AÍ, ASSIM E ENTÃO: UMA DESCRIÇÃO SINTÁTICO-SEMÂNTICA. Advérbios. Sintaxe. Semântica. Gramaticalização.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AÍ, ASSIM E ENTÃO: UMA DESCRIÇÃO SINTÁTICO-SEMÂNTICA. Advérbios. Sintaxe. Semântica. Gramaticalização."

Transcrição

1 AÍ, ASSIM E ENTÃO: UMA DESCRIÇÃO SINTÁTICO-SEMÂNTICA Renata Moreira MARQUES 1 Gessilene Silveira KANTHACK 2 RESUMO: PALAVRAS- -CHAVE: O objetivo principal deste trabalho é apresentar uma descrição do comportamento sintático e semântico dos itens aí, assim e então no gênero entrevista. O interesse por essa descrição surgiu por se observar que a maioria das gramáticas tradicionais, habitualmente, classifica esses itens apenas como advérbios, pressupondo um comportamento sintático-semântico bastante restrito. Baseando-nos em pressupostos da Gramática Funcional, bem como em pesquisas já realizadas sobre os itens em questão, investigamos, a partir de um corpus constituído de entrevistas disponibilizadas no banco de dados do Projeto Norma Linguística Urbana Culta (UFRJ), as funções assumidas por aí, assim e então no intuito de confirmar que esses itens estão em processo de gramaticalização. Os resultados mostram que a função de advérbio é a mais recorrente, mas esses itens assumem também as funções de conector e de marcador discursivo, evidenciando, portanto, mudanças a caminho. Advérbios. Sintaxe. Semântica. Gramaticalização. Introdução Nas gramáticas tradicionais (CEGALLA, 1968; CUNHA 1972; CUNHA & CINTRA 2008) os itens aí, assim e então são, comumente, classificados como advérbios, não havendo, normalmente, previsão de que tais palavras possam desempenhar outras funções sintático- -semânticas. Essa possibilidade, no entanto, é fato comprovado, por exemplo, por pesquisas como as de Tavares & Duarte (1997), Lopes (2007), Santos (2007) e Pereira (2009). Nessas pesquisas, assume-se que a língua desempenha funções exteriores ao sistema linguístico e são elas que influenciam a organização do mesmo; que a língua não constitui 1 Mestranda em Linguística pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) / Ilhéus-BA. 2 Professora Doutora Titular da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) / Ilhéus-BA. Nome Revista de Letras, Goiânia, v. 2, n. 2, p , jan.-jun

2 Aí, assim e então: uma descrição sintático-semântica um conhecimento autônomo, independente do comportamento social, ao contrário, reflete uma adaptação, pelo falante, às diferentes situações comunicativas (CUNHA, 2008, p. 158). Ao categorizar palavras como aí, assim e então como advérbios, a descrição tradicional assume o pressuposto de que essas palavras desempenham, na língua, uma função única. Todavia, a gramática de qualquer língua ostenta mecanismos que permitem às palavras assumir e desenvolver novas funções gramaticais, tendo em vista as necessidades comunicativas dos falantes. Isso põe em evidência o fato de que uma língua não é estática; ao contrário, é um organismo maleável, que está em constante renovação/transformação. Quer dizer, então, que novas formas linguísticas surgem, assim como novas funções, coexistindo com as antigas ou substituindo-as, caracterizando, assim, o processo dinâmico pelo qual passa uma língua. Adotando essa perspectiva, o trabalho investigou o comportamento sintático e semântico dos itens aí, assim e então com o intuito de verificar como os falantes se utilizam desses elementos, particularmente, no gênero entrevista. A Linguística Funcional Moderna: algumas considerações A Linguística Funcional Moderna, conforme Hopper (1998 apud CONFESSOR, 2008), concebe a gramática como um conjunto de regularidades convencionadas via repetição. Por isso, a gramática de uma língua nunca está completa; está sempre mudando em busca de sua constituição, mas nunca chegando a se constituir de fato. Desse modo, a gramática de uma língua é sempre modificada, pois formas/ palavras já existentes assumem novas funções frente aos usos que os falantes fazem delas. Como o próprio nome sugere, a corrente funcionalista concebe que as funcionalidades das expressões linguísticas se dão a partir dos diversos usos da língua. O que importa, então, é o uso das expressões linguísticas na interação verbal. Quanto a isso, cabe acrescentarmos que [...] um dos objetivos principais da abordagem funcionalista é verificar o modo como determinada língua é usada por seus falantes para os fins de comunicação, ou seja, as funções por ela exercidas a fim de atingir os seus próprios propósitos e intenções no momento da enunciação. (FRAGOSO, 2003, p. 01). Nome Revista de Letras, Goiânia, v. 2, n. 2, p , jan.-jun

3 Renata Moreira Marques Gessilene Silveira Kanthack Para essa corrente, a língua deve ser vista pelo seu caráter dinâmico e a gramática como um influenciador do discurso, e vice-versa. Assim, os estudos linguísticos que se apoiam nesse pressuposto não devem analisar somente os aspectos linguísticos, mas também fatores sociais e interpessoais. Um dos principais autores que contribuiu para a expansão do funcionalismo moderno, segundo Pezatti (2009), foi Simon Dik. Para a autora, a teoria desenvolvida por ele, e consequentemente por seus seguidores, parte do pressuposto de que a língua constitui, em última instância, um instrumento de interação social e que a descrição das expressões linguísticas numa gramática deve considerar as circunstâncias efetivas de interação verbal e suas propriedades, que são codeterminadas pela informação contextual e situacional disponível aos interlocutores [...] A interação verbal é vista como uma forma de atividade cooperativa, estruturada em torno de regras sociais, normas e convenções [...] Dik entende que as regras propriamente linguísticas devem ser consideradas instrumentais a respeito dos objetivos comunicativos da interação verbal. (PEZATTI, 2009, p. 7-8). Assim, ao descrevermos uma língua, o que interessa é analisá-la não como um fim em si mesmo, mas em termos funcionais-pragmáticos. Isso implica dizer que o falante exerce um papel fundamental sobre a língua, pois é ele quem a usa, quem a transforma, enfim, quem a modifica. No que se refere às mudanças, destacamos, nos estudos funcionalistas, o fenômeno denominado de gramaticalização, como veremos a seguir. Gramaticalização Para explicar as mudanças linguísticas, os funcionalistas recorrem ao processo denominado de gramaticalização, termo introduzido por Meillet (apud HOPPER & TRAUGOTT, 2003) para designar o que ele caracterizava como a atribuição de um caráter gramatical a uma palavra originalmente lexical. Trata-se de um princípio inerente às línguas, o qual permite que um item lexical assuma status de item gramatical ou que itens gramaticais tornem-se ainda mais gramaticais. Essa transformação não ocorre rapidamente, podendo haver, durante o processo, estágios de ambiguidade em que uma palavra, por exemplo, faça parte de duas categorias simultaneamente. 40 Nome Revista de Letras, Goiânia, v. 2, n. 2, p , jan.-jun

4 Aí, assim e então: uma descrição sintático-semântica Assim, gramaticalização é o trajeto empreendido por um item lexical ao longo do qual ele muda de categoria sintática e adquire novas propriedades funcionais na sentença, podendo sofrer alterações morfológicas, fonológicas e semânticas. (CASTILHO, 1997). De acordo com Heine (apud BARBOSA, 2006), a gramaticalização de uma expressão linguística envolve quatro processos inter-relacionados: dessemantização (bleaching, redução semântica) perda de conteúdo semântico; extensão (ou generalização de contextos) uso em novos contextos; descategorização perda de propriedades características das formas fonte, incluindo perda de status de forma independente (cliticização, afixação); e erosão (ou redução fonética) perda de substância fonética. O processo de gramaticalização implica mudança semântica. Para tentar explicar tal fenômeno, Willet (apud FRAGOSO, 2003) defende três hipóteses: a extensão metafórica (o significado mais concreto de uma expressão é usado para descrever uma expressão mais abstrata), a inclusão (os significados gramaticais são parte da estrutura semântica interna presente na origem lexical) e a implicatura (o meio para criarmos significados secundários, que passam gradualmente a significados primários, é a convencionalização das implicaturas). A gramaticalização é, portanto, um fenômeno relacionado à necessidade de a gramática de uma língua se refazer constantemente, dada a sua natureza maleável, obrigando- -a a se adaptar aos anseios comunicativos e cognitivos dos falantes (CUNHA, 2008). Advérbios na língua portuguesa em processo de gramaticalização A propósito de alguns advérbios da língua portuguesa, pesquisas têm revelado que seus usos podem ser interpretados como resultantes de um processo de gramaticalização. Tavares & Duarte, no ano de 1997, por exemplo, constataram isso numa pesquisa realizada com dados de fala de Florianópolis e Chapecó. Eles analisaram os itens aí, assim e então e constataram que essas formas apresentam superposição de funções, podendo ocorrer ora como advérbio, ora como marcador discursivo, sendo esta última não prevista nas gramáticas tradicionais. Lopes, no estudo de 2007, focalizou sua pesquisa nos processos de subjetivação e intersubjetivação que acompanham ou resultam da mudança via gramaticalização experimentada pelo item assim. Verificou-se que, após uma fase considerada mais textual, assim, a partir do movimento de anáfora, desenvolve a função textual-interativa de conjunção Nome Revista de Letras, Goiânia, v. 2, n. 2, p , jan.-jun

5 Renata Moreira Marques Gessilene Silveira Kanthack coordenativa conclusiva, e, a partir do movimento de catáfora, desenvolve a função também textual-interativa de marcador discursivo. Santos, também em 2007, investigou, em dois textos medievais em prosa do século 15, o comportamento sintático-semântico do item então, a fim de detectar se já havia indícios da trajetória de gramaticalização do advérbio então como conjunção conclusiva. Constatou que apenas 1,8% das ocorrências apresentaram um pequeno indício de mudança funcional, e que seria precipitado afirmar que a gramaticalização de entom em conjunção teria iniciado no século 15. Pereira, dois anos depois, em 2009, estudou as estruturas dícticas construídas com aqui, aí e ali, destacando que, além da função de advérbio de lugar, outros valores semânticos estão associados a eles, como o da modalidade, podendo indicar o cumprimento de um ato ilocutório, não se apagando, contudo, inteiramente a noção de localização espacial. Em suma, essas pesquisas comprovam que, de fato, palavras comumente classificadas como advérbios assumem outras funções que não são previstas nas descrições tradicionais, apontando, assim, indícios de mudanças funcionais no comportamento desses itens. Material e Métodos (ou Procedimentos Metodológicos) A pesquisa, em sua etapa inicial, foi essencialmente bibliográfica, pois tivemos o objetivo de caracterizar a corrente funcionalista, bem como o fenômeno denominado de gramaticalização. Em sua segunda etapa, a pesquisa seguiu um curso prático, com a investigação e análise do corpus, constituído de 08 entrevistas (sendo metade dos entrevistados do sexo masculino e a outra, do feminino) disponibilizadas no banco de dados do Projeto Norma Linguística Urbana Culta (NURC) da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Vale ressaltarmos que o motivo da escolha metodológica de analisar os itens em ambos os sexos é perceber se há alguma diferença entre os usos linguísticos nas falas dos homens e das mulheres. Para empreendermos a análise, primeiramente localizamos todas as ocorrências dos itens em estudo. Depois, identificamos as suas respectivas funções, categorizadas conforme o fator social sexo. Por fim, os dados foram quantificados e disponibilizados em tabelas, o 42 Nome Revista de Letras, Goiânia, v. 2, n. 2, p , jan.-jun

6 Aí, assim e então: uma descrição sintático-semântica que permitiu a análise descritiva dos resultados. Aí, assim e então no gênero entrevista : descrição e análise dos dados Algumas considerações iniciais Em nossa pesquisa, aí, assim e então foram analisados a partir de três categorias, quais sejam: advérbio, operador discursivo e marcador discursivo, contemplando, assim, o estudo morfossintático e semântico de tal item. Para tanto, explicaremos brevemente cada uma dessas funções. Na maioria das gramáticas tradicionais, os itens são classificados como advérbio de lugar (aí), de modo (assim) ou de tempo (aí e então). Nesse caso, eles podem caracterizar algum espaço físico da ação (1a), a maneira como a ação é realizada ou identificar momentos (1b) ou intervalos de tempo calculados em função do momento da enunciação (1c): (1) a. Ele está aí sentado. b. Maria falava com uma voz assim. c. Então (naquela altura) tinha tido muito sucesso. Como operador discursivo, o item pode estabelecer uma relação de causa e consequência entre as orações, assumindo o papel de conjunção, conforme podemos notar no exemplo 2, com o item aí:... cerca de uns vinte dias atrás... houve problema de água lá em casa... a água estava muito... com muito cloro... aí... eu passei mal... eu... minha sogra... meu filho (Projeto VARPORT apud SANTOS, 2007). Nesse caso, o aí poderia ser substituído facilmente pela conjunção logo, pois o fato de a água estar com muito cloro (causa) ocasionou o mal estar do indivíduo (consequência). Como marcador discursivo, o item conecta as orações que se encaixam em uma lógica de decorrência, adquirindo um significado mais abstrato, passando a indicar uma sucessão discursiva. Nesse tipo de situação, ele pode ser retirado sem prejuízo de sentido, como ocorre com o aí, no exemplo: a professora me deu uma partitura de uma música... aí... é:: eu demorei o que... uns... umas cinco... cinco aula... ou seja... um mês... e uma aula... são quatro... são quatro aulas por mês... uma na semana... aí deixe eu ver... eu demorei cinco Nome Revista de Letras, Goiânia, v. 2, n. 2, p , jan.-jun

7 Renata Moreira Marques Gessilene Silveira Kanthack aulas... pra poder aprender a partitura todinha (Corpus D&G Natal, apud CONFESSOR, 2008). Como se pode perceber, o aí não apresenta uma função definida, funcionando, basicamente, como uma espécie de tapa buraco, preenchendo as lacunas da fala do indivíduo. Assim, podemos definir o processo de gramaticalização do aí, assim e então da seguinte forma: advérbio > operador discursivo > marcador discursivo. No seu estágio mais gramaticalizado, eles adquirem o status de marcador discursivo. Finalmente, os resultados Com as entrevistas selecionadas e com os dados coletados, passamos à análise dos mesmos considerando as funções sintático-semânticas exercidas pelos itens: advérbio, operador e marcador discursivo. Identificadas as funções, realizamos uma análise quantitativa cujos resultados serão apresentados a seguir. O primeiro deles corresponde ao cômputo geral das ocorrências dos itens, no intuito de observar qual deles era mais recorrente no corpus: Aí Assim Então Oc. % Oc. % Oc. % 41 14, , ,4 Tabela 1: Cômputo geral das ocorrências dos itens. Fonte: As autoras. Como podemos notar, o item então foi o mais recorrente (48,4%). Em seguida, o assim com 36,8% e, por fim, o item aí (14,80%). Ao analisar as funções apresentadas por cada item separadamente, observamos o aí desempenhando o papel de advérbio, de operador discursivo e de marcador discursivo, como ilustram os exemplos a seguir, respectivamente: (2) a. esse corredor tem sofá... tem vitrola... tem uma televisão... normalmente a televisão ficava aí... sabe... que é o lugar da bagunça mesmo.... (advérbio). 44 Nome Revista de Letras, Goiânia, v. 2, n. 2, p , jan.-jun

8 Aí, assim e então: uma descrição sintático-semântica b. juntou tudo numa nota fiscal... aí eu falei... não... não há condições de pagar.... (operador discursivo). c. infelizmente há... aí... uns dez anos atrás ou quinze... aí... foram juncados de políticos... aí... e a coisa andou degenerando...aí.... (marcador discursivo). Na tabela 2, temos os resultados correspondentes a essas funções: Aí ADV OP MARC Oc. % Oc. % Oc. % 15 36, , ,3 Tabela 2: Aí e suas funções. Fonte: As autoras. Percebemos que o item aí apresenta as três funções de maneira quase que equilibrada. No entanto, sua função prototípica, a de advérbio, ainda permanece em maior número, 36,6% dos casos. Mesmo assim, somando os dois outros resultados, temos 63,4%, indiciando que o aí está sendo usado como um elemento que aponta mais em direção ao discurso, confirmando a hipótese de que ele se encontra em processo de gramaticalização. Vejamos, agora, o comportamento do item assim, e os resultados correspondentes na tabela 3: (3) a. pra começar que ela é: digamos uma cidade retangular se a gente pode chamar assim... sem acidentes geográficos.... (advérbio). b. Havia oportunidade, assim, pra, pra jogar voleibol, pra jogar futebol.... (operador discursivo). c.... eu não sei se tinha assim uma faxineira que ia [...] uma vez por semana eu não sei direito ou se era uma copeira sabe.... (marcador discursivo). Nome Revista de Letras, Goiânia, v. 2, n. 2, p , jan.-jun

9 Renata Moreira Marques Gessilene Silveira Kanthack Assim ADV OP MARC Oc. % Oc. % Oc. % 74 72,5 10 9, ,7 Tabela 3: Assim e suas funções. Fonte: As autoras. O item assim apresentou, preferencialmente, a função de advérbio, 72,5%. Diferentemente do item aí, o assim ocorreu menos em funções discursivas. No entanto, vale observar que ele foi usado mais como marcador (17,7%) do que como operador (9,8%), revelando, novamente, comportamento diferenciado do aí. Passamos a analisar, agora, o comportamento do item então. Vejamos os exemplos e os resultados na tabela 4: (4) a. Mas é porque eu também não usava cabelo grande, compreende, mas ultimamente eu tenho deixado meu cabelo crescer, então eu, eu resolvi dar um tratamento melhor.... (operador discursivo). b.... agora o que a gente chama de guilhotina é quando ela corre na... na vertical... sabe... então é... como era no tempo da Colônia... né... então fica aquela vidraça geralmente bem quadriculada -- o vidrinho no meio... né... e a janela então né... o que você pode abrir... né.... (marcador discursivo). Então ADV OP MARC Oc. % Oc. % Oc. % , ,9 Tabela 4: Então e suas funções. Fonte: As autoras. O então apresentou o comportamento mais diferenciado. A começar pelo fato de não ter apresentado nenhum caso com a função de advérbio, que é sua função prototípica. Os outros itens, por sua vez, tiveram essa função representada em sua maioria. Assim, podemos 46 Nome Revista de Letras, Goiânia, v. 2, n. 2, p , jan.-jun

10 Aí, assim e então: uma descrição sintático-semântica dizer que o então apresentou o estágio mais avançado de gramaticalização. Como observamos na tabela, como operador discursivo verificamos 76,1% de ocorrências e como marcador discursivo, 23,7%. Por último, analisamos os usos desses itens considerando o sexo (masculino e feminino) dos entrevistados, no intuito de perceber se há divergências na escolha dos usos linguísticos: Sexo Masculino Aí Assim Então ADV OP MARC ADV OP MARC ADV OP MARC % % % % % % % % % 36,4 33,3 30,3 61,1 22,2 16, Tabela 5: Aí, assim e então em função do sexo masculino. Fonte: As autoras. Sexo Feminino Aí Assim Então ADV OP MARC ADV OP MARC ADV OP MARC % % % % % % % % % 37,5 37, ,8 3,0 18, ,8 17,2 Tabela 6: Aí, assim e então em função do sexo feminino. Fonte: As autoras. Os números mais significativos dessas tabelas indicam que o aí ocorre como marcador discursivo mais na fala do homem (30,3%) do que na da mulher (25%); com o assim, o resultado é invertido: mais como marcador na fala da mulher (18,2%) do que na fala do homem (16,7%). O então, por sua vez, também foi mais recorrente como marcador na fala do homem: 30%, em oposição aos 17,2% correspondentes ao da mulher. Percebemos também que o assim como operador discursivo apresentou uma variação grande de uso, pois foi utilizado quase 08 vezes mais nos entrevistados homens (22,2%) do que nas mulheres (3,0%). Nome Revista de Letras, Goiânia, v. 2, n. 2, p , jan.-jun

11 Renata Moreira Marques Gessilene Silveira Kanthack Da análise empreendida, podemos afirmar, portanto, que os itens aí, assim e então não podem ser ensinados apenas como elementos que desempenham funções de advérbios, mas que são constituintes que estão passando por processos de mudanças, visto que eles têm assumido outras funções na língua portuguesa. Considerações Finais Os resultados da pesquisa nos permitem afirmar que os itens aí, assim e então são usados com funções sintático-semânticas variáveis, indiciando, portanto, que eles estão em processo de gramaticalização. Também demonstram que há diferenças dos usos linguísticos conforme o sexo do falante. Essa constatação, entendemos, sugere que, futuramente, esses itens poderão desempenhar funções mais discursivas, visando a atender à necessidade comunicativa e pragmática dos indivíduos. Esperamos, portanto, que esse tipo de pesquisa contribua com os estudos de descrição do português brasileiro, como também para o ensino de sintaxe e semântica, particularmente. Entendemos que promover novas discussões sobre os usos que os falantes fazem das formas linguísticas significa renovar pressupostos clássicos, inovar o ensino tradicional; enfim, significa compreender a natureza viva de uma língua. ABSTRACT: KEYWORDS: The main objective of this paper is to present a description of the syntactic and semantic behavior of the items aí (there), assim (so) and então (then), in Portuguese language, in the interview genre. Interest in this description arose when we observed that most traditional grammar books, usually, classify such items only as adverbs, assuming they have a very restricted syntactic-semantic behavior. Building on assumptions of Functional grammar, from a corpus of interviews available in the database of the NURC, we investigate these items aí (there), assim (so) and então (then), in order to confirm if they are in the process of grammaticalization. The results confirm that, besides adverb, their most recurrent function, these items also can assume the functions of connector and discourse marker, suggesting, therefore, possible future changes. Adverbs. Syntax. Semantics. Grammaticalization. 48 Nome Revista de Letras, Goiânia, v. 2, n. 2, p , jan.-jun

12 Aí, assim e então: uma descrição sintático-semântica Referências BARBOSA, M. G. Gramaticalização de advérbios a partir de adjetivos: um estudo sobre os adjetivos adverbalizados. Rio de Janeiro: UFRJ, CASTILHO, A. A gramaticalização. In: Revista de estudos linguísticos e literários. Salvador: UFBA, p CEGALLA, D. P. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa. São Paulo: Companhia Editora Nacional, CONFESSOR, F. W. Por um paradigma emergente no domínio funcional da especificação nominal. Natal: UFRN, CUNHA, C. Língua Portuguesa e Realidade Brasileira. 3. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, CUNHA, C.; CINTRA, L. Nova Gramática do Português Contemporâneo. 5. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, CUNHA, A. F. da. Funcionalismo. In: MARTELOTTA, M. E. (Org.). Manual de linguistica. São Paulo: Contexto, p FRAGOSO, L. C. A gramática funcional e o processo de gramaticalização. Revista Eletrônica do Instituto de Humanidades, Rio de Janeiro, v. II, HOPPER, P. J; TRAUGOTT, E. C. Grammaticalization. 2. ed. Cambridge: Cambridge University Press, LOPES, L. R. A mudança de assim : um caso de gramaticalização, modalização e (inter)subjetivização. São Paulo: UNESP, PEREIRA, M. C. Breve abordagem semântica e pragmática de aqui, aí e ali. Portugal: Universidade do Porto, PEZATTI, E. G. Pesquisas em Gramática Funcional. São Paulo: Unesp, SANTOS, E. C. M. Proposições relacionais emergentes da combinação de cláusulas: e, aí e então como conectores de causa e consequência. In: III Enletrarte Encontro Nacional de Professores de Letras e Artes. Rio de Janeiro, p TAVARES, M. A.; DUARTE, S. L. Um estudo dos advérbios como marcadores discursivos na fala de Florianópolis e Chapecó. In: Anais do I Encontro do CELSUL, v. 2,. p , Florianópolis: Editora da UFSC, Nome Revista de Letras, Goiânia, v. 2, n. 2, p , jan.-jun

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DESCRIÇÃO E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO SINTÁTICO E SEMÂNTICO DOS ADVÉRBIOS EM - MENTE Coordenador/E-mail: Gessilene Silveira Kanthack/

Leia mais

PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR)

PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR) Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR) ABSTRACT: In this work, I intend

Leia mais

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com 1. Introdução Neste artigo trata-se, sob a perspectiva sociolinguística variacionista, a alternativa

Leia mais

VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ )

VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ ) VARIAÇÃO E MUDANÇA NO PORTUGUÊS DA AMAZÔNIA: UMA ANÁLISE DO MARCADOR PRAGMÁTICO EXTRA-CLÁUSULA TÁ NO FALAR SANTARENO(ESTADO DO PARÁ ) Ediene Pena-Ferreira Marcela de Lima Gomes Universidade Federal do

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS Estudos Lingüísticos XXVI (Anais de Seminários do GEL) Trabalho apresentado no XLIV Seminário do GEL na UNITAU - Taubaté, em 1996 UNICAMP-IEL Campinas (1997), 352-357 PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS Luís Passeggi Universidade Federal do Rio Grande do Norte RESUMO: Propomos uma análise do discurso

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS Fátima Christina Calicchio (PG-UEM) calicchiofc@hotmail.com Rosângela Nunes Pereira (PG UEM) rosenpereira@yahoo.com.br Introdução Este estudo está organizado em três

Leia mais

ANAIS ELETRÔNICOS ISSN 235709765

ANAIS ELETRÔNICOS ISSN 235709765 GRAMATICALIZAÇÃO DO ITEM TIPO EM FUNÇÃO DE CONECTOR COMPARATIVO SANTOS, Aymmée Silveira 1 aymmeesst@gmail.com UFPB SILVA, Camilo Rosa 2 camilorosa@gmail.com - UFPB RESUMO Os estudos sobre mudança linguística

Leia mais

USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1

USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1 USO DOS PRONOMES DEMONSTRATIVOS NA FALA E NA ESCRITA 1 RESUMO Sirlei de Faria Andrade¹ Nesta pesquisa, o objeto de estudo é análise da apresentação dos pronomes demonstrativos nas gramáticas de Bechara

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS.

MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS. Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (820-825) MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS. Luciene MARTINS (Universidade Federal do Rio de Janeiro) Dinah

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA Emanuelle Camila Moraes de Melo Albuquerque (autora bolsista), Renata

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

Aula 1: Traços morfossintáticos

Aula 1: Traços morfossintáticos Aula 1: Traços morfossintáticos Quando pensamos nos elementos formativos da sintaxe, ou seja, com que tipos de elementos a sintaxe trabalha, pensamos automaticamente em palavras. Entretanto, essa não parece

Leia mais

Português- Prof. Verônica Ferreira

Português- Prof. Verônica Ferreira Português- Prof. Verônica Ferreira 1 Com relação a aspectos linguísticos e aos sentidos do texto acima, julgue os itens a seguir. No trecho que podemos chamar de silenciosa (l.15-16), o termo de silenciosa

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela

1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela 1 1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela mesma instituição. Professora Adjunta IV na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Leia mais

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Cap. 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês 92 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Nesta parte do trabalho, analisarei alguns resultados da análise dos

Leia mais

ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA

ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA ANÁLISE DO EMPREGO DO MARCADOR CONVERSACIONAL NÉ NA FALA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Marta Oliveira Barros¹ ORIENTADORA: Dra. Daniela Gomes de Araújo Nóbrega² INTRODUÇÃO

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e escritos à maneira adequada do padrão da língua materna;

Leia mais

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5 Sexo Idade Grupo de Anos de Escola docência serviço Feminino 46 Filosofia 22 Distrito do Porto A professora, da disciplina de Filosofia, disponibilizou-se para conversar comigo sobre o processo de avaliação

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP Semântica 28/jan/2014 António Leal a.leal006@gmail.com AGENDA Semântica Frásica: Tempo (considerações gerais)

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das Um pouco de teoria... Observe: Estudo das classes de palavras Conjunções A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das I- João saiu, Maria chegou. II- João saiu, quando

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 7º ano Ano letivo 2015 2016 ORALIDADE LEITURA / EDUCAÇÃO LITERÁRIA 1º PERÍODO CONTEÚDOS

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 7º ano Ano letivo 2015 2016 ORALIDADE LEITURA / EDUCAÇÃO LITERÁRIA 1º PERÍODO CONTEÚDOS Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 7º ano Ano letivo 2015 2016 1º PERÍODO CONTEÚDOS ORALIDADE Elementos constitutivos do texto publicitário. Ouvinte. Informação. Princípios reguladores

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Os domínios da Oralidade e da Gramática no ensino básico

Os domínios da Oralidade e da Gramática no ensino básico Ação de Formação Os domínios da Oralidade e da Gramática no ensino básico Fevereiro 7, 28 Março: 7 Abril: 11 Formadora Doutora Carla Gerardo 1- Modalidade: Oficina de Formação Duração: 25 horas+25 horas

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 Mestranda Neliane Raquel Macedo Aquino (UFT) Resumo: A aprendizagem de uma língua estrangeira LE possibilita transferências

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão LETRAS 1º PERÍODO Disciplina A Disciplina B 62961 Língua Portuguesa A 68 Língua Portuguesa A 68 Ementa: Estuda os fundamentos Ementa: Estudo da base fonéticofonológica teóricos da análise lingüística,

Leia mais

O papel da freqüência de uso na gramaticalização de acho (que) e parece (que) marcadores de dúvida na fala de Florianópolis

O papel da freqüência de uso na gramaticalização de acho (que) e parece (que) marcadores de dúvida na fala de Florianópolis O papel da freqüência de uso na gramaticalização de acho (que) e parece (que) marcadores de dúvida na fala de Florianópolis O papel da freqüência de uso na gramaticalização de acho (que) e parece (que)

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

3 Pressupostos Teóricos

3 Pressupostos Teóricos 3 Pressupostos Teóricos 3.1 Os princípios teóricos de Harris 3.1.1 A aceitabilidade como fonte do conhecimento sintático A sustentação metodológica de referência para o desenvolvimento desta pesquisa é

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 Prova 06 / 2015 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Silvio Profirio da Silva¹ Durante décadas, o ensino de Língua Portuguesa desenvolvido em nossas escolas limitou - se à análise e à classificação

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS Código: ENF 405 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 UM ESTUDO DA CONSTRUÇÃO QUE NEM Juliana Regina Dias (UNESP) julianardias@ig.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS Este trabalho tem como proposta refletir, por meio de um enfoque funcionalista, o processo de gramaticalização

Leia mais

O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR

O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR III SBA Simpósio Baiano de Arquivologia 26 a 28 de outubro de 2011 Salvador Bahia Políticas arquivísticas na Bahia e no Brasil O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR Poline Fernandes

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

5 METODOLOGIA. 5.1 O Estudo

5 METODOLOGIA. 5.1 O Estudo 5 METODOLOGIA Este capítulo descreve a metodologia utilizada neste estudo visando verificar de que maneira os livros didáticos analisados estão incluindo gêneros discursivos em suas atividades de leitura

Leia mais

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE André William Alves de Assis 1 RESUMO: Como participantes do processo comunicativo,

Leia mais

Renata Aparecida de Freitas

Renata Aparecida de Freitas as escolhas linguísticas revelando decisões: uma breve aplicação de conceitos da gramática sistêmico-funcional como instrumento de análise Renata Aparecida de Freitas Renata Aparecida de Freitas Doutoranda

Leia mais

O DISCURSO MOTOR NO VÔLEI PRAGMÁTICO:

O DISCURSO MOTOR NO VÔLEI PRAGMÁTICO: O DISCURSO MOTOR NO VÔLEI PRAGMÁTICO: UMA ABORDAGEM FUNCIONALISTA JOSÉ RICARDO DA SILVA RAMOS Introdução Quando assistimos a um evento esportivo em suas várias maneiras de uso, é possível verificar situações

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

DO MUNDO EXTERIOR PARA O "MUNDO" INTERIOR: A TRAJETÓRIA DE RE> DE DICTO NA EMERGENCIA DE FUNÇÕES GRAMATICAIS

DO MUNDO EXTERIOR PARA O MUNDO INTERIOR: A TRAJETÓRIA DE RE> DE DICTO NA EMERGENCIA DE FUNÇÕES GRAMATICAIS DO MUNDO EXTERIOR PARA O "MUNDO" INTERIOR: A TRAJETÓRIA DE RE> DE DICTO NA EMERGENCIA DE FUNÇÕES GRAMATICAIS 1. batroduçio Maria Alice TAVARES (PCI-UFSC)' Trato aqui de um fenómeno de gramaticalização

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h

Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h Luiz Arthur Pagani Programa resumido Analisadores gramaticais são procedimentos para se executar

Leia mais

Considerações iniciais

Considerações iniciais A produção do gênero textual relatório pelo aluno pesquisador no âmbito do Projeto Bolsa Alfabetização Ana Paula P. R. Germanos Fátima Aparecida de Souza Este trabalho é resultado de pesquisa acerca da

Leia mais

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar?

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Letícia M. Sicuro Correa (PUC-Rio/LAPAL) Marina R. A. Augusto (PUC-Rio/LAPAL

Leia mais

Período composto por subordinação

Período composto por subordinação Período composto por subordinação GRAMÁTICA MAIO 2015 Na aula anterior Período composto por coordenação: conjunto de orações independentes Período composto por subordinação: conjunto no qual um oração

Leia mais

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano Literatura Idade Média e Classicismo Renascentista 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano história e da cultura de Portugal no período estudado, domínio da língua portuguesa A unidade curricular Literatura

Leia mais

O PAPEL DAS FRONTEIRAS PROSÓDICAS NA RESTRIÇÃO DO PROCESSAMENTO SINTÁTICO

O PAPEL DAS FRONTEIRAS PROSÓDICAS NA RESTRIÇÃO DO PROCESSAMENTO SINTÁTICO 642 O PAPEL DAS FRONTEIRAS PROSÓDICAS NA RESTRIÇÃO DO PROCESSAMENTO SINTÁTICO Carolina Garcia de Carvalho Silva UFJF/CAPES Maria Cristina Lobo Name UFJF 0 Introdução Este trabalho propõe-se a investigar

Leia mais

THE ABSTRACTIZATION OF THE ATÉ IN BLOGS IN BAHIA: AN EVIDENCE OF GRAMMATICALIZATION

THE ABSTRACTIZATION OF THE ATÉ IN BLOGS IN BAHIA: AN EVIDENCE OF GRAMMATICALIZATION A ABSTRATIZAÇÃO DO ATÉ EM BLOGS BAIANOS: UM INDÍCIO DE GRAMATICALIZAÇÃO THE ABSTRACTIZATION OF THE ATÉ IN BLOGS IN BAHIA: AN EVIDENCE OF GRAMMATICALIZATION RESUMO: Este trabalho objetiva apresentar os

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Conteúdo Programático Conhecimentos Básicos Português Básico Gramática Sobre o curso: Ele é direcionado a todo aluno que pretende construir uma base sólida de conhecimentos fundamentais para resolver as

Leia mais

O que é Estudo de Caso?

O que é Estudo de Caso? O que é Estudo de Caso? Segundo Araújo et al. (2008) o estudo de caso trata-se de uma abordagem metodológica de investigação especialmente adequada quando procuramos compreender, explorar ou descrever

Leia mais

Grice, o que é dito e o que é comunicado

Grice, o que é dito e o que é comunicado Grice, o que é dito e o que é comunicado Referências: Grice, Paul, Logic and conversation, in Studies in the Way of Words, Cambridge (Mas.), Harvard University Press, 1989, pp 22-40. Grice, Paul, Meaning,

Leia mais

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo Letras Prof a. Dr a. Leda Szabo Aspectos das Conexões Sintáticas Objetivo Diferenciar o objeto de estudo da análise de base sintática do objeto de estudo da análise do discurso. Compreender a diferença

Leia mais

Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS PLANO DE CURSO

Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS Código: ENF 405 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

RESENHA/REVIEW. BYBEE, Joan. 2010. Language, usage and cognition. Cambridge: Cambridge University Press. 252 págs.

RESENHA/REVIEW. BYBEE, Joan. 2010. Language, usage and cognition. Cambridge: Cambridge University Press. 252 págs. RESENHA/REVIEW BYBEE, Joan. 2010. Language, usage and cognition. Cambridge: Cambridge University Press. 252 págs. Resenhado por/by: Maria Angélica FURTADO DA CUNHA (Universidade Federal do Rio Grande do

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO 1 ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO Dóbia Pereira dos Santos NASCIMENTO Gisele da Paz NUNES Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão dobia@wgo.com.br

Leia mais

Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. FUVEST e UNESP

Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. FUVEST e UNESP Singular-Anglo Vestibulares Professora Natália Sanches Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. Retirado do site oficial do vestibular. FUVEST e UNESP Na correção, três

Leia mais

GRAMÁTICA E MODALIDADE UMA ANÁLISE DE VERBOS MODAIS EM DUAS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA

GRAMÁTICA E MODALIDADE UMA ANÁLISE DE VERBOS MODAIS EM DUAS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA GRAMÁTICA E MODALIDADE UMA ANÁLISE DE VERBOS MODAIS EM DUAS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA Camila Nunes de Souza 1 Grande parte das gramáticas apresenta os verbos modais como unidades, fragmentando, definindo

Leia mais

3. Resultados e discussão. 3.1. Presença de nome nu singular na posição pré e pós-verbal

3. Resultados e discussão. 3.1. Presença de nome nu singular na posição pré e pós-verbal A INCORPORAÇÃO SEMÂNTICA NA AQUISIÇÃO DO NOME NU SINGULAR NA POSIÇÃO PÓS-VERBAL Luciana Santos Brito (Bolsista do PIBIC/UFPI), Gustavo Andrade Nunes Freire (Colaborador, IEL - UNICAMP), Ronald Taveira

Leia mais

Odilei França. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Odilei França. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br Odilei França Graduado em Letras pela Fafipar. Graduado em Teologia pela Faculdade Batista. Professor de Língua Portuguesa para concursos públicos há 22 anos. Sintaxe do período composto: parte II Período

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: LETRAS - GRADUAÇÃO - LICENCIATURA GRADE: INGRESSANTES 2015/1

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: LETRAS - GRADUAÇÃO - LICENCIATURA GRADE: INGRESSANTES 2015/1 Página 1/3 Período: 1 ENADE INGRESSANTE 0 ESTILÍSTICA 36 LITERATURA BRASILEIRA: CONTEMPORÂNEA 72 LITERATURA EM LÍNGUA INGLESA 72 LITERATURA EM LÍNGUA INGLESA: AS ÉPOCAS VITORIANA E CONTEMPORÂNEA 36 LÍNGUA

Leia mais

COESÃO COERÊNCIA. É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado.

COESÃO COERÊNCIA. É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado. 1. COESÃO 1.1. O que é? É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado. Dito de forma mais simples: a coesão textual tem a ver com a maneira como se processa a ligação entre

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

Letras Tradução Inglês-Português Ementário

Letras Tradução Inglês-Português Ementário Letras Tradução Inglês-Português Ementário Componentes Curriculares CH Ementa Cultura Clássica 04 Estudo da cultura das civilizações clássica em suas diversas fases, tendo em vista reflexões sobre a contribuição

Leia mais

A CONVERSÃO ADJETIVO/SUBSTANTIVO EM FORMAÇÕES DEVERBAIS X-DO NO PORTUGUÊS DO BRASIL

A CONVERSÃO ADJETIVO/SUBSTANTIVO EM FORMAÇÕES DEVERBAIS X-DO NO PORTUGUÊS DO BRASIL Fábio Flores A CONVERSÃO ADJETIVO/SUBSTANTIVO EM FORMAÇÕES DEVERBAIS X-DO NO PORTUGUÊS DO BRASIL Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Estudos da Linguagem do Departamento

Leia mais

A COESÃO TEXTUAL NA OBRA DE MURILO MENDES

A COESÃO TEXTUAL NA OBRA DE MURILO MENDES A COESÃO TEXTUAL NA OBRA DE MURILO MENDES Roseli Cabral Calil (Unifran) Juscelino Pernambuco (Unifran) Introdução Esta pesquisa terá como objetivo analisar a construção dos versos desse poeta, buscando

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO)

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS MÜLLER, Alexandra Feldekircher. ReVEL na Escola: Linguística Aplicada a Contextos Empresariais. ReVEL. v. 11, n. 21, 2013. [www.revel.inf.br]. REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

Leia mais

Gramática Discursivo-Funcional e os estudos tipológicos: um exercício de análise das línguas indígenas do Brasil

Gramática Discursivo-Funcional e os estudos tipológicos: um exercício de análise das línguas indígenas do Brasil Gramática Discursivo-Funcional e os estudos tipológicos: um exercício de análise das línguas indígenas do Brasil (Functional Discourse Grammar and typological studies: an exercise in the analysis of native

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 9º ANO C Ano Letivo: 204 /205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO.

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. Gisele Martins SIQUEIRA (Mestranda FL/UFG) Gisele.msiqueira@gmail.com Maria Suelí de AGUIAR (FL/UFG) aguiarmarias@gamil.com

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA.

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. MORAES, Camilla Santos 1 Palavras-chave: ensino-aprendizagem de inglês, novas tecnologias, ensino mediado pelo computador.

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE MARIA NAZARÉ DE CARVALHO LAROCA

RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE MARIA NAZARÉ DE CARVALHO LAROCA QUADROS, Emanuel Souza. Resenha de Manual de morfologia do português, de Maria Nazaré de Carvalho Laroca. ReVEL, vol. 7, n. 12, 2009. [www.revel.inf.br]. RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE

Leia mais