PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO"

Transcrição

1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

2

3 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

4 SUMÁRIO O MAR Paulo Herkenhoff.10 O COMPROMISSO COM A GESTÃO DO MAR O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MAR Instituto Odeon A IDENTIDADE DO MAR.18 DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO DO MAR.20 IMPLEMENTANDO A ESTRATÉGIA.31 CONSIDERAÇÕES FINAIS.43

5 Imagem:

6 O MAR O MAR define-se como um museu de arte com o foco mais concentrado em processos do que em eventos. Criado pela Prefeitura do Rio de Janeiro e construído e institucionalizado pela Fundação Roberto Marinho, o MAR (Museu de Arte do Rio) concentra-se em dois eixos de atuação: atividades curatoriais e educacionais a partir do conceito clássico de museu com as tarefas de colecionar, registrar, conservar, estudar e expor sob uma ótica experimental. O binômio reflete-se nos dois prédios do complexo do MAR a Escola do Olhar e o Pavilhão de Exposições. Seu campo são as artes plásticas no contexto da cultura visual contemporânea e de suas implicações ambientais, históricas, socioeconômicas, antropológicas e políticas. A cidade do Rio de Janeiro é o ponto de partida do MAR. Seu programa inclui pensar a formação e a história da cidade, lançando-se criticamente sobre o presente e suas perspectivas de construção do futuro. Articulando dimensões simbólicas e imaginárias, o Museu enraíza-se no Rio por meio de sua localização, arquitetura, programa de exposições e atividades diversas, coleção, biblioteca, escola. Seu maior compromisso é com a educação pública municipal, cuja rede é formada por mais de escolas e quase alunos. Ademais, o MAR cooperará com os cursos de pós-graduação em arte do Rio. O alvo do MAR é um novo público, até aqui não envolvido com a arte. A localização do MAR e sua arquitetura ativam as experiências de trânsito. Situado na área do Porto Maravilha, o MAR guarda também a memória de haver sido uma rodoviária. Características concedidas ao MAR pela cidade, o ir e vir, a possibilidade de encontro e de intercâmbio, o desejo de conhecer o distante e o próximo, o envolvimento das diferenças surgem como metáfora arquitetônica da cobertura fluida em forma de onda que une os dois prédios do Museu. Com a articulação entre arte e educação, o MAR objetiva ser também um espaço de encontro entre indivíduos e de troca de ideias entre partes da cidade, entre o Rio e o mundo. A arte cumpre um papel fundamental na constituição da subjetividade, no exercício da cidadania e na relação crítica com os desafios do contexto histórico do século XXI. Nesse sentido, por ser um museu de arte, o MAR explora o potencial emancipatório do discurso simbólico. Entendendo que as forças desse discurso devem ser potencializadas no seio da esfera pública, o MAR coloca-se, desde a região central do Rio, como uma instituição dedicada à cidade e à população carioca e, a partir desse ponto, acolhe os visitantes. O maior desafio do MAR é contribuir para a inscrição da arte e da cultura de museu na esfera pública, com a participação da sociedade civil na formulação e implantação do acervo, do programa de exposições e dos processos educacionais. Paulo Herkenhoff, diretor cultural

7 Imagem:

8 O COMPROMISSO COM A GESTÃO DO MAR O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MAR Sendo o primeiro espaço cultural do Rio de Janeiro a ser gerido por uma Organização Social (OS), o MAR está ciente de seu papel não apenas em relação à arte, à cultura e ao conhecimento, mas também como modelo inovador de gestão. Com esse desenho institucional, o MAR garante o fomento municipal de suas atividades, além de gozar de maior autonomia de gestão, o que o torna um museu mais ágil, capaz de responder com mais eficiência às demandas e transformações da cultura. O planejamento representa um importante passo para estabelecer o mapa que levará o MAR a alcançar seu futuro ambicioso e desejável. Entretanto, são as ações do dia a dia que tornarão realidade essas aspirações. O acompanhamento da trajetória do MAR, tanto pela equipe gestora quanto pela sociedade civil, terá como ponto de partida este documento. Assim sendo, o conhecimento de seu conteúdo e de suas propostas faz-se necessário não apenas por aqueles que compõem essa equipe, mas por todos que entendem o relevante papel do MAR no espaço público. O planejamento do MAR, que se encontra descrito ao longo deste documento, representa as escolhas feitas para a construção do futuro do museu e a concretização da sua missão. Existe, aqui, uma delimitação clara sobre quais são as principais áreas de atuação, quais são os objetivos que se pretende alcançar e quais são os projetos elaborados para concretizar os objetivos estratégicos. Todas as propostas foram construídas com a participação direta da equipe designada para gerir o museu e à luz das expectativas da sociedade, as quais foram trazidas à tona por meio de entrevistas e depoimentos. Ao explicitar de maneira tão detalhada os caminhos que serão seguidos, o MAR visa atingir a transparência e o compromisso com os resultados que serão buscados em toda a sua trajetória. Instituto Odeon, gestor do MAR.15

9 Foto: Ricardo Castello Branco

10 A IDENTIDADE DO MAR A verdadeira viagem de descoberta consiste não em procurar novas paisagens, mas em vê-las com outros olhos. Em se tratando de um espaço novo, o MAR pretende estabelecer uma identidade institucional que se encontra inscrita em sua missão, sua visão e seus valores. Cientes de que a missão deve orientar todos sobre o propósito da instituição, alguns objetivos pautaram a sua elaboração: primeiramente, estabelecer uma Marcel Proust relação paritária entre arte e educação como dois pilares que sustentam a formação de um olhar crítico e de reflexão; a seguir, estabelecer claramente seu ponto de partida e seu principal destinatário: o Rio, com seu patrimônio cultural e histórico; e, em se tratando do desejo de concretizar-se como um museu, explicitar a intenção de constituir um acervo próprio. Essas decisões encontram-se enunciadas na MISSÃO do MAR: Desenvolver um espaço onde o Rio se encontra e se reinventa através do conhecimento da arte e da experiência do olhar, com ênfase na formação de acervo e na educação. A missão tal como proposta pelo MAR é o alicerce para que a instituição aspire ser conforme está descrito em sua visão. As ideias básicas a serem comunicadas são o desejo de viabilizar um espaço de diálogo intenso com a sociedade e a construção crítica do olhar histórico sobre o patrimônio que a cidade representa. O principal impacto esperado da instituição proporcionar, por meio das discussões sobre os desafios de uma agenda pública, o exercício da cidadania e a emancipação cultural completa esse enunciado. O estado futuro que a VISÃO representa está descrito da seguinte forma: Transformar as relações do Rio com a arte em processo de formação emancipatória da cidadania. Suas atitudes falam tão alto que eu não consigo ouvir o que você diz. Ralph Emerson Sabendo que uma instituição é construída a partir de pessoas, estabeleceram-se os valores morais que deverão pautar a atuação de todos os seus colaboradores. Como está sendo implantado como um espaço público, o MAR deverá proporcionar a quebra de barreiras sociais que normalmente são associados aos museus. Em vez de colocar-se como um espaço para um público seleto e iniciado em artes, o MAR será um local acessível a todos e onde as pessoas se reconhecerão por meio da história, da arte e da cultura representadas nas exposições. Como um espaço que almeja ser democrático, estabelecerá canais de escuta que assegurem sua porosidade em relação à sociedade. Seguindo Mário Pedrosa 1, que colocou a arte como o exercício experimental da liberdade, a autonomia intelectual é imprescindível. Da mesma maneira, o modelo de gestão por organização social deverá estar de fato pautado na liberdade para perseguir os melhores resultados para a instituição. Seja nas exposições, nas oficinas e nas palestras seja nos serviços de apoio como limpeza e manutenção, o MAR irá buscar sempre a excelência tornando-se um destino reconhecido pela qualidade do serviço ofertado. Sendo pioneiro no modelo de gestão que convoca a sociedade civil a ampliar sua participação com os espaços públicos, o MAR será transparente em todos os seus processos, inclusive na contratação de serviços, na execução de ações e no alcance de resultados.tudo isso sendo conduzido pela proatividade administrativa e pela ação cultural, com o objetivo de, diariamente, tornar realidade a missão a que se propõe. Os preceitos morais traduzidos em VALORES do MAR são, portanto: > Esfera pública: o Mar é de todos e para todos. > Democracia: ter uma escuta ativa da sociedade. > Excelência: ser incansável na busca da qualidade. > Autonomia institucional: guiar a ação intelectual e administrativa (modelo de gestão). > Transparência: tornar públicos os processos, ações e resultados. > Proatividade: na ação cultural e administrativa para o cumprimento de sua missão. 1. (Expressão predileta de Mario Pedrosa, especialmente na década de 60, para caracterizar uma arte que ele acreditava reatar as fontes inovadoras das vanguardas históricas. In: ARANTES, Otília. Mario Pedrosa: itinerário crítico. São Paulo: Cosac Naify, 2004, p

11 DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO DO MAR O mapa estratégico representa as propostas que o MAR se propõe a implementar nos próximos anos como resposta às questões críticas levantadas durante o processo de planejamento. Ou seja, o mapa determina as prioridades para que o museu seja bem-sucedido nas escolhas feitas e em seu propósito de estabelecer uma sólida relação com a cidade e sua comunidade. O mapa é composto de quatro áreas estratégicas acervo/educação, cidade, gestão e infraestrutura que representam as atividades nas quais o alcance de resultados favoráveis é absolutamente necessário para que o MAR tenha êxito em cumprir sua missão e alcançar sua visão. Desenvolver um espaço onde o Rio se encontra e se reinventa através do conhecimento da arte e da experiência do olhar, com ênfase na formação de acervo e na educação. A cada área existe um objetivo estratégico associado e objetivos específicos que balizaram a proposição de projetos. O sucesso institucional do MAR em implementar as estratégias definidas será acompanhado por meio de indicadores de resultado tanto gerais quanto específicos para cada área. Como pretende ser um museu de todos e para todos, é importante mensurar a capacidade de atrair visitantes, uma vez que são as pessoas que dão vida ao espaço público, e o vínculo estabelecido entre eles e o MAR, já que o objetivo não é apenas atrair visitantes esporádicos, mas criar uma experiência marcante, um sentimento de pertencimento. Com esse intuito, foram estabelecidos dois indicadores de resultado globais para o museu: > número de visitantes; > taxa de retorno dos visitantes. Indicadores de resultado: Transformar as relações do Rio com a arte em processo de formação emancipatória da cidadania. Esfera pública Democracia Excelência Autonomia institucional Transparência Proatividade Indicador Status 2012 Meta 2013 Meta 2016 Número de visitantes (por ano) NA 140 mil 250 mil Percentual de retorno dos visitantes NA LB LB+30 LB. Linha de Base NA. Não aplicável ACERVO/EDUCAÇÃO GESTÃO CIDADE INFRAESTRUTURA Figura 1: Áreas estratégicas do planejamento Fonte: Elaboração própria.21

12 ACERVO/EDUCAÇÃO Constituir acervo, prioritariamente sobre o Rio, a partir de núcleos significativos que sejam acessíveis a todos os públicos e atuar na formação de professores de todos os níveis. O MAR surge com o propósito de ser um museu e para tanto terá o desafio de constituir um acervo que seja representativo e significativo para a cidade. Esse é um ponto tão relevante para a instituição que foi incluído na sua missão. Também faz parte dela outro pilar dessa área estratégica: a educação. Apesar de ser instalado em dois prédios distintos um como pavilhão de exposições e o outro como escola, o MAR se propõe a ser um espaço indivisível entre acervo e educação, no qual os dois assuntos são interligados e interdependentes, gerando conteúdo mutuamente. A formação de professores ocorrerá tanto dentro do próprio MAR quanto em atuação conjunta com outras instituições de ensino. O programa educativo diferenciado é um importante passo para tornar o museu acessível a todos. São importantes públicos das exposições e da escola os professores e os alunos da rede pública. Prioridades (objetivos específicos): > Constituir, prioritariamente, por meio de doações, acervo que guarde relação com a cidade, atuando nas lacunas existentes em outros museus. Constituir as exposições, inclusive as da Escola do Olhar, a partir de núcleos significativos. > Ser acessível a todos os perfis de público e também aos públicos de todas as origens geográficas da cidade e do mundo. > atuar na formação de professores, artistas, educadores e comunidade em geral. Desenvolver projetos que envolvam jovens e adultos em interface com o programa de licenciatura até a pós-graduação. Indicadores de resultado: Indicadores Status 2012 Meta 2013 Meta 2016 Número de peças que compõe o acervo (acumulado) 0 A definir A definir O MAR se propõe a ser uma instituição caracterizada pelo dinamismo também nas exposições, tornando-se um ponto de atração permanente na cidade. Há espaços destinados à realização de exposições temporárias de curta e de média duração. O objetivo estratégico do MAR relativo à área acervo/educação é aquele que mais se relaciona com a finalidade de uma instituição museal. Seu conteúdo e o detalhamento em prioridades encontram-se a seguir: Percentual de ocupação do espaço do MAR com exposições Percentual de reclamações por restrição de acesso Percentual de pedidos de agendamento de visitas de grupos atendidos Número de alunos da rede pública atendidos (por ano) Percentual de alunos atendidos pelo programa educativo que retornaram espontaneamente Número de professores participantes de atividades no MAR (por ano) LB. Linha de Base NA. Não aplicável NA 100% 100% NA 0% 0% NA 100% 100% NA 70 mil 150 mil NA LB LB

13 CIDADE Desenvolver com a cidade uma relação de porosidade na qual o MAR permeia e se deixa permear pela cultura do Rio, tendo o entorno como ponto de partida, e vai ampliando sua atuação para toda a cidade, sempre mantendo sua credibilidade artística. O relacionamento que se pretende estabelecer entre o Rio de Janeiro e o MAR é tão estreito que ocorre desde a identidade primeira: seu nome. Assim sendo, o elemento cidade se fez presente tanto no que a organização representa (sua missão) quanto no que deseja ser (sua visão). O Rio é o ponto de partida do museu, que se propõe a refletir e a discutir criticamente sua história, a sociedade, a economia, a cultura e a política. O museu vai atuar como um catalisador de conhecimento e reinvenção da cidade. Ciente de que historicamente a cidade se segmentou em diversas comunidades, o MAR terá o desafio de unificá-las. A região portuária na qual o MAR está localizado é o ponto de partida do propósito de promover o exercício crítico por meio das artes visuais. Com o objetivo de gerar pertencimento ao museu, os moradores do entorno serão o foco inicial de várias ações, inclusive de recrutamento de profissionais. Prioridades (objetivos específicos): > Ser um espaço representativo do Rio e iniciar sua atuação pelo entorno. > Criar uma rede de multiplicadores por territórios: dentro da cartografia da cidade, encontrar em cada local alguém que seja referência. > Promover exposições significativas, que representem a comunidade, mantendo a credibilidade artística. > Representar o Rio sob o olhar da arte, promovendo a reflexão crítica ao mesmo tempo que compartilha a experiência local. Indicadores de resultado: Indicadores Status 2012 Meta 2013 Meta 2016 Percentual de pessoas com percepção positiva MAR Percentual de cobertura da cidade por multiplicadores do MAR NA LB LB+10 NA 10% 40% Percentual de exposições com divulgação positiva na mídia Número de fidelização de amigos do MAR na cidade do Rio (acumulado) Percentual de ocupação do espaço expositivo do MAR dedicado à cidade do Rio NA 100% 100% 0 2 mil 20 mil NA 25% 25% LB. Linha de Base NA. Não aplicável.25

14 GESTÃO Implantar e atuar segundo um modelo de gestão que se torne referência em resultados e transparência junto ao público e outras instituições culturais, fortalecendo a marca do MAR e, consequentemente, atraindo patrocinadores e apoiadores. Prioridades (objetivos específicos): > Disseminar modelo de OS, por meio do bom exemplo, para garantir a boa governança. > Estabelecer uma política de comunicação adequada com os principais stakeholders. > Atuar em rede com outras instituições. O MAR, equipamento público cultural vinculado à Prefeitura do Rio de Janeiro, é a primeira instituição cultural do Rio ser gerida por uma Organização Social (OS). Tal modelo de organização pública não estatal se destaca como diferencial de atuação e garante ao MAR maior autonomia de gestão. Em termos práticos, essa autonomia representa flexibilidade e foco em resultados e deve ser traduzida em prestação de serviços de qualidade para a sociedade. Em termos administrativos, como também conceituais, essa forma de gestão denota a maior participação da sociedade civil no museu. Constituída pelo Estado e por indivíduos da sociedade, em parceria firmada por meio de contrato social, o MAR terá garantida sua autonomia política, passo inicial para um museu disposto a lidar com as questões trazidas com o século XXI. Essa área estratégica aborda a questão da sustentabilidade financeira da organização, bem como a governança entre os múltiplos atores envolvidos. Portanto, é de grande relevância para a longevidade do MAR, tanto na sua dimensão econômica quanto política, em que a marca do MAR apareça como ativo da maior importância. > Reconhecer adequadamente quem irá apoiá-lo financeiramente. Indicadores de resultado: Indicadores Status 2012 Meta 2013 Meta 2016 Percentual de execução do contrato de gestão 1-100% 100% Número de mídias positivas sobre o MAR (por ano) Percentual de satisfação dos conselheiros do MAR Número de ações realizadas pelo MAR em parceria com outras instituições (por ano) Percentual do orçamento captado independente do Contrato de Gestão 28# LB LB*1,3 NA 100% 100% 7# LB LB*1,3 0% 25% 40% Percentual de satisfação dos parceiros patrocinadores NA LB LB+30 LB. Linha de Base NA. Não aplicável (1). A primeira nota do contrato de gestão relativo à 2012 será atribuída apenas em 2013 #. apesar de existir uma referência, essa não é apropriada para ser linha de base uma vez que representa um momento de obra e não de operação..27

15 INFRAESTRUTURA Manter uma estrutura que se torne parâmetro de qualidade e segurança na prestação de serviços ao público bem como na atração e formação de mão de obra para outras instituições culturais e para a cidade. Compreendem-se nessa área estratégica todos os serviços de apoio necessários para o nível de excelência a que o MAR se propõe. A prestação de serviços com qualidade é mandatória tanto para assegurar padrões de serviços diferenciados em relação ao setor cultural quanto para criar uma referência e fortalecer o modelo de gestão da OS. Como o MAR é uma instituição que está sendo implantada agora, as questões relativas à preparação do patrimônio para a operação e a plena atividade tornam-se vitais. O MAR tem o dever de assegurar condições ideais de segurança ao patrimônio no qual está instalado, ao acervo sob sua responsabilidade e à integridade de seus visitantes. Os processos desenhados e implementados devem tornar-se referência inclusive para outras instituições culturais. Dessa maneira, os profissionais capacitados pelo MAR poderão disseminar entre essas instituições as melhores práticas em prestação de serviços. A experiência do visitante do MAR deve ser memorável não apenas pela qualidade das exposições e informações educativas mas também pelos processos de apoio bem executados, como serviços de limpeza, manutenção preventiva e corretiva, atendimento receptivo, etc. O objetivo de implantar e manter processos em nível de excelência requer ações contínuas de capacitação de pessoas que atuam na instituição. A equipe do MAR, inclusive os funcionários terceirizados, terá a compreensão da contribuição que cada indivíduo traz para o sucesso da instituição. Prioridades (objetivos específicos): > Executar serviços de apoio com excelência: acolhimento diferenciado e alto padrão de manutenção. > Assegurar alto nível de aprovação dos serviços de segurança de controle de acesso e patrimonial. > Buscar a contratação de mão de obra local: atuar em rede para qualificar e recrutar. > Como contratante, desempenhar o papel de formar pessoas e desenvolver talentos. Indicadores de resultado: Indicadores Status 2012 Meta 2013 Meta 2016 Percentual dos clientes que estão satisfeitos com o serviço prestado Número de incidentes patrimoniais que envolvam perda ou dano ao patrimônio do MAR (por ano) Percentual de colaboradores do MAR que são moradores do entorno Número de profissionais qualificados pelo MAR (por ano) LB. Linha de Base NA. Não aplicável NA LB 95% NA 0 0 0% 7% 7% NA

16 IMPLEMENTANDO A ESTRATÉGIA As intenções estratégicas do MAR encontram-se definidas e claramente explicitadas. O desafio que o museu deverá vencer a partir de 2013 é o de implementar a estratégia. A priorização de estratégias e projetos ao longo do tempo visa a assegurar que a instituição tenha recursos humanos, financeiros e materiais para executar e gerenciar as iniciativas priorizadas. Após definida a carteira de projetos necessária para buscar a visão institucional, a equipe identificou aqueles que serão prioritários no início do funcionamento do museu e também os que terão maior impacto nos objetivos estratégicos. É importante notar que os projetos a serem executados com recursos oriundos de captação também foram priorizados. Os projetos descritos a seguir têm foco no biênio , período em que serão executados os primeiros ciclos de exposição e implantados processos críticos para o funcionamento do MAR. O cronograma de atividades, a demanda de recursos e os resultados esperados de cada projeto foram detalhados de maneira a possibilitar seu monitoramento. As propostas dos projetos dentro de cada área estratégica encontram-se detalhadas a seguir. Imagem:

17 ÁREA ESTRATÉGICA:ACERVO/EDUCAÇÃO ÁREA ESTRATÉGICA:ACERVO/EDUCAÇÃO PROJETO DIRETRIZES E AÇÕES DE ACESSIBILIDADE DESAFIO: Desenvolver pesquisa e ações de visitas educativas e elaborar materiais e práticas educativas a partir do MAR e de sua programação artística e cultural para pessoas com deficiência. PROJETO ARTE E EDUCAÇÃO NO MAR DESAFIO: Desenvolver oficinas, workshops, palestras e cursos de curta duração integrados à programação de exposições do MAR. Essa linha de ação participa da formação continuada do cidadão crianças, jovens e adultos. Neles serão abordados conceitos fundamentais para a compreensão dos eixos norteadores de cada mostra, considerando o contato com os assuntos levantados pelo conjunto de exposições colecionismo, direito à moradia, história do Rio, transformação da paisagem, discussões sobre gosto, olhar estrangeiro, dança, entre outros. Para isso, serão adotadas práticas reflexivas e poéticas. PROJETO DE CONFORMAÇÃO DO ACERVO DESAFIO: Manter uma coleção que responda à abordagem que o museu tem das práticas artísticas em suas implicações com a cultura visual, constituindo focos diversos de aproximação à história e à realidade do Rio de Janeiro e do Brasil, tangenciando a arquitetura, o urbanismo, a antropologia, a história social, a iconografia, o design, dentre outros campos. Assim, a coleção deverá ser capaz de abrigar, além de obras de arte, lembranças turísticas, brinquedos, ilustrações, fotografias publicitárias, objetos de decoração, etc. PROJETO CULTURA PLAY: ELABORAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DESAFIO: Elaborar e desenvolver quatro propostas de brinquedos móveis e desmontáveis para crianças de zero a nove anos. A brincadeira compreende um estado de suspensão que favorece a experiência e a exploração das potencialidades dos indivíduos em ação. O projeto visa, ainda, levar o MAR para outras áreas da cidade, com ocupações que podem ocorrer nos arredores e nos subúrbios do Rio. A cultura do brincar busca levar o museu para a cidade, criando espaços de convivência e envolvendo crianças e família. PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA E DO CENTRO DE REFERÊNCIA E DOCUMENTAÇÃO DESAFIO: Desenvolver uma biblioteca de referência em artes visuais e um centro de documentação e pesquisa que opere a partir de núcleos significativos relacionados aos seguintes campos: arte e cultura visual, cidade do Rio de Janeiro, escravidão, conceição, fundos de colecionadores, programa expositivo do MAR, produção acadêmica, artística e educativa. Faz parte do desafio organizar uma estrutura e fluxos de funcionamento que deem condições de compor um acervo total de 12 mil volumes até PROJETO IMPLANTAÇÃO DE CURSO DE CURADORIA DESAFIO: Estabelecer o MAR como referência na formação continuada de jovens curadores..33

18 ÁREA ESTRATÉGICA:ACERVO/EDUCAÇÃO ÁREA ESTRATÉGICA:ACERVO/EDUCAÇÃO PROJETO PLANEJAMENTO E REALIZAÇÃO DE EXPOSIÇÕES DESAFIO: Produzir exposições de curta e de média duração, coerentes com o programa e a pesquisa curatorial do MAR, de maneira que os espaços do pavilhão de exposições apresente mostras sobre a cidade do Rio de Janeiro, exposições temáticas e organizadas a partir de coleções privadas, mostras individuais de artistas emergentes na cena contemporânea brasileira e exposições de arte contemporânea de acordo com as linhas de pesquisa curatorial do MAR. Organizar calendário expositivo que envolva todas as etapas do trabalho pesquisa, montagem, desmontagem e publicação. Esse calendário deverá estar correlacionado ao programa educativo e cultural do MAR. PROJETO IMPLANTAÇÃO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DESAFIO: Elaborar projeto de formação continuada de professores, educadores e arte educadores. Propiciar, por meio de programa de formação, a ambiência necessária para que o professor se aproprie dos conteúdos presentes nos programas expositivos do MAR na sua prática educativa realizando atividades pré e pós-visita, relacionando e potencializando tais atividades com o conteúdo programático. Oferecer agenda de formação em linguagens artísticas suportes tradicionais, novos suportes (experimentação prática e formação); teoria e história da arte e cultura visual arte brasileira, cultura brasileira, história da arte no Rio de Janeiro, história da cidade, arte contemporânea. Criar, paralelamente, o núcleo de apoio ao GEA (Ginásio Experimental de Arte). PROJETO ELABORAÇÃO E PUBLICIZAÇÃO DO MATERIAL EDUCATIVO DO MAR DESAFIO: Desenvolver material educativo para o programa de exposições do MAR com os professores da rede municipal de ensino. Envolvê-los no grupo de pesquisa e desenvolvimento do material durante o período necessário à elaboração. PROJETO ELABORAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DA RESIDÊNCIA ARTÍSTICA ÁFRICA-BRASIL DESAFIO: Desenvolver pesquisa e conformar ações artísticas e de residência com o tema África-Brasil. Residência artística e intercâmbio. O mote principal deverá ser o contexto urbano e a conformação da história do lugar, o que propõe relação entre pessoas, lugares e a história da cidade. Serão promovidos o desenvolvimento de ações artísticas contemporâneas e o mapeamento da produção atual em suas diferentes estratégias e manifestações. PROJETO ELABORAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DAS VISITAS ESCOLARES PARA AS REDES DE ENSINO DESAFIO: Oferecer aos estudantes e professores, durante as visitas, uma efetiva experiência educativa com base no programa de exposições e ações culturais do MAR. Para isso, realizar ações que potencializem a experiência e desdobrem os conteúdos experimentados/vivenciados na visita à escola. O projeto será implementado em etapas com o objetivo de ampliar gradativamente a capacidade de atendimento. O desafio é avançar nessas etapas de implantação para expandir o público atendido. PROJETO JOVEM MEDIADOR DESAFIO: Desenvolver projeto de formação e de bolsa-estágio para jovens das comunidades vizinhas ao MAR e projetos associados ao museu. O programa de formação visa ao desenvolvimento de jovens com idade entre 14 e 21 anos em projeto de monitoria de visita educativa no MAR. PROJETO VISITAS FAMILIARES: ELABORAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DESAFIO: Instaurar o MAR como um lugar acessível para todos os grupos numa rede de significados que perpasse os sujeitos na sua especificidade, mas também em interação com o outro. Nesse sentido, abarcar as famílias em projeto de visitas ao MAR..35

19 ÁREA ESTRATÉGICA: CIDADE ÁREA ESTRATÉGICA: GESTÃO MAR NA ACADEMIA REALIZAÇÃO DE SEMINÁRIOS ACADÊMICOS EM CONJUNTO COM UNIVERSIDADES DESAFIO: Estimular a participação da universidade no projeto de promover a inscrição da arte na esfera pública, no âmbito da região metropolitana do Rio de Janeiro, com ênfase nas relações entre museu e educação e no fortalecimento da cidade como centro de reflexão teórica. PROJETO COMUNICAÇÃO DIGITAL: IMPLANTAÇÃO DESAFIO: A partir da imagem que se espera que o MAR projete, constituir ações de comunicação do museu em ambiente digital, considerando as especificidades desse tipo de interação. Essas ações serão dirigidas aos principais públicos de interesse do MAR, que acessarão ferramentas como o Portal MAR e terão conhecimento sobre o funcionamento total do museu. VIZINHOS DO MAR RELACIONAMENTO COM AS COMUNIDADES DO ENTORNO DIRETO DESAFIO: Estabelecer uma relação continuada com a comunidade do entorno direto do MAR Morro da Conceição, Morro da Providência e arredores democratizando o acesso à cultura e promovendo junto à comunidade uma experiência cultural contínua e qualificada. O programa visa atingir crianças, jovens, adultos e idosos moradores da região. O acesso aos bens culturais disponíveis do MAR serão essenciais assim como a reflexão acerca do patrimônio cultural material e imaterial presentes na região. O principal desafio é estabelecer uma relação dialógica com o entorno. PROGRAMAÇÃO CULTURAL: DEFINIÇÃO DE DIRETRIZES E ROTINAS DESAFIO: Criar parâmetros para que a programação cultural do MAR seja atrativa, englobe todas as áreas culturais, atraia o público em geral e promova o aumento na visitação ao museu. PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÃO DO PROJETO EDITORIAL DESAFIO: Organizar catálogos para todas as exposições realizadas no museu. Para as de grande porte, editar livros que ampliem as questões abordadas e funcionem como referências significativas para o assunto. Todas as publicações do MAR serão bilíngues (português/inglês). PROJETO COMUNICAÇÃO EXTERNA E IMPRENSA: ESTABELECIMENTO DE DIRETRIZES E IMPLANTAÇÃO DE CANAIS DESAFIO: A partir da imagem que se espera que o MAR projete, estabelecer diretrizes e constituir ações de divulgação publicitária dos serviços do museu, de marketing, de comunicação institucional e de assessoria de imprensa, além de promover eventos corporativos. PROJETO COMUNICAÇÃO INTERNA: IMPLANTAÇÃO DESAFIO: Viabilizar toda a interação possível entre a organização e seus colaboradores, delineando estratégias e programas de ação voltados prioritariamente para o público interno. PROJETO GESTÃO DA MARCA DESAFIO: Estabelecer parâmetros gerais para a maneira como o MAR pretenderá se inscrever no imaginário público (branding). Trabalhar para que esses parâmetros sejam motivadores (que sejam atraentes e criem desejo nos principais públicos de interesse) e particulares (que tenham ligação profunda com a identidade, a missão e a visão do museu). A partir desses parâmetros, mapear e construir relacionamento com redes de organizações que se configurem como públicos de interesse privilegiado..37

20 ÁREA ESTRATÉGICA: GESTÃO ÁREA ESTRATÉGICA: GESTÃO PROJETO ESTABELECIMENTO DE REDES DE PARCEIROS E MANTENEDORES DESAFIO: Construir a rede de parceiros e mantenedores do MAR, atendendo às demandas do plano museológico e do planejamento estratégico, trabalho a ser executado em conjunto com a Gerência de Comunicação. PROJETO MOVIMENTO QUALIDADE: PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES DE QUALIDADE PROJETO TRANSPARÊNCIA MAR: IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DESAFIO: Estabelecer princípios de governança corporativa, definindo critérios e recomendações objetivos. Para isso, será necessário lançar mão de ferramentas de comunicação interna e externa que disseminem e garantam as ações de governança. Estas deverão ser orientadas com o propósito de difundir a transparência, a prestação de contas, a equidade e a responsabilidade corporativa. DESAFIO: Entender o sistema da qualidade como instrumento estratégico que viabiliza o atingimento das metas estabelecidas e os padrões de eficiência e eficácia desejados (excelência em gestão). Fazer com que a garantia da qualidade seja percebida como responsabilidade de todos e como elemento fundamental para o fortalecimento da marca e a agregação de valor. PROJETO CULTURA SUSTENTÁVEL: PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÃO DAS DIRETRIZES DE SUSTENTABILIDADE DESAFIO: Difundir a percepção da sustentabilidade como um conceito sistêmico que abrange aspectos econômicos, sociais, culturais e ambientais e requer o envolvimento da organização como um todo. Uniformizar a linguagem de todos os planos e projetos da organização que tenham vinculação com as práticas gerenciais de sustentabilidade (exemplos: plano de qualidade, PPRA, práticas de governança, etc.). Traduzir as práticas de sustentabilidade em retorno da imagem institucional positiva..39

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE.

ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE. ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE. A Casa Tomada abre inscrições para a seleção de projetos da residência

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS

ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria

Leia mais

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Plano Estadual de Cultura

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Plano Estadual de Cultura GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura INTRODUÇÃO A Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro (SEC) está coordenando a elaboração do Plano Estadual de Cultura, a partir do diálogo

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

1. objetivo. 2. inscrições

1. objetivo. 2. inscrições 1. objetivo 1.1 O Espaço Cultural Marcantonio Vilaça do Tribunal de Contas da União comunica a abertura de inscrições de projetos de arte contemporânea, individual ou coletiva, para exposições temporárias

Leia mais

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS CENTRO CULTURAL VILA FLOR A programação do Centro Cultural Vila Flor deverá assentar em critérios de qualidade, diversidade, contemporaneidade

Leia mais

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu?

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? é programa que visa ampliar as experiências culturais de estudantes, professores e comunidades por meio de ações educativas que envolvem visitas a espaços de preservação

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente A Prova Docente: Breve Histórico Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Instituída pela Portaria Normativa nº 3, de

Leia mais

Inscrições on-line www.phosphorus.art.br

Inscrições on-line www.phosphorus.art.br CONVOCATÓRIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA CASA JUISI 2015 Inscrições on-line www.phosphorus.art.br 01 de Março a 05 de Abril. O QUE É Residência CASA JUISI é um projeto realizado com o apoio do Rumos Itaú Cultural

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS Palmas/TO, setembro 2013 Relatório de conclusão: Plano

Leia mais

Design Estratégico e Inovação

Design Estratégico e Inovação Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Objeto: Gestão do equipamento denominado Museu de Arte do Rio 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO Os investimentos no Setor Cultural vêm sendo pensados, principalmente nos países desenvolvidos,

Leia mais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais CARAVANA ESPORTIVA Seleção Pública P de Projetos Esportivos Educacionais Programa Petrobras Esporte & Cidadania Fomentar o desenvolvimento do esporte olímpico brasileiro; Democratizar o acesso ao esporte

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

Faça parte da Fundação Nacional da Qualidade

Faça parte da Fundação Nacional da Qualidade Faça parte da Fundação Nacional da Qualidade A BUSCA CONTÍNUA DA EXCELÊNCIA DA GESTÃO É O QUE NOS MOVE! A Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) é uma instituição sem fins lucrativos, que conta com uma rede

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação

Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação CULTURA NOS CEUs Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação Resumo São Paulo, março de 2013. Por Ney Piacentini O projeto CULTURA NOS CEUs pretende levar às instalações culturais

Leia mais

AÇÕES DO PLANO NACIONAL DE CULTURA. Número da ação

AÇÕES DO PLANO NACIONAL DE CULTURA. Número da ação Meta Número da ação 1.1.1; 1.1.2; 1.1.3; 1.1.4; 1.1.5; 1.1.7; 1.1.8; 1.1.9; 1.2.3; 1.3.1; 1.4.2; 1.5.1; 1.5.2; 1.6.5; 1.7.1; 1.7.2; 1.7.4; 1.10.1; 1.10.3; 5.1.1; 5.1.4; 5.4.1; 5.4.2; 5.4.3 e 5.4.4 1.1.1

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 PÚBLICO-ALVO DA GESTÃO ESTRATÉGICA... 4 4 INFORMAÇÕES SOBRE O MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DO TCE/RN... 5 4.1 DIRECIONADORES ESTRATÉGICOS... 5 4.2 OBJETIVOS

Leia mais

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões As oportunidades de trabalho e as novas profissões ligadas à arte contemporânea têm crescido muito nos últimos anos, impulsionadas

Leia mais

CONVOCATÓRIA PARA O PROGRAMA TEMPORADA DE PROJETOS 2014

CONVOCATÓRIA PARA O PROGRAMA TEMPORADA DE PROJETOS 2014 CONVOCATÓRIA PARA O PROGRAMA TEMPORADA DE PROJETOS 2014 Um dos programas mais importantes do Paço das Artes, a Temporada de Projetos é um espaço dedicado às produções artísticas, curatoriais e críticas

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. Bibliotecas FacSenac/DF

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. Bibliotecas FacSenac/DF POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES Bibliotecas FacSenac/DF Brasília 2014 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECAS FAC SENAC-DF Brasília 2014 SUMÁRIO MISSÃO...6 SENAC-DF...6 FACULDADE SENAC-DF...6

Leia mais

SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS NO PROCESSO DA 3ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE

SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS NO PROCESSO DA 3ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE RESOLUÇÃO 08/2015, DA COMISSÃO ORGANIZADORA NACIONAL A Comissão Organizadora da 3ª Conferência Nacional de Juventude, no uso de suas atribuições regimentais, em conformidade com o artigo 6º, objetivo específico

Leia mais

Política de. [ comunicação] Forluz

Política de. [ comunicação] Forluz Política de [ comunicação] Forluz Índice Apresentação...4 Missão da Forluz...5 Condições para aplicação deste documento...6 Objetivos da Política de Comunicação...7 Diretrizes da Política de Comunicação...8

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

Instituto Rubem Alves Plano Anual 2015

Instituto Rubem Alves Plano Anual 2015 Instituto Rubem Alves Plano Anual 2015 Proponente: Instituto Rubem Alves CNPJ nº 17.030.336/0001-08 Período: 01/01/2015 a 31/12/2015 Segmento: Patrimônio Cultural Preservação de acervos - Plano Anual Lei

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

Programa Escola do Olhar. ImageMagica

Programa Escola do Olhar. ImageMagica Programa Escola do Olhar ImageMagica Programa Escola do Olhar O Programa Escola do Olhar visa implementação de Oficinas de Fotografia, artesanal ou digital, em equipamentos públicos, como escolas. Através

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

Convocatória Residência Paço das Artes 2014

Convocatória Residência Paço das Artes 2014 Convocatória Residência Paço das Artes 2014 O Paço das Artes abre inscrições para o programa de Residência 2014, que tem por objetivo fomentar a produção e a pesquisa sobre a arte contemporânea em suas

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES RELATÓRIO Oficina de fotografia e vídeo com celulares como ferramenta de inclusão visual através de tecnologias acessíveis, percepção do território, construção

Leia mais

II Encontro Regional de Cultura/ Pontão Rede Fluminense de Cultura / COMCULTURA-RJ Araruama, RJ 1º de julho de 2009. Palestrante: Joana Corrêa

II Encontro Regional de Cultura/ Pontão Rede Fluminense de Cultura / COMCULTURA-RJ Araruama, RJ 1º de julho de 2009. Palestrante: Joana Corrêa Planejamento e Elaboração de Projetos Culturais... II Encontro Regional de Cultura/ Pontão Rede Fluminense de Cultura / COMCULTURA-RJ Araruama, RJ 1º de julho de 2009... Palestrante: Joana Corrêa... Especialista

Leia mais

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade.

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade. Um olhar sobre a diversidade dos educativos da Fundaj 1 Maria Clara Martins Rocha Unesco / MG Maria José Gonçalves Fundaj / PE RESUMO Os programas educativos nos diferentes equipamentos culturais da Fundação

Leia mais

PREFEITURA DE RIO BRANCO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO - RBPREV. Programa de Capacitações Exercicio de 2015

PREFEITURA DE RIO BRANCO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO - RBPREV. Programa de Capacitações Exercicio de 2015 Prefeitura Municipal de Rio Branco RBPREV Programa de Capacitações Exercicio de 2015 Equipe do RBPREV Raquel de Araújo Nogueira Diretora-Presidente Maria Gecilda Araújo Ribeiro Diretora de Previdência

Leia mais

PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho SOLUÇÕES SOCIAIS

PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho SOLUÇÕES SOCIAIS 1 PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho Serviço Social da Indústria de Santa Catarina SOLUÇÕES SOCIAIS 2 Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência

Leia mais

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital.

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse terá suas etapas e prazos muito bem definidos, garantindo um processo

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Revisão do Plano Estratégico 2013/2014 PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2014 Página 1 de 16 Sumário 1 Apresentação... 3 2 Objetivos... 4 3 Público-Alvo

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO ANUAL - 2014

APRESENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO ANUAL - 2014 APRESENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO ANUAL - 2014 O Plano de Trabalho para 2014 foi estruturado com o objetivo de dar continuidade aos Programas já desenvolvidos, na busca de um equilíbrio e entrosamento

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro. Plano Estratégico 2013-2022

Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro. Plano Estratégico 2013-2022 Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro Plano Estratégico 2013-2022 1 Visão Geral do Processo Fase 1 Fase 2 Mobilização e Nivelamento Conceitual Diagnóstico do Desempenho Estratégico da FPCRJ Análise

Leia mais

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS 1. INTRODUÇÃO O Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos pretende contratar instituição de pesquisa com a finalidade de produção de análises estatísticas e econômicas

Leia mais

Manual de apoio à elaboração de projetos culturais

Manual de apoio à elaboração de projetos culturais Manual de apoio à elaboração de projetos culturais Um projeto tem como objetivo transformar idéias e aspirações em ações concretas que possam aproveitar oportunidades, solucionar problemas, atender a necessidades

Leia mais

Secretaria de Estado da Cultura

Secretaria de Estado da Cultura Secretaria de Estado da Cultura UPPM Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico GTC SISEM-SP Grupo Técnico de Coordenação do Sistema Estadual de Museus de São Paulo MUSEUS E PATRIMÔNIO Os museus

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 02/01/2013 rev. 00 PAUTA INSTITUCIONAL Sobre a Harpia OUTRAS INFORMAÇÕES Clientes Parceiros SERVIÇOS Responsabilidade Social Consultoria & Gestão Empresarial Planejamento Estratégico

Leia mais

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo.

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO CULTURAIS A Fundação Cultural do Estado da Bahia tem como missão fomentar o desenvolvimento das Artes Visuais, Dança, Música, Teatro, Circo, Audiovisual, Culturas

Leia mais

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados E77p Espírito Santo. Tribunal de Contas do Estado. Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados / Tribunal de Contas do Estado. Vitória/ES: TCEES, 2015. 13p. 1.Tribunal

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME/RS

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME/RS PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME/RS PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DA JME APRESENTAÇÃO Este projeto trata do Planejamento de Comunicação da Estratégia da Justiça Militar do Estado do

Leia mais

Convocatória Residência Paço das Artes 2015

Convocatória Residência Paço das Artes 2015 Convocatória Residência Paço das Artes 2015 O Paço das Artes abre inscrições para o programa de Residência 2015, que tem por objetivo fomentar a produção e a pesquisa sobre a arte contemporânea em suas

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL índice APRESENTAÇÃO...3 POLíTICA DE PATROCíNIOS DA VOLVO DO BRASIL...3 1. Objetivos dos Patrocínios...3 2. A Volvo como Patrocinadora...3 3. Foco de Atuação...4

Leia mais

PROPOSTAS PRIORITÁRIAS

PROPOSTAS PRIORITÁRIAS PROPOSTAS PRIORITÁRIAS EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL SUB EIXO: 1.1 - Produção de Arte e Bens Simbólicos 1 - Implementar políticas de intercâmbio em nível regional, nacional e internacional

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2006

PLANO DE TRABALHO 2006 PLANO DE TRABALHO 2006 1 INTRODUÇÃO A Fundação Stickel por decisão de seu Conselho Curador e conforme previsto em sua atualização estatutária, iniciou em 2004 o redirecionamento e focalização de sua atuação.

Leia mais

RELATÓRIO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS

RELATÓRIO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS RELATÓRIO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS 1 I - FICHA DE QUALIFICAÇÃO DO ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELO EVENTO: 1. ESTADO: SANTA CATARINA 2. MUNCÍPIO: FLORIANÓPOLIS 3. ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELO EVENTO

Leia mais

EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL

EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL PROPOSTAS PRIORITÁRIAS EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL SUB EIXO 1.1 - Produção de Arte e Bens Simbólicos - Implementar políticas de intercâmbio em nível regional, nacional e internacional,

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

1º Seminário A Sociedade em Rede e o Teatro Vivo EnCena

1º Seminário A Sociedade em Rede e o Teatro Vivo EnCena 1º Seminário A Sociedade em Rede e o Teatro Vivo EnCena O artista gestor: desafios da contemporaneidade Maria Helena Cunha Gestora Cultural Mestre em Educação Especialista em Planejamento e Gestão Cultural

Leia mais

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador.

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador. I ENCONTRO, CAPOEIRA e PATRIMÔNIO IMATERIAL no BRASIL: perspectivas para a implementação de políticas públicas de salvaguarda da Capoeira. Local: UFF Niterói RJ Data: 3 de setembro de 2006 às 16:00 h Tema:

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4011 EDITAL Nº 01/2010 1. Perfil: Iphan Central 15 3. Qualificação educacional: - Graduação concluída em Arquitetura e Urbanismo, desejável Pósgraduação

Leia mais

PARTICIPAÇÃO SOCIAL NO PLANO PLURIANUAL

PARTICIPAÇÃO SOCIAL NO PLANO PLURIANUAL APRESENTAÇÃO O Plano Plurianual - PPA 2014 / 2017, intitulado BELÉM 400 ANOS, Reconstrução da Cidade rumo ao Desenvolvimento Sustentável, foi concebido tendo como balizador 04 (quatro) Dimensões Estratégicas:

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

Núcleo da Criança e do Adolescente: Uma Proposta de Transetorialidade

Núcleo da Criança e do Adolescente: Uma Proposta de Transetorialidade Núcleo da Criança e do Adolescente: Uma Proposta de Transetorialidade ROBERTO AUGUSTO CARVALHO DE ARAÚJO ELIETE DE OLIVEIRA COELHO NATALINA DE FÁTIMA BERNARDO RONCADA SILVIA BEZ CAMARGO SOARES DE ALVARENGA

Leia mais

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Programa de Fortalecimento e Barro Alto -

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1734 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1734 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 14/09/2012-16:47:15 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1734 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P Deliberações Resumo 1ª reunião: papéis, procedimentos gerais

Leia mais

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e

Leia mais