PROPOSIÇÃO DE MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DE SERVIÇOS DE TERCEIROS RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSIÇÃO DE MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DE SERVIÇOS DE TERCEIROS RESUMO"

Transcrição

1 PROPOSIÇÃO DE MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DE SERVIÇOS DE TERCEIROS RESUMO O objetivo principal deste trabalho é propor um modelo de gestão estratégica de serviços de terceiros na ArcelorMittal Brasil S/A (site Tubarão). A partir do Balanced Scorecard (BSC) Corporativo, identificamos que nas perspectivas de Processos Internos (6 Otimizar a produtividade e a gestão de ativos) e Aprendizagem e Crescimento (1 Garantir a saúde, segurança e qualidade de vida dos empregados próprios e de terceiros) as empresas parceiras estão diretamente comprometidas com o bom desempenho das áreas de manutenção e apoio operacional. Portanto, ao focarmos o projeto na gestão dos indicadores de desempenho destas empresas, estaríamos contribuindo para a melhoria na qualidade dos serviços prestados e para o crescimento das referidas empresas. Com isso, a partir de entrevistas com gestores e gerentes de contratos, elaboramos um mapa estratégico sob a ótica de quem contrata/gerencia e de quem presta serviços. Para se chegar ao modelo proposto, o estudo utiliza a metodologia do BSC e para desenvolver os indicadores foram identificados os fatores determinantes (principais itens de controle) para o insucesso financeiro e operacional atualmente percebido. Após identificação dos indicadores sugeridos para cada uma das perspectivas (financeira, do cliente, dos processos internos e de aprendizado e crescimento), desenvolveu-se um painel de bordo que possibilita avaliar, pontuar e consolidar os resultados de cada indicador, permitindo assim, classificar os melhores fornecedores e visualizar a situação atual da gestão sobre os fornecedores. Com esta estruturação proposta de um novo modelo de BSC dedicado à gestão de empresas contratadas, acredita-se ser possível minimizar os problemas comerciais e operacionais que atualmente representam obstáculos ao sucesso da terceirização, particularmente no Brasil.

2 ABSTRACT The main intent of this project is to propose a strategic management tool for outsourced services at ArcelorMittal Brasil S/A (site Tubarão). Using the Corporate Balanced Scorecard (BSC) it was possible to identify in the Internal Process (6 To optimize productivity and asset management) and Learning and Growth (1 To guarantee health, safety and quality for own and third party employees) perspectives that the outsourced companies are directly committed to the high performance of maintenance and operational support areas. Therefore, focusing the project on the outsourced companies performance indicators it would be possible to contribute and improve the quality of the outsourced services. Therewith, from interviews with contract managers a strategic map was prepared from the point of view of both the contracting and outsourced companies. To get to this proposed model this project uses the BSC methodology, and to develop the indicators the determinant agents (main control items) for the current financial and operational failure were identified. After identifying the suggested indicators for each of the four perspectives, a panel board was developed to make it possible to evaluate the outsourced companies and to consolidate the results of each indicator, allowing the ranking of the best outsourced companies and the view of the current situation regarding the management of outsourced companies. With this new BSC model structure proposed, dedicated just to the management of outsourced companies, it is believed to be possible to minimize the commercial and operational problems that nowadays represent obstructions to outsourcing, especially in Brazil.

3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA E PROBLEMA DE PESQUISA OBJETIVO A HISTÓRIA DA SIDERURGIA NO BRASIL PERFIL DA ARCELORMITTAL BRASIL S/A A EMPRESA PROJETO DENTRO DO CONTEXTO DA EMPRESA A GESTÃO DE SERVIÇOS NA ARCELORMITTAL BRASIL S/A REFERENCIAL TEÓRICO ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA BALANCED SCORECARD TERCEIRIZAÇÃO Conceito de terceirização Histórico da terceirização Responsabilidade na terceirização SINCRONISMO ORGANIZACIONAL METODOLOGIA RESULTADOS E ANÁLISES CUSTOS DE IMPLANTAÇÃO E RISCOS DE NÃO ADOÇÃO DO PROJETO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 48

4 9 1 INTRODUÇÃO O tema escolhido para o Projeto Aplicativo (PA) foi o desenvolvimento de um Modelo de Gestão Estratégica de Empresas Contratadas de Serviço. A técnica utilizada para o desenvolvimento deste projeto foi o envio de questionários, entrevistas e reuniões com perguntas a empresas selecionadas e que prestam serviços contínuos na área da ArcelorMittal Brasil S/A (site Tubarão). Foi utilizado como fonte de informação: a pesquisa bibliográfica, nossa experiência profissional, questionários voltados para a identificação de importantes indicadores de performance das empresas e em especial a ferramenta de gestão conhecida como Balance Scorecard (BSC) aplicada pela ArcelorMittal Brasil S/A (site Tubarão). Esta empresa, através dos departamentos de manutenção e apoio, tem na terceirização seu diferencial competitivo, daí a importância de repassar para a sua cadeia de fornecedores suas melhores práticas. O modelo proposto visa estabelecer indicadores de desempenho, incorporando seu controle na rotina gerencial da empresa, com base em objetivos estratégicos, que reflitam como está a governança corporativa, o relacionamento da empresa com os seus stakeholders (partes interessadas) e com o meio ambiente. Tais indicadores, definidos a partir da resposta aos questionários enviados, entrevistas e reuniões, visam à construção de um score geral acompanhado de meta. Posteriormente, estes serão utilizados para avaliação periódica das empresas prestadoras de serviço da ArcelorMittal Brasil S/A (site Tubarão) permitindo estabelecer premiações para as de melhor desempenho e o tratamento adequado para às que tiverem desempenho deficiente. A expectativa é de que indicadores claros, objetivos e fáceis de apurar refletirão as perspectivas: financeira, de mercado, de processos internos e de aprendizado e crescimento das empresas. Estes indicadores irão contribuir para a estratégia de perenização destas empresas no mercado.

5 10 2 JUSTIFICATIVA E PROBLEMA DE PESQUISA Atualmente existem na ArcelorMittal Brasil S/A (site Tubarão) padrões para contratação e gestão de serviços de terceiros, além de um sistema informatizado, chamado GESS (Sistema de Gestão de Serviços), que atua como ferramenta de apoio ao processo de gestão de contratadas na Companhia. Apesar dos controles acima citados, eventualmente a ArcelorMittal Brasil S/A (site Tubarão) é surpreendida por solidariedade em ações trabalhistas, por descumprimento de padrões de segurança (que são os principais causadores de acidentes), por falhas de programação, que geram atrasos nas atividades previstas. Por estes motivos, foi identificada a oportunidade de melhoria na gestão das nossas contratadas que irão contribuir para a garantia da qualidade das empresas parceiras da ArcelorMittal Brasil S/A (site Tubarão). Sendo assim, foi verificada a necessidade de um modelo que retrate de forma simples e transparente o desempenho geral das empresas prestadoras de serviço, através de indicadores relevantes para as Partes.

6 11 3 OBJETIVO Desenvolver um modelo de gestão estratégica de fornecedores de serviços da ArcelorMittal Brasil S/A (site Tubarão), permitindo que as áreas internas possam acompanhar a qualidade da gestão destas empresas, antecipando possíveis problemas e identificando os melhores parceiros.

7 12 4 A HISTÓRIA DA SIDERURGIA NO BRASIL Até os anos 40, o Brasil vivia uma dependência de produtos siderúrgicos importados. Com a ascensão de Getúlio Vargas à presidência, este cenário começou a mudar, pois uma de suas metas era fazer com que a indústria de base brasileira crescesse e se nacionalizasse. A partir de então, várias usinas foram criadas, marcando o início da autonomia brasileira em ferro e aço. Em 1950, a produção nacional de aço bruto alcançava 788 mil toneladas e tinha início uma fase de crescimento continuado da produção de aço no país. Dez anos depois, a produção triplicava e passados mais dez anos, em 1970, eram entregues ao mercado 5,5 milhões de toneladas. Para atender a demanda do mercado, outras importantes indústrias foram sendo criadas no Brasil, tais como: COSIPA, Usiminas, Aço e Ferro de Vitória, Usiba, Siderbrás, CST (atual ArcelorMittal Brasil S/A (site Tubarão)) e Açominas. A previsão de investimentos no setor de 2005 a 2010 é de US$ 12,5 bilhões, com projeção de alcançar a capacidade instalada de 49,7 milhões de toneladas no final desses cinco anos.

8 13 5 PERFIL DA ARCELORMITTAL BRASIL S/A A EMPRESA A ArcelorMittal Brasil S/A foi constituída em junho de 1976, então denominada Companhia Siderúrgica de Tubarão (CST), como uma joint-venture de controle estatal, com a participação minoritária dos grupos Kawasaki, do Japão, e Ilva (ex-finsider), da Itália. A empresa diversificou a sua produção, em 2002, com a implantação de um Laminador de Tiras a Quente (LTQ). Já em 2004 consolidou a otimização da sua produção para 5 milhões de toneladas/ano (placas e bobinas), com a finalização da montagem da Central Termelétrica 4 (CTE 4), o que garante também a auto-suficiência energética da empresa, mesmo com a operação do LTQ. Em 2003, teve início o Plano de Expansão da produção para 7,5 milhões de toneladas/ano. As obras de expansão começaram em No mesmo ano, ocorreu a consolidação do modelo energético com a entrada em operação da Central Termelétrica 4 e do sistema de Recuperação de Gás. Em outubro de 2005 foi criada a Arcelor Brasil, resultado da união da Companhia Siderúrgica Belgo Mineira, da CST e de Vega do Sul. A Arcelor Brasil já nasceu como um dos maiores grupos industriais do Brasil e com capacidade anual de produção de 11 milhões de toneladas de aço. No mesmo ritmo de crescimento, a empresa alcançou a Certificação do Sistema de Gestão de Segurança e Saúde de acordo com a Norma OHSAS Em Junho de 2006, a Arcelor e suas subsidiárias passaram a fazer parte do grupo ArcelorMittal, como conseqüência da união entre a Arcelor e a Mittal. A expansão iniciou sua operação em Com um investimento de US$ 1 bilhão, foram construídas novas unidades produtivas, que elevaram a capacidade de produção de 5,0 para 7,5 milhões de toneladas por ano de aço - placas e bobinas a quente, recuperando assim a participação da empresa no mercado siderúrgico internacional.

9 14 Em 2008 houve a unificação do CNPJ das empresas subsidiárias da ArcelorMittal no Brasil, surgindo assim a ArcelorMittal Brasil S/A PROJETO DENTRO DO CONTEXTO DA EMPRESA O projeto busca um relacionamento da ArcelorMittal Brasil S/A (site Tubarão) com seus fornecedores de serviços baseado em qualidade. O projeto vai proporcionará identificá-los de maneira ética e transparente através de acompanhamento dos indicadores A GESTÃO DE SERVIÇOS NA ARCELORMITTAL BRASIL S/A A ArcelorMittal Brasil S/A tem como estratégia empresarial a contratação de serviços de empresas especializadas e certificadas. O desembolso com serviços em 2007 foi de aproximadamente R$ ,00 (trezentos e oitenta e dois milhões de reais), com mais de 750 (setecentos e cinqüenta) fornecedores de Serviços, conforme gráfico 1 abaixo: Desembolso de Serviços em Operação Manutenção Outros Serviços Total Geral Gráfico 1 - Valor desembolsado com serviços de terceiros em 2007 pela ArcelorMittal Brasil S/A Fonte: Sistema informatizado de gestão de serviços utilizado Pela ArcelorMittal Brasil S/A O gerenciamento destes serviços é suportado pelo Sistema de Gestão de Serviços (GESS) e por padrões específicos para este fim, que têm como pilares:

10 15 Gestão de Infra-estrutura: padrões, sistemas, insumos e controle de acessos; Gestão de Informação de Pessoas: saúde, segurança, admissão, benefícios e capacitação; Gestão de Contratos: planejamento, segurança, certificação, contratação, execução e avaliação de desempenho. Este modelo tem como diretrizes: Compartilhamento dos valores da ArcelorMittal Brasil S/A (site Tubarão), buscando fornecedores que estejam alinhados aos princípios e valores da ArcelorMittal Brasil S/A (site Tubarão); Inteligência no apoio à gestão dos serviços, através de indicadores que possibilitem uma análise de tendências, mantendo os processos sob controle; Categorização de serviços e fornecedores, possibilitando um tratamento diferenciado conforme as características dos serviços e fornecedores; Automação e integração dos processos, através de uma ferramenta que proporcione visibilidade, compartilhamento de informações e controle; Otimização da descentralização, mantendo-se esta premissa na gestão do processo e gerando oportunidades de sinergia. A cadeia de processos da gestão de serviços contratados encontra-se na figura 1 abaixo: Orçar Cliente gerar necessidade Contratar Mobilizar Medir Liberar pagamento Pagar Encerrar contrato Cadastrar fornecedor e/ ou serviço Avaliar Fornecedores Figura 1 Cadeia de processos da gestão de serviços de terceiros Fonte: Padrão empresarial da ArcelorMittal Brasil S/A Verificamos que este modelo atende bem as necessidades da ArcelorMittal Brasil S/A (site Tubarão) e é considerado referência no mercado siderúrgico.

11 16 A nossa experiência como gestores de contrato indica que a maioria das empresas prestadoras de serviços não tem um Modelo de Gestão Estratégica ou se o tem, não está de forma estruturada que permita uma visão global da empresa através de indicadores de desempenho. Partindo do princípio de que tudo que é medido tende a melhorar, a nossa expectativa é de que o Modelo Estratégico de Gestão de Empresas Contratadas, que é objeto do nosso Projeto Aplicativo, irá contribuir para o crescimento e perenização de nossas empresas parceiras, além de melhorar a qualidade dos serviços prestados. Cabe salientar ainda que este modelo está em sintonia com o Mapa Estratégico da ArcelorMittal Brasil S/A (site Tubarão), nas perspectivas Sustentabilidade e Aprendizado e Crescimento, que visam contribuir para o desenvolvimento sustentado das comunidades do seu em torno e garantir a saúde, segurança e qualidade de vida dos empregados próprios e de terceiros.

12 17 6 REFERENCIAL TEÓRICO ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA A busca das organizações por resultados consistentes com missão e objetivos gerais é feita através de planos da alta administração e é a este aspecto que o termo estratégia se refere. Segundo Wright, Kroll & Parnell (2000: p.23), a estratégia pode ser vista do âmbito de sua formulação (desenvolvimento), implementação (ação) e controle (modificar a estratégia ou sua implementação, com o intuito de se alcançar os objetivos desejados). Para compreender o conceito de estratégia relacionado à administração das organizações e de quão desafiadora é esta tarefa, é necessário considerar que a administração estratégica é uma ferramenta de condução das organizações complexas dentro de um ambiente extremamente dinâmico, em que as questões são invariavelmente ambíguas e desestruturadas e o modo como a administração responde a elas determina se a organização será bem sucedida ou não (op. citi.: p.23). Para Kotler (2000: p.86) a empresa deve desenvolver um plano de ação para cada um de seus negócios, a fim de atingir seus objetivos de longo prazo. O desafio da administração estratégica é dirigir a organização avaliando o ambiente externo, oportunidades e ameaças, e analisando o ambiente interno, pontos fortes e fracos da organização. Cabe aos executivos seniores determinar a missão e os objetivos gerais da organização, considerando a avaliação e a análise dos ambientes externo e interno. Ao mesmo tempo a alta administração deve ter em vista os objetivos das partes interessadas, conhecidos como stakeholders, que vai além dos administradores, funcionários e acionistas da organização, abrangendo partes como clientes, fornecedores, credores, comunidade, entre outros. Os primeiros passos para definição da administração estratégica são a determinação da missão e dos objetivos da organização, tendo como referência os ambientes externo e interno. Sendo assim, é necessário analisar as oportunidades e ameaças ou limitações do ambiente externo; analisar os pontos fortes e fracos do ambiente interno da organização; estabelecer missão organizacional e objetivos gerais; formular estratégias em todos os níveis organizacionais (empresarial, unidades e funcional) combinando os pontos fortes e fracos com as

13 18 oportunidades e ameaças; implementar as estratégias; e realizar o controle estratégico de maneira a assegurar que os objetivos gerais da organização estão sendo alcançados. A interrelação entre cada um destes estágios é alta e deve ser dada atenção a este aspecto, uma vez que uma alteração em algum destes estágios pode refletir em qualquer um dos outros. O objetivo principal da administração estratégica é criar valor para seus proprietários (em muitos casos, seus acionistas), através da satisfação das necessidades e atendimento das expectativas de outros stakeholders, sendo este o motivo pelo qual anteriormente afirmou-se a importância dos altos administradores em ter em vista os objetivos de todos os stakeholders. Michael Porter (1989: p. 4), mostra o conceito das Cinco Forças para analisar a estrutura de cada indústria, conforme figura 2 a seguir: Figura 2 - As Cinco Forças Competitivas que Determinam a Rentabilidade da Indústria Fonte: Fonte: Porter, 1989, p.4

14 19 As cinco forças competitivas podem assim ser definidas: - Rivalidade entre os concorrentes: Este modelo auxilia na determinação do valor criado por uma indústria em função da concorrência direta. A rivalidade ocorre porque um ou mais concorrentes sentem-se pressionados ou percebem a oportunidade de melhorar sua posição, existindo então uma acirrada disputa por posição dentro da indústria, onde as empresas tornam-se mutuamente dependentes. Os aspectos mais importantes são: a atividade, a agressividade dos concorrentes e as ferramentas de competição para conseguir mais mercados. - Barreiras à entrada de concorrentes: Novas empresas que entram para uma indústria trazem nova capacidade, o desejo de ganhar uma parcela do mercado e freqüentemente recursos substanciais. A ameaça de entrada em uma indústria depende das barreiras de entrada existentes, em conjunto com a reação que o novo entrante pode esperar da parte dos concorrentes já existentes. Se as barreiras são altas, o recém-chegado pode esperar retaliação acirrada dos concorrentes na defensiva; a ameaça de entrada é pequena. Exemplos de Barreira de entradas podem ser: economias de escala, diferenciação do produto, capital necessário, desvantagem de custo (independente do tamanho), acesso aos canais de distribuição, política governamental. - Produtos Substitutos: A existência de substitutos que desempenham as mesmas funções que os produtos ou serviços analisados é uma condição básica que limita o montante de valor que uma indústria pode criar. Os substitutos reduzem os retornos potenciais de uma indústria, colocando um teto nos preços que as empresas podem fixar com lucro. O impacto dos substitutos pode ser resumido como a elasticidade global da demanda da indústria. Os substitutos não apenas limitam os lucros em tempos normais, como também reduzem as fontes de riqueza que uma indústria pode obter em tempos de prosperidade. A identificação de produtos substitutos é conquistada por meio de pesquisas de outros produtos que possam desempenhar a mesma função que aquele da indústria.

15 20 - Poder dos compradores: Trata-se da força demonstrada pelos compradores ao negociar a compra de produtos ou serviço. Os compradores competem com a indústria forçando os preços para baixo, barganhando por melhor qualidade ou mais serviços e jogando os concorrentes uns contra os outros - tudo à custa da rentabilidade da indústria. - Poder dos fornecedores: Trata-se da força demonstrada pelos fornecedores ao negociar com compradores, ameaçando elevar preços ou reduzir a qualidade de seus serviços. Os fornecedores podem exercer poder de negociação sobre os participantes de uma indústria ameaçando elevar preços ou reduzir a qualidade dos bens e serviços fornecidos. Fornecedores poderosos podem conseqüentemente sugar a rentabilidade de uma indústria incapaz de repassar os aumentos de custos em seus próprios preços. Segundo este modelo, Alvarez & Queiroz (2003, apud PORTER 1986) afirmam que: As forças externas afetam todas as empresas e que o ponto básico encontra-se nas diferentes habilidades de se lidar com elas. Por esse motivo, as empresas devem ter como estratégia competitiva a busca por uma posição que a possibilite defender-se contra as forças ou então influenciá-las a seu favor. Além disso, ressaltam também o conceito do polinômio fornecedor-cliente, em que a vantagem competitiva de uma determinada empresa só pode ser obtida através da diminuição da vantagem competitiva de seu oponente (p. 2). Neste trabalho será dada particularmente ênfase à dimensão poder dos fornecedores, tratando especialmente os prestadores de serviços, por estarem inseridos em nossa cadeia produtiva. Para explicitar melhor a importância desta dimensão trazemos aqui o exposto por Alvarez & Queiroz (2003): Neste cenário competitivo, pode-se afirmar que, atualmente, o foco no estreitamento dos laços de parceria entre fornecedor e cliente tem sido uma das maiores preocupações das organizações. A geração de valor tem como ponto de partida um outro patamar de relacionamento com o cliente, que possibilita a visualização de todos os aspectos tangíveis e intangíveis de suas necessidades, para além daquilo que ele mesmo possa enunciar como sua demanda. O fortalecimento do relacionamento com os fornecedores deve ser uma meta, de igual importância a àquelas almejadas junto aos seus clientes (p. 1). Ainda, tomando como base Porter em suas Estratégias Competitivas Genéricas, identificase que a ArcelorMittal Brasil S/A (site Tubarão) optou pela Liderança Geral de Custos, ou segundo as Disciplinas de valor de Treacy e Wiersema pela Excelência Operacional, em que se tem como premissas: foco na eficiência em grandes volumes de produção; utilização de procedimentos operacionais padronizados; exigência do cumprimento dos padrões e trabalho

16 21 em equipe; relacionamento estreito e constante com os fornecedores; sistemas de informação integrados, confiáveis e de alta velocidade e investimento em atualização tecnológica; aversão ao desperdício e recompensa à eficiência; e produtos padronizados. Com esta estratégia a ArcelorMittal Brasil S/A (site Tubarão) cria barreiras à entrada de novos concorrentes devido a sua economia de escala e vantagem nos custos; reduz a ameaça de produtos substitutos; dificulta a pressão de compradores poderosos, pois os compradores podem exercer seu poder apenas para reduzir os preços até o nível do próximo concorrente mais eficiente; e a rivalidade dos concorrentes, pois com custos baixos ainda poderá gerar retorno, mesmo após os concorrentes terem investidos os seus lucros para combater a rivalidade. Os serviços de terceiros, por serem um dos principais componentes de custos da ArcelorMittal Brasil S/A (site Tubarão), merecem atenção especial, pois contribuem diretamente na estabilidade do processo produtivo e na qualidade do produto vendido. Logo, um bom desempenho das contratadas de serviços irá refletir nos resultados da Companhia BALANCED SCORECARD Chiavenato separa as etapas das organizações em três eras: industrialização clássica, que vai de 1900 a 1950; industrialização neoclássica, que vai de 1950 a 1990 e a era da informação, que ocorre após As eras da industrialização são marcadas pela rigidez e inflexibilidade e a da informação é marcada por constantes mudanças e imprevisibilidade. Na era da industrialização, utilizavam-se índices financeiros e de produtividade para mensurar o desempenho das empresas, métodos estes que se tornaram obsoletos na era da informação, pois apenas mostram os resultados dos investimentos e das atividades, não contemplando os impulsionadores de rentabilidade em longo prazo. A necessidade de um sistema dinâmico de informação que atenda às exigências do mercado atual faz com que os executivos busquem indicadores sobre vários aspectos do ambiente e desempenho organizacional, a fim de possuir ferramentas que os auxiliem na tomada de decisões.

17 22 Nas últimas décadas, muitos modelos foram desenvolvidos e apresentados, dentre eles, o Balanced Scorecard (BSC). O BSC é um modelo de gestão, desenvolvido por Norton & Kaplan em meados de Sua abordagem é fornecer um detalhamento sobre o que as empresas deveriam medir para equilibrar a perspectiva financeira. É uma técnica que visa integração e balanceamento de todos os principais indicadores de desempenho existentes desde os financeiros/administrativos até os processos internos. Desta forma, é um sistema que traduz a visão e a estratégia de uma empresa em objetivos e metas tangíveis. Como ferramenta de gestão, possibilita complementar as medidas financeiras do desempenho passado com medidas dos vetores que impulsionam o desempenho futuro. Da visão e estratégia da empresa derivam os objetivos e metas do scorecard, que focalizam o desempenho organizacional através de quatro perspectivas: financeira, do cliente, dos processos internos e de aprendizado e crescimento. O modelo sugere uma estruturação a partir destas perspectivas e, para desenvolver medidas, colete dados e os analise sobre o foco de cada uma delas. Para maior compreensão apresentamos a Figura 3 - O Balanced Scorecard Fornece a estrutura necessária para a tradução da estratégia em termos operacionais.

18 23 Finanças Para sermos bemsucedidos financeiramente, como deveríamos ser Objetivos Indicadores Metas Iniciativas vistos pelos nossos acionistas? Para alcançarmos nossa visão, como deveríamos ser vistos pelos nossos clientes? Objetivos Indicadores Metas Iniciativas Cliente Visão e Estratégia Para satisfazermos nossos acionistas e clientes, em que processos de negócios devemos alcançar a excelência? Objetivos Processos Internos Indicadores Metas Iniciativas Para alcançarmos nossa visão, como sustentaremos nossa capacidade de mudar e melhorar? Objetivos Aprendizado e Crescimento Indicadores Metas Iniciativas Figura 3 - O Balanced Scorecard fornece a estrutura necessária para a tradução da estratégia em termos operacionais Fonte: Kaplan & Norton, 1997, p.10 a) Perspectiva Financeira A pergunta que os executivos devem fazer ao avaliar esta perspectiva é: para sermos bem sucedidos financeiramente, como deveríamos ser vistos pelos nossos acionistas? Esta perspectiva permite medir e avaliar os resultados que a empresa proporciona para os acionistas e itens necessários para o seu crescimento e desenvolvimento. Podem ser avaliados os indicadores: retorno sobre o investimento, o valor econômico agregado, a lucratividade, o aumento de receitas, redução de custos.

19 24 b) Perspectiva do cliente A pergunta que os executivos devem fazer para avaliar esta perspectiva é: para alcançarmos nossa visão, como poderíamos ser vistos pelos nossos clientes? Esta perspectiva permite identificar os pontos importantes na concepção dos clientes, tais como: tempo, qualidade, desempenho e serviço. Podem ser avaliados os indicadores: participações de mercado, aquisição de clientes, retenção de clientes, a lucratividade dos clientes e o nível de satisfação dos consumidores. c) Perspectiva dos processos internos A pergunta que os executivos devem fazer para avaliar esta perspectiva é: para satisfazermos nossos clientes, em que processos de negócios devemos alcançar a excelência? Esta perspectiva é elaborada após a perspectiva financeira e dos clientes, pois essas fornecem as diretrizes para seus objetivos. Os processos internos referem-se às várias atividades que a empresa realiza dentro da organização, abrangendo os processos de inovação (criação de produtos e serviços), operação (produção e comercialização) e de serviços pós-venda (suporte ao consumidor após as vendas). Um indicador a ser considerado é a melhoria nos processos internos. d) Perspectiva do aprendizado/crescimento A pergunta que os executivos devem fazer para avaliar esta perspectiva é: para alcançarmos nossa visão, como sustentaremos nossa capacidade de mudar e melhorar? Esta perspectiva oferece a base para a obtenção dos objetivos das outras perspectivas. Sendo assim, identifica-se a infra-estrutura necessária para o crescimento e melhorias em longo prazo, as quais podem abranger pessoas, sistemas e procedimentos organizacionais. Apresenta também capacidades de que a empresa deve possuir para conseguir processos internos capazes de criar valor para clientes e acionistas. Podem ser avaliados os indicadores: nível de

20 25 satisfação dos funcionários, rotatividade, lucratividade por funcionário, capacitação e treinamento dos funcionários e participação dos funcionários com sugestões para redução de custos ou aumento de receitas. Para Kaplan & Norton (1997): O Balanced Scorecard leva o conjunto de objetivos das unidades de negócios além das medidas financeiras sumarizadas. Os executivos podem agora avaliar até que ponto as unidades de negócios geram valor para os clientes atuais e futuros, e como devem aperfeiçoar as capacidades internas de investimentos necessários em pessoal, sistemas e procedimentos visando a melhorar o desempenho futuro. O Balanced Scorecard capta as atividades críticas de geração do valor criadas por funcionários e executivos capazes e motivados da empresa (p.8). Ainda segundo esses autores, empresas inovadoras utilizam esta ferramenta como sistema de gestão estratégica como forma de administrar a estratégia a longo prazo e, para isso viabilizar processos gerenciais críticos como: esclarecer e traduzir a visão e a estratégia; comunicar e associar objetivos e medidas estratégicas; planejar, estabelecer metas e alinhar iniciativas estratégicas; e por fim, melhorar o feedback e o aprendizado estratégico. Isto pode ser mais bem compreendido através da figura 4 a seguir:

21 26 Esclarecendo e Traduzindo a Visão e a Estratégia Esclarecendo a visão Estabelecendo o consenso Comunicando e Estabelecendo Vinculações Comunicando e educando Vinculando recompensas a medidas de desempenho Balanced Scorecard Feedback e Aprendizado Estratégico Articulando a visão compartilhada Fornecendo feedback estratégico Facilitando a revisão e o aprendizado estratégico Planejamento e Estabelecimento de Metas Esclarecendo metas Alinhando iniciativas estratégicas Alocando recursos Estabelecendo marcos de referência Figura 4 - O Balanced Scorecard como estrutura para ação estratégica Fonte: Kaplan & Norton, 1997, p.12 Para ilustrar um BSC de uma empresa, através da missão e visão, o alinhamento estratégico e a tradução disto em um mapa estratégico, apresenta-se abaixo, nas figuras 5, 6 e 7, o exemplo do BSC Corporativo da ArcelorMittal Brasil S/A.

22 27 Our Vision Our Mission Our Strategy Our Philosophy Our Commitments To be the world's most admired steel company: the reference in the global steel industry To achieve unrivalled leadership To achieve critical mass Consolidate relevant markets Industrial excellence and market leadership Continue growth strategy Safety first Multicultural and ethical Forward looking Performance oriented Aiming at speed and sustainability Team work Exceed the value creation expected by our shareholders Generate value for our customers Make it an exciting company to work for Integration principles consistent with the Arcelor Mittal Vision Value creation driven Fast and sustainable Best of both or best practice Accountability Figura 5 - Missão, Visão Estratégia, Filosofia e Comprometimentos da ArcelorMittal Brasil S/A Fonte: ArcelorMittal Brasil S/A Figura 6 Alinhamento Estratégico da ArcelorMittal Brasil S/A Fonte: ArcelorMittal Brasil S/A

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 3 - AS PERSPECTIVAS DO BSC - FINANCEIRA E CLIENTES PLANEJAMENTO E GESTÃO ESTRATÉGICA

Leia mais

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico Balanced Scorecard Resumo Metodológico Estratégia nunca foi foi tão tão importante Business Week Week Entretanto... Menos de de 10% 10% das das estratégias efetivamente formuladas são são eficientemente

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc.

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. PRINCÍPIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA (FOfA) BALANCED SCORECARD (BSC) EVOLUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. ESCOLAS DE PENSAMENTO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos

Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos Revisão Organizações focalizadas na estratégia: Traduzir a estratégia em termos operacionais;

Leia mais

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios Governança de TI Parte 3 Modelo de Governança v2 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR Modelo de Governança de TI Modelo adaptação para qualquer tipo de organização Componentes do modelo construídos/adaptados

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Agenda Apresentação Planejamento Estratégico Stratec Perguntas Agenda David Azevedo davidazevedo@hotmail.com (019) 99764-4664 Clientes dos Segmentos Eletrodomésticos Home Appliances

Leia mais

Balanced Scorecard. by Edmilson J. Rosa

Balanced Scorecard. by Edmilson J. Rosa Balanced Scorecard Balanced Scorecard O Balanced Scorecard, sistema de medição de desempenho das empresas, foi criado por Robert Kaplan e David Norton, professores da Harvard Business School. Tendo como

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Núcleo Comum. Gestão Empresarial. Administração Estratégica Planejamento e o BSC. Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior

Núcleo Comum. Gestão Empresarial. Administração Estratégica Planejamento e o BSC. Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior Núcleo Comum Gestão Empresarial Administração Estratégica Planejamento e o BSC Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior INTRODUÇÃO O ato de planejar e gerenciar pertence ao cotidiano de grande parte dos

Leia mais

Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior A disciplina Nossa disciplina se divide em 4 unidades de aprendizagem: 1. Conceitos e contexto empresarial

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Balanced Scorecard - BSC Indicadores de. Prof. Douglas Rocha, M.Eng.

Balanced Scorecard - BSC Indicadores de. Prof. Douglas Rocha, M.Eng. Balanced Scorecard - BSC Indicadores de Desempenho Prof. Douglas Rocha, M.Eng. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Estratégica 2. Definições de Visão Estratégica 3. Vantagem competitiva 4. Posicionamento Estratégico

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC 0 Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard BSC 1. INTRODUÇÃO: O MUNDO DO TRABALHO CONTEMPORÂNEO O mundo do trabalho vem passando por constantes

Leia mais

Medição de Desempenho de Processos

Medição de Desempenho de Processos Medição de Desempenho de Processos Leandro Jesus VP Associações ABPMP Brasil as.abpmp.br@gmail.com 21 25615619 21 99790945 O Palestrante Leandro Jesus: Sócio-Diretor da ELO Group, consultoria especializada

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Disciplina : Avaliação de Desempenho. Prof. Robson Soares

Disciplina : Avaliação de Desempenho. Prof. Robson Soares Capítulo 4 Balanced Scorecard Disciplina : Avaliação de Desempenho Prof. Robson Soares À medida que são verificados os diversos conceitos e concepções ligados a avaliação de desempenho, torna-se necessário

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

Ges tão Estra tégica: 3 - I m plantaç ão

Ges tão Estra tégica: 3 - I m plantaç ão Todos gostamos de belas palavras, porém poucos de nós as transformam em atos (Sun Tzu) INTRODUÇÃO Se oferecermos a um piloto de avião, duas aeronaves distintas para ele voar, qual delas escolheria? (i)

Leia mais

Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT

Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT Eduardo Alves de Oliveira eduaopec@yahoo.com.br SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados Rua Pacheco Leão, 1235 - Fundos

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Agenda. Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI

Agenda. Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI Governança de TI Agenda Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI Modelo de Governança de TI Uso do modelo

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

Solução Accenture RiskControl

Solução Accenture RiskControl Solução Accenture RiskControl As rápidas transformações econômicas e sociais que marcaram a primeira década do século XXI trouxeram novos paradigmas para a gestão empresarial. As organizações ficaram frente

Leia mais

FORMALIZAR O PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS NAS ORGANIZAÇÕES PARTE II

FORMALIZAR O PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS NAS ORGANIZAÇÕES PARTE II FORMALIZAR O PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS NAS ORGANIZAÇÕES PARTE II FORMALIZE THE PROCESS OF STRATEGIES ON DEPLOYMENT OF ORGANIZATIONS PART II Resumo Autor: Gleison Hidalgo Sociedade Paranaense

Leia mais

A Implementação do Balanced Scorecard como Modelo de Gestão: Empresa do Ramo Farmacêutico

A Implementação do Balanced Scorecard como Modelo de Gestão: Empresa do Ramo Farmacêutico A Implementação do Balanced Scorecard como Modelo de Gestão: Resumo Empresa do Ramo Farmacêutico Andrea Sousa Silva Cecilia Caroline Barone Renata Furtado Costa Wagner Pagliato O presente artigo infere

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

BSC Balance Score Card

BSC Balance Score Card BSC (Balance Score Card) BSC Balance Score Card Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Uma das metodologias mais visadas na atualidade éobalanced ScoreCard, criada no início da década de 90 por Robert

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

Balanced Scorecard: Sistema de Avaliação de Desempenho

Balanced Scorecard: Sistema de Avaliação de Desempenho 11 Balanced Scorecard: Sistema de Avaliação de Desempenho Objetivos Mostrar que por meio da aplicação do conceito do Balanced Scorecard a gestão do desempenho estratégico torna-se mais fácil e precisa,

Leia mais

Construa um sistema de gestão com a sua cara: inovando

Construa um sistema de gestão com a sua cara: inovando Construa um sistema de gestão com a sua cara: inovando Qual o gestor, que ainda não tenha se perguntado qual seria o sistema de gestão mais inteligente para buscar o resultado esperado? Alguns gestores

Leia mais

BALANCED SCORECARD Um estudo de caso em uma empresa de varejo

BALANCED SCORECARD Um estudo de caso em uma empresa de varejo BALANCED SCORECARD Um estudo de caso em uma empresa de varejo CLIENTES PROCESSOS INTERNOS VISÃO E ESTRATÉGIA FINANÇAS APRENDIZADO E CRESCIMENTO Como definir a empresa? Que visão a empresa deve ter? Quais

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios.

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Autor: Douglas Marcos da Silva 7 Sumário Executivo Nas últimas décadas, a evolução tecnológica, a interdependência dos mercados e a intensificação

Leia mais

BALANCED SCORECARD: UTILIZANDO INDICADORES ESTRATÉGICOS NA MELHORIA DO DESEMPENHO EMPRESARIAL

BALANCED SCORECARD: UTILIZANDO INDICADORES ESTRATÉGICOS NA MELHORIA DO DESEMPENHO EMPRESARIAL BALANCED SCORECARD: UTILIZANDO INDICADORES ESTRATÉGICOS NA MELHORIA DO DESEMPENHO EMPRESARIAL BALANCED SCORECARD: USING PERFORMANCE INDICATORS IMPROVEMENT IN STRATEGIC BUSINESS BALANCED SCORECARD: UTILIZANDO

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

PNQS 2014 IGS RDPG PRÊMIO CIPA

PNQS 2014 IGS RDPG PRÊMIO CIPA PNQS 2014 IGS RDPG PRÊMIO CIPA Mudança de cultura na gestão de segurança e saúde por meio do estímulo e reconhecimento das Comissões Internas de Prevenção de Acidentes A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a

Leia mais

Bibliografia. A Estratégia em Ação. Kaplan e Norton na Prática. David Norton e Robert Kaplan Editora Campus

Bibliografia. A Estratégia em Ação. Kaplan e Norton na Prática. David Norton e Robert Kaplan Editora Campus Balanced Scoredcard Bibliografia A Estratégia em Ação David Norton e Robert Kaplan Editora Campus Kaplan e Norton na Prática David Norton e Robert Kaplan Editora Campus GESTÃO ESTRATÉGICA GESTÃO DA QUALIDADE

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

OS ÍNDICES DA PERSPECTIVA FINANCEIRA DO BSC: EVA E MVA

OS ÍNDICES DA PERSPECTIVA FINANCEIRA DO BSC: EVA E MVA OS ÍNDICES DA PERSPECTIVA FINANCEIRA DO BSC: EVA E MVA Benjamim de Souza Siqueira 1 RESUMO Antigamente, medir desempenho empresarial era simples assim: o faturamento e o lucro cresceram? As dívidas caíram?

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Gestão Estratégica. BSC: As 4 perspectivas de valor Metáfora da Árvore

Gestão Estratégica. BSC: As 4 perspectivas de valor Metáfora da Árvore Gestão Estratégica 8 Mapas Estratégicos Prof. Dr. Marco Antonio Pereira marcopereira@usp.br BSC: As 4 perspectivas de valor Metáfora da Árvore Financeira Cliente Processos Internos Colaboradores 1 BSC:

Leia mais

Por que medir? Para que medir?? Como e que medidas utilizar???

Por que medir? Para que medir?? Como e que medidas utilizar??? Palestra: O BSC e a Gestão Estratégica das EBT s Sergio Boeira Kappel, engenheiro eletrônico PUC-RS / 1979, especialista em Gestão Estratégica de Empresas (UFSC / 2001) e mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores O Planejamento Estratégico deve ser visto como um meio empreendedor de gestão, onde são moldadas e inseridas decisões antecipadas no processo

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

Modelos de Gestão Estratégica

Modelos de Gestão Estratégica Aula 04 Modelos de Gestão Estratégica TI-011 Gerenciamento Estratégico Corporativo Prof a. Gabriela Barbarán MISSÃO E VISÃO Dirige Direciona ESTRATÉGIAS PROCESSOS Aperfeiçoa Utiliza e Mensura RECURSOS

Leia mais

1. METODOLOGIA APLICADA

1. METODOLOGIA APLICADA 1. METODOLOGIA APLICADA O propósito do planejamento pode ser definido como o desenvolvimento de processos, técnicas e atitudes administrativas que proporcionam uma situação viável de avaliar as implicações

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS Marcela Souto Castro (UFF ) idearconsultoria@gmail.com Jose Rodrigues de Farias Filho (UFF ) rodrigues@labceo.uff.br Arnaldo

Leia mais

A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais. Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras

A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais. Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras Visão e Missão da Petrobras Visão 2020 Ser uma das cinco maiores

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias

RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade de melhoria de gestão (problema, desafio, dificuldade), solucionada pela prática

Leia mais

A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica

A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica No início dos anos 90, as organizações passaram a incorporar a visão de processos nos negócios na busca pela qualidade, produtividade

Leia mais

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Módulo 2 Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Origem do BSC Cenário Competitivos CONCORRENTE A CONCORRENTE C VISÃO DE FUTURO ESTRATÉGIA

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis MBA em Gestão de Projetos Gerenciamento de Projetos Prática essencial para gerar negócios sustentáveis Prof: Ângelo Braga, PMP, MBA angelo.braga@fgv.br eu@angelobraga.com.br 2/154 Contatos Prof. Ângelo

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Gustavo Figueiredo 2 Resumo O IBAMETRO - Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade, autarquia ligada

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

Indicadores e Métricas de Desempenho. O modelo de BSC para Service Desk

Indicadores e Métricas de Desempenho. O modelo de BSC para Service Desk Indicadores e Métricas de Desempenho O modelo de BSC para Service Desk Este documento emprega alguns conceitos da metodologia Balanced Scorecard (BSC), amplamente estudados e discutidos pelo Strategic

Leia mais

ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD. BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL www.brunovalim.com.

ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD. BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL www.brunovalim.com. ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL O que torna o homem diferente dos outros animais é a habilidade de OBSERVAR, MEDIR, ANALISAR

Leia mais

Como medir, gerenciar e desenvolver o capital humano na Nova Economia

Como medir, gerenciar e desenvolver o capital humano na Nova Economia Como medir, gerenciar e desenvolver o capital humano na Nova Economia Dr. David P. Norton Autor, The Balanced Scorecard Seminário do Setor Público Brasilia, DC 28 de agosto, 2014. wwww.conexxoes.com.br

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP Em um ambiente de negócios competitivo, a condução de projetos de forma eficiente e sem desperdícios é um grande diferencial para o sucesso.

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais