Planejamento Estratégico FPTI PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planejamento Estratégico FPTI 2014-2024 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU 2014-2024"

Transcrição

1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU

2 EQUIPE DE DESENVOLVIMENTO: Adriana Brandt Ana Cristina Nóbrega Andréa P. Schmoeller Angelita Hanauer Daniela Lopes C. Stauffer Daniela Veronezi Denise Prolo Mittanck Fabiano Nogueira Fernanda Alves Flávio de Matos Rocha Hedryk Daijó Janer Vilaça João José Passini Jonhey N. Lucizani Jurema Fernandes Maria Angelica J. Marques Marlei Pastorini Milton Calmazini Nelinho D. Graef Paulo Roberto G. Carvalho Soraya Penzin Thaisa Praxedes de Oliveira Planejamento Estratégico 1a. Etapa Período: 2014 a 2024 Aprovado por RCD 060/2014 Aprovado por RCC 002/2014 2

3 CONSELHO DIRETOR CONSELHO CURADOR Juan Carlos Sotuyo Diretor Superintendente Titulares Claudio Issamy Osako Diretor Técnico José Luiz Dias Diretor Administrativo Financeiro Jorge Habib Hanna El Khouri Presidente do Conselho Daniel de Andrade Ribeiro Marcos Antonio Baumgartner Newton Brião Marques Orestes Hotz Paulo Sérgio Wolff Theodorico Melo dos Santos CONSELHO FISCAL Suplentes Titulares Salomão Galperin Presidente do Conselho Simone Rogoginski Milce Maria Portes Alfredo Aparecido Batista Augusto Cesar Stein Celso Ribeiro Novaes David Rodrigues Krug Janice Gallert Suplentes Marcos Paulo Bonamigo Rosely de Fatima S. Almeida 3

4 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO INSTITUCIONAL DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL E PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU MISSÃO VISÃO VALORES DIRETRIZES ESTRATÉGICAS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS ESTRATÉGIAS E AÇÕES ÍNDICES INSTITUCIONAIS DEFINIÇÕES E SIGLAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS...26 A) METODOLOGIA DE REVISÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO FPTI-BR B) BSC ITAIPU...32 C) DO DESENVOLVIMENTO AO DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL: CONCEITOS E RELAÇÕES...33 E) MODELO DE DESENVOLVIMENTO DA C,T&I EM PARQUES TECNOLÓGICOS PLATAFORMAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA & INOVAÇÃO E SISTEMA DE INTELIGÊNCIA PARA A INOVAÇÃO

5 1. APRESENTAÇÃO Desde a sua criação, em 2005, a Fundação Parque Tecnológico Itaipu - Brasil (FPTI-BR) tem desempenhado um importante papel no apoio ao cumprimento da missão da ITAIPU Binacional. No decorrer dos seus quase dez anos de existência, a FPTI-BR passou por diferentes fases de desenvolvimento, assim como o Parque Tecnológico Itaipu - PTI, sempre buscando a efetividade no atendimento de seus objetivos e missão. Em 2012, frente aos desafios do cenário do Setor Elétrico Brasileiro e do contexto socioeconômico do território, a Diretoria da FPTI-BR entendeu ser necessária a revisão do escopo estratégico para a próxima década. Esta revisão se deu por meio da contratação de uma consultoria especializada, a Fundação CERTI, e envolveu um conjunto amplo de participantes da FPTI-BR, ITAIPU e parceiros estratégicos. O presente documento refere-se à descrição detalhada da revisão do Planejamento Estratégico acrescida dos ajustes necessários para compor o período de Este documento abrange a primeira etapa da revisão e está estruturado com os componentes: missão, visão, valores, diretrizes estratégicas, objetivos estratégicos, estratégias, ações e indicadores institucionais. E a metodologia de revisão1 refere-se ao processo de revisão e definições dos elementos citados. Na revisão da missão, visão e valores, foram analisados os atributos prioritários previstos no Estatuto da FPTI-BR, tendo como premissa o alinhamento com a missão, visão e objetivos estratégicos da ITAIPU2. É importante ressaltar que para a revisão utilizou-se como referência dois documentos norteadores: (1) Planejamento Estratégico aprovado em RCD 056/2010; (2) Planejamento Estratégico elaborado com o apoio da consultoria. 1 Anexo A Metodologia de revisão do Planejamento Estratégico FPTI Anexo B BSC ITAIPU 5

6 A implementação do Planejamento Estratégico acontecerá por meio de Planos de ação tático e operacional, que serão elaborados junto às áreas, em busca do alinhamento institucional com foco em resultados da FPTI-BR. 2. CONTEXTUALIZAÇÃO INSTITUCIONAL A ITAIPU, buscando alinhar sua atuação a programas de governo que contemplassem ações de responsabilidade socioambiental e desenvolvimento regional desde 2000, ampliou sua missão e consequentemente a sua visão, que passaram a ser: Missão: Missão: Gerar Gerar energia energia elétrica elétrica de de qualidade, qualidade, com com responsabilidade responsabilidade social social e e ambiental, ambiental, impulsionando impulsionando o o desenvolvimento desenvolvimento econômico, econômico, turístico turístico e e tecnológico, tecnológico, sustentável, sustentável, no no Brasil Brasil e e no no Paraguai. Paraguai. Visão: Visão: Até Até 2020, 2020, a a Itaipu Itaipu Binacional Binacional se se consolidará consolidará como como a a geradora geradora de de energia energia limpa limpa e e renovável renovável com com o o melhor melhor desempenho desempenho operativo operativo e e as as melhores melhores práticas práticas de de sustentabilidade sustentabilidade do do mundo, mundo, impulsionando impulsionando o o desenvolvimento desenvolvimento sustentável sustentável e ea a integração integração regional. regional. Com a ampliação da missão da ITAIPU, além de reforçar o quesito geração de energia com qualidade, foram incorporadas ações em seu planejamento estratégico que impulsionavam o desenvolvimento econômico, turístico e tecnológico, sustentável, no Brasil e no Paraguai. Esse compromisso da ITAIPU em impulsionar o desenvolvimento foi o grande motivador da criação do PTI e da sua entidade gestora FPTI-BR, encarregada de 6

7 fomentar iniciativas com foco no desenvolvimento territorial, conforme Relatório de Sustentabilidade 2005: Na margem esquerda, o Parque Tecnológico Itaipu importante instrumento da Entidade para contribuir com o desenvolvimento socioeconômico, especialmente na região de influência da Usina transformou-se em Fundação, ente de natureza jurídica mais adequada para o cumprimento de suas finalidades. (ITAIPU BINACIONAL, 2005, p.6) Nesse contexto, o PTI é caracterizado como instrumento estratégico no alcance do desenvolvimento proposto pela ITAIPU Binacional, em sua região de influência, direcionando seus esforços para a consecução da missão da ITAIPU e, por extensão, a missão da própria FPTI-BR. 7

8 3. DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL E PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU A missão ampliada da ITAIPU Binacional objetiva impulsionar o desenvolvimento do território e, portanto, é fundamental o senso comum em relação ao conceito utilizado de desenvolvimento territorial. No entendimento da FPTI-BR o conceito de desenvolvimento territorial consiste em criar condições para constituir cidadãos autônomos, produtivos, socialmente responsáveis e com acesso ao conjunto dos bens materiais e culturais, necessários à sustentação e reprodução da vida e à interlocução qualificada de todos com todos. Isso demanda o aproveitamento das capacidades do próprio território (ainda que não exclusivamente) para melhoria da produtividade e competitividade das atividades produtivas locais, por meio da inovação, bem como a igualdade no acesso a bens e serviços essenciais ao exercício pleno da cidadania e oportunidade de inserções sócio produtivas. A Figura 1 ilustra a atuação da FPTI-BR no território. Figura 1. Abrangência de atuação FPTI-BR 8

9 O processo de atuação no território envolve as dimensões: a) social e humana; b) institucional, política e cultural; c) ambiental; d) tecnológica e; e) econômica.3 O Parque Tecnológico Itaipu (PTI) é um dos mecanismos do território para a promoção do desenvolvimento. É um ambiente complexo 4 de promoção do desenvolvimento territorial, que visa fomentar economias baseadas no conhecimento e inovação, por meio da integração da pesquisa científico-tecnológica, negócios/empresas, organizações governamentais e da sociedade em um local físico, e do suporte às inter-relações entre estes grupos, gerando riqueza, equidade e inclusão social. 3 Anexo C Contextualização do conceito de Desenvolvimento Territorial. 4 Anexo D Em termos de organização, significa: alta capacidade de adaptação às exigências de um mercado sempre em mudança; funcionamento não-autoritário, sinérgico, resultante do livre fluxo de informação/conhecimento/energia; amplo diálogo entre os membros e rapidez de tomada de decisões e definição de estratégias; e alta capacidade de administrar conflitos internos. 9

10 4. MISSÃO Com o compromisso compartilhado com a ITAIPU em impulsionar o desenvolvimento territorial, a FPTI-BR tem como missão: 5 Promover Promover o o desenvolvimento desenvolvimento territorial territorial sustentável sustentável por por meio meio da da educação, educação, ciência, ciência, tecnologia, tecnologia, inovação, inovação, cultura cultura e e empreendedorismo. empreendedorismo. 5. VISÃO A FPTI-BR tem objetivo em médio e longo prazo, partindo da sua missão, diretrizes, objetivos, e estratégias definidas: 6 Tornar Tornar o o Parque Parque Tecnológico Tecnológico Itaipu, Itaipu, até até 2020, 2020, reconhecido reconhecido como como referência referência na na promoção promoção do do desenvolvimento desenvolvimento territorial territorial sustentável. sustentável. 5 Promover [Segundo Dicionário Aurélio]: v.t. Elevar a uma dignidade, a uma função, a uma categoria ou a um grau superior. / Dar impulso a; pôr em execução: promover uma política progressista. / Dar publicidade a; fazer a propaganda de. 6 A visão tem como prazo determinante o ano de 2020 por estar em conformidade à Visão da ITAIPU, com base no alinhamento estratégico existente entra a FPTI-BR e ITAIPU. 10

11 6. VALORES Com a premissa de que os princípios e crenças são fundamentais e que fornecem sustentação para as suas principais decisões, a FPTI-BR preza pelos seguintes valores: VALORES VALORES Respeito Cooperação Integração Solidariedade Equidade Consideração, cortesia, estima, gentileza, na perspectiva da ética do cuidado de si, do outro e do planeta. Valorização da ação colaborativa e as alianças institucionais para atingir objetivos comuns. Predisposição para convivência harmoniosa, com respeito à diversidade. Predisposição para se colocar no lugar do outro e partilhar os recursos materiais e afetivos. Imparcialidade para reconhecer o direito de cada um, usando a equivalência para promover a justiça. Disponibilização de acesso às informações de interesse público, sem Transparência reservas, em linguagem adequada e compreensível, de forma direta e clara. Honestidade Comprometimento Atuação conforme os demais valores institucionais e os preceitos legais, morais, justos e éticos. Pertencimento a organização, assumindo a responsabilidade pelo cumprimento dos seus valores e objetivos. 11

12 7. DIRETRIZES ESTRATÉGICAS As diretrizes estratégicas são as trilhas orientadoras das prioridades para o cumprimento da missão e visão da FPTI-BR. DIRETRIZES DIRETRIZES D1. Contribuir para a execução dos objetivos estratégicos da mantenedora. DESCRIÇÃO DESCRIÇÃO Direcionar programas e ações que atendam aos objetivos estratégicos da Itaipu. Contribuir para o alcance da autonomia, liberdade D2. Promover o desenvolvimento humano em suas multidimensões. e qualidade de vida dos cidadãos em um processo que envolve as seguintes dimensões: social e humana; institucional, política e cultural; ambiental; tecnológica; e econômica. Operar de forma colaborativa, no âmbito interno e D3. Atuar em redes de cooperação e externo da FPTI-BR, com pessoas e instituições, colaboração. otimizando esforços para o alcance de objetivos comuns. D4. Desenvolver modelos e soluções que inspirem políticas públicas. D5. Tornar a organização permanentemente útil para o território. Fazer com que os resultados da FPTI-BR e dos seus parceiros promovam a cidadania e beneficiem a sociedade. Adotar práticas e atitudes que garantam a sustentabilidade da FPTI-BR. Com foco interno ou externo, as diretrizes abrangem amplamente a atuação da FPTI-BR e direcionam a sua atuação em observância às suas necessidades. Por isso, para a definição das diretrizes apresentadas, foram analisadas as possibilidades e premissas estratégicas para o delineamento da conduta, com foco na missão e visão definidas. 12

13 8. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Vinculados às diretrizes estratégicas, os objetivos estratégicos são os resultados que a FPTI-BR pretende atingir. OBJETIVOS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS ESTRATÉGICOS OE1. Promover o desenvolvimento científico e tecnológico e a inovação de interesse da ITAIPU e do território; OE2. Contribuir para a formação de competências, qualificação técnica e valorização do ser humano no território; OE3. Promover ações que contribuam com o desenvolvimento social, cultural e ambiental no território; OE4. Promover a cultura empreendedora voltada à geração de emprego, trabalho e renda; OE5. Contribuir com o fortalecimento de atividades produtivas do território; OE6. Aperfeiçoar continuamente a gestão da FPTI-BR para agregar valor às suas finalidades; OE7. Garantir o equilíbrio econômico e financeiro da FPTI-BR. 13

14 9. ESTRATÉGIAS E AÇÕES Para a FPTI-BR, suas estratégias e ações são consideradas um dos aspectos mais importantes no processo do planejamento estratégico, pois propiciam condições norteadoras para o cumprimento dos seus objetivos estratégicos. A Figura 2 define as estratégias da FPTI-BR. Figura 2. Estratégias da FPTI-BR 14

15 Planejamento Estratégico Ações Ações Estratégia Estratégia E1.Desenvolver E1.Desenvolver ações ações coordenadas e complementares coordenadas e complementares para para a a execução execução dos dos programas programas e e projetos da ITAIPU. projetos da ITAIPU. A1. A1. Apoiar Apoiar a a ITAIPU ITAIPU nas nas suas suas ações ações e e projetos projetos de de pesquisa, pesquisa, desenvolvimento desenvolvimento tecnológico tecnológico e e promoção promoção da da inovação. inovação. A2. A2. Contribuir Contribuir com com a a ITAIPU ITAIPU nas nas suas suas ações ações de de desenvolvimento desenvolvimento socioambiental socioambiental e e cultural; cultural; A3. A3. Contribuir Contribuir com com os os programas programas de de educação educação corporativa corporativa da da ITAIPU; ITAIPU; A4. A4. Apoiar Apoiar a a ITAIPU ITAIPU na na atração atração e e desenvolvimento desenvolvimento de de fornecedores. fornecedores. 15

16 Planejamento Estratégico Ações Ações A5. A5. Estruturar Estruturar o o sistema sistema para para priorização, priorização, desenvolvimento desenvolvimento e e acompanhamento acompanhamento das das 7 plataformas; plataformas; A6. A6. Estabelecer Estabelecer relacionamentos relacionamentos cooperados cooperados entre entre a a FPTI-BR, FPTI-BR, as as universidades universidades e e as as empresa, empresa, nas nas temáticas temáticas prioritárias; prioritárias; A7. Definir e constituir as A7. Definir e constituir as células células de de competências competências nas nas temáticas temáticas prioritárias; prioritárias; Estratégia Estratégia E2. E2. Consolidar Consolidar as as Plataformas Plataformas de Ciência, Tecnologia de Ciência, Tecnologia e e Inovação. Inovação. A8. A8. Implementar Implementar o o modelo modelo de de financiamento financiamento e e investimento investimento em em P, P, D D& & I; I; A9. A9. Estabelecer Estabelecer e e consolidar consolidar parcerias parcerias para para fomento fomento do do desenvolvimento desenvolvimento científico, científico, tecnológico tecnológico e e da da inovação; inovação; A10. A10. Estabelecer Estabelecer novos novos arranjos arranjos institucionais institucionais para para o o desenvolvimento desenvolvimento científico, científico, tecnológico tecnológico e e da da inovação inovação com com a a ITAIPU, ITAIPU, empresas empresas e e parceiros; parceiros; A11. A11. Disponibilizar Disponibilizar e e aprimorar aprimorar uma uma infraestrutura infraestrutura diferenciada diferenciada para para ciência, ciência, tecnologia tecnologia e inovação; e inovação; A12. A12. Estruturar Estruturar e e implementar implementar o o Sistema Sistema de de Gestão Gestão do do Conhecimento Conhecimento a a partir partir das das temáticas temáticas prioritárias; prioritárias; A13. A13. Estruturar Estruturar e e implementar implementar o o Sistema Sistema de de Inteligência Inteligência para para a a inovação, inovação, visando visando a a competitividade competitividade territorial. territorial. 7 São os ambientes de comunicação, desenvolvimento e negociação entre os atores envolvidos. Devem proporcionar as condições necessárias para o desenvolvimento dos temas de interesse técnico-científicos, e dessa aproximação resultar a formulação e concretização de projetos cooperativos em ciência, tecnologia e inovação. O Anexo E descreve esse conceito. 16

17 Planejamento Estratégico Ações Ações A14. A14. Ter Ter o o modelo modelo de de gestão gestão da da FPTI-BR FPTI-BR difundido; difundido; Estratégia Estratégia E3. E3. Consolidar Consolidar o o sistema sistema de de Gestão da FPTI-BR. Gestão da FPTI-BR. A15. A15. Garantir Garantir a a efetividade efetividade da da administração administração dos dos recursos recursos econômico-financeiro econômico-financeiro da da FPTI-BR; FPTI-BR; A16. A16. Prospectar Prospectar e e captar captar recursos recursos nacionais nacionais e e internacionais; internacionais; A17. A17. Aperfeiçoar Aperfeiçoar os os processos processos corporativos corporativos da da FPTI-BR; FPTI-BR; A18. A18. Aprimorar Aprimorar a a Gestão Gestão de de Projetos Projetos e e Portfólio Portfólio da da FPTI-BR; FPTI-BR; A19. A19. Promover Promover o o desenvolvimento desenvolvimento de de competências competências dos dos colaboradores colaboradores da da FPTI-BR. FPTI-BR. 8 Eugênio Mussak (2003), fez uma adaptação ao conceito de competência humana, resultando no C-H-A-V-E nos tempos atuais. Onde, Competência humana= Conhecimento+habilidade+atitude+valores+entorno. Aliados ao conhecimento, a habilidade e a atitude estão os valores (ser) e o entorno (interagir com o ambiente). Busca-se cada vez mais pessoas compromissadas com o próximo, pessoas éticas, com responsabilidade social e ambiental. 17

18 Planejamento Estratégico Ações Ações A20. A20. Promover Promover ações ações para para a a atração atração de de grandes grandes empresas empresas estruturantes estruturantes para para dinamização das atividades produtivas; dinamização das atividades produtivas; Estratégia Estratégia E4. E4. Gerar Gerar e e fortalecer fortalecer negócios negócios no no território. território. A21. A21. Promover Promover o o adensamento adensamento dos dos elos elos estratégicos estratégicos das das atividades atividades produtivas produtivas do do território; território; A22. A22. Desenvolver Desenvolver empreendimentos empreendimentos de de base base solidária; solidária; A23. A23. Desenvolver Desenvolver empreendimentos empreendimentos com com foco foco na na geração geração de de produtos produtos e e serviços serviços inovadores; inovadores; A24. A24. Dinamizar Dinamizar o o ambiente ambiente de de negócios negócios a a partir partir do do PTI; PTI; A25. A25. Desenvolver Desenvolver um um modelo modelo de de fundo fundo de de investimentos investimentos para para geração geração de de novos novos negócios. negócios. 9 O adensamento consiste na geração de oportunidades empresariais, de mais produção, mais empregos e mais investimento, além do que as empresas já realizam. Como tudo o que puder servir para que as empresas já estabelecidas e/ou as que venham a se estabelecer no território possam se desenvolver e tornar-se mais competitivas, tanto para o atendimento do mercado local quanto para exportação. 18

19 Planejamento Estratégico Ações Ações Estratégia Estratégia E5. E5. Estabelecer Estabelecer os os modelos modelos de de relacionamento interno relacionamento interno e e externo. externo. A26. A26. Estabelecer Estabelecer políticas políticas de de comunicação comunicação e e relacionamento relacionamento interno, interno, considerando considerando o o modelo modelo de de operação operação da da FPTI-BR; FPTI-BR; A27. A27. Fortalecer Fortalecer o o relacionamento relacionamento institucional institucional com com a a mantenedora; mantenedora; A28. A28. Fortalecer Fortalecer o o relacionamento relacionamento institucional institucional em em âmbito âmbito nacional nacional e e internacional; internacional; A29. A29. Fortalecer Fortalecer o o relacionamento relacionamento com com instituições instituições e e empresas empresas do do território; território; A30. Fortalecer o relacionamento institucional no PTI. A30. Fortalecer o relacionamento institucional no PTI. 19

20 Planejamento Estratégico Ações Ações Estratégia Estratégia E6. Desenvolver E6. Desenvolver ações ações coordenadas coordenadas e e complementares complementares que que contribuam contribuam para para a a evolução evolução da da educação no território. educação no território. A31. A31. Tornar Tornar o o PTI PTI um um ambiente ambiente extensionista, extensionista, que que inspire inspire políticas políticas públicas; públicas; A32. A32. Estruturar Estruturar ações ações de de educação educação a a partir partir de de oportunidades oportunidades internas internas e e externas externas do do PTI; PTI; A33. A33. Desenvolver Desenvolver e e fomentar fomentar pesquisas pesquisas que que contribuam contribuam com com a a qualidade qualidade da da educação; educação; A34. A34. Qualificar Qualificar o o processo processo de de ensino ensino e e aprendizagem aprendizagem em em diferentes diferentes níveis; níveis; A35. A35. Proporcionar Proporcionar a a formação formação a a partir partir das das competências competências dos dos colaboradores colaboradores da da FPTI-BR FPTI-BR e e das das instituições instituições parceiras. parceiras. 20

21 Planejamento Estratégico Ações Ações Estratégia Estratégia E7. Desenvolver ações E7. Desenvolver ações coordenadas e complementares coordenadas e complementares que promovam o desenvolvimento que promovam o desenvolvimento socioambiental e cultural do socioambiental e cultural do território. território. A36. A36. Elaborar Elaborar estudos estudos sobre sobre o o contexto contexto sociocultural sociocultural e e ambiental ambiental do do território; território; A37. A37. Fortalecer Fortalecer políticas políticas públicas públicas e e compor compor ações ações voltadas voltadas à à cultura; cultura; A38. A38. Fortalecer Fortalecer políticas políticas públicas públicas e e compor compor ações ações socioambientais. socioambientais. 21

22 10. ÍNDICES INSTITUCIONAIS Os índices (ou indicadores sintéticos) são combinações de diversas variáveis que sintetizam um conceito abstrato complexo, em um único valor, e tendem a retratar o comportamento ponderado (composto) de um conjunto de dimensões. Considerando que a FPTI-BR necessita mensurar e acompanhar sistematicamente SE e COMO a organização está cumprindo a sua missão e visão, foram definidos os seguintes índices institucionais: Índice de Resultados Estratégicos - IRE Mensura se a FPTI-BR está alcançado os seus objetivos estratégicos Índice de Condições Internas - ICI Avalia se a FPTI-BR tem as condições necessárias nas dimensões econômica, operacional, técnica e Institucional para atingir seus objetivos estratégicos Os indicadores são estabelecidos para mensurar o alcance dos objetivos estratégicos, por meio de metas. Além de considerar o público-alvo para estabelecimento das metas, deverá ser realizada uma análise da motricidade e dependência das estratégias e ações. O índice de Resultados Estratégicos agrega essas informações e parâmetros e deverá vir acompanhado de análise qualitativa e quantitativa. Ao mesmo tempo, o alcance dos objetivos estratégicos é dependente das condições de infraestrutura, técnicas, institucionais e econômicas. Desta forma, é preciso entender as especificidades e demandas para execução de cada ação. Assim, o que se pretende é reduzir a distorção de interpretação no não atingimento das metas, pois nem sempre é processual. Essa composição de indicadores de insumos constitui o índice de Condições Internas. 22

23 Para a definição de indicadores, índices, metas e priorização de ações é necessária a construção da sistemática dos indicadores e índices da FPTI-BR, bem como a interpretação e análise qualitativa e quantitativa das informações. Esse esforço será realizado após a aprovação desse documento, perpassando pelas seguintes etapas: análise de Motricidade e Dependência das estratégias e ações; Estabelecimento dos Planos de Ação para implementação das estratégias; Definição de Metas e Indicadores para os Objetivos Estratégicos. 23

24 11. DEFINIÇÕES E SIGLAS C,T&I Ciência, Tecnologia e Inovação FPTI-BR: Fundação Parque Tecnológico de Itaipu Brasil. 24

25 12. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALBUQUERQUE, F; DINI, M. Guia de desenvolvimento territorial. Brasília: CNI, ALMEIDA FILHO, N. Desenvolvimento territorial como expressão da perspectiva nacional do desenvolvimento: limites e potencial. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, Rio de Janeiro, nº 19, p , dezembro CUNHA. H. P. Gestão Estratégica Aplicada em Organizações do terceiro setor: uma mudança de paradigma. Sitientibus, Feira de Santana, n. 39, p , jul./dez Disponibilizado: <http://www2.uefs.br/sitientibus/pdf/39/1.8_gestao_estrategica_aplicada_em_organiz acoes_do_terceiro_setor.pdf> ITAIPU Binacional. Relatório de Sustentabilidade Disponível: Acessado em abril/2014. MARIOTTI, Humberto. Organizações de Aprendizagem: educação continuada e a empresa do futuro. 2ed. São Paulo: Atlas, MUSSAK, Eugênio. Metacompetência: Uma nova visão do trabalho e da realização pessoal. São Paulo: Editora Gente, OLIVEIRA, D. P. R. Planejamento estratégico: conceitos, metodologia e práticas. São Paulo: Atlas, TAVARES, Mauro Calixta. Gestão Estratégica. São Paulo: Atlas,

26 13. ANEXOS A) METODOLOGIA DE REVISÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO FPTI-BR B) BSC ITAIPU C) DO DESENVOLVIMENTO AO DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL: CONCEITOS E RELAÇÕES D) CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS COMPLEXOS E) MODELO DE DESENVOLVIMENTO DA C,T&I EM PARQUES TECNOLÓGICOS: PLATAFORMAS DE C,T&i E SISTEMA DE INTELIGÊNCIA PARA A INOVAÇÃO 26

27 A) METODOLOGIA DE REVISÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO FPTI-BR Revisão do Planejamento Estratégico FPTI-BR Nesse documento estão contemplados os registros da metodologia utilizada para a revisão da primeira etapa do Planejamento Estratégico (missão, visão, valores, diretrizes estratégicas, objetivos estratégicos, estratégias, ações e índices institucionais), referente ao período Importante ressaltar que, para a revisão, foi utilizado como referência dois documentos norteadores: (1) Planejamento Estratégico aprovado em RCD 056/2010; (2) Planejamento Estratégico elaborado com o apoio da consultoria em O processo de revisão foi realizado nas seis etapas seguintes: Etapa 1 Fundamentação para reflexão das bases de atuação do PTI Para o alinhamento dos conceitos a serem aplicados no Planejamento Estratégico, foi estruturada a fundamentação referente às bases de atuação da FPTI-BR, representada na Figura 1. Fundamentação para reflexão das bases Ajustes no Planejamento Estratégico do de atuação do PTI PTI Conceito Desenvolvimento Territorial Conceito Missão Visão de Parque Tecnológico Conceito Valores Sistema Territorial de Inovação Conceito Diretrizes Plataforma Tecnológica de C,T&I Objetivos Estratégicos Conceito Sistema de Inteligência para a Inovação Estratégias Figura 1 Fundamentação para reflexão das bases de atuação do PTI. 27

28 Para todos esses conceitos, foram realizadas análises de contexto e aplicação à FPTI-BR, considerando os atributos da organização, resultando em documentos de base que compõem o Planejamento Estratégico. Na revisão da missão, visão e valores, foram analisados os atributos prioritários previstos no Estatuto da FPTI-BR, tendo como premissa o alinhamento com a missão, visão da ITAIPU. Etapa 2 - Análise de aderência entre os objetivos estratégicos da FPTI-BR e da ITAIPU Quando definidos os objetivos estratégicos da FPTI-BR, foi realizada a análise de aderência aos objetivos estratégicos da ITAIPU, através de uma matriz com representação dos níveis Forte, Média, Fraca e Sem aderência, representadas pelas cores verde, amarelo, vermelho e cinza, respectivamente. Ajustes no Planejamento Estratégico do PTI Planejamento Estratégico Itaipu Missão Visão Valores Diretrizes Objetivos Estratégicos Objetivos Estratégicos Estratégias Figura 2 Aderência entre os objetivos estratégicos FPTI-BR e ITAIPU. 28

29 Etapa 3 - Análise de aderência entre as diretrizes e objetivos estratégicos da FPTI-BR Essa etapa permitiu a análise e averiguação de que se os objetivos estratégicos da FPTI-BR estão alinhados às diretrizes propostas, que resultou na Matriz com a mesma métrica do tópico anterior, representada na Figura 3. Ajustes no Planejamento Estratégico do PTI Missão Visão Valores Diretrizes Objetivos Estratégicos Verificação do atendimento às Diretrizes 15 Estratégias Figura 3 Aderência entre as diretrizes e objetivos estratégicos da FPTI-BR Etapa 4 - Análise de aderência entre os objetivos estratégicos e estratégias Nessa etapa, foi realizada a análise de aderência para verificar se as estratégias definidas são suficientes para atender 100% dos objetivos estratégicos, ilustrada na Figura 4. 29

30 Ajustes no Planejamento Estratégico do PTI Missão Visão Valores Diretrizes Objetivos Estratégicos Análise se as estratégias eram suficientes para atender 100% os Objetivos Estratégicos Estratégias Figura 4 Aderência entre os objetivos estratégicos e as estratégias da FPTI-BR Etapa 5 - Estabelecimento de ações por estratégias Para a implementação das estratégias e concretização dos objetivos estratégicos, foram definidas ações norteadoras, ainda em níveis estratégicos. Após a estruturação, foram avaliadas a composição e congruência entre estratégias e ações. Ação 1 Ação 2 Estratégia n... Ação m Figura 5 Definição das estratégias e ações 30

31 Etapa 6 Estabelecimento dos índices institucionais Na continuidade do processo de revisão, considerando a estruturação de indicadores prevista para a próxima etapa do Planejamento Estratégico (junto às metas por objetivos estratégicos), foram estabelecidos, previamente, dois índices institucionais, representados na Figura 6, que serão compostos por pacotes de indicadores. Esses possibilitam a mensuração dos resultados e condições da FPTI-BR para o alcance dos objetivos estratégicos estipulados. Medem SE e COMO a FPTI está indo em direção ao atingimento da missão A FPTI está atingindo seus objetivos? IRE Índice Resultados Estratégicos A FPTI tem condições para atingir seus objetivos estratégicos? ICI Índice de Condições Internas Figura 6 Índices institucionais 31

32 Planejamento Estratégico B) BSC ITAIPU 32

33 C) DO DESENVOLVIMENTO AO DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL: CONCEITOS E RELAÇÕES Para entendimento acerca do processo de Desenvolvimento Territorial, faz-se necessário analisar dois conceitos: Desenvolvimento e Território. O tema Desenvolvimento é abordado, muitas vezes, com algumas precipitações teóricas. Uma delas é tratar Crescimento e Desenvolvimento como sinônimos, mas são conceitos distintos. O Crescimento é um aspecto estritamente voltado à análise de alterações numéricas em variáveis econômicas. Neste sentido, o crescimento não acarreta em alterações estruturais em dada realidade. O Desenvolvimento, por outro lado, se relaciona a alterações estruturais, que podem ser observadas tanto por alterações em variáveis ditas econômicas (o dito crescimento!), como por vários outros aspectos que perpassam o âmbito financeiro, e estabelecem relações com aspectos culturais, psicológicos, políticos, sociais e ambientais, institucionais, dentre outros. Deste modo, fica evidente que o processo de desenvolvimento é multidimensionado, em que não se pode diferenciar entre, por exemplo, Desenvolvimento Educacional, Humano, Social ou Tecnológico, mas sim, tratá-los como dimensões de um mesmo aspecto chamado Desenvolvimento. Contudo, convém notar que há descompassos10 entre estas dimensões. Destaca-se que Crescer não é Desenvolver, pois Desenvolver é criar condições de se tornar autônomo, seja um país, território ou indivíduo. Significa ter opções e liberdade de fazer escolhas, de modo que exista ampliação do horizonte material, social e cultural na vida das pessoas. A base material do processo de desenvolvimento é fundamental, mas deve ser considerada como um meio e não como um fim em si. 10 O processo de desenvolvimento não é pleno em todas as dimensões ao mesmo tempo. Em determinados territórios podem ser visualizadas situações em que existe elevado índice de desenvolvimento econômico cultural, institucional e tecnológico porém o desenvolvimento na dimensão social apresenta patamar menos evoluído com problemas educacionais, de saúde, de segurança. Na medida que esta dimensão conseguir uma elevação de patamar, outras tendem a evoluir menos. O importante é que deve haver a busca constante pelo avanço destas dimensões, de modo a mitigar os desequilíbrios. 33

34 De tal forma, para haver o desenvolvimento é preciso que se removam as principais fontes de privação de liberdade e aquilo que impede a conquista da autonomia, isto é, as privações materiais, sociais e culturais na vida das pessoas. Sublinhado os aspectos essenciais do Desenvolvimento, passa-se à discussão do conceito de território. Milton Santos assevera que: O território deve ser entendido como território usado, não o território em si. O território usado é o chão mais a identidade. A identidade é o sentimento de pertencer àquilo que nos pertence. O território é o fundamento do trabalho; lugar da residência, das trocas materiais e espirituais e do exercício da vida (2007, p.14).11 O território compreende além de regiões geográficas e administrativas as construções históricas e socioculturais. É o lócus da vida das pessoas, onde se realizam suas interações, quer sejam materiais ou espirituais. Assim, o território é caracterizado pelo conjunto de atores locais que o habitam, e sua organização social e política, sua cultura e instituições, bem como o espaço físico e as relações com o ambiente. É onde todas as suas relações são constituídas, é onde se constitui a vida da população. É, assim, um espaço socialmente construído. Neste espaço ocorre a mobilização dos atores locais acerca da construção de um projeto de desenvolvimento, que contemple os anseios dos sujeitos deste território. Importante observar que cada território é uma região particular e distinta, de modo que não há uma fórmula única ( receita de bolo ) para o desenvolvimento regional. Porque não há um único regional, com cada qual distinto à sua maneira. Neste sentido, os territórios não se desenvolvem ao mesmo tempo, nem da mesma forma, nem na mesma intensidade. O desenvolvimento é, por definição, um processo aberto e inconsistente com qualquer regulação dogmática e acrítica. Assim, cada território precisa identificar os elementos que comporá seu respectivo Plano de Desenvolvimento do Território. 11 Há que se sublinhar o aspecto de que o território é o lugar das trocas materiais e espirituais. Toda relação social baseada na ideia do Contrato Social Rousseauniano estabelece que essas trocas materiais e espirituais sejam regidas por um conjunto de regras, sejam elas formais ou não. As instituições que amparam as relações de trocas materiais na sociedade brasileira (e logo no Estado brasileiro) são notadamente capitalistas, ou de outro modo, monetárias. Isto significa, de forma pragmática, dizer que as relações de trocas materiais são pautadas pelo aspecto da renda. 34

35 Destarte, o Desenvolvimento territorial consiste em criar condições para se constituir cidadãos autônomos, produtivos, socialmente responsáveis e com acesso ao conjunto dos bens materiais e culturais necessários à sustentação e reprodução da vida e à interlocução qualificada de todos com todos. Isto demanda o aproveitamento das capacidades do próprio território (não exclusivamente) para melhoria da produtividade e competitividade das atividades produtivas locais, por meio da inovação; igualdade no acesso a bens e serviços essenciais ao exercício pleno da cidadania e oportunidade de inserções sócio- produtivas. Este processo envolve as dimensões: a) social e humano; b) institucional, político e cultural; c) ambiental; d) tecnológica e; e) econômica, conforme figura 1. Figura 1 Desenvolvimento e as multidimensões 35

36 Assim, o desenvolvimento territorial é o desenvolvimento que se realiza a partir da mobilização inicial e preferencial (ainda que não necessariamente exclusiva) de recursos disponíveis no território e que é objeto de controle e planejamento por parte de agentes domiciliados no mesmo. É importante destacar que o desenvolvimento territorial não se assenta na mobilização exclusiva de recursos e agentes locais, embora ele ocorra a partir destes. Destaca-se que o conceito de desenvolvimento territorial envolve a totalidade das dimensões commcneil a totalidade dos relacionamentos. Não se pode pensar em desenvolvimento pretendendo avançar em apenas uma das dimensões propostas, pois as dimensões estão interligadas. Comumente, o desenvolvimento é tratado de forma cartesiana e entendido como um conjunto de partes e muitas vezes consideradas antagônicas. Os defensores desta ideia acreditam que, se ocorre o desenvolvimento econômico, não ocorre o desenvolvimento social e ambiental ou vice-versa. Desta forma, estabelecem-se grupos defensores de cada uma destas correntes. O que é um equívoco. Assim, o Desenvolvimento territorial está solidamente enraizado na concepção de duas premissas. 1) não há cisão entre as dimensões sociais e humanas, econômicas, ambientais, tecnológicas e político-institucionais; e 2) a defesa da equidade (ou, a defesa da redução da desigualdade) não se baseia exclusivamente em preferências políticas e ideológicas impermeáveis a qualquer discurso científico 12. Taxativamente, a defesa da equidade não é uma questão utópica ou ideológica, não é uma questão de gosto, mas sim da construção de um entendimento científico, que busca proporcionar autonomia e liberdade aos indivíduos e ao território. Não obstante, também há que se refletir que o desenvolvimento não é um processo linear, mas sim, dialético. Significa observar que os processos relacionais entre as dimensões do desenvolvimento são causadores de desequilíbrios. Torna-se praticamente inexequível atuar para a melhoria de todos os elementos constitutivos 12 Compreende-se aqui por entendimento científico o fato de que, ao permitir o avanço das desigualdades aumentam-se as fontes de privação das liberdades (tanto individuais como do território). E para não entrar em contradição com a lógica de desenvolvimento assumida, que passa pela remoção das fontes de privação de liberdade, se aceita a defesa da equidade como entendimento científico. 36

37 do desenvolvimento, consequentemente tem-se a dificuldade de realização e satisfação destes em níveis iguais. Isso revela a necessidade de realizar uma priorização de ações. De tal forma, se fazem necessárias priorizações. Priorizações de ações e não de dimensões. Não significa que ao priorizar ações se está negando a importância das demais, mas sim, quais são os recursos do território (recursos físicos, humanos e financeiros) que possibilitam o primeiro avanço, além de se entender quais ações terão condições de gerar maiores oportunidades de potencializar a autonomia do território, atendendo a totalidade de dimensões e relacionamentos. Ainda no tocante à priorização das ações, além dos recursos, é importante analisar quais atores sociais e institucionais são necessários para a promoção de uma ação que visa a atuar dentro de algumas destas dimensões. Deste modo, uma das formas de realizar a priorização é entender quais atores podem pactuar uma ação ou projeto, quais as limitações de atuação de cada ator social, e até que ponto os atores envolvidos podem e devem realizar ações. Explica-se que o pode ou deve se refere ao espaço interno das organizações envolvidas e até que ponto elas, dentro de suas dinâmicas organizacionais, permitem ou têm interesses estratégicos de atuação sobre algumas das dimensões. A totalidade dos relacionamentos das dimensões que compõe o desenvolvimento pode se dar de maneiras diversas. Há situações em que a dimensão econômica e a dimensão institucional e política se reforçam mutuamente. Outras em que as dimensões sociais e humanas (saúde, educação, lazer e etc.) complementam a ação voltada para as dimensões econômicas, institucionais e políticas. Há inúmeras interfaces entre elas. A promoção do desenvolvimento em sua abordagem territorial depende da atuação de dois agentes: o Estado e os atores locais. O papel do Estado consiste em dividir a população e as atividades econômicas no espaço de forma homogênea e até ações que permitam a própria criação de territórios. Essa criação se dá a partir da inserção da economia territorial no contexto da economia nacional ou até mesmo internacional, criando uma identidade que caracteriza o território. 37

38 Evidencia-se ainda, a importância dos atores locais no processo de desenvolvimento territorial: universidades, institutos de pesquisa, parques científicos e tecnológicos, prefeituras, agências de fomento à pesquisa, associações comerciais e industriais, organização civil, entre outros. Estes atores têm como papel estimular as inovações, reduzir os custos de produção das empresas locais e estimular a ação das empresas nos mercados e promover ações coletivas de cunho comunitário que promova a criação e manutenção da identidade sociocultural do território. O processo de desenvolvimento exige que as comunidades do território se organizem de maneira cooperada. A cooperação entre os atores locais gera sinergias positivas proporcionando maior dinamismo socioeconômico e cultural no território em que atua. 38

39 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALBUQUERQUE, F; DINI, M. Guia de desenvolvimento territorial. Brasília: CNI, ALMEIDA FILHO, N. Desenvolvimento territorial como expressão da perspectiva nacional do desenvolvimento: limites e potencial. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, Rio de Janeiro, nº 19, p , dezembro PAIVA, C. N. A; ROCHA, F. M; LUCIZANI, J. N.; GRAEF, N. D. Diagnóstico e Planejamento do Desenvolvimento das Cadeias Propulsivas do Oeste do Paraná. Relatório Técnico Oeste em Desenvolvimento (Versão Preliminar). FPTI-BR, PAIVA, C. N. A. Desenvolvimento Econômico Regional. Material de Aula do Curso Desenvolvimento Econômico Regional. Foz do Iguaçu, FPTI-BR, PAIVA, C. N. A. Fundamentos da Análise e do Planejamento de Economias Regionais. Foz do Iguaçu: Ed. Parque Itaipu, SANTOS, M. O dinheiro e o território. In: SANTOS, M.; BECKER, B. K. (orgs) Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. 3. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, p SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras,

40 D) CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS COMPLEXOS Como se vê, estamos falando de mudanças profundas de mentalidade. Sabemos das resistências que elas já vêm provocando e ainda irão provocar, porém, serão inúteis, como sempre ocorre nas grandes guinadas da história. Não estamos lidando com especulações ou propostas teóricas: trata-se de transformações globais, resultantes da natureza auto reguladora dos sistemas naturais. Não há como resistir indefinidamente a essa dinâmica. Só mantendo a flexibilidade de adaptação conseguiremos preservar a unidade na diversidade o que Edgar Morin chama de unitas multiplex. O núcleo de auto avaliação e auto regulação dos sistemas biológicos é interno, mas mantém uma relação de vaivém com o meio ambiente e, portanto, com os demais sistemas. Quanto mais complexo um sistema, mais organizado ele será, e mais eficazmente se processará essa transacionalidade. Tudo isso, evidentemente, requer a existência de um grande potencial criativo, como o que existe nos sistemas complexos. São sistemas que fogem à reprodução (à repetição) e buscam a produção (a diferença). Em termos de organização, esse aspecto é crucial. Uma empresa que se limita à reprodução está em perigo. A tendência à reprodução (à repetição) costuma ser um sinal de que problemas de produção estão a caminho ou já no início. Daí a importância de um diagnóstico organizacional precoce. Os sistemas complexos são identificados pelas seguintes características. Baixa hierarquização; Baixo índice de obediência cega e pouca institucionalização (tendência a fugir do excesso de regras e normas); Baixo nível de especialização (polivalência, menor resistência à mudança, flexibilidade); 40

41 Alta tolerância à aleatoriedade e à conflituosidade (maior capacidade de conciliação, de opostos e resolução de conflitos). Em termos de organização, isso significa: Alta capacidade de adaptação às exigências de um Mercado sempre em mudança; Funcionamento não-autoritário, sinérgico, resultante do livre fluxo de informação/conhecimento/energia; Amplo diálogo entre os membros e rapidez de tomada de decisões e definição de estratégias; Alta capacidade de administrar conflitos internos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MARIOTTI, Humberto. Organizações de Aprendizagem: educação continuada e a empresa do futuro. 2ed. São Paulo: Atlas,

42 E) MODELO DE DESENVOLVIMENTO DA C,T&I EM PARQUES TECNOLÓGICOS PLATAFORMAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA & INOVAÇÃO E SISTEMA DE INTELIGÊNCIA PARA A INOVAÇÃO Os Parques Tecnológicos são ambientes interativos e integradores de diversos atores e instituições englobando o chamado Triângulo de Sabato e mais recentemente a Quadruple Helix, inserindo-se o papel fundamental da sociedade civil no processo de inovação. Considerando um sistema de estímulo ao desenvolvimento tecnológico com promoção da inovação (no sentido amplo, compreende também a inovação social e o desenvolvimento de tecnologias sociais no processo) em um ambiente de uso compartilhado de infraestruturas e recursos, por meio de mecanismos ágeis e funcionais de cooperação, propõe-se a idéia de Plataformas de C,T&I como vetor de indução de temas estratégicos no âmbito destes ambientes. As plataformas de C,T&I estão apoiadas no chamado modelo de estímulo ao desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação (Figura 1). Figura 1 - Modelo genérico de estímulo ao desenvolvimento C, T &I em um parque tecnológico. 42

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIAS INTELIGENTES E FEIRA TECNOLÓGICA EDIÇÃO 2015

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIAS INTELIGENTES E FEIRA TECNOLÓGICA EDIÇÃO 2015 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIAS INTELIGENTES E FEIRA TECNOLÓGICA EDIÇÃO 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO Data do Evento: 19 a 21 de outubro de 2015 Local: Hotel Bourbon Cataratas Convention & Spa / Foz do

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Seminário: Caminhos para a Inovação Debate: A Atividade de CT&I e a Estratégia Nacional de Ciência Tecnologia e Inovação (ENCTI) Infraestrutura

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE CASOS

EDITAL CHAMADA DE CASOS EDITAL CHAMADA DE CASOS INICIATIVAS INOVADORAS EM MONITORAMENTO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL E AVALIAÇÃO DE IMPACTO O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) e as empresas

Leia mais

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares (ITCP) Programa de extensão universitária vinculada à Pró Reitoria de

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

Desenvolvimento Sustentáveluma tarefa da Humanidade

Desenvolvimento Sustentáveluma tarefa da Humanidade Desenvolvimento Sustentáveluma tarefa da Humanidade Para onde vocês acreditam que caminha a humanidade? Para a frente, é claro! A frente é para lá!! É preciso abandonar a idéia simplista de que o progresso

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras 2010 Declaração Nós, das Empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Negócios sociais. Empreendedorismo Fomento mercantil & Microfinanças. 2013. **************************************************** MORCONSULT

Negócios sociais. Empreendedorismo Fomento mercantil & Microfinanças. 2013. **************************************************** MORCONSULT Morconsult. Formatação & desenvolvimento de negócios. Negócios sociais Empreendedorismo Fomento mercantil & Microfinanças. 2013. **************************************************** Exposição de motivos

Leia mais

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 I. Histórico O Clube Internacional de Financiamento ao Desenvolvimento (IDFC) é um grupo de 19 instituições de financiamento ao desenvolvimento

Leia mais

Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras

Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras dezembro 2012 Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras 5 I. O público-alvo

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os valores éticos como base da ação. Aidentidade de nosso Grupo assenta-se historicamente num conjunto de valores que foram ao longo dos anos visados e tutelados

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS SUSTENTABILIDADE E M P R E S A R I A L Política de Sustentabilidade Empresarial das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Órgão Proponente: Prefeitura Municipal Órgão Executor: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Gestão de Competências em Redes de Organizações e Governança de Redes e de Arranjos

Gestão de Competências em Redes de Organizações e Governança de Redes e de Arranjos Gestão de Competências em Redes de Organizações e Governança de Redes e de Arranjos o que se discute na Academia e como usar na prática Sérgio Mecena, DSc. Laboratório Initiä de Inovação e Empreendedorismo

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

A Finep mais abrangente

A Finep mais abrangente _O MOVIMENTO Saiba mais sobre as novas propostas de atuação da Finep, na ENTREVISTA com Glauco Arbix entre outros objetivos, ele quer que a agência seja reconhecida como instituição financeira pelo Banco

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária;

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária; DECRETO Nº. Institui o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt Art. 1º Fica instituído o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt constante deste Decreto, com o objetivo de promover a política

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos luziele.tapajos@ufsc.br PLANEJAR O SUAS Definir horizontes da proteção

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E

POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CARTA SÃO PAULO 2006 1 CARTA SÃO PAULO 2006 Visão para inovação, competitividade e renda. Reunidos na cidade de São Paulo-SP, no dia 25 de agosto de

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais