AC, Águas de Coimbra, EEM. Plano Estratégico de Gestão Patrimonial de Infraestruturas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AC, Águas de Coimbra, EEM. Plano Estratégico de Gestão Patrimonial de Infraestruturas 2013 2028"

Transcrição

1 AC, Águas de Coimbra, EEM Plano Estratégico de Gestão Patrimonial de Infraestruturas Dezembro de 0

2 Plano Estratégico de Gestão Patrimonial de Infraestruturas 03/08 Versão: 0//8 Referência doc.: igpi_planoestrategico_aceem AC, Águas de Coimbra, E.E.M. Apartado Coimbra Rua da Alegria, Coimbra Tel Fax Revisão n.º Data Autor Aprovado por: Este plano foi elaborado no âmbito do projeto igpi - Iniciativa Nacional para a Gestão Patrimonial de Infraestruturas (0-03) A Iniciativa Nacional para a Gestão Patrimonial de Infraestruturas é promovida pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), pelo Instituto Superior Técnico (IST) e pela Addition, Lda., e conta com as seguintes entidades gestoras participantes: Modalidade Águas de Coimbra Águas da Região de Aveiro AQUAPOR CM Sabugal EMAR Vila Real INDAQUA Infraquinta/ Inframoura/ Infralobo INOVA - Cantanhede SM Abrantes SMAS Almada SMAS Castelo Branco SMAS Loures SMAS Sintra SMSB Viana do Castelo Modalidade Águas do Oeste AGERE - Braga EAmb Esposende INDAQUA * SMAS Sintra * * também participa na Modalidade ii AC, Águas de Coimbra, EEM

3 PLANEAMENTO INTEGRADO O presente plano estratégico de GPI, articula-se com os seguintes outros instrumentos de planeamento, existentes e em utilização na AC, Águas de Coimbra E.E.M. (AC): Plano de Investimentos Plurianual Instrumentos de Gestão Previsional Sistema de Gestão Integrado Plano Diretor do Abastecimento de Água Plano Diretor de Drenagem Plano Controlo da Qualidade da Água Plano Controlo Operacional Plano de Higienização e Limpeza de Reservatórios Plano de Manutenção Mecânica das Instalações Plano de Manutenção Eletromecânica das Estações Elevatórias Plano de Inspeção e Limpeza das EEAR Plano de Descargas na Rede de Distribuição de água Plano de Controlo de Perdas de Água Plano de Gestão de Parque de contadores Plano de Manutenção de Hidrantes Plano de Manutenção de Infraestruturas de Saneamento Plano de Manutenção e Limpeza de Sarjetas e Sumidouros Os referidos instrumentos de gestão e planeamento, relacionam-se entre si e nos diferentes setores da Entidade Gestora (EG), das mais variadas formas. Mais importante que a forma como se relacionam entre si, é por vezes, a divulgação da informação disponível, para que possa ser tratada, analisada e cruzada, por todos os intervenientes e com os restantes dados disponíveis. Relativamente aos Planos elencados, relacionam-se com a vertente da exploração e manutenção (DEMS), os seguintes documentos: - Plano de Controlo Operacional Água GSM; - Plano de Higienização e Limpeza de Reservatórios SILA e GSM; - Plano de Manutenção Mecânica das Instalações SOVE; - Plano de Manutenção Eletromecânica das Estações Elevatórias - SEEE; - Plano de Inspeção e Limpeza das EEAR SESA; - Plano de Descargas na Rede de Distribuição de Água - GSM; - Plano de Manutenção de Hidrantes SAS; - Plano de Manutenção de Infraestruturas de Saneamento SESA; - Plano de Manutenção e Limpeza de Sarjetas e Sumidouros SESA; iii

4 Relacionados com a área comercial (DAFC) e a exploração e manutenção, identificam-se os seguintes Planos: - Plano de Controlo da Qualidade da Água GSM; - Plano de Controlo de Perdas de Água GCPA; - Plano de Gestão de Parque de Contadores SELAB; Quanto às áreas de planeamento (DPO) e financeiro (DAFC), selecionam-se os seguintes Planos: - Plano de Investimentos Plurianual; - Instrumentos de Gestão Previsional; - Plano Diretor do Abastecimento de Água - Plano Diretor de Drenagem Finalmente, em todas as áreas de intervenção da AC, identifica-se o Sistema de Gestão da Qualidade. A figura seguinte esquematiza de forma sucinta e gráfica, as relações entre os vários instrumentos de planeamento. Estratégico Instrumentos de Gestão Previsional Plano de Investimentos Plurianual Sistema de Gestão Integrado Tático Plano Diretor de Abastecimento de Água Plano Diretor de Drenagem Operacional Plano Controle de Qualidade da Água; Plano Controlo Operacional; Plano de Higienização e Limpeza de Reservatórios; Plano de Manutenção Mecânica das Instalações; Plano de Manutenção Eletromecânica das Estações Elevatórias; Plano de Inspeção e Limpeza das EEAR; Plano de Descargas na Rede de Distribuição de água; Plano de Controlo de Perdas de Água; Plano de Gestão de Parque de contadores; Plano de Manutenção de Hidrantes; Plano de Manutenção de Infraestruturas de Saneamento; Plano de Manutenção e Limpeza de Sarjetas e Sumidouros Figura Relações entre os vários instrumentos de planeamento iv AC, Águas de Coimbra, EEM

5 LISTA DE ACRÓNIMOS AC EG DEMS DAFC DPO GSM SILA SEEE SOVE SESA SAS GCPA SELAB GAT GTI GPI PNA PEAASAR II SAA SAR SAP CA MT OE AC, Águas de Coimbra, E.E.M. Entidade Gestora Direção de Exploração e Manutenção de Sistemas Direção Administrativo, Financeiro e Comercial Direção de Planeamento e Obras Gabinete dos Sistemas Municipais Serviço de Instalações e Linhas de Água Setor Equipamento Eletromecânico Serviço de Oficinas Viaturas e Equipamentos Setor de Saneamento Serviço de Água e Saneamento Gabinete Controlo Perdas de Água Setor Laboratório de Contadores Gabinete de Assessoria Técnica Gabinete Técnico e de Inovação Gestão Patrimonial de Infraestruturas Plano Nacional da Água Plano Estratégico de Abastecimento de Água e Saneamento de Águas Residuais Sistema de Abastecimento de Água Sistema de Águas Residuais Sistema de Águas Pluviais Critério de Avaliação Métrica Objetivo Estratégico v

6 ÍNDICE DE TEXTO. Sumário executivo 9. Caracterização da entidade gestora 3. Âmbito e horizonte do plano 3 4. Visão e missão da entidade gestora 4 5. Objetivos, critérios, métricas e metas 5 5. Objetivos estratégicos 5 5. Critérios de avaliação Métricas e metas de avaliação 7 6. Diagnóstico 9 6. Avaliação da situação de referência 9 6. Oportunidades de melhoria e principais ameaças 6.3 Pontos fortes e pontos fracos relevantes 7. Estratégias para a gestão patrimonial de infraestruturas 3 8. Recursos necessários à implementação do Plano Estratégico de GPI 5 8. Recursos humanos 5 8. Recursos tecnológicos Recursos financeiros 6 9. Monitorização e revisão do Plano Estratégico de GPI 7 9. Procedimento de monitorização 7 9. Procedimento de revisão 7 0. Referências bibliográficas 8 Anexos 9 A. Controlo das versões do documento 9 A. Bases do diagnóstico da situação atual 9 A.3 Bases para a monitorização e revisão do Plano Estratégico de GPI 3 A.4 Formulário para calculo das métricas 35 vi AC, Águas de Coimbra, EEM

7 ÍNDICE DE FIGURAS Pág. IV Pág. 4 Figura Relações entre os vários instrumentos de planeamento Figura Concelho de Coimbra e respetivas freguesias vii

8 ÍNDICE DE QUADROS Quadro 5. Objetivos estratégicos. Quadro 5. Critérios de avaliação. Quadro 5.3 Métricas para o cálculo dos critérios de avaliação e objetivos estratégicos. Quadro 6. Avaliação do desempenho da situação de referência (0) Critérios de avaliação. Quadro 6. Avaliação do desempenho da situação de referência (0) Objetivos Estratégicos. Quadro 7. Estratégias infraestruturais. Quadro 7. Estratégias não-infraestruturais. Quadro 8. Recursos humanos necessários à implementação do plano estratégico de GPI. Quadro 8. Recursos tecnológicos necessários à implementação do plano estratégico de GPI. Quadro 8.3 Recursos financeiros necessários à implementação do plano estratégico de GPI. Quadro A.3. - Controlo do documento. Quadro A.. Contexto externo global. Quadro A.. Contexto externo específico. Quadro A..3 Contexto interno relevante para a GPI. Quadro A.3. Lista de métricas com avaliação do desempenho da situação de referência (0) e metas a atingir. Quadro A.3. Revisões do Plano Estratégico. Quadro A.4. Lista de métricas calculadas segundo o Guia Técnico nº9 do ERSAR. Quadro A.4. Lista de métricas definidas pela AC no âmbito do presente plano e respetivo formulário de cálculo. viii AC, Águas de Coimbra, EEM

9 . Sumário executivo A empresa AC, Águas de Coimbra, E.E.M. (AC) é responsável pela distribuição de água e pelo saneamento de águas residuais aos munícipes de Coimbra (sistema em baixa), abrangendo uma área de 36.5 km com cerca de clientes e taxas de cobertura dos serviços de água e de saneamento de praticamente 00% e 96%, respetivamente, no final do ano de 0. Tal responsabilidade é traduzida na necessidade de gerir um conjunto muito significativo de infraestruturas. A Missão da AC é Assegurar às pessoas serviços de excelência de abastecimento de água e saneamento de águas residuais, que contribuam para uma vida saudável e promovam a proteção do meio ambiente, recorrendo às melhores práticas de gestão para garantir um desenvolvimento sustentável, nas suas vertentes social, ambiental e económica. A Visão que a empresa tem do seu futuro expressa-se do seguinte modo: A AC, através da ação dedicada dos seus colaboradores, aspira a contribuir para a saúde e bem-estar das pessoas, assegurando em simultâneo o uso eficiente da Água como um recurso valioso e atuando com ética no respeito pelos valores da Natureza, preservando o Meio Ambiente para as gerações futuras. Neste âmbito, para prossecução da sua Missão, a AC definiu um conjunto de projetos e iniciativas capazes de adequar a empresa para responder aos desafios de modernização do setor, na busca de uma maior eficácia e eficiência na sua atuação. A implementação da Gestão Patrimonial de Infraestruturas é um destes projetos, que além do cumprimento da legislação (Decreto-Lei 94/009 de 0 de Agosto), pretende apetrechar a empresa de novos instrumentos de planeamento e de apoio à decisão, que permitam aumentar a fiabilidade e sustentabilidade das infraestruturas e promover a satisfação dos clientes, assegurando um equilíbrio entre as dimensões de desempenho, risco e custo numa perspetiva de longo prazo. Os Objetivos Estratégicos da empresa estão definidos no âmbito do Sistema da Qualidade, consubstanciado na NPEN ISO 900 de 008, sendo os seguintes mais relevantes para a análise na vertente GPI: Objetivo - Assegurar a qualidade da água fornecida em níveis de excelência; Objetivo 3 - Otimizar a adequação das infraestruturas de abastecimento de água e de drenagem de águas residuais; Objetivo 4 - Otimizar a eficácia da organização e promover a utilização eficiente de recursos. No âmbito do presente plano, foram definidos diversos critérios de avaliação para cada objetivo, e um conjunto de métricas consideradas mais relevantes para a avaliação do desempenho da empresa ao nível estratégico. Para a quantificação desse desempenho foram definidos pesos e valores, utilizando a metodologia do programa aware, bem como definidas as metas a atingir em 08 e 08, permitindo à AC saber como está atualmente ao nível da GPI, e como pretende estar no futuro. Foi realizada a avaliação da situação de referência, ano de 0, analisadas as oportunidades de melhoria e ameaças, internas e externas à AC, bem como os seus pontos fortes e fracos. 9

10 Nessa sequência e função da análise dos resultados obtidos, entendeu-se como relevantes, a adoção das seguintes estratégias infraestruturais: Estratégia Reabilitar planeadamente as redes e ramais de água Estratégia Reabilitar planeadamente as redes e ramais de drenagem Estratégia 3 Promover um maior controlo de perdas de água Estratégia 4 Promover o controlo de afluências indevidas Estratégia 5 Promover o controlo de descargas da rede de drenagem de águas residuais Estratégia 6 Garantir um nível de serviço (pressões na rede) adequado Estratégia 7 Garantir o fornecimento de água com elevados níveis de qualidade Estratégia 8 Otimizar a eficiência energética das instalações elevatórias De igual modo e de acordo com os critérios estabelecidos, foram definidas as seguintes estratégias não-infraestruturais: Estratégia 9 Promover a adesão e participação dos colaboradores Estratégia 0 Garantir a cobertura equilibrada dos gastos totais Estratégia Potenciar o acesso a fundos estruturais Estratégia Ajustar a estrutura hierárquica e os modelos de decisão e definir a politica de outsourcing Estratégia 3 Melhorar a integração entre os sistemas de informação Estratégia 4 Melhorar o sistema de gestão das ordens de serviço Fez-se ainda, embora de uma forma muito genérica face ao nível estratégico deste plano, uma análise dos recursos humanos, tecnológicos e financeiros que serão necessários para a implementação da GPI. O presente Plano Estratégico terá um horizonte temporal de 5 anos, ou seja, até 08, sem prejuízo de eventuais alterações e melhorias. A revisão será efetuada, por regra, com uma periodicidade de 5 anos. Poderá ser efetuada num período de tempo inferior, caso se justifique. 0 AC, Aguas de Coimbra, EEM

11 . Caracterização da entidade gestora A AC é uma entidade empresarial municipal, conforme legislação em vigor, cuja criação foi consubstanciada em de Maio de 003, através de Escritura de transformação dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Coimbra, em empresa Pública Municipal. Posteriormente, cumprindo com o Regime Jurídico do Sector Empresarial Local, resultaram os atuais estatutos que alteraram a anterior designação para AC, Aguas de Coimbra, EEM, ou seja, a Empresa passa a uma pessoa coletiva de direito público, sob a forma de entidade empresarial municipal, dotada de personalidade jurídica e autonomia administrativa, financeira e patrimonial. Como principais dados e elementos da Empresa no final de 0, podemos apresentar: Identificação: AC, Aguas de Coimbra, EEM; Sede Social: Rua da Alegria, n.º COIMBRA; Capital Social: euros; Inscrita na Conservatória do Registo comercial de Coimbra com o NIPC ; Sócios: Município de Coimbra 00 % Participações Sociais: A Empresa AC, Aguas de Coimbra, EEM não detém participações sociais em qualquer outra entidade. A AC emprega cerca de 80 trabalhadores e tem como objeto social, atividades de interesse geral, inseridas no domínio das atribuições de ambiente e saneamento do Município de Coimbra, nomeadamente: a Construção e Exploração do Sistema Municipal de Abastecimento de Água, a Construção e Exploração do Sistema Municipal de Drenagem de Águas Residuais, e a Conservação e Manutenção da rede hidrográfica municipal dentro das áreas urbanas. A área geográfica total abrangida é genericamente, a correspondente ao concelho de Coimbra, composto por 3 freguesias (Figura II), ocupando uma área de aproximadamente 30 km. Para o ano de 0, com base nos Censos, a população residente no concelho de Coimbra é de habitantes, a que corresponde a uma densidade populacional de aproximadamente 464hab./km. A cidade de Coimbra propriamente dita (representada na Figura seguinte, na parte central do concelho), apresenta uma área de 58.7 km (8% da área total) e uma população residente em 0 estimada em 60% da população concelhia, o que corresponde a uma densidade populacional de cerca, 57 hab./km. De acordo com os dados mais recentes, relativos ao ano de 0, o número total de clientes do serviço de abastecimento água foi de 83300, dos quais eram clientes domésticos, enquanto o número total de utilizadores do serviço de saneamento foi de

12 Figura Concelho de Coimbra e respetivas freguesias. As taxas de cobertura dos serviços de água e de saneamento nto eram no final do ano de 0 de praticamente 00% no caso da água e de 96% no saneamento. No final deste ano, as infraestruturas do Sistema de Abastecimento de Água eram compostas essencialmente por 9595 km de condutas, 38 estações elevatórias e 58 reservatórios. Na mesma data, as infraestruturas do Sistema de Drenagem de Águas Residuais eram compostas por 070 km de coletores (dos quais 35 km de águas pluviais) e 37 estações elevatórias. AC, Aguas de Coimbra, EEM

13 3. Âmbito e horizonte do plano Tendo por base os objetivos que a AC se propõe atingir e a noção de Plano Estratégico, entendemos como adequado a sua elaboração com um horizonte temporal de 5 anos, estendendo-se o presente plano até 08. Esta opção, será sem prejuízo de no futuro, sempre que se justifique ou de forma intercalar, realizar as necessárias alterações e melhorias, com as intrínsecas revisões do Plano, na ótica do PDCA (melhoria continua). 3

14 4. Visão e missão da entidade gestora O Conselho de Administração da AC, mais concretamente em 4 de Julho de 00, determinou as atuais visão e missão da Empresa: VISÂO - A Águas de Coimbra, através da ação dedicada dos seus colaboradores, aspira a contribuir para a saúde e bem estar das pessoas, assegurando em simultâneo o uso eficiente da água como um recurso valioso e atuando com ética no respeito pelos valores da natureza, preservando o Meio Ambiente para as gerações futuras. MISSÂO - A Águas de Coimbra tem como Missão assegurar às pessoas serviços de excelência de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais, que contribuam para uma vida saudável e promovam a proteção do meio ambiente. 4 AC, Aguas de Coimbra, EEM

15 5. Objetivos, critérios, métricas e metas 5. Objetivos estratégicos No âmbito do Sistema da Qualidade, de acordo com a NPEN ISO 900 de 008, estão definidos, para o ano de 0, os Objetivos Estratégicos da AC. Embora os referidos objetivos não tenham sido delineados com enfoque numa visão de Gestão Patrimonial de Infraestruturas, entendeu-se que os mesmos têm aplicabilidade nesta vertente, sendo que posteriormente, se assim se justificar no âmbito dos processos de revisão e melhoria continua, os mesmos podem vir a ser alterados. Assim, os objetivos estratégicos que a AC definiu, considerando o seu âmbito de intervenção, são os referidos no quadro 5., sendo que no âmbito da GPI, entendeu-se alicerçar o estudo nos objetivos estratégicos, 3 e 4, que se consideram mais adequados para este fim. Quadro 5. Objetivos estratégicos. Objetivo : Satisfação dos clientes Descrição do objetivo: Manter o nível de satisfação dos clientes elevado. Objetivo : Qualidade da água Descrição do objetivo: Assegurar a qualidade da água fornecida em níveis de excelência. Objetivo 3: Adequação das infraestruturas Descrição do objetivo: Otimizar a adequação das infraestruturas de abastecimento de água e de drenagem de águas residuais. Objetivo 4: Eficácia da organização Descrição do objetivo: Otimizar a eficácia da organização e promover a utilização eficiente de recursos. Objetivo 5: Satisfação dos colaboradores Descrição do objetivo: Promover a adequação das competências e a satisfação dos colaboradores Objetivo 6: Desenvolvimento local Descrição do objetivo: Contribuir para o desenvolvimento local e promover a interação da AC com a comunidade envolvente Objetivo 7: Prestação de serviços a outras entidades Descrição do objetivo: Promover a prestação de serviços, conexos à atividade da AC, a outras entidades 5

16 5. Critérios de avaliação Considerando a relevância dos diferentes objetivos estratégicos para a AC e a sua importância para a otimização do seu desempenho no quadro atual de organização, optou-se por selecionar os objetivos, 3 e 4, considerando que são os que se relacionam de forma mais efetiva com a GPI. Os critérios de avaliação de cada um dos objetivos estratégicos, foram pensados e definidos de modo a permitirem a avaliação correta do seu desempenho, tendo em vista a melhoria contínua da Empresa, resultando nos que se apresentam no quadro 5.. Quadro 5. Critérios de avaliação. Objetivo estratégico Objetivo : Qualidade da água (Assegurar a qualidade da água fornecida em níveis de excelência) Critérios de avaliação CA - Cumprimento das normas em matéria de saúde pública e de qualidade da água para consumo humano CA - Funcionamento dos sistemas, assegurando uma boa qualidade da água CA3 - Continuidade e qualidade do serviço Objetivo 3: Adequação das infraestruturas (Otimizar a adequação das infraestruturas de abastecimento de água e de drenagem de águas residuais) CA4 - Desempenho hidráulico das redes de abastecimento de água e de drenagem de águas residuais. CA5 - Adequação da quantidade da água CA6 - Sustentabilidade e integridade infraestrutural CA7 - Sustentabilidade económico-financeira da AC CA8 - Eficiência do uso da água Objetivo 4: Eficácia da organização (Otimizar a eficácia da organização e promover a utilização eficiente de recursos) CA9 - Eficiência do uso da energia CA0 - Eficiência da utilização dos recursos humanos, tecnológicos e materiais CA - Prevenção e controlo da poluição, e da afluência de águas pluviais indevidas ao sistema de drenagem de águas residuais CA - Qualidade da informação 6 AC, Aguas de Coimbra, EEM

17 5.3 Métricas e metas de avaliação As métricas e metas de avaliação para cada um dos critérios, foram escolhidas, na sua maioria, utilizando os indicadores de qualidade de serviço do ERSAR, para facilidade da aquisição dos dados. Apresentam-se no Quadro 3 as métricas usadas para o cálculo de cada critério de avaliação e objetivos estratégicos, com descriminação das relevâncias, e no Anexo A.3 a listagem das métricas com os resultados registados no ano 0 e metas a atingir nos anos 08 e 08, e no Anexo A.4 o método de cálculo de cada métrica. Foram adotadas relevâncias segundo a metodologia AWARE (0,50 Muito baixa; 0,75 Baixa;,00 Média;,50 Alta;,00 Muito alta). Quadro 5.3 Métricas para o cálculo dos critérios de avaliação e objetivos estratégicos. Objetivos estratégicos Objetivo : Qualidade da água (Assegurar a qualidade da água fornecida em níveis de excelência) Objetivo 3: Adequação das infraestruturas (Otimizar a adequação das infraestruturas de abastecimento de água e de drenagem de águas residuais) Critérios de avaliação CA - Cumprimento das normas em matéria de saúde pública e de qualidade da água para consumo humano CA - Funcionamento dos sistemas, assegurando uma boa qualidade da água CA3 - Continuidade e qualidade do serviço CA4 - Desempenho hidráulico das redes de abastecimento de água e de drenagem de águas residuais. CA5 - Adequação da quantidade da água CA6 - Sustentabilidade e integridade infraestrutural CA7 - Sustentabilidade económico-financeira da AC Métricas Nº Rel. Nome MT.00 AA04 Qualidade da água (%) MT9.00 MT 0.50 % de nós do sistema de distribuição com idade da água, desde os pontos de entrega em alta até aos consumidores finais, inferior a 48 horas AA03b - Ocorrência de falhas no abastecimento (/000 ramais.ano) MT6.50 AAb - Ocorrência de avarias em condutas (/00Km/ano) MT.50 MT45.00 AR03b Ocorrência de inundações no sistema de drenagem de águas residuais (/000 ramais) Ocorrência de colapsos estruturais em coletores pluviais (/00 km coletor / ano) MT7.50 % de nós da rede de distribuição com pressões regulamentares MT8.00 MT3.00 MT MT38.00 MT39.00 % de nós da rede de distribuição com variação de pressão em 4 h, inferior a 300 KPa % da rede de drenagem de águas residuais com poder de transporte auto-limpeza > 4 N/m % da rede de drenagem de águas residuais com velocidade máxima de escoamento regulamentar % da rede de drenagem de águas pluviais com poder de transporte auto-limpeza > 4 N/m % da rede de drenagem de águas pluviais com velocidade máxima de escoamento regulamentar MT.00 PAA0b Capacidade de reserva de água tratada (dias) MT6.50 AAb - Ocorrência de avarias em condutas (/00Km/ano) MT5.50 AA0b Reabilitação de condutas (%/ano) MT4.50 MT5.50 MT45.50 AR08b Reabilitação de coletores de drenagem de águas residuais (%/ano) AR09b - Ocorrência de colapsos estruturais em coletores de drenagem de águas residuais (/00 km coletor / ano) Ocorrência de colapsos estruturais em coletores pluviais (/00 km coletor / ano) MT46.50 Reabilitação de coletores pluviais (%/ano) MT AA06b Cobertura dos gastos totais do sistema de abastecimento de água (-) MT4.50 AA08b Água não faturada (%) MT MT AR05b Cobertura dos gastos totais do sistema de drenagem de águas residuais (-) Cobertura dos gastos totais do sistema de drenagem de águas pluviais (-) 7

18 Objetivos estratégicos Objetivo 4: Eficácia da organização (Otimizar a eficácia da organização e promover a utilização eficiente de recursos) Critérios de avaliação Métricas Nº Rel. Sistema CA8 - Eficiência do uso da água MT8.00 AA3b Perdas reais de água (l/(ramal.dia)) CA9 - Eficiência do uso da energia CA0 - Eficiência da utilização dos recursos humanos, tecnológicos e materiais CA - Prevenção e controlo da poluição, e da afluência de águas pluviais indevidas ao sistema de drenagem de águas residuais CA - Qualidade da informação MT9.00 MT7.00 MT7.00 MT.00 MT6.00 MT36.00 MT4.00 AA5b Eficiência energética de instalações elevatórias (kwh/m3/00m) ARb Eficiência energética de instalações elevatórias do sistema de drenagem de águas residuais (kw/m3/00m) AAb Adequação dos recursos humanos do sistema de abastecimento de água (/000 ramais) Recursos de materiais e equipamentos utilizados por sistema de abastecimento ( /000 ramais) AR0b Adequação dos recursos humanos do sistema de drenagem de águas residuais (/00km/ano) Recursos de materiais e equipamentos utilizados por sistema de drenagem de águas residuais ( /00km/ano) Adequação dos recursos humanos do sistema de drenagem de águas pluviais (/00km/ano) MT AR3b Controlo de descargas de emergência (%) MT37.00 Verificação de ligações indevidas a ramais domiciliários (%/ano) MT0.50 MT30.50 MT43.50 AA44b Índice de conhecimento infraestrutural e de gestão patrimonial da rede de água (-) AR45b - Índice de conhecimento infraestrutural e de gestão patrimonial da rede de drenagem de águas residuais (-) Índice de conhecimento infraestrutural e de gestão patrimonial da rede pluvial 8 AC, Aguas de Coimbra, EEM

19 6. Diagnóstico 6. Avaliação da situação de referência À data de 0, as taxas de cobertura são 00% para o abastecimento de água e 96% para a drenagem de águas residuais domésticas, o que leva a AC do ciclo dominante da construção para o ciclo da gestão dos sistemas. O envelhecimento das infraestruturas, sujeitas a diferentes causas de degradação ao longo do tempo, coloca uma tónica crescente nas necessidades de manutenção preventiva e reabilitação. O deferimento dos investimentos nesse domínio agrava seriamente o problema a cada ano que passa. Assentando aos objetivos que orientam a gestão da AC, que pretendem a manutenção do nível de satisfação dos clientes elevado, a garantia da qualidade da água fornecida em níveis de excelência, a otimização da adequação das infraestruturas e da eficácia da organização promovendo a utilização eficiente de recursos, o contributo para o desenvolvimento local e a promoção da prestação de serviços, conexos à atividade da AC, a outras entidades externas, tem sido estabelecido como prioridade, a reabilitação das redes de distribuição de água existentes, a ampliação da rede de saneamento e separação dos sistemas de drenagem, a melhoria contínua nos seus procedimentos e a satisfação dos utentes e munícipes. Por conseguinte ao nível da realização de novas infraestruturas, atendendo à cobertura praticamente total do concelho de Coimbra com distribuição pública de água, as prioridades têm vindo a ser: () a reabilitação das redes de distribuição que pela sua idade, estado de conservação e nível de perdas de água ou capacidade de transporte, importa substituir; () a ampliação do serviço público de drenagem de águas residuais de modo a servir a grande maioria da população do concelho de Coimbra, tendo em atenção critérios de custo e de eficiência e as metas definidas no PEAASAR II, para o período 007/03; e (3) implementação de medidas destinadas a evitar a entrada de águas pluviais nos sistemas de drenagem de águas residuais, com a concomitante descarga de águas residuais nos meios recetores, dificuldades de exploração de ETAR e dificuldades no relacionamento entre empresas em baixa e em alta (sistemas multimunicipais), tomando também em conta as metas definidas no PEAASAR II. Nos últimos 6 anos a AC dotou-se de um conjunto de ferramentas tecnológicas, das quais se destacam o ERP, o SIG, a telegestão, a modelação hidráulica, o equipamento de deteção perdas de água em redes de abastecimento de água, o equipamento de deteção de ligações indevidas nas redes de drenagem, a inspeção vídeo de coletores, a gestão de frota, etc., que permitem obter um conjunto de informação bastante significativa. No entanto, toda essa informação não é ainda sistematizada e analisada de um modo que permita um efetivo resultado que caracteriza adequadamente o estado das infraestruturas, para a sua gestão a médio e longo prazo, numa vertente de GPI. De acordo com os condicionalismos acima referido apresenta-se nos Quadros seguinte (6. e 6.) a avaliação da situação de referência dos critérios de avaliação e dos objetivos estratégicos definidos nos Pontos 5. e 5.. 9

20 Quadro 6. Avaliação do desempenho da situação de referência (0) Critérios de avaliação. CA Critérios de avaliação Resultado SAA SAR SAP Resultado CA CA Cumprimento das normas em matéria de saúde pública e de qualidade da água para consumo humano.8.8 CA Funcionamento dos sistemas, assegurando uma boa qualidade da água CA3 Continuidade e qualidade do serviço CA4 Desempenho hidráulico das redes de abastecimento de água e de CA5 drenagem Adequação de da águas quantidade residuais. da água CA6 Sustentabilidade e integridade infraestrutural CA7 Sustentabilidade económico-financeira da AC CA8 Eficiência do uso da água CA9 Eficiência do uso da energia CA0 Eficiência da utilização dos recursos humanos, tecnológicos e materiais CA Prevenção e controlo da poluição, e da afluência de águas pluviais CA indevidas Qualidade ao da sistema informação de drenagem de águas residuais Média dos CA / Tipo de Sistema Quadro 6. Avaliação do desempenho da situação de referência (0) Objetivos Estratégicos. Objetivos estratégicos Objetivo : Qualidade da água (Assegurar a qualidade da água fornecida em níveis de excelência) Objetivo 3: Adequação das infraestruturas (Otimizar a adequação das infraestruturas de abastecimento de água e de drenagem de águas residuais) Objetivo 4: Eficácia da organização (Otimizar a eficácia da organização e promover a utilização eficiente de recursos) Critérios de avaliação para cálculo dos objetivos estratégicos CA - Cumprimento das normas em matéria de saúde pública e de qualidade da água para consumo humano CA - Funcionamento dos sistemas, assegurando uma boa qualidade da água CA3 - Continuidade e qualidade do serviço CA4 - Desempenho hidráulico das redes de abastecimento de água e de drenagem de águas residuais CA5 - Adequação da quantidade da água CA6 - Sustentabilidade e integridade infraestrutural CA7 - Sustentabilidade económico-financeira da AC.8 0. CA8 - Eficiência do uso da água CA9 - Eficiência do uso da energia CA0 - Eficiência da utilização dos recursos humanos, tecnológicos e materiais CA - Prevenção e controlo da poluição, e da afluência de águas pluviais indevidas ao sistema de drenagem de águas residuais Resultado CA Relev. OE CA - Qualidade da informação.3 0. Resultado OE Média dos Objetivos.88 0 AC, Aguas de Coimbra, EEM

PLANO ESTRATÉGICO. de Gestão Patrimonial de Infraestruturas ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ÁGUAS RESIDUAIS 2013-2035

PLANO ESTRATÉGICO. de Gestão Patrimonial de Infraestruturas ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ÁGUAS RESIDUAIS 2013-2035 PLANO ESTRATÉGICO de Gestão Patrimonial de Infraestruturas ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ÁGUAS RESIDUAIS 2013-2035 PLANO ESTRATÉGICO DE GESTÃO PATRIMONIAL DE INFRAESTRUTURAS ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ÁGUAS RESIDUAIS

Leia mais

A Gestão Patrimonial de Infraestruturas de água e saneamento em Portugal e a sua importância

A Gestão Patrimonial de Infraestruturas de água e saneamento em Portugal e a sua importância A Gestão Patrimonial de Infraestruturas de água e saneamento em Portugal e a sua importância João Paulo Leitão Investigador pós-doutoramento Cantanhede, 29 julho 2013 LNEC 1 Estrutura da apresentação O

Leia mais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais

Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Termos de referência para o cadastro das infraestruturas de abastecimento de água e de saneamento de águas residuais Enquadramento A base do conhecimento de qualquer sistema de abastecimento de água e

Leia mais

WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal

WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal Eficiência dos sistemas de abastecimento de água para consumo humano WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal IPQ, 9 de abril de 2014 Os serviços

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS (PO SEUR) DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO (022) TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS

PROGRAMA OPERACIONAL SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS (PO SEUR) DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO (022) TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS PROGRAMA OPERACIONAL SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS (PO SEUR) DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO (022) TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS TIPOLOGIA DE OPERAÇÕES PRIORIDADE 6II ; OBJETIVO ESPECÍFICO 2

Leia mais

PROJETO COLABORATIVO DE GESTÃO DE CAUDAIS INDEVIDOS NO GRUPO AQUAPOR LUSÁGUA

PROJETO COLABORATIVO DE GESTÃO DE CAUDAIS INDEVIDOS NO GRUPO AQUAPOR LUSÁGUA PROJETO COLABORATIVO DE GESTÃO DE CAUDAIS INDEVIDOS NO GRUPO AQUAPOR LUSÁGUA Sara CARRIÇO 1 ; Susana BARRETO 2 ; Filipe ALPUIM 3 ; Paulo OLIVEIRA 4 RESUMO A melhoria da eficiência dos sistemas de drenagem

Leia mais

Águas de Abastecimento

Águas de Abastecimento Águas de Abastecimento AA01b Acessibilidade física do serviço 100 % AA02b Acessibilidade económica do serviço 0,30 % AA03b Ocorrência de falhas no abastecimento 0,6 /(1000 ramais.ano) AA04b Água segura

Leia mais

Grandes Opções do Plano 2013-2016

Grandes Opções do Plano 2013-2016 Grandes Opções do Plano 2013-2016 Plano Plurianual de Investimentos 2013-2016 O Grupo Águas de Portugal apresentou aos Municípios do Oeste, no segundo semestre de 2009, as possibilidades de constituição

Leia mais

Visita da delegação do Prémio Nacional de Qualidade em Saneamento/2013 (PNQS) INSPEÇÕES CONHECIMENTO REAL PARA A GESTÃO DE ATIVOS

Visita da delegação do Prémio Nacional de Qualidade em Saneamento/2013 (PNQS) INSPEÇÕES CONHECIMENTO REAL PARA A GESTÃO DE ATIVOS Visita da delegação do Prémio Nacional de Qualidade em Saneamento/2013 (PNQS) INSPEÇÕES CONHECIMENTO REAL PARA A GESTÃO DE ATIVOS AGENDA 1. A EPAL 2. Situação da EPAL e Estratégia Adotada 3. Sistema de

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 3 Gestão de Instalações Desportivas 1.3. Sistemas integrados de qualidade, ambiente e segurança Ambiente,

Leia mais

INFRAQUINTA. Afirmação de uma Cultura Ambiental. "Modelos de Gestão no Sector do Turismo. Albufeira, 22 Abril 2009

INFRAQUINTA. Afirmação de uma Cultura Ambiental. Modelos de Gestão no Sector do Turismo. Albufeira, 22 Abril 2009 INFRAQUINTA Afirmação de uma Cultura Ambiental "Modelos de Gestão no Sector do Turismo Albufeira, 22 Abril 2009 AGENDA 1. A INFRAQUINTA Génese Estrutura Accionista Organograma Missão Competências 2. O

Leia mais

Qgis na Gestão Patrimonial de Infraestruturas (GPI) Município do Sabugal. Telmo Salgado e Ana Carreira

Qgis na Gestão Patrimonial de Infraestruturas (GPI) Município do Sabugal. Telmo Salgado e Ana Carreira Qgis na Gestão Patrimonial de Infraestruturas (GPI) Município do Sabugal Telmo Salgado e Ana Carreira Introdução do Qgis no SIG da câmara municipal do sabugal Teve como motivação principal os custos elevados

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água

A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água no Mundo Como pode a PPA contribuir para uma melhor consolidação.

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

Grandes Opções do Plano 2011-2014

Grandes Opções do Plano 2011-2014 Grandes Opções do Plano 2011-2014 Plano Plurianual de Investimentos 2011-2014 Apesar da apresentação efectuada pelo Grupo Águas de Portugal no segundo semestre de 2009 das possibilidades de constituição

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa O Município de Mirandela tem entendido como de interesse municipal as iniciativas empresariais de natureza

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

GESTÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS

GESTÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS GESTÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS GESTÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS O SETOR Antes de 1993, a situação global dos serviços de abastecimento público de água e saneamento de águas residuais

Leia mais

Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho. Patrícia Serra

Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho. Patrícia Serra Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho Patrícia Serra 1 Objetivos das Auditorias ao SGSST Verificar se o SG cumpre eficazmente a política, os objetivos e metas definidos pela organização

Leia mais

Águas de Coimbra Plano de Atividades Instrumentos de Gestão Previsional 2013 APRESENTAÇÃO

Águas de Coimbra Plano de Atividades Instrumentos de Gestão Previsional 2013 APRESENTAÇÃO AC, ÁGUAS DE COIMBRA, E.E.M. Plano de Atividades Instrumentos de Gestão Previsional 2013 AC, ÁGUAS DE COIMBRA, E.E.M. Plano de Atividades Instrumentos de Gestão Previsional 2013 ÍNDICE 5. Apresentação

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS O setor de serviços de águas compreende: as atividades de abastecimento de água às populações urbanas e rurais e às atividades

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

AC, Águas de Coimbra, E.M. Instrumentos de Gestão Previsional 2014

AC, Águas de Coimbra, E.M. Instrumentos de Gestão Previsional 2014 AC, Águas de Coimbra, E.M. Instrumentos de Gestão Previsional 2014 ÍNDICE 5. Apresentação 7. Deliberação 9. Objetivos Serviço de Gestão e Planeamento Recursos Humanos Serviço de Formação, Saúde, Higiene

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA

GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA Infomail GUIA DO CONSUMIDOR DE ÁGUA Índice Prestação do serviço de abastecimento de água Está sujeita a regras especiais? É obrigatória? O que é necessário? Como se processa a ligação à rede pública? Quem

Leia mais

CONTRIBUTO DA INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NA GESTÃO OPERACIONAL DE ENTIDADES GESTORAS DE SERVIÇOS DE ÁGUAS

CONTRIBUTO DA INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NA GESTÃO OPERACIONAL DE ENTIDADES GESTORAS DE SERVIÇOS DE ÁGUAS CONTRIBUTO DA INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NA GESTÃO OPERACIONAL DE ENTIDADES GESTORAS DE SERVIÇOS DE ÁGUAS JOÃO COELHO RITA ALMEIDA ALICE GANHÃO ANA SANTOS JOÃO FELICIANO Conferência Nacional de Geodecisão Escola

Leia mais

Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa

Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa O Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento entrou em vigor a 15/01/2015, após aprovação pela Câmara Municipal

Leia mais

31ª Reunião Comissão de Acompanhamento

31ª Reunião Comissão de Acompanhamento 31ª Reunião Comissão de Acompanhamento Apresentação do projecto 2001/PT/16/C/PE/007 Sistema Multimunicipal de abastecimento de água e de saneamento de Raia, Zêzere e Nabão Índice 1. Apresentação da Águas

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522 Apresentação... 3 Como Empresa... 3 A nossa Visão... 3 A nossa Missão - A SUA VALORIZAÇÃO, A NOSSA MISSÃO!... 3 Os nossos Valores... 3 Porquê fazer um Curso de Especialização?... 4 Formação Certificada...

Leia mais

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda.

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Rua Alfredo da Silva, 11B 1300-040 Lisboa Tlf. +351 213 619 380 Fax. +351 213 619 399 profico@profico.pt www.profico.pt INDICE 1. DESCRIÇÃO GERAL DA PROFICO...

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

A Evolução dos Serviços de Água em Portugal

A Evolução dos Serviços de Água em Portugal A Evolução dos Serviços de Água em Portugal AcquaLifeExpo Lisboa, 22-25 de Março de 2012 Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca, Torre G 8º 1600-209 LISBOA - PORTUGAL www.ersar.pt Tel.:

Leia mais

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 Nos termos e para efeitos do disposto no n.º 2 do artigo 110.º do Decreto Legislativo Regional n.º 30/2010/A, de 15 de novembro, que estabelece

Leia mais

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Consórcio CGD/IHRU TEKTÓNICA 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Consórcio IHRU/GCGD 18 de Abril de 2012 1 Portugal Evolução de

Leia mais

A VISÃO DO REGULADOR INDICADORES DE QUALIDADE DE SERVIÇO, GPI E PNUEA

A VISÃO DO REGULADOR INDICADORES DE QUALIDADE DE SERVIÇO, GPI E PNUEA A VISÃO DO REGULADOR INDICADORES DE QUALIDADE DE SERVIÇO, GPI E PNUEA Conferência Alteração do Paradigma nos Serviços de Águas em Portugal - CANTANHEDE Julho de 2013 Centro Empresarial Torres de Lisboa

Leia mais

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção Índice 1. Introdução. 3 2. PROM&E GROUP.... 4 3. Building Management Organograma. 6 3.1 Project Management 7 3.2 Gestão Manutenção.. 16 3.3 Otimização

Leia mais

Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana Viana do Alentejo Poente

Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana Viana do Alentejo Poente Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana Viana do Alentejo Poente Fevereiro de 2014 Índice Pág. 1. Introdução 2 2. Objetivos da delimitação da ARU Viana do Alentejo Poente 3 3. Enquadramento

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

CONTEÚDOS FUNCIONAIS:

CONTEÚDOS FUNCIONAIS: CONTEÚDOS FUNCIONAIS: Ref.ª A) TÉCNICO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO AMBIENTE Realizar análises, estudo e emissão de pareceres dos assuntos que lhe são submetidos, tendo como base as melhores praticas legais

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

Extinção do Sistema Integrado Multimunicipal de Águas Residuais da Península de Setúbal e da sua entidade gestora, a Simarsul, S.A..

Extinção do Sistema Integrado Multimunicipal de Águas Residuais da Península de Setúbal e da sua entidade gestora, a Simarsul, S.A.. Extinção do Sistema Integrado Multimunicipal de Águas Residuais da Península de Setúbal e da sua entidade gestora, a Simarsul, S.A.. Os Municípios acionistas da Simarsul, Sistema Integrado Multimunicipal

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

4 07-09-2011 Revisão geral acordo ortográfico. 5 04-07-2013 Revisão geral e alteração do mapa de processos

4 07-09-2011 Revisão geral acordo ortográfico. 5 04-07-2013 Revisão geral e alteração do mapa de processos Elaborado por GQ: Aprovado Por: Cópia Controlada Nº Cópia Não Controlada Revisão Data Descrição Alteração 0 2004/11/30 Emissão 1 21-06-2008 Revisão Geral 2 08-01-2009 Revisão Geral 3 13-10-2010 Revisão

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão e Visão A Missão da Parque Expo consiste na promoção da qualidade da vida urbana e da competitividade do território. Para cumprimento desta Missão, a empresa realiza operações

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

Poupe energia e ganhe competitividade. programa de apoio à implementação de projetos de eficiência energética nas empresas

Poupe energia e ganhe competitividade. programa de apoio à implementação de projetos de eficiência energética nas empresas Poupe energia e ganhe competitividade programa de apoio à implementação de projetos de eficiência energética nas empresas índice introdução 04 como atuamos 05 serviços prestados pela EDP 06 medidas a implementar

Leia mais

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*)

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*) GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS José dos Santos Santiago (*) RESUMO: Apresenta-se, neste artigo, a metodologia a seguir para gerir, tratar a reutilizar os efluentes industriais,

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Concelho de Esposende Distrito de Braga 15 Freguesias Área - Cerca de 95 Km2 População - 33.325 habitantes ( x 3 na época balnear ) Orla Costeira Parque

Leia mais

PEAASAR II Plano Estratégico de Abastecimento de Água e de Saneamento de Águas Residuais

PEAASAR II Plano Estratégico de Abastecimento de Água e de Saneamento de Águas Residuais PEAASAR II Plano Estratégico de Abastecimento de Água e de Saneamento de Águas Residuais 2007-2013 Editor. Ministério do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional Produção. longoalcance,

Leia mais

O case study da aplicação da plataforma NAVIA no processo de fusão da Águas do Noroeste

O case study da aplicação da plataforma NAVIA no processo de fusão da Águas do Noroeste A IMPORTÂNCIA DE UMA PLATAFORMA AGREGADORA DE PROCESSOS NA GESTÃO OPERACIONAL DE UM SISTEMA MULTIMUNICIPAL O case study da aplicação da plataforma NAVIA no processo de fusão da Águas do Noroeste Liliana

Leia mais

WONE Water Optimization for Network Efficiency Otimizar a Gestão de Redes e o Controlo de Perdas de Água

WONE Water Optimization for Network Efficiency Otimizar a Gestão de Redes e o Controlo de Perdas de Água WONE Water Optimization for Network Efficiency Otimizar a Gestão de Redes e o Controlo de Perdas de Água CONTEXTO DO PAÍS As fugas de água nos sistemas de abastecimento são um problema, mas têm de deixar

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

Direito à informação ao consumo seguro. Entidades que supervisionam as empresas/instituições

Direito à informação ao consumo seguro. Entidades que supervisionam as empresas/instituições Direito à informação ao consumo seguro Entidades que supervisionam as empresas/instituições Escola B+S Ângelo Augusto da Silva Projeto de Educação Financeira Banco de Portugal Bancos O Banco de Portugal

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013 SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS (SIALM) Nos termos do Regulamento do Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas

Leia mais

1º Semestre Relatório e Contas 2010

1º Semestre Relatório e Contas 2010 1º Semestre Relatório e Contas 2010 Índice 02 Relatório de Gestão 02 Considerações Gerais 03 Situação Económico-Financeira 09 Demonstrações Financeiras 10 Balanço 11 Demonstração de Resultados por Natureza

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo O setor empresarial do Estado (SEE) representa uma parte importante da atividade económica nacional e a desempenhar um importante papel económico e social dada a sua atuação setorial

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES QUADRO RESUMO: FORMAÇÃO UFCD (H) Noções de Economia de Empresa 5437 25 Métodos e Práticas de Negociação 5442 50 Empresa Estrutura Organizacional 7825 25 Perfil e Potencial

Leia mais

Raízes Ocultas Unipessoal, Lda. Belchior Lourenço

Raízes Ocultas Unipessoal, Lda. Belchior Lourenço 2011 Raízes Ocultas Unipessoal, Lda. Belchior Lourenço SÍNTESE DA FUNDAMENTAÇÃO ECONÓMICO- FINANCEIRA DO CÁLCULO DA ESTRUTURA TARIFÁRIA Apresentação de Resultados e Conclusões da elaboração e Cálculo dos

Leia mais

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas ENQUADRAMENTO DO CURSO As escolas são estabelecimentos aos quais está confiada uma missão de serviço público, que consiste em dotar todos e cada um dos

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DO CONSÓRCIO PRÓ-SINOS PRODUTO 4 CONCEPÇÃO DOS PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES NECESSÁRIAS. AÇÕES PARA

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1.º ARTIGO 2. ARTIGO 3.

ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1.º ARTIGO 2. ARTIGO 3. ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1.º Denominação e Regime Jurídico 1 - A empresa adota a denominação de RESIALENTEJO TRATAMENTO E VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS, E.I.M., adiante designada por RESIALENTEJO,

Leia mais

Ministério d. Decreto-lei n.º

Ministério d. Decreto-lei n.º A melhoria da qualidade do ensino constitui um dos desafios centrais da política do XIX Governo Constitucional. A valorização profissional dos docentes, através de um investimento na formação contínua,

Leia mais

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais:

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais: 1. A EMPRESA retende-se com o presente capítulo efectuar a apresentação da Tomás de Oliveira, do seu compromisso em relação à qualidade e da organização que disponibiliza para alcançar esse objectivo.

Leia mais

MANUAL DE Gestão da. Qualidade

MANUAL DE Gestão da. Qualidade MANUAL DE Gestão da Qualidade Resposta Social: Estrutura Residencial para Idosos Prestamos Serviços de Qualidade Aldeia de S. Sebastião ADCS Aldeia de S. Sebastião, Largo da Igreja nº6 6355-041 Aldeia

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

Políticas 2013. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos

Políticas 2013. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos Sistema de Gestão da Qualidade Políticas 2013 1 Índice 1. Enquadramento 2. Visão, Missão e Políticas 3. Posicionamento Estratégico 4. Políticas 5. Mapa de controlo das alterações efetuadas 2 1. Enquadramento

Leia mais

Apresentação do Projeto

Apresentação do Projeto Apresentação do Projeto CTCV, 14 de dezembro 2012 filomena.egreja@iapmei.pt Índice Fundamentos e características do projeto Atividades executadas Empresas e setores: algumas constatações Análise SWOT Empresas

Leia mais

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor Seminário Apresentação das Conclusões Promotor Reuniões Técnicas Planos Estratégicos Ciclo de Debates Mobilidade e Transportes Saúde, Apoio Social, Segurança Social e Proteção Civil (Março, 2012) Educação,

Leia mais

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015 O projeto O Projeto Heróis da Água é promovido pela EMAS de Beja e pela Câmara Municipal de Beja, enquadra-se na área da sensibilização e educação ambiental. O projeto mantem-se pelo 3.º ano e continua

Leia mais

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio hospi tais 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? um novo modelo de gestão hospitalar A reflexão sobre um novo modelo de gestão hospitalar não pode deixar de ter em conta a enorme complexidade do sistema em que

Leia mais

Índice. Sub-Capa...3 Plano de Atividades...4 Conta de Exploração Previsional. 8 Orçamento de Ivestimentos... 9 Memória Justificativa...

Índice. Sub-Capa...3 Plano de Atividades...4 Conta de Exploração Previsional. 8 Orçamento de Ivestimentos... 9 Memória Justificativa... CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO SOCIAL DE 2015 Índice Sub-Capa.....3 Plano de Atividades...4 Conta de Exploração Previsional. 8 Orçamento de Ivestimentos... 9 Memória

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

Auditoria interna Especialização PwC

Auditoria interna Especialização PwC www.pwc.pt/academy Especialização PwC PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais Especialização PwC Este curso com uma forte componente prática, procura dotar os recursos afetos à função

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA Deliberação nº /2011 Considerando que, nos termos do nº 3 do artigo 12º dos Estatutos do Instituto Superior de Agronomia, compete ao Conselho de Gestão do Instituto Superior de Agronomia (ISA), aprovar,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO. Recuperação, Tratamento e Organização de Acervos Documentais. Enquadramento

REGULAMENTO DO CONCURSO. Recuperação, Tratamento e Organização de Acervos Documentais. Enquadramento REGULAMENTO DO CONCURSO Recuperação, Tratamento e Organização de Acervos Documentais 2015 Enquadramento A recuperação, tratamento e organização de acervos documentais com relevante interesse histórico,

Leia mais

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária Preenchidos A preencher Preenchidos Gabinete de Apoio ao Presidente Coordenar e executar todas as atividades inerentes à assessoria, secretariados, protocolos da Presidência e assegurar a interligação

Leia mais

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A.

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa é uma empresa criada em 2001 como spin-off do Instituto Superior Técnico (IST). Desenvolve tecnologias e metodologias de inovação para rentabilizar

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova

IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova Guião do estudo económico e financeiro IDN - Incubadora de Idanha - Guião de candidatura Pág. 1 I CARACTERIZAÇÃO DO PROMOTOR 1.1 - Identificação sumária da empresa 1.2 -

Leia mais

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa Centro Social Paroquial de Lustosa Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa 1. Identificação da Instituição: Centro Social Paroquial de Lustosa, NPC: 502431440, com sede em Alameda

Leia mais

Alteração ao Regulamento de Água e Águas Residuais de Coimbra, (RAARC) Preâmbulo

Alteração ao Regulamento de Água e Águas Residuais de Coimbra, (RAARC) Preâmbulo Alteração ao Regulamento de Água e Águas Residuais de Coimbra, (RAARC) Preâmbulo Tendo como escopo o aperfeiçoamento da prestação dos serviços de fornecimento e distribuição de água destinada a consumo

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS POR TEMPO INDETERMINADO

CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS POR TEMPO INDETERMINADO CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS POR TEMPO INDETERMINADO Cargo/Carreira/Categoria Atribuições/Competências/Actividades UNIDADE DE AMBIENTE, SERVIÇOS URBANOS, INFRA-ESTRUTURAS E EQUIPAMENTOS MUNICIPAIS

Leia mais

sistematizar e otimizar todos os processos de patrimoniação

sistematizar e otimizar todos os processos de patrimoniação A plataforma FAMS melhora ou substitui as funcionalidades da gestão patrimonial dos ERP mais implementados no mercado, integrando-se facilmente com eles através de processos automatizados. Sistema WebBased,

Leia mais

REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) -

REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) - REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) - PREÂMBULO A definição e implementação de uma política local promotora da dinamização da atividade

Leia mais

Jornadas de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Algarve- Gestão das Águas

Jornadas de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Algarve- Gestão das Águas Enquadramento Página 2 Breve perspetiva da evolução do setor Enquadramento O país beneficiou de um conjunto avultado de investimentos em infraestruturas que permitiram alterar de forma significativa o

Leia mais

A melhoria da qualidade da água balnear no Concelho de Cascais, um fator decisivo para a sustentabilidade

A melhoria da qualidade da água balnear no Concelho de Cascais, um fator decisivo para a sustentabilidade Conferência Nacional do projeto SUSTAIN Promover a Sustentabilidade Local das Comunidades Costeiras A melhoria da qualidade da água balnear no Concelho de Cascais, um fator decisivo para a sustentabilidade

Leia mais

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 Autor/ Departamento Segurança, Saúde e Sustentabilidade Ambiental Público-alvo

Leia mais

Política de investimento na Comunidade

Política de investimento na Comunidade Política de investimento na Comunidade Galp Energia in NR-006/2014 1. ENQUADRAMENTO Na sua Política de Responsabilidade Corporativa, aprovada em 2012, a GALP ENERGIA estabeleceu o compromisso de promover

Leia mais

ESTATUTOS COLISEU MICAELENSE SOCIEDADE DE PROMOÇÃO E DINAMIZAÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS, SOCIAIS E RECREATIVOS, E.M., S.A.

ESTATUTOS COLISEU MICAELENSE SOCIEDADE DE PROMOÇÃO E DINAMIZAÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS, SOCIAIS E RECREATIVOS, E.M., S.A. ESTATUTOS COLISEU MICAELENSE SOCIEDADE DE PROMOÇÃO E DINAMIZAÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS, SOCIAIS E RECREATIVOS, E.M., S.A. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Denominação, sede, objeto e duração Artigo 1.º Tipo,

Leia mais

Serviços Autárquicos e Empresas Municipais Um Caso: Águas de Gaia, EM

Serviços Autárquicos e Empresas Municipais Um Caso: Águas de Gaia, EM Serviços Autárquicos e Empresas Municipais Um Caso: Águas de Gaia, EM José Miranda de Sousa Maciel Presidente do Conselho de Administração de Águas de Gaia, EM Nos últimos anos, os principais regimes jurídicos

Leia mais

ControlVet Segurança Alimentar, SA.

ControlVet Segurança Alimentar, SA. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A ControlVet Segurança Alimentar, S.A. é uma empresa de referência nacional na prestação de serviços de segurança alimentar, em franca expansão

Leia mais

PRAZILÂNDIA, TURISMO E AMBIENTE E.M.

PRAZILÂNDIA, TURISMO E AMBIENTE E.M. PRAZILÂNDIA, TURISMO E AMBIENTE E.M. Em 31/08/2012 foi publicada a Lei n.º 50/2012, que aprovou o novo regime jurídico da atividade empresarial local e das participações locais, revogando as Leis n.º 53

Leia mais

14638 Diário da República, 2.ª série N.º 107 4 de junho de 2014

14638 Diário da República, 2.ª série N.º 107 4 de junho de 2014 14638 Diário da República, 2.ª série N.º 107 4 de junho de 2014 MUNICÍPIO DE ALMADA Aviso (extrato) n.º 6778/2014 Nos termos do Estatuto do Pessoal Dirigente, torna -se público que o presidente desta Câmara

Leia mais

VISEU TERCEIRO. Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade. Normas de Acesso e Apoio. Enquadramento

VISEU TERCEIRO. Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade. Normas de Acesso e Apoio. Enquadramento VISEU TERCEIRO Programa de Apoio Direto à Cultura e Criatividade 2015 Normas de Acesso e Apoio Enquadramento A atividade de criação e programação exercida por entidades, grupos e pessoas singulares no

Leia mais