroeconómico Os últimos anos têm sido marcados à escala global pelo espectro de sucessivas crises. À crise do subprime de 2008, segue-se agora a crise da dívida soberana de 2011, que ameaça comprometer a recuperação económica a que se assistiu em O ano de 2010, marcou uma inflexão da situação económico-financeira face ao ano de 2009 que, de acordo com o World Economic Outlook elaborado pelo FMI, apresentou uma contracção do PIB agregado na ordem dos 0,5%. Em 2010, de acordo com a mesma fonte, a economia mundial terá crescido 5%, fortemente impulsionada pelas economias emergentes, que apresentaram uma maior resistência à crise e cresceram a uma média de 7,3%. Por outro lado, as economias mais desenvolvidas não foram além dos 3% (p.e. Euro, EUA e Japão), em grande parte devido ao ambiente de incerteza, alimentado pela crise da dívida soberana e elevadas taxas de desemprego, apesar dos esforços dos Governos e dos Bancos Centrais no sentido de conterem ou contrariarem os efeitos da crise. Com o epicentro situado na zona Euro, o mundo assiste com ansiedade ao desenrolar da crise da dívida soberana. Caso esta crise venha a desacelerar a ténue recuperação das economias desenvolvidas, poderemos assistir a uma nova contracção da economia mundial, com natural reflexo nos preços do petróleo e consequentemente no crescimento da economia angolana. Sendo um caso de sucesso nos últimos cinco anos, Angola apresenta um crescimento médio aproximado de 13%, superior a países como a China, a grande potência emergente da actualidade. Este crescimento está fortemente alavancado pelos excelentes resultados da economia nacional entre os anos de 2006 e 2008, em que beneficiou de elevados rendimentos provenientes da exploração de petróleo. Esta tendência deve continuar nos próximos anos, com as previsões do FMI a apontarem para taxas de crescimento real do PIB de 3,7% em 2011 e 10,8% em 2012, valores bastante alinhados ou superiores à média mundial, que se estima não ultrapassar os 4%. Evolução do PIB real (%) Nos últimos cinco anos, Angola foi uma das economias que mais cresceu a nível mundial, sendo que as previsões oficiais apontam para que esta tendência de crescimento se mantenha.

7 Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola 7 Analisando a evolução do PIB angolano, é possível observar que o país tem vindo a crescer sistematicamente acima das economias mundiais mais desenvolvidas, mesmo durante os anos em que o crescimento do PIB desacelerou devido à baixa do preço do petróleo. Evolução do PIB real (%) A correlação entre o crescimento do PIB e a evolução do preço do petróleo é reflectida pela quebra do ritmo de crescimento observada em 2009, e que acabou por se prolongar para 2010 e Durante este triénio Angola apresenta um crescimento menor que outras economias emergentes do globo, em particular a China e Índia, que apresentam uma estrutura de crescimento mais alavancada em procura interna e exportações fabris. Destaque ainda para a comparação com a outra grande economia petrolífera da região Nigéria que apresenta uma evolução do PIB mais constante de ano para ano, o que indicia uma estrutura do PIB mais equilibrada. Preço do Petróleo /2011 No contexto da economia angolana importa acompanhar o desenrolar da crise da dívida soberana e o seu efeito de contágio a nível mundial. Uma nova recessão global poderá originar uma nova quebra dos preços do petróleo e o consequente impacto no crescimento do PIB angolano.

8 8 Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola A evolução da estrutura do PIB angolano demonstra o esforço de diversificação da economia que tem vindo a ser efectuado pelas autoridades locais. Sectores como a Agricultura, Construção e Serviços viram a sua participação no PIB subir desde 2008 face ao petróleo, que embora continue a ser o principal contribuinte para o PIB, apresenta uma tendência decrescente dessa contribuição relativa. À medida que a economia local se desenvolve é expectável que Sectores como a Construção (ligado ao desenvolvimento de infra-estruturas) e os Serviços ganhem um peso crescente na estrutura do PIB. Esta tendência deverá manter-se nos próximos anos em resultado da aposta do governo na diversificação Sectorial, a qual é reflectida no Orçamento de Estado, e no Programa de Investimentos Públicos (PIP), que aposta em investimentos que potenciem o crescimento da actividade não-petrolífera. Relações Comerciais A Balança Comercial apresentou, em 2010, um saldo positivo, permitindo alcançar um superávit de 80%. Este valor resultou da diminuição das importações, aliada a um aumento significativo no valor das exportações. As importações em 2010 tiveram como origem maioritária a União Europeia (42%), com Portugal a representar cerca de 19% das importações, tornando-se o importador com maior quota neste universo. Em relação às exportações, a China é o principal destino das trocas comerciais, representando quase 50% do total. Evolução da Balança Comercial Taxa de Câmbio Os últimos 10 anos ( ) foram marcados por uma elevada volatilidade da taxa de câmbio AOA/USD, particularmente no período 2001 a 2004, onde o câmbio variou entre os 30 (2001) e os 86 AOA/USD (2004). Nos últimos anos tem-se verificado uma relativa estabilização da referência cambial, no intervalo entre AOA por cada USD. Tendo em conta que as transacções de petróleo são realizadas em USD, a economia nacional continua a ser directamente influenciada pela volatilidade deste indicador Importações 54% -14% -8% Exportações 59% -38% 36% Balança Comercial 62% -52% 80% Fonte: European Comission Trade Evolução da estrutura do PIB angolano

9 Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola 9 Evolução da taxa de câmbio média AOA/USD Adicionalmente, e dada a elevada dependência da economia angolana das importações, os preços locais tendem a variar em linha com a variação cambial, existindo diversos bens com preços tabelados directamente em dólares. Inflação De acordo com o FMI, a taxa de inflação de 2010 foi de aproximadamente 13%, devendo baixar para 9,5% em Perspectiva-se que a longo prazo a taxa de inflação venha a estabilizar e a convergir para valores comparáveis aos registados pela África do Sul (<6%), em resultado do esforço do Governo para controlar a massa monetária e a inflação local. Rating da República Angola é hoje considerada uma das economias mais fortes de África, não só pelas taxas de crescimento do PIB, mas também pelas perspectivas futuras de criação de riqueza no País. Esta posição é reflectida nas recentes revisões das agências de rating sobre a solidez da economia angolana, que em 2011 beneficiou de uma subida de notação de rating atribuída pelas três principais agências de notação financeira a nível mundial (Moody s, Standard & Poor s - S&P e Fitch): Moody s: passou de B1 para Ba3; S&P: passou de B+ para BB-; Fitch: passou de B+ para BB-. Estas notações reflectem uma expectativa de evolução estável para Angola, que desta forma beneficiará de um maior grau de credibilidade e visibilidade perante investidores e parceiros de negócio, nacionais e internacionais. Evolução da taxa de Inflação O rating da República de Angola foi revisto em alta, conferindo maior credibilidade e visibilidade internacional à economia angolana.

10 10 Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola Rendimento Disponível O crescimento económico nos últimos anos teve como consequência directa um aumento do rendimento disponível da população. De acordo com os dados da Economist Intelligent Unit, Angola apresenta taxas de crescimento do seu Rendimento per Capita, ligeiramente superiores a África do Sul, perspectivando-se que se mantenha, pelo menos até Evolução do rendimento disponível per capita As estimativas para Angola apontam para um crescimento sustentado para os próximos anos, acima da média esperada para a economia mundial. Perspectivas Futuras Considerando que a média de crescimento da economia mundial não deverá ir além de 4% em 2011, as estimativas para Angola apontam para um crescimento económico sustentado para os próximos anos, estando previsto um crescimento do PIB em 3,7% para 2011 e 10,8% para 2012, de acordo com o World Economical Outlook do FMI. Na base deste crescimento estará certamente um aumento global do preço do petróleo e uma aposta e investimento contínuos na diversificação dos sectores de actividade da economia angolana. O Ministério do Planeamento de Angola prevê que em 2011, a parcela do PIB não proveniente do petróleo cresça 11,2%, enquanto a parcela relacionada com o petróleo aumente 2,3%. Espera-se que a inflação mantenha um nível relativamente elevado (de 15% em 2011), sendo expectável que se assista a uma redução já a partir de 2012 e a uma relativa estabilização (em cerca de 6% - 7%), a partir de 2013, de acordo com projecções do FMI.

11 Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola 11

12 12 Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola 4. O Sector Segurador em Angola 4.1. Enquadramento - Mercado Segurador Internacional O ano de 2010 ficou marcado por uma recuperação da economia global, com o Sector Segurador a seguir igual tendência, ainda que com uma taxa de crescimento real inferior à do produto. Ao nível da produção, e após dois anos de diminuição do volume de Prémios, 2010 fica marcado por uma recuperação, com uma taxa de crescimento real global de 2,7%, dividido entre 3,2%, no Ramo Vida e 2,1%, no Ramo não Vida. Este crescimento, foi influenciado pelo bom desempenho das economias emergentes - com destaque para as provenientes do continente asiático, mas também da América Latina, que contribuiu para o crescimento do continente americano. Produção Global (Mil Milhões de USD) Em termos reais, o continente Africano esteve em contra-ciclo, com um decréscimo da produção de 1,1%. Esta diminuição deveu-se, fundamentalmente, ao decréscimo da produção Vida da África do Sul, cujo peso no mercado africano assume grande dimensão. Taxa de Crescimento Real

13 Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola 13 Em termos geográficos, a produção manteve-se bastante concentrada nos mercados europeu e americano, que perfizeram cerca de 70% da produção total. O mercado asiático manteve a tendência de crescimento relativo, assumindo-se cada vez mais como uma das grandes potências mundiais, com muitas das suas economias a registarem taxas de crescimento reais de dois dígitos. O continente africano mantém para já a cauda do ranking, com cerca de 1,5% do mercado global. A produção manteve-se bastante concentrada nos mercados europeu e americano, apesar do forte crescimento Asiático. No que diz respeito à rentabilidade global do negócio, embora recuperando, continua a apresentar valores inferiores a anos anteriores à crise. No Ramo Vida, a rentabilidade foi impulsionada pela melhoria da conjuntura dos mercados de capitais. No entanto, e em termos de outlook global, embora se espere que os Prémios continuem a aumentar, a rentabilidade para 2011 pode vir a ser afectada pela crise de dívida soberana e pelo corte dos ratings das economias europeias. No Ramo não Vida o return on equity de 2010 situou-se na ordem dos 6%, após impostos. Dispersão dos Prémios por Regiões (%) Taxa de Penetração do Seguro (%) Ao nível da taxa de penetração (1) dos seguros (Prémios/PIB), verifica-se uma grande dispersão não apenas entre as diversas regiões, mas também entre países de cada região. O continente africano regista também aqui uma modesta posição, denotando-se porém uma grande disparidade entre os diversos países que o compõem, assumindo a África do Sul a 2ª posição mundial com um índice de penetração de 14,8% e a Nigéria a última posição (apenas 0,5%) do ranking disponibilizado pela Swiss Re. 1) Indicadores que, a nível da análise macroeconómica, reflectem os níveis da procura dos seguros e fundos de pensões.

14 14 Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola A taxa de densidade (1) dos seguros (Prémios/população residente) revela que a América do Norte, a Europa e a Oceania registam os maiores valores de Prémios per capita, havendo também aqui uma grande disparidade a nível mundial. O continente africano mantém a última posição, registando-se uma grande discrepância entre os países que compõem este continente, com a África do Sul a apresentar valores de cerca de USD e a Nigéria montantes próximos dos oito USD. Em resumo, a nível mundial o Sector Segurador soube recuperar em 2010 e voltar ao crescimento, prevendose que esta tendência se possa manter, nomeadamente por via do desenvolvimento dos mercados emergentes, fazendo África cada vez mais parte deste movimento. Esta tendência está porém envolta em desafios para 2011 e certamente para 2012, com a escalada da crise da dívida soberana na Europa, com os impactos financeiros ao nível da carteira de investimentos das Seguradoras, e com a provável retracção da economia e consequentemente redução da procura nos mercados mais afectados. Densidade (1) dos seguros (USD) 1) Indicadores que, a nível da análise macroeconómica, reflectem os níveis da procura dos seguros e fundos de pensões.

15 Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola O Mercado Segurador em Angola Estrutura e Composição do Mercado O mercado Segurador angolano, tem vindo a crescer e a desenvolver-se de um modo sustentado e acelerado desde a sua liberalização em Desde então, foram inúmeras as transformações visíveis no mercado. Passou-se de uma única seguradora, para um total de dez, em 2010, com mais cinco em processo de licenciamento. Também a estrutura de mediação e corretagem tem vindo a aumentar com vinte e uma sociedades de mediação e corretagem a operar e outras onze em pedido de licenciamento. O aumento do número de intervenientes, revela bem o interesse que este mercado tem vindo a despertar em Angola e a atractividade do mesmo para novos investimentos. Dadas as taxas de crescimento do Sector e a ainda reduzida maturidade do mesmo, é expectável que o número de intervenientes continue a aumentar nos próximos anos.

16 16 Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola Estrutura da carteira O forte desenvolvimento económico dos últimos anos, aliado ao aumento do ambiente regulamentar, muito têm contribuído para o desenvolvimento e atractividade deste Sector. Em apenas dois anos, mais do que duplicaram os Prémios de Seguro Directo, com destaque para Não Vida, e para os Ramos Acidentes, Doença e Viagens e o Automóvel, este último por via da introdução da obrigatoriedade do Ramo Automóvel. Em termos relativos, o Ramo não vida tem aumentado o seu peso relativo, representando mais de 90% da produção. Valores em Milhões de AOA Ramos Vida 2.732, , ,9 Não Vida , , ,4 Acidentes, doenças e viagens 9.119, , ,7 Incêndio e elementos da natureza 3.349, , ,5 Outros danos em coisas 1.393, , ,8 Automóvel 6.013, , ,1 Transportes 3.176, , ,7 Petroquímica 7.840, , ,5 Responsabilidade civil Geral 1.108, , ,8 Diversos 1.751,1 142, ,2 Total , , ,3 Fonte: ISS Produção Ramo Não Vida (Milhões AOA) No Ramo não Vida, a entrada em vigor do Decreto Lei nº 35/09 relativo ao Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil Automóvel veio potenciar o crescimento deste produto, que se assumiu como o mais relevante do mercado, com uma quota de mercado de 27,9%, sendo seguido de perto pelo Ramo de Acidentes, Doença e Viagens com 26,4%. O Ramo Vida, apesar do importante crescimento registado nestes últimos dois anos (+27,8%), tem vindo a perder uma importância relativa, representando menos de 5% do total. Com o crescimento da economia angolana, a revisão do sistema tributário e fiscal e o desenvolvimento do mercado de capitais (bolsa de valores), é expectável uma inversão desta tendência, principalmente por via do aumento do consumo de produtos de natureza financeira, em linha com os principais mercados internacionais. Peso da Carteira 2010

17 Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola 17 Composição da Carteira Na análise da evolução do Sector é igualmente visível a diminuição do peso do Ramo Petroquímica, dada a correlação directa entre este Ramo e o Sector de maior peso na economia angolana. Este factor revela não só a maior maturidade do Sector, como a capacidade do mesmo de oferecer produtos capazes de servir e segurar os diversos Sectores e actividades da economia angolana Sinistralidade Em linha com os Prémios, também as indemnizações de seguro directo aumentaram, reflectindo o aumento do número de segurados e de apólices emitidas. No entanto, enquanto o volume total de Prémios cresceu cerca de 38,1% de 2009 para 2010, o aumento das indemnizações de seguro directo não foi além dos 17,1%, o que indicia uma melhoria significativa dos resultados e da rentabilidade do Sector. No total das indemnizações de seguro directo, o Ramo de Acidentes, Doenças e Viagens representa 40,1% das indemnizações pagas, seguido do Ramo Automóvel (36,2%) e do Ramo Transportes (20,8%). Destaque igualmente para a ausência de indemnizações pagas no Ramo Petroquímico e para o reduzido volume de indemnizações relacionadas com o Ramo Vida. Apesar do aumento de 17,1% das indemnizações pagas, o forte crescimento dos Prémios contribuiu para a redução da Taxa de Sinistralidade, que, em 2010 registou o valor mais baixo dos últimos três anos, com cerca de 20,0%. Indemnização de Seguro Directo (Milhões AOA)

18 18 Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola Numa análise mais detalhada, o Ramo de Acidentes, Doenças e Viagens cujo volume de Prémios tem crescido de forma muito significativa, tem vindo a registar uma diminuição da taxa de sinistralidade, situando-se em 2010 nos 30,4%. Taxa de Sinistralidade No Ramo Automóvel, apesar do aumento em mais de 40% das indemnizações pagas, o forte aumento de Prémios implicou uma redução da Taxa de Sinistralidade para 26%, valor significativamente mais baixo do que o registado noutros países. Esta tendência deve inverter-se à medida que existir um melhor conhecimento por parte dos tomadores de seguros dos seus direitos e com o aumento da cobertura da rede de empresas de reparação Automóvel, sendo expectável um progressivo alinhamento com as taxas de sinistralidade registadas em mercados com maior nível de maturidade. Taxa de Sinistralidade Automóvel 2010 De acordo com plano estratégico para do ISS, uma taxa de sinistralidade satisfatória deverá situarse entre 40% e 60%, contribuindo no Ramo Automóvel para uma maior satisfação dos clientes com os montantes de indemnizações recebidos e um consequente aumento da consciencialização da importância do Seguro para o crescimento de Angola.

19 Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola Resseguro Relativamente ao volume de Prémios em Resseguro, é possível observar que, embora continuem a crescer, os mesmos não acompanharam o volume de crescimento dos Prémios Emitidos. Neste sentido, a taxa de cedência média é de 50,3% do total de Prémios Emitidos. Estes valores representam uma queda relativa a 2009, onde o peso do Resseguro sobre o total de Prémios directos ascendia a cerca de 56,6%. Vemos que o Ramo Vida e não Vida apresentam realidades distintas, denotando em Vida um espaço ao nível do conhecimento, experiência e gestão dos riscos. É expectável uma continuação da redução da taxa de cedência, alinhando com os valores registados em mercados mais maduros. Em termos globais estes números demonstram que o mercado é sensível à importância de cobrir alguns dos principais riscos a que se encontra exposto e tem a preocupação com gerir a exposição ao risco. Nesse sentido, à medida que as Seguradoras localmente forem robustecendo as suas práticas de gestão de risco e atingido uma maior dimensão e grau de maturidade, é expectável uma inversão desta tendência com a diminuição das taxas de cedência. Adicionalmente, a expectativa de criação de uma resseguradora local, tal como referido no plano estratégico do ISS para o período de 2012 a 2017, deverá permitir simultaneamente o reforço das competências de análise e gestão de risco, bem como, a redução de saída de capitais do país. Prémios de Resseguro Cedido (Milhões AOA) Peso de Resseguro no Total de Prémios Taxa de Cedência Total 2010

20 20 Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola Resultados Técnicos Em 2010 os resultados técnicos do Sector voltaram a crescer para um total de Milhões AOA, representando uma subida de 15,3% face a 2009 (incluindo Resseguro). Estes resultados reflectem a boa rentabilidade do Sector em geral, com todos os Ramos de seguro a apresentar taxas de sinistralidade relativamente baixas. Depois de em 2008 os resultados técnicos terem apresentado uma ligeira diminuição, os anos de 2009 e 2010 foram marcados por um aumento elevado dos resultados obtidos, em resultado da obrigatoriedade dos seguros de responsabilidade civil para alguns Ramos (a fazer elevar os Prémios totais). No entanto, a desaceleração do crescimento entre 2009 e 2010 acaba por reflectir o efeito de o crescimento ser sustentado no Ramo de Responsabilidade Civil Automóvel, Ramo que apresenta uma das mais elevadas Taxas de Sinistralidade do Sector. As Provisões Técnicas voltaram a subir, ascendendo em 2010 a Milhões AOA, o que equivale a um crescimento de 18,7% face aos Milhões AOA registados em O aumento das provisões está em linha com os 17,1% de aumento das indemnizações de Seguro Directo, mas bastante distante dos 38,1% de aumento do volume total de Prémios de Seguro Directo. Resultado técnico (Milhões AOA)

21 Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola Outros indicadores relevantes A taxa de penetração (1) dos Seguros no Sector angolano tem vindo a aumentar, apresentando porém valores reduzidos e na ordem de1,0%. Este valor evidencia bem o elevado potencial que o mercado apresenta, ainda por mais quando estamos perante uma economia com elevado potencial de crescimento. Note-se que os seguros têm crescido normalmente, mas o rácio prémios/pib tem oscilado, devido ao crescimento exponencial do PIB. Ao nível da taxa de densidade (1) do seguro, observamos o aumento dos Prémios totais por habitante, que ascenderam em 2010 a um total de 49,6 USD por pessoa. Este indicador vem reforçar o potencial de crescimento e desenvolvimento do mercado. Taxa de penetração (1) dos Seguros Taxa de penetração (1) dos Seguros 2010 Comissões: Ao nível das comissões de Seguro Directo (SD) é possível verificar um crescimento significativo nos últimos anos, passando de taxas gerais de mercado de 1,5% em 2008 para 6,8% em Também aqui se espera uma evolução com o aumento da maturidade do mercado. Comissões SD/Prémios SD Margem de Solvência: A margem de Solvência é um importante instrumento do processo de supervisão. Este indicador teve uma importante evolução no período em análise, passando de valores abaixo de 100% para um montante acima de 150% em Trata-se de uma variável cuja evolução importa acompanhar e à qual a supervisão dará especial atenção. 1) Indicadores que, a nível da análise macroeconómica, reflectem os níveis da procura dos seguros e fundos de pensões.

22 22 Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola Despesas Gerais As despesas gerais registaram um incremento considerável em 2010 (+49%), superior ao aumento dos prémios de seguro directo e consequentemente do peso das despesas sobre os prémios. Trata-se de um indicador de grande importância e que denota uma menor eficácia da carteira. Esta é certamente uma variável a acompanhar e sobre a qual devem ser tomadas medidas concretas com vista à sua diminuição. Importa ainda salientar a importância e o aumento do contributo do sector Segurador em termos fiscais, com montantes na ordem dos 2,7% dos prémios de SD em 2010, por contrapartida de 2,2% e 1,7% em 2009 e 2008 respectivamente. Despesas gerais/prémios SD Investimentos 2010 Investimentos: A gestão e a optimização da carteira de investimentos é uma das importantes dimensões do sector segurador, com especial importância em produtos vida. Em 2010 a carteira de investimentos era essencialmente constituída por imóveis e depósitos a prazo, representando cerca de 91,5% da carteira total e uma baixa exposição ao mercado de capitais. Esta elevada concentração é explicada pelo grau de evolução do mercado angolano, esperando-se alterações com o desenvolvimento do mercado de capitais/bolsa de valores angolana. A reduzida taxa de densidade (1) é explicável por muitos factores que vão deste o aumento da demografia e a sua estrutura etária e pela dificuldade que alguns segmentos da população ainda têm em aceder aos produtos seguradores, quer por motivos financeiros, quer por factores geográficos de acesso e conhecimento. Densidade (1) 2010 (USD) 1) Indicadores que, a nível da análise macroeconómica, reflectem os níveis da procura dos seguros e fundos de pensões.

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSUNTO PÁGINA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA EM STP 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2012 Banco de Cabo Verde Índice 1. Introdução... 4 2. Os seguros e a sociedade... 6 3. O Resseguro Cedido... 8 4. Sinistralidade Global... 10 5. Quota de mercado e comparação

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Angola Boletim Económico - Junho 2009

Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola retira pé do acelerador na economia Tem sido notícia nas últimas semanas em Portugal uma mudança de clima em relação à economia angolana: de um ambiente de

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2010 Banco de Cabo Verde 2 INDICE 1. Introdução... 3 2. Caracterização do Sector 3 3 Índice de penetração e indicador de densidade dos seguros. 4 4 Comparação internacional.

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2007 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, embora em 2007 tenha

Leia mais

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 Economia Angolana Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 I. Nota Prévia Nesta edição do Boletim Económico do BAIE foi decidido inserir, para além da habitual informação e comentário sobre a evolução

Leia mais

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA 28 de Novembro de 2014 AGENDA FUNÇÕES DA BANCA E DOS SEGUROS BANCASSURANCE E ASSURBANK RACIONAL E CONDICIONANTES EVOLUÇÃO

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões 4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões O número total de empresas de seguros a operar no mercado nacional manteve-se estável em 212, sem alterações significativas à sua estrutura. Neste

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2008 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, tendo atingido um valor

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2005 ECONOMIA PORTUGUESA A desaceleração da economia portuguesa em 2005 resultou de uma diminuição acentuada do contributo da

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA SUMÁRIO No primeiro trimestre de, a produção de seguro directo, relativa à actividade em Portugal das empresas de seguros sob a supervisão do ISP, apresentou, em termos globais, uma quebra de 29,8% face

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, SA

GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, SA GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2012 I. SITUAÇÃO ECONÓMICA INTERNACIONAL A análise da situação macroeconómica actual não pode ficar dissociada dos acontecimentos

Leia mais

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES Sessão de Abertura A regulação e supervisão da actividade seguradora e de fundos de pensões Balanço, objectivos e estratégias futuras É com

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras

Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras José Figueiredo Almaça Instituto de Seguros de Portugal 21 de fevereiro de 2014 ÍNDICE 1. Principais indicadores do mercado segurador

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais

NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais ------------------ NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais A ANIP Agência Nacional para o Investimento Privado é o órgão do Governo encarregue da execução, coordenação,

Leia mais

Relatório do Mercado de Seguros de 2013

Relatório do Mercado de Seguros de 2013 II Seminário Anual Sobre Legislação do Sector de Seguros Relatório do Mercado de Seguros de 2013 Por Francelina Nhamona Directora dos Serviços de Estudos e Estatística Maputo, 02 de Dezembro de 2014 1

Leia mais

ARC atribui Rating "BBB-" a Portugal

ARC atribui Rating BBB- a Portugal ARC atribui Rating "BBB-" a Portugal EMITENTE DATA DOS RATINGS República Portuguesa 1 de Maio de 2015 RATINGS DE EMITENTE - MOEDA ESTRANGEIRA Médio e Longo Prazo BBB- (BBB-,, Estável) RATINGS DE EMITENTE

Leia mais

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA 1 A regulação e a supervisão prudencial são um dos pilares essenciais para a criação de um clima

Leia mais

Cocktail de Primavera - 2010. Discurso do Presidente do Conselho de Administração

Cocktail de Primavera - 2010. Discurso do Presidente do Conselho de Administração Cocktail de Primavera - 2010 Discurso do Presidente do Conselho de Administração Exmo. Senhor Secretário para a Economia e Finanças, Dr. Francis Tam, Exmo. Senhor Director-geral Assistente do Departamento

Leia mais

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 introdução 7 Índice NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ACTIVIDADE FINANCEIRA 1. Evolução da actividade bancária

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

Análise ao Sector Bancário Angolano

Análise ao Sector Bancário Angolano FINANCIAL SERVICES Análise ao Sector Bancário Angolano Outubro 2011 kpmg.co.ao KPMG ANGOLA a Section or Brochure name Índice 1. Prefácio e Agradecimentos 3 2. Breve Descrição da Metodologia do Estudo 4

Leia mais

Relatório & C o n t a s de

Relatório & C o n t a s de Relatório & C o n t a s de 2010 Garantia Seguros Relatório & Contas de 2010 2 RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 GARANTIA SEGUROS - RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 3 Senhores Accionistas, No cumprimento dos preceitos

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC. AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014

ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC. AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014 ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014 Colômbia Aspectos Gerais País muito jovem - 55% da população com menos de 30 anos. 7 Áreas Metropolitanas com

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Notas 1. Portugal tem uma estrutura legal e regulatória muito evoluída, apesar da reduzida dimensão do seu

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Consumidor. Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014. Banco de Cabo Verde

Gabinete de Apoio ao Consumidor. Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014. Banco de Cabo Verde Gabinete de Apoio ao Consumidor Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014 Banco de Cabo Verde ÍNDICE pág. 1. Âmbito e atribuições do FGA...3 2. Actividades desenvolvidas pelo FGA em 2014...4

Leia mais

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Angola Capítulo II II.1.1. Síntese 25 revelou-se como um ano de referência no comportamento da economia angolana: o produto interno bruto registou um crescimento real superior a 2% (um dos mais elevados

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 19 de novembro de 2014 Índice Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 1 Atividade regulatória

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16 J. Silva Lopes IDEFF, 4 de Julho de 2011 1 Título do Painel: Que futuro para Portugal Esta apresentação: Perspectivas para a economia portuguesa 2011-16

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Senhores Accionistas, De acordo com o disposto na Lei e nos Estatutos, vem o Conselho de Administração apresentar o seu Relatório de Gestão, o Balanço e Contas, bem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR Palestrante: Manuel Moreira OBJECTIVOS DA SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem o fim primordial de libertar os membros da sociedade das preocupações

Leia mais

COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO. Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento

COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO. Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento COMPROMISSO PARA O CRESCIMENTO, COMPETITIVIDADE E EMPREGO Grupo de Trabalho Competitividade e Crescimento O Programa do XIX Governo estabelece a consolidação orçamental como um dos objectivos cruciais

Leia mais

O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA. Relator: João Costa Pinto

O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA. Relator: João Costa Pinto O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Relator: João Costa Pinto Dia da Competitividade em Portugal 31 Outubro 2007 I. O PAPEL DO SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS NO MOVIMENTO DE

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel.

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. Press Release Date 1º de outubro de 2013 Contato Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508 Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. (11) 3674-3760 Pages

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais

Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico

Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico Nicholas Staines IMF Resident Representative 23/25 Largo Albano Machado Luanda, Angola nstaines@imf.org www.imf.org/luanda (244) 937-787-67 Parceria Infra-Estrutura

Leia mais

8. Gestão dos fundos autónomos. Centro de documentação. Fundo de Garantia Automóvel. Abertura de processos

8. Gestão dos fundos autónomos. Centro de documentação. Fundo de Garantia Automóvel. Abertura de processos Centro de documentação No decurso de 2012, desenvolveram-se várias ações que visaram, mais uma vez, incrementar a qualidade e quantidade dos recursos documentais, atualizar, diversificar e melhorar os

Leia mais

FUNDO DE PENSÕES ABERTO ZURICH VIDA EMPRESAS

FUNDO DE PENSÕES ABERTO ZURICH VIDA EMPRESAS Relatório e Contas FUNDO DE PENSÕES ABERTO ZURICH VIDA EMPRESAS 2008 Exercício 2008 Considerações Gerais 1. Enquadramento Macroeconómico 1.1. Conjuntura Internacional O ano de 2008 caracterizou-se pelo

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO Comunicado de Imprensa n.º 14/110 Fundo Monetário Internacional PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 700 19 th Street, NW 19 de Março de 2014 Washington, D.C.

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7 INDICE Pág. 1. O que é o Factoring 2 2. A quem serve e para que serve 3 3. Modalidades 4 4. Breve resenha histórica internacional 6 5. O mercado de Factoring em Portugal Principais etapas de evolução 7

Leia mais

Raul Marques. Poupança: Onde colocar o meu dinheiro

Raul Marques. Poupança: Onde colocar o meu dinheiro Raul Marques 27 de Novembro de 2010 Sociedade de consumo Evolução do consumo privado (%PIB) Portugal vs Alemanha Fonte: Banco de Portugal, Eurostat 27 de Novembro de 2010 2. Aumento do endividamento das

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013 Novo Regime Cambial para o Sector Petrolífero (NRCSP) Impacto na economia Desdolarização, desenvolvimento do mercado cambial e da economia não petrolífera. III Fórum Banca Expansão João Fonseca Luanda,

Leia mais

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Dezembro 2011 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Capítulo 2 - Estabilidade e Supervisão do Sistema Financeiro 1. Estabilidade do Sistema Financeiro O Banco de Cabo Verde tem, de entre as suas

Leia mais

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo REFORMAS E PENSÕES EM PORTUGAL PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo 20 de Fevereiro de 2014 Quem Somos > Os Nossos Valores > Ativos Sob Gestão

Leia mais

Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social

Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social Se tivermos em atenção os factos, comprovados pelos registos e estatísticas mais ou menos oficiais, de cariz económico,

Leia mais

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India EMITENTE DATA República da India 12 de Dezembro de 2014 RATINGS EMITENTE - MOEDA ESTRANGEIRA Médio e Longo Prazo BBB+ (BBB+,

Leia mais