CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes"

Transcrição

1 CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO Prof. André Gomes 1

2 QUANDO O GOVERNO É HONESTO, O PAÍS TEM SEGURANÇA; MAS, QUANDO O GOVERNO COBRA IMPOSTOS DEMAIS, A NAÇÃO ACABA EM DESGRAÇA Provérbios, 29:4 2

3 Contribuição para PIS/PASEP PIS contribuição para o Programa de Integração Social funcionários das empresas do setor privado; PASEP contribuição para o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público servidores do setor público; Contribuintes pessoas jurídicas de direito privado e as que lhes são equiparadas pelo RIR, entidades sem fins lucrativos constantes no art. 13 da MP n.º e pessoas jurídicas de direito público; Modalidade de contribuição e alíquotas: PIS/PASEP sobre faturamento mensal 0,65% / 1,65% PIS/PASEP sobre folha de pagamento 1,00% 3

4 COFINS Contribuição para Financiamento da Seguridade Social Conceito na realidade é também uma contribuição social para financiamento da seguridade social, incidindo sobre o faturamento mensal das pessoas jurídicas ou a elas equiparadas (antigo FINSOCIAL); Contribuintes pessoas jurídicas em geral e outras a elas equiparadas pelo RIR, excluindo entidades beneficentes de assistência social, associações sem fins lucrativos, sindicatos, federações, órgãos de classes e cooperativas; Base de cálculo o faturamento mensal, excluindo IPI e ICMS cobrado pelo substituto, vendas canceladas, devoluções, descontos incondicionais, exportações, etc. Alíquota 3,00% / 7,60% 4

5 Programa de Integração Social Comentários: O PIS tem como objetivo principal, inserir e integrar o trabalhador brasileiro levando-o a ser um dos partícipes do desenvolvimento das empresas. É destinado aos empregados das empresas privadas regidas pela CLT.

6 PIS e COFINS PIS Destina-se aos empregados das empresas de iniciativa privada, sendo administrado pela Caixa Econômica Federal. COFINS A contribuição para financiamento da seguridade social tem seus recursos canalizados para as áreas da saúde, previdência e assistência social.

7 PIS e COFINS - Reflexões PIS/COFINS A reforma proposta. Destaque-se também a existência de discussões jurídicas visando a exclusão do ICMS da base de calculo das contribuições.

8 Fato Gerador O PIS e a Cofins, incidem sobre o faturamento das pessoas jurídicas de direito privado e as que lhe são equiparadas pela legislação do imposto de renda.

9 Legislação Lei complementar nº 07/70 instituiu o programa de integração social PIS. Lei complementar nº 70/91 instituiu a contribuição para financiamento da seguridade social cofins. Lei nº 971//98 pis/pasep cofins no regime cumulativo. Lei nº 10637/02 pis/pasep regime não cumulativo. Lei /03 cofins regime não cumulativo. Lei /04 pis/pasep cofins importações. Lei /14 alterações.

10 Cumulatividade cumulatividade é um método de apuração segundo o qual o tributo é exigido na sua inteireza toda vez que ocorre a hipótese de incidência descrita na norma tributária, sem a possibilidade de se compensar nessa operação, o valor do tributo apurado na operação anterior.

11 Não Cumulatividade A não cumulatividade consiste em poder se compensar o valor do tributo devido em cada operação com o montante cobrado na operação anterior. AS leis /02 e /03 preferiram a técnica de listar as operações que permitem e que não permitem o direito ao crédito.

12 PIS COFINS CUMULATIVO Enquadram-se no regime cumulativo, as pessoas jurídicas tributadas pelo imposto de renda com base no lucro presumido ou arbitrado.

13 Lucro presumido Lucro presumido é uma forma de tributação simplificada para determinação da base de calculo do imposto de renda. Exemplo de apuração do Lucro presumido Atividade receita alíquota Lucro presumido Industria ,00 8,0% 8.000,00 serviços ,00 32,0% ,00 Combustível ,00 1,6% 2.400,00

14 PIS COFINS CUMULATIVO - EXCEÇÕES Independentemente da forma de apuração do IRPJ, devem apurar o pis/cofins pelo regime de apuração cumulativa: Bancos comercias, bancos de investimentos,bancos de desenvolvimento, caixas econômicas; As sociedade de crédito, financiamento e investimento, as sociedades de crédito imobiliário, as sociedades corretoras, distribuidoras de títulos e valores mobiliários; As empresas de arrendamento mercantil; As cooperativas de crédito; As empresas de seguros privados e de capitalização, agentes autônomos de seguros privados e de crédito; As entidades de previdência complementar abertas e fechadas.

15 PIS COFINS CUMULATIVO - EXCEÇÕES continuação As associações de poupança e empréstimo; As pessoas jurídicas que tenham por objeto a securitização de créditos imobiliários, nos termos da Lei 9.514/97, financeiros, observada regulamentação editada pelo Conselho Monetário Nacional, agrícolas, conforme ato do CMN. As operadoras de planos de assistência à saúde; As empresas particulares que exploram serviços de vigilância e de transportes de valores, referidas na Lei nº 7.102/83, e As sociedades cooperativas, exceto as de produção agropecuária e as de consumo.

16 Demais Pessoas juridicas sujeitas ao regime cumulativo As pessoas jurídicas imunes a impostos; Os órgão públicos, as autarquias e fundações públicas federais, estaduais e municipais, e as fundações cuja criação tenha sido autorizada por lei; Sociedades cooperativas, exceto as de produção agropecuária As receitas decorrentes das operações: - sujeitas à substituição tributária da COFINS; - referidas no artigo 5º da Lei 9.716/98.

17 Base de calculo cumulativo A base de calculo do PIS e da Cofins é o seu faturamento, compreendido pela sua receita bruta.

18 A Receita Bruta Contempla O preço dos serviços prestados; O produto da venda de bens nas operações de conta própria, O resultado auferido nas operações de conta alheia, As receitas da atividade ou objeto principal da pessoa jurídica não compreendida nos itens anteriores. obs.- no caso do ajuste do valor presente, ele deve compor a base de calculo.

19 Pis/Cofins e as Receitas Financeiras O decreto 8.426/2016 estabelece as alíquotas de pis (0,65%) e da cofins (4,00%) sobre as receitas financeiras auferidas pelas pessoas jurídicas, sujeita ao regime de incidência não cumulativa.

20 PIS COFINS CUMULATIVO Exclusões da receita bruta: Vendas canceladas; Descontos incondicionais concedidos; As devoluções de vendas; O IPI; ICMS/ST, quando destacado em nota e cobrado pelo vendedor na condição de substituto tributário.

21 PIS COFINS CUMULATIVO Exclusões da receita bruta: As reversões de provisões e recuperações de créditos baixados como perda,o resultado positivo da avaliação de investimento pelo valor do patrimônio liquido; A receita decorrente de venda de bens do ativo não circulante;

22 Exemplo calculo cumulativo Exclusões da receita bruta: Item Valor RECEITA BRUTA ,00 DEVOLUÇÃO DE VENDA (18.000,00) DESCONTO INCONDICIONAL (2.000,00) BASE DE CALCULO ,00 PIS ,00 x 0,65% 650,00 COFINS ,00 x 3,00% 3.000,00

23 Exemplo calculo cumulativo CONTABILIZAÇÃO: RESULTADO DESP TRIB PIS PASSIVO PIS A RECOLHER 650,00 650,00 PASSIVO COFINS RESULTADODESP TRIB COFINS A RECOLHER 3.000, ,00

24 Apure o PIS a recolher no sistema cumulativo Item Valor RECEITA DE VENDAS (INCLUSO IPI DE 5.000,00) ,00 DEVOLUÇÃO DE VENDA ,00 VENDA (INCLUSO IPI $ 4.000,00 E ICMS /ST 5.400,00) ,00

25 RESOLUÇÃO ITEM VR CTB IPI ST/ICMS B C RECEITA VENDAS (5.000) DEVOL VENDAS (20.000) - - (20.000) VENDAS (4.000) (5.400) TOTAIS (9.000) (5.400) PIS A RECOLHER : $ ,00 x 0,65% = $653,90

26 Alíquotas do regime cumulativo e vencimento TRIBUTO ALÍQUOTA CODIGO RECEITA PIS 0,65% 8109 COFINS 3,00% 2172 Vencimento vigésimo quinto dia do mês subsequente.

27 Alíquotas do regime não cumulativo e vencimento TRIBUTO ALÍQUOTA CODIGO RECEITA PIS 1,65% 6912 COFINS 7,60% 5856 Tributação diferenciada medicamentos, agro negócios, produtos da zona franca de Manaus. Apuração da receita pelo regime de competência. Vencimento vigésimo quinto dia do mês subsequente.

28 PIS COFINS - CALCULO NA CUMULATIVIDADE Obter os valores mensais representativos do faturamento das atividades da empresa Desconsiderar da base de calculo, receitas que não fazem parte do objeto da empresa Excluir o valor das vendas canceladas, devoluções de vendas, o valor do IPI e outros. Segregar eventuais receitas não tributadas.(isenta, sem incidência) Aplicar as respectivas alíquotas de PIS e da cofins. Deduzir o valor de eventuais retenções na fonte.

29 PIS COFINS RETENÇÕES NA FONTE FATO GERADOR O FATO GERADOR DA RETENÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS, CONFORME DISPÕE O ARTIGO 3 DA LEI /2003, É O PAGAM,ENTO DO SERV IÇO PRESTADO. EXEMPLO: NOTA FISCAL DE SERVIÇO SUJEITO À RETENÇÃO PARA PAGAMENTO COM PRAZO DE 40 DIAS. SERVIÇO TOMADO EM 01/06/206 PAGAMENTO EFETUADO EM 10/07/2016. MOMENTO DA OCORRÊNCIA DO FATO GERADOR: 10/07/2016.

30 PIS COFINS DISPENSA DA RETENÇÃO FICA DISPENSADA, DESDE 22/06/2015 A RETENÇÃO DE VALOR IGUAL OU INFERIOR A R$10,00 (DEZ REAIS). ASSIM, UTILIZA-SE COMO PARÂMETRO PARA ESTA RETENÇÃO, O PAGAMENTO DE SERVIÇOS DE VALOR IGUAL OU SUPERIOR A R$215,27, CONFORME CALCULO: R$215,27 X 4,65% = 10,01

31 Cumulatividade: vendas e serviços prestados Apure o valor devido do pis e cofins ITEM VALOR DOS SERVIÇOS PRESTADOS ,00 VALOR DAS VENDAS ,00 RETENÇÃO NA FONTE /6,15% ,00 VALOR TRIBUTO DEVIDO RETIDO A RECOLHER PIS 2.210, ,00 910,00 COFINS , , ,00

32 CONTABILIZAÇÃO CLIENTE RECEITA DE SERVIÇO RECEITA DE VENDAS PIS A RECUPERAR COFINS A RECUPERAR DESP TRIB PIS DESP TRIB COFINS PIS A RECOLHER COFINS A RECOLHER

33 BALANCETE DE VERIFICAÇÃO CONTA DEBITO CRÉDITO CLIENTE RECEITA DE SERVIÇOS RECEITA DE VENDAS PIS A RECUPERAR COFINS A RECUPERAR DESPESA TRIBUTÁRIA PIS DESPESA TRIBUTÁRIA COFINS PIS A RECOLHER COFINS A RECOLHER TOTALIZAÇÃO

34 PIS COFINS RETENÇÃO E CÓDIGO TRIBUTO ALÍQUOTA COD RECEITA PIS 0,65% 5952 COFINS 3,00% 5952 CSLL 1,00% 5952 NOS RECOLHIMENTOS EM SEPARADO, OS CÓDIGOS A SEREM UTILIZADOS SÃO: NO CASO DA CSLL NO CASO DA COFINS NO CASO DO PIS

35 Exercício de Pis cofins Cumulativo item valor Venda de produtos no mercado nacional ,00 Vendas de produtos para o exterior ,00 Venda de mercadorias no mercado nacional ,00 Venda de mercadorias para o exterior ,00 Prestação de serviços no mercado nacional ,00 Prestação de serviços para o exterior ,00 Devolução de vendas do mercado nacional ,00 Descontos incondicionais concedidos ,00 ipi ,00 35

36 Resolução - PIS COFINS Cumulativo item valor base calculo Pis 0,65% COFINS 3,00% Venda de produtos no mercado nacional , ,00 520, ,00 Vendas de produtos para o exterior ,00 Venda de mercadorias no mercado nacional , ,00 390, ,00 Venda de mercadorias para o exterior ,00 Prestação de serviços no mercado nacional , ,00 845, ,00 Prestação de serviços para o exterior ,00 Devolução de vendas , ,00-130,00-600,00 Descontos incondicionais concedidos , ,00-65, IPI - NA RECEITA NÃO CONSTA O IPI ,00 TOTALIZAÇÃO 1.560, ,00 36

37 PIS não cumulativo possibilidade de crédito Bens adquiridos para revenda; Bens e serviços utilizados com insumos na fabricação de produtos destinados à venda ou à prestação de serviços, inclusive combustíveis e lubrificantes; Aluguéis de prédios máquinas e equipamentos pagos a pessoa jurídica, utilizados nas atividades da empresa; Encargos de depreciação de máquinas e equipamentos adquiridos para utilização na fabricação de produtos destinados à venda, e a outros bens incorporados ao ativo imobilizado ( ); Encargos de amortização de edificações e benfeitorias em imóveis de terceiros; Bens recebidos em devolução, cuja receita de venda tenha integrado o faturamento de meses anteriores; Estoques de abertura em 01/12/02 ou no primeiro dia do mês em que a empresa passar ao lucro real, a razão de 1/12 avos ao mês. 37

38 PIS COFINS NÃO CUMULATIVO CALCULO DOS CRÉDITOS ITEM VALOR AQUISIÇÃO DE MATERIA PRIMA ,00 ENERGIA ELETRCA 4.000,00 ALUGUEL DO PRÉDIO 5.000,00 DEPRECIAÇÃO 800,00 TOTAL ,00 BASE DE CALCULO TRIBUTO ALÍQUOTA VALOR ,00 PIS 1,65% 821, ,00 COFINS 7.60% 3.784,80 38

39 CONTABILIZAÇÃO MERCADORIA ALUGUEL PREDIO ENERGIA ELETRICA ,00 660, ,00 82, ,00 66, ,00 380,00 304, , , ,00 DEPRECIAÇÃO 800,00 13,20 726,00 60,80 COFINS A RECUPERAR 3.040,00 380,00 304,00 60, ,80 PIS A RECUPERAR 660,00 82,50 66,00 13,20 821,70

40 EXCLUSÃO DA BASE DE CALCULO ITEM VALOR RECEITA TOTAL DA ATIVIDADE INDUSTRIAL ,00 ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ,00 RECEITA DE EXPORTAÇÃO ,00 VENDA DE IMOVEL ATIVO DO ATIVO IMOBILIZADO ,00 obs: excluimos da receita total os valores de exportação e o ICMS-ST a venda do imobilizado não sofre incidência do tributo 40

41 COFINS não cumulativo Empresas tributadas lucro real Alíquota...7,6% sistemática de cálculo do total das receitas da venda de bens e serviços nas operações em conta própria ou alheia e todas as demais receitas auferidas pela pessoa jurídica podendo descontar créditos relativos a bens adquiridos para revenda, bens e serviços utilizados como insumos na fabricação de produtos destinados à venda ou à prestação de serviços e outras despesas. 41

42 CONCEITO DE INSUMOS MATÉRIA PRIMA PRODUTO INTERMEDIÁRIO MATERIAL DE EMBALAGEM BENS QUE SOFRAM DESGASTE DANO OU PERDA DE PROPRIEDADES FÍSICA E QUÍMICAS, EM FUNÇÃO DA AÇÃO DIRETAMENTE EXERCIDA SOBRE O PRODUTO EM FABRICAÇÃO, DESDE QUE NÃO ESTEJAM INCLUÍDAS NO ATIVO IMOBILIZADO. SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA JURÍDICA DOMICILIADA NO PAÍS, APLICADOS OU CONSUMIDOS NA PRODUÇÃO OU FABRICAÇÃO DO PRODUTO.

43 Observações: não cumulatividade Créditos não aproveitados em determinado mês, podem ser utilizados nos meses subsequentes. Devem ser aproveitados sem atualização monetária ou incidência de juros. Não constituem receita bruta da pessoa jurídica, cabendo apenas a sua dedução do valor devido das contribuições. Não será possível o crédito quando os serviços contratados junto a terceiros, ainda que PJ, se destinem a atividades-meio da PJ contratante.

44 A questão dos estoques na abertura Os estoques existentes na data do início da incidência não cumulativa, dão direito ao desconto de crédito presumido. Deve-se aplicar a alíquota de 0,65% e 3,00% sobre o valor dos estoques, para crédito do pis e da cofins, respectivamente. obs.- o crédito presumido deve ser utilizado em 12 parcelas mensais, iguais e sucessivas, a partir da data do ingresso da pessoa jurídica no regime de apuração não cumulativa do PIS e COFINS.

45 Exemplo dos estoques na abertura Valor do estoque em dezembro ,00 Crédito do PIS = $ ,00 x 0,65% $7.800,00 O valor de $7.800,00 deve ser apropriado em 12 parcelas mensais de $ 650,00. Crédito da COFINS = $ ,00 X 3,00% ,00 O valor de $36.000,00 deve ser apropriado em 12 parcelas mensais de 3.000,00.

46 exercício Pis/Cofins não cumulativo Apure o valor a recolher do PIS e da COFINS, na modalidade não cumulativo sendo dados: Item valor Faturamento do mês ,00 Devolução de vendas ,00 Aquisição de matéria prima ,00 Devolução de compras ,00 Aluguel pago a pessoa jurídica ,00 depreciação de máquinas ,00 46

47 RESOLUÇÃO DO EXERCÍCIO 06 Débito Item Valor PIS COFINS Faturamento , , ,00 Devolução de compras ,00 660, ,00 TOTAL , , ,00 Crédito Item Valor PIS COFINS Matéria prima , , ,00 Aluguel ,00 495, ,00 Devolução de vendas ,00 660, ,00 Depreciação ,00 165,00 760,00 TOTAL , , ,00 Total a Recolher , ,00 47

48 COFINS não cumulativo possibilidade de crédito Bens adquiridos para revenda; Bens e serviços utilizados com insumos na fabricação de produtos destinados à venda ou à prestação de serviços, inclusive combustíveis e lubrificantes; Aluguéis de prédios máquinas e equipamentos pagos a pessoa jurídica, utilizados nas atividades da empresa; Encargos de depreciação de máquinas e equipamentos adquiridos para utilização na fabricação de produtos destinados à venda, e a outros bens incorporados ao ativo imobilizado ( ); Encargos de amortização de edificações e benfeitorias em imóveis de terceiros; Bens recebidos em devolução, cuja receita de venda tenha integrado o faturamento de meses anteriores; Estoques de abertura em 01/02/2004 ou no primeiro dia do mês em que a empresa passar ao lucro real, a razão de 1/12 avos ao mês. 48

49 OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS DCTF DECLARAÇÃO DE DÉBITOS E CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS FEDERAIS Nesta declaração, se informará o valor do débito já líquido das retenções sofridas, bem como, a forma de quitação do débito. 49

50 OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS EFD PIS/COFINS (sped contribuições) Se informa nesta declaração, todas as receitas, as aquisições com direito aos créditos da não cumulatividade, bem como a apuração das contribuições sociais. Prazo será transmitida mensalmente ao sped até o 10º (décimo) dia útil do 2º (segundo) mês subsequente ao que se refira a escrituração. O prazo para entrega será encerrado às 23hs 59 min e 59 s, horário de Brasília, do dia fixado para entrega da escrituração. 50

51 EXERCICIOS SOBRE PIS COFINS 1 Apure o valor devido de Pis e Cofins (nas duas modalidades), da indústria metalúrgica, conforme dados: Receita de venda - total da nota fiscal = $ ,00 (com IPI de 5%). / compra de matéria prima = ,00 // energia elétrica consumida 6.000,00 // aluguel pago para pessoa jurídica = 6.000,00 // aluguel pago para pessoa física = 2.000,00 //devolução de vendas = ,00 (incluso o IPI de $600,00).

52 Exercício nº 1 - Apurando o valor ITEM VR CONTÁBIL IPI B. CALCULO RECEITA DE VENDAS (20.000) MATÉRIA PRIMA ENERGIA ELÉTRICA ALUGUEL PG P. JURÍDICA ALUGUEL PG P. FÍSICA DEVOLUÇÃO DE VENDAS (600)

53 Apurando o valor a Recolhercumulatividade (exercício nº 1) ITEM B CALCULO PIS 0,65% COFINS RECEITA DE VENDAS DEVOLUÇÃO DE VENDAS (12.000) (78) (360) BASE DE CALCULO

54 Apurando o valor não cumulatividade (ex. 01) Créditos ITEM B CALCULO PIS 1,65% COF 7,60% MATÉRIA PRIMA ENERGIA ELÉTRICA ALUGUEL PAGO P JURÍDICA SOMATÓRIO

55 Valor a Recolher não cumulatividade (ex. 01) Resultado ITEM B CALCULO PIS 1,65% COF 7,60% DÉBITOS A PAGAR CREDITOS A RECUPERAR ( ) (4.158) (19.152) SALDO A PAGAR

56 2 Apure o valor para Pis e Cofins (não cumulativo) de uma determinada indústria e prestadora de serviços, sendo dados: Compra de matéria prima pelo valor total da n.f. de $21.000,00, sendo o IPI, recuperável de $1.000,00 // vendas pelo valor total de $84.800,00, incluso IPI de 6% //devolução de vendas de $21.200,00 (incluso o IPI de 6%) // devolução de compras de $4.200,00, incluso o IPI de $200,00 // receita da prestação de serviços de $ ,00 // retenção na fonte pelo tomador do serviço de $4.650,00.

57 RESOLUÇÃO EXERCÍCIO 2 Apurando débitos e créditos ITEM VR CONTÁB IPI B CALCULO STATUS MATÉRIA PRIMA RECUPERAR VENDAS PAGAR DEVOL VENDAS RECUPERAR DEVOL COMPRA PAGAR PREST SERVIÇOS PAGAR

58 RESOLUÇÃO EXERCÍCIO 2 ITEM B CALCULO PIS 1,65% COFINS 7,60% DEBITAR RECUPERAR (660) (3.040) RETIDO FONTE (650) (3.000) VR A RECOLHER

59 3 Apure a base de calculo para o Pis e a Cofins, nas duas modalidades, de uma empresa industrial. item valor obs Receita de venda mercado interno ,00 Receita de locação de imóvel 4.000,00 Receita de exportação ,00 Receita de consertos do produto 2.000,00 Devolução de vendas ,00 Receita de juros ativos 1.000,00 Receita da aplicação financeira 2.000,00 Aquisição de mercadoria para revenda ,00 Aquisição de insumos 6.000,00 Serviços tomados, prestados por pessoa jurídica ,00 Encargos de depreciação mensal, sobre as máquinas 7.000,00 Aluguel pago a pessoa jurídica 3.000,00

60 Exercício nº 3 - Resolução ITEM VALOR CUMULATIVA N ÃO CUMUL Venda Mercado Interno Receita de Locação Receita de exportação Receita de consertos Devolução de vendas (11.000) (11.000) Receita de juros ativos Receita da aplic financ Aquisição de mercadoria (20.000) Aquisição de insumos (6.000) Serviços tomados, PJ (10.000) Encargos de depreciação (7.000) Aluguel pago a PJ (3.000) BASE CALCULO

61 Exercício nº 3 - Resolução MODALIDADE B CALCULO PIS COFINS CUMULATIVO ,00 422, ,00 NÃO CUMULATIVO ,00 363, ,00

62 4 Apure o Pis e a Cofins, nas duas modalidades: item valor Venda de mercadorias ,00 Devolução de vendas ,00 Descontos incondicionais concedidos ,00 depreciação 2.000,00 Energia elétrica 4.000,00 Compra de mercadorias ,00 Devolução de compras 4.000,00

63 EXERCÍCIO 4 RESOLUÇÃO item valor cumulativo não cumulativo Venda de mercadorias , Devolução de vendas ,00 (50.000) (50.000) Descontos incondicionais ,00 (20.000) (20.000) depreciação 2.000,00 - (2.000) Energia elétrica 4.000,00 - (4.000) Compra de mercadorias ,00 - (80.000) Devolução de compras 4.000, TOTAIS

64 EXERCÍCIO 4 RESOLUÇÃO MODALIDADE BASE PIS COFINS CUMULATIVO NÃO CUMULATIVO

65 5 Apure o valor a ser pago de Pis e Cofins não cumulativo, em função dos dados: Venda da produção própria com ST (valor contábil) ,00 Valor do IPI ,00 // ICMS substituição tributária ,00 // compra de matéria prima $ ,00. PIS = ,00 x 1,65% ,00 Cofins = x 7,60% ,00 EVENTO CONTÁBIL IPI ICM/ST BASE CALCULO VENDA (14.000) (12.500) COMPRA (13.500) - - (13.500) TOTAL (14.000) (12.500)

66 6 Despesas com leasing geram direito de Pis e Cofins? Resposta - A PESSOA JURÍDICA SUBMETIDA À INCIDÊNCIA NÃO CUMULATIVA,,PODERÁ DESCONTAR CRÉDITOS, CALCULADOS MEDIANTE A APLICAÇÃO DAS ALÍQUOTAS DE 7,6(Cofins) e 1,65 (PIS), SOBRE O VALOR DA CONTRAPRESTAÇÃO DE OPERAÇÕES DE ARRENDAMENTO MERCANTIL PAGAS A PESSOA JURÍDICA, EXCETO QUANDO ESTA FOR OPTANTE PELO SIMPLES NACIONAL.

67 7 - Quais os percentuais aplicáveis para aproveitamento de credito sobre estoque de abertura? RESPOSTA: QUANDO UMA EMPRESA PASSA A CALCULAR O PIS E A COFINS NA MODALIDADE NÃO CUMULATIVA ELA PODERÁ SE CREDITAR DE PIS E COFINS NA BASE DE 0,65% E 3,00%, RESPECTIVAMENTE, SOBRE O VALOR DO SALDO DOS SEUS ESTOQUES.

68 8- Existe algum empecilho para a empresa aproveitar o crédito de energia elétrica? - SEGUNDO AS LEIS /2003 (COFINS) E /2002(PIS) AS EMPRESAS PODERÃO SE CREDITAR DO PIS E DA COFINS, SOBRE O VALOR DOS CUSTOS E DESPESAS COM A ENERGIA ELÉTRICA. AS DESPESAS ABRANGEM TODAS AS DEPENDÊNCIAS UTILIZADAS PELA EMPRESA.

69 9- Há incidência de Pis e Cofins na exportação de mercadorias? NÃO INCIDE PIS E COFINS NAS OPERAÇÕES DE EXPORTAÇÃO.

70 10- Existem empresas que declaram IRPJ pelo lucro Real, mas calculam o Pis Cofins na modalidade cumulativa? - SIM, POR IMPOSIÇÃO LEGAL. EXEMPLO: TODAS AS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS SÃO OBRIGADAS A DECLARAREM O IMPOSTO DE RENDA, PELO LUCRO REAL, MAS CALCULAM O PIS/COFINS PELAS ALÍQUOTAS DA CUMULATIVIDADE.

CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes

CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO Prof. André Gomes 1 Contribuição para PIS/PASEP PIS contribuição para o Programa de Integração Social funcionários das empresas do setor privado; PASEP contribuição

Leia mais

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto PIS e COFINS Aspectos conceituais Núcleo de Estudos em Controladoria e Contabilidade Tributária Prof. Amaury

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003

Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003 Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003 Altera a Instrução Normativa SRF nº 247, de 21 de novembro de 2002, que dispõe sobre o PIS/Pasep e a Cofins. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL, no

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2016 PIS (PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL) COFINS (CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL) REGIME CUMULATIVO E NÃO-CUMULATIVO Para iniciar o estudo

Leia mais

SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED

SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED OUT/2010 REGIME NÃO-CUMULATIVO REGIME CUMULATIVO TRIBUTAÇÃO MONOFÁSICA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA VENDAS COM SUSPENSÃO VENDAS A ALÍQUOTA ZERO VENDAS COM ISENÇÃO

Leia mais

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00 p. 86 Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = 13.400,00 + 2.400,00 + 10.500,00 + 5.300,00 = = 31.600,00 Gabarito: B Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo,

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Registros 1300 e 1700 da EFD Contribuições.docx

Orientações Consultoria de Segmentos Registros 1300 e 1700 da EFD Contribuições.docx Registros.docx 04/10/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1. Parecer da Receita Federal... 6 4. Conclusão... 7 5. Informações

Leia mais

INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04

INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04 INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES PARA O PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL (PIS) E PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL (COFINS) Em 31 de dezembro de 2002 e em

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Retenção em baixas parciais de PIS, COFINS e CSLL

Orientações Consultoria de Segmentos Retenção em baixas parciais de PIS, COFINS e CSLL 28/04/2010 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Contribuição PIS e COFINS pela Sistemática Não Cumulativa... 4 3.2. Da

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Detalhamento de Receitas Recebidas no Registro F500 do SPED Contribuições 21/07/14

Orientações Consultoria de Segmentos Detalhamento de Receitas Recebidas no Registro F500 do SPED Contribuições 21/07/14 21/07/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 2.1. Perguntas RFB... 3 2.2. Artigo Portal Tributário... 4 3. Análise da Consultoria... 4 3.1. Manual SPED...

Leia mais

PIS/COFINS NÃO-CUMULATIVIDADE

PIS/COFINS NÃO-CUMULATIVIDADE PIS/COFINS NÃO-CUMULATIVIDADE PRINCÍPIO OU REGRA DE TRIBUTAÇÃO Professora Doutora Denise Lucena Cavalcante Gramado, 27/06/2008. PRINCÍPIO DA NÃO-CUMULATIVIDADE Princípio constitucional que tem por finalidade

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 22 - Data 4 de março de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP CRÉDITOS PARA DESCONTO DO PIS/PASEP. NÃO-CUMULATIVIDADE.

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital de PIS/Pasep e Cofins. Sistema Público de Escrituração Digital

Escrituração Fiscal Digital de PIS/Pasep e Cofins. Sistema Público de Escrituração Digital Escrituração Fiscal Digital de PIS/Pasep e Cofins Sistema Público de Escrituração Digital ARRECADAÇÃO FEDERAL 2008 Imposto de Renda Pessoa Jurídica (SPED - ECD): 72 Bilhões PJ Não Financeiras 12 Bilhões

Leia mais

LEI Nº /2014. Convergência Tributária Às Normas Internacionais de Contabilidade. Edson Pimentel

LEI Nº /2014. Convergência Tributária Às Normas Internacionais de Contabilidade. Edson Pimentel LEI Nº 12.973/2014 Convergência Tributária Às Normas Internacionais de Contabilidade Edson Pimentel 1 SUMÁRIO Contexto e Breve Histórico Distribuição de Dividendos e JCP Adoção Inicial Conceito de Receita

Leia mais

PIS/COFINS (Regime Cumulativo e Não Cumulativo) Expositor: Alberto Gonçalves

PIS/COFINS (Regime Cumulativo e Não Cumulativo) Expositor: Alberto Gonçalves PIS/COFINS (Regime Cumulativo e Não Cumulativo) contato@agmcontadores.com.br Maio-2015 2 Sumário CONTRIBUINTES EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO PRESUMIDO DEMAIS RECEITAS BASE DE CÁLCULO APURAÇÃO SOBRE AS RECEITAS

Leia mais

1) TRIBUTOS FEDERAIS (aplicados ao Comércio ) 2) PERFIL DO CONTADOR MODERNO

1) TRIBUTOS FEDERAIS (aplicados ao Comércio ) 2) PERFIL DO CONTADOR MODERNO 1) TRIBUTOS FEDERAIS (aplicados ao Comércio ) 2) PERFIL DO CONTADOR MODERNO Maria Alzirene Mota de Brito Empresária da Contabilidade (92) 99981-9878 / 99116-6622 TÓPICOS PARA ABORDAGEM 1) QUAIS TRIBUTOS

Leia mais

Tabela Mensal de Obrigações - Agosto/2016 Setor Contábil

Tabela Mensal de Obrigações - Agosto/2016 Setor Contábil Tabela Mensal de Obrigações - Agosto/2016 Setor Contábil Dia 03 (quarta-feira) Recolhimento do correspondente aos fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.07.2016, incidente sobre rendimentos de:

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II PLANEJAMENTO CONTÁBIL TRIBUTÁRIO

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II PLANEJAMENTO CONTÁBIL TRIBUTÁRIO Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade II PLANEJAMENTO CONTÁBIL TRIBUTÁRIO A disciplina está dividida em duas unidades. Unidade I 1. Objetivo do Planejamento Tributário 2. Sociedades Simples e Empresária 3.

Leia mais

Aula 3 Imposto de Renda Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Prof. Dr. Érico Hack

Aula 3 Imposto de Renda Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Prof. Dr. Érico Hack Aula 3 Imposto de Renda Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido Prof. Dr. Érico Hack IR Pessoa Jurídica Pessoa Física equiparada à pessoa jurídica (Empresas individuais) Empresário

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos EFD-Contribuições Regs M400 E M600 Valor da receita bruta

Orientações Consultoria de Segmentos EFD-Contribuições Regs M400 E M600 Valor da receita bruta EFD-Contribuições Regs M400 E M600 Valor da receita bruta 02/08/2016 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão...

Leia mais

IMPORTAÇÃO DO MOVIMENTO DE ENTRADAS (Padrão TXT)

IMPORTAÇÃO DO MOVIMENTO DE ENTRADAS (Padrão TXT) CONFIGURAÇÃO DO ARQUIVO TXT IMPORTAÇÃO DO MOVIMENTO DE ENTRADAS (Padrão TXT) O arquivo TXT deverá ser gerado da seguinte forma: Um registro por linha Campos separados por vírgulas Campos Alfanuméricos

Leia mais

Controle Decifrado de Estoque

Controle Decifrado de Estoque 1 PIS/Pasep e Cofins... 1 1.1 Contas PIS/Pasep e Cofins a Recolher e PIS/Pasep e Cofins a Recuperar... 2 1.2 Conta Conta-corrente PIS/Pasep e Cofins... 4 1 PIS/Pasep e Cofins Pela legislação de regência

Leia mais

LEI Nº , de 29 de dezembro de Altera a Legislação Tributária Federal e dá outras providências.

LEI Nº , de 29 de dezembro de Altera a Legislação Tributária Federal e dá outras providências. LEI Nº 10.833, de 29 de dezembro de 2003. Altera a Legislação Tributária Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS. Alessandro Dessimoni

MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS. Alessandro Dessimoni MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS Alessandro Dessimoni Temas abordados 1. Alta carga tributária; 2. A burocracia e entraves da legislação; 3. Interpretação restritiva do Fisco sobre

Leia mais

PALESTRA ANEFAC - IBRACON. Tema: Medida Provisória 627/13 - PIS/COFINS

PALESTRA ANEFAC - IBRACON. Tema: Medida Provisória 627/13 - PIS/COFINS PALESTRA ANEFAC - IBRACON Tema: Medida Provisória 627/13 - PIS/COFINS Até 1998 PIS e COFINS incidiam sobre o faturamento à 2,65%; Era cumulativo; Poucas exceções; Legislação relativamente simples; Ônus

Leia mais

LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL

LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL As empresas tributadas pelo lucro real, que optaram pela apuração anual, deverão recolher mensalmente antecipações de IRPJ e CSLL com base em lucro estimado

Leia mais

OBRIGAÇÕES ÁREA FEDERAL MÊS JUNHO 2014

OBRIGAÇÕES ÁREA FEDERAL MÊS JUNHO 2014 OBRIGAÇÕES ÁREA FEDERAL MÊS JUNHO 2014 04/06-4 Feira Último dia para recolhimento do Imposto de Renda na Fonte referente a juros sobre o capital próprio, aplicações financeiras, títulos de capitalização;

Leia mais

Fatores para o cálculo do preço de exportação

Fatores para o cálculo do preço de exportação Fatores para o cálculo do preço de exportação No cálculo do preço de exportação devem ser levados em conta, entre outros fatores: IPI - IMUNIDADE do Imposto sobre Produtos Industrializados, na saída de

Leia mais

Os 7 erros mais comuns na apuração do PIS e da COFINS. Fabio Rodrigues

Os 7 erros mais comuns na apuração do PIS e da COFINS. Fabio Rodrigues Os 7 erros mais comuns na apuração do PIS e da COFINS Fabio Rodrigues Fabio Rodrigues Advogado. Mestre em Ciências Contábeis. Professor do MBA em Contabilidade e Direito Tributário do IPOG. Coordenador,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE)

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações) estipula a Demonstração do Resultado do Exercício.

Leia mais

IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI /2014 NO SETOR ELÉTRICO

IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI /2014 NO SETOR ELÉTRICO IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI 12.973/2014 NO SETOR ELÉTRICO Sumário: Contratos de Concessão de Serviço Público (OCPC 05 e ICPC 01): PIS/Pasep e Cofins Regime Cumulativo e não-cumulativo: Atividade de Distribuição;

Leia mais

ANALISTA FISCAL E TRIBUTÁRIO. Conhecimentos e Práticas Tributárias e Fiscais

ANALISTA FISCAL E TRIBUTÁRIO. Conhecimentos e Práticas Tributárias e Fiscais ANALISTA FISCAL E TRIBUTÁRIO Conhecimentos e Práticas Tributárias e Fiscais Objetivos do Workshop 1 Conhecer e Atualizar os Conhecimentos acerca da Legislação Tributária e Fiscal Vigente 2 Adotar Procedimentos

Leia mais

Tributos Indiretos ISS / IPI / ICMS

Tributos Indiretos ISS / IPI / ICMS Fazer teste: AS_I Pergunta 1 Tributos Indiretos ISS / IPI / ICMS 1. Sabe-se que o ISS é um imposto de responsabilidade dos Municípios, porém, a LC 116/2003 determina a alíquota máxima de 5% (cinco por

Leia mais

Função e Funcionamento das principais contas

Função e Funcionamento das principais contas 2017/09/22 13:54 1/15 e das principais contas e das principais contas 1.1.1.1 CAIXA Registrar a movimentação de dinheiro, cheques e outros documentos compensáveis em poder da empresa. Debita-se pelo recebimento

Leia mais

Agenda de Contribuições, Tributos e Obrigações. Mês de Fevereiro de 2017.

Agenda de Contribuições, Tributos e Obrigações. Mês de Fevereiro de 2017. Agenda de Contribuições, Tributos e Obrigações. Mês de Fevereiro de 17. DIAS OBRIGAÇÕES D E S C R I Ç Ã O FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 17.01 à 17.03.17 03 06 RAIS SALÁRIOS SECONCI O Ministério do Trabalho e Emprego,

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2017 IRPJ LUCRO ARBITRADO Oarbitramentodolucroéumaformadeapuração dabasedecálculodoimpostoderendautilizadapela autoridade tributária ou pelo contribuinte.

Leia mais

Sumário. Introdução. Patrimônio

Sumário. Introdução. Patrimônio Sumário Sumário Introdução 2 Objeto 3 Finalidade ou objetivo 4 Pessoas interessadas nas informações contábeis 5 Funções 6 Identificação dos aspectos patrimoniais 7 Campo de aplicação 8 Áreas ou ramos 9

Leia mais

Ênio Meinen. PIS nas Cooperativas de Crédito. Fundação Escola Superior de Direito Tributário

Ênio Meinen. PIS nas Cooperativas de Crédito. Fundação Escola Superior de Direito Tributário Ênio Meinen PIS nas Cooperativas de Crédito Fundação Escola Superior de Direito Tributário LEI COMPLEMENTAR Nº 7, DE 7 DE SETEMBRO DE 1970 Institui o Programa de Integração Social, e dá outras providências.

Leia mais

MÓDULO 2 IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS LUCRO PRESUMIDO E LUCRO ARBITRADO

MÓDULO 2 IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS LUCRO PRESUMIDO E LUCRO ARBITRADO MÓDULO 2 IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS LUCRO PRESUMIDO E LUCRO ARBITRADO I LUCRO PRESUMIDO As pessoas jurídicas não obrigadas à apuração do lucro real poderão optar pela apuração do Imposto trimestral

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIOECONÔMICAS E HUMANAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIOECONÔMICAS E HUMANAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIOECONÔMICAS E HUMANAS CIÊNCIAS CONTÁBEIS ELAINE FERREIRA NOLAÇO ANÁPOLIS 2012 Lucro arbitrado ou presumido Lucro arbitrado é uma forma

Leia mais

PIS/Pasep e Cofins - Regimes Cumulativo e Não Cumulativo. 1. Introdução Modalidades Regimes Regime cumulativo...

PIS/Pasep e Cofins - Regimes Cumulativo e Não Cumulativo. 1. Introdução Modalidades Regimes Regime cumulativo... PIS/Pasep e Cofins - Regimes Cumulativo e Não Cumulativo 1. Introdução... 2 2. Modalidades... 2 3. Regimes... 2 4. Regime cumulativo... 2 4.1 - Contribuintes expressamente incluídos no regime cumulativo...

Leia mais

Página 2 de 5 No caso da ausência de comprovação de que essas bonificações estejam relacionadas com a aquisição das mercadorias, essa operação será ca

Página 2 de 5 No caso da ausência de comprovação de que essas bonificações estejam relacionadas com a aquisição das mercadorias, essa operação será ca Página 1 de 5 Este procedimento foi elaborado com base nas Leis nºs 10.406/2002; 9.249/1995; 10.637/2002; 10.833/2003; 11.941/2009; Lei Complementar nº 123/2006; e Resolução CGSN nº 94/2011 IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep/Simples

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PIS/COFINS (Regime Cumulativo e não Cumulativo com preenchimento do DACON e DCTF) contato@agmcontadores.com.br 28/03/2014 2 Sumário CONTRIBUINTES

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos EFD Contribuições - Bloco I tratamento para dedução e exclusões da Base de Cálculo da PIS/COFINS - Federal

Parecer Consultoria Tributária Segmentos EFD Contribuições - Bloco I tratamento para dedução e exclusões da Base de Cálculo da PIS/COFINS - Federal EFD Contribuições - Bloco I tratamento para dedução e exclusões da Base de Cálculo da PIS/COFINS - Federal 13/03/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente...

Leia mais

PIS/Pasep e Cofins - Regimes Cumulativo e Não Cumulativo. 1. Introdução Modalidades Regimes Regime cumulativo...

PIS/Pasep e Cofins - Regimes Cumulativo e Não Cumulativo. 1. Introdução Modalidades Regimes Regime cumulativo... PIS/Pasep e Cofins - Regimes Cumulativo e Não Cumulativo 1. Introdução... 2 2. Modalidades... 2 3. Regimes... 2 4. Regime cumulativo... 2 4.1 - Contribuintes expressamente incluídos no regime cumulativo...

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ATIVO NE 31/12/2013 31/12/2012 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 85.142.911 86.881.544

Leia mais

www.celulaquattro.com.br PIS E COFINS INCIDÊNCIA CUMULATIVA A BC é a Receita Bruta da PJ. Exclui da Receita Bruta: (art. 3º. Lei 9718/98) 1. As vendas canceladas, os descontos incondicionais concedidos,

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6 Índice 1. Deduções da base de cálculo...3 1.1 Base de cálculo, alíquotas e despesas... 3 1.2 Exemplo numérico com deduções... 3 2. Faturamento bruto/receita bruta regime

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Aquisição de Ativo Imobilizado - Créditos PIS/COFINS Contabilização e Reflexos Blocos F120 e F130 da EFD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Aquisição de Ativo Imobilizado - Créditos PIS/COFINS Contabilização e Reflexos Blocos F120 e F130 da EFD Aquisição de Ativo Imobilizado - Créditos PIS/COFINS Contabilização e Reflexos Blocos F120 e F130 da EFD Contribuições 27/01/2015 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas

Leia mais

SOFOLHA SOLUÇÕES CORPORATIVAS CONSULTORIA TRIBUTÁRIA. Projeto SPED x SFFISCAL Lucro Presumido

SOFOLHA SOLUÇÕES CORPORATIVAS CONSULTORIA TRIBUTÁRIA. Projeto SPED x SFFISCAL Lucro Presumido Projeto SPED x SFFISCAL Lucro Presumido Legislação Conforme instituído pela Instrução Normativa RFB nº 1.052, de 5 de julho de 2010, sujeitam à obrigatoriedade de geração de arquivo da Escrituração Fiscal

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2017 CSLL CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO CSLL CONTRIB. SOCIAL S/ LUCRO LÍQUIDO A CSLL é uma contribuição de competência da União instituída pela

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I SUSPENSO O PAGAMENTO DE PIS/COFINS SOBRE A VENDA DE PRODUTOS SUÍNOS E AVICULÁRIOS E DE DETERMINADOS INSUMOS RELACIONADOS E CONCEDE CRÉDITO PRESUMIDO EM DETERMINADAS OPERAÇÕES

Leia mais

Caminho Jurídico do Empreendedor

Caminho Jurídico do Empreendedor Caminho Jurídico do Empreendedor Introdução Início de Atividade Empresária requer: Modelo de empresas/tipos societários; Contrato social, Registro de marcas e patentes; Elaboração e estudo de contratos

Leia mais

Revisão Geral. Prof. Thiago S.Oliveira CRC-MG Revisão Geral

Revisão Geral. Prof. Thiago S.Oliveira CRC-MG Revisão Geral Revisão Geral Prof. Thiago S.Oliveira CRC-MG 093969 Revisão Geral Escrita Fiscal Escrita Fiscal são registros de documentos fiscais lançados em livros fiscais, obrigatórios pela legislação. Visa atender,

Leia mais

GESTÃO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

GESTÃO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA GESTÃO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Silvério das Neves Graduado em Contabilidade e Administração pela Universidade Mackenzie. MBA Executivo em Gestão de Negócios pelo INPG. Participou da

Leia mais

Saiba tudo sobre PIS e COFINS e acabe com qualquer tipo de dúvida

Saiba tudo sobre PIS e COFINS e acabe com qualquer tipo de dúvida Saiba tudo sobre PIS e COFINS e acabe com qualquer tipo de dúvida Você com certeza já deve ter ouvido isto em algum lugar, pois bem, se ouviu, quem disse tem toda razão. Essa afirmação se deve pelas inúmeras

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ATIVO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto ICMS. Prof. Amaury José Rezende

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto ICMS. Prof. Amaury José Rezende Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto ICMS ASPECTOS CONCEITUAIS Prof. Amaury José Rezende Agenda 1. Lógica de tributação 2. Temas especiais AMAURY

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS E TRIBUTÁRIOS NA COMPRA DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE. Julho / 2005

ASPECTOS JURÍDICOS E TRIBUTÁRIOS NA COMPRA DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE. Julho / 2005 ASPECTOS JURÍDICOS E TRIBUTÁRIOS NA COMPRA DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE Julho / 2005 TRIBUTOS QUE PODERÃO INCIDIR SOBRE A ENERGIA ELÉTRICA Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) Imposto

Leia mais

SPED. Cruzamento das Informações: CRUZAMENTOS: Aspectos conceituais 24/09/2009. Acompanhamento Diferenciado: DACON DIRF DIPJ DCOMP DCTF DARF

SPED. Cruzamento das Informações: CRUZAMENTOS: Aspectos conceituais 24/09/2009. Acompanhamento Diferenciado: DACON DIRF DIPJ DCOMP DCTF DARF Cruzamento das Informações: DACON DIRF SPED DCTF DIPJ DCOMP DARF Palestrante: Thamara Jardim CRUZAMENTOS: Aspectos conceituais Acompanhamento Diferenciado: Art. 2º O acompanhamento diferenciado deverá

Leia mais

Dos Créditos a Descontar na Apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins

Dos Créditos a Descontar na Apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins Assunto: Contribuição para PIS/PASEP e COFINS Instrução Normativa SRF nº 594, de 26 de dezembro de 2005 Dispõe sobre a incidência da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins, da Contribuição para o PIS/Pasep-Importação

Leia mais

Fiscal Configurar Impostos Fiscais

Fiscal Configurar Impostos Fiscais Fiscal Configurar Impostos Fiscais Objetivo Configurar todos os impostos que refletirão na Nota Fiscal de Saída. Pré- Requisitos As Taxas Tributárias dos Produtos devem ser devidamente cadastradas ( Fiscal

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa, durante o exercício social, demonstradas de forma a destacar o resultado líquido

Leia mais

Disposições anteriores à MP 627/13. Receita Bruta: produto da venda de bens nas operações de conta própria e o preço dos serviços prestados

Disposições anteriores à MP 627/13. Receita Bruta: produto da venda de bens nas operações de conta própria e o preço dos serviços prestados Escrituração do Lucro Real e Lalur Disposições anteriores à MP 627/13 Principais alterações trazidas pe Receita Bruta: produto da venda de bens nas operações de conta própria e o preço dos serviços prestados

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 ATIVO NE 31/12/2015 31/12/2014 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2015 31/12/2014 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 90.705.601 82.095.096

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara IX DESAFIO CULTURAL DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS- 2016 Questões de Planejamento Tributário Prof. Oscar Scherer Questão nº 01 A constituição de Fundos de Investimentos Mobiliário é uma alternativa interessante

Leia mais

Slide 1 O CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES FISCAIS ATRAVÉS DAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS. Slide 2. Slide 3 DADOS DISPONÍVEIS AO FISCO

Slide 1 O CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES FISCAIS ATRAVÉS DAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS. Slide 2. Slide 3 DADOS DISPONÍVEIS AO FISCO Slide 1 O CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES FISCAIS ATRAVÉS DAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS Nilson José Goedert Contador 2016 Slide 2 Obrigações Federais para Pessoas Jurídicas em Geral: 1. SPED Sistema Público de Escrituração

Leia mais

4º O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento:

4º O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento: Das Alíquotas e Base de Cálculo e dos Créditos Art. 18. O valor devido mensalmente pela microempresa e empresa de pequeno porte, optante do Simples Nacional, será determinado mediante aplicação da tabela

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-ST Custo de entrada - MG

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-ST Custo de entrada - MG ICMS-ST 02/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 4. Conclusão... 7 5. Informações Complementares... 7 6. Referências...

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO. Simples Nacional JANEIRO Simples Nacional. Simples Nacional

DIREITO TRIBUTÁRIO. Simples Nacional JANEIRO Simples Nacional. Simples Nacional DIREITO TRIBUTÁRIO Simples Nacional JANEIRO 2015 1 Simples Nacional Art. 146, III, d, CF Tratamento diferenciado e favorecido para ME e EPP Regime único de arrecadação opção do contribuinte; Art. 94 do

Leia mais

6ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO

6ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO 6ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 178, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2008: EMENTA: DISTRIBUIDOR ATACADISTA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS E DE HIGIENE PESSOAL. CRÉDITOS. POSSIBILIDADE. Relativamente

Leia mais

Tema MP nº 766/17 Projeto de lei de conversão da MP nº 766/17 Condições gerais

Tema MP nº 766/17 Projeto de lei de conversão da MP nº 766/17 Condições gerais Comparação de pontos relevantes do PRT na MP nº 766/17 e no projeto de lei de sua conversão (* não contempla outros assuntos que constam do projeto de lei e questões formais, operacionais e demais condições

Leia mais

Sumário. Nota Preliminar, xvii. Introdução, 1

Sumário. Nota Preliminar, xvii. Introdução, 1 Nota Preliminar, xvii Introdução, 1 1 Comentários gerais, 3 1.1 Finalidade, 3 1.2 Do patrimônio, 4 1.3 Dos fatos, 5 1.3.1 Do fato administrativo permutativo, 5 1.3.2 Do fato administrativo modificativo,

Leia mais

COMENTÁRIOS ÀS QUESTÕES PROPOSTAS 2

COMENTÁRIOS ÀS QUESTÕES PROPOSTAS 2 COMENTÁRIOS ÀS QUESTÕES PROPOSTAS 2 1. Uma empresa apurou em determinado período trimestral de 2003 um Lucro Real de R$ 27.000,00. As adições eram de R$ 5.000,00 e as exclusões de R$ 3.000,00. No Patrimônio

Leia mais

Considerando-se apenas as informações apresentadas, apresente o registro contábil relativo à apuração do ICMS no mês de fevereiro de 2017:

Considerando-se apenas as informações apresentadas, apresente o registro contábil relativo à apuração do ICMS no mês de fevereiro de 2017: CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA: QUESTÕES DE REVISÃO 01) Uma Sociedade Empresária que possui um único estabelecimento apresentava, em 31.1.2017, após a apuração do Imposto sobre Circulação de Mercadorias ICMS,

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012

MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012 MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012 Altera a Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária de empresas dos setores industriais e de serviços; permite depreciação

Leia mais

SIMPLES NACIONAL PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE

SIMPLES NACIONAL PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE SIMPLES NACIONAL PROF. DR. AMAURY JOSE REZENDE SIMPLES NACIONAL Tributo federal Lei Complementar 123/2006 e 128/2008 Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 404, de 12 de março de 2004

Instrução Normativa SRF nº 404, de 12 de março de 2004 Instrução Normativa SRF nº 404, de 12 de março de 2004 DOU de 15.3.2004 Dispõe sobre a incidência não-cumulativa da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social na forma estabelecida pela Lei

Leia mais

BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA FISCAL

BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA FISCAL BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA FISCAL Instituído pela Lei nº 10.637, de 2002 1) CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO (CSLL) * Silvério das Neves * Adherbal Corrêa Bernardes 1.1) Alíquotas O art. 6º da Medida

Leia mais

PIS/Pasep e Cofins - Regimes Cumulativo e Não Cumulativo. 1. Introdução Modalidades Regimes Regime cumulativo...

PIS/Pasep e Cofins - Regimes Cumulativo e Não Cumulativo. 1. Introdução Modalidades Regimes Regime cumulativo... PIS/Pasep e Cofins - Regimes Cumulativo e Não Cumulativo 1. Introdução... 2 2. Modalidades... 2 3. Regimes... 2 4. Regime cumulativo... 2 4.1 - Contribuintes expressamente incluídos no regime cumulativo...

Leia mais

Receita Bruta( R$/ ano) Comércio Indústria Serviços

Receita Bruta( R$/ ano) Comércio Indústria Serviços 2 Aspectos Tributários Nossa estrutura tributária é extremamente complexa. Por isso, é de fundamental importância que a conheçamos, pois vários impostos são correlacionados diretamente aos preços de venda

Leia mais

Cooperzem Cooperativa de Distribuição de Energia Elétrica CNPJ.: / Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2014 e de 2013

Cooperzem Cooperativa de Distribuição de Energia Elétrica CNPJ.: / Demonstrações Contábeis em 31 de Dezembro de 2014 e de 2013 I - Balanço Patrimonial ATIVO 2014 2013 Circulante 4.426.951,51 2.872.208,33 Caixa e Equivalentes de Caixa 861.325,60 288.821,15 Consumidores 3.656.496,12 2.707.364,68 Devedores Diversos 226.920,22 76.064,38

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 660, de 17 de julho de Impressão

Instrução Normativa SRF nº 660, de 17 de julho de Impressão Page 1 of 6 Instrução Normativa SRF nº 660, de 17 de julho de 2006 DOU de 25.7.2006 Dispõe sobre a suspensão da exigibilidade da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins incidentes sobre a venda de produtos

Leia mais

Atualização/2017 6ª Edição A Reprodução deste material fica proibida sem o expresso consentimento da autora.

Atualização/2017 6ª Edição A Reprodução deste material fica proibida sem o expresso consentimento da autora. SORAIA CLEMENTE DE JESUS Contadora, Consultora, MBA em Gestão Estratégica de Negócios, Instrutora de Cursos e Palestras, Sócia-Diretora da Empresa Preserve Contabilidade Preventiva, Professora Autora Anima.

Leia mais

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 5ª RF

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 5ª RF Fls. 1 Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 5ª RF Solução de Consulta nº 5.008 - Data 2 de abril de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 19 CAPÍTULO I ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE... 21 1. Conceito de contabilidade... 21 2. Objeto... 22 3. Campo de aplicação... 23 4. Objetivos... 23 5.

Leia mais

Boletim de Atualização Tributária BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO TRIBUTÁRIA. Código das Melhores Práticas de

Boletim de Atualização Tributária BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO TRIBUTÁRIA. Código das Melhores Práticas de BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO TRIBUTÁRIA Código das Melhores Práticas de N 05 Data 11.03.2016 Período Governança pesquisado: Atos publicados entre 04.03.2016 a 11.03.2016 LEGISLAÇÃO FEDERAL Não houve. RECEITA

Leia mais

Plano de Contas Referencial Imunes e Isentas até 2014

Plano de Contas Referencial Imunes e Isentas até 2014 Plano de Contas Referencial Imunes e Isentas até 2014 CÓDIGO DESCRIÇÃO DT_INI DT_FIM TIPO CONTA SUPERIOR NÍVEL NATUREZA 1 ATIVO 01012014 S 1 01 1.01 ATIVO CIRCULANTE 01012014 S 1 2 01 1.01.01 DISPONIBILIDADES

Leia mais

Modelo de Plano de Contas Detalhado

Modelo de Plano de Contas Detalhado Modelo de Plano de Contas Detalhado Código da Conta Descrição da Conta 1. A T I V O 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.01 DISPONÍVEL 1.1.01.01 Caixa 1.1.01.02 Bancos c/ Movimento 1.1 01.03 Aplicações Financeiras

Leia mais

9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO

9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO 9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 240, DE 9 DE SETEMBRO DE 2008: A substituição de embalagens de produtos, alterando sua apresentação, exceto se destinada unicamente ao transporte

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Exclusão do Desconto Condicional da Receita de Atividade Imobiliária - PIS COFINS

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Exclusão do Desconto Condicional da Receita de Atividade Imobiliária - PIS COFINS Parecer Consultoria Tributária Segmentos Exclusão do Desconto Condicional da Receita de Atividade Imobiliária - 06/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente...

Leia mais

Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos fictícios.

Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos fictícios. I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos fictícios. 1 Sistema Cumulativo Pessoa Jurídica tributada pelo

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Materiais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Materiais CONTABILIDADE DE CUSTOS Materiais IMPORTÂNCIA DO ESTUDO Importância do estudo dos custos dos materiais se justifica: pela grande participação dos materiais no processo produtivo; Custos como base primordial

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011

Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011 Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011 DOU de 17.10.2011 Dispõe sobre procedimentos fiscais dispensados aos consórcios constituídos nos termos dos arts. 278 e 279 da Lei nº 6.404, de

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 99 - Data 9 de abril de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP NÃO CUMULATIVIDADE. SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO

Leia mais

Mapeando o SPED PIS/COFINS

Mapeando o SPED PIS/COFINS Mapeando o SPED PIS/COFINS 1 SPED PIS/COFINS Instrução Normativa RFB nº 1.052, de 5 de julho de 2010 2 BLOCO DESCRIÇÃO QTDE REGISTROS 0 Abertura, Identificação e Referências 16 A Documentos Fiscais - Serviços

Leia mais

Emenda Constitucional nº. 42 (19/03/2003)

Emenda Constitucional nº. 42 (19/03/2003) EVOLUÇÃO Emenda Constitucional nº. 42 (19/03/2003) Art. 37 da Constituição Federal... XXII as administrações tributárias da União dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios,... e autuarão de forma

Leia mais

Unidade II $

Unidade II $ CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Unidade II 4 CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES COM MERCADORIAS COM TRIBUTAÇÃO 4.1 Compra de mercadorias com incidência de ICMS / PIS / COFINS recuperáveis Exemplo Vamos considerar uma

Leia mais

Código de Situação Tributária

Código de Situação Tributária Código de Situação O código da situação tributária será composto de três dígitos, onde o 1 dígito indicará a origem da mercadoria, com base na Tabela A e os dois últimos dígitos a tributação pelo ICMS,

Leia mais