PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UFPE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UFPE"

Transcrição

1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UFPE Visão, Missão, Valores, Objetivos e Tópicos Estratégicos. GAPE Grupo de Apoio ao Planejamento Estratégico da UFPE

2 CONTÉUDO 1. O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UFPE DESAFIOS E DIRETRIZES INTERNACIONAIS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DESAFIOS E DIRETRIZES NACIONAIS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR O PLANO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL DA UFPE 8 2. VISÃO MISSÃO VALORES OBJETIVOS E TÓPICOS ESTRATÉGICOS ATIVIDADES PRINCIPAIS ENSINO OBJETIVO TÓPICOS ESTRATÉGICOS PESQUISA OBJETIVO TÓPICOS ESTRATÉGICOS EXTENSÃO OBJETIVO TÓPICOS ESTRATÉGICOS ALICERCES GESTÃO OBJETIVO TÓPICOS ESTRATÉGICOS FINANCIAMENTO OBJETIVO TÓPICOS ESTRATÈGICOS INFRA-ESTRUTURA OBJETIVO TÓPICOS ESTRATÈGICOS INFORMAÇÃO OBJETIVO TÓPICOS ESTRATÉGICOS COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA OBJETIVO TÓPICOS ESTRATÉGICOS 22 2

3 8. ÁREAS DE COOPERAÇÃO COOPERAÇÃO NACIONAL E INTERNACIONAL OBJETIVO TÓPICOS ESTRATÉGICOS INSERÇÃO REGIONAL OBJETIVO TÓPICOS ESTRATÉGICOS INTERIORIZAÇÃO OBJETIVO TÓPICOS ESTRATÉGICOS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ÍNDICE REMISSIVO 27 3

4 GAPE GRUPO DE APOIO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UFPE MENSAGEM INICIAL O Planejamento Estratégico Institucional (PEI) da UFPE tem como objetivo identificar a visão e a missão da UFPE, e propor tópicos estratégicos alinhados a sua missão. O modelo adotado pelo PEI explicita em atividades principais, áreas de cooperação e alicerces objetivos e tópicos estratégicos, a serem observados pelos gestores da UFPE nos próximos 10 anos. Estes tópicos estratégicos poderão ser transformados em diretrizes estratégicas e ações prioritárias, na perspectiva do desenvolvimento sustentável da UFPE em sua interação nos contextos externo e interno. Os tópicos estratégicos refletem, nesta fase do PEI, o pensamento do GAPE, que é composto por dez professores representantes de cada Centro da UFPE, juntamente com contribuições de Diretores de Centro, Diretores de Órgãos Suplementares e de representantes da sociedade. Este documento está sendo encaminhado agora para a comunidade da UFPE e à Sociedade, por entendermos necessárias as contribuições de setores beneficiados direta ou indiretamente dos resultados alcançados na UFPE. Assim, este documento tem uma estrutura final integradora das sugestões feitas por professores, funcionários, estudantes e pela sociedade em gera. Esperamos que o PEI seja instrumento inspirador para a gestão da UFPE e, como todo processo de planejamento estratégico, seja aprimorado e atualizado periodicamente, contribuindo para o desenvolvimento sustentável da instituição. Recife, outubro de 2003 Grupo de Apoio ao Planejamento Estratégico da UFPE GAPE Prof. Anderson Stevens Leônidas Gomes (CCEN) Prof. Emerson Azevedo de Araújo (CCB) Profa. Fabíola Santos Albuquerque (CCJ) Prof. Francisco Cardoso Gomes de Mattos (CAC) Prof. Hermano Perrelli de Moura (CIn) Prof. Hermino Ramos de Souza, Presidente (Proplan) Prof. Ivan Vieira de Melo (CTG) Prof. José Batista Neto (CE) Prof. Marcos Ferreira Costa Lima (CFCH) Profa. Vânia Pinheiro Ramos (CCS) Prof. Wilson Magela Gonçalves (CCSA) 4

5 1. O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UFPE O Plano Estratégico Institucional da UFPE deve estar em sintonia com as macro tendências e visões acerca da educação superior no mundo, expressas pela UNESCO, e no Brasil, com base em documentos que explicitem a política nacional para este setor. 1.1 DESAFIOS E DIRETRIZES INTERNACIONAIS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR O documento World Declaration on Higher Education for the Twenty-First Century: Vision and Action, elaborado pela UNESCO 1, destaca no seu preâmbulo o crescimento da demanda, sem precedentes, e da diversificação de educação superior, bem como de uma maior consciência da sua importância vital para o desenvolvimento sócio-cultural e econômico e para a construção do futuro, para o qual as gerações mais jovens necessitarão estar preparadas com novas habilidades, conhecimentos e ideais. Os principais desafios e dificuldades a serem enfrentados pela educação superior, em escala mundial, mencionados na Conferência são: financiamento; equidade de condições de acesso; qualificação do corpo docente; melhoria e manutenção da qualidade do ensino, pesquisa e serviços; relevância dos programas; empregabilidade dos egressos; estabelecimento de acordos de cooperação eficiente e acesso eqüitativo aos benefícios da cooperação internacional. Ao mesmo tempo, a educação superior está sendo desafiada pelas novas oportunidades relacionadas às novas tecnologias, que estão melhorando as formas segundo as quais o conhecimento pode ser produzido, administrado, disseminado, acessado e controlado. O acesso eqüitativo a essas tecnologias deve ser garantido a todos os níveis de sistemas de educação. Constata-se também que na segunda metade do século vinte aumentou a distância entre os paises desenvolvidos e os em desenvolvimento quanto ao acesso e recursos para o ensino superior e para a pesquisa, tornando-se também maior o contraste entre os diferentes grupos sociais em cada país, quanto às oportunidades educacionais. Acrescente-se o reconhecimento da posição estratégica ocupada pelas instituições de ensino superior e de pesquisa na redução dessas distâncias entre os dois grupos de países, para o que o compartilhamento de conhecimentos, a cooperação internacional e as novas tecnologias serão instrumentos essenciais. Com base no entendimento acima do papel da educação superior, a Declaração explicita missões, visões e ações da educação superior no mundo. Os valores e as missões em particular, a contribuição para o desenvolvimento sustentável e a melhoria da sociedade como um todo devem ser preservados, consolidados e ampliados, priorizando-se a formação de profissionais altamente qualificados e cidadãos responsáveis capazes de atender as necessidades de todos os setores da atividade humana; fornecer oportunidades para o ensino superior e a educação continuada; avançar, criar e disseminar conhecimentos através da pesquisa, contribuindo ao desenvolvimento cultural, social e econômico das sociedades. Da mesma forma, no que concerne ao papel ético, à autonomia, à responsabilidade e à função antecipatória da comunidade acadêmica (professores, alunos e funcionários) destaca-se a necessidade de preservar e desenvolver suas funções cruciais (ensino, pesquisa e extensão), através do exercício da ética e do rigor científico e intelectual em suas várias atividades; de dispor de autonomia e liberdade acadêmica; e desempenhar 1 UNESCO, World Conference on Higher Education in the Twenty-First Century: Vision and Action, Paris, October, 9,

6 um papel na identificação e no encaminhamento de soluções de questões que influem no qualidade de vida das comunidades, nações e da sociedade global. Para a construção da nova visão, destacam-se: a equidade de acesso; o aumento da participação e da promoção do papel da mulher; o avanço do conhecimento através da pesquisa em ciência, artes e humanidades e a disseminação dos seus resultados; a orientação de longo prazo baseada na relevância em termos do que a sociedade espera das instituições e do que elas fazem; aumento da cooperação com o mundo do trabalho e análise e antecipação das necessidades da sociedade; diversificação (cursos tradicionais, de curta duração, modulares, à distância) para uma equidade maior de oportunidades; abordagens educacionais inovadoras (pensar crítico e criatividade) e profissionais de educação superior e alunos como atores principais. As ações compatíveis com essa nova visão da educação superior são estas: avaliação da qualidade (compreendendo todas as suas funções e atividades tais como ensino e programas acadêmicos, pesquisa e bolsas, professores, estudantes, infra-estrutura, serviços à comunidade e ambiente acadêmico); exploração do potencial das novas tecnologias de informação e comunicação, que mudarão a forma como o conhecimento é desenvolvido, adquirido e disponibilizado; fortalecimento da gestão e do financiamento da educação superior, com autonomia e transparência na gestão dos recursos, através do desenvolvimento de um planejamento adequado, que considere o uso eficiente dos recursos; o financiamento da educação superior, enquanto serviço público, requer recursos públicos e privados, porém o papel do Estado permanece essencial para garantia do ensino e da pesquisa; cooperação interinstitucional e internacional; necessidade de reverter o processo, em curso, de evasão de pessoas qualificadas, modificando a tendência atual entre paises em desenvolvimento e desenvolvidos; e, por último, a formação de parcerias e alianças entre diversos atores formuladores de política nacional e institucional, professores e demais profissionais, pesquisadores, estudantes, pessoal técnico e administrativo de ensino superior, mundo do trabalho, grupos comunitários e organizações não-governamentais. 1.2 DESAFIOS E DIRETRIZES NACIONAIS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR A Universidade Federal de Pernambuco, como as demais instituições federais de ensino superior, tem o seu financiamento de origem pública, devendo, portanto, ter as suas ações orientadas para atender as demandas de educação superior, entendida no conceito mais amplo (conforme documento da UNESCO acima mencionado) do país e, em especial, da região Nordeste e de Pernambuco, onde está localizada, que constituem na razão maior e mais permanente da sua existência. As diretrizes nacionais para o setor serão captadas no Plano Nacional de Educação, que trabalha com o horizonte dos próximos dez anos. O enunciado das diretrizes do PNE 2 se inicia com o reconhecimento de que nenhum país pode aspirar a ser desenvolvido sem um sistema de educação superior forte. Num mundo em que o conhecimento sobrepuja os recursos materiais como fator de desenvolvimento humano, a importância do ensino superior e suas instituições é cada 2 Plano Nacional de Educação. 6

7 vez maior. Para que estas possam desempenhar sua missão educativa, institucional e social é fundamental o apoio público. O núcleo estratégico do Sistema de Ensino Superior há de ser composto pelas universidades, que têm como missão contribuir para o desenvolvimento do País e a redução dos desequilíbrios regionais nos marcos de um projeto nacional, em estreita colaboração com as instituições de ciência e tecnologia. As rápidas transformações do mundo contemporâneo colocam para as universidades os requisitos de relevância, qualidade e cooperação internacional, e reafirmam o papel dessas instituições, a partir da reflexão e da pesquisa, na transmissão da experiência cultural e científica acumulada pela humanidade. O PNE reconhece como diretriz básica para o adequado desempenho das universidades a autonomia universitária, nas dimensões previstas na Carta Magna: didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial. A pressão pelo aumento de vagas já em curso deverá elevar-se a taxas substanciais, constituindo imenso desafio ao crescimento qualitativo dos sistemas privado e público, com a proposta do PNE de manter-se a proporção atual, no mínimo, que é de 40%. A expectativa é de que, ao final da primeira década deste novo século e novo milênio, o País evolua de 12% para 40% de alunos matriculados no ensino superior, de faixa etária de 18 a 24 anos. A renovação do ensino universitário brasileiro requer a reformulação do rígido sistema atual de controles burocráticos, com a efetiva autonomia das universidades, a ampliação da margem de liberdade das instituições universitárias e a permanente avaliação dos currículos, medidas essenciais para que a educação superior enfrente as rápidas transformações da sociedade brasileira. Ainda segundo o PNE, as universidades federais deverão explorar a capacidade ociosa dos seus recursos com a criação de cursos noturnos, elevando a relação alunoprofessor. Essa expansão precisa considerar, entre outros recursos, a infra-estrutura existente, em termos da sua situação atual, que se apresenta com problemas muitos graves de recuperação, por falta de programas do Governo Federal com recursos alocados para essa finalidade. Destaque-se também a necessidade de melhoria da qualidade do ensino, recorrendo-se à institucionalização de um amplo sistema de avaliação associada à ampliação dos programas de pós-graduação, cujo objetivo é qualificar docentes atuantes na educação superior. Maior parcela de recursos da receita vinculada da União deve se destinar ao ensino superior, que é sua função precípua, a fim de garantir-se um financiamento estável das universidades públicas. Além das diretrizes acima, deve-se destacar as seguintes, entre as contempladas pelo PNE: estabelecer uma política de expansão que diminua as desigualdades de oferta existentes entre as diferentes regiões do país; estabelecer um amplo sistema interativo de educação à distância; 7

8 estabelecer, em nível nacional, diretrizes curriculares que assegurem a necessária flexibilidade e diversidade nos programas de ensino; diversificar a oferta de ensino, incentivando a criação de cursos noturnos com propostas inovadoras, de cursos seqüenciais e de cursos modulares; a partir de padrões mínimos fixados pelo poder público, exigir melhoria progressiva da infra-estrutura de laboratórios, equipamentos e bibliotecas como condição para o recredenciamento das IES e renovação do reconhecimento de cursos; estimular a consolidação e desenvolvimento da pós-graduação e da pesquisa das universidades, dobrando em dez anos o número de pesquisadores qualificados; incentivar a prática da pesquisa como elemento integrante e modernizador dos processos de ensino-aprendizagem em toda a educação superior; implantar planos de capacitação dos servidores técnico-administrativos das IES; garantir nas IES a oferta de cursos de extensão, para atender necessidades da educação continuada de adultos, com ou sem formação superior, na perspectiva de integrar o necessário esforço nacional de resgate da dívida social e educacional e estimular a criação de conselhos com a participação da comunidade e de entidades da sociedade civil organizada, para acompanhamento e controle social das atividades universitárias, com o objetivo de assegurar o retorno à sociedade dos resultados da pesquisa, do ensino e da extensão. 1.3 O PLANO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL DA UFPE O desenvolvimento das instituições de ensino superior, como o de todas as organizações, requer uma clara definição de seus valores, visão de futuro, missão, objetivos e metas a serem alcançados num determinado horizonte temporal. Os desafios a serem enfrentados, sobretudo nos próximos dez anos, impõem o planejamento como ferramenta essencial de apoio ao funcionamento dessas instituições. No contexto brasileiro, destacam-se a pressão da demanda por ensino superior resultante da expansão do ensino médio, a escassez de recursos públicos para o financiamento do ensino superior e da pesquisa, o engessamento gerencial dos recursos das IFES (humanos, financeiros, entre outros), a redução do valor real dos salários e as condições inadequadas de sua infra-estrutura predial, de equipamentos e de tecnologia de informação. Percebe-se também uma cobrança cada vez maior da responsabilidade das instituições federais de ensino superior no cumprimento de sua missão: formar mais pessoas e gerar mais tecnologias com qualidade e a custos aceitáveis pela sociedade. O drama social brasileiro impõe uma maior responsabilidade para essas instituições, pelo papel estratégico da educação, da ciência e da tecnologia na transformação das condições de vida de seu povo. A gestão e o financiamento são fatores essenciais para 8

9 garantir o cumprimento da missão dessas instituições. Recursos financeiros cada vez mais escassos e seu fluxo irregular têm exigido dos gestores uma capacidade de crescente de ousar e criar. Uma forma adequada de enfrentar esses problemas é através de planos, que explicitem objetivos e metas a serem alcançados, cronograma, custos envolvidos e fontes de financiamento. O controle da execução e a avaliação dos resultados (com os respectivos indicadores de desempenho) serão ferramentas indispensáveis desse sistema. Vários fatores determinaram a decisão da implantação do processo de Planejamento Estratégico da UFPE. Em primeiro lugar, destaca-se a demanda da comunidade acadêmica, expressa em reuniões dos conselhos e colegiados, manifestando a necessidade de orientações estratégicas definidoras das prioridades de longo prazo da instituição. Em seguida, ocorrem as avaliações institucionais, que apontaram problemas nos cenários interno e externo a serem enfrentados, e identificaram oportunidades a serem aproveitadas. Por último, a nova prática de planejamento introduzida a partir de 2000 pelos Planos Plurianuais e Anuais evidenciou a necessidade de uma visão estratégica de futuro, construída com toda a comunidade, que direcionasse os projetos e possibilitasse a sua clara priorização. A priorização da qualidade tem norteado as instituições de ensino superior: qualidade do ensino, da pesquisa, da extensão e da gestão. Esta é a razão da existência de uma cultura de avaliação de cursos de graduação e de pós-graduação, da pesquisa e da avaliação do desempenho institucional. Nesse caso, a Universidade Federal de Pernambuco buscou apoio em organismos internacionais para realizar duas avaliações institucionais: a primeira sob a responsabilidade de uma comissão da Associação das Universidades Européias (EUA), em 1997, seguida de visita de reavaliação em 2001, e a segunda efetuada por uma comissão da Middle States Association of Colleges and Schools, dos Estados Unidos, em Ambas foram precedidas de auto-avaliação e se apoiaram também em resultados de reuniões com os diversos segmentos da comunidade interna administração central, centros e departamentos acadêmicos, coordenações de cursos e estudantes e externa, representantes da sociedade, seguindo a metodologia dos organismos internacionais de avaliação institucional. Ambas as avaliações se constituíram no primeiro momento do PEI UFPE O segundo momento da construção do Plano Estratégico Institucional da UFPE 2010, no primeiro semestre de 2002, contou com a consultoria externa da Lobo & Associados, que tomou como ponto de partida as avaliações institucionais para identificação dos fatores internos (forças e fraquezas) e externos (oportunidades e ameaças) submetidas a uma análise sistemática da compatibilidade entre as visões internas, os cenários internacional, nacional e regional e a legislação brasileira de ensino superior. Esta análise foi realizada com os diversos segmentos da comunidade interna, com o uso da técnica de planejamento SWOT, correlacionando-se esses fatores internos e externos para identificar as ações e estratégias de atuação da instituição no longo prazo. O terceiro momento consistiu na criação, no segundo semestre de 2002, do Grupo de Apoio ao Planejamento Estratégico, que, com base nos resultados do SWOT, elaborou uma versão preliminar do documento Planejamento Estratégico da UFPE: Visão, Missão, Valores, Objetivos e Tópicos Estratégicos, submetido à discussão com segmentos das comunidades interna e externa, de novembro de 2002 a fevereiro de O resultado dessas contribuições, após uma análise crítica pelo GAPE, foi 9

10 incorporado ao documento, gerando-se assim a sua versão final encaminhada ao Magnífico Reitor para submissão ao Conselho Universitário da instituição. O quarto momento da construção do Plano Estratégico Institucional UFPE 2010, de responsabilidade da nova gestão da instituição, poderá consistir na definição de prioridades, metas setoriais e estabelecimento de planos de ação, com base nos resultados das avaliações institucionais, da análise de SWOT e deste documento. Esta quarta etapa conterá, necessariamente, uma análise financeira da viabilidade do Plano. O processo participativo de discussão em seus quatro momentos legitima todo o esforço feito para dotar-se a instituição de um planejamento estratégico norteador das decisões de seu futuro para o bem da comunidade a que serve. 10

11 2. VISÃO Como instituição pública, ser democrática e de referência em ensino, pesquisa e extensão. 11

12 3. MISSÃO Promover um ambiente adequado ao desenvolvimento de pessoas e à construção de conhecimentos e competências que contribuam para a sustentabilidade da sociedade, através do ensino, pesquisa, extensão e gestão. 12

13 4. VALORES A UFPE como instituição de referência baseia-se nos seguintes valores: Cidadania assegurar a liberdade, os direitos e as responsabilidades individuais e comunitárias; Cooperação interagir para o bem comum: local, regional, nacional e internacionalmente; Criatividade inovar teórica e aplicativamente, na construção interdisciplinar de conhecimentos relevantes à transformação sócio-ambiental; Dignidade tratar e retratar com respeito toda pessoa e comunidade; Diversidade respeitar as características distintivas de pessoas e comunidades, em seus modos de ser e agir; Equidade promover o justo compartilhar das condições fundamentais ao desenvolvimento humano; Integridade promover a honestidade e a ética, nas relações interpessoais intra e extra-campus. 13

14 5. OBJETIVOS E TÓPICOS ESTRATÉGICOS De forma a contribuir concretamente para melhorar a qualidade de vida na sociedade, para o cumprimento de sua missão e alcançar sua visão, a UFPE definiu objetivos com base em prioridades estratégicas. Estes objetivos, de amplo alcance, estão organizados de acordo com as entidades mostradas na Figura 1 e descritas a seguir: Atividades Principais. Caracteriza as atividades fins ou principais da instituição. Alicerces. Caracteriza as áreas que servem de apoio às atividades centrais. Áreas de Cooperação. Caracteriza as áreas de atuação estratégicas e prioritárias da instituição. Para cada uma das entidades acima, foram identificados os seus principais elementos, conforme ilustrado na Figura 1. Para cada um desses elementos, apresentamos a seguir o seu objetivo e tópicos estratégicos. Os tópicos estratégicos são, neste estágio, as futuras diretrizes estratégicas da instituição. VISÃO MISSÃO ÁREAS DE COOPERAÇÃO Naciona e Internacional Inserção Regional Interiorização ATIVIDADES PRINCIPAIS Ensino Pesquisa Extensão ALICERCES Gestão Financiamento Informação Infra-estrutura Comunidade Universitária Figura 1. Entidades principais do planejamento estratégico institucional. 14

15 6. ATIVIDADES PRINCIPAIS 6.1 ENSINO A UFPE prepara pessoas altamente qualificadas para enfrentar a vida. No mundo atual, o melhor produto que a UFPE pode oferecer à sua comunidade estudantil é a habilidade de aprender, pensar de forma independente e crítica, saber resolver problemas e voltar à Instituição, para prosseguir a aprendizagem. A qualidade do corpo docente contribui fortemente para a consecução desses fins. A UFPE tem historicamente formado diversos líderes, que honram o nome da UFPE nas mais diferentes áreas do conhecimento. É resultado de um ensino de qualidade, com o rigor e a flexibilidade necessárias à formação humana. A UFPE reafirma o ENSINO em todos os níveis e com amplo espectro como uma de suas atividades centrais, reconhecendo a qualidade dos estudantes que iniciam seus estudos, bem como dos que estão avançando ou dos egressos OBJETIVO Promover a formação básica e especializada, garantindo o acesso ao conhecimento humano contextualizado e a sua construção, propiciando a articulação entre teoria e prática reflexiva através de situações problema, a criatividade e a formação de competências e habilidades, preparando pessoas reflexivas, capacitadas ao trabalho interdisciplinar e coletivo TÓPICOS ESTRATÉGICOS 1. Realizar avaliação constante do corpo docente e dos processos ensino e aprendizagem. 2. Definir uma política de ensino com participação dos centros, departamentos, coordenações de curso em regime de cooperação com as áreas correspondentes na Administração Central. 3. Dar apoio pedagógico a todos os níveis de ensino. 4. Elevar a proficiência dos corpos docente, discente e técnico-administrativo em línguas estrangeiras. 5. Ampliar os programas de pós-graduação observando padrões de qualidade, a demanda e desenvolvimento regional. 6. Implementar um política de fixação de recém doutores. 7. Otimizar o preenchimento de vagas dos cursos, considerando as demandas, o mercado de trabalho e os interesses do desenvolvimento regional (por exemplo, novos cursos noturnos), com garantia da qualidade dos mesmos 8. Promover a adequação e flexibilização curriculares. 9. Incentivar a formação continuada e especializada de antigos alunos. 10. Utilizar novas tecnologias aplicadas ao ensino, observando padrões de qualidade. 11. Monitorar e reduzir a evasão do corpo discente. 12. Integrar ensino com a pesquisa e a extensão. 13. Integrar a Universidade aos sistemas de ensino básico (por exemplo, contribuindo para a qualificação de professores do ensino básico). 15

16 6.2 PESQUISA A UFPE é reconhecida pela qualidade da pesquisa de nível mundial desenvolvida em várias áreas do conhecimento por grupos aqui atuantes. As atividades de pesquisa vão desde o envolvimento de alunos em nível de iniciação científica (graduação) até a participação de estudantes brasileiros e estrangeiros em nível de pósdoutorado em projetos de pesquisa. Os resultados destas pesquisas têm colocado a UFPE em destaque no cenário nacional, com liderança em diversas áreas do conhecimento. A crescente qualificação dos programas de pós-graduação nas avaliações nacionais pelos órgãos de fomento reflete a relevância e a difusão internacionais do trabalho dos pesquisadores da UFPE. Com as rápidas mudanças de paradigma nos procedimentos de financiamento público e privado à pesquisa, é fundamental manter um equilíbrio entre a pesquisa básica e a pesquisa aplicada. A multi e interdisciplinaridade e a cooperação nacional e internacional devem ser estimuladas, respeitando-se a individualidade dos pesquisadores na escolha de seus colaboradores e temas de pesquisa. A UFPE deve continuar investindo em pesquisa e em criação artística, para alcançar um nível ainda mais elevado em investigações sobre temas e problemas atuais relevantes, cujos resultados possam impactar local, nacional ou internacionalmente. O conhecimento gerado por tais pesquisas deve ser adequadamente transferido para a sociedade, mantidas as peculiaridades do contexto e o respeito à propriedade intelectual OBJETIVO Desenvolver pesquisa de qualidade, através da qualificação e implantação de grupos de excelência, buscando um equilíbrio entre a pesquisa básica e aplicada, intensificando as possibilidades de pesquisa multidisciplinar, incentivando a cooperação nacional e internacional, e explorando oportunidades de contribuir para o entendimento científico e humanístico, avanços tecnológicos e criação artística TÓPICOS ESTRATÉGICOS 1. Identificar e estimular a pesquisa em áreas de cooperação do conhecimento. 2. Promover a pesquisa em áreas de fronteira do conhecimento e em áreas de aplicação ao desenvolvimento regional. 3. Estimular e ampliar a participação do alunado na pesquisa como parte da sua formação. 4. Favorecer a multi e interdisciplinaridade na pesquisa. 5. Dar visibilidade externa e interna à pesquisa. 6. Melhorar o apoio à proteção da propriedade intelectual. 7. Criar mecanismos institucionais para estimular iniciativas de transferências de conhecimento para os setores afins, e desenvolvimento de spin-offs pelos professores, pesquisadores e alunos. 8. Aprimorar o sistema interno de avaliação da pesquisa e produção intelectual, visando uma melhor gestão da pesquisa. 9. Executar a gestão da pesquisa reconhecendo a existência de grupos de excelência, dando suporte à sua sustentabilidade. 10. Melhorar e manter a infra-estrutura para a pesquisa, incluindo facilidades laboratoriais, biblioteca, redes de informação, etc. 11. Dar suporte aos grupos de pesquisa emergentes ou em consolidação. 16

17 12. Promover a integração entre pesquisa, ensino e extensão, com participação dos centros, departamentos, coordenações de curso em cooperação com as áreas correspondentes na Administração Central. 13. Definir e implementar, de forma sistemática, a identificação de oportunidades de financiamento, parcerias e projetos. 14. Estimular e criar processos de comunicação das pesquisas realizadas e/ou em desenvolvimento na Universidade 6.3 EXTENSÃO Vivenciamos um processo de transformação da sociedade em busca da sustentabilidade, tanto inter quanto transgeracionalmente. Nele, a universidade tem um papel histórico e vital a cumprir na busca da coesão e da inclusão social, como princípios de desenvolvimento sustentável. Essa orientação por valores civilizatórios está reconhecida na visão e na missão da UFPE e indica que a sua Comunidade interna quer desenvolver-se de modo harmônico, sinérgico e integrado à Comunidade e à Sociedade como um todo. Tal desenvolvimento desafia a atividade central de Extensão para além do simples atendimento das demandas sócio-comunitárias e da preocupação com a difusão do conhecimento acumulado na Universidade. Nesse sentido, essa atividade é melhor compreendida como um processo de desenvolvimento de natureza educativa, científica e intercultural que possibilita a integração entre Universidade e Sociedade OBJETIVO Criar condições para a formação profissional superior com cidadania, para que a transferência e a difusão do conhecimento ocorram através do engajamento qualificado da comunidade interna em ações de extensão, necessárias ao desenvolvimento sustentável da sociedade TÓPICOS ESTRATÉGICOS 1. Sensibilizar e qualificar a comunidade interna e a Sociedade, quanto ao papel da extensão no desenvolvimento humano com responsabilidade social. 2. Ampliar os incentivos à participação da comunidade interna em projetos de extensão. 3. Desenvolver parcerias com grupos de influência representativos dos Setores Público, Privado e Sociedade organizada (ONGs), nos níveis Local, Estadual, Regional e Nacional, de modo a viabilizar soluções para os grandes problemas da sociedade, 4. Integrar a comunidade interna da UFPE aos esforços de desenvolvimento das Agendas 21 Local, Estadual e Nacional, em harmonia com os compromissos destas. 5. Integrar e sistematizar a criação e comunicação do conhecimento utilizando as tecnologias de comunicação e informação disponíveis na instituição. 6. Desenvolver programas de educação continuada para os egressos do ensino superior. 7. Integrar as ações de extensão à interiorização e à cooperação internacional da UFPE. 8. Contribuir ao planejamento nacional de extensão universitária. 17

18 9. Promover a integração de extensão, pesquisa e ensino, com participação das unidades acadêmicas. 10. Harmonizar as políticas de extensão às políticas públicas. 11. Promover a participação continuada para servidores aposentados e egressos de cursos da universidade. 12. Desenvolver e preservar o patrimônio científico e cultural da instituição. 18

19 7. ALICERCES 7.1 GESTÃO A gestão da UFPE, como a das demais Universidades públicas federais representa um desafio quanto às suas atividades centrais (ensino, pesquisa e extensão) e aos seus alicerces (gestão, financiamento, comunidade, informação e infraestrutural). Esse desafio resulta, principalmente, do engessamento da gestão das atividades meio, uma vez que essa instituição é regida pela mesma legislação aplicada ao setor público: normas para compras de bens e serviços, para contratação e gestão de pessoal e de orçamento e finanças. A natureza e a missão da instituição federal de ensino superior pressupõem uma legislação própria, de forma que possa operar com base num planejamento estratégico de médio e longo prazo e seja avaliada, permanentemente, de acordo com sua missão, seus objetivos, estratégias e metas. Um modelo adequado de autonomia de gestão poderá ser um pré-requisito essencial ao funcionamento da instituição. Todavia, a mudança do sistema de gestão atual para o da autonomia pressupõe uma transição, que possibilite ajustes necessários OBJETIVO Desenvolver e implementar modelos de gestão integrados, eficientes e eficazes, para a melhoria da qualidade das atividades fins e meio, de forma comparável às melhores universidades, respeitadas as especificidades e complexidades TÓPICOS ESTRATÉGICOS 1. Desenvolver modelos de alocação de docentes e de pessoal técnicoadministrativo, que permitam alcançar os melhores níveis de desempenho do sistema federal de educação superior pública. 2. Aperfeiçoar os programas de qualificação permanente de docentes, pesquisadores, gestores e pessoal técnico-administrativo. 3. Profissionalização de gestores e técnico-administrativos. 4. Atualizar as tecnologias de informação (hardware e software) em uso, possibilitando o aperfeiçoamento dos processos de gestão acadêmica, administrativa e financeira, e o fluxo de informação. 5. Introduzir ações inovadoras de gestão que possam gerar maior eficácia ao processo decisório. 6. Promover a reestruturação jurídico-administrativa da UFPE. 7. Desenvolver um sistema de ouvidoria. 8. Desenvolver um sistema de indicadores de desempenho. 9. Desenvolver um sistema de informações de custo por atividades. 10. Promover a descentralização do processo decisório na gestão acadêmica administrativa e financeira. 11. Democratizar a informação. 19

20 12. Definir e implementar políticas sustentáveis de renovação e de melhoria da qualificação do quadro permanente de pessoal. 13. Aprimorar, constantemente, o processo de planejamento institucional da UFPE. 7.2 FINANCIAMENTO A UFPE tem o seu financiamento garantido, constitucionalmente, pelo Governo Federal. Portanto, o seu orçamento (recursos do Tesouro Nacional) deveria ser suficiente para cobrir as despesas de pessoal, custeio e capital das atividades de ensino, pesquisa e extensão. Esse financiamento oriundo de recursos do Tesouro Nacional tem sido integral para as despesas de pessoal e parcial para o custeio e capital, sobretudo, das atividades de pesquisa e extensão. Cada vez mais, o financiamento das despesas de custeio e de capital mais específicas dessas atividades tem sido feito com recursos captados de fonte governamental (federal, estadual e municipal) e privada. A maior parte do financiamento da pesquisa, anteriormente os recursos obtidos das agências de fomento do governo federal, apóia-se atualmente nos Fundos Setoriais. O crescimento das atividades de ensino, pesquisa e extensão tem intensificado a demanda por recursos financeiros para expansão e manutenção da infra-estrutura (salas de aula, laboratórios, bibliotecas, informática rede e equipamentos salas de professores e rede elétrica). Esta tendência coincide com a redução de financiamento ao longo dos últimos anos, representada pela queda dos salários de docentes e funcionários e pela diminuição dos recursos para a manutenção e a infra-estrutura da instituição. Além dos efeitos dessa queda do financiamento, a gestão orçamentário-financeira e administrativa tem se tornado mais centralizada pelo Governo Federal, dificultando iniciativas de melhoria de gestão e planejamento das instituições federais de ensino superior (IFES). O grande desafio será viabilizar, constantemente, o financiamento para que esse crescimento ocorra com a melhoria da qualidade, com desdobramentos na ampliação e na reestruturação no sistema atual de captação de recursos OBJETIVO Ampliar e diversificar as fontes de financiamento institucional TÓPICOS ESTRATÈGICOS 1. Aumentar a participação da UFPE no modelo nacional de financiamento das IFES. 2. Desenvolver e implementar políticas de captação de recursos públicos e privados para o ensino, a pesquisa e a extensão (através, por exemplo, de parcerias com a sociedade). 3. Reestruturar a política de geração de receita própria da instituição. 4. Otimizar a alocação de recursos orçamentários globais (pessoal, custeio e capital), segundo as prioridades institucionais. 5. Propor a atualização do modelo de financiamento para maior autonomia no seu planejamento e gestão. 20

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

DIRETORIA. Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS

DIRETORIA. Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS DIRETORIA Of. Dir. /2007 Recife, 09 de novembro de 2007 Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS Senhora Diretora, Atendendo solicitação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Gestão Estratégica Planejamento Estratégico e Avaliação Institucional

Gestão Estratégica Planejamento Estratégico e Avaliação Institucional Gestão Estratégica Planejamento Estratégico e Avaliação Institucional Abril/2012 1. Conceituação O desempenho institucional refere-se tanto ao valor agregado às partes interessadas pela instituição (e.g

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

PDI GERAL DO CEFET/RJ

PDI GERAL DO CEFET/RJ PDI GERAL DO CEFET/RJ Princípios que devem nortear o estabelecimento de políticas e ações no CEFET/RJ e que devem constar do PDI: Institucionalidade/identidade de UT (estabelecimento de um modelo diferenciado

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL LONDRINA 2002 2 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis CANDIDATURA DE DIRETOR GERAL AO CAMPUS CARAGUATATUBA PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis Nossa Primeira Razão de Ser: Nossos Alunos Proposta: Consolidação do Diretório

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 Instituto de Ciências Sociais Universidade do Minho 1. Missão Gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Sociais e áreas afins, assente na liberdade de pensamento,

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PLANO DE GESTÃO

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PLANO DE GESTÃO UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PLANO DE GESTÃO (2011-2015) Cruz das Almas-BA 2011 Sumário Apresentação Justificativa Diretrizes Objetivos Metas e Estratégias Metodologia

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI ABRIL, 2005 Introdução A Universidade Federal da Bahia ao elaborar o seu Plano de Desenvolvimento Institucional PDI (2004-2008), incluiu

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba Visão Institucional O Campus Caraguatatuba do IFSP desenvolveu-se nos últimos anos, ampliando os cursos oferecidos, desde a Formação Inicial e Continuada, passando pelos Cursos Técnicos, de Tecnologia,

Leia mais

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável.

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável. Coordenação do Curso de Engenharia Química da UFPR (CCEQ) Planejamento Estratégico 2012-2017 Apresentação: O curso de Engenharia Química da UFPR foi criado em 1954 pelo Decreto-Lei nº 6.489, assim completará

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES CAMPUS CONGONHAS DEZEMBRO - 2013 INFRA-ESTRUTURA Objetivo

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais