PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO"

Transcrição

1 ESTRATÉGIAS E PLANOS 1

2 PROGRAMA DO CURSO 4 horas Introdução Acordos / Objetivos do curso / conceitos Metodologia / Etapas do PE Oceano Vermelho / Oceano Azul Matriz Swot / Análise de Ambientes Missão / Visão / Valores Objetivos / Metas / Planos de Ação Diretrizes Como divulgar Como construir / alinhar 2

3 INTRODUÇÃO RECEPÇÃO E INTEGRAÇÃO DOS PARTICIPANTES Nome: Empresa: Função: Experiência com a área de qualidade: Expectativas com o curso: 3

4 ACORDOS Desligar o telefone celular Conhecer as facilidades do local Utilizar os intervalos para contatos Respeitar os horários Usar o crachá em local visível Aguardar em silêncio o término dos trabalhos em grupo pelos colegas 4

5 OBJETIVOS GERAIS DO CURSO Entender as etapas do Planejamento Estratégico Entender a Matriz SWOT / Análise de Ambientes Habilitar o participante a estabelecer, formalizar e divulgar a Visão de Futuro, Missão e Valores da sua organização; Capacitá-lo a elaborar Planos de Ação alinhados às Estratégias estabelecidas. 5

6 O Planejamento Estratégico é avaliado no CRITÉRIO 2 - ESTRATÉGIAS E PLANOS do Instrumento de Avaliação das Práticas de Gestão IAPG. MISSÃO/ VISÃO DE FUTURO/VALORES Como estabelecer Como formalizar Como divulgar ESTRATÉGIAS Como estabelecer Como formalizar Como divulgar PLANOS DE AÇÃO Como estabelecer Como alinhar às estratégias 6

7 O que é estratégia? 7

8 8

9 Planejamento Estratégico Processo gerencial que busca desenvolver e manter um ajuste entre os objetivos e recursos da organização e as oportunidades de mercado em permanente modificação. Kotler 9

10 O que é Estratégia? Administrar estrategicamente é um processo contínuo e interativo que visa manter a organização como um conjunto apropriadamente integrado a seu ambiente. No ambiente atual de concorrência, não é mais suficiente gerenciar a empresa como um objeto específico; é preciso gerenciar o negócio da empresa, envolvendo fatores, influências, recursos e variáveis externas e internas, buscando competitividade. Com o planejamento estratégico, não se pretende adivinhar o futuro. O intuito é traçar objetivos futuros viáveis e propor ações para alcançá-los. 10

11 COMO ESTABELECER AS ESTRATÉGIAS OU OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Estratégia é o caminho escolhido para concentrar esforços com o objetivo de tornar real a visão da organização. Os objetivos estratégicos representam o que será realizado para construir a Visão de Futuro e cumprir a Missão. 11

12 COMO FORMALIZAR AS ESTRATÉGIAS Após o estabelecimento das Estratégias (objetivos), a organização deve formalizá-las e divulgá-las a todas suas partes interessadas pertinentes, de acordo com o seu perfil. Como formalizar as Estratégias? Exemplos: Inserindo-as no Manual da Qualidade, na documentação referente ao Planejamento Estratégico, Mapa Estratégico, no Código de Conduta da Organização, nos manuais de treinamento e de integração dos colaboradores, em ata de reunião, etc. 12

13 Conceitos - Objetivos, Estratégias e Planos de Ação OBJETIVOS (Onde queremos chegar?) (O quê?) São resultados quantitativos e qualitativos (essenciais à sobrevivência) que a empresa deverá alcançar em determinado período, como efeito das estratégias eleitas. Devem ser definidos em conjunto com o corpo gerencial. ESTRATÉGIAS (Por onde vamos chegar?) (Como?) Formas através das quais se alcançarão os objetivos da empresa. Devem ser concretas e consistentes entre si. 13

14 Objetivos, Estratégias e Planos de Ação PLANOS DE AÇÃO Desdobramento operacional (ações específicas) das estratégias escolhidas, que deverão ser implementadas para atingir os objetivos. Qualquer estratégia só é boa se a execução for boa. Devem ser traduzidos em orçamentos operacionais. 14

15 Metodologia Como fazer o PE? Identificar Quem somos? Identidade Organizacional, Missão, Visão e Valores Onde estamos? Análise do ambiente: Análise do ambiente externo e interno Para onde vamos? Visão, Objetivos Como chegaremos lá? Delineamento das estratégias Como saber se estamos no caminho? Identificação e acompanhamento de indicadores, Controle dos planos de ação 15

16 Etapas do Planejamento Estratégico Quem somos oceano vermelho e oceano azul Análise de cenários Macro e Microambiente Diagnóstico: matriz SWOT Definição da Missão Identificação da visão de futuro Determinação de objetivos Formulação de estratégias Desdobramento das estratégias em planos de ação. 16

17 Método Como fazer o PE? Quem somos? Crenças & Valores Negócio Missão Direção Corporativa Onde estamos hoje? Análise do Ambiente Interno Externo Para onde vamos? Visão de Futuro Objetivos Estratégicos Direção das Unidades de Negócio FORMULAÇÃO DA ESTRATÉGIA Como chegaremos lá? Nível Corporativo Nível de Processos Nível Funcional 17

18 Oceano Vermelho Concorrência Feroz Demanda estacionada Comoditização Tratamento de coisas como se fossem mercadorias Diminuição de Lucros Regras setoriais bem-definidas 6:34:

19 Oceano Azul Mercado Inexplorado Demanda em ascensão Inovação com Valor Alta Lucratividade Expansão das Fronteiras Setoriais 6:34:

20 Oceano Vermelho Oceano Azul Indústria Foca em competir com rivais Observa setores alternativos. Grupos Estratégicos Grupos de Compradores Escopo de produto e serviço oferecidos Orientação funcional e emocional Foca em competir com grupos estratégicos do seu setor. Foco em melhor servir um grupo de compradores. Foca em oferecer o máximo de valor, dentro das fronteiras do mercado. Foca em melhorar a relação preço-performance, dentro da orientação funcional e emocional do setor. Observa grupos estratégicos alternativos do seu setor. Redefine o grupos de compradores do setor. Observa produtos e serviços complementares. Reavalia a orientação funcional e emocional do setor. Tempo 6:34:46 Foca na adaptação a tendências, assim que elas ocorrem. Participa da formação de tendências

21 21

22 22

23 23

24 Concentre-se nos pontos fortes, reconheça as fraquezas, agarre as oportunidades e proteja-se contra as ameaças. (SUN TZU, 500 a.c.) 24

25 25

26 26

27 27

28 28

29 Elementos do PE 29

30 30

31 Identidade Organizacional: Missão Visão Valores 31

32 Descobrir as coordenadas Missão da Empresa - Como estabelecer O oceano (mercado) em que o barco (empresa) tem melhor navegabilidade. 32

33 MISSÃO Qual é o seu papel no mundo 33

34 O que é Missão? Quem somos? O que fazemos? Para quem fazemos? De que modo nos propomos a fazer? A Missão organizacional esclarece o compromisso e dever da empresa para com a sociedade. Essencialmente ela estabelece o que a empresa faz, dentro de seu negócio. É a proposta para a qual, ou razão pela qual uma organização existe. 34

35 Importância da Missão da organização Ela ajuda a concentrar o esforço das pessoas para uma direção comum. Ela ajuda a assegurar que a organização não persiga propósitos conflitantes. Ela serve de base lógica geral para alocar recursos organizacionais. Ela estabelece áreas amplas de responsabilidade por tarefa dentro da organização. Ela atua como base para o desenvolvimento de objetivos organizacionais. A DEFINIÇÃO DA MISSÃO DELIMITA E PERMITE A BUSCA DA COMPETÊNCIA! 35

36 Fórmula básica de uma declaração de Missão VERBO DE AÇÃO + COMPLEMENTO + DESAFIO O que fazemos? De que modo fazemos? e/ou Para quem fazemos? Qual o nosso desafio? A Missão deve ser escrita após ampla discussão em todos os níveis da empresa. Ela servirá para que todos os integrantes tenham a mesma percepção do significado e da finalidade da empresa. 36

37 Missão da empresa É a razão de ser da empresa Resposta de Qual o seu propósito? É o que a empresa faz. As principais conquistas para os próximos anos O Estabelecimento da direção organizacional 37

38 Os 4 pilares básicos da Missão Competências Tendências Mercado Missão Produtos e Serviços Clientes 38

39 Como Escrever a Missão Ação O Que Para Quem Como Fazer, produzir, atender, etc. Promover Produto ou Serviço. a transferência de tecnologia Perfil do cliente ou mercado. entre a Sociedade e a universidade Diferencial, imagem percebida. de forma autosustentada 39

40 40

41 Missão Promover a competitividade no Rio Grande do Sul para melhoria da qualidade de vida das pessoas através da busca da excelência em gestão com foco na sustentabilidade. 41

42 42

43 Visão de Futuro A melhor maneira de prever o futuro é inventá-lo. Alan Kay 43

44 Visão de Futuro Empresas que chegaram à liderança global nos últimos 20 anos invariavelmente começaram com ambições desproporcionais aos seus recursos e capacidades. Elas criaram, em todos os níveis da organização, uma obsessão por vencer e sustentavam essa obsessão por anos na busca da liderança. Hamel & Prahalad, HBR, May-June, p

45 Visão de Futuro Construção de cenários e objetivos a serem buscados pela empresa em um futuro de médio prazo, considerando as atuais tendências e influências, visando a sua competitividade. Aspetos principais: negócios mercados produtos e serviços 45

46 A VISÃO PINTA UM QUADRO DE ONDE VOCÊ QUER QUE A EMPRESA CHEGUE, E O QUE VOCÊ QUER QUE ELA SEJA. Por quê ter uma Visão de Futuro? Controlar melhor o destino da empresa. Questionar o estado atual confortável (perceber que o atual sucesso operacional não é garantia para o futuro) ou inadequado. Instigar a necessidade de se livrar dos problemas atuais. Tornar o comportamento incongruente mais perceptível. Promover um sonho comum e coordenar o trabalho em equipe. Criar a necessidade de obter mais recursos para o negócio. Provocar a exploração de uma nova oportunidade ou ameaça. 46

47 Características de uma Visão de Futuro Clara, abrangente e detalhada. Visões de futuro atrativas têm um grande poder. Organizações impulsionadas por uma Visão conseguem canalizar a energia que resulta de sua própria clareza de direção e foco. Desafiadora e inspiradora. A criação da visão é a base para as melhorias que rompem com os paradigmas vigentes. 47

48 Características de uma Visão de Futuro Compartilhada pelas pessoas da organização. Sem uma visão compartilhada, novas formas de pensar ou agir são reprimidas pela força de como as coisas eram no passado. Motivante e inovadora. As pessoas imediatamente sentem esperança e motivação, bem como medo e ansiedade em relação às mudanças. Desenvolvida pelo líder. As pessoas querem um senso de direção e propósito para cooperarem com as ações da organização. 48

49 Visão de Futuro Ser referência mundial na promoção da qualidade e gestão para a competitividade da sua região. 49

50 50

51 Revisando conceitos: A Visão da empresa Uma descrição viva de um futuro desejado, desafiador e estimulante. Um ponto com latitude, longitude e prazo. 51

52 Definição / Revisão da Identidade O que a empresa deseja ser Personalidade e caráter da empresa. Suas aspirações e crenças. Apontar um caminho para o futuro. Representa as maiores esperanças e sonhos da empresa. Não estabelece ou expressa fins quantitativos. 52

53 OUTROS EXEMPLOS DE VISÃO DE FUTURO Atuar com criatividade, imaginação e muita responsabilidade para preservar a magia Walt Disney WaltDisney (Parque de Diversões) Atuar com responsabilidade social, ciência baseada na inovação, com honestidade, integridade e lucratividade, sempre com benefício para a humanidade Visão da Merck, Inc. (Indústria Farmacêutica) "Garantir que nossos clientes sempre voltem em busca de boa comida, serviço atencioso e clima agradável. Visão da The Applewood Café (Pequeno Restaurante) 53

54 OUTROS EXEMPLOS DE VISÃO DE FUTURO Universidade Federal de Santa Maria Missão Construir e difundir conhecimento, comprometida com a formação de pessoas capazes de inovar e contribuir com o desenvolvimento da sociedade, de modo sustentável. Visão Ser reconhecida como uma instituição de excelência na construção e difusão do conhecimento, comprometida com o desenvolvimento da sociedade, de modo inovador e sustentável. 54

55 OUTROS EXEMPLOS DE VISÃO DE FUTURO PETROBRÁS - Estratégia Corporativa Crescimento integrado, rentabilidade e responsabilidade socioambiental são as palavraschave de nossa estratégia corporativa. É a partir da atuação nesses três pilares que construímos a Missão e a Visão 2020, de forma transparente e com olhos atentos ao que acontece no Brasil e no mundo. Missão Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nos mercados nacional e internacional, fornecendo produtos e serviços adequados às necessidades dos clientes e contribuindo para o desenvolvimento do Brasil e dos países onde atua. Visão 2020 Seremos uma das cinco maiores empresas integradas de energia do mundo e a preferida pelos nossos públicos de interesse. Valores Descritos no Plano Estratégico, os valores são a forma como a Companhia pauta suas estratégias, ações e projetos. Eles devem estar presentes na condução das atividades e refletir o jeito de ser da Petrobras. 55

56 CONCEITOS E MÉTODOS DE EXECUÇÃO Visão de Futuro: O que aspiramos ser? A Visão de Futuro de uma organização deve ser a imagem daquilo que os seus colaboradores aspiram que ela seja ou se torne. KARL ALBRECHT. O que torna um enunciado de Visão de Futuro efetivo? a) Um conceito claro; b) Uma noção de propósito nobre; c) Uma chance plausível de sucesso. 56

57 MAIS ALGUNS EXEMPLOS DE VISÃO DE FUTURO NATURA COSMÉTICOS Nosso negócio é constituído por um trinômio indissociável: A criação de produtos cosméticos, para cuidados pessoais e complementos nutricionais, inovadores, com alta qualidade e tecnologia, com preços competitivos, que incorporem nossa Razão de Ser, reflitam nossas Crenças e cheguem aos nossos consumidores por meio de pessoas entusiasmadas e capacitadas que propiciem um atendimento personalizado. A criação de oportunidades de ganhos materiais, desenvolvimento pessoal e o cultivo de relações enriquecedoras, para pessoas ou famílias que queiram exercer em tempo parcial ou total uma atividade independente: levar os produtos Natura aos consumidores finais, pessoalmente ou através da formação de grupos treinados e motivados para a prática da consultoria. A construção permanente da marca Natura como símbolo de confiança e da mais alta qualidade e ética em todos os seus produtos, ações e relações. 57

58 Para reforçar como estabelecer a Visão de Futuro A Visão de Futuro deve incorporar as ambições, as expectativas, os desejos e pretensões, de modo a descrever o quadro futuro que se pretende atingir. A Visão de Futuro deve estar vinculada aos objetivos e metas da organização, criando e potencializando um sólido comprometimento com o seu futuro. Onde pretendemos chegar? Que cenário desejamos encontrar? Que ambiente ansiamos vislumbrar? As respostas a estas questões nos permitirão definir com clareza o que é necessário mudar na organização para que a Visão vá se materializando na prática, no dia a dia. 58

59 Para finalizar Visão de Futuro Existiria um outro modo de conquistar o futuro desejável que não trabalhando diuturnamente o presente, moldando-o, tecendo-o, forjando-o na labuta diária? Daí que uma organização sem Visão de Futuro está para os navegantes como uma embarcação sem direção. E para um navio sem direção qualquer porto serve para atracar. Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe para onde ir. Sêneca 59

60 EXERCÍCIO MISSÃO E VISÃO: Escreva "M" para Missão e "V" para Visão PONTO DE PARTIDA ONDE TUDO COMEÇA. LUGAR PARA ONDE VAMOS NO FUTURO PROJETA O QUE DESEJAMOS SER DEFINE QUEM SOMOS DEFINE O RUMO DA EMPRESA CORRIGE O RUMO DA EMPRESA EXERCÍCIO 1 EXPERIÊNCIAS DO PRESENTE APLICADAS AO FUTURO EXPERIÊNCIAS PASSADAS APLICADAS AO PRESENTE NÃO MUDA É CONSTANTE ALTERA-SE CONFORME OS DESAFIOS DEFINE O SONHO DE ONDE QUEREMOS CHEGAR DEFINE O NEGÓCIO DA EMPRESA É ESTÁTICATICA É DINÂMICA É INSPIRADORA 60

61 EXERCÍCIO II Tarefa: Definir a Visão de Futuro de uma Organização Fictícia. Objetivo: Proporcionar um entendimento comum quanto ao método de definição da Visão. Como fazer? Reunir em grupos de até cinco participantes Definir o presidente da organização Elaborar a Visão de Futuro em consenso com a alta administração Apresentar a Visão de Futuro para o grande grupo. 61

62 Valores Hoje com mais poder e uma esfera maior de autonomia para cada empregado, as pessoas precisam ser guiadas não por regras, ou supervisores, mas pela compreensão dos mais importantes valores sustentados pela organização. Scott, Jaffe & Tobe 62

63 Princípios, Crenças ou Valores São guias para o processo decisório e para o comportamento da empresa no cumprimento da Missão e na busca da Visão. Geralmente associados aos seguintes temas: clientes qualidade comunidade RH Ecologia/sustentabilidade imagem inovação e tecnologia ética 63

64 Importância e objetivos da formalização dos Valores pela Liderança Explicitar a ética e moral da organização Motivar as pessoas à ação Orientar o comportamento Clarificar as responsabilidades sociais Impulsionar para conquistas Extraordinárias 64

65 O papel dos valores no trabalho Valores são fontes de força, porque dão às pessoas o poder de agir. Os valores são profundos e emocionais e normalmente dificultam a mudança.... os valores são a base da cultura corporativa. Os valores dão às pessoas um senso de ação comum e servem de referência para o comportamento do dia-adia. A clareza sobre os valores fornece uma base fundamental para a ação. Scott, Jaffe & Tobe 65

66 A integração dos valores, das atitudes e dos comportamentos... nossas atitudes e comportamentos derivam destes pressupostos. A maneira como vemos o mundo é a fonte de nossa forma de pensar e agir. Stephen Covey... transformar os valores, aos poucos, em políticas, práticas e padrões para o comportamento. Os valores de uma empresa ou grupo, portanto, focam o comportamento das pessoas em todas as suas atividades. Scott, Jaffe & Tobe 66

67 Exemplo de Valores Organizacionais Ter CONFIANÇA em si mesmo, na equipe de trabalho, na empresa e no presidente. Executar o TRABALHO corretamente, de forma responsável, buscando continuamente melhor produtividade. Ter COMPETÊNCIA na execução do trabalho, aprimorando suas habilidades, reconhecendo suas limitações e buscando o autodesenvolvimento e a capacidade de trabalhar em equipe. Ter ENTUSIASMO pelo trabalho, acreditando e mergulhando na empresa, orgulhando-se dela em todos os momentos. 67

68 Exemplo de Valores Organizacionais Viver com HONESTIDADE, em todos os sentidos, dentro e fora da empresa, cumprindo seus deveres e respeitando os direitos e deveres da empresa e dos outros. Comportar-se com DIGNIDADE, respeitando aos outros como a si próprio, levando em consideração que as pessoas são diferentes. Agir com LEALDADE, sendo fiel à missão, aos objetivos e às políticas da empresa. Buscar o aprimoramento constante da QUALIDADE em todos os setores, atividades, serviços e produtos. 68

69 69

70 Alvos perseguidos Sem objetivos definidos somente por acaso chegaremos a algum lugar pretendido. Logo, o objetivo representa o alvo ou situação que se pretende atingir. Aqui se determina para onde a organização deve dirigir seus esforços. Os objetivos representam um fator crítico de sucesso para a execução daestratégiaeoalcancedavisão. É um alvo que deve ser atingido para que a visão possa ser alcançada. 70

71 Direção de Esforços São os alvos a serem perseguidos ou as situações que a organização pretende atingir num dado período de tempo. Refletem aquelas poucas prioridades estratégicas, ligadas à visão de futuro e à missão, que direcionarão o trabalho da organização, galvanizando o compromisso da equipe de seus integrantes e determinando, assim, para onde a organização deve prioritariamente dirigir os seus esforços. 71

72 Desejos e sonhos Melhorar de vida por exemplo: Melhorar de vida não é uma meta, nem um objetivo, é um desejo, um sonho. Quando alguém diz que quer melhorar de vida, assim como mudar de vida, uma série de idéias mais próximas de uma meta passam pela cabeça do indivíduo, mas ele não consegue ser claro o suficiente quando manifesta seu desejo. A falta de clareza faz com que ele não saiba o que deve fazer para melhorar de vida e em seu dia-a-dia então, ele nada faz, continuando sem conseguir o que deseja. 72

73 73

74 Terminologias Qual a diferença entre objetivos e metas? Alguns autores não fazem diferença entre estes dois termos. Quando há diferença, ela existe mais por razões didáticas e de organização de um planejamento. Objetivos podem ser definidos como o grau logo abaixo do desejo, do sonho. É o grande ponto final a ser conquistado, enquanto as metas estão abaixo dos objetivos sendo as pequenas conquistas para se chegar até eles. 74

75 Variáveis para definição 1ª Variável As cinco variáveis na definição de metas Uma meta, qualquer que seja ela, só pode ser assim conceituada quando traçada segundo cinco variáveis: 1ª) Especificidade. Seu objetivo deve ser muito bem definido. Assim, não adianta estabelecer o objetivo ser a maior e melhor empresa. Você jamais terá a melhor e maior empresa se não especificar qual o tamanho almejado (maior do bairro, da cidade, estado, país, mundo?) ou melhor em serviços, distribuição, preços, conforto, etc?). Quanto mais específica for a definição de seu propósito, mais direcionado estará seu caminho. 75

76 Variáveis para definição 2ª Variável 2ª) Mensurabilidade. Sua meta deve ser quantificável, tornando-se objetiva, palpável. Em nosso exemplo anterior, você teria que definir, por exemplo, quanto em tamanho, ou quantas lojas, quantas cidades, países, etc). Melhor segundo 90% dos clientes atendidos até 2010? É preciso medir. Um dos gurus da qualidade total, Edwards Deming, disse: Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. 76

77 Variáveis para definição 3ª Variável 3ª) Exeqüibilidade. Uma meta tem que ser alcançável, possível, viável. Voltando ao exemplo inicial, o objetivo de ser a maior empresa de educação da Asa Norte e a melhor em promoção de educação não será alcançável se você tiver um quadro docente com baixo nível de qualificação, um processo seletivo ineficiente e não possuir meios financeiros para promover a expansão. 77

78 Variáveis para definição 4ª Variável 4ª) Relevância. A meta tem que ser importante, significativa, desafiadora. Você decide como meta anual elevar o faturamento de seu departamento em 5% acima da inflação. Porém, seu mercado de atuação está aquecido e este foi o índice definido e atingido nos últimos dois anos. Logo, é preciso ousadia, coragem, para determinar um percentual superior a este, capaz de motivar a equipe em busca do resultado. Lembre-se de que o bom não é bom onde o ótimo é esperado. 78

79 Variáveis para definição 5ª Variável 5ª) Tempo. Considerado o aspecto mais negligenciado. Muitas metas são bem definidas, mensuráveis, possíveis e importantes, mas não estão definidas num horizonte de tempo. Aquela oportunidade de negócio tem que ser concretizada até uma data limite. Adiar o compromisso assumido com o resultado proposto é o golpe mortal contra a meta. 79

80 Diretriz: Diretrizes A Diretriz é composta por uma meta e as ações necessárias para atingí-la. Linha reguladora do traçado de um caminho ou uma estrada, conjunto de instruções ou indicações para se tratar a termo um plano, Uma ação, um negócio, etc. Norma de Procedimento Diretiva. Meta + Ações 80

81 81

82 Objetivo META Conjunto Reduzir o índice de atraso da fatura. Valor Prazo à 5% Até dezembro de DIRETRIZ Reduzir o índice de Atraso da fatura à 5% até dez Revisar o formulário da fatura Reduzir o índice de erro na emissão da fatura Aumentar o nº de postos de atendimento Reduzir o tempo de entrega ao cliente. META Ações necessárias para atingir a meta 82

83 Visão e Missão Ações necessárias Estratificação Lógica do Desdobramento das Diretrizes Meta do Top -Objetivo -Valor -Prazo Diretriz do Top Meta da Média Gerência -Objetivo -Valor -Prazo Ações necessárias Diretriz da Média Gerência Meta da Unidade Gerencial -Objetivo -Valor -Prazo Ações necessárias Meta da Unidade Gerencial Diretriz = Meta + Ações necessárias para atingir a Meta 83

84 SISTEMA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Valores Centrais Matriz FOFA Diretrizes da Alta Adminis- tração VISÃO MISSÃO OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - Ação METAS - Ação - Valor - Prazo PLANOS DE AÇÃO - Metas -Medidas Matriz FOFA: Forças e Fraquezas, Oportunidades e Ameaças (análise dos ambientes interno e externo) 84

85 85

86 Partes Interessadas Partes Interessadas Indivíduo ou grupo de indivíduos com interesse comum no desempenho da organização e no ambiente em que opera. A maioria das organizações apresenta as seguintes partes interessadas: clientes; força de trabalho; acionistas e proprietários; fornecedores; e a sociedade. Clientes: Organização ou pessoa que recebe um produto. Exemplos: consumidor, usuário final, varejista, beneficiário e comprador. Clientes-alvo: Clientes atuais e potenciais, foco de interesse para o fornecimento de serviços ou produtos, podendo incluir os clientes da concorrência, ex-clientes e usuários de soluções alternativas aos serviços ou produtos da organização. 86

87 Fornecedores: Partes interessadas Força de Trabalho: Pessoas que compõem uma organização e que contribuem para a consecução de suas estratégias, objetivos e metas, tais como: empregados em tempo integral ou parcial, temporários, autônomos e contratados de terceiros que trabalham sob a coordenação direta da organização. (Inclusive estagiários) Organização ou pessoa que fornece um produto. Exemplos: produtor, distribuidor, varejista ou comerciante de um produto ou prestador de um serviço ou informação. Sociedade: A sociedade é composta pelas comunidades que interagem ou que estão envolvidas com a organização, incluindo as comunidades vizinhas. 87

88 Como divulgar a Visão de Futuro Partes Relacionadas Clientes Sociedade Força de Trabalho Fornecedores Acionistas Exemplos de Práticas de Gestão Campanha de Marketing (internet, jornal, rádio, televisão) Publicações externas (folders, cartazes, banners) Reuniões com as comunidades, visitas de benchmarking nas instalações da organização Reuniões da Direção com os colaboradores, Programa de Endomarketing (internet, crachás, Murais, informativos internos), programa de capacitação Sistema de reuniões, Portal dos Fornecedores, publicações, programa de capacitação Reuniões do Conselho, site (relação com os investidores) 88

89 EXERCÍCIO III Tarefa: Definir os objetivos estratégicos da organização. Objetivo: Capacitar os participantes na definição de objetivos a partir da Visão de Futuro. Como fazer? Reunir em grupos Definir o presidente da organização Analisar o perfil da organização Analisar a Visão de Futuro da organização Realizar um brainstorming de 10 minutos sobre como alcançar a Visão de Futuro Agrupar as idéias por afinidade, de modo a não ultrapassar 5 idéias / objetivos (preferencialmente 3) Definir um indicador para cada objetivo Identificar a situação atual Definir uma meta de curto-prazo Montar o gráfico gerencial Apresentar o trabalho para o grande grupo. 89

90 Como estabelecer os Planos de Ação Planos de Ação: Definição das ações para alcançar as metas. As ações representam o que será feito para alcançar as metas do indicador dos resultados esperados. Componentes da Ação: Verbo (o que se deseja fazer) Tema / característica (assunto / situação) Exemplo: Verbo: Diminuir Tema / característica: Atraso na entrega 90

91 Como elaborar Planos de Ação Utilizar a planilha modelo para a elaboração dos plano de ação: O que fazer : Preferencialmente utilizar verbo no infinitivo: ex: Realizar, Validar, Analisar... Por que fazer : Qual o sentido da construção. Quem : Pessoa ou cargo responsável pela implementação ou acompanhamento da ação a ser executada. Quando : Indicar as datas previstas para o início e conclusão da ação no formato dia/mês/ano. Onde : Local onde a ação será tomada. Como : Procedimento a ser executado para implementar a ação. Utilizar preferencialmente o verbo no gerúndio, dando a ideia de realização da ação. Ex: qualificando, treinando, conscientizando. Quanto : Se houver custo, quantificar o valor em R$ (reais). 91

92 5W2H What O Que Why Por quê Who Quem When Prazo Where Local How Como How Much Recursos 92

93 Como alinhar os Planos de Ação às Estratégias Utilizar a matriz de correlação entre os objetivos estratégicos e as ações planejadas para verificar o alinhamento e ajustar as ações, quando necessário. Indicar o nível de correlação entre a ação e a estratégia como: F = Forte M = Média Ações f = Fraca A B C D E F G H I Objetivos

94 PENSAMENTO Seus sonhos estão nas alturas? Ótimo. É junto aos deuses que se abrigam. Sua jornada consiste em construir escadas e caminhos capazes de conduzi-los até eles Rodoux Faugh 94

95 Bibliografia CAMPOS, VICENTE FALCONI. TQC CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL (NO ESTILO JAPONÊS). Belo Horizonte: Bloch Editores, CAMPOS, VICENTE FALCONI. GERENCIAMENTO DA ROTINA DO TRABALHO DO DIA-A DIA. BELO HORIZONTE: BLOCH EDITORES, STOFFEL, Rafael Hipárcio e MATTOS, José Fernando. Competitividade Gerenciada. Porto Alegre: Index Tecnologia de Gestão, ALBRECHT, Karl. Programando o Futuro. O Trem da Linha Norte. São Paulo: Makron Books do Brasil Editora Ltda Site: 95

96 MUITO OBRIGADO (51) (51)

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 9 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 OBSERVAÇÃO: Esta apresentação é quase que a totalidade de uma apresentação do consultor em planejamento estratégico e palestrante Mario

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra 29/03/12 Com planejamento cuidadoso e detalhado, pode-se vencer; com planejamento descuidado e menos detalhado, não se pode vencer. A derrota é mais do que certa se não se planeja nada! Pela maneira como

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

Observação: Aqui não esta sendo exposto a questão da estratégia competitiva e os fatores internos e externos à companhia.

Observação: Aqui não esta sendo exposto a questão da estratégia competitiva e os fatores internos e externos à companhia. Avaliação de Desempenho- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Alinhamento do desempenho humano ao organizacional Veremos agora o alinhamento do desempenho humano ao organizacional. Segundo Souza (2005),

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA

Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA A Gestão do desempenho e outros requisitos Planejamento Estratégico A Importância do Planejamento Estratégico Menos de 10% das estratégias efetivamente formuladas são

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTRUMENTO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTRUMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTRUMENTO Djair Picchiai Revisado em 05/04/2010 1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A coerência entre o nível estratégico, o nível tático e nível operacional define o sentido de unidade

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO É o processo gerencial de desenvolver e manter um ajuste viável entre os objetivos, experiências e recursos da organização e suas oportunidades de mercado. Moldando e remoldando

Leia mais

Empreendedorismo Prof. Werther Serralheiro. Princípios Organizacionais

Empreendedorismo Prof. Werther Serralheiro. Princípios Organizacionais Princípios Organizacionais Elementos do Propósito Visão Negócio Missão Princípios e Valores Visão Organizacional É um modelo mental claro e luminoso de um estado ou situação altamente desejável, de uma

Leia mais

ESTRATÉGIA DE EMPRESAS

ESTRATÉGIA DE EMPRESAS ESTRATÉGIA DE EMPRESAS Professor: Alexander Baer Fundação Getúlio Vargas MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil Resumo: Abdala Carim Nabut Neto, M.Sc. 26/02/2014 1) O que é ESTRATÉGIA?

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

Plataforma da Informação. Gestão Estratégica

Plataforma da Informação. Gestão Estratégica 1 Plataforma da Informação Gestão Estratégica Motivação Principais Motivações: Criar um Planejamento Estratégico; Reformular o PE; Definir novas diretrizes para a empresa; Melhorar o Planejamento estratégico

Leia mais

Analista de Negócio e Processos

Analista de Negócio e Processos Analista de Negócio e : Competências (Conhecimento, Habilidade e Atitude) Negociar Saber negociar Facilitar Ser um facilitador nato Analisar Comunicar Saber se comunicar com facilidade Solucionar Ter capacidade

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE MODELO PARA FORMULAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Análise do ambiente externo Macroambiente Ambiente setorial feedback Ambiente Interno (forças e

Leia mais

Diretrizes Organizacionais. Faculdade PITÁGORAS Profª. Mariana Silva marianaotavio@gmail.com

Diretrizes Organizacionais. Faculdade PITÁGORAS Profª. Mariana Silva marianaotavio@gmail.com Diretrizes Organizacionais Faculdade PITÁGORAS Profª. Mariana Silva marianaotavio@gmail.com Diretrizes Organizacionais As diretrizes organizacionais devem refletir os resultados da análise do ambiente,

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO:

2 DESENVOLVIMENTO DO PLANO 2.1 MISSÃO: RESUMO O presente trabalho constitui em uma elaboração de um Plano de Marketing para a empresa Ateliê Delivery da Cerveja com o objetivo de facilitar a compra de bebidas para os consumidores trazendo conforto

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Estratégia Empresarial

Estratégia Empresarial MBA em Gestão de Projetos Estratégia Empresarial Jaqueline Ferrari jaqueline@estrategiaconsultoria.com.br Nossas dúvidas são traidoras e, temendo tentar, nos fazem perder o sucesso que muitas vezes poderíamos

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

Prof. Marcopolo Marinho

Prof. Marcopolo Marinho Prof. Marcopolo Marinho Acompanhamento do Cronograma Conceitos essenciais: Aula de Hoje Estratégia, Inovação, Competitividade, Diferenciais competitivos. Análise do Ambiente Externo; Turbulência e Vulnerabilidade;Análise

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Palestra. Gestão e Planejamento Estratégico. 22/05/2014 14h20 às 15h20

Palestra. Gestão e Planejamento Estratégico. 22/05/2014 14h20 às 15h20 Palestra Gestão e Planejamento Estratégico 22/05/2014 14h20 às 15h20 Empreendedor, Professor e Consultor. Especialista em Gestão de Negócios pela Fundação Dom Cabral (FDC) Bacharel em Direito pelo Centro

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 02/01/2013 rev. 00 PAUTA INSTITUCIONAL Sobre a Harpia OUTRAS INFORMAÇÕES Clientes Parceiros SERVIÇOS Responsabilidade Social Consultoria & Gestão Empresarial Planejamento Estratégico

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

DATA:07/05/2015 AUDITÓRIO: TEMÁTICO TEMA:PLANEJAMENTO COMERCIAL MAIS QUE UMA FERRAMENTA, UM DIFERENCIAL COMPETITIVO. PALESTRANTE:ALEX COSME RIBEIRO

DATA:07/05/2015 AUDITÓRIO: TEMÁTICO TEMA:PLANEJAMENTO COMERCIAL MAIS QUE UMA FERRAMENTA, UM DIFERENCIAL COMPETITIVO. PALESTRANTE:ALEX COSME RIBEIRO DATA:07/05/2015 AUDITÓRIO: TEMÁTICO TEMA:PLANEJAMENTO COMERCIAL MAIS QUE UMA FERRAMENTA, UM DIFERENCIAL COMPETITIVO. PALESTRANTE:ALEX COSME RIBEIRO DOS SANTOS A PALAVRA É P R O D U T I V I D A D E expressão

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados.

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados. 1- OFICINAS DE FEEDBACK Aprofundar a reflexão e abordagem de Feedback como processo, fluxo e ferramenta indispensável no desenvolvimento dos profissionais, bem como elementos fundamentais de comunicação

Leia mais

Processo de Planejamento Estratégico

Processo de Planejamento Estratégico Processo de Planejamento Estratégico conduzimos o nosso negócio? Onde estamos? Definição do do Negócio Missão Visão Análise do do Ambiente Externo e Interno Onde queremos Chegar? poderemos chegar lá? saberemos

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Gestão Empresarial. Aula 5. A Estrutura Estratégica. Modelo de Gestão. Missão da Empresa. Prof. Elton Ivan Schneider.

Gestão Empresarial. Aula 5. A Estrutura Estratégica. Modelo de Gestão. Missão da Empresa. Prof. Elton Ivan Schneider. Gestão Empresarial Aula 5 Prof. Elton Ivan Schneider tutoriacomercioexterior@grupouninter.com.br A Estrutura Estratégica Comércio Exterior Fornecedores Macro Ambiente Organizacional Ambiente Organizacional

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado. alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para

No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado. alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para QUAL NEGÓCIO DEVO COMEÇAR? No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para então definir seus objetivos e sonhos.

Leia mais

Administração TRE Maio 2010

Administração TRE Maio 2010 TRE Maio 2010 Noções de Planejamento Estratégico: missão, visão, valores. BSC - Balanced Scorecard (conceito, perspectivas, mapa estratégico e objetivo estratégico). Gestão por Processos. Ciclo PDCA Conceito

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor 2 Apresentando as etapas da Metodologia Tear de forma simplificada, esta versão resumida foi preparada para permitir um acesso rápido

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

Roteiro para elaboração de projetos 1

Roteiro para elaboração de projetos 1 1 Roteiro para elaboração de projetos 1 O objetivo aqui é que vocês exercitem a criatividade, a atitude empreendedora, a inteligência emocional (liderar e ser liderado) e a responsabilidade (individual

Leia mais

MISSÃO ORGANIZACIONAL A MISSÃO É A RAZÃO DE SER DE UMA ORGANIZAÇÃO, IDENTIFICANDO O FOCO FUNDAMENTAL DE SUA ATIVIDADE.

MISSÃO ORGANIZACIONAL A MISSÃO É A RAZÃO DE SER DE UMA ORGANIZAÇÃO, IDENTIFICANDO O FOCO FUNDAMENTAL DE SUA ATIVIDADE. A TRÍADE Missão MISSÃO ORGANIZACIONAL A MISSÃO É A RAZÃO DE SER DE UMA ORGANIZAÇÃO, IDENTIFICANDO O FOCO FUNDAMENTAL DE SUA ATIVIDADE. MISSÃO ORGANIZACIONAL Assim como O REGISTRO DE NASCIMENTO nos identifica

Leia mais

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000)

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000) de Marketing e Estratégias de Marketing Parte 01 OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO Marcoambiente Ambiente setorial Estratégia Administração Estratégica Estratégico Organização / Direção Estratégia

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO -

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - A estrutura a seguir foi desenvolvida com base no escopo da disciplina de Planejamento Estratégico de Comunicação,

Leia mais

Modelos de Gestão Estratégica

Modelos de Gestão Estratégica Aula 04 Modelos de Gestão Estratégica TI-011 Gerenciamento Estratégico Corporativo Prof a. Gabriela Barbarán MISSÃO E VISÃO Dirige Direciona ESTRATÉGIAS PROCESSOS Aperfeiçoa Utiliza e Mensura RECURSOS

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 2 Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Traçando Cenários: Microambiente e Macroambiente. Prof. Marcopolo Marinho

Traçando Cenários: Microambiente e Macroambiente. Prof. Marcopolo Marinho Traçando Cenários: Microambiente e Macroambiente. Prof. Marcopolo Marinho A ORGANIZAÇÃO DA ESTRUTURA ESTRATÉGICA MISSÃO Impacto: 1. Organizacional 2. Ação de Mudança Nenhum Positivo Negativo OBJETIVOS

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 2.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Fundamentos de Risco e Retorno Se todos soubessem com antecedência qual seria o preço futuro de uma ação, o investimento

Leia mais

Exercícios de Gestão de Processos

Exercícios de Gestão de Processos Exercícios de Gestão de Processos Agente de Administração 1) Uma organização formal, também conhecida como tradicional, compõe-se de camadas hierárquicas, enfatizando: a) o meio ambiente. b) os funcionários.

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

FILOSOFIA EMPRESARIAL

FILOSOFIA EMPRESARIAL FILOSOFIA EMPRESARIAL FILOSOFIA EMPRESARIAL Bebidas S/A Troféu Prata FILOSOFIA EMPRESARIAL MISSÃO SACIAR NATURALMENTE A SEDE DOS GAÚCHOS. Bebidas S/A Troféu Prata FILOSOFIA EMPRESARIAL VISÃO QUEREMOS SER

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

High lights sobre Planejamento Estratégico e Gestão de Operações e de Projetos (Módulo de MBA - ministrado por Alvaro Vieira - Diretor Executivo da

High lights sobre Planejamento Estratégico e Gestão de Operações e de Projetos (Módulo de MBA - ministrado por Alvaro Vieira - Diretor Executivo da High lights sobre Planejamento Estratégico e Gestão de Operações e de Projetos (Módulo de MBA - ministrado por Alvaro Vieira - Diretor Executivo da INFORGEL) www.inforgel.com RESUMO - High lights sobre

Leia mais

O planejamento da empresa está na palma da sua mão. E o SEBRAE-SP dá a dica sobre como organizar essas etapas. grandes desafios diários

O planejamento da empresa está na palma da sua mão. E o SEBRAE-SP dá a dica sobre como organizar essas etapas. grandes desafios diários RESULTADO ESPERADO QUANTIDADE O QUE SE QUER ALCANÇAR PRAZO AÇÃO O planejamento da empresa está na palma da sua mão. E o SEBRAE-SP dá a dica sobre como organizar essas etapas. estágios para 5 a melhoria

Leia mais

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES.

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Prof. Edson Costa Aildefonso FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Qualquer um de nós que possua alguma experiência em trabalho de grupo sabe como é difícil desenvolver maneiras criativas para

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02

Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02 1 de 30 16/11/2015 15:16 Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02 Prezado(a) Como o OBJETIVO de apurar o nível de maturidade em governança da Justiça Federal, foi desenvolvido instrumento

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO

ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO Estratégia e Planejamento Corporativo AULA 4 Abril 2014 Planejamento Estratégico - Ferramentas Cad. Valor Lista Oport. Ameaças Cenários 5 Forças Porter BSC Modelo Estratégico Lista Forças Fraquezas Diagnóstico

Leia mais

BENCHMARKING COLABORATIVO

BENCHMARKING COLABORATIVO BENCHMARKING COLABORATIVO Capacitação das equipes dos Órgãos Reguladores Ricardo Motta MR Business Consultoria Empresarial Curso de Benchmarking Colaborativo Objetivo Capacitar as equipes dos Órgãos Reguladores

Leia mais

Ferramenta de Gerenciamento

Ferramenta de Gerenciamento Ferramenta de Gerenciamento Yuri Franklin 1 Luis Fernando Nuss 2 yuri.fr@uol.com.br luisnuss@hotmail.com 1 Associação Educacional Dom Bosco (AEDB), Faculdade de Engenharia de Resende - Resende, RJ, Brasil

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

ESTRUTURA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TÁTICO E OPERACIONAL

ESTRUTURA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TÁTICO E OPERACIONAL ESTRUTURA DO ORGANIZAÇÃO MISSÃO O POR QUE A ORGANIZAÇÃO EISTE? O QUE A ORGANIZAÇÃO FAZ? PARA QUEM? EEMPLO DE MISSÃO - MICROSOFT Na Microsoft, a nossa função é ajudar as pessoas e empresas em todo o mundo

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico Balanced Scorecard Resumo Metodológico Estratégia nunca foi foi tão tão importante Business Week Week Entretanto... Menos de de 10% 10% das das estratégias efetivamente formuladas são são eficientemente

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA (MBA em UAN)

GESTÃO ESTRATÉGICA (MBA em UAN) GESTÃO ESTRATÉGICA (MBA em UAN) As empresas, as estratégias e a nova economia A Gestão Estratégica como diferencial das empresas que realizam e se perpetuam no mercado O mundo está mudando! No futuro haverá

Leia mais

Formulação Estratégica da PMERJ

Formulação Estratégica da PMERJ Formulação Estratégica da PMERJ Dezembro.2012 Projeto de Formulação Estratégica da PMERJ O Projeto de Formulação Estratégica da PMERJ foi resultado de todo realinhamento estratégico da SESEG, facilitado

Leia mais

AULA 16 Marketing de Serviços

AULA 16 Marketing de Serviços AULA 16 Marketing de Serviços A cadeia de lucro de serviço Ligações da cadeia de lucro de serviço Fidelidade do cliente estimula lucratividade e crescimento. Satisfação do cliente estimula sua fidelidade.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva. Atlas. São

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

componentes e fatores condicionantes Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos Glaucia Falcone Fonseca

componentes e fatores condicionantes Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos Glaucia Falcone Fonseca Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos componentes e fatores condicionantes Glaucia Falcone Fonseca Nos dias de hoje, em todas as organizações, seja ela voltada para serviços, ramo industrial

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

Quando quiser sair da apresentação, basta clicar neste ícone ( x ) no canto superior direito da tela.

Quando quiser sair da apresentação, basta clicar neste ícone ( x ) no canto superior direito da tela. Esta é uma apresentação navegável. Uma maneira prática de conhecer a Academia da Estratégia. Para navegar siga as instruções abaixo. Esperamos que a sua viagem seja UAU! Quando quiser sair da apresentação,

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais