O Currículo do Curso de Engenharia de Computação da UEFS: Flexibilização e Integração Curricular

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Currículo do Curso de Engenharia de Computação da UEFS: Flexibilização e Integração Curricular"

Transcrição

1 O Currículo do Curso de Engenharia de Computação da UEFS: Flexibilização e Integração Curricular Roberto Almeida Bittencourt 1, Orlando de Andrade Figueiredo 2 1 Departamento de Ciências Exatas Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) Km 03, BR-116 Campus Universitário Feira de Santana BA Brasil 2 Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) Av. Ver. Geraldo M. da Silva, s/n, Ituiutaba MG Abstract. This paper describes curricular innovations in the Computer Engineering program of the State University of Feira de Santana UEFS. In this curriculum, it was tried to strengthen the student s freedom of choice, although still assuring a solid technical and scientific basis. Curriculum flexibility is achieved through temporal reorganization of the body of knowledge, a broad range of elective curricular units of technical, humanistic and complementary subject matter, besides complementary curricular activities. An integrated curriculum is devised through multidisciplinary thematic studies and year-long projects on a theme involving novice and experienced students as well. Resumo. Este artigo descreve as inovações curriculares do curso de Engenharia de Computação da Universidade Estadual de Feira de Santana UEFS. Procurou-se, neste currículo, fortalecer a liberdade de escolha do aluno, ao mesmo tempo em que é garantida uma sólida base técnico-científica em computação. A flexibilização curricular ocorre através da reorganização temporal do corpo de conhecimentos, de uma vasta gama de componentes optativos de formação técnica, humanística e complementar e de atividades curriculares complementares. A integração entre disciplinas se faz através de estudos temáticos multidisciplinares e de projetos temáticos anuais envolvendo alunos de vários períodos do curso. Keywords. integrated curriculum, flexible curriculum, computer engineering. Palavras-chave. currículo integrado, flexibilização curricular, engenharia de computação.

2 1. Introdução Qual é a influência que a estrutura curricular de um curso de graduação pode ter sobre a formação de um profissional? Será que biblioteca e laboratórios bem equipados e professores com ótima qualificação podem compensar um currículo mal estruturado? Será que a seleção de conteúdos, a sua disposição em disciplinas, a seqüência de apresentação das disciplinas, a forma como essas disciplinas se relacionam têm papel preponderante sobre o resultado final do processo educativo? O currículo do curso de engenharia de computação da UEFS, que entrou em funcionamento em 2003 com 30 vagas, foi construído com essas questões em vista. Seus autores se apoiaram em anos de reflexão sobre os currículos dos cursos de engenharia, a partir de diferentes perspectivas: Em primeiro lugar, sob a angustiante perspectiva dos bancos escolares, em que, como estudantes, puderam assistir à desmotivação e à evasão de uma parcela de seus colegas e observar também a baixa auto-estima de alguns recém-formados em relação à sua capacitação; Depois, como professores responsáveis por disciplinas isoladas e que pouco puderam fazer para enfrentar essas questões de forma definitiva; E, por fim, como projetistas de currículo. Durante todo esse tempo, as notícias de esforços inovadores em termos de currículos da área tecnológica, no Brasil e no exterior, foram avidamente observadas e analisadas. Destacam-se o esforço americano para revitalização dos currículos de graduação [Boyer Commission 1998] [Joint Task Force 2001], experiências brasileiras divulgadas pela SBC [SBC 1999] [Nunes 2001] e pela ABENGE (Associação Brasileira de Ensino de Engenharia) e a flexibilização curricular proposta pela UFMG [UFMG 1997]. Os principais aspectos da proposta são apresentados no presente texto. Os mecanismos de flexibilização do currículo, que dão ao aluno mais liberdade na condução de sua formação, e que também favorecem a atualização constante dos conteúdos, são tratados na Seção 2. A integração entre as disciplinas e sua interdependência são discutidos na Seção 3. Na Seção 4, tudo isso é revisto sob o aspecto formal da estrutura curricular. Um esforço importante nesse trabalho foi tentar uma conciliação entre as diretrizes curriculares de Computação e Informática e as diretrizes curriculares de Engenharia, como pode ser visto na Seção 5, após a qual estão as conclusões. 2. Flexibilização Curricular A principal motivação para a flexibilização curricular é velocidade das transformações que ocorrem na sociedade contemporânea e, mais especificamente, na área de computação. Novas sub-áreas surgem a todo momento dentro da computação. Por exemplo, várias ferramentas e linguagens hoje no auge de popularidade simplesmente não existiam há alguns anos; C++ teve sua estrutura atual delineada em 1990, WWW surgiu em 1993 e Java se tornou relevante em Nestas circunstâncias é

3 impossível manter atualizado um currículo muito rígido, assim como é impossível querer expor todos os alunos a todas as sub-áreas da computação. De acordo com a Pré-Proposta de Câmara de Graduação da UFMG para a Flexibilização Curricular, pode-se entender a idéia de flexibilização curricular como a possibilidade: a) de desamarrar a estrutura rígida de condução do curso; b) de o aluno poder imprimir ritmo e direção ao seu curso; c) de se utilizar, mais e melhor, os mecanismos que a instituição já oferece em termos de opções de atividades acadêmicas na estruturação dos currículos. A flexibilização do currículo do curso de Engenharia de Computação ocorre de vários modos. Antes de explicitá-los, porém, cumpre definir os conceitos de currículo e atvidade acadêmica. Currículo: qualquer conjunto de atividades acadêmicas previstas para a integralização de um curso. Atividade acadêmica curricular ou componente curricular: aquela considerada relevante para que o estudante adquira, durante a integralização curricular, o saber e as habilidades necessárias à sua formação e que contemple processos avaliativos Flexibilização Vertical É proposta uma flexibilização vertical do currículo, que é a possibilidade de organização flexível do saber ao longo de semestres e anos. Para tanto, dividimos o conhecimento do curso em núcleo básico (matemática, física, etc.), núcleo profissional (fundamentos e técnicas básicas da computação) e núcleo específico (tecnologia da computação e aplicações multidisciplinares). A definição dos pré-requisitos do ponto de vista estrito, sem permitir o uso de pré-requisitos administrativos, permite que esses três núcleos possam ser estudados concomitantemente, diminuindo as distorções geradas pela separação entre ciclo básico e ciclo profissional. A oferta de disciplinas profissionalizantes já no início do curso também contribui para esta flexibilização vertical. O núcleo específico, que envolve tecnologias e conhecimentos muito específicos e/ou voláteis é contemplado através de um elenco de componentes curriculares optativos. Tais componentes podem ser cursados isoladamente ou em conjunto (formando blocos coerentes, tornando o aluno elegível a receber um Certificado de Estudos numa área específica). O oferecimento de disciplinas de tópicos, seminários e projetos completa a flexibilização proposta, permitindo o acompanhamento de tendências e a atualização curricular. Deve ser cumprida uma carga horária mínima dos componentes curriculares optativos, a qual deve ser suficiente para permitir ao aluno adquirir razoável abrangência de conhecimentos e/ou se aprofundar em uma área específica Flexibilização Horizontal Conforme a lei federal nº. 9394/96 e o parecer nº. 776/97 da CES/CNE, os cursos de graduação devem destinar de 5 a 10% da carga horária total do seu currículo para

4 atividades complementares. Estas atividades complementares caracterizam um tipo de flexibilização curricular chamado de flexibilização horizontal, que consiste em ampliar o conceito de currículo, possibilitando o aproveitamento de várias atividades acadêmicas, além das disciplinas, para integralização curricular. No curso de Engenharia de Computação da UEFS, estas atividades correspondem a 5% da carga horária total do currículo. Cada universidade deve regulamentar as atividades complementares da maneira que considerar mais adequada. Entretanto, as atividades abaixo usualmente são contempladas como passíveis de aproveitamento: a) Seminários; b) Participação em eventos; c) Discussões temáticas; d) Atividade acadêmica à distância; e) Iniciação à pesquisa, docência e extensão; f) Vivência profissional complementar; g) Cursos extra-curriculares. São condições para aproveitamento para integralização das atividades complementares: a) que tenha autorização do Colegiado; b) que passe por um processo de avaliação institucional Flexibilização através de Certificados de Estudos Na composição do perfil do egresso e, consequentemente, da estrutura curricular do curso de Engenharia de Computação da UEFS, procurou-se fortalecer a base científica e os conceitos e habilidades mais duradouros, de modo a permitir uma suave transição dos profissionais já formados quando do surgimento de novas tecnologias. Por outro lado, este perfil é por demais genérico para refletir as demandas da sociedade, localizadas temporal e espacialmente. As inovações tecnológicas se processam de modo cada vez mais rápido em nossa sociedade. Há que se garantir, portanto, certa flexibilidade na composição do perfil profissional, de modo que as mudanças impostas pelas novas tecnologias sejam rapidamente incorporadas ao currículo do curso. Para implementar a flexibilidade descrita acima, a proposta curricular do curso possibilita a obtenção de ênfases extra-diploma através de Certificados de Estudos emitidos pelo Colegiado do Curso de Engenharia de Computação, permitindo a definição de perfis específicos em sub-áreas da Engenharia de Computação. Existem, inclusive, argumentações no meio acadêmico a favor de que estes perfis específicos não estejam ligados à principal área de estudo do curso. De todo modo, tais certificados podem ser modificados ou extintos e novos certificados podem ser criados de acordo com as demandas da sociedade e do mercado de trabalho. Eles descrevem sucintamente o perfil específico do profissional formado, com as atribuições do mesmo no mercado de trabalho. Não substituem o diploma em hipótese alguma, mas podem servir como uma espécie de certificado de especialização a ser utilizado quando o egresso achar necessário e para o seu melhor proveito. Os requisitos necessários para a obtenção de um Certificado de Estudos específico são definidos mediante resolução do Colegiado do Curso e exigem o cumprimento de um bloco específico de componentes curriculares pertinentes à área do

5 certificado. Logicamente, a estrutura curricular deve permitir a escolha destes percursos alternativos através de uma carga horária razoável de componentes optativos. 2.4 Flexibilização da Formação Humanística e Complementar Pretende-se, no currículo proposto, uma formação ampla do engenheiro de computação, abordando outros aspectos que não somente a formação técnica. Tais aspectos envolvem conhecimentos humanos que permitem ao estudante compreender melhor a realidade que o cerca, perceber os aspectos morais, éticos e filosóficos envolvidos na convivência em sociedade e ganhar uma formação cultural mais ampla, compreendendo o papel do ser humano enquanto produtor e disseminador de conhecimento e cultura. Chamaremos a estes aspectos de formação humanística. Por outro lado, existem aspectos outros, que não estão diretamente ligados às tecnologias da computação, mas que permitem ao profissional se integrar melhor nas organizações e na sociedade, instrumentalizando mais facilmente o seu dia-a-dia no trabalho. Exemplos destes últimos seriam a capacidade de trabalho em equipe, desenvoltura na comunicação verbal e escrita, capacidade de administração de órgãos e organizações, etc. Chamaremos a estes aspectos de formação complementar. Olhando por outro ângulo, não se pode ignorar o fato de que os componentes de formação humanística e complementar são comumente relegados a segundo plano pelos cursos de ciências exatas, pelo corpo docente da instituição e pelos próprios estudantes, o que tem repercussões negativas nas futuras carreiras dos egressos. Nos dias de hoje, as organizações exigem cada vez mais pessoas com ampla visão da sociedade e melhor compreensão do ser humano, especialmente quando se reflete que a maioria dos trabalhos é feita em equipes multidisciplinares. Esta visão é também essencial para o indivíduo compreender melhor o seu papel no meio em que vive e as transformações que se processam na sociedade. O que se propõe é que estes componentes sejam contextualizados na realidade em que vivem os estudantes e profissionais de computação. Além disso, tais componentes devem refletir também os interesses individuais dos alunos, permitindo uma livre escolha dentre componentes optativos. Definiu-se então duas categorias específicas de componentes optativos, que devem ser integralizados com uma carga horária mínima definida nas componentes curriculares do curso: componentes optativos de formação humanística; componentes optativos de formação complementar. Procurou-se trazer aos alunos uma oferta ampla e variada de formação humanística e complementar a partir de disciplinas já existentes na universidade e ofertadas a outros cursos, evitando a desnecessária criação de novas disciplinas, além de permitir a livre escolha preconizada pela flexibilização curricular. Exigências compulsórias de formação humanística e complementar encontradas nas diretrizes curriculares são atendidas na forma de duas disciplinas especiais Tópicos Especiais de Formação Humanística e Tópicos Especiais de Formação Complementar que servem tanto como uma introdução superficial a algumas áreas de estudo ou como uma antevisão de possibilidades a serem escolhidas através dos referidos componentes optativos.

6 3. Integração Curricular A integração das disciplinas em um currículo tem sido debatida na comunidade acadêmica. O que normalmente se discute a respeito de integração curricular é que os cortes disciplinares nem sempre são eficazes para a formação de competências mais amplas e que o trabalho de um profissional de nível superior normalmente envolve várias disciplinas ao mesmo tempo. Além disso, o mercado de trabalho tem demandado profissionais com formação holística, capazes de lidar com problemas complexos e interdisciplinares. Parte dos egressos consegue fazer a ligação entre disciplinas aprendidas separadamente, mas o tratamento deliberado integrador de disciplinas tem mostrado sucesso na formação destes elos durante a formação do profissional. A integração curricular pode ocorrer na forma horizontal, dentro de um mesmo período letivo, ou na forma vertical, ao longo de vários períodos letivo. No presente currículo, adotamos as duas possibilidades, ainda que a ênfase maior seja na integração horizontal Integração através de Estudos Temáticos Disciplinas de um mesmo período letivo podem ser trabalhadas em conjunto, compartilhando trabalhos, desafios e oportunidades de aprendizado. Para o bom funcionamento deste modelo, é necessário reagrupar o corpo de conhecimentos ao longo dos anos de aprendizado, de modo que disciplinas que já possuam elos normalmente estejam agrupadas num mesmo período letivo. Assim, pode-se, por exemplo, agrupar a disciplina de linguagens formais e autômatos com a disciplina de compiladores, já que as linguagens formais dão subsídios para a construção dos compiladores. O aprendizado das linguagens formais torna-se muito mais significativo, pois o aprendiz usa as linguagens formais para resolver um problema real de software. O mesmo vale para as estruturas matemáticas discretas, quando trabalhadas em conjunto com os algoritmos e estruturas de dados. Uma vez reagrupado o corpo de conhecimentos ao longo dos anos, pode-se agrupar, em torno de um tema e num mesmo período, disciplinas tradicionais que compartilham elos, criando-se o que definimos por estudo temático, uma nova forma de componente curricular. O estudo temático é uma forma muito mais abrangente de componente curricular, casando muito bem com a aprendizagem baseada em problemas e projetos e o ciclo de aprendizagem situaçãofundamentação-realização, metodologias de ensino-aprendizagem proposta para este curso. Um problema real de sistemas de informação, por exemplo, pode ser apresentado aos alunos, exigindo que os mesmos aprendam novos modelos de organização de dados (Bancos de Dados) e novas técnicas de produção de software (Engenharia de Software), para resolver o problema proposto. O projeto integrador é a realização do engenheiro de computação, é a solução do problema proposto, e o mesmo demandou a compreensão de um novo corpo teórico (do ponto de vista do aluno) para fundamentar a realização da solução do problema, no qual o aluno situou-se anteriormente. Para operacionalizar, de forma clara, a organização curricular proposta, faz-se necessário algumas definições na implantação dos estudos tematicos, pois trata-se de novo componente curricular a ser inserido na estrutura acadêmica da graduação. Definição 1: Estudo temático

7 Componente curricular de objetivo integrador que gira ao redor um certo tema, organizado em módulos. Durante o estudo temático, o estudante é apresentado a um certo tema ou problema abrangente e, para compreender o tema ou resolver o problema, torna-se necessário adquirir novos conhecimentos. Estes novos conhecimentos estão agrupados em módulos, conforme a definição 2. Definição 2: Módulo Recorte em determinados campos do conhecimento, organizados de forma articulada, auto-contida e coesa para acontecer o processo ensino/aprendizagem. Os módulos de cada estudo temático estarão, ao longo do curso, oportunizando a aprendizagem interdisciplinar, referenciados pelos componentes curriculares que compartilham do período acadêmico Integração através de Projetos Temáticos Anuais Procurou-se, ainda, integrar vários campos do conhecimento na formação do profissional através da realização de projetos temáticos anuais de engenharia de computação. Sabe-se que a prática ocorre normalmente em equipes heterogêneas coordenadas por membros mais experientes. Mas a maioria dos cursos privilegia comumente os trabalhos individuais, inclusive as provas teóricas. Mesmo quando existem trabalhos em grupo, estes normalmente não correspondem à realidade encontrada nas organizações, hierarquizadas e complexas. Por outro lado, uma unidade dentro de uma disciplina não é, normalmente, tempo suficiente para a realização de projetos de longo prazo, tão comuns no dia-a-dia das organizações. Além do mais, o espaço de uma disciplina não permite normalmente a integração dos conhecimentos com outras disciplinas. Seja isto um defeito inerente ou não à segmentação do conhecimentos em unidades menores com créditos e carga horária definidas, não deve impedir a integração de um corpo de conhecimentos de uma área profissional. Uma primeira solução para tais problemas são os projetos temáticos anuais. São realizados em equipe, sob a coordenação dos estudantes dos últimos períodos, mas com a participação de todos os alunos do curso, em níveis de atuação diferentes. Diferentes temas são escolhidos ano a ano, de modo que haja pluralidade de opções, de acordo com as áreas específicas dentro do curso, bem como a participação de cada estudante em alguns destes projetos, desempenhando funções em ordem crescente de complexidade, desde uma iniciação ao trabalho na engenharia de computação, o desenvolvimento de suas habilidades, a consolidação das mesmas através de trabalhos de maior complexidade e, finalmente, a coordenação e gerência de um projeto de grande porte. Nesta última fase, o estudante terá a oportunidade de escrever o seu trabalho de conclusão de curso, envolvendo o tema do projeto que o mesmo coordenou. Tais projetos possuem um alcance maior que disciplinas comuns pois possuem um prazo mais longo (um ano) e integram os conhecimentos de várias áreas.

8 4. Estrutura Curricular Entendemos que vale a pena, antes de analisar a estrutura curricular detalhada, conhecer os eixos principais que norteiam a organização curricular (veja figura 1). Talvez esta estrutura seja mais importante em si do que o conjunto de componentes dispostos temporalmente, conforme a figura Eixos Principais do Currículo Dois dos eixos principais do currículo são os estudos temáticos e os projetos anuais, onde se pretende realizar a aprendizagem integrada de competências essenciais ao engenheiro de computação. As disciplinas obrigatórias fazem parte do currículo, quer pela conveniente e parcial manutenção de uma estrutura consagrada pelo status quo, quer pelas exigências específicas das diretrizes curriculares. Os componentes optativos permitirão a formação de competências e habilidades específicas de interesse do aluno. Figura 1. Eixos Principais do Currículo 4.3. Fluxograma do Curso de Engenharia de Computação O fluxograma do curso de Engenharia de Computação a seguir é apenas uma sugestão de integralização. Serve de base para os alunos trilharem um caminho sem percalços na composição de seus currículos, bem como para mostrar a exeqüibilidade de uma estrutura curricular flexível ao longo dos semestres letivos.

9 Figura 2. Fluxograma do Curso de Engenharia de Computação 4.2. Componentes Curriculares A tabela 1 ilustra a composição horária do currículo em termos da natureza dos componentes curriculares. Os requisitos em relação aos componentes optativos são em termos de carga horária mínima, havendo plena liberdade para composição desta carga horária da forma mais adequada para o aluno e de acordo com a oferta disponível.

10 Tabela 1. Componentes Curriculares do Curso de Engenharia de Computação NATUREZA Estudos Temáticos Obrigatórios (ET) Disciplinas Obrigatórias (OB) Componentes Optativos (OP) Componentes Optativos de Formação Humanística (OH) Componentes Optativos de Formação Complementar (OC) Projetos Anuais (PI) Estágio Supervisonado (ES) Atividades Complementares (AC) TOTAL CARGA HORÁRIA 1440 h 1095 h 660 h 120 h 120 h 420 h 300 h 220 h 4375 h A tabela 2 descreve os estudos temáticos integradores obrigatórios para os alunos do curso de Engenharia de Computação, bem como os seus módulos componentes de ensino-aprendizagem.

11 Tabela 2. Estudos Temáticos ESTUDO TEMÁTICO MÓDULO C.H. 180 h ET1 - Introdução à M1.1 - Algoritmos e Programação I 60 h Computação M1.2 - Lógica para Computação 60 h M1.3 - Introdução aos Sistemas de Computação 60 h 180 h ET2 - Arquitetura e M2.1 - Circuitos Digitais 60 h Organização de Computadores M2.2 - Arquitetura de Computadores 60 h M2.3 - Arquitetura de Computadores Avançada 60 h 120 h ET3 Circuitos Eletrônicos M3.1 - Circuitos Elétricos 60 h M3.2 - Eletrônica Geral 60 h ET4 Programação ET5 - Engenharia de Software ET6 Concorrência e Conectividade ET7 - Algoritmos e Complexidade ET8 - Sinais e Sistemas Digitais e Analógicos ET9 Computação 180 h M4.1 - Algoritmos e Programação II 60 h M4.2 - Estruturas de Dados 60 h M4.3 - Estruturas Discretas 60 h 180 h M5.1 - Engenharia de Software 60 h M5.2 - Bancos de Dados 60 h M5.3 - Análise e Projeto de Sistemas 60 h 120 h M6.1 - Sistemas Operacionais 60 h M6.2 - Redes de Computadores 60 h 180 h M7.1 - Análise e Projeto de Algoritmos 60 h M7.2 - Métodos Numéricos 60 h M7.3 - Análise e Projeto de Algoritmos Avançados 60 h 120 h M8.1 - Eletrônica Digital 60 h M8.2 - Sinais e Sistemas 60 h 180 h M9.1 - Teoria da Computação 30 h M9.2 - Linguagens Formais e Autômatos 30 h M9.3 Compiladores 60 h M9.4 - Conceitos de Linguagens de Programação 60 h

12 5. Cumprimento das Diretrizes Curriculares O currículo proposto atende às diretrizes curriculares de Engenharia [MEC 2003b] bem como à proposta de diretrizes curriculares de Computação e Informática [MEC 2003a], aprovada pela Comissão de Especialistas de Ensino de Computação e Informática da SESu/MEC. Para que não houvesse excessiva carga horária no curso por seguir ambas as diretrizes, algumas decisões foram tomadas: conhecimentos acessórios porém requiridos nas diretrizes de Engenharia como Fenômenos de Transporte e Resistência dos Materiais tiveram sua carga horária reduzida a um mínimo; conhecimentos como comunicação e expressão, metodologia científica e tecnológica e expressão gráfica são temas transversais tratados durante todo o curso, não sendo necessárias disciplinas específicas; As áreas de formação tecnológica constantes da proposta de diretrizes de Computação e Informática são atendidas em abrangência na forma de componentes obrigatórios e em profundidade na forma de componentes optativos. Achamos, entretanto, diante da volatilidade das tecnologias e da criação de novas áreas, que a comunidade acadêmica deva repensar a necessidade de todas as área de formação tecnológica estarem contempladas na forma de componentes obrigatórios de um currículo; As áreas de formação humanística e complementar são contemplados na forma de duas disciplinas de tópicos (obrigatórias) e através de componentes optativos. 6. Conclusões A ousadia das propostas contidas no projeto curricular do Curso de Engenharia de Computação da Universidade Estadual de Feira de Santana é fruto da ânsia por encontrar soluções para problemas tradicionais de currículos da área de tecnologia. No entanto, há um risco de que essas idéias não venham a ser eficazes na solução desses problemas. Em um prazo máximo de cinco anos, quando a primeira turma deve terminar o curso, a experiência obtida no exercício dessas propostas poderá ser melhor avaliada. Referências BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares de Cursos das Áreas de Computação e Informática. 15 jan. 2003a. BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares para os Cursos de Engenharia. 15 jan. 2003b. SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMPUTAÇÃO. Currículo de Referência da SBC para Cursos de Graduação em Computação versão set THE BOYER COMMISSION ON EDUCATING UNDERGRADUATES IN THE RESEARCH UNIVERSITY. Reinventing Undergraduate Education: A Blueprint for America's Research Universities. Stony Brook, NY, 1998.

13 THE JOINT TASK FORCE ON COMPUTING CURRICULA. IEEE Computer Society & Association for Computing Machinery. Computing Curricula 2001: Computer Science. 13 fev UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. CÂMARA DE GRADUAÇÃO. Flexibilização Curricular : Pré-Proposta da Câmara de Graduação. Belo Horizonte, p. NUNES, D. J. (editor). Anais do III Curso de Qualidade de Cursos de Graduação da Área de Computação e Informática. Fortaleza : SBC, 2001, 480 p. il.

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. Título: Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Turno: Noturno

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR (Currículo 2006.2) Agosto de 2010 Hodiernamente não mais se concebe que a formação do futuro profissional

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Habilitação: Bacharel em Sistemas de Informação Cálculo I - 90 6 Lógica - Programação I - 90 6 1º. Fundamentos de Sistemas de Informação - Metodologia da Pesquisa - 30 2 Comunicação Empresarial - 30 2

Leia mais

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares

Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção DOCUMENTO NÃO CONCLUÍDO Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

Segundo Seminário Nacional Universidade Nova 29-31 de março de 2007 UnB/Brasília - DF

Segundo Seminário Nacional Universidade Nova 29-31 de março de 2007 UnB/Brasília - DF Segundo Seminário Nacional Universidade Nova 29-31 de março de 2007 UnB/Brasília - DF Inovações introduzidas pelo Plano Orientador da UnB de 1962 Egressos do ensino médio entram na universidade através

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: SISTEMAS DA INFORMAÇÃO MISSÃO DO CURSO Os avanços da ciência, a melhoria dos processos produtivos e a abertura de mercado, são exemplos de fatores que contribuíram

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

O Projeto Pedagógico Institucional e Projeto Pedagógico do Curso

O Projeto Pedagógico Institucional e Projeto Pedagógico do Curso O Projeto Pedagógico Institucional e Projeto Pedagógico do Curso Introdução * Sonia Pires Simoes O projeto pedagógico Institucional representa a linha pedagógica que a Instituição norteia para gerenciamento

Leia mais

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A P r ó - R e i t o r i a d e E n s i n o d e G r a d u a ç ã o Palácio da Reitoria - Rua Augusto Viana s/n - Canela - 40.110-060 - Salvador Bahia E-mails:

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO JANDAIA

Leia mais

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Engenharia de Software no Curso de Ciência da Computação

Engenharia de Software no Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software no Curso de Ciência da Vera Maria B. Werneck; Rosa Maria E. M. da Costa; Maria Clicia Stelling de Castro; Alexandre Sztajnberg; Paulo Eustáquio D. Pinto; Roseli S.Wedemann Departamento

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA FE/UNESP/BAURU

IMPLEMENTAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA FE/UNESP/BAURU IMPLEMENTAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA FE/UNESP/BAURU Naasson Pereira de Alcântara Junior naasson@feb.unesp.br Universidade Estadual Paulista-Unesp, Faculdade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

Curso: Bacharelado em Informática. Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Curso: Bacharelado em Informática. Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Curso: Bacharelado em Informática Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Informações Básicas do Currículo Duração Ideal 8 semestres Mínima 6 semestres Máxima 14 semestres Carga Horária Aula

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS O documento que serviu de base para a análise a seguir é o denominado "Diretrizes Curriculares

Leia mais

O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru

O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru Projeto Pedagógico e Estrutura Curricular Missão do Curso de Engenharia Elétrica da FE/Unesp/Bauru A formação continuada de Engenheiros

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM. Belo Horizonte

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM. Belo Horizonte MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEME MENTARES CURSO DE ENFERMAGEM Belo Horizonte 2013 ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 FINALIDADE... 3 3 DEVERES DO COORDENADOR EM RELAÇÃO AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES... 4 4 DEVERES

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação Comissão de Curso e NDE do BCC Fevereiro de 2015 Situação Legal do Curso Criação: Resolução CONSU no. 43, de 04/07/2007. Autorização: Portaria

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 75/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia de do Centro

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO Missão do Curso Formar profissionais de nível superior, com atuação na área de Tecnologia em Gestão Financeira, a partir da articulação das teorias que fundamentam

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Núcleo Docente Estruturante (NDE)

Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Núcleo Docente Estruturante (NDE) Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Núcleo Docente Estruturante (NDE) 20/05/2015 Agenda 1 2 3 4 5 6 Introdução e Motivação Resultados da

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

Bacharelado em Humanidades

Bacharelado em Humanidades UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Bacharelado em Humanidades 1. Perfil do Egresso Em consonância

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA Fernando César Almada Santos Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 36 / 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Línguas Estrangeiras

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Grades 2014/1-2014/2 2015/1

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Grades 2014/1-2014/2 2015/1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Grades 2014/1-2014/2 2015/1 INTRODUÇÃO As Atividades Complementares são consideradas componentes pedagógicos próprios ao processo de ensino aprendizagem,

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Gastronomia

Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Gastronomia Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Gastronomia Art. 1º - Compreende-se como Atividade Complementar toda e qualquer atividade que complemente a formação acadêmica oferecida pelas disciplinas

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

2. Cursos de Extensão

2. Cursos de Extensão 2. Cursos de Extensão Instituto Internacional de Cromatografia (IIC) APRESENTAÇÃO DOS CURSOS DE EXTENSÃO DO IIC O Instituto Internacional de Cromatografia (IIC) oferecerá no ano de 2011 as seguintes atividades

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

NOVA PROPOSTA DE MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - 2016

NOVA PROPOSTA DE MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - 2016 NOVA PROPOSTA DE MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - 2016 Diante da evolução de técnicas e ferramentas tecnológicas, aliado a novas necessidades curriculares,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE PEDRO II

PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE PEDRO II PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE PEDRO II CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO (LATO SENSU) LINGUAGEM E NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO CREDENCIADA PELA PORTARIA MEC Nº 1.096, DE 29/05/06 (Resolução CNE/CES nº 01/2007)

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Manual de Atividades Complementares

Manual de Atividades Complementares CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Manual de Atividades Complementares Belo Horizonte 1 Prezado(a) aluno(a): Este é o Manual de Atividades Complementar

Leia mais

Plano de Ensino. CARGA HORÀRIA: 60 horas. ANO/SEM DA TURMA: 4º Semestre TURNO: noturno TURMA: 22 EMENTA

Plano de Ensino. CARGA HORÀRIA: 60 horas. ANO/SEM DA TURMA: 4º Semestre TURNO: noturno TURMA: 22 EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Técnico em Informática FORMA/GRAU: ( )integrado ( X)subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

IRMÃO CAÇULA: ATENUAÇÃO DA EVASÃO NAS ENGENHARIAS DE ALIMENTOS E DE COMPUTAÇÃO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA

IRMÃO CAÇULA: ATENUAÇÃO DA EVASÃO NAS ENGENHARIAS DE ALIMENTOS E DE COMPUTAÇÃO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA IRMÃO CAÇULA: ATENUAÇÃO DA EVASÃO NAS ENGENHARIAS DE ALIMENTOS E DE COMPUTAÇÃO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Witã dos Santos Rocha witasrocha@gmail.com Estudante de Engenharia de Alimentos

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS COM ANDROID. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS COM ANDROID. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão Curso: Engenharia Civil SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da UNESA tem por missão formar Engenheiros Civis com sólida formação básica e profissional, alinhada com as diretrizes

Leia mais

Entre os elementos desejados no perfil dos egressos podem ser citados:

Entre os elementos desejados no perfil dos egressos podem ser citados: COMPETÊNCIAS E HABILIDADES Apesar do foco do curso de Engenharia de Computação da UCDB está na área de software, o profissional formado pelo curso de Engenharia da Computação deve adquirir as seguintes

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 026 / 94 Aprova o Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis em Nível de Mestrado, com área de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade Gerencial

Leia mais

UMA PROPOSTA DISCENTE DE AVALIAÇÃO SOBRE A FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NA UFJF. Elisângela Cristina dos Santos

UMA PROPOSTA DISCENTE DE AVALIAÇÃO SOBRE A FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NA UFJF. Elisângela Cristina dos Santos UMA PROPOSTA DISCENTE DE AVALIAÇÃO SOBRE A FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NA UFJF Elisângela Cristina dos Santos Rua Aladim Silva, 128 Bairro: Retiro, Juiz de Fora / MG - CEP: 36072-560 annaeorei@yahoo.com.br

Leia mais

Aprovado no CONGRAD: 10.08.10 Vigência: ingressos a partir de 2011/1

Aprovado no CONGRAD: 10.08.10 Vigência: ingressos a partir de 2011/1 Aprovado no CONGRAD: 10.08.10 Vigência: ingressos a partir de 2011/1 CÓD. 207 - CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Noite - Currículo nº 06 CÓD. 2509 - CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Manhã e Noite - Currículo

Leia mais

10/04/2015 regeral_133_146

10/04/2015 regeral_133_146 Seção VI Da Transferência Art. 96. A UNIR aceita transferência de discentes oriundos de outras instituições de educação superior, de cursos devidamente autorizados, para cursos afins, na hipótese de existência

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DE CURSO SEQUÊNCIAIS DE TOPOGRAFIA NAS ÁREAS DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS NA UFRPE

UMA PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DE CURSO SEQUÊNCIAIS DE TOPOGRAFIA NAS ÁREAS DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS NA UFRPE UMA PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DE CURSO SEQUÊNCIAIS DE TOPOGRAFIA NAS ÁREAS DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS NA UFRPE Fernando J. L. Botelho - fbotelho@elogica.com.br; UFRPE/UNICAP, DTR, Rua d. Manoel de Medeiros, s/n

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando que o projeto dos cursos

Leia mais

Gestão de Tecnologia da Informação e Comunicação

Gestão de Tecnologia da Informação e Comunicação Gestão de Tecnologia da Informação e Comunicação Curso autorizado pela Resolução nº 247-06/12/2010. Publicado:09/12/2010 SETEC/MEC Nota obtida na autorização: 4 Objetivos O Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO (BACHARELADO)

CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO (BACHARELADO) CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO (BACHARELADO) O Curso de Graduação em Turismo da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga foi reformulado no ano de 2008, tendo a proposta de adaptação do seu

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

SUBTOTALDOS SEMESTRES

SUBTOTALDOS SEMESTRES 1ª FASE Ord. Disciplina (Componente Curricular) Crédito(s) H/a Pré- Requisitos 01 Algoritmos e Programação 04 72-02 Sistemas de Informação 04 72-03 Fundamentos de Computação 04 72-04 Sistemas Operacionais

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES São Vicente 2011 INTRODUÇÃO As atividades complementares, também designadas como Atividades e Estudos Independentes, são consideradas componentes pedagógicos próprios

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral. Regulamento de Programa de Atividades Complementares

Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral. Regulamento de Programa de Atividades Complementares Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral Regulamento de Programa de Atividades Complementares Abril de 2010 SUMÁRIO Sumário INTRODUÇÃO... 3 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3

Leia mais