Planejamento Estratégico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planejamento Estratégico"

Transcrição

1 Planejamento Estratégico Diretoria de Planejamento Biênio Maio-2010

2 De tempos em tempos ocorrem grandes transformações na história. Cruzamos uma ponte. Em poucas décadas a sociedade se reorganiza sua visão do mundo, seus valores básicos, sua estrutura social e política, suas artes, suas instituições mais importantes. Depois de cinqüenta anos, existe um novo mundo. E as pessoas nascidas nele não conseguem imaginar o mundo em que seus avós viviam e seus pais nasceram. Estamos neste momento atravessando a ponte... (Peter Drucker) O Planejamento Estratégico não opera com decisões futuras, mas com o futuro das decisões atuais. (Peter Drucker) Todas as flores do futuro estão nas sementes de hoje (Provérbio Chinês) Page 2 of 25

3 Diretoria Executiva Presidente: Sergio Antonio Monteiro dos santos 1º Vice-Presidente: Nelson Celidonio Melo 2º Vice-Presidente Claudia das Graças Moura Diretor Secretário: Janir Aloizio Santos Diretor de Finanças e Patrimônio: Janir Aloizio Santos Diretor Social e Cultural: Rossano Marello Diretor de Planejamento: Caio Cesar Freire da Silva Diretor de Esportes e Recreação: Sebastião Cláudio Blanch Diretor de Obras e Manutenção: Emerson Brescancini Diretor de Comunicação e Marketing: Andre Luiz Zarur Diretor de Segurança e Prevenção de Acidentes: Emerson Brescancini Page 3 of 25

4 Diretor de Jardins e Áreas Verdes: Shigeru Kashiyama Diretor do Parque Aquático: Nilson Sant Anna Diretora para Assuntos Femininos: Claudia das Graças Moura Ouvidora: Veridiana Miranda Page 4 of 25

5 INDICE 1. INTRODUÇÃO PRINCÍPIOS E OBJETIVOS GERAIS DEFINIÇÕES ESTRATÉGIAS A SEREM UTILIZADAS MISSÃO, VISÃO, POLÍTICAS GERAIS E PRINCÍPIOS, VALORES DIRETRIZES ESTRATÉGICAS. ÁREAS CHAVES DE RESULTADOS a. Diretrizes Estratégicas de Organização e Administração b. Diretrizes Estratégicas de Marketing, Comunicações e Relações com a Comunidade c. Diretrizes Estratégicas de Infra-estrutura e Instalações d. Diretrizes Estratégicas Sociais e Culturais e. Diretrizes Estratégicas Esportivas IMPLANTAÇÃO, MONITORAMENTO E CONTROLE DO PLANO ESTRATÉGICO Page 5 of 25

6 1. INTRODUÇÃO Perto de seu centenário, a Associação Esportiva São José, através da sua Diretoria Executiva, fundamenta a elaboração do seu Plano Estratégico para o qüinqüênio atendendo, assim, o previsto em seu Estatuto Social. Este plano permeia todos os aspectos relacionados a: A. Análise situacional da AESJ em seus aspectos internos, ou seja, característicos da sua estrutura orgânica e de seus aspectos externos, de sua relação com a sociedade. B. Inserção da organização no ambiente competitivo dos dias atuais e pretendendo considerar as tendências futuras da evolução social, das necessidades e expectativas das gerações futuras; C. Utilização de técnicas atualizadas de Planejamento Estratégico, os seus impactos e customizações para com as características de uma organização sem fins lucrativos; D. Observação e respeito ao valor passado, presente e futuro dos seus associados, clientes e da sociedade em que participa. E. Respeito às suas tradições e motivações que o fizeram saudável e próspero por quase 100 anos Deste modo, os capítulos que se seguem buscam e efetivam toda a análise executada, os aspectos sazonalizados, os fatores críticos de sucesso e as áreas chaves de resultado para que a empreitada iniciada em 1913 tenha condições, saúde e solidez para que os nossos descendentes possam, certamente, celebrar o bi-centenário da AESJ. Pelo seu caráter tempestivo e pelos fatores sociais que influenciam, fortemente as atividades e funções da AESJ, este Plano Estratégico deverá ser sazonalmente avaliado e re-emitido. Page 6 of 25

7 2. PRINCÍPIOS E OBJETIVOS GERAIS Para elaboração deste Plano, foram considerados os seguintes Princípios e Objetivos Gerais. Princípios: A. Preservação da sociedade em seus aspectos estatutários e sociais; B. Inserção da AESJ em um ambiente de alta volatilidade e extremamente competitivo C. Respeito inequívoco ao ser humano, aos seus direitos em todas as fases da vida, suas nuances e especificidades. D. Respeito e preservação incondicional ao meio-ambiente Objetivos Gerais: A. Aderência aos Planos Diretores de São José dos Campos B. Aderência aos Planos de Desenvolvimento Integrado da macro Região do Vale do Paraíba C. Promoção de condições sustentáveis para a preservação da sociedade D. Elevação contínua da qualidade dos serviços prestados aos seus associados, participantes, clientes e para a sociedade Valeparaibana em geral. E. Aumentar a sua eficiência operacional F. Adequação constante e tempestiva às mutações sociais G. Melhoramento contínuo da sua capacidade e infra-estrutura operacional. Page 7 of 25

8 3. DEFINIÇÕES O Planejamento Estratégico pode ser conceituado como um processo gerencial que possibilita ao executivo estabelecer o rumo a ser seguida pela empresa com vista a obter um nível de otimização na relação /organização com o seu ambiente. É, normalmente de responsabilidade dos mais altos níveis da organização e diz respeito tanto a formulação de objetivos quanto a seleção dos cursos de ação a serem seguidos para a sua consecução, levando em conta as condições externas e internas à organização e a sua evolução esperada. Num nível abaixo ao planejamento estratégico, temos o planejamento tático e o planejamento operacional. Planejamento Tático Planejamento Mercadológico Planejamento Financeiro Planejamento Estratégico Planejamento de Recursos Humanos Planejamentos Operacionais Resultados Esperados pelas unidades Organizacionais Operacionais Resultados Apresentados pelas unidades Organizacionais Operacionais Planejamento das Áreas de Atuação Planejamento Organizacional O Planejamento Estratégico é um processo (Administração Gerencial) que diz respeito à formulação de objetivos para a seleção de programas de ação e para sua execução, levando em conta as condições internas e externas à empresa e sua evolução esperada. Também considera premissas básicas que a empresa deve respeitar para que todo o processo tenha coerência e sustentação. O Planejamento Tático tem por objetivo otimizar determinada área de resultado e não a empresa como um todo. Portanto, trabalha com decomposições dos objetivos, estratégias e políticas estabelecidos no planejamento estratégico. Page 8 of 25

9 O planejamento tático é desenvolvido a níveis organizacionais inferiores, tendo como principal finalidade a utilização eficiente dos recursos disponíveis para a consecução de objetivos previamente fixados, segundo uma estratégia predeterminada bem como as políticas orientativas para o processo decisório da empresa. O Planejamento Operacional pode ser considerado como a formalização, principalmente através de documentos escritos, das metodologias de desenvolvimento e implantação estabelecidas. Portanto, nesta situação tem-se, basicamente, os planos de ação ou planos operacionais. Os planejamentos operacionais correspondem a um conjunto de partes homogêneas do planejamento tático. Cada um dos planejamentos operacionais deve conter com detalhes: Os recursos necessários para o seu desenvolvimento e Implantação; Os procedimentos básicos a serem adotados; Os produtos ou resultados finais esperados; Os prazos estabelecidos; Os responsáveis pela sua execução e Implantação. Page 9 of 25

10 4. ESTRATÉGIAS A SEREM UTILIZADAS Para a execução deste Planejamento Estratégico, as seguintes estratégias serão utilizadas (individuais ou em conjunto): Estratégia de Liderança no Custo Total A estratégia Liderança em Custo Total é uma abordagem competitiva forte em mercados onde muitos usuários (compradores) são sensíveis aos preços. O objetivo é buscar uma vantagem em custos sustentáveis como base para colocar preços mais baixos que os preços dos concorrentes e ganhar participação de mercado ou obter uma maior margem de lucro, vendendo ao preço do mercado. A meta da estratégia de Liderança em Custos é a grande penetração de mercado com base na vantagem competitiva de custos mais baixos que os concorrentes, oferecendo produtos básicos, com pouco sensacionalismo, porém com uma qualidade aceitável. Neste ponto trabalharemos forte o conceito de valor para o Cliente. Estratégia da Diferenciação Sempre que as necessidades e desejos dos clientes forem muito diversificados para serem satisfeitos com produtos padronizados, a estratégia de Diferenciação torna-se uma abordagem competitiva atrativa. A estratégia de Diferenciação deve espelhar os diferentes atributos que o produto possui quando comparado com produtos de concorrentes. Uma forma de criar uma estratégia de diferenciação eficaz é incorporar algumas características aos produtos que possam reduzir os custos para o cliente no seu uso ou incorporar características que aumentem o desempenho esperado pelo cliente, ou ainda, incorporar valor ao produto de maneira não econômica ou tangível. Estratégia de Excelência Operacional Estratégia de excelência operacional pode ser entendida como uma estratégia que oferta aos clientes produtos e serviços confiáveis, com preços competitivos, que são entregues com um mínimo de dificuldade ou conveniência. Essa estratégia busca a combinação de qualidade, preço e facilidade de compra como características únicas no mercado. Portanto, deveremos ser inovadores em nossos produtos e serviços e prezar por um relacionamento personalizado com seus clientes. Estratégia de soluções completas A estratégia de soluções completas considera a venda de uma solução total e não apenas a venda de um produto ou serviço de forma isolada para o cliente alvo. Dessa forma, a empresa é intima do cliente, entregando não somente o valor que o mercado quer, mas sim o valor que o cliente deseja. Percebe-se, portanto, que a empresa que entrega valor Page 10 of 25

11 através da intimidade com o cliente tem suas atenções voltadas para os relacionamentos e não simplesmente para as transações. Tais relacionamentos são construídos por meio do grau de empenho da empresa em surpreender seus clientes, entregando a eles muito mais valor do que esperam receber. Essa estratégia desloca a atenção do produto para o cliente, buscando uma solução que satisfaça todas suas necessidades e desejos, proporcionando à empresa o mais alto índice de satisfação ao cliente. Page 11 of 25

12 5. MISSÃO, VISÃO, POLÍTICAS GERAIS E PRINCÍPIOS, VALORES Quem Somos? Qual é o nosso negócio? A questão é que tão raramente perguntamos, ao menos de forma clara e direta e tão raramente dedicamos um estudo e uma reflexão adequados que são talvez a mais importante causa de fracasso dos negócios.(peter Drucker) Do nosso Estatuto Social, somos uma personalidade jurídica, sem fins lucrativos e patrimônio distinto do se seus sócios atuando nas seguintes áreas sociais, culturais, recreativas e esportivas. Para a nossa sobrevivência, devemos constantemente aperfeiçoar os equilíbrios internos, satisfazendo a necessidade da organização de crescimento sustentado e o equilíbrio externo, desenvolvendo a sociedade que participamos e atuamos (no nosso caso, Vale do Paraíba, Serra da Mantiqueira e litoral Norte) buscando, insistentemente, a sua adaptação às mudanças da sociedade. Atuamos em uma área de negócios de maior crescimento na última década. As sociedades modernas buscam no laser, na saúde, nos esportes e no desenvolvimento social e das relações interpessoais o seu equilíbrio como seres humanos. Somos um empreendimento que a atua nas áreas de Laser, desenvolvimento social, cultural e esportivo. Nós somos maiores do que a vila em que vivemos. Nós somos do tamanho daquilo que enxergamos e queremos enxergar.(fernando Pessoa) Uma organização não se define pelo seu nome, estatuto, produto ou serviço que executa; ela se define pela sua missão. Somente uma definição clara da missão, permite conhecer a razão de existir da organização e tornar possível a obtenção de seus objetivos. (Peter Drucker) Considerando o ambiente detalhado anteriormente, sugerimos a seguinte declaração de missão para a AESJ: Proporcionar os desenvolvimentos sociais, culturais e esportivos com altíssimos padrões de qualidade para os seus associados e para a comunidade na qual participa, mantendo a harmonia e comprometimento da sociedade. Page 12 of 25

13 E a seguinte visão da AESJ: Ser considerada, sistematicamente, como a melhor entidade de prestação de serviços nas áreas de desenvolvimento social, cultural, de laser e esportivo no Brasil, sendo definida como modelo a ser seguido, atuando na vanguarda da gestão de suas atividades, no melhoramento contínuo de seus processos e na modernização e adequação constante às mutações sociais. Os seguintes Valores Corporativos da AESJ A. Respeito e valorização do ser humano B. Equilíbrio administrativo e financeiro de suas atividades C. Pioneirismo, Excelência e Transparência nas suas atividades e Modelos de Gestão. D. Estrito cumprimento da legislação estabelecida Somos uma organização sólida e permamente.por este motivo, adaptada e maleável a todas as mutações sociais.colocamos o Ser Humano acima de todas as nossas prioridades estabelecendo, desta maneira, o nosso compromisso com a sociedade. Page 13 of 25

14 6. DIRETRIZES ESTRATÉGICAS. ÁREAS CHAVES DE RESULTADOS O futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente.(russel Ackoff) O planejamento não diz respeito a decisões futuras, mas às implicações futuras de decisões presentes.(peter Drucker) A realidade não pode ser modificada a não ser quando o homem descobre que é modificável e que ele pode e decide fazê-lo.(paulo Freire) As Diretrizes Estratégicas e os Planos Táticos e Operacionais deverão ser organizados nas áreas chave de resultados listados abaixo, sempre considerando os seguintes aspectos: A) Quanto estamos aderentes a nossa missão e quanto está aderente a nossa realidade B) Quanto estamos longe da nossa visão e quais serão os caminhos a serem percorridos para chegarmos a ela. C) Maximização do Valor do Nosso Cliente nas suas necessidades, anseios e expectativas buscando, incessantemente a sua antecipação. a. Diretrizes Estratégicas de Organização e Administração Instituir grupo de trabalho e implementar as suas recomendações para adequar o Estatuto Social da AESJ e documentos associados ao Código Civil Brasileiro. Implantar um Sistema Integrado de Gestão Implica utilização de sistemas computacionais voltados à gestão e interface com o sócio e gestores através dos canais de comunicação do clube Implantar um Sistema integrado de informações Gerenciais para suporte aos Administradores, diretoria Executiva e Conselho Diretor. Fonte das informações sendo os relatórios gerenciais periódicos e atualizados com as devidas demonstrações de desempenho financeiro e operacional. Implantar uma Política de Desenvolvimento de Recursos Humanos e de Cargos e Salários em toda a sua abrangência, ou seja, definição e descrição de cargos, definição das respectivas responsabilidades e funções, políticas salariais aderente às funções e cargos estabelecidos, plano de treinamento de pessoal e um processo de avaliação de desempenho. Desenvolver política sistemática de treinamento e desenvolvimento dos funcionários sendo eles das áreas de operações/manutenção ou administrativos. Page 14 of 25

15 Estabelecer a política de acompanhamento de desempenho sistêmica dos funcionários e administradores inclusive pelos sócios. Possibilidade de estabelecer enquetes, notas para atendimento. Avaliar e definir quais são as atividades que serão executadas pela capacitação do corpo de funcionários e quais serão as atividades terceirizadas levando em consideração os seguintes aspectos: Atividades fim da AESJ Capacitação existente e/ou a ser adquirida Análise de Custo/Benefício da alocação de recursos internos ou terceirizados. O foco deverá sempre manter em casa as atividades fins que estatutariamente são designadas à AESJ. As atividades auxiliares e de apoio deverão ser terceirizadas sempre que viável e possível. Outras entidades poderão prestar o serviço para o clube com maior profissionalismo, com custo menor e menos exposição ao clube. Estas entidades poderão obter menor custo através de ganho de escala. A administração do relacionamento com os prestadores de serviço terceirizados fica a cargo da área de suprimentos e administração de contratos. Otimizar e adequar a estrutura organizacional da AESJ baseando-se nas diretrizes estratégicas deste Plano e nos estudos e definições relacionadas, redefinindo os processos de gestão e de administração da AESJ para maximização dos seus resultados. Analisar a estrutura de cargos da Diretoria Executiva, alavancando a sua importância e abrangência, propondo modificações e implementálas assim que aprovadas adequadamente baseando-se nas diretrizes estratégicas deste Plano e nos estudos e definições relacionadas. Verificar a complexidade atual e rever a forma como a Diretoria atuará no clube passando de um modelo mais representativo e institucional para o modelo gestor/ tomador de decisão e pensamento estratégico. Promover e divulgar a diretoria e suas respectivas áreas de atuação, promovendo a transparência da gestão. Nomeação de um diretor com atividade de ouvidor do clube ombudsman para acolher reclamações, sugestões, críticas de sócios para funcionários, administração, diretoria e conselho. Implantar calendários de eventos organizacionais, como por exemplo, Planejamento Orçamentário, otimizando a interface com as respectivas comissões do Conselho Deliberativo e divulgação para o comunidade. Implantar Planejamento Orçamentário qüinqüenal, com revisões anuais, considerando e apresentando: As diretrizes Estratégicas definidas neste plano Os custos operacionais anuais Os investimentos e eventos previstos Page 15 of 25

16 Avaliação e reavaliação do inventário e imobilizado do clube As receitas previstas Fontes de Recursos Aplicação de Recursos Plano de contas gerencial definido e com responsabilidades estabelecidas Geração de poupança interna a ser utilizada como orçamento para investimentos orgânicos na AESJ Assegurar um fundo de reserva no valor de 4(quatro) vezes as despesas médias anuais da AESJ, considerando a previsão orçamentária do ano entrante e fazendo os ajustes necessários nas despesas e receitas para o ano corrente. Separar a área de finanças da área operacional Finanças: apuração dos fatos Operacional: tomada de decisão baseada em fatos apurados Implementar um plano de divulgação de desempenho financeiro contendo: Trimestralmente, Demonstração dos resultados, Origem a aplicação de Recursos, Relatório de Fatos relevantes e relatório de desempenho financeiro analisado contra o orçamento aprovado, Relatório de Fluxo de Caixa com as respectivas análises. Anualmente, Balanço Patrimonial, Demonstração dos resultados, Origem a aplicação de Recursos, Relatório de Fatos relevantes e relatório de desempenho financeiro analisado contra o orçamento aprovado, com as respectivas análises Verificar a atual situação das provisões para pagamentos dos atuais funcionários, estabelecer uma parte obrigatória do fundo de reserva para pagamento de encargos trabalhistas Divulgação dos resultados trimestral Divulgação da análise dos resultados anual Divulgação das contas on-line em área de acesso restrito no web-site do clube Analisar e, caso possível, flexibilizar o custo da mensalidade baseado na quantidade de freqüentadores por título Implantação de plano de redução dos Custos e Despesas operacionais na ordem de 10% ao ano por um período de 5 anos. Implantar estudo financeiro e orçamentário abrangendo, no mínimo, os seguintes aspectos: Composição das Receitas 1. Mensalidades 2. Taxas administrativas 3. Locação de espaços 4. Promoção de eventos Page 16 of 25

17 5. Mensalidades das escolinhas/parcerias 6. Royalties sobre contratos com terceiros para exploração de atividades dentro da AESJ 7. Venda de títulos 8. Recursos públicos para promoção de categorias esportivas 9. Ações publicitárias nas dependências da AESJ 10. Patrocínios obtidos Composição das Principais Custos e Despesas 1. Folha de pagamentos 2. Contratos de prestação de serviços por terceiros 3. Contas de consumo (luz/água/telefone) 4. Manutenção 5. Outras rubricas Composição do Fundo de Reservas 1. Reserva para despesas extraordinárias 2. Reserva para investimentos e atualizações em infra-estrutura 3. Reserva para provisão com despesas com pessoal, incluindo encargos trabalhistas (ex: fundo para pagamento de multas referentes a rescisões 40% FGTS). Page 17 of 25

18 b. Diretrizes Estratégicas de Marketing, Comunicações e Relações com a Comunidade. Desenvolver e implantar um Manual de Comunicação Corporativa Desenvolver e implantar um Plano de Comunicações considerando, entre outros aspectos: Otimizar os meios de comunicação disponíveis realizar análise custo vs. poder comunicação Web Jornal interno (A Vermelinha) Mural no interior AESJ Site considerando um conteúdo mínimo desde o estatuto social, passando pela organização e decisões do Conselho e chegando a interatividade com os sócios e com a comunidade. Estabelecer um canal de informação constante e eficiente com o corpo associativo definindo a sazonalidade, o objeto e o conteúdo das informações da AESJ visando a transparência e a objetividade da informação Formalizar um Plano de Marketing e Vendas da AESJ, considerando: Analise e plano de desenvolvimento dos produtos e serviços atuais e potenciais da AESJ Analise e plano de desenvolvimento de eventos atuais e potenciais da AESJ. Formalizar um Canal interno com diretor- ombudsman para otimização da comunicação pelo recebimento, análise, encaminhamento e resolução das reclamações, sugestões e críticas dos sócios Estabelecer um processo de venda dos serviços e produtos da AESJ, bem como organização de eventos, através de empresas ou estruturas comissionadas. Formalizar e profissionalizar o departamento de eventos buscando apoio e parceria com entidades reconhecidas na área de promoção de eventos, turismo receptivo e lazer. Estabelecer uma política detalhada e um canal profissional de Relações com a Comunidade. Aprimorar o suporte de Assessoria de Imprensa e Comunicações e de propaganda e marketing. Page 18 of 25

19 c. Diretrizes Estratégicas de Infra-estrutura e Instalações Desenvolver um estudo arquitetônico (Plano Piloto) de aproveitamento, ocupação e utilização das instalações da AESJ (Sta Rita, Ginásio e Edifícios do Centro) buscando a preservação e alavancagem do patrimônio da AESJ, otimização e racionalismo de ocupação e aderência aos planos estratégicos da AESJ preparando a análise do estado atual e estado futuro Desenvolver e implantar um plano de avaliação das necessidades de recuperação das instalações existentes colocando-as em condições ótimas de operação. Desenvolver e implantar planos de manutenção preventiva em seus diversos níveis para todas as instalações da AESJ. Construir um novo Salão de Eventos em um complexo contendo, no mínimo, mas não limitada às seguintes facilidades: Salão de eventos para 1500 pessoas, considerando flexibilidade de arranjo físico para eventos de menor porte de realização simultânea. Restaurante Bar temático Salão de Jogos Sala Médica e de Fisioterapia Administração. Sala da Diretoria Executiva Sala da Presidência do Conselho Sauna Boutique Serviços associados (Cabeleireiro, Massoterapia, etc.) Memorial da AESJ Aquecer e reformar a Piscina Olímpica do Sta Rita, com as facilidades complementares compatíveis e aderentes às necessidades formalizadas nos cadernos de encargos da CBDA e FAPA Construir uma Piscina complementar de 25m, semi-olímpica no Sta Rita; Construir na Santa Rita facilidades para fornecimento de atividades designados como baby swimming e suas variações Prover o Santa Rita com infra-estrutura e facilidades para prática de hidroginástica e suas variações. Adequar a área do Tênis considerando a maximização da quantidade de quadras e a realização de competições Recuperar a quadra de Frontão do Tênis Recuperar as instalações da Bocha. Recuperar o Campo de Golfe, prevendo um plano de substituição e manutenção do green Construir uma segunda quadra poli-esportiva coberta no Sta Rita Page 19 of 25

20 Cobrir a quadra poli-esportiva existente. Expandir a infra-estrutura da academia do Sta Rita para comportar aumento do número de usuários para Re-adequação da área do Judô para incrementarmos os participantes em nível de escolinha e treinamento e oferecer outras opções de lutas. Reformar a sede do Ginásio Lineu de Moura para prestar serviços como Academia de primeiro nível adaptando e implantando infraestrutura para, no mínimo, mas não limitado a: Recuperação das piscinas considerando reforma da estrutura atual, reforma do sistema de aquecimento e construção de uma nova piscina de 25m em substituição das 4 atuais sem utilização. Construir no Ginásio facilidades para fornecimento de atividades designados como baby swimming e suas variações Prover o Ginásio Lineu de Moura com infra-estrutura e facilidades para prática de hidroginástica e suas variações. Recuperação do Ginásio de Esportes adotando-o com condições para realização de jogos de Futsal, Basket, Voley e Handball bem como servir como arena de eventos. Construção de pelo menos, três salas de ginástica e uma sala de musculação. Implantar infra-estrutura de estacionamento. Dotar o Ginásio de Esporte Lineu de Moura de infra-estrutura para suportar as suas novas finalidades (Vestiários, Restaurante, Administração, etc.) Definir uma destinação para os prédios do Centro da Cidade alinhados com a finalidade estatutária da AESJ Page 20 of 25

21 d. Diretrizes Estratégicas Sociais e Culturais Elaborar um plano de trabalho das atividades e iniciativas na área Social e cultural, considerando: Realização de eventos específicos Planejamento de eventos tradicionais da AESJ (Festas e Shows, etc.) Programação de atividades complementares as atividades esportivas e culturais permitindo a participação do sócio concomitante aos familiares que atuam em outras áreas. Fomentar a categoria Sócia Empresa adequando-a as necessidades do mercado. Re-estruturar os serviços de restaurante, bar e lanchonetes no Santa Rita e no Ginásio Lineu de Moura. Implantar, mas não se limitar às mesmas, as seguintes atividades: Dança (sapateado, jazz, dança de salão, dança de rua, etc.) Oficina de arte Oficina de música Oficina de teatro Focar as atividades sociais e culturais do clube em todas as faixas etárias (infância, adolescência, fase adulta e melhor idade) Nomear comissões de sócios para suportar a Diretoria Social e Cultural nas atividades das áreas de sua responsabilidade com foco em: Planejamento Organização Elaboração e execução dos planos de implantação Busca de oportunidades e parcerias Suporte aos projetos específicos e interface junto ao Corpo Associativo. Page 21 of 25

22 e. Diretrizes Estratégicas Esportivas Aqui não formamos campeões, mas sim criamos um ambiente no qual eles serão inevitáveis.(aesj) O mais importante de uma competição esportiva é que, quando do alinhamento de largada numa prova de atletismo, no balizamento de uma prova de natação ou no perfilamento das equipes num jogo coletivo, todos, indistintamente, por poucos segundos, são iguais idenpendente de sua origem, raça, credo e condição social.(kofi Anan) Desenvolver e Implantar um plano de desenvolvimento de atividades esportivas na AESJ visando desde abranger praticantes, esportistas, atletas e atletas de alto-rendimento (equipes competitivas) balizando a sua auto-suficiência e a organização de escolinhas e equipes, considerando e não limitadas aos seguintes esportes: Golfe Bocha Tênis Futebol Futsal Natação Maratona aquática Corrida de rua Pólo Aquático Luta (Judô, Karate, Jiujitsu, etc.) Volleyball Basketball Handball Triathlon GRD Hidroginástica e suas variações Musculação Ginástica de academia e suas variações Definir um plano de desenvolvimento do Golf (plano de negócios) específico. Alavancar e potencializar parcerias com o poder público via FADENP, os convênios para as seguintes modalidades esportivas de alto rendimento Desenvolver e executar um cronograma anual de realização de eventos nas dependências da AESJ. Page 22 of 25

23 Nomear comissões de sócios para as atividades esportivas para suportar a Diretoria de Esportes nas atividades de sua responsabilidade com foco em: Planejamento Organização Elaboração e execução dos planos de implantação Busca de oportunidades e parcerias Page 23 of 25

24 7. IMPLANTAÇÃO, MONITORAMENTO E CONTROLE DO PLANO ESTRATÉGICO O monitoramento e o controle do Plano Estratégico da AESJ serão efetuados em caráter permanente, através da sua Diretoria de Planejamento suportada pela Diretoria Executiva e pelas comissões do Conselho Deliberativo. O andamento e resultados de sua implantação serão sistematicamente divulgados ao seu Corpo Associativo através do site da AESJ. Compete à Diretoria de Planejamento, assessorada pela Comissão de Planejamento do Conselho Deliberativo o controle executivo da aplicação dos dispositivos instituídos pelo Plano Estratégico, bem como promover as alterações, modificações e acréscimos de novos instrumentos e dispositivos que se justificarem. Pelas diretrizes Estratégicas identificadas, serão elaborados projetos contendo, ni mínimo,as seguintes informações: Descrição Específica do Projeto Aplicabilidade e alcance. Estudos técnicos de viabilidade Estudos econômicos financeiros Fontes de financiamento Cronograma e Planejamento de Execução Pareceres e recomendações das Diretorias Específicas, das Comissões e do Conselho Deliberativo. Outras informações pertinentes Todos os projetos, como definidos pelo Estatuto Social da AESJ serão coordenados e Gerenciados pela Diretoria de Planejamento. Este Plano Diretor deverá ser objeto de avaliações periódicas anuais e de revisões a cada 5 anos nos termos do Estatuto Social. As Diretrizes Orçamentárias e o Orçamento Anual da AESJ deverão incorporar as diretrizes e as prioridades contidas neste Plano Estratégico Page 24 of 25

25 Vencem na vida os que a encaram com permanente otimismo. Vence sempre os que sabem lutar, sem perderem a direção da vitória. Vencem aqueles que começam a luta pensando que, por mais árdua que seja ela os leva para o endereço que se propuseram, sem pensar em derrotas. Vencem aqueles que não desanimam em face das dificuldades e para os quais os obstáculos servem como degraus para subida e para consecução do objetivo" Seja otimista. Encare todos os problemas da vida assim como um teste de avaliação para as conquistas da vitória sobre cada um deles. Tudo passa. Assim como as alegrias, também as dificuldades por maiores que sejam. Nada é insuperável para quem sabe lutar e sobre tudo para quem nunca esquece a sua origem divina. Excelência é feita de pequenos detalhes, não é apenas um detalhe.(michelangelo) Nós somos tudo aquilo que fazemos, portanto excelência não é um fato, mas um hábito.(aristóteles) Acreditar em suas idéias é importante, mas não é suficiente. É essencial elevar a idéia para o nível da verdadeira intenção de agir. Page 25 of 25

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL EM SAÚDE OCUPACIONAL E GINÁSTICA LABORAL O

ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL EM SAÚDE OCUPACIONAL E GINÁSTICA LABORAL O Educação Física A profissão de Educação Física é caracterizada por ter um vasto campo de atuação profissional, tendo um leque com várias opções para realização das atividades pertinentes ao Educador Físico.

Leia mais

Palestrante: t Roberto Libardi CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CLUBES FEDERAÇÃO NACIONAL DOS CLUBES

Palestrante: t Roberto Libardi CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CLUBES FEDERAÇÃO NACIONAL DOS CLUBES REPOSICIONAMENTO DOS CLUBES ATRAVÉS DA TRANSFORMAÇÃO DO SEU MODELO DE NEGÓCIO UMA VISÃO PRÁTICA E APLICÁVEL Palestrante: t CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CLUBES FEDERAÇÃO NACIONAL DOS CLUBES ABERTURA Nosso

Leia mais

Gestão e Marketing Esportivo. Prof. José Carlos Brunoro

Gestão e Marketing Esportivo. Prof. José Carlos Brunoro Gestão e Marketing Esportivo Prof. José Carlos Brunoro O Sucesso depende de 3 pontos importantes 1. CONHECIMENTO 2. LIDERANÇA 3. CONDUTA PESSOAL 1 CONHECIMENTO Estudo Constante Aprender com todos Idioma

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 02/01/2013 rev. 00 PAUTA INSTITUCIONAL Sobre a Harpia OUTRAS INFORMAÇÕES Clientes Parceiros SERVIÇOS Responsabilidade Social Consultoria & Gestão Empresarial Planejamento Estratégico

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO COM SÓCIOS

PESQUISA DE AVALIAÇÃO COM SÓCIOS PESQUISA DE AVALIAÇÃO COM SÓCIOS Pesquisa desenvolvida com exclusividade para JOCKEY CLUB Outubro /2012 Para falar com a H2R contate: lmorrone@h2r.com.br /rubenshannun@h2r.com.br Tel(011)2654-0424 www.h2r.com.br

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

GRÊMIO RECREATIVO BARUERI CNPJ 59.042.648/0001-73

GRÊMIO RECREATIVO BARUERI CNPJ 59.042.648/0001-73 GRÊMIO RECREATIVO BARUERI CNPJ 59.042.648/0001-73 Site: www.grbesportes.com.br Relatório da Administração Prezados Senhores, A administração do Grêmio Recreativo Barueri submete a sua apreciação o relatório,

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22 ÍNDICE Introdução 2 Missão 4 Visão de Futuro 5 Objetivos Estratégicos 6 Mapa Estratégico 7 Metas, Indicadores e Ações 8 Considerações Finais 22 1 INTRODUÇÃO O Plano Estratégico do Supremo Tribunal de Federal,

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

Proposta para a nova entrada social. -vista da Recepção, administração, salão de festas e restaurante-

Proposta para a nova entrada social. -vista da Recepção, administração, salão de festas e restaurante- Introdução Junto com o crescimento da cidade de são José dos Campos surgiram também novos espaços de convivência, salões de eventos e grandes redes de academias. Os novos condomínios são entregues com

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Gestão de Processos Estratégicos

Gestão de Processos Estratégicos Gestão de Processos Estratégicos Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais e

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa busca a modernização e a ampliação das ações e dos instrumentos de Comunicação para atender às necessidades de divulgação e alinhamento de informações

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Centro Paraolímpico Brasileiro, em São Paulo, é legado do Rio 2016 para os esportes adaptados

Centro Paraolímpico Brasileiro, em São Paulo, é legado do Rio 2016 para os esportes adaptados Centro Paraolímpico Brasileiro, em São Paulo, é legado do Rio 2016 para os esportes adaptados Governo federal e governo do Estado de São Paulo constroem o maior legado dos Jogos Paraolímpicos de 2016 para

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 11/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DE EMPRESAS DE MICRO, PEQUENO

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

O PAPEL DO ADMINISTRADOR NA RECUPERAÇÃO DAS EMPRESAS. BDO Brazil Page 1

O PAPEL DO ADMINISTRADOR NA RECUPERAÇÃO DAS EMPRESAS. BDO Brazil Page 1 O PAPEL DO ADMINISTRADOR NA RECUPERAÇÃO DAS EMPRESAS Page 1 Raul Corrêa da Silva Sócio-fundador e Presidente da BDO RCS; Administrador de empresas, Contador e Advogado ; Auditor Independente registrado

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

GINÁSIO CLUBE DE SANTO TIRSO

GINÁSIO CLUBE DE SANTO TIRSO GINÁSIO CLUBE DE SANTO TIRSO ASSOCIAÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA FUNDADO EM 16 DE SETEMBRO DE 1961 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2013 Fundado em 16 de Setembro de 1961 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2013

Leia mais

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão II Forum PLANISA de Gestão da Saúde Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão HOSPITAL MÃE DE DEUS 380 leitos 2.234 funcionários 68.000 m 2 - área construída

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DA SUPERINTENDÊNCIA Capítulo I - DA

Leia mais

Serviço Social do Comércio São Paulo Brasil. A atuação do SESC SP na área esportiva e Esporte para Todos, incluindo publicações.

Serviço Social do Comércio São Paulo Brasil. A atuação do SESC SP na área esportiva e Esporte para Todos, incluindo publicações. Serviço Social do Comércio São Paulo Brasil A atuação do SESC SP na área esportiva e Esporte para Todos, incluindo publicações. SESC São Paulo Instituição de caráter privado, sem fins lucrativos. Criado

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Plano de Negócios. Dojô. Empresa: Empresa Modelo

Plano de Negócios. Dojô. Empresa: Empresa Modelo Plano de Negócios Dojô Empresa: Empresa Modelo Responsável: Administrador do Sistema 20/09/2009 Introdução Enunciado do Projeto Identificamos a oportunidade de oferecer aos atletas e praticantes de artes

Leia mais

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra 29/03/12 Com planejamento cuidadoso e detalhado, pode-se vencer; com planejamento descuidado e menos detalhado, não se pode vencer. A derrota é mais do que certa se não se planeja nada! Pela maneira como

Leia mais

5ª EDIÇÃO. Agenda. 08 de Outubro 2015. Hotel Green Place Flat São Paulo, SP. Realização: www.corpbusiness.com.br

5ª EDIÇÃO. Agenda. 08 de Outubro 2015. Hotel Green Place Flat São Paulo, SP. Realização: www.corpbusiness.com.br Agenda 5ª EDIÇÃO 08 de Outubro 2015 Hotel Green Place Flat São Paulo, SP Realização: www.corpbusiness.com.br Patrocínio Gold Patrocínio Bronze Apoio Realização: APRESENTAÇÃO COMO ESTABELECER UM PROGRAMA

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

ETAPAS DO PROCESSO DE CRIAÇÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS. São muitos os motivos pelos quais as pessoas decidem montar sua própria empresa:

ETAPAS DO PROCESSO DE CRIAÇÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS. São muitos os motivos pelos quais as pessoas decidem montar sua própria empresa: ETAPAS DO PROCESSO DE CRIAÇÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS SER EMPREENDEDOR São muitos os motivos pelos quais as pessoas decidem montar sua própria empresa: Sensação de liberdade; Provar que é capaz; Certeza do

Leia mais

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA Quem Somos: A GR Soluções Empresarias é uma empresa provedora de soluções corporativas e serviços personalizados em Advocacia, Contabilidade e Tecnologia da Informação, orientada pelos interesses das empresas

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Condicionantes da Estrutura Organizacional De acordo com Simeray ( 1970) é produto dos seguintes fatores: O valor do homem O conhecimento

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Sindi-Clube. 25 anos de Representatividade e Serviços

Sindi-Clube. 25 anos de Representatividade e Serviços Sindi-Clube 25 anos de Representatividade e Serviços 1 Encontro Regional de Dirigentes Fórum de Debates 2014 2 Objetivos do Sindi-Clube O Sindicato dos Clubes do Estado de São Paulo Sindi- Clube, fundado

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

Clube. Paineiras do Morumby. Desde 1960, formando esportistas e consolidando amizades.

Clube. Paineiras do Morumby. Desde 1960, formando esportistas e consolidando amizades. Clube Paineiras do Morumby Desde 1960, formando esportistas e consolidando amizades. 2 120 mil m² de puro lazer. Um verdadeiro oásis urbano. O Paineiras Fundado em agosto de 1960, o Clube Paineiras do

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços Consultoria de resultados MOTIVAÇÃO EM GERAR Somos uma consultoria de resultados! Entregamos muito mais que relatórios. Entregamos melhorias na gestão, proporcionando aumento dos

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 232/2013 Aprova a Norma Complementar de Procedimentos para Inventariar Ativos de Tecnologia da Informação. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 06

PROVA ESPECÍFICA Cargo 06 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 06 QUESTÃO 41 Correlacione a primeira com a segunda coluna: COLUNA I COLUNA II 1 Manual de Organização ( ) deveres e direitos dos funcionários 2 Manual de Normas e Procedimentos

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

O que discutimos neste módulo

O que discutimos neste módulo Marketing Governamental Antonio Roberto Bono Olenscki São Paulo, 14 de junho de 2011 O que discutimos neste módulo Marketing de serviços públicos; foco no cidadão, dimensões da qualidade em serviços públicos;

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Plano de Negócio AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Rodovia Celso Garcia Cid 2500 86051-990, Londrina - PR aztech@aztech.com.br André Ricardo Gonçalves - CEO / Tecnologia argoncalves@aztech.com.br

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

VOLUNTÁRIAS CISNE BRANCO SECCIONAL BRASÍLIA CONVÊNIO COM O SESC - DF

VOLUNTÁRIAS CISNE BRANCO SECCIONAL BRASÍLIA CONVÊNIO COM O SESC - DF VOLUNTÁRIAS CISNE BRANCO SECCIONAL BRASÍLIA CONVÊNIO COM O SESC - DF As Voluntárias Cisne Branco Seccional Brasília firmaram convênio com o SESC/DF a fim de viabilizar o aumento da qualidade de vida da

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 002, DE 05 DE FEVEREIRO DE 2013. O PLENO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 002, DE 05 DE FEVEREIRO DE 2013. O PLENO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais, RESOLUÇÃO Nº 002, DE 05 DE FEVEREIRO DE 2013 DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA E ATIVIDADES DA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO APMP, CRIA A DIVISÃO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS DIGEP,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios Modelo de Plano de Negócios COLEÇÃO DEBATES EM ADMINISTRAÇÃO Empreendedorismo Modelo de Plano de Negócios Elaboração Marcelo Marinho Aidar Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) F U N

Leia mais

Ementas e bibliografia básica das disciplinas

Ementas e bibliografia básica das disciplinas Ementas e bibliografia básica das disciplinas Gestão do Conhecimento e Inteligência Competitiva (10h) Conceitos gerais de gestão do conhecimento Conceitos gerais de inteligência competitiva Ferramentas

Leia mais

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009

Manual Administrativo. A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Manual Administrativo A.D.M Consultoria Jr. Gestão 2009 Teresina 07/10/2009 SUMÁRIO Empresa Júnior ICF 03 Áreas de atuação da A.D.M Consultoria Jr. 04 Organograma 08 Competências 09 Das Atribuições do

Leia mais

A PRIMEIRA E MAIS COMPLETA PESQUISA COM ASSESSORIAS ESPORTIVAS DO PAÍS

A PRIMEIRA E MAIS COMPLETA PESQUISA COM ASSESSORIAS ESPORTIVAS DO PAÍS A PRIMEIRA E MAIS COMPLETA COM ASSESSORIAS ESPORTIVAS DO PAÍS OBJETIVO Conhecer o mercado das Assessorias Esportivas de todo o Brasil ANALISAR E AUXILIAR NO DESENVOLVIMENTO DOS NEGÓCIOS E NAS RELAÇÕES

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais