REGULAMENTO ELEITORAL CEMELB - CONVENÇÃO EUROPEIA DE MINISTROS LUSO-BRASILEIROS Página 1 de 6

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO ELEITORAL CEMELB - CONVENÇÃO EUROPEIA DE MINISTROS LUSO-BRASILEIROS Página 1 de 6"

Transcrição

1 REGULAMENTO ELEITORAL Página 1 de 6

2 PARA OS CORPOS GERENTES DA CONVENÇÃO EUROPEIA DE MINISTROS EVANGÉLICOS LUSO-BRASILEIROS REFERENTE AO MANDATO DE 2010/2014 Capítulo I (Objectivo, âmbito, composição e datas) Artigo 1º Objecto Serve o presente Regulamento Eleitoral para as eleições extraordinárias, dos Corpos Gerentes da CEMELB para o mandato de 2010/2014. Artigo 2º Comissão eleitoral 1. Segundo o Artigo 42º dos Estatutos da CEMELB, a comissão eleitoral é composta por: a. O Presidente da Mesa da Assembleia-Geral; b. Dois membros indicados para o efeito, pela Direcção; c. Dois membros indicados por cada lista concorrente. Artigo 3º Prazos e datas 1. A apresentação de candidaturas aos Corpos Gerentes da CEMELB é feita até ao dia 21 de Julho de A afixação das irregularidades encontradas nas listas entregues é feita até ao dia 22 de Julho de Entrega das correcções por parte dos mandatários das listas é feita até ao dia 27 de Julho de Afixação da listagem definitiva das listas candidatas é feita até ao dia 14 de Agosto de Reunião da comissão eleitoral dia 14 de Agosto de Início da campanha eleitoral dia 15 de Agosto de Términos da campanha eleitoral dia 02 de Setembro de Período de reflexão, dia 03 de Setembro de Eleições dia 04 de Setembro de Tomada de Posse para os Corpos Gerentes da CEMELB, dia 25 de Setembro de Artigo 4º Capacidade eleitoral activa Gozam de capacidade eleitoral activa todos os membros da CEMELB, conforme o Artigo 38º. Nº. 1 dos Estatutos da CEMELB Página 2 de 6

3 Artigo 5º Modo de eleição Os órgãos sociais da CEMELB são eleitos por listas plurinominais. Artigo 6º Critério de eleição Conforme os Estatutos da CEMELB: 1. A eleição de todos os corpos gerentes da CEMELB, nomeadamente a Assembleia- Geral, a Direção e o Conselho Fiscal é feita por maioria dos votos validamente expressos, excluindo os brancos e nulos. 2. Apura-se em separado o número de votos recebidos por cada lista. 3. No caso de existirem até duas listas a concorrer para os órgãos da CEMELB, fica eleita á primeira volta a lista com maioria simples dos votos. Artigo 7º Organização das listas 1. As listas propostas à eleição devem conter indicação dos candidatos efectivos em número ímpar igual ao dos mandatos e candidatos suplentes em número não inferior a dois nem superior ao dos efectivos, não podendo exceder cinco. 2. Os candidatos de cada lista consideram-se ordenados segundo a sequência da respectiva declaração de candidatura Termo de Aceitação, que deve coincidir com a lista de candidatura conjunta. Artigo 8º Apresentação das candidaturas 1. A apresentação das candidaturas é da competência dos mandatários de Lista. 2. A apresentação de candidaturas efectua-se na secretaria da CEMELB, em envelopes que serão selados na presença do mandatário da lista. Após a selagem os envelopes serão assinados pelos mandatários, por forma, a que, a assinatura ocupe parte da face do envelope e parte do envelope que se destina a selar o mesmo. 3. Aquando da entrega das listas será entregue pelo mandatário da lista um comprovativo de recepção da candidatura. Artigo 9º Requisitos de apresentação A apresentação consiste na entrega da lista contendo os nomes, número de membro, colocação e cargo que vai desempenhar, bem como a declaração de candidatura individual Termo de Aceitação Artigo 10º Candidaturas 1. A apresentação de candidaturas poderá ser feita por um mínimo de 50 membros, onde deve constar: a. O número de membro; b. O nome do membro; c. O número do bilhete de identidade, Passaporte, Título de Residência, ou outro documento de identificação válido e a data de emissão; d. A assinatura, como consta na ficha de inscrição. Página 3 de 6

4 Artigo 11º Publicação das listas e verificação das candidaturas 1. Terminado o prazo para apresentação de listas, a comissão eleitoral vai verificar as condições de elegibilidade dos candidatos e receber todas as reclamações até oito dias após a sua tomada de posse. 2. Nas 24 horas subsequentes ao termo do prazo de apresentação de candidaturas à comissão eleitoral verifica a regularidade do processo, a autenticidade dos documentos que o integram e a elegibilidade dos candidatos. Findo este prazo será afixado na Sede da CEMELB, um documento com todas as irregularidades da (s) lista (s). Artigo 12º Irregularidades processuais Verificando-se irregularidade processual, o mandatário da lista tem 24 horas para suprimir todas as irregularidades, sob pena de rejeição de toda a lista. Artigo 13º Rejeição de candidaturas 1. São rejeitados candidatos inelegíveis. 2. Sempre que a rejeição de um ou mais candidatos resultar na irregularidade de toda a lista, o mandatário da lista será imediatamente notificado para que proceda á substituição do candidato ou candidatos inelegíveis no prazo de 24 horas, sob pena de rejeição de toda a lista. 3. No caso da lista não conter o número mínimo exigido de candidatos, ao órgão a que concorre Assembleia-Geral, Direção e Conselho Fiscal, esta será automaticamente rejeitada. 4. Oito dias após o fim do prazo de entrega das listas, a comissão eleitoral irá afixar na sede da CEMELB as listas com as respectivas rectificações ou aditamentos requeridos pelos respectivos mandatários, bem como a indicação das listas que tenham sido admitidas ou rejeitadas. Artigo 14º Rejeição de candidaturas Os candidatos de cada lista deverão designar, de entre eles, o seu mandatário para os representar nas operações referentes ao julgamento da elegibilidade e nas operações subsequentes. Deverá existir apenas um mandatário por lista. Artigo 15º Início e termo da campanha eleitoral O período de campanha eleitoral inicia-se no dia 09 de Fevereiro de 2010 e finda às 24 horas do dia 18 de Março de 2010, sendo que todos os elementos de campanha propaganda deverão ser obrigatoriamente recolhidos até ao fim do período de campanha. Artigo 16º Propaganda eleitoral Entende-se por propaganda eleitoral toda a actividade que vise directa ou indirectamente promover candidaturas, nomeadamente a afixação de cartazes, publicação de textos ou imagens que exprimam ou reproduzam o conteúdo dessa actividade. Página 4 de 6

5 Artigo 17º Promoção, realização e âmbito da campanha eleitoral 1. A promoção e realização da campanha eleitoral caberá sempre aos candidatos, sem prejuízo da participação activa dos membros apoiantes à candidatura. 2. A distribuição de espaços para efeitos de campanha será nos locais existentes e disponibilizados por cada Igreja. 3. Não é permitida a afixação de cartazes, faixas ou qualquer outro tipo de elemento de campanha fora dos espaços que estão previstos no número anterior. Artigo 18º Quantidades, apoio e campanha 1. Todo o material gráfico produzido nos formatos A4 e em formatos inferiores será obrigatoriamente produzido na sede da CEMELB, com as seguintes quantidades por lista: a. A4, 100 cópias; b. A5, 150 cópias; Artigo 19º Pessoalidade, presencialidade e unicidade do voto 1. O direito é exercido directamente pelo membro eleitor. 2. O direito de voto é exercido presencialmente pelo membro eleitor. 3. A cada eleitor só é permitido votar uma vez. 4. Para que o eleitor seja admitido a votar deve estar inscrito no caderno eleitoral e ser reconhecida pela mesa a sua identidade. 5. Para identificar o eleitor, este deverá apresentar um dos seguintes elementos, cartão de membro, Bilhete de Identidade, Passaporte, Titulo de Residência, ou outro documento de identificação válido, sem prejuízo do número seis do presente artigo. 6. Caso o membro não conste nos cadernos eleitorais, este deverá apresentar uma declaração da CEMELB, em como está inscrito na Convenção. 7. Não é admitida nenhuma forma de representação ou delegação no exercício do direito de sufrágio, nem está prevista qualquer outra forma de identificação para além das referidas no ponto cinco. Artigo 20º Modo como vota cada eleitor 1. Cada eleitor, apresentando-se perante a mesa de voto, indica o seu número de membro ou o seu nome, entregando à mesa de voto um elemento identificativo. 2. Em seguida, o eleitor entra na câmara de voto situada na secção de voto e aí, sozinho marca uma cruz no quadrado respectivo da lista em que vota e dobra o boletim em quatro. 3. Voltando para junto da mesa, o eleitor entrega o boletim a um elemento da mesa de voto, que o introduz na urna, enquanto outro elemento da mesa descarrega o voto, dando o caderno eleitoral a rubricar ao eleitor na linha correspondente ao seu nome. 4. Se, por inadvertência o eleitor deteriorar o boletim, deve pedir outro à mesa de voto, devolvendo-lhe o primeiro. Dois elementos da mesa escrevem no boletim devolvido, a nota de inutilizado rubricam-no e anexam-no à acta da secção de voto. Artigo 21º Segredo de Voto Ninguém pode ser, sob qualquer pretexto, obrigado a revelar o seu voto. Página 5 de 6

6 Artigo 22º Local de exercício de sufrágio 1. O direito de voto é exercido apenas na Assembleia-Geral Eleitoral, no local devidamente assinalado para o efeito. Artigo 23º Boletins de voto 1. Os boletins de voto são de forma rectangular com as dimensões apropriadas para neles caber a indicação de todas as listas submetidas à votação. 2. Em cada boletim de voto, são impressos de harmonia com o modelo aprovado pela comissão eleitoral, as denominações de Lista A, Lista B, etc., horizontalmente, uns abaixo dos outros, resultante do sorteio efectuado para a escolha dos espaços de campanha eleitoral. 3. Na linha correspondente a cada lista figura um quadrado em branco, destinado a ser assinalado com a escolha do eleitor. 4. A impressão dos boletins de voto é encargo da comissão eleitoral, através da direcção da CEMELB Artigo 24º Voto em branco ou nulo 1. Considera-se voto em branco o do boletim que não tenha sido objecto de qualquer tipo de marca. 2. Considera-se voto nulo, o do boletim de voto: a. No qual tenha sido assinalado mais de um quadrado ou quando haja dúvidas sobre qual o quadrado assinalado; b. No qual tenha sido assinalado o quadrado correspondente a uma lista que tenha desistido das eleições ou que não tenha sido admitida; c. No qual tenha sido feito qualquer corte, desenho ou rasura ou quando tenha sido escrito qualquer palavra. 3. Não se considera voto nulo o do boletim de voto no qual a cruz, embora não perfeitamente desenhada ou excedendo os limites do quadrado, assinale inequivocamente a vontade do eleitor. Artigo 25º Actas das secções de voto 1. Da acta deve constar a hora de abertura e encerramento da mesa de voto. 2. Quantidade de boletins de voto por utilizar e inutilizados. 3. Todas as trocas de elementos na mesa de voto. 4. A hora de abertura de envelopes contendo boletins de voto. Artigo 26º Omissões Na ocorrência de qualquer situação em que este regulamento esteja omisso, todas as deliberações remetem para a comissão eleitoral. Artigo 27º Entrada em Vigor O presente Regulamento entra em vigor imediatamente após a sua aprovação em Assembleia-Geral. Página 6 de 6

PARLAMENTO DOS JOVENS

PARLAMENTO DOS JOVENS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº2 DE ABRANTES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 2º e 3º C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES PARLAMENTO DOS JOVENS Regulamento Eleitoral A Comissão Eleitoral Escolar, constituída nos termos do artigo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DO PORTO DE PARALISIA CEREBRAL

ASSOCIAÇÃO DO PORTO DE PARALISIA CEREBRAL ASSOCIAÇÃO DO PORTO DE PARALISIA CEREBRAL REGULAMENTO ELEITORAL Regulamento Eleitoral 2016 - appc.doc - 0 - Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º O presente Regulamento visa regular o processo eleitoral

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL ENA - AGÊNCIA DE ENERGIA E AMBIENTE DA ARRÁBIDA REGULAMENTO ELEITORAL --------- --------- CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO E FUNCIONAMENTO DA ASSEMBLEIA ELEITORAL Artº 1º Constituição da Assembleia Eleitoral A

Leia mais

Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia

Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia Universidade do Minho, julho 2016 Universidade do Minho Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia O

Leia mais

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS DE 5 DE OUTUBRO DE Mapa Calendário a que se refere o Art.º 6º da Lei n.º 71/78 de 27 de Dezembro

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS DE 5 DE OUTUBRO DE Mapa Calendário a que se refere o Art.º 6º da Lei n.º 71/78 de 27 de Dezembro ELEIÇÕES LEGISLATIVAS DE 5 DE OUTUBRO DE 1980 Mapa Calendário a que se refere o Art.º 6º da Lei n.º 71/78 de 27 de Dezembro Quadro Cronológico das Operações Eleitorais Lei 14/79, de 16 de Maio 1 O Presidente

Leia mais

NRAçores-APCP REGULAMENTO ELEITORAL

NRAçores-APCP REGULAMENTO ELEITORAL NRAçores-APCP REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1º Considerações Gerais 1. O presente Regulamento: a. Rege-se pelos Estatutos da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos, adiante designada por APCP e pelo

Leia mais

QUADRO CRONOLÓGICO DAS OPERAÇÕES ELEITORAIS PARA A ELEIÇÃO DAS AUTARQUIAS LOCAIS DE 12 DE DEZEMBRO DE Até

QUADRO CRONOLÓGICO DAS OPERAÇÕES ELEITORAIS PARA A ELEIÇÃO DAS AUTARQUIAS LOCAIS DE 12 DE DEZEMBRO DE Até QUADRO CRONOLÓGICO DAS OPERAÇÕES ELEITORAIS PARA A ELEIÇÃO DAS AUTARQUIAS LOCAIS DE 12 DE DEZEMBRO DE 1976 DECRETO-LEI N.º 701-B/76, DE 29 de SETEMBRO Alterações: Decretos-lei n.ºs 757/76, 21 Outubro e

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL AÇORES MAPA CALENDÁRIO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL AÇORES MAPA CALENDÁRIO ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL AÇORES MAPA CALENDÁRIO (Artº 6º da Lei nº 71/78, de 27 de Dezembro) Quadro cronológico das operações eleitorais (Decreto-Lei 267/80, de 8 de Agosto, e diplomas complementares

Leia mais

Eleição para o Parlamento Europeu 18 de Junho de 1989

Eleição para o Parlamento Europeu 18 de Junho de 1989 COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES (Lei n. 71/78, de 27 de Dezembro) Eleição para o Parlamento Europeu 18 de Junho de 1989 Mapa-Calendário a que se refere o Artº 6º da Lei nº 71/78, de 27 de Dezembro Quadro

Leia mais

Regulamento Eleitoral...

Regulamento Eleitoral... Regulamento Eleitoral... Artigo 1 º. As eleições realizar-se-ão de 3 em 3 anos. Artigo 2º. 1. A data das eleições e o período de funcionamento serão fixados pelo Presidente da Assembleia Geral com a antecedência

Leia mais

Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I. Dos princípios gerais. Artigo 1º. Assembleia Eleitoral

Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I. Dos princípios gerais. Artigo 1º. Assembleia Eleitoral Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I Dos princípios gerais Artigo 1º Assembleia Eleitoral 1 - Em cumprimento do disposto no capítulo sexto dos Estatutos da APM, o presente

Leia mais

Regulamento Eleitoral. Primeira Eleição dos Órgãos Sociais do Clube ANA Madeira

Regulamento Eleitoral. Primeira Eleição dos Órgãos Sociais do Clube ANA Madeira Regulamento Eleitoral Primeira Eleição dos Órgãos Sociais do Clube ANA Madeira 1. Objetivo 1.1. O presente regulamento tem como objetivo regulamentar o processo de eleição dos Órgãos Sociais do Clube ANA

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO

REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO 2008/2010 Apreciado na 33.ª reunião plenária do CDN, em 20 de Março de 2007 e pelo Conselho Nacional de Delegados no dia 31 de Março de 2007. Aprovado em reunião plenária

Leia mais

Regulamento Eleitoral da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Lagos

Regulamento Eleitoral da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Lagos Artigo 1.º Princípios eleitorais O presente regulamento disciplina o processo eleitoral com vista à eleição dos Órgãos Sociais da Associação Humanitária dos Bombeiros. Artigo 2.º Calendário eleitoral O

Leia mais

Notaria de Isaura Abrantes Martins, na cidade de Viana do Castelo.

Notaria de Isaura Abrantes Martins, na cidade de Viana do Castelo. Proposta de Regulamento Eleitoral para a Assembleia Geral Electiva prevista no artigo 10.º dos Estatutos do Viana Remadores do Lima Clube Desportivo Sem Fins Lucrativos 1 a realizar em 27 de Julho de 2013,

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DOS ÓRGÃOS LOCAIS DA JSD MADEIRA

REGULAMENTO ELEITORAL DOS ÓRGÃOS LOCAIS DA JSD MADEIRA REGULAMENTO ELEITORAL DOS ÓRGÃOS LOCAIS DA JSD MADEIRA Artigo 1.º É aprovado como regulamento o documento que regula as eleições dos órgãos locais regionais, nos termos seguintes: Parte I Parte geral Artigo

Leia mais

Regulamento Eleitoral da Associação Cabo-verdiana de Luta Contra o Cancro

Regulamento Eleitoral da Associação Cabo-verdiana de Luta Contra o Cancro Regulamento Eleitoral da Associação Cabo-verdiana de Luta Contra o Cancro CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente Regulamento Eleitoral contém as normas a que devem obedecer

Leia mais

DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL

DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL Aprovado a 29 de Outubro de 2010 CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Objecto 1. O presente Regulamento estabelece os princípios reguladores do processo

Leia mais

Regulamento Eleitoral para a. Eleição dos Órgãos Sociais da. Associação de Professores de Matemática

Regulamento Eleitoral para a. Eleição dos Órgãos Sociais da. Associação de Professores de Matemática Regulamento Eleitoral para a Eleição dos Órgãos Sociais da CAPÍTULO I Dos Princípios Gerais Artigo 1.º Assembleia Eleitoral 1 Em cumprimento do disposto no capítulo sétimo dos Estatutos da Associação de

Leia mais

ulamento Eleitoral ALADI ASSOCIAÇÃO LAVRENSE DE APOIO AO DIMINUIDO II\TELECTUAL

ulamento Eleitoral ALADI ASSOCIAÇÃO LAVRENSE DE APOIO AO DIMINUIDO II\TELECTUAL ALADI ASSOCIAÇÃO LAVRENSE DE APOIO AO DIMINUIDO II\TELECTUAL Re ulamento Eleitoral Capítulo - Disposições gerais Artigo te - Âmbito O presente regulamento contém as normas a que devem obedecer o processo

Leia mais

Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Pedagógico [Alterações aprovadas na reunião nº 9/2013 de 30 de outubro]

Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Pedagógico [Alterações aprovadas na reunião nº 9/2013 de 30 de outubro] ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Pedagógico [Alterações aprovadas na reunião nº 9/2013 de 30 de outubro] Página2 Capítulo I Disposições Gerais

Leia mais

REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB

REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB SECÇÃO I DEFINIÇÕES Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define as normas aplicáveis ao processo de eleição das Comissões de Curso

Leia mais

Regulamento Eleitoral do Conselho Pedagógico da Escola Superior de Gestão de Idanha-a-Nova

Regulamento Eleitoral do Conselho Pedagógico da Escola Superior de Gestão de Idanha-a-Nova Regulamento Eleitoral do Conselho Pedagógico da Escola Superior de Gestão de Idanha-a-Nova Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente regulamento destina-se à eleição dos representantes dos docentes e dos

Leia mais

Artigo 1º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas pelas quais se rege o processo eleitoral para os órgãos da SPG.

Artigo 1º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas pelas quais se rege o processo eleitoral para os órgãos da SPG. REGULAMENTO ELEITORAL SOCIEDADE PORTUGUESA DE GINECOLOGIA (SPG) Artigo 1º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas pelas quais se rege o processo eleitoral para os órgãos da SPG. Artigo 2º Capacidade

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS CARGOS SOCIAIS DA FENACAM - FEDERAÇÃO NACIONAL DAS CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, FCRL. Artigo 1º

REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS CARGOS SOCIAIS DA FENACAM - FEDERAÇÃO NACIONAL DAS CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, FCRL. Artigo 1º V.3-01.11.2012 REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS CARGOS SOCIAIS DA FENACAM - FEDERAÇÃO NACIONAL DAS CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, FCRL Através da vontade expressa dos seus membros em Assembleia-geral de

Leia mais

Regulamento para a eleição dos Diretores de Departamento da Escola de Ciências da Vida e do Ambiente -ECVA-

Regulamento para a eleição dos Diretores de Departamento da Escola de Ciências da Vida e do Ambiente -ECVA- Regulamento para a eleição dos Diretores de Departamento da Escola de Ciências da Vida e do Ambiente -ECVA- Capítulo I Âmbito de aplicação e Princípios Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1. O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS, DE LEIRIA

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS, DE LEIRIA REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS, DE LEIRIA Secção I Do Conselho Técnico-Científico Artigo 1º Composição 1. De acordo com o disposto

Leia mais

Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes

Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes Artº 1º Âmbito de aplicação O presente regulamento eleitoral estabelece as normas relativas à eleição do presidente e vice-presidentes de acordo com

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Eleição dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação para o Conselho Geral do Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira Aprovado pelo Conselho Geral em 24 de setembro de 2015

Leia mais

Regulamento eleitoral para as eleições dos estudantes dos Conselhos Pedagógicos dos Centros de Competência. Preâmbulo

Regulamento eleitoral para as eleições dos estudantes dos Conselhos Pedagógicos dos Centros de Competência. Preâmbulo Regulamento eleitoral para as eleições dos estudantes dos Conselhos Pedagógicos dos Centros de Competência Preâmbulo O artigo 72.º dos Estatutos da Universidade da Madeira prevê que compete à Reunião Geral

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1.º Capacidade Eleitoral 1. São elegíveis para os órgãos sociais da A.A.C.B. apenas pessoas individuais. 2. São eleitores, todos os associados efectivos e extraordinários no

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA

REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA Artigo 1º Objecto 1º. O presente regulamento estabelece os princípios reguladores do processo eleitoral da Federação Portuguesa de Petanca (adiante

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL As eleições para cargos sociais da FENACAM - Federação Nacional das Caixas de Crédito Agrícola Mútuo, Federação de Cooperativas de Responsabilidade Limitada, passam a reger-se pelas disposições legais

Leia mais

Condeixa Aqua Clube Regulamento Eleitoral Extraordinário

Condeixa Aqua Clube Regulamento Eleitoral Extraordinário Condeixa Aqua Clube Regulamento Eleitoral Extraordinário Eleição da Direcção Aprovado em 16/07/2011 De harmonia com a Lei e com o disposto no nº 2 dos Estatutos do CAC, conjugado com os artºs 19º ao 23º,

Leia mais

Regulamento Eleitoral da SFPE Portugal

Regulamento Eleitoral da SFPE Portugal Regulamento Eleitoral da SFPE Portugal Aprovado a aprovado a 11 de julho de 2017 na 2ª Assembleia Geral. CAPÍTULO I Dos Princípios Gerais Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto nos Estatutos da AESCI

Leia mais

REGULAMENTO ELEIÇÃO DO REPRESENTANTE DOS TRABALHADORES NO CONSELHO DE AUDITORIA

REGULAMENTO ELEIÇÃO DO REPRESENTANTE DOS TRABALHADORES NO CONSELHO DE AUDITORIA Área Proponente GGV REGULAMENTO ELEIÇÃO DO REPRESENTANTE DOS TRABALHADORES NO CONSELHO DE AUDITORIA Data de Emissão 02-08-2013 Regulamento Eleitoral Artigo 1.º (Direito de voto) Compete aos trabalhadores

Leia mais

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS 10 de Outubro de MAPA-CALENDÁRIO a que se refere o artº 6º da Lei nº 71/78 de 27 de Dezembro

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS 10 de Outubro de MAPA-CALENDÁRIO a que se refere o artº 6º da Lei nº 71/78 de 27 de Dezembro ELEIÇÕES LEGISLATIVAS 10 de Outubro de 1999 MAPA-CALENDÁRIO a que se refere o artº 6º da Lei nº 71/78 de 27 de Dezembro QUADRO CRONOLÓGICO DAS OPERAÇÕES ELEITORAIS Lei 14/79, de 16 de Maio - alterada pelas

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO NEEGI

REGULAMENTO ELEITORAL DO NEEGI REGULAMENTO ELEITORAL DO NEEGI REFERENTE ÀS ELEIÇÕES PARA OS ÓRGÃOS SOCIAIS PARA O MANDATO 2017/2018 Artigo 1º Objectivo do Documento 1. Serve este documento de Regulamento Eleitoral para as Eleições para

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARCERIA TERRITORIAL ALENTEJO CENTRAL

REGULAMENTO ELEITORAL PARCERIA TERRITORIAL ALENTEJO CENTRAL REGULAMENTO ELEITORAL PARCERIA TERRITORIAL ALENTEJO CENTRAL 2014-2020 ARTIGO PRIMEIRO O Regulamento Eleitoral estabelece as normas que regulam o Processo Eleitoral da Mesa do Conselho de Parceiros, Seis

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL E DE FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO FAPPC 2014

REGULAMENTO ELEITORAL E DE FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO FAPPC 2014 REGULAMENTO ELEITORAL E DE FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO FAPPC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 Artigo 1º - Do âmbito do presente regulamento... 4 Artigo 2º - Do Congresso da Federação... 4

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇAO DOS DIRETORES DOS DEPARTAMENTOS DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO. Artigo 1º (Âmbito) (Princípios)

REGULAMENTO PARA A ELEIÇAO DOS DIRETORES DOS DEPARTAMENTOS DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO. Artigo 1º (Âmbito) (Princípios) REGULAMENTO PARA A ELEIÇAO DOS DIRETORES DOS DEPARTAMENTOS DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO Artigo 1º (Âmbito) O presente Regulamento define os trâmites para as eleições dos Diretores dos Departamentos do Instituto

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL. Representantes dos alunos no Conselho Geral

REGULAMENTO ELEITORAL. Representantes dos alunos no Conselho Geral REGULAMENTO ELEITORAL Representantes dos alunos no Conselho Geral 1 Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento contém as normas a que devem obedecer o processo eleitoral para a eleição dos representantes

Leia mais

ANEXO 2 Regulamento Interno. REGULAMENTO ELEITORAL do CONSELHO GERAL

ANEXO 2 Regulamento Interno. REGULAMENTO ELEITORAL do CONSELHO GERAL ANEXO 2 Regulamento Interno REGULAMENTO ELEITORAL do CONSELHO GERAL AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE ANEXO 2 - REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL 2 CAPÍTULO I - PRINCÍPIOS GERAIS

Leia mais

ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO

ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO REGULAMENTO DE ELEIÇÃO E DESIGNAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº2 DE BEJA Artigo 1.º Objeto 1 - O

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito 1. O presente Regulamento contém as normas e procedimentos a que obedecerá o processo eleitoral para a Mesa da Assembleia-Geral, para

Leia mais

PROPOSTA REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE XADREZ

PROPOSTA REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE XADREZ PROPOSTA DE ASSOCIAÇÃO DISTRITAL DE XADREZ DE BEJA REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE XADREZ Artigo 1º Ano das Eleições 1. As Eleições para a Assembleia Geral e Órgãos Sociais da Federação

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA PIN-ANDEE

REGULAMENTO ELEITORAL DA PIN-ANDEE REGULAMENTO ELEITORAL DA PIN-ANDEE PRÓ-INCLUSÃO - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Artigo 1.º (Objeto) O presente regulamento tem por objeto as normas que regem o processo eleitoral

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL

PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL RESPIRA Associação Portuguesa de Pessoas com DPOC e outras Doenças Respiratórias Crónicas PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL Com a publicação do Decreto-Lei nº. 172-A/2014, de 14 de novembro, e da Lei nº.

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL. Nossa Senhora do Rosário

REGULAMENTO ELEITORAL. Nossa Senhora do Rosário REGULAMENTO ELEITORAL APROSÁRIO Associação de Pais e Encarregados de Educação do Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo I - Disposições gerais Artigo 1º - Âmbito O presente regulamento contém as

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Regulamento Eleitoral para Eleição dos Órgãos Sociais da Casa do Povo de Alvito - IPSS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente regulamento contém as normas a que

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL 2012 REGULAMENTO ELEITORAL ASSOCIAÇÃO DE PATINAGEM DO MINHO Índice CAPÍTULO I (GENERALIDADES)... 3 Artigo 1º (Âmbito de aplicação)... 3 Artigo 2º (Princípios gerais)... 3 Artigo 3º (Dos delegados que compõem

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL. Introdução CAPÍTULO II

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL. Introdução CAPÍTULO II REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL Introdução No cumprimento do disposto no Decreto-Lei n.º 75/2008, de 22 de abril, com a redação dada pelo Decreto- Lei n.º 137/2012, de 2 de julho, o do Agrupamento

Leia mais

Regulamento Eleitoral da Ordem dos Advogados

Regulamento Eleitoral da Ordem dos Advogados Regulamento Eleitoral da Ordem dos Advogados Deliberação n.º 1640/2007 OA (2ª Série), de 27 de Agosto de 2007/ Ordem dos Advogados. Diário da República, S.2 nº 164 (27 de Agosto de 2007), p. 24646-24649.

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Ténis de Mesa MODALIDADE OLÍMPICA CAPITULO I Princípios Gerais Artigo 1º (Objeto) 1. O presente regulamento estabelece os princípios reguladores do processo eleitoral da Federação

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Aprovado em Assembleia Geral Extraordinária 13 Setembro de 2014 Regulamento Eleitoral Página 1 de 8 Artigo 1º Objeto 1º O presente regulamento estabelece os princípios reguladores

Leia mais

ORDEM PROFISSIONAL DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS REGULAMENTO ELEITORAL

ORDEM PROFISSIONAL DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS REGULAMENTO ELEITORAL ORDEM PROFISSIONAL DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS REGULAMENTO ELEITORAL PRAIA CABO VERDE OUTUBRO DE 2012 ORDEM PROFISSIONAL DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO

Leia mais

ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL

ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL (2014/2018) Nos termos do artigo 15º do Decreto-Lei nº 75/2008 de 22 de abril, na redação dada pelo Decreto-Lei n.º 137/2012, de 2 de Julho, o Conselho

Leia mais

CONSELHO GERAL ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL EDITAL

CONSELHO GERAL ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL EDITAL ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL EDITAL Nos termos do artigo 16.º do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas Poeta Joaquim Serra, declaro aberto, com efeitos a contar do dia imediato ao do presente Edital,

Leia mais

NORMAS DE CRIAÇÃO E ELEIÇÕESDOS NÚCLEOS DA SECÇÃO REGIONAL DO NORTE

NORMAS DE CRIAÇÃO E ELEIÇÕESDOS NÚCLEOS DA SECÇÃO REGIONAL DO NORTE NORMAS DE CRIAÇÃO E ELEIÇÕES DOS NÚCLEOS DA SECÇÃO REGIONAL DO NORTE As presentes Normas foram aprovadas em reunião do CDRN da OA em 12 de Janeiro de 2011, e objecto de alteração por deliberação do CDRN

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DOS REPRESENTANTES DOS ESTUDANTES

REGULAMENTO ELEITORAL DOS REPRESENTANTES DOS ESTUDANTES UNIVERSIDADE DO MINHO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL DOS REPRESENTANTES DOS ESTUDANTES DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO NO CONSELHO PEDAGÓGICO MARÇO DE 2011 Regulamento Eleitoral para Eleição dos

Leia mais

Instituto Superior Técnico. Regulamento Eleitoral para a constituição do Conselho Pedagógico do IST. SECÇÃO I (Comissão Eleitoral)

Instituto Superior Técnico. Regulamento Eleitoral para a constituição do Conselho Pedagógico do IST. SECÇÃO I (Comissão Eleitoral) Instituto Superior Técnico Regulamento Eleitoral para a constituição do Conselho Pedagógico do IST SECÇÃO I (Comissão Eleitoral) Artigo 1.º Constituição e Competência 1. O Presidente do IST designará,

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DAMAS

REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DAMAS REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DAMAS Decreto-Lei Nº 93/2014, de 23 de Junho Artigo 33.º [ ] CAPÍTULO I Generalidades Artigo 1º Âmbito de aplicação 1. O presente regulamento estabelece

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO PEDAGÓGICO DO ISGB

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO PEDAGÓGICO DO ISGB FFFF REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO PEDAGÓGICO DO ISGB Artigo 1º Objecto O presente Regulamento estabelece os princípios, as regras e os procedimentos aplicáveis à eleição dos membros do Conselho Pedagógico

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS. Regulamento n.º602/ 2016

ORDEM DOS ADVOGADOS. Regulamento n.º602/ 2016 Regulamento n.º 602/2016 (Série II), de 20 de Junho de 2016 / Ordem dos Advogados Regulamento Eleitoral. Diário da República - Série II - n.º 116 (20-06-2016), p. 19152-19155. ORDEM DOS ADVOGADOS Regulamento

Leia mais

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO ELEITORAL

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO ELEITORAL PROPOSTA DE ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO ELEITORAL O Decreto-Lei n.º 310/09, de 26 de Outubro, introduz profundas alterações ao Estatuto da então Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, nomeadamente a mudança

Leia mais

Artigo 1.º. Artigo 2.º

Artigo 1.º. Artigo 2.º REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL DA MESA DA ASSEMBLEIA GERAL, DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DO CONSELHO FISCAL DA PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA (PPA) Artigo 1.º 1. A eleição da Mesa da Assembleia Geral,

Leia mais

Regulamento Eleitoral da Associação de Atletismo de Braga

Regulamento Eleitoral da Associação de Atletismo de Braga Regulamento Eleitoral da Associação de Atletismo de Braga Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento estabelece os princípios reguladores do processo eleitoral da Associação de Atletismo de Braga (adiante

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA A CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE LOURES 1. OBJETO

REGULAMENTO ELEITORAL PARA A CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE LOURES 1. OBJETO REGULAMENTO ELEITORAL PARA A CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE LOURES 1. OBJETO O presente Regulamento rege a eleição para o Conselho Geral dos representantes do pessoal

Leia mais

Agrupamento de Escolas José Estêvão. Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral

Agrupamento de Escolas José Estêvão. Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral Agrupamento de Escolas José Estêvão Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral Secção I Disposições gerais Artigo 1º Objeto O presente regulamento estabelece as condições e procedimentos

Leia mais

Regulamento Eleitoral da

Regulamento Eleitoral da Regulamento Eleitoral da ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA O DESENVOLVIMENTO DA ANIMAÇÃO SÓCIO-CULTURAL Artigo 1 º. As eleições realizar-se-ão todos os anos. Artigo 2º. 1. A data das eleições e o período de funcionamento

Leia mais

Eleição para os órgãos colegiais de governo da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (Ato eleitoral em 30 de Outubro de 2013)

Eleição para os órgãos colegiais de governo da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (Ato eleitoral em 30 de Outubro de 2013) ASSEMBLEIA DA FMUC Eleição para os órgãos colegiais de governo da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (Ato eleitoral em 30 de Outubro de 2013) REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I Princípios Gerais

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. CARLOS I CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL. Preâmbulo. CAPÍTULO I Objeto e composição. Artigo 1.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. CARLOS I CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL. Preâmbulo. CAPÍTULO I Objeto e composição. Artigo 1. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. CARLOS I CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL Preâmbulo O conselho geral é o órgão de direção estratégica responsável pela definição das linhas orientadoras da atividade da escola,

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DOS NÚCLEOS DE CURSO DA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL MANDATO 2017

REGULAMENTO ELEITORAL DOS NÚCLEOS DE CURSO DA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL MANDATO 2017 REGULAMENTO ELEITORAL DOS NÚCLEOS DE CURSO DA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL MANDATO 2017 Artigo 1.º Âmbito 1 As disposições do presente Regulamento aplicam-se à eleição dos Núcleos

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS e MODELOS EXEMPLIFICATIVOS. Com base no texto da nova lei eleitoral aprovada pela Lei Orgânica nº 1/2001, de 14 de Agosto.

NOTAS EXPLICATIVAS e MODELOS EXEMPLIFICATIVOS. Com base no texto da nova lei eleitoral aprovada pela Lei Orgânica nº 1/2001, de 14 de Agosto. PROCESSO DE CANDIDATURA DE GRUPOS DE CIDADÃOS INDEPENDENTES NOTAS EXPLICATIVAS e MODELOS EXEMPLIFICATIVOS Com base no texto da nova lei eleitoral aprovada pela Lei Orgânica nº 1/2001, de 14 de Agosto.

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA APEPCCA ASSOCIAÇÃO DOS PROFESSORES DO ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO COM CONTRATO DE ASSOCIAÇÃO

REGULAMENTO ELEITORAL DA APEPCCA ASSOCIAÇÃO DOS PROFESSORES DO ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO COM CONTRATO DE ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL DA APEPCCA ASSOCIAÇÃO DOS PROFESSORES DO ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO COM CONTRATO DE ASSOCIAÇÃO Capítulo I Princípios eleitorais Artigo 1º - Âmbito O presente regulamento contém

Leia mais

CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I. Objeto. CAPÍTULO II Abertura do processo eleitoral

CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I. Objeto. CAPÍTULO II Abertura do processo eleitoral CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I Objeto Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas aplicáveis ao processo de eleição dos representantes dos alunos e dos pais e encarregados

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Proposta de Regulamento Eleitoral das eleições primárias abertas a militantes e simpatizantes do PS para a designação do candidato do PS ao cargo do Primeiro-Ministro CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo

Leia mais

Associação de Ciclismo da Beira Interior REGULAMENTO ELEITORAL

Associação de Ciclismo da Beira Interior REGULAMENTO ELEITORAL Associação de Ciclismo da Beira Interior REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1.º Capacidade Eleitoral 1. São elegíveis para os órgãos sociais da ACBI apenas pessoas individuais. 2. São eleitores, todos os associados

Leia mais

Artigo 1.º Composição do conselho técnico-científico. 1- Os CTC das Escolas do ISEC são constituídos, no seu primeiro mandato por 20 (vinte) membros:

Artigo 1.º Composição do conselho técnico-científico. 1- Os CTC das Escolas do ISEC são constituídos, no seu primeiro mandato por 20 (vinte) membros: REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DO CORPO DOCENTE PARA OS CONSELHOS TÉCNICO-CIENTÍFICO das ESCOLAS do INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS O presente regulamento rege a eleição para o Conselho

Leia mais

Regulamento Eleitoral dos Órgãos dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa

Regulamento Eleitoral dos Órgãos dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa Regulamento Eleitoral dos Órgãos dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa Índice Título 1 Âmbito Capítulo 1 Âmbito e Capacidade Eleitoral Art.º 1 - Âmbito do Regulamento Capítulo 2 Capacidade

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO ELEITORAL DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO ELEITORAL DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Eleições 1 - As eleições para os órgãos da Ordem realizar-se-ão no mês de novembro do ano em que termina o mandato dos órgãos eleitos em data designada

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA ORDEM DOS ARQUITECTOS

REGULAMENTO ELEITORAL DA ORDEM DOS ARQUITECTOS REGULAMENTO ELEITORAL DA ORDEM DOS ARQUITECTOS Apreciado na XX reunião plenária do CDN, em XX de XXXX de XXXX, e pelo Conselho Nacional de Delegados no dia XX de XXXX de XXXX. Aprovado em reunião plenária

Leia mais

Esclarecimentos sobre o acto eleitoral para quem vota no estrangeiro

Esclarecimentos sobre o acto eleitoral para quem vota no estrangeiro Arquivo Municipal de Lisboa Arquivo Fotográfico Benoliel, Joshua Cota JBN000444 A4228 22 e 23 de Janeiro de 2011 Eleição do Presidente da República Esclarecimentos sobre o acto eleitoral para quem vota

Leia mais

Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Medicina de Lisboa. Regulamento Eleitoral CAPÍTULO I

Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Medicina de Lisboa. Regulamento Eleitoral CAPÍTULO I Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Medicina de Lisboa Regulamento Eleitoral CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º Objeto O presente regulamento estabelece os princípios, as regras e os procedimentos

Leia mais

C O N S E L H O G E R A L. Regulamento para eleição do Conselho Geral

C O N S E L H O G E R A L. Regulamento para eleição do Conselho Geral C O N S E L H O G E R A L Regulamento para eleição do Conselho Geral Regulamento para eleição do Conselho Geral Artigo 1.º (Regulamento eleitoral) estipulado no artigo 22º do RI 1. O processo eleitoral

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL 2014

REGULAMENTO ELEITORAL 2014 REGULAMENTO ELEITORAL 2014 Artigo 1.º Organização 1. A organização das eleições é da competência do Conselho Diretivo Nacional da OET Ordem dos Engenheiros Técnicos, doravante designado por Conselho Diretivo

Leia mais

Casa do Professor REGULAMENTO ELEITORAL CASA DO PROFESSOR

Casa do Professor REGULAMENTO ELEITORAL CASA DO PROFESSOR Casa do Professor REGULAMENTO ELEITORAL CASA DO PROFESSOR Aprovado em reunião da Assembleia Geral de 27 de março de 2012 ÍNDICE I. Artigo 1.º Capacidade Eleitoral Ativa 2 II. Artigo 2.º Capacidade Eleitoral

Leia mais

Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro

Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro O Regulamento Geral de Estudos da Universidade de Aveiro, aprovado em, publicado no Diário da República

Leia mais

Regulamento de Eleição do Estudante Delegado do Curso Escola Superior de Artes e Design de Caldas da Rainha Instituto Politécnico de Leiria

Regulamento de Eleição do Estudante Delegado do Curso Escola Superior de Artes e Design de Caldas da Rainha Instituto Politécnico de Leiria Regulamento de Eleição do Estudante Delegado do Curso Escola Superior de Artes e Design de Caldas da Rainha Instituto Politécnico de Leiria Preâmbulo Prevê o n.º 4 do artigo 35º dos Estatutos da Escola

Leia mais

Instituto Superior Técnico. Regulamento para Eleição e Cooptação dos Membros do Conselho de Escola do IST. SECÇÃO I (Comissão Eleitoral)

Instituto Superior Técnico. Regulamento para Eleição e Cooptação dos Membros do Conselho de Escola do IST. SECÇÃO I (Comissão Eleitoral) Instituto Superior Técnico Regulamento para Eleição e Cooptação dos Membros do Conselho de Escola do IST SECÇÃO I (Comissão Eleitoral) Artigo 1.º Constituição e Competência 1. O Presidente do IST designará,

Leia mais

Regulamento Eleitoral da Santa Casa da Misericórdia de Moura Lar de São Francisco

Regulamento Eleitoral da Santa Casa da Misericórdia de Moura Lar de São Francisco Regulamento Eleitoral da Santa Casa da Misericórdia de Moura Lar de São Francisco Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Âmbito) 1 O presente Regulamento rege e organiza o processo eleitoral da Santa

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS MEMBROS DO SENADO ACADÉMICO. Artigo 1.º. Objeto

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS MEMBROS DO SENADO ACADÉMICO. Artigo 1.º. Objeto REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS MEMBROS DO SENADO ACADÉMICO (Aprovado em reunião do Senado Académico de 2 de fevereiro de 2012) Artigo 1.º Objeto O presente regulamento rege a eleição dos representantes dos

Leia mais

Casa do Povo de Fermentões

Casa do Povo de Fermentões REGULAMENTO ELEITORAL da Casa do Povo de Fermentões Artigo 1.º (Realização das eleições) 1 - Salvo disposição estatutária em contrário, devem realizar-se eleições em cada Casa do Povo, para a totalidade

Leia mais

(a que se refere o nº 2 do Art. 19 dos Estatutos)

(a que se refere o nº 2 do Art. 19 dos Estatutos) REGULAMENTO ELEITORAL (a que se refere o nº 2 do Art. 19 dos Estatutos) ARTIGO 1 (ÂMBITO) 1. O presente regulamento estabelece as normas a que deve obedecer o processo respeitante às eleições para a Mesa

Leia mais

VI CONGRESSO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO

VI CONGRESSO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO VI CONGRESSO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO Capítulo I Objetivos, data e local de realização Artigo 1.º Objetivos O Congresso tem como objetivos pronunciar-se sobre o exercício da solicitadoria, sobre questões

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Despacho Presidente n.º 2015/39 Calendário eleitoral para a eleição dos representantes dos estudantes no Conselho Geral e no Conselho Pedagógico da Escola Superior de Enfermagem do Porto Considerando o

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA ASSOCIAÇÃO DE PARALISIA CEREBRAL DE LISBOA APCL. Capitulo I Disposições gerais. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO ELEITORAL DA ASSOCIAÇÃO DE PARALISIA CEREBRAL DE LISBOA APCL. Capitulo I Disposições gerais. Artigo 1º Âmbito REGULAMENTO ELEITORAL DA ASSOCIAÇÃO DE PARALISIA CEREBRAL DE LISBOA Capitulo I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento visa regular o processo eleitoral dos Órgãos Sociais da Associação

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE COMUNICAÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I. Disposições Gerais. Art.º 1. Âmbito de aplicação

REGIMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE COMUNICAÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I. Disposições Gerais. Art.º 1. Âmbito de aplicação REGIMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE COMUNICAÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I Disposições Gerais Art.º 1 Âmbito de aplicação O presente regimento estabelece as normas de funcionamento do

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL. Artigo 1.º. Objeto

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL. Artigo 1.º. Objeto AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define o processo eleitoral dos membros do Conselho Geral referido nos artigos

Leia mais

REGULAMENTO PARA A PRIMEIRA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES AO CONSELHO GERAL. ARTIGO 1. Objecto

REGULAMENTO PARA A PRIMEIRA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES AO CONSELHO GERAL. ARTIGO 1. Objecto REGULAMENTO PARA A PRIMEIRA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES AO CONSELHO GERAL ARTIGO 1. Objecto O presente Regulamento tem por objecto a eleição dos representantes dos professores e investigadores, dos representantes

Leia mais