Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Ciclo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Ciclo 2013-2015"

Transcrição

1 Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Ciclo Rio de Janeiro Setembro de 2013 Ministério de Minas e Energia

2 (Esta página foi intencionalmente deixada em branco para o adequado alinhamento de páginas na impressão com a opção frente e verso - double sided )

3 Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Ciclo Conselho de Administração Altino Ventura Filho (Presidente) Luiz Alberto dos Santos Magda Maria de Regina Chambriard Mauricio Tiomno Tolmasquim Roberto Nami Garibe Filho Tiago de Barros Correia Diretoria Presidente Mauricio Tiomno Tolmasquim Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica José Carlos de Miranda Farias Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis Elson Ronaldo Nunes Diretor de Gestão Corporativa Alvaro Henrique Matias Pereira Grupo de Trabalho Carlos Henrique Brasil de Carvalho Chaim Ruchleimer Elzenclever F. de Aguiar José G. de A. Pacheco Marcos F.F. de Souza Marcos Ribeiro Conde Plinio De Almeida Sergio L. G. De Miranda Thiago C. Cesar Escritório Central Av. Rio Branco, n.º 01 11º Andar Rio de Janeiro RJ Rio de Janeiro Setembro de 2013

4 (Esta página foi intencionalmente deixada em branco para o adequado alinhamento de páginas na impressão com a opção frente e verso - double sided ) 4

5 APRESENTAÇÃO Aprovado em reunião de diretoria em 17 de janeiro e em reunião do Conselho de Administração em 22 de janeiro de 2013, o Planejamento Estratégico da EPE no ciclo 2012 a 2015 definiu 13 objetivos estratégicos a serem atendidos por meio de 22 projetos, dentre os quais destaco a implantação do Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI. O PDTI tem como objetivo proporcionar o alinhamento das soluções de Tecnologia de Informação TI com as metas de negócio e as necessidades da empresa. Sua elaboração, por sua vez, deve seguir as diretrizes contidas no Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI. Este documento descreve o PETI , elaborado de acordo com a metodologia desenvolvida pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, e, dentro da EPE, coordenado por Grupo de Trabalho constituído por representantes de todas as suas diretorias, no âmbito do Comitê Executivo de Tecnologia da Informação e Comunicações e pela Superintendência de Tecnologia da Informação. A partir da análise de avalição dos pontos fortes e fracos da empresa em relação à Tecnologia de Informação e Comunicação TIC foi definida como missão do Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Prover soluções de tecnologia da informação, com excelência, e de forma alinhada com os objetivos e negócio da EPE. Para o cumprimento dessa missão foram estabelecidos objetivos estratégicos para a melhoria da gestão orçamentária e de pessoas, visando à implantação de processos internos e de Governança e Gestão de TIC com a finalidade de, atendendo aos requisitos de Segurança da Informação e de Comunicações e com aderência ao marco institucional do setor, melhorar a prestação de serviços aos clientes internos e externos e a transparência de informações à sociedade. Portanto, creio que o PETI será de fundamental importância para direcionar nossos esforços para que, ao longo do ciclo 2013 a 2015, haja uma significativa redução da demanda reprimida de produtos e serviços e, ao mesmo tempo, maior disponibilização, ampliação e melhoria dos serviços eletrônicos da EPE. Mauricio Tolmasquim Presidente da EPE 5

6 6

7 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 5 1. CONTEXTO METODOLOGIA CONTEXTO DA UNIDADE DE TIC ANÁLISE AMBIENTAL FATORES ANÁLISE SWOT MISSÃO VISÃO VALORES OBJETIVOS ESTRATÉGICOS MAPA ESTRATÉGICO INDICADORES, METAS E INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PERSPECTIVA: PESSOAS, APRENDIZADO E CRESCIMENTO APERFEIÇOAR A GESTÃO DE PESSOAS DE TIC PERSPECTIVA: FINANCEIRO MELHORAR A GESTÃO ORÇAMENTÁRIA DE TIC PERSPECTIVA: PROCESSOS INTERNOS IMPLANTAR A GOVERNANÇA DE TIC ALCANCAR A EFETIVIDADE NA GESTÃO DE TIC DISPONIBILIZAR FERRAMENTAS E TECNOLOGIAS VISANDO À MELHORIA DO DESEMPENHO INSTITUCIONAL MELHORAR E CONSOLIDAR A GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES GARANTIR ADERÊNCIA À LEGISLAÇÃO E MODELOS DE REFERÊNCIA PERSPECTIVA: SOCIEDADE E CLIENTES INTERNOS MELHORAR CONTINUAMENTE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E A TRANSPARÊNCIA DE INFORMAÇÕES À SOCIEDADE E AOS CLIENTES SIGLAS GLOSSÁRIO 35 7

8 8

9

10 1. CONTEXTO Para quem não sabe para onde vai, qualquer caminho serve. Lewis Carroll em Alice no País das Maravilhas Dentre as diversas definições associadas ao tema Planejamento Estratégico, encontra-se como ponto comum, em sua essência, a de ser um processo administrativo que visa a alcançar os resultados esperados, num horizonte de longo prazo. O planejamento estratégico não garante, por si só, o pleno êxito de uma empresa, porém, é capaz de municiá-la com as informações que lhe ajudem no processo de tomada de decisões, as quais viabilizam sua sustentabilidade em longo prazo. É importante, sim, olhar para o futuro sem, contudo, esquecer o dia-a-dia das operações empresariais. O Plano Estratégico de Tecnologia da Informação (PETI) da EPE é um instrumento de gestão que traça a direção da Tecnologia da Informação, definindo o plano estratégico que visa promover a melhoria contínua da gestão e governança de TI, assim como a sustentação da infraestrutura tecnológica para a consecução dos seus objetivos. Na EPE, a convergência entre a Tecnologia da Informação (TI) e as Comunicações (C) é nativa, ou seja, desde sua criação a EPE tratou TI e C como TIC. Assim sendo, neste documento, as siglas TI e TIC são utilizadas com o mesmo significado, dependendo do contexto em que são empregadas, para tornar o texto mais próximo do jargão encontrado na literatura e nas publicações especializadas. 1.1 METODOLOGIA A EPE, embora não sendo um órgão participante do Sistema de Administração de Recursos de Tecnologia da Informação (SISP), no processo de elaboração do PETI , seguiu, com adaptações, a metodologia preconizada no Guia de Elaboração de PDTI do SISP v1.0, desenvolvida pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MP), a qual é baseada na metodologia Balanced Scorecard - BSC, desenvolvida pelos professores Robert Kaplan e David Norton, da Harvard Business School. O BSC traduz a estratégia da organização para realizar sua missão e alcançar sua visão de futuro, por meio de um conjunto de objetivos estratégicos, os quais mantêm relações de causa e efeito entre si, definidos em diferentes perspectivas. O desempenho da organização na busca de seus objetivos é medido por indicadores, para os quais são definidas metas a serem alcançadas ao longo de um período. O trabalho seguiu as orientações contidas no documento Estratégia Geral de Tecnologia da Informação EGTI para a Administração direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo 10

11 Federal, revisada e publicada anualmente, e que serve de subsídio à elaboração dos PDTI pelos órgãos e entidades integrantes do SISP. A elaboração do PETI é atribuição do Comitê Executivo de Tecnologia da Informação e Comunicações CTIC-X que constituiu um grupo de trabalho com a finalidade de preparar a sua versão inicial. Essa versão inicial foi aberta a discussão de todo o pessoal da Superintendência de Tecnologia da Informação e Comunicações, por meio de oficinas técnicas, que permitiram que todos os participantes propusessem e analisassem conjuntamente as sugestões dos demais. O documento resultante das oficinas técnicas da STI foi consolidado pelo grupo de trabalho e submetido ao CTIC-X para revisão final e encaminhamento ao Comitê Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicações CTIC-E para aprovação. 1.2 CONTEXTO DA UNIDADE DE TIC A Superintendência de Tecnologia da Informação e Comunicações (STI) da EPE, responsável pela gestão de TIC, está subordinada à Diretoria de Gestão Corporativa. As atribuições da STI estão definidas no artigo 48 do Regimento Interno da EPE. Compete à STI: I. Promover a gestão e a administração dos recursos de tecnologia da informação e comunicações; II. III. IV. Prover os sistemas de apoio às áreas de negócio da Empresa; Prover os sistemas de apoio à gestão da Empresa; Promover a Segurança da Informação e Comunicações. A STI organiza-se, informalmente, em duas áreas de atuação, conforme mostrado na Figura 1 - Organização da STI. Ainda é função da STI o assessoramento aos Comitês Executivo e Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicações (CTIC-X e CTIC-E) e ao Comitê de Segurança da Informação e Comunicações (CSIC). As competências específicas de cada área interna da STI são: Desenvolvimento de Sistemas: é responsável pelo levantamento de requisitos, análise, desenvolvimento, apoio a homologação, documentação, implantação e manutenção de soluções tecnológicas para automatizar os processos de trabalho na EPE. Infraestrutura e Suporte: é responsável pelo suporte da infraestrutura de TIC, verificação de conformidade dos softwares e equipamentos adquiridos com a plataforma tecnológica da EPE, monitoramento da utilização e planejamento de capacidade dos ativos computacionais, manutenção dos serviços e equipamentos de rede de forma segura, administração dos ativos computacionais e suporte aos usuários da rede. 11

12 Figura 1 - Organização da STI Os Comitês de TI e o Comitê de Segurança da Informação são estruturados da seguinte maneira: Comitê Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicações: é um comitê representativo e tem como membros o Diretor Presidente, que o preside, os Diretores das três áreas finalísticas e o Diretor de Gestão Corporativa. Comitê Executivo de Tecnologia da Informação: tem como membros representantes, com os respectivos suplentes, designados pela presidência e cada uma das diretorias e o Superintendente da STI. Comitê de Segurança da Informação e Comunicações: tem como membros o Gestor de Segurança da Informação e Comunicações (GSIC), um representante da STI, representantes da presidência e de cada uma das diretorias e um representante da Consultoria Jurídica (CONJUR). 12

13 2. ANÁLISE AMBIENTAL Tendo por objetivo coletar todos os dados necessários para avaliar os impactos causados pelas variáveis externas à EPE, a análise ambiental possui enorme potencial de clarificar o cenário em que a empresa se encontra, a partir de um ponto de observação externo. Tal análise consiste em um exercício de visão global, a partir da conjugação simultânea dos diversos aspectos que afetam, direta ou indiretamente, a organização ou suas partes. 2.1 FATORES A seguir são apresentados os principais fatores ambientais que foram considerados: a. Políticos A questão energética tem um papel de relevância no cenário nacional e internacional. Eventos como a COP15 e Rio+20 sinalizaram a preocupação mundial em termos de sustentabilidade econômica e conservação ambiental, onde a composição da matriz energética e o compromisso da redução de emissões pelas nações desenvolvidas e emergentes trouxeram uma série de consequências sobre a economia e a população de todo o planeta. A EPE tem ocupado importantes espaços na mídia especializada, além de fóruns, congressos e audiências públicas, conseguindo um alto nível de exposição ao oferecer análises, estudos e informações sobre a situação atual do panorama energético brasileiro, bem como apontar suas tendências futuras. A EPE tem um papel único e preponderante no setor energético brasileiro, subsidiando a política energética do país. A presença permanente da EPE nesse cenário político está vinculada a sua capacidade de responder a esses desafios com ações suportadas no ambiente de TI. b. Econômicos Os indicadores econômicos atuais evidenciam, corroborados pelas principais consultorias e institutos especializados, perspectivas positivas de crescimento da economia brasileira, o que exigirá fortes investimentos em infraestrutura os quais propiciem as condições ideais de suporte ao desenvolvimento do país. As necessidades estruturais do Brasil (saúde, educação, saneamento básico, segurança, etc.) ainda constituem prioridades nos orçamentos públicos futuros. Nesse contexto, os recursos orçamentários continuarão escassos e disputados entre as diversas áreas governamentais. A administração pública vem sendo impelida a adotar práticas administrativas voltadas à melhor gestão e otimização de recursos, sejam 13

14 eles materiais ou humanos, impactando diretamente na geração de processos mais eficientes que, por vezes, passam pela adoção de soluções de TI que permitam atingir tal fim. O provimento de energia suficiente para atendimento às necessidades de consumo pela população e pelos diversos setores da economia é fator fundamental de garantia do crescimento econômico e da qualidade de vida. A oferta suficiente de energia a preços módicos influencia positivamente a produção e a competitividade dos produtos nacionais. A análise das variáveis que influenciam esse cenário econômico requer o uso de métodos e técnicas sofisticadas apoiadas em TI. c. Institucionais A EPE desempenha funções que antes eram de outros agentes do setor energético e o não atendimento das expectativas pode ter impacto na sociedade. No intuito de atender às demandas externas com um padrão de excelência, a definição de prioridades de projetos pode vir a privilegiar as áreas de negócio, em detrimento das áreas de apoio, entre elas a TI. O nível de qualidade do trabalho da EPE, reconhecido por diversas instituições públicas e privadas, tende a canalizar para ela uma maior demanda por serviços que requerem maior quantidade de recursos para atendimento das expectativas dos seus clientes. A TI, pela sua natureza de especialidade aplicada a todas as áreas de conhecimento, está exposta à concorrência direta por recursos humanos com outros órgãos públicos. d. Legais/regulamentares Como órgão público pertencente à Administração Pública Federal, a EPE se sujeita à legislação, normas e determinações instituídas pelos instrumentos legais vigentes ou pelos direcionamentos oriundos dos órgãos de controle. As restrições para reposição e aumento do quadro de pessoal representa um elemento limitador na expansão dos produtos passíveis de serem oferecidos pela empresa. O marco legal e regulamentar imposto às empresas públicas para contratação de produtos e serviços de TI representa um elemento limitador na melhoria da capacidade de atender às demandas da empresa. e. Tecnológicos A oferta constante de novos produtos e serviços de TI, que propiciam o aumento de produtividade, cria uma expectativa pela sua rápida disponibilização. A dinâmica dos negócios e as inovações tecnológicas encontram um ambiente profícuo para a troca de experiências, reflexões sobre aspectos 14

15 legais e compartilhamento de melhores práticas operacionais e de gestão nos fóruns promovidos pelas diversas entidades ligadas ao setor energético. A crescente demanda por análises e informações cada vez mais complexas do negócio da EPE requer do profissional de TI uma formação técnicoprofissional de alto nível, fato este que, por aspectos históricos e estruturais, é escassa no mercado de trabalho brasileiro. f. Socioculturais Atualmente, uma parcela considerável da população tem enxergado na Administração Pública uma oportunidade de estabilidade no trabalho, contribuindo, desta maneira, para a formação de uma força de trabalho mais capacitada e experiente perante novos desafios. A EPE proporciona ao seu quadro de pessoal a oportunidade de contribuir para o bem estar da população, para o desenvolvimento econômico e para a liderança do país na composição de uma matriz energética sustentável. 15

16 2.2 ANÁLISE SWOT O propósito da análise SWOT (do inglês Strengths, Weaknesses, Opportunities, and Threats) é avaliar os pontos fortes e fracos da empresa em relação aos aspectos de TIC. Simultaneamente à identificação de suas forças e fraquezas, a empresa, também, mapeia as oportunidades e ameaças que possam impactar, positiva ou negativamente, o seu negócio, enxergando a si própria sob uma perspectiva interna (forças e fraquezas) e externa (oportunidades e ameaças) em relação à gestão de TIC. Tomando em consideração a análise ambiental a análise SWOT, focada em aspectos de TIC, identificou os seguintes aspectos: Tabela 1 - Matriz SWOT. Ambiente Interno Ambiente Interno Pontos Fortes (S) Pontos Fracos (W) Bom nível de formação acadêmica e profissional de sua força de trabalho, aliada a experiência diversificada da equipe. Comprometimento com os objetivos da organização. Pouca divulgação dos trabalhos e resultados obtidos. Reduzida comunicação entre as áreas que compõem a função de TIC da empresa, dificultando o conhecimento pleno das atividades e responsabilidades que cada equipe tem no todo. Foco na satisfação do cliente interno e externo. Reconhecimento interno e externo da qualidade dos trabalhos apresentados pela STI. Comitês Estratégico e Executivo de TIC instituídos. Comitê de Segurança da Informação e Comunicações (CSIC) e Equipe de Tratamento de Incidentes de Redes Computacionais (ETIR) instituídos. Política de SIC e algumas normas de SIC instituídas. Existência de um Programa Corporativo de Conscientização em SIC. A STI é vista como uma unidade de apoio, quando deveria ser vista como um parceiro estratégico no desenvolvimento dos produtos e serviços da empresa. Processos internos, metodologias de trabalho e processos de governança de TI não definidos e/ou formalizados. Procedimentos não formalizados de governança e gestão de TI. Dificuldade de gestão do quadro de profissionais de TI devido à demanda por serviços ocorrer de forma não programada ou formalizada. Deficiência na fiscalização do cumprimento das Normas internas relacionadas à Segurança da Informação e Comunicações (SIC). Sistemas não seguem padrões do Programa de Governo Eletrônico brasileiro (e-mag, e-ping). Existência de soluções de TI, não gerenciadas pela STI, desenvolvidas independentemente pelas áreas da empresa. Pouco envolvimento do Comitê Executivo de TIC com a priorização e acompanhamento do desenvolvimento dos sistemas da EPE. 16

17 Tabela 2 - Cont. Matriz SWOT. Ambiente Externo Ambiente Externo Oportunidades (O) Ameaças (T) Importância da questão energética no cenário atual, possibilitando um engrandecimento do papel da EPE frente às instituições públicas e privadas do setor. Visão dos órgãos de controle focada no planejamento. Expansão e aumento do nível de exposição da EPE, face aos diversos trabalhos e estudos demandados que são dependentes de TI. Disponibilidade de padrões e melhores práticas de mercado em Governança de TI. Reconhecimento da TI como área estratégica na Administração Pública Federal (APF). Recomendações de aprimoramento da governança de TI por parte dos órgãos de controle. Estabelecimento de parcerias com órgãos da APF, visando ações sinérgicas. Planejamento Estratégico Institucional (PEI) instituído. Ações de governo criando demandas não programadas, que afetam a EPE. Riscos cada vez maiores de violação de segurança da informação devido a ataques externos. Orçamento aprovado para TI insuficiente para atender à totalidade das demandas da empresa. Orçamento aprovado para capacitação insuficiente para atender às necessidades de TI. Pouca percepção das áreas de negócio em relação à realidade e às características da área de TIC. Evasão de capital intelectual. Inadequação dos perfis profissionais de TI no Plano de Cargos e Salários. Inexistência de código disciplinar para o cumprimento das normas de SIC. Inexistência de um Plano de Continuidade de Negócios em nível empresarial em face de contingências. Processos de negócio da instituição não mapeados e documentados. Não designação formal ou indefinição dos gestores dos ativos de informação da instituição como definido na Política de Segurança da Informação e Comunicações (PSIC). Falta de ferramenta para o planejamento e gestão orçamentária. 17

18 3. MISSÃO A Missão de uma empresa ou área consiste na definição de sua própria razão de ser, ou seja, ao se refletir sobre a missão busca-se, de fato, identificar qual é o fim de sua existência. Para a STI, alguns pontos são fundamentais para a composição de sua missão: a. Suporte e provimento de soluções ao usuário; b. Alinhamento aos objetivos da organização; c. Excelência na prestação de serviços; d. Otimização de recursos; e. Estabelecimento e conformidade às normas e políticas. Considerando os pontos acima, constrói-se, assim, a Missão da STI: Prover soluções de tecnologia da informação, com excelência, e de forma alinhada com os objetivos de negócio da EPE. 18

19 4. VISÃO A Visão de uma área ou organização traduz as expectativas e desejos de como esta pretende ser vista pelos agentes que com ela interage em um determinado horizonte no tempo, ou indefinidamente. A elaboração da Visão da STI deve, necessariamente, considerar os elementos abaixo: a. Qualidade; b. Desenvolvimento da força de trabalho; c. Inovação; d. Satisfação do usuário. Assim sendo, chega-se à seguinte Visão: Ser reconhecida como um parceiro estratégico da organização, fornecendo soluções de qualidade que buscam, além da satisfação do cliente, a superação de suas expectativas. 19

20 5. VALORES Nenhuma empresa ou área é capaz de atingir plenamente seus objetivos se não tiver definido, de forma clara e transparente aos seus membros, seus ideais, princípios e crenças, que irão orientar e inspirar o cumprimento da sua Missão em sua Visão. Esses são os seus Valores. Além dos Valores da empresa definidos no PEI, os membros da STI devem cultivar os seguintes Valores: Foco no cliente Visão global e sistêmica Organização Trabalho em equipe Transparência 20

21 6. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Uma vez estabelecida a Missão, Visão e Valores, e tendo já efetuado a análise ambiental e SWOT, têm-se os pontos principais para definição dos Objetivos Estratégicos da STI agrupados segundo a perspectiva estratégica: a. Perspectiva estratégica: PESSOAS, APRENDIZADO E CRESCIMENTO Aperfeiçoar a gestão de pessoas de TIC. b. Perspectiva estratégica: FINANCEIRO Melhorar a gestão orçamentária de TIC. c. Perspectiva estratégica: PROCESSOS INTERNOS Implantar a Governança de TIC; Alcançar a efetividade na Gestão de TIC; Disponibilizar ferramentas e tecnologias visando a melhoria do desempenho institucional; Melhorar e consolidar a Gestão de Segurança da Informação e Comunicações. Garantir aderência à legislação e modelos de referência d. Perspectiva estratégica: SOCIEDADE E CLIENTES Melhorar continuamente a prestação de serviços e a transparência de informações à sociedade e aos clientes. 21

22 6.1 MAPA ESTRATÉGICO O mapa estratégico reflete de uma forma gráfica o inter-relacionamento dos objetivos estratégicos sob o ponto de vista das diversas perspectivas. Segue na Figura 2 o Mapa Estratégico de TIC. Figura 2 - Mapa Estratégico de TIC. 22

23 6.2 INDICADORES, METAS E INICIATIVAS ESTRATÉGICAS Segue detalhamento dos objetivos estratégicos em termos de indicadores, metas e iniciativas estratégicas agrupados por perspectivas estratégicas PERSPECTIVA: PESSOAS, APRENDIZADO E CRESCIMENTO APERFEIÇOAR A GESTÃO DE PESSOAS DE TIC OBJETIVO ESTRATÉGICO Aperfeiçoar a gestão de pessoas de TIC DESCRIÇÃO Permitir que a gestão de pessoas seja realizada de forma ampla, integrada e transparente, destacando a importância que elas têm para o sucesso da organização. Indicador Meta Código Descrição Valor Base Ind. 1.1 Resultado de pesquisa de satisfação da equipe de TIC - 70% 80% i = (nº de pessoas de TIC satisfeito) / (total de pessoas de TIC) Ind. 1.2 Percentual de pessoas de TIC com perfil profissional mapeado - 50% 100% i = (nº de pessoas de TIC com perfil mapeado) / (total de pessoas de TIC) Ind. 1.3 Percentual de pessoas de TIC com competências atingidas para aqueles com perfil profissional mapeado - 70% 80% i = (nº de pessoas capacitadas / nº de pessoas com perfil profissional mapeado) Código Inic. 1.1 Inic. 1.2 Inic. 1.3 Inic. 1.4 Inic. 1.5 Inic. 1.6 Inic. 1.7 Iniciativa Estratégica Desenvolver ações para a adequação da estrutura organizacional e do quadro de pessoal de TIC às necessidades da empresa. Mapear e gerir perfis e competências da equipe de TIC. Estabelecer e implantar plano de capacitação de TIC. Promover a troca de conhecimento entre os membros da equipe de TIC e com órgãos externos. Integrar e valorizar pessoas, buscando melhoria no ambiente de trabalho. Implantar um plano de comunicação na STI. Buscar recursos orçamentários para capacitação da equipe de TIC. 23

24 6.2.2 PERSPECTIVA: FINANCEIRO MELHORAR A GESTÃO ORÇAMENTÁRIA DE TIC OBJETIVO ESTRATÉGICO Melhorar a gestão orçamentária de TIC DESCRIÇÃO Adotar boas práticas de gestão orçamentária para garantir o uso efetivo dos recursos necessários ao cumprimento das metas relacionadas à TIC. Indicador Meta Código Descrição Valor Base Ind. 2.1 Percentual do orçamento de TIC executado em relação ao aprovado. 90% 95% 95% Assegurar a execução orçamentária dos projetos e contratações de TIC, ajustando e acompanhando os orçamentos em conformidade com as estratégias e decisões de investimentos e custeio. i = (Orçamento de TIC executado / Orçamento de TIC aprovado) Código Inic. 2.1 Inic. 2.2 Inic. 2.3 Iniciativa Estratégica Promover a alocação de recursos orçamentários para implementação das ações do PDTI Aprimorar e fortalecer a gestão orçamentária de TIC Alinhar o orçamento de TIC às estratégias da EPE e do Governo 24

25 6.2.3 PERSPECTIVA: PROCESSOS INTERNOS IMPLANTAR A GOVERNANÇA DE TIC OBJETIVO ESTRATÉGICO Implantar a Governança de TI DESCRIÇÃO Alinhar a TIC às estratégias e objetivos da organização, definindo papéis e responsabilidades e envolvendo a alta administração nas decisões, além de adotar práticas de governança que permitam a entrega de valor à EPE. Indicador Meta Código Descrição Valor Base Ind. 3.1 Percentual de processos do framework de Governança de TI implantados e/ou cujas recomendações são observadas. 25% 50% i = (Total de processos do framework de governança de TI implantados / Total de processos de governança de TI planejados) Ind. 3.2 Percentual de projetos de TI em execução aprovados pelo CTIC-X. - 50% 100% i = (projetos de TI em execução aprovados pelo CTIC-X / Total de projetos de TI em execução) Ind. 3.3 Atuação do CTIC-E 100% 100% 100% Quantidade de reuniões ordinárias do comitê CTIC-E realizadas em relação às reuniões programadas no regimento interno do comitê (2). i = (número de reuniões ordinárias realizadas) / 2 Ind. 3.4 Atuação do CTIC-X 100% 100% 100% Quantidade de reuniões ordinárias do comitê CTIC-X realizadas em relação às reuniões programadas no regimento interno do comitê (6). i = (número de reuniões ordinárias realizadas) / 6 Ind. 3.5 Atuação do CSIC 100% 100% 100% Quantidade de reuniões ordinárias do comitê CSIC realizadas em relação às reuniões anualmente programadas (6). i = (número de reuniões ordinárias realizadas) / 6 25

26 Código Inic. 3.1 Inic. 3.2 Inic. 3.3 Iniciativa Estratégica Fortalecer o papel do Comitê de TIC na definição/priorização das ações estratégicas da EPE relacionadas à TIC. Fortalecer o alinhamento entre o planejamento de TIC, as estratégias da EPE e a EGTI. Implementar o Programa de Governança de TIC apoiado por processos e boas práticas (COBIT). 26

27 ALCANCAR A EFETIVIDADE NA GESTÃO DE TIC OBJETIVO ESTRATÉGICO Alcançar a efetividade na Gestão de TIC DESCRIÇÃO Adotar processos de trabalho e boas práticas de gestão relevantes e sensíveis à gestão de TIC visando à melhoria contínua dos resultados. Indicador Meta Código Descrição Valor Base Ind. 4.1 Percentual de projetos de TIC gerenciados por meio de uma metodologia formal de Gerenciamento de Projetos (MGP). - 20% 50% i = (número de projetos gerenciados por meio de uma MGP / número total de projetos) Ind. 4.2 Percentual de projetos entregues no prazo, com recursos e escopo acordados. - 50% 70% i = (Quantidade de projetos conformes (bem-sucedidos)/ Quantidade de projetos realizados) Ind. 4.3 Percentual de processos de gestão de serviços de TI da biblioteca ITIL (planejados) implantados. - 30% 50% i = (Total de processos de gestão de serviços de TI da Biblioteca ITIL implantados / Total de processos de gestão de serviços de TI da biblioteca ITIL planejados) Ind. 4.4 Percentual de processos de gestão de TI do COBIT (planejados) implantados % i = (Total de processos de gestão de TI do COBIT implantados / Total de processos de gestão de TI do COBIT planejados) Ind. 4.5 Percentual dos sistemas em desenvolvimento que seguem a Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS). 80% 90% 90% i = (sistemas em desenvolvimento em conformidade / Total de sistemas em desenvolvimento) Ind. 4.6 Percentual dos sistemas em produção que seguem a MDS. - 10% 25% i = (sistemas em produção em conformidade / Total de sistemas em produção) Ind. 4.7 Percentual das solicitações de serviços da STI atendidas dentro do SLA. - 80% 90% i = (solicitações de serviço atendidas dentro do SLA / Total de solicitações de serviço atendidas) 27

28 Código Inic. 4.1 Inic. 4.2 Inic. 4.3 Inic. 4.4 Iniciativa Estratégica Adotar as melhores práticas do COBIT e ITIL na gestão de TI. Complementar a MDS, abrangendo todas as etapas do ciclo de vida de um sistema. Divulgar, capacitar e envolver as áreas de negócio da EPE na aplicação da MDS. Garantir a conformidade dos sistemas desenvolvidos na EPE com a MDS. 28

29 DISPONIBILIZAR FERRAMENTAS E TECNOLOGIAS VISANDO À MELHORIA DO DESEMPENHO INSTITUCIONAL OBJETIVO ESTRATÉGICO Disponibilizar ferramentas e tecnologias visando à melhoria do desempenho institucional e a inovação DESCRIÇÃO Implementar ações visando à melhoria do desempenho institucional com foco nos objetivos de negócio e promovendo a inovação. Indicador Meta Código Descrição Valor Base Ind. 5.1 Percentual de objetivos de negócio da EPE apoiados e suportados por SOLUÇÕES CORPORATIVAS de TI. 20% 60% 70% i = (Quantidade de objetivos de negócio apoiados e suportados por SOLUÇÕES CORPORATIVAS de TI / quantidade total de objetivos de negócio que requerem soluções de TI) Código Iniciativa Estratégica Inic. 5.1 Inic. 5.2 Inic. 5.3 Inic. 5.4 Apoiar a implantação do Sistema Integrado de Gestão Administrativa (SIGA). Apoiar a implantação da Gestão de Processos e Gestão Documental. Prospectar soluções de TI com potencial de contribuir para aumentar a eficiência dos processos produtivos da EPE. Adequar a disponibilidade dos recursos tecnológicos de TIC às necessidades da empresa. 29

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ciclo 2013-2015

Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ciclo 2013-2015 Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ciclo 2013-2015 Rio de Janeiro Fevereiro de 2014 Ministério de Minas e Energia (Esta página foi intencionalmente deixada em branco para o adequado alinhamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI Plano de Trabalho Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30/10/2014, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Artigo 19, Inciso XVII do

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, regimentais e regulamentares,

Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, regimentais e regulamentares, PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO PORTARIA TRT/GP/DGCA Nº 630/2011 Define a Política de Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicações

Leia mais

PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG

PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG PDTI UFLA: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Segundo Modelo de Referência da SLTI/MPOG Forplad Regional Sudeste 22 de Maio de 2013 Erasmo Evangelista de Oliveira erasmo@dgti.ufla.br Diretor de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

Modelo de Referência 2011-2012

Modelo de Referência 2011-2012 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação - SLTI Modelo de Referência 2011-2012 Plano Diretor de Tecnologia de Informação Ministério do Planejamento,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PERÍODO 2012 A 2016 MANAUS/AM VERSÃO 1.0 1 Equipe de Elaboração João Luiz Cavalcante Ferreira Representante da Carlos Tiago Garantizado Representante

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TRIÊNIO /2015 DSI/CGU-PR Publicação - Internet 1 Sumário 1. RESULTADOS

Leia mais

Relato sobre a elaboração do PDTIC da UFMA

Relato sobre a elaboração do PDTIC da UFMA Relato sobre a elaboração do PDTIC da UFMA Nélio Alves Guilhon Tereza Cristina Brito Moreira Lima HISTÓRICO TI DA UFMA 1976: Resolução 423/76 ( 26/04/1976 ) Cria o Centro de Processamento de Dados (CPD)

Leia mais

Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração

Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração Marta Suplicy Ministra da Cultura Ana Cristina Wanzeler Secretária-Executiva Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração Paulo Cesar Kluge Coordenador-Geral de Tecnologia

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012 2015 Controle de Revisão Ver. Natureza Data Elaborador Revisor

Leia mais

A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você

A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você A Escola A Escola Superior de Redes da RNP privilegia um ensino totalmente prático. Os laboratórios são montados de forma

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto

Governança de TI no Governo. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Governança de TI no Governo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Paulo Roberto Pinto Agenda Agenda Contexto SISP IN SLTI 04/2008 EGTI Planejamento

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Planejamento Estratégico da Tecnologia da Informação (PETI)

Planejamento Estratégico da Tecnologia da Informação (PETI) 00 dd/mm/aaaa 1/15 ORIGEM Instituto Federal da Bahia Comitê de Tecnologia da Informação ABRANGÊNCIA Este da Informação abrange todo o IFBA. SUMÁRIO 1. Escopo 2. Documentos de referência 3. Metodologia

Leia mais

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Março COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CGTIC 2 ÍNDICE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 3 Apresentação...

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 20/05/2016 17:15:31 Endereço IP: 201.76.165.227

Leia mais

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0 TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Brivaldo Marinho - Consultor Versão 1.0 CONTROLE DA DOCUMENTAÇÃO Elaboração Consultor Aprovação Diretoria de Informática Referência do Produto

Leia mais

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 André Luiz Furtado Pacheco, CISA Graduado em Processamento de

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019. Versão 0 1.0

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019. Versão 0 1.0 PETI Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019 Versão 0 1.0 Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019 Presidente Luiz Otávio Pimentel Vice-Presidente Mauro Sodré

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Institui o Programa de Fortalecimento Institucional da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Sumário 1. Introdução:...3 2. Abrangência:...3 3. Estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional:...3 3.1. Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional:...4

Leia mais

Implantação da Governança a de TI na CGU

Implantação da Governança a de TI na CGU Implantação da Governança a de TI na CGU José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União I Workshop de Governança de TI da Embrapa Estratégia utilizada para

Leia mais

Anexo 7 Demandas oriundas das recomendações da Estratégia Geral de Tecnologia da Informação. Indicadores. Descrição 2011 2012

Anexo 7 Demandas oriundas das recomendações da Estratégia Geral de Tecnologia da Informação. Indicadores. Descrição 2011 2012 Plano Diretor Tecnologia da Informação 2012-2013 146 Anexo 7 Demandas oriundas das recomendações da Estratégia Geral Tecnologia da Informação Objetivos Objetivo 1 - Aprimorar a Gestão Pessoas TI (Cobit

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 232/2013 Aprova a Norma Complementar de Procedimentos para Inventariar Ativos de Tecnologia da Informação. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC

Planejamento Estratégico de TIC Planejamento Estratégico de TIC Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe 2010 a 2014 Versão 1.1 Sumário 2 Mapa Estratégico O mapa estratégico tem como premissa de mostrar a representação visual o Plano

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 13/06/2014 14:08:02 Endereço IP: 177.1.81.29 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Modelo de Referência. Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010

Modelo de Referência. Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010 Modelo de Referência Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010 Versão 1.0 Premissas do modelo 1. Este modelo foi extraído do material didático do curso Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA DO SISP

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA DO SISP SERVIÇOS DE CONSULTORIA EIXO TEMÁCO: GOVERNANÇA DE Implantação de Metodologia de Elaborar e implantar uma metodologia de gerenciamento de projetos no órgão solicitante, com a finalidade de inserir as melhores

Leia mais

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 29 de setembro de 2009 PLANO DE TRABALHO - PDTI O presente Plano de Trabalho objetiva o nivelamento do Tribunal de Justiça do Estado de Roraima aos requisitos de tecnologia da informação

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

GESTÃO DE CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

GESTÃO DE CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Número da Norma Complementar Revisão Emissão Folha ICMBio Instituto Chico Mendes De Conservação da Biodiversidade Diretoria de Planejamento, Administração e Logística ORIGEM GESTÃO DE CONTINUIDADE DOS

Leia mais

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA (GSI/PR) OBJETIVO Identificar a Metodologia de Gestão de SIC na APF AGENDA Gestão

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta.

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. 13/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/5 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações DIRETRIZES PARA GESTÃO DE MUDANÇAS NOS ASPECTOS RELATIVOS

Leia mais

PORTARIA Nº 6.137, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 6.137, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. PORTARIA Nº 6.137, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. Altera a Portaria nº 4.772/2008, a qual instituiu a Política de Segurança da Informação no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região. A PRESIDENTE

Leia mais

ATO Nº 229/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 229/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 229/2013 Aprova a Norma Complementar de Criação da Equipe de Tratamento e Resposta a Incidentes na Rede de Computadores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

)))* "*+$ Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação "$%&'(

)))* *+$ Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação $%&'( )))* "*+$!"# Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação "$%&'( , $-. Cecom Centro de Computação: atendimento das demandas corporativas da universidade. LCC Laboratório

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011)

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) Dispõe sobre as competências da Secretaria de Infraestrutura de Tecnologia da

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA

A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA Fabiana Alves de Souza dos Santos Diretora de Gestão Estratégica do TRT 10 1/29 O TRT da 10ª Região Criado em 1982 32 Varas do Trabalho

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 12/06/2014 13:58:56 Endereço IP: 200.252.42.196 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA Art. 1º. A Secretaria de Tecnologia de Informação e Comunicação SETIC é um Órgão Suplementar Superior

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência se necessário.

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Coordenadoria de Tecnologia da Informação. Documentos Formais. Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR

Coordenadoria de Tecnologia da Informação. Documentos Formais. Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR Coordenadoria de Tecnologia da Informação Documentos Formais Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR NOV/2011 1 Sumário 1 Introdução... 03 2 Políticas de Governança de Auditoria Interna de TI...

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

Implantação da Governança a de TI na CGU

Implantação da Governança a de TI na CGU Implantação da Governança a de TI na CGU José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União Palestra UNICEUB Estratégia utilizada para implantação da Governança

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

O impacto da Lei de Acesso à Informação (LAI) no ambiente SISP

O impacto da Lei de Acesso à Informação (LAI) no ambiente SISP 6ª Governança Aplicada ISACA Capítulo Brasília O impacto da Lei de Acesso à Informação (LAI) no ambiente SISP João Batista Ferri de Oliveira Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) Plano de Trabalho

Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) Plano de Trabalho Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) Plano de Trabalho Versão 1.0 Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Índice INTRODUÇÃO... 3 FINALIDADE...

Leia mais

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007 S e g u r a n ç a d a I n f o r m a ç ã o 2007 Uma corrente não é mais forte do que seu elo mais fraco. Tem medo de ataques? Tranque sua rede numa sala!. Só gerenciamos aquilo que medimos, só medimos aquilo

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações CobIT Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações Eduardo Mayer Fagundes Copyright(c)2008 por Eduardo Mayer Fagundes 1 Agenda 1. Princípio de Gestão Empresarial

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TI

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TI PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TI PETI MPMA 2015 2016 Procuradora Geral de Justiça VERSÃO 1.0 SÃO LUIS MA, 2014 Regina Lúcia de Almeida Rocha Procuradora de Justiça Diretor Geral Luís Gonzaga Martins Coelho

Leia mais

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação

Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Atuação da Auditoria Interna na Avaliação da Gestão de Tecnologia da Informação Emerson de Melo Brasília Novembro/2011 Principais Modelos de Referência para Auditoria de TI Como focar no negócio da Instituição

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre o Modelo de Governança do Planejamento Estratégico do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais