Grupo de Coordenação do PPCIRA do SESARAM

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Grupo de Coordenação do PPCIRA do SESARAM"

Transcrição

1

2 Compreender a elevada incidência de MRSA; Definir critérios para rastreio ativo MRSA; Isolar os doentes com suspeita/infeção por MRSA; Descolonizar os doentes com suspeita de MRSA; Outras recomendações; Considerações finais.

3 46,8% 2013

4 Staphylococcus aureus 44,4% Year N/N total (%) /54 (44,4%) /94 (55,3%) 46,8%

5 Taxa de INCS a MRSA / dias de internamento em Portugal Densidade de Incidência INCS a MRSA/ dias internamento Linear (Densidade de Incidência INCS a MRSA/ dias internamento) 0,162 0,16 0,158 0,156 0,154 0,152 0,15 0,148 0,146 0,144 0,16 0,15 0,

6 Taxa de INCS a MRSA / dias de internamento (HCF) 0,25 0,2 Densidade de incidência de MRSA 0,2 0,15 0,1 0,1 0,1 0,1 Densidade de incidência de MRSA 0,

7 % de ep. INCS a MRSA / total de ep. INCS a S. Aureus em Portugal ,2 % de INCS a MRSA/total de INCS a S. aureus Linear (% de INCS a MRSA/total de INCS a S. aureus) 64,7 62,2 62, ,0 60, até 2007 A 2009 A 2010 A 2011 A 2012 A 2013

8 % de INCS a MRSA / total de INCS a S. aureus (HCF) % de INCS a MRSA / total de INCS a S. aureus

9 Todos os doentes que vão ser submetidos a cirurgias eletivas, devem: a) Na cirurgia em regime de internamento, pelo menos, dois banhos prévios à intervenção cirúrgica, com gluconato de clorohexidina a 2%, um na véspera da cirurgia e outro no dia da cirurgia (com, pelo menos, duas horas de antecedência) (Categoria IB); b) Na cirurgia do ambulatório, deve ser fornecido ao doente, na consulta prévia, esponja impregnada de gluconato de clorohexidina a 2% para a realização de higiene pré-operatória em casa.

10 Todos os doentes internados, com mais de dois meses de idade corrigida, em Unidades de Cuidados Intensivos e em Unidades de hematologia (incluindo unidade de neutropenias) por um tempo previsível superior a 48 horas, devem ser submetidos a: - higiene corporal (incluindo o couro cabeludo e excetuando a face) com gluconato de clorohexidina a 2% em toalhetes, pelo menos, nos primeiros 5 dias após admissão (Categoria IB). Todos os doentes internados em unidades de cuidados intensivos e com tubo ou cânula endotraqueal devem ser submetidos a higiene oral, pelo menos três vezes por dia com gluconato de clorohexidina a 0,2%, durante o internamento (Categoria IA).

11 Em todos os serviços, aos doentes com risco acrescido de colonização ou infeção por MRSA, nomeadamente (Categoria II): a) Todos os doentes transferidos de outros hospitais com internamento nessa unidade de saúde superior a 48 horas; e b) Todos os que verifiquem um ou mais destes critérios: uso de antibióticos nos seis meses anteriores internamento nos seis meses anteriores hemodiálise internamento em unidades de cuidados continuados ou lar/residência de idosos presença de dispositivos invasivos presença de feridas crónicas colonização prévia por MRSA.

12 CRITÉRIOS PARA SINALIZAÇÂO DE POSSÍVEIS INFETADOS POR MRSA Readmissão de doente que teve um MRSA Transferência de unidade hospitalar onde o doente teve internamento >48h Internamento nos 6 meses anteriores Antibióticos nos 6 meses anteriores RRCCI ou lar/residência de idosos Hemodiálise Presença de dispositivo invasivo Ferida crónica São sinalizados automaticamente como Precauções de Contacto. Ao clicar na imagem, dá a informação seguinte MRSA

13 a) Deve ser realizado na admissão, através de zaragatoa nasal (uma zaragatoa de ambas as narinas) e amostra de ferida cutânea (se existir); b) O doente deve permanecer em situação de isolamento de contacto até conhecimento do resultado da pesquisa; c) As amostras são enviadas ao Serviço de Patologia Clínica acompanhadas da respetiva requisição médica (em papel ou registadas informaticamente), devendo ser indicado em comentário pesquisa de MRSA. O processamento da amostra, método utilizado e rapidez do resultado dependem desta informação.

14 Como efetuar a colheita da zaragatoa nasal? 1 frasco de zaragatoa nasal Tocar e rodar com a zaragatoa, previamente humedecida em soro fisiológico, em cada narina e voltar a colocá-la no meio de transporte, Identificar amostra e enviar ao Serviço de Patologia Clínica Indicar na requisição médica, seja em papel ou informatizada, a referencia pesquisa de MRSA.

15 a) Manter o isolamento de contacto até negativação de três rastreios; c) Mupirocina a 2% pomada nasal (três aplicações diárias em ambas as narinas) associada a banho antisséptico com toalhetes de clorohexidina a 2% (em todo o corpo excluindo a face), durante pelo menos 5 dias (Categoria II):

16 Três rastreios de follow-up: - O primeiro: 48 horas após terminar o tratamento - Os restantes com intervalos semanais; Se a primeira descolonização falhar, deve repetir-se o procedimento, nunca se efetuando mais do que dois cursos de descolonização.

17 Regime de isolamento/precauções de contacto (Categoria IA) e em regime de coorte específico de doentes (Categoria IB); Estas circunstâncias devem estar claramente assinaladas no processo clínico. Todo o material usado na higiene ou nos procedimentos de diagnóstico ou tratamento deverá ser individualizado.

18 doente só deve sair da enfermaria para o estritamente necessário e não deve entrar em salas onde se encontrem outros doentes. Deve ser programada de modo a reduzir os períodos de espera e deve ser assegurado, sem embargo da necessária consideração de outros critérios, que estes doentes sejam os últimos a serem deslocados e a realizar exames; Antes da deslocação, a roupa do doente e da cama deve ser mudada, para reduzir o risco de contaminação e, se possível, os doentes com infeção respiratória devem usar máscara cirúrgica (Categoria II)

19 O acompanhante e as visitas dos doentes colonizados ou infetados por MRSA e dos doentes com suspeita de colonização/infeção por MRSA devem usar medidas de proteção de contacto e a equipa assistencial (médico e/ou enfermeiro) deve-lhes fornecer educação para a saúde sobre medidas de contenção na fonte, ao acompanhante e visitas do doente, nomeadamente: a) Higiene das mãos antes e depois de contactar com o doente; e b) Evicção do contacto com outros doentes do serviço/unidade de internamento (Categoria IC).

20 a) Precauções básicas de controlo de infeção, incluindo a higiene das mãos, de acordo com o Procedimento Nº Higienização das Mãos; b) Adesão institucional à Campanha Nacional de Precauções Básicas de Controlo de Infeção; c) Limpeza ambiental das superfícies da unidade do doente: d) Boas práticas em procedimentos de impacte elevado (Categoria IA), tais como algaliação e outros procedimentos nas vias urinárias, colocação e manuseio de dispositivos intravasculares, procedimentos nas vias aéreas inferiores e, em particular, em doentes submetidos a ventilação mecânica invasiva e intervenções cirúrgicas (Orientações da OMS para a Cirurgia Segura "Cirurgia Segura Salva Vidas");

21 Informação entre serviços, ou entre instituições no caso de saída/alta ou transferência, sempre que doentes colonizados ou infetados por MRSA ou suspeitos de colonização/infeção por MRSA são transferidos, incluindo notificação entre clínicos e ao GCPPCIRA; devendo, também, ser fornecida informação sobre se foi realizado ou não rastreio de colonização por MRSA e se foi ou não realizada descolonização e com que resultado; A colonização por microrganismo multirresistente, nomeadamente por MRSA não constitui indicação para não dar alta hospitalar ao doente, antes de completar a descolonização.

22 Módulo Infeção Lista de microrganismos (Género e Espécie) Sinalética do microrganismo Precauções Adicionais de Controlo da Infeção Sinalética Precauções Contacto MRSA Gotículas Aérea Proteção Multiresistente Estrito

23 Medidas de Isolamento Transmissão por Contacto

24 Medidas de Isolamento Transmissão por Gotículas

25 Aérea

26 Proteção PRECAUÇÕES Localização do doente: - Quarto individual - Porto do quarto fechada Equipamento de proteção individual: - Usar máscara cirúrgica ao entrar no quarto - Lavar as mãos à entrada e à saída do quarto Educação do doente e da família: -Sensibilizar e supervisionar o uso das medidas de precauções/contenção - Usar máscara cirúrgica - Lavar as mãos Transporte do doente para fora do serviço: - Limitar ao máximo o transporte. Se imprescindível colocar máscara cirúrgica ao doente Filtragem da água - Discutido caso a caso de acordo com o grau e tipo de imunossupressão

27 Estrito Contatar de imediato o GCPPCIRA

28

29

30 O rastreio ativo dos MRSA e o isolamento precoce dos doentes permitirá a identificação dos doentes colonizados/infetados por MRSA; A irradicação dos portadores de MRSA com Mupirocina nasal irá contribuir para a diminuição da taxa de MRSA; A CPBCI é de extrema importância para a diminuição da transmissão do MRSA entre doentes, entre profissionais e doentes e ambiente; Importância da colaboração de todos os profissionais, utentes e visitantes/acompanhantes, para o sucesso da implementação do procedimento.

31

32 MRSA Precauções - Implementar Precauções Básicas e Precauções Adicionais de Controlo de Infeção indicadas, de acordo com a via de transmissão Descolonização - Mupirocina a 2% pomada nasal (3xdia em cada narina), durante 5 dias; - Banho com Gluconato de Clorohexidina a 2%, toalhetes durante 5 dias. Monitorização da descolonização - Zaragatoa às 48h, após o final da descolonização; - Rastreio semanal com zaragatoas.

33 Precauções - Implementar Precauções Básicas e Precauções Adicionais de Controlo de Infeção indicadas, de acordo com a via de transmissão Higiene - Corporal Gluconato de Clorohexidina a 2% toalhetes, 1xdia, durante 5 dias (incluindo o couro cabeludo e excluindo a face) - Oral Gluconato de Clorohexidina a 2%, 3xdia, durante o internamento Rastreio de Portadores/Infetados - Zaragatoa em ambas as narinas; - Zaragatoa de ferida crónica São sinalizados automaticamente como Precauções de Contacto. Ao clicar na imagem, dá a informação seguinte

Norma 018 / 2014 de Prevenção e Controlo de Colonização e Infeção por MRSA PPCIRA / DQS / DGS

Norma 018 / 2014 de Prevenção e Controlo de Colonização e Infeção por MRSA PPCIRA / DQS / DGS Norma 018 / 2014 de Prevenção e Controlo de Colonização e Infeção por MRSA PPCIRA / DQS / DGS Portugal: IH observada / prevista Portugal: As infeções associadas aos cuidados de saúde e o aumento das resistências

Leia mais

PBCI e Resistências aos Antimicrobianos a perspetiva nacional. Isabel Neves Equipa nacional PPCIRA

PBCI e Resistências aos Antimicrobianos a perspetiva nacional. Isabel Neves Equipa nacional PPCIRA PBCI e Resistências aos Antimicrobianos a perspetiva nacional Isabel Neves Equipa nacional PPCIRA Programa de Prevenção de Controlo de Infeções e de Resistências aos Antimicrobianos (PPCIRA) PPCIRA PBCI

Leia mais

Quando Suspender as Precauções?

Quando Suspender as Precauções? Quando Suspender as Precauções? Nuno Canhoto Serviço de Patologia Clínica do SESARAM. E.P.E. Sector de Microbiologia 1 Transmissão dos Microrganismos Vias de transmissão Reservatório/ Fonte Dinâmica da

Leia mais

Contaminação do material de enfermagem em contexto domiciliário

Contaminação do material de enfermagem em contexto domiciliário SEMINÁRIO - Infeções Associadas aos Cuidados de Saúde (IACS) Contaminação do material de enfermagem em contexto domiciliário Cristina Fernandes CCI ACES Pinhal Litoral Coimbra, 2013 Comissão de Controlo

Leia mais

Dia Internacional da Higiene das Mãos

Dia Internacional da Higiene das Mãos Dia Internacional da Higiene das Mãos Prevenção e Controlo da Infeção e da Resistência aos Antimicrobianos PPCIRA Dia 5 de Maio de 2016 Auditório Tomé Pires, INFARMED, Lisboa Paulo André Fernandes Ana

Leia mais

PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS

PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS INFEÇÕES ASSOCIADAS AOS CUIDADOS DE SAÚDE PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS 12 DE NOVEMBRO DE 2013 CRISTINA SOUSA ECR ALENTEJO REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS

Leia mais

A INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A UCCI. NÚMERO DE ESTUDO DA UCCI PROPRIETÁRIO DA UCCI Privado Público Sem fins lucrativos

A INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A UCCI. NÚMERO DE ESTUDO DA UCCI PROPRIETÁRIO DA UCCI Privado Público Sem fins lucrativos Infeção associada a cuidados de saúde, resistência antimicrobiana, uso de antibióticos e recursos para controlo de infeção em unidades de cuidados continuados QUESTIONÁRIO INSTITUCIONAL Nota: Cada Unidade

Leia mais

ERPI Residencial Sénior UCCI Unidade de Longa Duração e Manutenção

ERPI Residencial Sénior UCCI Unidade de Longa Duração e Manutenção ERPI Residencial Sénior UCCI Unidade de Longa Duração e Manutenção António Coelho Edgar Pereira 6º SEMINÁRIO PREVENÇÃO E CONTRO DA INFEÇÃO 1. A Empresa A Doce Viver Lda. Residencial Sénior, é uma empresa

Leia mais

Comemoração do Dia Mundial da Higiene das Mãos e Prevenção e Controlo das Infeções e Resistências aos Antimicrobianos

Comemoração do Dia Mundial da Higiene das Mãos e Prevenção e Controlo das Infeções e Resistências aos Antimicrobianos Comemoração do Dia Mundial da Higiene das Mãos e Prevenção e Controlo das Infeções e Resistências aos Antimicrobianos SANTA CASA DA MISERICORDIA DE TAROUCA UNIDADE DE CUIDADOS CONTINUADOS DE CONVALESCENÇA

Leia mais

Medidas de precaução

Medidas de precaução Medidas de precaução INFLUENZA A (H1N1) GGTES - Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Medidas de Precaução Precauções Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

Implementação das Precauções Básicas Experiência da ULS Matosinhos (Hospital Pedro Hispano)

Implementação das Precauções Básicas Experiência da ULS Matosinhos (Hospital Pedro Hispano) Experiência da ULS Matosinhos (Hospital Pedro Hispano) Dra. Isabel Neves Coordenadora do Grupo Coordenador Local do PPCIRA Unidade Local de Saúde de Matosinhos Lisboa, 5 de maio de 2014 Experiência do

Leia mais

Bundles: a new language and a new methodology

Bundles: a new language and a new methodology Bundles: a new language and a new methodology José Artur Paiva MD, PhD Diretor do Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência a Antimicrobianos Direção Geral da Saúde ERRADO CERTO Métrica

Leia mais

Campanha PBCI. Hospital de Braga. Isabel Veloso

Campanha PBCI. Hospital de Braga. Isabel Veloso Campanha PBCI Hospital de Braga Isabel Veloso 5 Maio, 2016 Campanha de Higiene das Mãos 2008 a 2010 Hospital São Marcos - Braga Campanha de Higiene das mãos Campanha de Higiene das Mãos Campanha de Higiene

Leia mais

Tópico 9 Prevenção e controle de infecções

Tópico 9 Prevenção e controle de infecções Tópico 9 Prevenção e controle de infecções 1 1 Objetivos pedagógicos Demonstrar os efeitos devastadores de uma inadequada realização de prevenção & controle de infecção Mostrar aos estudantes como eles,

Leia mais

REGULAMENTO REG VISITAS 25/06/2013. Enquadramento

REGULAMENTO REG VISITAS 25/06/2013. Enquadramento Enquadramento As visitas constituem, por regra, um forte contributo para a humanização no período de internamento dos utentes, pois permitem garantir o elo entre o utente e a sua rede social. O Hospital

Leia mais

UCCI. I Jornadas PPCIRA. Uma Prioridade Nacional. 16 a 18 novembro Artur Paiva, Paulo André, Goreti Silva e Paula Cruz

UCCI. I Jornadas PPCIRA. Uma Prioridade Nacional. 16 a 18 novembro Artur Paiva, Paulo André, Goreti Silva e Paula Cruz UCCI Uma Prioridade Nacional I Jornadas PPCIRA 16 a 18 novembro 2015 Artur Paiva, Paulo André, Goreti Silva e Paula Cruz Objetivo Geral Transmitir a realidade nacional e definir as prioridades de intervenção

Leia mais

Comissões da Qualidade e Segurança 6ª Reunião novembro/dezembro de 2015

Comissões da Qualidade e Segurança 6ª Reunião novembro/dezembro de 2015 Comissões da Qualidade e Segurança 6ª Reunião novembro/dezembro de 2015 Alexandre Diniz Anabela Coelho Maria João Gaspar AGENDA 1. Enquadramento 2. Ponto de situação sobre a implementação dos projectos

Leia mais

Comissões da Qualidade e Segurança 3ª Reunião, julho de Alexandre Diniz Filipa Homem Christo José Artur Paiva Maria João Gaspar

Comissões da Qualidade e Segurança 3ª Reunião, julho de Alexandre Diniz Filipa Homem Christo José Artur Paiva Maria João Gaspar Comissões da Qualidade e Segurança 3ª Reunião, julho de 2014 Alexandre Diniz Filipa Homem Christo José Artur Paiva Maria João Gaspar AGENDA 1. Planos de Ação das Comissões da Qualidade e Segurança 2. Experiência

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente Check-list Procedimentos de Segurança Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar

Leia mais

A INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A UCC DATA DO ENPI A GENERAL INFORMATION ABOUT THE FACILITY

A INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A UCC DATA DO ENPI A GENERAL INFORMATION ABOUT THE FACILITY Infecção associada a cuidados de saúde, resistência antimicrobiana, uso de antibióticos e recursos para controlo de infecção em unidades de cuidados continuados Anexo V - QUESTIONÁRIO INSTITUCIONAL Nota:

Leia mais

Plano de Contingência para as Temperaturas Extremas Adversas Módulo Inverno 2015

Plano de Contingência para as Temperaturas Extremas Adversas Módulo Inverno 2015 Índice Introdução... 3 Objetivos... 4 Efeitos do frio extremo na saúde...5 Grupos vulneráveis.6 Informação... 8 Medidas de prevenção, proteção e controlo 8 Prestação de cuidados de saúde.....9 Cuidados

Leia mais

PROTOCOLO DE ROTINAS EM ENFERMAGEM SCIH

PROTOCOLO DE ROTINAS EM ENFERMAGEM SCIH 1. Definição Manejo do Paciente Transferido de outro serviço de saúde 1.1 Procedimento que sistematiza o manejo dos pacientes provenientes de outros serviços de saúde suspeitos ou confirmados de estarem

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DE ENFERMAGEM POP CDC Nº041 DATA: 28/07/2014. Revisão: 00 PÁG: 1

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DE ENFERMAGEM POP CDC Nº041 DATA: 28/07/2014. Revisão: 00 PÁG: 1 Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na coleta de secreção através de swab para exames diagnósticos e/ou para pacientes com suspeita de colonização por germes multirresistentes. FINALIDADE Obter secreção

Leia mais

Prevenção e Controlo da Infeção Associada a Cuidados de Saúde (IACS): Higienização das mãos, uma prática na segurança do doente

Prevenção e Controlo da Infeção Associada a Cuidados de Saúde (IACS): Higienização das mãos, uma prática na segurança do doente UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA INVESTIGADOR : Gina Monteiro ORIENTADOR : Anabela Almeida CURSO: Mestrado em Gestão de Unidades

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS INFECÇÕES DE SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)¹ MANUAL DA CCIH. POP nº 10. Versão: 01

CLASSIFICAÇÃO DAS INFECÇÕES DE SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)¹ MANUAL DA CCIH. POP nº 10. Versão: 01 PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO DE CIRURGIA CARDÍACA OBJETIVO Padronizar a prática de medidas preventivas para minimizar a ocorrência de infecção de sítio cirúrgico, destinadas a equipe multiprofissional

Leia mais

Orientações Programáticas

Orientações Programáticas Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e Resistências aos Antimicrobianos Orientações Programáticas 1 - Enquadramento As infeções associadas aos cuidados de saúde dificultam o tratamento adequado

Leia mais

CIRURGIA GERAL. Guia de Acolhimento do Utente. Telf Fax:

CIRURGIA GERAL. Guia de Acolhimento do Utente. Telf Fax: CIRURGIA GERAL Guia de Acolhimento do Utente Telf. 266 740 100 Fax: 266 740 126 www.hevora.min-saude.pt geral@hevora.min-saude.pt Cirurgia Geral Este Guia tem como objetivo fornecer informações simples

Leia mais

Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde - particularidades na criança

Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde - particularidades na criança Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde - particularidades na criança Guarda Junho 2015 Arminda Jorge Particularidades na criança Prematuridade Alteração da barreira cutânea Imunodepressão Ambientes

Leia mais

Vigilância Epidemiológica nas Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais

Vigilância Epidemiológica nas Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais Vigilância Epidemiológica nas Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais Maria Teresa Neto Hospital Dona Estefânia Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Coordenadora do Programa de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

CONTROLO E ERRADICAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DE SUPERFICIES CONTROLO DE INFEÇÃO EM AMBIENTE HOSPITALAR OPERACIONALIDADE COM VPH PPCIRA

CONTROLO E ERRADICAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DE SUPERFICIES CONTROLO DE INFEÇÃO EM AMBIENTE HOSPITALAR OPERACIONALIDADE COM VPH PPCIRA CONTROLO E ERRADICAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO DE SUPERFICIES PPCIRA OPERACIONALIDADE COM VPH CHL CENTRO HOSPITALAR DE LEIRIA HABLO Hospital de Alcobaça HSA Hospital de Santo André HDP Hospital Distrital de Pombal

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE TRATAMENTO DA DOR AGUDA PÓS-OPERATÓRIA

QUESTIONÁRIO SOBRE TRATAMENTO DA DOR AGUDA PÓS-OPERATÓRIA Comissão Nacional para o Controlo da Dor 1 Identificação da Unidade Hospitalar. 1.1 Designação da Unidade Hospitalar 1.2 Designação do Centro Hospitalar (se aplicável) 1.3 Localização da Unidade Hospitalar

Leia mais

Centro de Saúde de Santo António RRCCI UAII - Santo António

Centro de Saúde de Santo António RRCCI UAII - Santo António Centro de Saúde de Santo António RRCCI UAII - Santo António OBJETIVOS: Apresentar a realidade e experiência da UAII de Santo António da RRCCI Divulgar resultados referentes às precauções básicas e higienização

Leia mais

V JORNADAS DA ANCI. Custos versus Benefícios em Controlo de Infeção. Nuno Morujão

V JORNADAS DA ANCI. Custos versus Benefícios em Controlo de Infeção. Nuno Morujão V JORNADAS DA ANCI Custos versus Benefícios em O que é a Qualidade em Saúde? Atributos dos cuidados que permitem definir qualidade em saúde Perspectiva dos Doentes Perspectiva dos Gestores Perspectiva

Leia mais

1. INTRODUÇÃO: CONTEXTO HISTÓRICO. Ignaz Semmelweis

1. INTRODUÇÃO: CONTEXTO HISTÓRICO. Ignaz Semmelweis HIGIENE DAS MÃOS 1. INTRODUÇÃO A higienização das mãos é reconhecida mundialmente como a medida mais simples, de baixo custo e com maior impacto para prevenir as infecções relacionadas à assistência à

Leia mais

INDICADORES TRANSVERSAIS

INDICADORES TRANSVERSAIS INDICADORES TRANSVERSAIS Isabel Neves S. Infeciologia e CCI ULSM, EPE INDICADORES O que são? São ferramentas para avaliar a eficiência, a eficácia, a confiabilidade e a integridade de sistemas de gestão.

Leia mais

Diagnóstico de Situação em Diagnóstico de Situação em 2015 Prioridade II: Reforço da Segurança dos Doentes. Entidade: *

Diagnóstico de Situação em Diagnóstico de Situação em 2015 Prioridade II: Reforço da Segurança dos Doentes. Entidade: * Página 1 de 7 Entidade: * Hospital de Santa Maria Maior (Barcelos) Morada: Código Postal - N.º de camas: ARS: Tipologia: * ACES Hospital/Centro Hospitalar Unidade Local de Saúde PLANO DE ATIVIDADES Preenchimento

Leia mais

Campanha das PBCI. UCCI ERPI/Lares. 8 de novembro 2016 Ana Paula Cruz Direção Nacional do PPCIRA-DGS

Campanha das PBCI. UCCI ERPI/Lares. 8 de novembro 2016 Ana Paula Cruz Direção Nacional do PPCIRA-DGS Campanha das PBCI UCCI ERPI/Lares 8 de novembro 2016 Ana Paula Cruz Direção Nacional do PPCIRA-DGS Parece um principio estranho enunciar como o primeiro requerimento para o hospital que ele não deve causar

Leia mais

MEDIDAS GERAIS DE CONTROLE DE INFECÇÃO.

MEDIDAS GERAIS DE CONTROLE DE INFECÇÃO. DE CONTROLE DE INFECÇÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HIGIENE DAS MÃOS USO CORRETO DE AVENTAL MEDIDAS GERAIS DE HIGIENE ROTINAS DE ISOLAMENTOS E PRECAUÇÕES Lavar sempre as mãos: p Após s qualquer trabalho de

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente 2017

Dimensão Segurança do Doente 2017 SINAS@Hospitais Dimensão Segurança do Doente 2017 Nota explicativa A presente check-list destina-se a integrar a avaliação da qualidade dos estabelecimentos hospitalares no âmbito da dimensão Segurança

Leia mais

Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS

Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS WWW.ACSS.MIN-SAUDE.PT 25 November 2015 Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS setembro 2015 MONITORIZAÇÃO DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE http://benchmarking.acss.min-saude.pt/benchmarking.aspx

Leia mais

Diretrizes Globais para a Prevenção de Infecções de Sítio Cirúrgico

Diretrizes Globais para a Prevenção de Infecções de Sítio Cirúrgico Diretrizes Globais para a Prevenção de Infecções de Sítio Cirúrgico Sumário executivo Introdução As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRASs) são adquiridas por pacientes ao receberem cuidados

Leia mais

Sistemas de Qualidade em Controlo da Infecção

Sistemas de Qualidade em Controlo da Infecção Sistemas de Qualidade em Controlo da Infecção Paula Brito Alguns conceitos de qualidade no controlo da infecção A satisfação alcançada por um serviço, depende das expectativas do utente/doente. Conformidade

Leia mais

Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS julho

Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS julho Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS julho 2015 www.acss.min-saude.pt Monitorização do Serviço Nacional de Saúde http://benchmarking.acss.min-saude.pt/benchmarking.aspx 2 Monitorização

Leia mais

Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle.

Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle. INFORME TÉCNICO XXXVII Outubro 2010 Infecções causadas por microrganismos multi-resistentes: medidas de prevenção e controle. Definição de microorganismos multi-resistentes: São microrganismos resistentes

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS INFEÇÕES NOSOCOMIAIS DA CORRENTE SANGUÍNEA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS INFEÇÕES NOSOCOMIAIS DA CORRENTE SANGUÍNEA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS INFEÇÕES PNCI, Departamento da Qualidade na Saúde PNCI Autores Elaine Pina Maria Goreti Silva Colaboração de: Nuno Janeiro José Artur Paiva Luis Lito Etelvina Ferreira PNCI,

Leia mais

Precauções básicas e equipamento de proteção individual

Precauções básicas e equipamento de proteção individual Precauções básicas e equipamento de proteção individual Vacinação 1 Normas de higiene Todos os profissionais devem manter uma boa higiene pessoal. As unhas devem ser mantidas curtas e limpas. Não se devem

Leia mais

Custos hospitalares associados às IACS. Anabela Almeida

Custos hospitalares associados às IACS. Anabela Almeida Custos hospitalares associados às IACS Introdução Definição de Infecção Associada aos Cuidados de Saúde (IACS) É uma infecção que ocorre num utente durante a prestação de cuidados no hospital, ou em qualquer

Leia mais

Precauções em controlo de. Maria Teresa Neto

Precauções em controlo de. Maria Teresa Neto Precauções em controlo de infecção Maria Teresa Neto Tipos de precauções Precauções universais Precauções baseadas na via de transmissão Precauções universais Indicação para serem aplicadas a todos os

Leia mais

recipiente de roupa o paciente pelo suja após a conclusão hospital.

recipiente de roupa o paciente pelo suja após a conclusão hospital. Paciente que necessite Quando a transferência Quando o transporte é fazer exames em ou movimento entre as necessário, cobrir outras áreas do unidades de saúde é áreas do paciente hospital, os necessário,

Leia mais

Curso Técnico Auxiliar de Saúde 10º ano Turma C. Disciplina: Higiene, Segurança e Cuidados Gerais. Ficha de Avaliação Sumativa B

Curso Técnico Auxiliar de Saúde 10º ano Turma C. Disciplina: Higiene, Segurança e Cuidados Gerais. Ficha de Avaliação Sumativa B Curso Técnico Auxiliar de Saúde 10º ano Turma C Disciplina: Higiene, Segurança e Cuidados Gerais Módulo: Prevenção e controlo da infeção: princípios básicos na prestação de cuidados de saúde Ficha de Avaliação

Leia mais

Dimensão Focalização no Utente. Check-list Focalização no Utente

Dimensão Focalização no Utente. Check-list Focalização no Utente 1. Consentimento informado Check-list Focalização no Utente 1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 Tem formalmente aprovada uma política de obtenção do consentimento informado e esclarecido para atos clínicos É garantido

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLO DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS COM RESISTÊNCIA À METICILINA (MRSA) NA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DE MATOSINHOS, EPE (ULSM)

POLÍTICA DE CONTROLO DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS COM RESISTÊNCIA À METICILINA (MRSA) NA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DE MATOSINHOS, EPE (ULSM) POLÍTICA DE CONTROLO DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS COM RESISTÊNCIA À METICILINA (MRSA) NA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DE MATOSINHOS, EPE (ULSM) Isabel Neves Trabalho desenvolvido pela CCI e S. Patologia Clínica

Leia mais

SUSTENTABILIDADE. Paulo André Fernandes Maria Goreti Silva Ana Paula Cruz

SUSTENTABILIDADE. Paulo André Fernandes Maria Goreti Silva Ana Paula Cruz SUSTENTABILIDADE Paulo André Fernandes Maria Goreti Silva Ana Paula Cruz Auditório Tomé Pires, INFARMED, Lisboa 5 de maio 2016 Dia mundial da Higiene das Mãos e Prevenção e Controlo de Infeção e Resistências

Leia mais

Colheita de produtos biológicos destinados à investigação laboratorial virológica

Colheita de produtos biológicos destinados à investigação laboratorial virológica Doença humana por vírus da gripe de origem aviária A(H5N1) Período de Alerta Pandémico Fase 3 (Baixa probabilidade de aparecimento de casos esporádicos na Europa) Colheita de produtos biológicos destinados

Leia mais

REGULAMENTO DE VISITAS do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, EPE

REGULAMENTO DE VISITAS do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, EPE REGULAMENTO DE VISITAS do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, EPE Capítulo I Artigo 1º Objeto O presente regulamento estabelece as normas e os procedimentos que regem as visitas ao Centro Hospitalar do

Leia mais

Hospital de Proximidade de Amarante

Hospital de Proximidade de Amarante Hospital de Proximidade de Amarante Novo Hospital de Amarante: Saúde de Proximidade A funcionar desde Dezembro do ano passado, e dotado das mais avançadas tecnologias, o novo Hospital de Amarante é a concretização

Leia mais

VI Jornadas ANCI Combater a infeção e as resistências: Problema e Desafio BUNDLE DO CATETER URINÁRIO

VI Jornadas ANCI Combater a infeção e as resistências: Problema e Desafio BUNDLE DO CATETER URINÁRIO VI Jornadas ANCI Combater a infeção e as resistências: Problema e Desafio BUNDLE DO CATETER URINÁRIO Cidália Silva 13 de Março de 2015 CONTEÚDOS Enquadramento e Metodologia Grelha de observação Resultados

Leia mais

5 de maio. Experiências de Implementação da Campanha das Precauções Básicas de Controlo de Infeção CHL CENTRO HOSPITALAR DE LEIRIA

5 de maio. Experiências de Implementação da Campanha das Precauções Básicas de Controlo de Infeção CHL CENTRO HOSPITALAR DE LEIRIA CHL CENTRO HOSPITALAR DE LEIRIA Experiências de Implementação da Campanha das Precauções Básicas de Controlo de Infeção Dia Mundial da Higienização das Mãos A NOSSA HISTÓRIA INICIO DA CAMPANHA 2009 TAXA

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES ASSOCIADAS AOS CUIDADOS DE SAÚDE - PCI NORMA Nº 709

PROGRAMA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES ASSOCIADAS AOS CUIDADOS DE SAÚDE - PCI NORMA Nº 709 Página: 1/9 1- OBJETIVO Definir as ações pertinentes ao controle de infecções associadas aos cuidados de saúde na instituição. 2- DEFINIÇÕES 2.1- Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) Por

Leia mais

Mortalidade e Morbilidade das I.A.C.S. em Portugal

Mortalidade e Morbilidade das I.A.C.S. em Portugal Mortalidade e Morbilidade das I.A.C.S. em Portugal Introdução Em 1930 a D.G.S. aborda o problema Em 1974 vai a enf.franco Henriques ao grupo de trabalho do Conselho da Europa Em 1978 criada a 1ª CCI,no

Leia mais

PROCESSO Revisão Pág. Nº. Medidas de Isolamento em caso de Micobacterium Tuberculosis Mês/Ano

PROCESSO Revisão Pág. Nº. Medidas de Isolamento em caso de Micobacterium Tuberculosis Mês/Ano () c) 1 Total de Pág.6 1. OBJECTIVO: Diminuir transmissão do agente infeccioso, isolado ou suspeito, tendo como pontos de referência o doente/utente e a sua unidade; Diminuir risco de surto infeccioso;

Leia mais

ADESÃO DAS UNIDADES DE SAÚDE À CAMPANHA DAS PRECAUÇÕES BÁSICAS DE CONTROLO DE INFEÇÃO (CPBCI) Informação Aos Órgãos de Gestão das Unidades de Saúde

ADESÃO DAS UNIDADES DE SAÚDE À CAMPANHA DAS PRECAUÇÕES BÁSICAS DE CONTROLO DE INFEÇÃO (CPBCI) Informação Aos Órgãos de Gestão das Unidades de Saúde ADESÃO DAS UNIDADES DE SAÚDE À CAMPANHA DAS PRECAUÇÕES BÁSICAS DE CONTROLO DE INFEÇÃO (CPBCI) Informação Aos Órgãos de Gestão das Unidades de Saúde De: Direção do PPCIRA, DGS/DQS. Contactos: e-mail: ppcira@dgs.pt;

Leia mais

Projeto de Resolução nº 906/XIII/2ª

Projeto de Resolução nº 906/XIII/2ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Resolução nº 906/XIII/2ª Recomenda ao Governo a tomada de medidas urgentes que permitam o cumprimento da lei no que respeita à redução do número

Leia mais

GÉIS CONDUTORES E LUBRIFICANTES

GÉIS CONDUTORES E LUBRIFICANTES GÉIS CONDUTORES E LUBRIFICANTES Sumário Os géis condutores e os lubrificantes de dispositivos médicos são produtos usados rotineiramente na prática clínica. Apesar de se saber que muitas das infecções

Leia mais

PROTOCOLO DE ROTINAS EM ENFERMAGEM

PROTOCOLO DE ROTINAS EM ENFERMAGEM Data de 1. Definição - Manejo do paciente sob Precaução Respiratória para Gotículas (PG) 1.1 Refere-se a pacientes com suspeita ou confirmação de doenças com transmissão por gotículas. Exemplo: Caxumba,

Leia mais

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS

GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Algarve, IP GRUPO TÉCNICO DE FERIDAS grupotecnicodeferidas@arsalgarve.min-saude.pt Estudos Estudo realizado na Região em 2005 (CC Infecção/Centro

Leia mais

1. Identificação do Serviço. 2. Idoneidade e capacidade formativa CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS PARA ATRIBUIÇÃO DE CAPACIDADES FORMATIVAS PEDIATRIA

1. Identificação do Serviço. 2. Idoneidade e capacidade formativa CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS PARA ATRIBUIÇÃO DE CAPACIDADES FORMATIVAS PEDIATRIA CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS PARA ATRIBUIÇÃO DE CAPACIDADES FORMATIVAS PEDIATRIA 1. Identificação do Serviço Hospital : Serviço: Endereço : Tel. Email: Fax : Director de Serviço : Inscrito no Colégio da

Leia mais

Enterobactérias são microrganismos comumente encontrados na microbiota intestinal. Podem

Enterobactérias são microrganismos comumente encontrados na microbiota intestinal. Podem Introdução: Enterobactérias são microrganismos comumente encontrados na microbiota intestinal. Podem causar infecções em pacientes suscetíveis, tais como pacientes em Unidades de Terapia Intensiva, portadores

Leia mais

INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS

INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno GRAÇA FREITAS Direção-Geral da Saúde 17/12/2014 1 INFEÇÕES RESPIRATÓRIAS Plano de Prevenção e Resposta para o Outono/Inverno Plano:

Leia mais

NORMAS DE PROCEDIMENTO APÓS EXPOSIÇÃO ACIDENTAL A MATERIAL POTENCIALMENTE CONTAMINADO

NORMAS DE PROCEDIMENTO APÓS EXPOSIÇÃO ACIDENTAL A MATERIAL POTENCIALMENTE CONTAMINADO NORMAS DE PROCEDIMENTO APÓS EXPOSIÇÃO ACIDENTAL A MATERIAL POTENCIALMENTE CONTAMINADO Medidas Imediatas: 1 Picada ou Corte - Limpeza imediata da zona lesada com água e sabão. 2 Contacto com a pele ou mucosas

Leia mais

livre de risco, perigo ou lesão No âmbito das UPCS

livre de risco, perigo ou lesão No âmbito das UPCS Amália Espada AMBIENTE SEGURO? SEC? Conceito AMBIENTE SEGURO livre de risco, perigo ou lesão Espaço que nos rodeia e no qual as pessoas não correm risco de infeção ou outros. No âmbito das UPCS Práticas

Leia mais

Despacho nº 04/2016. O Despacho n.º 6401/2016, do Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, de 11 de maio,

Despacho nº 04/2016. O Despacho n.º 6401/2016, do Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, de 11 de maio, Despacho nº 04/2016 O Despacho n.º 6401/2016, do Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, de 11 de maio, publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 94, de 16 de maio, determinou o desenvolvimento,

Leia mais

Curso Técnico Auxiliar de Saúde 10º ano Turma C. Disciplina: Higiene, Segurança e Cuidados Gerais. Ficha de Avaliação Sumativa A

Curso Técnico Auxiliar de Saúde 10º ano Turma C. Disciplina: Higiene, Segurança e Cuidados Gerais. Ficha de Avaliação Sumativa A Curso Técnico Auxiliar de Saúde 10º ano Turma C Disciplina: Higiene, Segurança e Cuidados Gerais Módulo: Prevenção e controlo da infeção: princípios básicos na prestação de cuidados de saúde Ficha de Avaliação

Leia mais

GUIA DE ACOLHIMENTO INTERNAMENTO

GUIA DE ACOLHIMENTO INTERNAMENTO GUIA DE ACOLHIMENTO INTERNAMENTO HOSPITAL PEDIÁTRICO CENTRO HOSPITALAR E UNIVERSITÁRIO DE COIMBRA GUIA DE ACOLHIMENTO INTERNAMENTO HOSPITAL PEDIÁTRICO CENTRO HOSPITALAR E UNIVERSITÁRIO DE COIMBRA As pessoas

Leia mais

PROPOSTA DE ESTÁGIO OPCIONAL PARA MÉDICOS INTERNOS DO 5º ANO DA FORMAÇÃO ESPECÍFICA DE ANESTESIOLOGIA

PROPOSTA DE ESTÁGIO OPCIONAL PARA MÉDICOS INTERNOS DO 5º ANO DA FORMAÇÃO ESPECÍFICA DE ANESTESIOLOGIA PROPOSTA DE ESTÁGIO OPCIONAL PARA MÉDICOS INTERNOS DO 5º ANO DA FORMAÇÃO ESPECÍFICA DE ANESTESIOLOGIA Estágio em Unidade de Cuidados Intermédios e Emergência (Ao abrigo da Portaria 49/2011 de 26 de Janeiro)

Leia mais

21/04/2014. Infecção nosocomial. Infecção nosocomial. Infecção nosocomial. Infecção nosocomial. Infecção nosocomial

21/04/2014. Infecção nosocomial. Infecção nosocomial. Infecção nosocomial. Infecção nosocomial. Infecção nosocomial Microrganismos causadores de infecções hospitalares 1. Bactérias Pode-se distinguir entre: a) Bactérias comensais que constituem a flora normal de indivíduos saudáveis. Algumas bactérias comensais podem

Leia mais

Prevenção de infeções em Meio Hospitalar

Prevenção de infeções em Meio Hospitalar Prevenção de infeções em Meio Hospitalar Enfermeira Susana Mendes Membro dinamizador do GCLPPCIRA do CHLC, no SDI do HCC 01/10/2015 Objetivos Divulgar indicações de controlo de infeções e resistência aos

Leia mais

Test. este Xpert MTB/RIF. Ferramenta de avaliação e monitorização clínica Visita de avaliação global

Test. este Xpert MTB/RIF. Ferramenta de avaliação e monitorização clínica Visita de avaliação global Test este Xpert MTB/RIF Ferramenta de avaliação e monitorização clínica Visita de avaliação global Esta ferramenta destina-se a ser utilizado por pessoal / consultores que realizam visitas de monitorização

Leia mais

Financiamento Hospitalar Cirurgia em ambulatório Vs Cirurgia em Internamento. Papel da Informática na Facturação

Financiamento Hospitalar Cirurgia em ambulatório Vs Cirurgia em Internamento. Papel da Informática na Facturação Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio Financiamento Hospitalar Cirurgia em ambulatório Vs Cirurgia em Internamento 4º Encontro Nacional dos Médicos Auditores e Codificadores Clínicos (AMACC) 2 e 3 Março

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade DOCUMENTO: PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS Página: 1/29 Definição: As práticas de precauções e isolamento vêm sendo utilizadas há muito tempo como uma estratégia para prevenção e controle de doenças transmissíveis.

Leia mais

Atualização Ebola 18/11/15

Atualização Ebola 18/11/15 Atualização Ebola 18/11/15 Os países Serra Leoa e Libéria já são considerados pela Organização Mundial de Saúde como países livre da epidemia de ebola, pois há mais de 42 dias não apresentam casos novos

Leia mais

CONCEITO Consiste na coleta de uma amostra de urina com técnica asséptica em um coletor de plástico estéril.

CONCEITO Consiste na coleta de uma amostra de urina com técnica asséptica em um coletor de plástico estéril. Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na coleta de uma amostra de urina com técnica asséptica em um coletor de plástico estéril. FINALIDADE Detectar e identificar a presença de microorganismos patogênicos

Leia mais

GUIA DE ACOLHIMENTO À GRÁVIDA

GUIA DE ACOLHIMENTO À GRÁVIDA GUIA DE ACOLHIMENTO À GRÁVIDA Departamento Materno-Infantil OBSTETRÍCIA (Bloco de Partos e U.I. Obstetrícia - CHAlgarve Portimão) 2º Piso Este Guia de Acolhimento é um útil auxiliar para nos ficar a conhecer

Leia mais

C O M P E T Ê N C I A S A D E S E N V O L V E R :

C O M P E T Ê N C I A S A D E S E N V O L V E R : AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA ANO LETIVO 2015-2016 CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE DISCIPLINA: HIGIENE, SEGURANÇA E CUIDADOS GERAIS 10º ANO TURMA F DOCENTE:

Leia mais

COLETA DE SANGUE PARA HEMOCULTURA

COLETA DE SANGUE PARA HEMOCULTURA COLETA DE SANGUE PARA HEMOCULTURA Finalidade, Consiste na coleta de amostra de sangue para cultura, com fins de isolar microrganismos na suspeita de infecção de corrente sanguínea e de endocardite, constituindo-se

Leia mais

Campanha Nacional da Higiene das Mãos no Centro Hospitalar do Porto

Campanha Nacional da Higiene das Mãos no Centro Hospitalar do Porto Campanha Nacional da Higiene das Mãos no Centro Hospitalar do Porto HSA MJD HMP Comissão de Controlo de Infeção Implementação da Campanha de Higiene das Mãos Avaliação das estruturas e aumento do nº de

Leia mais

MEDICINA PÓS OPERATÓRIA UNIDADE DE DOR AGUDA

MEDICINA PÓS OPERATÓRIA UNIDADE DE DOR AGUDA MEDICINA PÓS OPERATÓRIA UNIDADE DE DOR AGUDA Sessão Clínica Hospitalar Hospital Fernando Fonseca Departamento de Anestesiologia, Reanimação e Terapêutica da Dor Director : Dr. Lucindo Ormonde Coordenadora

Leia mais

Medidas de protecção individual em serviços de saúde *

Medidas de protecção individual em serviços de saúde * Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase pandémica 5 - OMS Medidas de protecção individual em serviços de saúde * Estas medidas devem ser implementadas em todos os serviços de prestação de cuidados

Leia mais

Novo Hospital de Proximidade de Lamego

Novo Hospital de Proximidade de Lamego Novo Hospital de Proximidade de Lamego 1 CONCEITO O hospital de proximidade é um conceito inovador, em desenvolvimento na Europa, cujo objectivo é aproximar a prestação de cuidados de saúde diferenciados

Leia mais

Proposta de Estágio Opcional de. Anestesiologia em Cirurgia Vascular

Proposta de Estágio Opcional de. Anestesiologia em Cirurgia Vascular Serviço de Anestesiologia do Centro Hospitalar Lisboa Norte 1 Proposta de Estágio Opcional de Anestesiologia em Cirurgia Vascular Preparado para: Colégio de Anestesiologia da Ordem dos Médicos Preparado

Leia mais

PROGRAMA CQH - COMPROMISSO COM A QUALIDADE HOSPITALAR INDICADORES HOSPITAIS SELADOS TAXA DE OCUPAÇÃO HOSPITALAR*

PROGRAMA CQH - COMPROMISSO COM A QUALIDADE HOSPITALAR INDICADORES HOSPITAIS SELADOS TAXA DE OCUPAÇÃO HOSPITALAR* TAXA DE OCUPAÇÃO HOSPITALAR* 100% 90% 80% 70% Mediana 76,65% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 3º trimestre de 2008 1 ÍNDICE DE ROTATIVIDADE DO LEITO* 9,0 8,0 7,0 Mediana 5,88 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 3º trimestre

Leia mais

Prioridades em Segurança do doente

Prioridades em Segurança do doente Prioridades em Segurança do doente Ana Cristina Costa No decurso das últimas duas décadas a segurança do doente está no centro das atenções das políticas de saúde e é uma prioridade por parte de múltiplos

Leia mais

Controlo de Infeção Evolução - Atualidade. Aura Gonçalves

Controlo de Infeção Evolução - Atualidade. Aura Gonçalves Controlo de Infeção Evolução - Atualidade Aura Gonçalves Passado Controlo Infeção Evolução-Atualidade Os livros Sagrados Hindus 1400 a 1200 a.c. Referem a necessidade de desinfetar e higienizar para evitar

Leia mais

Unidade de Hemato-oncologia Pediátrica Hospital Pediátrico Integrado Centro Hospitalar São João. Maria do Bom-Sucesso Coordenadora 1.11.

Unidade de Hemato-oncologia Pediátrica Hospital Pediátrico Integrado Centro Hospitalar São João. Maria do Bom-Sucesso Coordenadora 1.11. Unidade de Hemato-oncologia Pediátrica Hospital Pediátrico Integrado Centro Hospitalar São João Maria do Bom-Sucesso Coordenadora 1.11.14 UHOP O prognóstico dos tumores pediátricos é determinado pela precocidade

Leia mais

Somos parceiros na conquista da sua autonomia

Somos parceiros na conquista da sua autonomia MANUAL DE ACOLHIMENTO UNIDADE DE CONVALESCENÇ A DE VILA POUC A DE AGUIAR Somos parceiros na conquista da sua autonomia Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, E.P.E. Estrada Nacional nº2 5450-011

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Promoção a Saúde do Trabalhador da Saúde: O uso de Luvas e a lavagem correta das mãos entre os profissionais da

Leia mais

Comissões da Qualidade e Segurança 4ª Reunião outubro/novembro de Alexandre Diniz Anabela Coelho Maria João Gaspar

Comissões da Qualidade e Segurança 4ª Reunião outubro/novembro de Alexandre Diniz Anabela Coelho Maria João Gaspar Comissões da Qualidade e Segurança 4ª Reunião outubro/novembro de 2014 Alexandre Diniz Anabela Coelho Maria João Gaspar AGENDA 1. Implementação da Tabela Nacional de Funcionalidade 2. Implementação do

Leia mais