UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - GESTÃO CENTRO DE EDUÇÃO DE BIGUAÇU CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - GESTÃO CENTRO DE EDUÇÃO DE BIGUAÇU CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - GESTÃO CENTRO DE EDUÇÃO DE BIGUAÇU CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SIMULADO EM ESCRITÓRIO CONTÁBIL FERNANDA VENTURA LOUREIRO Biguaçu (SC), julho de 2007

2 FERNANDA VENTURA LOUREIRO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SIMULADO EM ESCRITÓRIO CONTÁBIL Monografia apresentada ao Curso de Ciências Contábeis, do Centro de Educação Biguaçu, da Universidade do Vale do Itajaí, como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Ciências Contábeis. Orientador: Prof. Dr. Sérgio Murilo Petri Biguaçu (SC), julho de 2007

3 FERNANDA VENTURA LOUREIRO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SIMULADO EM ESCRITÓRIO CONTÁBIL Esta monografia foi apresentada como trabalho de conclusão de curso de Ciências Contábeis da Universidade do Vale do Itajaí Biguaçu e aprovada pela banca constituída pelo orientador e membros abaixo. Biguaçu, 05 Julho de Professores que compuseram a banca: Professor Sergio Murilo Petri, Dr. Orientador Professor Francisco Eugênio Pereira, M.Sc. Membro Professor Silvio Osni Koerich, M.Sc. Membro

4 Ao meu pai, Antônio, por toda confiança em mim depositada, que não hesitou em acreditar em meu potencial.

5 AGRADECIMENTOS Primeiramente, agradeço a Deus, por ser a luz de minha vida guiando-me em todos os momentos; Aos meus pais, por todo amor e incentivo, principalmente pela atenção dedicada a minha filha Manuella, que em minha ausência foram para ela como segundos pais educando-a com o mesmo amor incondicional que me foi dado, para que eu pudesse chegar aonde cheguei; Ao amor da minha vida, meu companheiro, cúmplice e amante, André, por estar sempre ao meu lado, me incentivando a nunca desistir de meus, nossos sonhos e ideais; Ao meu anjo, Manuella, que mesmo sem compreender soube entender minha ausência recebendo-me sempre com um lindo sorriso, com abraços e beijos carinhosos, me dando mais força para continuar lutando; A minha grande família, que sempre esteve ao meu lado compreendendo sempre minha ausência; Aos meus amigos poucos, mas verdadeiros, que me apesar da distancia que nos separa, estão sempre comigo em pensamento, me apoiando. A empresa Construtábil Contabilidade, que acreditou em meu potencial e me deu oportunidade de ingressar no ramo da contabilidade sem nenhuma experiência na área a não ser o conhecimento acadêmico e principalmente em me apoiar nesta etapa final. Aos mestres que em toda minha caminhada acadêmica, me ensinaram com prazer e dedicação parte do que sei compartilhando conhecimentos e experiências vividas. Ao meu orientador Sergio Murilo Petri pela dedicação, profissionalismo e empenho demonstrado durante toda a etapa deste trabalho de conclusão de curso. Obrigados a todas as pessoas que direta ou indiretamente me apoiaram para a finalização de mais esta etapa de minha vida.

6 Tudo vale a pena se a alma não é pequena (Fernando Pessoa)

7 RESUMO O principal objetivo deste trabalho foi simular um Planejamento Estratégico para a empresa Construtábil Contabilidade Ltda. Para isso buscou-se um referencial teórico, abordando assuntos como Contabilidade Gerencial versus Contabilidade Tradicional, Ferramentas de Gestão e suas tipologias, bem como o estudo da execução do Planejamento Estratégico. Este por sua vez, auxilia na gestão empresarial, obtendo informações que até o momento não haviam sido detectadas, definindo assim as metas, bem como os objetivos que a empresa deseja alcançar. Utilizou-se de métodos científicos que forneceram informações precisas, definindo a melhor metodologia para este estudo, sendo explanados conceitos de autores renomados nesta área, apresentando não apenas os conceitos como também sua aplicação pratica na empresa em questão. Pode-se dizer, que a pesquisa resume-se em um estudo de caso, pois se pretendeu aprofundar conhecimentos específicos de determinado assunto, sendo este considerado o método mais eficaz e,m estudos realizados por meio do curso de Ciências Contábeis. Como resultado construiu-se o mapa estratégico bem como se estabeleceu o plano de metas iniciais. Palavras-chave: Contabilidade Gerencial. Ferramentas de Gestão. Planejamento Estratégico.

8 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1: ORGANOGRAMA CENTRADO NO CLIENTE...21 FIGURA 2: DESEMPENHO DA FERRAMENTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO...28 FIGURA 3: FASES DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO...32 FIGURA 4: ESTRUTURA DAS QUESTÕES INICIAR PROCESSO...49 FIGURA 5: RESUMO DA FASE 1 E 2 DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO...53 FIGURA 6:RESUMO DOS OBJETIVOS 3 FASE...57 FIGURA 7: MAPA ESTRATÉGICO...58

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA DA ESCOLHA DO TEMA DEFINIÇÃO DO PROBLEMA OBJETIVOS SUPOSIÇÕES ESTRUTURA DO TRABALHO CONTABILIDADE GERENCIAL RAMOS DA CONTABILIDADE Contabilidade tradicional Contabilidade gerencial CONTABILIDADE FINANCEIRA E CONTABILIDADE GERENCIAL FUNÇÕES DA CONTABILIDADE GERENCIAL EMPRESA DE PRESTAÇÃO SERVIÇOS CONTÁBIL Estrutura organizacional FERRAMENTAS DE GESTÃO CONCEITOS DE FERRAMENTAS DE GESTÃO TIPOS DE FERRAMENTAS DE GESTÃO Balanced Scorecard Benchmarking Gestão de relacionamentos com os clientes (CRM) Gestão de qualidade total Planejamento estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Elementos do planejamento estratégico... 30

10 3.3.2 Construção ou operacionalização do planejamento estratégico Modelo de elaboração do planejamento estratégico METODOLOGIA CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA ESTUDO DE CASO UNIDADE DE ANÁLISE Caracterização da empresa Instrumentos Procedimentos metodológicos APLICAÇÃO PRÁTICA CONTEXTUALIZAÇÃO SOBRE A ORGANIZAÇÃO ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ANÁLISE DOS RESULTADOS VANTAGENS E DESVANTAGENS CONSIDERAÇÕES FINAIS GENERALIDADES QUANTO AO ALCANCE DOS OBJETIVOS PROPOSTOS LIMITAÇÕES RECOMENDAÇÕES PARA FUTUROS TRABALHOS REFERÊNCIAS APÊNDICES... 69

11 1 INTRODUÇÃO As modificações político-econômicas dos países bem como as inovações tecnológicas vêm modificando constantemente o mundo dos negócios, globalização dos mercados, criações de blocos econômicos, meio ambientes, qualidade de vida dos colaboradores e clientes, passaram a fazer com que os empresários tivessem outras preocupações além do simples objetivo de obter lucro. No Brasil, até meados da década de 90, os empresários preocupavam-se apenas com a concorrência interna. Tal cenário se modificou após a abertura gradativa do mercado nacional, com a instalação de empresas internacionais que trouxeram para o país inovações tecnológicas e administrativas. Desta forma, as empresas brasileiras vêem se adaptando para manter-se no mercado sem perder participação, passando a investir em novas pesquisas tecnológicas, bem como buscando conhecimentos sobre novas ferramentas de gestão desenvolvidas e utilizadas por empresa internacionais visando agregar valor aos seus produtos, aumentando assim sua competitividade. Neste contexto, passou a existir nos últimos anos, por parte dos médios e pequenos empresários, o interesse em utilizar essas novas tecnologias e ferramentas de gestão com o mesmo objetivo das grandes empresas, ou seja, aumentar sua competitividade e agregar valor aos seus produtos e serviços. Tal preocupação torna-se visível com o crescente número de médias e pequenas empresas, dos mais variados ramos de atividade, que estão deixando o formato administrativo familiar, buscando sistemas de gestão mais eficazes e eficientes para obter um maior reconhecimento e participação no mercado nacional. Nos últimos anos, dentre os mais variados ramos de atividades, as empresas de prestação de serviços vêm se destacando pelo grande crescimento na participação do mercado nacional. Desta forma, deseja-se implantar na Construtábil Contabilidade Ltda., um planejamento estratégico (PE) com o objetivo de efetivarse no mercado de forma sólida, garantindo sua longevidade.

12 JUSTIFICATIVA DA ESCOLHA DO TEMA Atualmente (2007), no cenário nacional, as pequenas empresas estão buscando, por meio de ferramentas de gestão, um diferencial no mercado, investindo mais na área gerencial, observando o ambiente interno e externo por meio de seus colaboradores, clientes e fornecedores, para uma análise mas profunda do mercado em que atuam. Assim, optou-se por realizar este estudo devido ao crescimento da utilização das ferramentas de gestão nas empresas. Por tratar-se de uma das mais antigas e que demonstra o resultado mais eficaz após sua aplicação, o Planejamento Estratégico está em primeiro lugar entre as 25 ferramentas mais utilizadas no mundo dos negócios, segundo Bain e Company (2004). Sendo o Planejamento Estratégico uma ferramenta que objetiva o futuro das empresas seu resultado é lento, mas extremamente eficaz. Capaz de demonstrar os pontos fortes e fracos, ameaças e oportunidades, proporciona aos empresários uma visão ampla de sua empresa, podendo realizar investimentos a médio e longo prazo com menor risco. Além de adquirir maiores conhecimentos na área e de estar atendendo a um requisito acadêmico, pretende-se também demonstrar como é possível um profissional da área contábil, auxiliar, ou até mesmo, implantar qualquer ferramenta de gestão, neste caso o Planejamento Estratégico em um escritório contábil de pequeno porte. Nessa perspectiva, apresenta-se a relevância da contribuição dessas ferramentas para a contabilidade, que auxiliam diretamente na gestão dos negócios. 1.2 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA Por serem as pequenas empresas, na sua maioria familiares, não havia a preocupação em implantar ou até mesmo conhecer quaisquer que fossem as

13 12 ferramentas de gestão, por aceitarem o mercado de qualquer forma, desde que não prejudicasse o sustento da empresa e da família. Atualmente este cenário vem se modificando gradativamente: médias e pequenas empresas vêm se preocupando, não somente com o sustento da empresa e da família, mas também com o reconhecimento desta empresa no mercado em que atua. Neste contexto questiona-se: É possível simular o Planejamento Estratégico em um escritório de contabilidade? Quais as dificuldades que podem ser sanadas com a implantação do Planejamento Estratégico em um escritório de contabilidade? 1.3 OBJETIVOS Objetivo geral Simular a implantação do Planejamento Estratégico na empresa Construtábil Contabilidade Ltda Objetivos específicos Identificar a estrutura organizacional da Empresa; Disseminar o Planejamento Estratégico entre os colaboradores; Definir a metodologia para orientação do processo de Planejamento Estratégico; Elaborar o Planejamento Estratégico na empresa em estudo.

14 13 Acompanhar a implantação do Planejamento Estratégico na empresa Construtábil Contabilidade Ltda. 1.4 SUPOSIÇÕES Por se tratar de um estudo de caso e de uma pesquisa qualitativa optou-se pela antecipação de algumas suposições, baseadas em material bibliográfico com o objetivo de responder os problemas formulados na seção 1.2), ou seja, apresentar possíveis soluções. Sendo assim supõem-se: É viável a implantação do Planejamento Estratégico, na Construtábil Contabilidade Ltda, podendo assim expandir o negócio oferecendo aos seus clientes a implantação dessa ferramenta. As dificuldades estarão em obter as informações, haja vista que a empresa não tem nada estruturado e uma outra provável dificuldade será operacionalizar. 1.5 ESTRUTURA DO TRABALHO O presente estudo foi motivado pela necessidade de se elaborar um Planejamento Estratégico de um escritório de contabilidade com o propósito de torná-lo mais competitivo. O trabalho está estruturado em cinco capítulos. O capítulo 1 aborda a introdução da pesquisa, contendo seus fatores relevantes para então executar o trabalho, a definição do contexto destacando os problemas focados neste trabalho, os objetivos gerais e específicos sendo a meta a atingir, as hipóteses de estudo obtendo possíveis melhoras. O capítulo 2 destaca a contabilidade tradicional ou financeira, que trabalha para usuários externos preocupando-se com o fisco, e a contabilidade gerencial trabalhando para usuários internos, obtendo o foco gerencial e não somente contábil, ou seja, preocupando-se com o desenvolvimento da organização.

15 14 O capítulo 3 fornece o conteúdo teórico do foco do estudo, destacando as ferramentas de avaliação de desempenho, selecionando em cinco avaliações: Balanced Scorecard, Benchmarking, Gestão de Relacionamentos com os Clientes (CRM), Gestão de Qualidade Total e Planejamento Estratégico. Já o capítulo 4 versa sobre a metodologia utilizada no presente trabalho, ou seja, como foram conduzidos os trabalhos de pesquisa. No capítulo 5, é apresentado o estudo de caso, que vem a ser a execução dos modelos propostos para esta organização, nela, aplicando tudo que foi abordado. O capítulo 6 demonstra as considerações finais apresentar-se-á quanto ao alcance dos objetivos (geral e específicos), bem como a identificação de limitações e possíveis recomendações para futuros trabalhos. Ao final relacionou-se as referências utilizadas no decorrer da elaboração deste trabalho, bem como os apêndices e anexos.

16 2 CONTABILIDADE GERENCIAL Neste capítulo buscou-se caracterizar a contabilidade gerencial, sua área de abrangência, sua importância no mercado, e, finalmente, procurou demonstrar as diferenças entre a Contabilidade Financeira e a Contabilidade Gerencial. 2.1 RAMOS DA CONTABILIDADE O propósito desta seção é definir contabilidade, por se tratar de um trabalho de conclusão de curso de Ciência Contábeis, estabelecendo um paralelo entre a contabilidade tradicional (financeira) e gerencial. propósito: Haussmann (2001, p. 18) restringe a contabilidade a uma fração do seu real A contabilidade é uma ciência que tem por finalidade registrar e controlar todos os fatos administrativos das empresas em geral, bem como demonstrar as variações qualitativas ocorridas no patrimônio, sob o ponto de vista econômico e financeiro. A seguir são apresentados dois ramos de contabilidade e a justificativa pela escolha da contabilidade gerencial Contabilidade tradicional Nesta seção são abordados alguns conceitos de contabilidade tradicional, também conhecida como contabilidade financeira, de acordo com alguns autores reconhecidos pelo meio acadêmico e científico. (Iniciar com um parágrafo meu, é necessário?) Conforme Kaplan e Norton (1997, p. 7): O modelo vulnerável da contabilidade financeira ainda está sendo utilizado por empresas da era da informação, ao mesmo tempo em que tentam

17 16 construir ativos e capacidades internas e criar relações e alianças estratégicas com entidades externas. O ideal é que o modelo da contabilidade financeira se ampliasse de modo a incorporar a avaliação dos ativos intangíveis e intelectuais de uma empresa, como produtos e serviços de alta qualidade, funcionários motivados e habilitados, processos internos eficientes e consistentes, e clientes satisfeitos e fiéis. Já para Atkinson et al. (2000, p. 37): Contabilidade financeira lida com a elaboração e a comunicação de informações de uma empresa dirigidas a uma clientela externa: acionistas, credores (bancos, debenturistas e fornecedores), entidades reguladoras e autoridades governamentais tributárias. A informação contábil/financeira comunica aos agentes externos as conseqüências das decisões e das melhorias dos processos executadas pelos administradores e funcionários. Com isso, segundo Ensslin, L. Ensslin, S.R. e Petri (2006), contabilidade é definida como uma ciência que permite, por meio de suas técnicas, manter um controle permanente do patrimônio da sociedade ou entidade Contabilidade gerencial Com a constante evolução e ampliação dos mercados, as informações para as tomadas de decisões passaram a ser consideradas, um ponto vital à sobrevivência das empresas. Da mesma forma, as ferramentas para gerar essas informações também vêm sofrendo modificações. Segundo Neves (1999, p. 51): A contabilidade gerencial é um conceito de contabilidade que tomou corpo nos Estados Unidos, em resposta aos anseios do profissional contabilista no sentido de dar a sua contribuição efetiva, no processo de tomada de decisões na empresa, mais precisamente para aquelas decisões onde devem ser levados em conta parâmetros de caráter econômico-financeiro. Sendo assim, a ciência contábil vem evoluindo dia a dia, buscado cada vez mais a eficácia na execução das tarefas, bem como na geração de informações precisas para auxiliar no processo decisório, tornando-se um indispensável recurso para o bom desenvolvimento da organização. Segundo Iudícibus (1998), as características de identificar, interpretar, analisar e repassar informações utilizadas pela administração, para planejamento,

18 17 avaliação e controle da organização, auxiliando os gestores das empresas nas tomadas de decisões, são atribuídas a contabilidade gerencial. Desta forma a contabilidade gerencial vai muito além da contabilidade geral definida por Fabretti (2000, p. 28) como a ciência que estuda, registra e controla o patrimônio e as mutações que nele operam, devendo gerar informações precisas e aprofundadas dos diferentes aspectos relacionados às empresas. Para Atkinson et al. (2000, p. 23): A Contabilidade gerencial é a informação que cria valor, introduz a natureza da informação gerencial contábil e descreve como ela deve ser voltada às diferentes necessidades de seus usuários, os operadores de linha de frente, os gerentes intermediários e os executivos seniores. Sendo assim, a contabilidade gerencial está voltada, principalmente, para os usuários internos que podem se utilizar das informações para melhorar seu desempenho e a execução de suas atividades. Ainda segundo Atkinson et al. (2000, p. 36), o sistema de contabilidade gerencial capacita a empresa a coletar, processar e relatar informações para uma variedade de decisões operacionais e administrativas vitais. Pode-se dizer que as informações geradas pela contabilidade gerencial são primordiais para os gestores, que se utilizam das mesmas, como suporte à tomada de decisão bem como definir parâmetros de mensuração e acompanhamento do desempenho da empresa. A seguir apresenta-se as divergências ou os propósitos dos dois ramos de contabilidade apresentado. 2.2 CONTABILIDADE FINANCEIRA E CONTABILIDADE GERENCIAL Para melhor entender as divergências entre a contabilidade financeira e a contabilidade gerencial, são apresentadas a seguir, algumas características, tais como: clientela, propósito, data, restrições, tipo, natureza e escopo. Visto que a Contabilidade gerencial é mais adequada para atender aos

19 18 objetivos propostos para o presente trabalho de pesquisa, a seguir se pretende restringir à Contabilidade gerencial, deixando a Contabilidade Tradicional ou Financeira. Partindo destes conceitos relacionados, pode-se destacar que a Contabilidade gerencial abriga, desde a Contabilidade Tradicional até a avaliação de desempenho empresarial (que consiste o foco desta pesquisa), entrando nos sistemas de informações contábeis, nas análises e interpretação das demonstrações contábeis, nos sistemas de custos dentre diversas outras fontes em que consiste a contabilidade, Atkinson et al. (2000, p.38) compara a contabilidade gerencial e financeira conforme demonstrado no quadro a seguir: QUADRO 1: CARACTERÍSTICAS BÁSICAS JULGADAS RELEVANTES DA CONTABILIDADE FINANCEIRA E GERENCIAL. Contabilidade Financeira Contabilidade gerencial Clientela Externa: Acionistas, credores, Interna: Funcionários, administradores, autoridades tributárias. executivos. Reportar o desempenho passado às Informar decisões internas tomadas pelos Propósito partes externas; contratos com funcionários e gerentes; feedback e controle proprietários e credores. sobre desempenho operacional; contratos com proprietários e credores. Data Histórica, atrasada. Atual, orientada para o futuro. Regulamentada: dirigida por regras Desregulamentada: sistemas e informações Restrições e princípios fundamentais da determinadas pela administração para satisfazer contabilidade e por autoridades necessidades estratégicas e operacionais governamentais Tipo de Somente para mensuração Mensuração física e operacional dos processos, informação Natureza da informação Escopo financeira Objetiva, auditável, confiável, consistente, precisa. Muito agregado; reporta toda a empresa. Fonte: Atkinson et al. (2000, p. 38). tecnologia, fornecedores e competidores. Mais subjetiva e sujeita a juízo de valor, válida, relevante, acurada. Desagregada; informa as decisões e ações locais. Entretanto, a Contabilidade gerencial se utiliza, inclusive, das informações financeiras e econômicas da Contabilidade Tradicional para executar seus trabalhos de forma eficaz e eficiente, sendo que esta não participa no processo decisório, mas desencadeia suas informações para a tomada de decisão. Para tanto, a finalidade da Contabilidade gerencial é apresentar tais informações de forma transparente, resumida e operacional junto com informações voltadas para o sistema de custo e outros sistemas, unificando-os e aprimorando-os a outros conhecimentos, não necessariamente ligados à área contábil a fim de suprir as necessidades na tomada

20 19 de decisão, de acordo com Padoveze (1996). Desta forma, a contabilidade gerencial torna-se imprescindível para os gestores das empresas, por abordar informações claras e decisivas. 2.3 FUNÇÕES DA CONTABILIDADE GERENCIAL Esta vertente se alicerça no algo mais. Possui uma visão mais abrangente da contabilidade. Dentro dos conceitos, destaca-se o conjunto daqueles que se julgou ser mais apropriado ao presente trabalho. Para Haussmann (2001), sua principal função é detectar um problema e otimizar determinados procedimentos, por meio de várias opções de implantar ou de solucionar. Já Atkinson et al.(2000) direcionam para quatro áreas: o controle operacional que se preocupa com as atividades em si, sua maneira de executá-las e que objetivos alcançar. O custeio do produto e do cliente detalha os custos dos recursos utilizados na parte operacional e comercial dos produtos, para assim satisfazer a vontade e a necessidade do cliente individualmente. O controle administrativo enfoca o desenvolvimento administrativo relacionado às informações fornecidas auxiliando a tomada de decisão. O controle estratégico abrange a competitividade no mercado, tanto no aspecto tecnológico como no financeiro, objetivando aprimorar suas informações. As informações para uma determinada classificação provêm de diversas áreas e, talvez, até de diversos relatórios, sendo interligados a cada objetivo contábil, direcionando-se na decisão pertinente. 2.4 EMPRESA DE PRESTAÇÃO SERVIÇOS CONTÁBIL Nesta seção apresenta-se o conceito adaptado às organizações contábeis, onde a definição é dada somente pelo CRC - Conselho Federal de Contabilidade.

21 20 Para Ferreira (1988, p. 469), organização dentre outros conceitos significa ato ou efeito de organizar-se, associação ou instituição com objetivos definidos. E contábil significa algo que faz menção à ciência da contabilidade. Partindo deste princípio à impressão que se tem é de que só existe organização quando se tem duas ou mais pessoas, portanto uma organização contábil só existiria quando se tivesse uma sociedade. Porém segundo a resolução nº 825/98 do Conselho Federal de Contabilidade utiliza-se a expressão organização contábil tanto para a empresa como para o escritório individual. Em outras palavras, uma organização pode-se caracterizar como sendo uma empresa prestadora de serviços contábeis e/ou um escritório de contabilidade, tanto o individual como em forma de sociedade, sendo de suma importância sua estrutura organizacional Estrutura organizacional Quando se refere à estrutura é relevante apresentar que existe a estrutura física e a intelectual. A estrutura física de uma prestadora de serviços contábeis conta basicamente com os seguintes itens: o local, os equipamentos, as máquinas, os móveis, os utensílios, as instalações e os veículos. Já quando se fala em estrutura intelectual entenda-se os empregados e os sócios. Thomé (2001, p. 25), aborda que em meu conceito, a estrutura representa a parte física da empresa contábil, ou seja: local, móveis, instalações, equipamentos, máquinas, utensílios. Para Victorino (1999, p. 28): a estrutura de um escritório de contabilidade será formada pelo capital humano e intelectual e o capital estrutural. O primeiro seria representado pelo quadro técnico do escritório que seria dividido em departamentos e o segundo trata das instalações, equipamentos e softwares. Atualmente a estrutura de uma empresa de prestação de serviços contábeis deve estar focada no cliente, já que este é o objetivo, sendo o centro de tudo, e é o fator de existência e da permanência da empresa de contabilidade no mercado

22 21 consumidor de serviços. (VICTORINO, 1999, p. 29), conforme Figura 1. Diretoria Técnica Auditoria Contábil Fiscal RH CLIENTE Adm CPD Operacional Diretoria FIGURA 1: ORGANOGRAMA CENTRADO NO CLIENTE Fonte: Adaptado de VICTORINO (1999, p. 29). Conforme descreve Faria (2001 p. 10) A estrutura das empresas contábeis vem se mantendo as mesmas durante décadas, herança do comportamento empresarial que nunca valorizou a contabilidade como ferramenta de gestão. Assenta-se sobre vários pressupostos que estão superados e que vieram com base em empresas voltadas para dentro, para as suas próprias atividades, com estruturas pesadas e rígidas. Para permanecerem no mercado as empresas contábeis devem reciclar-se, buscando realizar profundas mudanças estratégicas no bom funcionamento de suas ações, bem como no comportamento de seus sócios e colaboradores. Desta forma, muitas organizaçoes utilizam-se do uso das ferramentas de gestão.

23 3 FERRAMENTAS DE GESTÃO O propósito deste capítulo é evidenciar o que está disponível na literatura referente as ferramentas de gestão, entendendo que esta é uma forma de tornar explícito os comportamentos da organização e das pessoas, já que cada uma tem características, vantagens e desvantagens, em relação a outras ferramentas. 3.1 CONCEITOS A busca constante pelo reconhecimento no mercado requer que os empresários observem mais seus negócios, estando diretamente envolvidos, obtendo conhecimento de todos os setores da empresa, tanto no ambiente interno como no ambiente externo. Chiavenato (1981, p.196), explica que existem vários métodos de ferramentas de avaliação do desempenho e cada um apresenta vantagens e desvantagens e relativa adequação a determinados tipos de organizações". Esta aproximação permite com que as organizações, por meio de seus administradores, se preocupem em obter conhecimentos necessários referentes às ferramentas de gestão, possibilitando às empresas informações necessárias e inovadoras, buscando uma maior sobrevivência no mercado, bem como informações que auxiliem diretamente nas tomadas de decisões. Neste contexto, Giosa (1999, apud SILVA, 2006, p. 25) afirma que: As organizações precisam sobreviver, porém essa sobrevivência passa por um processo natural de busca permanente pelo aperfeiçoamento, pela prática de modelos de gestão modernos, pela utilização de tecnologia e pelo aprimoramento e desenvolvimento constante do corpo funcional das empresas. Para uma organização sobreviver é necessário a criação de estratégias, pois mediante estas às empresas buscarão ferramentas, que considerem mais adequadas, para projetar e implementar uma estratégia vencedora. Uma pesquisa realizada pela Bain e Company (2005), revelou que, dentre as

24 23 25 ferramentas apontadas na pesquisa, aproximadamente, 16,2 são utilizadas, sendo que 11,7 em empresas de pequeno porte. Este resultado evidencia que estas estão apostando nestas novas técnicas de gerenciamento, para assim, superar desafios que possam, por ventura, aparecer, tornando-se mais competitivas no mercado. Esta mesma pesquisa revela que a diferença está entre o sucesso e o modo como estas ferramentas são aplicadas, pois por melhor e eficaz que seja a ferramenta ela só proporcionará resultado se for aplicada adequadamente, buscando sempre informações precisas e necessárias para o bom desempenho e implantação das mesmas (BAIN; COMPANY, 2005). Tais ferramentas deverão ser analisadas com afinco, para que estas se adaptem com a necessidade da empresa, ou seja, verificando se este é o momento adequado para sua implantação, bem como a escolha acertada. Pois uma vez escolhida e aplicada de forma errônea, trará prejuízos à empresa, não apenas financeiros, mas também gerenciais. 3.2 TIPOS DE FERRAMENTAS DE GESTÃO As ferramentas de gestão, atualmente, apresentam-se como fator predominante para o bom desempenho das organizações, auxiliando diretamente na tomada de decisão, bem como no crescimento, perante seus concorrentes. As organizações destacam-se pelos julgamentos e percepções dos gestores, presentes na elaboração do planejamento estratégico. Esse papel é ainda mais realçado devido à importância que passou a ter a correta definição e execução das estratégias empresariais. Logo, quem alcançar esse estágio estará em vantagem competitiva em relação aos concorrentes, todavia isso exigirá a realização de avaliações de desempenho estratégicas. (PETRI 2005) Assim, serão explanados conceitos, vantagens e benefícios referentes às ferramentas de gestão julgadas aplicáveis a uma empresa de pequeno porte, tais como: Balanced Scorecard, Benchmarking,.Gestão de Relacionamentos com os

25 24 Clientes (CRM), Gestão de Qualidade Total e Planejamento Estratégico Balanced Scorecard A busca pela excelência profissional, em longo prazo, é uma das principais características desta ferramenta de gestão, almejando por meio de suas metas e objetivos previamente traçados, alcançar além de crescimento financeiro, estratégias para se manter no mercado mediante seus colaborados e clientes, aprimorando sempre seus conhecimentos. Segundo Kaplan e Norton (1997, p. 19): É um novo instrumento que integra as medidas derivadas da estratégia. Sem menosprezar as medidas financeiras do desempenho passado, ele incorpora os vetores do desempenho financeiro futuro. Esses vetores, que abrangem as perspectivas do cliente, dos processos internos, e do aprendizado e crescimento, nascem de um esforço consciente e rigoroso de tradução da estratégica organizacional em objetivos e medidas tangíveis. Para Bain e Company (2004), o Balanced Scorecard traduz a missão e a visão da empresa para um conjunto de metas e medidas de desempenho que podem ser mensuradas e avaliadas. Já para Oliveira et al (2002, p. 151): É uma nova ferramenta de medição de desempenho, baseada em dados financeiros e não financeiros, que proporciona uma gestão estratégica, nos diversos setores de uma organização, que busca a realização de metas estratégicas de longo prazo. O Balanced Scorecard por ser um sistema de desempenho organizacional, destaca-se por reconhecer os indicadores financeiros por meio de avaliações que são medidas sobre os clientes, buscando aprimoramento nos sistemas internos objetivando o crescimento da organização pelos processos gerenciais. Para Kaplan e Norton (1997) são processos gerenciais: esclarecer e traduzir a visão e a estratégia; comunicar a associar objetivos e medidas estratégicas; planejar, estabelecer metas e alinhar iniciativas estratégicas e melhorar o feedback e o aprendizado estratégico.

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

USO DA CONTABILIDADE DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE DOURADOS-MS

USO DA CONTABILIDADE DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE DOURADOS-MS VIII CIAEC 046 USO DA CONTABILIDADE DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE DOURADOS-MS Luciana Crispim de Souza Universidade Federal da Grande Dourados (Brasil) Antonio Carlos Vaz Lopes Universidade

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Nesse módulo iremos abordar os vários conceitos do planejamento, as características e os propósitos do planejamento dentro das organizações.

Nesse módulo iremos abordar os vários conceitos do planejamento, as características e os propósitos do planejamento dentro das organizações. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EAD MÓDULO I CONCEITOS DE PLANEJAMENTO Nesse módulo iremos abordar os vários conceitos do planejamento, as características e os propósitos do planejamento dentro das organizações.

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC)

Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC) ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gestão da Estratégia com uso do BSC Conteúdo para impressão Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC) Brasília 2014

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA

Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA A Gestão do desempenho e outros requisitos Planejamento Estratégico A Importância do Planejamento Estratégico Menos de 10% das estratégias efetivamente formuladas são

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)?

1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)? 1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)? Conceitualmente, o Balanced Scorecard, também conhecido como BSC, é um modelo de gestão que auxilia as organizações a traduzir a estratégia em objetivos operacionais

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO É o processo gerencial de desenvolver e manter um ajuste viável entre os objetivos, experiências e recursos da organização e suas oportunidades de mercado. Moldando e remoldando

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES 1 AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES Alessandra Cristina Rubio¹ Josiane Marcacini Silva² RESUMO Thiago Silva Guimarães³ A auditoria interna é de suma importância para as organizações,

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS 6.02.00.00-6 ADMINISTRAÇÃO CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS ADONILTON ALMEIDA DE SOUZA Curso

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Principais conceitos Etapas do planejamento Gestão Estratégica. Prof. Marcelo Marques. 5. Elaboração dos Planos Setoriais

Principais conceitos Etapas do planejamento Gestão Estratégica. Prof. Marcelo Marques. 5. Elaboração dos Planos Setoriais Principais conceitos Etapas do planejamento Gestão Estratégica Prof. Marcelo Marques 1. Priorização das iniciativas estratégicas 2. Criação do mapa estratégico 3. Definição de indicadores e metas institucionais

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas:

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EAD MÓDULO IV A EMPRESA COMO SISTEMA Para o estudioso na área de marketing trabalhar melhor o planejamento nas organizações, ele precisa conhecer a empresa na sua totalidade e

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL.

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. Autores: Marcus Vinicius Passos de Oliveira Elisangela Fernandes dos Santos Esaú Fagundes Simões Resumo Esta pesquisa tem

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 013/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO COMERCIAL E VENDAS Contatos Luiz Augusto Gonçalves

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público GUIA Avaliação Continuada da Gestão Pública 25 pontos A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público PQSP: Avaliação

Leia mais

Gestão das organizações contábeis

Gestão das organizações contábeis Gestão das organizações contábeis Análise dos resultados da pesquisa Dezembro/2014 por Roberto Dias Duarte Sobre a pesquisa O Sistema Público de Escrituração Digital e seus vários subprojetos têm sido

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MANUAL DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO GERAL DAS TELAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MANUAL DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO GERAL DAS TELAS MANUAL DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO GERAL DAS TELAS AS TELAS CONSTANTES DESSE MANUAL POSSIBILITAM A APRESENTAÇÃO E O DEBATE GERAL DOS ASSUNTOS ABORDADOS NO LIVRO. AS TELAS APRESENTAM RESUMOS ESQUEMÁTICOS

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS PROFESSOR Edmundo Tork APOSTILA 3 TURMA: EMPRESA E SISTEMA 5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 2 EMPRESA COMO SISTEMA E SEUS SUBSISTEMAS

Leia mais

MINI -- ARTIGO PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO (RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS) AUTOR: PROFESSOR DOUTOR ANTONIO DE LOUREIRO GIL

MINI -- ARTIGO PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO (RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS) AUTOR: PROFESSOR DOUTOR ANTONIO DE LOUREIRO GIL MINI -- ARTIGO PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO (RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS) AUTOR: PROFESSOR DOUTOR ANTONIO DE LOUREIRO GIL SÓCIO DIRETOR DE VINDEX CORRETORA DE CÂMBIO PROFESSOR TITULAR

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais.

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. Elaine Raquel Fernandes carlosadm@bol.com.br SENAC Flávia Cristina Pereira

Leia mais

Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos

Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos Revisão Organizações focalizadas na estratégia: Traduzir a estratégia em termos operacionais;

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 3 - AS PERSPECTIVAS DO BSC - FINANCEIRA E CLIENTES PLANEJAMENTO E GESTÃO ESTRATÉGICA

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC 0 Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard BSC 1. INTRODUÇÃO: O MUNDO DO TRABALHO CONTEMPORÂNEO O mundo do trabalho vem passando por constantes

Leia mais

#12 FERRAMENTAS DE GESTÃO

#12 FERRAMENTAS DE GESTÃO #12 FERRAMENTAS DE GESTÃO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Apresentação Importância de buscar a excelência da gestão O uso das ferramentas para a gestão Dicas para a melhor utilização das ferramentas de gestão

Leia mais

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS Prof. Me. Léo Noronha Objetivos Informação estratégica Sistema de informações como fonte de vantagem competitiva (VC) Conceito de informação estratégica

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria Aline Fernanda de Oliveira Castro Michelle de Lourdes Santos A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho

Qualidade de Vida no Trabalho 1 Qualidade de Vida no Trabalho Alessandra Cristina Rubio¹ Thiago Silva Guimarães² Simone Cristina Fernandes Naves³ RESUMO O presente artigo tem como tema central a Qualidade de Vida no Trabalho, com um

Leia mais