IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A IMPLANTAÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A IMPLANTAÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL"

Transcrição

1 IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A IMPLANTAÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Rogério Luís Pimenta Ribeiro Paulo Fernandes Sanches Junior Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais RESUMO: Esse projeto de pesquisa procurou evidenciar a importância que o processo de planejamento estratégico possui nos sistemas de gestão ambiental. Seu objetivo foi avaliar a relevância e o valor que o planejamento estratégico possui dentro dos sistemas de gestão ambiental. A pesquisa foi realizada através de pesquisa bibliográfica utilizando referencial teórico sobre os temas planejamento estratégico, gestão ambiental e sistemas de gestão ambiental além de dados secundários sobre esses temas. A revisão da literatura mostrou que a o planejamento estratégico é parte integrante de vários modelos de gestão ambiental, inclusive em modelos pioneiros. Concluiu-se que o planejamento tem relevância para os sistemas de gestão ambiental e é necessário para elaboração de um sistema de gestão ambiental eficaz. PALAVRAS-CHAVE: Planejamento estratégico. Gestão ambiental. Sistemas de Gestão Ambiental. 1. Introdução A lei da física determina, dogmaticamente, que toda ação gera uma reação. Olhando sob essa perspectiva, é praticamente um consenso, dentro da comunidade científica, que os problemas ambientais vivenciados pela sociedade são reflexos de um modelo econômico centrado no princípio da inesgotabilidade dos recursos naturais. Nesse modelo, o padrão de consumo quantitativo da sociedade é incompatível com a capacidade de produção (ou regeneração) do planeta. Esse padrão, que mede o conforto e desenvolvimento de um país através de índices quantitativos de consumo, se consolida no american way of life (RUTKOWSKI et al,1997). Phillipi Jr et. al. (2004) são enfáticos ao afirmar que o custo desse modelo de progresso está muito alto em termos ambientais, e a conscientização ambiental vem sendo feita de maneira muito lenta ao longo da história.

2 Atualmente vários esforços vêem sendo realizados em prol do reconhecimento da necessidade de se preservar o meio ambiente e estimular a sociedade a buscar novos modos de desenvolvimento auto-sustentáveis, a fim de assegurar as condições de vida no planeta Terra. Um dos principais marcos históricos da questão ambiental foi o relatório intitulado O Nosso Futuro Comum, elaborado pela Comissão de Brundland. Esse relatório consolida uma visão crítica do modelo de desenvolvimento adotado pelos países industrializados e mimetizado pelas nações em desenvolvimento, ressaltando a incompatibilidade entre os padrões de produção e consumo vigentes nos primeiros e o uso racional dos recursos naturais e a capacidade de suporte dos ecossistemas. O relatório ainda conceitua como sustentável o modelo de desenvolvimento que "atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem suas próprias necessidades". A partir de sua publicação, o "Nosso Futuro Comum" tornou-se referência mundial para a elaboração de estratégias e políticas de desenvolvimento eco-compatíveis. Apesar da evolução da questão ambiental, a humanidade ainda vem utilizando 20% a mais de recursos naturais do que o planeta é capaz de repor, conforme o Relatório Planeta Vivo 2002, elaborado pelo WWF (OLIVEIRA e SANTOS, 2007). Os problemas do crescimento populacional e do impacto ambiental também são prementes. A escassez dos recursos naturais, somada ao crescimento desordenado da população mundial e à intensidade dos impactos ambientais, surge o conflito da sustentabilidade dos sistemas econômico e natural, fazendo do meio ambiente um tema literalmente estratégico e urgente. O homem começa a entender a impossibilidade de transformar as regras da natureza e a importância da reformulação de suas práticas ambientais. Manifesta-se, assim, a questão ambiental dentro das organizações, que se sentem pressionadas a encontrar maneiras para minimizar os impactos ambientais causados pelas suas atividades econômicas. O reconhecimento de que os recursos naturais são finitos e da dependência deles para a sobrevivência humana, bem como para o próprio crescimento econômico, são fundamentais para o desenvolvimento sustentável, o qual sugere a utilização dos recursos naturais com qualidade e não em quantidade (WWF). Dessa forma descreve-se o objetivo desse artigo como sendo a compreensão da relação e da influência que o planejamento estratégico possui no processo de implantação dos Sistemas de Gestão Ambiental.

3 2. Metodologia A pesquisa utiliza técnicas procedimentais da pesquisa exploratória sendo suas variáveis de natureza qualitativa Sua coleta de dados foi feita através do método da pesquisa bibliográfica, sendo suas fontes, primariamente livros e artigos de periódicos. Quanto à variável temporal é considerada uma pesquisa ocasional. Considerou-se a pesquisa exploratória, pois seu propósito maior era obter o maior conhecimento sobre o tema sendo sua estrutura pouco ou nada determinada. Quanto à natureza de suas variáveis, qualitativas foi a definição dada, pois essas variáveis procuram estabelecer a presença ou não de algo. 3. Planejamento e estratégia Inicialmente o planejamento estratégico surgiu da falta de sintonia entre a oferta de produtos e o mercado que se destinava a absorvê-los. Esse problema, que foi definido como problema estratégico, gerou uma análise racional das oportunidades oferecidas pelo ambiente, dos pontos fortes e fracos das empresas e da escolha de compatibilização entre os dois extremos, considerando o mais eficazmente possível os objetivos da empresa. (ANSOFF, 1990). A expressão planejamento estratégico é formada pela junção de duas palavras distintas: Planejamento e Estratégia. De acordo com Ackoff (1976) o planejamento é um processo de tomada de decisão e avaliação de um conjunto de ações inter-relacionadas, antes que seja necessária qualquer ação, visando aumentar a probabilidade de um resultado favorável em uma situação futura desejada, que não ocorreria, caso não fossem adotadas as medidas necessárias. Ackoff (1976) defende essa definição por considerar que o planejamento é uma forma especial de tomada de decisão e propõe três justificativas pra isso. - O planejamento é algo que fazemos antes de agir, um processo de decisão antecipado. Essa justificativa define que o planejamento é um processo de decidir o que fazer, e como fazê-lo, sem perda de eficiência. - O planejamento é necessário quando a consecução do estado futuro desejado envolve um conjunto de decisões interdependentes, ou seja, um sistema de decisões. Esse sistema de decisões é complexo demais para ser manipulado de uma só vez e tem como característica o fato de não poder ser subdividido em subconjuntos independentes.

4 - O planejamento se preocupa tanto em evitar ações incorretas, quanto em reduzir a freqüência dos fracassos ao se perseguirem oportunidades. Resumindo, planejamento pode ser considerado uma definição de um futuro desejado e de meios eficazes de obtê-lo. Já a palavra estratégia, na literatura, não possui um significado único. Oliveira (1999) propõe que a estratégia é um conjunto de decisões formuladas com o objetivo de orientar o posicionamento da empresa no ambientes. Mintzberg (2000) já defende a idéia de que a estratégia tem múltiplos significados, podendo assumir qualquer um deles. Os significados podem ser de: Estratégia como um plano, definido como uma direção, um guia ou curso de ação para o futuro, um caminho de cá para lá. Estratégia como um padrão, uma série de ações que fortalecem o comportamento com o passar do tempo. Estratégia como uma posição, sendo a organização de certos produtos em determinados mercados. Estratégia como uma perspectiva, que teria como definição a maneira de uma organização fazer e encarar as coisas. Estratégia como uma manobra, consistindo em um movimento especifico destinado a sobrepujar um oponente ou competidor. Mintzberg et al (2000) afirma que embora não haja uma definição simples para estratégia defende que existem áreas de concordância sobre a natureza da estratégia. As áreas de concordância são: - A estratégia deve se relacionar tanto com a organização como o ambiente. Não é possível formular uma estratégia separando a organização de seu ambiente. - Existe complexidade na estratégia. As mudanças pelos quais a organização e o ambiente passam trazem conseqüências, essas permanecem mutáveis em vários sentidos. - A estratégia envolve o bem-estar de toda a organização. As decisões tomadas através da estratégia são importantes o suficiente para afetar o bem estar de toda a organização. - A estratégia inclui questões tanto de conteúdo como de processo. O estudo da estratégia está relacionado com as ações tomadas, os conceitos de estratégia e os processos que foram usados e serão usados. - As estratégias não são sempre as pretendidas. As estratégias pretendidas, as emergentes e as realizadas podem variar entre si.

5 - As estratégias atuam em níveis diferentes. As empresas possuem uma estratégia corporativa, em qual negócio elas devem competir, e estratégia de negócios, como elas irão competir em cada negócio. - As estratégias necessitam de processos de pensamento. As estratégias requerem exercícios conceituais e analíticos. 4. O Planejamento Estratégico As estratégias organizacionais são, geralmente, definidas pela alta administração e são construídas para a obtenção de certos objetivos organizacionais como, por exemplo, concentrar-se em uma linha de negócio ou diversificar-se, expandir ou manter o crescimento. Esse processo de levantamento de informações, análise e planejamento, visando a construção e implementação de estratégias e objetivos, resultando em uma seqüência de atividades ou eventos que visam auxiliar os gestores a tomar decisões para alinhar a empresa com o ambiente chama-se planejamento estratégico. (CORAL; ROSSETTO; SELIG, 2003). Mintzberg (1994) defende que o planejamento estratégico é um processo no qual a estratégia de uma organização é construída em um determinado e detalhado momento, no qual todas as importantes decisões serão inter-relacionadas. O planejamento é orientado para a análise sistemática e detalhada e procura entender a situação do ambiente para influenciá-lo. O planejamento estratégico atualmente bastante difundido e utilizado pelas organizações para avaliação das variáveis que influenciam seu ambiente interno e externo, visando adequar um plano de ação para atingir certo futuro desejado pode possuir esses objetivos e vantagens: - Definir os pontos fortes e fracos da organização e as oportunidades e ameaças de seu ambiente; - Adquirir informações sobre o mercado, seus concorrentes, a própria empresa e seu ramo de negócio; - Diminuir o risco de ações negativas a organização; - Criar rumos aos negócios; - Avaliar o macro-ambiente e definir os objetivos e metas da organização; - Alertar e preparar a organização para situações de crise; - Agrupar informações relevantes e ordená-las para melhor tomada de decisão; - Facilitar o alcance dos objetivos e metas através do planejamento de recursos;

6 - Posicionar a organização em uma situação de valor no seu mercado e entre seus concorrentes; - Favorecer a construção e implementação de estratégias diferenciadas; Além das inúmeras vantagens que o planejamento estratégico proporciona, existem várias pesquisas que defendem a relação positiva entre esse processo e o desempenho empresarial. (CORAL; ROSSETTO; SELIG, 2003) As pesquisas feitas demonstram que o planejamento estratégico já é amplamente usado pelas organizações e que em mercados onde ele é difundido ele não representa uma vantagem competitiva. Isso acontece, pois o planejamento estratégico, sendo uma ferramenta, pode facilmente imitado por outras empresas. Porém, as empresas que utilizam-se dessa ferramenta não apresentam indicadores negativos relacionando desempenho e planejamento, muito pelo contrário, as empresas que tiveram desempenho positivo foram as que monitoraram sistematicamente seu ambiente. (CORAL; ROSSETTO; SELIG, 2003) Diferentemente, nos mercados onde o planejamento estratégico não é amplamente utilizado foi encontrado uma relação positiva entre sua utilização e o desempenho empresarial, ou seja, a utilização do planejamento estratégico torna-se uma vantagem competitiva nesse ambiente. Mintzberg et al (2000), entende que o planejamento estratégico possui múltiplas maneiras de implementação e desenvolvimento. As essas múltiplas maneiras ele define como escolas, dez precisamente. As escolas descritas por Mintzberg são: Escolas Design Planejamento Posicionamento Empreendedora Cognitiva Aprendizado Poder Cultura Ambiental Configuração Escolas propostas por Mintzberg et al (2000) Postura Propõe que a formação de estratégia pode ser vista como um processo de concepção. Defende que a criação de estratégias tem que ser visto como um processo formal. Analisa a criação de estratégias como um processo analítico. Afirma que a criação estratégica é um processo visionário Vê a formação de estratégias como um processo mental. Propõe a criação de estratégias como um processo emergente. Determina que as estratégias formadas são definidas por um processo de negociação. Acredita que a criação de estratégias acontece por um processo coletivo Analisa o processo de criação de estratégias como sendo reativo. Percebe a formação de estratégias como um processo de mutação. Quadro 01 Escolas propostas por Mintzberg Fonte: Adaptado de Mintzberg (2000)

7 Embora existam diversas formas de se analisar o processo estratégico, comumente, encontra-se na literatura definições para o planejamento estratégico baseadas principalmente nas três primeiras escolas: design, planejamento e posicionamento. A preferência por essas escolas faz com que o planejamento estratégico seja descrito como fases distintas de formulação, implementação e controle. Fases essas, que são características de destaque dessas escolas. Dessa forma, existe a tendência de que essas escolas dominem o trabalho de planejamento de departamentos corporativos e governamentais e em muitas empresas de consultoria. (MINTZBERG et al, 2000) 4.1 Metodologias formais do planejamento estratégico A literatura existente acerca do planejamento estratégico é ampla e diversificada quanto a seus modelos de elaboração e implementação, muitas vezes com perspectivas distintas. (CORAL; ROSSETTO; SELIG, 2003) Esses modelos apresentam etapas definidas do processo de planejamento estratégico e maneiras distintas de sua aplicação. Os modelos formais de planejamento estratégico com o passar dos anos foram sendo adaptados pelos pesquisadores da administração estratégica, os quais inseriram novas variáveis e abordagens para uma melhor adequação aos cada vez mais imprevisíveis ambientes empresariais. Além disso, visando cada vez mais explicitar as relações entre o planejamento, sua implantação e os resultados obtidos. Embora os modelos possuam abordagens distintas, pode-se afirmar que os modelos apresentam quatro macro-etapas em comum: o diagnóstico estratégico, que se constitui na captação de informações sobre a organização e seu ambiente; a construção e definição de missão, objetivos, estratégias e metas da organização, as quais estabelecem a posição futura desejada; a implementação do planejamento estruturado e o controle dos resultados planejamento implementado. Os modelos podem diferir quando a ordem de execução, ou formulação, de cada etapa, suas ferramentas de análise, a maneira de implantação, a complexidade dos métodos analíticos ou o estilo de liderança no processo, porém todos os modelos são semelhantes na metodologia a ser seguida para criação das estratégias. Dessa forma, muitas ferramentas foram desenvolvidas e aprimoradas com o passar dos anos para colaborar com esse processo, favorecendo assim os modelos formais de planejamento estratégico a ajudar a formulação de estratégias de sucesso. Resumindo, os

8 modelos formais são semelhantes nos passos a seguir durante o processo de planejamento e quanto ao tipo de informações relevantes para a tomada de decisão, variando quanto a ordem das etapas, ênfase do modelo ou orientação do processo. (CORAL; ROSSETTO; SELIG, 2003) Percebe-se uma importância dada em determinadas etapas, as quais a própria denominação e separação das etapas demonstram a ênfase nos passos a serem seguidos. 1. Definições preliminares A chamada visão organizacional é vital para a elaboração da estratégia organizacional e também é importante para envolvimento e sensibilização dos participantes do processo de planejamento. As definições preliminares podem estar em outras etapas juntamente com construção de políticas, objetivos e metas em alguns outros modelos. 2. Análise externa A obtenção de informações sobre o ambiente no qual a organização está inserida, constitui-se na localização dos fatores que se relacionam direta ou indiretamente com a competitividade no mercado em que a organização se encontra. 3. Análise interna Essa etapa é formada pelo conhecimento interno da organização, seus pontos fortes e fracos comparados com a concorrência, seus recursos humanos, materiais, tecnológicos e administrativos. 4. Definição de missão e objetivos A definição da missão e dos objetivos, na maioria dos modelos, é construída após a conclusão das etapas de análise interna e externa, já que esses processos fornecem informações relevantes para a definição da missão e dos objetivos. 5. Construção e seleção de estratégias A denominação dada às fases do processo de planejamento estratégico já fornecem informações quanto a ênfase que cada modelo possui no processo de construção e seleção de estratégias. 6. Implantação, controle e planejamento estratégico de recursos. Após a construção e seleção das estratégias mais adequadas, faz-se necessário formar uma plano de ação o qual garantirá a implementação das estratégias pré-estabelecidas, garantindo os recursos e as adequações internas necessárias ao sucesso da implementação. As divergências criadas pelo limite conceitual de até onde e planejamento estratégico, fez com que surgisse um novo modelo de gestão, a Administração Estratégica. Igor Ansoff, o primeiro a propor sobre o assunto, defende que a administração estratégica é a evolução do

9 modelo de planejamento estratégico, um modelo o qual integra implantação das estratégias pré-estabelecidas, alocação de recursos e controle utilizando um monitoramento contínuo e uma avaliação de resultados. (ANSOFF, 1990). Ao integrar implantação, alocação de recursos e controle, a administração estratégica supriu falhas de certos planejamentos estratégicos os quais não consideravam os limites e as capacidades da organização, alocavam recursos insuficientes para o sucesso do planejamento ou não possuíam capacidade administrativa suficiente para a execução do planejamento. (CORAL; ROSSETTO; SELIG, 2003) Alguns modelos e ferramentas do planejamento estratégico são mostrados abaixo: 1. As Cinco forças competitivas de Porter O modelo auxilia na análise do ambiente externo. O modelo identifica cinco forças que moldam e influenciam a competição no ambiente da organização. (MINTZBERG et al, 2000). Essas forças são: Figura 01 Forças competitivas de Porter. Fonte: Müller (2003). 1) O poder de barganha dos fornecedores 2) O poder de barganha dos clientes 3) A ameaça de produtos substitutos 4) A intensidade da competição entre as empresas concorrentes 5) A ameaça de novos entrantes. A combinação desses fatores pode explicar como as organizações definem uma ou outra estratégia.

10 2. A matriz BCG Figura 02 - Matriz BCG Fonte: Adaptado de Mintzberg (2000) A Matriz BCG é uma ferramenta que auxilia no planejamento de decisões relativas à participação de mercado e na alocação de fundos entre os vários negócios de uma empresa diversificada. (MINTZBERG, 2000). A figura 02 é um exemplo. 3. A Matriz SWOT Figura 03 Matriz SWOT Fonte: Adaptado de Müller (2003)

11 A matriz SWOT é uma ferramenta que auxilia a criação de estratégias através da localização e posicionamento de suas forças, fraquezas, oportunidades e ameaças. A análise da Matriz proporciona uma série de decisões as quais delimitam quais oportunidades devem ser aproveitadas, quais ameaças podem ser enfrentadas e quais pontos fracos serão trabalhados. 5. A Questão Ambiental Por muito tempo, o homem explorou os recursos naturais ignorando o fato de que esses recursos eram escassos, pois considerava que a escassez destes recursos estava muito longe de sua realidade. (PHILIPPI JR. et al, 2004) A exploração dos recursos tornou-se alarmante, ao ponto que a sobrevivência do homem foi colocada em risco. Essa preocupação afetou maneira da humanidade encarar seu modelo econômico e assim cria-se o conceito de Questão Ambiental. O Desenvolvimento sustentável que até alguns anos era ignorado como fator relevante nas decisões das empresas, hoje se destaca como diferencial competitivo. Os empresários, historicamente os vilões do meio ambiente, emergem com uma postura sustentável e incentivam políticas ambientais. Layrargues (1998) discute duas possibilidades para a entrada do setor empresarial no ambientalismo. A primeira, a racionalidade econômica, defende que a recente postura ambiental é conseqüência do esforço das empresas em se adequarem as forças reguladoras do mercado. A segunda, a racionalidade ecológica, define que o empresariado adotou o ambientalismo através da conscientização da crise ambiental. Inicialmente a racionalidade econômica é defendida pela possibilidade de ruína do sistema de produção atual. A excessiva utilização e conscientização da inesgotabilidade dos recursos naturais fizeram com que o mercado se sentisse ameaçado pelo esgotamento progressivo dos recursos naturais e assim, tendo que aderir a idéia de sustentabilidade. Além da questão to limite de recursos naturais existentes a racionalidade econômica é defendida também pelas novas oportunidades de negócio criadas pela inserção dessa nova variável de mercado, a ecologia. Rutchel, citado por Layrargues (1998), ainda propõe outros motivos para postura da racionalidade econômica. A crescente pressão sobre a sociedade gerou um novo perfil de consumidor, o consumidor verde, que possuindo um crescimento de 6% ao ano é diferente do

12 consumidor padrão tendo necessidades e desejos diferentes. Outro fator são as novas restrições de produtos no mercado internacional. O Mercado Comum Europeu, por exemplo, impõe pré-requisitos ambientais para certas categorias de produtos criando uma nova barreira a entrada para as empresas. Já postura da Racionalidade Ecológica é fruto da crescente conscientização ambiental que vem ocorrendo nas sociedades. Layrargues (1998) entende que a ecologização das sociedades ocorre principalmente pois elas percebem que o acontecimento de uma crise ambiental pode comprometer drasticamente a qualidade de vida das pessoas, ou até mesmo, acabar a vida da humanidade. Assim, Layrargues (1998) propõe que o processo de ecologização das sociedades está mais propenso a ser devido ao perigo iminente de uma catástrofe ecológica, o que ameaçaria a vida dos habitantes do planeta, do que com a idéia de que a ecologização ocorreu devido ao desenvolvimento de uma consciência crítica da problemática ambiental. Essa nova face ecológica foi a que, primeiramente, possibilitou, depois, a idéia de que um produto verde não necessariamente é mais caro de se produzir. Através de investimentos na adequação do processo produtivo é que se percebeu que se poderia obter ganhos através de produtos sustentáveis. Dessa forma, entende-se que as organizações, independente de suas motivações, tendem a seguir e investir em modelos sustentáveis futuros já que novas barreiras surgem a empresas não-optantes por esses modelos, imagens sustentáveis tornam-se vantagens competitivas e cada vez mais os consumidores apresentam uma conscientização da questão ambiental A questão ambiental nas empresas A realidade do mundo dos negócios cada vez mais exige que a questão ambiental seja uma variável presente. A globalização, a internacionalização dos padrões de qualidade contidos na série 14000, a conscientização dos consumidores e a disseminação da educação ambiental na sociedade faz com que, de maneira cada vez mais acentuada, as organizações incorporem a questão ambiental na elaboração de seus cenários e em suas tomadas de decisão. (DONAIRE, 1999) Analisando os pioneiros dessa nova realidade pode-se perceber que resultados econômicos e estratégicos no engajamento da causa ambiental podem ser positivos. O processo positivo é resultado de uma real internacionalização da variável ambiental em todos

13 os níveis da organização, criando um conceito de excelência ambiental na empresa e gerando, por fim, uma vantagem competitiva. A questão ambiental ao ser aplicada no mundo empresarial carrega consigo o preconceito econômico de que ao incluir os novos processos necessários para a excelência ambiental na organização, esses processos, acarretariam num acréscimo de custos no meu processo produtivo. (DONAIRE, 1999) O fato é que existe a possibilidade de obter dinheiro e proteger o meio ambiente independente do mercado em que se atua. As empresas devem transformar as suas restrições e ameaças ambientais em oportunidades de negócios. Cada empresa, porém, é afetada de maneira diferente pela variável ambiental. Abaixo é mostrado o modelo que define a motivação das empresas na proteção ambiental: Figura 04 - Motivação para proteção Ambiental na empresa. Fonte: Adaptado de Donaire (1999) As organizações após perceberem as possibilidades da gestão ambiental, começaram a incluir em seus negócios a dimensão ecológica. A expansão de práticas sustentáveis, como a reciclagem de resíduos e a economia de recursos, foram as primeiras a se disseminarem. Logo, porém foram desenvolvidos sistemas com maior equilíbrio com variável ambiental. O mais bem-sucedido desses programas foi o Sistema Integrado de Gestão Ambiental, desenvolvido por George Winter em 1989, sendo conhecido como o Modelo Winter. North, citado por Donaire (1999), apresenta quatro argumentos e benefícios (figura 5) para que uma empresa entre na causa ambiental. Seus argumentos são: A incorporação da variável ambiental nas organizações deve-se a resposta das organizações para lidar com as mudanças ocorridas no ambiente de negócios. Ackerman e Bauer, citados por Donaire (1999), apresentam um modelo conceitual que apresenta as fases e

14 ações de uma organização que reage às pressões sociais, como, por exemplo, o desejo por organizações mais amigáveis ao meio ambiente. BENEFÍCIOS ECONÔMICOS Economia de custos Economias devido à redução do consumo de água, energia e outros insumos. Economias devidos à reciclagem, venda e aproveitamento de resíduos e diminuição de efluentes. Redução de multas e penalidades por poluição. Incremento de Receitas Aumento da contribuição marginal de produtos verdes que podem ser vendidos a preços mais altos. Aumento da participação no mercado devido a inovação dos produtos e menos concorrência. Linhas de novos produtos para novos mercados. Aumento da demanda para produtos que contribuam para a diminuição da poluição. BENEFÍCIOS ESTRATÉGICOS Melhoria da imagem institucional. Renovação do portfólio de produtos. Aumento da produtividade. Alto comprometimento do pessoal. Melhoria das relações de trabalho. Melhoria e criatividade para novos desafios. Melhoria das relações com os órgãos governamentais, comunidade e grupos ambientalistas. Acesso assegurado ao mercado externo Melhor adequação aos padrões ambientais. Quadro 02 - Benefícios da gestão Ambiental Fonte: Adaptado de Donaire (1999) Donaire (1999) confirma que a inserção da variável ecológica na organização obedece à seqüência apresentada pelo modelo de Ackerman e Bauer. As três fases, conforme figura 06, são: Fase 1: Preocupação social existe, mas não está especificadamente ligada com a organização. (Percepção)

15 Fase 2: Fica clara a implicação da organização, mas a obrigatoriedade da ação é reduzida. (Compromisso) Fase 3: Exige ações especificas da organização e torna-se possível ocorrência de sanções. (Ação) Nível Organizacional Fase 1 Fase 2 Fase 3 Cúpula - Reconhece - Obtém - Obtém importância na conhecimento compromissos política organizacionais organizacional - Escreve e - Contrata - Modifica padrões comunica essa assessoria de desempenho importância aos especializada organizacional grupos externos - Desenvolve projetos especiais internos Assessoria - Soluciona - Provoca Especializada problemas alterações nas técnicos. unidades operacionais - Desenvolve - Aplica os dados sistema de desenvolvidos na aprendizado nos avaliação do níveis técnicoadministrativos desempenho organizacional - Desenvolve sistema de interpretação do ambiente externo - Representa a organização externamente Unidade Administrativa - Incorpora função na atividade linha da estrutura organizacional - Modifica os processos e investe recursos - Dissemina a responsabilidade por toda a organização Quadro 03 - Fases do envolvimento organizacional no processo de conscientização social das organizações. Fonte: Adaptado de Donaire(1999). A empresa, primeiramente, analisa a importância da variável ambiental e considera a sua inserção na política organizacional. Depois, a empresa ciente da necessidade, contrata

16 assessoria específica para lidar com a variável ambiental e tem-se início a fase do compromisso, que dissemina informações e permite o surgimento da fase das ações. A fase da ação é caracterizada pelo amadurecimento da variável ecológica na organização e incorporação em todas as suas operações e setores, modificando processos e produtos. (DONAIRE, 1999) O processo de incorporação da questão ambiental pode ser feito de várias maneiras. Donaire (1999) defende essa afirmação e apresenta duas abordagens: A primeira consiste em avaliar e identificar os pontos fortes e fracos da empresa e relacioná-los com as ameaças e oportunidades do ambiente existente. Essa análise permitirá a organização manter seus pontos fortes, diminuir seus pontos fracos, prevenir ameaças e obter sucesso em suas oportunidades. A segunda refere-se a verificação do posicionamento da Empresa em Relação ao desafio ambiental. North, citado por Donaire (1999), apresenta um modelo de dinâmica entre os executivos da empresa que conseguiriam adquirir as informações necessárias para a avaliação da organização. O modelo consiste em quatro perguntas com items que devem ser discutidos e avaliados. Quais são os pontos fortes referentes à questão ambiental da empresa e de seus diferentes departamentos funcionais? Considerando: 1. Produtos amigáveis ao meio ambiente; 2. Processos produtivos que economizam recursos e não provocam riscos ao ambiente; 3. Imagem corporativa em relação a causa ambiental; 4. Compromisso da gerência e do pessoal com proteção ambiental; 5. Capacidade da área de P&D para tecnologias e produtos limpos. Quais são os pontos fracos relativos à questão ambiental? Considerando: 1. Produtos que não podem ser reciclados; 2. Embalagens, recipientes etc. não recicláveis; 3. Processos poluentes; 4. Efluentes perigosos; 5. Imagem poluidora; 6. Pessoal não engajado na questão ambiental. Quais são as oportunidades relacionadas à questão ambiental?

17 Considerando: 1. Entrada em novos mercados; 2. A possibilidade de transformar produtos tradicionais em produtos ambientalmente amigáveis; 3. Assegurar a sobrevivência da empresa pela manutenção de uma boa imagem ambiental; 4. Aumentar o desempenho dos fornecedores e colaboradores estabelecendo novos objetivos para a proteção ambiental; 5. A possibilidade de economizar recursos, energia e custos. Quais são as ameaças pertinentes à questão ambiental? Considerando: 1. Avanço da legislação ambiental e a possibilidade de investimentos adicionais e diminuição dos lucros; 2. Intervenção governamental nas atividades dos lucros; 3. Atuação dos grupos ecológicos; 4. Desempenho dos concorrentes referentes a questão ambiental. A discussão e avaliação de todos os itens acima possibilitarão o estabelecimento de um plano de acordo com a estratégia ambiental da organização. A segunda abordagem, a do posicionamento da empresa em relação a questão ambiental, visa estabelecer uma relação entre o aumento da consciência ecológica dos consumidores e pelas exigências da legislação e o impacto que isso poderia vir a ter no negócio vigente. North, citado por Donaire (1999), apresenta uma avaliação sobre o posicionamento da empresa relacionando com a questão ambiental. A avaliação considera os seguintes fatores: 1. Ramo de atividade da empresa 2. Produtos 3. Processo 4. Conscientização ambiental 5. Padrões ambientais 6. Comprometimento Gerencial 7. Capacitação de pessoal 8. Capacidade da Área de P&D 9. Capital

18 Assim sendo, o posicionamento da empresa em relação a questão ambiental pode ser verificado analisando-se os fatores descritos acima. Depois de feita a análise poderá ser calculada a intensidade que a empresa é afetada pela variável ambiental. A figura 07 apresenta um quadro que permite uma quantificação do posicionamento da empresa perante a questão ambiental. Empresas Agressivas (Alta poluição) Classificação Empresas Amigáveis (Baixa poluição) Variáveis Ramo de Atividade Produtos - Matérias-primas não renováveis - Matérias-primas renováveis - Não há reciclagem - Reciclagem - Não há aproveitamento de resíduos - Reaproveitamento de resíduos - Poluidores - Não poluidores - Alto consumo de energia - Baixo consumo de energia Processo - Poluente - Não poluentes - Resíduos perigosos - Poucos resíduos - Alto consumo de energia - Baixo consumo de energia - Ineficiente uso dos recursos - Eficiente uso dos recursos - Insalubre aos trabalhadores Não afeta os trabalhadores Consciência Ambiental - Consumidores não conscientes - Consumidores conscientes Padrões Ambientais - Baixos padrões - Altos padrões - Não obediência as restrições - Obediência as restrições Comprometimento Gerencial - Não comprometido - Comprometido Nível capacidade do pessoal - Baixo - Alto - Acostumado a velhas tecnologias - Voltado para novas tecnologias Capacidade de P&D - Baixa criatividade - Alta criatividade - Longos ciclos de desenvolvimento - Curtos ciclos de desenvolvimento Capital - Ausência de capital - Existência de capital - Pouca possibilidade de empréstimo - Alta possibilidade de empréstimos Classificação 1 = Empresa muito ameaçada pela questão ambiental Quadro 04 Checklist para posicionamento ambiental Fonte: Adaptado de Donaire (1999) 5 = Questão Ambiental constitui oportunidade de crescimento 6. Planejamento estratégico nos modelos de gestão ambiental Donaire (1999, pg.108) propõe que: As organizações interessadas em equacionar seu envolvimento com a questão ambiental necessitam incorporar em seu planejamento estratégico e operacional um adequado programa de gestão

19 ambiental que possa compatibilizar os objetivos ambientais com os demais objetivos da organização. (DONAIRE,1999) Programas de Gestão ambiental, segundo Donaire (1999), organizam as atividades que devem ser desenvolvidas, a ordem de execução de cada uma delas além da determinação de responsáveis pelas mesmas. Abrangem os aspectos ambientais mais importantes e devem possuir flexibilidade suficiente para se adaptarem a possíveis mudanças nos acontecimentos tanto presentes como futuras. 6.1 Modelo Winter O Modelo Winter foi desenvolvido a partir de 1972 por uma empresa alemã, A Ernst Winter & Sohn. O modelo incorpora a questão ambiental em todos os setores da empresa, do operacional ao estratégico, através de módulos integrados. As atividades ambientais, dessa forma, tornam-se integrantes dos objetivos da empresa. O modelo de competitividade se funde com as atividades ambientais. (DONAIRE, 1999) O modelo pode ser implantado em qualquer organização independente de estrutura organizacional, porém sendo um modelo de gestão ambiental sistemático necessita-se considerar os aspectos econômicos, a tecnologia vigente, o esquema produtivo, a cultura da empresa, por fim a organização no geral. Nesse modelo visa-se descrever o sistema integrado de Gestão Ambiental em 20 módulos integrados que possuem como objetivo facilitar sua implantação, determinar prioridades e organizar a ordem de execução. Os módulos são avaliados e incorporados à realidade da organização cabendo ao administrador verificar quais módulos devem ou não ser escolhidos. Figura 05 O Modelo Winter. Fonte: Donaire(1999)

20 Os módulos são: Motivação da Alta Administração Objetivos e estratégia da empresa Marketing Disposições internas Motivação e formação do pessoal Condições do trabalho Alimentação dos funcionários Aconselhamento ambiental familiar Economia de energia e água Desenvolvimento do produto Gestão de Materiais Tecnologia da produção Tratamento e valorização de resíduos Veículos da empresa Construção das instalações/equip. Finanças Direito Seguros Relações internacionais Relações Públicas 6.2 Programa série ISO A ISO - International Organization for Standardization publicou em 1996 as primeiras normas da série ISO A série visa estabelecer diretrizes para implementação de sistemas de gestão ambiental, em diversas ramos de atividade que tenham impacto no meio ambiente. Possui como objetivo avaliar e certificar estes sistemas com métodos padronizados e aceitos internacionalmente. (PASSOS, 2003) As ISO são normas de gestão ambiental que interferem em todos os âmbitos ambientais em uma empresa. PASSOS (2003) cita Viterbo, afirmando que a ISO pretende assegurar considerações mais padronizadas e consistentes na gestão ambiental utilizando uma linguagem internacionalmente aceita.

Ferramentas de Análise: abordagens iniciais. Gestão Ambiental

Ferramentas de Análise: abordagens iniciais. Gestão Ambiental Ferramentas de Análise: abordagens iniciais Gestão Ambiental Gestão Ambiental: por onde começar? NORTH (1992) recomenda as seguintes abordagens: Verificar o Posicionamento da empresa em relação ao desafio

Leia mais

Há compromisso ambiental nas decisões de compra de equipamentos das empresas gráficas?

Há compromisso ambiental nas decisões de compra de equipamentos das empresas gráficas? Há compromisso ambiental nas decisões de compra de equipamentos das empresas gráficas? Larissa Kvitko kvitko.la@hotmail.com FURB Alex Vilvert comercial@acessoeditoracao.com.br FURB Resumo:A sustentabilidade

Leia mais

PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas

PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas PEMPEC - Planejamento Estratégico para Micro e Pequenas Empresas Resumo. PEMPEC é um software de distribuição gratuita que visa auxiliar o gestor das micro e pequenas empresas na tomada de decisão, utilizando

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES Ítalo Camilo da Silva Nogueira Mestrando em Desenvolvimento Regional (mídias sociais), docente na Faculdade Nossa Senhora Aparecida/FANAP-GO.

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS

GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS 1 GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS Murilo Fortunato Dropa (UTFPR) mfdropa@hotmail.com Ivanir Luiz

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

A estratégia por 10 caminhos por Lauro Jorge Prado

A estratégia por 10 caminhos por Lauro Jorge Prado A estratégia por 10 caminhos por Lauro Jorge Prado Qual é a fundamentação teórica que sua empresa usa na hora de estabelecer o planejamento estratégico? Você sabe? Eis aqui um boa pergunta para ver a estratégia

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

Gestão Estratégica no Serviço Público

Gestão Estratégica no Serviço Público Projeto Maricá Coordenador: José Geraldo Abunhaman Gestão Estratégica no Serviço Público Prof. Joel de Lima Pereira Castro Junior, PhD joelpcastro@uol.com.br Por que planejar? O processo de liberdade do

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

[Ano] Estratégia: Um Conceito em Construção. Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br

[Ano] Estratégia: Um Conceito em Construção. Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br [Ano] Estratégia: Um Conceito em Construção Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade: Estratégia: Um Conceito em Construção MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof.Ms. Gabriel

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NAS EMPRESAS: SUSTENTABILIDADE COMO FOCO.

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NAS EMPRESAS: SUSTENTABILIDADE COMO FOCO. RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NAS EMPRESAS: SUSTENTABILIDADE COMO FOCO. CARLA C. P. PUCHARELLI * ALINE C. SOUZA** RESUMO As mudanças ocorridas nas últimas décadas transformaram o modo de agir das empresas,

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

Introdução ao Planejamento

Introdução ao Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Introdução ao Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Conceitos de Planejamento

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios.

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. A palavra vem do grego strátegos, que significa "a arte do general". Arte militar de escolher onde, quando e

Leia mais

Unidade II ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA. Profa. Cláudia Palladino Unidade II ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Profa. Cláudia Palladino O Pensamento Estratégico O conceito não é unânime entre gestores, pensadores e executivos. Entre eles existem pontos: Convergentes; Divergentes;

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

Vantagens Competitivas (de Michael Porter)

Vantagens Competitivas (de Michael Porter) Vantagens Competitivas (de Michael Porter) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: SOARES, Claudio César. Introdução ao Comércio Exterior Fundamentos Teóricos do Comércio Internacional.

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras NAGI PG NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO NA CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás Polo: Petrobras Programa do Módulo I Módulo I: Planejamento Estratégico

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Autores 1 : Leandro Martins de Paiva Maria Aparecida Lepre Willian Pinheiro Orientador 2 : Prof. Maurílio Villa RESUMO O objetivo deste trabalho foi de efetuar

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

CASO HONDA. Em 1975, a situação:

CASO HONDA. Em 1975, a situação: CASO HONDA Em 1975, a situação: O governo britânico contratou o Boston Consulting Group para ajudar a explicar por que as empresas japonesas, em especial a Honda, superavam de forma tão acentuada as britânicas

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO GESTÃO ESTRATÉGICA NO APL

ESTUDO DIRIGIDO GESTÃO ESTRATÉGICA NO APL Curso de Capacitação de Agentes Gestores em APLs ESTUDO DIRIGIDO GESTÃO ESTRATÉGICA NO APL Prof. Gustavo Martins Porto Alegre, abril 2012 Estudo Dirigido Estratégia Competitiva A partir dos conceitos e

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA

Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA Módulo 4.3 FORMULAÇÃO ESTRATÉGICA A Gestão do desempenho e outros requisitos Planejamento Estratégico A Importância do Planejamento Estratégico Menos de 10% das estratégias efetivamente formuladas são

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios.

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. A palavra vem do grego strátegos, que significa "a arte do general". Arte militar de escolher onde, quando e

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Zig Koch O Programa E-CONS, Empreendedores da Conservação, é uma iniciativa idealizada pela SPVS - Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental e implementada em

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE PARA O CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL 1

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE PARA O CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL 1 INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE PARA O CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL 1 DALCOL, Charlene Coser 2 ; SILUK, Julio Cezar 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Pós-Graduação em Gestão de Pessoas e Marketing

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS XAVIER, Patrícia Alves Santana LIMA, Suzany Saraiva GOMES, Alan Rios RESUMO O presente estudo teve como objetivo analisar

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a E E L

E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a E E L : Diagnóstico A realidade é como ela é e não como gostaríamos que ela fosse. (Maquiavel) INTRODUÇÃO O Diagnóstico Estratégico de uma organização, também chamado por muitos autores de Análise do Ambiente,

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS)

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Fundação Dom Cabral Ritual de Passagem: A Educação de Lideranças para a Sustentabilidade INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO ALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Prof. Raimundo Soares

Leia mais

Idalberto Chiavenato Administração Teoria, Processo e Prática

Idalberto Chiavenato Administração Teoria, Processo e Prática Idalberto Chiavenato Administração Teoria, Processo e Prática Elsevier/Campus www.elsevier.com.br www.chiavenato.com SUMÁRIO RESUMIDO PARTE I: Os fundamentos da Administração PARTE II: O contexto em que

Leia mais

CONTABILIDADE AMBIENTAL: A CONTABILIDADE COMO SISTEMA DE INFORMAÇÃO QUANTO A PREOCUPAÇÃO AMBIENTAL

CONTABILIDADE AMBIENTAL: A CONTABILIDADE COMO SISTEMA DE INFORMAÇÃO QUANTO A PREOCUPAÇÃO AMBIENTAL CONTABILIDADE AMBIENTAL: A CONTABILIDADE COMO SISTEMA DE INFORMAÇÃO QUANTO A PREOCUPAÇÃO AMBIENTAL Douglas Ribeiro Lucas, autor Denilson da Silva Lucas, co-autor José Adenildo da Silva, co-autor 1 FACESM/Gpde,

Leia mais

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Camila Cristina S. Honório 1 Maristela Perpétua Ferreira 1 Rosecleia Perpétua Gomes dos Santos 1 RESUMO O presente artigo tem por finalidade mostrar a importância de ser

Leia mais

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana Tema 01 Apresentação do PEA. Fundamentos

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA MBA EM GESTÃO SUSTENTÁVEL DE NEGÓCIOS. Nº MÓDULO DE GESTÃO SUSTENTÁVEL Carga Horária

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA MBA EM GESTÃO SUSTENTÁVEL DE NEGÓCIOS. Nº MÓDULO DE GESTÃO SUSTENTÁVEL Carga Horária UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA MBA EM GESTÃO SUSTENTÁVEL DE NEGÓCIOS Nº MÓDULO DE GESTÃO SUSTENTÁVEL Carga Horária 1 Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental 15 2 Sistema

Leia mais

DESAFIOS E VANTAGENS DA GESTÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ORGANIZACIONAL

DESAFIOS E VANTAGENS DA GESTÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ORGANIZACIONAL DESAFIOS E VANTAGENS DA GESTÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ORGANIZACIONAL Diego de Lima Santiago - diego.santiago@lin.jbs.com.br Leandro da Silva Duarte - lesilvaduarte@hotmail.com RESUMO Atualmente todos sabem

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

Administração TRE Maio 2010

Administração TRE Maio 2010 TRE Maio 2010 Noções de Planejamento Estratégico: missão, visão, valores. BSC - Balanced Scorecard (conceito, perspectivas, mapa estratégico e objetivo estratégico). Gestão por Processos. Ciclo PDCA Conceito

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 Renato Francisco Saldanha SILVA² Ailton EUGENIO 3 Resumo Muitas empresas mostram ser

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL

4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4.1- TIPOS DE ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.2- PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O MARKETING 4.3- ESTRUTURA CONCEPTUAL PARA ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.4- MODELOS COMO INSTRUMENTOS

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

Conceito e Processo do Planejamento Estratégico

Conceito e Processo do Planejamento Estratégico ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 1) Conceito e Processo do Planejamento Estratégico Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Origem da Estratégia: Originalmente

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Emanuele Montenegro Sales (1) Graduando em Licenciatura em Química pela UEPB, Graduando de Engenharia Química pela UFCG. Antônio Augusto Pereira (2) Engenheiro

Leia mais