ESTUDO DA GRAMATICALIZAÇÃO DO TERMO/EXPRESSÃO TIPO ASSIM EM O DIÁRIO DE TATI 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DA GRAMATICALIZAÇÃO DO TERMO/EXPRESSÃO TIPO ASSIM EM O DIÁRIO DE TATI 1"

Transcrição

1 ESTUDO DA GRAMATICALIZAÇÃO DO TERMO/EXPRESSÃO TIPO ASSIM EM O DIÁRIO DE TATI 1 Tárcia Priscila Lima Dória 2 Valéria Rios Oliveira Alves 3 RESUMO: Este trabalho tem por objetivo analisar, sob o olhar da gramaticalização e dadiscursivização, os usos do item tipo, bem como, da expressão tipo assim no português do Brasil. Utilizamos como amostra, para nossas análises, as ocorrências dessa expressão em narrativas ficcionais que compõem o livro O diário de Tati, material representativo da linguagem coloquial dos adolescentes brasileiros contemporâneos. Para as análises, tomamos como modelo principal o estudo realizado por Bittencourt (1999), que examinou os usos do item/expressão tipo (assim) em diferentes corpora de língua falada, atestando os estágios do processo de gramaticalização já alcançados. Os dados analisados revelam que o termo/expressão, ora analisado, parece seguir a direção do processo de discursivização: léxico > gramática > discurso. O trabalho está organizado em quatro seções. Na primeira, discorremos, brevemente acerca do paradigma funcional na linguística, no qual se insere os estudos da gramaticalização; na segunda, definimos processo de gramaticalização e apontamos os princípios que regem esse processo; na terceira seção, apresentamos a descrição do corpus a ser analisado; na quarta, finalmente, analisamos os dados por nós coletado à luz dos estudos realizados por Bittencourt (1999). A essas seções, seguem breves considerações, à guisa de conclusão. De acordo com as análises expostas neste trabalho, e, a partir dos estudos de Bittencourt (1999), Castelano e Ladeira (2010), entendemos que o item lexical tipo vem se desprendendo de seu estatuto nominal de origem, passando por um processo de deslexicalização, assumindo traços gramaticais e pragmáticos, levando-se em conta também, sua agregação, em certos contextos, ao advérbio de modo assim. Observa-se que no português do Brasil as diferentes formas coexistem, de maneira que é possível identificarmos usos tanto do tipo como um substantivo pleno, como em funções mais gramaticais, ou ainda, sem função gramatical demarcada no interior da sentença, atuando como marcador discursivo. PALAVRAS-CHAVE: funcionalismo; gramaticalização; discursivização; tipo assim. RESUMEN: Este trabajo tiene como objetivo analizar, bajo la mirada de estudiar y dadiscursivização, usos del tipo de elemento, así como el tipo de expresión en portugués de Brasil. Hemos usado el ejemplo de nuestro análisis, la aparición de las palabras en forma ficticia narrativas que componen el libro "El diario de Tati", representante de lenguaje coloquial de los adolescentes brasileños contemporáneos. Para el análisis, se toma como modelo el principal estudio realizado por Bittencourt (1999), en la que se examinaron los usos del tema/tipo de expresión (tan) en diferentes corpus de lengua hablada, mostrando las diferentes etapas del proceso estudiado ya ha alcanzado. Los datos analizados revelan que la palabra/expresión, hemos analizado, parece seguir la dirección del proceso de discursivização: léxico gramática > > discurso. El trabajo está organizado en cuatro secciones. En la primera, hemos hablado 1 Artigo produzido na disciplina Gramaticalização, do mestrado em Estudos Linguísticos, da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), orientado pela professora doutora Josane Oliveira. 2 Mestra em Estudos Linguísticos pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). 3 Mestra em Estudos Linguísticos pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

2 brevemente sobre el paradigma funcional de la lingüística, en los que los estudios de estudiado; en el segundo, definir el proceso estudiado y hemos hablado de los principios que rigen este proceso; en la tercera sección, se presenta una descripción de los corpus que deben ser examinados, en el cuarto, por último, se analizaron los datos recolectados a la luz de los estudios realizados por Bittencourt (1999). Estas secciones, tras unos breves comentarios, a modo de conclusión. De acuerdo con el análisis expuesto en este trabajo, y, desde los estudios de Bittencourt (1999), Castelano y Hill (2010), creemos que el tipo de elemento léxico se desgarro de su estado nominal de origen, pasando por un proceso de deslexicalização, suponiendo que los guiones gramatical y pragmático, teniendo en cuenta además, su agregación, en ciertos contextos, el adverbio de modo. Se observó que en portugués de Brasil las diferentes formas coexisten, de manera que puede determinar usos tanto el tipo como un sustantivo, como en funciones gramaticales, o más aún, sin función gramatical demarcada dentro de una frase, actuando como marcador discursivo. PALABRAS-CLAVE: funcionalismo; estudiados; discursivização; escriba así. INTRODUÇÃO Este texto constitui-se de um exercício de reflexão, resultante de estudos empreendidos ao longo da disciplina Sociolinguística e processos de gramaticalização, ministrada pela professora Dra. Josane Moreira de Oliveira. Dentre as várias possibilidades de estudo sob o olhar teórico da gramaticalização, optamos por averiguar os usos do termo/expressão tipo (assim), uma vez que esta tem sido uma expressão bastante recorrente na fala e, por vezes, na escrita informal de falantes brasileiros. Tomamos como fundamentação teórica para esta reflexão, autores como: Pezatti (2007) que nos ajuda a compreender o trajeto dos estudos linguísticos até a assunção da visão funcionalista; Hopper (1991) de quem trazemos os princípios que regem a gramaticalização; e, finalmente, Bittencourt (1999) que nos apresenta um modelo de análise para os usos de tipo no português coloquial do Brasil. Este artigo está organizado em quatro seções. Na primeira, discorremos, brevemente acerca do paradigma funcional na linguística, no qual se insere os estudos da gramaticalização; na segunda, definimos processo de gramaticalização e apontamos os princípios que regem esse processo; na terceira seção, apresentamos a descrição do corpus a ser analisado; na quarta, finalmente, analisamos os dados por nós coletado à luz dos estudos realizados por Bittencourt (1999). A essas seções, seguem breves considerações, à guisa de conclusão. Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

3 1 O PARADIGMA FUNCIONAL NA LINGUÍSTICA A tradição das pesquisas linguísticas nos mostra que os estudos pragmáticos, isto é, aqueles voltados para a linguagem em situação real de uso, nem sempre foram predominantes como hoje se vê. Sabe-se que durante longos anos as pesquisas linguísticas estiveram fortemente inspiradas pela abordagem formalista, dentro da qual se desenvolveram importantes correntes teóricas como o estruturalismo de Saussure e, mais tarde, o gerativismo de Chomsky, ambos voltados para os estudos imanentes da língua, tomando-a enquanto sistema abstrato, homogêneo e estável, não levando em consideração as relações entre linguagem e contexto de uso. A partir dessa abordagem, o foco recai sobre a observação das características estruturais de uma língua, ignorandose as análises os aspectos relacionados ao uso. Na segunda metade do século XX, no entanto, um novo paradigma passa a influenciar mais fortemente a ciência da linguagem, uma vez que as teorias formalistas não davam conta de explicar toda a complexidade dos fenômenos linguísticos. Assim, com as diversas abordagens teóricas abrigadas na corrente funcionalista, os usos linguísticos ganham um lugar de destaque nas análises, provocando o surgimento de novas subáreas na linguística que se ocupassem em observar, descrever e analisar a língua em seu contexto social. Deste modo, as tendências formalistas da linguística, compreendidas especialmente no estruturalismo e no gerativismo que tomavam como objeto de análise apenas a estrutura da língua, estabelecendo rígidas distinções entre língua e fala/competência e desempenho, foram aos poucos perdendo espaço para as tendências de enfoque funcionalista que reconhecem a importância dos usos e de suas condições de produção, tomando-os como objeto de estudo. Segundo Pezatti (2007) a desconsideração da teoria gerativa por questões discursivas provocou na linguística uma reação generalizada que desencadeou o surgimento de várias tendências, como a Sociolinguística, a Linguística Textual, a Análise do Discurso, a Análise da Conversação, entre outras. Como se vê, são muitos modelos teóricos abrigados sob uma mesma corrente, sendo impossível referir-se a uma Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

4 teoria funcional homogênea. Entretanto, cabe lembrar, ainda segundo a autora que embora sejam várias as vertentes funcionalistas, todas apresentam uma base em comum: a de que uma análise linguística deve levar em conta a interação social, isto é, a consideração metodológica de que o componente discursivo desempenha um papel preponderante na gramática de uma língua. Uma vez que o paradigma funcional concebe a linguagem como um instrumento de comunicação e de interação social, é natural que o seu objeto de estudo seja baseado no uso real. Podemos entender, portanto, que uma das preocupações centrais da abordagem funcionalista é examinar a maneira como determinada língua é usada por seus falantes em situações de comunicação, interessando-lhe os propósitos e intenções do falante no momento da enunciação. Para os funcionalistas, o que importa é o uso das expressões linguísticas na interação verbal, pois é nela que se estabelecem as relações comunicativas entre os sujeitos. Ainda com base em Pezatti (2007, p. 168), parece-nos fundamental observar que para a corrente funcionalista, O princípio de que toda a explicação linguística deve ser buscada na relação entre linguagem e uso, ou na linguagem em uso no contexto social, torna obrigatória a tarefa de explicar o fenômeno linguístico com base nas relações que, no contexto sócio-interacional, contraem falante, ouvinte e a pressuposta informação pragmática entre ambos. Dentro desse paradigma, entende-se que também a gramática emerge do uso. É afiliada aos estudos de natureza funcionalista que surge a gramaticalização, vertente que estuda processos de mudança linguística, a partir dos quais, itens lexicais passam a assumir funções gramaticais. Nesses estudos, observam-se não só aspectos relacionados ao caráter funcional da língua, mas também à sua dinamicidade. De acordo com Martellota, Votre e Cezario (1996, p. 26) A gramaticalização é uma manifestação do aspecto não-estático da gramática, uma vez que ela demonstra que as línguas estão em constante mudança em conseqüência de uma incessante busca de novas expressões e que, portanto, nunca estão definitivamente estruturadas.tem-se por princípio, assim como em todos os estudos sociolinguísticos, o caráter dinâmico e variável das línguas naturais. Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

5 Na seção 2, buscaremos trazer com mais clareza a definição e os princípios que regem a gramaticalização, tocando também em um processo paralelo, o da discursivização. 2 GRAMATICALIZAÇÃO E DISCURSIVIZAÇÃO 2.1 SOBRE A GRAMATICALIZAÇÃO: DEFINIÇÃO E PRINCÍPIOS De maneira bastante simplista, podemos afirmar que a gramaticalização pode ser definida como o processo de mudança linguística que ocorre quando um item lexical adquire, em certos contextos, funções gramaticais ou quando um item gramatical se torna ainda mais gramatical. Entendemos que um item lexical é aquele que contém uma carga semântica expressiva, tais como os substantivos, adjetivos e verbos. Já um item gramatical, seria aquele que serve de acessório aos itens lexicais, ligando orações, determinando nomes, tais como as conjunções, as preposições, os artigos, os advérbios, etc. que dependem necessariamente daqueles para terem significado. Seguimos assim, a mesma definição de Gonçalves et al. (2007, p. 17) que consideram, [...] o predicado ser lexical identifica categorias prototípicas cujas propriedades fazem referência a dados do universo bio-psíquico-social, designando entidades, ações, processos, estados e qualidades, enquanto o predicado ser gramatical identifica categorias prototípicas, cujas propriedades cuidam de organizar, no discurso, os elementos de conteúdo, por ligarem palavras, orações e partes do texto, marcando estratégias interativas na codificação de noções como tempo, aspecto, modo, modalidade, etc. A gramaticalização investiga, então, o percurso que o item lexical atravessa até se tornar um item gramatical, ou ainda o caminho que percorre um item gramatical a um status mais gramatical. Traugott e König (1991, apud. PEZATTI, 2007) afirmam que a gramaticalização é um processo dinâmico, unidirecional e diacrônico mediante o qual, na evolução temporal, um item lexical adquire um estatuto gramatical. Embora o processo seja definido numa perspectiva diacrônica, esse estudo pode se dar tanto sob a perspectiva diacrônica como sincrônica ou mesmo pancrônica. Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

6 Hopper (1991) sugere cinco princípios que ajudam a identificar estágios de gramaticalização na língua em uso, a saber: estratificação, divergência, especialização, persistência e descategorização. Parafraseando Gonçalves et al. (2007) passamos a descrever tais princípios. a) estratificação: segundo este princípio, em meio ao processo de gramaticalização, novas camadas ou novas formas surgem no sistema linguístico, coexistindo com formas antigas. Assim, formas antigas não são descartadas imediatamente, o que favorece sua interação com formas emergentes, estabelecendo uma relação de alternância ou convivência entre as duas estratégias. b) divergência: proveniente do primeiro, por este princípio, também entende-se que há uma coexistência das formas novas e formas originais em um domínio funcional amplo, no entanto, mesmo com a gramaticalização, a forma original do item se mantém plena. c) especialização: entende-se, a partir deste princípio, que com o processo de gramaticalização pode haver, em alguns contextos, o estreitamento entre as opções de escolha, fazendo com que uma das formas se torne obrigatória. d) persistência: postula-se, por este princípio, que há uma manutenção de traços semânticos da forma-fonte na forma gramaticalizada, podendo ocorrer restrições sintáticas para o uso desta última, como por exemplo, a não admissão de modificação por quantificadores, numerais, especificadores, diferentemente da forma-fonte que não apresenta tais restrições. e) descategorização: este princípio se caracteriza pela perda, por parte da forma em processo de gramaticalização, dos marcadores opcionais de categorialidade e de autonomia discursiva. Assim, as formas originais perdem ou neutralizam marcas morfológicas e sintáticas características das categorias plenas como nome e verbo, e assumem características próprias de categorias secundárias como advérbios, pronomes, preposições, etc. Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

7 Além dos princípios propostos por Hopper, consideramos relevante mencionar os mecanismos postulados por Heine (2003) segundo os quais a estrutura dos itens linguísticos pode ser afetada, seriam eles, a semântica, a sintaxe, a morfologia, a pragmática. O autor sugere quatro fatores que influenciariam esse processo: a dessemantização ou [bleaching] semântico, que diz respeito à perda de conteúdo semântico por determinado item linguístico que perde sua referência concreta, passando a carregar uma referência mais abstrata; a decategorização, entendida assim como em Hopper; a extensão, pela qual um item passa a ser usado em contextos que antes não eram possíveis na interação verbal; e a erosão que consiste na perda de substância fonética. Em síntese, é possível dizer que o processo de gramaticalização pode ser encontrado em todas as línguas, podendo envolver qualquer tipo de função gramatical. Entendemos, a partir dos autores citados, que através desse processo, itens lexicais e construções sintáticas podem assumir funções diferentes de sua forma original, na organização interna do discurso ou outras estratégias comunicativas. 2.2 O PROCESSO DE DISCURSIVIZAÇÃO Além do processo de gramaticalização que buscamos definir no tópico anterior, julgamos necessário, por conta do item/expressão que escolhemos analisar neste trabalho, trazer breves definições de um processo paralelo àquele, o da discursivização. De acordo com Martelotta, Votre e Cezario (1996) Gramaticalização e discursivização constituem processos especiais de mudança lingüística. Gramaticalização leva itens lexicais e construções sintáticas a assumir funções referentes à organização interna do discurso ou a estratégias comunicativas. Discursivização leva o item a assumir função de marcador discursivo, modalizando ou reorganizando a produção da fala, quando a sua linearidade é momentaneamente perdida, ou servindo para preencher o vazio causado por essa perda da linearidade. Esses mesmos autores, analisando o uso de assim, observam que a trajetória do processo de discursivização é marcada por uma passagem do léxico para o discurso, via Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

8 gramática. Ou seja, um elemento, inicialmente lexical, passa a ser usado com função gramatical e, em seguida, assume função de marcador. Teríamos, portanto, o seguinte esquema representativo da direção da mudança neste processo: léxico > gramática > discurso. Entende-se, então, que os pontos de partida da discursivização tendem a ser elementos lexicais que apresentam um valor semântico que se presta a ser estendido para usos interativos e discursivos. (MARTELOTTA; VOTRE; CEZARIO, 1996, p. 39). Conforme veremos nas análises dos dados, esse parece ser o caminho percorrido pelo item tipo e pela expressão tipo assim, uma vez que percebemos uma tendência muito maior de uso desses elementos como marcadores discursivos. 3 CARACTERIZAÇÃO E DESCRIÇÃO DO CORPUS NESSE ESTUDO Nosso estudo tem por propósito estudar a diversificação semântica e funcional que o termo ou expressão tipo (assim) vem assumindo no português do Brasil, mais notadamente no discurso de adolescentes e jovens em contextos informais. Essa expressão é, geralmente, uma marca da oralidade, no entanto, já é possível notar sua presença em registros escritos. Nesse artigo, tomamos como objeto de análise o livro O diário de Tati de autoria da escritora e atriz Heloísa Périssé (2003), criadora da personagem Tati, uma típica adolescente da classe média brasileira, que resolve escrever um diário confidencial para contar as experiências de seu dia a dia. A personagem adolescente foi criada no ano 2000 pela escritora e acabou estreando, simultaneamente, em 2001, no teatro com a peça Cócegas e no programa televisivo Escolinha do professor Raimundo. Entretanto, o sucesso nos palcos e no programa, por conta da identificação do público jovem e adolescente com a linguagem e o comportamento da personagem, fez com que Tati se transformasse no ano seguinte em um dos quadros mais populares do Fantástico, programa semanal de televisão. Em 2003, O diário de Tati foi lançado como livro pela editora Objetiva e, finalmente, em Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

9 2012, foi lançado como longa-metragem no cinema, o que comprova a aceitação obtida pela personagem criada por Périssé. O livro, material analisado aqui, é composto de 126 páginas e foi produzido no formato de um diário pessoal, seguindo as características do gênero, sendo assim, é constituído do registro das vivências e sentimentos da protagonista, feito em anotações curtas, organizadas em ordem cronológica com o predomínio da linguagem informal e escritas em primeira pessoa. Embora seja um material escrito, as anotações de Tati assemelham-se ao registro de conversas informais, uma vez que a personagem sempre se refere ao seu diário como um amigo, apelidado por ela de Di, com quem estabelece seus diálogos sobre os acontecimentos do dia. Como exemplificamos no trecho a seguir: Fala sério, a vida te reserva tantas coisas maneiras, que cara, é lance você guardar isso não só na memória, mas tipo assim, escrevendo mesmo. A partir de hoje eu vou ter mais esse grande amigo na minha vida, que é você, Diário. Mas cara, Diário é muito formal, eu vou te chamar de Di, afinal de contas, é superfofo você ter apelidinhos para seus amigos mais íntimos. (PÉRISSÉ, 2003, p. 5) Escolhemos o livro como corpus de nossa análise, primeiro, por considerarmos um material representativo da modalidade oral coloquial dos adolescentes brasileiros da atualidade. Outro motivo, não menos relevante, que influenciou nossa escolha reside na grande quantidade de ocorrências do termo/expressão tipo (assim), tendo sido encontrados setenta enunciados com tipo, sendo sessenta e quatro da expressão tipo assim e seis do termo tipo, desacompanhado do advérbio de modo. Dessas ocorrências, selecionamos vinte exemplos para serem analisados. Para as análises que faremos na seção subsequente, tomamos como modelo, os estudos realizados por Bittencourt (1999) que realizou suas pesquisas em dados de fala de adolescentes, registrando diversos usos do termo/expressão tipo (assim), com o objetivo de averiguar o grau e a qualidade da sua deslexicalização nos planos intra- e inter-sentencial estendendo-se às esferas discursivo-textual e conversacional. 4 ANÁLISE DOS DADOS Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

10 Antes de passarmos às análises, propriamente ditas, julgamos importante ressaltar a relevância de se estudar o uso desse termo/expressão pelo viés da gramaticalização, a fim de se perceber que se trata de um processo natural de mudança linguística, ocorrido e constatado em diversos outros itens, já gramaticalizados e plenamente aceitos pela gramática normativa. Chamamos a atenção para isso, pois o uso de tipo ou tipo assim por jovens e adolescentes é visto, por muitos, como um acinte à norma culta, sendo rotulado de forma bastante preconceituosa, como podemos perceber na acepção que trazemos a seguir, registrada no Dicionário informal 4, que traz como significados de tipo, expressão idiomática, indicando miséria vernacular absoluta [...] pense num desconhecimento bem enorme de grande e eleve ao infinito..., já pensou? Pois é, é muito mais infinitamente maior é... tipo. (sic. Disponível em: Infelizmente, acepções como esta são comuns também em jornais, revistas e programas de televisão, nos quais professores de gramática, ou mesmo jornalistas são, constantemente, convocados a apreciar determinados desmandos linguísticos. Todavia, concordamos com Bittencourt (1999, p. 70), ao afirmar que [...] um exame mais acurado de ocorrências como essas nos leva ao reconhecimento de que estamos, muitas vezes, em face a um processo de alteração que consubstancia um distanciamento semântico, fônico e morfossintático de alguns desses termos e expressões, relativamente ao seu item lexical-fonte, em direção a novas funções não só de caráter gramatical como discursivo e conversacional. Dessa forma, é inadmissível que os usos de quaisquer expressões, como é o caso de tipo ou tipo assim, sejam avaliados tão negativamente, uma vez que são resultantes de processos de mudança linguística naturais. Os estudos de gramaticalização podem contribuir na elucidação de alguns fenômenos, ajudando a compreender os diferentes usos que um termo ou expressão podem assumir no sistema linguístico. 4 O Dicionário informal é um dicionário de português gratuito para internet, onde as palavras são definidas pelos usuários. De acordo com a página inicial do site, trata-se de uma iniciativa de documentar on-line a evolução do português. No entanto, o que percebemos, é que, como qualquer pessoa pode acessar e atribuir definições aos termos, se verifica um desconhecimento em relação ao que seria a evolução do português, de forma que muitas palavras recebem acepções incabíveis do ponto de vista dos estudos linguísticos funcionais, como no exemplo que ilustramos no texto. Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

11 Começando pelo item lexical fonte, temos as seguintes acepções para o item tipo, encontradas no Dicionário Aurélio (2005, p. 848, 849) ti.po subst.. masc. 1. Coisa que reúne em si os caracteres distintivos duma classe. 2. Exemplar, modelo. 3. Popular Pessoa esquisita, excêntrica. 4. Qualquer indivíduo. 5. Ciências naturais Espécime que é tido como padrão de uma espécie. 6. Peça de metal fundida, cujo relevo imprime determinada letra ou sinal. 7. Letra impressa; caractere. De acordo com as definições acima, observamos que o termo tipo originalmente é empregado como um substantivo, categoria gramatical plena, autônoma, possuindo uma carga semântica expressiva. Hoje, este termo tem sido empregado muito comumente em conversas entre adolescentes, jovens e mesmo adultos, mas com um sentido bastante diferente de sua forma-fonte, caracterizando o que Heine et al. (1991, apud GONÇALVES et al. 2007) chama de desbotamento semântico, o que significa que o item perdeu sua carga semântica original, assumindo caráter cada vez mais gramatical. Bittencourt (1999, p ) traz como exemplos os casos de gramaticalização em itens como: inclusive, a nível de, de repente e onde, mostrando diferentes contextos em que essas palavras já não usadas no sentido mais estrito da forma-fonte, mas revelam uma expansão de sua atuação para os limites intra- e inter-sentenciais, numa invasão aos territórios do discurso e da conversação. Segundo a autora, esse também é um dos rumos que o termo/expressão tipo (assim) vem tomando na fala coloquial de nossos adolescentes, estendendo-se à linguagem adulta e até mesmo à escrita. Conforme demonstram os estudos de Bittencourt (op. cit, p ) Circunscrito, pelo que se pode perceber, ao campo semântico da modalidade, esse item léxico vem se desprendendo de seu estatuto nominal primitivo e, num processo de deslexicalização em curso [...], assumindo traços gramaticais e pragmáticos, provavelmente por contaminação com o advérbio de modo assim, ao qual passou a se agregar. Como os diferentes passos dessa trajetória coexistem em nossa língua, é possível inferir a fase de transição, em que o elemento tipo, ainda que coligado ao referido advérbio, mantém ainda resguardada sua autonomia de substantivo [...] A etapa seguinte se desenvolve no sentido de uma conjunção fônica e condensação semântico-funcional desses dois figurantes, que passam a formar uma unidade maior, carreadora, muitas vezes, do traço de modalidade. Nesse sentido, podemos exemplificar, a partir das ocorrências encontradas em nosso corpus, casos em que o item tipo ocorre de forma autônoma, desprendido do Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

12 advérbio assim, ainda como substantivo, portanto, passível de determinação/modificação, como ilustramos abaixo: (1) Ela é do tipo que já fez várias plastiquinhas [...] (p. 103) Em 2 e 3,observamos que a expressão tipo (assim) funciona como advérbio de modo, exercendo a função de qualificador ou modificador das formas verbais falei e vem. Nos dois casos, a expressão poderia ser substituída pelo assim, apenas, o que comprova a condensação-semântica dos dois itens. Vejamos. (2) Aí eu falei: Até o final do ano, tipo assim, tentando disfarçar [...] (p.8) (3) [...] Ela vem, e aí, Tati? Beleza?, tipo assim, se enturmando? (p. 103) Ainda em Bittencourt (1999, p.71) temos que o neologismo composicional tipo assim, agindo na esfera intra- ou inter-sentencial, consubstancia um processo de gramaticalização, extrapolando, não raras vezes, um papel de índice modal ou especificador, podendo atuar como uma espécie de marcador/delimitador mais ou menos vago de tempo, lugar, número, etc.. Um exemplo citado pela autora é: eu tô pensano em chegá LÁ... tipo assim DEZ horas.... Nesse aspecto, não encontramos nenhum dado em nosso corpus que possa exemplificar esses usos, embora sejam bastante comuns no português falado. No nível inter-oracional, a autora salienta que a nova locução exerce o papel sintático de conjunções e expressa muitas das relações semânticas veiculadas por aquelas. Isso fica evidente em contextos em que tipo assim ou tipo (sem assim), traduzem uma explicação, causalidade e finalidade. No exemplo abaixo, temos uma ocorrência em que a expressão traz a ideia de finalidade, podendo ser substituída pela conjunção a fim de. (4) Minha mãe ligou pra ele e pediu pra ele dar uma de pai e tentar conversar comigo e tipo assim me convencer que o primeiro amor é difícil [...] (p. 81) Os estudos de Bittencourt (1999) mostram ainda que a expressão, ora analisada, invade também os espaços discursivo-textual e conversacional. Em relação ao primeiro, Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

13 a autora revela que há um alto índice de utilização de tipo (assim) como estratégia de remissão a discurso reportado (ou discurso direto). Em nosso corpus, encontramos os seguintes exemplos, que se aplicam a esta função: (5) Mas falando isso aos prantos, tipo assim, não vivo sem esse moleque. (p. 45) (6) Eu dei um suspiro tão profundo, que ele me olhou assim, tipo, o que houve? (p. 60) Em ambos os exemplos, percebemos que a expressão tipo (assim) ou apenas o item tipo, são empregados com a função de resgatar a fala de uma atividade enunciativa anterior. Outra função identificada por Bittencourt (1999) para a locução em estudo é a de codificar um sentimento de hesitação por parte do interlocutor. Nesse aspecto, encontramos as seguintes ocorrências em nosso corpus: (7) [...] sei lá, tipo assim, rola uma adrenalina tão grande[...] (p. 80) (8) [...] fui à praia com o Maurinho e foi simplesmente assim, tipo assim, TUDO. (p. 81) (9) Cara, tipo assim, eu sou muito apaixonada por ele. (p. 82) (10) Acho que tipo assim, ele gosta muito de mim [...] (p. 92) (11) Eu, tipo assim, amo conversar com ele, sabe. (p. 109) Embora, não sejam casos citados nos estudos de Bittencourt (1999), nossos dados registram algumas ocorrências em que a expressão tipo assim, ou também o item tipo desacompanhado do seu par, poderiam ser naturalmente substituídos por como, estabelecendo uma relação de comparação, encaixando-se no conjunto das conjunções comparativas. Vejamos os exemplos: (12) [...] eu iria para um lugar bem diferente, tipo, Fernando de Noronha, sei lá. (p. 57) (13) [...] eu posso sonhar com alguém mais rápido de se encontrar, mais possível, tipo assim, Rodrigo Santoro. (p. 70) (14) A gente é tipo irmão. (p. 93) (15) [...] ela precisa se dedicar a algum esporte de gente altona, tipo vôlei, basquete, etc... (p. 119) Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

14 Em Castelano e Ladeira (2010), trabalho que versa sobre as funções das expressões assim, tipo e tipo assim pelo viés da Análise da Conversação, encontramos as seguintes funções discursivas, não citadas por Bittencourt (1999): marca sequencial e inserção de sequência explicativa. Comparando as análises das autoras com nosso corpus, foi possível identificar os seguintes casos: Marca sequencial: (16) Aí, tipo assim, eu joguei pra ver o que ele ia falar... (p. 63) (17) Aí ele, tipo assim, foi começar a conversa. (p. 82) (18) Daí, tipo assim, ele meio que veio vindo, querendo sentar. (p. 110) Inserção de sequência explicativa: (19) Hoje acordei com a macaca, tipo assim, a fim de dar um giro de 180 graus na minha vida. (p. 56) (20) Saí muito, conheci muita gente, fui a muito show irado, tipo assim, vivi bem a vida [...] (p.7) Nos exemplos 16, 17 e 18, temos a locução tipo assim empregada em conjunto com aí e daí, elementos que não exercem nenhuma função sintática na estrutura oracional, traço definidor dos marcadores conversacionais. Em 19 e 20, percebemos a utilização do marcador tipo assim para articular uma explicação a respeito do que foi dito anteriormente, nos mesmos moldes dos dados apresentados por Castelano e Ladeira (2010), exercendo, portanto, a função de inserção de sequência explicativa. CONSIDERAÇÕES FINAIS De acordo com as análises expostas neste trabalho, e, a partir dos estudos de Bittencourt (1999), Castelano e Ladeira (2010), entendemos que o item lexical tipo vem se desprendendo de seu estatuto nominal de origem, passando por um processo de deslexicalização, assumindo traços gramaticais e pragmáticos, levando-se em conta Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

15 também, sua agregação, em certos contextos, ao advérbio de modo assim. Observa-se que no português do Brasil as diferentes formas coexistem, de maneira que é possível identificarmos usos tanto do tipo como um substantivo pleno, como em funções mais gramaticais, ou ainda, sem função gramatical demarcada no interior da sentença, atuando como marcador discursivo. Percebemos, portanto, que o comportamento do termo/expressão, ora analisado, assemelha-se ao processo de discursivização, já que é possível registrar, em diversos contextos, o distanciamento semântico do termo em relação à forma-fonte e a assunção de funções gramaticais e discursivas. O caso aqui em estudo tem sido investigado mais acuradamente por pesquisadores especializados na área que poderão trazer respostas mais conclusivas acerca da trajetória de mudança do item tipo. Quisemos com este trabalho de análise superficial, tão-somente realizar um exercício de reflexão em torno da teoria da gramaticalização, objetivando compreender como esse processo se dá em situações de uso efetivo da língua. REFERÊNCIAS BITTENCOURT, V. O. Rumos da gramaticalização no português oral do Brasil. Philologus, v. 1, n.13, p , Disponível em: Acesso em 15/12/2012. CASTELANO, K. L.; LADEIRA, W. T. Funções discursivo-interacionais das expressões assim, tipo e tipo assim em narrativas orais. In: Letra Magna. Ano 06 n.12-1º Semestre de ISSN Disponível em: Acesso em: 02/01/2013. GONÇALVES, S. C. L.; LIMA-HERNANDES, M. C.; CASSEB-GALVÃO, V. C. (org.) Introdução à gramaticalização: princípios teóricos e aplicação. São Paulo: Parábola editorial, FERREIRA, A. B. de H. Dicionário Aurélio: dicionário escolar da língua portuguesa. Curitiba: Positivo, MARTELOTTA, M. E.; VOTRE, S. J.; CEZARIO, M. M. O paradigma da gramaticalização. In: Idem (org.) Gramaticalização no português do Brasil: uma abordagem funcional. Rio de Janeiro: UFRJ, (versão digital). Disponível em: Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

16 ao.pdf Acesso em 20/11/2012. PÉRISSÉ, H. O diário de Tati. Rio de Janeiro: Objetiva, PEZATTI, E. G. O funcionalismo em linguística. In: BENTES, A. C; MUSSALIM, F. (Org.) Introdução à linguística: fundamentos epistemológicos. v. 3. São Paulo: Cortez, Recebido Para Publicação em 16 de abril de Aprovado Para Publicação em 5 de maio de Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS Fátima Christina Calicchio (PG-UEM) calicchiofc@hotmail.com Rosângela Nunes Pereira (PG UEM) rosenpereira@yahoo.com.br Introdução Este estudo está organizado em três

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS / PPGLETRAS UFGRS) acssuems@gmail.com Reúno aqui a resenha de três textos que foram muito importantes para a minha formação sociolinguística.

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 Prova 06 / 2015 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais

Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais Renise Cristina Santos (UFMG) 1 Introdução Este trabalho apresenta dados parciais da pesquisa de mestrado que está sendo desenvolvida

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS Abril 2015 2ºCiclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Prova 06/2015 Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90 minutos + 15 minutos

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Ano letivo 2014/2015 Ensino Secundário - 1ª e 2ª Fase Disciplina de ESPANHOL (INICIAÇÃO BIENAL) - 375 Informação Prova de Equivalência à Frequência 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS (LE I) Prova escrita e oral Prova 21 2015 do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês (Escrita + Oral) Prova Código 06-2015 2º Ciclo do Ensino Básico - 6ºano de escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Espanhol. Agrupamento de Escolas de Alvalade. Informação - Prova Equivalente a Exame Nacional. Prova 847 2015

Espanhol. Agrupamento de Escolas de Alvalade. Informação - Prova Equivalente a Exame Nacional. Prova 847 2015 Informação - Prova Equivalente a Exame Nacional Espanhol Prova 847 2015 11º ano de escolaridade continuação (CCH) Tipo de prova Escrita Duração 120 min + 30 min Nº de páginas 7 1 Introdução Temas transversais:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O SUBJUNTIVO EM ORAÇÕES SUBORDINADAS: DESCRIÇÃO SINTÁTICA PELA TEORIA X-BARRA Mário Márcio Godoy Ribas (UEMS) marcioribas@gmail.com Nataniel dos Santos Gomes (UEMS) natanielgomes@hotmail.com 1. Considerações

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Informação-Prova de Equivalência à Frequência ENSINO SECUNDÁRIO PROVA ESCRITA E ORAL Prova de Equivalência à Frequência de Espanhol, 11º ano (Iniciação) Prova 375 (ter como referência quadro III do Desp.Norm.5/2013)

Leia mais

PROVA 358. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases

PROVA 358. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases PROVA 358 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Formação Específica Anual 12.º Ano (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases Provas Escrita e Oral Cursos Científico-

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ESCOLHA DO TEMA - Seja cauteloso na escolha do tema a ser investigado. Opte por um tema inserido no conteúdo programático da disciplina pela qual teve a maior aptidão

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

PROVA 367. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases

PROVA 367. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases PROVA 367 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS- continuação 10.º e 11.º Anos (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases Provas Escrita e Oral Cursos Científico-

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das Um pouco de teoria... Observe: Estudo das classes de palavras Conjunções A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das I- João saiu, Maria chegou. II- João saiu, quando

Leia mais

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 5 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS PEF 367 PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS TIPO DE PROVA DURAÇÃO Teórico/prática 90 Minutos (escrita) +25 Minutos (oral) X Escrita Com tolerância de 30 minutos X Oral X Sem tolerância 11º ANO

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

NONA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET. Professora: Sandra Franco

NONA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET. Professora: Sandra Franco NONA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET Professora: Sandra Franco Período Composto 1.Orações Subordinadas Adverbiais. 2. Apresentação das conjunções adverbiais mais comuns. 3. Orações Reduzidas. As orações subordinadas

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López FUNDAMENTACIÓN: IDIOMA: PORTUGUÊS CONTENIDO TEMÁTICO Llevando en consideración las directrices del Marco Europeo Común de Referencia, el examen será encuadrado en un nivel Intermedio Superior. En este

Leia mais

Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias

Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público O que é Relato de Experiência? Faz parte dos gêneros pertencentes ao domínio social da memorização

Leia mais

5 Sintaxe dos verbos haver e existir

5 Sintaxe dos verbos haver e existir 5 Sintaxe dos verbos haver e existir Há aspectos envolvidos em construções com haver e existir que são muito importantes, para encontrar as raízes das dificuldades que se apresentam no uso desses dois

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias

As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias Rosana do Carmo Novaes Pinto 1 Desde 1999, venho defendendo a relevância

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim 0. Considerações iniciais A Relação entre fonética e fonologia compreende uma relação de interdependência,

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 9º ANO C Ano Letivo: 204 /205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

Prova Escrita + Oral de Inglês

Prova Escrita + Oral de Inglês Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova Escrita + Oral de Inglês Prova 367 2015 11º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 90 minutos (sem tolerância); Oral: 25 minutos Decreto-Lei n.º 139/2012,

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto de Vida MACHADO, Nilson José. Projeto de vida. Entrevista concedida ao Diário na Escola-Santo André, em 2004. Disponível em: .

Leia mais

(Nos termos do Despacho Normativo 6-A/2015, de 5 de março)

(Nos termos do Despacho Normativo 6-A/2015, de 5 de março) Código: 345921 Escola Básica e Secundária de Melgaço Sede do Agrupamento de Escolas de Melgaço INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 10 E 11º ANOS DE ESCOLARIDADE INGLÊS (Nos termos do Despacho

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa 01. Alternativa (E) Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa Alternativa que contém palavras grafadas de acordo com o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa - VOLP 02. Alternativa

Leia mais

Antropologia Estrutural Claude Levi-Strauss Linguagem e Parentesco

Antropologia Estrutural Claude Levi-Strauss Linguagem e Parentesco Universidade Estadual Paulista ''Júlio de Mesquita Filho'' UNESP Campus Bauru/SP Antropologia Visual Graduação em Artes Visuais Antropologia Estrutural Claude Levi-Strauss Linguagem e Parentesco ANDREIA

Leia mais

5. A pesquisa. 5.1. Sujeitos

5. A pesquisa. 5.1. Sujeitos 65 5. A pesquisa As dificuldades envolvidas na conciliação da maternidade com a vida profissional têm levado muitas mulheres a abandonar até mesmo carreiras bem-sucedidas, frutos de anos de dedicação e

Leia mais

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Título do artigo: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Disciplina: Alfabetização Selecionadora: Beatriz Gouveia 16ª Edição do

Leia mais

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP)

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) RESUMO A língua sofre constantemente uma invasão de novos vocábulos que

Leia mais

Odilei França. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Odilei França. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br Odilei França Graduado em Letras pela Fafipar. Graduado em Teologia pela Faculdade Batista. Professor de Língua Portuguesa para concursos públicos há 22 anos. Sintaxe do período composto: parte II Período

Leia mais

ANAIS ELETRÔNICOS ISSN 235709765

ANAIS ELETRÔNICOS ISSN 235709765 GRAMATICALIZAÇÃO DO ITEM TIPO EM FUNÇÃO DE CONECTOR COMPARATIVO SANTOS, Aymmée Silveira 1 aymmeesst@gmail.com UFPB SILVA, Camilo Rosa 2 camilorosa@gmail.com - UFPB RESUMO Os estudos sobre mudança linguística

Leia mais

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil Etapas de um Projeto de Pesquisa Robledo Lima Gil Etapas... Escolha do tema Formulação do problema 1) Introdução; 2) Revisão de literatura (Referenciais teóricos); 3) Justificativa; 4) Objetivos (geral

Leia mais

O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS. Palavras-chave: texto, e-mail, linguagem, oralidade, escrita.

O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS. Palavras-chave: texto, e-mail, linguagem, oralidade, escrita. Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 191 195 O E-TEXTO E A CRIAÇÃO DE NOVAS MODALIDADES EXPRESSIVAS MARQUES, Fernanda Vieira ANDRADE, Antonio Carlos Siqueira de Palavras-chave: texto,

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Silvio Profirio da Silva¹ Durante décadas, o ensino de Língua Portuguesa desenvolvido em nossas escolas limitou - se à análise e à classificação

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE Escolas João de Araújo Correia EB 2.3PESO DA RÉGUA Disciplina de Português 6º Ano Ano Letivo 2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE 0 Ponto de partida Reportagem televisiva

Leia mais

Aquisição da linguagem oral e escrita

Aquisição da linguagem oral e escrita Aquisição da linguagem oral e escrita Castilho Francisco Schneider INTRODUÇÃO Behavioristicamente, o termo aquisição de linguagem pode ser aceito sem questionamentos. Já sob o enfoque chomskiano, parece-nos

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO Universidade Estadual de Campinas Fernanda Resende Serradourada A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO INTRODUÇÃO: O Projeto de Desenvolvimento realizado por mim visava à confecção

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa ENSINO FUNDAMENTAL O processo de sondagem Colégio Sion busca detectar, no aluno, pré-requisitos que possibilitem inseri-lo adequadamente no ano pretendido. As disciplinas de Língua Portuguesa e são os

Leia mais

A VARIAÇÃO NA LINGUAGEM ORAL E SUAS INFLUÊNCIAS NA LINGUAGEM ESCRITA ACADÊMICA

A VARIAÇÃO NA LINGUAGEM ORAL E SUAS INFLUÊNCIAS NA LINGUAGEM ESCRITA ACADÊMICA Trabalho 001 A VARIAÇÃO NA LINGUAGEM ORAL E SUAS INFLUÊNCIAS NA LINGUAGEM ESCRITA ACADÊMICA Sheila Marcelino Izabel; Márcia M. Junkes E-mail: sheilamarcelino@unifebe.edu.br Palavras chave: Textos acadêmicos,

Leia mais

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO O objeto de estudo dessa pesquisa são os sintagmas preposicionados

Leia mais

CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder

CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder Entrevista concedida a Virginia Maria de Figueiredo e Silva e Tânia Maria Piacentini * Paulo Freire esteve em Florianópolis, no dia 8 de junho, a convite da

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL (LE II) Abril de 2015 Prova 15 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90

Leia mais

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS REFERÊNCIA: LEFFA, Vilson J. ; LOPES, Rita de Cássia Campos. Determinação sócio-lingüística do conceito de leitura. 46 a Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Vitória, 17 a 22 de

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA [INGLÊS]

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA [INGLÊS] INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS ANO DE ESCOLARIDADE: 10º E 11º ANOS ANO LETIVO: 2012 2013 TIPO DE PROVA: DURAÇÃO: CÓDIGO DA PROVA: MATERIAL NECESSÁRIO/PERMITIDO: ESCRITA 90 MINUTOS

Leia mais

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo Letras Prof a. Dr a. Leda Szabo Aspectos das Conexões Sintáticas Objetivo Diferenciar o objeto de estudo da análise de base sintática do objeto de estudo da análise do discurso. Compreender a diferença

Leia mais

Na Internet Gramática: atividades

Na Internet Gramática: atividades Na Internet Gramática: atividades Dica: Antes de fazer as atividades abaixo, leia os documentos Modo subjuntivo geral e Presente do subjuntivo, no Banco de Gramática. 1. No trecho a seguir, extraído da

Leia mais

COMO CRIAR UMA ESTRATÉGIA DE E-MAIL MARKETING

COMO CRIAR UMA ESTRATÉGIA DE E-MAIL MARKETING COMO CRIAR UMA ESTRATÉGIA DE E-MAIL MARKETING A palavra estratégia, segundo o dicionário Informal 1, é a ação ou caminho mais adequado a ser executado para alcançar um objetivo ou meta. Para se traçar

Leia mais

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo Capítulo 1 Um Paradigma que Cai por Terra Se for um bom negócio, faça. Entretanto, se não for, não faça. Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai quando eu ainda era uma

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2

SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2 SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2 RESPOSTAS AOS RECURSOS Cargo: ART - PROFESSOR P2 / ARTE Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA (LPO) 5 - Gab.:V B 5 - Gab.:W C 5 - Gab.:X D 8 - Gab.:V

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Oi! Meu nome é David. Atualmente estou em Imperatriz, Maranhão ajudando pessoas como você aprenderem inglês. Já faz

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

Define claramente o tema, o seu objectivo e os aspectos a desenvolver. De seguida deves ser capaz de levantar questões sobre o que pretendes

Define claramente o tema, o seu objectivo e os aspectos a desenvolver. De seguida deves ser capaz de levantar questões sobre o que pretendes Como fazes os teus trabalhos escritos? Há dois métodos para fazer trabalhos 1-Vais à Net copias a informação, colas num novo documento, imprimes e já está! 2-Pesquisas informação em fontes diversas, retiras

Leia mais