A Domain Engineering for Content Sharing Collaborative Features

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Domain Engineering for Content Sharing Collaborative Features"

Transcrição

1 A Domain Engineering for Content Sharing Collaborative Features Lucas Santos de Oliveira Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Software, R José Moreira Sobrinho, S/N (+55 73) ABSTRACT Researchers and developers still replicate ideas with low reuse when developing Web 2.0 applications. A domain engineering identify and document commonalities and variabilities of an application family fostering reuse. In this work, we used a domain engineering approach for content sharing features of social networks. We used as a method the FODA (Feature Oriented Domain Analysis) with patterns for computer-mediated interaction to describe the collaborative features and the 3C collaboration model to classify them. To implement the commonalities, a component kit was defined and developed, based on an infrastructure named Groupware Workbench. We conducted an experiment to evaluate the artifacts generated by the domain engineering. RESUMO Pesquisadores e desenvolvedores continuam replicando as ideias com pouco reúso, quando desenvolvem aplicações na Web 2.0. Como alternativa, uma engenharia de domínio identifica e documenta similaridades e variações de uma família de aplicações favorecendo o reúso. Neste trabalho, é feita uma engenharia de domínio em redes sociais na Web 2.0, com o foco nas funcionalidades colaborativas relativas ao compartilhamento de conteúdo. Usamos o método FODA (Feature Oriented Domain Analysis) adaptado com padrões de interação mediados por computador para descrever e o modelo 3C de colaboração para classificar as funcionalidades de colaboração. Para implementar as similaridades, um conjunto de componentes foi definido e desenvolvido com base na infraestrutura Groupware Workbench. Conduzimos um experimento para avaliar os artefatos gerados na engenharia de domínio. Categories and Subject Descriptors H.5.3 [Information Storage and Retrieval]: Group and Organization Interfaces computer-supported cooperative work, web-based interaction, collaborative computing, evaluation/methodology. Permission to make digital or hard copies of all or part of this work for personal or classroom use is granted without fee provided that copies are not made or distributed for profit or commercial advantage and that copies bear this notice and the full citation on the first page. To copy otherwise, or republish, to post on servers or to redistribute to lists, requires prior specific permission and/or a fee. WebMedia 12, October 15 18, 2012, São Paulo/SP, Brazil. Copyright 2012 ACM /12/10...$ Marco Aurélio Gerosa Universidade de São Paulo Instituto de Matemática e Estatística, R do Matão 1010 (+55 11) General Terms Documentation, Design. Keywords Domain Engineering, 3C Collaboration Model, Interaction Patterns, Social Networks, Web 2.0, Collaborative Systems, Groupware. 1. INTRODUÇÃO Empresas de internet que sobreviveram à crise pontocom de 2001 usavam a internet como plataforma, desenvolvendo sites colaborativos baseados em comunidades. Esse conceito foi chamado Web 2.0 [1]. Diferente do modelo anterior, em que empresas e anunciantes produzem conteúdo estático para acesso dos usuários, na Web 2.0, usuários produzem, organizam, compartilham, mesclam, criticam e atualizam conteúdos. De acordo com Prescott [2], o aumento do conteúdo na web é resultado da penetração da banda larga, web cam, celulares e câmeras pessoais. Esse conteúdo geralmente é compartilhado em redes sociais. No entanto, esses sites da web 2.0 contém diversas funcionalidades colaborativas recorrentes, que ficam entremeadas à lógica de negócio do sistema e normalmente são implementados sem reúso. Greenberg [3] posiciona o desenvolvimento de sistemas colaborativos na fase de replicação no modelo BRETAM [4], que descreve como uma tecnologia evolui ao longo do tempo. Nessa fase, os pesquisadores aproveitam as ideias uns dos outros, reimplementando-as, alterando-as e inovando. O processo de construção das ferramentas ainda não está bem estabelecido e há muitas incertezas e retrabalho. Greenberg [3] argumenta que a estagnação na fase de replicação do desenvolvimento de sistemas colaborativos é decorrente da falta de um ferramental que propicie o reúso e encapsulamento das complexidades técnicas e multidisciplinares características desse tipo de sistema. Esse cenário ilustra a necessidade de uma engenharia de domínio, para construção de componentes de software reusáveis, diminuindo a necessidade de reimplementação e focando na montagem do sistema. Este trabalho tem a seguinte estrutura: Na Seção 2 é apresentada a Engenharia de Domínio com suas etapas e seus principais métodos, detalhando o método FODA [5] utilizado neste trabalho. Na Seção 3 é mostrado os trabalhos relacionados e como esta proposta se diferencia ou os complementam. Na Seção 4 é apresentada uma engenharia de domínio, em que são levantadas as funcionalidades colaborativas relativas ao compartilhamento de conteúdo em redes sociais na Web 2.0. Foi utilizado o método FODA, estendida pelo Modelo 3C de Colaboração [6], para classificação, e padrões de interação mediados por computador [7] 343

2 para descrição das funcionalidades colaborativas. Para o desenvolvimento do kit de componentes, que possibilita a criação de redes sociais de compartilhamento de conteúdo, é utilizada a infraestrutura do Groupware Workbench [8]. Na Seção 5, como forma de avaliação dos artefatos gerados, é mostrado, de maneira sucinta, um experimento e um estudo de caso. Na Seção 6 são feitas as conclusões e as considerações finais. 2. ENGENHARIA DE DOMÍNIO Aplicações de um mesmo domínio possuem características em comum, podendo fazer uso dos mesmos processos e objetos, o que promove o reúso dos conceitos e funcionalidades. Para Ahorone e Reinhartz [9] um domínio é definido como um conjunto de aplicações que usam conceitos comuns para descrever requisitos, problemas e capacidades. O domínio é delimitado pela similaridade entre as aplicações [10]. Segundo Prieto-Diaz e Arango [11], a engenharia de domínio é o processo de identificação e organização do conhecimento sobre uma classe de problemas apoiando sua descrição e solução. Clements [12] afirma que o objetivo da engenharia de domínio é encontrar pontos comuns, identificar componentes aplicáveis e famílias de aplicações. Alaña e Rodriguez [13] apontam as atividades do processo de engenharia de domínio, que são divididas em: Análise do Domínio, Projeto do Domínio e Implementação de Domínio, que também aparecem em outros trabalhos como em [14] [10]. A análise de domínio tem por objetivo identificar, coletar e organizar informações relevantes, utilizando o conhecimento existente do domínio e os métodos para a modelagem de informações [5]. O projeto de domínio utiliza os resultados da análise do domínio para identificar e generalizar soluções para os requisitos comuns, por meio de especificação de uma arquitetura de software [15]. Para Blois [14], é a etapa em que modelos de projeto são construídos, com base nos modelos de análise, no conhecimento obtido por estudos a respeito de projeto reusável e arquiteturas de referência. Implementação do domínio inclui o desenvolvimento de componentes reusáveis [15] [10]. Essa fase visa construir os artefatos, baseados na modelagem do domínio e nas arquiteturas de referência propostas na atividade de projeto [14]. 2.1 FODA (Feature Oriented Domain Analysis) Muitos métodos de engenharia de domínio têm sido desenvolvidos com a finalidade de prover o reúso dos artefatos gerados. Alaña e Rodriguez [13] classificam os métodos em três grupos distintos: Métodos baseados na análise do domínio, cujo objetivo é analisar e modelar, para alcançar o reúso em partes similares do domínio. Alguns de seus métodos são ODM [16], FODA [5], FORM [17], FeatureRSEB [18], DARE [19] e Odyssey-DE [20]. Métodos de Linhas de Produtos, que têm sido estendidos ou conectados a outros para cobrir todo o processo de produção. Alguns de seus métodos são: FAST [10] e PuLSE [21]. Métodos de Engenharia de domínio e OOA/D combinam engenharia de domínio com projeto e análise orientados a conteúdo. Alguns dos seus métodos são: OOram [22], JODA [23] e RiDE [24]. FODA [5], desenvolvido no SEI (Software Engineering Institute), é o método de engenharia de domínio mais conhecido e um dos precursores dos demais. Ele é baseado na identificação, análise e documentação das principais funcionalidades dos sistemas; resultando em produtos de domínio genéricos e largamente aplicáveis em um domínio. A abordagem do método FODA é relevante do ponto de vista do desenvolvimento baseado em componentes, uma vez que a captura das funcionalidades relevantes ao domínio auxilia na identificação de possíveis componentes de software [14]. Utilizamos o método FODA porque é baseado na análise do domínio e não envolve questões de implementação e arquitetura, o que o tornou propício para nosso estudo, visto que não tivemos acesso aos detalhes internos de implementação das redes sociais analisadas. 2.2 Extensão do Método FODA para Web 2.0 Neste trabalho, para dar suporte à análise de funcionalidades colaborativas na Web 2.0, o método FODA foi estendido com o Modelo 3C de colaboração e padrões para interação mediada por computador, sendo este o diferencial com relação a outros métodos. O primeiro com o objetivo de classificar as funcionalidades colaborativas e o segundo para descrevê-las. Ellis et al. [25] foram um dos primeiros a utilizar as três dimensões do modelo 3C (comunicação, coordenação e cooperação) para classificação do suporte computacional à colaboração. Esse modelo é largamente utilizado na literatura de sistemas colaborativos. A comunicação envolve a troca de mensagens e a negociação de compromissos. Por intermédio da coordenação, as pessoas, as atividades e os recursos são gerenciados para lidar com conflitos e evitar a perda dos esforços de comunicação e cooperação. A cooperação é a produção conjunta dos membros do grupo em um espaço compartilhado, gerando e manipulando conteúdos de cooperação na realização das tarefas. Apesar da separação dessas atividades para fins de análise, a comunicação, a coordenação e a cooperação não são realizadas de maneira estanque e isolada [26]; são realizadas continuamente e iterativamente durante o trabalho em grupo [6]. Neste trabalho, adotamos o modelo 3C de colaboração para classificar e organizar as funcionalidades colaborativas. Uma vez classificadas, essas funcionalidades são mapeadas para componentes de software, que são usados para construção de sistemas colaborativos baseados nos requisitos de comunicação, coordenação e cooperação. Para classificar uma funcionalidade de compartilhamento de conteúdo em redes sociais, segundo o modelo 3C de colaboração, foram seguidos os seguintes critérios: Comunicação: quando a funcionalidade é utilizada pelas pessoas para trocarem mensagens e informações; Coordenação: quando a funcionalidade é utilizada pelas pessoas para gerenciamento do grupo, ou para estarem cientes das atividades e seus efeitos na colaboração; Cooperação: quando a funcionalidade é utilizada pelas pessoas para gerenciarem o espaço compartilhado ou interagirem com os conteúdos compartilhados. Baseado na linguagem de padrões e padrões de projeto de software, Schummer e Lukosch [7] propuseram os padrões para interação mediada por computador, que descrevem o apoio recorrente a interação em grupo baseado na seguinte estrutura: nome, figura sintetizadora, intenção, contexto, problema, cenário, sintomas, solução, dinâmicas, razão, verificar, pontos de perigo, usos conhecidos e padrões relacionados. Os padrões para interação possibilitam descrever as funcionalidades colaborativas, detalhando seu comportamento e uso, suprindo parte das 344

3 dificuldades de acesso aos fluxos de dados das redes sociais, que são utilizados na etapa de análise do domínio. 3. TRABALHOS RELACIONADOS SPLSCW2.0 [27] é uma engenharia de domínio para aplicações síncronas. Segundo Gaspar et al. [27] durante o desenvolvimento de aplicações para o projeto Tidia-Ae, observou-se a existência de vários pontos de interseção na construção de aplicações de colaboração síncronas para Web. Alguns desses pontos foram de imediata identificação, ainda na atividade de requisitos, como um serviço genérico de comunicação para troca de mensagens síncronas (SCS). Porém, outros pontos, como um framework de janelas ricas (RWIF), só foram identificados após a construção de um conjunto de aplicações. Os componentes identificados foram desenvolvidos utilizando a arquitetura do Tidia-Ae e possibilitou a criação de diversos sistemas compondo alguns dos componentes. Gadelha et al. [28] apresentam uma abordagem para solucionar alguns problemas identificados no desenvolvimento de Linha de Produtos de Groupware (LPG), que não cobre a atividade análise do domínio e das variabilidades e semelhanças do domínio. O principal objetivo dessa abordagem é desenvolver LPG incorporando os benefícios providos pelas Linhas de Produtos de Software. A análise da colaboração é realizada de acordo com o Modelo 3C de Colaboração e a análise do domínio é realizada conforme especificado no RUP 3C-Groupware [28]. Michalsky et al. [29] realizou uma análise do domínio para a Inteligência Coletiva na Web 2.0, considerando como ponto de partida o domínio do jornalismo online. Para representar o domínio, jornalismo online, foi avaliado um total de vinte sites de notícias online. Este trabalho pode ser parte do trabalho de Gadelha et al. [28], uma vez que a engenharia de domínio é parte da linha de produto de software. Já o de Michalsky et al. [29] tem um escopo menor e um domínio diferente deste trabalho. Não foram encontrados outros trabalhos de engenharia de domínio para groupware ou redes sociais na Web 2.0, em particular. 4. ANÁLISE DO DOMÍNIO A primeira atividade do método FODA é a análise do contexto, em que é definido o escopo do domínio, suscetível à produção de artefatos [5]. Neste trabalho, o domínio é definido como compartilhamento de conteúdo em Redes Sociais na Web 2.0. Uma rede social é caracterizada como um grupo de pessoas conectadas entre si por meio de relacionamentos ou serviços baseados na Web, em que os usuários constroem um perfil público, possuem uma lista de usuários conectados e navegam pelas listas de outros usuários [30]. Segundo McCann [31], dois terços dos usuários da internet utilizam redes sociais. Os principais usos dessas redes estão relacionados ao compartilhamento de conteúdo, que vem crescendo desde o primeiro estudo, em Entre os anos de 2008 e 2009 foi observado que 76% dos usuários de redes sociais fazem upload de fotos e 33% de vídeos. O estudo também mostra que 96% dos usuários visitam as páginas de seus amigos virtuais e cerca 66% atualizam seus próprios perfis. 4.1 Funcionalidades Colaborativas em Redes Sociais Seguindo os critérios de classificação das funcionalidades colaborativas, segundo o modelo 3C de colaboração, a Figura 1 ilustra a identificação das funcionalidades colaborativas no site Facebook (www.facebook.com). Os retângulos são elementos de comunicação, as elipses, coordenação, e as setas, cooperação. Como funcionalidade de comunicação, está identificada a possibilidade de comentário da imagem; como funcionalidade de coordenação, está identificada a denúncia de abuso na imagem e como funcionalidades de cooperação estão identificadas a marcação da foto, compartilhamento e avaliação. Figura 1. Funcionalidades mapeadas com base no modelo 3C Essa análise foi replicada em diversas outras redes sociais com o objetivo de levantar as funcionalidades relativas ao compartilhamento de conteúdo mais utilizadas e outras específicas de cada rede. A Figura 2 ilustra o mapeamento das funcionalidades nas diferentes redes sociais, classificadas de acordo com o modelo 3C de colaboração. As redes sociais foram escolhidas com base no ranking de classificação do site Alexa (www.alexa.com) e Wikipédia (www.wikipedia.com), que listam as redes mais acessadas e com maior número de usuários. Figura 2. Funcionalidades colaborativas nas redes sociais Foram identificadas 21 funcionalidades colaborativas relativas ao compartilhamento de conteúdo nas quinze redes sociais. Apenas uma funcionalidade foi classificada como de comunicação, quatro como coordenação, sendo que a mais recorrente foi atividades recentes, e dezesseis foram classificadas como cooperação, sendo que as mais recorrentes foram compartilhamento de objetos, descrição e upload. 345

4 A próxima atividade do método FODA é a Modelagem do Domínio, que consiste de três subatividades: Análise de Funcionalidades, Modelagem da Entidade Relacionamento e Análise Funcional. O objetivo da Análise das Funcionalidades é capturar, em um modelo, o entendimento dos usuários sobre as capacidades gerais das aplicações de um domínio [5]. Na Error! Reference source not found., são representadas essas funcionalidades utilizando uma árvore proposta pelo método FODA e adaptada de [28], em que são representadas funcionalidades colaborativas obrigatórias e opcionais. Suas derivações são alternativas ou exclusivas. Figura 4. Diagrama de classe das funcionalidades colaborativas Neste trabalho representamos as diferenças e semelhanças das funcionalidades de acordo com os padrões de interação propostos por Schummer e Lukosch [7]. A seguir é sumarizada a descrição do padrão Comentário. Por razões de espaço, os outros padrões estão disponíveis no website Comentário: Figura 5. Comentário com emoticons Figura 3.Árvore de funcionalidades colaborativas A Modelagem Entidade Relacionamento captura e define o conhecimento do domínio que é essencial para implementação de aplicações [5]. Neste trabalho utilizamos o diagrama de classe em vez de entidade relacionamento, por ser mais representativo e atual. A Figura 4 exemplifica o diagrama de classe das funcionalidades colaborativas e o relacionamento entre elas. Figura 6. Comentário sem emoticons Intenção: Possibilita ao usuário fazer uma observação sobre um determinado artefato. Contexto: Usuário está utilizando uma ferramenta colaborativa e deseja deixar sua opinião sobre um artefato. Problema: Usuários querem deixar sua contribuição a respeito de um conteúdo para outras pessoas, mas a ferramenta não disponibiliza um mecanismo que possibilite essa contribuição. 346

5 Cenário: João está em uma rede social e achou interessante uma imagem da igreja de sua cidade e decidiu comentar alguns fatos históricos da construção, mas não achou um lugar para deixar sua contribuição. Sintomas: Este padrão deve ser considerado quando: -Deseja-se que os usuários do sistema contribuam, textualmente, sobre os conteúdos compartilhados. -Quando se deseja que haja uma discussão a respeito do conteúdo. Solução: Integrar um mecanismo de comentários que possibilite o usuário deixar sua contribuição e iniciar uma discussão sobre do conteúdo compartilhado. Dinâmicas: O usuário escreve o texto em campo específico para comentários, podendo adicionar recursos visuais para melhor expressar sua opinião. Após essa etapa, clica no botão de enviar mensagem, aparecendo sua contribuição na lista de discussão. Outros usuários podem acrescentar ou discordar das opiniões através de réplica. Razões: O padrão comentário provê um fácil e rápido mecanismo de contribuição textual para os usuários. Verificar: quando aplicar este padrão devem ser respondidas as questões: -A aplicação permitirá réplicas dos comentários? -Onde será alocado na interface? -Terá apenas recursos textuais? Pontos de perigo: Ter cuidado ao escolher o tipo de texto que será usado no seu comentário e como ele será processado. Pode ocorrer de pessoas colocarem códigos maliciosos no comentário, que podem afetar a estabilidade e segurança do sistema. Usos conhecidos: Facebook, Orkut, Fotolog e DeviantArt. Padrões relacionados: -Fórum: descreve como os usuários podem discutir textualmente sobre um tópico específico. -Thread de discussão: ajuda encontrar mensagens relacionadas quando usuários replicam um comentário existente. -Anotação: possibilita ao usuário criar lembretes ou comentários sobre um artefato. 4.2 Implementação do Domínio A última atividade do método FODA é a modelagem da arquitetura, que provê uma solução de software para os problemas definidos na atividade de modelagem do domínio. Um modelo de arquitetura (também conhecido como arquitetura de referência) é desenvolvido nessa atividade. Um projeto detalhado e a construção dos componentes são baseados nesse modelo [5]. Para este trabalho, tanto para arquitetura quanto para construção dos componentes, é utilizada a plataforma Groupware Workbench [8]. Ela provê um kit de componentes e uma infraestrutura de execução para sistemas colaborativos na Web 2.0. A tecnologia de componentes é vista como apropriada para o desenvolvimento de groupware e há diversos sistemas e plataformas que disponibilizam blocos modulares e relativamente independentes para a construção das aplicações colaborativas [32]. Algumas delas são [33], [34]. O Groupware Workbench estrutura as aplicações, nele desenvolvidas, utilizando componentes chamados collablets, que representam uma parte da aplicação, podendo ser acoplados e desacoplados uns dos outros em tempo de implantação ou mesmo de execução. Cada collablet é composto por algumas classes Java, a saber: entidades, uma implementação da interface de negócio (business) e controladores (controllers). Na camada de apresentação, utilizam-se páginas Java Server Pages (JSP) e alguns widgets de interface gráfica codificados como tagfiles (tagfiles são trechos de código JSP reutilizáveis armazenados em arquivos com a extensão.tag). Toda aplicação tem um collablet principal, que representa o ponto de entrada da aplicação e gerencia todos os demais componentes por meio de subordinação e dependência. Também, há uma ferramenta gráfica para montagem de aplicações, que reconhece os componentes instalados e possibilita compor essas aplicações sem a necessidade de alterar código Java. Nesta proposta, adotou-se o mapeamento um para um entre a funcionalidade levantada na análise do domínio e o componente que a implementa. Como exemplo de implementação utilizando o Groupware Workbench, é descrita a implementação da funcionalidade comentário instanciada como o collablet commentmgr, mostrada na Figura 7. Figura 7. Componente commentmgr O commentmgr implementa dois widgets de interface, um para atribuir um comentário de um usuário a um conteúdo, e outro, que retorna a lista de comentários atribuídas a esse conteúdo. Os widgets são inseridos na página JSP do Collablet, como por exemplo, um gerenciador de fotos, adicionando os trechos de código em JSTL. A parte inferior da Figura 8 exemplifica o uso dos widgets do commentmgr. Juntamente com o componente commentmgr estão compondo essa interface os collablets tag, countermgr, usermgr, searchmgr, descriptionmgr e photomgr. 347

6 Figura 8. Componente de comentário do Arquigrafia Brasil As variabilidades das funcionalidades colaborativas identificadas na etapa de análise do domínio são tratadas nesse trabalho por meio de widgets de interface ou XML de configuração. Por exemplo, para a variação componente comentário com emoticons, será necessário implementar um widget de interface que provê essa característica, sem a necessidade de alterar a infraestrutura do componente. 5. AVALIAÇÃO Para a avaliação da engenharia de domínio foi realizado um estudo experimental dividido em duas etapas, uma para avaliar a abrangência do modelo e as descrições dos padrões e outra para avaliar a facilidade de uso e utilidade dos artefatos. Tendo como base os artefatos gerados na engenharia de domínio temos como objetivos de avaliação as seguintes perguntas: Abrangência: Há funcionalidades colaborativas relativas ao compartilhamento de conteúdo nas Redes Sociais que não foram levantadas na engenharia de domínio? Utilidade das funcionalidades levantadas: Os desenvolvedores entendem os artefatos disponibilizados? Os desenvolvedores conseguem usar os artefatos? Os desenvolvedores consideram os artefatos úteis? O experimento foi dividido em duas etapas, realizadas com 9 alunos do curso de Tópicos Especiais em Desenvolvimento para Web ministrado para a graduação e pós-graduação em Ciência da Computação do IME/USP. Na primeira etapa, foi disponibilizado um questionário contendo questões sobre o grau de escolaridade e experiência no uso de redes sociais. Após o preenchimento, foi solicitado que os desenvolvedores levantassem e avaliassem funcionalidades colaborativas nas redes sociais. Ao fim dessa atividade foi passada uma lista com sete funcionalidades colaborativas, com suas respectivas descrições, para que eles lessem os padrões e tentassem identifica-los em uma rede social. Também avaliaram a facilidade de uso, detalhamento e facilidade de identificação. Na segunda etapa do experimento, foi passado um questionário para levantar os dados sobre a experiência no desenvolvimento Web, em seguida os desenvolvedores foram separados em dois grupos e tiveram de adicionar duas funcionalidades colaborativas, comentário e tags, no sistema de FAQ desenvolvido no Groupware Workbench e outro desenvolvido utilizando o método tradicional de desenvolvimento Web. Ao termino da primeira hora e dez minutos (meia aula) ou quando terminaram a primeira atividade, os grupos inverteram e iniciaram a segunda atividade. Ao final foi passado um segundo questionário com perguntas relativas à execução do experimento, para que os desenvolvedores avaliassem os artefatos utilizados de acordo com a facilidade de uso e a utilidade. Com relação ao design de experimento, o contexto supõe o processo off-line, porque os alunos não foram avaliados durante todo o tempo do curso, mas em determinado momento. O estudo é modelado porque as atividades executadas pelos alunos não foram realizadas durante a resolução de um problema real, mas utilizando dois experimentos controlados executados em algumas redes sociais e artefatos da engenharia de domínio previamente estabelecidos. Para a seleção dos indivíduos, foi proposto um questionário com objetivo de caracterizar a formação dos desenvolvedores do ponto de vista acadêmico e profissional, servindo como dados para seleção dos participantes, análise e redução de viés. Os critérios para inclusão do participante no experimento foram: Na primeira etapa, eles deveriam fazer parte de, pelo menos, uma rede social, utilizasse uma vez por semana e compartilhassem algum conteúdo. Na segunda etapa deveriam ter, pelo menos, noção em desenvolvimento Web, JSP e Java. Com relação às variáveis, foram levados em consideração como variáveis independentes a escolaridade e experiência dos desenvolvedores, coletados por meio do questionário, e os artefatos gerados na engenharia de domínio. Como variáveis dependentes, foram levados em consideração o grau de similaridade entre as funcionalidades colaborativas levantadas pelos desenvolvedores e as levantadas neste trabalho, o grau de entendimento dos artefatos gerados na engenharia de domínio, o grau de facilidade de uso dos artefatos gerados na engenharia de domínio, o grau de utilidade dos artefatos gerados na engenharia de domínio e o tempo gasto no desenvolvimento das aplicações. A seguir são mostrados alguns pontos que podem ameaçar a validade do experimento. Validade interna: é dependente do número de desenvolvedores. Para executar o experimento pressupomos utilizar entre 7 a 15 desenvolvedores para assegurar a validade interna. Validade de conclusão: para as conclusões do experimento, foi utilizada estatística descritiva, que procura descrever e avaliar certo grupo, sem tirar quaisquer inferências ou conclusões sobre um grupo maior. Validade de construção: escolhemos um domínio de aplicação amplamente conhecido, sistemas Web, que neutraliza o efeito da experiência dos participantes no domínio. Essa escolha evita que experiências anteriores gerem uma interpretação incorreta do impacto das técnicas propostas. Validação externa: alguns indivíduos podem realizar o experimento de forma desleixada, sem um interesse verdadeiro na realização das atividades assim como pode acontecer em uma 348

7 escala industrial. A validade externa do estudo é considerada suficiente, visto que o objetivo foi avaliar a engenharia de domínio realizada do ponto de vista da abrangência, utilidade e facilidade de uso. Utilizando o formato GQM [35], o objetivo do experimento foi: Analisar a engenharia de domínio realizada Com o propósito de avaliar Com respeito à abrangência, facilidade de uso e utilidade Do ponto de vista dos desenvolvedores de software colaborativo No contexto de alunos da disciplina de Tópicos Especiais em Desenvolvimento para Web. Questões Q1: Há funcionalidades colaborativas relativas ao compartilhamento de conteúdo em redes sociais que não foram levantadas na engenharia de domínio? Q2: Os desenvolvedores entendem os artefatos gerados na engenharia de domínio? Q3: Os desenvolvedores conseguem utilizar os artefatos gerados na engenharia de domínio para construírem um novo sistema? Q4: Os desenvolvedores consideram os artefatos úteis? Métricas Métrica M1-(Q1): A lista de funcionalidades levantadas pelos desenvolvedores que não foram identificadas na engenharia de domínio realizada. Métrica M2-(Q2): Porcentagem de padrões de interação que os desenvolvedores avaliam como fáceis de entender. Métrica M3-(Q2): Porcentagem de padrões de interação que os desenvolvedores avaliam como fáceis de identificar em outras redes sociais. Métrica M4-(Q3): Quantidade de desenvolvedores que conseguem realizar a atividade proposta dentro do tempo de duas horas e vinte minutos com dois componentes. Métrica M5-(Q3): Porcentagem dos desenvolvedores que avaliam positivamente os artefatos quanto à facilidade de utilização. Métrica M6-(Q4): Porcentagem dos desenvolvedores que avaliam positivamente os artefatos quanto à utilidade. Analisando os dados coletados, obtemos: Para a Questão 1, as funcionalidades colaborativas são equivalentes às encontradas neste trabalho e não houve registro de uma nova funcionalidade colaborativa. Para a Questão 2, 92% dos padrões de colaboração são considerados fáceis de entender e 87% dos padrões são fáceis de identificar. No entanto, alguns desenvolvedores apontaram dificuldade de entendimento dos seguintes padrões: descrição, estatísticas, upload, marcar e categoria. Para Questão 3, todos os desenvolvedores realizaram o experimento, no entanto, menos de 80% avaliaram os artefatos como fáceis de usar, rejeitando a hipótese. Para a Questão 4, quase todos avaliaram como usável, apenas um desenvolvedor avaliou como neutro. Baseado no experimento, concluímos que os desenvolvedores identificaram as mesmas funcionalidades colaborativas deste trabalho, entendem as descrições das funcionalidades e as classificam como usáveis, mas a usabilidade dos artefatos precisa ser melhorada. Outra forma de avaliação, no entanto, menos formal, foi o estudo de caso Arquigrafia Brasil [36], que é uma rede social para estudo colaborativo da arquitetura brasileira, que tem por objetivo oferecer um amplo acervo público digital de imagens originais da arquitetura brasileira, ainda inexistente, cedidas e catalogadas pelos próprios usuários. Nesse estudo de caso, é avaliado se os artefatos produzidos na engenharia de domínio são suficientes para a construção de uma rede social. Depois de várias reuniões de brainstorm e outras de levantamento e comparação de funcionalidades identificadas nos grupos foco, realizados com profissionais, especialistas fotógrafos e estudantes de arquitetura, concluímos que as funcionalidades identificadas nesta engenharia de domínio cobre grande parte dos requisitos funcionais utilizados na construção da rede social Arquigrafia Brasil. 6. CONCLUSÃO A Web 2.0 aumentou a possibilidade de expressão e socialização por meio das ferramentas de comunicação mediada pelo computador. Os usuários não apenas modificam o conteúdo das páginas, como também o organizam, compartilham, criticam e atualizam. Neste trabalho foi proposta uma engenharia de domínio para construção de componentes de software, diminuindo a necessidade de reimplementação e focando na montagem de sistema colaborativos. Para este trabalho, o domínio foi as redes sociais na Web 2.0, com o foco nas funcionalidades colaborativas em torno do compartilhamento de conteúdo dessas redes. Para realizar essa engenharia de domínio, foi utilizada uma adaptação do método FODA. Na atividade de análise do domínio foi utilizado o modelo 3C de colaboração [25], que classifica as funcionalidades de acordo com sua função (comunicação, coordenação ou cooperação). Ainda nessa atividade foi feita a descrição das funcionalidades com o uso dos padrões propostos por Schummer e Lukosch [7]. Essa adaptação facilitou a organização e a descrição dos artefatos gerados na engenharia de domínio. O Groupware Workbench foi usado nas atividades de projeto e implementação do domínio para desenvolver os componentes de software colaborativos. Como avaliação dos artefatos gerados na engenharia de domínio, foram realizados um experimento e um estudo de caso. O primeiro avaliou a facilidade de uso, utilidade e entendimento dos artefatos gerados; o segundo, a aplicação desses artefatos em um contexto real, a rede social Arquigrafia Brasil. Desenvolvedores avaliaram os artefatos como usáveis e fáceis de entender. Para o caso de uso, concluímos que a engenharia de domínio realizada cobriu as funcionalidades, previamente identificas independentemente nos grupos foco e nas reuniões de exploração de ideias. Também, essas funcionalidades colaborativas mostraram um grande potencial de reúso em outros domínios, como, por exemplo, jornalismo online [29]. REFERÊNCIAS [1] O'Reilly, T What is Web 2.0: Design patterns and business models for the next generation of software. [2] Prescott, L Hiwise US consumer generated media report. Hitwise, fev. [3] Greenberg, S Toolkits and interface creativity. Springer Science + Business Media. 349

8 [4] Gaines, B Modeling and forecasting the information sciences. Information Sciences 57/58, p [5] Kang, K. C.; Cohen, S. G.; Hess, J. A.; Novak, W. E.; Peterson, A. S Feature-Oriented Domain Analysis (FODA) Feasibility Study. CMU/SEI. [6] Fuks, H.; Raposo, A. B.; Gerosa, M. A.; Lucena, C. J. P Applying the 3C Model to Groupware Development. International Journal of Cooperative Information Systems (IJCIS), v. 14, n. 2-3, p [7] Schummer, T.; Lukosch, S Patterns for Computer- Mediated Interaction. John Wiley & Sons Ltd. [8] Groupware Workbench Groupware Workbench, Disponivel em: <www.groupwareworkbench.org.br>. [9] Aharoni, A.; Reinhartz-Berger, I A Domain Engineering Approach for Situational Method Engineering. University of Haifa. [10] Harsu, M A survey on domain engineering. Institute of Software Systems Tampere University of Technology. [11] Prieto-Diaz, R.; Arango, G Domain Analysis Concepts and Research Directions". In: Prieto-Diaz, R., Arango, G. (eds), Domain Analysis and Software Systems Modeling. IEEE Computer Society Press. [12] Clements, P. C Successful Product Line Engineering Requires More Than Reuse. Software Engineering Institute Carnegie Mellon University. [13] Alaña, E.; Rodriguez, A. I Domain Engineering Methodologies Survey. GMV Inovvating Solutions. [14] Terra, A. P Uma Abordagem de projeto arquitetural baseado em componentes no contexto de Engenharia de Domínio. COPPE/UFRJ, 207 p. [15] Lima, C. M.; Marciel, R. M A Engenharia de Domínio e o Desenvolvimento Baseado em Componentes. In: Desenvolvimento Baseado em Componentes, Conceitos e Técnicas. Editora Ciência Moderna. [16] Simos, M Organization domain modeling and oo analysis and design: Distinctions, integration, new directions. STJA 97 Conf. Proc, [17] Kang, K. C.; Kima, S.; Lee, J.; Kim, K.; Shin, E.; Huh, M FORM: A feature-oriented reuse method with domainspecific reference architectures. Annals of Software Engineering 5. [18] Griss, M. L.; Favaro, J.; D'alessandro, M Integrating Feature Modeling with the RSEB. [19] Frakes, W.; Prieto-Diaz, R.; Fox, C.Dare: Domain analysis and reuse environment. Ann. Softw. Eng., p , ISSN [20] Braga, R. M. M Busca e recuperacão de componentes em ambientes de reutilizacão de software. Rio de Janeiro. [21] Bayer, J. et al Pulse: a methodology to develop software product lines. Proceedings of the 1999 symposium on Software reusability, New York, [22] Hoeydalsvik, G. M OORAM: Object-Oriented Role Analysis and Modeling. Somerset: Wiley-QED Publishing, p. [23] Holibaugh, R Joint Integrated Avionics Working Group (JIAWG) Object-Oriented Domain Analysis Method (JODA). Carnegie Mellon University. [24] DE, E. S RiDE: The RiSE Process for Domain Engineering. Ph.D. Thesis in Computer Science, UFPE. [25] Ellis, C. A.; Gibbs, S. J.; Rein, G. L Groupware - Some Issues and Experiences. Communications of the ACM, v p. [26] Gerosa, M. A.; Pimentel, M.; Fuks, H.; Lucena, C. J. P Development of Groupware based on the 3C Collaboration Model and Component Technology. 12th International Workshop on Groupware CRIWG Valladolid: Lecture Notes on Computer Science LNCS.. p [27] Gaspar, T. C.; Yaguinuma, C. A.; Do, A. F Software product lines for Web 2.0 synchronous collaboration. WebMedia '09 Proceedings of the XV Brazilian Symposium on Multimedia and the Web. [28] Gadelha, B.; Cirilo, E.; Fuks, H.; P., C. J.; Castro, A.; Gerosa, M. A Uma Abordagem para o Desenvolvimento de Linhas de Produto de Groupware Baseados em Componentes Utilizando o Groupware Workbench. SBSC. [29] Michalsky, S.; Sonco, E. Z.; Gerosa, M. A A Inteligência Coletiva na Web: Uma Análise de Domínio para o Jornalismo Online. Simpósio Brasileiro de Sistemas Multimídia e Web - WebMedia, v. II, p [30] Kazienko, P.; Musial, K Social Capital in Online Social Networks, v. 4252, p [31] Universal Mcann Power to the people - social media tracker wave 4. Universal McAnn. [32] Gerosa, M. A Desenvolvimento de groupware componentizado com base no modelo 3C de colaboração. PUC- Rio. [33] Hill, J.; Gutwin, C he maui toolkit: Groupware widgets for group awareness. Computer Supported Cooperative Work (CSCW), [34] Roseman, M.; Yitbarek, S.; Greenberg., S Groupkit tutorial. Included in the public domain Groupkit distribution, cpsc. ucalgary. [35] Solingen, R. V.; Berghout, E The Goal/Question/Metric Method A Practical Guide for Quality Improvement of Software Development. McGraw Hill, 198 p. [36] Rozestraten, A. S. et al Rede Social Arquigrafia- Brasil: Design de um ambiente online baseado em transdisciplinaridade e colaboração. VII Simpósio Brasileiro de Sistemas Colaborativos, Anais do SBSC 2010, v. II. 350

Uma Abordagem de Engenharia de Requisitos Para Linhas de Produtos de Software

Uma Abordagem de Engenharia de Requisitos Para Linhas de Produtos de Software Uma Abordagem de Engenharia de Requisitos Para Linhas de Produtos de Software Gabriela Guedes de Souza, Jaelson Castro e Carla Silva ggs@cin.ufpe.br, jbc@cin.ufpe.br, carla@dce.ufpb.br DEPARTAMENTO DE

Leia mais

Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes

Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes Ana Paula Blois 1, 2, Karin Becker 2, Cláudia Werner 1 1 COPPE/UFRJ, Universidade Federal do Rio de Janeiro,

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Componentes de Software e Criatividade no Desenvolvimento de Sistemas Colaborativos. Marco Aurélio Gerosa gerosa@ime.usp.br

Componentes de Software e Criatividade no Desenvolvimento de Sistemas Colaborativos. Marco Aurélio Gerosa gerosa@ime.usp.br Componentes de Software e Criatividade no Desenvolvimento de Sistemas Colaborativos Marco Aurélio Gerosa gerosa@ime.usp.br Marco A. Gerosa Palestra IC/UNICAMP Sumário Sistemas colaborativos Desenvolvimento

Leia mais

Lucas Santos de Oliveira

Lucas Santos de Oliveira Funcionalidades colaborativas no compartilhamento de conteúdo em redes sociais na Web 2.0: Uma engenharia de domínio baseada no modelo 3C de colaboração Lucas Santos de Oliveira Dissertação apresentada

Leia mais

Sistemas Cooperativos

Sistemas Cooperativos Comércio Eletrônico e Sistemas Cooperativos Sistemas Cooperativos Prof. Hélio de Sousa Lima Filho helio.slfilho@hotmail.com 1. Definição Sistemas mais dinâmicos Exige maior interação entre os usuários

Leia mais

Engenharia de Domínio baseada na Reengenharia de Sistemas Legados

Engenharia de Domínio baseada na Reengenharia de Sistemas Legados 1021 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Engenharia de Domínio baseada na Reengenharia de Sistemas Legados Cássia Zottis¹, Profa. Dra. Ana Paula Terra Bacelo 1 (orientadora) 1 Faculdade de Informática,

Leia mais

7 Trabalhos Relacionados A idéia é tentar dar todas as informações que ajudem os outros a julgar o valor da sua contribuição; não apenas as informações que levem o julgamento a uma direção em particular.

Leia mais

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013.

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013. Curso de atualização Educação Integral e Integrada Tutorial Moodle Belo Horizonte, 2013. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACESSANDO O AMBIENTE... 4 3. CONHECENDO O AMBIENTE... 5 3.1. CAIXAS DE UTILIDADES... 5 4.

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Análise qualitativa sobre as metodologias do desenvolvimento de software em product in line.

Análise qualitativa sobre as metodologias do desenvolvimento de software em product in line. Relatório do GPES UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Relatório referente à pesquisa preliminar da análise qualitativa sobre as metodologias de desenvolvimento de software baseado em product in

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

Padrões de projeto 1

Padrões de projeto 1 Padrões de projeto 1 Design Orientado Objeto Encapsulamento Herança Polimorfismo Design Patterns 2 Responsabilidades Booch e Rumbaugh Responsabilidade é um contrato ou obrigação de um tipo ou classe. Dois

Leia mais

Usando RDL para Derivação de Produtos em uma Linha de Produtos de Software

Usando RDL para Derivação de Produtos em uma Linha de Produtos de Software Usando RDL para Derivação de Produtos em uma Linha de Produtos de Software Juliano Dantas Santos Universidade Federal do Rio de Janeiro COPPE - Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Customização de Software como um Meio para o Desenvolvimento de Sistemas de Software

Customização de Software como um Meio para o Desenvolvimento de Sistemas de Software Customização de Software como um Meio para o Desenvolvimento de Sistemas de Software Thiago Bianchi 1 Elisa Yumi Nakagawa 2 1 IBM - International Business Machines 04753-080, São Paulo, SP, Brazil tbianchi@br.ibm.com

Leia mais

Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento

Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento Marco Antonio De Grandi, Valter Vieira de Camargo, Edmundo Sérgio Spoto Centro Universitário Eurípides de Marília

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Padrões de Projeto Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Apresentação Conceitos Definição Ponto de vista prático História Padrões de Projeto Conhecidos

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web } Com o forte crescimento do comércio eletrônico por

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA

2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA 2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA Neste capítulo faremos uma breve descrição de algumas plataformas para ensino a distância e as vantagens e desvantagens de cada uma. No final do capítulo apresentamos

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

MARACATU. A component search tool. Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes

MARACATU. A component search tool. Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes MARACATU A component search tool Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes Vinicius Cardoso Garcia July 29, 2005 Agenda Introdução Especificação

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

CAPÍTULO 4. AG8 Informática

CAPÍTULO 4. AG8 Informática 2ª PARTE CAPÍTULO 4 Este capítulo têm como objetivo: 1. Tratar das etapas do projeto de um Website 2. Quais os profissionais envolvidos 3. Administração do site 4. Dicas para não cometer erros graves na

Leia mais

O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável

O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável MAC5715 - Tópicos Avançados em POO O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável Raphael Y. de Camargo e Carlos Alexandre Queiroz 30 de outubro de 2003 1 Intenção O padrão auto-adaptável permite o desenvolvimento

Leia mais

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Frameworks Pasteur Ottoni de Miranda Junior 1-Definição Apesar do avanço das técnicas de desenvolvimento de software, a construção de software ainda é um processo extremamente complexo.a reutilização tem

Leia mais

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Discutindo a visibilidade da EaD Pública no Brasil USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Priscilla Márcia Scarpelli Bastos 1, Diogo Marcos de

Leia mais

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Departamento de Sistemas de Informação PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE Denise Xavier Fortes Paulo Afonso BA Agosto/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PERFIS FUNCIONAIS...

Leia mais

ABCTool - Uma Ferramenta para Cooperação Baseada na Arquitetura do Sistema

ABCTool - Uma Ferramenta para Cooperação Baseada na Arquitetura do Sistema ABCTool - Uma Ferramenta para Cooperação Baseada na Arquitetura do Sistema Cynthia Maria Silva de Barros Mestranda do PPGEE-PUC-Minas* cmsbarros@zipmail.com.br Carlos Alberto Marques Pietrobon Professor-Orientador

Leia mais

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Exemplos. Protocolos e Artefatos de Coordenação

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Exemplos. Protocolos e Artefatos de Coordenação Groupware Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br Tecnologia computacional para auxiliar o trabalho cooperativo Mas Como o trabalho cooperativo é executado? Como

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

PADRÕES DE SOFTWARE. Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade. Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS.

PADRÕES DE SOFTWARE. Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade. Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS. PADRÕES DE SOFTWARE 1 Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS.UECE) Julho-2009 CONTEÚDO Introdução aos Padrões de Software O quê são padrões?

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

V Workshop Anual do MPS - WAMPS 2009 Estudo de Viabilidade de Domínio para Avaliar o Potencial da Organização Quanto à Implementação do Processo Desenvolvimento para Reutilização do MR-MPS MPS Mylene Lisbôa

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle No INSEP, o ambiente virtual de aprendizagem oferecido ao acadêmico é o MOODLE. A utilização dessa ferramenta é fundamental para o sucesso das atividades em EAD,

Leia mais

Documento de Arquitetura

Documento de Arquitetura Documento de Arquitetura A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO #1 Pág. 1 de 11 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 28/10/2010 1 Elaboração do documento

Leia mais

2 Trabalho e Aprendizado em Grupo

2 Trabalho e Aprendizado em Grupo 2 Trabalho e Aprendizado em Grupo Uma crescente parte do trabalho das empresas e instituições não é mais realizada individualmente, com uma pessoa trabalhando sozinha até completar as tarefas. O trabalho

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Relatório Apresentação Java Server Pages Adolfo Peixinho nº4067 Nuno Reis nº 3955 Índice O que é uma aplicação Web?... 3 Tecnologia Java EE... 4 Ciclo de Vida de uma Aplicação

Leia mais

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 3.4 1º de julho de 2013 Novell Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho

Leia mais

CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE

CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE Tathiana da Silva Barrére Antonio Francisco do Prado Vitor César Bonafe E-mail: (tathiana,prado,bonafe)@dc.ufscar.br

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA RESUMO Ricardo Della Libera Marzochi A introdução ao Service Component Architecture (SCA) diz respeito ao estudo dos principais fundamentos

Leia mais

02/10/2012. Padronização de interfaces. Referências

02/10/2012. Padronização de interfaces. Referências Referências Engenharia de Usabilidade Prof.: Clarindo Isaías Pereira da Silva e Pádua Contribuição: Cláudio Márcio de Souza Vicente Gestus Hix, D.; Hartson, H. R. Developing User Interfaces: ensuring usability

Leia mais

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Engenharia de Software Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/08/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Agenda Introdução à Engenharia

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

UML & Padrões Aula 7. UML & Padrões - Profª Kelly C C Silva

UML & Padrões Aula 7. UML & Padrões - Profª Kelly C C Silva UML & Padrões Aula 7 UML & Padrões - Profª Kelly C C Silva Divisão das classes do Modelo de Análise Jacobson propõe a divisão das classes do Modelo de Análise de acordo com os seguintes estereótipos: entidades

Leia mais

Tutorial Moodle Visão do Aluno

Tutorial Moodle Visão do Aluno Tutorial Moodle Visão do Aluno A P R E S E N T A Ç Ã O A sigla MOODLE significa (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment), em inglês MOODLE é um verbo que descreve a ação ao realizar com gosto

Leia mais

GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL

GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL Ambiente Virtual de Aprendizagem - MOODLE GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL http://salavirtual.faculdadesaoluiz.edu.br SUMÁRIO 1. Acessando Turmas 4 2. Inserindo Material 4 3. Enviando Mensagem aos Alunos 6

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

Studio 5000 Logix Designer Automação Produtiva

Studio 5000 Logix Designer Automação Produtiva Studio 5000 Logix Designer Automação Produtiva PUBLIC INFORMATION Rev 5058-CO900E Copyright 2014 Rockwell Automation, Inc. All Rights Reserved. Projetando para Automação Produtiva Ambiente de Projeto Completo

Leia mais

Novell Teaming 2.0. Novell. 29 de julho de 2009. Início Rápido. Iniciando o Novell Teaming. Conhecendo a interface do Novell Teaming e seus recursos

Novell Teaming 2.0. Novell. 29 de julho de 2009. Início Rápido. Iniciando o Novell Teaming. Conhecendo a interface do Novell Teaming e seus recursos Novell Teaming 2.0 29 de julho de 2009 Novell Início Rápido Quando você começa a usar o Novell Teaming, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho

Leia mais

Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações

Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações Laboratório de Engenharia de Software Departamento de Sistemas de Computação Universidade de São Paulo Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações Seiji Isotani sisotani@icmc.usp.br Contextualização

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

EN1002 Engenharia Unificada I. FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas

EN1002 Engenharia Unificada I. FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas EN1002 Engenharia Unificada I FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas Conteúdo da Apresentação Formas de comunicação em Projetos de Engenharia (PE) Interpretação

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

O Processo Unificado: Captura de requisitos

O Processo Unificado: Captura de requisitos O Processo Unificado: Captura de requisitos Itana Gimenes Graduação em Informática 2008 Captura de Requisitos Modelagem do negócio: Visão de negócios Modelo de objetos de negócio de negócio Especificação

Leia mais

Uma Abordagem Dinâmica de Linha de Produto para Gestão de Processos de Negócio

Uma Abordagem Dinâmica de Linha de Produto para Gestão de Processos de Negócio Uma Abordagem Dinâmica de Linha de Produto para Gestão de Processos de Negócio Trabalho de Mestrado Roberto dos Santos Rocha (Aluno), Marcelo Fantinato (Orientador) Programa de Pós-graduação em Sistemas

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Introdução! 1. Modelos de Domínio! 1. Identificação de classes conceituais! 2. Estratégia para identificar classes conceituais! 2

Introdução! 1. Modelos de Domínio! 1. Identificação de classes conceituais! 2. Estratégia para identificar classes conceituais! 2 Modelo de domínio Introdução! 1 Modelos de Domínio! 1 Identificação de classes conceituais! 2 Estratégia para identificar classes conceituais! 2 Passos para a elaboração do modelo de domínio! 2 Passo 1

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 5º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 23/04/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

Feature-Driven Development

Feature-Driven Development FDD Feature-Driven Development Descrição dos Processos Requisitos Concepção e Planejamento Mais forma que conteúdo Desenvolver um Modelo Abrangente Construir a Lista de Features Planejar por

Leia mais

Uma Arquitetura de Controle Distribuída para um Sistema de Visão Computacional Propositada.

Uma Arquitetura de Controle Distribuída para um Sistema de Visão Computacional Propositada. Uma Arquitetura de Controle Distribuída para um Sistema de Visão Computacional Propositada. Reinaldo A. C. Bianchi 1 Anna H. R. C. Rillo 2 1 Divisão de Automação e Inteligência Artificial - Laboratório

Leia mais

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS)

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS) AORML uma linguagem para modelagem de uma aplicação Multiagentes: Uma Aplicação no Sistema Expertcop. Hebert de Aquino Nery, Daniel Gonçalves de Oliveira e Vasco Furtado. Universidade de Fortaleza UNIFOR

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis

Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis Visão Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 24/06/12

Leia mais

Introdução. O que é um survey? Projeto de Surveys. Tópicos Especiais em E.S.: Surveys. Cleidson de Souza. representatividade de amostras;

Introdução. O que é um survey? Projeto de Surveys. Tópicos Especiais em E.S.: Surveys. Cleidson de Souza. representatividade de amostras; Introdução Tópicos Especiais em E.S.: Surveys Cleidson de Souza LABES - DI - UFPA cdesouza@ufpa.br! Um dos principais exemplos de pesquisa empírica:! Pesquisas de votos;! Pesquisas de opinião pública;!

Leia mais

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G 1082 X Salão de Iniciação Científica PUCRS UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G Agner Macedo Paiva, Bernardo Copstein (orientador) FACIN, PUCRS, Centro

Leia mais

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online Page 1 of 5 Windows SharePoint Services Introdução a listas Ocultar tudo Uma lista é um conjunto de informações que você compartilha com membros da equipe. Por exemplo, você pode criar uma folha de inscrição

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44 Armazenando Dados em Aplicações Java Parte 2 de 3: Apresentando as opções Hua Lin Chang Costa, hualin@cos.ufrj.br, COPPE/UFRJ. Leonardo Gresta Paulino Murta, leomurta@ic.uff.br, IC/UFF. Vanessa Braganholo,

Leia mais

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional.

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional. O Prêmio Inova+Saúde é uma iniciativa da SEGUROS UNIMED que visa reconhecer as estratégias de melhoria e da qualidade e segurança dos cuidados com a saúde dos pacientes e ao mesmo tempo contribua com a

Leia mais

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação.

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação. ANEXO 11 O MATRIZ Para o desenvolvimento de sites, objeto deste edital, a empresa contratada obrigatoriamente utilizará o framework MATRIZ desenvolvido pela PROCERGS e disponibilizado no início do trabalho.

Leia mais

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com III Jornada Latinoamericana e do Caribe do gvsig Artigo: Integração do software i3geo com o gvsig Autor: Edmar Moretti Resumo: O i3geo é um software para a criação de mapas interativos para internet qu

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais