OFICINA Nº 06 Área: ORÇAMENTO PÚBLICO. ABOP Slide 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OFICINA Nº 06 Área: ORÇAMENTO PÚBLICO. ABOP Slide 1"

Transcrição

1 OFICINA Nº 06 Área: ORÇAMENTO PÚBLICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL COM FOCO NA QUALIDADE DO GASTO ABOP Slide 1

2 Obras de referência Planejamento Estratégico Strategy : Converting intangible assets into tangible outcomes - Norton and Kaplan Key Performance Indicators David Parmenter Rise and Fall of Strategic Planing Henry Mintzberg Managing and Delivering Performance Bernard Marr Strategy Safari: A Guided Tour Through The Wilds of Strategic Management Henry Mintzberb ABOP Slide 2

3 O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ABOP Slide 3

4 Contextualização A principal justificativa de um Planejamento Estratégico em uma organização é o estabelecimento de uma agenda comum, alinhamento de foco, dispor de um instrumento que irá gerar intensidade no acompanhamento dos resultados dos objetivos selecionados e com isso proporcionar aprendizado e por fim ajustar a cultura organizacional. ABOP Slide 4

5 Cabe ao Planejamento Estratégico Refletir e questionar o presente e o passado para propor alternativas para o futuro; Explicitar a sua estratégia por meio da Missão, Visão, Valores e Estratégia traduzidos em objetivos, medidas, metas, iniciativas e recursos. ABOP Slide 5

6 O Planejamento Estratégico deverá: Envolver a participação mais ampla de pessoal da organização Construção Coletiva com o objetivo de comprometer os servidores. A participação ampla agrega saberes locais, regionais e. ainda a sinergia resultante da troca ABOP Slide 6

7 Planejamento Estratégico ABOP Slide 7

8 Planejamento Estratégico e a Cultura Organizacional ABOP Slide 8

9 A Liderança, o Planejamento e o Alinhamento Estratégico ABOP Slide 9

10 Etapas básicas de um Planejamento Estratégico 1. Análise Situacional 2. SWOT 3. Cenários (P.E.S.T.E.L) 4. Fatores Críticos de Sucesso (FCS) 5. Diretrizes Estratégicas 6. Valores (5 a 7) 7. Missão (5W) 8. Visão (5W) 9. Objetivos (S.M.A.R.T) (regra 4 por 5) 10. Metas (S.M.A.R.T) 11. Indicadores (Cadeira de Valores) 12. Planos de Ação (5W2H) 13. Balanced Scorecard ABOP Slide 10

11 Análise Situacional PLANEJAMENTO ANTERIOR OBJETIVOS ALCANÇADOS OBJETIVOS PERMANECEM RESULTADOS RELEVANTES RESULTADOS PREOCUPANTES ABOP Slide 11

12 SWOT A metodologia SWOT é empregada por empresas e órgãos para avaliar a si mesmas e aos seus competidores e formular as estratégias Esse exercício pode também ser utilizável por profissionais voltados a evoluir em sua carreira ou pelas pessoas para orientar as suas próprias vidas. ABOP Slide 12

13 SWOT - Pontos Fortes Um ponto forte é um trunfo para a empresa, para o órgão ou para o que pode ser usado para diferenciá-lo dos demais, quando em processo competitivo ou tentando obter benefícios pessoais. Exemplos de pontos fortes: habilidades para gerenciamento de projetos, habilidade para melhorar ou fazer reengenharia de processos, experiência e treinamento em apresentações para grandes audiências, comprovados sucesso na habilidade em vendas. ABOP Slide 13

14 SWOT - Pontos Fracos Um ponto fraco é uma obrigação ou uma oportunidade de crescimento. Essas são características que a empresa, o órgão ou você poderia melhorar para se tornar mais eficiente e competivivo. No nível da empresa ou órgão, seria um planejamento estratégico que não vincule objetivos a recursos, um processo de gestão estratégica ineficiente, etc., No pessoal seria, por exemplo: desorganização, desconforto para falar diante de grupos, tendência a atrasar na entrega de trabalhos, mau ouvinte ABOP Slide 14

15 SWOT - Pontos Fortes e Fracos O propósito de uma análise SWOT pessoal é identificar as ações que você pode adotar para melhor atender às exigências do trabalho ou promoção que você está buscando. Comparando seus pontos fortes e fracos às exigências do emprego você identificará os gaps a serem preenchidos e poderá se preparar para ser o melhor candidato para a posição que você aspira. ABOP Slide 15

16 SWOT - Oportunidades & Ameaças Quando pensando sobre oportunidades e ameaças, é sempre mais fácil iniciar com as ameaças. Busque comparar-se com pessoas que você irá provavelmente competir para o próximo emprego ou promoção. Então da forma mais objetiva possível julgue suas ameaças e determine formas possíveis de superá-las. Alguns exemplos: Ameaça: Os outros candidatos têm diplomas universitários Ponto Fraco: Não disponho de diploma universitário Oportunidade : Frequentar uma escola noturna para concluir o meu grau de bacharel ABOP Slide 16

17 SWOT - Oportunidades & Ameaças Ameaça: O colega X é muito melhor em apresentação diante de grupos Ponto Fraco: Sou deficiente em apresentação diante de grupos Oportunidade: Tomar classes de oratória ou participar de uma programa, bem como procurar oportunidades para realizar apresentações diante de audiências ABOP Slide 17

18 Critérios para Construção de Cenários O processo funciona da seguinte forma: Após definidos os objetivos, procura-se entender mais a respeito da organização, da empresa ou de você e também do seu ambiente externo. S = Strengths (interno) W = Weaknesses (interno) O = Opportunities (externo) T = Threats (externo) Esse processo captura informações a respeito dos pontos fortes e pontos fracos (internos), bem como das oportunidades e ameaças (externas). ABOP Slide 18

19 Critérios para Construção de Cenários Quando avaliando as ameaças e oportunidades verificar a correlação dos mesmos com os aspectos Político, Econômico, Social, Tecnológico, Ambiental e Legal que possam influenciar na visão da organização. ABOP Slide 19

20 Critérios para construção de cenários Focalizar nas forças responsáveis pelos resultados. Serem realisticamente possíveis. Serem igualmente prováveis, apontando para a maioria das incertezas. Dispor de proposições não contraditórias. Compor um Plano Contingencial ao invés de um Plano Determinístico. ABOP Slide 20

21 Cenários Oficina - Ameaças Desgaste na imagem política do Brasil; Legislação desatualizada e falta de dispositivo legal que dê amparo e autonomia à uma determinada ação. Ex: descentralização de contribuição para entidade representativa; Descrédito da sociedade em relação à transparência e equidade; e Crença limitante: Se sempre foi assim, não mudará. ABOP Slide 21

22 Cenários Oficina - Ameaças Pré-sal, reajustes salariais e ano eleitoral representam risco de aumento de gastos/investimentos; Capacidade de investimentos ficando estrangulada; e Aumento de carga tributária para o equilíbrio fiscal. ABOP Slide 22

23 Cenários Oficina - Ameaças Estatísticas fiscais; Crise econômica ofusca a necessidade da Lei de Finanças; e Sistemas tecnológicos concorrentes podem vir a ser utilizados nas setoriais de Planejamento e Orçamento e inviabilizar o SIOP. ABOP Slide 23

24 Cenários Oficina - Oportunidades Busca da qualidade, produtividade, inovação e eficiência nas organizações; Momento de crescimento da economia nacional; Propiciar uma maior participação da sociedade no desenvolvimento do país; e Profissionalização dos setores público, privado e organizações sociais. ABOP Slide 24

25 Cenários Oficina - Oportunidades Aumento dos investimentos no Brasil devido às crises européia e americana, mas os EUA ainda são os mais valorizados mesmo em crise; Crescimento econômico; e Reservas internacionais vultuosas. ABOP Slide 25

26 Bancos brasileiros estão sólidos (bancos públicos fortes); Inflação relativamente sob controle; Situação fiscal sólida; Relação divida/pib declinante; Pouca dependência do mercado externo; e Gestores econômicos do Brasil já acostumado com crises. Cenários Oficina - Oportunidades ABOP Slide 26

27 Cenários Oficina - Oportunidades Aumentar a participação da sociedade no orçamento (cursos), parceria com universidades; e Intensificar o apoio aos estados diagnósticos da situação e das fragilidades dos estados alguns estados pedem o SIOP (sistema de TI) fazem orçamento em planilhas. ABOP Slide 27

28 Cenários Oficina - Oportunidades Crise européia e oportunidade do Brasil ganhar espaço e se consolidar como uma das primeiras economias mundiais Momento do Brasil tentar entrar no mercado chinês com produtos industrializado para contrabalançar a exportação de commodities ABOP Slide 28

29 Fatores Críticos de Sucesso Fatores que contribuem mais do que os demais para o sucesso do processo e consequentemente da organização. Liderança da organização comprometida à frente do Planejamento Estratégico; Aprimorar o capital tecnológica, humano e organizacional; e Identificar as demandas prioritárias das Partes Interessadas. ABOP Slide 29

30 Diretrizes Estratégicas Conjunto de instruções ou indicações para se levar a termo o planejamento, o negócio, etc, como: O Planejamento contará sempre com a participação da liderança da organização. O financiamento das ações ocorrerá por intermédio de recursos orçamentários públicos, recomendando-se sempre que possível o uso de fontes alternativas. ABOP Slide 30

31 Valores Devem refletir os valores entranhados na organização e ser totalmente independente das prioridades estratégicas. Estabelece limites no comportamento das pessoas de uma organização. Descrevem os princípios com os quais as pessoas em uma organização interagem com o mundo próximo e externo a elas. ABOP Slide 31

32 Valores Devem ser de 5 a 7 De fáceis de memorização Que possam ser colocados em um texto de forma mais simples que a missão e visão. Os valores denominados cookie-cutter não diferenciam uma empresa/organização das demais. Caem na vala comum. ABOP Slide 32

33 Valores Conjunto de princípios culturais, ideológicos, morais e éticos que devem caracterizar a instituição e pautar a conduta de seus integrantes Secretaria de Orçamento Federal: Responsabilidade, Respeito, Comunicação Comprometimento, Transparência, Articulação Proatividade, Competência, Honestidade Espírito de equipe, Confiabilidade e Reconhecimento ABOP Slide 33

34 Valores Considerando as orientações anteriores, propor um conjunto de valores para uma Escola Pública de Ensino Médio ABOP Slide 34

35 Valores Valores de uma Escola Pública de Ensino Médio Ética Comprometimento Respeito Espiritualidade Construção do conhecimento ABOP Slide 35

36 Missão Qualquer um em sua organização, seja um cliente, empregado, fundador, parceiro vai querer ter uma série de perguntas com relação à sua organização : Quem você é como organização? A quem você serve? Para que você existe? ABOP Slide 36

37 Missão Descreve: Razão de ser, a finalidade principal da instituição Motivação para os servidores se engajarem no trabalho da organização Elemento de ligação que mantém toda a organização unida em um período relativamente longo de tempo e estabelece os limites dentro dos quais a organização irá operar. ABOP Slide 37

38 Missão Características Essenciais Simples e Clara: evitar se tornar um sanduiche vencedor de boas intenções Inspirar mudanças: uma vez que ela não muda e não pode ser plenamente realizada, deve propulsionar a organização a mudanças positivas e ao crescimento Por natureza de longo prazo: a declaração da missão deve ser escrita para durar em torno de cem anos Fácil de entender e comunicar: não utilizar frases prontas ou gírias ABOP Slide 38

39 Missão Método de construção 5W Método desenvolvido por Jim Collins e Jerry Porras Inicie com uma declaração descritiva do tipo: nossa organização produz X produtos ou Y serviços Em seguida pergunte 5 vezes por que é importante Uma empresa que coleta lixo, provavelmente iniciaria com: recolhemos o lixo e terminaria com contribuímos para manter um ambiente mais saudável resolvendo de forma criativa os excedentes de consumo ABOP Slide 39

40 Missão Modelo Existimos para (propósito principal ou solução de problema)... Para quem (clientes primários ou usuários)... Com a finalidade de (principais serviços oferecidos)... De tal forma que (principais impactos no longo prazo)... ABOP Slide 40

41 Missão - Exemplos Secretaria de Orçamento Federal Racionalizar o processo de alocação de recursos, zelando pelo equilíbrio das contas públicas com foco em resultados para a sociedade Harvard Law School Apoiar cuidadosamente os clientes na execução segura, profissional e bem sucedida de eventos na Escola de Direito de Harvard. ABOP Slide 41

42 Missão - Exemplos Considerando o que foi dito anteriormente, propor uma Missão para um Escola Pública de Ensino Médio ABOP Slide 42

43 Missão - Exemplos Escola Pública de Ensino Médio: Formar um homem responsável, capaz de fazer escolhas, de valorizar e interagir com a comunidade e o mundo, visando o bem estar social, a preservação do meio ambiente e a valorização da vida. ABOP Slide 43

44 Visão A história humana está marcada por eventos em determinados momento que mudaram para sempre nossa forma de pensar, agir e viver. Se você pudesse fazer uma viagem pelo tempo, qual você prefiriria? A queda do Muro de Berlim? Martin Luther King Eu tenho um sonho? John Kennedy cujo sonho era mandar um homem a lua? E como esses diversos outros. ABOP Slide 44

45 Visão Representa um quadro daquilo que a organização pretende ser em um horizonte de 5, 10 ou 15 anos, tais como: se tornar o ator dominante em um determinado setor atingir um determinado tamanho superar um competidor específico Tornar-se um modelo em um setor específico ABOP Slide 45

46 Visão Imagem viva de um estado futuro ambicioso e desejável, relacionado com o cliente e superior, em algum aspecto importante, ao estado atual. O enunciado deve ser: claro - envolvente - fácil de memorizar - compatível com valores - ligado às necessidades dos clientes - visto como um desafio. ABOP Slide 46

47 Visão É o que a instituição gostaria de ser Aonde seria ideal chegar Normalmente subjetiva Espelha o perfil e as características dos dirigentes ABOP Slide 47

48 Visão - Requisitos Concisa: simples e fácil de ser lembrada; Balancear os elementos externos, com os internos; Os elementos externos focalizam em como sua organização vai modificar ou melhorar o mundo; e Ao invés de dizer que a organização proverá o dobro dos serviços que presta hoje, dizer que mais crianças terão atendimento de saúde de qualidade ABOP Slide 48

49 Visão Principais atributos: Baseada mais na intuição do que em análises objetivas; Posteriormente confirmada pelo planejamento estratégico; e Deve ser desafiadora. ABOP Slide 49

50 Secretaria de Orçamento Federal: Ser a organização de excelência na gestão dos recursos públicos federais Harvard Law School Visão Ser uma das principais organizações de apoio aos eventos na Universidade de Harvard. ABOP Slide 50

51 Visão Visão da Escola Pública de Ensino Médio Ser uma escola que desenvolva as potencialidades dos educandos através do trabalho integrado, buscando o envolvimento com a comunidade e com a qualidade da aprendizagem ABOP Slide 51

52 Objetivos Alvos ou situações concretas que se pretende atingir, com prazos e responsabilidades perfeitamente definidas ABOP Slide 52

53 Objetivo/Meta/Indicador Objetivo: Disseminar o PNEF em 60% da sociedade Indicador : grau de disseminação do PNEF na sociedade em percentual Meta: Programa Nacional de Educação Fiscal disseminado em 10 % da sociedade, no primeiro ano, 20% no segundo ano e 30% no terceiro ano. ABOP Slide 53

54 Objetivo/Meta/Indicador Objetivo: Construir estádios de futebol seguros Brasil para a Copa do Mundo no Indicador: % de acidentes em estádios do Brasil por 1000 torcedores Meta: Acidentes nos estádios de futebol construídos no Brasil para a copa do mundo inferior a 0,5% por 1000 torcedores. ABOP Slide 54

55 L PLANOS DE AÇÃO METODOLOGIA 5W2H. O QUÊ WHAT POR QUÊ WHY ONDE WHERE QUANDO WHEN COMO HOW QUEM WHO QUANTO HOW MUCH QUANTIDADE QUANTITY CUSTO COST ABOP Slide 55

56 Apresenta uma tradução confiável da Missão, Visão, Valores e Estratégia traduzidos em objetivos, medidas de desempenho e metas. Balanced Scorecard De forma sintética, representa: Um Sistema de Medidas; Um Sistema de Gestão Estratégica; e Uma Ferramenta de Comunicação. ABOP Slide 56

57 Foi desenvolvido em 1992, por Robert Kaplan e David Norton. Hoje, aproximadamente 70% das 1000 empresas da revista Fortune utilizam BSC como forma de apoiar a gestão de performance. Balanced Scorecard ABOP Slide 57

58 Balanced Scorecard É utilizado como roteiro para a elaboração do Sistema de Gestão Estratégica que irá impactar todo o desempenho da organização. A estratégia é sumarizada em um mapa estratégico em 4 perspectivas, conforme slide a seguir. Bem como por um Quadro de Medidas (Scorecard) com os seguintes componentes: medidas, metas e iniciativas. Tudo deve estar interligado: Fatores Críticos de Sucesso a Objetivos, Objetivos a Medidas, Medidas a Metas e por fim os Objetivos a Iniciativas. ABOP Slide 58

59 Balanced Scorecard Holística + Scorecard FINANCEIRA OBTER LUCRATIVIDADE//REDUÇÃO DE CUSTO//AUMENTO DE EFICIÊNCIA CLIENTES/SOCIEDADE CONTRIBUINTES, ÓRGÃOS DE CONTROLE, ESTADO AUMENTAR A SATISFAÇÃO PROCESSOS INTERNOS OTIMIZAR OS PROCESSOS APRENDIZADO E CRESCIMENTO/PESSOAS CAPACITAR PESSOAL ABOP Slide 59

60 Balanced Scorecard - BSC A estratégia é descrita no BSC como uma série de relações causa efeito. O BSC vincula a estratégia a atividade operacional, assegurando que os recursos estejam alocados nos objetivos e iniciativas adequadas. ABOP Slide 60

61 XI Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas Quatro Visões de Desempenho Objetivos Estratégicos ABOP Slide 61

62 Mapa Estratégico Para a construção de um Mapa Estratégico é necessário estabelecer objetivos estratégicos quantificáveis: Muito vago melhorar o serviço do cliente Mais preciso reduzir o tempo médio de espera em 30% até o final do ano (S.M.A.R.T) Assegure-se que os objetivos tenham uma relação direta com os Fatores Críticos de Sucesso- FCS, e esses estejam diretamente relacionados à missão e valores. ABOP Slide 62

63 XI Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas Mapa Estratégico: Captura uma relação causa efeito de baixo para cima ABOP Slide 63

64 Balanced Scorecard VISÃO: SER A EMPRESA AÉREA PREFERIDA PELOS USUÁRIOS FINANÇAS Objetivos Indicadores Metas Iniciativas Para sermos bem sucedidos financeiramente como deveríamos ser vistor por nossos acionistas CLIENTES Utilizar menos aviões Número de passageiros/ aeronave 80% de ocupação de aeronave Gerenciar a ocupação da aeronave Para alcançarmos nossa visão, como deveríamos ser vistos pelos nossos clientes? Manter vôos no horário. Vôos no horário/total de vôos 90% de vôos no horário Monitorar o horário de vôos das aeronaves PROCESSOS INTERNOS Para satisfazermos nossos acionistas e clientes, em que processos de negócios devemos alcanças excelência APRENDIZADO E CRESCIMENTO Para alcançarmos nossa visão, como sustentaremos nossa capacidade de mudar e melhorar? Agilizar preparação no solo [(T t-t (t-1) ) T (t-1)]x100 Alinhar o pessoal de terra (redução de 90% ) -90% Pessoal de terra treinado/total de pessoal em terra 100% Vincular bonus de produtividade ao tempo de preparação no solo ABOP Slide 64

65 Balanced Scorecard Cliente Aumentar as exposições de telas a óleo Processos Aumentar a criação de telas a óleo Pessoas Financeiro Contratar, treinar e reter talentos Aumentar a receita disponível por meio de doações ABOP Slide 65

66 APRENDIZADO E CRESCIMENTO PROCESSOS INTERNOS CLIENTES E SOCIEDADE XI Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas MISSÃO: racionalizar o processo de alocação de recursos, zelando pelo equilíbrio das contas públicas, com foco em resultados para a Sociedade TRANSPARÊNCIA 1. Processo orçamentário transparente e participativo Mapa Estratégico VISÃO: Ser a organização de excelência na gestão dos recursos públicos federais. EFETIVIDADE 2. Orçamento indutor da efetividade de políticas públicos 4. Integração entre os atores do processo orçamentário ampliada 5. Processo de comunicação externa aprimorado 3. Orçamento Plurianual Implementado 7. Processo orçamentário aprimorado continuamente e processo normativo aperfeiçoado 6. Impactos do orçamento na política macroeconômica identificados e avaliados 8. Metodologia de programação e execução Plurianual desenvolvida 9. Gestão estratégica implantada 10. Plano de comunicação institucional desenvolvido e fortalecido 11. Processos de planejamento orçamentário apoiados por sistemas de informação - TI ABOP Slide Gestão de Pessoas 13. Capacidade de Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas Fortalecidas

67 Benefícios Chave dos Mapas Estratégicos Criar valor para as Partes Interessadas e legitimar a autoridade; Estabelecer as prioridades e as relações entre os impactos (o quê) e os facilitadores de desempenho drivers (como); Prover uma visão clara do como eu me encaixo para as equipes e os indivíduos na busca dos objetivos; Criar um encadeamento de Scorecards das diversas unidades da organização, o que é fundamental para alavancar e assegurar o alinhamento da organização. ABOP Slide 67

68 Questão múltipla escolha A perspectiva que se localiza na parte superior da representação gráfica do BSC, quando diz respeito a organização pública, corresponde aos resultados finais ou impactos que desejamos atingir. Essa perspectiva é denominada: a) Processos Internos b) Partes Interessadas/ Clientes c) Aprendizado e Crescimento d) Financeira/Investimentos ABOP Slide 68

69 Questão múltipla escolha - Resposta b) Partes Interessadas/Clientes são aqueles a quem em última análise servimos e precisamos atender suas necessidade e exigências. Este é o nosso resultado final com o modelo scorecard. O BSC informa o conhecimento, habilidades e sistemas que seus empregados irão necessitar (Aprendizado e Crescimento) para inovar e criar as capacidades e eficiências (Processos Internos) que entregam um valor específico ao mercado (Partes Interessadas/Clientes) que irá eventualmente ser responsável por uma maior valor para o acionista (Financeira). ABOP Slide 69

70 Estratégia da empresa através de objetivos relacionados entre si e distribuídos nas quatro dimensões XI Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas Mapa Estratégico: Captura uma relação causa efeito de baixo para cima Mapa Estratégico Objetivos Medidas Meta Iniciativa Como será medido e acompanhado o sucesso do alcance do objetivo O que deve ser alcançado e o que é crítico para a organização Financeira Rentabilidade Taxa anual de Rentabilidade retorno sobre o capital investido Menos Aviões Mais Clientes O nível de desempenho ou a taxa de melhoria necessários Programas de ação-chave para se alcançar os objetivos 12% Programa de viabilidade econômicafinanceira do negócio Clientes Vôo Pontual Preços mais baixos Preços mais baixos Aumento relativo de clientes 10% Estratégias para aumento do Market Share Processos Internos Rápida Preparação em Solo Rápida Preparação em Solo.Tempo de Pouso.Partida Pontual. 30 minutos. 90% Programa de otimização da duração do ciclo Aprendizado e Crescimento Capacitação de Pessoal Alinhamento do Pessoal de Terra ABOP Slide 70 Percentual de empregados capacitados. 100% Programa de criação de trilhas de capacitação

71 Alinhamento dos Componentes do Scorecard Assegure-se que os componentes do Scorecard estejam encadeados. Desejamos criar um modelo enxuto para conduzir a execução da sua estratégia. FCS Objetivo Medida Meta Iniciativa Reduzir os custos dos Custo por serviços unidade 5% - Ano 1 operacionais responsável 10 % - Ano 2 em 50% nos próximos 5 pelos serviços 15% - Ano 3 operacionais. anos. Obter eficiência operacional por meio das melhores práticas do setor privado. Reduzir os retrabalhos identificados nos processos primários em 80% em 3 anos. gráficos de volume de resíduos, rastreamento de retrabalho, ciclo de trabalho ABOP Slide 71 redução do fluxo de resíduos em 5% ano ano, corte de retrabalhos pela metade em cada um dos próximo três anos, ciclo de trabalho reduzido em 75% Activity Based Costing/Management Lean/6 Sigma que resulta na eliminação de 8 tipos de despedícios: defeitos, excesso de produção, tempo de espera, talentos não utilizados, logística, inventário e processamento excessivo.

72 Questão múltipla escolha Crie um modelo enxuto O processo do BSC captura a relação causa e efeito com base no encadeamento de todas as partes. Os Fatores Críticos de Sucesso estão encadeados com os Objetivo, os Objetivos com as Medidas e as Medidas com: a) Missão b) Fatores Críticos de Sucesso c) Orçamentos d) Metas ABOP Slide 72

73 Questão múltipla escolha A resposta é... d- Medidas devem estar encadeadas com as Metas. Deseja-se uma relação biunívoca de tal forma que a organização possa atuar sobre as medições realizadas. ABOP Slide 73

74 INDICADORES Utilidades ba sicas: aferir resultados associados aos objetivos da organizac a o avaliar se as atividades em curso esta o conduzindo a Organizac a o aos objetivos esperados. Esses indicadores sa o chamados direcionadores do desempenho. ABOP Slide 74

75 INDICADORES Qualquer organização focada em resultados necessita do uso de indicadores de desempenho no processo de tomada de decisão Deming ABOP Slide 75

76 INDICADORES O uso de indicadores de desempenho pelas organizações é importante para a gestão por resultados e possibilita acompanhar o desempenho ao longo do tempo e ainda a comparação entre: a) desempenho anterior x desempenho corrente; b) desempenho corrente x padrão de comparação; c) desempenho planejado x desempenho real. ABOP Slide 76

77 INDICADORES: Atributos (PERDES) a) Simplicidade: facilidade de ser compreendido e aplicado. b) Rastreabilidade: facilidade para identificação da origem dos dados, seu registro e manutenção. c) Disponibilidade: facilidade de acesso para coleta dos dados, estando disponíveis a tempo, sem distorções. d) Economia: não deve requerer tempo demasiado de coletar na busca dos dados. e) Praticidade: garantia que realmente funciona na prática e permite a tomada de decisões gerenciais. f) Estabilidade: garantia de que é gerado em rotinas de processo e permanece ao longo do tempo, permitindo a formação da série histórica. ABOP Slide 77

78 TIPOS DE INDICADORES a) Simples: expressam um valor numérico como o número de servidores de uma organização. b) Compostos: expressam a relação entre duas ou mais variáveis ou variável e constante, como o número de analfabetos por grupo de 100 indivíduos. c) Complexos ou Agregados: expressam o resultado da composição de diversos indicadores, cada um com o seu grau de importância. O IDH combina um indicador de Longevidade (Esperança de Vida e Taxa de Mortalidade Infantil), com Educação (Escolaridade esperada e a média de anos de escolaridade) e com Renda. Nesses casos normaliza-se o índice. Índice Normalizado: (Valor Realizado Pior Valor)/(Maior Valor Pior Valor) ABOP Slide 78

79 Cadeia de Valores Conceito: processo necessário para gerar ou entregar produtos, serviços, resultados e impactos. Identifica as dimensões do desempenho, permitindo estabelecer distintos objetos de mensuração Permite a construção de painéis de acompanhamento da gestão. ABOP Slide 79

80 Cadeia de Valores Mensurar o desempenho da organização com base nos elementos da Cadeia de Valor Propiciar às organizações analisar as variáveis associadas ao cumprimento dos seus objetivos: quantos e quais insumos são requeridos, por meio de que ações (processos, projetos etc.) para gerar determinados produtos/serviços que irão causar determinados impactos. ABOP Slide 80

81 Elementos da Cadeia de Valor e suas Contribuições Impactos (outcomes) Quais mudanças os Quais mudanças os produtos/serviços trazem para os beneficiários e a sociedade? Produtos (outputs) Quais produtos/serviços gerados? Quantidade de produtos/serviços? Qualidade de produtos/serviços? Ações / Atividades Quais são as ações, processos e projetos executados? Tempo médio de ciclo de processo? Qual o custo de processo? Insumos (inputs) Quais são os recursos necessários para gerar os produtos/serviços estabelecidos? Quantidade de recursos necessária? ABOP Slide 81

82 Cadeia de Valores ABOP Slide 82

83 Economicidade Obtenção e uso de recursos com o menor ônus possível, dentro dos requisitos e da quantidade exigidas pelo produto. Utiliza-se um benchmark externo. Exemplos: Economicidade com a aquisição da Merenda Escolar = Gasto Total com merenda escolar/menor custo de mercado para entregar as mesmas merendas (qualidade e quantidade) Índice de Economicidade de aquisições = Total gasto com as aquisições/menor gasto de mercado possível para as aquisições ABOP Slide 83

84 Produtividade Relação entre os produtos/serviços gerados (outputs) com os insumos empregados, que é a relação entre o nível de produção e os recursos utilizados. Exemplos: GP PIB =Gasto público em relação ao PIB T A = Tempo médio de atendimento ao cidadão T MPLOA = Tempo médio para a elaboração do PLOA ABOP Slide 84

85 Eficiência Relação entre a produtividade obtida e uma produtividade de referência. Exemplos: GP PIB =Gasto público em relação ao PIB (produtividade) (GP PIB (t) /GP PIB (t-1) ) (eficiência) T A = Tempo médio de atendimento ao cidadão (produtividade) (T A /T A de referência) (eficiência) ABOP Slide 85

86 Eficácia Quantidade e qualidade de produtos e serviços entregues ao usuário de acordo com a meta estabelecida. Corresponde à relação entre o que realmente foi feito e o que foi planejado. Exemplos: Qualidade percebida dos serviços em relação à expectativa Número de pessoas alfabetizadas em relação ao programado ABOP Slide 86

87 Efetividade São os impactos gerados pelos produtos/serviços, processos ou projetos. A efetividade está vinculada ao valor agregado para o beneficiário final. Mede o grau de utilidade dos resultados alcançados Exemplos: Expectativa média de vida da população Nível geral de bem estar, desenvolvimento ABOP Slide 87

88 SCOREBOARD ABOP Slide 88

89 Como estabelecer as Metas Tendências de desempenho do passado por dados históricos; Níveis de desempenho de organizações similares para efeito de benchmarking Tentar criar uma linha de base para acompanhar e desenvolver um aprendizado As Metas dever exigir uma melhoria em relação aos atuais níveis de serviço As metas dever se constituir em desafios, mas factíveis As metas tem de ser quantificaveis, tal que comunique se o desempenho esperado foi alcançado. As metas de longo prazo têm precedencia sobre as de curto prazo As metas que envolvem orçamento/financeiro devem preceder aquelas que são não orçamentárias/financeiras Compatibilizar as metas com as medidas ABOP Slide 89

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD

FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD Histórico Desenvolvimento do Balanced Scorecard: 1987, o primeiro Balanced Scorecard desenvolvido por Arthur Schneiderman na Analog Devices, uma empresa de porte

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO INDICADORES DE DESEMPENHO Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. (E. Deming) Os indicadores são ferramentas

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006

Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006 Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006 Evolução Estratégica do Movimento Qualidade RS 13 anos de atividade Instalação do Programa Cumulativo Consolidação do Programa como Promotor da Causa Evolução

Leia mais

ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD. BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL www.brunovalim.com.

ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD. BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL www.brunovalim.com. ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL O que torna o homem diferente dos outros animais é a habilidade de OBSERVAR, MEDIR, ANALISAR

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 GESPÚBLICA Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 Resultados Decisões Estratégicas Informações / Análises O PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA Ideologia Organizacional Missão, Visão,Valores Análise do Ambiente

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Balanced Scorecard. by Edmilson J. Rosa

Balanced Scorecard. by Edmilson J. Rosa Balanced Scorecard Balanced Scorecard O Balanced Scorecard, sistema de medição de desempenho das empresas, foi criado por Robert Kaplan e David Norton, professores da Harvard Business School. Tendo como

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Módulo 2 Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Origem do BSC Cenário Competitivos CONCORRENTE A CONCORRENTE C VISÃO DE FUTURO ESTRATÉGIA

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 GESPÚBLICA Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 Resultados Decisões Estratégicas Informações / Análises O PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA Ideologia Organizacional Missão, Visão,Valores Análise do Ambiente

Leia mais

Núcleo Estadual GesPública RS

Núcleo Estadual GesPública RS Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA Núcleo Estadual GesPública RS Contexto do GESPÚBLICA no MINISTÉRIO Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão G E S P Ú B L I C A Conselho

Leia mais

1. METODOLOGIA APLICADA

1. METODOLOGIA APLICADA 1. METODOLOGIA APLICADA O propósito do planejamento pode ser definido como o desenvolvimento de processos, técnicas e atitudes administrativas que proporcionam uma situação viável de avaliar as implicações

Leia mais

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico Balanced Scorecard Resumo Metodológico Estratégia nunca foi foi tão tão importante Business Week Week Entretanto... Menos de de 10% 10% das das estratégias efetivamente formuladas são são eficientemente

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)?

1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)? 1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)? Conceitualmente, o Balanced Scorecard, também conhecido como BSC, é um modelo de gestão que auxilia as organizações a traduzir a estratégia em objetivos operacionais

Leia mais

O sucesso na Interaçao com o Conselho

O sucesso na Interaçao com o Conselho 24-09-2013 14:45 O sucesso na Interaçao com o Conselho Jose Francisco Moraes QAIP Team Leader IIA Brasil ESTOU PREPARADO PARA: SER PROMOVIDO? Promovido = dar publicidade a uma imagem pessoal desejada Foco

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard

Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (http://www.trt23.jus.br) Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard José Silva Barbosa Assessor de Planejamento e Gestão Setembro/2009 Objetivos Apresentar a

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme RESPONSÁVEIS Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme - 3350-8628 - ajayme@pmc.curitiba.pr.gov.br - SEPLAN

Leia mais

O QUE É O BALANCED SCORECARD

O QUE É O BALANCED SCORECARD O QUE É O BALANCED SCORECARD 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 I. O QUE É O BALANCED SCORECARD? 3 O QUE NÃO É O BSC 5 CONHECENDO O SIGNIFICADO DE ALGUMAS TERMINOLOGIAS 5 II. QUAL O OBJETIVO DO BSC? 6 POR QUE AS EMPRESAS

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Março de 2010

João Telles Corrêa Filho Março de 2010 Administrar é medir. Esta frase dá bem a medida da importância de contarmos com bons indicadores. Mas, afinal, o que são e porque usar medidas de desempenho? Estas medidas, também chamadas de indicadores

Leia mais

O que é o Balanced Scorecard Por David Kallás

O que é o Balanced Scorecard Por David Kallás O que é o Balanced Scorecard Por David Kallás BSC (Balanced Scorecard) é uma sigla que, traduzida, significa Indicadores Balanceados de Desempenho. Este é o nome de uma metodologia voltada à gestão estratégica

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Engajamento: desafio central da gestão e da liderança. ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani

Engajamento: desafio central da gestão e da liderança. ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani Engajamento: desafio central da gestão e da liderança ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani Build everithing VIMEO LEGO Benodigheden 2 3 Aon Hewitt SATISFAÇÃO Contentamento, prazer que resulta da

Leia mais

Dinamizar e Implementar a Estratégia Gabriel Silva

Dinamizar e Implementar a Estratégia Gabriel Silva Dinamizar e Implementar a Estratégia Gabriel Silva Tempos de Mudança Mercados Tecnologia Pessoas Papel do Estado Escassez de Recursos Úteis no Longo Prazo Desdobramento dos Recursos 1 Missão Porque é que

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

Termos Técnicos de Administração

Termos Técnicos de Administração Termos Técnicos de Administração É importante ter metas, mas também é fundamental planejar cuidadosamente cada passo para atingi-las. (Bernadinho) 0) Administrar é dirigir uma organização utilizando técnicas

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO (BALANCED SCORECARD - BSC) 2010 2014. Fone: (47) 433.2351 www.simpesc.org.br

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO (BALANCED SCORECARD - BSC) 2010 2014. Fone: (47) 433.2351 www.simpesc.org.br PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO (BALANCED SCORECARD - BSC) 2010 2014 Sumário - Desafios das Organizações - Histórico do Trabalho - Breve Conceituação BSC - Apresentação do Mapa Estratégico - Objetivos Estratégicos

Leia mais

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA www.executivebc.com.br 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br GESTÃO ESTRATÉGICA O presente documento apresenta o modelo de implantação do sistema de gestão estratégica da

Leia mais

BSC Balance Score Card

BSC Balance Score Card BSC (Balance Score Card) BSC Balance Score Card Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Uma das metodologias mais visadas na atualidade éobalanced ScoreCard, criada no início da década de 90 por Robert

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA 01. Partindo do princípio de que a estratégia é a definição do melhor futuro para a sua equipe ou organização, o mapeamento da rota para alcançá-lo e a sua clara comunicação,

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Balanced Scorecard JAIME JOSÉ VELOSO

Balanced Scorecard JAIME JOSÉ VELOSO Balanced Scorecard JAIME JOSÉ VELOSO Wikipédia Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia de medição e gestão de desempenho desenvolvida pelos professores da Harvard Business School (HBS) Robert Kaplan

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade do GERAES Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade Metodologia MPCM / Darci Prado Disponível em www.maturityresearch.com Metodologia da pesquisa 5 níveis e 6 dimensões

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Como facilitar sua Gestão Empresarial

Como facilitar sua Gestão Empresarial Divulgação Portal METROCAMP Como facilitar sua Gestão Empresarial Aplique o CANVAS - montando o seu(!) Modelo de Gestão Empresarial de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br Por que empresas precisam de

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

O Planejamento Estratégico pode ser considerado como uma Bússola e Guia de Apoio à decisão das organizações. É uma metodologia para construir o

O Planejamento Estratégico pode ser considerado como uma Bússola e Guia de Apoio à decisão das organizações. É uma metodologia para construir o O Planejamento Estratégico pode ser considerado como uma Bússola e Guia de Apoio à decisão das organizações. É uma metodologia para construir o futuro da empresa. O que pode fazer pela minha empresa? Avaliar

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC. Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC. Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br INTRODUÇÃO Histórico dos indicadores de desempenho BSC (e ferramentas semelhantes) BSC no setor sistema

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Ana Cláudia Braga Mendonça

Ana Cláudia Braga Mendonça Plano de Cargos e Salários CSJT OCUPAÇÃO DE FUNÇÃO COMISSIONADA E CARGO EM COMISSÃO I - FUNÇÕES COMISSIONADAS (FC-1 - FC-6) 80% > servidores integrantes das Carreiras do Poder Judiciário da União; (Art.3º)

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Procura-se... o novo perfil do Controller (CFO) na era do Balanced Scorecard?!

Procura-se... o novo perfil do Controller (CFO) na era do Balanced Scorecard?! Procura-se... o novo perfil do Controller (CFO) na era do Balanced Scorecard?! Uma reflexão de Norbert J. Weinmann, SIEMENS LTDA sobre a futura atuação dos Administradores Comerciais/Financeiros nas empresas.

Leia mais

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor 2 Apresentando as etapas da Metodologia Tear de forma simplificada, esta versão resumida foi preparada para permitir um acesso rápido

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa.

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa. PRESIDÊNCIA (DIPRE) A missão da Presidência é assegurar a sobrevivência, o crescimento e a diversificação sinergética da Guimar, em consonância com as orientações estratégicas emanadas do Conselho de Administração,

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

INDICADORES, MÉTRICAS E RESULTADOS DE RH, NA PRÁTICA. Cleidimar Alvarenga. Agenda

INDICADORES, MÉTRICAS E RESULTADOS DE RH, NA PRÁTICA. Cleidimar Alvarenga. Agenda INDICADORES, MÉTRICAS E RESULTADOS DE RH, NA PRÁTICA Cleidimar Alvarenga Agenda Como desdobrar o planejamento estratégico em ações concretas de RH e em Indicadores Indicadores e Métricas para RH que contribuem

Leia mais

BSC - Como expressar a performance do secretariado no painel de indicadores corporativos

BSC - Como expressar a performance do secretariado no painel de indicadores corporativos BSC - Como expressar a performance do secretariado no painel de indicadores corporativos Apresentação do Instrutor André Luis Regazzini, CSO, CISA, CISM, CGEIT Sócio IPLC do Brasil Ltda. albregazzini@iplc.com.br

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Nossa Estrutura. 43ª Reunião da Qualidade RS 02 de abril de 2008

Nossa Estrutura. 43ª Reunião da Qualidade RS 02 de abril de 2008 Nossa Estrutura 43ª Reunião da Qualidade RS 02 de abril de 2008 Tecnologia da Informação para o Desempenho da Gestão Estratégica Com case Santa Casa de Porto Alegre por Fábio Frey Matthias Schneider Diretoria

Leia mais

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional)

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) 1 Senhor (a) Avaliador (a), a) Para Autoavaliação: utilizar a coluna "A" do campo ; b) Para Avaliação da Equipe de Trabalho: utilizar

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Como entendemos a Gestão por Processos?

Como entendemos a Gestão por Processos? RIO DE JANEIRO SÃO PAULO BRASÍLIA BELO HORIZONTE Como entendemos a Gestão por Processos? Mobilizando pessoas para promover melhorias e inovações a partir de processos André Macieira & Leandro Jesus Alguns

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor.

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. 1 São Paulo, 06 de junho do 2003 O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. Peter Drucker (2001 p.67), fez a seguinte afirmação ao se referir ao terceiro

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

Metodologia de Elaboração do PPA-Plano. Cuiabá, Março de 2011

Metodologia de Elaboração do PPA-Plano. Cuiabá, Março de 2011 Metodologia de Elaboração do PPA-Plano Plurianual 2012/2015 Cuiabá, Março de 2011 Estratégia e PPA Plano Estratégico de Desenvolvimento MT+ 20 2012/2032 Orientações Estratégicas de Longo Prazo Plano Plurianual

Leia mais

O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI

O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI 1 O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI 2 INTRODUÇÃO O FATOR HUMANO E OS FATORES QUE IMPACTAM PROCESSOS EM PROJETOS DE TI Mudança de paradigma: humano é o ponto central fator humano Processos Normas Normas

Leia mais