SETEMBRO Portaria n.º 486/2010. D.R. n.º 134, Série I de Regulamento de Gestão do Fundo de Protecção dos Recursos Hídricos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SETEMBRO 2010. Portaria n.º 486/2010. D.R. n.º 134, Série I de 2010-07-13 Regulamento de Gestão do Fundo de Protecção dos Recursos Hídricos"

Transcrição

1 SETEMBRO 2010 Legislação Decreto-Lei n.º 90/2010. D.R. n.º 141, Série I de Aprova, simplificando, o novo Regulamento de Instalação, de Funcionamento, de Reparação e de Alteração de Equipamentos sob Pressão, revogando o Decreto-Lei n.º 97/2000, de 25 de Maio Decreto-Lei n.º 93/2010. D.R. n.º 144, Série I de Estabelece o regime de comércio de licenças de emissão de gases com efeito de estufa das actividades da aviação, transpondo a Directiva n.º 2008/101/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de Novembro, que altera a Directiva n.º 2003/87/CE,do Parlamento Europeu e do Conselho, de 13 de Outubro Decreto-Lei n.º 98/2010. D.R. n.º 155, Série I de Estabelece o regime a que obedecem a classificação, embalagem e rotulagem das substâncias perigosas para a saúde humana ou para o ambiente, com vista à sua colocação no mercado, transpõe parcialmente a Directiva n.º 2008/112/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Dezembro, e transpõe a Directiva n.º 2006/121/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 18 de Dezembro Resolução do Conselho de Ministros n.º 53/2010. D.R. n.º 148, Série I de Aprova o Plano Regional de Ordenamento do Território do Alentejo e revoga os Planos Regionais de Ordenamento do Território do Alentejo Litoral, da Zona Envolvente de Alqueva e da Zona dos Mármores, aprovados, respectivamente, pelo Decreto Regulamentar n.º 26/93, de 27 de Agosto, e pelas Resoluções do Conselho de Ministros n.os 70/2002, de 9 de Abril, e 93/2002, de 8 de Maio Resolução do Conselho de Ministros n.º 54/2010. D.R. n.º 150, Série I de Resolve aprovar medidas de implementação da produção descentralizada de energia através de miniprodução de electricidade Lei n.º 19/2010. D.R. n.º 163, Série I de Primeira alteração, por apreciação parlamentar, ao Decreto-Lei n.º 23/2010, de 25 de Março, que estabelece o regime jurídico e remuneratório aplicável à energia eléctrica e mecânica e de calor útil produzidos em cogeração, transpondo para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2004/8/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de Fevereiro Lei n.º 30/2010. D.R. n.º 171, Série I de Protecção contra a exposição aos campos eléctricos e magnéticos derivados de linhas, de instalações e de equipamentos eléctricos Portaria n.º 485/2010. D.R. n.º 134, Série I de Regulamento de Gestão do Fundo de Intervenção Ambiental Portaria n.º 486/2010. D.R. n.º 134, Série I de Regulamento de Gestão do Fundo de Protecção dos Recursos Hídricos Portaria n.º 487/2010. D.R. n.º 134, Série I de Regulamento de Gestão do Fundo para a Conservação da Natureza e da Biodiversidade. 1

2 Portaria n.º 542/2010. D.R. n.º 140, Série I de Segunda alteração à Portaria n.º 96/2004, de 23 de Janeiro, que determina que os titulares de licenças vinculadas de produção, associadas a centros produtores hidroeléctricos ou termoeléctricos, adiante designados por produtores, devem proceder à aquisição ou arrendamento à entidade concessionária da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica (RNT) dos terrenos que constituem o sítio a eles afecto, e revoga a Portaria n.º 481/2007, de 19 de Abril Portaria n.º 543/2010. D.R. n.º 140, Série I de Actualiza o cálculo do preço máximo de venda, pelos produtores, às entidades que introduzem gasóleo rodoviário no consumo, do biodiesel cuja incorporação seja obrigatória Portaria n.º 592/2010. D.R. n.º 146, Série I de Estabelece as condições aplicáveis ao serviço de interruptibilidade, a prestar por um consumidor de electricidade ao operador da rede de transporte, bem como o regime retributivo do referido serviço e as penalizações associadas a eventuais incumprimentos, no sentido de harmonizar as condições de interruptibilidade no mercado ibérico Portaria n.º 596/2010. D.R. n.º 147, Série I de Aprova os Regulamentos das Redes de Transporte e de Distribuição Portaria n.º 763/2010. D.R. n.º 162, Série I de Mantém para o ano de 2010 o valor mínimo do seguro obrigatório de responsabilidade civil, previsto na Portaria n.º 362/2000, de 20 de Junho, que aprova os procedimentos relativos às inspecções e à manutenção das redes e ramais de distribuição e instalações de gás e o Estatuto das Entidades Inspectoras das Redes e Ramais de Distribuição e Instalações de Gás Portaria n.º 765/2010. D.R. n.º 162, Série I de Estabelece o regime dos serviços de garantia de potência que os centros electroprodutores em regime ordinário podem prestar ao Sistema Eléctrico Nacional Dossiers temáticos Cronograma REACH e CLP L'Union européenne interdit de nouvelles substances chimiques dangereuses ISO :2010 Développement durable dans la construction - Cadre méthodologique de l'évaluation de la performance environnementale des ouvrages de construction Politique environnementale dans l'ue : malgré des progrès, beaucoup reste à faire / Environment Policy Review - Seuls l'évolution des émissions de gaz à effet de serre, la part des énergies renouvelables dans la consommation d'énergie finale, la part de l'agriculture biologique et le recyclage des emballages sont satisfaisants.. En revanche, malgré quelques progrès constatés, les émissions moyennes de CO 2 des voitures, l'intensité énergétique, les projections d'émissions pour les polluants atmosphériques, l'indice d'exploitation de l'eau, la 2

3 surexploitation des ressources en poissons, les volumes de déchets générés et les résidus de pesticides dans l'alimentation générés posent toujours problèmes.concernant la biodiversité, les indicateurs sont au rouge que ce soit pour la sauvegarde des oiseaux communs, la conservation des habitats et des espèces, la fragmentation des paysages ou le stockage carbone dans les sols. Novo o logótipo biológico da UE a partir de Julho de 2010, há um logótipo biológico da UE obrigatório para todos os produtos alimentares biológicos pré-embalados na União Europeia. Diversos Quand le mécanisme de développement propre favorise les usines à gaz- Le mode de calcul du MDP présente une faille qui permet de générer plus de crédits carbone en surproduisant un gaz réfrigérant à effet de serre. Révélée par trois ONG, cette dérive à 200 millions de tonnes équivalent CO2 est en passe d être stoppée. Première opération du Fonds multilatéral de crédits carbone dans les pays baltes php4#xtor=EPR-1 Sables bitumineux de l'alberta : les associations opposées au projet de Total Marchés de matières premières : Paris veut une régulation européenne Nicolas Sarkozy a assuré que la régulation des marchés de matières premières serait une priorité de sa présidence du G php4#xtor=EPR-1 Smart Community Alliance a working group to pursue solutions to common issues among smart communities (energy and social infrastructure including smart grids) Les concentrations de dioxyde d'azote, de particules et d'ozone sont au rouge (fr) php4#xtor=EPR-1 La France adopte sa nouvelle stratégie nationale du développement durable: ''Vers une économie verte et équitable'' la SNDD regroupe l'ensemble des objectifs du Grenelle de l'environnement mais également des objectifs économiques et sociaux : réduire à 25% le pourcentage de la population n'ayant jamais fréquenté de lieu culturel d'ici 2013, obtenir moins de 10% de jeunes en décrochage scolaire précoce d'ici 2020 ou encore atteindre en 2013 les critères du pacte de stabilité (déficit public en dessous de 3% du PIB) php4#xtor=EPR-1 3

4 Catastrophes naturelles : des phénomènes en augmentation et amplifiés par l'homme Selon le Centre de recherche sur l'épidémiologie des désastres (CRED), de l'université catholique de Louvain les dix dernières années ont vu le nombre de catastrophes naturelles augmenter nettement php4#xtor=EPR-1 Comment la Chine remplit ses objectifs de consommation énergétique Risques technologiques : le récapitulatif du ministère (fr) php4#xtor=EPR-1 Nissan Motor to Increase Production of Lithium-Ion Battery for its EV- Japan's Nissan Motor Co. announced on June 11, 2010, that it will increase its domestic production capacity of lithium-ion batteries for electric vehicles (EVs) to 90,000 units per year by Sagawa Express Receives 11th Environmental Grand Prize for Physical Distribution Seminários/ Exposições / Livros Plataforma MOR Online -Mercado Organizado de Resíduos A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) licenciou a primeira plataforma integrada no Mercado Organizado de Resíduos MOR Online cuja proposta foi apresentada pelo agrupamento constituído pela ACAP (Associação Automóvel de Portugal), Ambigroup e Sociedade Ponto Verde, que com a atribuição da Licença irão constituir uma Sociedade Anónima em conjunto com mais duas empresas a operar nos Resíduos Urbanos e Resíduos Industriais. Classificação, Rotulagem e Embalagem de Substâncias e Misturas, Regulamento n.º 1272/2008 do Parlamento Europeu e do Conselho, foi incluído no âmbito do helpdesk REACHhttp://www.reachhelpdesk.pt/ Portal da Eficiência Energética Friends of Europe Publication: Growing within limits? Policy considerations beyond GDP IFDR A Territorialização de Políticas Públicas em Portugal RENEXPO Salzburg 25 e 27 de Novembro Feira Internacional de Energias Renováveis e Eficiência Energética em Edifícios 4

5 Ventilação (Geral E Localizada) - Técnicas para Controlo de Agentes Químicos ao Encontro do Reach, Curso Intensivo Hotel Estoril Eden, Estoril, dias 28 (tarde) e 29 de Setembro, com início às 13:45 horas. 10ª Conferência Anual do BCSD Portugal: "Visão de um Futuro Sustentável" 16 de Setembro 9h Centro de Congressos do Estoril. WavEC Newsletter,Centro de Energia das Ondas 5

LEGISLAÇÃO BÁSICA. Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis

LEGISLAÇÃO BÁSICA. Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis LEGISLAÇÃO BÁSICA Especificações GPL Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis Portaria nº 348/96, de 8 de Agosto Estabelece as

Leia mais

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011 O papel dos biocombustíveis na política energética nacional Seminário Internacional sobre Políticas e Impactes dos Biocombustíveis em Portugal e na Europa José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia

Leia mais

As questões de 01 a 05, cujas respostas deverão ser redigidas EM PORTUGUÊS, referem -se ao texto abaixo.

As questões de 01 a 05, cujas respostas deverão ser redigidas EM PORTUGUÊS, referem -se ao texto abaixo. 1 2 3 4 5 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar,

Leia mais

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C 1 Estabelece que o custo dos actos relativos aos pedidos previstos no Decreto- Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, bem como dos exames laboratoriais e dos demais actos e serviços prestados pelo INFARMED,

Leia mais

6 Só será permitido o uso de dicionário FRANCÊS/FRANCÊS.

6 Só será permitido o uso de dicionário FRANCÊS/FRANCÊS. 1 2 3 4 5 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar,

Leia mais

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia No âmbito da Estratégia Nacional para a Energia, aprovada no passado mês de Outubro, foram agora publicados os diplomas que estabelecem os novos

Leia mais

Legislação de Consumo - fevereiro de 2015

Legislação de Consumo - fevereiro de 2015 Legislação de Consumo - fevereiro de 2015 Decreto-Lei n.º 17/2015 - Diário da República n.º 22/2015, Série I de 2015-02-02 Ministério da Economia Procede à terceira alteração ao Decreto-Lei n.º109/2010,

Leia mais

Processo de Negociação sobre a Nova Directiva CELE. Ângelo Neves Direcção-Geral das Actividades Económicas (DGAE) Ministério da Economia e da Inovação

Processo de Negociação sobre a Nova Directiva CELE. Ângelo Neves Direcção-Geral das Actividades Económicas (DGAE) Ministério da Economia e da Inovação Nova Directiva do Comércio Europeu de Licenças de Emissão Novas regras. Novos desafios AIP, C.C.Lisboa, 21 de Maio de 2009 Processo de Negociação sobre a Nova Directiva CELE Ângelo Neves Direcção-Geral

Leia mais

N.º 126 Síntese de Legislação Nacional De 24.04.2014 a 08.05.2014

N.º 126 Síntese de Legislação Nacional De 24.04.2014 a 08.05.2014 N.º 126 Síntese de Legislação Nacional De 24.04.2014 a 08.05.2014 LEGISLAÇÃO: ROTULAGEM EMBALAGENS AEROSSÓIS Decreto-Lei n.º 62/2014. D.R. n.º 80, Série I de 2014-04-24 Ministério da Economia Transpõe

Leia mais

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental Conteúdos Complementares ao Manual 1 Gestão do Ciclo de Vida do Produto 1.1 A Perspectiva do Ciclo de Vida nas Organizações 1.2 Avaliação do Ciclo de Vida 1.2.1 Introdução 1.2.2 Avaliação Qualitativa 1.2.3

Leia mais

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Jorge Mendonça e Costa jmcosta@cogenportugal.com Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador: Motivação Manual de

Leia mais

climatização Gás energias renováveis énergies renouvelables climatisation Gaz

climatização Gás energias renováveis énergies renouvelables climatisation Gaz Gás Gaz climatização energias renováveis énergies renouvelables Empresa Entreprise A SolGás foi fundada em 1979, por José Fernando Pinheiro Ribeiro em Marco de Canaveses, como empresa de comércio e distribuição

Leia mais

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio:

Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Redução da Dependência Energética de Portugal Principal Desafio: Mudança de paradigma energético em Portugal, com um implícito Desenvolvimento Sustentável suportado no seu crescimento económico, justiça

Leia mais

Legislação temática Urbanização e Edificação - Disposições Gerais

Legislação temática Urbanização e Edificação - Disposições Gerais Diploma Resumo Data Alterações, revogações e normas complementares Decreto-Lei nº 19/90 Regime de caducidade de licenças municipais de obras de construção civil. 11-01-1990 Alterado pelo Decreto-Lei nº

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A produção e a distribuição de energia eléctrica são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades. A rotulagem de energia eléctrica pretende

Leia mais

SUSTENTABILIDADE URBANA

SUSTENTABILIDADE URBANA 1ª FEIRA IBÉRICA SUSTENTABILIDADE URBANA ENERGIA, SUSTENTABILIDADE, CIDADANIA Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 8 de Junho de 2011 ENERGIA e SUSTENTABILIDADE Utilização Racional de Energia

Leia mais

Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas

Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas 1. Legislação e Regulamentos Aplicáveis Decreto-Lei n.º 38/2007, de 19 de Fevereiro, do

Leia mais

SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS

SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS (ELETRICIDADE E GÁS NATURAL) Contexto Regulamentar O enquadramento legal decorre da implementação do designado "Terceiro Pacote Energético", da União Europeia, do qual fazem

Leia mais

Portaria n.º 1104/2001 de 17 de Setembro

Portaria n.º 1104/2001 de 17 de Setembro Portaria n.º 1104/2001 de 17 de Setembro Disposições legais aplicáveis ao projecto e à execução de obras...3 Disposições gerais...3 Administração regional autónoma...3 Ordenamento do território e urbanismo...3

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

RARI Construções Metálicas, Engenharia, Projectos e Soluções Industriais, SA. RARI TECH Septembre 2015

RARI Construções Metálicas, Engenharia, Projectos e Soluções Industriais, SA. RARI TECH Septembre 2015 RARI Construções Metálicas, Engenharia, Projectos e Soluções Industriais, SA. RARI TECH Septembre 2015 QUI SOMMES-NOUS? RARI Construções Metálicas, Engenharia, Projectos e Soluções Industriais SA. est

Leia mais

Instalações Eléctricas de Serviço Particular

Instalações Eléctricas de Serviço Particular Colégio de Engenharia Electrotécnica Instalações Eléctricas de Serviço Particular A problemática do enquadramento legal das Instalações Eléctricas de Serviço Particular tem sido objecto, ao longo do tempo,

Leia mais

Newsletter de Outubro de 2014 DIREITO PÚBLICO, AMBIENTE & URBANISMO

Newsletter de Outubro de 2014 DIREITO PÚBLICO, AMBIENTE & URBANISMO Newsletter de Outubro de 2014 DIREITO PÚBLICO, AMBIENTE & URBANISMO Fevereiro de 2013 Novidades Legislativas ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LOCAL Portaria n.º 209/2014 - Diário da República n.º 197/2014, Série

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Óleos Alimentares Usados (OAU) GERAL/ENQUADRAMENTO 1. Qual a legislação em vigor em matéria de gestão de óleos alimentares usados? 2. Quais as proibições previstas no âmbito da gestão

Leia mais

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS I. Objetivo ATUALIZAÇÕES As Declarações Ambientais (DA) elaboradas no âmbito do Sistema Comunitário de Ecogestão e Auditoria, devem

Leia mais

A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas

A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas Luís Costa Leal Director-Geral CELPA, Associação da Indústria Papeleira CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel Nesta

Leia mais

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL 1ª Conferência Luso-Espanhola de Direito da Concorrência Lisboa, 01 e 02 de Julho de 2010 O Grupo EDP tem presença significativa no mundo E.U.A Capacidade

Leia mais

Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA

Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 10 de julho de 2014 Uma Visão: Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

5906 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 216 17 de Setembro de 2001 MINISTÉRIO DO EQUIPAMENTO SOCIAL

5906 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 216 17 de Setembro de 2001 MINISTÉRIO DO EQUIPAMENTO SOCIAL 5906 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 216 17 de Setembro de 2001 MINISTÉRIO DO EQUIPAMENTO SOCIAL Portaria n. o 1104/2001 de 17 de Setembro Nos termos do n. o 1 do artigo 6. o do Decreto-Lei n. o 445/91,

Leia mais

Legislação GPL 1.ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS 2.QUALIFICAÇÕES PROFISSIONAIS ENTIDADES CREDENCIADAS

Legislação GPL 1.ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS 2.QUALIFICAÇÕES PROFISSIONAIS ENTIDADES CREDENCIADAS Legislação GPL 1.ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTOS Decreto-Lei n.º 142/2010. D.R. n.º 253, Série I de 2010-12-31 Altera as normas de especificação técnica para a composição da gasolina e do gasóleo rodoviário,

Leia mais

FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL

FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL A: Tous les acteurs de la filière du Commerce Equitable certifiés pour la mangue, la banane, la pulpe d araza / Produtores e Comerciantes certificados da manga, da banana e da polpa de araza de CJ Tous

Leia mais

NOVIDADES LEGISLATIVAS E REGULAMENTARES MAIS SIGNIFICATIVAS

NOVIDADES LEGISLATIVAS E REGULAMENTARES MAIS SIGNIFICATIVAS DESTAQUES DE 27 A 31 DE MAIO NOVIDADES LEGISLATIVAS E REGULAMENTARES MAIS SIGNIFICATIVAS ACTIVIDADE PARLAMENTAR E PROCESSO LEGISLATIVO ÚLTIMAS INICIATIVAS Proposta de Lei 151/XII Procede à primeira alteração

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo O Decreto-Lei n. 295/98, de 22 de Setembro, que transpôs para o direito interno a Directiva

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DAS CAPTAÇÕES DIRECTAS EM ALBUFEIRAS

A PROBLEMÁTICA DAS CAPTAÇÕES DIRECTAS EM ALBUFEIRAS A PROBLEMÁTICA DAS CAPTAÇÕES DIRECTAS EM ALBUFEIRAS O CASO DO SISTEMA ALQUEVA-PEDRÓGÃO: CONDICIONANTES PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Ana Ilhéu Margarida Brito David Catita Departamento de Ambiente e Ordenamento

Leia mais

Ministério da Energia

Ministério da Energia Ministério da Energia O PROCESSO DE REGULAMENTAÇÃO DO SECTOR DE BIOENERGIA EM MOÇAMBIQUE Apresentação na 2ª Semana de Bioenergia Maputo, 05 de Maio de 2014 14-05-2014 1 JUSTIFICAÇÃO As principais motivações

Leia mais

ErP ( Energy related products) ELD ( Energy labelling Directive)

ErP ( Energy related products) ELD ( Energy labelling Directive) ErP ( Energy related products) ELD ( Energy labelling Directive) 1 Índice: 1. Introdução: 20:20:20 2. Directiva ErP-EuP 2.1 Diretiva ErP: 2.1.1 Explicação da ErP 2.1.2 Produtos incluídos: LOTs 2.1.3 Calendário

Leia mais

Laurent FONBAUSTIER. Jeudi 18 octobre 2012

Laurent FONBAUSTIER. Jeudi 18 octobre 2012 Laurent FONBAUSTIER Jeudi 18 octobre 2012 France et Europe après Rio + 20 : Peut-on croire au développement durable? França e Europa pós Rio + 20 : Pode-se crer em desenvolvimento sustentável? I. UNE VOLONTÉ

Leia mais

RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 2008 INDICADORES

RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 2008 INDICADORES RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 28 1 INDICADORES ÁGUA 8 Evolução do número de análises em cumprimento do valor paramétrico 1, Análises (n.º) 7 6 5 4 3 2 1 591 65 64 278 97,48% 97,53% Fonte: ERSAR, 29 623

Leia mais

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021 Documento de apoio à participação pública 22 de dezembro 2012 Atualização maio 2013 Departamento

Leia mais

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3 INQUÉRITO EUROPEU DAS PME E O MEIO-AMBIENTE Bem-vindo ao inquérito europeu sobre as PMEs e o meio-ambiente. O questionário deve demorar entre 5-10 minutos para ser concluído. Obrigado! Instituto Tecnológico

Leia mais

Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais

Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais Carlos Manuel Serra Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais destaque para os petrolíferos e mineiros

Leia mais

INVESTIGADORA DO CPIHTS DEFENDE TESE DE MESTRADO EM COIMBRA

INVESTIGADORA DO CPIHTS DEFENDE TESE DE MESTRADO EM COIMBRA INVESTIGADORA DO CPIHTS DEFENDE TESE DE MESTRADO EM COIMBRA A Dra. Sónia Maria dos Santos, Assistente Social, docente do Instituto Superior Miguel Torga, Investigadora do Centro Português de Investigação

Leia mais

PROVA GLOBAL DE 9º ANO DE ESCOLARIDADE FRANCÊS 3 2005-2006

PROVA GLOBAL DE 9º ANO DE ESCOLARIDADE FRANCÊS 3 2005-2006 ESCOLA PROVA GLOBAL DE 9º ANO DE ESCOLARIDADE FRANCÊS 3 2005-2006 I Lisez attentivement le texte ci-dessous et les questions pour avoir une vision globale de ce qu'on vous demande. Une eau pas très écolo!

Leia mais

José Manuel Fonseca Celeste Bento Médicos Veterinários D.R. Pecuária

José Manuel Fonseca Celeste Bento Médicos Veterinários D.R. Pecuária José Manuel Fonseca Celeste Bento Médicos Veterinários D.R. Pecuária QUALIDADE / COMPETIVIDADE SEGURANÇA / PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR SOCIEDADE INFORMAÇÃO / FORMAÇÃO ORGANIZAÇÃO / CONHECIMENTO RESPONSABILIDADE

Leia mais

A Reforma Fiscal Ambiental

A Reforma Fiscal Ambiental A Reforma Fiscal Ambiental Sérgio Vasques GEOTA Outubro de 2008 O Estado da Fiscalidade Ambiental Portuguesa Para que servem os impostos portugueses? O desenvolvimento económico e a redistribuição de riqueza

Leia mais

Alteração da Legislação Aplicável / Actualização (Agosto.2013)

Alteração da Legislação Aplicável / Actualização (Agosto.2013) 1 Lista de Controlo de Legislação Aplicável Alteração da Legislação Aplicável / Actualização (Agosto.2013) 1. LEGISLAÇÃO 1.1. Código do Trabalho Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho - Regulamenta a Lei n.º

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA?

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? Paula CHAINHO Novas Barragens, Porto, 28 de Fevereiro PROGRAMA NACIONAL DE BARRAGENS Objectivos a) Contribuição para as metas de produção de energia com

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR)

Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR) Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR) Em consulta pública O Projecto de Plano Nacional de Gestão de Resíduos (PNGR 2011-2020), bem como o Relatório Ambiental e o Resumo Não Técnico da Avaliação

Leia mais

Metas indicativas relativas à produção de electricidade a partir de fontes de energia renováveis em Portugal (2002-2012)

Metas indicativas relativas à produção de electricidade a partir de fontes de energia renováveis em Portugal (2002-2012) Metas indicativas relativas à produção de electricidade a partir de fontes de energia renováveis em Portugal (2002-2012) Janeiro/2003 Índice 1. ÂMBITO... 3 2. MEDIDAS... 4 2.1. O PROGRAMA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Leia mais

Análise técnica e económico-financeira de um sistema de abastecimento de veículos zero emissões integrando um sistema fotovoltaico

Análise técnica e económico-financeira de um sistema de abastecimento de veículos zero emissões integrando um sistema fotovoltaico Análise técnica e económico-financeira de um sistema de abastecimento de veículos zero emissões integrando um sistema fotovoltaico Nuno Miguel Martins da Rocha Dissertação submetida para a obtenção do

Leia mais

Mateus Geraldo Xavier. Contribuição do Ensino Religioso no processo de educação da fé: um estudo teológico-pastoral. Dissertação de Mestrado

Mateus Geraldo Xavier. Contribuição do Ensino Religioso no processo de educação da fé: um estudo teológico-pastoral. Dissertação de Mestrado Mateus Geraldo Xavier Contribuição do Ensino Religioso no processo de educação da fé: um estudo teológico-pastoral Dissertação de Mestrado Programa de Pós-graduação em Teologia do Departamento de Teologia

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES TRABALHOS DA COMISSÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES TRABALHOS DA COMISSÃO TRABALHOS DA COMISSÃO A Subcomissão da Comissão Permanente de Economia reuniu no dia 25 de fevereiro de 2015, na Delegação da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, na cidade de Ponta Delgada,

Leia mais

ROTULAGEM RASTREABILIDADE COMERCIALIZAÇÃO do QUEIJO. José António Rousseau - Director Geral 1

ROTULAGEM RASTREABILIDADE COMERCIALIZAÇÃO do QUEIJO. José António Rousseau - Director Geral 1 ROTULAGEM RASTREABILIDADE COMERCIALIZAÇÃO do QUEIJO José António Rousseau - Director Geral 1 ÍNDICE 1- INTRODUÇÃO 2- ROTULAGEM 3- RASTREABLILIDADE 4- DENOMINAÇÃO DE ORIGEM PROTEGIDA 5- PROGRAMA EUROPEU-

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO

DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO A disponibilização para consulta do teor de diplomas legislativos não dispensa a consulta do Diário da República, não se responsabilizando a ERSE pelo seu conteúdo. DECRETO-LEI N.º 68/2002 DE 25 DE MARÇO

Leia mais

Apresentação do RECS e suas implicações para o projeto luminotécnico e elétrico

Apresentação do RECS e suas implicações para o projeto luminotécnico e elétrico Apresentação do RECS e suas implicações para o projeto luminotécnico e elétrico António Manuel Almeida aalmeida@isec.pt INESC Coimbra e IPC - ISEC Iluminação Interior no RSECE, 2006 Iluminação Interior

Leia mais

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS RENOVÁVEIS 2 1. QUEM SOMOS 3 A APREN A APREN - Associação

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.170.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

GANDARELA, FERRAZ, COSTA & ASSOCIADOS SETEMBRO 2015 ATUALIZAÇÕES LEGISLATIVAS DIREITO DO TRABALHO

GANDARELA, FERRAZ, COSTA & ASSOCIADOS SETEMBRO 2015 ATUALIZAÇÕES LEGISLATIVAS DIREITO DO TRABALHO SETEMBRO 2015 ATUALIZAÇÕES LEGISLATIVAS DIREITO DO TRABALHO Decreto-Lei n.º 210/2015 de 25 de Setembro - Regimes Jurídicos do fundo de Compensação do Trabalho e do Fundo de Garantia de Compensação do Trabalho

Leia mais

A APREN. A APREN é associada das seguintes entidades:

A APREN. A APREN é associada das seguintes entidades: 1. QUEM SOMOS 2 A APREN A APREN - Associação Portuguesa de Energias Renováveis, é uma associação sem fins lucrativos, constituída em Outubro de 1988, com a missão de coordenação, representação e defesa

Leia mais

CONTRATOS DE GESTÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Bernardo de Andrade da Rocha Loures Direito da Energia Mestrando em Direito Universidade de Coimbra

CONTRATOS DE GESTÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Bernardo de Andrade da Rocha Loures Direito da Energia Mestrando em Direito Universidade de Coimbra CONTRATOS DE GESTÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Bernardo de Andrade da Rocha Loures Direito da Energia Mestrando em Direito Universidade de Coimbra Conceito ORGANISMO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIRETA, INDIRETA

Leia mais

Projecto de Lei nº 466/XI/2ª. Medidas destinadas à redução da utilização de sacos de plástico

Projecto de Lei nº 466/XI/2ª. Medidas destinadas à redução da utilização de sacos de plástico Projecto de Lei nº 466/XI/2ª Medidas destinadas à redução da utilização de sacos de plástico Exposição de motivos A problemática da gestão dos resíduos está hoje no centro de muitas opções essenciais de

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis - Obrigações Gerais do Empregador SERVIÇOS DE ENGENHARIA/SEGURANÇA AICCOPN - 07 de Junho de

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.281.01 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012

Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012 Seminário Anual WavEC Economia Azul Plataformas Offshore e Oportunidades Oportunidades de Negócio e Investimento 26 Nov. 2012 Direção-Geral de Energia e Geologia Pedro Cabral Potencial renovável marinho

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

ANÁLISE DE CICLO DE VIDA DO PRODUTO Ferramenta de comunicação e informação ao consumidor. 21 de Outubro de 2010

ANÁLISE DE CICLO DE VIDA DO PRODUTO Ferramenta de comunicação e informação ao consumidor. 21 de Outubro de 2010 ANÁLISE DE CICLO DE VIDA DO PRODUTO Ferramenta de comunicação e informação ao consumidor 21 de Outubro de 2010 The scientific evidence is now overwhelming: climate change presents very serious global risks,

Leia mais

MUNICÍPIO DE PORTEL CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE PORTEL CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE PORTEL CÂMARA MUNICIPAL Sistema da Industria Responsável _ SIR Projeto de alteração à Tabela de taxas e licenças municipais decorrente da aplicação do SIR _ Sistema da Industria Responsável

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL ENERGIN AZÓIA Empresa de Cogeração Industrial, S.A. CENTRAL DE COGERAÇÃO A INSTALAR NA SOLVAY PORTUGAL (PÓVOA DE SANTA IRIA, VILA FRANCA DE XIRA) ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Maio de

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL

A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL Ciclo de Mesas Redondas A APREN e as Universidades A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL Comemoração do Dia nacional da Água 1 de outubro de 2014 2 A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL PROGRAMA 10:30 10:50 Sessão

Leia mais

JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA. Filipe Fernandes

JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA. Filipe Fernandes JPM Tecnologias para Energias Renováveis, SA Filipe Fernandes Arouca, 2010 A JPM Automação e Equipamentos Industrias SA - Apresentação Historial Fundada há mais de uma década, a JPM é uma empresa tecnologicamente

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 A política energética europeia para a promoção da competitividade, sustentabilidade e segurança de abastecimento Jorge de Sousa Professor

Leia mais

LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS

LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS LEGISLAÇÃO E DOCUMENTOS NORMATIVOS ESPECÍFICOS DE ACORDO COM A NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES ESTABELECIMENTOS E SERVIÇOS INTEGRADOS Portaria n.º 355/97, de 28 de Maio Aprova o modelo do livro de reclamações

Leia mais

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia 6º workshop da Plataforma do Empreendedor AIP-CE, 1 Julho 2010 Índice As novas metas EU para as Renováveis Estratégia

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

PRINCIPAIS MARCOS DO SUCH

PRINCIPAIS MARCOS DO SUCH PRINCIPAIS MARCOS DO SUCH Ano 2015 24 de Setembro Aprovação, por maioria absoluta, em sede de Assembleia Geral, das Adendas aos Relatórios de Atividades e Contas de 2013 e 2014. 17 de Abril - Aprovação,

Leia mais

Mestrado em Tradução. Relatório do Projecto de Tradução ANA CRISTINA LOPES SOARES. Trabalho de projecto orientado pelo PROFESSOR DOUTOR PIERRE LEJEUNE

Mestrado em Tradução. Relatório do Projecto de Tradução ANA CRISTINA LOPES SOARES. Trabalho de projecto orientado pelo PROFESSOR DOUTOR PIERRE LEJEUNE Mestrado em Tradução Tradução da primeira parte de Droit de la Famille de Dominique Fenouillet Relatório do Projecto de Tradução ANA CRISTINA LOPES SOARES Trabalho de projecto orientado pelo PROFESSOR

Leia mais

Microgeração de Energia Enquadramento Legal

Microgeração de Energia Enquadramento Legal Microgeração de Energia Enquadramento Legal Inês Saraiva Azevedo Junho 2008 Enquadramento Legislativo Decreto-Lei n.º 363/2007 Benefícios Fiscais Confidencial 2 Enquadramento Legislativo Confidencial 3

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA O CÁLCULO DA DURAÇÃO MÍNIMA IN SITU DA VERIFICAÇÃO SGSPAG

PROCEDIMENTO PARA O CÁLCULO DA DURAÇÃO MÍNIMA IN SITU DA VERIFICAÇÃO SGSPAG PROCEDIMENTO PARA O CÁLCULO DA DURAÇÃO MÍNIMA IN SITU DA VERIFICAÇÃO SGSPAG SQ.S.p.. Novembro 2 Índice Introdução 2 2 Campo de aplicação 2 Documentos de referência 2 4 Documento de apoio 5 Metodologia

Leia mais

O papel da AMESEIXAL no projeto LifeSaver

O papel da AMESEIXAL no projeto LifeSaver LifeSaver Context sensitive monitoring of energy consumption to support energy savings and emissions trading in industry O papel da AMESEIXAL no projeto LifeSaver Philippe Bollinger Conteúdo Introdução

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVI Armazenamento de Produtos Químicos Perigosos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de Viseu. SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental. José Vicente Ferreira

Instituto Superior Politécnico de Viseu. SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental. José Vicente Ferreira Instituto Superior Politécnico de Viseu SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental José Vicente Ferreira SÉRIE ISO 14000 Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Análise Ciclo Vida Avaliação Performance Ambiental

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 Sistema da Indústria Responsável (SIR) 18 de outubro UMA de 2014/ ESTRATÉGIA António Oliveira PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Sistema da Indústria

Leia mais

CATEGORIAS DA METROLOGIA

CATEGORIAS DA METROLOGIA Cadernos Técnicos Carlos Sousa CATEGORIAS DA METROLOGIA METROLOGIA CIEN TÍFICA Investigação D esenvolvim ento D em onstração Unidades de medida Materialização de grandezas PADRÕ ES APLICADA Controlo: Processos

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2014 Dezembro 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro Indice Enquadramento Principais trabalhos no período Análise de resultados Indicadores de

Leia mais

O Teorema de Pitágoras segundo a dialética ferramenta-objeto. Le théorème de Pythagore selon la dialectique outil-objet

O Teorema de Pitágoras segundo a dialética ferramenta-objeto. Le théorème de Pythagore selon la dialectique outil-objet O Teorema de Pitágoras segundo a dialética ferramenta-objeto Ana Paula Jahn anapjahn@gmail.com UNIBAN/SP Vincenzo Bongiovanni vincenzo.bongiovanni@uol.com.br UNIBAN/SP Resumo: neste artigo, descrevem-se

Leia mais

CONTRIBUTO DA INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NA GESTÃO OPERACIONAL DE ENTIDADES GESTORAS DE SERVIÇOS DE ÁGUAS

CONTRIBUTO DA INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NA GESTÃO OPERACIONAL DE ENTIDADES GESTORAS DE SERVIÇOS DE ÁGUAS CONTRIBUTO DA INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NA GESTÃO OPERACIONAL DE ENTIDADES GESTORAS DE SERVIÇOS DE ÁGUAS JOÃO COELHO RITA ALMEIDA ALICE GANHÃO ANA SANTOS JOÃO FELICIANO Conferência Nacional de Geodecisão Escola

Leia mais

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Abril de 2011 PROCONVERGENCIA

Leia mais

A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA A DIRECTIVA ErP E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 3 / 1. CONTEXTO 6 / 2. DIRECTIVA ECODESIGN (ErP) 7 / 3. ETIQUETAGEM ENERGÉTICA 12 / 4. O MUNDO MUDA A ARISTON FICA A SEU LADO 1 O CONTEXTO ETIQUETAGEM ENERGÉTICA

Leia mais

LEGISLAÇÃO NACIONAL NO DOMÍNIO DO AMBIENTE. Principais diplomas legais em 2008

LEGISLAÇÃO NACIONAL NO DOMÍNIO DO AMBIENTE. Principais diplomas legais em 2008 LEGISLAÇÃO NACIONAL NO DOMÍNIO DO AMBIENTE Principais diplomas legais em 2008 GENERALIDADES - Resolução do Conselho de Ministros nº 24/2008, de 13 de Fevereiro - Cria a estrutura de missão responsável

Leia mais

Palmela, 31 Outubro 2012. Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1

Palmela, 31 Outubro 2012. Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1 Palmela, 31 Outubro 2012 Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 1 O Consumo de Energia está a aumentar Schneider Electric - Eficiência Energética HAG 01/2010 2 mais rápido do que novas

Leia mais